CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL III ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL III ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO"

Transcrição

1 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL III ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO ÁREA LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA INGLÊS PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. Este caderno de provas é composto de 40 questões. Confira-o todo e solicite sua substituição, caso apresente falha de impressão ou esteja incompleto. 2. Leia cuidadosamente cada questão da prova, antes de respondê-la. 3. No cartão-resposta, preencha, com caneta esferográfica preta, a quadrícula correspondente à alternativa escolhida para cada questão. 4. A resposta não será considerada se: - houver marcação de duas ou mais alternativas; - a quadrícula correspondente à alternativa escolhida não estiver completamente preenchida; - forem ultrapassados os limites da quadrícula a ser preenchida. 5. Durante as provas, o(a) candidato(a) não deverá levantar-se ou comunicar-se com outros(as) candidatos(as). 6. O candidato não poderá sair do local de realização do concurso portando este caderno de provas (Item 20.5 do Edital AGANP n. 07/2005, de 16 de dezembro de 2005). OBSERVAÇÕES: - Os fiscais não estão autorizados a fornecer informações acerca desta prova. - Se desejar, o(a) candidato(a) poderá utilizar a folha intermediária de respostas, na 3ª capa, para registrar as alternativas escolhidas. Identificação do candidato

2 2

3 CONHECIMENTOS GERAIS 3 QUESTÃO 1 Do ponto de vista da educação, o que significa, então, promover o homem? Significa tornar o homem cada vez mais capaz de conhecer os elementos de sua situação para intervir nela, transformando-a no sentido de uma ampliação da liberdade, da comunicação e colaboração entre os homens (Saviani, Educação: do senso comum à consciência filosófica). Levando-se em conta a afirmação de Saviani, é CORRETO afirmar que educar é a) desenvolver uma atividade mediadora no seio da prática social global. b) ativar as potencialidades latentes, presentes na herança biológica dos indivíduos. c) promover a apropriação do saber cultural, visando à inserção do indivíduo na sociedade. d) alterar modos de agir, concepções e representações para adaptação à sociedade civil e política. QUESTÃO 2 A tendência, hoje, é a de abolir qualquer tipo de escola desinteressada (não imediatamente interessada) e formativa, ou conservar delas tão-somente um reduzido exemplar destinado a uma pequena elite de senhores e de mulheres que não devem pensar em se preparar para um futuro profissional, bem como a de difundir cada vez mais as escolas profissionais especializadas, nas quais o destino do aluno e sua futura atividade são predeterminados (Gramsci, Os intelectuais e a organização da cultura). Refletindo sobre a história da educação com base no pensamento de Gramsci, analise a validade das proposições a seguir: I. O fenômeno educativo não é neutro nem apolítico. II. Há uma relação estreita entre trabalho, história e educação. III. O pensamento pedagógico, a partir do século XIX, deve ser compreendido não só pela análise das alterações econômicas e sociais, mas também pelo estágio em que se encontram a filosofia, as artes e as ciências. IV. A função social da educação é formar para o trabalho. Assinale a alternativa CORRETA: a) As proposições I, II e III são verdadeiras. b) As proposições I, III e IV são verdadeiras. c) As proposições II, III e IV são verdadeiras. d) Todas as proposições são verdadeiras. QUESTÃO 3 A respeito dos sistemas simbólicos, de acordo com a teoria de Vygotsky, é CORRETO afirmar: a) São referências às idéias inatas de Platão. b) Originam-se do desenvolvimento cognitivo da criança. c) Originam-se do desenvolvimento emocional da criança. d) Têm origem social e são internalizados pela criança através das interações sociais.

4 QUESTÃO 4 4 Nos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental, optou-se pela seleção de Temas Transversais relacionados às urgências apresentadas pela sociedade brasileira. Considere as proposições abaixo: I. A vinculação entre as matérias transversais e os conteúdos curriculares dá sentido a estes últimos, fazendo-os aparecer como investimentos culturais valiosos para a aproximação entre a ciência e o cotidiano. II. Os Temas Transversais são abrangentes, mas podem sofrer adaptações, de acordo com as necessidades de cada região e até mesmo de cada escola. III. Os Temas Transversais pressupõem um trabalho pedagógico espontâneo, para favorecer a integração entre as diferentes áreas do currículo. IV. A perspectiva transversal indica uma possibilidade de transformação da prática pedagógica, ao propor um rompimento da atuação do professor isolado em sua área. Assinale a alternativa CORRETA: a) As proposições I, II e III são verdadeiras. b) As proposições I, II e IV são verdadeiras. c) As proposições I, III e IV são verdadeiras. d) As proposições II, III e IV são verdadeiras. QUESTÃO 5 As teorias pedagógicas de John Dewey, Comênio e Paulo Freire apresentam abordagens educacionais diferenciadas. Considerando as concepções pedagógicas desses autores, identifique as características de suas teorias e marque a opção CORRETA: a) DEWEY COMÊNIO FREIRE As concepções de ensino e O ensino não deve ser feito O professor, por sua militância, aprendizagem da Escola Nova pela ação e nem deve ser é a figura central no processo são fundamentadas no voltado para a ação. de ensino e de aprendizagem. positivismo. O ensino deve estar voltado O ponto de partida da A educação bancária é b) para a construção da dimensão intelectual da criança. aprendizagem está no interesse do aluno. fundamental diante da crise financeira em uma sociedade opressora. Educação é a própria vida e É possível fazer o inventário O conhecimento é c) não uma preparação para a vida. metódico dos conhecimentos universais. problematizado, tendo em vista uma ação política para a solução dos problemas. O ensino deve partir de A Didática Magna representa O diálogo entre educando e d) conceitos morais e intelectuais, expostos de forma uma cuidadosa organização do método de ensino baseado no educador deve ser verticalizado e pautado nas lógica. ritmo do aluno. palavras geradoras.

5 QUESTÃO 6 5 Segundo Tomaz Tadeu da Silva, o currículo oculto é constituído por todos aqueles aspectos do ambiente escolar que, apesar de não comporem o currículo oficial explícito, contribuem de forma implícita para aprendizagens sociais relevantes. Nesse sentido, considere as proposições abaixo: I. As análises mais recentes mostram que o currículo oculto transmite valores de identidade, como por exemplo o agir como : homem ou mulher, heterossexual ou homossexual. II. Pode-se considerar que o que se aprende no currículo oculto são fundamentalmente atitudes, comportamentos e valores. III. O conceito de currículo oculto surge com a sociologia funcionalista. IV. A expressão currículo oculto e seus significados foi utilizada pela primeira vez por Bobbit, em seu livro The Curriculum. Assinale a alternativa CORRETA: a) As proposições I e II são verdadeiras. b) As proposições I, III e IV são verdadeiras. c) As proposições II e III são verdadeiras. d) As proposições II, III e IV são verdadeiras. QUESTÃO 7 Leia atentamente as afirmações sobre a organização da educação nacional e assinale verdadeiro (V) ou falso (F): 1. A União deverá elaborar o Plano Nacional de Educação. ( ) 2. A nova LDB (Lei 9.394/96) atribui às escolas a possibilidade de reclassificar os alunos de acordo com as normas curriculares gerais, o que vale também para os transferidos de escolas nacionais e estrangeiros. ( ) 3. Segundo a Constituição Federal de 1988, a educação é direito de todos e dever do Estado. ( ) 4. Com a Lei 9.394/96, a estrutura do sistema nacional de ensino passou a ter dois níveis apenas: Educação Básica e Educação Superior. ( ) Assinale a alternativa CORRETA: a) F, V, F, V. b) V, F, F, V. c) V, V, F, F. d) F, F, V, V.

6 QUESTÃO 8 6 Babette Harper et alii. Cuidado escola! Desigualdade, domesticação e algumas saídas. São Paulo, Brasiliense, p. 52 Observe a situação acima. Para lidar com esse tipo de acontecimento, ou seja, com as questões disciplinares, o professor pode a) construir, junto com os alunos, valores morais para nortear o comportamento dos estudantes. b) buscar, a partir do conhecimento sobre o problema, compreendê-lo e construir normas coletivamente. c) colocar em prática os conhecimentos da psicologia aplicados à educação. d) criar coletivamente direção, coordenação e corpo docente normas que deverão vigorar para toda escola. QUESTÃO 9 A complexidade dos processos educativos faz com que dificilmente se possa prever com antecedência o que acontecerá na sala de aula. Esse paradoxo contém um alerta: os professores devem ter o maior número de meios e estratégias para atender às diferentes demandas que aparecerão no transcurso do processo de ensinoaprendizagem. Este comentário demonstra que a) a intervenção pedagógica pode ser o resultado da improvisação, dadas a dinâmica própria da aula e a complexidade dos processos grupais de ensino-aprendizagem. b) a complexidade dos processos educativos exige do professor um amplo leque de atividades que o ajudem a resolver os diferentes problemas que a prática educativa oferece. c) é imprescindível seguir propostas de atividades articuladas e situações que favoreçam diferentes formas de relacionamento e interação dos alunos entre si e com o conhecimento. d) o professor age de forma aparentemente contraditória: por um lado, pode contar com uma proposta de intervenção suficientemente elaborada e, por outro, simultaneamente, com uma aplicação extremamente plástica e livre de rigidez.

7 QUESTÃO 10 Leia atentamente os textos abaixo: 7 TEXTO 1: A educação tem [...] a tarefa primordial de servir ao poder e não de atuar no âmbito global da sociedade e, por isso, não é nada mais do que um instrumento da dominação [...] a função da educação é a de reprodutora da desigualdade social, com um caráter dominador (Cortella, Escola e conhecimento). TEXTO 2: A educação pode, sim, servir para reproduzir as injustiças, mas, concomitantemente, é também capaz de funcionar como instrumento para mudanças (Cortella, Escola e conhecimento). TEXTO 3: Atuando no sentido de inserir os novos sujeitos no universo social, retomando e reforçando a ação da educação informal, as formas institucionalizadas da educação (as formas escolares) exercem fundamentalmente a função de reproduzir a sociedade tal qual ela existe (Severino, Filosofia da Educação). TEXTO 4: É verdade que o processo educacional consolida e reforça os processos de dominação atuantes na sociedade, à medida que seus mecanismos reproduzem sem reelaboração as referências ideológicas e as relações sociais. Mas, ao mesmo tempo, constatamos que, contraditoriamente, a educação também atua no sentido de criticar e superar esses conteúdos ideológicos e, conseqüentemente, de agir na linha da resistência à dominação (Severino, Filosofia da Educação). TEXTO 5: Ela (a educação) pode proceder a uma crítica da ideologia vigente, desmascarando-a, denunciando seus compromissos com os interesses dos grupos dominantes no interior da sociedade e gerando, então, uma nova consciência social entre os sujeitos (Severino, Filosofia da Educação). De acordo com os textos indicados acima, assinale a alternativa CORRETA: a) Os textos 1 e 3 estão relacionados com a função transformadora exercida pela educação na sociedade. b) O texto 5 está relacionado com a função conservadora exercida pela educação na sociedade. c) O texto 4 está relacionado com a função de conservação exercida pela educação na sociedade. d) Os textos 2 e 4 estão relacionados com as funções de transformação e conservação exercidas pela educação na sociedade. QUESTÃO 11 Toda escola deve ter projeto político-pedagógico próprio. Segundo o artigo 12 da LDB (Lei 9.394/96), o papel do professor é a) elaborar e executar a proposta pedagógica da escola. b) zelar pelo cumprimento da proposta pedagógica. c) participar da elaboração da proposta pedagógica. d) estabelecer estratégias de melhoramento da proposta pedagógica. QUESTÃO 12 Ao iniciar uma pesquisa, o professor deve ter um problema a ser pesquisado. Para Demo (Metodologia do Conhecimento Científico), sem problema não há pesquisa, a pergunta é a síntese do problema e dá sentido ao ato de pesquisar. Considerando essa afirmação, marque a conclusão CORRETA: a) Toda pergunta é passível de ser pesquisada. b) Uma pesquisa não precisa necessariamente dar respostas. c) As respostas são a essência da pesquisa. d) Toda pesquisa deve responder a perguntas práticas.

8 Leia a seguir duas afirmações. As questões 13 e 14 referem-se a elas. 8 AFIRMAÇÃO A A avaliação visa à verificação dos objetivos propostos em um programa escolar PORQUE verificar se os objetivos estão ou não sendo atingidos, descrevendo como, por que e de que tipo são as dificuldades e facilidades do aluno, possibilita a melhoria do ensino e uma aprendizagem efetiva. AFIRMAÇÃO B A avaliação do rendimento escolar analisa a expressão do aluno, nas áreas cognitiva, afetivo -social ou psicomotora, apresentada de forma oral, escrita, corporal e gestual PORQUE a avaliação do rendimento avalia os objetivos de um programa escolar sem enfatizar a área afetiva ou cognitiva. Se os objetivos de um dado programa envolvem a área afetiva e intuitiva, é esperado que o avaliador desenvolva procedimentos que dêem conta de analisar a expressão da aprendizagem dos alunos nessas áreas. Em contrapartida, se os objetivos propostos restringem-se à área cognitiva, os procedimentos avaliativos que serão definidos devem estar coerentes com o que se pretende. QUESTÃO 13 Em relação a essas afirmações, é CORRETO afirmar: a) Se as duas afirmações são verdadeiras, a segunda não justifica a primeira. b) Se as duas afirmações são verdadeiras, a segunda justifica a primeira. c) Se a primeira afirmação é falsa, a segunda é verdadeira. d) Se a primeira afirmação é verdadeira, a segunda é falsa. QUESTÃO 14 As concepções que embasam as duas afirmações são respectivamente: a) Tecnicista construtivista b) Tecnicista tradicional c) Tradicional tecnicista d) Tradicional escolanovista QUESTÃO 15 Piaget, em seus estudos, trabalhava com o método clínico, colocando a mesma situação-problema para diferentes crianças. Veja o seguinte exemplo: Ao perguntar para a criança A o que era a noite, recebeu a seguinte resposta: Noite é para dormir! A criança B respondeu: Noite é uma parte do dia em que o sol vai embora e fica tudo escuro. Com base no exemplo acima, é CORRETO afirmar que a criança A e a criança B estão, respectivamente, no estágio a) sensório-motor e no estágio das operações formais. b) pré-operatório e no estágio das operações concretas. c) sensório-motor e no estágio das operações concretas. d) das operações concretas e no estágio das operações formais.

9 QUESTÃO 16 9 Ser professor significa desenvolver projetos e atividades pedagógicas, questionar a própria prática e refletir sobre o fazer profissional. Alguns problemas práticos, tais como reprovação, dificuldades de aprendizagem e sociabilidade podem ser compreendidos e trabalhados a partir da pesquisa. Na proposta de formação do professor-pesquisador, entende-se que a pesquisa proporciona a) o condicionamento da prática, no sentido de observar e alterar o fazer pedagógico. b) a organização da ação docente a partir da articulação prática-teoria-prática. c) a utilização da teoria como um suporte complementar da prática. d) a modificação regular de pressupostos teóricos. QUESTÃO 17 A Internet é considerada como uma verdadeira revolução informacional e comunicacional. Por esse motivo, acredita-se no seu potencial de uso na educação. Com base nestas considerações, é CORRETO afirmar que, no campo educacional, a Internet a) disponibiliza informações e formas de comunicação diversificadas, podendo favorecer informações que contribuam para a construção do conhecimento. b) garante que a escola aproprie-se de práticas pedagógicas mais modernas e sofisticadas e assim melhore a qualidade da aprendizagem. c) substitui com vantagem o uso de outros recursos didáticos em sala de aula, pois o professor pode trabalhar o conteúdo valendo-se de imagens, sons e movimentos. d) oferece aos alunos as melhores fontes para a realização de exercícios e trabalhos escolares. QUESTÃO 18 Leia com atenção o texto abaixo: As novas tecnologias de comunicação estão cada vez mais presentes na vida cotidiana. Sem sentir, adaptamos nossa maneira de agir, de pensar, de nos comunicarmos, pela integração desses novos meios aos nossos comportamentos. Em educação, as tecnologias eletrônicas de comunicação funcionam como importantes auxiliares. Em verdade, elas já se ocupam de muitas funções educativas, a maioria delas fora dos sistemas regulares de ensino. Pessoas de todas as idades que têm acesso ao computador e à Internet utilizam esses recursos para se informar, trocar idéias, discutir temas específicos. Esses momentos, porém, de comunicação, de lazer e de auto-instrução, com base em interesses pessoais, raramente são orientados ou aproveitados nas (ou para as) atividades de ensino. Em dois mundos paralelos na escola e em atividades informais com as novas tecnologias o conhecimento é trabalhado, com fins e objetivos distintos (Kenski, Tecnologia e ensino presencial e a distância). Com base no texto, é CORRETO afirmar: a) As tecnologias de comunicação e informação, sobretudo o computador e o acesso à Internet, já são parte do cotidiano das atividades de ensino realizadas nas escolas. b) A adoção das novas tecnologias de comunicação e informação nas escolas responde apenas às pressões externas da sociedade. c) Assumir com qualidade o uso das novas tecnologias de comunicação e informação na escola significa descentralizar a prática pedagógica. d) Muitas escolas adotam o uso das tecnologias de comunicação e informação sem reflexão e sem a devida preparação dos professores.

10 QUESTÃO No trabalho do professor, a avaliação constitui uma tarefa didática e permanente, que deve acompanhar o processo de ensino-aprendizagem. Entretanto, a concepção que o professor tem de avaliação determina a escolha dos procedimentos e instrumentos que serão utilizados. Assim, entre diferentes atividades e estratégias, uma prática que atende a uma concepção de avaliação emancipatória é: a) O desenvolvimento de projetos cujos resultados são comparados com padrões de resposta. b) A organização dos alunos em grupo, para dar-lhes orientações mais adequadas. c) A realização de um diagnóstico do processo educativo, buscando aprimorá-lo. d) A organização de portfólios de aprendizagem individuais. QUESTÃO 20 ANGELI. Folha de S. Paulo, São Paulo, 15 dez. 2005, p.2. O poder das sociedades neoliberais concentra-se crescentemente nas forças de mercado, ou seja, nos grandes grupos financeiros e industriais (corporações), os quais, em combinação com o Estado, definem as estratégias de desenvolvimento, incluindo as reestruturações econômicas e os ajustes político-financeiros. As corporações transnacionais e as instâncias superiores de concentração de poder são cada vez mais constituintes, ordenadoras e controladoras da nova ordem mundial. A reorganização do capitalismo mundial impõe novas estratégias ao setor educacional, passando a educação e o conhecimento a terem centralidade na política econômica (Libâneo; Oliveira; Toschi, Educação Escolar: Políticas, Estrutura e Organização). A centralidade exposta na charge e no texto ocorre porque a) há uma preocupação com a extrema pobreza e possíveis revoluções sociais, sendo a educação uma forma de controle social. b) permite, na sociedade de classes, uma maior mobilidade social. c) consiste na capacitação da mão-de-obra e na requalificação dos trabalhadores, tornando-os emancipados. d) são bens econômicos necessários à ampliação do potencial científico e tecnológico, com conseqüente aumento dos lucros.

11 11 Em entrevista à revista Época, de 4 de abril de 2005, a diretora-executiva da Fundação Lemann e do Instituto de Gestão Educacional, Ilona Becskeházy, afirmou que um dos pontos mais polêmicos da reforma universitária é a imposição de cotas que destina 50% das vagas das universidades federais para alunos da rede pública de ensino e também para negros, índios e pardos. Leia a seguir trecho da entrevi sta e, com base nele, responda às questões de 21 a 23. Acredito que o sistema de cotas é importante e deve ser testado. Mas o problema principal é que a péssima qualidade do ensino básico não vai ser resolvida com um sistema de cotas que leve esses alunos à universidade. Numa comparação muito simples com uma fábrica, se você tem uma linha de produção com uma operação deficiente, seu sistema não funciona direito. Qual é o resultado? Você tem um produto final cheio de defeitos. Passar uma tinta em cima desses defeitos depois que o produto já saiu de linha de produção não resolve. O Brasil tem de olhar com muita atenção, e diria que até com apreensão, para a educação fundamental e se questionar sobre o que está errado, porque as pessoas precisam é de educação básica e nem todas vão chegar ao ensino superior. Elas podem parar na 8ª série, no ensino médio ou no profissionalizante. O ensino técnico é ultra-estratégico para o desenvolvimento do país, mas é tratado como uma espécie de patinho feio da educação brasileira. COTES, Paloma. A solução é básica. Entrevista com Ilona Becskeházy. Época. 4 abr. 2005, p. 23. [Adaptado]. QUESTÃO 21 A idéia principal defendida pela entrevistada é: a) O ensino técnico é uma saída para resolver a situação da educação no Brasil. b) O investimento no ensino básico é fundamental para atender às necessidades educacionais no Brasil. c) O investimento no ensino superior é estratégico para correção das falhas do ensino básico brasileiro. d) O sistema de cotas é importante e deve ser testado para a solução dos problemas educacionais brasileiros. QUESTÃO 22 Na comparação realizada pela entrevistada, a relação metafórica CORRETA é: a) Escola = tinta; aluno = linha de produção b) Universidade = tinta; ensino básico = operação deficiente c) Escola = fábrica; operação deficiente = cotas d) Cotas = tinta; ensino básico = linha de produção QUESTÃO 23 Em O Brasil tem de olhar com muita atenção, e diria que até com apreensão, para a educação fundamental e se questionar sobre o que está errado, o trecho destacado, em relação à idéia anterior, expressa a) uma intensificação argumentativa. b) uma oposição. c) uma idéia contraditória. d) uma explicação.

12 Leia os textos abaixo. As questões de 24 a 27 referem-se a eles. 12 TEXTO A São episódios como o depoimento do deputado Roberto Jefferson à Comissão de Ética da Câmara de Deputados que fazem o país avançar. Poucas vezes a televisão brasileira teve uma oportunidade de usar seu tempo de maneira tão efetivamente didática. Sim, aquela sessão foi uma verdadeira aula. Pudemos aprender algo importantíssimo para o convívio em sociedade, e que no entanto tem nos faltado sistematicamente no diaa-dia: a educação. Nunca mais seremos os mesmos. Agora, sim, sabemos como nos comportar nessas situações em que somos obrigados a revelar detalhes da intimidade, expor os podres ou ofender a honra de nosso interlocutor. É simples. Basta incluir a expressão Vossa Excelência em algum momento do diálogo, e tudo bem. Trata-se de uma lição que pode ser facilmente aplicada ao cotidiano de qualquer um de nós. Você está no trânsito e outro motorista muda de faixa sem dar sinal, fechando a sua frente, então você abre o vidro e grita, a plenos pulmões: Vossa Senhoria não sabe dirigir!. De agora em diante você sabe como desmascarar o vizinho do 302 na reunião do condomínio: Vossa Senhoria não devolve o carrinho do supermercado à garagem, que eu sei!. E se reclamarem do volume da televisão da sua filha, você já tem como devolver a acusação de maneira civilizada: E aquele cheiro de mato queimado que sobe da janela do quarto do filho de Vossa Senhoria? Hein? Eu pensava que Vossa Senhoria fosse apenas um pronome de tratamento. Agora eu entendo que seu caso é ainda mais específico. Vossa Senhoria é um pronome de tratamento ríspido. Anote aí: para denotar intimidade, use você ou tu. Em casos mais formais, prefira o senhor e a senhora. E para esculhambar vá de Vossa Senhoria, que não tem erro. FREIRE, Ricardo. Etiqueta não tem preço. Época, São Paulo, 20 jun. 2005, p TEXTO B Tantos foram os comentários mal impressionados com as primeiras transmissões das CPIs, aqueles espetáculos de falta de compostura e de outras qualidades devidas por parlamentares, que minha impressão inicial foi a de que a TV, com a melhor intenção, fazia muito mal ao Congresso. Nos dois julgamentos de recursos de José Dirceu ao Supremo Tribunal Federal, causa de tantos comentários mal impressionados com o espetáculo na arena do tribunal, quase me devolveram à idéia de que tais transmissões mais deseducam do que civilizam politicamente. Mas, a essa altura, já corrigira a conclusão inicial. A TV mostrou o que é a realidade atual do Congresso e do STF, e nada mais educativo do que o conhecimento da realidade. FREITAS, Jânio de. De olho na TV. Folha de S. Paulo. São Paulo, 27 nov. 2005, p. A5. QUESTÃO 24 O objetivo principal do texto A é a) ridicularizar o pouco domínio da modalidade padrão da língua portuguesa pelos deputados federais. b) ironizar a subversão no valor e uso do pronome de tratamento pelos deputados. c) reforçar as denúncias de falta de decoro dos parlamentares explícitas no texto. d) criticar a Comissão de Ética da Câmara dos Deputados pela fácil aceitação da linguagem não-padrão nas CPIs.

13 QUESTÃO Tendo em vista a leitura dos textos A e B, é CORRETO afirmar: a) Os textos compartilham a opinião de que a TV colabora com o avanço educacional brasileiro ao transmitir as sessões das CPIs, das Comissões de Ética e do Supremo Tribunal Federal. b) No texto A, os dois últimos parágrafos retomam a idéia expressa nos primeiros, mas com um sentido oposto a ela, o que configura um paradoxo. c) Em Nunca mais seremos os mesmos do texto A, há um pressuposto irônico de que antes de Roberto Jefferson depor na Comissão de Ética da Câmara dos Deputados, o brasileiro não tinha educação suficiente. d) O sentido da palavra educação no texto A é literalmente retomado no texto B pela frase nada mais educativo do que o conhecimento da realidade. QUESTÃO 26 No texto A, na frase e que no entanto tem nos faltado sistematicamente no dia-a-dia: a educação, no final do primeiro parágrafo, somente é possível substituir as expressões destacadas, respectivamente, por: a) Entretanto, freqüentemente, no cotidiano. b) Contanto, infalivelmente, na contemporaneidade. c) Enquanto, concomitantemente, nesse ínterim. d) Portanto, simultaneamente, na atualidade. QUESTÃO 27 As afirmações de Jânio de Freitas no texto B têm como objetivo principal a) criticar o fato de a TV transmitir à opinião pública exclusivamente os espetáculos de falta de compostura dos parlamentares. b) reforçar a idéia de que as transmissões das sessões das CPIs e do STF mais deseducam do que civilizam politicamente. c) divulgar os julgamentos de recursos de José Dirceu ao STF como causa de uma péssima impressão generalizada. d) esclarecer o papel da TV em mostrar a atual realidade do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal. Espaço para rascunho

14 QUESTÃO Leia os quadrinhos a seguir: GONSALES, Fernando. Níquel Náusea. Folha de S. Paulo. São Paulo, 13 nov. 2002, p. E7. O humor na tira é provocado a) pela exploração da relação de sinonímia entre as expressões carne humana e carne alimento. b) pela sintonia na interlocução entre o que é dito pelo garoto e o que é deduzido pela mãe. c) pela ambigüidade do termo carne para a mãe e o garoto criada pelo contexto. d) pelas diferentes relações de tratamento entre a mãe e o garoto e entre este e o cachorro. QUESTÃO 29 Considere a seguinte manchete de jornal e a validade das proposições posteriores. Passageiro que dizia ter bomba é morto a tiro nos EUA O POPULAR. Goiânia, 8 dez. 2005, p. 26. A notícia veiculada na manchete I. pressupõe uma informação que o jornal não quis ou não pode expor abertamente: a possibilidade de o passageiro ter sido morto mesmo não possuindo bomba alguma. II. apresenta um conteúdo implícito denotado pelo verbo dizer no pretérito imperfeito, usado como recurso argumentativo objetivando levar o leitor a questionar a justificativa para a morte do passageiro. III. expõe a informação de que o passageiro foi morto pela polícia sem que fosse comprovada a periculosidade do suposto homem-bomba. Marque a alternativa CORRETA: a) Apenas a proposição I é verdadeira. b) Apenas as proposições I e II são verdadeiras. c) Apenas as proposições I e III são verdadeiras. d) Apenas a proposição III é verdadeira. Espaço para rascunho

15 QUESTÃO Leia os textos abaixo, retirados de folheto de propaganda de uma loja de eletrodomésticos, distribuído por ocasião do Dia das Mães: TEXTO A Em coração de mãe sempre cabe mais um: principalmente um destes TEXTO B Várias marcas com uma só condição de pagamento: a melhor TEXTO C Nunca foi tão fácil arrumar uma cama. Veja estes preços Sobre os recursos lingüísticos usados para persuadir o consumidor, julgue as proposições abaixo: I. No texto A, há o uso da intertextualidade. II. No texto B, há o uso da antítese. III. No texto C, há o uso da ambigüidade. IV. Nos três textos, a função da linguagem está centrada na qualidade dos produtos. Assinale a alternativa CORRETA: a) Apenas as proposições I, II e III são verdadeiras. b) Apenas as proposições I, II e IV são verdadeiras. c) Apenas as proposições I, III e IV são verdadeiras. d) Apenas as proposições II, III e IV são verdadeiras. Espaço para rascunho

16 LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA - INGLÊS 16 Read texts 1 and 2 carefully. Questions 31 to 33 refer to them. TEXT 1 WHO IS A NATIVE SPEAKER? Linguists have relied on native speakers natural intuitions of grammatical accuracy and their sure sense of what is proper language use to establish a norm against which the performance of non-native speakers is measured. Native speakers have traditionally enjoyed a natural prestige as language teachers, because they are seen as not only embodying the authentic use of the language, but as representing its original cultural context as well. In recent times, the identity as well as the authority of the native speaker have been put into question. The native speaker of linguists and language teachers is in fact an abstraction based on arbitrarily selected features of pronunciation, grammar and lexicon, as well as on stereotypical features of appearance and demeanor. For example, children of Turkish parents and bearing a Turkish surname, but born, raised, and educated in Germany may have some difficulty being perceived as native speakers of German when applying for a language teaching job abroad, so entrenched is the association of one language with one national stereotype in the public imagination. The native speaker is, moreover, a monolingual, monocultural abstraction; he/she is one who speaks only his/her (standardized) native tongue and lives by one (standardized) national culture. In reality, most people partake of various languages or language varieties and live by various cultures and subcultures. Hence, we are faced once again with the old nature/culture debate. It is not clear whether one is a native speaker by birth, or by education, or by virtue of being recognized and accepted as a member of a like-minded cultural group. If the last seems to be the case, ideal nativeness and claims to a certain ownership of a language must give way to multifarious combinations of language use and membership in various discourse communities more than has been up to now assumed under the label native speaker. KRAMSH, Claire. Language and culture. Oxford: Oxford University Press, p TEXT 2 The large-scale migrations of the last decade, and the spread of English around the world, have led linguists to question the notion of native speaker and the monolingual native speaker norm in language use. Since [Indian] independence, the controversy about English has taken new forms. Its alien power base is less an issue; so is its Englishness or Americanness in a cultural sense. The English language is not perceived as necessarily imparting only Western traditions. The medium is non-native, but the message is not. In several Asian and African countries, English now has national and international functions that are both distinct and complementary. English has thus acquired a new power base and a new elitism. The domains of English have been restructured. The result is that one more frequently, and very eloquently, hears people ask, Is English really a non-native ( alien ) language for India, for Africa, and for Southeast Asia? The wider implications of this change in the ecology of world Englishes are significant: The new nativized (non-native) varieties have acquired an ontological status and developed localized norms and standards. Purists find that the situation is getting out of hand they are uncomfortable that the native speakers norms are not universally accepted. There are others who feel that a pragmatic approach is warranted and that a monomodel approach for English in the world context is neither applicable nor realistic. KACHRU, Braj B. The alchemy of English. Social and functional power of non-native varieties. In: KRAMARE, Cheris, SCHULZ, Muriel, and O BARR, William M. (Eds.) apud KRAMSH, Claire. Language and culture. Oxford: Oxford University Press, p

17 QUESTÃO Check the INCORRECT alternative, according to text 1: a) The concept of native speaker has changed recently due to the awareness that he/she is a real person who may have multilingual and multicultural experience. b) Belonging to a specific language community presupposes being born and raised in that community and sharing the same cultural values with its members. c) A native speaker is not necessarily a good language teacher just because he/she is the most authentic representative of his/her native language. d) The idea of a native speaker as one who speaks only his/her language and lives in one culture does not apply to today s concept of a native speaker. QUESTÃO 32 Choose the alternative which CORRECTLY expresses the ideas conveyed in text 2: a) The pragmatic approach is in opposition to the universal recognition of the native speakers norms and standards. b) The English language spread has contributed to the corruption of the language. c) The author advocates a new normative approach to the English language based on its Western standard varieties. d) Colonization has made the English language alien to many colonized countries around the world. QUESTÃO 33 Concerning the notion of native speaker, it is INCORRECT to affirm that both texts 1 and 2 a) agree that this is a problematic concept because of the many aspects which should be taken into account. b) show the modern questioning on the concept of the term by linguists who are committed to cultural and linguistic aspects. c) put into question the notion which considers the native speakers as the only ones who are able to establish their language norms. d) do not arrive at a consensus since each text takes a different approach to the term. QUESTÃO 34 The apostrophe was introduced into English from French in the 16 th century and became widespread during the 17 th ; but there was much uncertainty about its use, even until the middle of the 19 th century. ( ) Some people nowadays feel unsure about the correct use of the apostrophe. CRYSTAL, David. The Cambridge Encyclopedia of the English Language. New York and Melbourne: Cambridge University Press, p.203. Choose the alternative in which the use of the apostrophe is INAPPROPRIATE: a) I read Dickens s short story in yesterday s paper. It s great! b) In the 80 s there were only two-floor buildings; in 92 things changed. c) The boys toys were sent to the childrens house. d) I ve always appreciated Guns n Roses songs.

18 QUESTÃO It is not possible to tell which word class a word belongs to just by looking at it. We need to look carefully at how it behaves in a sentence. (CRYSTAL, David. The Cambridge Encyclopedia of the English Language. New York and Melbourne: Cambridge University Press, p. 207). None of the conventional categories is completely watertight : it is the nature of language essentially a fluid object to elude tight categorisation. Hence, there are many words that can be classified as different parts of speech, according to context. (THORNBURY, Scott. About Language. New York and Melbourne: Cambridge University Press, p.181). According to both statements above, analyze the pairs of sentences and choose the one in which the emphasized words belong to the same class. a) Sentence 1: I could see a woman beating her husband. Sentence 2: The husband suffered a severe beating! b) Sentence 1: The early bird catches the worm. Sentence 2: He arrived early for the meeting. c) Sentence 1: It is hard to milk the cows. Sentence 2: There was water added to milk. d) Sentence 1: That wedding party was so boring! Sentence 2: I met such a boring guy at that wedding party! QUESTÃO 36 In the sets of words below, the emphasized letters are phonetically transcribed. The phonemes which represent the sounds are classified according to their voicing, manner and place of articulation. Choose the alternative in which the transcriptions and the phonemes classifications are CORRECT: a) they, thing, the, that: voiced, interdental, fricative. b) sing, going, bank, finger: voiced, nasal, velar. c) cash, pressure, sugar, machine: voiceless, fricative, palatal. d) bridge, judge, general, prestige: voiced, affricate, palatal. QUESTÃO 37 In the English language, some words are reduced in normal speaking, e.g. the word or is unstressed and is pronounced, like the -er ending of bigger. Or is joined to the preceding word. Example:. Check the alternative in which a reduced form DOES NOT occur: a) James s box b) wet and dry c) I can see d) Did you call him? QUESTÃO 38 Concerning the role of teachers and learners in the Communicative Approach, it is CORRECT to affirm: a) The teacher is the one who provides information and controls the class. b) Both the teacher and the learner are actively responsible for the learning process. c) The learner is not supposed to solve problems and associate ideas beyond the subject matter. d) Neither the teacher nor the learner should be engaged in meaning negotiation.

19 QUESTÃO In his book of 2001, Teaching by Principles, H. Douglas Brown deals with the definitions of some terms approach, method and technique which are usually considered as key concepts in the field of language teaching. Read the table below and choose the alternative which correctly establishes the relation among the terms in it: I. Approach II. Method III. Technique 1. Games 2. A set of beliefs about the nature of language 3. A set of classroom specifications for accomplishing linguistic objectives 4. Role play 5. Repetition drills 6. Audio-lingual 7. Sociointeractionism 8. Is concerned with the role of the teacher, the learner and the material 9. Behaviorism a) I: 2, 3, 5 II: 6, 8, 9 III: 1, 4, 7 b) I: 2, 7, 9 II: 3, 6, 8 III: 1, 4, 5 c) I: 3, 4, 9 II: 1, 5, 8 III: 2, 6, 7 d) I: 2, 6, 8 II: 1, 3, 7 III: 4, 5, 9 QUESTÃO 40 In the paragraph below the Indian applied linguist N. S. Prabhu talks about some aspects concerning the language teaching process. Read it carefully and decide which proposition corroborates the author s ideas expressed in it: Perhaps, then, there is a factor more basic than the choice between methods, namely, teachers subjective understanding of the teaching they do. Teachers need to operate with some personal conceptualisation of how their teaching leads to desired learning with a notion of causation that has a measure of credibility for them. The conceptualisation may arise from a number of different sources, including a teacher s experience in the past as a learner (with interpretations of how the teaching received at that time did or did not support one s learning), a teacher s earlier experience of teaching (with similar interpretations from the teaching end), exposure to one or more methods while training as a teacher (with some subjective evaluation of the methods concerned and perhaps a degree of identification with one or another of them), what a teacher knows or thinks of other teachers actions or opinions, and perhaps a teacher s experience as a parent or caretaker. Different sources may influence different teachers to different extents, and what looks like the same experience or exposure may influence different teachers differently. (PRABHU, N. S. There Is No Best Method Why?. In TESOL Quarterly vol. 24, nº 2, Summer p. 172) a) The teacher will definitely reproduce in his/her class the methodology applied in his/her own learning. b) A good language teacher does not allow other teachers experiences and/or beliefs to interfere in his/her classroom procedures. c) The experience as a parent is essential for the language teacher to be successful in his/her teaching. d) The teacher s former experience as an educator may affect the choices he/she makes in order to achieve his/her aims.

20 20

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL III ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL III ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL III ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO ÁREA EDUCAÇÃO FÍSICA PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Só abra

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL III ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL III ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL III ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO ÁREA SOCIOLOGIA PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Só abra este

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL III ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL III ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL III ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO ÁREA ARTE / EDUCAÇÃO ARTÍSTICA PROVA OBJETIVA CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO

MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO CENTRO UNIVERSITÁRIO FIEO Osasco 2009 MARLI DA COSTA RAMOS

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA MORAIS, Luciane dos Santos Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva LAMARI, Luciano Brunelli Docente da Faculdade

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante?

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Do you know how to ask questions in English? Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Note que tanto

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

Como dizer quanto tempo leva para em inglês?

Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Você já se pegou tentando dizer quanto tempo leva para em inglês? Caso ainda não tenha entendido do que estou falando, as sentenças abaixo ajudarão você a entender

Leia mais

Descrição das actividades

Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Em Acção Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião D 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Este documento faz parte do acervo do Centro de Referência Paulo Freire. acervo.paulofreire.org

Este documento faz parte do acervo do Centro de Referência Paulo Freire. acervo.paulofreire.org Este documento faz parte do acervo do Centro de Referência Paulo Freire acervo.paulofreire.org RENATA GHELLERE PAULO FREIRE E A EDUCAÇÃO NA SALA DE AULA DO CCBEU CURITIBA Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6-A/2015 de 5 de março Disciplina: INGLÊS Código: 06 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira I, Nível

Leia mais

Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 SERVIÇO SOCIAL

Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 SERVIÇO SOCIAL assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1 Confira atentamente se

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. ALVES, Patrícia Cristina Discente do 7º Período do Curso de Pedagogia da Faculdade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL PINHO, Luis Marcelo Varoneli Graduando do curso de Pedagogia, da Faculdade de Ciências Humanas da Associação Cultural e Educacional de Garça,

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Inglês 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Continuação bienal Prova 0/2.ª Fase Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

Aula 03 Passado do to be e past continuous

Aula 03 Passado do to be e past continuous Aula 03 Passado do to be e past continuous No passado, o to be se comporta de forma semelhante ao presente, ou seja, as afirmações, negações e questões são feitas da mesma forma. Examples: I was worried

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português 1 Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português A partir do momento que você souber de cor a função de cada peça do nosso jogo de dominó, você não terá mais problemas para formular frases,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Planificação a longo prazo para o 7º ano de escolaridade. Língua Estrangeira I

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Planificação a longo prazo para o 7º ano de escolaridade. Língua Estrangeira I PLANIFICAÇÃO ANUAL Agrupamento de Escolas de Santo André, Santiago do Cacém - 135513 Escola Secundária Padre António Macedo Grupo Disciplinar / Disciplina: Ano Letivo: 2014-2015 Ciclo de Ensino: Ano de

Leia mais

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2.

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2. TeamSpeak PORTUGUES ENGLISH Tutorial de registo num servidor de TeamSpeak Registration tutorial for a TeamSpeak server Feito por [WB ].::B*A*C*O::. membro de [WB ] War*Brothers - Non Dvcor Dvco Made by:

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Validório, Valéria Cristiane 1

Validório, Valéria Cristiane 1 A INTERAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM: uma perspectiva sociocultural Validório, Valéria Cristiane 1 RESUMO As relações sociais entre o indivíduo e o mundo exterior desenvolvem-se por meio de um processo

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Competência (meta) lingüístico - comunicativa na língua inglesa através da aquisição de funções da linguagem nas quatro habilidades (ouvir, falar, ler, escrever). Introdução à Fonética e Fonologia.

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

Vaporpunk - A fazenda-relógio (Portuguese Edition)

Vaporpunk - A fazenda-relógio (Portuguese Edition) Vaporpunk - A fazenda-relógio (Portuguese Edition) Octavio Aragão Click here if your download doesn"t start automatically Vaporpunk - A fazenda-relógio (Portuguese Edition) Octavio Aragão Vaporpunk - A

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC PROF MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ/SP Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias Componente Curricular: Inglês Série:

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 A avaliação da escola é um processo pelo qual os especialistas (diretor, coordenador pedagógico) e os professores

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão PELOZO, Rita de Cássia Borguetti Docente da FAHU/ACEG RESUMO: O presente trabalho procura evidenciar a importância

Leia mais

Roteiro de Recuperação Língua Inglesa 6º ano

Roteiro de Recuperação Língua Inglesa 6º ano Roteiro de Recuperação Língua Inglesa 6º a Professor (es) da Disciplina: Christiane Bernardini Lourenço Data: / /15 3º TRIMESTRE Alu(a): Nº: A: 6º a Fundamental II Período: Matuti EM CASA: Revise o conteúdo

Leia mais

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO 63 TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO CARLOS FERNANDO DE ARAUJO JR 1 ÁDERSON GUIMARÃES PEREIRA 2 RESUMO O trabalho procura demonstrar que a aplicação das tecnologias

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. UNITINS CONCURSO PÚBLICO N 001/2014 NÍVEL SUPERIOR COMISSÃO DE CONCURSO E SELEÇÃO REDAÇÃO 22/6/2014 - das 14h às 18h Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA AUXILIO NA EDUCAÇÃO MUSICAL

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA AUXILIO NA EDUCAÇÃO MUSICAL DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA AUXILIO NA EDUCAÇÃO MUSICAL Mário Giusti Prof. Cristóvam Emílio Herculani Tecnologia em Informática para a Gestão de Negócios Faculdade de Tecnologia de Garça (Fatec)

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL Resumo Fabiana Antunes Machado 1 - UEL/PR Rosana Peres 2 - UEL/PR Grupo de trabalho - Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Capes Objetiva-se

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA COMUNIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL A IMPORTÂNCIA DA COMUNIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL SANTOS, Ananda Ribeiro dos Discente do Curso de Pedagogia da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva CERDEIRA, Valda Aparecida Antunes Docente

Leia mais

Como testar componentes eletrônicos - volume 1 (Portuguese Edition)

Como testar componentes eletrônicos - volume 1 (Portuguese Edition) Como testar componentes eletrônicos - volume 1 (Portuguese Edition) Renato Paiotti Newton C. Braga Click here if your download doesn"t start automatically Como testar componentes eletrônicos - volume 1

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

A COMPREENSÃO DO SISTEMA DE ESCRITA: CONSTRUÇÕES ORIGINAIS DA CRIANÇA E INFORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS ADULTOS

A COMPREENSÃO DO SISTEMA DE ESCRITA: CONSTRUÇÕES ORIGINAIS DA CRIANÇA E INFORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS ADULTOS A COMPREENSÃO DO SISTEMA DE ESCRITA: CONSTRUÇÕES ORIGINAIS DA CRIANÇA E INFORMAÇÃO ESPECÍFICA DOS ADULTOS SILVA, Aparecida Joana Darc de Oliveira SILVA, Eloisa Mariângela de Oliveira E-MAIL: a-nogueira-silva@uol.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

Relatório completo de proficiência da língua inglesa

Relatório completo de proficiência da língua inglesa Relatório completo de proficiência da língua inglesa 1 2 Entenda a avaliação Nesta avaliação de proficiência de inglês como língua estrangeira, quantificamos e identificamos o nível e perfil atual do candidato,

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Inglês 6º Ano de Escolaridade Prova 06 / 2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 90 minutos. 2014 Prova 06/ 2.ª F.

Leia mais

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA Neide Cesar CRUZ Universidade Federal de Campina Grande Resumo: Este estudo de pequeno porte focaliza as crenças que graduandos

Leia mais

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio Teste Intermédio de Inglês Parte IV Interação oral em pares Teste Intermédio Inglês Guião Duração do Teste: 10 a 15 minutos De 25.02.2013 a 10.04.2013 9.º Ano de Escolaridade D TI de Inglês Página 1/ 7

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio EtecPaulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Área do conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias Componente curricular: Inglês Série:

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

In this lesson we will review essential material that was presented in Story Time Basic

In this lesson we will review essential material that was presented in Story Time Basic Portuguese Lesson 1 Welcome to Lesson 1 of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - NAP CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as ações do

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais