Sumário. 1 A pirâmide social brasileira: 3 As aspirações e os desejos. 4 Um povo cada vez mais otimista As diferenças regionais:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário. 1 A pirâmide social brasileira: 3 As aspirações e os desejos. 4 Um povo cada vez mais otimista...26. 5 As diferenças regionais:"

Transcrição

1 Sumário 1 A pirâmide social brasileira: uma mudança à vista?...4 Renda familiar e renda disponível: as classes DE chegam ao ponto de equilíbrio As aspirações e os desejos de consumo do brasileiro Um povo cada vez mais otimista As diferenças regionais: o Nordeste cresce e aparece...34 O Barômetro

2 O Barômetro Metodologia da pesquisa Os dados foram coletados através de entrevistas, pessoais e domiciliares, realizadas entre os dias 3 e 12 de dezembro de A amostra foi probabilística com cota, representativa do eleitorado brasileiro. As cotas de sexo, idade, educação, atividade econômica e região são baseadas em dados oficiais do IBGE (PNAD 2005 e TSE 2004). Foram selecionadas 70 cidades e 9 regiões metropolitanas. Tais unidades primárias fazem parte do Sample Frame IPSOS-Opinion. A amostra desenhada foi proporcional à população brasileira e tem margem de erro de ±3 pontos percentuais a 95% de intervalo de confiança. Definição das classes As classes sociais utilizadas para este estudo são as classes definidas pelo CCEB Critério de Classificação Econômica Brasil. O CCEB comumente tratado por Critério Brasil estima o poder de compra dos indivíduos e famílias urbanas, classificando-os por classes econômicas (A1, A2, B1, B2, C, D, E). O Critério Brasil é fornecido pela ABEP Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. O Barômetro 3

3 1 A pirâmide social brasileira: uma mudança à vista? 4 O Barômetro

4 8 milhões de pessoas deixaram de pertencer às classes de consumo DE e passaram para níveis superiores de consumo. O Barômetro 5

5 Há mais de 130 milhões de consumidores com idade superior a 16 anos. Em somente um ano o Brasil mudou muito. Não é algo que seja imediatamente visível a olho nu, mas, é inequivocamente claro nos números. Oito milhões de pessoas deixaram de pertencer às classes de consumo DE e passaram para níveis superiores de consumo. A classe C aumentou em pouco mais de 4 milhões de pessoas, e as classes AB receberam quase 6 milhões e 400 mil pessoas. Trata-se de uma mudança no consumo familiar. Em apenas um ano, mais de 6 milhões de brasileiros integraram as classes AB. 6 O Barômetro

6 Mobilidade social (número absoluto de pessoas) Classe Diferença AB C DE Total Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/2006 e PNAD 2005 O volume é fundamental para se compreender a força da economia brasileira. Há mais de 130 milhões de consumidores com idade superior a 16 anos. É um grande contingente dos potenciais consumidores. Distribuição da população brasileira por faixa de idade anos ou menos 28% 72% anos ou mais POPULAÇÃO BRASILEIRA Total: Fonte: PNAD 2005 O Barômetro 7

7 Como podemos observar, a pirâmide social brasileira sofreu importantes mudanças entre 2005 e Distribuição da população brasileira por classe de consumo (%) % AB 18% 34% C 36% 51% DE 46% Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/2006 Em apenas um ano o Brasil mudou muito. 8 O Barômetro

8 Em 2005, pouco mais da metade da população adulta brasileira, 51%, pertencia às classes DE. Em 2006 esta proporção caiu para 46%. A maior parte dos brasileiros pertence às classes média e alta: 36% na classe C e 18% nas classes AB. Foi um grande avanço para um período de apenas um ano. O Barômetro 9

9 2 Renda familiar e renda disponível: as classes DE chegam ao ponto de equilíbrio. 10 O Barômetro

10 Classes C e DE experimentam um aumento de renda. O Barômetro 11

11 As classes C e DE tiveram um aumento de aproximadamente 5% em suas rendas. Há vários fatores que explicam a melhoria dos indicadores relacionados com as classes baixas. Dois deles dizem respeito à renda. A renda média das classes AB sofreu uma redução de 6%, saindo de R$2.484,00 em 2005 para R$2.325,00 em Entretanto, estas classes aumentaram o seu contingente em mais de 6 milhões de indivíduos. Talvez isto seja o motivo da redução na média. No mesmo período, as classes C e DE experimentaram um aumento de aproximadamente 5% em suas rendas. Para a classe C, ela aumentou de R$1.107,00 para R$1.161,00 e, para as classes DE, ela cresceu de R$544,00 para R$571,00. A renda média das classes AB sofreu uma redução de 6%. 12 O Barômetro

12 Renda familiar média por classe de consumo 2005/ , , , ,68 544,72 571,05 AB C DE Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ Renda familiar, gastos totais e pagamento de prestações por classe de consumo (R$) 2005/2006 CLASSE SOCIAL R$ AB C DE Renda familiar imputada 2.484, , , ,68 544,72 571,05 Gasto total (soma dos gastos) 1.852, ,09 984,74 970,27 561,28 568,56 Renda disponível (renda gasto essencial) 1.736, ,08 525,99 581,74 135,11 155,41 Renda disponível (renda gasto total) 631,79 518,29 122,34 191,41-16,56 2,49 Pagamento de crediário/ prestações (quem tem) 203,94 243,79 150,13 178,18 84,44 114,87 Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/2006 O Barômetro 13

13 Os brasileiros passaram a gastar mais com os itens considerados não-essenciais. Estes dados são claros: as classes DE aumentaram o seu potencial de consumo. A classe C também segue de perto essa tendência. Gastos essenciais totais e apenas de quem gasta com o respectivo item de consumo (R$) 2005/2006 Base Total (R$) Base Total (R$) 2005/ Médias Despesas de supermercado (alimentação, limpeza, higiene pessoal, padaria, açougue) 298,61 314,84 +5,4% Energia elétrica 61,67 63,98 +3,7% Aluguel 31,85 45,96 +44,3% Remédios 34,79 34,45-0,9% Gás de rua ou de botijão 28,54 30,28 +6,1% Água e esgoto 27,23 30,11 +10,6% Transporte coletivo 29,18 22,56-22,7% Condomínio 0,72 3,25 Gasto total (essenciais) 512,59 545,43 +6,4% Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/2006 Gastos essenciais totais por classe (R$) CLASSE SOCIAL Médias Total AB C DE Despesas de supermercado (alimentação, limpeza, higiene pessoal, padaria, açougue) 314,84 451,80 334,49 242,52 Energia elétrica 63,98 112,02 67,49 42,12 Aluguel 45,96 56,31 52,40 35,35 Remédios 34,45 57,47 33,77 26,43 Gás de rua ou de botijão 30,28 33,56 30,84 28,47 Água e esgoto 30,11 48,65 30,82 22,33 Transporte coletivo 22,56 23,38 27,61 17,03 Condomínio 3,25 10,11 2,52 1,40 Gasto total (essenciais) 545,43 793,30 579,94 415,65 Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ O Barômetro

14 Gastos não-essenciais totais e apenas de quem gasta com o respectivo item de consumo (R$) 2005/2006 Base Total (R$) Base Total (R$) 2005/ Médias Pagamento de prestações/crediário 55,06 73,06 +32,7% Vestuário homem, mulher ou criança (roupas, sapatos) 42,17 52,41 +24,3% Combustível 33,70 47,00 +39,5% Telefone fixo 36,97 42,12 +13,9% Educação (mensalidade escolar) 34,53 38,43 +11,3% Lazer (cinema, restaurante, casas noturnas, CDs e fitas, etc.) 25,07 30,46 +21,4% Convênio médico/plano de saúde 15,81 21,89 +38,5% Telefone celular (pré ou pós-pago) 16,14 20,87 +29,3% Outros gastos mensais 23,12 17,24-25% Cigarro 12,67 14,09 +11% Empregada doméstica mensalista ou diarista 11,08 10,35-6,6% Seguros (de vida, automóvel, casa) 5,71 8,34 +46,1% Prestação/financiamento do domicílio 7,54 5,24-30% Assinatura de TV a cabo, satélite, internet 3,04 4,32 +42,1% Previdência privada 1,17 4, ,6% Gasto total (não-essenciais) 323,78 389,98 +20,4% Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ % foi o crescimento das despesas não-essenciais em O Barômetro 15

15 Gastos não-essenciais totais por classe (R$) CLASSE SOCIAL Médias Total AB C DE Pagamento de prestações/crediário 73,06 108,29 93,20 38,83 Vestuário homem, mulher ou criança (roupas, sapatos) 52,41 106,78 56,60 27,44 Combustível 47,00 152,55 45,28 8,73 Telefone fixo 42,12 105,46 44,99 15,11 Educação (mensalidade escolar) 38,43 142,64 28,69 8,98 Lazer (cinema, restaurante, casas noturnas, CDs e fitas, etc.) 30,46 84,08 29,53 11,08 Convênio médico/plano de saúde 21,89 80,56 17,97 3,69 Telefone celular (pré ou pós-pago) 20,87 52,50 20,63 9,12 Outros gastos mensais 17,24 31,34 19,98 9,04 Cigarro 14,09 16,55 14,59 12,64 Empregada doméstica mensalista ou diarista 10,35 51,34 2,50 2,92 Seguros (de vida, automóvel, casa) 8,34 33,62 6,37 0,80 Prestação/financiamento do domicílio 5,24 11,00 5,63 2,65 Assinatura de TV a cabo, satélite, internet 4,32 19,04 2,81 0,31 Previdência privada 4,16 18,05 1,56 1,58 Gasto total (não-essenciais) 389, ,80 390,33 152,92 Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/2006 As classes mais baixas tiveram um aumento da renda não-gasta no final do mês. Não bastasse o aumento de renda, houve também um aumento da renda não-gasta, ao final do mês, junto às classes mais baixas. O último mês de 2005 deixou as classes DE no negativo em R$16,56, ao passo que elas finalizaram 2006 com pouco mais de R$2,00. Para a classe C, o aumento de renda disponível foi da ordem de 56%, saindo de aproximadamente R$122,00 para R$191,00. As duas classes tiveram aumento de renda e também aumento de renda disponível. Entre 2005 e 2006 houve uma redução da renda disponível das classes AB: ela caiu de R$631,00 para R$518,00, uma redução de aproximadamente 18%. 16 O Barômetro

16 Renda disponível por classe 2005/ ,79 518,29 191,41 122,34 Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ ,56 AB C DE 2,49 Renda disponível por classe e por mês 2005/ Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fonte: Pulso Brasil 006 Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Classes Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez AB C DE 6,48 0,04-4, ,55 6,92-8,6-9,5 28,7 33,1-0, ,49 Fonte: Pulso Brasil O Barômetro 17

17 3 As aspirações e os desejos de consumo do brasileiro. 18 O Barômetro

18 Em 2006, as classes mais baixas aproximaram-se um pouco das mais altas. O Barômetro 19

19 O desejo de compra de um computador para casa praticamente se igualou entre as classes AB e C. Quando analisamos as aspirações de consumo, podemos observar que, em 2006, as classes mais baixas aproximaram-se um pouco mais das classes mais altas. Em 2005, as classes AB tinham a intenção de comprar um computador para casa 11 pontos percentuais mais elevada do que a classe C. Em 2006, a intenção de compra deste bem foi somente 1 ponto percentual mais elevada nas classes AB, em relação à classe C. Ou seja, o desejo de comprar um computador para casa é praticamente o mesmo, e a diferença entre estas classes sociais diminuiu em 10 pontos percentuais. Da mesma forma, aproximou-se o desejo de compra de carro e de lazer/viagem. Aproximou-se entre as classes o desejo de compra de carro e de lazer/viagem. 20 O Barômetro

20 Diferença nas aspirações de consumo das classes AB e C 2005/2006 CLASSES Médias AB-C AB-C Diferença (2005) (2006) ( ) Computador para casa Carro Lazer/Viagem Eletrodomésticos Ferramentas para trabalhos gerais do tipo façavocê-mesmo (ex.: cortador de grama, furadeira, etc.) Telefone celular Móveis Propriedades Decoração Equipamentos esportivos (ex.: bicicleta, prancha de windsurfe, patins, etc.) Moto TV, Hi-Fi e Vídeo Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/2006 O crédito permite à classe C ter a mesma intenção de compra de bens mais caros do que a classe AB. Computador, carro e viagem eram, até bem pouco tempo atrás, bens e serviços de acesso quase exclusivo das classes mais altas. Além disso, estavam muito longe de fazer parte das aspirações da classe C. A diminuição da distância das aspirações ocorreu em bens e serviços, tradicionalmente mais caros. Isto indica que as pessoas da classe C estão aguardando uma oportunidade adequada para adquirir tais bens. Há vários sinais de que isto já está acontecendo. Por exemplo, houve um grande crescimento da venda de computadores, e o movimento da aviação comercial brasileira cresceu, nos últimos anos, a um ritmo bem mais forte do que a economia. O Barômetro 21

21 Se compararmos 2005 e 2006, houve, no Brasil como um todo, um aumento significativo nas intenções de compra, puxado pela intenção de compra de móveis e eletrodomésticos que aumentou 6 pontos percentuais, e por lazer, viagem e computador para casa que tiveram um aumento de 4 pontos percentuais. Pretensão de compra no próximo ano 2005/2006 Percentual Brasil 2005 Brasil 2006 Diferença Móveis Eletrodomésticos Lazer/Viagem TV, Hi-Fi e Vídeo Telefone celular Computador para casa Carro Decoração Ferramentas para trabalhos gerais do tipo faça-você-mesmo (ex.: cortador de grama, furadeira, etc.) Propriedades Equipamentos esportivos (ex.: bicicleta, prancha de windsurfe, patins, etc.) Moto Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ O Barômetro

22 Analisando as aspirações, 2006 foi o ano da classe DE foi o ano da classe DE, ao menos quando se analisam as suas aspirações. No final de 2005, somente 25% desta classe tinha a intenção de adquirir um eletrodoméstico e esta proporção aumentou para 32%. Móveis também teve uma trajetória semelhante: saiu de 26% de intenção de compra em 2005 para 32% em 2006, um crescimento bastante expressivo. Cresceram muito também as intenções de compra de lazer/viagem, passando de 14 para 19%, de TV, Hi-Fi e Vídeo, indo de 14 para 17%, de telefone celular, que subiu de 14 para 16% e, com um crescimento bastante expressivo, ferramentas para trabalhos gerais, que aumentou de 9 para 15%. As classes DE estão, portanto, muito mais dispostas a comprar em 2007 do que estavam quando começou O que pretende comprar no próximo ano, segundo classe de consumo DE 2005/2006 Eletrodomésticos Móveis Lazer/Viagem TV, Hi-Fi e Vídeo Telefone celular Ferramentas para trabalhos gerais 9 15 Decoração 9 10 Computador para casa 7 7 Equipamentos esportivos Carro Moto Propriedades Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ O Barômetro 23

23 As classes DE melhoraram muito em 2006, mas a classe C não ficou muito atrás. Cresceram muito as intenções de compra de móveis, saindo de 37 para 41%, de eletrodomésticos, que foram de 37 para 40% e, principalmente, de computador para casa, subindo de 18 para 23% e propriedades, de 10 para 14%. O que pretende comprar no próximo ano, segundo classe de consumo C 2005/2006 Móveis Eletrodomésticos Lazer/Viagem Computador para casa Telefone celular Carro TV, Hi-Fi e Vídeo Decoração Ferramentas para trabalhos gerais Propriedades Moto Equipamentos esportivos Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ A intenção da classe C de adquirir uma propriedade saltou de 10% em dezembro de 2005 para 14% no final de O Barômetro

24 Houve queda acentuada na intenção de compra de AB para lazer/viagem, caindo de 50 para 46%. Para as classes AB, a situacão é diferente das classes mais baixas. Em 6 itens de consumo, a intenção de compra de AB diminuiu, em 1 item ela permaneceu igual e em 5 aumentou a intenção de compra, porém, de maneira pouco significativa, com exceção de propriedades. Houve quedas acentuadas na intenção de compra de AB para lazer/viagem, caindo de 50 para 46%, carro, que diminuiu de 34 para 28% e computador para casa, que era de 29% no final de 2005 e foi para 24% um ano depois. O que pretende comprar no próximo ano, segundo classe de consumo AB 2005/2006 Lazer/Viagem Eletrodomésticos Móveis Carro Decoração Computador para casa TV, Hi-Fi e Vídeo Telefone celular Equipamentos esportivos Propriedades Ferramentas para trabalhos gerais Moto Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ O Barômetro 25

25 4 Um povo cada vez mais otimista. 26 O Barômetro

26 5,2 é a nota média dada pelo brasileiro para a situação atual do país. O Barômetro 27

27 O povo brasileiro está mais otimista que o europeu. Em 2005, a nota média para a situação atual do país dada pelo brasileiro foi exatamente a mesma nota dada pelo europeu: 4,7. Já em 2006, a nota foi superior, 5,2 para os brasileiros e 4,7 para os europeus, o que mostra que a população brasileira avalia melhor o seu país. Foram muitas as melhorias nas percepções que as classes C e DE tiveram acerca da situação do Brasil. 28 O Barômetro

28 5,9 6,1 4,7 5,2 4,7 4,7 5,6 5,5 5,4 5,3 5,1 5,1 4,9 4,6 4,7 4,8 4,6 4,8 4,7 4,7 4,4 4,5 4,3 4,2 3,7 3,4 3,3 3,0 BR EUROPA 12 países BE ES UK CZ FR RU IT DE CK PL HU PT Fonte: Pesquisa Cetelem/Ipsos 2005/2006/ L Observateur Cetelem França foi melhor do que 2005 quanto ao otimismo e à preocupação frente ao futuro. O primeiro aumentou, ao passo que a preocupação diminuiu. Sentimento em relação ao futuro 2005/2006 País Entusiasmo Otimismo Resignação Pr eocupação Revolta Nenhum TOTAL Brasil Brasil Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/2006 O otimismo das pessoas de classe mais baixa ajudou no aumento da média e também se refletiu na avaliação do país. No final de 2005, as pessoas da classe AB deram nota 4,68 para a situação do Brasil. A nota permaneceu praticamente a mesma em 2006: 4,69. O mesmo não pode ser dito para as classes C e DE. A classe C dava nota 4,76 em 2005 e passou para 5,41 no final de As classes DE aumentaram a sua nota de 4,70 para 5,32, quando se compara 2005 e É incomum um aumento tão grande neste tipo de nota. Isto significa que, de fato, foram muitas as melhorias nas percepções que estas classes tiveram acerca da situação do Brasil. O Barômetro 29

29 Além disso, a nota dada pelas classes C e DE ficaram acima da nota média nacional, que foi 5,26, enquanto a nota das classes AB ficou abaixo. Nota média para a situação atual do país por classe de consumo 2005/2006 AB ,7 AB ,7 C ,8 C ,4 DE ,7 DE ,3 Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/2006 Há vários motivos para acreditar que as classes C e DE aumentaram sua intenção de compra e melhoraram a avaliação que têm da situação do país por causa do aumento do crédito pessoal. Desde 1999, é isso que mostram os dados oficiais. Comparando-se apenas 2005 e 2006, o aumento, sem considerar dezembro de 2006, foi de 26%, enquanto o crescimento do PIB ficou um pouco abaixo de 3%. Ou seja, o crédito pessoal cresceu a uma taxa 9 vezes maior do que o Produto Interno Bruto. Operação de crédito com recursos livres para pessoa física (R$ bilhões) ,5% 10% ,% 4,3% 4,5% 3,% ,4% ,1% % ,4% 191,9 69,9 76,2 88,1 113,3 155,2 22,4 51, Fonte: Banco Central Total de Crédito PIB Partic. % Crédito X PIB 0% 30 O Barômetro

30 Com relação à situação das finanças pessoais, houve mais otimismo em 2006 do que em 2005: 44% da população acha que vai melhorar a sua capacidade de fazer compras para o seu domicílio. Perspectivas para o futuro 2005/2006 Sua capacidade de realizar grandes investimentos: carro, casa ou trabalho (%) Sua capacidade de fazer compras para o seu domicílio (%) Vai piorar Vai melhorar Vai piorar Vai melhorar Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/2006 Num panorama um pouco mais geral, podemos verificar que 51% da população brasileira acha que vai melhorar, não só sua situação financeira, mas também o seu padrão de vida em geral, 7 pontos percentuais a mais que em Perspectivas para o futuro 2005/2006 Sua situação financeira em geral (%) Seu padrão de vida em geral (%) Vai piorar Vai melhorar Vai piorar Vai melhorar Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/2006 O Barômetro 31

31 Houve redução da proporção de pessoas que estão programando poupar mais. É possível que isso seja reflexo do otimismo em relação à economia. Estes números são coerentes quando analisamos a intenção da população de aumentar suas economias ou os seus gastos nos próximos 12 meses. Intenção de aumentar suas economias nos próximos 12 meses 2005/2006 Pretende aumentar suas economias nos próximos 12 meses (%) Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/2006 Certamente + Provavelmente SIM Certamente SIM Duas faces de uma mesma moeda: diminuiu a disposição de poupar e aumentou a propensão a consumir. Intenção de aumentar seus gastos nos próximos 12 meses 2005/2006 Pretende aumentar seus gastos nos próximos 12 meses (%) Certamente + Provavelmente SIM Certamente SIM Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ O Barômetro

32 Houve uma redução significativa no tamanho das classes DE, uma redução de pouco mais de 8 milhões de pessoas. As aspirações das diferentes classes ficaram menos distantes, as pessoas de classes mais baixas tiveram um ano bem melhor e isso se deu, em grande medida, à expansão do crédito e ao aumento da renda das classes mais baixas. É possível afirmar que, se o ritmo de expansão do crédito pessoal for mantido e se a economia estável continuar, deve-se esperar que as distâncias entre as classes sociais continuem se reduzindo lentamente. Mais importante: deve-se esperar que o Brasil no futuro passe a ter um grande mercado de consumo e uma grande classe média. O Barômetro 33

33 5 As diferenças regionais: o Nordeste cresce e aparece. 34 O Barômetro

34 R$761,16 é a renda familiar média do nordestino, quase R$90,00 a mais que em O Barômetro 35

35 A região Nordeste teve aumento tanto na renda disponível quanto na renda familiar. Entre 2005 e 2006, todas as regiões do Brasil tiveram um aumento, ou da renda disponível, ou da renda familiar. A região que mais ganhou foi o Nordeste: teve um aumento de ambas. A renda familiar média das famílias nordestinas aumentou em mais de 12%, saltando de R$676,64 para R$761,16. A renda disponível nordestina teve um acréscimo de 38%, o maior de todas as regiões brasileiras, subindo de quase R$50,00 para quase R$70,00. No Sudeste, ambas as rendas também aumentaram, só que em ritmo menor do que no Nordeste: 8% de crescimento para a renda familiar média e 35% no caso da renda disponível. A maior renda média familiar do Brasil é de R$1.298,66 na região Sul. 36 O Barômetro

36 Os números foram menos favoráveis para as demais regiões. No Sul a renda familiar aumentou, mas a renda disponível caiu, e no Norte/Centro-Oeste aconteceu o oposto. A renda familiar do Sul aumentou praticamente em 10%, indo de R$1.177,70 para R$1.298,66. Porém, a renda disponível ficou reduzida em praticamente 10%, era R$267,36 e foi para R$240,99 em Nas regiões Norte e Centro-Oeste a renda média familiar cresceu 33%, era R$946,23 em 2005 e foi para R$1.259,93 em Por outro lado, a renda disponível caiu 1%. Os números são bastante eloqüentes. A população nordestina viu, durante o ano de 2006, tanto a sua renda crescer quanto sobrar mais dinheiro no bolso ao final do mês. Somente nas regiões Norte/Centro-Oeste o crescimento da renda familiar foi mais forte do que no Nordeste, ao passo que esta região foi a que teve o mais acentuado crescimento da renda disponível. Renda familiar média e renda disponível 2005/ R$ Renda Familiar Renda Renda Familiar Renda Média Disponível Média Disponível Nordeste 676,64 49,73 761,16 68,78 Norte/Centro-Oeste 946,23 106, ,93 105,40 Sudeste 1.104,71 156, ,67 211,69 Sul 1.177,70 267, ,66 240,99 Total 976,32 137, ,96 164,55 Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/2006 O Barômetro 37

37 A renda familiar média das famílias brasileiras aumentou em todas as grandes regiões do país. Renda familiar média e renda disponível 2005/ , , , , ,71 946,23 761,16 676,64 Nordeste Norte/ Centro-Oeste Sudeste Sul Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ A intenção de compra de computador no Nordeste mais que dobrou em apenas um ano. Tudo melhorou no Nordeste, não somente a renda média e a renda disponível, mas também a intenção de compra e a nota para a situação do Brasil. De 12 itens pesquisados, a intenção de compra no Nordeste aumentou para 11 deles. Somente em carro houve uma redução de 8 para 6% na intenção da população nordestina de adquirir este bem. A intenção de adquirir computador para casa mais que dobrou em um ano e foi o crescimento mais acentuado. Também houve crescimento na intenção de comprar ferramentas para trabalhos gerais (de 8 para 12%), moto (de 6 para 10%), propriedades (de 6 para 10%) e lazer/viagem (de 17 para 26%). Outros itens também tiveram um bom crescimento: móveis, eletrodomésticos, telefone celular e TV, Hi-Fi e Vídeo. 38 O Barômetro

38 O que pretende comprar no próximo ano Região Nordeste 2005/2006 Móveis Eletrodomésticos Lazer/Viagem Telefone celular TV, Hi-Fi e Vídeo Decoração Computador para casa Ferramentas para trabalhos gerais Moto Propriedades Equipamentos esportivos Carro Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ O contraste entre Nordeste e as regiões Sudeste, Norte e Centro-Oeste é bastante acentuado. No Sudeste, dos 12 itens analisados apenas 7 tiveram intenção de compra crescente. Mesmo assim, quando comparados com o Nordeste, foram acréscimos pequenos. Em um item a intenção de compra não variou decoração e em quatro ela caiu: TV, Hi-Fi e Vídeo, ferramentas para trabalhos gerais, equipamentos esportivos e moto. O que pretende comprar no próximo ano Região Sudeste 2005/2006 Eletrodomésticos Móveis Lazer/Viagem Carro Computador para casa TV, Hi-Fi e Vídeo Telefone celular Decoração Propriedades Ferramentas para trabalhos gerais Equipamentos esportivos Moto Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ O Barômetro 39

39 No que diz respeito à intenção de compra, guardadas as devidas proporções, a situação do Norte/Centro-Oeste foi semelhante a do Sudeste: em 5 itens houve aumento e em 7 houve redução. Fica claro, todavia, que estas três regiões apresentaram um aumento da intenção de compra menor do que na região Nordeste. O que pretende comprar no próximo ano Região Norte e Centro-Oeste 2005/2006 Eletrodomésticos Móveis TV, Hi-Fi e Vídeo Ferramentas para trabalhos gerais Telefone celular Lazer/Viagem Decoração Computador para casa Equipamentos esportivos Carro Moto Propriedades 6 10 Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ Móveis e eletrodomésticos continuam sendo o grande desejo dos consumidores para 2007, sobretudo nas regiões Norte/Centro-Oeste. 40 O Barômetro

40 A intenção de compra da região Sul é comparável ao otimismo do nordestino. Na intenção de compra, apenas a região Sul é comparável ao otimismo nordestino. No Sul, 11 dos 12 itens de consumo apresentam forte crescimento da intenção de compra. Houve um salto muito acentuado de móveis (de 20 para 38%), eletrodomésticos (de 18 para 36%), lazer/viagem (de 17 para 30%) e decoração (de 7 para 17%). A comparação Sul-Nordeste é válida quantitativamente, quando se considera o forte aumento das intenções entre um ano e outro. Porém, nota-se que a região Sul foi a pior no final de Tomando-se como exemplo as intenções de compra de móveis, eletrodomésticos e lazer/viagem, o Sul tinha os menores patamares dentre todas as regiões. O que aconteceu entre 2005 e 2006 foi, portanto, mais recuperação do que tinha sido perdido em 2005 do que propriamente crescimento. Em termos técnicos, o Sul partiu de uma base menor do que as outras regiões, daí o forte crescimento. O que pretende comprar no próximo ano Região Sul 2005/2006 Móveis Eletrodomésticos Lazer/Viagem Carro Ferramentas para trabalhos gerais Decoração 7 17 Computador para casa Telefone celular TV, Hi-Fi e Vídeo Equipamentos esportivos 7 10 Propriedades Moto Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ O Barômetro 41

41 A situação do país parece melhor para o nordestino. O Nordeste ficou na frente das demais regiões no crescimento da renda disponível e familiar média, e na intenção de consumo. Como resultado, a maior nota média para a situação atual do Brasil e o maior crescimento desta nota, no intervalo , também vem do Nordeste. No final de 2005, a nota que os nordestinos davam para a situação do Brasil era 4,7. Um ano depois ela subiu para 5,63. Esta variação foi também positiva no Sul, de 4,69 para 5,40; e no Sudeste, que teve um aumento de 4,94 para 5,66. O destaque negativo, em termos de variação da nota, foi para a região Norte/Centro-Oeste: houve uma redução de 5,66 para 5,47. Ainda assim, permanece sendo a segunda maior nota dentre todas as regiões. Nota média para a situação atual do país por região 2005/2006 Sul ,7 Sul ,4 Sudeste ,5 Sudeste ,9 Norte/Centro-Oeste ,7 Norte/Centro-Oeste ,5 Nordeste ,7 Nordeste ,6 Fonte: Pesquisa Cetelem Ipsos 2005/ O Barômetro

42 Os dados indicam que todos que se interessam pelo consumo no Brasil precisam estar atentos ao que está acontecendo no Nordeste. Houve uma grande mudança em apenas um ano. É possível que este fenômeno venha a se repetir durante o ano de Neste caso, o Brasil estará frente à emergência de um grande mercado consumidor regional, afinal, o Nordeste tem pouco mais de 1/4 da população brasileira.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 2016. PME Retrospectiva 2003-2015 13 anos Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento 1 (IBGE / DPE / COREN) 1 Rio de Janeiro,

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF Goiânia GO Janeiro 2010 SUMÁRIO Tabela 1 - Síntese dos Resultados 3 Tabela 2 - Variações percentuais sobre o mês anterior 3 Análise dos Resultados 4 Tabela 3 - Intenção

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Economia Doméstica - Finanças Pessoais -

Economia Doméstica - Finanças Pessoais - Economia Doméstica - Finanças Pessoais - Parte A Introdução e Visão Geral Parte B Planejamento e Acompanhamento - Técnicas Prof. Maurício Cury POUPAR x GASTAR Situação: Dois casais amigos onde, cada casal

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 O I N V E S T I M E N T O P E L A L Ó G I C A D A D E M A N D A R E N A T O M E I R E L L E S r e n a t o @ d a t a p

Leia mais

A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros

A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros Estudo de Roberto Iglesias, economista, consultor da ACT Maio de 2009 O Poder Executivo, através da Medida

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

Será uma carta entregue em mãos após uma marcha que terá início em São Paulo logo após a eleição e terminará no Palácio do Planalto em Brasília.

Será uma carta entregue em mãos após uma marcha que terá início em São Paulo logo após a eleição e terminará no Palácio do Planalto em Brasília. Pesquisa de Opinião CONTEXTO Carta de um Brasileiro é um movimento de mobilização social com objetivo de entregar à Presidente da República eleita em outubro de 2010 os principais desejos e necessidades

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Sandro

Leia mais

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das INFORME-SE BNDES ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO AFE Nº 48 NOVEMBRO DE 2002 EDUCAÇÃO Desempenho educacional no Brasil: O que nos diz a PNAD-2001 Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Pesquisa e Consultoria Relatório Síntese PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 93 CNT 15 a 19 de Setembro de 2008 SAS Q 06 - Lote 03 - Bloco J Rua Grão Pará, 737-4º andar Ed. Camilo Cola - 2 o andar

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Setembro de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 03/08/2015 a 31/08/2015 Panorama Mensal Agosto 2015 O mês de agosto novamente foi marcado por grande volatilidade nos mercados

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº57 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Setor de supermercados acumula queda de -0,96% Renda e inflação afetam

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº59 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Supermercados mostram queda de -1,61% até novembro Desemprego e renda

Leia mais

junho 2016 Indicadores Políticos Pesquisa realizada entre os dias 02 e 13 de junho de 2016. Margem de 3p.p. contato: pulsobrasil@ipsos.com 2016 Ipsos.

junho 2016 Indicadores Políticos Pesquisa realizada entre os dias 02 e 13 de junho de 2016. Margem de 3p.p. contato: pulsobrasil@ipsos.com 2016 Ipsos. junho 2016 Indicadores Políticos Pesquisa realizada entre os dias 02 e 13 de junho de 2016. Margem de 3p.p. contato: pulsobrasil@ipsos.com 1 2 SOBRE O É o mais completo monitoramento de opinião pública

Leia mais

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL Um estudo de perfil sócio-econômico para subsidiar ações estratégicas na categoria MARÇO DE 2010 ALOISIO LEÃO DA COSTA

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Abril/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Março/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Abril/2015. O mês de março mostrou mais uma queda no faturamento dos

Leia mais

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/201 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis Com 4,27 no mes, Minas Gerais e Paraná registraram as maiores taxas de juros

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

TV VITÓRIA/FLEXCONSULT

TV VITÓRIA/FLEXCONSULT CERTIFICADA PELA ABEP/ESOMAR* PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA ESTADUAL TV VITÓRIA/FLEXCONSULT AVALIAÇÃO DO GOVERNO DO ESTADO E DO GOVERNO FEDERAL Março-Abril de 2012 * O Certificado de Qualidade da ABEP/ESOMAR

Leia mais

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades 1 São Paulo, 16 de fevereiro de 2016 NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades A partir de janeiro de 2016, o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos)

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS - MAIO As taxas de juros das operações de crédito ficaram estáveis em maio/2013. Vale destacar que em maio o Banco Central voltou a elevar

Leia mais

CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA

CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 MARÇO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº03 CRESCE O DESEMPREGO NA GRANDE FORTALEZA As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Aumenta a taxa de desemprego

Aumenta a taxa de desemprego PED JANEIRO DE 2012 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 326 Aumenta a taxa de desemprego Diminui o nível de ocupação na Indústria e no Comércio Pequeno crescimento

Leia mais

Conseguimos te ajudar?

Conseguimos te ajudar? Controlar suas finanças deve ser um hábito. Não com o objetivo de restringir seus sonhos de consumo, mas sim de convidá-lo a planejar melhor a realização da cada um deles, gastando o seu dinheiro de maneira

Leia mais

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43 3 INFLAÇÃO SUMÁRIO A inflação brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), vinha apresentando uma trajetória de aceleração desde o início de 2014, mas mantinha-se dentro

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

MAIS DA METADE DOS CAPIXABAS NÃO POSSUI PLANO DE SAÚDE

MAIS DA METADE DOS CAPIXABAS NÃO POSSUI PLANO DE SAÚDE MAIS DA METADE DOS CAPIABAS NÃO POSSUI PLANO DE SAÚDE Emmanuelle Serrano Queiroz Em alguns países, as despesas com saúde já correspondem a mais de 10% do PIB. E, um fator que será determinante para o aumento

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL: fim de um ciclo expansionista? Eloísa Vidal (UECE) Leandro Costa (IPECE) Sofia Lerche Vieira (UECE, coord.)

ENSINO FUNDAMENTAL: fim de um ciclo expansionista? Eloísa Vidal (UECE) Leandro Costa (IPECE) Sofia Lerche Vieira (UECE, coord.) ENSINO FUNDAMENTAL: fim de um ciclo expansionista? Eloísa Vidal (UECE) Leandro Costa (IPECE) Sofia Lerche Vieira (UECE, coord.) Artigo sumário Introdução: recorte metodológico (Ensino Fundamental) e bases

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI ISSN 27-702 Ano 5 Número 24 Agosto de 205 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Crise econômica I - Mercado de trabalho 24 Crise econômica muda relação de brasileiros com o mercado de trabalho

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE O DIA MUNDIAL SEM CARRO SETEMBRO/ OUTUBRO DE 2007 JOB939 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Levantar junto à população da área em estudo opiniões relacionadas

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº56 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Ritmo de vendas do autosserviço diminui em agosto Resultado do mês

Leia mais

UNIVERSITÁRIO, QUAL É A SUA CLASSE? É A C.

UNIVERSITÁRIO, QUAL É A SUA CLASSE? É A C. 6 www.talent.com.br Coleção talent trends, UnIVersItÁrIo, QUal É a sua Classe? É a C. UNIVERSITÁRIO, QUAL É A SUA CLASSE? É A C. UnivErsiTário, qual é a sua classe? é a c. Elaborado pela Equipe de Mídia

Leia mais

Pesquisa de Orçamento Doméstico

Pesquisa de Orçamento Doméstico Fonte: Sistema Fecomércio MG EE A Pesquisa de Orçamento Doméstico de Belo Horizonte é um balizador do comportamento das famílias, relativo aos seus compromissos correntes e financeiros. A falta de planejamento,

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades 1 São Paulo, 04 de setembro de 2015. NOTA à IMPRENSA Valor da cesta básica diminui em 15 cidades Das 18 cidades em que o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos - realiza

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás A 6ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio da parceria

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO Um título público consiste, de maneira simplificada, um empréstimo ao governo federal, ou seja, o governo fica com uma dívida com o comprador

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

Investimento derrete e leva o PIB junto.

Investimento derrete e leva o PIB junto. Ibovespa 8-6-29:,54% Pontos: 53.63,39 Ibovespa 8-6-9 INTRADAY 545 54 535 53 525 52 515 Indicador Valor Var.% Data Dólar Comercial 1,936-1,63 1h45 Dólar Paralelo 2,3, 8/6 Dólar Turismo 2,9 +,97 8/6 Dólar/Euro

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento

Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Objetivos das Famílias e os Fundos de Investimento Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF Centro de Estudos em Finanças Escola

Leia mais

A educação no Rio de Janeiro

A educação no Rio de Janeiro A educação no Rio de Janeiro Simon Schwartzman Na década de 90, em todo o Brasil, o acesso à educação melhorou, e o Rio de Janeiro não ficou atrás. Antes, não havia escolas suficientes para todas as crianças.

Leia mais

INFORMATIVO. Novas Regras de limites. A Datusprev sempre pensando em você... Classificados Datusprev: Anuncie aqui!

INFORMATIVO. Novas Regras de limites. A Datusprev sempre pensando em você... Classificados Datusprev: Anuncie aqui! INFORMATIVO Novas Regras de limites A Datusprev sempre pensando em você... Classificados Datusprev: Anuncie aqui! A Datusprev abre espaço para divulgação. Aqui você pode anunciar compra, venda, troca,

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

Fevereiro - 2015. Divulgado em 16 de março de 2015.

Fevereiro - 2015. Divulgado em 16 de março de 2015. Fevereiro - 2015 Divulgado em 16 de março de 2015. I C V A F E V E R E I R O D E 2 0 1 5 COM IMPACTO DO CARNAVAL, VAREJO TEM RETRAÇÃO DE 2,4% EM FEVEREIRO, APONTA ICVA O desempenho das vendas do comércio

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GOVERNO AGOSTO/2011

AVALIAÇÃO DO GOVERNO AGOSTO/2011 AVALIAÇÃO DO GOVERNO AGOSTO/2011 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade Diretoria Executiva - DIREX Diretor: José Augusto Coelho Fernandes Diretor

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

CESTA BÁSICA DE CASCA REGISTRA AUMENTO DE 1,96% NO MÊS DE ABRIL

CESTA BÁSICA DE CASCA REGISTRA AUMENTO DE 1,96% NO MÊS DE ABRIL ANO 20 Nº 210 MAIO/2016 Publicação Mensal do Centro de Pesquisa e Extensão da Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis - CEPEAC Guilherme Mondin dos Santos (Estagiário CEPEAC/UPF);

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Análise de Endividamento do Consumidor

Análise de Endividamento do Consumidor Belo Horizonte - 2015 A Análise Mensal do Endividamento do Consumidor traça o quadro de endividamento e inadimplência dos consumidores da capital. Essas informações são importantes porque englobam dados

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

Projeto: O Crédito & o Endividamento do Consumidor de Baixa Renda. (Oportunidades & Riscos)

Projeto: O Crédito & o Endividamento do Consumidor de Baixa Renda. (Oportunidades & Riscos) Projeto: O Crédito & o Endividamento do Consumidor de Baixa Renda (Oportunidades & Riscos) 1 Histórico A TNS Interscience desenvolve regularmente Estudos Institucionais cujo objetivo é o de identificar

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi Cenário positivo Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37 Texto: Lucas Rizzi Crescimento econômico, redução da pobreza, renda em expansão e dois grandes eventos esportivos vindo

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ Mossoró, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral 6 análise de conjuntura Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral Brasileiro Vera Martins da Silva (*) As perspectivas sombrias sobre a economia brasileira se confirmaram e houve

Leia mais

Pesquisa Nacional de Franquias

Pesquisa Nacional de Franquias Pesquisa Nacional de Franquias Perfil e comportamento dos clientes em praças de alimentação São Paulo, maio de 2011 Pesquisa nacional Perfil e Comportamento de Clientes de Praças de Alimentação 1 Agenda

Leia mais

O brasileiro e sua relação com o dinheiro III. Módulo 1 - População

O brasileiro e sua relação com o dinheiro III. Módulo 1 - População O brasileiro e sua relação com o dinheiro III Módulo - 200 Metodologia 2 Técnica Pesquisa quantitativa, com abordagem pessoal e domiciliar, nas capitais brasileiras e em cidades do interior e região metropolitana

Leia mais

INFORMA DIEESE agosto/2008

INFORMA DIEESE agosto/2008 INFORMA DIEESE Nº. 74 AGOSTO/2008 1 INFORMA DIEESE agosto/2008 A INFLAÇÃO RECENTE E AS CAMPANHAS SALARIAIS A inflação voltou? Como ficam as campanhas salariais dos trabalhadores? Com o objetivo de discutir

Leia mais

4 - GESTÃO FINANCEIRA

4 - GESTÃO FINANCEIRA 4 - GESTÃO FINANCEIRA Nos termos do art. 103 da Lei Federal nº 4.320/64, o Balanço Financeiro demonstra a movimentação das receitas e despesas financeiras, evidenciando também operações não propriamente

Leia mais

A GERAÇÃO DE ENERGIA E O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO DAS REGIÕES NORTE E NORDESTE

A GERAÇÃO DE ENERGIA E O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO DAS REGIÕES NORTE E NORDESTE A GERAÇÃO DE ENERGIA E O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO DAS REGIÕES NORTE E NORDESTE MISSÃO DO IPEA: "Aprimorar as políticas públicas essenciais ao desenvolvimento brasileiro, por meio da produção e disseminação

Leia mais

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 3 de junho de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: a sondagem ter por objetivo identificar os hábitos de compras

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

PLANO DE SAÚDE SETEMBRO DE 2011 1

PLANO DE SAÚDE SETEMBRO DE 2011 1 PLANO DE SAÚDE SETEMBRO DE 2011 1 CRESCEU O NÚMERO DE USUÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Emmanuelle Serrano Queiroz Segundo reportagem publicada pela revista Exame, o crescimento dos gastos com saúde é tendência

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indústria da construção aprofunda deterioração A indústria da construção continua a se deteriorar. O índice de nível de atividade e o número de empregados

Leia mais

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JONATHAN ROCHA GUIMARÃES Avaliar a Política de Trabalho e juventude torna-se de extrema importância na medida em que representa um

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

SENSUS. Relatório Síntese CNT SENSUS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 97. 25 a 29 de Maio de 2009

SENSUS. Relatório Síntese CNT SENSUS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 97. 25 a 29 de Maio de 2009 Pesquisa e Consultoria Relatório Síntese PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 97 CNT 25 a 29 de Maio de 2009 SAUS Q 01 - Bloco J - Entradas 10 e 20 Rua Grão Pará, 737 4ºandar Ed. CNT - 11 o andar

Leia mais

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7 Sumário Introdução - O novo hábito... 1 Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3 Sobre o vocabulário... 4 Benefícios... 7 Perguntas Frequentes sobre o Orçamento Doméstico... 10 Capítulo 2 - Partindo

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC junho 2014

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC junho 2014 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC junho 2014 Rio de Janeiro, 08 de julho de 2014 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Junho 2014 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS

Leia mais