NO PRINCÍPIO, ERA A TATUAGEM IN THE BEGINNING WAS THE TATOO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NO PRINCÍPIO, ERA A TATUAGEM IN THE BEGINNING WAS THE TATOO"

Transcrição

1 109 NO PRINCÍPIO, ERA A TATUAGEM IN THE BEGINNING WAS THE TATOO 1 RESUMO: Neste trabalho, a autora nos apresenta a tatuagem, arte secular, como uma manifestação a um tempo intimista e pública. Aponta que a tatuagem se coloca a serviço da impressão e da escrita da cultura. Discorre sobre a origem dessa prática, sua presença em diversas culturas, com destaque para o Brasil, e as funções exercidas desde o seu surgimento. Passa, então, a refletir acerca do suporte sobre a qual a tatuagem é gravada: a pele, considerada superfície e fundo, na medida em que o sujeito pode se apresentar por meio dela. Trabalha ainda um conto japonês intitulado Tatuagem (Shissei), de Junitshiro Tanizaki e a peça de teatro, A rosa tatuada (The rose tattoo), de Tennessee Williams. PALAVRAS-CHAVE: arte; tatuagem; escrita; pele; corpo ABSTRACT: In this work, the author presents us with the tattoo, secular art as an expression at once intimate and public. Tattoo has the function of printing and writing culture. Here discusses the origin of this practice, its presence in various cultures, especially in Brazil, and the duties performed since its inception. Then reflects about the support on which the tattoo is written: the skin, considered surface and bottom, according as the subject can be presented by her. She works a Japanese tale titled "Tattoo" (Shissou) of Junitshiro Tanizaki and the play, "The rose tattoo" of Tennessee Williams. KEY WORDS: art, tattoo, writing, skin, body Se quiser um nome pode me chamar de Arbusto, Carne Tatuada, Vento. João Gilberto Noll Enaltecida, perseguida, proibida, estampada, escondida, estandarte de bravura, insígnia da marginalidade, sentença de morte, hino da vida, marca de poder, marca dos que estão fora do poder, amuleto de proteção, rito de passagem, roupa de luto, sinal de status, estigma, projeto de vida, moda, sedução, aversão, fetiche, inserção na tribo, diferenciação 1 é Doutoranda em Letras do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da UFRJ. Publicou, entre outros livros, Mural dos nomes impróprios: ensaio sobre grafito de banheiro (Rio de Janeiro: 7 Letras, 2005) e Inverno de baunilha (Rio de Janeiro: 7 letras, 2004).

2 110 na tribo, atestado de nascimento, documento de identidade, autobiografia, risco do sujeito, traço da cultura, desenho, escrita. Na ponta da língua, na ponta da agulha, a tatuagem: A tatuagem! Será então verdade a frase de Gautier: o mais bruto homem sente que o ornamento traça uma linha indelével de separação entre ele e o animal e quando não pode enfeitar as próprias roupas recama a pele? A palavra tatuagem é relativamente recente. Toda a gente sabe que foi o navegador Loocks (sic) que a introduziu no ocidente, esse escrevia tatou, termo da Polinésia de tatou ou to tahou, desenho. Muitos dizem mesmo que palavra surgiu do ruído perceptível da agulha na pele: tac, tac. Mas como ela é antiga! O primeiro homem, de certo, ao perder o pêlo, descobriu a tatuagem. (RIO, 1951, p. 43-4) Encontramos neste fragmento da crônica Os tatuadores, de João do Rio, uma tentativa de delinear os contornos da tatuagem e conhecer quem sabe as razões que levam o sujeito a tatuar-se: demarcação de fronteira entre o homem e o animal, substituição do pêlo pela segunda pele, que se faz marcar por meio de uma linha indelével? Processo de introduzir sob a epiderme corantes a fim de apresentar na pele desenhos e pinturas (FERREIRA, s.d.) 2, a tatuagem constitui-se como marca indelével gravada sobre o corpo, território que, por sua vez, possui seus vincos, cicatrizes, dobras, orifícios e que se dá a ver, colocando-se a serviço da impressão e da escrita da cultura. Apresentando-se, simultaneamente, como uma inscrição intimista e uma manifestação pública (JEUDY, 2002, p. 89), o ato de tatuar, do taitiano tatu, sinal, pintura, do inglês to tatoo e do francês tatouer (FERREIRA, s.d.) 3, é tão secular quanto os primórdios da humanidade e sua origem se perde na noite dos tempos. (REISFELD, 2005, p. 21. Trad. nossa) Embora saibamos da controvérsia que se cria quando se busca delimitar a origem das coisas, parece ser consenso que a palavra tatuagem denominada tatan, ato de desenhar, esboçar, delinear, traçar origina-se da antiga língua do Tahiti e sua prática 2 No verbete tatuagem, temos: Tatuagem [De tatuar+agem.] S. f. 1. Processo de introduzir sob a epiderme substâncias corantes a fim de apresentar na pele desenhos e pinturas. 2. O desenho ou pintura feitos por esse processo. 3. Marca, sinal. estigma. p No verbete tatuar, encontramos: Tatuar: [Do taitiano tatu, sinal, pintura, atr. do ing. to tatoo e do fr. Tatouer] V. t. d. 1. Fazer tatuagem em; imprimir ou gravar desenho sobre o corpo de. 2. Por ext. Marcar, assinalar. 3. Fazer tatuagem em si mesmo ou deixar que o façam. p

3 111 surgiu atrelada às crenças, aos modos de organização social, aos costumes dos povos e foi registrada pela primeira vez por ocasião da expedição do navegador inglês James Cook ao Taiti, em 1769 (NOVA Enciclopédia Barsa, 1998, p. 488), que, em seu diário, relata: homens e mulheres pintam seus corpos. Na língua deles chamam tatau. Injetam cor preta embaixo da pele de tal modo que o traço é indelével. (COOK apud RAMOS, 2005, p. 37) Tatou, tahou, tatan, tatau ou como ironicamente certa vez disse João do Rio, tac tac uma infinidade de onomatopéias que diz da tatuagem, uma diversidade de práticas que fala dos modos de vida, dos ritos, dos mitos, das culturas, das passagens necessárias... não sem corpo a marcar: A tatuagem, vem do radical Tatau, e conserva na duplicação do radical ta a encenação do ritual, isto é, bater, golpear repetidamente. Essas pequenas picadas / pancadas na pele, com o fim de introduzir os corantes, dão forma ao desenho, ordenam o traço, tramam significados nos corpos e nos grupos. Procedimento técnico cirúrgico, macula a pele, causando sangramento, dor, irritação. Nessa medida, a tatuagem é uma prática análoga aos ritos sacrificiais de oferendas volitivas ablações, oblações, propriciação ou expiação que mutilam o corpo. Esses ritos são encontrados em muitas culturas, como as mãos-moldes préhistóricas desenhos de mãos espreiadas nas paredes das cavernas, tendo como molde a própria mão. Esses desenhos assim espreiados nos revelam mãos mutiladas, faltando uma ou mais falanges. Também a circuncisão praticada pelos israelitas e maometanos como forma de ablação religiosa de uma parte do corpo, os furos nas orelhas praticados ainda em nossa cultura (...). Os rituais culturais de interferência mutiladora do corpo humano estão presentes em todas as culturas. Seu significado e forma variam de cultura para cultura, mas seu entendimento permanece ignorado, questionado e desconhecido na pauta dos antropólogos, psicólogos, etnólogos, sociólogos e historiadores. (RAMOS, 2001, p. 99) Apresentando-se como entalhe das infindáveis modulações do desejo humano, singular ou coletivo, próprio ou alheio, a tatuagem encarna rituais de passagem como o das jovens Ponape, habitantes das ilhas Carolinas que tatuam o genital, buscando atrair os homens ou entre os Kayapó-Xicrim, moradores da região norte do Brasil, que cobrem o recém-nascido com a tintura do jenipapo quando cai o cordão umbilical, inserindo o bebê,

4 112 a partir deste momento, no cenário social da tribo. (GARCIA. In: CASTILHO e GALVÃO (orgs.), 2002, p. 26). Sabe-se que os homens das sociedades ditas primitivas tatuavam seus corpos com sinais diversos. No Egito, as tatuagens possuíam um caráter mágico e medicinal como se verificou em inúmeras múmias encontradas. Uma delas foi a múmia da princesa Amunet, de Tebas, que viveu no Egito, por volta de 2000 a C., na XI Dinastia, período do Médio Império. Os estudiosos destacam um motivo elíptico tatuado na barriga, que devido a sua localização pode relacionar-se com ritos de fertilidade. (MARQUES, 1997, p. 17). Postas à altura do estômago, em linhas horizontais ou paralelas, as tatuagens serviam de proteção contra a gravidez e inúmeras doenças. A descoberta de múmias egípcias do sexo feminino com linhas e pontos tatuados no corpo e um círculo salientando o abdome ensejaram a hipótese de que no antigo Egito a tatuagem fosse um ritual exclusivamente feminino. Em 1948, uma escavação em Pazyryk, na Sibéria, documentou a descoberta de um corpo bem preservado e com motivos figurativos tatuados em forma de peixes, ovelhas e carneiros. Esses desenhos, segundo apontam alguns pesquisadores, parecem lembrar as telas do pintor medieval Bosch. (RAMOS, 2001, p. 26-7) Em 1991, um caçador descobriu na Similaun Glacier, nos Alpes italianos, que fazem fronteira com a Áustria, um cadáver, que data de 5300 a. C. O chamado Homem do Gelo possuía, conforme assinala Toni Marques, linhas paralelas na região lombar da coluna, inscrições nas costas, uma cruz abaixo do joelho esquerdo e faixas no tornozelo direito. (MARQUES, 1997, p. 16). Lascas de sílex presas a cabos de madeira foram, segundo o autor, encontradas perto das tumbas das múmias tatuadas. Na antecâmara da tumba de Tutacâmon estava um veículo que se acredita ter servido para a guerra. A carroceria emoldurava cenas desenhadas, contendo inimigos ajoelhados. Havia marcas nos traços de um núbio e nos braços, no peito, na barriga e nos punhos de um lídio. (MARQUES, 1997, p. 17) O uso das tatuagens entre citas, trácios, gregos, gauleses, germânicos e bretões é mencionada por autores clássicos Bretão quer dizer pintado de várias cores, era povo que cobria o rosto e o corpo com imagens figurativas e assim assustava os adversários. (MARQUES, 1997, p. 28) Heródoto, pai da história, relata que os citas reciclavam os cadáveres decepados, aproveitavam a pele e exibiam-na nos bridões dos cavalos, faziam

5 113 roupas de pele, sorviam vinho em crânios e, no rito funerário de seus soberanos, o corpo recebia um tratamento que culminava com aplicação de cera e estofamento do ventre: feito isso, conduzem o corpo num carro para a outra província, onde os habitantes cortam uma parte da orelha, raspam o cabelo em torno da cabeça, fazem incisões nos braços. (HERÓDOTO apud MARQUES, 1997, p. 21). Heródoto aponta ainda que os Trácios escarificavam os corpos: entre eles, estigma marca o berço nobre, sua ausência é sinal de classe baixa. (HERÓDOTO apud MARQUES, 1997, p. 21). Compunctum notis thereicitis, picado com marcas trácias, diz Cícero sobre o guarda-costas que acompanhava o déspota Alexandre de Pherae na Tessália. Cortar, confeccionar, escarificar, tatuar sobre a superfície de inscrição mais genuína a pele que pode ser viva ou arrancada de um corpo e, apergaminhada, ela se torna uma superfície que se estende fora do tempo. É a escrita do corpo que lhe confere uma tal figura de eternidade. Nada pode interromper esse jogo interminável da escrita sobre a pele. (JEUDY, 2002, p. 92) A pele Pensar a tatuagem implica refletir acerca do suporte sobre a qual é gravada: a pele. Uma embalagem de excelente qualidade (BAILLETTE, 2003, p. 61. Trad. nossa), assim Baillette a define. Um iconoclasta, por sua vez, afirma que a pele nada mais é do que um saco de merda (TOPOR apud BAILLETTE, 2003, p. 61. Trad. nossa). Valéry assinala que o mais profundo é a pele. (VALÉRY apud ALTAMIRANO, 2005, p. 15). Curioso paradoxo que diz da superfície de inscrição que o sujeito porta e parece sugerir que não há um por trás da pele, uma profundidade ou algo a esconder, mas, sim, que a superfície é o fundo, fundo falso... como sabemos. Deleuze concebe a filosofia como uma dermatologia geral ou arte das superfícies e assinala que a arqueologia é a construção de uma superfície de inscrição. (DELEUZE apud ALTAMIRANO, 2005, p. 16). O ensaísta e poeta cubano Severo Sarduy acredita que sua autobiografia pode ser reconstituída a partir das inscrições em seu corpo, em forma de cicatrizes e suturas produzidas por acidentes e doenças. (ALTAMIRANO, 2005, p. 16).

6 114 Na tentativa de explicar como as imagens corporais se constituem com a estruturação do eu, Didier Anzieu discorre acerca do que denomina eu-pele : O eu-pele encontra seu apoio em três funções da pele. A pele, primeira função, é a bolsa que guarda no interior o bom e o pleno que a amamentação, os cuidados, o banho de palavras acumularam. A pele, segunda função, é a superfície que marca o limite com o de fora e o contém no exterior; e a barreira que protege da avidez e das agressões que provêm dos outros, seres ou objetos. A pele, enfim, terceira função, ao mesmo tempo, que a boca, e pelo menos tanto quanto ela, é um lugar e um meio primário de troca com os demais. (ANZIEU apud JEUDY, 2002, p. 83). Interessa-nos do pensamento de Anzieu a idéia da pele como uma superfície de troca. Daí, a vulnerabilidade da pele... a premência em senti-la, tocá-la, protegê-la, salvá-la, que as expressões cotidianas reiteram: Sentir na pele, Estar na pele, Tocar a pele, Tirar a pele, Cortar na pele, Cair na pele, Salvar a pele, Defender a pele. (FERREIRA, (s.d.) p. 1059) Em Petite fantasmagorie du corps, Jacques Bril (1994) discorre sobre a função fantasmática da pele, as diversas representações que ela induz ao imaginário, os sentidos clandestinos que veiculam as atitudes, os sintagmas ou as alusões que a tomam por objeto. A pele é, segundo o autor, a vida do sujeito que envelopa, atesta e confina. É, por isso, que riscamos a pele, a defendemos, claramente, a salvamos e não a deixamos. E aí se destaca o valor defensivo que se encontra ligado ao valor econômico e garante a integridade da pele: Nós retornaremos mais longe sobre a origem lexical da pele, francesa ou latina, ou mesmo grega. Mas começaremos por nos voltarmos para o conservadorismo germânico que nos trouxe um hide inglês; um huid holandês, um Haut alemão. Em cada uma destas palavras, a etimologia reconhece o tronco do latim cutis, (...) que se apresenta como herdeira da raiz indo-européia ku-t, forma secundária resultante da queda do s inicial em sku-t. O leitor teria reconhecido o latim scutum, escudo, que da mesma forma que seu parente germânico Schild, ilustra muito concretamente o valor defensivo afeito à pele, que testemunha outros arqueólogos e historiadores. Assim os guerreiros egípcios faziam uso dos escudos de pele; o

7 115 scutum romano, o escudo dos alemães e dos francos eram igualmente feitos de peles. (BRIL, 1994, p Trad. nossa) Enquanto superfície, a pele parece ser, para Jeudy (2002), um meio possível de representação sem ser por essa razão representável. Invólucro do corpo (JEUDY, 2002, p. 83), a pele aparece como uma superfície com textura singular, com sinais, arranhões, cores diversas e como um conjunto de fragmentos que se casam bem com as diferentes formas do corpo. Segundo Jeudy, é mais fácil representar as formas de um corpo do que a própria pele (JEUDY, 2002, p. 83), o que torna difícil traduzir as palpitações da carne por meio dos coloridos e da pele (JEUDY, 2002, p. 83-4): Dar a tinta da pele a riqueza de suas nuances parece sempre impossível, pois esta nos separa da representação do corpo no momento em que experimentamos sua textura, de modo visual ou tátil. Toda representação corporal é por um instante suspensa pelo ato de ver ou de tocar as pequenas saliências dérmicas, como se o invólucro se separasse das formas, que ele exalta para tornar-se uma superfície com relevo próprio. Essa é a razão pela qual se apresenta de início qual um texto que dispensa a metáfora e a visualização do corpo. Ela não esconde nada. Não se oferece ao olhar como um invólucro que contém alguma coisa e lhe confere uma forma. (...) Em vez de considerá-la como uma superfície intermediária entre o de fora e o de dentro, parece que, no dia-a-dia, ela é mais uma superfície de auto-inscrição, como um texto, mas um texto particular, pois será o único a produzir odores, sons e a incitar a tocar. (JEUDY, 2002, p. 84) O que é, afinal, a pele? Recorremos ao dicionário: [Do latim. Pelle]. Membrana mais ou menos espessa que reverte exteriormente o corpo humano, bem como o dos animais vertebrados e o de muitos outros. A camada mais externa da pele; epiderme. Cútis, tez. (FERREIRA, s.d., p. 1059) No entanto, a pele desliza pelas definições do verbete e imprime a sua trapaça: A pele é enganadora. Arrebentar o saco de pele não assegura forçosamente uma boa saída: não se alcança nada mais. Da mesma forma, ela apresenta bem qualquer coisa do ser; ela é efetivamente o que se rasga, se separa, se corta para engendrar; numa palavra, a (g) natura, ou veste rasgada. E é tanto mais perturbador que o homem ande com esta pele que tanto lhe pertence, a qual, enfim, ele se reduz. Eis

8 116 que ele se desfaz por pouco que lhe demandam. E mesmo se ninguém o demanda, ele se demanda, ele começa a libertar-se. Porque ele quer trocar de pele. (LEMOINE- LUCCIONI, 1983, p. 95. Trad. nossa.) Trocar de pele, além de configurar-se como uma demanda do sujeito, ou, quem sabe, apenas tocá-la, parece ser a tônica da exposição de fotografias, vídeos, instalações e que se intitula Ultra Peau (Ultra Pele), inaugurada em 25 de abril de 2006, responsável por dobrar a freqüência do público no Palais de Tokyo, em Paris, sucesso atribuído à escolha do tema, segundo os organizadores, um tema universal. O site da exposição apresenta uma pele adornada por tatuagens sob a forma de arabescos e volutas e disponibiliza links por meio dos quais é possível tocar, aproximar, sentir e ler a pele. (LE BRETON, 2003 (b). Trad. nossa) Patrocinada pela marca de cosméticos Nivea, que condensa todos os paradoxos do mecenato contemporâneo (BAILLY, 2006, p. 3) e pretende fundir arte e mercado, a pele ocupa lugar de destaque na mostra: a pele que se torna bela, a pele que nos faz sentir bem, a pele que se hidrata, a pele que se enfeita, a pele que se faz nova. Sabemos, entretanto, que trocar de pele, no âmbito das modificações corporais, implica, muitas vezes, fazer incisão, corte ou furo na superfície lisa, higiênica, estética. Ao pôr a prova os limites do corpo e da pele, o sujeito faz frente aos limites da sociedade, na medida em que o corpo é um símbolo para pensar o social (LE BRETON, 2003 (b). Trad. nossa) e a pele é a superfície na qual o laço pode se inscrever, laço social, como sabemos. A tatuagem mundo afora Nas Américas, a prática de tatuar o corpo, conforme assinala Célia Antonacci Ramos (2001), foi recorrente entre os primeiros habitantes. Muitas tribos indígenas tatuavam o corpo e o rosto. A técnica empregada, segundo aponta a autora, era uma simples arranhadura, mas algumas tribos da Califórnia introduziram a cor nos arranhões,

9 117 enquanto grupos das regiões árticas, a maior parte dos esquimós e certos povos do leste da Sibéria, faziam perfurações subcutâneas com agulha, através das quais passavam um fio revestido de pigmento, geralmente fuligem. Seminoles, Creeks e Cherokees, tribos norteamericanas, recorriam à tatuagem e imprimiam no corpo do recém-nascido, no dia em que recebia o nome, as insígnias do clã. Caveiras, flores, estrelas, animais ou traços geométricos simbolizavam a filiação definitiva a uma tribo. O método variava segundo a tribo. Muitos recorriam ao corte da pele, na qual introduziam uma mistura de cinzas com manteiga, enquanto outros recorriam ao método do branding, marcas feitas a partir de desenhos recortados no ferro, aquecido na brasa e impresso na pele. Semelhante método foi usado pelos índios Caduevos, no Brasil, que imprimiam no seu corpo imagens que representavam brasões hierárquicos. (RAMOS, 2001, p. 35) Na Polinésia, Micronésia e partes da Malásia, o pigmento é introduzido na pele por meio de um instrumento semelhante a um ancinho em miniatura. No Japão, agulhas presas a cabos de madeira são utilizadas para tatuar desenhos multicores e muito elaborados, que em muitos casos cobrem grande parte da superfície corporal. Em Myanma, a tatuagem é executada com um instrumento de bronze semelhante a uma pena, de ponta fendida e com um peso na extremidade superior. Às vezes, esfrega-se o pigmento com cortes de faca, como na Tunísia, entre os ainus do Japão, os ibos da Nigéria e os índios do México; ou a pele é perfurada com espinhos, como fazem os índios pima, do Arizona, e os senoi, da Malásia. A prática foi redescoberta por europeus quando entraram em contato com os índios americanos e polinésios, no período das grandes navegações. (NOVA Enciclopédia Barsa, 1998, p. 487). Os nativos da Polinésia, Filipinas, Indonésia e da Nova Zelândia tatuavam-se em rituais complexos e muitas vezes religiosos. Na Nova Zelândia, como aponta Célia Antonacci Ramos (2001), ao lembrar o trabalho e os estudos de William Caruchet, autor de Le tatuage ou le corps sans honte, a tatuagem é muito profunda e precisa, dando a impressão de uma escultura de madeira. A admiração pela beleza da tatuagem a torna obrigatória para as mulheres nubentes. Para se conquistar um homem, é preciso que o corpo esteja tatuado: é somente então que ela pode visitar a moradia de um homem jovem e dividir com ele seu leito. Senão, ela corre o risco de ser falada. Onde está o encanto da mulher?

10 118 (CARUCHET apud RAMOS, 2001, p. 27) E se as mulheres neozelandesas tatuadas seduzem, elas são igualmente seduzidas por um corpo tatuado: uma esposa só pode sentir carinho por seu marido depois da intervenção de um tatuador. Um corpo sem tatuagem não encontra qualquer agrado. (RAMOS, 2001, p. 27) Na Austrália, conforme relata Célia Antonacci Ramos, os índios reproduzem ainda hoje cicatrizes produzidas com cortes sucessivos, as denominadas escarificações, utilizando-se, muitas vezes, de fuligem no corte para a formação da cicatriz. Na Polinésia, a tatuagem é um símbolo de classe que divide a sociedade. Conta a mitologia polinésia que são os deuses que ensinam os homens a arte de tatuar e, por isso, para os polinésios, a operação da tatuagem só acontece oficialmente e de acordo com um ritual sagrado. Esse ritual consiste em uma cerimônia coletiva e deve acontecer na mesma data e a todos da mesma idade, começando pelo filho do chefe. A intervenção começa aos doze anos e só termina por volta dos dezoito. Pequenas partes de pele são desenhadas a cada cerimônia. Ao homem é permitido tatuar o corpo todo enquanto às mulheres, apenas o rosto e determinadas partes. Um motivo suntuoso é um sinal de riqueza e concede prestígio a seu portador, que tem preferência na escolha de uma companheira e posição de destaque nos combates contra os inimigos. A fim de desonrar um inimigo morto, os polinésios comemno num ritual festivo, no entanto, o canibalismo só é permitido aos homens tatuados. (RAMOS, 2001, p. 27-8) Diz um provérbio polinésio: um corpo sem tatuar é um corpo estúpido. E foi na Polinésia, como assinala Silvia Reisfeld (2005), que a tatuagem desenvolveu-se durante milhares de anos e ao longo das ilhas do Pacífico alcançou um elevado grau de elaboração e beleza por meio de seus desenhos geométricos. A seqüência dos traços era predeterminada e cada parte tinha seu nome. O desenho se escolhia com cuidado e cumpria a função de signo de identificação pessoal. As agulhas, feitas de osso, mediam entre 2 e 4 cm e agregavam-se na ponta de um cabo de madeira. O artista submergia o instrumento num pigmento negro feito de fuligem e água e executava a tatuagem golpeando-o com um pequeno martelo de madeira. Era um procedimento muito doloroso. (REISFELD, 2005, p. 23)

11 119 Os guerreiros do Tonga eram tatuados por sacerdotes, que exerciam a prática seguindo os rituais. Na antiga Samoa, conforme aponta Silvia Reisfeld, o ofício do tatuador era herdado e ocupava uma posição privilegiada. Seu pagamento era feito de acordo com a complexidade do desenho. Tatuavam-se grupos de seis a oito jovens numa cerimônia na qual concorriam familiares e amigos que participavam com cânticos e orações especialmente associados ao ritual. A tatuagem num menino marcava a transição para a fase adulta e era uma prova de virilidade e coragem. O jovem que não estivesse tatuado (não importava a idade que tivesse) era considerado um rapaz ao qual não se permitia falar na presença dos adultos. As mulheres o ridicularizavam e nenhum pai aceitava como genro um homem não tatuado. O processo que em uma primeira etapa podia levar meses, prolongava-se durante anos até cobrir todo o corpo. Para cobrir toda a zona dos genitais e o ânus, o tatuado era assistido por ajudantes. Quando se tratava do filho de um chefe, a cerimônia era ainda mais solene. Todas as mulheres, inclusive a mãe, eram proibidas de ver o jovem, enquanto durasse a operação. Nas Marquesas, onde o desenho geométrico alcançou o mais alto grau de complexidade, também se tatuava o nariz para castigar aquele que tivesse cometido um crime severo. (REISFELD, 2005, p. 24) Nessas ilhas, os tatuadores tinham como segundo papel, o de contadores de histórias tatuar e narrar perseguidos pelos missionários cristãos que se seguiram à segunda guerra, as tatuagens e as histórias dizimaram-se substancialmente, restando apenas velhos tatuados à moda antiga, isto é, com o corpo quase todo fechado. (MARQUES, 1997, p. 47). E, foi nas ilhas marquesas, no Taiti e no Havaí que viveu por algum tempo Melville e onde alguns de seus romances (Typee, Omoo e Mardi) se passam: A possibilidade de fugir de uma época ainda que ilusória ou temporariamente e de viver o risco de uma aventura, de empreender uma vida de novidades ininterruptas despejou um sem-número de brancos nos primitivos Mares do Sul (muitos, na verdade, foram despejados como lixo humano lá e em todo mundo). O ficcionista americano Herman Melville foi desses brancos aventureiros (...) o novaiorquino Melville tinha vinte e dois anos quando embarcou no baleeiro Acushnet, rumo ao Pacífico. Sua obra, cujo ápice é Moby Dick, começou a nascer nessa viagem. (MARQUES, 1997, p. 96)

12 120 Em Typee, que retrata a vida nas Marquesas já contaminadas pelos europeus e também os percalços dos brancos que desertaram da Europa (MARQUES, 1997, p. 96), há diversas referências à tatuagem, que recobre fartamente os personagens. No rei, uma larga trama de tatuagem se estendia pelo rosto, na linha dos olhos, como se ele usasse um enorme par de óculos (MELVILLE apud MARQUES, 1997, p. 96), as pernas da rainha, por sua vez, eram embelezadas por tatuagens espiraladas, que de alguma forma lembravam as colunas de trajano (MELVILLE apud MARQUES, 1997, p. 97). Toni Marques (1997), ao contar a história de Melville, relata: A mulher se aproximou do branco tatuado, levantou a blusa dele, enrolou as pernas da calça dele... e viu admirada, os pontilhados azuis e vermelhos. Depois, levantou as próprias saias, ansiosa para exibir os próprios hieróglifos existentes em suas formas doces. (MARQUES, 1997, p. 97) Insígnia, sobretudo, da beleza, a tatuagem envolve e seduz os personagens. Em se tratando de sedução, cuja etimologia, seducere, significa desviar do caminho, como não mencionarmos Cem anos de solidão e José Arcádio, o personagem que vai embora de Macondo com os ciganos e, quando volta, traz o corpo bordado de tatuagens? No romance de Gabriel Garcia Márquez (s.d.), lemos: Chegava um homem descomunal. Os seus ombros quadrados mal cabiam nas portas. Trazia uma medalhinha da Virgem dos Remédios pendurada no pescoço de búfalo, os braços e o peito completamente bordados de tatuagens enigmáticas e, na munheca direita o apertado bracelete de cobre dos ninos-en-cruz. (MÁRQUEZ, s.d., p. 84). Segundo uma lenda popular colombiana, alguns homens abriam o pulso e ali colocavam uma pequena cruz especial, fechando-o depois com uma pulseira de ferro ou cobre, desta forma, adquiriam uma força descomunal e extraordinária. (MÁRQUEZ, s.d., p. 84) José Arcádio tinha, pois, a cruz no pulso e o corpo inteiro tatuado: No calor da festa, exibiu sobre o balcão a sua masculinidade inverossímil, inteiramente tatuada, num emaranhado azul e vermelho de letreiros em vários idiomas. Às mulheres que o assediaram com a sua cobiça, perguntou quem pagava mais. A que tinha mais ofereceu vinte pesos. Então ele propôs se rifar entre todas, a dez pesos cada número. (MÁRQUEZ, s.d., p. 85) Disso vivia, deu sessenta e cinco vezes a volta ao mundo metido numa tripulação de marinheiros apátridas: As mulheres que se deitaram com ele naquela noite, na taberna de

13 121 Catarino, trouxeram-no inteiramente nu ao salão de baile, para que vissem que não tinha um milímetro do corpo sem tatuar, na frente e nas costas, e desde o pescoço até os dedos dos pés. (MÁRQUEZ, s.d., p. 86) Moby Dick, por sua vez, publicado em 1846, conta as desventuras do baleeiro Pequod, cujo comandante, Capitão Ahab, quer se vingar da baleia que lhe arrancou parte de uma perna. O narrador é o jovem Ishamael, quem conta também a história do tatuado Queequeg, filho de um rei e sobrinho de um sacerdote. Cedo quis conhecer o mundo branco das terras cristãs. Cedo ele se decepciona e vai parar na hospedaria The Spouther- Inn, em New Bedford, à espera de um barco que o devolva ao mar. Ao chegar à hospedaria, o narrador vê-se obrigado a dividir o leito com Queequeg e, quando acorda, sente-se confuso, não sabe se está diante de uma colcha ou de uma pele tatuada, tal a similitude dos traçados: Quando despertei na manha seguinte, ainda de madrugada, vi que um dos braços de Queequeg se estendia sobre mim, da maneira mais terna e afetuosa possível. Dir-se-ia quase que eu era o seu cônjuge. A colcha era de retalhos, um conjunto de pequenos quadrados e triângulos originais e multicoloridos e o braço tatuado, com o desenho representando um interminável labirinto de Creta (do qual nem duas partes eram precisamente do mesmo tom, devido segundo creio, à exposição sem método ao sol e à sombra (...), o braço, pois como ia dizendo, podia ser tomado por uma nesga da mesma colcha de retalhos. Por conseguinte, tornava-se difícil distinguir entre o braço, parcialmente estirado como o vi, ao despertar, e a colcha, de tal modo se confundiam as tonalidades. E foi unicamente pela sensação do pêso e da pressão que pude descobrir que Queequeg me abraçava. (MELVILLE, 1957, p. 73). Mais tarde, a bordo do navio Queequeg tem um presságio: em breve iria morrer. Encomenda, assim, um caixão ao carpinteiro do navio e, logo depois, morre de gripe. Pronta a encomenda, o nativo trabalha no caixão e repete na madeira algumas das tatuagens que Queequeg trazia na pele. Ishmael, o narrador-personagem do romance de Melville, conta: Esta tatuagem tinha sido o trabalho de um antigo profeta e vidente de sua ilha, o qual, por meio dessas marcas hieróglifas, escrevera em seu corpo uma teoria completa do

DNA prisional: identidade à flor da pele

DNA prisional: identidade à flor da pele DNA prisional: identidade à flor da pele CURIMBABA, R.G.¹; FERREIRA, A.C.M.²; ZANINOTTI,D.C 1 ; PINHEIRO,O.J. 3 ; BOTURA JUNIOR,G 3 ; PASCHOARELLI, L.C. 3 Resumo Artigo proposto para evidenciar características

Leia mais

Arte da Pré-História

Arte da Pré-História ALUNO(A) Nº SÉRIE: 6º. Ano TURMA: DATA: / /2013 Profª Ana Lúcia Leal - DISCIPLINA: ARTE Ficha de Aula - III Trimestre Arte da Pré-História As primeiras expressões artísticas As mais antigas figuras feitas

Leia mais

Dt 14.1-2; Lv 19.28. Revista Galileu, n.º 86

Dt 14.1-2; Lv 19.28. Revista Galileu, n.º 86 Tatuagem a Moda que Marca Dt 14.1-2; Lv 19.28 Antônio de Pádua A tatuagem nunca esteve tão na moda. É impossível ir a praia, sair na rua e não encontrar um desenho, estampada no corpo das pessoas. Para

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo ÍNDIOS NO BRASIL Cristina Langendorf Luciana Catardo AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrissem as suas vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas. Historiadores

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913

Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913 Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913 O mito de origem diz que os primeiros desta etnia sairam do chão, por isso tem a cor da terra. Chefiados por

Leia mais

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA Usamos VERSÍCULOS a Bíblia na PARA Nova DECORAR Versão Internacional ESTA SEMANA NVI Usamos

Leia mais

ARTE NO EGITO ANTIGO

ARTE NO EGITO ANTIGO ARTE NO EGITO ANTIGO Ao longo do rio Nilo e principalmente na região norte - o Delta - ; e na região sul dos rios Eufrates e Tigre, desenvolveram-se as primeiras civilizações. No Egito desenvolveu-se um

Leia mais

Na área frontal da arena estava presentes o Grande Mestre do Santuário, também conhecido como Papa, sua função era ser o porta voz da Deusa o mais

Na área frontal da arena estava presentes o Grande Mestre do Santuário, também conhecido como Papa, sua função era ser o porta voz da Deusa o mais Dois anos se passaram desde os últimos acontecimentos, o Santuário de Atena começava a se anunciar diante de seus novos cavaleiros, era apresentado a nova geração de honrados e guerreiros, era uma tarde

Leia mais

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção.

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção. Símbolo Veio Gente Detalhamento - Concepção. A concepção do símbolo do projeto Veio Gente nasceu das explicações da idéia e do conceito do evento durante conversas que tive com a Cris, principalmente a

Leia mais

I Introdução. II Desenvolvimento

I Introdução. II Desenvolvimento I Introdução Nos tempos primitivos não havia documentos escritos sobre a vida nem sobre o homem. Esse período é chamado de pré-história e o que se conhece a seu respeito baseia-se nos objetos que restam

Leia mais

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios do Novo Mundo não formavam um grupo homogêneo, com características lingüísticas e culturais semelhantes. Ao contrário do que se imagina, existiram vários

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

Casamento. Curiosidades, Tradições e Superstições

Casamento. Curiosidades, Tradições e Superstições Casamento Curiosidades, Tradições e Superstições Nesta publicação estaremos mostrando as origens do casamento cristão. Note que o casamento cristão tem suas origens no paganismo. Basta ler e comprovar.

Leia mais

Cronistas do Descobrimento

Cronistas do Descobrimento Cronistas do Descobrimento O Brasil do século XVI é uma terra recém descoberta e, como tal, não tem ainda condições de produzir uma literatura própria. Os primeiros escritos foram feitos por estrangeiros

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA A IMPORTÂNCIA DAS VIAGENS NA NOSSA VIDA PARA SABERMOS VER MELHOR A VIDA PERCEBERMOS O NOSSO PAPEL NO MUNDO PARA ENTENDERMOS O PRESENTE PARA SABERMOS COMO CHEGAMOS ATÉ AQUI VINDOS

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

ALUNO: - ANO - TURMA - DATA \ \ 201. Ficha de Aula de Arte I Trimestre

ALUNO: - ANO - TURMA - DATA \ \ 201. Ficha de Aula de Arte I Trimestre ALUNO: Nº - ANO - TURMA - DATA \ \ 201 Profª Ana Lúcia Leal Ficha de Aula de Arte I Trimestre Arte no Antigo Egito Uma das principais civilizações da Antiguidade foi a que se desenvolveu no Egito. Era

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS - LICENCIATURA (NOTURNO)

ARTES PLÁSTICAS - LICENCIATURA (NOTURNO) assinatura do(a) candidato(a) ADMISSÃO PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 2.ª DCS/2011 ARTES PLÁSTICAS - LICENCIATURA (NOTURNO) LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. Prova Dissertativa 1 Ao receber

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 5ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 5ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO CISNE BRANCO 1 2 JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO 3 Copyright 2011 José Araújo Título: Cisne Branco Editoração e Edição José Araújo Revisão e diagramação José Araújo Capa José Araújo Classificação: 1- Literatura

Leia mais

EGITO PA P SSADO E PR P ESENT N E T

EGITO PA P SSADO E PR P ESENT N E T EGITO PASSADO E PRESENTE VOCÊ SABE ONDE ESTÁ O EGITO? ÁFRICA O EGITO É UM PAÍS DO CONTINENTE AFRICANO NO PASSADO O EGITO ERA ASSIM... ATUALMENTE, O EGITO CHAMA-SE REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO. SUA CAPITAL

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL DISCIPLINA: ARTE PROFESSORA: Cristiana de Souza DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 6º ANO TURMA: ALUNO (A): RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL Nº: 01.

Leia mais

A Terceira Batalha. Angela Ancora da Luz. Em 1503, Leonardo Da Vinci aceitou pintar um grande afresco sobre

A Terceira Batalha. Angela Ancora da Luz. Em 1503, Leonardo Da Vinci aceitou pintar um grande afresco sobre A Terceira Batalha Angela Ancora da Luz Em 1503, Leonardo Da Vinci aceitou pintar um grande afresco sobre a Batalha de Anghiari, travada entre florentinos e milaneses, com a vitória dos primeiros. A convite

Leia mais

Dicas para orientar a cliente na escolha de biquínis e da roupa mais adequada para cada tipo de corpo.

Dicas para orientar a cliente na escolha de biquínis e da roupa mais adequada para cada tipo de corpo. Dicas para orientar a cliente na escolha de biquínis e da roupa mais adequada para cada tipo de corpo. Biquíni Ideal Aquelas que têm seios grandes precisam antes de tudo de sustentação. Tops com alças

Leia mais

O pequeno aventureiro

O pequeno aventureiro O pequeno aventureiro a a Guilherme Carey era um menino muito ativo. Morava em Paulerspury, uma pequena vila na Inglaterra. Todos os dias, Guilherme ia para a escola, onde seus colegas o apelidaram de

Leia mais

Feminino. Tipos de corpo. Ampulheta

Feminino. Tipos de corpo. Ampulheta O guia de tamanho será desenvolvido para auxiliar os e-consumidores, no momento da compra. O e-consumidor terá disponível um guia de auxilio a medidas, de forma que permitirá que o mesmo obtenha informações

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula História da Arte Exercícios de Sala de Aula A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como:

Leia mais

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita.

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. A PRÉ-HISTÓRIA Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. PERÍODO PALEOLÍTICO OU IDADE DA PEDRA LASCADA No começo de sua trajetória, o homem usou sobretudo a pedra (além do

Leia mais

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca I M A G E M N O B R A S I L COM A PALAVRA, AS IMAGENS! representações do feminino nas capas dos romances da Biblioteca das Moças (1940-1960) Maria Teresa Santos Cunha Entre 1940 a 1960, uma coleção de

Leia mais

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão HISTÓRIA DA ARTE Aluno (a): Professor: Lucas Salomão Data: / /2015 9º ano: A [ ] B [ ] ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA Há milhares de anos os povos antigos já se manifestavam artisticamente. Embora ainda não conhecessem

Leia mais

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita dos maias, México.

Leia mais

O comerciante francês havia sido um homem talentoso e amável. Tinha uma mulher encantadora e uma família numerosa. Contrastado com o pétreo Mr.

O comerciante francês havia sido um homem talentoso e amável. Tinha uma mulher encantadora e uma família numerosa. Contrastado com o pétreo Mr. I. MR. CLAY Na década de sessenta do século passado, vivia em Cantão um negociante de chá, imensamente rico, de nome Mr. Clay. Era um velho alto, seco e insociável. Tinha uma casa magnífica e uma esplêndida

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA CAVALHEIRO, Kaline (UNIOESTE G/Pibic - CNPq) DIAS, Acir (UNIOESTE Orientador) RESUMO: O presente trabalho tem como objeto o estudo da cultura, mitos e imagens presentes

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Pré história. Criação: Ana Cláudia B.Sanches

Pré história. Criação: Ana Cláudia B.Sanches Pré história Pré-história Paleolítico inferior 500.000 a.c. Paleolítico superior 30.000 a.c. Idade da pedra lascada / cortante Primeiras manifestações artísticas Pedra lascada Paleolítico 30.000 a.c. Idade

Leia mais

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA AULA 12 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA Na aula passada nós estudamos as principais características da poesia romântica no Brasil.Vimos o fenômeno das três gerações românticas:

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

5- O HOMEM DEPOIS DA QUEDA E O INÍCIO DA CIVILIZAÇÃO

5- O HOMEM DEPOIS DA QUEDA E O INÍCIO DA CIVILIZAÇÃO 5- O HOMEM DEPOIS DA QUEDA E O INÍCIO DA CIVILIZAÇÃO Aula 17 5.1 Como ficou o homem depois da queda? a) O homem separado de Deus pelo pecado; Deus quer restaurar o homem. Vimos que o homem morreu espiritualmente,

Leia mais

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS Projeto Estórias I. Introdução O projeto Estórias nasceu da necessidade de incluir na literatura infantil personagens com câncer e o ambiente hospitalar. A literatura que contém

Leia mais

ENTREVISTA COM DAVID LE BRETON. Cláudia Machado de Souza. Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense- UFF.

ENTREVISTA COM DAVID LE BRETON. Cláudia Machado de Souza. Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense- UFF. ENTREVISTA COM DAVID LE BRETON Cláudia Machado de Souza Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense- UFF. David Le Breton é professor de Sociologia e Antropologia

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

A Tatuagem como Inscrição e Elaboração de um Luto

A Tatuagem como Inscrição e Elaboração de um Luto A Tatuagem como Inscrição e Elaboração de um Luto quinta-feira, julho 12, 2012 http://nucleotavola.com.br/revista/a-tatuagem-como-inscricao-e-elaboracao-de-um-luto/ por Caio Garrido* Resumo O objetivo

Leia mais

Máscaras da liberdade: reputação a salvo na rua ou no salão.

Máscaras da liberdade: reputação a salvo na rua ou no salão. Máscaras da liberdade: reputação a salvo na rua ou no salão. Os palhaços apaixonados, afresco, Giovanni Domenico Tiepolo, 1793, Camera dei Pulcinella Villa Tiepolo, Zianigo. O carnaval nasceu na Antiguidade,

Leia mais

HISTÓRIA ANTIGUIDADE

HISTÓRIA ANTIGUIDADE HISTÓRIA Não é possível determinar a época em que o ser humano começou a adotar o vestuário. Acreditase, no entanto, que a moda começou possívelmente motivada por razões que vão desde a proteção contra

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

Jussara Braga. Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva. Ilustrações de Rogério Borges

Jussara Braga. Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva. Ilustrações de Rogério Borges Jussara Braga Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Ilustrações de Rogério Borges 1 O desejo das águas é um livro poético escrito em prosa, mas cheio de poesia e lirismo. Por isso,

Leia mais

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DESANTA CATARINA IFSC-CAMPUS JOINVILLE CURSO DE ASSISTENTE EM PRODUÇÃO CULTURAL-PRONATEC TURMA 1 2013 PLANO COREOGRÁFICO TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA CARLOS

Leia mais

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus.

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus. Anexo 2 Primeiro momento: contar a vida de Jesus até os 12 anos de idade. Utilizamos os tópicos abaixo. As palavras em negrito, perguntamos se eles sabiam o que significava. Tópicos: 1 - Maria e José moravam

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto Fotos necessárias para a confecção da estatueta Todo o trabalho é referenciado em fotos, ou seja, não nos responsabilizamos por material fotográfico que confecção, para isto criamos este guia, para atender

Leia mais

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Labirinto de vidro 2013 Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 43 Início e fim? Um silêncio denso

Leia mais

ROTEIRO- Hoje é festa de São João

ROTEIRO- Hoje é festa de São João ROTEIRO- Hoje é festa de São João INT. CASA DE MARIA - QUARTO - NOITE A cidade de Campina Grande estar em festa, é noite de São João. Da janela do quarto, MARIA uma mulher sonhadora, humilde, recém-chegada

Leia mais

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão.

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. Há muitos anos, nesse reino encantado, morava uma linda menina,

Leia mais

Geografia 8º Ano - Prof. Beto Filho

Geografia 8º Ano - Prof. Beto Filho Regionalização DO ESPAÇO MUNDIAL Unidade 1 Geografia 8º Ano - Prof. Beto Filho Neste capítulo vamos estudar uma forma de regionalizar o mundo fundamentada, principalmente, em fatores físicos ou naturais:

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

A escolinha do mar. Texto: Ruth Rocha Ilustrações: Adilson Farias. Elaboração Anna Flora

A escolinha do mar. Texto: Ruth Rocha Ilustrações: Adilson Farias. Elaboração Anna Flora A escolinha do mar Texto: Ruth Rocha Ilustrações: Adilson Farias Elaboração Anna Flora Brincadeira 1: A escolinha do mar Material necessário Para o aluno: 2 rolos de papel crepom azul (qualquer tom) 1

Leia mais

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos:

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos: Princípios de Composição do Vestuário Para trabalhar com roupas mais elaboradas é importante conhecer os princípios de composição do vestuário. Neste nicho de mercado, este tipo de peça é desenvolvido

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6 Ai quem me dera 1. Ai, quem me dera, terminasse a espera 2. Retornasse o canto simples e sem fim, 3. E ouvindo o canto se chorasse tanto 4. Que do mundo o pranto se estancasse enfim 5. Ai, quem me dera

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

Conteúdo Programático INFANTIL I

Conteúdo Programático INFANTIL I Conteúdo Programático INFANTIL I Composição oral Identificação Cor: vermelha Forma: círculo Posições: Dentro e fora Natureza e Sociedade Carnaval Páscoa Dia do Índio Estação do Ano: Outono Experiências

Leia mais

Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI

Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI BACHARELADO EM ENFERMAGEM HISTÓRIA E TEORIAS DA ENFERMAGEM Prof. Eurípedes Gil de França Aula 8 A Enfermagem no Brasil Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI REFORMA PROTESTANTE Martinho

Leia mais

VERDADEIROS FALSOS CORRETA

VERDADEIROS FALSOS CORRETA Arte Pré-Histórica Questão 01 A religiosidade é um item de bastante relevância no estudo da arte na pré-história. Que alternativa abaixo marca CORRETAMENTE fatos que atestam esta realidade? a) ( ) As pinturas

Leia mais

Escola Secundária Ferreira Dias. Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos. Curso técnico de vitrinismo. Disciplina: TIC

Escola Secundária Ferreira Dias. Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos. Curso técnico de vitrinismo. Disciplina: TIC Escola Secundária Ferreira Dias Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos Curso técnico de vitrinismo Disciplina: TIC Professora: Vanda Pereira Novembro de 2013 Índice Introdução... 1 Moda dos

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

ATIVIDADES PARA O DIA DO ÍNDIO 19 DE ABRIL

ATIVIDADES PARA O DIA DO ÍNDIO 19 DE ABRIL ATIVIDADES PARA O DIA DO ÍNDIO 19 DE ABRIL Pintura facial pg. 02 Saia indígena pg. 02 Dança indígena pg. 02 Passeio pela floresta pg. 02 Modelo de cocar para o do livro Natureza e Sociedade 5 anos pg.

Leia mais

O que está escrito no DESENHO. Professora Tatiana Comiotto

O que está escrito no DESENHO. Professora Tatiana Comiotto O que está escrito no DESENHO Professora Tatiana Comiotto A desenho da criança É feito por prazer; Para encontrar seu equilíbrio afetivo; Exprime o que ela está sentindo; Cada detalhe é importante para

Leia mais

Porque Galeano escreve, eu sonho, porque sonho, eu não sou...

Porque Galeano escreve, eu sonho, porque sonho, eu não sou... Léolo, o personagem do belíssimo filme de Jean-Claude Lauzon, cercado pela loucura e pelo horror, repetia: Porque eu sonho, não estou louco, porque eu sonho, eu não sou... Galeano compartilha conosco um

Leia mais

Arqueólogos descobrem símbolos fálicos em cemitério de 4.000 anos na China

Arqueólogos descobrem símbolos fálicos em cemitério de 4.000 anos na China Arqueólogos descobrem símbolos fálicos em cemitério de 4.000 anos na China Corpos encontrados são de pessoas com traços europeus. Cadáveres foram enterrados em barcos de cabeça para baixo. Nicholas Wade

Leia mais

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile

Fuga. v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile Fuga v_06.02 (julho/2011) Por Laura Barile laurabarile@gmail.com CENA 1 - EXT. RUA - DIA DORA sai do carro, bate a porta. Usa um vestido sem mangas, de algodão, comprido e leve, o cabelo levemente desarrumado,

Leia mais

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12 NA PIOR Moggle? sussurrou Aya. Você está acordada? Algo se moveu na escuridão. Uma pilha de uniformes de dormitório se mexeu como se houvesse um pequeno animal embaixo. Então uma silhueta saiu das dobras

Leia mais

Expressão Cultural selecionada: Rezadeiras

Expressão Cultural selecionada: Rezadeiras Município: Ipaporanga Estado: CE Mobilizador Cultural: Cyria Mayrellys Lima Expressão Cultural selecionada: Rezadeiras Prática desenvolvida na Europa, durante da Idade Média, estritamente dentro do modelo

Leia mais

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 1 1. Objetivos: Mostrar que o Senhor Jesus morreu na cruz e foi sepultado. Ensinar que o Senhor Jesus era perfeito; não havia nada que o condenasse. Ensinar que depois

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Seja Bem Vindo! Curso Automaquiagem. Carga horária: 45hs

Seja Bem Vindo! Curso Automaquiagem. Carga horária: 45hs Seja Bem Vindo! Curso Automaquiagem Carga horária: 45hs Conteúdo: Introdução História da Maquiagem Como Limpar a Pele Pincéis para a Maquiagem Preparação da Pele Primer Base Corretivo Pó Facial Blush Olhos

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

ARTE 1ª série Prof. Alysson

ARTE 1ª série Prof. Alysson ARTE 1ª série Prof. Alysson História contada a partir das Dinastias. Uma das formas mais estáveis de civilização A religiosidade integra toda a vida egípcia, interpretando o universo, justificando sua

Leia mais

Impressões sobre o Porto. Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1

Impressões sobre o Porto. Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1 Impressões sobre o Porto Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1 Resumo Utilizando alguns preceitos sobre a fotografia como forma de contextualização do tema, o presente artigo trata da imagem fotográfica enquanto

Leia mais

René Magritte Le Fils de Lhomme. Surrealismo

René Magritte Le Fils de Lhomme. Surrealismo Surrealismo Surrealismo Movimento artístico e literário nascido em Paris, em 1924, quando foi lançado o Manifesto surrealista, escrito por André Breton. Propunha aos artistas que expressassem livremente

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

FANTOCHE/DEDOCHE HISTÓRIA INFANTIL:

FANTOCHE/DEDOCHE HISTÓRIA INFANTIL: TEATRO DE SOMBRA LIVRO LOLO BARNABÉ: O teatro de sombras surgiu há muito tempo. Desde que os homens viviam em cavernas, já se maravilhavam com as sombras produzidas pela luz do sol ou do fogo. Com o tempo,

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais