Contos de fadas são a pura verdade; não porque nos contam que dragões e bruxas existem, mas porque nos mostram que eles podem ser vencidos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contos de fadas são a pura verdade; não porque nos contam que dragões e bruxas existem, mas porque nos mostram que eles podem ser vencidos."

Transcrição

1

2 Contos de fadas são a pura verdade; não porque nos contam que dragões e bruxas existem, mas porque nos mostram que eles podem ser vencidos. G.K. Chesterton 01

3 2013, MediaWave Brasil Tecnologia e Comunicação Ltda. Editor e edição de texto: MediaWave Editoração eletrônica: Marco Antonio Jordão Magalhães e Fabio Okawa Jornalista responsável: Karem da Silva Soares MTB RJ CTP e impressão: A[vaOnline Gráfica Produzido originalmente por IPP - Ins[tuto Profissionalizante Paulista por inicia[va do Projeto Dia de Fazer a Diferença, de cunho social e que consta do calendário rotariano, com colaboração de Ká[a Issa Drügg, Arlene Aparecida Zanardi de Camargo, todo o corpo pedagógico do Ins[tuto e pelos jovens aprendizes dos cursos regulares do ano le[vo de Copyright 2013 IPP Material para divulgação dos contos desenvolvidos pelos jovens aprendizes para o Dia de Fazer a Diferença Projeto Contar e Recontar. 1a. Edição: agosto de 2013 Impressão inicial: 500 exemplares O Conteúdo interno deste livreto foi impresso em papel Couche Mage 90g/m2 e capa em Couche Mage 170g/m2 Impresso no Brasil Telefone: E- mail: Site: 02

4 DIA DE FAZER A DIFERENÇA PROJETO CONTAR E RECONTAR 03

5 JUSTIFICATIVA O Dia de fazer a diferença consta do calendário rotariano e o IPP, sendo uma ins[tuição criada pelo Rotary Club SP Avenida Paulista, anualmente promove ações que atendam ao projeto inicial. Este ano, o Departamento Pedagógico do IPP optou por desenvolver um projeto de criação de contos, o Contar e Recontar. Este projeto jus[fica- se pela busca de resgatar e mo[var o interesse dos jovens pelos contos, pelo mundo da fantasia e imaginação; por contribuir na construção de valores, hábitos e a[tudes saudáveis; pela produção de textos com correção e significado e por planejar e executar tarefas em grupo. A realização desse projeto deve- se a inúmeras solicitações das empresas, pontuando deficiências que os jovens apresentam na escrita e na leitura. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Desenvolver o interesse pela leitura e por ouvir; desenvolver a capacidade de escrever, contar, recontar e reescrever contos; observar e respeitar a sequência lógico- temporal dos acontecimentos; realizar a revisão de textos através da releitura e da elaboração de rascunhos, promovendo a ar[culação das partes com o todo; planejar o que falta ser escrito para complementação do texto; planejar e executar tarefas em grupo, valorizando este [po de aprendizado. DESENVOLVIMENTO No primeiro trimestre, os jovens [veram aulas sobre a produção de contos. Pesquisaram novos contos e reviram contos conhecidos, trabalharam a interpretação e principalmente a criação individual. CULMINÂNCIA DO PROJETO: DIA DE FAZER A DIFERENÇA No final de abril, nossos jovens que fazem o curso durante a semana (segunda a sexta) apresentaram os contos criados por eles para os alunos do Ensino Fundamental I, da Escola Estadual Coronel Raul Humaitá Villa Nova (de 1º ao 5º ano), localizada na rua do IPP - Rua Breno Ferraz do Amaral. Os alunos que fazem o curso aos sábados apresentaram seus contos para crianças e jovens da En[dade MAESP (Movimento de Assistência aos Encarcerados do Estado de São Paulo). 04

6 AVALIAÇÃO GERAL O Projeto Contar e Recontar teve início em janeiro, inspirado nos pedidos dos gestores que pontuavam dificuldades dos jovens em escrita e leitura. Preocupamo- nos em planejar a[vidades que os auxiliassem a superar essas demandas. No início, foi um projeto cansa[vo que exigiu trabalho e dedicação, pois muitos dos jovens não gostam ou não têm o hábito de ler e de produzir textos longos. Durante as aulas de comunicação foi trabalhada a estrutura do conto como gênero literário. Os jovens pesquisaram e leram muitos contos, criaram, corrigiram, reescreveram sob supervisão dos orientadores. Como a[vidade extraclasse, visitaram a Livraria Cultura onde puderam pesquisar, ler publicações de contos de seu interesse e depois fazer uma resenha sobre o que leram. Destacamos também as questões psicológicas inerentes aos contos de fadas: as visões do bem e do mal, dos sonhos, da realidade, do final feliz, das princesas e príncipes, e a relação desses valores com o mundo do trabalho e da vida pessoal. Aos poucos, os contos foram nascendo, os ensaios começaram e junto com eles as expecta[vas foram crescendo. A Semana de Fazer a Diferença ocorre todos os anos, sempre visando o exercício da cidadania. É uma semana em que nossos jovens têm a oportunidade de produzir algo de valor, diferente e cria[vo, algo que possa ser agregado à vida pessoal e profissional, e que cada um sinta que pode ser e fazer a diferença. Foi exatamente isso que aconteceu. Obje[vo cumprido! Fizeram a diferença! A cada dia da semana, nossos jovens saíam ENCANTADOS da escola. Foi um grande sacri}cio a hora de ir embora. Sen[am- se muito felizes e nós, educadores, percebemos a realização de todos. Ficaram surpresos com as diferentes reações das crianças. Alguns disseram que ficaram impressionados com os olhares, com a atenção, com o brilho que a magia dos contos de fadas proporcionava. Mágica... assim foi nossa semana. Tivemos um encontro com príncipes que usavam uma capa feita com a cor[na do seu quarto, com fadas que [nham asas de papelão, com Brancas de Neve carecas e de salto alto, princesas com ves[dos feitos de TNT, bruxas com chapéu de cartolina, caldeirões recheados de balas e pirulitos. Enfim, os contos saíram do papel e foram parar em drama[zações nas salas de aula de uma escola pública. 05

7 ÍNDICE A CIGARRA E A FORMIGA 08 OS TRÊS PORQUINHOS 11 A AVENTURA DA MENINA HELOÍSA 14 A FORMIGA E O ELEFANTE 15 O AMOR CONCEDIDO 17 O PRÍNCIPE MAGO 19 UM MUNDO DIFERENTE DO MEU 23 GINA, A GIRAFA 24 A MOSCA E O SAPO 26 LAURA 29 JOÃO E MARIA NA CASA DA VOVÓ 31 LAGO DOS CISNES 33 RAPUNZEL 35 PINÓQUIO 37 CACHINHOS COLORIDOS 40 O GRANDE GUERREIRO 42 A BRANCA E A NEVE 44 A PRINCESA E O FERREIRO 45 A VERDADEIRA HISTÓRIA DOS TRÊS PORQUINHOS 48 ANNIE, A PRINCESA OGRA 51 AS PRINCESAS SAMIRA E AMIRA 54 BRANCA DE NEVE E OS TRÊS GIGANTES 55 FLORIBELLA E A FAMÍLLIA URSO 58 A PRINCESA DA FÁBRICA DE CHOCOLATE 60 PARA O AMOR VERDADEIRO, DINHEIRO E APARÊNCIA NÃO IMPORTAM 62 O MENINO MAL HUMORADO 66 O REINO MÁGICO 69 RAPUNZEL 70 TRÊS PROQUINHOPS ENROLADOS 73 BRANCA DE NEVE E OS SETE GIGANTES 75 CHAPEUZINHO VERMELHO 81 O PRÍNCIPE E AS PRINCESAS INFLUENTES 84 DEU A LOUCA NA CACHINHOS DOURADOS 90 A ÁRVORE MÁGICA 93 O SONHO DE SER UMA SUPER HEROÍNA 96 CHAPEUZINHO VERMELHO 98 ERA UMA VEZ UM CONTO 101 CHAPEUZINHO 105 A LOBA E AS FADINHAS 110 A VIÚVA E SUAS DUAS FILHAS 114 O ESCULTOR 117 A BRUXA CARENTE 118 PHYLIP, O GAROTO DA CADEIRA DE RODAS 120 O POTE DE OURO 121 O SONHO DE WENTOLOBY

8 CONTOS 07

9 A CIGARRA E A FORMIGA. Narrador: Era uma vez, um verão, um quintal. Lá, havia uma cigarra que não parava de cantar... Cigarra: Alá, lá, ô, ôôô, ôôô... mas que calor, ôôô, ôôô... Narrador:... E uma formiga muito arretada e trabalhadora. Cigarra: (Canta O que será de mim - Ismael Silva) Oi, dona formiga! Tudo bem? Bom dia!! Formiga: Bom dia, é? Boa tarde, porque já está muito tarde, muito tarde, muito tarde... Cigarra: Dona formiga, está tudo bem com a senhora? A senhora não para de trabalhar. Formiga: É claro que eu não paro de trabalhar, e a senhora não para de bisbilhotar. A senhora é quem deveria trabalhar, viu? Cigarra: Puxa, a senhora está um pouco estressada, deveria ficar mais calma, respirar fundo, relaxar, relaxar... Quer que eu cante uma música? Formiga: Eu já estou relaxada, só que eu preciso trabalhar para não passar fome. Cigarra: canta ( Comida - Titãs) Nesse quintal não falta nada. Tem bastante comida, dona formiga. Formiga: Sei, sei. Você fala isso, agora, porque é verão. Quero só ver quando o inverno chegar. Cigarra: Essa é boa, essa é boa. Canta ( Quando o inverno chegar, eu quero estar junto a [ ) Ah! o inverno vai demorar ainda, dona formiga. Calma, relaxa. Formiga: Ah, o senhor acha que o inverno vai demorar, é? Pois ele vai chegar logo, e será num piscar de olhos. Chega o inverno. 08

10 Cigarra: Bem que a formiga [nha razão, o inverno chegou. Eu deveria ter juntado um pouquinho mais de comida. Que frio faz aqui, que neve!! Acho que eu vou à casa dela. Canta ( Knockin' on heaven's door - Guns n Roses) e bate na porta Formiga: Quem é? Cigarra: Sou eu, dona formiga. Sou eu, a cigarra. Formiga: Ah, pode entrar... Está frio, entre. Que vento... Lá fora está muito frio, fique aqui. Cigarra: Eu achei que a senhora nem fosse me deixar entrar. Formiga: Ah! imagina, eu não tenho um coração rancoroso. Cigarra: Sabe, dona formiga, eu es[ve pensando enquanto passava um frio danado ali fora que a senhora [nha razão. No verão que vem vou trabalhar bastante pra juntar um pouquinho de comida. Formiga: Ah! dona cigarra, a senhora já trabalha. Cigarra: Trabalho? Formiga: Trabalha. Cigarra: Ah! obrigada, mas eu não sei trabalhar só sei cantar. Formiga: Mas você trabalha, cantar é um trabalho. Afinal a senhora deixa todo mundo feliz com o seu canto, dona cigarra. Cigarra: Goosteeeei, gostei! Faz todo sen[ndo, eu trabalho, eu canto. Claro... Formiga: Você pode morar aqui comigo, mas...para fazer jus a essa comida toda vai ter que trabalhar. Por isso cante... 09

11 Cigarra: É pra já (canta Tim Maia O que eu quero é sossego ) Narrador: Assim, com a cigarra quen[nha e alimentada, e a formiga calminha e relaxada a gente termina... PAP 27 Produção em grupo 10

12 OS TRÊS PORQUINHOS Era uma vez, três porquinhos. Com a grana curta por causa da miséria que recebia do INSS, o pai deles, Seu Torresmo, mandou os jovens cuidarem das próprias vidas. Cícero, o mais preguiçoso, construiu uma cabana de palha. Terminou o serviço em um dia e passou o resto do tempo jogando dominó e contando piadas para os amigos. Heitor, um pouco mais orgulhoso, mas não tão afeito a trabalho duro, derrubou algumas árvores da propriedade vizinha e construiu uma casa de madeira. Demorou uma semana e ficou sem acabamento, porque ele já havia marcado a data da open house*. Prá[co, o mais esperto chamou um DJ, suas amigas filhas do lobo e todo o povo da vila, espalhou potentes alto- falantes em suas terras e distribuiu bebida, comida e café extraforte para os convidados cur[rem o que ele chamou de "A Rave da Construção Civil". Depois de apenas 72 horas de som e trabalho dançante, Prá[co já [nha uma casa de [jolos com 4 suítes, piscina, salão de jogos, internet wireless e TV a cabo pirateada. (nesta cena o lobo entra e começa brigar com todo mundo imitando uma dança) O lobo se estressa com a situação, estraga a festa e logo após acaba apanhando de Cícero na mesa de dominó. Perdeu todas as par[das e, já sem nenhuma fichinha para apostar, ameaçou tomar a casa do porquinho preguiçoso. Cícero correu para dentro e trancou a porta. O lobo bufou, soprou e derrubou o barraco. Assustado, Cícero correu até a casa de Heitor, que con[nuava a fazer festa. Ao ver aquela cabana em melhor estado, o olho do lobo cresceu e, explodindo de raiva, anunciou: "Ei, porquinho! Se não sair desta casa podre de madeira agora, vou derrubar este resto de entulho até você chorar. Os porquinhos ignoraram o pedido. Cheio de fôlego, o lobo bufou e soprou sem esforço e botou abaixo aquela casa mal construída. Parecia que o zoológico inteiro estava na festa. Nunca se viu tanto bicho correndo pela floresta ao mesmo tempo. As galinhas que animavam a festa fugiram sem nem mesmo recolher os ovos que caíram pelo caminho. 11

13 Os dois porquinhos fugiram para a casa de Prá[co e o lobo percebeu, fulo da vida, que não [nha sobrado nem casa e nem sequer um pedaço de picanha para ele. Furioso, foi atrás de Cícero e Heitor, disposto a dar cabo da família toda. Mas eis que o lobão voltou à bela propriedade de Prá[co e ficou boquiaberto com o luxo do lugar. Deu um mergulho na piscina, arriscou algumas tacadas na mesa de sinuca e, depois de checar seus e- mails, Facebook, Whatsapp e Instagram, bateu à porta:"ei, porquinhos, eu sou lobo, não burro. Não vou derrubar essa mansão bacana. Vou é me mudar para cá com minhas filhas e vocês vão dar o fora. Ao lado dos irmãos mais fortes, Cícero se encheu de coragem e falou: "Ei, seu lobo, eu vi um vídeo falando mal de sua irmã no You tube. Há..há..há...! O lobo enlouqueceu, rosnou, uivou e começou a espancar a porta. "Abra essa porta, seu porquinho de uma figa. Você vai virar feijoada essa noite! Silêncio. "Abra logo, porquinho, eu estou avisando! Dessa vez, Heitor respondeu: "Lobo, é melhor você parar agora. Meu irmão, Prá[co, não quer saber de barulho. Às gargalhadas, o lobo retrucou: "Onde já se viu lobo com medo de leitão? Vocês estão malucos? Abra logo essa porta, porquinho miserável. Profundamente chateado, Prá[co levantou, abriu a porta e falou: Que papo é esse de Porquinho, heim? Deu três golpes de jiu- jitsu no lobo e aproveitou a carne do bicho para fazer um novo churrasco. O evento reuniu novamente muitos amigos e as casas dos porquinhos foram reconstruídas COM TIJOLOS. O Pagode rolou solto até o amanhecer. 12

14 Autor: Mr. Lemos / Adaptação orientadora Elisa PAP 27 Produção em grupo *open house - é uma festa que se oferece, para inaugurar uma nova casa. 13

15 A AVENTURA DA MENINA HELOÍSA Era uma vez, uma menina chamada Heloísa. Era uma bela menina de cabelos com cachinhos dourados que sempre usava uma jaqueta vermelha e sapa[lha de cristal. Um belo dia, resolveu pedir à mãe permissão para ir até o apartamento de sua amiga, Alice. Porém, já era noite e sua mãe não autorizou. Heloísa ficou muito chateada, mas logo se animou. Assim que sua mãe, Bela, adormecesse ela poderia sair escondido, pulando a janela e levando sua inseparável bolsa com o Iphone dentro. Bastou a mãe adormecer para que ela saísse rapidinho, pulando a janela. Andando pela rua, antes de chegar ao ponto de ônibus, encontrou seu amigo Pinóquio, um garo[nho men[roso que adorava pregar peças nos amigos. Ele conseguiu convencer Heloísa a pegar outro ônibus que não era o de seu costume, dizendo que ela chegaria mais rápido no bairro País das Maravilhas. Convencida disto, seguiu o conselho de Pinóquio. Assim que pegou o ônibus, percebeu que percorria um caminho estranho, desconhecido. De repente, o ônibus parou e dois homens mascarados entram. Heloísa acredita que aqueles homens querem assaltá- la e corre para a porta dos fundos do ônibus, desce esquecendo uma de suas sapa[lhas de cristal. Então, resolve ir para casa, arrependida de ter desobedecido sua mãe e acreditado em uma pessoa pouco confiável. Quando chega em casa, para sua sorte, sua mãe não estava acordada. Dias depois, alguém bate à porta. Heloísa vai atender, e ao abrir, se depara com um belo homem que trazia nas mãos a sapa[lha de cristal deixada para trás. Ela reconhece o homem como o ladrão mascarado. Apesar do gesto de procurá- la para devolver a sapa[lha, Heloísa ainda estava desconfiada. Ele explicou que era um mal entendido, ele voltava de seu trabalho no circo onde trabalhava em uma peça. Heloísa via a paixão com a qual ele a olhava e, então, o mascarado devolveu a sapa[lha. Aquele que ela pensou que a roubaria, na verdade roubou o seu coração. PAP 2 14

16 A FORMIGA E O ELEFANTE Era uma vez, dois amigos, a formiga e o elefante. Eram muito unidos, porém diferentes. Eles viviam na floresta de Zoonópolis. Eles eram tão companheiros e amigos que causavam inveja entre os outros animais. O animal que não gostava de ver os dois juntos, de jeito nenhum, era o Sr. Castor, o animal mais velho e respeitado de Zoonópolis. Sr. Castor, por não ter amigos, vivia só, era órfão, muito rabugento e bravo. Ele não gostava da amizade que havia entre a formiga e o elefante, porque eles eram muito diferentes e mesmo assim, se davam tão bem. Com todo seu rancor, Sr Castor monta um plano para acabar com a amizade dos dois. Como quem não quer nada, num belo dia, chama os dois para um passeio e sabendo que a formiga não pode entrar na lama, convida o elefante para brincar no lamaceiro. A formiga ficou olhando os dois se diver[ndo, sem poder brincar. Ela ficou muito triste e foi embora. Contente com o plano que estava dando certo, Sr. Castor, no dia seguinte, convidou os dois para brincar na areia, mesmo sabendo que o elefante não podia. Ele era muito grande e [nha dificuldades de andar sobre ela. Vendo a formiga e Sr. Castor brincando e fazendo túneis de areia, O elefante ficou muito triste e foi embora. Sr. Castor vendo que o seu plano [nha dado certo, segue tranquilo com sua vida triste e rancorosa. Uma semana depois, Sr. Castor percebeu que o que [nha feito não havia sido muito legal, porque o elefante e a formiga alegravam a floresta fazendo brincadeira engraçadas. Por ser um tão grande e outro tão pequeno, faziam a alegria de todos. Eram engraçados e brincalhões. Muito arrependido, o Sr. Castor decidiu fazer uma festa para os dois, com direito a muita lama e areia e, é claro, convidou todos os animais da floresta. 15

17 A formiga e o elefante ao verem aquela movimentação se aproximam e ao verem os bichos de todas as espécies brincando na areia e na lama, viram que todos eram diferentes, mas nem por isso deveriam ficar tristes e que mesmo assim seriam amigos para sempre. Sr. Castor tornou- se o novo festeiro de Zoonópolis, com muitos amigos e os principais eram o grande elefante e a pequena formiguinha. E todos viveram felizes para sempre! Moral: Amigos, amigos. Diferenças à parte, porque a diferença os completa. PAP 5 16

18 O AMOR CONCEDIDO Em um reino muito distante, vivia uma Princesa que se chamava Léia e morava com sua mãe a Rainha Dorate, no reino da Dinócia. Quando completou sete anos, Léia foi enviada à Suíça para aprender a ter postura, e um alto nível de conhecimento, porque um dia ela iria se tornar a Rainha. No dia em que completou sete anos disse para sua mãe: Minha mãe, quando eu completar vinte e um anos, prometo que serei uma boa Rainha para o nosso reino. - Eu sei que sim, minha filha! Respondeu a Rainha mãe. Quatorze anos se passaram e a princesa Léia tornou- se uma mulher linda. Ela falava várias línguas, [nha boa postura e bom gosto, mas o que faltava para Léia era um marido, que deveria ser de linhagem real. Acontece que o coração dela pertencia a Isac, um velho amigo de infância. Para agravar ainda mais esta situação, Isac era um plebeu e a única opção de Léia seria se casar com Galante, seu primo, único de linhagem real. O que ela não sabia era que Galante estava planejando sua morte depois do casamento, para se tornar rei e tomar o reino para si. Um dia antes do casamento, Galante contratou um homem mau para matar Léia, dizendo a ele: - Você matará Léia em nossa noite de núpcias, o pagamento, acertaremos depois. O que Galante não sabia era que Isac escutou tudo e pensou: Tenho que contar para minha amada que Galante planeja sua morte. Preciso evitar que o reino da Dinocia caia em mão erradas. No dia do casamento, Isac encontrou o homem mau que assassinaria Léia, e o fez contar toda a verdade na frente de todo o reino: Galante me contratou para matar Léia, porque queria tomar o reino para si! 17

19 O homem foi preso, e Galante banido do reino da Dinócia. Então, a rainha disse: - Homem, você salvou a vida de minha filha, o que devo fazer por você? - Rainha, se a senhora me nomear o novo barão do reino de Dinócia e me conceder a honra de casar com sua filha nada mais peço. Respondeu Isac. E o pedido de Isac foi atendido. Ele se tornou Rei, Léia se tornou Rainha, e viveram felizes por todo o sempre. PAP 21 18

20 O PRÍNCIPE MAGO Era uma vez, um pequeno reino chamado Joycelândia. Apesar de pequeno, era um reino feliz e agradável, com grande riqueza e governado pro um rei sábio e uma rainha muito bondosa. Perto dali, exis[a outro reino chamado Acaciolópolis. Este reino era comandado por Alexandre, o Mago, que dominava todos os outros reinos ao seu redor. Sua próxima escolha já estava feita. Ele, junto de seu exército do mal, iria dominar Joycelândia. Alexandre era mau e só vivia para fazer os outros sofrerem. O casal real de Joycelândia teve um filho. Era um belo menino. Por coincidência neste momento feliz, Alexandre, o Mago, decidiu atacar o reino. Quando o rei de Joycelândia soube da iminente guerra e que seu reino estava para ser dominado, pediu a seu servo mais fiel que levasse seu filho para a floresta localizada atrás do reino. Este servo assim o fez, mas retornou ao reino onde foi capturado. O garoto ficou abandonado na floresta. O rei e rainha de Joycelândia...bem, infelizmente, eles vieram a morrer na guerra. Assim, Alexandre, o Mago, conquistou Joycelândia que agora, tornou- se parte de Acaciolópolis. O pequeno bebê que havia ficado sozinho na floresta, chorou por horas e horas e acabou chamando a atenção dos elfos que habitavam o local. Eles encontraram o bebê e o levaram para seu grande mestre, Sr. Elfo. Sr. Elfo, decidiu que iria cuidar do bebê até que ele ficasse adulto. Fez isso porque sabia os reais mo[vos de ele ter ido parar na floresta sozinho. Sabia que era filho do Rei e deu- lhe o nome de Pietro, pois parecia um nome de realeza. Por anos, Pietro foi criado junto aos elfos, que são criaturas mágicas. Então, Pietro, mesmo sendo humano, desenvolveu habilidades mágicas que com o tempo foram melhorando. Isto só aconteceu graças a seu guardião, o Sr. Elfo. Já, um jovem rapaz com dezessete anos de idade, ele havia percebido que era diferente dos outros habitantes da floresta. Mas nunca teve coragem de perguntar. Depois de um tempo sem entender, procurou por seu guardião. Conhecendo toda a história, o Sr. Elfo explicou com detalhes tudo que havia acontecido. Pietro sen[u muita vontade de fazer jus[ça mas, Sr. Elfo lhe disse: 19

21 - Garoto, o importante é não ser dominado pela raiva. Seja sábio como foi seu pai! Isso fez com que Pietro pensasse antes de tomar qualquer decisão. Acatando o conselho, Pietro planejou o que faria. Resolveu invadir Acaciolópolis para espionar o rei. Pietro não sabia o que esperava por ele, quando saiu da floresta. Entrando no reino, ele deu de cara com quem herdaria o reino em caso de morte de Alexandre, o Mago. Ele viu a filha de Alexandre, a princesa Sarah. Era uma garota que gostava de ficar em contato com a natureza e por isso estava ali onde começava a floresta. Quando viu Pietro saindo dentre as árvores, ela se assustou, mas a curiosidade fez com que ficasse para conversar com aquele rapaz jovem que dali saia. - Quem é você e o que fazia na floresta? - perguntou Sarah. - Eu sou Pietro, príncipe de Joycelandia. Quem é você, garota? E o que faz tão afastada do centro do reino? - perguntou o rapaz. - Sou Sarah, a princesa herdeira de Acaciolópolis. Não lhe devo explicações, mas gosto das árvores e por isso estou aqui. E quanto a este reino de onde vieste, onde fica, visto que nunca ouvi falar?!?!. Pietro respondeu: - Ele deixou de exis[r, quando um rei conquistador veio e dominou o povo governado por meus pais. Aliás, eles morreram poucos dias depois que nasci. Criei- me na floresta. E pretendo tomar de volta o que sempre foi meu. - Mas que rei maldoso foi este que conquistou teu reino e ainda matou seus pais...com certeza este merece ter o mesmo fim. Retrucou Sarah. Naquele momento, sem perceber, Pietro e Sarah iniciaram uma conversa que durou muito tempo. Pietro nunca dizia quem era o rei, pois sabia que ela era filha dele. E usando da sabedoria que seu Mestre lhe aconselhou, foi descobrindo pontos fracos de Alexandre, o Mago. Além disso, acostumou- se a ir todos os dias para o reino e conversar com a princesa. Com ela teve a primeira amizade de sua vida, uma amizade que crescia com o passar dos dias. 20

22 Sarah também gostava de Pietro e por isso sempre falava sobre o que ele queria saber, dando- lhe todas as informações que precisava. Isto foi acontecendo até o dia em que descobriram algo em comum. E passaram também a se ver como mais do que amigos. Tudo começou quando Sarah disse: - Não gosto da forma como meu pai conduz o reino. É sempre malvado com os pobres e sempre tem suas festas chatas com aqueles que só falam de riquezas, bebidas e mulheres. Até hoje ele não disse o que aconteceu com minha mãe e sempre me faz ir a seus compromissos de planejamento de guerra. Ele é muito mau, não só comigo, mas com todos a seu redor. Acho que nunca irá mudar. Pietro percebeu que era a hora certa para fazer Sarah voltar- se contra seu pai. Assim disse a ela que o rei que matara seus pais, era Alexandre. Surpreendentemente, Sarah deixou- se levar pela emoção, aceitou juntar- se a Pietro em sua vingança e tomar o reino de volta. Eles planejaram o que iriam fazer. Na noite seguinte, Alexandre, o Mago, deu uma grande festa na praça central do reino. Foi o momento que Pietro encontrou para infiltrar- se no palácio. Lá, esperou pelo retorno do Rei, que por sinal apareceu meio bêbado depois da festa. Sarah havia dito aos guardas que poderiam ter o dia de folga. Pietro, com suas habilidades mágicas desenvolveu um fei[ço que mataria Alexandre, o Mago. Ele começou a dizer as palavras mágicas: - Xuuuuuuuooo bazinga chuta pedra na oreia do pei pei pei... - Nããããão! Não o mate. gritou Sarah. Eu sei que ele é muito mau, mas ainda assim é meu pai. Faça qualquer outra coisa, mas o mantenha vivo, Pietro! Quando olhou para Sarah, Pietro por conta do susto errou a úl[ma palavra do fei[ço. - Pumba!!! 21

23 E Alexandre, o Mago, não morreu! Transformou- se em uma estátua de jegue! Sarah não se importou com isso, na manhã àquele dia anunciou que seu pai havia deixado o reino misteriosamente e que não queria retornar. Ela se tornou Princesa e casou- se com Pietro. Pietro retomou Acaciolópolis que voltou a ser Joycelândia. O povo foi governado por eles com muita bondade e sabedoria, como os pais de Pietro governaram no passado. Sr. Elfo e os outros que moravam na floresta passaram a visitar o casal real no palácio. E todos foram felizes para sempre. PAP 5 22

24 UM MUNDO DIFERENTE DO MEU Era uma vez, num reino distante, uma linda Princesa chamada Rosa. Ela estava muito feliz, pois estava chegando o dia de seu casamento com o príncipe Felipe que era um rapaz bonito mas muito me[do e admirado por sua beleza. No dia do casamento, Rosa estava no jardim do palácio pensando em como seria esse dia tão especial, estava muito feliz. Era o momento muito esperado por ela. Ao aproximar- se de um poço, tentou olhar para dentro dele e caiu lá no fundo. De repente, viu- se em uma rua, nos dias de hoje, século XXI. Ela ficou tão admirada com os carros, prédios, as roupas das pessoas que até esqueceu seu casamento com Felipe. Caminhando e admirando tudo que via, ela esbarrou com Allysson, um médico bonito, humilde e solteiro. Ao vê- lo ela sen[u algo inexplicável, algo que ela nunca havia sen[do por mais ninguém, nem mesmo por Felipe. Con[nuou caminhando e quando percebeu que estava em um mundo do qual nada sabia, ficou apavorada. E onde passaria a noite? Ela sen[a fome e muita dor mas, logo, avistou um lugar para sentar. Ao atravessar a rua, foi atropelada. Com muito medo do que aconteceu o motorista correu para socorrê- la.. Mas, ela não podia imaginar que o motorista fosse Allysson. Ele perguntou algumas coisas e ela não soube responder. Ele perguntou onde ela morava, mas ela também não sabia responder, pois não conhecia nada na cidade. Ele pensou que ela havia perdido a memória e logo a levou para o hospital. O tempo passou e ela foi melhorando. Allysson conversava muito com ela e assim ela contou tudo que havia acontecido. Ele, no inicio, ficou meio assustado e sem acreditar, mas, vendo que ela não conhecia nada da realidade acreditou nela.. Quando, enfim, ela se recuperou, ele lhe disse que receberia alta e poderia deixar o hospital. Ela, sem saber o que fazer, percebeu que não queria mais voltar. Rosa descobriu que estava apaixonada por Allysson. Ela contou isso a ele, o que ela não esperava é que ele estava sen[ndo o mesmo por ela. Eles ficaram juntos. Ela se esqueceu daquele reino distante de onde veio. Esqueceu o passado, e assim, viveram felizes para sempre. PAP 5 23

25 GINA, A GIRAFA Era uma vez, uma casinha bem humilde, onde morava Gina, a girafa. Ela morava com sua mãe Anastácia, a pomba. Certo dia, Gina sai para brincar, e sua mãe da janela gritou: - Fique longe da floresta, lá é muito perigoso! Mas, Gina con[nuou seguindo, até encontrar com seu amigo Pintadinho, a zebra. Os dois brincavam, pulavam e corriam. Correram tanto que sem perceber já estavam perdidos no meio da floresta. Gina, já assustada começou a gritar: - Oláa!! Tem alguém aí?? Mas, somente o eco respondia. Anoiteceu. De repente, os arbustos começaram a se mexer e surgiram dois olhos brilhantes no escuro. Gina, assustada, dá um grito e sai correndo puxando Pintadinho. Eles correm, correm e correm e quando avistam um macaco no galho de uma árvore, param para perguntar como voltar para casa. O macaco era traiçoeiro e mostrou pra eles o caminho do Vale Sombrio. Eles não sabiam que o macaco trabalhava para João Leão, que era o rei da floresta, mas era um rei que não fazia o bem. João Leão era um rei maldoso e cruel; ele maltratava todos aqueles que julgava serem inferiores a ele. Quando o macaco chega à caverna do Leão, lhe dá a no[cia de que mandou duas crianças para o Vale Sombrio. O Leão fica feliz e animado com o jantar e imediatamente manda seus capangas buscar suas presas. Enquanto isso, lá no vale, Pintadinho fica assustado e decide pedir ajuda. Gina sai correndo atrás dele, mas ela não conseguia acompanhar, pois estava muito cansada. Acidentalmente Pintadinho deixa cair uma pedra, que bate numa rocha, que cai em cima de Gina. Ela até tentou correr, mas ficou presa pela perna. Quando os capangas do rei chegaram ao vale, foram na direção de um barulho que ouviram. Encontraram Gina presa na rocha e aproveitaram para levá- la para a caverna do leão, sem nenhum esforço trancando- a na jaula. O Macaco traiçoeiro avisa ao Leão que a presa chegou e ele vai ver sua nova ví[ma. João Leão quer mostrar que manda na floresta e rugiu bem alto para assustar Gina. 24

26 Gina estava com muito medo, e por isso começou a chorar. De suas lágrimas que caiam no chão, nasceu uma flor. De dentro da flor saiu a Lagarta Madrinha que conforta Gina dizendo que veio para ajudar. A Lagarta Madrinha abre a jaula e no SIMSALABIM cura a perna de Gina mas, infelizmente, ela só podia ajudar até ali, porque já não [nha poderes para ajudá- la a se livrar do Leão. Mesmo assim, Gina abraça a Lagarta Madrinha e agradece. Gina decidiu esperar o Leão pegar no sono e os capangas saírem da tocaia para, então, conseguir fugir em segurança. No meio da noite, Gina sai andando de fininho para não acordar ninguém. Enquanto isso Pintadinho consegue chegar até a casa de Gina e avisa Anastácia que eles se perderam na floresta e que Gina ainda estava por lá. Anastácia, então, liga para a polícia e fala com o delegado Guaxinim, que na mesma hora sai atrás de Gina com sua viatura e já pede reforços. Gina conseguiu sair da caverna, mas con[nuava perdida na floresta, que na escuridão ficava ainda mais assustadora. Ela andava, andava, mas não sabia se estava saindo ou voltando para a caverna. Mesmo assim, con[nuou andando e quando ouve o barulho da sirene, ela começa a gritar: - Socorro! Socorro!! Aqui!! Me ajudem!! Mas, com todo o barulho, acaba acordando o Leão, que ao ver que sua presa fugiu, fica muito bravo e manda seus capangas saírem atrás da fugi[va na floresta. Mas, para sorte de nossa amiguinha, os guardas já haviam cercado a caverna. Eles conseguiram prender o Leão que irá ficar um bom tempo sem as mordomias de rei. Gina enfim, volta para casa com sua mãe. Anastácia, então, fala calmamente: - Eu avisei para não ir à floresta, menina! Gina abraça sua mãe e Anastácia já adivinha: - Você deve estar morrendo de fome, não é? Pois eu preparei sua sopa preferida. E assim Gina nunca mais voltou à floresta, e viveu feliz para sempre. PAP 10 25

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

A Cigarra e a Formiga (versão Carla Flores)

A Cigarra e a Formiga (versão Carla Flores) A Cigarra e a Formiga (versão Carla Flores) CRÉDITO: Carla Cavichiolo Flores/Positivo Informática O verão terminava, e as folhas das árvores já começavam a amarelar, anunciando a chegada do outono. E lá

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

APÊNDICE A - Músicas

APÊNDICE A - Músicas APÊNDICE A - Músicas Músicas 1 GUT GUT SEM PARAR Adaptação ao meio líquido Bebeu a água da piscina toda Fui ver quem era, era o João Ele bebia a água da piscina Ele fazia gut gut gut gut gut sem parar

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

A.C. Ilustrações jordana germano

A.C. Ilustrações jordana germano A.C. Ilustrações jordana germano 2013, O autor 2013, Instituto Elo Projeto gráfico, capa, ilustração e diagramação: Jordana Germano C736 Quero-porque-quero!! Autor: Alexandre Compart. Belo Horizonte: Instituto

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira Texto Naraiany Almeida Nicole Ferreira Ilustrações Davi Vinícius dos Santos Gomes Ítalo Gabriel Pimenta Italon Antunes Barreto Jéssica Pâmela de Souza

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Colocar uma música calma infantil para preparar o ambiente para a prece. O aparelho de som está no armário baixo, onde fica a TV.

Colocar uma música calma infantil para preparar o ambiente para a prece. O aparelho de som está no armário baixo, onde fica a TV. Plano de Aula Faixa etária: Maternal/Jardim Plano de Aula : Amor ao Próximo Faixa etária : Jardim de Infância Preparativos iniciais : Recursos didáticos utilizados Início : 10 :30h Colocar uma música calma

Leia mais

Jack o jacaré APRESENTAÇÃO DOS PERSONAGENS. Curta Metragem: MOCÓ JACK Duração aprox.: 10 min. Roteiro: Luiz BoTosso & Thiago Veiga

Jack o jacaré APRESENTAÇÃO DOS PERSONAGENS. Curta Metragem: MOCÓ JACK Duração aprox.: 10 min. Roteiro: Luiz BoTosso & Thiago Veiga APRESENTAÇÃO DOS PERSONAGENS Curta Metragem: MOCÓ JACK Duração aprox.: 10 min. Roteiro: Luiz BoTosso & Thiago Veiga Jack o jacaré Nem tudo é perfeito. Essa máxima que já é antiga pode ser aplicada ao nosso

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille Água Tu és um milagre que Deus criou, e o povo todo glorificou. Obra divina do criador Recurso

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA 1ºA - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS A

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16 Super é o meu primeiro livro escrito inteiramente em São Paulo, minha nova cidade. A ela e às fantásticas pessoas que nela vivem, o meu enorme obrigado. E esse livro, como toda ficção, tem muito de realidade.

Leia mais

Catálogo Livros. Editora: Minutos de Leitura REF: LB08 PVP: 12 euros (IVA incluído)

Catálogo Livros. Editora: Minutos de Leitura REF: LB08 PVP: 12 euros (IVA incluído) Crocodilo e Girafa Este livro aborda temáticas fundamentais para o desenvolvimento da criança tais como aceitação das diferenças, tolerância à frustração, regras de convivência em grupo; o respeito pelos

Leia mais

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Projeto Gráfico Ilustra Online Revisão Trisco Comunicação Uma história de amor pelo nosso planeta. Coordenação Editorial Ler é Fundamental Produções e Projetos

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

ANTES DO FIM EPISÓDIOS 3 E 4. E-MAIL: gilfnascimento@hotmail.com

ANTES DO FIM EPISÓDIOS 3 E 4. E-MAIL: gilfnascimento@hotmail.com ANTES DO FIM EPISÓDIOS 3 E 4 E-MAIL: gilfnascimento@hotmail.com EPISÓDIO 03 Anteriormente: Célia bofeteia Álvaro e chora, mas fica para ajudá-lo, Leandro defende Laila de Caio, Marques encontra a mãe com

Leia mais

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Ilustrações: Santiago Arte: www.espartadesign.com.br Contatos

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

ortuguesa Língua Por Meu cachorro Pepe D 6/8/2009

ortuguesa Língua Por Meu cachorro Pepe D 6/8/2009 Nome: Ensino: F undamental 4 o ano urma: Língua Por ortuguesa T ata: D 6/8/2009 Meu cachorro Pepe Sou filho único, meus pais sempre trabalharam fora e como passei a infância toda na cidade do Rio de Janeiro,

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17 Capítulo 1 No qual o Mumintroll, o Farisco e o Sniff encontram o Chapéu do Papão; como aparecem inesperadamente cinco pe quenas nuvens e como o Hemulo arranja um novo passatempo. Numa manhã de primavera

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Cercado de verde por todos os lados

Cercado de verde por todos os lados Cercado de verde por todos os lados Verde-claro. Verde-escuro. Verde-musgo. Verde pálido. Verde superanimado. Verde sendo bicado por passarinhos. Verde sendo engolido por macacos. Verde subindo pelos troncos

Leia mais

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR ANO LETIVO 2012/2013 Era uma vez um peixinho azul muito pequenino, que nadava no fundo

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

Cartilha das Brincadeiras

Cartilha das Brincadeiras Cartilha das Brincadeiras Amarelinha (academia, escada, macaca, sapata) Primeiro desenhe no chão um diagrama como este aí ao lado. Quem for jogar fica no inferno e lança uma pedra, mirando no número 1.

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

A VERDADEIRA HISTÓRIA DOS TRÊS PORQUINHOS

A VERDADEIRA HISTÓRIA DOS TRÊS PORQUINHOS COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do Livro Lições de Português e de História 3º ano 3º A e B 3º C 3º D Semana de 7 a 11 de outubro quarta-feira segunda-feira terça-feira Leia o texto abaixo para realizar

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES 1ºC - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS

Leia mais

O LIVRO QUE QUERIA SER BRINQUEDO

O LIVRO QUE QUERIA SER BRINQUEDO O LIVRO QUE QUERIA SER BRINQUEDO Autora Sandra Aymone Coordenação editorial Maria Fernanda Moscheta Sílnia N. Martins Prado Ilustração Pierre Trabbold Luiz Rodrigues Revisão de texto Marília Mendes Diagramação

Leia mais

WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21

WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21 WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21 Cena 17 Jardim da casa dos Di Biasi/ Dia/ Externa O noivo já está no altar junto com os padrinhos e seus pais. Eis que a marcha nupcial toca e lá do fundo do

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa O GIGANTE EGOÍSTA Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa Todas as tardes, quando vinham da escola, as crianças costumavam ir brincar para o jardim do Gigante. Era um grande e belo jardim, todo atapetado

Leia mais

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR Numa bela manhã, nasceram seis lindos patinhos que encheram de encanto seus pais. Eram amarelinhos e fofinhos. Um dos patinhos recebeu o nome de Taco. Mamãe e papai estavam muito felizes com seus filhotes.

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

Depressão na Gravidez

Depressão na Gravidez De Depressão na Gravidez Um relato de uma mulher com Depressão na Gravidez O E-mail enviado por Gabriela, uma mulher que teve depressão durante a Gravidez e as respostas de apoio e ajudar à essa mulher.

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima. A Boneca da Imaginação. Biblioteca Popular de Afogados BPA Recife - PE

Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima. A Boneca da Imaginação. Biblioteca Popular de Afogados BPA Recife - PE Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima A Boneca da Imaginação Biblioteca Popular de Afogados BPA Recife - PE Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima Capa e pesquisa de imagens Amanda P. F. Lima A Boneca

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

Coleção Amigos da Floresta. Festa na Floresta. Patrícia Engel Secco. Ilustrações Maria Eugênia

Coleção Amigos da Floresta. Festa na Floresta. Patrícia Engel Secco. Ilustrações Maria Eugênia Coleção Amigos da Floresta Festa na Floresta Patrícia Engel Secco Ilustrações Maria Eugênia Coleção Amigos da Floresta Festa na Projeto Folclore, Alegria e Tradição Coleção Amigos da Floresta Floresta

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

Conto a Soraia Ramalli

Conto a Soraia Ramalli Conto a Soraia Ramalli (...) Não sei se a vida é pouco ou demais pra mim. Não sei se sinto demais ou de menos. Seja como for a vida, de tão interessante que é a todos os momentos, a vida chega a doer,

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da 19º Plano de Aula 1-Citação as Semana: Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. 2-Meditação da Semana: Ajudar o próximo 5 47 3-História da Semana: Uma lição a aprender 4-Música da Semana:

Leia mais

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes Primeira Edição R. Rutschka Ilustrações de: R. Rutschka Revisão de texto: P. Rull Gomes São Paulo, 2012 3 R. Rutschka 2012 by R. Rutschka Ilustrações R. Rutschka Publicação PerSe Editora Ltda. ISBN 978-85-8196-024-1

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm O LOBO E OS SETE CABRITINHOS Irmãos Grimm Era uma vez uma velha cabra que tinha sete cabritinhos, e os amava como as mães amam os filhos. Certo dia, ela teve de ir à floresta em busca de alimento e recomendou

Leia mais

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht Efêmera (título provisório) Por Ana Julia Travia e Mari Brecht anaju.travia@gmail.com mari.brecht@gmail.com INT. SALA DE - DIA. VÍDEO DE Números no canto da tela: 00 horas Vídeo na TV., 22, com seus cabelos

Leia mais