DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL PENAL I. Professor: João Guilherme Lages Mendes.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL PENAL I. Professor: João Guilherme Lages Mendes."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ Coordenação do Curso de Direito DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL PENAL I. Professor: João Guilherme Lages Mendes. Assunto: Do Inquérito Policial. Noções Gerais. Características. Desenvolvimento e conclusão. Polícia Judiciária e controle externo pelo Ministério Público. Conceito: Procedimento administrativo preliminar, objetivando identificar o autor do ilícito e colher os elementos materiais da infração penal para fundamentar a opinio delicti do titular da ação penal. Para ANTÔNIO SCARANCE FERNANDES, o IP É um conjunto de atos praticados por autoridade administrativa, não configuradores de um processo administrativo (Processo Penal Constitucional. 5ª ed. São Paulo : RT, 2007, p. 70). O autor não vê o IP como procedimento administrativo por faltar-lhe a característica essencial do procedimento, ou seja, a formação por atos que devam obedecer a uma seqüência predeterminada pela lei, em que, após a prática de um ato, passa-se a do seguinte até o último da série, numa ordem a ser necessariamente observada Competência: Polícia Judiciária Delegados de Polícia (art. 4º do CPP). Ressalvadas as situações do parágrafo único deste dispositivo A Polícia Administrativa Ostensiva/Preventiva não tem competência para investigar No Brasil o Ministério Público está autorizado a promover a investigação criminal? STF HC e HC STJ - APN 398 Notícias Conjur de 20/10/2009. Objetivo: Apurar um fato que configure infração penal e respectiva autoria para servir de base à ação penal ou às providências cautelares. Importância: Serve para iniciar a ação penal; Primeiro contato com o fato criminoso; Coleta de provas que não mais se realizarão. Destinatários: a) Imediato: Promotor de Justiça ou Ofendido; b) Mediato: Juiz Valor Probatório: Seu valor como prova é relativo; não se pode condenar o réu com base apenas em suas conclusões (art. 155 do CPP)

2 Pelo princípio do livre convencimento o Juiz buscará elementos no IP para fundamentar a sentença. Mas, deve sempre demonstrar pela análise conjunta de outros elementos probatórios que as diligências policiais foram idôneas a finalizar suas conclusões, não foram viciadas. Para que o IP tenha valor é preciso que as provas nele acostadas passem pelo crivo do contraditório e da ampla defesa. Vícios: Os vícios diminuem o valor do IP (não apreender todos os objetos relacionados com a infração ou não pregressar o indiciado, p. ex.), invalidam alguns atos (flagrante, p.ex.), mas nulidades a priori não existem, pois eventuais irregularidades poderão ser ratificadas na fase de instrução processual onde os atos praticados se submeterão ao crivo do contraditório Características: a) Procedimento discricionário: Conduzido por autoridade policial, que ordenará as diligências que julgar necessárias à apuração da infração penal. b) Procedimento escrito: Art. 9º. c) Procedimento inquisitivo: Não existe contraditório ou ampla defesa. Tendência do direito processual moderno é assegurar a ampla defesa e o contraditório (STF HC MG, DJ 5/8/2004; HC SP, DJ 4/6/2007, e HC RS, DJ 23/4/2007. HC SP, Rel. Min. Nilson Naves, julgado em 23/10/2007) Inquérito policial e princípio do contraditório: Após o indiciamento não se pode negar que surge conflito de interesse com litigantes (CF, art. 5º, LV). Por isto, se não houver contraditório, os elementos probatórios do inquérito não poderão ser aproveitados no processo, salvo quando se tratar de provas antecipadas, de natureza cautelar (como o exame de corpo de delito), em que o contraditório é diferido. Além disso, os direitos fundamentais do indiciado hão de ser plenamente tutelados no inquérito (GRINOVER, Teoria Geral do Processo, p. 57). Há, sem dúvida, necessidade de se admitir a atuação da defesa na investigação, ainda que não se exija o contraditório, ou seja, ainda que não se imponha a necessidade de prévia intimação dos atos a serem realizados. Não se trata de defesa ampla, mas limitada ao resguardo dos interesses mais relevantes do suspeito, como o requerimento de diligências, o pedido de liberdade provisória, de relaxamento de flagrante, a impetração de HC (FERNANDES, Antônio Scarance. Processo Penal Constitucional. 5ª ed. São Paulo : RT, 2007, p. 70). FREITAS, Marcelo Eduardo. O direito do indiciado a uma investigação defensiva e contraditória no inquérito policial. Disponível em: Acesso em: 03 fev. de d) Procedimento sigiloso: Art. 20. O sigilo tem duplo aspecto: A) Externo: O inquérito policial deve assegurar o direito à inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem do investigado, e da vítima, nos termos do art. 5º, X, da CF/88 (e tb. do art. 201, 6º do CPP), por que milita em favor de qualquer pessoa a presunção de inocência enquanto não sobrevindo o trânsito em julgado de sentença penal condenatória (CF, art. 5º, LVII). Ademais, a divulgação da linha de investigação, dos fatos a serem investigados, das provas já reunidas etc. muito provavelmente

3 atrapalharia sobremaneira o resultado final do inquérito. Sob este aspecto deve-se limitar o espetaculismo, a publicidade dos atos de investigação, vedando o acesso a qualquer do povo aos elementos colhidos no IP; B) Interno: Que impossibilita o indiciado tomar ciência das diligências pendentes de realização. Neste aspecto importante as observações acerca do conflito entre o sigilo do IP e o direito de o Advogado ter acesso aos autos (Art. 7º, inciso XIV da Lei nº 8.906/94). Cabe à autoridade policial assegurar o sigilo necessário para a elucidação do fato sem perder de vista que é preciso conciliar os interesses da investigação com o direito de informação do investigado e, consequentemente, de seu advogado de ter acesso ao inquérito, para que sejam preservadas suas garantias constitucionais (STJ - STJ - HC SP) Decretando-se o segredo de justiça o sigilo será absoluto (Ex.: interceptação de comunicação telefônica (Lei nº 9296/96)); combate a organizações criminosas (Lei nº 9034/95). O sigilo não será absoluto para juízes, promotores e advogados que terão acesso ao IP (art. 7º, XIII a XV, e 1º do EOAB). Súmula vinculante nº 14 STF em favor da prerrogativa do Advogado HC nº , HC , etc Nesse caso - dilema: Necessidade do sigilo X Garantia do Contraditório = Contraditório diferido ou postergado. e) Obrigatoriedade: Sempre que receber a notitia criminis a autoridade policial deverá instaurar o IP para sua investigação Exceções: quando o fato não for crime; quando estiver extinta a punibilidade; quando a autoridade policial for incompetente ou por insuficiência de dados. Deve prevalecer o bom senso da autoridade policial Causas de exclusão da antijuridicidade devem ser apreciadas pelo juiz natural f) Indisponibilidade: A autoridade policial não pode mandar arquivar o IP (art. 17). g) Indispensabilidade/Dispensabilidade: O IP tem apenas caráter informativo. É indispensável se servir de base à denúncia ou à queixa. Fora dessas situações é dispensável (Ex.: IPM s; Inquérito Parlamentares; Inquéritos Civis, etc) h) Oficialidade ou autoridade: Os Delegados de Polícia são as autoridades que devem presidir o IP (CF, art. 144, 4º). Ainda quando a titularidade da ação penal é atribuída ao particular ofendido (ação penal privada), não cabe a este a efetuação dos procedimentos investigatórios. O MP pode realizar e/ou presidir diretamente investigação criminal? (STF- Inquérito 1968; STF - HC ). Controle externo da atividade policial pelo MP: função institucional do Ministério Público: Art. 129, VII, da CF.

4 i) Oficiosidade: De regra, ocorrida a infração a autoridade policial não precisará de autorização para começar a investigar. Só precisará de autorização do ofendido ou da vítima nas ações públicas condicionadas e nas privadas. Início do IP: Art. 5º do CPP Notitia Criminis Notícia do crime. AÇÃO PENAL PÚBLICA: artigos correspondentes - 5º, 1º, 2º, 3º e 4º. De ofício (art. 5º, I): BO 1 : O Delegado toma conhecimento e baixa a Portaria sem qualquer provocação Requisição (ordem): Do Juiz ou do M.P (art. 5º, II, primeira parte) Do Ministro da Justiça (Ex.: crimes contra a honra do Presidente ou chefes de governo estrangeiro e delitos praticados por estrangeiro contra brasileiro fora do Brasil) Requerimento do ofendido ou seu representante: Art. 5º, II, segunda parte Exs.: crimes contra os costumes; perigo de contágio venério; ameaça Comunicação de qualquer pessoa: (verbalmente ou por escrito) - 3º Denúncia anônima Representação, nos crimes de Ação pública condicionada: ( 5º) Flagrante delito: art. 8º do CPP AÇÃO PENAL PRIVADA: Artigo correspondente - 5º, 5º do C.P.P. ATENÇÃO: NOS CASOS DE CRIMES DE AÇÃO PÚBLICA CONDICIONADA A REPRESENTAÇÃO E CRIMES DE AÇÃO PRIVADA, O FLAGRANTE E O INÍCIO DO IP DEPENDEM NECESSARIAMENTE DA MANIFESTAÇÃO DO OFENDIDO OU SEU REPRESENTANTE LEGAL. SEM ESTA MANIFESTAÇÃO DE VONTADE NÃO SE PODE LAVRAR FLAGRANTE NEM INSTAURAR INQUÉRITO POLICIAL (art. 5º, 4º e 5º). Ex.: Grafite do São Paulo IGUAL RACIOCÍNIO PARA OS CASOS DE AÇÃO PÚBLICA CONDICIONADA A REQUISIÇÃO DO MINISTRO DA JUSTIÇA, CASO EM QUE O IP SÓ PODE INICIAR DEPOIS DESTA MANIFESTAÇÃO DE VONTADE QUE É A REQUISIÇÃO MINISTERIAL. Desenvolvimento do IP: Diligências que o delegado deve fazer ao instaurar o IP: Art. 6º Reprodução Simulada dos Fatos: Art. 7º Incomunicabilidade do indiciado Art. 21 Não se admite mais a incomunicabilidade em face da garantia do art. 5º, LXIII, da CF. 1 - Cf. 3º.

5 Incomunicabilidade e Estado de Defesa: CF, art. 136, 3º, IV Outras atribuições do Delegado de Polícia: Arts. 13, 22 Encerramento do IP: Relatório: Art. 10, 1º Prazo: Art. 10, caput. Há prazos especiais (Ex.: Tóxicos ou art. 51) CF, art. 5º, LXXVIII Duração razoável do processo Remessa ao juiz ou ao MP Nas ações privadas, aguardará em cartório a iniciativa do ofendido: Art. 19. Pedido de dilação de prazo: Art. 10, 3º - só em caso de réu solto CPP projetado: TÍTULO II - DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II - DO JUIZ DAS GARANTIAS Art. 15. Responsável pelo controle da legalidade da investigação criminal e pela salvaguarda dos direitos individuais, competindo-lhe I receber a comunicação imediata da prisão, nos termos do inciso LXII do art. 5º da Constituição da República; II receber o auto da prisão em flagrante, para efeito do disposto no art. 543; III zelar pela observância dos direitos do preso, podendo determinar que este seja conduzido a sua presença; IV ser informado da abertura de qualquer inquérito policial; V decidir sobre o pedido de prisão provisória ou outra medida cautelar; VI prorrogar a prisão provisória ou outra medida cautelar, bem como substituí-las ou revogá-las; VII decidir sobre o pedido de produção antecipada de provas consideradas urgentes e não repetíveis, assegurados o contraditório e a ampla defesa; VIII prorrogar o prazo de duração do inquérito, estando o investigado preso, em atenção às razões apresentadas pela autoridade policial e observado o disposto no parágrafo único deste artigo; IX determinar o trancamento do inquérito policial quando não houver fundamento razoável para sua instauração ou prosseguimento; X requisitar documentos, laudos e informações da autoridade policial sobre o andamento da investigação; XII decidir sobre os pedidos de: a) interceptação telefônica ou do fluxo de comunicações em sistemas de informática e telemática; b) quebra dos sigilos fiscal, bancário e telefônico; c) busca e apreensão domiciliar; d) outros meios de obtenção da prova que restrinjam direitos fundamentais do investigado. XIII julgar o habeas corpus impetrado antes do oferecimento da denúncia; XIV outras matérias inerentes às atribuições definidas no caput deste artigo. Parágrafo único. Estando o investigado preso, o juiz das garantias poderá, mediante representação da autoridade policial e ouvido o Ministério Público, prorrogar a duração do inquérito por período único de 10 (dez) dias, após o que, se ainda assim a investigação não for concluída, a prisão será revogada. Art. 16. Competência que abrange todas as infrações penais, exceto as de menor potencial ofensivo e cessa com a propositura da ação penal, cujas decisões não vinculam o juiz do processo que, após o oferecimento da denúncia, poderá reexaminar a necessidade das medidas CAPÍTULO III - DO INQUÉRITO POLICIAL Seção I - Disposição preliminar Seção II - Da abertura Art. 23. Havendo indícios de que a infração penal foi praticada por policial, ou tendo a sua participação, a autoridade comunicará imediatamente a ocorrência à respectiva corregedoriageral de polícia, para as providências disciplinares cabíveis, e ao Ministério Público. Seção III - Das diligências investigativas Art. 26. Incumbirá ainda à autoridade policial:

6 I informar a vítima de seus direitos e encaminhá-la, caso seja necessário, aos serviços de saúde e programas assistenciais disponíveis; Art. 27. A vítima, ou seu representante legal, e o investigado poderão requerer a realização de qualquer diligência, que será efetuada, quando reconhecida a sua necessidade (despacho fundametnado), cabendo recurso em caso de indeferimento. Art º A autoridade policial comunicará a vítima dos atos relativos à prisão, soltura do investigado e conclusão do inquérito. 1º Registro da prova oral por escrito ou mediante gravação de áudio ou vídeo Seção IV - Do indiciamento Seção V - Prazos de conclusão 90 (noventa) dias, estando o investigado solto. 10 (dez) dias, se o investigado estiver preso. Caso a investigação não seja encerrada neste prazo a prisão será revogada, exceto na hipótese de prorrogação autorizada pelo juiz das garantias. Seção VI - Do relatório e remessa dos autos ao Ministério Público Art. 35. Ao receber os autos do inquérito, o Ministério Público poderá determinar o arquivamento da investigação, seja por insuficiência de elementos de convicção ou por outras razões de direito, seja, ainda, com fundamento na provável superveniência de prescrição que torne inviável a aplicação da lei penal no caso concreto, tendo em vista as circunstâncias objetivas e subjetivas que orientarão a fixação da pena. Recurso para o próprio MP. Seção VII - Do arquivamento CAPÍTULO IV - DA IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL Bibliografia recomendada: Artigo O exame do IP pelo advogado, de LUIZ FLÁVIO BORGES DÚRSO, in Boletim do IBCCRIM, nº 67, jun Artigo do Boletim IBCCRIM nº 49 - Dezembro / O CONTROLE EXTERNO DA ATIVIDADE POLICIAL. LIMONGI, Mário de Magalhães Papaterra. O controle externo da atividade policial. Boletim IBCCRIM. São Paulo, n.49, p , dez Promotor de justiça e coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça Criminais de São Paulo. AZKOUL, Marco Antonio. O controle externo da atividade policial. Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.8, n.89, p , abril Delegado de Polícia em São Paulo, mestre em Direito Constitucional pela PUC/SP, professor de TGE (Ciências Políticas) da UNIB e jornalista, com tese de doutoramento, aprovado pelo Estado do Vaticano em Roma. FÓRUM IBCCRIM - O Delegado de Polícia e o Sistema de Justiça Criminal, Edson Luís Baldan - Delegado de Polícia em exercício na Academia de Polícia Civil de São Paulo, Mestre e Doutorando em Direto Penal pela PUC/SP, Especialista em Direito Penal pela Escola do Ministério Público de São Paulo e Pós-graduado em Direito Penal pelas Universidades de Salamanca e Toledo/Espanha MARCOCHI, Marcelo Amaral Colpaert. Breve escólio histórico acerca do inquérito policial Disponível na internet: O trancamento do IP pela falta de razoabilidade no prazo de sua duração, por Délio Lins e Silva Júnior, em Boletim do IBCCrim 160, março/06, p. 4/5.

Direito Processual Penal - Inquérito Policial

Direito Processual Penal - Inquérito Policial Direito Processual Penal - Inquérito Policial O inquérito policial é um procedimento administrativo préprocessual, de caráter facultativo, destinado a apurar infrações penais e sua respectiva autoria.

Leia mais

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º PROCEDIMENTO DA AUTORIDADE POLICIAL DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS CONHECIMENTO DA NOTITIA CRIMINIS delegado deve agir de acordo comoart.6º e 7º do CPP, (não exaustivo

Leia mais

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO...

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...19 DEDICATÓRIA...21 CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 23 1. Antecedentes históricos da função de advogado...23 2. O advogado na Constituição Federal...24 3. Lei de

Leia mais

12/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II

12/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II II 2ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 II Acessem!!!!!! www.rubenscorreiajr.blogspot.com 2 1 O : É o conjunto de atos cronologicamente concatenados (procedimentos), submetido a princípios e regras

Leia mais

O JUIZ DE [DAS] GARANTIAS PROJETADO PELO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL

O JUIZ DE [DAS] GARANTIAS PROJETADO PELO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL O JUIZ DE [DAS] GARANTIAS PROJETADO PELO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL Luiz Flávio Gomes Doutor em Direito Penal pela Faculdade de Direito da Universidade Complutense de Madri, mestre em Direito Penal

Leia mais

PROCESSO PENAL - DPU. PONTO 1: Inquérito policial. PONTO 2: Ação Penal

PROCESSO PENAL - DPU. PONTO 1: Inquérito policial. PONTO 2: Ação Penal PROCESSO PENAL aula I Professor: David Data: 20.01.1020 PONTO 1: Inquérito policial PONTO 2: Ação Penal Artigos 4º a 23º do CPP 1. CONCEITO/NATUREZA. Trata-se de espécie de procedimento administrativo,

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa Evandro Dias Joaquim* José Roberto Martins Segalla** 1 INTRODUÇÃO A interceptação de conversas telefônicas

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade...

APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade... Sumário Título I APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL Capítulo I APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO Dispositivo Legal... 35 Princípio da territorialidade... 35 Capítulo II APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL

Leia mais

Noc. Processo Penal. Data de impressão: 23/06/2009 WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA. www.conquistadeconcurso.com.br UMA PARCERIA

Noc. Processo Penal. Data de impressão: 23/06/2009 WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA. www.conquistadeconcurso.com.br UMA PARCERIA Noc. Processo Penal Prof.Maurilucio Data de impressão: 23/06/2009 UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br

Leia mais

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17 Direito Processual Penal Militar - 4ª Edição SUMÁRIO CAPÍTULO I Princípios... 13 1 Princípios aplicados no processo penal militar... 13 2 Lei do processo penal militar e sua aplicação... 15 3 Aplicação

Leia mais

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil LEI CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Parte Geral Livro I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

Leia mais

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia.

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia. Escrivao P.F Nível Superior DISCIPLINA:D.Proc.Penal Professor: Guilherme Madeira Aula 01 MATERIAL DE APOIO Processo Penal Professor Madeira Dicas: -Apenas caderno e lei na reta final! -Fazer uma prova

Leia mais

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO N.º102 /97 - P.G.J. Estabelece normas para o exercício do controle externo da atividade de Polícia Judiciária pelo Ministério Público, previsto no artigo 129, inciso VII, da Constituição Federal

Leia mais

O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais; e

O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais; e RESOLUÇÃO Nº 20/2004 - CPJ Cria a CENTRAL DE ACOMPANHAMENTO DE INQUÉRITOS POLICIAIS E CONTROLE EXTERNO DA ATIVIDADE POLICIAL, no âmbito do Ministério Público do Estado de Mato Grosso e dá outras providências.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. Regulamenta o art. 9º da Lei Complementar nº 75, de 20 de maio de 1993 e

Leia mais

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996.

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Interceptação Telefônica. II) Legislação correlata LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito Efeito suspensivo O RESE, como regra, não tem efeito suspensivo. Terá, apenas, quando a lei prever. O art. 584 do CPP 1 prevê 05 hipóteses

Leia mais

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES.

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. CURSO DIREITO DISCIPLINA PROCESSO PENAL II SEMESTRE 7º Turma 2015.1 ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. 1. DO CONCEITO DE PRISAO A definição da expressão prisão para fins processuais.

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

Polícia Federal e a Súmula Vinculante nº 14 do STF 1

Polícia Federal e a Súmula Vinculante nº 14 do STF 1 Polícia Federal e a Súmula Vinculante nº 14 do STF 1 por Carlos Eduardo Machado Mestre em Criminologia e Justiça Criminal pela London School of Economics Membro da Comissão Permanente de Direito Penal

Leia mais

26. Qual a etimologia da palavra inquérito? R. 27. O que se entende por inquérito policial militar? R. 28. Qual é a finalidade precípua do IPM?

26. Qual a etimologia da palavra inquérito? R. 27. O que se entende por inquérito policial militar? R. 28. Qual é a finalidade precípua do IPM? EXERCÍCIOS (CPPM) I- Questionário 1. Quais os arts. do CPPM que tratam da polícia judiciária Militar? 2. A que autoridades compete o exercício da PJM? 3. As atribuições da PJM serão necessariamente exercidas

Leia mais

MATERIAL DE AULA DOS DOCUMENTOS. Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em qualquer fase do processo.

MATERIAL DE AULA DOS DOCUMENTOS. Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em qualquer fase do processo. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Documentos, Indícios e Busca e Apreensão. II) Legislação correlata DOS DOCUMENTOS Art. 231. Salvo os casos expressos em lei, as partes poderão apresentar documentos em

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Penal

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Penal VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Penal Peça O examinando deverá redigir uma petição de relaxamento de prisão, fundamentado no art. 5º, LXV, da CRFB/88, ou art. 310, I, do CPP (embora os

Leia mais

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011.

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. Jorge Assaf Maluly Procurador de Justiça Pedro Henrique Demercian Procurador de Justiça em São Paulo.

Leia mais

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Direito Processual Penal 2ª Fase OAB/FGV Professora Beatriz Abraão MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da... Vara Criminal da Comarca... (especificar

Leia mais

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Medidas Assecuratórias PONTO 2: Medidas Assecuratórias em Espécie PONTO 3: Sequestro PONTO 4: Arresto 1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO

Leia mais

Liberdade Provisória

Liberdade Provisória Liberdade Provisória CF, art. 5º, inciso LXVI: ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança; Natureza jurídica: trata-se de uma contracautela

Leia mais

Aliás, ainda em âmbito ministerial, no I Encontro Criminal de 2004, a conclusão, nas ementas 73 e 84, havia sido de que:

Aliás, ainda em âmbito ministerial, no I Encontro Criminal de 2004, a conclusão, nas ementas 73 e 84, havia sido de que: Em abril de 2007, no Relatório de Pesquisa 6.2.5., este Centro de Apoio Operacional Criminal havia concluído que, do ponto de vista prático, se tratando de infração de menor potencial ofensivo a ser apurada

Leia mais

PRINCIPAIS JULGAMENTOS DE 2015 STF E STJ DIREITO PENAL E PROCESSO PENAL

PRINCIPAIS JULGAMENTOS DE 2015 STF E STJ DIREITO PENAL E PROCESSO PENAL PRINCIPAIS JULGAMENTOS DE 2015 STF E STJ DIREITO PENAL E PROCESSO PENAL Olá amigos do Sabermaisdireito.com, Segue os principais julgamentos sobre Direito Penal e Processo Penal dos Tribunais Superiores

Leia mais

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015.

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. Define os procedimentos para apuração da responsabilidade administrativa e para celebração do acordo de leniência de que trata a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de

Leia mais

S E N T E N Ç A 45.2014.4.05.8308. Sentença : Tipo A

S E N T E N Ç A 45.2014.4.05.8308. Sentença : Tipo A MANDADO DE SEGURANÇA Classe : 126 Poder Judicário Processo : 0000419-58.2014.4.05.8308 Impetrante : IURIC PIRES MARTINS Impetrado : DELEGADO DE POLÍCIA FEDERAL EM JUAZEIRO Referente : IPL n.º 0115/2013

Leia mais

3.12 Questões comentadas 3.13 Questões Cespe/UNB

3.12 Questões comentadas 3.13 Questões Cespe/UNB SUMÁRIO 1. NOÇÕES INICIAIS 1.1 Sistemas Processuais Penais 1.1.1 Sistema inquisitório 1.1.2 Sistema misto (ou híbrido) 1.1.3 Sistema acusatório 1.1.4 Modelo adotado no Brasil 1.2 Fontes do Processo Penal

Leia mais

Autores: Bruno Shimizu, Patrick Lemos Cacicedo, Verônica dos Santos Sionti e Bruno Girade Parise

Autores: Bruno Shimizu, Patrick Lemos Cacicedo, Verônica dos Santos Sionti e Bruno Girade Parise TESE: 01/13 (ÁREA CRIMINAL) Autores: Bruno Shimizu, Patrick Lemos Cacicedo, Verônica dos Santos Sionti e Bruno Girade Parise Súmula: A fixação de fiança pelo juízo ou a manutenção da fiança arbitrada pela

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

A Ação Controlada na Lei de Drogas e na Lei de Organização Criminosa. Um possível conflito de normas.

A Ação Controlada na Lei de Drogas e na Lei de Organização Criminosa. Um possível conflito de normas. A Ação Controlada na Lei de Drogas e na Lei de Organização Criminosa. Um possível conflito de normas. Gabriel Habib(*) Também conhecida como flagrante retardado, flagrante diferido ou flagrante postergado,

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. LEONARDO P. DE CASTRO, advogado inscrito na OAB sob o nº 4.329, com escritório nesta Comarca, na Avenida

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010)

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) Dispõe sobre o pedido e a utilização das interceptações telefônicas, no âmbito do Ministério Público, nos

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER ENUNCIADOS DO CONSELHO NACIONAL DOS PROCURADORES-GERAIS DOS MINISTÉRIOS PÚBLICOS DOS ESTADOS E DA UNIÃO - CNPG Sobre o CNPG: http://www.cnpg.org.br/ O CONSELHO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO - 2014. 1.4 Série: 3ª Turmas: A e B Turno: Diurno

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO - 2014. 1.4 Série: 3ª Turmas: A e B Turno: Diurno FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO - 2014 1. INFORMAÇÕES GERAIS: 1.1 Professor: Décio Antônio Piola 1.2 Departamento: Direito Público 1.3 Disciplina: Direito Processual Penal I 1.4 Série: 3ª

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo ESPÉCIES DE PRISÃO: 1. P. Penal sentença condenatória transitada em julgado 2. P. Processuais, cautelares ou provisórias antes da formação da culpa

Leia mais

JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA

JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA CONFORMAÇÃO CONSTITUCIONAL Constituição Federal (OBS: o Decreto 4.346/02 exige o cumprimento do contraditório na apuração das infrações disciplinares) Art. 92.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto Lei/.htm Página 1 de 114 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941. Texto compilado

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela. Processo Administrativo Processo Administrativo. Lei n 9784/1999. Conceito. Fases.

DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela. Processo Administrativo Processo Administrativo. Lei n 9784/1999. Conceito. Fases. Direito Administrativo UNISO 1 DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela Processo Administrativo Processo Administrativo. Lei n 9784/1999. Conceito. Fases. Processo - conjunto de atos dirigidos

Leia mais

Atividade jurisdicional na fase investigatória (busca e apreensão, quebras de sigilos, interceptação telefônica, juiz de garantias etc.

Atividade jurisdicional na fase investigatória (busca e apreensão, quebras de sigilos, interceptação telefônica, juiz de garantias etc. Atividade jurisdicional na fase investigatória (busca e apreensão, quebras de sigilos, interceptação telefônica, juiz de garantias etc.) Palestrante: Maurício Ramires 1. Questões gerais sobre a fase investigatória

Leia mais

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros 2.2.1 - Quando da lavratura dos atos das serventias, serão utilizados papéis com fundo inteiramente branco, salvo disposição expressa em contrário. A escrituração

Leia mais

Resolução CPJ nº.014/2011

Resolução CPJ nº.014/2011 Ministério Público do Estado da Paraíba Colégio de Procuradores de Justiça Resolução CPJ nº.014/2011 Regulamenta a instalação e o funcionamento no âmbito do Ministério Público Estadual do Núcleo de Controle

Leia mais

sem necessidade de transcrição. quando for de sua preferência pessoal

sem necessidade de transcrição. quando for de sua preferência pessoal Solicito informações a respeito do posicionamento jurisprudencial atualizado a respeito da necessidade de degravação dos depoimentos prestados nas audiências gravadas por meio audiovisual. Explico: a Defesa

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,

Leia mais

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1 Direito - Técnico do TRF 4ª Região É possível estudar buscando materiais e aulas para cada uma das matérias do programa do concurso de Técnico do TRF 4ª Região. Basta disciplina e organização. Sugestão

Leia mais

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA * Luis Fernando da Silva Arbêlaez Júnior ** Professora Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A Constituição Federal

Leia mais

ENUNCIADOS DA ASSESSORIA DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS DE 2009

ENUNCIADOS DA ASSESSORIA DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS DE 2009 O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o procedimento nº 2009.000.30103, da Subprocuradoria-Geral de Justiça de Planejamento Institucional, AVISA aos Membros

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941.

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941. DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941. Vide Lei nº 11.719, de 20.06.08 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que Ihe confere o art. 180 da Constituição, decreta

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO NÚCLEO DE MOSSORÓ Av. Alberto Maranhão nº 1297, Centro, Mossoró-RN Edifício Lisboa Center - Pavimento Superior dpu.mossoro@dpu.gov.br EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR DESEMBARGADOR

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei no 5.869,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA 1) A prova terá duração máxima de 3 horas. 2) Cada questão possui apenas uma resposta correta e, a marcação de mais de uma assertiva, implicará em sua nulidade. 3) Durante

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

OS ASPECTOS RELEVANTES ACERCA DO ARQUIVAMENTO DO INQUÉRITO POLICIAL

OS ASPECTOS RELEVANTES ACERCA DO ARQUIVAMENTO DO INQUÉRITO POLICIAL 10 OS ASPECTOS RELEVANTES ACERCA DO ARQUIVAMENTO DO INQUÉRITO POLICIAL Welligton Carlos da Costa Silva Acadêmico do 5 ano do curso de Direito FITL/AEMS. Suelem de Lima Alves Acadêmica do 5 ano do curso

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal HABEAS CORPUS 115.126 SÃO PAULO RELATORA IMPTE.(S) : MIN. ROSA WEBER :ZHEN HAIFANG :WU LIZHEN :ZHOU XINYOU :LIU PEIHUA :WANDERLEY RODRIGUES BALDI :DELEGADO DE POLÍCIA FEDERAL QUE ATUA JUNTO AO AEROPORTO

Leia mais

Manual Prático de Rotinas das Varas Criminais e de Execução Penal

Manual Prático de Rotinas das Varas Criminais e de Execução Penal Manual Prático de Rotinas das Varas Criminais e de Execução Penal Elaborado de acordo com o plano de gestão para o funcionamento das varas criminais e de execução penal Grupo de Trabalho para Estudo e

Leia mais

R E L A T Ó R I O. O Sr. Ministro RICARDO LEWANDOWSKI: Trata-se de. habeas corpus, com pedido de medida liminar, impetrado por

R E L A T Ó R I O. O Sr. Ministro RICARDO LEWANDOWSKI: Trata-se de. habeas corpus, com pedido de medida liminar, impetrado por HABEAS CORPUS 97.511 SÃO PAULO RELATOR : MIN. RICARDO LEWANDOWSKI PACTE.(S) : PAULO SALIM MALUF IMPTE.(S) : JOSÉ ROBERTO LEAL DE CARVALHO COATOR(A/S)(ES) : PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA R

Leia mais

BUSCA E APREENSÃO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL

BUSCA E APREENSÃO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL POLICIA FEDERAL DO BRASIL BUSCA E APREENSÃO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL VISÃO GERAL Com o intuito de que não desapareçam am as provas do crime, o que tornaria impossível ou problemático o seu aproveitamento,

Leia mais

I - nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos; (Redação dada pela Lei nº 6.416, de 24.5.

I - nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos; (Redação dada pela Lei nº 6.416, de 24.5. Art. 323. Não será concedida fiança: I nos crimes punidos com pena de reclusão, salvo ao réu maior de setenta anos ou menor de vinte e um, no caso de não ser superior a dois anos o máximo da pena cominada;

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal I. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 5º.

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal I. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 5º. PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Direito Processual Penal I Código PRO0065 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 5º II Ementário O direito processual penal. A norma: material

Leia mais

A C Ó R D Ã O Nº 70067495689 (Nº CNJ: 0434946-98.2015.8.21.7000) COMARCA DE PORTO ALEGRE AGRAVANTE LUIS FERNANDO MARTINS OLIVEIRA

A C Ó R D Ã O Nº 70067495689 (Nº CNJ: 0434946-98.2015.8.21.7000) COMARCA DE PORTO ALEGRE AGRAVANTE LUIS FERNANDO MARTINS OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO. DELEGADO DE POLÍCIA. AFASTAMENTO PREVENTIVO DO CARGO. REQUISITOS PARA A MEDIDA LIMINAR. 1. A concessão de medida liminar em mandado de segurança

Leia mais

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11.

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro Recentemente publicamos um artigo no qual

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas

A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas 1 www.oxisdaquestao.com.br A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas Texto de CARLOS CHAPARRO A transcrição jornalística de conversas telefônicas violadas é, sem dúvida, uma questão complicada.

Leia mais

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências.

Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. (Publicada no DJ-e nº 187/2010, em 11/10/2010, pág. 4-6) RESOLUÇÃO Nº 121, DE 5 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 7.018, DE 2013 Dispõe sobre o armazenamento de imagens em dispositivos de monitoramento e gravação eletrônica por meio de

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940

DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940 DECRETO-LEI Nº 2.848, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1940 Código Penal O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte lei: CÓDIGO PENAL PARTE ESPECIAL

Leia mais

.61.81.004404. : Investigação Criminal

.61.81.004404. : Investigação Criminal Procedimento : 2009.61.81.0.61.81.004404 04404-7 Autor : Ministério Público Federal Natureza : Investigação Criminal Trata-se de investigação secreta instaurada em novembro de 2003 pelo MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941. Texto compilado Vide Lei nº 11.719, de 2008 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA

Leia mais

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES PARTE II INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS: ART. 112 CPP- DUAS HIPÓTESES: ABSTENÇÃO: ARGUIÇÃO PELA PARTE: PROCESSO ESTABELECIDO PARA EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO. ART. 252 E 253

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade Milton Campos Curso: Direito Departamento: Ciências Penais FACULDADE MILTON CAMPOS Disciplina: Direito Processual Penal II Carga Horária: 80 h/a Área: Direito PLANO DE ENSINO EMENTA Atos processuais:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07)

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07) EMENTA: Orienta os juízes sobre a competência do Juizado de Violência Doméstica

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL AÇÃO PENAL PÚBLICA tem início através de uma peça que se chama denúncia. Essa é a petição inicial dos crimes

Leia mais

Marcos Paulo de Souza Miranda Promotor de Justiça

Marcos Paulo de Souza Miranda Promotor de Justiça Marcos Paulo de Souza Miranda Promotor de Justiça 225, 3º - As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas,

Leia mais

PROCESSO E JULGAMENTO DOS CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE IMATERIAL

PROCESSO E JULGAMENTO DOS CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE IMATERIAL PROCESSO E JULGAMENTO DOS CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE IMATERIAL ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado e advogado I CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE IMATERIAL Tais crimes são aqueles

Leia mais

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ 1 MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ INTRODUÇÃO Destina-se o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) a organizar, coordenar e supervisionar o estágio obrigatório para os quatro últimos semestres do curso,

Leia mais

PONTO 1: Prisão em flagrante continuação. 1. Prisão em flagrante continuação:

PONTO 1: Prisão em flagrante continuação. 1. Prisão em flagrante continuação: 1 DIREITO PROCESSUAL PENAL PONTO 1: Prisão em flagrante continuação 1. Prisão em flagrante continuação: 5) Espécies de flagrante: B) Flagrantes legais: B.1) Flagrante próprio/em sentido próprio/propriamente

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO

PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO 12 PROVA DE NOÇÕES DE DIREITO QUESTÃO 41 NÃO está correta a seguinte definição: a) DIREITO POSITIVO: o ordenamento ideal, correspondente a uma justiça superior e intrinsecamente boa e legítima. b) DIREITO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE VAGAS DE DELEGADO DE POLÍCIA DO ESTADO DO MARANHÃO PADRÃO DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS

CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE VAGAS DE DELEGADO DE POLÍCIA DO ESTADO DO MARANHÃO PADRÃO DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DE VAGAS DE DELEGADO DE POLÍCIA DO ESTADO DO MARANHÃO PADRÃO DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES DISCURSIVAS DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL 1ª Questão (Tráfico de entorpecentes

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941. Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que Ihe confere

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE CONCURSO PÚBLICO - DELEGADO DE POLÍCIA SUBSTITUTO EDITAL Nº 001/SSP/DGPC/ACADEPOL/2014

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE CONCURSO PÚBLICO - DELEGADO DE POLÍCIA SUBSTITUTO EDITAL Nº 001/SSP/DGPC/ACADEPOL/2014 Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE CONCURSO PÚBLICO - DELEGADO DE POLÍCIA SUBSTITUTO EDITAL Nº 001/SSP/DGPC/ACADEPOL/2014 SEGUNDA FASE PROVA DISSERTATIVA GABARITO DE RESPOSTAS QUESTÃO

Leia mais

Hugo Nigro Mazzilli AD V OG AD O OAB - SP n. 28.656

Hugo Nigro Mazzilli AD V OG AD O OAB - SP n. 28.656 As investigações do Ministério Público para fins penais (Artigo publicado na Revista APMP em Reflexão Ano 1, n. 4, p. 12, São Paulo, APMP, 2005) Hugo Nigro Mazzilli Advogado e consultor jurídico Procurador

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) ANEXO VI (Edital n. 02/2014-2) CRONOGRAMA SEMESTRAL 9.º PERÍODO DEPENDÊNCIA N. DATAS ATIVIDADES EQUIVALÊNCIA Disponibilização do Cronograma Semestral de atividades no átrio

Leia mais

Quanto ao órgão controlador

Quanto ao órgão controlador Prof. Ms. Cristian Wittmann Aborda os instrumentos jurídicos de fiscalização sobre a atuação dos Agentes públicos; Órgãos públicos; Entidades integradas na Administração Pública; Tem como objetivos fundamentais

Leia mais

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS Graciel Marques Tarão Assessor do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás 1. Introdução Inicialmente é preciso contextualizar o tema na Legislação Processual Penal. Dessa forma, o

Leia mais

O ÔNUS DA PROVA E O SISTEMA ACUSATÓRIO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL BRASILEIRO

O ÔNUS DA PROVA E O SISTEMA ACUSATÓRIO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL BRASILEIRO O ÔNUS DA PROVA E O SISTEMA ACUSATÓRIO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL BRASILEIRO Prof. Claudiney Alessandro Gonçalves Professor do Curso de Direito da Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Decreto-Lei n.º 86/99/M de 22 de Novembro * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Na sequência da publicação do Decreto-Lei n.º 40/94/M, de 25 de Julho, que aprova o regime de execução das medidas

Leia mais