LEVANTAMENTO DE CAMPO (SURVEY):

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEVANTAMENTO DE CAMPO (SURVEY):"

Transcrição

1 LEVANTAMENTO DE CAMPO (SURVEY): Perfil, percepções e perspectivas dos profissionais de física médica no Brasil (não associados ABFM) JULHO/SETEMBRO 2014

2 SUMÁRIO Introdução... 3 Objetivos da pesquisa... 4 Metodologia da pesquisa... 7 Resultados Bloco I: Perfil Demográfico Resultados Bloco II: Contato com a Física Médica Resultados Bloco III: Nível de instrução e treinamento Resultados Bloco IV: Atuação profissional Resultados Bloco V: Satisfação com a carreira Recomendações

3 INTRODUÇÃO A diretoria da Associação Brasileira de Física Médica focada em subsidiar suas decisões para o ano de 2015 contratou a realização de uma pesquisa de mercado, com o objetivo de conhecer minuciosamente o perfil de profissionais de física médica que não sejam associados da ABFM, as percepções e expectativas dos mesmos em relação a profissão e ao mercado de física médica. Para poder alcançar este objetivo geral foram definidos os objetivos específicos, apresentados a seguir. 03 3

4 OBJETIVOS DA PESQUISA Levantar a atuação e participação dos profissionais em três segmentos de mercado: Radioterapia; Radiodiagnóstico e Medicina Nuclear; Sumarizar informações referentes ao perfil demográfico: idade; gênero, cidade e estado que trabalha; Sumarizar informações referentes ao contato com a física médica: descoberta de oportunidades e fontes de informação; 4

5 OBJETIVOS DA PESQUISA Sumarizar informações referentes a nível de instrução e treinamento: nível de graduação, titulação mais elevada, nome da universidade onde obteve a graduação, início do treinamento em física médica, certificações obtidas, benefícios pós certificações, intenção de realizar capacitações nos próximos 5 anos; Sumarizar informações referentes a atuação profissional: principal atividade, horas trabalhadas, tempo de atuação, tipo de vínculo empregatício, média salarial, benefícios recebidos, cargos ocupados, locais de atuação; 5

6 OBJETIVOS DA PESQUISA Sumarizar informações referentes a: satisfação profissional, perspectivas de crescimento e desenvolvimento profissional, atitudes e opiniões em relação a profissão e mercado de trabalho. Cruzar informações dos profissionais a partir das três diferentes áreas de atuação: radioterapia, radiodiagnóstico e medicina nuclear. 6

7 METODOLOGIA DA PESQUISA Caracterização da Pesquisa Pesquisa descritiva A técnica de pesquisa mais apropriada para alcançar os objetivos específicos ora definidos é o levantamento de campo ou survey. Neste tipo de pesquisa ocorre a descrição das características demográficas, das características profissionais, intenção comportamental, atitudes e opiniões da população de pesquisa físicos médicos; Pesquisa Quantitativa utilização de instrumento de coleta de dados estruturado, contendo escalas de avaliação de atitudes e estatística descritiva para análise dos dados; 7

8 METODOLOGIA DA PESQUISA Caracterização da Pesquisa Pesquisa de corte transversal os dados foram coletados em um único momento/período, 17 de julho a 24 de setembro de

9 METODOLOGIA DA PESQUISA População e amostra de pesquisa A população de pesquisa foi definida com base nas listagens fornecidas pela ABFM (que continham apenas o nome das instituições). A população era composta por hospitais, clínicas e universidades em todo o território nacional que empregam físicos médicos em seus quadros. A amostra final da pesquisa computou 76 físicos médicos pesquisados. 9

10 METODOLOGIA DA PESQUISA Coleta de dados Por se tratar de um survey, foi elaborado um instrumento de coleta de dados (ICD) estruturado (formulário eletrônico) com perguntas abertas, fechadas e escalas de avaliação de atitude. O ICD foi elaborado a partir do documento dimensões e variáveis, que passou por cinco versões intermediárias até a aprovação da versão final pela diretoria da ABFM. Em seguida foram feitos pré-testes com profissionais de física médica e o formulário passou por mais algumas modificações e novamente aprovado pela direção da ABFM. 10

11 METODOLOGIA DA PESQUISA Coleta de dados A partir das listagens foram feitas ligações telefônicas para localizar os físicos médicos e solicitar a participação na pesquisa. Além das ligações foram encaminhados s para grupos de físicos médicos (grupos fechados). Quando o físico se identificava como não associado, um com o link da pesquisa era encaminhado. Uma das limitações desta abordagem é que muitos físicos contatados eram associados e a maioria já tinha respondido a pesquisa. Os formulários foram armazenados em uma base de dados disponibilizada por um serviço de pesquisa eletrônica. 11

12 METODOLOGIA DA PESQUISA Processamento e tratamento de dados Os dados coletados no formulário eletrônico foram exportados para uma planilha eletrônica. Todos os formulários foram verificados para: padronizar respostas obtidas em caixas de texto e de números (ex. cidade, estado) corrigir erros de digitação e respostas em branco; invalidar pesquisas com inconsistência nas respostas; padronizar respostas abertas em categorias (ex. outro: especifique); Atribuição de pontuações para as questões que envolviam escalas de avaliação de concordância. 12

13 METODOLOGIA DA PESQUISA Análise dos dados Para a análise dos dados foram construídas primeiramente as tabelas de frequências (absoluta e relativa).em seguida, procedeu-se a criação dos respectivos gráficos. Foram criados gráficos gerais e gráficos por grupos (Radioterapia, Radiodiagnóstico, Medicina Nuclear). Alguns dados, em função da fragmentação das respostas, foram apresentados em tabelas. Nas questões abertas optou-se por manter a escrita dos pesquisados conforme digitado no formulário, não sendo realizada correção de português. 13

14 METODOLOGIA DA PESQUISA Análise dos dados Para a análise das atitudes procedeu-se na conversão da escala qualitativa para escalas quantitativas (sistema de pontuação positivo). Nesta escala foram atribuídas pontuações de 5 (concordo totalmente) a 1 (discordo totalmente). A análise (tanto gráficos como tabelas) se baseou na estatística descritiva onde foram empregadas medidas de posição (média, moda, máximo, mínimo, mediana) e dispersão (desvio padrão). 14

15 RESULTADOS 15

16 RESULTADOS BLOCO I PERFIL DEMOGRÁFICO GÊNERO 36% 64% MASCULINO FEMININO Em dois grupos (Radioterapia e Radiodiagnóstico) ocorre o predomínio de homens, já no grupo de Medicina nuclear ocorre o predomínio de mulheres. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% TOTAL DE RESPOSTAS = 76 79% 21% 35% 65% 52% 48% Radiodiagnóstico Radioterapia Medicina Nuclear MASCULINO FEMININO 16

17 RESULTADOS BLOCO I PERFIL DEMOGRÁFICO IDADE TOTAL DE RESPOSTAS = 76 MÉDIA 36,45 MÍNIMA 20 MÁXIMA 67 MEDIANA 35 MODA 35 Medicina Nuclear Radioterapia Radiodiagnóstico MÉDIA 38,4 37,55 34,79 MÍNIMA MÁXIMA MEDIANA MODA

18 RESULTADOS BLOCO I PERFIL DEMOGRÁFICO LOCAL DE NASCIMENTO São Paulo 20 27,0% Rio Grande do Sul 16 21,6% Minas Gerais 8 10,8% Rio de Janeiro 8 10,8% Paraná 4 5,4% Distrito Federal 3 4,1% Piauí 3 4,1% Amapá 2 2,7% Mato Grosso 2 2,7% Pernambuco 2 2,7% Acre 1 1,4% Bahia 1 1,4% Goiás 1 1,4% Maranhão 1 1,4% Rio Grande do Norte 1 1,4% Sergipe 1 1,4% O total de respostas foi igual a 74. Dois pesquisados nasceram fora do Brasil: um em Tujillo/La Libertad-Peru e outro em Jerusalem- Jordania 18

19 BLOCO II CONTATO COM A FÍSICA MÉDICA RESULTADOS Como você ficou sabendo sobre as oportunidades de trabalho na área (profissão) de Física médica? Outro (especifique) 14,47% no serviço militar no doutorado 0,00% 1,32% no mestrado na especialização 2,63% 7,89% na graduação 57,89% na escola 15,79% 0,00% 10,00% 20,00% 30,00% 40,00% 50,00% 60,00% 70,00% Total de respostas = 76. A opção outro inclui as respostas descritas a seguir. 19

20 BLOCO II CONTATO COM A FÍSICA MÉDICA RESULTADOS Como você ficou sabendo sobre as oportunidades de trabalho na área (profissão) de Física médica? Médico radioterapeuta (indicação) no curso pre-vestibular internet familia no trabalho curso pré-vestibular cursinho amigos Área da saúde 20

21 BLOCO II CONTATO COM A FÍSICA MÉDICA RESULTADOS 250% Como você ficou sabendo sobre as oportunidades de trabalho na área (profissão) de Física médica? (por grupos) 200% 59% 150% 100% 76% Radiodiagnóstico Radioterapia Medicina Nuclear 50% 0% 32% 73% 6% 9% 5% 18% 18% 5% na escola na graduação no mestrado no doutorado As diferenças entre os grupos são pequenas, com exceção do grupo Medicina Nuclear na opção no doutorado. 21

22 BLOCO II CONTATO COM A FÍSICA MÉDICA RESULTADOS Qual fonte de informação você buscou para sua iniciação em física médica? Outro (especifique) jornais ou revistas bolsa de pesquisa 2,67% 4,00% 9,33% experiência no trabalho 17,33% colega 9,33% professor 40,00% programa de educação/formação em 17,33% 0% 10% 20% 30% 40% 50% Total de respostas = 75. A opção outro inclui as seguintes respostas: fui até a faculdade onde havia o curso, estudo próprio, estágio, Site da Unesp, amiga que cursou Física médica 22

23 BLOCO II CONTATO COM A FÍSICA MÉDICA 140% 120% RESULTADOS Qual fonte de informação você buscou para sua iniciação em física médica? (por grupos) 100% 45% 80% 60% 40% 20% 0% 17% 55% 15% 17% 21% 20% 8% 17% 33% 3% 3% 10% 8% 4% 8% Radiodiagnóstico Radioterapia Medicina Nuclear Para o grupo de Medicina Nuclear a Experiência no trabalho foi a principal fonte de informação. Já para o grupo de Radiodiagnóstico e Radioterapia foi o professor. 23

24 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Nível de graduação 23% 39% Bacharel em Física Licenciatura em Física Bacharel em Física Médica 23% 15% Bacharel em Física com Habilitação em Física médica Total de respostas = 78. Os pesquisados podiam responder a mais de uma opção. 24

25 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO 140% 120% Nível de Graduação por grupos 100% 33% 80% 60% 40% 20% 0% 33% 52% Bacharel em Física 3% 33% 30% 29% 20% Licenciatura em Física 24% 8% Bacharel em Física Médica 14% 20% Bacharel em Física com Habilitação em Física médica Radiodiagnóstico Radioterapia Medicina Nuclear No grupo de Medicina Nuclear a maioria possui bacharelado em física, já o Radiodiagnóstico e Radioterapia tem uma participação equilibrada entre os três bacharelados. 25

26 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO 7% Titulação mais elevada 17% 32% 30% 14% Graduação Especialização Mestrado Doutorado Pós-doutorado Total de respostas =

27 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO 100% Titulação mais elevada por grupos 90% 80% 70% 31% 38% 60% 50% 40% 20% 14% 7% 30% 15% Radiodiagnóstico Radioterapia Medicina Nuclear 30% 20% 10% 0% 36% 30% 24% 32% 10% 4% 5% 4% Graduação Especialização Mestrado Doutorado Pós-doutorado Com exceção de especialização, não há diferenças significativas entre os grupos em termos de titulações mais elevadas. 27

28 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Nome da Universidade (Frequência absoluta) PUCRS 15 USP 7 UNICAMP 6 PUCSP 5 Unesp 5 UFRJ 4 UERJ 3 Ufscar 2 UFMG 2 USP Ribeirão Preto 2 UFS 2 Unb 2 Total de respostas = 73. UFRGS 1 UFBA 1 Unesp Botucatu 1 UFPR 1 UEL 1 Mackenzie 1 UFMT 1 University College London 1 Universidad Nacional de Trujillo 1 Fundação Educacional Souza Marques 1 UFPE 1 Universidade de Guarulhos 1 UFMA 1 UFJF 1

29 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO QUANDO VOCÊ INICIOU SEU TREINAMENTO EM FÍSICA MÉDICA Outro (especifique) 9,6% durante a residência clínica Durante o doutorado Durante o mestrado Durante a especialização 1,4% 2,7% 8,2% 9,6% Durante a graduação 68,5% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% Total de respostas = 73. A opção outro inclui as respostas descritas a seguir. 29

30 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Quando você iniciou seu treinamento em física médica: Desempregado no trabalho na universidade Durante o trabalho como professora na UFS apos o doutorado Programa aprimoramento FUNDAP No trabalho IRD 30

31 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Quando você iniciou seu treinamento em física médica (por grupos) Outro (especifique) durante a residência clínica Durante o doutorado Durante o mestrado Durante a especialização 11% 5% 13% 0% 0% 4% 0% 5% 4% 4% 15% 9% 7% 10% 13% Radiodiagnóstico Radioterapia Medicina Nuclear Durante a graduação 57% 65% 79% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% Apenas o grupo de Medicina nuclear iniciou durante a residência clínica e Radioterapia e Medicina nuclear durante o doutorado. 31

32 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Você possui certificações? 9% 39% Sim Não 52% Em processo de certificação Total de respostas =

33 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO 160% Você possui certificações(por grupos) 140% 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% 21% 72% 45% 58% 40% 33% 7% 15% 8% Sim Não Em processo de certificação Radiodiagnóstico Radioterapia Medicina Nuclear O grupo de Radiodiagnóstico possui um percentual alto de profissionais sem certificação e também o menor percentual entre os que buscam certificação no momento da pesquisa.. 33

34 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Certificações dos Físicos Médicos Associação Brasileira de Física Médica (ABFM) Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) Radioterapia Radiodiagnóstico Medicina nuclear FA FR FA FR FA FR 5 38% 3 100% 2 8% 8 62% 0% 22 92% % 3 100% % As certificações para o grupo de Medicina Nuclear são na sua maioria obtidas junto a CNEN. A opção outro inclui as respostas descritas a seguir. 34

35 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Certificações dos Físicos Médicos (outros) Especialista em Física médica em radioterapia pelo INCA Aplicação em Ensino e Pesquisa- CNEN Aplicações Laboratoriais "in vitro" (CNEN) Residencia supervisor radioproteção pesquisa - CNEN Medidores Nucleares e Radiografia Industrial (CNEN) Especialização CQ Radiodiagnostico UNIFESP 35

36 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Após a obtenção da certificação você obteve uma promoção ou aumento no seu salário? 30% Sim Não 70% Não sei dizer, pois ainda estou em processo de certificação Total de respostas =

37 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Que tipo de capacitação você pretende fazer nos próximos 5 anos? 15% 6% 8% 19% Especialização Mestrado 21% Doutorado Pós-doutorado Certificação ABFM 9% 22% Certificação CNEN Outro (especifique) Total de respostas = 120. Os pesquisados podiam escolher mais de uma resposta. A opção Outro inclui as respostas a seguir. 37

38 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Tipo de capacitação que pretende fazer nos próximos cinco anos Residência em Física Médica não há planos livre docência Concurso para professor universitário Nenhuma NÂO DEFINIDO AINDAA 38

39 RESULTADOS BLOCO III NÍVEL DE INSTRUÇÃO E TREINAMENTO Que tipo de capacitação você pretende fazer nos próximos 5 anos? (por grupos) Outro (especifique) Certificação CNEN Certificação ABFM Pós-doutorado Doutorado Mestrado Especialização 4% 3% 8% 13% 19% 16% 17% 26% 24% 8% 6% 13% 16% 19% 19% 21% 13% 6% 3% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% Radiodiagnóstico Radioterapia Medicina Nuclear 39

40 RESULTADOS BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL Qual sua principal atividade? 27% 39% Radioterapia Medicina nuclear Radiodiagnóstico 34% Total de respostas =

41 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL RESULTADOS Há quantos anos você trabalha nesta atividade? TOTAL DE RESPOSTAS = 71 MÉDIA 9,97 MÍNIMA 0 MÁXIMA 39 MEDIANA 8 MODA 3 Medicina Nuclear Radioterapia Radiodiagnóstico MÉDIA 10,87 11,95 8,14 MÍNIMA MÁXIMA MEDIANA 8 8 5,5 MODA

42 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL RESULTADOS Quantas horas você trabalha por semana? TOTAL DE RESPOSTAS = 71 MÉDIA 36,35 MÍNIMA 0 MÁXIMA 64 MEDIANA 40 MODA 40 Medicina Nuclear Radioterapia Radiodiagnóstico MÉDIA 31,96 32,74 42,29 MÍNIMA MÁXIMA MEDIANA MODA

43 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL RESULTADOS Qual seu principal vínculo empregatício? Outro (especifique) 9,6% Bolsista 0,0% Residente 1,4% Proprietário de empresa de física médica 21,9% Autônomo 6,8% Servidor público 21,9% Celetista (CLT) 38,4% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% 30,0% 35,0% 40,0% 45,0% Total de respostas =

44 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL Estagiário Pesquisador Residente bolsista Desempregado Pesquisa RESULTADOS Qual seu principal vínculo empregatício? Opção Outro. 44

45 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL RESULTADOS 140% Qual seu principal vínculo empregatício? Por grupos 120% 100% 46,4% 80% 60% 40% 20% 0% 47,4% 26,1% Celetista (CLT) 14,3% 15,8% 34,8% Servidor público 7,1% 10,5% 4,3% Autônomo 21,4% 10,5% 34,8% Proprietário de empresa de física médica 10,7% 15,8% Outro (especifique) Radiodiagnóstico Radioterapia Medicina Nuclear Não há diferenças significativas entre os grupos. 45

46 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL RESULTADOS Quantos empregos de Física Médica sua empresa gera? (Esta pergunta foi respondida apenas pelos proprietários de empresa.) TOTAL DE RESPOSTAS = 11 MÉDIA 2,36 MÍNIMA 0 MÁXIMA 8 MEDIANA 1 MODA 0 Medicina Nuclear Radioterapia Radiodiagnóstico MÉDIA 2, MÍNIMA MÁXIMA MEDIANA 1,5 1 1 MODA N/D N/D 1 46

47 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL RESULTADOS Além dos empregos de físicos quantos outros empregos sua empresa gera? (Esta pergunta foi respondida apenas pelos proprietários de empresa.) TOTAL DE RESPOSTAS = 10 MÉDIA 16,89 MÍNIMA 1 MÁXIMA 200 MEDIANA 3 MODA 1 Medicina Nuclear Radioterapia Radiodiagnóstico MÉDIA 50,5 0 1,2 MÍNIMA MÁXIMA MEDIANA MODA 0 N/D 2 47

48 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL RESULTADOS Local de trabalho Outro (especifique) 6% Empresa de consultoria Empresa privada 9% 10% Universidade 15% Laboratório 3% Hospital privado 24% Hospital público 17% Clínica médica 14% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% Total de respostas = 98. Os pesquisados podiam responder mais de uma opção. 41% dos profissionais trabalham em hospitais, ou seja quase metade dos pesquisados. 48

49 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL RESULTADOS Você trabalha em: Opção Outro Desempregado afastada HOSPITAL FILANTRÓPICO E UNIVERSIDADE Instituicao de Pesquisa Fundação Publica Secretaria da Saúde 49

50 RESULTADOS BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL Local de trabalho (por grupos) Outro (especifique) 3% 6% 2% Empresa de consultoria 12% 12% Empresa privada 9% 11% 12% Universidade 3% 22% 20% Medicina Nuclear Laboratório Hospital privado 6% 2% 21% 28% 29% Radioterapia Radiodiagnóstico Hospital público 21% 22% 15% Clínica médica 26% 11% 7% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% Total de respostas = 98. A maior diferença está no grupo de Medicina Nuclear no trabalho Universidade. 50

51 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL RESULTADOS Qual o cargo que você ocupa? Outro (especifique) Professor Especialista de produto Especialista em execução de pós processamento e Vendedor Especialista em manutenção de equipamentos Gerente Administrador Dosimetrista Físico especialista em radiodiagnóstico Físico Supervisor de radioproteção 10,0% 2,7% 0,9% 5,5% 0,9% 2,7% 3,6% 2,7% 0,9% 7,3% 26,4% 36,4% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% 40% Total de respostas = 110. Nesta questão era permitido responder mais de um cargo. A opção Outro (especifique) é apresentada a seguir. 51

52 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL RESULTADOS Qual cargo que você ocupa? (Opção Outro) Estagiária Diretor Técnico Residente estudante de pos graduação Técnico de laboratório. Desempregado Pos Doc segundo a carteira de trabalho, auxiliar Físico Especialista em Medicina Nuclear Doutorando 52

53 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL RESULTADOS Você participa da especificação e escolha dos equipamentos a serem comprados? 20% 29% Sempre especifico e minha opinião é decisiva Sempre especifico, mas minha opinião não é decisiva 23% 15% As vezes especifico, mas quando isso ocorre, minha opinião é decisiva As vezes especifico, mas minha opinião não é decisiva 13% Nunca especifico Total de respostas = 69. Destaque para 44% dos profissionais, que responderam que sempre especificam e escolhem equipamentos. 53

54 RESULTADOS BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL Você participa da especificação e escolha dos equipamentos a serem comprados? (por grupos) Nunca especifico 19% 22% 21% As vezes especifico, mas minha opinião não é decisiva 24% 22% 21% As vezes especifico, mas quando isso ocorre, minha opinião é decisiva 24% 6% 7% Medicina Nuclear Radioterapia Sempre especifico, mas minha opinião não é decisiva 5% 28% 14% Radiodiagnóstico Sempre especifico e minha opinião é decisiva 29% 22% 36% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Os grupos de Radiodiagnóstico (50%) e Radioterapia (50%) especificam com mais frequência do que o grupo de Medicina nuclear (34%). 54

55 RESULTADOS BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL Você recebe um salário mensal líquido de? TOTAL DE RESPOSTAS = 59 MÉDIA 6.797,46 MÍNIMA 1,00 MÁXIMA ,00 MEDIANA 4.800,00 MODA 5.000,00 Medicina Nuclear Radioterapia Radiodiagnóstico MÉDIA 5.624, , ,36 MÍNIMA MÁXIMA MEDIANA MODA

56 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL RESULTADOS Além do salário que benefícios você recebe? Outro (especifique) 18% Previdência privada 4% Insalubridade Periculosidade 21% 21% Assinaturas de revistas ou periódicos 1% Reembolso despesas medicamentos 4% Seguro de vida 6% Convênio odontológico 7% Convênio médico 18% 0% 5% 10% 15% 20% 25% Total de respostas = 68. Nesta questão era permitido responder mais de um benefício. A opção Outro (especifique) é apresentada a seguir. 3 entrevistados citaram que não recebem nenhum tipo de benefício 56

57 BLOCO IV ATUAÇÃO PROFISSIONAL RESULTADOS Além do salário que outros benefícios recebe? Opção Outro convenio medico e previdência parciais Tele Fone Café da manhã e Almoço Vale refeição e alimentação que somam aproximadamente R$1300,00 e é descontado o plano de saúde e odontologico Premio incentivo Gratificação RX Vale refeição (2) 57

58 RESULTADOS BLOCO V SATISFAÇÃO COM CARREIRA Expectativas de trabalho Permanecer na colocação/posição/cargo atual Procurar outra colocação/posição/cargo Procurar outra colocação/posição/cargo fora do campo de física médica Permanecer trabalhando na minha colocação/posição/cargo atual, mas reduzir minha carga de trabalho Medicina Nuclear 1 ANO 5 ANOS Radiodiag -nóstico Medicina Nuclear Radioterapia Radioterapia Radiodiag -nóstico 57,9% 60,0% 45,8% 24,0% 14,3% 29,4% 21,1% 20,0% 25,0% 28,0% 42,9% 29,4% 5,3% 0,0% 12,5% 12,0% 7,1% 20,6% 10,5% 10,0% 8,3% 28,0% 21,4% 11,8% Quero me aposentar 0,0% 10,0% 0,0% 4,0% 7,1% 2,9% Não sei o que pretendo fazer. 5,3% 0,0% 8,3% 4,0% 7,1% 5,9% 58

59 RESULTADOS BLOCO V SATISFAÇÃO COM CARREIRA 120,00% O que você considera como principal estímulo para continuar na profissão de físico médico? 100,00% 80,00% 60,00% 40,00% 11% 13% 8% 5% 88% 24% 84% 68% Outro (especifique) Salários recebidos Benefícios recebidos Satisfação profissional 20,00% 0,00% Medicina Nuclear Radioterapia Radiodiagnóstico Total de respostas = 63. A opção Outro é apresentada a seguir. 59

60 BLOCO V SATISFAÇÃO COM CARREIRA RESULTADOS O que você considera como principal estímulo para continuar na profissão de físico médico? Opção Outro. Nenhum estímulo gostar do que eu faço Perspectivas de melhorar o salários, ainda está muito baixo. SATISFAÇÃO PESSOAL E SALÁRIO Difundir a profissão Atualmente sem estímulo para continuar 60

61 RESULTADOS BLOCO V SATISFAÇÃO COM CARREIRA 120% Você recomendaria a carreira de físico médico a alguém? 100% 80% 60% 35% 10% 13% 31% 26% 26% Não sei Não 40% Sim 20% 55% 56% 48% 0% Medicina Nuclear Radioterapia Radiodiagnóstico Total de respostas = 67. O grupo de Radiodiagnóstico apresenta a menor intenção de recomendar dentre os três grupos. 61

62 RESULTADOS BLOCO V SATISFAÇÃO COM CARREIRA Atitudes e Opiniões Concordo totalmente Concordo parcialmente Nem concordo nem discordo Discordo parcialmente Discordo totalmente Eu acho minha profissão muito recompensadora e prazerosa. 33% 36% 9% 15% 5% 3,34 1,68 Eu sou compensado de forma justa na minha profissão. 14% 24% 8% 27% 23% 2,40 1,64 As diferentes formações dos profissionais de física médica fortalecem a profissão. As múltiplas oportunidades de carreiras fortalecem a profissão do físico médico. Atualmente, a oferta de profissionais qualificados de física médica é suficiente para atender a demanda. A delegação de mais responsabilidade aos profissionais de nível técnico é uma ação apropriada para suprir a falta de profissionais de física médica A criação de um programa de doutorado em física médica produz um impacto positivo na profissão. A criação de um programa de mestrado em física médica produz um impacto positivo na profissão. Estou muito satisfeito com o respeito, que meus colegas de profissão me tratam. Estou muito satisfeito com o respeito que administradores e diretores de hospitais me tratam. A certificação ABFM proporciona muitos benefícios para o profissional de física médica. A certificação CNEN proporciona muitos benefícios para o profissional de física médica. Média Desvio Padrão 26% 26% 25% 9% 11% 3,01 1,70 27% 27% 14% 14% 17% 2,95 1,75 5% 23% 13% 19% 39% 2,00 1,50 0% 17% 6% 20% 53% 1,59 1,26 55% 22% 3% 9% 8% 3,55 1,87 57% 18% 6% 8% 9% 3,53 1,88 27% 29% 17% 9% 12% 3,08 1,73 22% 18% 17% 15% 17% 2,68 1,75 12% 15% 23% 14% 33% 2,26 1,58 48% 14% 21% 6% 9% 3,41 1,79

63 BLOCO V SATISFAÇÃO COM CARREIRA RESULTADOS Ao analisar o resultado da tabela sobre atitudes e opiniões algumas questões merecem atenção: As médias para criação de programas de mestrado e doutorado em física médica são as mais altas dos itens avaliados, demonstrando o interesse dos pesquisados em aprimorar seus conhecimentos na profissão. A média de 2,00 no item Atualmente, a oferta de profissionais qualificados de física médica é suficiente para atender a demanda indica que há espaço para a criação e divulgação de cursos para a qualificação de profissionais. A média de 2,26 no item A certificação ABFM proporciona muitos benefícios para o profissional de física médica indica que há muito a se trabalhar em termos de melhorias, pois a percepção indica que os profissionais percebem mais benefícios na CNEN.

64 RESULTADOS BLOCO V SATISFAÇÃO COM CARREIRA Atitudes e Opiniões Medicina Nuclear Concordo totalmente Concordo parcialmente Nem concordo nem discordo Discordo parcialmente Discordo totalmente Eu acho minha profissão muito recompensadora e prazerosa. 37% 32% 11% 21% 0% 2,92 1,96 Eu sou compensado de forma justa na minha profissão. 20% 30% 5% 35% 5% 2,48 1,83 As diferentes formações dos profissionais de física médica fortalecem a profissão. As múltiplas oportunidades de carreiras fortalecem a profissão do físico médico. Atualmente, a oferta de profissionais qualificados de física médica é suficiente para atender a demanda. A delegação de mais responsabilidade aos profissionais de nível técnico é uma ação apropriada para suprir a falta de profissionais de física médica A criação de um programa de doutorado em física médica produz um impacto positivo na profissão. A criação de um programa de mestrado em física médica produz um impacto positivo na profissão. Estou muito satisfeito com o respeito, que meus colegas de profissão me tratam. Estou muito satisfeito com o respeito que administradores e diretores de hospitais me tratam. A certificação ABFM proporciona muitos benefícios para o profissional de física médica. A certificação CNEN proporciona muitos benefícios para o profissional de física médica. Média Desvio Padrão 16% 26% 42% 11% 5% 2,56 1,73 26% 26% 26% 5% 11% 2,67 1,93 6% 28% 11% 28% 28% 1,84 1,62 0% 16% 5% 21% 58% 1,36 1,25 53% 21% 0% 11% 5% 3,09 2,17 53% 16% 11% 11% 5% 3,04 2,12 42% 26% 26% 0% 0% 3,13 1,98 47% 16% 11% 5% 16% 2,83 2,14 11% 5% 32% 26% 21% 1,92 1,56 63% 5% 16% 11% 5% 3,12 2,13 64

65 BLOCO V SATISFAÇÃO COM CARREIRA RESULTADOS Atitudes e Opiniões Radioterapia Concordo totalmente Concordo parcialmente Nem concordo nem discordo Discordo parcialmente Discordo totalmente Média Desvio Padrão Eu acho minha profissão muito recompensadora e prazerosa. 53% 35% 0% 0% 12% 3,55 1,93 Eu sou compensado de forma justa na minha profissão. 0% 29% 6% 41% 24% 2,05 1,39 As diferentes formações dos profissionais de física médica fortalecem a profissão. As múltiplas oportunidades de carreiras fortalecem a profissão do físico médico. Atualmente, a oferta de profissionais qualificados de física médica é suficiente para atender a demanda. A delegação de mais responsabilidade aos profissionais de nível técnico é uma ação apropriada para suprir a falta de profissionais de física médica A criação de um programa de doutorado em física médica produz um impacto positivo na profissão. A criação de um programa de mestrado em física médica produz um impacto positivo na profissão. Estou muito satisfeito com o respeito, que meus colegas de profissão me tratam. Estou muito satisfeito com o respeito que administradores e diretores de hospitais me tratam. A certificação ABFM proporciona muitos benefícios para o profissional de física médica. A certificação CNEN proporciona muitos benefícios para o profissional de física médica. 41% 18% 24% 6% 12% 3,15 1,87 29% 18% 12% 29% 12% 2,75 1,80 12% 12% 6% 12% 59% 1,75 1,59 0% 29% 0% 18% 47% 1,79 1,47 71% 18% 0% 6% 6% 3,75 1,94 76% 12% 0% 6% 6% 3,80 1,96 18% 35% 24% 12% 12% 2,85 1,69 6% 6% 25% 38% 19% 1,89 1,41 18% 24% 24% 12% 24% 2,55 1,73 41% 12% 29% 6% 12% 3,10 1,86 65

66 BLOCO V SATISFAÇÃO COM CARREIRA RESULTADOS Atitudes e Opiniões Radiodiagnóstico Concordo totalmente Concordo parcialmente Nem concordo nem discordo Discordo parcialmente Discordo totalmente Média Desvio Padrão Eu acho minha profissão muito recompensadora e prazerosa. 21% 39% 14% 21% 4% 3,54 1,17 Eu sou compensado de forma justa na minha profissão. 19% 19% 11% 15% 33% 2,63 1,64 As diferentes formações dos profissionais de física médica fortalecem a profissão. As múltiplas oportunidades de carreiras fortalecem a profissão do físico médico. Atualmente, a oferta de profissionais qualificados de física médica é suficiente para atender a demanda. A delegação de mais responsabilidade aos profissionais de nível técnico é uma ação apropriada para suprir a falta de profissionais de física médica A criação de um programa de doutorado em física médica produz um impacto positivo na profissão. A criação de um programa de mestrado em física médica produz um impacto positivo na profissão. Estou muito satisfeito com o respeito, que meus colegas de profissão me tratam. Estou muito satisfeito com o respeito que administradores e diretores de hospitais me tratam. A certificação ABFM proporciona muitos benefícios para o profissional de física médica. A certificação CNEN proporciona muitos benefícios para o profissional de física médica. 26% 33% 15% 7% 15% 3,37 1,52 29% 36% 7% 11% 18% 3,46 1,48 0% 22% 19% 19% 37% 2,19 1,27 0% 7% 11% 22% 56% 1,63 1,01 50% 21% 7% 11% 11% 3,89 1,42 46% 25% 7% 7% 14% 3,82 1,47 25% 29% 7% 11% 21% 3,27 1,56 14% 29% 18% 11% 14% 3,21 1,35 11% 18% 18% 7% 46% 2,39 1,50 46% 21% 21% 4% 7% 3,96 1,23 66

67 BLOCO V SATISFAÇÃO COM CARREIRA RESULTADOS Ao analisar o resultado da tabela sobre atitudes e opiniões dos três grupos (radioterapia, medicina nuclear e radiodiagnóstico) algumas questões merecem atenção: No geral o grupo de Medicina Nuclear possui as médias mais baixas. As diferenças entre os grupos são mais acentuadas nos itens que avaliam: A certificação ABFM proporciona muitos benefícios para o profissional de física médica e A certificação CNEN proporciona muitos benefícios para o profissional de física médica. 67

68 RECOMENDAÇÕES 68

69 RECOMENDAÇÕES O resultado desta pesquisa poderá subsidiar decisões da administração da ABFM em diferentes áreas: Ações de comunicação sociedade científicas, ex-associados e futuros associados e também com instituições de regulação da profissão; Melhorias nos produtos oferecidos aos potenciais associados tipo de cursos e certificações a serem oferecidas em função das expectativas dos profissionais pesquisados. No entanto, seria mais apropriado validar com a administração qualquer proposição, uma vez que não conhecemos os limites de sua atuação. 69

70 Contato: Equipe técnica: Marcelo Deluca, Doutorando Francisco Moredo, M.Adm Estagiária: Giselle Lunardeli Silvestre Equipe de campo: 2 pesquisadores 70

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO 1 PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO O Brasil conta hoje, com 254.886 médicos em atividade profissional (CFM, 2003). O contingente de radiologistas é da ordem de 5388, o que

Leia mais

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica -

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Fís. Adriano Oliveira dos Santos Goulart Especialista em Administração Hospitalar e Negócios em Saúde Especialista

Leia mais

Perspectivas do Investimento na Carreira dos Profissionais de TI

Perspectivas do Investimento na Carreira dos Profissionais de TI Perspectivas do Investimento na Carreira dos Profissionais de TI Amostra da Pesquisa - Amostra: 180 profissionais participantes - Público-Alvo: Profissionais de TI. Características dos Profissionais Há

Leia mais

Edital para Seleção de Preceptores

Edital para Seleção de Preceptores Edital para Seleção de Preceptores Centro Colaborador: Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP Processo Seletivo para o Curso de Aperfeiçoamento Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática

Leia mais

GEOCIÊNCIAS ÁREA: TRIÊNIO DE AVALIAÇÃO 2007-2009. Coordenador: Roberto Dall Agnol Coordenador-Adjunto: Ministério da Educação

GEOCIÊNCIAS ÁREA: TRIÊNIO DE AVALIAÇÃO 2007-2009. Coordenador: Roberto Dall Agnol Coordenador-Adjunto: Ministério da Educação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação ÁREA: GEOCIÊNCIAS TRIÊNIO DE AVALIAÇÃO 2007-2009 2009 COORDENAÇÃO 2008-2010 2010 Coordenador: Roberto

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Contexto Em abril de 2012, o governo através da diretoria da agência reguladora de energia elétrica (ANEEL) aprovou regras destinadas a reduzir

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UFSCar SOB O OLHAR DOS ALUNOS DA TURMA 2013 DO POLO DE FRANCA (SP)

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UFSCar SOB O OLHAR DOS ALUNOS DA TURMA 2013 DO POLO DE FRANCA (SP) 1 O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UFSCar SOB O OLHAR DOS ALUNOS DA TURMA 2013 DO POLO DE FRANCA (SP) São Carlos - SP - maio/2015 Daniela Salgado Gonçalves da Silva - UFSCar - danisalgadoead@gmail.com Glauco

Leia mais

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e ERRATA A página 19 foi substituída pela página abaixo: Quadro de servidores públicos municipais 1999-2002 Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e passando por uma redistribuição de poderes

Leia mais

1) Nome do Projeto Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos do Município de Vitória

1) Nome do Projeto Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos do Município de Vitória 1) Nome do Projeto Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos do Município de Vitória 2) Caracterização da Situação Anterior O Plano de Cargos e Carreira é um estímulo para o servidor. O último plano de Cargos,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

3 Método 3.1. Entrevistas iniciais

3 Método 3.1. Entrevistas iniciais 3 Método 3.1. Entrevistas iniciais Os primeiros passos para elaboração do questionário foram entrevistas semiestruturadas feitas pelo telefone com o objetivo de descobrir o tempo máximo de lembrança das

Leia mais

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 3 de junho de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: a sondagem ter por objetivo identificar os hábitos de compras

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 008/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 08 DE MAIO DE 2015 Dispõe sobre a metodologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO SUPERIOR EM SAÚDE - CEDESS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO SUPERIOR EM SAÚDE - CEDESS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO SUPERIOR EM SAÚDE - CEDESS Produto da Dissertação: Relatório técnico para a Reitoria da UEA A preceptoria no internato do

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Luiz Roberto Liza Curi Sociólogo Doutor em Economia Conselheiro do Conselho Nacional de Educação Diretor LEYA

Leia mais

Questionário do Professor

Questionário do Professor [cole aqui a etiqueta de identificação] (105 x 35 mm) Pesquisa Internacional da OCDE sobre Ensino e Aprendizagem (TALIS) Questionário do Professor Versão Pesquisa (MS-12-01) [Português, Brasil] Coordenação

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Metodologia Técnicaeformadecoleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas entre os dias 17 de junho e 07 de julho de 2009, pelo Instituto Vox

Leia mais

AVALIE ENSINO MÉDIO 2013 Questionário do Estudante

AVALIE ENSINO MÉDIO 2013 Questionário do Estudante AVALIE ENSINO MÉDIO 2013 Questionário do Estudante Caro Estudante, O Projeto Avalie pretende conhecer melhor o perfil do estudante do Ensino Médio da Bahia, por isso a sua participação representa a garantia

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa Intenção de compra dos riograndenses para o Natal de 2008 IPO Porto Alegre RS Rua São Manoel, 239 Rio Branco - CEP 90620-110 Fone: (51) 3286-6156 E-mail: ipo@ipo.inf.br IPO Pelotas

Leia mais

SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS. RH Online

SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS. RH Online Campus de Botucatu Sistema de Recursos Humanos SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS RH Online Faculdade de Medicina de Botucatu Seção Técnica de Desenv. Adm de RH / Serviço Técnico de Informática Distrito de Rubião

Leia mais

Levantamento de Governança de TI 2014

Levantamento de Governança de TI 2014 Levantamento de Governança de TI 2014 Resultado individual: CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Segmento: Executivo - Sisp Tipo: Autarquia A classificação deste documento é de responsabilidade

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA - UNIBAHIA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DISCENT APRESENTAÇÃO 1. A Avaliação Institucional com o corpo discente é parte do processo de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Pró-reitoria de Planejamento PROPLAN Comissão Própria de Avaliação CPA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Pró-reitoria de Planejamento PROPLAN Comissão Própria de Avaliação CPA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Pró-reitoria de Planejamento PROPLAN Comissão Própria de Avaliação CPA 1ª Avaliação do Curso de Especialização em Projetos e Obras Públicas de Edificações do Programa

Leia mais

HÁBITOS DE INFORMAÇÃO E FORMAÇÃO DE OPINIÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA II. Relatório de Pesquisa Quantitativa

HÁBITOS DE INFORMAÇÃO E FORMAÇÃO DE OPINIÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA II. Relatório de Pesquisa Quantitativa HÁBITOS DE INFORMAÇÃO E FORMAÇÃO DE OPINIÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA II Relatório de Pesquisa Quantitativa Dezembro de 2010 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. METODOLOGIA... 4 2. TELEVISÃO... 11 3. RÁDIO... 31

Leia mais

Universidade Federal. do Acre. Universidade Federal. do Amazonas. Universidade Federal. do Amapá. Universidade Federal. do Pará. Universidade Federal

Universidade Federal. do Acre. Universidade Federal. do Amazonas. Universidade Federal. do Amapá. Universidade Federal. do Pará. Universidade Federal UF CATEGORIA ADMINISTRATIVA SIGLA IES AC FEDERAL UFAC AM FEDERAL UFAM AP FEDERAL UNIFAP PA FEDERAL UFPA PA FEDERAL UFRA RO FEDERAL UNIR RR FEDERAL UFRR TO FEDERAL UFT MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO 8 KM CIRCUITO CATARATAS JL SHOPPING

REGULAMENTO DESAFIO 8 KM CIRCUITO CATARATAS JL SHOPPING REGULAMENTO DESAFIO 8 KM CIRCUITO CATARATAS JL SHOPPING 1. A PROVA 1.1. O presente regulamento tem a finalidade de disciplinar a Prova Pedestre denominada DESAFIO 8 KM CIRCUITO CATARATAS JL SHOPPING, CONCURSO

Leia mais

Experiência: Sistema de Monitoramento do Mercado de Terras SMMT

Experiência: Sistema de Monitoramento do Mercado de Terras SMMT Experiência: Sistema de Monitoramento do Mercado de Terras SMMT Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Responsável: Marlon Duarte Barbosa Equipe: Marlon Duarte Barbosa, Rafael Henrique Severo, Mariana

Leia mais

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL Um estudo de perfil sócio-econômico para subsidiar ações estratégicas na categoria MARÇO DE 2010 ALOISIO LEÃO DA COSTA

Leia mais

RELATÓRIO PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL

RELATÓRIO PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 16ª REGIÃO SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E ESTATÍSTICA RELATÓRIO PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2011 1 - INTRODUÇÃO O Tribunal Regional do Trabalho

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

EDITAL Nº 001/2015 - PROCIENT

EDITAL Nº 001/2015 - PROCIENT FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE - FACDO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO NUPEX PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROCIENT FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE Rua Santa Cruz, 557. Centro - 77804-090

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

Sondagem Festas Juninas 2015

Sondagem Festas Juninas 2015 Sondagem Festas Juninas 0 de Maio de 0 0 Copyright Boa Vista Serviços Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 0 o Perfil dos respondentes... 0 o Comemoração das Festas Juninas... 09 o Do que os consumidores

Leia mais

SUMÁRIO RELAÇÃO DE PONTUAÇÃO.3 01 AVALIAÇÃO DOS COORDENADORES PELA DIREÇÃO.4 02 AVALIAÇÃO DO CORPO DOCENTE PELOS COORDENADORES.21 14.22 14.

SUMÁRIO RELAÇÃO DE PONTUAÇÃO.3 01 AVALIAÇÃO DOS COORDENADORES PELA DIREÇÃO.4 02 AVALIAÇÃO DO CORPO DOCENTE PELOS COORDENADORES.21 14.22 14. SUMÁRIO RELAÇÃO DE PONTUAÇÃO...3 01 AVALIAÇÃO DOS COORDENADORES PELA DIREÇÃO......4 02 AVALIAÇÃO DO CORPO DOCENTE PELOS COORDENADORES...5 03 AVALIAÇÃO DA DIREÇÃO PELA COORDENAÇÃO...6 04 AVALIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

Fanor - Faculdade Nordeste

Fanor - Faculdade Nordeste Norma 025: Projeto de Avaliação Institucional Capítulo I Disposições Gerais A avaliação institucional preocupa-se, fundamentalmente, com o julgamento dos aspectos que envolvem a realidade interna e externa

Leia mais

GRADUAÇÃO EM DIREITO

GRADUAÇÃO EM DIREITO GRADUAÇÃO EM DIREITO DEFINIÇÃO DA PROFISSÃO: É a ciência que cuida da aplicação das normas jurídicas vigentes em um país, para organizar as relações entre indivíduos e grupos na sociedade. Zelar pela harmonia

Leia mais

GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

GRADUAÇÃO EM QUÍMICA GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DEFINIÇÃO DA PROFISSÃO: O Químico estuda a matéria, sua composição e suas propriedades. Ele analisa substâncias e compostos, identifica suas características físico-químicas, como elasticidade

Leia mais

Efeitos das ações educativas do Curso de Qualificação Profissional Formação de Jardineiros na vida dos participantes.

Efeitos das ações educativas do Curso de Qualificação Profissional Formação de Jardineiros na vida dos participantes. Efeitos das ações educativas do Curso de Qualificação Profissional Formação de Jardineiros na vida dos participantes. Katiúcia Dias Fernandes 1 Silvério José Coelho 2 Introdução Entre os grandes temas

Leia mais

Panorama da produção científica de pesquisadores surdos no Brasil

Panorama da produção científica de pesquisadores surdos no Brasil ARTIGO Panorama da produção científica de pesquisadores surdos no Brasil por Alcebíades Nascimento Júnior Mestrando em Linguística pelo IEL da UNICAMP, atualmente é professor das disciplinas de Libras

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DE PROFESSOR. Professor: Data / / Disciplina:

QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DE PROFESSOR. Professor: Data / / Disciplina: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA de São Paulo, Campus Avançado de Matão, base em Sertãozinho Relatório de Avaliação Interna RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO INTERNA DO CAMPUS AVANÇADO DE MATÃO

Leia mais

As universidades do Brasil mais respeitadas por empregadores Os diplomas mais valorizados pelas empresas

As universidades do Brasil mais respeitadas por empregadores Os diplomas mais valorizados pelas empresas As universidades do Brasil mais respeitadas por empregadores Os diplomas mais valorizados pelas empresas Camila Pati, de EXAME.com São Paulo - Para elaborar seus rankings de melhores universidades, a Quacquarelli

Leia mais

ID Proponente UF CURSO TIPO

ID Proponente UF CURSO TIPO PLANILHA DE CONTROLE - OFERTA DE CURSOS POR INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO ID Proponente UF CURSO TIPO 1 CEFET-AL ALAGOAS Hotelaria Tecnólogo 2 CEFET-CE CEARÁ Hospedagem Tecnólogo 3 CEFET-CE CEARÁ Matemática

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/INCRA/Nº 32, DE 11 DE JUNHO DE 1999. (Boletim de Serviços nº 24, de 14/06/99)

INSTRUÇÃO NORMATIVA/INCRA/Nº 32, DE 11 DE JUNHO DE 1999. (Boletim de Serviços nº 24, de 14/06/99) INSTRUÇÃO NORMATIVA/INCRA/Nº 32, DE 11 DE JUNHO DE 1999. (Boletim de Serviços nº 24, de 14/06/99) Dispõe sobre a concessão de estágio, no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária INCRA, aos

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA TUTORIAL DE PREENCHIMENTO DOS DOCUMENTOS A SEREM ENTREGUES PARA A OBTENÇÃO DO PARECER DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS INTRODUÇÃO. O Comitê de

Leia mais

A determinação da classe social foi baseada na visão IBGE/ FGV, ou seja, considerando a renda familiar em número de salários mínimos.

A determinação da classe social foi baseada na visão IBGE/ FGV, ou seja, considerando a renda familiar em número de salários mínimos. Objetivo: Levantar informações sobre o uso das redes sociais, característica de seus usuários, motivações de acesso, interação com amigos e marcas, etc. Metodologia: pesquisa quantitativa online com 484

Leia mais

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES 1) Já completei 25 anos como professora em sala de aula, tenho hoje 45 anos de idade, com esta idade vou aposentar

Leia mais

Recrutamento e Seleção de Pessoal

Recrutamento e Seleção de Pessoal Gestão de RH Prof. Roberto Huck Recrutamento e Seleção de Pessoal Roteiro da Teleaula 1.Conceito de Recrutamento; 2. As Fases do Recrutamento; 3.Avaliação do Processo de Recrutamento; 4.Conceito de Seleção;

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2004 a 2006 Etapa: Trienal 2007 Área de : 15 - MEDICINA I IES: 50001019 - UFMT - UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Programa: 50001019009P9 - CIÊNCIAS DA SAÚDE Modalidade: Acadêmico Curso

Leia mais

2.1. Curso de Especialização em Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde

2.1. Curso de Especialização em Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde EDITAL DE SELEÇÃO DE ESPECIALIZANDOS PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESPECIALIZANDOS PARA OS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM: GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE PARA PRECEPTORES DO SUS, GESTÃO DA CLÍNICA NAS REGIÕES DE SAÚDE;

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS DOS CURSOS DE QUALIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO DAS ÁREAS: ADMINISTRAÇÃO, MODA E BELEZA E TURISMO E HOTELARIA DO SISTEMA SENAC

ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS DOS CURSOS DE QUALIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO DAS ÁREAS: ADMINISTRAÇÃO, MODA E BELEZA E TURISMO E HOTELARIA DO SISTEMA SENAC ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS DOS CURSOS DE QUALIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO DAS ÁREAS: ADMINISTRAÇÃO, MODA E BELEZA E 1 O projeto de pesquisa do Senac TURISMO E HOTELARIA DO SISTEMA SENAC O Centro de Análises,

Leia mais

A formação profissional em Ciência da Informação em Portugal: desafios e perspectivas

A formação profissional em Ciência da Informação em Portugal: desafios e perspectivas A formação profissional em Ciência da Informação em Portugal: desafios e perspectivas Fernanda Ribeiro Doutora em Ciências Documentais pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Diretora da Faculdade

Leia mais

Pesquisa. A participação dos pais na Educação de seus filhos

Pesquisa. A participação dos pais na Educação de seus filhos Pesquisa A participação dos pais na Educação de seus filhos 1 Objetivos do movimento Todos Pela Educação Ampliar os conhecimentos do Todos Pela Educação, da Fundação SM, de nossos parceiros e da sociedade

Leia mais

E-learning para servidores públicos de nível médio

E-learning para servidores públicos de nível médio 554.ART 04 24.06.05 19:13 Page 113 E-Learning para servidores públicos de nível médio E-learning para servidores públicos de nível médio Silvio Miyazaki* Marcelo Amaral Gonçalves de Mendonça** RESUMO Analisar

Leia mais

DISCIPLINAS ONLINE EM CURSOS PRESENCIAIS: ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS

DISCIPLINAS ONLINE EM CURSOS PRESENCIAIS: ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS 1 DISCIPLINAS ONLINE EM CURSOS PRESENCIAIS: ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS Resende - RJ - Abril - 2014 Miguel Carlos Damasco dos Santos Associação Educacional Dom Bosco contato@profdamasco.site.br.com

Leia mais

Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros?

Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros? Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros? Luísa Cardoso 1 Medir de forma multidimensional o quão desigual é a situação das mulheres em relação aos homens é uma iniciativa empreendida

Leia mais

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Agosto de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 03 o Sumário... 04 o Perfil dos respondentes... 05 o Pretensão

Leia mais

Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerências da ESJUD Aprovado por: Escola do Poder Judiciário 1 OBJETIVO Estabelecer as diretrizes que norteiam a capacitação no

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET 7 INSTITUIÇÕES 370 GRUPOS REGIÃO NORTE - 8 INSTITUIÇÕES

Leia mais

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD 1 A QUALIDADE DOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB Belém PA, Maio 2012 Categoria: Pesquisa e Avaliação

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia -5,12% em Maio O Índice Nacional da Construção

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico

Leia mais

Secretariado Executivo: Expansão do Curso e Perfil dos Alunos em Rondonópolis-MT

Secretariado Executivo: Expansão do Curso e Perfil dos Alunos em Rondonópolis-MT Secretariado Executivo: Expansão do Curso e Perfil dos Alunos em Rondonópolis-MT Susana Taulé Piñol* Reinaldo Mesquita Cassiano** Resumo Este artigo apresenta a expansão histórica da profissão de Secretariado

Leia mais

Edital Nº 02/2014 PROEN

Edital Nº 02/2014 PROEN Edital Nº 02/2014 PROEN Chamada única para seleção de bolsistas de mobilidade estudantil (Bolsas SANTANDER 2014) O PRÓ-REITOR DE ENSINO da Universidade Federal do Maranhão torna público, para conhecimento

Leia mais

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas : Avaliação do perfil de inovação de empresas Prof. Paulo Henrique S. Bermejo, Dr. Prof. André Luiz Zambalde, Dr. Adriano Olímpio Tonelli, MSc. Pamela A. Santos Priscila Rosa LabGTI Laboratório de Governança

Leia mais

Ensino Fundamental 6 ao 9 ano ou 5ª a 8ª série

Ensino Fundamental 6 ao 9 ano ou 5ª a 8ª série Cole aqui a etiqueta de identificação (105 x 35 mm) Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem (TALIS) 2013 Questionário do Professor

Leia mais

PESQUISADORES. Pesquisadores

PESQUISADORES. Pesquisadores Pesquisadores Objetivos 2 Conhecer a opinião dos pesquisadores apoiados pela FAPESP sobre o tema Ciência e Tecnologia. 3 Principais resultados Principais resultados 4 Melhores recursos financeiros e credibilidade

Leia mais

INTREGRAPE PROJETO APE

INTREGRAPE PROJETO APE INTREGRAPE PROJETO APE Ações Preventivas na Escola Atua no fortalecimento e desenvolvimento do Eixo-Saúde no Programa Escola da Família, sistematizando ações de organização social, que qualifique multiplicadores

Leia mais

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação (Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014 (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação Instrumento Diagnóstico - PAR Municipal 2011-2014 A gestão que prioriza

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA/97/032 Coordenação do Programa de Modernização Fiscal dos Estados Brasileiros - PNAFE Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR entre a República Federativa do Brasil e o Banco

Leia mais

INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA

INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA 2013 Luciano Nadolny Licenciatura em Psicologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ACOMPANHAMENTO DA CARREIRA PROFISSIONAL E AVALIAÇÃO DO CURSO/UFSCar PELOS EGRESSOS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SÃO CARLOS

RELATÓRIO FINAL DE ACOMPANHAMENTO DA CARREIRA PROFISSIONAL E AVALIAÇÃO DO CURSO/UFSCar PELOS EGRESSOS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SÃO CARLOS RELATÓRIO FINAL DE ACOMPANHAMENTO DA CARREIRA PROFISSIONAL E AVALIAÇÃO DO CURSO/UFSCar PELOS EGRESSOS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SÃO CARLOS Amostragem Amostra n População N Total de respondentes Engenharia

Leia mais

A Pós-Graduação em Psicologia no Brasil

A Pós-Graduação em Psicologia no Brasil SEÇÃO LIVRE Entrevista com Oswaldo Hajime Yamamoto Pollyanna Santos da Silveira I Leonardo Fernandes Martins I I Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFJF. O Doutor Oswaldo Hajime Yamamoto é professor

Leia mais

PERFIL DOS ALUNOS INGRESSANTES - 2005 CARACTERÍSTICAS SÓCIO-ECONÔMICAS Curso : ARQUITETURA E URBANISMO

PERFIL DOS ALUNOS INGRESSANTES - 2005 CARACTERÍSTICAS SÓCIO-ECONÔMICAS Curso : ARQUITETURA E URBANISMO CARACTERÍSTICAS SÓCIO-ECONÔMICAS Quadro e Gráfico 01 - Renda familiar mensal Não informado 0 0 0 Até R$ 26 0 0 0 de R$ 261,00 a R$ 78 2 5 7 1 de R$ 781,00 a R$ 1.30 2 1 3 de R$ 1.301,00 a R$ 1.82 0 1 1

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE EXTENSÃO

RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE EXTENSÃO RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE EXTENSÃO 1. Identificação e caracterização Título do Projeto Nome do Prof(s) Coordenador(es) do Projeto Centro Laboratório Período Início Término Término previsto

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação

Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação Projeto Básico (pdf) A Gerência de Sistemas GESIS, da Gerência Geral de Gestão do Conhecimento e Documentação- GGCON, tem como objetivo Implantar

Leia mais

Sistema Interno de Garantia da Qualidade

Sistema Interno de Garantia da Qualidade ISEL Sistema Interno de Garantia da Qualidade RELATÓRIO Inquérito Novos Alunos Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Gabinete de Avaliação e Qualidade Janeiro 2014 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 4 1.1

Leia mais

ANEXO 1- Formulário de Solicitação para o PROGRAMA DE BOLSAS ACADÊMICAS DE INCLUSÃO SOCIAL ( ) Fiz inscrição para o PACE/2014

ANEXO 1- Formulário de Solicitação para o PROGRAMA DE BOLSAS ACADÊMICAS DE INCLUSÃO SOCIAL ( ) Fiz inscrição para o PACE/2014 ANEXO 1- Formulário de Solicitação para o PROGRAMA DE BOLSAS ACADÊMICAS DE INCLUSÃO SOCIAL ( ) Fiz inscrição para o PACE/2014 2.0 DADOS PESSOAIS: 2.1 Câmpus 2.2 n de matrícula 2.3 Curso 2.4Período/Série

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV

COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV ACORDO FIRMADO COM O BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES RECADASTRAMENTO GERAL - 2015

PERGUNTAS FREQUENTES RECADASTRAMENTO GERAL - 2015 PERGUNTAS FREQUENTES RECADASTRAMENTO GERAL - 2015 O que é o Recadastramento? Quem deve se recadastrar? Quem está afastado também deve se recadastrar? Quem NÃO deve se recadastrar? Quando realizar o recadastramento?

Leia mais

O COMPORTAMENTO DE CONSUMIDORES DE VEÍCULOS USADOS: UM ESTUDO A PARTIR DO PROCESSO DECISÓRIO DE COMPRA

O COMPORTAMENTO DE CONSUMIDORES DE VEÍCULOS USADOS: UM ESTUDO A PARTIR DO PROCESSO DECISÓRIO DE COMPRA O COMPORTAMENTO DE CONSUMIDORES DE VEÍCULOS USADOS: UM ESTUDO A PARTIR DO PROCESSO DECISÓRIO DE COMPRA Luciano Zamberlan (UNIJUÍ) lucianoz@unijui.edu.br Ariosto Sparemberger (UNIJUÍ) ariosto@unijui.edu.br

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa Intenção de compra dos pelotenses para o Natal de 2008 IPO Porto Alegre RS Rua São Manoel, 239 Rio Branco - CEP 90620-110 Fone: (51) 3286-6156 E-mail: ipo@ipo.inf.br IPO Pelotas -

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB 1 Com finalidade de auxiliar nas respostas às perguntas formuladas ou de esclarecer alguma dúvida sobre questões que não foram expressas

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

1 DO PROGRAMA DE MONITORIA DO IFPE 1.1 OBJETIVO GERAL

1 DO PROGRAMA DE MONITORIA DO IFPE 1.1 OBJETIVO GERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DIREÇÃO DE ENSINO DO CAMPUS RECIFE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA DOS CURSOS TÉCNICOS CAMPUS RECIFE EDITALn

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO 11ª EDIÇÃO

REGULAMENTO DO PRÊMIO MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO 11ª EDIÇÃO REGULAMENTO DO PRÊMIO MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO 11ª EDIÇÃO 1. O Prêmio 1.1. O Prêmio Melhores Práticas de Estágio, iniciativa do Fórum de Estágio da Bahia, de periodicidade anual, é destinado a identificar

Leia mais

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s Roteiro I. Metodologia II. III. IV. Segmentação do mercado Caracterização dos entrevistados Percepções sobre o turismo no Brasil V. Hábitos e comportamentos sobre turismo VI. VII. VIII. Prioridade de investimento

Leia mais

Cabe destacar que cada candidato interessado deverá escolher apenas 1 (hum) Centro de Referência ou Colaborador para realizar sua inscrição.

Cabe destacar que cada candidato interessado deverá escolher apenas 1 (hum) Centro de Referência ou Colaborador para realizar sua inscrição. Edital para Seleção de Preceptores Universidade Estadual de Maringá Processo Seletivo para o Curso de Aperfeiçoamento Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria - ABEM A Associação

Leia mais

Survey Salarial. Edição 2014. www.egor.pt. rigor. criatividade. confiança. ética. excelência

Survey Salarial. Edição 2014. www.egor.pt. rigor. criatividade. confiança. ética. excelência Survey Salarial Edição 2014 www.egor.pt rigor. criatividade. confiança. ética. excelência Survey Salarial Edição 2014 Índice 01 INTRODUÇÃO 1 02 GLOSSÁRIO 2 03 SALÁRIOS POR NÍVEIS DE FUNÇÃO 3 04 ENQUADRAMENTO

Leia mais

A ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA REDE PÚBLICA DE EDUCAÇÃO FRENTE À DEMANDA ESCOLAR: REGULAMENTAÇÃO, CONCEPÇÕES, PRÁTICAS E INOVAÇÕES.

A ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA REDE PÚBLICA DE EDUCAÇÃO FRENTE À DEMANDA ESCOLAR: REGULAMENTAÇÃO, CONCEPÇÕES, PRÁTICAS E INOVAÇÕES. A ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA REDE PÚBLICA DE EDUCAÇÃO FRENTE À DEMANDA ESCOLAR: REGULAMENTAÇÃO, CONCEPÇÕES, PRÁTICAS E INOVAÇÕES. Daniela Fernanda Schott 1, Celso Francisco Tondin 2, Irme Salete Bonamigo

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER

ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR II: Serviços da Rede Básica Porto Alegre

Leia mais

CARTA DO RECIFE. Senhor Presidente,

CARTA DO RECIFE. Senhor Presidente, CARTA DO RECIFE Ao Presidente do Conselho Federal de Farmácia Dr. Walter da Silva Jorge João Senhor Presidente, O Encontro Norte/Nordeste/Centro-Oeste dos Diretores de Conselhos Regionais de Farmácia,

Leia mais