ISSN REVISTA DA ASSOCIAÇÃO PSICANALÍTICA DE PORTO ALEGRE N 25 Outubro 2003 VARIANTES DA CURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSN 1516-9162. REVISTA DA ASSOCIAÇÃO PSICANALÍTICA DE PORTO ALEGRE N 25 Outubro 2003 VARIANTES DA CURA"

Transcrição

1 ISSN REVISTA DA ASSOCIAÇÃO PSICANALÍTICA DE PORTO ALEGRE N 25 Outubro 2003 VARIANTES DA CURA

2 ISSN R454 REVISTA DA ASSOCIAÇÃO PSICANALÍTICA DE PORTO ALEGRE / Associação Psicanalítica de Porto Alegre. - n 25, Porto Alegre: APPOA, 1995, Absorveu: Boletim da Associação Psicanalítica de Porto Alegre. Semestral ISSN Psicanálise - Periódicos. Associação Psicanalítica de Porto Alegre CDU: (05) (05) CDU: REVISTA DA ASSOCIAÇÃO PSICANALÍTICA DE PORTO ALEGRE EXPEDIENTE Publicação Interna Ano X - Número 25 - Outubro de 2003 Título deste número: VARIANTES DA CURA Editores responsáveis: Lúcia Mees e Valéria Rilho Comissão Editorial: Beatriz Kauri dos Reis, Inajara Erthal Amaral, Lúcia Alves Mees, Marieta Rodrigues, Otávio Augusto W. Nunes, Valéria Machado Rilho e Siloé Rey Colaboradores deste número: Adão Luiz Lopes da Costa, Maria Auxiliadora Pastor Sudbrack, Maria Rosane Pereira Pinto e Marta Pedó Revisão de português: Noili Demamam Capa: Cristiane Löff Linha Editorial: A Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre é uma publicação semestral da APPOA que tem por objetivo a inserção, circulação e debate de produções na área da psicanálise. Contém estudos teóricos, contribuições clínicas, revisões críticas, crônicas e entrevistas reunidas em edições temáticas e agrupadas em quatro seções distintas: textos, história, entrevista e variações. ASSOCIAÇÃO PSICANALÍTICA DE PORTO ALEGRE Rua Faria Santos, 258 Bairro: Petrópolis Porto Alegre / RS Fone: (51) Fax: (51) Home-page: Bibliotecária Responsável: Ivone Terezinha Eugênio CRB 10/1108

3 VARIANTES DA CURA

4 SUMÁRIO EDITORIAL...07 TEXTOS O sentido da vida The Meaning of Life Eda Tavares Reflexões sobre a psicanálise com crianças na contemporaneidade...18 Reflections on Child Psychoanalysis Nowadays Ana Marta Meira Psicanálise de crianças na instituição pública: direção da cura ou direção do paciente? Child s Psychoanalysis in the Public Institution: Direction of the Treatment or Direction of the Pacient Ieda Prates da Silva Clínica das psicoses: armadura simbólica The Direction of the Treatment in the Psychosis Clinic Symbolic Armor Maria Ângela Bulhões Observações sobre a direção do tratamento em um caso de esquizofrenia Remarks on the Direction of the Treatment in a Case of Schizophrenia Nilson Sibemberg O nome próprio e sua invenção The Proper Name and its Invention Mario Fleig O corpo e a direção da cura The Body and the Direction of the Treatment Luciane Loss Jardim e Adão Luis Lopes da Costa A histeria e o ressentimento The Hysteria and the Resentfulness Maria Rita Kehl A direção da transmissão em psicanálise passes e impasses na formação do analista The Direction of the Transmission Passes and Impasses in the Psychoanalytical Training Jaime Betts RECORDAR, REPETIR, ELABORAR Elasticidade da técnica psicanalítica (1928)...95 The Elasticity of Psychoanalytical Technique Sàndor Ferenczi ENTREVISTA Conversa com colegas de Bonneuil A Dialogue with Peers from Bonneiul Marie José Lérès e Carole Dubus VARIAÇÕES Escrita da clínica e transmissão da psicanálise Clinical Writing and Psychoanalysis Transmission Simone Moschen Rickes Escre-pintando a clínica Scripainting the Clinic Luciana Loureiro Para uma interlocução (a propósito da castração) Towards a Dialogue (Concerning Castration) Ricardo Goldenberg

5 EDITORIAL O que se espera de uma análise, afinal? Em tempos tão científicos nem por isso menos religiosos a crítica a um ideal de cura feita por Lacan em 1966, no texto Variantes do tratamento-padrão, mantém mais do que nunca todo seu vigor: uma análise é terapêutica? Conduzir uma análise orientada por um padrão curativo é submeter o analisante a um analista ideal, mestre que sabe sobre o gozo. Nesse sentido, não é mera coincidência que, numa época de vertiginoso avanço da Ciência, possamos contar aliviadamente com o especialista certo para a doença certa. Para cada parte do corpo que insiste em dar sinais de fracasso, dispomos do correspondente corpus médico especializado. Caberia perguntar: fracasso de quem? A alusão à diversidade que a palavra variantes evoca ironicamente joga com o equívoco neurótico de ali, onde não há senão um saber inerente à linguagem reconhecido como o inconsciente pelos psicanalistas corporificar um mestre do gozo através do oferecimento sintomático ao pai ou especialista. Certamente não é à toa que serão justamente as clínicas que fogem ao modelo neurótico aquelas que mais vivamente interrogam o ideal de cura de uma análise. Isso pode ser vislumbrado quando vemos questionada a pertinência e o sucesso da psicanálise na clínica com crianças, com psicóticos, com toxicômanos, com deprimidos, entre outros. Ou, então, quando o acento, ao invés de recair sobre o quadro sintomático, detém-se sobre o lugar onde a prática psicanalítica é exercida, como nas instituições, por exemplo. O que as especificidades clínicas dão a ver, mais abertamente que a 7

6 EDITORIAL clínica da neurose, é algo comum a toda e qualquer uma: toda análise é sempre específica, porque feita uma a uma. Para um analista, é sempre uma outra, por mais experiência e formação teórica que ele possua. A esse propósito, lembramos que Freud nunca deixou de ressalvar, a cada novo caso clínico apresentado, que as elucidações elaboradas a partir desse serviram apenas para orientar essa análise em particular e não poderiam ser aplicadas nem estendidas a outras em geral. O que, a bem dizer, não o impedia de avançar na construção do corpo teórico da Psicanálise partindo da escuta do um a um. Isso permite concluir que a clínica é diversa, mas sempre pautada por uma e mesma ética, a do desejo. Ética, essa, que, na condução de uma cura, principia pelo desejo do analista, despido de seu saber e de seu afã em sarar, para ser desejo de nada: abertura para a escuta do desejo do analisante, desejo intransitivo, porém decisivo para o destino que se traçará. A bússola da capa, assim, não poderia indicar uma orientação fixada de antemão, e sim apontar para a direção que se delineia a partir da ética da Psicanálise, necessariamente singular. 8

7 TEXTOS O SENTIDO DA VIDA Eda Estevanell Tavares * RESUMO A posição do fantasma na infância não é a mesma daquela na vida adulta. Disto decorre que exista uma especificidade da clínica com crianças. O presente artigo pretende abordar algumas destas especificidades na direção da cura do tratamento de crianças. PALAVRAS-CHAVE: sintoma; transferência; interpretação; filiação; sentido THE MEANING OF LIFE ABSTRACT The position of the fantasy in childhood is not the same as the same as the one in the adult s life.from that follows a specifidity in the clinic with children. This article intends to appoach some of these specificities in the direction of the treatment of children. KEYWORDS: symptom; transference; interpretation; filiation; sense * Psicanalista, membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, especialista em Psicologia Clínica. 9

8 TEXTOS O tratamento psicanalítico com crianças desde seu início vem carregado de questionamentos e controvérsias. O primeiro caso de psicanálise de uma criança foi o do pequeno Hans. Sua análise foi conduzida em conjunto pelo pai do menino e Freud, situação esta já das mais inusitadas. Freud que via com cautela as intervenções com crianças, considerou a de Hans possível justamente por esta conjunção pai/ analista; e respirou aliviado quando mais tarde encontrou o jovem Hans, então com 19 anos, saudável e normal, contrariando os vaticínios da comunidade analítica da época. A conjunção pai/analista trazia à tona um dos impasses que se colocava na análise de crianças. Justamente, a relação primordial de uma criança com seus pais na medida em que ela é fundante do sujeito colocava problemas como a possibilidade de uma criança entrar em transferência com seu analista e o que poderia vir a privilegiar a relação com este, se a relação fundamental do filho gira ao redor dos pais. Seria legítimo o analista ocupar o lugar privilegiado de destinatário de sua neurose? Por outro lado, a dificuldade da criança de sustentar o tratamento através da palavra e da associação livre colocava novos impasses sobre a técnica (utilizar ou não brinquedos, desenhos, massa de modelar). Estas questões determinaram uma celeuma infindável entre Anna Freud e Melanie Klein e uma vasta produção teórica tentando dar conta de posições que permaneceram opostas até o fim. O que todas estas controvérsias conseguiram colocar em evidência, é que, se na psicanálise se trata do sujeito do inconsciente, a posição que ocupa o inconsciente não é a mesma na infância e na vida adulta. Freud [1908 (1980)] mesmo colocou a questão da debilidade do recalque na infância quando, na consideração sobre os sonhos infantis, demonstrou o quanto estes são mais explícitos do que os dos adultos no que se refere aos conteúdos inconscientes. A direção da cura na análise de crianças como vemos abre uma série de questões que constituem a especificidade da psicanálise de crianças, uma vez que no sujeito do inconsciente na infância, apesar de ser um sujeito dividido como o adulto, a posição do fantasma não é a mesma. Propomonos, então, abordar entre estas questões algumas que consideramos cruciais. Falar de cura implica falar de sintoma. Mas no caso da infância se trata de um sintoma do qual quem se queixa, em geral, não é quem o padece: são os pais quem se queixam, enquanto a criança padece e é arrastada até o analista. Que sintoma é esse? De quem é? Quem precisa ser tratado? Para Lacan, o sintoma da criança não é mais do que o representante de três verdades: a verdade do casal parental, a verdade do fantasma da mãe 10

9 O SENTIDO DA VIDA e aquela de seu desejo quando seu filho encarna o objeto (1997). Assim concebido o sintoma da criança, poderia ser equivalente, como adverte Alfredo Jerusalinsky (1997), à substituição da análise do filho pela análise dos pais. O inconsciente do filho seria apenas uma extensão das fantasias parentais. Por este viés deslizaram em certo momento analistas do calibre de Maud Mannoni, como se pode perceber em seu livro A primeira entrevista em psicanálise (1981). Mas, retomando Jerusalinsky, por que uma criança fica constrangida a responder de modo tão imperativo à demanda parental? A razão de tal constrangimento reside em que o saber sobre o mundo provem desse Outro Primordial, verdadeiro instalador das marcas iniciais que orientarão os primeiros passos da criança. Esse pivô tem um preço: responder à demanda dos pais. É essa resposta a única moeda com que a criança pode negociar e ao mesmo tempo garantir a continuidade desse saber. Mas, ao mesmo tempo, do outro lado, os pais formatam esse saber de acordo com seu narcisismo. Assim a sexuação, as identificações e a filiação da criança devem responder àquilo que o desejo dos pais define como ideal do eu. É evidente que nessas formações inconscientes todas as falhas de destino dos pais virão a figurar pelo avesso, ou seja, de forma denegada. Essa denegação no fantasma é o que prepara o terreno do sintoma da criança, na medida em que os pais lhe demandam que ofereça provas já, no presente imediato, de sua condição para responder a esses ideais. A bagagem com a qual a criança conta para responder a tal urgência de oferecer prova hoje de sua posição na sexuação, ser homem ou mulher quando ainda não pode sustentar em ato tais identidades, se restringe, pela sua pequena constelação de significantes, àqueles que lhe são oferecidos pelos representantes privilegiados do Outro em sua vida: seus pais. Enquanto na filiação a criança depende das inscrições prévias para encontrar o valor simbólico de seus atos, as identificações formas de se representar no discurso derivam inevitavelmente dos traços oferecidos nas relações primárias. Porém, tal nível de determinação antecipada tropeça na incerteza dos mesmos pais, que demandam, paradoxalmente, algo novo no filho. Tem a sua lógica: se não houver algo novo nele, a repetição do fracasso será inevitável. Tal a origem do desejo e a curiosidade pelo desconhecido que caracteriza a criança que produz o sinthome com o qual escapa da repetição do fantasma parental. Mas quando a criança tem que responder ao ideal parental hoje, ou seja, se ela não for transicional para os pais, responderá com o real da imagem ao que falta no real, fará um symptôme, não um sinthome (Jerusalinsky, 1997). Se a demanda dos pais pede que a criança responda com seu corpo 11

10 TEXTOS ao ideal, o Nome-do-Pai não pode ser metaforizado e, portanto, não poderá produzir na cadeia significante da criança um novo sentido que possa vir a representá-la no discurso social. Há uma precipitação do significante em um único sentido, e se interrompe o deslizamento de sentido (sua extensão) na cadeia significante. A partir do nome-do-pai, a pequena criança será marcada com o ponto de partida, no qual o sujeito fundará sua identidade. Esse outro que sustenta o Nome-do Pai não é um outro qualquer, não é o outro do cuidado corporal, do aconchego, ou o que oferece o objeto da satisfação; é o Outro do discurso social e que situa o sujeito na cadeia significante que caracteriza essa cultura. É por isso que constitui um problema fundamental para todo sujeito como se representar no discurso. Se a criança faz seu sintoma, a análise dos pais não equivale à análise da criança, mas o papel dos pais não é irrelevante, como considerava Melanie Klein. Para ela, os pais só eram consultados para informar como na família eram denominados os órgãos genitais, o que, paradoxalmente, mostra o quanto é a constelação significante familiar que norteia uma criança. Martine Lerude, em seu artigo Pela felicidade das crianças ou como a terapia de crianças pode algumas vezes permitir o crescimento dos pais (1993), trabalha justamente esta questão e demonstra o quanto a análise do filho pode ajudar os pais, assim como a análise dos pais pode ajudar seu filho, na medida em que são para ele os representantes do Outro. Por outro lado, se a constelação significante da qual se serve uma criança pequena vem de seus pais, enquanto representantes do Outro, como, então, uma análise com uma criança que ainda não fala, ou fala muito pouco, pode se sustentar sem a participação dos pais? Aquilo que definirá a participação ou não dos pais no tratamento de seu filho não pode ser uma regra pré-definida. Dependerá de que posição, como representantes do Outro, eles sustentam na relação com seu filho: se colocam em cena um Outro inconsistente, tirânico, indiferente ou invasor (Jerusalinsky, 1997). O analista tem que ter claro quem é este Outro que participará do tratamento da criança e não apenas estas figuras de carne e osso chamadas de pais. É a partir disto que definirá a participação ou não deles no tratamento. A criança, pela necessidade de se sustentar de um saber que vem de Outro, coloca todo adulto numa posição de suposto saber. Assim, a criança está em transferência desde sempre e muito antes de chegar ao consultório do analista. Erik Porge (1998) sublinha que as neuroses da criança são neuroses de transferência. O papel do adulto, desde sua encarnação do Outro, é 12

11 O SENTIDO DA VIDA permitir que a transferência da criança possa vir a se enlaçar no discurso social. Erik Porge (1998) define a falha no cumprimento deste papel como uma ruptura na transmissão do saber. Diz ele: A perturbação na criança vem manifestar um ponto de ruptura naquilo que, de um saber familiar, por causa de seu poder captador, não é mais transmissível ao grupo social. Não é mais transmissível à maneira de um chiste, ou seja, daquilo que ultrapassa a barreira de uma relação dual para se produzir em um lugar terceiro (1998, p.12). A neurose da criança eclode quando aquele que está incumbido de fazer passar socialmente a mensagem familiar claudica em sua função de sujeito suposto fazer passar. Assim, seguindo o autor, podemos concluir que o papel dos pais é de serem bons passadores 1 deixando que a mensagem de seu filho encontre um endereçamento no social. Quando se rompe a transferência da criança com o Outro do discurso social, quando os pais não puderam ser passadores dela, é que se justifica uma análise com uma criança. E o papel do analista será o de re-estabelecer esta transferência que se apresenta paralisada no sintoma. Dar conta de tal transferência, coloca o analista em seu afazer, a interpretar o que ali fez obstáculo, permitindo destrancar a série significante do pequeno sujeito para que esta possa vir a conduzi-lo a encontrar um modo de se representar no discurso. É por isso que o grau de polivalência semântica de que uma criança pode se utilizar e o grau de extensão simbólica de sua constelação de significantes, são sinais de que a análise com uma criança pode estar chegando ao seu final. Para existir, isto é, para sair do caos e se desvencilhar desse Outro que a enleia nas redes de seu desejo, ela (a criança) tem que compreender, ou seja encontrar a ordem do mundo e o caminho de seu próprio desejo (Cordié, 1996, p.131). Essa ordem do mundo implica um significado, um sentido na dupla acepção de compreensão e direcionamento do qual a criança precisa se apropriar e, em certa medida, inventar. É isso o que ela tenta no seu brincar: criar sentidos novos partindo dos significantes que lhe foram oferecidos. Mas quando se trata de uma criança com problemas, seguramente, o Outro que está ali personificado sejam os pais, os professores, os personagens próximos ao seu drama familiar o está de modo a fazer obstáculo. A criança já tropeça, pela condição infantil do sujeito, com a curta extensão de sua cadeia significante, o que lhe causa dificuldades para essa 1 Erik Porge refere como passar a transferência para os bastidores e de ser um bom entendedor. 13

12 TEXTOS necessária produção de novos sentidos. Se, ainda por cima, o analista no seu afazer colocar o apagamento de todo o significado, como no caso da análise de adultos, poderá confrontar a criança com a angústia de um vazio sem saída. Para uma criança, o que está em questão na sua estruturação subjetiva é a constituição de seu sinthome e de seu fantasma. Esvaziar o significante de todo significado, se, por um lado, lhe permite que se desmanche o que ficou precipitado e obstaculizando a cadeia associativa, por outro, não permite que o Nome-do-Pai adquira consistência. A chave está em que os significantes do Nome-do Pai são os que representam a filiação, e é ela que permitirá que todo significante novo venha a produzir sentido. Sabemos, a partir das Teorias sexuais infantis assinaladas por Freud [1908 (1980)], que todo conhecimento, todo encontro com o novo surge como corolário de um processo de procura de um significante que responda à interrogação sobre a origem. É a referência a este ponto de origem que permitirá distinguir o velho do novo. Será caracterizado como um significante novo, se vier a se inserir na cadeia significante de sua origem, porque é nela que o sujeito encontra os significantes onde pode se reconhecer e suportar o estranhamento que este novo significante provoca. Se não é possível esse reconhecimento, o sujeito pode ficar à beira da loucura: Esse é o cerne do sintoma de tudo que é humano: o pêndulo entre a imperiosa necessidade do novo para manter vivo nosso desejo, e o incessante retorno ao ponto de nossa origem para reencontrar nossa identidade (Jerusalinsky & Tavares). 2 Na clínica, é evidente a problemática que se introduz para sujeitos que não podem se indagar sobre suas origens, que precisam por alguma razão negar seu passado. Tais são os casos de filhos adotivos, por medo da perda do amor dos pais adotivos ou porque esta verdade sobre sua origem lhes é interditada; ou casos em que, por terem pais em falha social grave, que abandonam, abusam, agridem, seus filhos se vêem impelidos a negar sua filiação. Se esperamos viver não só cada momento, mas Ter uma verdadeira consciência de nossa existência, nossa maior necessidade e mais difícil realização será encontrar um significado em nossas vidas. (...) apenas na idade adulta podemos obter uma compreensão inteligente do significado da própria existência neste mundo a partir da própria experiência nele vivida (...) a criança deve 2 Texto Crise, publicado na Web no site da Produtora Zeppelin. 14

13 O SENTIDO DA VIDA receber ajuda para que possa dar algum sentido coerente ao seu turbilhão de sentimentos. Necessita de idéias sobre a forma de colocar ordem na sua casa interior, e com base nisso ser capaz de criar ordem na sua vida (Bettelheim, 1980, p. 11/13). Ou seja, uma criança não tem ainda uma constelação significante suficiente para ter a confiança de que sua palavra será reconhecida pelo discurso social, além das já conhecidas, e se lançar no novo. Criar e descobrir, para uma criança, depende de se sentir segura de vir encontrar um ponto de reconhecimento. Assim, se coloca a questão para os analistas de crianças: o que na transferência lhe dará essa confiança? Bruno Bettelheim aponta um caminho. Diz ele: Como educador e terapeuta de crianças gravemente perturbadas, minha tarefa principal foi a de restaurar um significado na vida delas (...) Com respeito a esta tarefa, nada é mais importante que o impacto dos pais e outros que cuidam da criança; em segundo lugar vem nossa herança cultural, quando transmitida à criança de maneira correta. Quando as crianças são novas, é a literatura que canaliza melhor este tipo de informação (1980, p. 12). Ele se ocupou vastamente deste tema ao trabalhar os contos de fadas. No campo da clínica e sobre nossa questão, o que nos interessa pensar é sobre a posição do saber que é oferecido às crianças nessas histórias; como refere Bettelheim (1980), um saber transmitido de maneira correta. Trata-se de pensar que tipo de interpretação da vida fazem os contos de fadas que podem permitir às crianças a criação de um sentido próprio para suas vidas; sentido, aqui como um direcionamento, e não a precipitação em um significado. Essa literatura infantil é destinada a permitir à criança a produção de um sentido. Elas colocam em cena, através do imaginário, significantes numa posição tal que lhes permite elaborar algum saber sobre os enigmas da vida. As narrativas dessas histórias sugerem soluções, mas nunca as explicitam; isto caberá, por identificação, a cada pequeno leitor. Essa duplicidade da mensagem de sugerir um saber, mas que não é acabado nem conclusivo, permite à criança inverter a demanda do Outro, produzir um saber próprio que lhe possibilite lidar com o monstro com a garantia de achar um desfecho feliz, acenando com o final da infância e a promessa do gozo sexual da vida adulta. Promessa enganosa que será desmascarada na adolescência, detonando toda a revolta que lhe corresponde, mas que cumpre seu necessário papel na infância: suportar a condição de pequeno polegar num mundo de ferozes e famintos gigantes. 15

14 TEXTOS O trabalho de um analista de crianças também precisa sustentar na transferência o lugar que permitirá a produção de um novo sentido. Esvaziase um, mas para produzir outro que possibilite ao pequeno sujeito encontrar um ponto de reconhecimento, a partir do qual ele dê mais um passo adiante na sua cadeia significante. Em um artigo que escrevi, sobre literatura infantil (Tavares, 1998), utilizei, para concluir um poema de José Paulo Paes sobre a Vida de sapo, exemplar do saber necessário na infância e da posição do significante, certamente um belo poema para finalizar um artigo sobre a direção da cura na infância. O sapo cai Num buraco E sai Mas noutro buraco Cai O sapo cai Num buraco E sai Mas noutro buraco Cai É um buraco A vida do sapo É um buraco Buraco pra lá Buraco pra cá Tanto buraco enche o sapo REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS 16 BETTELHEIM, Bruno. A Psicanálise dos contos de fadas. Rio de Janeiro: Paz e terra, CORDIÉ, Anny. Os atrasados não existem. Porto Alegre: Artes Médicas, FREUD, Sigmund. Escritores criativos e devaneios1908. In: Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, Sobre as teorias sexuais das crianças In: Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, JERUSALINSKY, Alfredo. Sintomas de infância. In: Sintoma da Infância. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, número 13, LERUDE, Martine. Pela felicidade das crianças ou como a terapia de crianças pode algumas vezes permitir o crescimento dos pais. In: RIO, Ângela Baptista do. Do pai e da mãe.coleção Psicanálise da criança. Salvador, Álgama, 1993 MANNONI, Maud. A primeira entrevista em psicanálise. Rio de Janeiro: Campus,1981.

15 O SENTIDO DA VIDA PORGE, Erik. A transferência para os bastidores. In: A criança e o psicanalista. Revista Littoral. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, TAVARES, Eda. No reino dos pequeninos. In: Psicanálise e literatura. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, número 15,

16 TEXTOS REFLEXÕES SOBRE A PSICANÁLISE COM CRIANÇAS NA CONTEMPORANEIDADE Ana Marta Meira * RESUMO O presente trabalho tem como eixos questões que se revelam na psicanálise com crianças na sociedade contemporânea. Neste âmbito, a crescente objetalização que rege o social encontra-se em jogo no processo analítico, sendo que a demanda dos pais dirigida ao analista, é marcada pela mesma. A busca de dar sentido aos sintomas do filho é imperativa e consonante com o discurso social vigente. Dar lugar à palavra, ali onde esta encontra-se apagada é trabalho a perfazer em contraponto às exigências imperativas de eficácia e perfeição, ideais sociais contemporâneos. PALAVRAS-CHAVE: psicanálise; crianças; discurso social; contemporaneidade; infância REFLECTIONS ON CHILD PSYCHOANALYSIS NOWADAYS ABSTRACT The present work has for axes questions that are unveiled in the psychoanalysis with children in contemporary society. In this scope, the growing objectalization that rules the social is at stake in the analytical process, leaving its marks in the parents demand towards the analyst. The search to give meaning to the child s symptoms is imperative and consonant with the social discourse in force. To give rise to the word, there where it is faint, is work to be done as counterpoint to the imperative demands of efficiency and perfection, contemporary social ideals. KEYWORDS: psychoanalysis; children; social discourse; contemporaneity; childhood 18 * Psicóloga, Psicanalista, Membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre. Organizadora do livro Novos Sintomas, Salvador: Ágalma, Coordenadora do Boquinha, grupo de meninos e meninas de rua, ligado ao jornal Boca de Rua.

17 REFLEXÕES SOBRE A PSICANÁLISE... Não se quer dizer, no entanto, que nossa cultura se desenvolva entre trevas exteriores à subjetividade criadora. Esta, pelo contrário, não cessou de militar nela para renovar o poder nunca esgotado dos símbolos no intercâmbio humano que os tira a luz. (Lacan, 1987, p.274) Apsicanálise com crianças apresenta uma particularidade que a diferencia ali onde a transferência se instala: a escuta dos pais. Realizada desde as entrevistas preliminares, ela é marcada por uma posição que remete à história familiar e aos ideais que fundam a subjetividade. Ao buscar tratamento para seu filho, via de regra os pais insistem em dizer que já fizeram tudo o que podiam por ele, que não sabem mais o que fazer para acabar com a angústia revelada nos sintomas que oscilam entre a depressão e a agitação, o isolamento e a agressividade, entre outros. Ao analista é dirigida a demanda imperativa de responder, de forma imediata, ao desejo de cura dos sintomas, a compreender todos os atos da criança, a realizar um diagnóstico preciso e inequívoco, a planejar formas de intervenção eficazes e de rápido efeito, tudo em prol da saúde e perfeição, vigentes no discurso social contemporâneo como índices de normatização. Para isto, muitas vezes, os pais realizam tratamentos alternativos paralelos, em que os medicamentos vêm a cobrir a angústia que o não-saber sobre seu filho provoca. A especularização com o discurso social vigente, que obtura a angústia com pautas comportamentais, sugestões e medicamentos, é uma das vias mais freqüentes que se revelam na demanda dirigida ao analista, à qual, obviamente, o analista não responde. Que seu filho não se confronte com a falta, que não agrida, não chore, durma bem, se alimente com rigor, saiba se vestir sozinho, não adoeça, se ocupe, são algumas das falas dos pais, remetidas ao ideal de perfeição que marca sua relação. Em Infância do Sintoma, Charles Melman aponta que se espera da criança que realize um ideal negador da castração, ou seja, o impossível: Considerando essa exigência que vem da parte desses Outros reais que são os pais reais, podemos imediatamente compreender como a falta de cumprimento deste ideal é, de certo modo, o que vem a manter a criança nesse pouco de liberdade subjetiva, nessa pequena margem que a protege de uma alienação realizada. (Melman, 1997, p.20) Martine Lerude, em Pela felicidade das crianças, escreve: Seguramente existe na demanda dos pais não somente uma demanda inconsciente que concerne ao seu próprio sintoma, mas 19

18 TEXTOS também ao sintoma social, ao sintoma generalizado pelo imaginário coletivo, pelo imperativo que este imaginário prescreve. (Lerude, 1998, p.135) Há que se pensar a respeito do estatuto do simbólico e do lugar que os ideais ocupam na contemporaneidade. Ou seja, a demanda dos pais encontra-se hoje na confluência com o discurso social, como aponta Anne Marie Hammad em seu ensaio A criança é o pai do homem: Interroguemos, pois, os termos que designam os sintomas mais freqüentemente evocados há alguns decênios: por um lado, o stress, a agitação, a instabilidade 1 e, há um certo tempo, sobretudo no nível de adolescentes, e até mesmo de crianças cada vez mais jovens, a violência; por outro, a depressão servindo de depósito e de álibi para o tratamento medicamentoso imediato, porque estamos em uma sociedade em que é preciso, a qualquer preço, estar em forma! As diversas formas de dependência aditiva respondem da mesma maneira a esses sintomas que não se falam de saída, talvez muito simplesmente porque se trata de encontrar ou de reencontrar um sistema de decodificação que nos escapou, porque ele está particularmente submetido ao recalque. (Hammad, 2003, p ) Ao mesmo tempo, referindo-se às transformações dos lugares paterno e materno que revelam-se nas famílias recompostas ou nas chamadas famílias monoparentais 2, a autora aponta que ninguém pretenderá que se trate, neste caso, de constelações inconscientes novas, no encontro de casais. O que é novo é que estas posições se acham consagradas no discurso social. (Hammad, 2003, p.19) Basta abrirmos os jornais, ligarmos a televisão, transitarmos pela cidade para constatar que os ideais vigentes hoje elevam ao mais alto grau o imediatismo e a constante mutabilidade do laço social. A permanência, o tem O estudo publicado pelo Journal of the American Medical Association revela que, entre 1991 e 1995, o número de receitas prescrevendo estimulantes do tipo Ritalina a crianças de dois a quatro anos triplicou; o número de receitas prescrevendo a elas antidepressivos dobrou e o recurso à clonidina, um medicamento geralmente utilizado para as hipertensões, aumentou grandemente, para tratar a insônia ligada aos transtornos da atenção na criança pequena (Le Monde, ). (Hammad, 2003, p. 14) 2 O termo monoparental é apontado por Anne Marie Hammad como sendo operador da exclusão do pai em sua própria enunciação: Ser uma família monoparental tornou-se uma norma que apaga a presença do outro pai no discurso. Na grande maioria dos casos, o lugar apagado é o do pai, demissionário ou ejetado. (Hammad, 2003, p.18)

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

INFÂNCIA E ILUSÃO (PSICO)PEDAGÓGICA

INFÂNCIA E ILUSÃO (PSICO)PEDAGÓGICA DE LAJONQUIÈRE, L INFÂNCIA E ILUSÃO (PSICO)PEDAGÓGICA ESCRITOS DE PSICANÁLISE E EDUCAÇÃO São Paulo, Vozes, 1999 Renata Petri "A educação é impossível!" É assim que se inicia esse livro de Leandro de Lajonquière,

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS Marien Abou Chahine 1 Resumo Este artigo é resultado da mesa do IV Congresso de Psicologia da Unifil, cujo objetivo foi explanar sobre a prática da Psicanálise com

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Da assistência a educação, uma trajetória

Da assistência a educação, uma trajetória Trabalho (Versão Completa) para mesa-redonda do IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental Título: A Função das Educadoras de Creche

Leia mais

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Oscar Zack O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre as pessoas mediatizadas pelas imagens. Guy

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

A CRIANÇA E A PSICANÁLISE: O LUGAR DOS PAIS NO ATENDIMENTO INFANTIL

A CRIANÇA E A PSICANÁLISE: O LUGAR DOS PAIS NO ATENDIMENTO INFANTIL A CRIANÇA E A PSICANÁLISE: O LUGAR DOS PAIS NO ATENDIMENTO INFANTIL Léia Priszkulnik Instituto de Psicologia - USP Este artigo relata o caminho seguido pela Psicanálise infantil desde a primeira tentativa

Leia mais

Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1

Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1 Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1 Maria Auxiliadora Bragança de Oliveira Este trabalho começa com uma modificação em seu título. Em lugar de perguntar Quais as condições necessárias

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

PROJETO 3 (EDUCAÇÃO/PSICANÁLISE- MESTRADO)...

PROJETO 3 (EDUCAÇÃO/PSICANÁLISE- MESTRADO)... PROJETO 3 (EDUCAÇÃO/PSICANÁLISE- MESTRADO)... I. TÍTULO DO PROJETO: A transferência no dispositivo educativo com crianças psicóticas e autistas II. INTRODUÇÃO Atualmente, no campo da psicose e autismo

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR E O JOGO INFANTIL

REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR E O JOGO INFANTIL 1 REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR E O JOGO INFANTIL Júlia Carolina Bosqui 1 RESUMO: Apresentam-se algumas considerações sobre a importância do brincar para o desenvolvimento infantil a partir da experiência

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz A Sublimação e a Clínica em Lacan Eliane Mendlowicz O conceito de sublimação aparece na obra freudiana em 1897, nas cartas a Fliess (manuscrito L), quando Freud se perguntando sobre a histérica, descobre

Leia mais

A Estrutura na Psicanálise de criança

A Estrutura na Psicanálise de criança A Estrutura na Psicanálise de criança Maria de Lourdes T. R. Sampaio O que está na cabeça do filho depende de seu desejo 1 Esta frase de Alfredo Jerusalinsky, que se refere à ilusão de alguns pais de que

Leia mais

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais:

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais: Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL Declaração de cessão de direitos autorais: Eu Luciano Bregalanti Gomes, autor do trabalho intitulado O amor de transferência no trabalho

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos Um Quarto de Volta Maria Cristina Vecino de Vidal Este escrito versará em torno da estrutura dos quatro discursos e seu funcionamento na clínica psicanalítica. As questões se centrarão na problemática

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1]

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Teresa Pinheiro [2] Este trabalho é um desdobramento da nossa participação na pesquisa clínico-teórica, Patologias narcísicas

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1

DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1 DE ONDE VEM A RESISTENCIA? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 A terra da verdade é uma ilha, rodeada por um oceano largo e tormentoso, a região da ilusão; onde muitos nevoeiros, muitos icebergs, parecem ao

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar?

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Aline Cerdoura Garjaka Encontrei, no seminário de 1976-77, Como viver junto, de Roland Barthes, a seguinte passagem (cito): Portanto, eu dizia É com essas palavras

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

O brincar no campo transicional: algumas questões para a clínica psicanalítica com crianças

O brincar no campo transicional: algumas questões para a clínica psicanalítica com crianças O brincar no campo transicional: algumas questões para a clínica psicanalítica com crianças Carolina Valério Barros Daniel Kupermann As crianças não brincam de brincar. Brincam de verdade. (Mario Quintana)

Leia mais

Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara

Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara "Uma análise termina quando analista e paciente deixam de encontrar-se para a sessão analítica" Sigmund Freud em Analise

Leia mais

ENTREVISTAS PRELIMINARES E TRANSFERÊNCIA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ATENDIMENTO CLÍNICO RESUMO

ENTREVISTAS PRELIMINARES E TRANSFERÊNCIA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ATENDIMENTO CLÍNICO RESUMO 1 ENTREVISTAS PRELIMINARES E TRANSFERÊNCIA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ATENDIMENTO CLÍNICO Cleuza Maria de Oliveira Bueno 1 Romualdo Nunes dos Santos 2 RESUMO O presente artigo traz uma reflexão sobre a importância

Leia mais

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Teresa Pinheiro Regina Herzog Resumo: A presente reflexão se

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM OU PSICOSE INFANTIL?

DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM OU PSICOSE INFANTIL? DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM OU PSICOSE INFANTIL? LAZZERI, Cristiane UFSM crislazzeri@hotmail.com Resumo Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: Não contou com financiamento Com o objetivo

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Samyra Assad Abrir o Iº Colóquio sobre Psicanálise e Educação é, dar início não somente aos trabalhos que a partir de agora se seguirão,

Leia mais

Entretantos, 2014. Grupo:CURSO CLÍNICA PSICANALÍTICA: CONFLITO E SINTOMA CONFLITO E SINTOMA: UMA ABORDAGEM DA TEORIA PSICANALÍTICA

Entretantos, 2014. Grupo:CURSO CLÍNICA PSICANALÍTICA: CONFLITO E SINTOMA CONFLITO E SINTOMA: UMA ABORDAGEM DA TEORIA PSICANALÍTICA Entretantos, 2014 Grupo:CURSO CLÍNICA PSICANALÍTICA: CONFLITO E SINTOMA Integrantes:Alessandra Sapoznik, Ana Maria Sigal, Christiana Cunha Freire, Daniela Danesi, Eliane Berger, Iso Ghertman, Lucía Barbero

Leia mais

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Manuela Rossiter Infância - tempo de brincar, coisa séria. Sônia Pereira Pinto da Motta O atendimento de crianças

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica Laureci Nunes A fantasia fundamental, aspecto central da vida psíquica, orienta a clínica

Leia mais

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora Contardo Calligaris Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses 2 a edição z Zagodoni Editora Copyright 2013 by Contardo Calligaris Todos os direitos desta edição reservados à Zagodoni Editora Ltda.

Leia mais

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL?

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL? 1 Autora: Juliana Ribeiro Câmara Lima Eixo Temático: AT e instituição de educação Pertinência Institucional: IECE- Instituto Educacional Casa Escola Domicílio: R Raimundo Chaves, 1652. Casa H 03, Candelária,

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17)

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) Terapia Analítica Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) A sugestão. O caráter transitório de seus efeitos lembra os efeitos igualmente

Leia mais

PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO

PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO Ana Elizabeth Araujo Luna Roseane Freitas Nicolau O presente trabalho é fruto de uma experiência realizada no

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

O que Faz uma Criança quando Brinca e Rabisca...

O que Faz uma Criança quando Brinca e Rabisca... CÍRCULO PSICANALITICO DE MINAS GERAIS O que Faz uma Criança quando Brinca e Rabisca... ALUNA: SCHEHERAZADE PAES DE ABREU PROFESSORA ORIENTADORA: ISABELA SANTORO CAMPANÁRIO BELO HORIZONTE 2011/2º SEMESTRE

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA MARIA DA GLORIA SCHWAB SADALA 1. BREVE CURRICULO PSICÓLOGA E PSICANALISTA DOUTORA, MESTRE E ESPECIALISTA PELA UFRJ COORDENADORA DO MESTRADO EM PSICANÁLISE

Leia mais

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br]

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] FONTE: CRP-RJ DEZEMBRO DE 2006 Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] Como funciona a terapia junguiana? A Análise junguiana está dentro da

Leia mais

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a.

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a. A FILHA ENTRE A MÃE E A MULHER Cláudia Regina de Oliveira Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Leila Guimarães Lobo de Mendonça Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

Professora Adjunta da Universidade Estadual de Londrina (UEL) Doutora em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Professora Adjunta da Universidade Estadual de Londrina (UEL) Doutora em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) 1 A psicanálise e a discussão sobre o normal e o patológico Rosane Zétola Lustoza Endereço: Rua Goiás, 1777 apt. 307 Centro Londrina PR CEP: 86020-410 e-mail: rosanelustoza@yahoo.com.br Professora Adjunta

Leia mais

A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade

A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade A ARTE E O IMAGINAR: Um dispositivo para a recriação da realidade Ana Paula Pimentel 1 (paulinha_pimentel@yahoo.com.br) Andreia dos Santos Silva² (psiuerj@yahoo.com.br) Ademir Pacelli Ferreira³ (ademirpacelli@uol.com.br)

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

As vicissitudes da repetição

As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição Breno Ferreira Pena Resumo O objetivo deste trabalho é explorar o conceito de repetição em psicanálise. Para tanto, o autor faz uma investigação

Leia mais

O sonho e o despertar

O sonho e o despertar 189 Nery Filho, MacRae, Tavares e Rêgo O sonho e o despertar Jane Alves Cohim Silva 1 A partir do atendimento clínico a adolescentes é possível observar que, mesmo que alguns comportamentos sejam considerados

Leia mais

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Psicologia: Teoria e Prática 2007, 9(2):149-154 Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Iraní Tomiatto de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie Nessa

Leia mais

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) -------

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Transferência Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Erros na tradução da Imago: 1 Página 505: 5a. linha (de baixo para cima: não consenso,

Leia mais

Toxicomanias - Introdução

Toxicomanias - Introdução Toxicomanias - Introdução Curso de Gerenciamento de Casos Rede SUS e SUAS Patrícia Rachel Gonçalves Psicóloga Clínica CETAD/UFBA Coordenação Núcleo de Clínica Coordenação Programa de Estágio Posição Discursiva

Leia mais

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Os nós e o amor Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Aprendemos com Freud que o amor é sempre narcísico, ou seja, não importa de que escolha de objeto se trate, ele

Leia mais

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento Diagnóstico: um sintoma? Larissa de Figueiredo Rolemberg Mendonça e Manoel Tosta Berlinck (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP) O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. Prefácio Só as crianças têm segredos, Dos quais mais tarde já nem lembram! A dor talvez é um deles.

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza

SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza A interdisciplina tem se feito presente, aproximando as clínicas fonoaudiológica e psicanalítica com base em interrogações como as que

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais