A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS. Lisboa, 16 de Maio de 2006"

Transcrição

1 APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural CIEJD - Centro de Informação Europeia Jacques Delors CNC - Centro Nacional de Cultura CultDigest - Gestão Cultural A Política Cultural da União Europeia, a Gestão de Projectos Culturais Portugueses e suas Parcerias Europeias A DIMENSÃO CULTURAL DA UNIÃO EUROPEIA NO MUNDO FUNDOS E PROGRAMAS Jorge Cerveira Pinto Lisboa, 16 de Maio de 2006

2 CONTACTOS Jorge Cerveira Pinto Contactos: PORTO Rua Francisco Carqueja, Porto Telefone Fax LISBOA Rua Actor Taborda, 50 1º Lisboa Telefone Fax

3 OBJECTIVOS DA SESSÃO Apresentar os programas da UE específicos para apoio as actividades culturais: programa Cultura 2007 e Media 2007; Referir outros programas transversais relevantes; Apresentar o modelo genérico de instrução de uma candidatura; Identificar problemas e barreiras ao envolvimento de instituições culturais portuguesas em projectos europeus.

4 ESTRUTURA DA SESSÃO Introdução e apresentação A dimensão cultural na União Europeia Principais actividades da UE com relevância para a cultura Principais programas e acções Modelo de decisão e lógicas de funcionamento A participação portuguesa

5 A DIMENSÃO CULTURAL NA UE Aspectos legislativos relevantes: Liberdade de circulação dos profissionais da cultura, liberdade de estabelecimento, liberdade de circulação de serviços e de bens na União Europeia Cultura e fiscalidade Cultura, direitos de autor e direitos conexos Cultura e política de concorrência

6 PRINCIPAIS ACTIVIDADES DA UE COM RELEVÂNCIA PARA A CULTURA Cooperação cultural entre estados-membros Cultura Cultura e audiovisual Cultura e desenvolvimento regional Cultura e recursos humanos Cultura e investigação e desenvolvimento tecnológico Cultura e agricultura Cultura e sociedade da informação Cultura e ambiente Cultura e turismo Cultura e Pequenas e Médias Empresas Outras acções da União Europeia a favor da Cultura (ex. programa de geminação de cidades) Cooperação cultural com os países terceiros e alargamento da UE

7 A DIMENSÃO CULTURAL NA UE A acção da Comunidade cobre quatro domínios: Melhoria do conhecimento e da divulgação da cultura e da história dos povos europeus. Conservação e salvaguarda do património cultural de importância europeia. Intercâmbios culturais não comerciais. Criação artística e literária, incluindo o sector audiovisual.

8 A DIMENSÃO CULTURAL NA UE Áreas de intervenção / actividades Arquitectura Artes Visuais Cinema, audiovisual e media Dança Educação e formação nas artes Livros e leitura Musica Património Teatro Temáticas de acção Cooperação cultural Indústrias culturais Acesso à cultura Os profissionais da cultura Infra-estrutura cultural Diversidade linguística Aspectos de Regulação Relações Internacionais Dialogo Intercultural Diversidade Cultural

9 Cultura 2007 Informações e apoio através do Ponto de Contacto Cultural Media 2007 Informações e apoio através do Media Desk Portugal

10 Programa Cultura 2007 Período de execução: Entre 1 de Janeiro de 2007 e 31 de Dezembro de 2013 Enquadramento financeiro: 408 milhões de euros

11 Objectivo geral PRINCIPAIS PROGRAMAS E ACÇÕES Programa Cultura 2007 Contribuir para a valorização de um espaço cultural comum aos Europeus através do desenvolvimento da cooperação cultural entre criadores, agentes culturais e instituições culturais dos países participantes no programa, a fim de favorecer a emergência de uma cidadania europeia. Objectivos específicos Promover a mobilidade transnacional das pessoas que trabalham no sector cultural; Encorajar a circulação transnacional de obras e produções artísticas e culturais; Incentivar o diálogo intercultural.

12 Programa Cultura 2007 Indicadores utilizados - Objectivo geral Atitude dos beneficiários do programa Indicadores utilizados - Objectivos específicos Promover a mobilidade transnacional das pessoas que trabalham no sector cultural Número de iniciativas que contribuem para a circulação de artistas e outros operadores culturais Número de artistas ou operadores culturais que participam em actividades de circulação no âmbito do projecto Relevância do financiamento comunitário para a circulação

13 Programa Cultura 2007 Indicadores utilizados - objectivos específicos (cont.) Encorajar a circulação transnacional de obras e produções artísticas e culturais Número de iniciativas que contribuem para a circulação de obras de arte e de produtos culturais e artísticos Número de obras de arte e de produtos culturais e artísticos que participam em actividades de circulação no âmbito do programa Relevância do financiamento comunitário para a circulação Incentivar o diálogo intercultural.

14 Programa Cultura 2007 Indicadores utilizados - objectivos específicos (cont.) Incentivar o diálogo intercultural Número de iniciativas que visam especificamente favorecer o diálogo intercultural e promover a diversidade cultural Relevância do financiamento comunitário para a circulação

15 Países elegíveis PRINCIPAIS PROGRAMAS E ACÇÕES Programa Cultura 2007 Países-membro da EU Países da EFTA/EEE Países candidatos que beneficiem de uma estratégia de préadesão, conforme os termos nela definidos Países dos Balcãs Ocidentais, em conformidade com os acordos-quadro celebrados Países terceiros que tenham celebrado com a EU acordos de associação ou de cooperação que incluam cláusulas culturais Cooperação com organismos internacionais

16 Programa Cultura º domínio de acção do programa Apoio a acções culturais; Pólos de cooperação Acções de cooperação Acções especiais Apoio a organismos activos no plano europeu no domínio da cultura e a acções que visem salvaguardar e comemorar os principais locais e arquivos ligados ás deportações, simbolizados por monumentos erguidos nos antigos campos de concentração e noutros locais de martírio e exterminação em massa de civis e que procurem preservar a memória das vítimas nesses locais; Apoio a trabalhos de análise e à recolha e divulgação de informação no domínio da cooperação cultural.

17 Programa Cultura º domínio de acção do programa Pólos de cooperação Pelo menos 6 operadores de 6 países diferentes Comparticipação máxima de euros por ano 50% Operadores de um ou vários sectores Apoio concedido durante um período de 5 anos Devem corresponder, pelo menos, a dois objectivos específicos.

18 Programa Cultura º domínio de acção do programa Acções de cooperação Pelo menos 4 operadores de 3 países diferentes Comparticipação entre a euros 50% Operadores de um ou vários sectores Apoio concedido durante um período máximo de 12 meses

19 Programa Cultura º domínio de acção do programa Acções especiais Dimensão e envergadura consideráveis; produzem impactos significativos e reforçam o sentimento de pertença a uma comunidade; sensibilizam para a diversidade cultural e promovem o diálogo intercultural e internacional; contribuem para uma maior visibilidade da acção comunitária e promovem a expansão cultural do continente. Comparticipação máxima de 60% do orçamento do projecto Devem corresponder, pelo menos, a dois objectivos específicos. Ex. capitais europeias da cultura; prémios; acções de cooperação com os países terceiros e organismos internacionais.

20 Programa Cultura º domínio de acção do programa Apoio ao funcionamento de organismos de interesse cultural europeu Subvenção de funcionamento destinada a co-financiar as despesas ligadas ao programa de trabalho permanente de um organismo que prossiga um objectivo de interesse geral europeu. Potencialmente uma presença em todos os países da EU, ou pelo menos, em sete países europeus. A subvenção de funcionamento é até 80% das despesas elegíveis.

21 Programa Cultura º domínio de acção do programa Apoio a acções com vista a proteger e a comemorar os principais locais e arquivos ligados às deportações Subvenção destinada a co-financiar uma acção pontual no domínio da cultura

22 Programa Cultura º domínio de acção do programa Apoio a trabalhos de análise e à recolha e divulgação de informação no domínio da cooperação cultural Apoio a trabalhos de análise no domínio da cooperação cultural Apoio à recolha e divulgação de informação no domínio da cooperação cultural (especialmente através da utilização da internet) Apoio aos pontos de contacto culturais

23 Programa Cultura 2007 Repartição do orçamento global Percentagem do orçamento Domínio de acção 1 (apoio a Cerca 77% projectos): - pólos de cooperação Cerca de 36% - acções de cooperação Cerca de 24% - acções especiais Cerca de 17% Domínio de acção 2 (apoio a organismos) Domínio de acção 3 (análise e informação) Total das despesas operacionais Cerca de 92% Cerca de 10% Cerca de 5%

24 Últimos resultados do Cultura 2000 Projectos a realizar em 2006 Orçamento total Projectos Anuais Projectos Plurianuais 14.5 Meuros 13.5 Meuros 28 Meuros

25 Últimos resultados do Cultura 2000 Projectos a realizar em 2006 Acordos anuais de cooperação (orçamento aproximado ) -50 acções especificas, inovadores e/ou experimentais no domínio do património; -20 acções especificas, inovadores e/ou experimentais no domínio das artes visuais; -50 acções especificas, inovadores e/ou experimentais no domínio das artes performativas; -10 acções especificas, inovadores e/ou experimentais no domínio dos livros e leitura; -10 projectos que envolvam países terceiros. Traduções -50 projectos de tradução de obras literárias (ficção) de autores europeus, escritas depois de Acordos plurianuais de cooperação (orçamento aproximado ) -7 acordos de cooperação no domínio do património; -3 acordos de cooperação no domínio das artes visuais; -7 acordos de cooperação no domínio das artes performativas; -2 acordos de cooperação no domínio dos livros e leitura.

26 Programa Cultura 2007 Ter em atenção que os critérios principais de avaliação, incluem: Qualidade dos projectos Dimensão dos projectos em termos do número e dispersão dos participantes Projectos que contribuam de facto para aumentar a mobilidade dos artistas e/ou dos operadores da área cultural Projectos que garantam uma dessiminação das suas actividades junto dos cidadãos através de formas de comunicação apropriadas. Responsáveis pela avaliação: júris independentes de especialistas

27 Programa Cultura 2007 Conceito de valor acrescentado europeu das acções culturais: Pode ser identificado e avaliado cumulativamente através dos seguintes pontos: i) acções que incentivem a cooperação entre Estados-Membros; ii) acções que tenham uma clara natureza multilateral; iii) acções cujos objectivos e efeitos sejam mais eficazmente alcançados a nível comunitário do que a nível dos Estados-Membros; iv) acções que se dirijam, alcancem e beneficiem primordialmente os cidadãos europeus e que, para além disso, reforcem o conhecimento recíproco das suas culturas; v) acções destinadas a ser sustentáveis e a constituir um contributo de longo prazo para o desenvolvimento da cooperação, da integração e das culturas na Europa; vi) acções destinadas a ter uma ampla visibilidade e acessibilidade.

28 Programa Cultura 2007 Qualidade dos projectos: 1. Os projectos devem demonstrar a sua qualidade de forma consistente através: do nível de cooperação entre os parceiros da natureza e metodologia proposta da clareza do orçamento da consistência do modelo de gestão; e da originalidade da abordagem proposta. 2. Igualmente os responsáveis do projecto deverão ser capazes de demonstrar a sua capacidade de o executarem e de o concluírem com sucesso.

29 Programa Cultura 2007 Factores relevantes para a avaliação da qualidade dos projectos: grau de envolvimento de cada parceiro, na concepção, implementação e financiamento do projecto; a relevância das acções propostas para os objectivos do programa e dos objectivos específicos, definidos anualmente no convite a apresentação de propostas; o conhecimento e experiência dos parceiros envolvidos na gestão e implementação do projecto; a relevância das acções propostas para o(s) público(s)-alvo e o impacto no público em geral; a relação entre as acções propostas, o orçamento e os recursos humanos disponíveis para a implementação do projecto; a clareza do orçamento, em termos da sua demonstração, relação com as actividades propostas e parceiros envolvidos.

30 Programa Media 2007 Período de execução: Entre 1 de Janeiro de 2007 e 31 de Dezembro de 2013 Enquadramento financeiro: milhões de euros

31 Programa Media 2007 Objectivos globais Preservar e valorizar a diversidade cultural europeia e o seu património cinematográfico e audiovisual, garantir o seu acesso aos cidadãos europeus e fomentar o diálogo intercultural; Aumentar a circulação de obras audiovisuais europeias dentro e fora da União Europeia; Reforçar a competitividade do sector audiovisual europeu no quadro de um mercado aberto e competitivo.

32 Programa Media 2007 Para a realização dos objectivos o programa intervém apoiando: A montante da produção audiovisual: a aquisição e o aperfeiçoamento de competências no domínio audiovisual e a criação de obras audiovisuais europeias; A jusante da produção audiovisual: a distribuição e a promoção de obras audiovisuais europeias; Projectos-piloto destinados a assegurar a adaptação do programa à evolução do mercado.

33 Prioridades horizontais PRINCIPAIS PROGRAMAS E ACÇÕES Programa Media 2007 A importância do processo criativo no sector audiovisual europeu, devendo o valor cultural do património cinematográfico e audiovisual ser integrado nas acções propostas; O reforço das estruturas de produção das PMEs, que constituem o cerne do sector audiovisual europeu, como meio de aumentar a sua competitividade; Reduzir, no mercado audiovisual europeu, os desequilíbrios entre países com elevada capacidade de produção e os países com reduzida capacidade de produção ou de área linguística restrita; Acompanhar e apoiar os desenvolvimentos do mercado no que se refere ao emprego da tecnologia digital.

34 Programa Media 2007 Intervenções e objectivos específicos Pré-produção Aquisição e aperfeiçoamento de competências no domínio audiovisual 1. Reforçar as competências dos profissionais europeus do sector audiovisual nos domínios do desenvolvimento, da produção, da distribuição/difusão e da promoção, a fim de melhorar a qualidade e o potencial das obras audiovisuais europeias.» Técnicas de redacção de argumentos» Gestão económica, financeira e comercial da produção, da distribuição, da comercialização e da promoção das obras audiovisuais» Tomada em consideração a montante das tecnologias digitais para a produção, a pós-produção, a distribuição, a exploração e arquivamento dos programas audiovisuais

35 Programa Media 2007 Intervenções e objectivos específicos (cont.) Pré-produção Aquisição e aperfeiçoamento de competências no domínio audiovisual 2. Melhorar a dimensão europeia das acções de formação audiovisual» Apoio à ligação em rede dos agentes europeus da formação (escolas de cinema europeias, institutos de formação, parceiros do sector audiovisual)» Formação dos formadores» Apoio a percursos individuais de formação» Organização de acções de coordenação e de promoção dos organismos apoiados no quadro das acções relativas ás técnicas de redacção de argumentos» Permitir através da atribuição de bolsas, aos profissionais oriundos dos novos Estados-Membros participar nas acções de formação

36 Programa Media 2007 Intervenções e objectivos específicos (cont.) Desenvolvimento Apoiar o desenvolvimento de projectos de produção destinados ao mercado europeu e internacional, apresentados por companhias de produção independentes. Apoiar a elaboração de planos de financiamento para as companhias e projectos europeus, incluindo a montagem financeira de co-produções.

37 Programa Media 2007 Intervenções e objectivos específicos (cont.) Pós-produção Distribuição e difusão Reforçar o sector da distribuição europeia Melhorar a circulação dos filmes europeus não-nacionais nos mercados europeu e internacional Promover a difusão transnacional das obras audiovisuais europeias Incentivar a digitalização das obras audiovisuais europeias Incitar as salas a explorar as possibilidades oferecidas pela distribuição em formato digital Promoção Melhorar a circulação das obras audiovisuais europeias Melhorar o acesso do público europeu e internacional Encorajar acções comuns entre organismos nacionais de promoção de filmes e de programas audiovisuais Encorajar acções de promoção do património cinematográfico e audio-visual europeu

38 Países elegíveis PRINCIPAIS PROGRAMAS E ACÇÕES Países-membro da EU Países da EFTA/EEE Programa Media 2007 Países candidatos que beneficiem de uma estratégia de préadesão, conforme os termos nela definidos Países dos Balcãs Ocidentais, em conformidade com os acordos-quadro celebrados Países terceiros que tenham celebrado com a EU acordos de associação ou de cooperação que incluam cláusulas culturais Países partes na Convenção do Conselho da Europa sobre televisão transfronteiras

39 Programa Media 2007 Disposições financeiras Os beneficiários do programa podem ser pessoas singulares. Consoante a natureza da acção, as ajudas financeiras poderão assumir a forma de subvenções ou de bolsas. As ajudas financeiras não podem ir além de 50% dos custos definitivos das operações apoiadas. Em situações excepcionais as ajudas financeiras podem ir até 75%.

40 Programa Media 2007 A participação da União Europeia no Observatório Europeu do Audiovisual faz parte integrante do presente programa contribuindo para a consecução dos seguintes objectivos: Favorecer a transparência do mercado e assegurar o acesso dos operadores ás estatísticas e á informação financeira e jurídica, reforçando com isso a competitividade e o desenvolvimento do sector audiovisual europeu. Permitir um melhor acompanhamento e propiciando a sua avaliação.

41 SUBMISSÃO DAS CANDIDATURAS Avaliação (a leitura de Bruxelas os burocratas) (1) A candidatura foi apresentada no prazo? A candidatura está devidamente assinada pelos parceiros? O orçamento está conforme as normas e é equilibrado? Os parceiros são oriundos dos países elegíveis? Os estatutos legais dos parceiros estão conformes? O projecto inicia-se e termina no prazo legalmente estipulado pelo programa?

42 SUBMISSÃO DAS CANDIDATURAS Avaliação (a leitura de Bruxelas os especialistas) (2) Os objectivos do projecto e as prioridades do programa Descrição clara do contributo de cada um dos parceiros Grupos alvo específicos ou objectivos Conceitos inovadores Dimensão europeia e demonstração clara da importância do contributo financeiro da União Qualidade dos promotores e organizadores Organização da candidatura Orcamentação realista e razoável Documentação de apoio (por exemplo, manifestações de interesse, cartas de compromisso) Sumário executivo em inglês e francês

43 MODELO DE DECISÃO

44 MODELO DE DECISÃO Orçamentação e apresentação alguns cuidados Distribuição equitativa do risco financeiro pelos parceiros Controlo orçamental e equilíbrio custos-benefícios Gestão de tesouraria: controlo de custos e de receitas Honestidade e criatividade Seguir escrupulosamente as regras de preenchimento Custos directos e custos indirectos Evitar rubricas indefinidas, tipo vários, outros custos

45 MODELO DE DECISÃO Razões exclusão de projectos Programa Cultura 2000 Submetido por indivíduos ou situações em que os beneficiários são indivíduos Inicio do projecto antes/depois da data definida pelo programa Comercial ou orientado para o lucro Financiado por outros programas da EU Orçamentação pouco detalhada Submetido em formulário não oficial Candidatura enviada por telefax, ou escrita à mão Candidatura recebida fora de prazo Não especificação da categoria ou tema do projecto Número mínimo de parceiros não respeitado Qualidade dos parceiros: países participantes, países terceiros

46 A PARTICIPAÇÃO PORTUGUESA Barreiras identificadas relativamente à participação portuguesa em projectos da EU: Dificuldade em estabelecer parcerias Dificuldade em planear os projectos com antecedência Capacidade financeira reduzida Desconhecimento dos programas, dos decisores e dos procedimentos Falta de preparação técnica dos profissionais da cultura Dificuldade em inovar Fontes de financiamento alternativas e complementares Profissionalização

47 ULTIMAS CONSIDERAÇÕES... Em conclusão: A maioria dos financiamentos Europeus para a cultura são de programas não dedicados à cultura. Pensar horizontal os projectos devem ter relevância para outros sectores. Os programas exigem parceiros e parcerias. Os parceiros devem ser parte integrante do projecto. Procurar sinergias entre programas, atraindo verbas de diferentes áreas. Os projectos normalmente exigem equilíbrio de fundos e diversificação de fontes. Planeamento sério e atempado. As candidaturas devem respeitar escrupulosamente as normas exigidas. Objectivos e palavras-chave. O nosso projecto é uma publicidade? Não esquecer: os fundos podem demorar a chegar

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

de 9 de Março de 2005

de 9 de Março de 2005 24.3.2005 PT Jornal Oficial da União Europeia L 79/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. O 456/2005/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 9 de Março de 2005 que

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades REGULAMENTO: PARTIS - PRÁTICAS ARTÍSTICAS PARA INCLUSÃO SOCIAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito e finalidades 1. A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo a apoiar ao longo dos anos diversas

Leia mais

Projectos de I&DT Empresas Individuais

Projectos de I&DT Empresas Individuais 1 Projectos de I&DT Empresas Individuais Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projectos de I&DT Empresas Dezembro de 2011 2 s Enquadramento Aviso n.º 17/SI/2011

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO. Preambulo

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO. Preambulo REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO Preambulo O movimento associativo corresponde a uma afirmação cultural dos valores nacionais que deve ser valorizado, defendido e promovido, na medida em que

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Como construir uma DLA?

Como construir uma DLA? Como construir uma DLA? Conteúdo Como construir uma DLA?... 2 Introdução... 2 Metodologia DLA... 3 1.Preparação da DLA... 3 2.Planeamento da DLA... 6 2.1. Avaliação do estado actual... 6 2.3. Desenvolvimento

Leia mais

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu RESUMO Ao longo dos séculos, as bibliotecas, os arquivos e os museus em toda a

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.2.2009 COM(2009) 64 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

A parte restante do presente Memorando de Entendimento expõe em pormenor o modo de concretizar esta lista de propósitos.

A parte restante do presente Memorando de Entendimento expõe em pormenor o modo de concretizar esta lista de propósitos. Memorando de Entendimento da Plataforma de Diálogo entre Partes Interessadas da UE sobre o acesso a obras por parte das pessoas com incapacidade de leitura de material impresso Dan Pescod (em nome da União

Leia mais

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 O presente documento tem por objectivo dar um contributo

Leia mais

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal Anexos. Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal e dos Portugueses ordem dos arquitectos. manifesto para as eleições legislativas 2011. maio 2011 Anexos Arquitectura: Recurso Estratégico de Portugal

Leia mais

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo [Página 1 capa] Utilizar da melhor forma os fundos estruturais URBAN II Em apoio do comércio e do turismo O que é e sugestões para candidaturas a projectos bem sucedidas Com esta publicação, a DG Empresa

Leia mais

PUBLIC 11386/02 Dossier interinstitucional: 2001/0123 (CNS)

PUBLIC 11386/02 Dossier interinstitucional: 2001/0123 (CNS) Conseil UE CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 9 de Agosto de 2002 (09.08) (OR. en) PUBLIC 11386/02 Dossier interinstitucional: 2001/0123 (CNS) LIMITE RECH 140 ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade.

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade. Reitoria Circular RT-05/2009 Programa Qualidade 2009 Apesar dos constrangimentos financeiros impostos pelo orçamento atribuído para 2009, é importante garantir que são apoiadas as experiências e os projectos

Leia mais

3º Programa de Saúde 2014-2020

3º Programa de Saúde 2014-2020 2014-2020 1. Enquadramento estratégico 2. Apresentação 3. Objetivos gerais 4. Prioridades temáticas 5. Ações 6. Beneficiários 7. Tipos de subvenção 8. Regras de financiamento 9. Critérios de elegibilidade

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo]

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] 1. ENQUADRAMENTO Ao longo de 2009 consolidou-se em Portugal o reconhecimento de que

Leia mais

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 1. Participação, Cultura e Criatividade Existem diferentes formas de participação na democracia e várias formas de utilização do programa Juventude

Leia mais

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português Lisboa, 25 de fevereiro 2015 1 Considerando que: 1. O Turismo é uma atividade estratégica para a economia

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Capitais Públicos e Capitais Privados no Mercado Interno: Assegurar um Ambiente Equitativo para Empresas Públicas e Privadas Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt XXIV Congresso FIDE Madrid 2010 Arial Bold

Leia mais

Questionário sobre a aplicação da Recomendação do Parlamento Europeu. 1. Quadro 1 instituições que gerem o património cinematográfico

Questionário sobre a aplicação da Recomendação do Parlamento Europeu. 1. Quadro 1 instituições que gerem o património cinematográfico Ref. Ares(2014)21497-08/01/2014 Questionário sobre a aplicação da Recomendação do Parlamento Europeu Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema, I.P. (CP-MC) 1. Quadro 1 instituições que gerem o património

Leia mais

A República Portuguesa e a República Democrática e Popular da Argélia, doravante designadas «as Partes»:

A República Portuguesa e a República Democrática e Popular da Argélia, doravante designadas «as Partes»: Decreto n.º 3/2006 Aprova o Acordo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Democrática e Popular da Argélia nas Áreas da Educação, do Ensino Superior e da Investigação Científica, da Cultura,

Leia mais

PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Um Projecto de Internacionalização do Sector

PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Um Projecto de Internacionalização do Sector Em colaboração com: PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Um Projecto de Internacionalização do Sector Lisboa, 18 de Fevereiro de 2011 Francisco Nunes Correia Portugal tem um tecido diversificado e maduro de

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PATRIMÓNIO CULTURAL ENTRADA EM VIGOR EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC.

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC. O presente resumo não dispensa a consulta dos respectivos diplomas legais, referentes a cada um dos programas. A sua leitura e análise é essencial para o devido enquadramento de cada caso específico. RFAI

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando o seu compromisso com a plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais proclamadas na Declaração

Leia mais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais Programa Horizon 2020 Fonte: Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece as Regras de Participação e Difusão relativas ao «Horizonte 2020 Programa-Quadro de Investigação

Leia mais

Medidas específicas para as PME Concessão de verbas na fase exploratória (Etapa 1)

Medidas específicas para as PME Concessão de verbas na fase exploratória (Etapa 1) Comissão Europeia Investigação Comunitária Brochura informativa QUINTO PROGRAMA-QUADRO DE ACÇÕES DA COMUNIDADE EUROPEIA EM MATÉRIA DE INVESTIGAÇÃO, DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E DE DEMONSTRAÇÃO PROPOSTA

Leia mais

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro O PRODESCOOP - Programa de Desenvolvimento Cooperativo, criado pela Portaria n.º 52-A/99, de 22 de Janeiro, partindo do reconhecimento da especificidade do sector

Leia mais

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA APRESENTAÇÃO DOS 04 (QUATRO) EIXOS A SEREM DISCUTIDOS NA CONFERÊNCIA EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Foco Nacional: Impactos da Emenda Constitucional

Leia mais

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde FIC - Feira Internacional de Cabo Verde Cabo Verde 19 a 22 de Novembro de 2009 Enquadramento A aicep Portugal Global, no âmbito do Quadro de Referência Estratégica Nacional, propõe-se dinamizar a presença

Leia mais

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS

INVESTIR EM I&D - PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS CIÊNCIA E INOVAÇÃO -PLANO PLANO DE ACÇÃO PARA PORTUGAL ATÉ 2010 - NOVA TIPOLOGIA DE PROJECTOS 1 ENQUADRAMENTO - I - Os objectivos delineados na Estratégia de Lisboa e as conclusões do Conselho de Barcelona,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS Preâmbulo Considerando a missão do INR, I.P., enquanto organismo público, de assegurar o planeamento, execução e

Leia mais

PROJECTO PME SOCIAL O PROJECTO PME SOCIAL

PROJECTO PME SOCIAL O PROJECTO PME SOCIAL O Sensibilizar e incentivar as empresas a assumirem uma postura social, ambiental e energética mais responsável, adoptando medidas e estratégias de actuação mais eficientes e sustentáveis. Pretende-se

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ECONOMIA DIGITAL E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO - ENTRADA EM VIGOR

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental.

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental. Regulamento PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1º Âmbito 1. O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe a dinamização de um concurso de ideias, denominado Concurso 50/50, destinado

Leia mais

inovar Ajudamos http://www.adi.pt

inovar Ajudamos http://www.adi.pt Ajudamos a inovar http://www.adi.pt Promover a inovação e o desenvolvimento tecnológico facilitando o aprofundamento das relações entre o mundo da investigação e o tecido empresarial português A Agência

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 ESPACE 19 COMPET 390 RECH 392 IND 161 TRANS 349 ENER 343 REGIO 95 ECOFIN 759 CODUN 47 ENV 804 EDUC 213 RESULTADO DOS TRABALHOS

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO NOTA JUSTIFICATIVA O associativismo seja de carácter desportivo, cultural ou juvenil, apresenta-se como uma importante dimensão da vida das comunidades

Leia mais

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Entidade Contratante: Delegação da União Europeia em Moçambique Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Orientações destinadas aos requerentes de subvenções CORRIGENDUM Concurso restrito

Leia mais

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira 1 de 9 Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira PREÂMBULO O Hospital Vila Franca de

Leia mais

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa da União Europeia na área de Ciência e Tecnologia Construir o futuro da Ciência e da

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO III PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS (RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL)

EIXO PRIORITÁRIO III PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS (RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO III PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS (RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL) OOOOOOOOO 17 de Março de 2008 AVISO PARA

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EACEA 32/2014 : Projetos de cooperação europeia Execução das ações do subprograma «Cultura»: projetos de cooperação

Leia mais

Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade. das Indústrias Criativas. da Universidade de São José

Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade. das Indústrias Criativas. da Universidade de São José Correspondente especial Vanessa Amaro www.usj.edu.mo Formar talentos para contribuir para o sucesso das indústrias criativas em Macau Entrevista Álvaro Barbosa, Director da Faculdade das Indústrias Criativas

Leia mais

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu Nuno Teixeira CCDR-LVT 26.Novembro.2010 A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu 1 ÍNDICE I. A coesão no espaço europeu II. O Tratado

Leia mais

Concurso de 2013 ANEXO XV PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ANUAL À REALIZAÇÃO DE FESTIVAIS EM TERRITÓRIO NACIONAL

Concurso de 2013 ANEXO XV PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ANUAL À REALIZAÇÃO DE FESTIVAIS EM TERRITÓRIO NACIONAL 1 ANEXO XV PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO ANUAL À REALIZAÇÃO DE FESTIVAIS EM TERRITÓRIO NACIONAL 1. Candidatos e beneficiários Podem candidatar-se e beneficiar as pessoas coletivas inscritas no ICA que tenham

Leia mais

Mobilidade - Estágios e Intercâmbios Guia Específico 2003-2004

Mobilidade - Estágios e Intercâmbios Guia Específico 2003-2004 Programa Leonardo da Vinci - Portugal 1 PARTE I CONTEXTO A medida Mobilidade do programa Leonardo da Vinci 1 prevê a concessão de apoio à mobilidade transnacional das pessoas em formação profissional,

Leia mais

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Março 2015 (FEDER, Fundo de Coesão, FSE, FEADER e FEAMP) DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Enquadramento. Sistema de Incentivos para o Desenvolvimento Regional dos Açores SIDER

Enquadramento. Sistema de Incentivos para o Desenvolvimento Regional dos Açores SIDER Enquadramento Sistema de Incentivos para o Desenvolvimento Regional dos Açores SIDER Constitui o quadro legal de referência dos incentivos financeiros ao investimento privado para o Quadro de Referência

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 9.3.2004 COM(2004) 154 final. COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Para uma cidadania efectiva: promover a cultura e a diversidade europeias através de programas no domínio

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal nas áreas da cultura, da acção social, das actividades

Leia mais

Selo Europeu para as Iniciativas Inovadoras na Área do Ensino/Aprendizagem das Línguas

Selo Europeu para as Iniciativas Inovadoras na Área do Ensino/Aprendizagem das Línguas Selo Europeu para as Iniciativas Inovadoras na Área do Ensino/Aprendizagem das Línguas (16ª edição) REGULAMENTO Preâmbulo Encorajar mais pessoas a aprender mais línguas tem uma importância óbvia para a

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Centro de Informação Europeia Jacques Delors. Oferta formativa

Centro de Informação Europeia Jacques Delors. Oferta formativa Oferta formativa 2009/2010 Centro de Informação Europeia Jacques Delors DGAE / Ministério dos Negócios Estrangeiros Curso de Formação «A Cidadania Europeia e a Dimensão Europeia na Educação» Formação acreditada,

Leia mais

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2014 Refª: 148 Janela 1750 Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

O que é o concurso EUemPT?

O que é o concurso EUemPT? O que é o concurso EUemPT? O concurso EUemPT, uma atividade educativa sobre a UE, é uma iniciativa da Comissão Europeia, promovida pelo Centro de Informação Europeia Jacques Delors, concebida e implementada

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 PREÂMBULO Compete ao município promover acções de interesse municipal, de âmbito cultural, social, recreativo e outros, e exercer um papel dinamizador junto

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE ATUALIZAÇÃO DO EDIC - ESTUDO DIAGNÓSTICO SOBRE A INTEGRAÇÃO DO COMÉRCIO DE CABO VERDE CONVITE / CONCURSO I. ENQUADRAMENTO Cabo Verde é beneficiário

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Breve caracterização da Direção-Geral das Artes... 3 1.2 Missão, Visão, Valores... 5 1.3 Identificação das Partes Interessadas... 5 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 55/2012 de 6 de setembro. CAPÍTULO I Disposições gerais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 55/2012 de 6 de setembro. CAPÍTULO I Disposições gerais Lei n.º 55/2012, de 6 de setembro - Lei do cinema e das atividades cinematográficas e audiovisuais ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 55/2012 de 6 de setembro Estabelece os princípios de ação do Estado no

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

PROGRAMA DE INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO EM MATÉRIA DE DROGA (2007-20013) CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS 2007 (PROGRAMAS ESPECÍFICOS TRANSNACIONAIS)

PROGRAMA DE INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO EM MATÉRIA DE DROGA (2007-20013) CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS 2007 (PROGRAMAS ESPECÍFICOS TRANSNACIONAIS) PROGRAMA DE INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO EM MATÉRIA DE DROGA (2007-20013) CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS 2007 (PROGRAMAS ESPECÍFICOS TRANSNACIONAIS) Este convite à apresentação de propostas tem por objectivo

Leia mais

Parecer do Comité das Regiões Parceria entre zonas urbanas e rurais e respetiva governação (2013/C 356/03)

Parecer do Comité das Regiões Parceria entre zonas urbanas e rurais e respetiva governação (2013/C 356/03) 5.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 356/9 Parecer do Comité das Regiões Parceria entre zonas urbanas e rurais e respetiva governação (2013/C 356/03) O COMITÉ DAS REGIÕES reconhece que há barreiras

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 FICHA TÉCNICA INOVAR 2020 Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 Introdução O INOVAR 2020, Sistema de Incentivos

Leia mais

Banco Europeu de Investimento Actividade na União Europeia e em Portugal

Banco Europeu de Investimento Actividade na União Europeia e em Portugal Artigo 07/2010 Banco Europeu de Investimento. Actividade na União Europeia e em Portugal Banco Europeu de Investimento Actividade na União Europeia e em Portugal Anabela Silva Resumo Pretende-se com este

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

RESUMO QUALIDADE DE VIDA E GESTÃO DOS RECURSOS VIVOS

RESUMO QUALIDADE DE VIDA E GESTÃO DOS RECURSOS VIVOS RESUMO QUALIDADE DE VIDA E GESTÃO DOS RECURSOS VIVOS A ciência e a tecnologia apresentam um enorme potencial de criação de riqueza para a Comunidade Europeia e os seus Estados-Membros, de contribuições

Leia mais

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Aprovado em Reunião de Câmara de 24 de Janeiro de 2001 Índice 1º. Introdução 2º. Objectivos 3º. Áreas de Acção 4º. Tipos de Apoio 5º. Metodologia da Apresentação

Leia mais

PROJETOS DE INVESTIMENTO AGROALIMENTARES

PROJETOS DE INVESTIMENTO AGROALIMENTARES SOMOS PROJETOS DE INVESTIMENTO AGROALIMENTARES - AÇÃO 3.2.1 PDR2020 - - B r o c h u r a I n f o r m a t i v a Mod. MKT-CON-P321.v01.2/15 Regibio - Formação e Consultadoria, Lda. SEDE: Largo de São Tiago,

Leia mais

PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS DOMÍNIO - RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL

PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS DOMÍNIO - RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO III PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS DOMÍNIO - RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL CÓDIGO DO AVISO: POVT-34-2010-39

Leia mais

Polónia-Varsóvia: Sistema de gestão de recursos digitais/de meios de comunicação 2013/S 183-314891. Anúncio de concurso. Serviços

Polónia-Varsóvia: Sistema de gestão de recursos digitais/de meios de comunicação 2013/S 183-314891. Anúncio de concurso. Serviços 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:314891-2013:text:pt:html Polónia-Varsóvia: Sistema de gestão de recursos digitais/de meios de comunicação 2013/S 183-314891

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 14.7.2004 COM(2004) 471 final 2004/0152 (COD) Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que cria o programa 'JUVENTUDE EM ACÇÃO' para o período

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROGRAMA DE APOIO ÀS PESSOAS COLECTIVAS

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital

O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital É próprio das obras literárias e artísticas poderem ser utilizadas por públicos de qualquer nacionalidade. As barreiras linguísticas,

Leia mais

4. Indicadores de desenvolvimento sustentável

4. Indicadores de desenvolvimento sustentável 4. es de desenvolvimento sustentável para o Município de Fronteira 1. Os indicadores de desenvolvimento sustentável são instrumentos de monitorização do caminho que é percorrido desde a situação existente,

Leia mais

MESTRADO EM ARTES VISUAIS INTERMÉDIA ESCOLA DE ARTES DAVD 01/08 MESTRADO ARTES VISUAIS INTERMÉDIA 2010-2012

MESTRADO EM ARTES VISUAIS INTERMÉDIA ESCOLA DE ARTES DAVD 01/08 MESTRADO ARTES VISUAIS INTERMÉDIA 2010-2012 MESTRADO EM ARTES VISUAIS INTERMÉDIA ESCOLA DE ARTES DAVD 01/08 MESTRADO ARTES VISUAIS EM INTERMÉDIA 2010-2012 MESTRADO EM ARTES VISUAIS INTERMÉDIA ESCOLA DE ARTES DAVD 02/08 ORGANIZAÇÃO Universidade de

Leia mais

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho

CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA. Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66. OTA Secretariado-Geral do Conselho CO SELHO DA U IÃO EUROPEIA Bruxelas, 3 de Outubro de 2011 (06.10) (OR.en) 14552/11 SOC 804 JEU 53 CULT 66 OTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações n.º doc. ant.: 14061/1/11 REV 1 SOC 759

Leia mais

Artigo 1.º. Âmbito e objeto

Artigo 1.º. Âmbito e objeto PROJETO DE REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA A SELEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO E SUA INTEGRAÇÃO NO ROTEIRO NACIONAL DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO DE INTERESSE ESTRATÉGICO Artigo 1.º

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: Seguro contra incêndios e riscos conexos do parque imobiliário e do seu conteúdo 2013/S 131-225564. Anúncio de concurso

Luxemburgo-Luxemburgo: Seguro contra incêndios e riscos conexos do parque imobiliário e do seu conteúdo 2013/S 131-225564. Anúncio de concurso 1/10 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:225564-2013:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Seguro contra incêndios e riscos conexos do parque imobiliário e do

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL O Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), que define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Hungria Condições Legais de Acesso ao Mercado Dezembro 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

Medidas de apoio à inovação

Medidas de apoio à inovação Medidas de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Rede INOVAR The Portuguese Agro, Food and Forest Innovation Network Rede

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DG EMPREGO E ASSUNTOS SOCIAIS. Segurança Social e Integração Social Análise social e demográfica

COMISSÃO EUROPEIA DG EMPREGO E ASSUNTOS SOCIAIS. Segurança Social e Integração Social Análise social e demográfica COMISSÃO EUROPEIA DG EMPREGO E ASSUNTOS SOCIAIS Segurança Social e Integração Social Análise social e demográfica Projectos de cooperação e intercâmbio concebidos para melhorar a mobilidade dos idosos

Leia mais

Concurso de Design Criação de cartaz REGULAMENTO

Concurso de Design Criação de cartaz REGULAMENTO Concurso de Design Criação de cartaz REGULAMENTO 1. Introdução O presente concurso, destinado à apresentação de projectos de criação de um cartaz original, é uma iniciativa da Associação 25 de Abril (doravante

Leia mais

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento Normas Orientadoras BAIRRO Co-financiamento Índice Capítulo I - Âmbito...1 Artigo 1.º - Objecto...1 Artigo 2.º - Definições...1 Artigo 3º - Apelos Bairro 21...1 Artigo 4.º - Objectivos dos Apelos Bairro

Leia mais

Guia para o Plano de comunicação e visibilidade dos Projetos financiados pela União Europeia em Cabo Verde

Guia para o Plano de comunicação e visibilidade dos Projetos financiados pela União Europeia em Cabo Verde UNIÃO EUROPEIA DELEGAÇÃO NA REPÚBLICA DE CABO VERDE Guia para o Plano de comunicação e visibilidade dos Projetos financiados pela União Europeia em Cabo Verde 1 P a g e Visibilidade e comunicação são dois

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais