Director: José Luís Araújo N.º de Setembro de 2014 Preço 2,00 Euros Bravo!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.gazetarural.com Director: José Luís Araújo N.º 233 30 de Setembro de 2014 Preço 2,00 Euros Bravo!"

Transcrição

1 Director: José Luís Araújo N.º de Setembro de 2014 Preço 2,00 Euros Bravo!

2 Sumário 04 Mangualde apresenta Ementa Feira dos Santos 05 Paulo Gonzo abrilhanta festa Os Melhores Anos em Viseu 06 Marvão celebra a Al Mossassa 07 Sernancelhe organiza IV Expo Máquinas 08 IX ExpoFlorestal já está em marcha 09 XIX Feira Maçã Bravo de Esmolfe promove outras actividades económicas 18 Municípios da Bairrada candidatos a Cidade Europeia do Vinho Bairrada mostra monumentalidade e raça dos seus vinhos em prova inédita 21 Vinho suporta crescimento do turismo em Portugal 22 Associações do Douro Internacional dão lições de apicultura a miúdos e graúdos 28 Projecto estuda doença que afecta o milho 10 Operadores turísticos convidados a conhecer a região Viseu Dão Lafões 11 Região centro captou jovens agricultores em seis anos 12 Produtores de pêra rocha esperam quebras nas exportações 13 Estudo pode levar a mais produtividade na agricultura 14 Figo é motivo de uma nova feira transmontana 15 Empresa Amêndoas de Portugal inaugurou instalações em Alfândega da Fé 16 Exportações de vinho português somam 314,4ME até Junho 17 Valpaços impulsiona turismo com dois novos equipamentos 29 Novo Programa de Desenvolvimento Rural arranca em Novembro 30 Lusiaves investe 35 milhões na ampliação de rede de incubação 31 Universidade de Vila Real cria bolsa de valor do material lenhoso 32 Mação vai ser município piloto para projecto de gestão da floresta em minifúndio 33 Instituto de Conservação da Natureza quer travar abandono das florestas 34 Agronegócio cria plataforma de cooperação visando mercados internacionais 35 ISEG lança pós-graduação em Agribusiness

3 Nos dias 4 e 5 de Outubro no Palácio do Gelo, em Viseu Mangualde integra Viseu à mesa e apresenta Ementa Feira dos Santos Descobrir a riqueza e a especificidade da gastronomia da região Centro é o objectivo da iniciativa Viseu à Mesa Gastronomia e Cultura do Distrito de Viseu, que no fim-de-semana de 4 e 5 de Outubro, apresenta a gastronomia mangualdense no restaurante Rodízio do Gelo, no Palácio do Gelo Shopping, em Viseu. A iniciativa, que resulta da parceria entre a Câmara de Mangualde e o restaurante Rodízio do Gelo, vai promover a Ementa da Feira dos Santos, certame que se realizará nos dias 1 e 2 de Novembro, novamente no centro da cidade de Mangualde. Mangualde integra assim o fecho da iniciativa gastronómica e propõe a típica Ementa da Feira dos Santos onde os torresmos, o chouriço, a morcela, a farinheira e a broa são a sugestão de entrada. Durante aquele fim-de-semana quem por lá passar poderá deliciar-se ainda com a maravilhosa sopa à moda de Mangualde e com os rojões à moda de Mangualde. A especialidade será acompanhada pelo vinho do Dão da Adega Cooperativa local. Para terminar a refeição Mangualde apresenta o queijo Serra da Estrela/requeijão com doce de abóbora e maçã para a sobremesa, seguindo-se o café, acompanhado de um mini pastel de feijão. Animação cultural e mostra de produtos endógenos A animação cultural marcará também presença nesta homenagem gastronómica com a música do grupo mangualdense Alcatuna que aturá no domingo, entre as 16 e as 17 horas, no piso 3, em frente à Pista de Gelo. Decorrerá ainda uma exposição de artesanato, bordados, tapetes de lã, vinho e doces regionais. Esta mostra de produtos endógenos estará patente no piso -1, em frente ao Jumbo. Viseu à Mesa teve início no passado dia 12 de Setembro e durante os fins-de-semana passados foram apresentados diversos sabores gastronómicos, nomeadamente de S. Pedro do Sul, Tondela e Vouzela. Dia 11 de Outubro, com desfile de moda da estilista Micaela Oliveira Paulo Gonzo abrilhanta festa Os Melhores Anos em Viseu O maior evento social do ano está de regresso a Viseu. O glamour e o brilho da festa Os Melhores Anos (OMA) volta a marcar a agenda da Região Centro, no próximo dia 11 de Outubro, na ExpoCenter/Forno da Mimi, este ano subordinada ao tema Red and Gold, Um clássico com cores de Outono. Será mais uma noite inesquecível, com um evento que ao longo de mais de duas décadas vem marcando a agenda local e nacional. O tema deste ano irá inspirar o ambiente da festa OMA, que contará com um desfile de moda da conhecida estilista Micaela Oliveira, com a participação de modelos e figuras bem conhecidas do grande público, entre as quais a actriz Rita Pereira. Como é regra, a música terá um lugar central na OMA, com Paulo Gonzo a constituir a grande atracção da noite. Autor de êxitos como Jardins Proibidos, Dei-te Quase Tudo ou Sou Suspeito, o músico, que já liderou a emblemática Go Graal Blues Band, levará a Viseu momentos únicos, seja com o intimismo das baladas que toda a gente conhece, ou com temas mais dançáveis e que prometem animação noite fora. O cartaz musical da festa OMA contará ainda com os Bug, um original e animado projecto nacional na área da vaudeville music, e com a consagrada orquestra Os Melhores Anos, diri- gida pelo maestro Jaime Baptista, este ano com um elenco rejuvenescido. O início da festa será marcado pelo Dj Armando Ferreira, que, ainda no hall de entrada, receberá os convidados com uma selecção musical ao ritmo dos sixties. Já na sala principal e durante o jantar, o grupo Gira Sol Azul apresentará um repertório de Blues & Soft Jazz. A gastronomia é, a par com a música, outro dos grandes atractivos do jantar-dançante OMA. À semelhança dos anos anteriores, a ementa terá a assinatura do Restaurante Forno da Mimi, com uma ementa inspirada na cozinha tradicional regional, onde os produtos locais revelam toda a sua excelência em pratos criativos e de sabor inimitável. A festa Os Melhores Anos começou a realizar-se em 1993, tendo-se transformado, quase de imediato, numa referência na cidade de Viseu e em toda a Região Centro e Norte do país. Ao longo destas duas décadas, recebeu nomes incontornáveis da música portuguesa, como os Sheiks, José Cid, Paulo de Carvalho, Táxi, GNR, Carlos Mendes, Pedro Abrunhosa e Rui Veloso, entre outros. 4 5

4 De 3 a 12 de Outubro, em Vila Verde Festa das Colheitas quer pôr chapéus e bolo-rei no Guinness Marvão vai celebrar de 3 a 5 de Outubro a Al Mossassa, numa justa homenagem à cultura islâmica e a Ibn Marúan, figura ímpar e visionária, fundador de Marvão e Badajoz. Durante três dias aquela vila fronteiriça recua no tempo, até ao séc. IX, para recordar as nossas origens e reviver o ambiente da época. O evento decorreu do noutro lado da fronteira no passado fim- -de-semana. Música árabe, espectáculos de danças orientais, recriações históricas, encantadores de serpentes, aves de rapina, passeios de burro, espectáculos de teatro, malabaristas, artes circenses, artesãos que trabalham ao vivo, ou lutas de espada, são motivos mais do que suficientes para não perder este genuíno evento. Celebrar a cultura islâmica é reviver o nosso passado histórico e cultural. O Mercado das 3 Culturas, situado na parte alta da vila, é um espaço aberto à imaginação e à história, repleto de fabulosas recriações e animadores que interagem com os visitantes. Neste local, de homenagem às culturas cristã, judaica e muçulmana, encontrará ainda mais de 70 pontos de venda, diz a autarquia em comunicado. Para domingo (dia 5, às 16 horas), no Salão Nobre dos Paços do Concelho, está agendada uma Conferência sobre A vida quotidiana ao tempo de Ibn Maruan, proferida pela Professora Susana Gomez. Na nona edição da Al Mossassa, o Município de Marvão conta com a parceria do Turismo Nacional de Marrocos. Ao O maior bolo-rei escangalhado e a maior concentração de chapéus personalizados são dois recordes mundiais na mira da organização da XXIII edição da Festa das Colheitas de Vila Verde, que decorrerá de 3 a 12 de Outubro. Segundo a autarquia, a edição 2014 da Festa das Colheitas será a maior de sempre, abarcando pela primeira vez dois fins-de-semana. Em relação aos recordes, no dia 11 terá lugar a tentativa de conseguir a maior concentração de chapéus personalizados do mundo, que actualmente está fixada em 372 exemplares. Para o efeito, a Associação de Amigos do Museu Terras de Regalados, organizadora da iniciativa, desafia todas as pessoas de todas as idades a levarem um chapéu personalizado. Quanto ao maior bolo-rei escangalhado do mundo, trata-se de um recorde ainda inexistente no Guinness Book, passando o objectivo da organização do evento por apresentar, no dia 12, um bolo com cerca de 20 metros de comprimento. De resto, a Festa das Colheitas apresentará oito iniciativas em estreia, entre as quais a eleição do vinho verde que melhor acompanha o arroz pica no chão, uma demonstração da silagem do milho, uma feira de artes e ofícios e uma mostra de doces tradicionais. A festa significa um investimento municipal de 150 mil euros. De 3 a 5 de Outubro, a vila recua até ao século IX Marvão celebra a Al Mossassa longo dos três dias de evento poderá conhecer os usos e costumes do povo marroquino, através de artesãos, dos seus produtos tradicionais, ou das famosas tatuagens de Henna. Outra das novidades nasce de uma parceria entre a autarquia e o Centro Cultural de Marvão, associação a quem foi atribuída a concessão do Castelo. Durante o Festival, vai ser possível visitar este Monumento Nacional, de forma gratuita, bastando para isso, a apresentação da pulseira de entrada no recinto. Feira dedicada ao desenvolvimento da agricultura de 10 a 12 de Outubro Sernancelhe recebe IV Expo Máquinas e Agrícola O Expo Salão Multiusos de Sernancelhe recebe, nos dias 10, 11 e 12 de Outubro, a Expo Máquinas e Agrícola, certame dedicado à agricultura, onde várias empresas da região exporão tractores, alfaias, utensílios agrícolas, bricolage, produtos agrícolas e uma vasta oferta de soluções para dinamizar aquele que é um sector em franca expansão no nosso país. Organizada pela Associação Sementes da Terra a feira é já uma referência regional, tanto para as empresas como para os agricultores, estando agendada a realização de colóquios sobre práticas e investimentos agrícolas, demonstração de equipamentos agrícolas, acontecendo no dia 11, a partir das 14 horas, o Colóquio Jovem Empresário Rural e incentivos à agricultura no período Desde sempre empenhada na mostra das mais modernas ferramentas ao serviço de um sector determinante para a economia nacional, a Expo Máquinas é o ponto de encontro para quem gosta de estar informado das soluções que vão sendo criadas para dinamizar e tornar mais rentável a agricultura. Decorrerão ainda demonstrações de novas máquinas, mas também de utensílios importantes para o dia-a-dia, como rachadores de lenha, motosserras, moto roçadoras, moto enxadas, soluções de jardinagem, alfaias diversas, etc. À semelhança das edições anteriores, que contaram com dezenas de expositores e centenas de visitantes, a Expo Máquinas cotar-se-á também como um espaço de troca de experiên- cias entre agricultores, informação junto dos vendedores e boas oportunidades de negócio. Sernancelhe reforça com este evento a sua capacidade de servir de montra de uma região onde o sector primário é dominante. De resto, a actividade agrícola assume um importante papel na economia local e regional, sendo de destacar a produção de castanha, batata, vinho e maçã. Por isso esperam-se muitos visitantes na Expo Máquinas e Agrícola durante os três dias, no Expo Salão Sernancelhe. À procura de bons negócios ou tão simplesmente para conhecer as novidades do sector agrícola, é com expectativa que os comerciantes encaram a feira e a montra em que ela já se transformou. De 3 a 5 de Outubro, na vila de Alpendurada Bienal da Pedra do Marco de Canaveses reúne grandes exportadores de granito A quarta Bienal da Pedra do Marco de Canaveses, agendada para os primeiros dias de Outubro, vai reunir alguns dos maiores exportadores de granito portugueses, segundo a organização. O certame vai realizar- -se nos dias 3, 4 e 5 na vila de Alpendurada, no sul do concelho do Marco de Canaveses. Está anunciada a presença de mais de 70 expositores, destacando-se as grandes empresas do sul do concelho. Aquela actividade industrial emprega no Marco de Canaveses mais de pessoas (cerca de 40 empresas) e é responsável por postos de trabalho indirectos, segundo números da confraria do sector. Junto ao estádio municipal de Alpendurada, os expositores apresentarão os seus produtos, incluindo maquinaria e acessórios ligados àquela indústria. A Bienal da Pedra é uma organização da câmara municipal, envolvendo outras entidades, entre as quais a Associação Nacional da Indústria Extractiva e Transformadora (ANIET), a Confraria do Granito, a associação empresarial do concelho e a Junta de Freguesia de Alpendurada. Paralelamente à Bienal da Pedra, decorrerá o segundo Encontro do Trabalho da Pedra, em Escultura e Cantaria, iniciativa da Escola Profissional Centro de Estudos e Trabalhos da Pedra. O encontro permitirá aos visitantes apreciar artífices a transformar o granito em peças de arte. 6 7

5 Há muito que se iniciaram os preparativos para mais uma edição da ExpoFlorestal, cuja nona edição decorrerá de 8 a 10 de Maio de 2015, em Albergaria-a-Velha. O certame voltará a apostar nos grandes objectivos traçados desde o início deste projecto, como procurar dar a conhecer ao país a importância da floresta a nível ambiental, sociocultural e económico; procurar a melhoria e o reforço das relações entre os diversos agentes da fileira e sensibilizar a sociedade em geral na tentativa de criar uma consciência ecológica fundamental para a preservação e protecção dos ecossistemas numa floresta sustentável. Desde 2002, a ExpoFlorestal congratula-se em ser a maior feira florestal nacional, com uma participação média de visitantes e mais de 200 expositores, em representação de toda a fileira florestal, instituições, serviços, organizações do sector, Na mesma semana do SIAL Paris, realiza-se na capital francesa o I Salão Agroalimentar Português. Entre as actividades, e para além da mostra no Consulado Geral de Portugal, contam-se várias acções de formações para profissionais, reuniões B2B e um jantar concebido pelo conceituado chef Antoinne Westermann. Uma oportunidade única para dar a conhecer as denominações portuguesas, através do contacto com os melhores chefs e hoteleiros franceses da actualidade. O I Salão Agro-alimentar Português realiza-se nos dias 20 e 21 de Outubro o 1º em Paris e pretende ser uma via para difusão das denominações nacionais a novos mercados que as reconheçam e valorizem. Resultado de mais de uma década de trabalho promocional com as PME que têm investido na preservação de produtos tradicionais de qualidade. A organização escolheu a mesma semana do SIAL Paris De 8 a 10 de Maio, em Albergaria-a-Velha IX ExpoFlorestal já está em marcha escolas, bombeiros, artesanato, e diversas actividades ligadas à floresta, ao desporto, ao lazer e à gastronomia, diz a organização do certame. Este evento, desde o seu início, é da responsabilidade de uma organização tripartida pela Associação Florestal do Baixo Vouga (AFBV), Associação de Bombeiros Voluntários de Albergaria-a- -Velha (AHBVAV) e Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícola e Ambiente (ANEFA), com o apoio de diversas instituições e empresas, promovendo a floresta e o sector florestal em geral, demonstrando o seu potencial e procurando abordar alguns constrangimentos ao seu desenvolvimento. O sector florestal tem, sem dúvida, um papel fundamental para o desenvolvimento de Portugal, e a Expoflorestal tem demonstrado este desígnio nacional. Entre 20 e 21 de Outubro Paris recebe I Salão Agro-alimentar Português (Salão Internacional da Agricultura) para a realização das actividades de formação a profissionais do sector agroalimentar. Esta é uma oportunidade única para as empresas darem a conhecer os produtos de denominação portuguesa. Na sua primeira edição, a organização, da qual faz parte a agência de comunicação Força Motriz e duas empresas especializadas em processos de internacionalização e inovação, a Equações com Sentido e a M&G Consulting, leva a Paris empresas que produzem e/ou comercializam queijos, doçaria, confeitaria, café, chá, enchidos, fumados, conservas, sal, flor de sal, azeite, vinhos, vinagre, entre outros produtos representativos do que melhor há na tradição gastronómica portuguesa. Para além do patrocínio do Consulado Geral de Portugal em Paris, o Salão é apoiado pela STEF e pela Câmara de Comércio e Indústria Franco-Portuguesa. A 12 de Outubro no Parque de Exposições, em Penalva do Castelo XIX Feira Maçã Bravo de Esmolfe promove outras actividades económicas Vai decorrer no próximo dia 12 de Outubro a XIX edição da Feira da Maçã Bravo de Esmolfe, que este ano decorre em simultâneo com a I Feira de Actividades Económicas do concelho, numa iniciativa da Câmara de Penalva do Castelo, FELBA e Juntas de Freguesia de Esmolfe e Penalva do Castelo. A feira vai ter algumas alterações. Habitualmente realizada ao sábado, este ano o certame decorre ao domingo e deixará de ter o tradicional almoço ofertado pela autarquia local. Este ano alargámos a organização ao CLDS+ (Contratos Locais de Desenvolvimento Social Mais) de Germil, que irá promover a I Feira de Actividades Económicos, referiu o presidente da Câmara de Penalva do Castelo. Francisco Carvalho adiantou também que a Junta de Esmolfe introduziu algumas alterações, num certame que o autarca espera muito participado, com um programa preenchido ao longo do dia. A realização da Feira de Actividades Económicas, em simultâneo com a Feira da Maçã Bravo de Esmolfe, visa promover também os produtos locais, afirmou Francisco Carvalho, que destaca a realização do certame pelo CLDS+ de Germil que vai convidar todos os parceiros envolvidos num projecto que visa o combate a pobreza e ao desemprego. Esta iniciativa permitiu, segundo o autarca, uma maior adesão dos produtores, pois a zona de exposição vai ser alargada aos produtores de vinho do concelho e a outros produtos locais, como o queijo e os enchidos, mas também uma exposição de artesanato. O edil adiantou que este ano a produção da maçã é maior e há mais produtores a quererem expor e vender o seu produto na Feira, garantindo assim que aos visitantes não faltará maçã, tendo boas razões para se deslocarem a Esmolfe. O ano tem sido bom para a fruticultura, pois há mais quantidade de maçã e de melhor qualidade, refere o autarca de Penalva do Castelo, que realça ainda o facto de haver gente nova no sector. Há alguns jovens que se têm dedicado à produção da maçã, salientou Francisco Carvalho. Programa: 09h00 - Missa Campal; 10h00 - Abertura da Feira com a Banda Musical e Recreativa de Penalva do Castelo; 10h15 - Actuação do Grupo Musical Casa do Povo de Esmolfe ; 11h00 - Recepção às Entidades Oficiais; 14h00 - Actuação da Tuna S. Martinho de Pindo; 15h00 - Actuação do Rancho Folclórico de Penalva do Castelo; 16h00 - Actuação do artista Ruizinho de Penacova e sua banda; 18h00 - Lanche-Convívio. 8 9

6 No âmbito da estratégia de comunicação da Comunidade Intermunicipal Operadores turísticos convidados a conhecer a região Viseu Dão Lafões Revelou Manuel Sequeira, delegado regional da DRAPC, no Fundão Região centro captou jovens agricultores em seis anos Operadores turísticos vão ser convidados a passar uns dias no território da Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões, no âmbito de uma estratégia de comunicação e promoção lançada. Vamos chamar os operadores turísticos ao nosso território, para cá passarem um fim-de-semana e visitarem tudo de bom que a região tem para oferecer, explicou o secretário executivo da CIM Viseu Dão Lafões, Nuno Martinho. O responsável realçou as potencialidades do território em termos de turismo de natureza, de saúde e bem-estar e religioso. Um turista pode vir andar na ecopista do Dão, visitar um museu, provar a vitela de Lafões e os pastéis de Vouzela e também ir visitar as quintas do Dão, exemplificou, considerando que há recursos que, por si só, não conseguem atrair muitos turistas mas que, em rede, podem ser potenciados. O objectivo é que, depois de sensibilizados os operadores turísticos, sejam criados pacotes turísticos que incluam pernoita, prolongando também a estadia no território. De facto, nós temos um vasto conjunto de recursos turísticos no território, temos é de saber combiná-los de forma diferente, frisou o secretário executivo da CIM Viseu Dão Lafões. Nuno Martinho explicou que toda a estratégia de comunicação da marca Viseu Dão Lafões é coordenada com o Turismo Centro de Portugal. No âmbito da nova estratégia, está prevista uma campanha de meios, num conjunto de suportes de comunicação, em Lisboa, Porto, Salamanca e Vigo, e também a participação em algumas feiras internacionais. Um roteiro de experiências, onde está retratado tudo o que a região Viseu Dão Lafões tem para oferecer aos turistas, e uma agenda de eventos estão também incluídos. No que respeita à participação em feiras internacionais, Nuno Martinho avançou, que, por exemplo, a marca Viseu Dão Lafões quer ir à Holanda, no início de 2015, no âmbito do trabalho que está a ser feito de estruturação do produto ecopista do Dão. O turismo de natureza está a subir. Nesse sentido, queremos estar no principal mercado emissor destes turistas, a Holanda, acrescentou. Esta estratégia de comunicação insere-se no programa Rede Urbana para a Competitividade e Inovação Viseu Dão Lafões, que pretende estruturar e afirmar a oferta e a marca Viseu Dão Lafões, comunicando uma imagem de unidade territorial, com identidade distintiva, passível de atrair população, visitantes e empresas, aumentando a visibilidade da rede e difundindo os seus factores de atractividade e competitividade. A região centro captou, nos últimos seis anos, jovens agricultores, 232 dos quais instalados na Cova da Beira, revelou Manuel Sequeira, delegado regional de Castelo Branco da Direcção Regional de Agricultura e Pesca do Centro (DRAPC). Relativamente ao Programa de Desenvolvimento Rural (ProDeR) que decorreu entre 2007 e 20013], o número de jovens agricultores instalados na Cova da Beira foi no total de 232. Isso representa 14,07 por cento do número de jovens agricultores que se instalaram na zona centro. Ou seja, a zona centro fixou jovens agricultores, disse. Manuel Sequeira falava durante uma sessão de esclarecimento subordinada ao tema dos Desafios para o Desenvolvimento Rural, realizada no Fundão, pela RUDE - Associação de Desenvolvimento Rural que abarca os concelhos da denominada Cova da Beira, ou seja, de Belmonte, Covilhã e Fundão. Durante a sessão, aquele responsável também admitiu que os jovens agricultores captados não são ainda suficientes para resolver uma das fragilidades do mundo rural, designadamente a do envelhecimento dos agricultores. Uma das fragilidades que temos de combater é a idade média dos agricultores que é bastante elevada, 63 anos. Além disso, só dois por cento dos jovens agricultores é tem menos de 35 anos e 74 por cento têm apenas o ensino básico ou menos, sublinhou para explicar a necessidade de rejuvenescimento do sector. Manuel Sequeira revelou mesmo que essa será uma das áreas prioritárias do próximo Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2014/20120), isto a par do aumento da capacidade de inovação, da criação de conhecimento no sector agro- -florestal, da modernização das explorações, através do investimento na transformação e comercialização e da aposta em áreas de regadio. Sobre esse ponto em concreto, Manuel Sequeira recordou que na região há um grande potencial e muita superfície para onde crescer, já que o Regadio da Cova da Beira, empreendimento que demorou mais de 50 anos a concretizar, abrange hectares e área de cultura regadas na Cova da Beira é apenas de cerca de hectares. Presente no encontro, Patrícia Cotrim, gestora do PRODER, também deu conta de que na zona centro e no âmbito deste programa foram aprovadas candidaturas, que deram origem a postos de trabalho, o que corresponde 1,5 postos de trabalho por cada uma das candidaturas

7 Embargo da Rússia obriga a procura novos mercados Produtores de pêra rocha esperam quebras nas exportações O sector da pêra rocha, que colheu este ano 200 mil toneladas, prevê nesta nova campanha exportar menos fruta e ter menor rentabilidade, devido ao embargo da Rússia a produtos da União Europeia, por isso procura novos mercados. Estávamos a crescer sustentadamente nos últimos anos, na última campanha exportámos toneladas para a Rússia, o quarto maior mercado, mas não é só a quantidade de peras exportadas para a Rússia que nos preocupa. Como a França, a Bélgica e a Itália, grandes produtores europeus de fruta, deixam de exportar para a Rússia, encharcam os mercados de pêra e os preços vão baixar, estimou Aristides Sécio, presidente da Associação Nacional de Produtores de Pêra Rocha (ANP). Trata-se de um problema comercial resultante do embargo russo que não vai trazer mais-valias à colheita deste ano e que pode resultar numa quebra de exportações. Para minimizar as quebras, incalculáveis nesta altura dadas as flutuações dos mercados, Aristides Sécio sublinhou que o sector está a procurar novos mercados para se preparar para o impacto que o embargo russo pode trazer, entre eles os Estados Unidos da América, Canadá e países do Oriente e Médio Oriente. Ainda com pouca expressão, a pêra rocha do Oeste é já consumida na China e no Japão, por via de contentores vendidos para Singapura, onde chegaram 73 toneladas em 2013 e 37 este ano. Há uma maior insistência dos operadores e prevê-se um aumento de vendas para a China e Japão, porque passou a existir uma linha ferroviária da Alemanha ao Oriente e também por pressão dos nossos produtores para descobrirem novos mercados, estimou o dirigente. De acordo com a ANP, que representa 84 por cento dos produtores, foram colhidas na campanha deste ano, no Verão, 202 mil toneladas de fruta, menos 3,6 por cento face à produção de 2013, deixando 2014 atrás de 2011, ano em que foram produzidas 223 mil toneladas. O aumento de produção deveu-se à existência de condições climáticas propícias à floração, mas também ao aumento da área de cultivo, com mais cerca de 10 mil hectares. A tendência vai manter-se graças a investimentos que apontam para um aumento de mais 15 a 17 mil hectares nos próximos quatro anos, fazendo aumentar a produção para as 300 a 350 mil toneladas/ano. A produção deste ano não só melhorou em quantidade, mas também em qualidade, devido ao aumento dos calibres, que facilita a exportação da pêra para países habituados a consumir outras variedades, cujos tamanhos são maiores. A pera rocha é produzida, cerca de 99 por cento, nos concelhos da zona oeste de Lisboa, entre Mafra a Leiria, numa área de cultivo de 11 mil hectares, sendo os concelhos de maior produção os do Cadaval e do Bombarral. A fileira dá trabalho a pessoas, empregando diariamente 13 mil pessoas na época da colheita, e factura cerca de 140 milhões por ano. A pêra rocha do Oeste possui Denominação de Origem Protegida (DOP), um reconhecimento da qualidade do fruto português por parte da União Europeia. Segundo o biologo Michael Knoblauch Estudo pode levar a mais produtividade na agricultura Não é qualquer cientista que escolheria passar uma manhã de Verão sobre um trémulo andaime junto a um carvalho, a 12 metros de altura, a olhar por um microscópio para perfurar uma folha com uma minúscula agulha de vidro cheia de óleo. Mas Michael Knoblauch, biólogo da Universidade estadual de Washington, especializado em células vegetais, está prestes a concluir 20 anos de esforço para provar uma hipótese sobre como os nutrientes são transportados nas plantas. Também está no fim de um ano sabático, passado em grande parte na floresta Harvard, um campo de pesquisa de hectares, em Massachusetts. Provar tal hipótese seria bem mais do que um exercício académico. Entender plenamente como as plantas funcionam como os hidratos de carbono produzidos nas folhas circulam poderia levar a melhorias na produtividade agrícola ou na resistência a pragas e doenças. Assim, lá esteve ele num domingo, no topo de uma árvore, com o seu filho Jan, de 19 anos. Enquanto o jovem monitorizava no laptop a imagem do microscópio, Knoblauch mexia num dispositivo com a agulha de vidro. A ponta de agulha de vidro é delicada e pequena, e precisa de ser fincada num tipo específico de célula. Apesar de o microscópio ficar instalado sobre um aparelho que detecta vibrações e as neutraliza, Knoblauch permanece o mais imóvel possível. Ele e o seu filho esperavam conseguir medir pelo menos uma vez a pressão dentro dos longos tubos de células vivas, chama- dos floemas, que recolhem os açúcares produzidos pela fotossíntese nas folhas e distribuem-nos para frutos e raízes através dos ramos e do tronco. A agulha de vidro funciona como um calibrador de pneus: quando a parede celular é perfurada, a pressão de água no interior comprime imediatamente o óleo na agulha. Knoblauch usa de seguida as imagens de antes e depois para calcular a compressão e, assim, determinar a pressão. O cientista passou mais de três anos no seu laboratório a desenvolver as agulhas, que chamada de picomedidores, pois contêm menos de 100 picolitros de óleo (seriam necessários cerca de 50 milhões de picomedidores para encher uma colher de chá). E essa é uma das técnicas que concebeu para testar a hipótese segundo a qual o que impulsiona o fluxo de nutrientes no floema é o diferencial de pressão. Esta hipótese foi desenvolvida em 1930 pelo fitofisiologista alemão Ernst Munch e é amplamente aceite porque faz sentido: os nutrientes devem fluir das áreas de maior pressão (as folhas, onde são adicionados os açúcares) para áreas de menor pressão (as raízes e frutas, onde os açúcares são retirados). Se descobrir o que a planta faz para alocar os seus recursos num período de 24 horas, pode pensar-se em todos os tipos de mudanças na produtividade agrícola, disse o biólogo William Lucas, especialista em plantas da Universidade da Califórnia, em Davis. O futuro, em termos de população e de segurança alimentar, reside em obtermos uma compreensão completa disso, acrescentou

8 É o motivo de uma nova feira, no concelho de Mirandela Figo é fonte de rendimento em Abreiro A apanha do figo faz de Setembro um mês trabalhoso para as gentes de Abreiro, mas compensador com algumas famílias da pequena aldeia de Mirandela a arrecadarem um rendimento extra equivalente a seis meses de trabalho de um ordenado mínimo. Abreiro tem das maiores manchas de figueiras e uma tradição nesta cultura que está apostada em mostrar na primeira feira da região dedicada ao figo e ao património agendada para sábado e domingo. Todas as aldeias de Mirandela já tinham uma feira dedicada a um produto específico e a junta de freguesia local decidiu avançar com um evento para divulgar e rentabilizar a cultura mais carismática desta terra, como referiu o presidente José Fernandes. O autarca estima que de Abreiro saem todos os anos, em média, entre 15 a 20 mil quilos de figo com a venda garantida a intermédios que se deslocam à aldeia para negociarem directamente com os produtores. Pagam dois euros por quilo. Está mal pago, queixa-se Idalina Lima, que há dez anos recebe o mesmo. Há tempos, no Porto, vi os figos a vender a seis euros o quilo, contou a produtora. Idalina é das maiores produtoras da aldeia. A família já teve 700 figueiras, mas a geada queimou umas duzentas. Ainda assim, tem quilos de figos e assegurado um rendimento extra de, pelo menos, três mil euros, o equivalente a mais de meio ano de trabalho a receber um salário mínimo. O figo é uma cultura complementar a outras com mais peso nesta região, como o azeite ou a amêndoa. A importância, porém que tem na economia desta aldeia, com pouco mais de 250 habitantes, vem de tempos antigos, como recordou Idalina, que aos 12 ou 13 anos já andava aos figos para o lavrador mais rico da aldeia. A família de Idalina e outras da aldeia são agora produtoras e ocupam os dias do mês de Setembro na apanha e secagem do figo. Quando o tempo está de feição é possível fazer duas, três ou mais apanhas na mesma figueira, mas este Setembro veio chuvoso e a água deitou os figos ao chão. Dá dó vê-los a apodrecer, desabafa Idalina que vai continuar na azáfama da secagem do figo porque a tradição nesta aldeia não é consumir ou vender o fruto em fresco, mas sim seco. Depois de colhido da figueira, inicia-se, como explicou, o processo de conservação que passa pela secagem, depois os figos são escaldados em água a ferver para matar o bicho que pode vir a desenvolver-se nesta fruta, de seguida são abafados durante alguns dias com panos. Depois ficam ao ar e são colocados numa caixa de papelão para começarem a criar o açúcar. Isto porque, como explicou Idalina, aquela cobertura branca característica do figo seco não é farinha como alguns pensam, mas o açúcar do próprio figo. Todo este trabalho garante um suplemento, uma verba extra nesta altura do ano. A junta de freguesia pensou na feira também para permitir aos oito produtores que vão estar presentes no certame, venderem o figo a preços mais rentáveis do que os pagos pelos intermediários. Marcou o arranque da laboração em pleno da empresa em Portugal Empresa Amêndoas de Portugal inaugurou instalações em Alfândega da Fé Em plena campanha da amêndoa, Alfândega da Fé inaugurou oficialmente mais uma unidade agro-industrial dedicada ao sector. Trata-se da empresa Amêndoas de Portugal Mateos, S.A., pertencente ao grupo espanhol Almendras Francisco Morales SA, que opera no mercado dos frutos secos há cerca de um século. A inauguração da unidade, situada na zona industrial de Alfândega da Fé, decorreu no dia 28 de Setembro e marcou o arranque da laboração em pleno da empresa em Portugal. Trata-se de uma unidade de compra/recepção, britagem e comercialização da amêndoa. Um investimento de mais de meio milhão de euros, que já permitiu a criação de quatro postos de trabalho, prevendo-se que possa vir a ultrapassar uma dezena. Números que num concelho do interior do país ganham especial expressão e que para a Câmara Municipal se assumem como um incentivo para continuar o caminho de captação de investimento e aposta na agricultura. Esta é para a presidente da Câmara de Alfandega uma das grandes prioridades. A agricultura continua a ser a principal actividade económica do concelho, deve por isso ter a nossa maior atenção de forma a criar riqueza e desenvolver o concelho, diz Berta Nunes. A instalação desta empresa insere-se nesta estratégia e é entendida como uma maneira de dinamizar o sector agro-industrial, criando riqueza e permitindo ao concelho ganhar uma centralidade e importância acrescida no sector da amêndoa. A autarquia transmontana tem vindo apoiar projectos para a valorização e dinamização do sector dos frutos secos, nomeadamente no campo da amêndoa, como a instalação de campos de ensaio do amendoal e a criação de uma organização de produtores (OP), uma forma de potenciar e valorizar uma cultura com peso significativo no concelho, apostando na investigação para melhorar a produção e qualidade do produto. Projectos que estão a ser desenvolvidos pela Cooperativa Agrícola de Alfândega da Fé em parceria com outras entidades (IPB, UTAD e AmêndoaCoop), que tem também previsto o aumento da área de amendoal com a plantação de mais 30 hectares. Recorde-se que o Grupo Alemendras Morales, um dos maiores grupos espanhóis ligado ao sector dos frutos secos, já há mais de duas décadas que comprava amêndoa na região, fazendo parte da estratégia expansionista da empresa a criação de um uma unidade de recolha e britagem em Portugal. A instalação em Alfândega da Fé deve-se à centralidade do concelho em relação às zonas de produção de amêndoa do distrito de bragança, potenciada com a construção do IC5, e também às condições e disponibilidade oferecidas pela autarquia. A Amêndoas de Portugal Mateos está instalada num pavilhão na zona industrial de Alfândega da Fé, construído, inicialmente, para acolher uma empresa ligada às energias renováveis cuja actividade acabou por não ter sucesso no concelho. O grupo comprou o pavilhão à autarquia, por cerca de 370 mil euros, equipou-o de modo a criar o centro de recolha e tratamento da amêndoa de Trás-os-Montes e Alto Douro. O concelho já tinha uma unidade que trabalhava no sector. A instalação desta nova unidade vem dinamizar ainda mais o sector e valorizar o produto, traduzindo-se num aumento de rendimento para os produtores. A melhoria das condições de compra do produto é vista como um incentivo para aumentar o investimento no sector e está a levar produtores a equacionar esta possibilidade

9 Nos dias 10, 11 e 12 de Outubro Ponte da Barca recebe Festa das Vindimas O Município de Ponte da Barca promove nos dias 10, 11 e 12 de Outubro a Festa das Vindimas, uma iniciativa realizada em parceria com Associações Culturais do Concelho e a Adega Cooperativa de Ponte da Barca. A Festa tem como palco o Centro de Exposição e Venda de Produtos e como objectivo a preservação dos usos e costumes ligados à produção vitivinícola. Do programa fazem parte as tradicionais tasquinhas, venda de artesanato, animação musical, folclore, bem como a reconstituição dos diversos momentos chave das vindimas. O preço médio do vinho português exportado cresceu 15,2% até Junho, para 2,39 euros/litro, com mais de 135 milhões de garrafas vendidas, no valor de 314,4 milhões de euros, anunciou o IVV. Segundo o Instituto da Vinha e do Vinho (IVV), a subida dos preços registou-se na maioria das categorias de vinho exportado, tendo as exportações sido maioritariamente compostas por vinhos com denominação de origem, vinhos regionais e Vinho do Porto, que representaram 55% da quantidade e 77% do valor. O instituto destaca ainda a inversão da tendência negativa das vendas de vinho no mercado nacional, que no segundo trimestre do ano aumentaram 1,5% face ao período homólogo, beneficiando do aumento de vendas feitas na restauração. Segundo recorda, o mercado nacional estava em contracção Programa Dia 10 - Sexta-feira 18h00 Abertura da Feira das Tasquinhas e Artesanato 21h00 Desfile Vinda do Campo Org.: Associação Cultural, Desportiva e Recreativa de Crasto 21h00 Grupo de Cavaquinhos de Vila Chã Santiago Dia 11 - Sábado 11h00 Abertura da Feira das Tasquinhas e Artesanato 15h30 Torneio de Sueca 21h00 Pisada das Uvas Org.: Associação Cultural, Desportiva e Recreativa Nogueira Viva 21h30 Gestrintuna - Música Académica e popular portuguesa Dia 12 - Domingo 11h00 Abertura da Feira das Tasquinhas e Artesanato 15h00 Desfile dos Ranchos 15h30 Tirada do Vinho Org.: Associação Cultural e Desportiva de Entre Ambos-os-Rios Actuação dos Ranchos Folclóricos: Rancho Folclórico de Lindoso Rancho Folclórico das Lavradeiras de Oleiros Rancho Folclórico de Azias Rancho Folclórico e Etnográfico de Ponte da Barca 20h30 Encerramento da Festa das Vindimas 2014 Segundo o Instituto da Vinha e do Vinho Exportações de vinho português somam 314,4ME até Junho há nove trimestres consecutivos, o que empurrou as empresas para o competitivo mercado internacional. Para o presidente do IVV, Frederico Falcão, estes são dados muito positivos que traduzem o empenho que o sector está a ter na exportação, marcada por quatro anos e meio de crescimento sucessivo. Relativamente ao mercado nacional, Frederico Falcão aconselha uma leitura prudente dos dados, já que a restauração representa um quarto do mercado nacional e pode estar a beneficiar do efeito de aumento do turismo. Ainda assim, nota, o crescimento registado é uma interrupção numa série de trimestres negativos, o que dá sinais positivos e esperança para o sector do vinho português. A primeira Prova Anual dos Vinhos de Portugal será realizada no próximo dia 7 de Outubro, em Happo-en, em Tóquio, e contará com a participação de 30 produtores nacionais, que colocarão em degustação 241 vinhos, e assinalará a estreia da aproximação dos vinhos portugueses a distribuidores, compradores, outros profissionais, jornalistas e público em geral. A prova anual será iniciada com um seminário sobre a diversidade dos vinhos portugueses conduzido pelo Master Sommelier João Pires, seguido pela Prova Anual de vinhos portugueses, Englobará ainda a final da primeira edição do concurso para a eleição do Wines of Portugal Japanese Sommelier of the Year, organizado pela ViniPortugal em parceria com a Japanese Sommelier Association. A semifinal deste concurso foi realizada em 10 cidades Japonesas. Agora os 10 finalistas vão competir a Tóquio pelo primeiro Casa do Vinho e Loja Interactiva de Turismo Valpaços impulsiona turismo com dois novos equipamentos A cidade de Valpaços tem dois equipamentos pensados para impulsionar o turismo no concelho. A Casa do Vinho e a Loja Interactiva de Turismo são dois novos espaços de referência em Valpaços. Logo à entrada da Casa do Vinho, o equipamento TOMI disponibiliza informação turística variada sobre o concelho e está disponível 24 horas por dia, sete dias por semana. Já dentro, os equipamentos multi-touch de última geração desvendam a história, as características e especificidades dos vinhos da região, dando realce também ao património arqueológico e paisagístico. É também na Casa do Vinho que se encontra, agora, a nova sede da Comissão Vitivinícola Regional de Trás-os- -Montes (CVRTM), a entidade que certifica produtos com denominação de origem Trás-os-Montes e indicação Geográfica Transmontano e controla as condições subjacentes à certificação. No edifício adjacente, encontra-se a Loja Interactiva de Turismo de Valpaços que está ligada à rede de espaços de promoção e divulgação turística do Porto e Norte de Portugal. A nova infraestrutura dispõe de um conjunto de valências tecnológicas, nomeadamente promotoras virtuais, um ecrã panorâmico, uma mesa interactiva multi-touch e espaço de divulgação e venda dos produtos do concelho. Os equipamentos dispõem de informação actualizada e permanente, no sentido de operar sob uma plataforma que disponibiliza informação turística, segmentada por produto turístico e meio complementar, desde o alojamento à restauração, de forma a responder às necessidades de cada utilizador. A Casa do Vinho e a Loja Interactiva de Turismo de Valpaços representam duas infraestruturas municipais de referência no âmbito da valorização, divulgação e comercialização dos produtos oriundos do sector primário, enquanto nota de sucesso da intervenção e dinamização da autarquia local, bem como da promoção da riqueza e diversidade patrimonial, paisagística, natural, gastronómica e cultural da região transmontana e do concelho de Valpaços em particular. Iniciativa da ViniPortugal decorre a 7 de Outubro Vinhos portugueses em prova anual no Japão prémio, que contempla uma bolsa para formação sobre Vinhos de Portugal no valor de euros e uma viagem a Portugal. Os quatro finalistas ganharão uma viagem a Portugal, onde terão oportunidade de conhecer as principais regiões vitivinícolas nacionais. Jorge Monteiro, presidente da ViniPortugal, salienta a importância da realização desta Prova Anual, revelando que de acordo com alguns estudos o Japão é, juntamente com EUA, Canadá, Suécia Noruega e Finlândia, um dos mercados em que o vinho se está a tornar uma tendência dominante e, por via disso, tem tido um crescimento significativo. O Japão possui ainda um elevado conhecimento da história de Portugal e uma consequente afinidade, para além de uma intensa cultura de vinho, com mais de 30 sommeliers, o que denuncia uma oportunidade para os Vinhos de Portugal, até pelo seu carácter gastronómico

10 Com o objectivo de projectar a influência da cultura do vinho Municípios da Bairrada candidatos a Cidade Europeia do Vinho/2015 Os municípios da Bairrada vão apresentar uma candidatura conjunta ao concurso Cidade Europeia do Vinho/2015 para projectar a influência da cultura do vinho e fomentar o seu conhecimento entre os cidadãos da União Europeia. Cantanhede, Anadia, Mealhada, Águeda e Oliveira do Bairro são os municípios envolvidos nessa candidatura. Considerando a importância do estatuto conferido pelo concurso e a sua visibilidade a nível internacional, a candidatura aposta na excelência do vinho da Bairrada e no valor dos factores que conferem um carácter distintivo à cultura que está na sua origem, bem como no papel crucial que esta desempenha na dinamização do território do ponto de vista social, cultural, turístico e económico, refere um comunicado hoje divulgado pelo município de Cantanhede. O objectivo, salienta, é promover e divulgar a excelência dos vinhos da Bairrada através da organização de acções de carácter sociocultural a realizar nos cinco municípios, destinadas a contribuir para reforçar a sensibilidade para a cultura e tradições do vinho e mobilizar as comunidades locais, bem como consolidar os seus vínculos com a região e desta com todos os territórios vitivinícolas europeus. Promovido pela Rede Europeia das Cidades do Vinho (RECE- VIN), o concurso Cidade Europeia de Vinho visa distinguir, anualmente, uma cidade símbolo do desenvolvimento vitivinícola a nível europeu, tendo um carácter rotativo entre os diversos países que fazem parte da rede. Segundo a ordem estabelecida, a edição de 2015 do evento foi entregue a Portugal, sendo que nos anos anteriores a organização coube a Palmela, em Portugal, Marsala, na Itália, e Jerez de la Frontera, em Espanha. O resultado da avaliação das candidaturas será publicado entre Outubro e Novembro e a cidade escolhida acolherá a cerimónia de entrega do título em Fevereiro de Para além da Bairrada, já se apresentaram como candidatos os municípios de Reguengos de Monsaraz (numa aliança com Évora e Elvas) e de Monção e Melgaço, que se juntaram para se afirmarem como sub-região do alvarinho. Adiantando que a candidatura da Bairrada tem o apoio de parceiros como a Comissão Vitivinícola da Bairrada, a Associação Rota da Bairrada e empresas dos sectores vitivinícola e do turismo, entre outras, Cantanhede considera o projecto tanto mais oportuno quanto se sabe que o enoturismo tem vindo a adquirir crescente relevância como factor de atractividade turística da região. Uma região que, salienta, dispõe de uma oferta diversificada em roteiros onde pontificam a zonas naturais particularmente convidativas, unidades termais e hoteleiras de referência, praias de qualidade balnear reconhecida, património cultural e tradições etnográficas com forte identidade e uma gastronomia apreciada a nível internacional, com destaque para a proverbial excelência do leitão da Bairrada e outros célebres sabores regionais servidos em restaurantes. A 4 de Outubro no âmbito do II Encontro com o Vinho e Sabores - Bairrada Bairrada mostra monumentalidade e raça dos seus vinhos em prova inédita A monumentalidade e raça dos vinhos da Bairrada vão estar à prova no Encontro com o Vinho e Sabores - Bairrada 2014, evento que se realiza de 3 a 5 de Outubro em Sangalhos, Anadia. Em destaque uma prova inédita, a realizar-se no sábado, dia 4, às 18 horas, no Museu do Vinho Bairrada. São treze os escolhidos de entre os melhores vinhos feitos na região, das colheitas de 1985 a Néctares com história e estórias para contar, que vão surpreender pela sua autenticidade, carácter e identidade; e, no caso dos mais antigos, pela longevidade. A prova Os Bairrada que fizeram história a 2011 vai ser comentada pelo crítico Luís Ramos Lopes, que seleccionou um conjunto de vinhos raros e grandiosos, como os brancos Frei João 1988 e Campolargo 2011 (distinguido recentemente como o melhor branco no International Wine Challenge), ou os tintos Sidónio de Sousa 1985, Casa de Saima Garrafeira 1990, Quinta das Bágeiras Garrafeira 1995 e Quinta do Ribeirinho Pé Franco 2011, entre muitos outros de idêntico gabarito. Uma mostra de vinhos complexos declaradamente com perfil fresco, equilibrado e elegante e muito prazerosos, sobretudo à mesa, onde revelam elevado potencial gastronómico. As uvas que dão origem aos vinhos (DO) Bairrada provêm de terrenos de argila, calcário e areia. A proximidade do mar oferece-lhes um clima Atlântico, com temperaturas moderadas, e as suaves colinas que caracterizam a região possibilitam diferentes tipos de exposição solar. Um blend perfeito para vinhos com um estilo muito próprio, uma personalidade fresca, vivaz e consistente. Os especialistas dizem que beber um Bairrada é como colocar uma pedra de calcário na boca, tal é a frescura deixada por este vinho. Encontro com o Vinho e Sabores - Bairrada 2014 reúne mais de 50 produtores No que toca aos produtores, o número da primeira edição já foi superado. São mais de meia centena os representantes dos melhores vinhos e sabores com lugar marcado no Encontro com o Vinho e Sabores - Bairrada 2014, evento de promoção conjunta que tem como objectivo potenciar as fileiras da vinha, do vinho, da gastronomia e do turismo da região da grande Bairrada. Para além da prova acima referida, estão agendadas outras duas, uma de espumantes e outra com brancos e tintos de ex- celência, orientadas, respectivamente, pelos críticos da Revista de Vinhos João Paulo Martins e Nuno Oliveira Garcia. A qualidade da região vai mostrar-se também à mesa, com dois jantares temáticos, harmonizados, é claro, com vinhos e espumantes da Bairrada. A abrir as hostes, o primeiro jantar é dedicado aos Sabores do Mar e é da autoria d O Rei dos Leitões (eleito pela Revista de Vinhos como o Melhor Restaurante de Cozinha Tradicional em 2013), embora servido no restaurante do Velódromo de Sangalhos. No mesmo espaço, mas no dia seguinte, é a vez do restaurante Mugasa dar cartas nos Sabores da Terra ; o famoso e delicioso leitão da Bairrada não vai faltar! Em paralelo ao evento, vai ter lugar a IV edição do Concurso de Vinhos e Espumantes Bairrada, que vai distinguir, entre outras categorias, o Melhor Espumante de Baga, a casta bandeira da região, que se destaca pela originalidade e versatilidade para produzir grandes vinhos tintos e frescos espumantes brancos e rosés. Os resultados vão ser conhecidos no dia de abertura do Encontro com o Vinhos e Sabores - Bairrada 2014 e os prémios entregues pela Ministra da Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, às 19h

11 No primeiro semestre de 2014 Vinho suporta crescimento do turismo em Portugal O cluster ligado à cultura do vinho e ao enoturismo é o grande responsável pelo crescimento do turismo em Portugal e assume, cada vez mais, importância na economia e no desenvolvimento regional, de acordo com uma análise da Universidade Portucalense (UPT). Só no primeiro semestre de 2014, o Turismo de Portugal revelou um saldo da balança turística de 2,5 biliões de euros, um aumento de 13,6% face ao período homólogo anterior e, de acordo com a UPT, apesar do enoturismo apresentar características diferentes do turismo massificado, este segmento tem contribuído para o crescimento do sector a nível nacional e internacional. Em Portugal o enoturismo tem, maioritariamente, características de nicho, atraindo, com frequência, turistas com grande poder económico. A nível nacional existe uma oferta muito qualificada a este nível, frequentemente associada ao turismo rural e a hotéis de charme em localizações privilegiadas, afirma Josefina Salvado, coordenadora do 1º ciclo em Turismo, Património e Cultura da UPT. De acordo com a docente, o enoturismo permite ao visitantes vivenciar experiências turísticas singulares, para além dos vinhos, associadas ao vasto património cultural material e imaterial que as regiões vitivinícolas possuem

12 Na região há cerca de 12 mil colmeias Associações do Douro Internacional dão lições de apicultura a miúdos e graúdos Diz Rita Horgan, da Euromel Os incêndios e as alterações climáticas fazem oscilar a produção A produção de mel na Beira Interior tem vindo a crescer, fruto do aumento dos actuais apicultores, num ano em que houve uma quebra de produção. Rita Horgan, da Euromel, empresa sedeada em Penamacor, diz que o sector é uma oportunidade, pois há procura de mel na Europa. Porém, há também dificuldades, nomeadamente os incêndios, que destroem as colmeias, mas também as alterações climatéricas que podem revelar-se um factor essencial na oscilação da produção. Gazeta Rural (GR): Que mel se produz nesta região da Beira Interior? Rita Horgan (RH): Produzimos o mel de rosmaninho (claro e suave), o mel de Urzes (escuro e forte paladar) e a melada de carvalho (escuro, sabor sui generis). GR: Além do mel, que outros produtos produzem e comercializam? RH: Produzimos pólen e própolis e comercializamos mel, mel com pólen, mel com própolis, mel com geleiaa real, mel com frutos secos e muitos outros produtos, como granolas com mel. Como retirar as alças que contêm a cera e o mel, o modo de evitar valentes picadas das abelhas e outros truques da apicultura são ensinados a miúdos e graúdos no Douro Internacional, uma região onde há cerca de 12 mil colmeias. Terminado mais um ciclo apícola, a Associação de Apicultores do Douro Internacional (AAPNDI), a Associação ALDEIA e a Sabores - Associação de Produtores Gastronómicos das Terras de Miranda, promoveram uma Cresta que juntou miúdos e graúdos. Equipados a rigor, todos participaram naquela actividade, que consiste na retirada do mel das colmeias. Para se participar numa acção como esta, onde há abelhas por todo o lado, o primeiro passo é a utilização de equipamento de protecção adequado para evitar as picadas das abelhas, que durante a função se tornam um pouco mais agressivas. A retirada das alças que contêm a cera e o mel, a verificação de eventuais doenças que afectam os apiários, a avaliação das mais variadas qualidades de mel produzidas na época certa, são matérias abordadas pelos especialistas no decurso de cada acção, numa jornada com uma forte componente prática, onde todos podem experimentar as sensações de estar no meio de um apiário que contem milhares ou até mesmo milhões de abelhas. Proporcionámos uma visita a um apiário onde os participantes puderam apreciar de perto a extracção do mel. Ao mesmo tempo, demos-lhe a conhecer todo o processo de extracção do mel e embalamento do produto, explicou Vítor Ferreira, técnico da AAPNDI. O também apicultor referiu que a principal objectivo desta actividade tem por base a divulgação de um produto de qualidade como o mel, mas este tipo de actividade não pode ser virada para massas, já que há regras a ter em conta. Só na região do Douro Internacional há mais duas centenas de apicultores que são responsáveis por cerca de 12 mil colmeias, o que se traduz numa média de cinco apiários por produtor. Como sempre acontece nestas lides que envolvem as abelhas, há sempre quem se sujeite a umas ferroadas. E Salvador Azevedo foi um pequeno e futuro aquicultor que não se livrou de cinco valentes picadas de abelhas. Ficou, por isso, a perceber quão importante é o uso equipamento apropriado quando se procede a acções do seio de um apiário. Tive uma estreia atribulada porque fui picado pelas abelhas. Mas, mesmo assim, não desisti. Fui para o lado dos meus pais ajudar a varrer as abelhas das alças da colmeia. Inicialmente, tive medo, Depois das picadas, soube adaptar-me e aprendi muitas coisas, explicou o adolescente, com um sorriso na face. Outra das participantes, Ana Bivar, defendeu que seria importante introduzir este tipo de acções nas actividades extracurriculares dos alunos dos primeiros ciclos de ensino. Para que as crianças possam ter contacto com este tipo de actividades rurais, acrescentou. Em jeito de conclusão, umas das participantes mais jovens e mais atentas no decurso da Cresta, Maria Carvalho, mostrou estar preparada para o próximo desafio e parecia ter a lição na ponta da língua. Aprendi muita coisa desde o nascimento de uma abelha, que pude observar. Também observei que quando os apicultores utilizam fumo, enquanto estão a tirar o mel, é para abelhas pensarem que há incêndio. Assim, recolhem-se nas suas colmeias o que torna mais fácil a tarefa, sintetizou a pequena apicultora. GR: Têm aparecido novos projectos agrícolas? RH: Notam-se poucos projectos novos, mas os instalados têm-se desenvolvido. Há procura de mel na Europa, e o sector pode ser uma grande oportunidade. GR: Como foi a produção de mel na zona? RH: Particularmente neste ano, a produção foi mais fraca, em quantidade. GR: Quais as maiores dificuldades no sector? RH: Os maiores problemas são os incêndios. Quando os bombeiros não conseguem controlar rapidamente os incêndios no mato, as colmeias ficam lá. Depois as alterações climatéricas a que temos vindo a assistir podem revelar-se um factor essencial na oscilação da produção. O acesso a apoios ao investimento é também um factor determinante para a actividade

13 Afirma Fernando Monteiro, presidente da Melbandos A apicultura é a fileira com maior potencial de crescimento no Pinhal Interior Sul Na região de Mação, no Pinhal Interior Sul, a apicultura é uma actividade em crescimento. A Melbandos é uma cooperativa que agrega os apicultores da região, que produzem mais de 200 toneladas de mel por ano. Fernando Monteiro, presidente da Melbandos e vice-presidente da FNAP, constata algum entusiasmo da população jovem pelo sector, afirmando mesmo que a apicultura é a fileira com maior potencial de crescimento no Pinhal Interior Sul. Gazeta Rural (GR): Que tipo de flora predomina na zona de Mação? Fernando Monteiro (FM): Laboramos numa região com um ecossistema predominantemente florestal, dominado por elevada diversidade de espécies arbóreas e arbustivas integrantes. Trata-se, na sua maioria, de méis multiflorais, integrando muita da polivalência floral, que lhe confere flavores fortes e persistentes. Na nossa área de intervenção pontificam microclimas mais específicos, onde se recolhem méis mais claros (com predominância de rosmaninho) e méis mais escuros (com preponderância de ericáceas/ urzes). Alguns produtores recolhem ainda méis de inverno, basicamente de magoriça e medronho. GR: Além do mel, que outros produtos recebem na Cooperativa? FM: Assinalamos muito pontuais recolhas de pólen e própolis. Não temos nenhum produtor de geleia real ou de apitoxina. Estes produtos apícolas alternativos revestem-se de um elevado potencial a explorar, apesar de exigirem uma grande capacidade técnica e tecnológica, normalmente ao alcance de apicultores profissionais, que na nossa região (e mesmo na maior parte do País) rareiam. GR: Como foi a campanha deste ano? FM: Este ano a produção ficou um pouco abaixo do normal. Na nossa área de intervenção recolhem-se, seguramente, mais de 200 toneladas de mel apesar da Cooperativa Melbandos comercializar directamente apenas cerca de 20 toneladas por ano. GR: O conhecimento é fundamental para o sucesso do apicultor. Dão formação e apoio aos apicultores? FM: A Melbandos tem realizado e participado em inúmeras acções de formação, tendo promovido vários cursos de iniciação à apicultura e alguns temáticos mais avançados. Contamos nos nossos quadros dois técnicos com relevante experiência no sector, que prestam apoio logístico, técnico, sanitário e administrativo aos apicultores. GR: O aumento da procura de mel e derivados, é uma oportunidade para o sector? FM: A apicultura é das fileiras mais importantes nas regiões do interior, não apenas pelo potencial produtivo e rendimento associado, mas sobretudo por razões ecológicas e ambientais. Sem apicultura, a desertificação territorial seria ainda mais catastrófica. A sua imprescindibilidade para a manutenção dos ecossistemas justifica, por si, forte investimento no sector. Constata-se algum entusiasmo por parte de população jovem, que, esperemos, se fixem na actividade com perspectivas de futuro. A apicultura é, porventura, a fileira com maior potencial de crescimento nesta região do Pinhal Interior Sul, em que o minifúndio vincado, associado à fraca produtividade dos terrenos, inviabiliza, pelo menos com carácter empresarial, a maior parte das actividades agro- -pecuárias. Afirma Odete Gonçalves, técnica da MELTAGUS A apicultura pode ser uma boa aposta Como noutras regiões, também na zona de Castelo Branco tem havido um aumento significativo de interesse pelo sector apícola. Odete Gonçalves, técnica da MELTAGUS, diz que a apicultura é uma boa aposta, desde que tudo corra bem. A cooperativa sedeada em Castelo Branco recebe mel e pólen dos associados, mas tem novos apicultores interessados em entregar própolis, um produto cuja comercialização, diz Odete Gonçalves, irá começar a ganhar escala a partir de Gazeta Rural (GR): O que diferencia o mel da zona de Castelo Branco? Odete Gonçalves (OG): Devido às características da região, o mel é predominantemente multifloral com preponderância de rosmaninho. No entanto, alguns méis monoflorais de rosmaninho, urze e laranjeira podem ser produzidos na região. A coloração observada nos méis da região varia entre âmbar claro a âmbar mais ou menos escuro, dependendo da origem botânica, sendo que os méis âmbar escuro têm uma composição mais rica em ericáceas, garantindo normalmente um valor mais elevado de fenóis totais associados muitas vezes a uma capacidade antioxidante mais elevada. GR: Os associados da cooperativa entregam só mel, ou também outros produtos derivados? OG: Para além do mel, recebemos também pólen dos nossos apicultores. Pretendemos trabalhar com o própolis, pois existem alguns interessados. Na sua maioria são apicultores profissionais, que submeteram projectos, que ainda estão na fase de conclusão e, como tal, a principal preocupação é a aquisição de enxames. Prevê-se que a partir de 2016 a comercialização do própolis irá começar a ganhar escala. GR: Qual a produção média anual na região? OG: Anda entre os 15 e os 20Kg por colmeia. Este foi um ano atípico e a produção por colmeia não atingirá os 10Kg. GR: Para além de receber e comercializar o mel, a Meltagus está dar formação e apoio aos apicultores? OG: Desde 2010 que estamos a dar formação na área apícola. Temos tentado abranger todos os temas, desde a introdução à apicultura, à sanidade, à produção e comercialização de produtos apícolas, desdobramentos, criação de rainhas, entre outros. Desde 2008 que a Meltagus dá apoio técnico aos apicultores da nossa zona controlada, na área da sanidade, da instalação de colmeias, cumprimento da legislação, etc. GR: Há um crescente aumento da procura de mel. Nesta fase, em que o mundo rural ganhou um novo alento, têm aparecido novos projectos? OG: A área da apicultura é uma boa aposta, quando as coisas correm bem. Em pouco tempo consegue-se reaver o dinheiro que se investe. Na zona controlada da Meltagus, nos últimos anos, tem havido um aumento de apicultores, muitos com menos 50 colmeias, e outros com mais 50 colmeias, alguns deles com recurso a projectos de instalação jovens agricultores, financiados pelo ProDeR

14 Diz o presidente, Duarte Marques Sócios da AguiarFloresta produzem mais de 150 toneladas de mel A AguiarFloresta, sedeada em Vila Pouca de Aguiar, é uma associação que actua em várias vertentes no meio rural, desde o sector florestal, a castanhicultura, a micologia e a caça e pesca. A apicultura é uma das áreas em crescendo na região. Com cerca de centena de meia de associados, que produzem mais de 150 toneladas de mel, a AguiarFloresta, embora não tendo um carácter de comercialização directa dos produtos apícolas dos seus associados, actua como elo de ligação na gestão de encomendas e sua preparação, no seu embalamento a granel e na recolha de análises necessárias à expedição de produtos apícolas dos associados detentores de UPP devidamente registadas. Duarte Marques, presidente da Aguiar- Floresta, diz que na região têm aparecido novos projectos apícolas e, com isto, um aumento significativo de colónias. Gazeta Rural (GR): Que tipo de mel se produz nessa região? Duarte Marques (DM): Produzimos, essencialmente, mel de urze. Existe também mel multifloral, com percentagem elevada de pólen de castanheiro, eucalipto, rosmaninho, entre outros. Os nossos apicultores produzem também pólen e própolis. GR: Quantos sócios têm e qual a produção média anual? DM: Contabilizamos 132 associados, com 7896 colónias. Produzimos, em média, kg de mel. Este ano prevê-se uma diminuição da produção de mel, devido às temperaturas baixas que se fizeram sentir. GR: Que tipo de apoio presta aos associados? DM: Proporcionamos aos nossos associados serviços de assistência técnica gratuita, em áreas diversas como a sanidade apícola, segurança alimentar e licenciamento de melarias, apoio a projectos apícolas e outros. Os associados têm, também, apoio necessário ao planeamento de melhoramento dos efectivos apícolas e respectivos produtos. GR: A apicultura é uma oportunidade, numa altura em que a procura de mel aumentou na Europa? DM: Sim. Na nossa zona de intervenção temos notado o aparecimento de novos projectos apícolas e com isto, um aumento significativo de colónias. Existem alguns novos apicultores com bastante sucesso, que se deve essencialmente pela dedicação intensiva às suas colmeias e aprendizagem, passando pela aprendizagem empírica, colmatada com a formação que têm realizado. Sedeada em Nisa, no distrito de Portalegre, a Apilegre Associação de Apicultores do Nordeste Alentejano junta os apicultores daquela vasta região, onde a natureza é generosa, permitindo a produção de quatro variedades de mel, como os monoflorais rosmaninho e soagem, e os multiflorais de planície e de montanha. Todavia, nem tudo são rosas. Dulce Alves, técnica daquela associação, diz que a apicultura na região é irregular, pois 2 ou 3 em cada 10 anos pode não haver produção. Na campanha deste ano houve uma quebra de produção que rondou os 70%. A falta de formação específica, o baixo nível de ordenamento do território para a distribuição de colmeias e a deficiente organização da Fileira são alguns dos problemas que Dulce Alves aponta como problemas a ultrapassar. Aos apicultores associados da Apilegre Flora do nordeste alentejano oferece quatro variedades de mel Crato; o monofloral de Soagem, nos concelhos de Portalegre, Arronches, Monforte e Campo Maior e o multifloral de Planície, também nestes quatro concelhos. Este mel tem a presença de néctares de varias plantas, como rosmaninho, soagem, cardo, azinheira e sobreiro. Temos também o mel multifloral de Montanha, produzido essencialmente em Marvão e Castelo de Vide, onde temos a presença de néctares de urzes, castanheiro, alecrim e algum rosmaninho. Os apicultores associados da Apilegre também produzem pólen, própolis, enxames e rainhas. GR: Como foi a campanha deste ano nesta região? DA: Inicialmente a produção foi regular. Tudo fazia prever um ano com proveitos maiores do que os custos, mas as constantes chuvas e o frio exagerado na época da Páscoa fez com que as flores deixassem de produzir o néctar, essencial à produção de mel. Para além deste facto, as abelhas, perante o frio da Páscoa, começaram a comer as reservas que tinham conseguido armazenar até então, deixando as colmeias sem grandes reservas de mel, para o apicultor poder coletar. As produções de mel deste ano caíram cerca de 65 a 75% de um ano regular. Uma exploração que, na média dos últimos dez anos, produzia cerca de uma tonelada de mel, este ano teve cerca de 300 Kg. GR: Como olha para o sector? DA: É uma aposta atractiva, mas como produções irregulares de ano para ano. Existem muitos anos com ausência de produção de mel. Num período de 10 anos é frequente existirem três ou quatro com produções abaixo do custo de manutenção da exploração e apenas dois com produções rentáveis. Deste modo, qualquer exploração profissional aposta em mais do que um produto, para contrabalançar os custos e os proveitos. GR: Quais as principais dificuldades que enfrenta o apicultor? DA: Essencialmente três aspectos: a falta de formação específica, o baixo nível de ordenamento do território para a distribuição de colmeias e a deficiente organização da Fileira do mel. Gazeta Rural (GR): Quais as principais características do mel produzido nesta região? Dulce Alves (DA): Na nossa zona de actuação temos vários tipos de mel. O monofloral de Rosmaninho, principalmente nos concelhos de Nisa, Gavião e 26 27

15 Na Estação Experimental em Coruche Projecto estuda doença que afecta o milho Novas técnicas de produção que previnam a cefalosporiose, doença que afecta o milho, estão a ser ensaiadas em 10 hectares de terreno, em Coruche, numa das estações experimentais do Estado alvo de um acordo de parceria com produtores. A Estação Experimental António Teixeira tem a decorrer um ensaio com 24 variedades de milho, envolvendo 12 empresas da fileira, no âmbito de um projecto aprovado no início deste ano pelo Programa de Desenvolvimento Rural (ProDeR) e que resulta de uma parceria entre a Associação Nacional de Produtores de Milho e Sogro (Anpromis), o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) e a Terramilho (agrupamento local de produtores de cereais). A evolução da primeira cultura do projecto Sanimilho, que vigora durante oito anos, foi apresentada num dia de campo que contou com a presença de produtores e promotores do projecto. O secretário de Estado da Alimentação e Investigação Agroalimentar, Nuno Vieira e Brito, apontou a investigação aplicada e a disseminação do conhecimento para os produtores como o caminho certo e a orientação que esteve na base das parcerias que o Governo tem vindo a promover para retomar o investimento nas estações experimentais criadas em meados do século passado em Portugal. O presidente da Anpromis, Luís Vasconcellos e Souza, saudou o modelo de acordo encontrado com o Estado, rápido e célere, admitindo que o projecto em curso poderá vir a permitir a instalação de um centro científico da associação, área em que esta não tem atuado. O dirigente aproveitou para desafiar o Estado a reformar o seu modelo de investigação agrária. Nuno Vieira e Brito afirmou que está a ser criado um centro de competências, sem estruturas pesadas, mas funcionais, efectivas e eficazes. Para o secretário de Estado, Portugal sabe produzir bem, resultado não só do conhecimento empírico mas também do que tem sido produzido por universidades e politécnicos, havendo necessidade de promover ou mesmo impor um encontro de vontades entre as várias entidades e interessados. O secretário-geral da Anpromis, Tiago Silva Pinto, referiu que o ensaio agora iniciado um investimento de euros assumido pela Anpromis com uma comparticipação de 25% do Proder - visa estudar uma doença que afecta a principal cultura de cereais do país. Segundo Tiago Pinto, a cultura de milho ocupa hectares em Portugal (40% da área de cereais), sendo o distrito de Santarém o de principal produção (22,6 mil hectares) e Coruche o quarto concelho do país com maior área de milho (4.300 hectares). Nesta parceria, a Anpromis assumiu o investimento, o INIAV disponibilizou quatro investigadores para acompanharem o projecto e a Terramilho será responsável pela sensibilização junto dos agricultores, adiantou. Adiantou o secretário de Estado da Agricultura Novo Programa de Desenvolvimento Rural arranca em Novembro O secretário de Estado da Agricultura, José Diogo Albuquerque, anunciou que as primeiras medidas de apoio ao investimento do novo Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) vão abrir a 15 de Novembro deste ano. Estamos na fase final de aprovação do PDR pela Comissão Europeia, mas, independentemente dessa fase processual, as primeiras medidas vão abrir a 15 de Novembro e o Governo espera ter o programa completamente em funcionamento em meados de 2015, disse José Diogo Albuquerque. O governante falava à margem do II Encontro Nacional do Azeite - I Jornadas Olivum, que decorreram em Ferreira do Alentejo, no distrito de Beja, numa organização do município e da Olivum - Associação de Olivicultores do Sul. O Governo acordou com o comissário europeu que vai avançar com as primeiras medidas a 15 de Novembro, nomeadamente as emblemáticas medidas do investimento, de jovens agricultores e da agroindústria, mesmo que o PDR não esteja aprovado pela Comissão Europeia. Nunca antes se avançou tão rapidamente num programa, mas também nunca antes se percebeu que se se não houver hiatos de investimento e formos rápidos na programação e disponibilização dos fundos os agricultores respondem, frisou. O actual Programa de Desenvolvimento Rural (ProDeR) está a ser executado em três anos, em vez de ser executado em seis anos, que era o que devia ter sido normal, se não tivesse começado com atraso, mas com o PDR isso já não vai acontecer, porque o programa vai começar a tempo e horas, disse. Segundo o secretário de Estado, o actual ProDeR está com uma taxa de execução de 87%, a qual deverá chegar aos 92% até ao final deste ano e aos 100% em meados de José Diogo Albuquerque disse, por outro lado, que o sector do azeite em Portugal é dinâmico e já permitiu ao país ser auto-suficiente em produção e a chave para o futuro é a integração vertical, através da criação da organização interprofissional do sector. O pedido de formalização da organização interprofissional do sector do azeite, um passo que Espanha e França já deram e Portugal tem que dar, já está no Gabinete de Planeamento e Políticas (GPP), disse o secretário de Estado. A organização interprofissional permitirá ao sector do azeite organizar-se de uma forma estruturada entre a produção, a indústria e a distribuição, planear o que quer do futuro e cumprir metas e objectivos, como mais produção, investigação e inovação, estabelecer melhor as práticas comerciais e prever o que quer em termos de regulação do mercado, sublinhou

16 A Feira das Colheitas, em Arouca, celebrou 70 anos, certame que este ano contou com cerca de 120 expositores e apostou num novo espaço no Mosteiro e na divulgação de casos de sucesso internacional protagonizados por empresários locais. O centro histórico da vila transformou-se numa extensa mostra das práticas agrícolas do concelho e dos usos e costumes que marcam o seu património histórico e cultural. Celebramos 70 anos de Feira das Colheitas e, apesar de uma evolução notável, o essencial do evento continua a ser a paixão pelas nossas raízes, declarou o presidente da Câmara Municipal, José Artur Neves. Nestes dias sente-se o trabalho do campo tal como ele era vivido no passado e há uma nostalgia que envolve tudo, pelo que a população participa na iniciativa com particular intensidade, garante o autarca. Uma das novidades da edição deste ano foi a abertura do celeiro do Mosteiro de Arouca ao público. É um espaço novo que acolheu uma exposição de alfaias agrícolas do início do século passado, entre as quais algumas peças que eu imaginava que já não existiam, revela José Artur Neves. Vendas de produtos regionais, um desfile de carros de bois, um cortejo de açafates, exposições etnográficas, um concurso da raça arouquesa, gastronomia tradicional, concertos por colectividades locais e uma desfolhada foram algumas das dezenas Certame contou com elevada participação de visitantes Feira das Colheitas de Arouca celebrou 70 anos de propostas do programa da Feira das Colheitas, que contou com elevada participação de visitantes. A primeira edição da Feira das Colheitas realizou-se em 1944 e foi organizada pelo Grémio da Lavoura de Arouca, por iniciativa do seu gerente, António de Almeida Brandão, que então também presidia à Câmara Municipal. No contexto de escassez da II Guerra Mundial e das dificuldades de acesso a bens de primeira necessidade, o objectivo do certame era recuperar a produção agrícola local e reavivar as tradições da região. Projecto Tree Plus já foi apresentado à fileira florestal Universidade de Vila Real criou bolsa de valor do material lenhoso Foi apresentado à fileira florestal o projecto Tree Plus, uma plataforma informática que agrega uma bolsa de valor do material lenhoso, disponibilizando informações sobre os preços bem como características dos povoamentos e árvores. O projecto foi desenvolvido pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), através do Departamento de Ciências Florestais e Arquitetura Paisagista (CIFAP). O Tree Plus consiste na criação e manutenção de uma plataforma informática que irá agregar uma bolsa de valor do material lenhoso, de acordo com os preços da oferta e da procura, publicados por proprietários e compradores, afirmou, em comunicado, Luís Martins, docente do CIFAP e investigador do Centro de Investigação e Tecnologias Agroambientais e Biológicas (CI- TAB). Aquele responsável explicou que, nesta página da Internet, o público poderá consultar os preços, por volume das árvores em pé, ficando apenas acessível aos utilizadores inscritos (industriais, técnicos, investigadores ou produtores), as características específicas sobre os povoamentos e árvores. Para o investigador, a criação desta plataforma reveste-se de uma importância estratégica, já que poderá ser um instrumento de avaliação económica, bem como de gestão e registo online das práticas culturais. Esta permitirá ainda calcular o valor comercial dos povoamentos, considerando o inventário arbóreo e o preço de mercado das árvores, informação útil para o mercado interno e externo, acrescentou Luís Martins. Segundo o investigador, a plataforma permite ainda que o proprietário ceda direitos de edição ou de visualização da informação a técnicos, investigadores, empresários, desde que inscritos, podendo o acesso a esta informação auxiliar na gestão técnica e contribuir para o aumento da rentabilidade dos povoamentos. Poderá ainda, na sua opinião, desempenhar um papel importante na protecção da fileira florestal, já que, conforme explicou, o suporte técnico e cientifico rigorosos da plataforma são requisitos fundamentais para que os proprietários sejam motivados a realizarem melhores práticas e medidas concretas de protecção da floresta como fogo, ataque por pragas e doenças. A empresa do sector avícola Lusiaves anunciou um investimento de 35 milhões de euros na sua rede de incubação, que permitirá aumentar a capacidade de produção de pintos, à razão de mais 500 mil por semana. Fonte do grupo empresarial sediado na Figueira da Foz afirmou que o investimento aumenta a capacidade de produção da Lusiaves em cerca de 33 por cento, passando dos cerca de 78 milhões de pintos anuais para 104 milhões, um acréscimo de 26 milhões por ano. O investimento na rede de produção passa pela construção de novos pavilhões, incorporação de tecnologia de ponta e re- Para aumentar a capacidade de produção de pintos Lusiaves investe 35 milhões na ampliação de rede de incubação forço do centro de incubação localizado na zona industrial da Figueira da Foz, que está ao nível dos cinco melhores da Europa, disse. Avelino Gaspar, presidente do conselho de administração da Lusiaves, afirma que o investimento realizado na capacidade de produção irá garantir um abastecimento autónomo, contínuo e optimizado das granjas avícolas da empresa, constituindo mais um passo determinante para sustentar o crescimento global do grupo empresarial. Com quase 30 anos de existência, trabalhadores e gerador de mais de postos de trabalho indirectos, a Lusiaves estima que a facturação anual possa rondar os 400 milhões de euros, após os novos investimentos. A empresa produz actualmente milho em Soure e Porto Alto, possui uma fábrica de rações em Monte Real, e, para além do centro de incubação da Figueira da Foz, tem pavilhões de galinhas poedeiras, incubação de ovos e criação de pintos distribuídos por todo o país. A Lusiaves, que comercializa frango, frango do campo e peru, tem ainda dois centros de abate, em Marinha das Ondas (Figueira da Foz) e Estarreja, este último alvo de um investimento de 12 milhões de euros, que estará concluído em Outubro e permitirá triplicar a produção, frisou a fonte. Já em Mangualde, a empresa tem em fase final de conclusão um novo entreposto de apoio à distribuição em Espanha, um dos países junto com França, Itália, Alemanha e Angola para onde a Lusiaves exporta

17 Conceito já foi apresentado ao secretário de Estado das Florestas Mação vai ser município piloto para projecto de gestão da floresta em minifúndio O concelho de Mação vai receber um projecto-piloto de gestão total de Zonas de Intervenção Florestal (ZIF) e vai testar novos modelos de gestão do território agrícola e florestal assente em minifúndio, anunciou a autarquia. O conceito apresentado ao secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Francisco Gomes da Silva, assenta numa lógica de agregação funcional e total das ZIF e de todas as pequenas parcelas de terreno e dos seus proprietários, e visa estruturar e ordenar a floresta, visando a criação de riqueza e a protecção da mesma contra os incêndios florestais. O vereador da Câmara de Mação, António Louro, disse que a ideia assenta na agregação de territórios de minifúndio com um mínimo de mil hectares, ganhando escala e estruturando empresarialmente o conceito de gestão do território, com a abertura a fundos de investimento e com solidez jurídica, respeitando a propriedade privada, e definindo racionalmente modelos de utilização agrícola e florestal dos espaços. Com 41 mil hectares de área, 122 lugares e aldeias onde residem cerca de oito mil habitantes e 90 por cento de mancha florestal, o cadastro territorial de Mação identifica mais de 20 mil proprietários de pequenas parcelas de terreno (minifúndio), com 0,7 hectares de dimensão média. Desta forma não há território que resista e que seja sustentável ou possa ser gerador de riqueza, mais a mais quando os seus proprietários emigraram e as terras estão ao abandono, vincou António Louro. Com o novo modelo, a gestão é única e assegurada pelos técnicos da Aflomação e Câmara Municipal, os proprietários contribuem com os terrenos, os investidores com capital, e todos terão direito à sua quota-parte de uma riqueza que o território, devidamente ordenado e protegido, vai gerar, defendeu. O conceito final do novo modelo de gestão do território, em fase final de elaboração, vai ser entregue ao secretário de Estado da Agricultura, assegurou António Louro, sublinhando que o próximo Quadro Comunitário de Apoio é uma das últimas oportunidades para serem disponibilizados mecanismos necessários para uma intervenção que consiga combater e atenuar os problemas do ordenamento do território, assim SERVIÇOS: Ceifeira condicionadora Fardos de Rolos Simples ou Plastificádos como o sistemático abandono da floresta. O secretário de Estado das Florestas aceitou o desafio da Câmara de Mação em constituir-se como município piloto para este projecto de reordenamento do território, pela importância de tornar os territórios atractivos, lembrando, no entanto, que as pessoas não podem ser obrigadas a regressar aos territórios do interior. Gomes da Silva disse, ainda, que o processo deve evoluir para a criação da figura jurídica de Sociedade de Gestão Territorial, observando que já existem os instrumentos necessários e o enquadramento legal para a implementação do projecto. Em Mação aceitei um desafio e lancei um repto: a autarquia e a Aflomação vão concluir e apresentar-me o projecto conceptual piloto de intervenção sobre áreas ardidas e aproveitamento do potencial de regeneração, um modelo para replicar em outro tipo de áreas florestais que não correspondam a áreas ardidas. Por outro lado, continuou, vamos olhar para os instrumentos financeiros e legais que existem e quais são os adequados para concretizar a iniciativa. À falta de algum instrumento, o meu compromisso é assegurar que ele possa existir para que o projecto tenha sucesso. João Pinho encerrou a I Conferência do Pinhal, realizada em Oleiros Instituto de Conservação da Natureza quer travar abandono das florestas O vice-presidente do Instituto da Conservação da Natureza (ICNF), João Pinho, disse que o grande desafio que o país tem pela frente é o de tomar posse de todas as áreas florestais e impedir o seu abandono. Nas últimas dezenas de anos, o sector florestal teve muito sucesso em várias áreas. Obviamente, temos que pensar no futuro e tudo aquilo que são neste momento restrições, dificuldades e até mesmo ameaças, que prevemos que possam afectar o sector, têm que ser tratadas, sustentou. João Pinho, que encerrou a I Conferência do Pinhal, realizada em Oleiros, disse ainda que as áreas florestais são uma riqueza estratégica do país. Temos que nos precaver na gestão sustentável dos recursos florestais, referiu. O vice-presidente do ICNF admitiu que o sector florestal tem algumas fragilidades, mas acrescentou que tem tido vertentes de grande sucesso e até dominante a nível internacional, em algumas das suas principais fileiras, nomeadamente na cortiça, no papel e na resina. Este responsável explicou ainda que o documento de estratégia nacional para a floresta acabou de ser finalizado. É um documento orientador para a fileira florestal que esteve em discussão pública durante o mês de maio e, basicamente, pretende ser um congregador de vontades e de organização de recursos para que a floresta possa ser, o mais possível, um recurso e uma riqueza para o país, sublinhou. João Pinho referiu ainda que estão a ser dinamizados vários centros de competência para a floresta e que está em preparação a criação de um para o pinheiro bravo. Esta região do país, o pinhal, é eminentemente florestal, tem problemas próprios e este é mais um desafio para trazer um centro de competências à realidade do pinhal, disse. Aquilo que se pretende com a criação do centro de competências, cujo protocolo para a sua criação está a ser preparado, é dar resposta aos principais problemas, às questões de utilização dos recursos naturais, às melhores formas de gerir um pinhal e de ultrapassar questões que hoje impedem que os investimentos sejam feitos, concluiu o vice-presidente do ICNF. Todo o Pinhal reunido em Oleiros A I Conferência do Pinhal, organizada pelo Município de Oleiros mobilizou a participação de quase 200 pessoas - na sua maioria profissionais ligados ao sector florestal - e contou com o apoio dos municípios de Castanheira de Pêra, Fundão, Pampilhosa da Serra, Pedrogão Grande, Proença-a-Nova e Sertã. Com um painel de excelência, este foi um acontecimento que se manteve com elevados patamares de interesse do início ao fim, tendo reunido todo o Pinhal em Oleiros. Neste acontecimento intervieram autarcas da região, investigadores e representantes de diversas entidades públicas e privadas. Recorde-se que a conferência teve lugar no coração da região do Pinhal, na qual se situa a maior mancha de pinho bravo da Europa e teve o mérito de reunir vários municípios para juntos debaterem os problemas e as potencialidades da floresta activo da maior importância para os concelhos envolvidos. Nesse sentido, a moderar os dois painéis estiveram José Brito Dias e João Paulo Catarino, presidentes das Câmaras de Pampilhosa da Serra e Proença-a-Nova. A sessão foi encerrada por João Pinho, vice-presidente do Instituto da Conservação da Natureza e Floresta (ICNF). PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PLANTAS Rua Miguel Bombarda, n.º Beijós Carregal do Sal Quinta do Paitor - Canas de Senhorim Telem.: Fax:

18 Na abertura do Congresso das Tecnologias e Serviços, em Santarém Agronegócio cria plataforma de cooperação visando mercados internacionais Cerca de 40 entidades criaram uma Rede de Cooperação da Fileira das Tecnologias e Serviços do Agronegócio, plataforma que visa permitir ao sector ganhar dimensão e criar complementaridades para abordar os mercados internacionais de forma integrada. O presidente da direcção do Agrocluster do Ribatejo, Carlos Lopes de Sousa, disse que a rede permite a criação de uma plataforma onde se inscrevem empresas com capacidade de produção de tecnologias, de oferecer serviços, processos, software e conhecimento essenciais à valorização do sector. A plataforma foi criada na abertura do Congresso das Tecnologias e Serviços para o Agronegócio, que decorreu no Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas (CNEMA), em Santarém, com a participação de empresas e entidades nacionais e de países como Angola, Moçambique, Brasil, Uruguai, Argélia e Marrocos. O Agronegócios.Net é promovido pelo Agrocluster do Ribatejo e pelo Inovcluster no âmbito de um projecto de apoio à internacionalização das empresas portuguesas fornecedoras de serviços, produtos e tecnologias à agroindústria. As empresas organizam-se a partir de uma plataforma onde podem ganhar dimensão, criar complementaridades, onde têm possibilidade de abordar de forma integrada os mercados internacionais, disse Carlos Sousa. Para o presidente do Agrocluster do Ribatejo, a plataforma pretende estruturar um trabalho que tem vindo a ser feito pela agroindústria, de exportação e promoção da massa cinzenta nacional em mercados como Angola, Moçambique, Brasil, Magrebe e América do Sul, de forma a tornar as empresas mais competitivas e mais eficazes nesses mercados. A rede hoje criada integra na maioria empresas (80%), mas também universidades, politécnicos e centros de investigação, numa parceria também aberta aos municípios, adiantou. A nossa oferta tem de ser integrada, maximizar o que é a cooperação entre três grandes sectores: empresas, produtores de conhecimento e organizações, frisou, adiantando que a plataforma constituída é o ponto de partida para uma rede que se pretende alargada e que tem na mira essencialmente o mercado de língua portuguesa. Na abertura do Congresso das Tecnologias e Serviços para o Agronegócio, o secretário de Estado da Alimentação e da Investigação Agroalimentar, Nuno Vieira e Brito, realçou que o sector agroalimentar representa 6,1% do PIB e que, em 2013, o agronegócio exportou 5,5 mil milhões de euros, mantendo um ritmo de crescimento superior a 5% nos primeiros sete meses deste ano. Este é um sector que mantém o crescimento, fruto das empresas que olharam para as oportunidades do sector primário e do mercado global com novas perspectivas de produtos e de mercados, disse Vieira e Brito, referindo os mais de 140 produtos e grupos de produtos exportados para todo o mundo. Ainda me deparo com pessoas que querem avançar com um projecto empresarial agrícola, que se questionam: para quê certificar e controlar os meus produtos? A certificação é um investimento. Um dos principais investimentos que fazemos ao longo da vida de um projecto empresarial. É verdade que é algo que não é corpóreo, não se vê a olho nu, mas quando os seus produtos agrícolas são exportados para os mercados externos, aí terá a confirmação da boa aposta que fez. Tão ao mais importante que adquirir um novo equipamento, melhorar as instalações, contratar mais pessoal, é investir num processo de certificação e controlo dos seus produtos agrícolas. Um processo exigente, que abrange toda a estrutura da organização, desde os recursos humanos até às instalações. Na NATURALFA, para além do rigor, da transparência, do acompanhamento total do processo, procuramos ser pedagógicos. Certificar é hoje adoptar as mais eficazes e evoluídas regras da gestão moderna. Sem este processo, o seu negócio não terá as bases adequadas para avançar. Certificar é planear com segurança, é apostar numa eficaz coordenação interna da empresa, é promover uma boa comunicação entre os colaboradores da empresa e esta e os seus fornecedores. Como responsável máxima da NA- TURALFA tenho seguido a par e passo o extraordinário aumento da eficiência empresarial dos nossos clientes. O processo de certificação permitiu-lhes estabelecer metas bem definidas, métodos de negócio confiáveis e estruturados, e economias de O Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) lançou no final de Setembro a pós-graduação em Agribusiness, um curso focado no desenvolvimento de competências na área da gestão e organização no sector agroalimentar. Dando resposta à escassez de oferta de programas focados nesta área, apesar da relevância deste sector na economia portuguesa, a pós-graduação em Agribusiness surge de uma parceria do ISEG com o Instituto Superior de Agronomia (ISA) e a Consulai, empresa de referência em consultoria no sector agroalimentar. Esta pós-graduação é destinada a empresários e responsáveis ligados à produção, transformação e comercialização de produtos alimentares, bem como para técnicos do sector público e de associações interprofissionais que tenham por âmbito o sector agroalimentar. No final da formação, ao melhor aluno Certificar é gerir com eficácia escala, que permitiram a redução de custos e desperdícios. Não basta, porém, certificar os seus produtos agrícolas. É decisivo que essa certificação seja feita por uma entidade credível e com reconhecimento público, atestado por clientes e mercado em geral. Liliana Perestrelo Gerente Manager No final deste mês de Setembro ISEG lança pós-graduação em Agribusiness será atribuído um prémio financiado pelo Crédito Agrícola. Apresentando no plano curricular disciplinas como Política, Regulamentação e Incentivos ao Sector, Análise económico- -financeira de projetos agroalimentares, Distribuição Alimentar e Logística, ou Sistemas de Agricultura de Precisão, entre outros, a pós-graduação em Agribusiness pretende incrementar as habilitações dos profissionais do sector para desenvolverem o seu negócio em Portugal e identificarem novas oportunidades dos produtos agroalimentares a nível mundial. Coordenado por José Manuel Veríssimo (ISEG), Carlos Noéme (ISA) e Pedro Miguel Santos (Consulai), o corpo docente do curso é constituído por especialistas de reconhecido prestígio técnico e profissional nas áreas da especialidade, como João Cantiga Esteves e José António Rosseau entre outros. OPINIÃO 34 35

19 Cerca de três centenas de pessoas participaram na iniciativa Freguesia de Meruge promoveu Ciclo do Pão 2014 Cerca de três centenas de pessoas participaram no Ciclo do Pão 2014, evento promovido pela Junta de Freguesia de Meruge, no concelho de Oliveira do Hospital. A iniciativa iniciou-se com uma caminhada, na qual participaram cerca de 70 pessoas, que recriou a Rota dos Moleiros, explorando os caminhos percorridos pelas carroças puxadas pelos animais e os trilhos apeados pelos moleiros para a distribuição da farinha. À chegada à Lage Grande, no centro de Meruge, os caminhantes puderam visitar uma exposição de fotografias, onde puderam observar todo o ciclo vegetativo e tarefas inerentes ao cultivo do milho, desde a lavra da terra com o arado puxado pela junta dos bois, até ao semear e sachar do milho, a apanha da bandeira, o cortar do milho, com a transformação do milho nos moinhos tradicionais, culminando com a peneira da farinha, amassar do pão e a sua cozedura no forno comunitário da Freguesia de Meruge. O ponto alto da iniciativa chegou ao fim da tarde com a recriação da desfolhada ao vivo com as cascadeiras, à qual se seguiu a malha do milho com os típicos manguais. O Rancho Folclórico Sampaense fez a animação com as cantigas tradicionais da desfolhada e da malha, seguindo-se o varrer do milho com as vassouras de giestas improvisadas para a ocasião, de forma a retractar o mais fielmente possível o que se fazia noutros tempos. A iniciativa terminou com o típico lanche das folhadas e malhas do milho, no qual se destaca as sardinhas em molho de escabeche, tudo no megalítico cenário da Lage Grande. Durante o dia no forno comunitário visitantes puderam observar a cozedura do pão e das típicas bolas de bacalhau, carne e chouriço, e levar para casa estas iguarias únicas nos sabores e saberes tradicionais. Um povo sem memória é um povo condenado ao desaparecimento. Pretendemos, por isso, com esta iniciativa preservar formas ancestrais de labor agrícola, transmitindo às jovens gerações um património de cultura inestimável, essencial para a sua identidade e apego aos valores do mundo rural, afirmou a organização, no balanço positivo da iniciativa. O presidente da Câmara de Viseu apresentou o plano de acção para a revitalização do centro histórico, que teve em linha de conta 152 propostas dos viseenses e que será implantado na próxima década. Este plano é a consequência prática da estratégia que submetemos a debate público e que foi enriquecida com os contributos e opiniões dos cidadãos. Pusemos no terreno um debate público sem paralelo em Viseu e não nos atrapalhámos com ele, afirmou Almeida Henriques. Ao todo, contámos 152 propostas, apresentadas electronicamente ou presencialmente, de 342 cidadãos ou organizações participantes e 11 sessões participativas, referiu. Entre as propostas, a Câmara de Viseu identificou 30 preocupações-chave, destacando a criação de novas áreas de estacionamento, limitação total ou parcial do trânsito automóvel e estacionamento no Adro da Sé, disciplina horária de funcionamento de estabelecimentos à noite, incentivo à insonorização e protecção acústica do edificado. Aponta ainda o incentivo à atracção de lojas âncora, adopção de uma agenda de eventos de animação para todo o ano, promoção de feiras no Mercado 2 de Maio, desenvolvimento de um centro comercial ao ar livre e criação de residências para estudantes, entre outras. De acordo com o autarca, o debate em curso durante dois meses foi uma experiência ganhadora, elegendo a participação e vontade da população como única mola da mudança. O centro histórico, o que ele é hoje e o que pode ser no futuro depende mais de nós, dos viseenses, comerciantes, empresas, do que de qualquer estudo feito num gabinete ou numa universidade, acrescentou. Será implantado na próxima década Câmara de Viseu apresenta plano para revitalizar o centro histórico ÚLTIMAS Ano X - N.º 233 Director José Luís Araújo (CP n.º 7515), Editor Classe Média C. S. Unipessoal, Lda. Redacção Luís Pacheco Departamento Comercial Filipe Figueiredo, João Silva, Fernando Ferreira, José Martins e Helena Morais Opinião Miguel Galante Apoio Administrativo Jorge Araújo Redacção Praça D. João I Lt 363 Fracção AT - Lj Viseu Telefones / Web: ICS - Inscrição nº Propriedade Classe Média - Comunicação e Serviços, Unipessoal, Limitada Administração José Luís Araújo Sede Lourosa de Cima Viseu Delegação Edifício Vouga Park, Sala 42 - Sever de Vouga Capital Social 5000 Euros CRC Viseu Registo nº 5471 NIF Dep. Legal N.º /04 Execução Gráfica Sá Pinto Encadernadores Telf Zona Industrial de Coimbrões, Lote Viseu Tiragem média Versão Digital: exemplares Versão Impressa: 2500 exemplares Nota: Os textos de opinião publicados são da responsabilidade dos seus autores Município de Sátão promove a caminhada Rota do Míscaro O Município de Sátão promove a caminhada Rota do Míscaro, no dia 05 de Outubro, domingo, a partir das 8,30 horas, com partida do Santuário de Nosso Senhor dos Caminhos, em Rãs, freguesia da União de Freguesias de Romãs, Decermilo e Vila Longa. Desta caminhada fazem parte dois percursos: um com uma distância de 12 quilómetros de dificuldade média e outro com uma distância de 18 quilómetros de dificuldade média/alta. Com esta caminhada o Município de Sátão pretende incentivar à prática do desporto, consciencializar as pessoas para a protecção do meio ambiente, bem como promover o património natural e religioso que o Sátão tem para oferecer a todos os que o visitam. Para quem necessitar de transporte, a saída realiza-se às 8 horas do Largo de S. Bernardo, em Sátão. Espaço Visual debate fileira dos frutos secos No próximo dia 4 de Outubro, das 14 às 18,30 horas, a consultora agrícola Espaço Visual organiza, nas suas instalações, na Avenida Associação Comercial e Industrial de Gondomar, 290 (zona industrial), um seminário sobre os Frutos Secos - uma perspectiva da fileira. Esta iniciativa conta com as intervenções de Augusto Assunção, da Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte, de José Laranjo, presidente da Associação Portuguesa da Castanha - REFCAST, de Anabela Doreta, directora- -geral da AGROAGUIAR e de Dina Fernandes, directora-geral da Espaço Visual. O objectivo é debater os aspectos técnicos, económicos e financeiros ligados à fileira da Noz e da Castanha. As inscrições podem ser feitas no site

20 Fins-de-semana Gastronómicos regressam com prato típico Coelho à Moda de Palmela em destaque na primeira quinzena de Outubro Nos dias 3, 4, 5, 10, 11 e 12 de Outubro, a Câmara de Palmela e restaurantes do concelho apresentam uma novidade no calendário Palmela, Experiências com Sabor! O Coelho à Moda de Palmela, iguaria maior do receituário tradicional palmelense, surge, pela primeira vez, em formato Fins-de-semana Gastronómicos, para se dar a conhecer ao público, na sua versão mais clássica, ou reinventado pela criatividade dos nossos chefs, sempre com recurso a produtos locais. São catorze os restaurantes que participam nesta iniciativa, que dá continuidade aos objectivos de promoção do produto gastronomia e vinhos, de grande importância no contexto da oferta turística do concelho e da região. INFORMAÇÃO SOBRE OS RESTANTES TES PROGRAMAS BREVEMENTE DISPONIVEL INFORMAÇÃO SOBRE OS RESTANTES TES PROGRAMAS BREVEMENTE DISPONIVEL

XII Feira Gastronómica do Porco

XII Feira Gastronómica do Porco XII Feira Gastronómica do Porco Boticas -, e Janeiro Dossier de Imprensa DOSSIER DE IMPRENSA XII Feira Gastronómica do Porco O PORCO VOLTA A SER REI EM Nos próximos dias, e de Janeiro, Boticas promete

Leia mais

- INFORMAÇÃO. Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade

- INFORMAÇÃO. Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade APRESENTAÇÃO - INFORMAÇÃO Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade A ATAHCA organiza nos dias 10 e 11 de Outubro em Vila Verde um encontro abordando o tema Agricultura Familiar e Comercialização

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

Calçado português reforça aposta no mercado alemão

Calçado português reforça aposta no mercado alemão Calçado português reforça aposta no mercado alemão O mercado alemão é uma prioridade estratégica para a indústria portuguesa de calçado. Por esse motivo, a presença nacional na GDS, o grande evento do

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

"Relação Umbilical entre o Turismo e a Cultura: Oportunidades e Desafios"

Relação Umbilical entre o Turismo e a Cultura: Oportunidades e Desafios "Relação Umbilical entre o Turismo e a Cultura: Oportunidades e Desafios" Oferecer o que temos, somos e fazemos como produto turístico Vasco Estrela Presidente da Câmara Municipal de Mação Cultura e Turismo

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

A produção de castanha tem vindo, nos últimos anos, a aumentar a nível mundial, assim como a área ocupada com castanheiros e a sua produtividade.

A produção de castanha tem vindo, nos últimos anos, a aumentar a nível mundial, assim como a área ocupada com castanheiros e a sua produtividade. SUMÁRIO EXECUTIVO Enquadramento do Estudo O Estudo Económico de Desenvolvimento da Fileira da castanha tem como principal objectivo dinamizar a fileira e aumentar o seu valor económico. Este estudo enquadra-se

Leia mais

Palmela, Cidade Europeia do Vinho 2012

Palmela, Cidade Europeia do Vinho 2012 Palmela, Cidade Europeia do Vinho 2012 RELATÓRIO Câmara Municipal de Palmela 15 março 2013 Palmela, Cidade Europeia do Vinho Palmela foi, em 2012, a primeira cidade europeia do vinho, título atribuído

Leia mais

Conclusões Fórum Portugal Sou Eu

Conclusões Fórum Portugal Sou Eu Conclusões Fórum Portugal Sou Eu Ministro da Economia lança desafio aos empresários para que façam do Portugal Sou Eu um catalisador da economia Lanço um apelo aos empresários e produtores aqui presentes,

Leia mais

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE CENÁRIO DE ANTECIPAÇÃO BREVE CARATERIZAÇÃO DIAGNÓSTICO O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FORTES O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FRACOS O ANÁLISE EXTERNA - OPORTUNIDADES OU OPORTUNIDADES

Leia mais

No pavilhão 2, com 108 stands, estavam representadas as regiões de turismo, câmaras municipais, associações e juntas de turismo, para além de hotéis,

No pavilhão 2, com 108 stands, estavam representadas as regiões de turismo, câmaras municipais, associações e juntas de turismo, para além de hotéis, VIII Legislatura II Sessão Plenária Horta, 26 de Janeiro de 2005 Grupo Parlamentar do Partido Socialista Deputada Ana Isabel Moniz Assunto: Bolsa de Turismo de Lisboa Senhor Presidente da Assembleia, Senhoras

Leia mais

ENOTURISMO produto estratégico para Portugal

ENOTURISMO produto estratégico para Portugal ENOTURISMO produto estratégico para Portugal Ação de Sensibilização Da produção vitivinícola ao enoturismo Novembro, 2011 Turismo de Portugal Departamento de Dinamização O Potencial Competitivo de Portugal

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

PRESENÇA DO PROJECTO FEIRA INTERNACIONAL DA AGRICULTURA DE NOVI SAD

PRESENÇA DO PROJECTO FEIRA INTERNACIONAL DA AGRICULTURA DE NOVI SAD PRESENÇA DO PROJECTO NA FEIRA INTERNACIONAL DA AGRICULTURA DE NOVI SAD 1 A FEIRA * Data: 14 a 22 de Maio de 2011 * Local: Novi Sad Fair SRB 21000 Novi Sad, Hajduk Veljkova 11 * Horário de Funcionamento:

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução interdita CVRA COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 0 9 A TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, em 2009, desenvolverá as suas acções em três vertentes fundamentais: a Internacionalização através do

Leia mais

VISITA DE PRESCRITORES À REGIÃO DA BEIRA INTERIOR

VISITA DE PRESCRITORES À REGIÃO DA BEIRA INTERIOR VISITA DE PRESCRITORES À REGIÃO DA BEIRA INTERIOR VISITA DE PRESCRITORES À REGIÃO DA BEIRA INTERIOR À convite do NERGA Associação Empresarial da Região da Guarda e NERCAB Associação Empresarial de Castelo

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

Ações Integradas de Âmbito Municipal para a Promoção do Desenvolvimento Económico no Alto Minho

Ações Integradas de Âmbito Municipal para a Promoção do Desenvolvimento Económico no Alto Minho Ações Integradas de Âmbito Municipal para a Promoção do Desenvolvimento Económico no Alto Minho Sessão Desenvolvimento e Competitividade Económica: O Papel do Poder Local Viana do Castelo, 9 de abril de

Leia mais

PORTUGAL PORTO E NORTE WWW.PORTOENORTE.PT

PORTUGAL PORTO E NORTE WWW.PORTOENORTE.PT PORTUGAL PORTO E NORTE WWW.PORTOENORTE.PT PORTO E NORTE PORTUGAL O Norte é o berço da nacionalidade portuguesa, das tradições autênticas, da justiça e da liberdade, de um povo honrado e leal, amigo do

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS

EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS 1.º Encontro Jovem Produtor de Queijo Serra da Estrela Gouveia, 14 de Dezembro de 2011 Enquadramento A aicep Portugal Global Canais de

Leia mais

Artigo de opinião GADEC, Câmara Municipal de Montemor-o-Novo

Artigo de opinião GADEC, Câmara Municipal de Montemor-o-Novo Artigo de opinião GADEC, Câmara Municipal de Montemor-o-Novo Carta Estratégica de Montemor-o-Novo 2007>2017 Com uma União Europeia, de orientação neo-liberal, integrada por 25 países, com a entrada em

Leia mais

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes);

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes); SUMÁRIO EXECUTIVO Enquadramento do Estudo O Estudo Económico de Desenvolvimento da Fileira do medronho enquadra-se na estratégia de valorização da floresta do, procurando estudar a dinamização da fileira

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 1 3 O ano de 2013 ficará assinalado pela comemoração dos 30 anos da TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, ao serviço dos seus Associados e do Turismo.

Leia mais

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7 3.1.1. Diversificação de Actividades Não-Agrícolas na Exploração Descrição Apoio a iniciativas empresariais promotoras do saber fazer tradicional Apoio a actividades lúdicas de carácter inovador nas explorações

Leia mais

Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo

Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo Por Elisabete Rodrigues 17 de Maio de 2013 09:05 Comentar A plataforma de demonstração de energia solar que

Leia mais

MINHO IN. Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia. 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima

MINHO IN. Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia. 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima MINHO IN Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul 1. Identificação do Recurso Endógeno e do Território Alvo PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência : Conjugar a valorização do território, dos produtos

Leia mais

Ações de capacitação empresarial

Ações de capacitação empresarial AÇÕES COLETIVAS - ATIVIDADES DE APOIO À EXPORTAÇÃO Acores Export -2016 Introdução Este documento é desenvolvido com base na informação recolhida junto das principais empresas exportadoras que contribuíram

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 1 4 A TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, em 2014, desenvolverá o seu plano de actividades em três vertentes fundamentais: - Inovação e Desenvolvimento

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Plataformas Associativas, Património Rural e Conservação da Fauna Selvagem Casos práticos do Nordeste Transmontano

Plataformas Associativas, Património Rural e Conservação da Fauna Selvagem Casos práticos do Nordeste Transmontano Plataformas Associativas, Património Rural e Conservação da Fauna Selvagem Casos práticos do Nordeste Transmontano Ricardo M. L. Brandão ALDEIA Apartado 71 5210-909 Miranda do Douro E-mail: aldeiamail@gmail.com

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS Dirigido aos alunos do 12.º ano da área curricular não disciplinar de Área de Projecto - 1.ª

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

ANEXO TURISMO SUSTENTÁVEL BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL -

ANEXO TURISMO SUSTENTÁVEL BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL - ANEXO BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE TURISMO SUSTENTÁVEL VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL - ANEXO AO RELATÓRIO 3 ANEXO AO RELATÓRIO 3_ PROGRAMA DE EXECUÇÃO

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República Continuarei a percorrer o País, de Norte a Sul, a apelar à união de esforços, a levar uma palavra de esperança e a mostrar bons exemplos de resposta à crise. Discurso de Sua Excelência o Presidente da

Leia mais

Festas, Feiras e Romarias

Festas, Feiras e Romarias Festas, Feiras e Romarias Feira de Velharias Feira de Velharias de Olhos de Água Data: 1.º domingo de cada mês Local: Junto ao Mercado Municipal de Olhos de Água Contato: Junta de Freguesia de Albufeira

Leia mais

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade Regulamento 2015 1. Objectivo Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola 2015 é um concurso que resulta da conjugação de esforços e vontades do Crédito Agrícola, aqui representado pela Caixa Central

Leia mais

UM PROGRAMA PARA A MUDANÇA

UM PROGRAMA PARA A MUDANÇA UM PROGRAMA PARA A MUDANÇA pelo valor da nossa terra Preâmbulo O Concelho de Seia enfrenta hoje desafios absolutamente determinantes e estratégicos. Num tempo de aceleradas mudanças e de forte competitividade,

Leia mais

Algarve Nature Week - Internet

Algarve Nature Week - Internet Algarve Nature Week - Internet Revista de Imprensa 10-03-2015 1. (PT) - Opção Turismo Online, 09032015, RTA promove evento dedicado ao turismo de natureza 1 2. (PT) - Algarve Notícias Online, 08032015,

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO VINHO NA PROMOÇÃO DO TURISMO. Fórum Anual Vinhos de Portugal 26 de novembro 2014 João Cotrim de Figueiredo

A IMPORTÂNCIA DO VINHO NA PROMOÇÃO DO TURISMO. Fórum Anual Vinhos de Portugal 26 de novembro 2014 João Cotrim de Figueiredo A IMPORTÂNCIA DO VINHO NA PROMOÇÃO DO TURISMO Fórum Anual Vinhos de Portugal 26 de novembro 2014 João Cotrim de Figueiredo O potencial competitivo de Portugal Vinhos únicos no mundo Porto e Madeira Vinhos

Leia mais

Ano VI N.º 22. Boletim Informativo da Junta de Freguesia da Ribeira Quente. Quinta-Feira 28 de Julho de 2011

Ano VI N.º 22. Boletim Informativo da Junta de Freguesia da Ribeira Quente. Quinta-Feira 28 de Julho de 2011 Ano VI N.º 22 Boletim Informativo da Junta de Freguesia da Ribeira Quente Quinta-Feira 28 de Julho de 2011 Bandeira Azul Hasteada na Ribeira Quente A Praia do Fogo da Ribeira Quente recebeu no dia 28 de

Leia mais

MINHO INovação 2014/2020

MINHO INovação 2014/2020 MINHO INovação 2014/2020 O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia de eficiência coletiva, isto é uma ação conjunta assente numa parceria que partilha um objetivo em concreto:

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

Do Associativismo Juvenil

Do Associativismo Juvenil Roteiro Do Associativismo Juvenil Secretário de Estado do Desporto e Juventude Dr. Emídio Guerreiro Viseu - Dia 17 de julho Programa 10h00 - Pequeno-almoço com jornalistas, nos Serviços Desconcentrados

Leia mais

Plano de Actividades Ano de 1999

Plano de Actividades Ano de 1999 Plano de Actividades Ano de 1999 O ano de 1999 ficará assinalado pela reorganização da Central de Reservas com o lançamento da CENTER - Central Nacional de Turismo no Espaço Rural. CENTER - Central Nacional

Leia mais

A Floresta é um recurso estratégico? RefCast. Reforço da cultura do castanheiro. José Gomes Laranjo. jlaranjo@utad.pt

A Floresta é um recurso estratégico? RefCast. Reforço da cultura do castanheiro. José Gomes Laranjo. jlaranjo@utad.pt A Floresta é um recurso estratégico? RefCast Reforço da cultura do castanheiro José Gomes Laranjo jlaranjo@utad.pt Espinhal, 4 Setembro 2010 O que é o RefCast? Proposta de investimento na fileira do castanheiro:

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

VISITE A CAPITAL DA DOÇARIA CONVENTUAL DE 17 A 20 DE NOVEMBRO

VISITE A CAPITAL DA DOÇARIA CONVENTUAL DE 17 A 20 DE NOVEMBRO DOSSIER DE IMPRENSA VISITE A CAPITAL DA DOÇARIA CONVENTUAL DE 17 A 20 DE NOVEMBRO Os segredos não se contam, mas lançamos o desafio de viajar pelo tempo para descobrir a origem da doçaria conventual, a

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Contributo para um Processo Territorial de Proximidade

Contributo para um Processo Territorial de Proximidade Contributo para um Processo Territorial de Proximidade O que é? O PROVE - Promover e Vender é uma metodologia desenvolvida no âmbito da iniciativa comunitária EQUAL que visa a promoção de novas formas

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

GASTRONOMIA, PATRIMÓNIO CULTURAL

GASTRONOMIA, PATRIMÓNIO CULTURAL GASTRONOMIA, PATRIMÓNIO CULTURAL um ativo da restauração e do turismo nacional [Ciclo de Workshops do Projeto Restaurante do Futuro ] 8 de Março de 2012, Tomar Instituto Politécnico de Tomar CONCLUSÕES

Leia mais

HELLO CABO VERDE EXPO 2011

HELLO CABO VERDE EXPO 2011 New Bedford, 31 de Janeiro de 2011 HELLO CABO VERDE EXPO 2011 Exposição sobre as Oportunidades de Negócios e Turismo em Cabo Verde New Bedford, MA 27 a 29 de Maio de 2011 OBJECTIVO O objectivo da exposição

Leia mais

Rota dos Vinhos Verdes - Enoturismo MINHO IN

Rota dos Vinhos Verdes - Enoturismo MINHO IN WORKSHOP DE LANÇAMENTO DO PROJECTO MINHO IN 20 DE JULHO DE 2011 Sofia Lobo : slobo@vinhoverde.pt O CONCEITO ROTA DOS VINHOS VERDES O produto enoturístico Rota dos Vinhos Verdes consiste na integração de

Leia mais

Estudo - Estratégias de Diferenciação das Principais Fileiras de Produtos Agrícolas, Agro- Alimentares de Alimentação do Vale do Ave

Estudo - Estratégias de Diferenciação das Principais Fileiras de Produtos Agrícolas, Agro- Alimentares de Alimentação do Vale do Ave Estudo - Estratégias de Diferenciação das Principais Fileiras de Produtos Agrícolas, Agro- Alimentares de Alimentação do Vale do Ave NOTAS INTRODUTÓRIAS - Objetivo do estudo: Definir estratégias de atuação

Leia mais

Regulamento do Concurso Biscoito da Rede

Regulamento do Concurso Biscoito da Rede Regulamento do Concurso Biscoito da Rede A Rede de Castelos e Muralhas do Mondego, criada em fevereiro de 2011, pretende valorizar o património histórico, material e imaterial, subjacente ao território

Leia mais

CONCLUSÕES. A - identidade e desenvolvimento territorial

CONCLUSÕES. A - identidade e desenvolvimento territorial CONCLUSÕES Numa iniciativa inédita, Comunidades Intermunicipais (Alto Tâmega, Douro e Terras de Trásos-Montes), Associações Empresariais (ACISAT, NERVIR e NERBA) e instituições de ensino superior (UTAD

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008 1. INTRODUÇÃO Em apenas 5 anos os OPEN DAYS Semana Europeia das Regiões e Cidades tornaram-se um evento de grande importância para a demonstração da capacidade das regiões e das cidades na promoção do

Leia mais

Cerimónia Oficial da XIII - Edição do Festival Músicas do Mundo 22 de Julho 2011. Caros Sineenses Visitantes e participantes do F.M.

Cerimónia Oficial da XIII - Edição do Festival Músicas do Mundo 22 de Julho 2011. Caros Sineenses Visitantes e participantes do F.M. Câmara Municipal Presidência Cerimónia Oficial da XIII - Edição do Festival Músicas do Mundo 22 de Julho 2011. Caros Sineenses Visitantes e participantes do F.M.M de Sines Bem vindos à nossa grande festa

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL LUSO-ALEMÃ

MISSÃO EMPRESARIAL LUSO-ALEMÃ Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2004 ECONOMIA MISSÃO EMPRESARIAL LUSO-ALEMÃ A Federação de Empresários Portuguesas na Alemanha organiza de 3 a 9 de Fevereiro uma viagem de trabalho à Madeira, que conta com

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

Iniciativa integrada na feira: AGRO I&DT

Iniciativa integrada na feira: AGRO I&DT Iniciativa integrada na feira: AGRO I&DT ORGANIZAÇÃO O espaço AGRO I&DT, integrado na 1ª edição da feira Portugal Agro 2014, consistiu numa iniciativa conjunta da Rede INOVAR e da Direcção Regional de

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

Data: 2 Fevereiro 2012

Data: 2 Fevereiro 2012 Data: 2 Fevereiro 2012 Assunto: Agrocluster Página: 18 e 19 Assunto: Agrocluster recebe selo Bronze Página: 23 Data: 2 Fevereiro 2012 Data: 1 Março 2012 Assunto: Agrocluster e Inovcluster articulam projetos

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

Desafio Fotografia Alto Minho 2020

Desafio Fotografia Alto Minho 2020 Desafio Fotografia Alto Minho 2020 Preâmbulo O DESAFIO FOTOGRAFIA ALTO MINHO 2020 é a designação do concurso organizado pela Comunidade Intermunicipal do Minho-Lima, no âmbito da elaboração do Plano de

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

Museu Regional P a r e d e s d e C o u r a

Museu Regional P a r e d e s d e C o u r a Pa r e d e s d e C o u r a O Museu Inaugurado em Outubro de 1997, o de Paredes de Coura é uma infra-estrutura de iniciativa autárquica, através da qual se pretende promover, conservar e divulgar os bens

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

Encontro Regional do Centro 2013 RELATÓRIO. Encontro Regional do Centro dos Conselhos Consultivos Locais

Encontro Regional do Centro 2013 RELATÓRIO. Encontro Regional do Centro dos Conselhos Consultivos Locais RELATÓRIO Encontro Regional do Centro dos Conselhos Consultivos Locais FICHA TÉCNICA TÍTULO RELATÓRIO DO ENCONTRO REGIONAL DO CENTRO DOS CONSELHOS CONSULTIVOS LOCAIS AUTOR NÚCLEO REGIONAL DO CENTRO DA

Leia mais

PLANO DE FEIRAS E MISSÕES EMPRESARIAIS 2015

PLANO DE FEIRAS E MISSÕES EMPRESARIAIS 2015 2015 1. INTRODUÇÃO O acesso a novos mercados e o aumento da base económica de exportação são determinantes para o reforço da competitividade do tecido empresarial dos Açores. Atividades de apoio às empresas

Leia mais

Apresentação do Projecto RETOMAR A CENTRALIDADE

Apresentação do Projecto RETOMAR A CENTRALIDADE ACICB Castelo Branco 23 Novembro 2011 Apresentação do Projecto Apoio à execução do projecto Enquadramento Projecto financiado pelo QREN, no âmbito do Mais Centro - Programa Operacional Regional do Centro

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA

MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA 03 A 06 DE NOVEMBRO DE 2008 RELATÓRIO FINAL MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA 03 A 06 DE NOVEMBRO DE 2008 1. Introdução À semelhança de iniciativas anteriores, a Nersant organizou

Leia mais

António Teixeira. AMart. António José Teixeira Presidente da Rota do Vinho do Porto. AMont.

António Teixeira. AMart. António José Teixeira Presidente da Rota do Vinho do Porto. AMont. António Teixeira António José Teixeira Presidente da Rota do Vinho do Porto António José Teixeira destacou o papel da Rota do Vinho do Porto, que comemora em 2011 o seu 15º aniversário, na promoção dos

Leia mais

Agricultura e Desenvolvimento Rural em Trás-os-Montes 1

Agricultura e Desenvolvimento Rural em Trás-os-Montes 1 Agricultura e Desenvolvimento Rural em Trás-os-Montes 1 Américo M. S. Carvalho Mendes Evolução do sector agrícola em Trás-os-Montes e Alto Douro desde 1960 até hoje: que passado para que futuro? Em Trás-os-Montes

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES A valorização comercial dos produtos agrícolas e dos géneros alimentícios que, ou pela sua origem ou pelos seus modos particulares

Leia mais

para o desenvolvimento do turismo em portugal

para o desenvolvimento do turismo em portugal para o desenvolvimento do turismo em portugal Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P Coimbra, 9 abril 2015 1 Do plano de ação turismo 2020 ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS TURISMO 2020: PROCESSO ABERTO E PARTICIPADO

Leia mais

15 DE MARÇO _ 5ª FEIRA

15 DE MARÇO _ 5ª FEIRA FESTAS DE S. JOSÉ - COMEMORAÇÕES DO FERIADO MUNICIPAL 2012 DE 15 A 19 DE MARÇO PROGRAMA 15 DE MARÇO _ 5ª FEIRA 10H00 ÀS 16H00 - CELEBRAÇÃO DOS 865 ANOS DA RECONQUISTA CRISTÃ DE SANTARÉM POR D. AFONSO HENRIQUES

Leia mais

Programa de Promoção Turística e Cultural

Programa de Promoção Turística e Cultural Programa de Promoção Turística e Cultural Sintra encontra-se em 11º lugar no ranking dos 50 melhores lugares a visitar, nas escolhas dos leitores do jornal New York Times? Sintra é uma das 21 finalistas

Leia mais

Baixa densidade. Alta competitividade.

Baixa densidade. Alta competitividade. Baixa densidade. Alta competitividade. O projeto Minho Empreende O que é? Quem é a Rede? O Minho Empreende representa um Projeto Âncora da EEC/Estratégia de Eficiência Coletiva MINHO IN, reconhecido como

Leia mais