UNICENP CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA CURTA PUBLICITÁRIO: UM ESTUDO DE CASO BMW FILMS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNICENP CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA CURTA PUBLICITÁRIO: UM ESTUDO DE CASO BMW FILMS"

Transcrição

1 UNICENP CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA CURTA PUBLICITÁRIO: UM ESTUDO DE CASO BMW FILMS CURITIBA 2007

2 ADRIANE RODINSKY BORDIN AUGUSTO DE LAVIGNE BRUNO REGO BARROS DE ALMEIDA LEITE HENRIQUE BUENO RIBAS RIBEIRO THIAGO RODRIGO ROTHSTEIN CURTA PUBLICITÁRIO: UM ESTUDO DE CASO BMW FILMS Monografia apresentada como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda, Centro Universitário Positivo UnicenP. Orientador: Prof.º Eduardo Baggio CURITIBA 2007

3 ii

4 Dedicamos este trabalho a toda e qualquer forma de realização cinematográfica e a James Brown (in memoriam) the godfather of soul iii

5 Agradecemos ao nosso grande amigo e orientador, Eduardo Baggio e a todos que nos ajudaram e apoiaram durante toda a nossa trajetória acadêmica. iv

6 Discute-se muito o propósito do que deve ser o conteúdo de um filme: devemos nos ater ao divertimento ou informar o público sobre grandes problemas sociais do momento? Fujo dessas discussões como o diabo foge da cruz. Acho que todas as individualidades devem se exprimir e que todos os filmes são úteis, sejam formalistas ou realistas, barrocos ou engajados, trágicos ou ligeiros, modernos ou obsoletos, em cores ou em preto-e-branco, em 35mm ou em super-8, com estrelas ou desconhecidos, ambiciosos ou modestos... Só conta o resultado, isto é, o bem que o diretor faz a si próprio e o bem que faz aos outros. François Truffaut v

7 SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES... viii RESUMO... ix 1 INTRODUÇÃO... p. 1 2 REFERENCIAL TEÓRICO... p NARRATIVA E LINGUAGEM AUDIOVISUAL... p Narrativa Audiovisual... p Linguagem Audiovisual... p O CINEMA CLÁSSICO... p A Narrativa Clássica p A Linguagem Cinematográfica Clássica.. p A decupagem clássica e a montagem clássica... p Cinema Clássico Hoje Uma Nova Hollywood Pós-Clássica?... p PUBLICIDADE UM DISCURSO DA SEDUÇÃO... p Publicidade Audiovisual.. p O filme publicitário p Narrativa no filme publicitário... p Linguagem no filme publicitário.. p Advertainment O Futuro da Publicidade?... p METODOLOGIA DE ANÁLISE... p BMW FILMS... p TONY SCOTT BIOGRAFIA E FILMOGRAFIA... p BEAT THE DEVIL... p ANÁLISE DO OBJETO DE ESTUDO... p NARRATIVA... p CARRO COMO PERSONAGEM... p LINGUAGEM... p DIRETORES E ESTRELAS.. p ASSINATURA.. p ELEMENTOS PUBLICITÁRIOS... p VEICULAÇÃO.. p. 56 vi

8 5.8 QUADRO COMPARATIVO: CINEMA CLÁSICO, FILME PUBLICITÁRIO p. 58 E CURTA PUBLICITÁRIO... 6 CONCLUSÃO... p. 59 REFERÊNCIAS... p. 61 ANEXOS... p. 64 vii

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 PLANO 5... p. 43 FIGURA 2 PLANO 6... p. 43 FIGURA 3 PLANO p. 43 FIGURA 4 PLANO p. 46 FIGURA 5 PLANO p. 46 FIGURA 6 PLANO p. 46 FIGURA 7 PLANO p. 48 FIGURA 8 PLANO p. 48 FIGURA 9 PLANO p. 48 viii

10 RESUMO Curtas publicitários são filmes de curta metragem de ficção realizados por grandes marcas e empresas, que buscam divulgar sua marca e valores por meio do advertainment a publicidade como entretenimento. O cinema clássico e o filme publicitário são as bases desse novo formato audiovisual. É inovador por unir objetivos publicitários e mercadológicos com uma narrativa e linguagem do cinema clássico por um meio diferenciado de exibição, a internet. O curta publicitário busca atrair o consumidor com um conteúdo interessante e diferente consumidor que agora vira espectador e divulgador. Essa ferramenta publicitária é um novo formato audiovisual como mostra o estudo de caso da série BMW Films projeto pioneiro no uso de curtas publicitários. Para o estudo, foi analisado o filme Beat the devil, dirigido por Tony Scott. Este novo formato se caracteriza por apresentar uma somatória de características singulares quanto a sua narrativa, linguagem, seu modo de veiculação, que se juntam com a finalidade de atingir objetivos publicitários e mercadológicos. Palavras-chave: curta publicitário; advertainment; BMW Films; cinema clássico. ix

11 1 INTRODUÇÃO Antes de tudo, devemos esclarecer o termo criado para a explicação do nosso objeto de estudo. Denominamos curtas publicitários os filmes de curta metragem de ficção feitos por grandes marcas e empresas, que buscam divulgar seus valores e produtos de uma maneira diferenciada, por meio do chamado advertainment união dos termos advertising (propaganda) e entertainment (entretenimento). Esses filmes são veiculados, em sua maioria, na internet, em sites como YouTube e Google Vídeo ou em hot sites das próprias marcas. É o consumidor/espectador que busca assisti los e, muitas vezes, divulga esses filmes para outros consumidores/espectadores, criando assim a viralização do conteúdo. Caracterizamos os curtas publicitários como um formato derivado de dois gêneros distintos: dos filmes publicitários e o do cinema clássico. Entende-se que gênero é composto de uma miríade de formas reconhecidas, agrupadas numa dinâmica interna (CAMPBELL; JAMIESON apud SOUZA, 2004). Souza, para explicar o termo formato, utiliza a filosofia de Aristóteles: (...) a realidade consiste em várias coisas isoladas, que representam em uma unidade de forma e substância. A substância é o material de que a coisa se compõe, ao passo que a forma são as características peculiares da coisa. (GAARDER apud SOUZA, 2004, p. 45) Cada vez mais esse formato vem sendo utilizado por diferentes marcas e empresas, dos mais diferentes segmentos comerciais. Marcas como BMW, Pirelli, Volvo e Microsoft já fizeram ações com curtas publicitários. Para entender este formato, analisamos a série BMW Films, criada pela agência Fallon Worldwide, entre os anos de 2001 e Foi a série precursora no uso de curtas publicitários. No total, foram realizados oito filmes, dirigidos por grandes nomes do cinema hollywoodiano e mundial. Para uma análise mais aprofundada nos aspectos narrativos e de linguagem dos curtas publicitários, escolhemos como objeto de estudo o filme Beat the devil, realizado pelo diretor Tony Scott, para a série. Buscamos constatar se o curta publicitário é um novo formato audiovisual. Também buscamos entender quais as suas principais características e compreender como ele está inserido no contexto da publicidade.

12 2 2 REFERENCIAL TEÓRICO Primeiramente, entenderemos os conceitos de narrativa e de linguagem em uma obra audiovisual. A partir disso, podemos estudar e caracterizar as bases do nosso estudo: o cinema clássico e o filme publicitário tradicional. Escolhemos o cinema clássico porque é a forma mais difundida, conhecida e estudada de realização cinematográfica. Já foi estudado por diversos autores, das mais diferentes escolas e linhas de pensamentos. Podemos afirmar que o cinema clássico é parâmetro de comparação e de inovação para qualquer outra obra audiovisual. Outra razão para essa escolha é o fato de que todos os diretores escolhidos para realizar o BMW Films com exceção de Won Kar Wai trabalham ou já trabalharam com o cinema clássico. Também entenderemos a publicidade audiovisual e o filme publicitário tradicional, por se tratar do principal formato de publicidade audiovisual existente, além de ser uma importantíssima ferramenta publicitária. Logo em seguida, contextualizamos algumas mudanças sofridas no modelo de publicidade tradicional e discutimos o conceito de advertainment. A partir disso, partimos para a análise do filme Beat the devil, curta publicitário dirigido por Tony Scott para o projeto BMW Films. 2.1 NARRATIVA E LINGUAGEM AUDIOVISUAL Narrativa Audiovisual Podemos dizer que a narrativa audiovisual começou com o cinema, o primeiro meio de exploração audiovisual. O grande teórico e idealizador de uma narrativa audiovisual foi D. W Griffith, a partir de 1915 (VANOYE; GOLIOT-LÉTÉ, 1994). Griffith, por sua vez, foi influenciado por Charles Dickens e a narrativa de romances. Griffith, aliás, reivindicou explicitamente Dickens para justificar algumas de suas ousadias narrativas. Assim, o cinema, a princípio situado sob a influência predominante da cena teatral (espetáculos populares, depois teatro clássico: ver O assassinato do duque de Guise, 1908), de sua decupagem em quadros e do ponto de vista que oferece sobre a história

13 3 contada (cenas filmadas frontalmente dominam a produção até os anos 20), vê suas formas narrativas conquistadas pelo romance. (VANOYE; GOLIOT-LÉTÉ, 1994, p. 26) O professor da UFRGS e sócio da Casa de Cinema de Porto Alegre principal produtora de cinema nacional Giba Assis Brasil (2002) define a narrativa audiovisual de maneira clara e objetiva. Para ele, a narrativa audiovisual nada mais é do que a narrativa comum com os aspectos que a cabem (personagem, objetivo, conflito e resolução), só que captada pela lente de uma câmera Linguagem Audiovisual Assim como a narrativa audiovisual, podemos afirmar que a linguagem audiovisual foi inaugurada com o primeiro meio audiovisual da história: o cinema. Um dos maiores estudiosos de linguagem, Christian Metz, em seu livro Linguagem e Cinema, resume a linguagem cinematográfica como (...) conjunto de todos os códigos cinematográficos particulares e gerais, razão pela qual negligenciam provisoriamente as diferenças que os separam, e se trata seu tronco comum, por ficção, como um sistema real unitário. (METZ, 1980, p. 79) Mas a linguagem audiovisual não se resume apenas à ficção. Já no início da utilização do cinematógrafo pelos irs Lumière, uma linguagem documental era usada. Documentários primitivos como A saída da fábrica ou A Chegada do trem na estação tinham a pretensão de captar a realidade sem interferir nela (...). (BRASIL, 2002) Além disso, com o surgimento da televisão e a necessidade de promover produtos nessa nova plataforma, outra linguagem foi desenvolvida: os comerciais. Essa linguagem se caracteriza pelo objetivo de vender alguma coisa. (...) qualquer spot de publicidade veicula a mesma mensagem de base que será formulada: Comprem o produto X.. (VANOYE; GOLIOT-LÉTÉ, 1994, p. 108) Podemos resumir essas definições da seguinte maneira: a narrativa audiovisual se define pelo que é contado (história, trama, personagens, etc.), ao passo que a linguagem audiovisual é a maneira como ela é mostrada para a câmera (planos, enquadramento, montagem, efeitos especiais, etc.).

14 4 2.2 O CINEMA CLÁSSICO O cinema é uma arte. Porém é também uma indústria. Essas duas características aparentemente opostas formam a natureza do cinema. Para Marcel Martin, essa natureza dúbia do cinema traz algumas características e aspectos que, muitas vezes, são armas contra a sua própria natureza: (1) fragilidade, (2) futilidade e (3) facilidade. É frágil (1) porque está preso a um suporte material extremamente delicado e apresenta a possibilidade de estragos com o passar dos anos; é a arte mais nova que existe e somente há pouco tempo passou a ser um objeto de registro legal com pouco reconhecimento moral dos seus autores; por ser considerado uma mercadoria, o proprietário tem o direto de destruir suas cópias como bem entender; por estar submetido às vontades e ao uso do sistema capitalista, que afeta a liberdade criadora de seus realizadores. (MARTIN, 2003,p. 14) É fútil (2) por ser a mais nova das artes, baseada em uma técnica de reprodução mecânica da realidade; é considerado pela grande maioria do público uma simples diversão; a censura, os produtores, os distribuidores e os exploradores podem cortar e mexer nos filmes; pode ser assistido em uma tela que não corresponde ao formato original do filme; e todo mundo se considera apto a lançar juízos de valor, o que torna o consenso crítico algo difícil de se chegar. (MARTIN, 2003, p. 14) É fácil (3) por se apresentar, em sua grande maioria, através de melodramas, do erotismo ou da violência, que nas s de poderosos torna-se um instrumento de imbecilização. (MARTIN, 2003, p. 14) Porém, para Bernardet, interpretações pessimistas do cinema são insuficientes, afinal, se tantas pessoas gostaram desses filmes, é que eles só podiam ter algo que as interessasse. (BERNARDET, p. 78, 2001) Os filmes propõem sonhos e fantasias, tocam em uma vontade de sonhar, em aspirações, em medos, angústias e inseguranças da grande maioria das pessoas. Assim, independente do seu caráter artístico, a produção cinematográfica é em sua grande maioria uma mercadoria. Um tipo de mercadoria da qual são feitas diversas cópias que são exibidas em diferentes salas de cinema. Envolve um

15 5 mercado que se estrutura, basicamente, em três níveis: produtor, distribuidor e exibidor o que circula nunca é uma mercadoria concreta, mas seus diretores. O distribuidor não é proprietário das cópias, ele comercializa direitos de exibir, como o exibidor comercializa o direito de assistir. (BERNARDT, p. 30, 2001). Assim, para Bernardet, o cinema é: (...) uma mercadoria abstrata que se assemelha não ao quadro ou ao livro, mas a uma mercadoria tipo transportes públicos. Quando se compra uma passagem, não se adquire um ônibus ou um avião, mas sim o direito de ocupar uma poltrona para ser transportado de um lugar para outro. O cinema tem outra característica em comum com os transportes públicos: é uma mercadoria que não se estoca e é iminentemente perecível. (...) Às dezoito horas, a bilheteria não pode vender entrada para determinada poltrona que sobrou na sessão das quatorze horas; a poltrona que não foi ocupada, nunca mais será ocupada; na sessão seguinte, será uma outra oferta.(bernardet, p , 2001) O cinema como mercadoria e fábrica de sonhos encontra o seu ápice no chamado cinema clássico. A expressão cinema clássico está estritamente ligada aos filmes produzidos por Hollywood, a indústria que criou e consolidou esse tipo de cinema. O conceito de clássico no cinema não é igual ao conceito de clássico na literatura ou nas artes plásticas, mas se aproxima destes "ao menos no sentido de que o classicismo, em qualquer arte, sempre se caracterizou pela obediência a normas extrínsecas. (BORDWELL, 2005, p. 295) Assim, o que caracteriza filmes do cinema clássico são, basicamente, similaridades de linguagem e, principalmente, de narrativa. Não devemos esquecer que uma importante característica do cinema clássico é o seu modo de produção o chamado star system. Nesse sistema, os filmes são produzidos por grandes estúdios, que, através de produtores executivos, controlam toda a produção cinematográfica roteiro, escolha de diretores, distribuição e divulgação do filme. A expressão star system vem das produções glamourosas e que, geralmente, contam com a atuação de grandes estrelas de Hollywood. Essas estrelas são produtos desse sistema e tem um papel fundamental nos filmes produzidos por essa indústria, sendo objetos de culto, exaltação e, muitas vezes, a razão de um filme. Porém, não queremos analisar o poder de sedução das estrelas,

16 6 queremos apenas destacar aqui a sua importância no cinema clássico, principalmente na comercialização de um filme. 1 Não podemos negar também que esse sistema de produção e o produto gerado através dele filmes do cinema clássico têm uma importância ideológica, mercadológica e política para os Estados Unidos, sendo usados como forma de propaganda 2 dos valores da sociedade norte-americana e de suas ideologias. Porém, nosso foco não é analisar esse modo de produção ou sua influência na sociedade, mas sim analisar como esse formato se constitui, a partir da sua narrativa, da sua linguagem e do seu modo de veiculação. Podemos agora analisar a narrativa clássica e a linguagem cinematográfica clássica (estilo 3 ), para em um segundo momento, contextualizarmos esse cinema clássico na contemporaneidade, analisando também o seu modo de veiculação e exibição A Narrativa Clássica Para estudar a narrativa clássica, não podemos fugir do autor que melhor a descreveu: David Bordwell. Analisaremos esse conceito baseados no artigo "O cinema clássico hollywoodiano: normas e princípios narrativos, escrito por Bordwell em 1985, a partir do seu livro com co-autoria de Janet Staiger e Kristin Thompson, intitulado The classical Hollywood cinema. Esse livro é tido como a obra máxima sobre o cinema americano, analisando os filmes feitos por Hollywood entre os anos de 1917 e 1960, considerados os anos dourados do cinema clássico. Para Bordwell, a narrativa clássica pode ser definida em algumas características principais: (...) personagens bem-definidos e com objetivos claros; ações linearmente organizadas no que tange a causa e efeito; a unidade de ações de tempo e espaço no interior de cenas e seqüências; subserviência do estilo às necessidades de exposição da história; e comunicabilidade e a redundância. (MASCARELLO, 2006, p. 340) 1 Para um aprofundamento nessa questão, ler o livro As estrelas: mito e sedução no cinema de Edgar Morin. 2 Segundo Armando Sant Anna, propaganda compreende a idéia de implantar, de incluir uma idéia, uma crença na mente alheia. (SANT`ANNA, 2001, p. 75) 3 David Bordwell usa o termo estilo para designar linguagem.

17 7 Em uma narrativa clássica, o personagem é o principal agente de causa e efeito, que sempre tem um objetivo claro e bem estabelecido. Encontramos nesse personagem traços, qualidades, comportamentos e características muito bem definidas esperamos um determinado tipo de comportamento de cada personagem criando assim um estereótipo. O próprio sistema de produção dos grandes estúdios (star system) privilegia a criação estereotipada, sempre com os mesmos atores interpretando os mesmo tipos de personagens, criando assim a estrela de cinema. A estrela de cinema é deusa. O público a torna assim, mas quem a prepara, apronta, modela, propõe e fabrica é o star system. (MORIN, p. 74, 1989). Durante todo o filme, acompanhamos a sua trajetória em busca da realização do objetivo, e "nessa sua busca, os personagens entram em conflito com outros personagens ou com circunstâncias externas. A história finaliza com uma vitória ou derrota decisivas, a resolução do problema e a clara consecução ou nãoconsecução dos objetivos." (BORDWELL, 2005, p ) Outra característica da narrativa clássica é a linearidade, não necessariamente em uma ordem cronológica. Geralmente se tem um panorama geral do local, o tempo e a apresentação dos personagens nas cenas iniciais do filme clássico. Essas cenas já demonstram os objetivos que os personagens têm que alcançar e mostram alguma ação para a próxima cena, algo pendente para a próxima seqüência. Essa pendência, geralmente marcada por um "gancho de diálogo", é o que gera novas motivações e linhas causais. "No curso de sua ação, a cena clássica prossegue, ou conclui, os desenvolvimentos de causa e efeito deixados pendentes em cenas anteriores, abrindo, ao mesmo tempo, novas linhas causais para desenvolvimento futuro. (BORDWELL, 2005, p. 282) A narrativa clássica é normalmente onisciente, com um alto grau de comunicabilidade, e é apenas moderadamente autoconsciente. "Ou seja, a narração sabe mais do que qualquer um dos personagens ou todos eles, esconde relativamente pouco (basicamente o que vai acontecer a seguir ) e quase nunca reconhece que está se dirigindo ao público." (BORDWELL, 2005, p. 285) Se ocorrer algum lapso temporal, sempre somos informados sobre isso (através do diálogo entre alguns personagens, da montagem, ou de outras formas). A narração clássica nos fornece indicações para a construção da temporalidade, da especialidade e da lógica (causalidade, paralelismo) da história, sempre de modo a fazer com que os

18 8 eventos à frente da câmera sejam nossa principal fonte de informações (BORDWELL, 2005, p. 289). Assim, o cinema clássico privilegia a narrativa (a história, ou, para Bordwell, a fábula) e todo o entendimento da mesma. Normalmente, todos os conflitos são resolvidos, sabemos o destino dos personagens, não ficamos com nada "pendente". Há duas maneiras de compreender o final clássico. Podemos entendê-lo como o coroamento da estrutura, a conclusão lógica de uma cadeia de eventos, o efeito final da causa inicial. (...) Entretanto, uma série de exemplos de solução de roteiro imotivadas ou inadequadas sugere uma segunda hipótese: a de que o final clássico não é na verdade tão decisivo do ponto de vista estrutural, surgindo como um ajuste mais ou menos arbitrário de um mundo desarranjado no curso dos oitenta minutos. De acordo com Parker Tyler, Hollywood considera todos os finais como puramente formais, convencionais e, geralmente, como uma charada com lógica infantil. (BORDWELL, 2005, p. 283) Esses são os principais elementos e as características de uma narrativa clássica. Analisaremos agora como se constitui a linguagem clássica, ou seja, a maneira como a história é mostrada A Linguagem Cinematográfica Clássica Para estudar a linguagem clássica, continuaremos utilizando Bordwell, além de dois outros autores: Marcel Martin, com A Linguagem Cinematográfica e Ismail Xavier, com O Discurso Cinematográfico: a opacidade e a transparência. É através deles que afirmamos que existe sim uma linguagem cinematográfica. Convertido em linguagem graças a uma escrita própria que se encarna em cada realizador sob a forma de um estilo, o cinema tornou-se por isso mesmo um meio de comunicação, informação e propaganda, o que não contradiz, absolutamente, sua qualidade de arte. (MARTIN, 2003, p. 16) Para Martin, o cinema como linguagem foi se constituindo aos poucos, tornando-se (...) um meio de conduzir um relato e de veicular idéias: os nomes de Griffith e Eisenstein são os marcos principais dessa evolução, que se fez pela descoberta progressiva de procedimentos de expressão fílmicos cada vez mais elaborados e, sobretudo, pelo aperfeiçoamento do mais específico deles: a montagem. (MARTIN, 2003, p. 17)

19 9 Citando o conceito de Christian Metz de linguagem, que a define como um "sistema de signos destinados à comunicação", Martin afirma: É o aspecto muito pouco sistemático que diferencia a linguagem cinematográfica da língua, as diversas unidades significativas mínimas não possuem aqui significação estável e universal, e é isso que leva a classificar o cinema entre outros conjuntos significantes, tais como os que formam as artes ou os grandes meios de expressão culturais. (MARTIN, 2003, p. 17) Podemos concluir então que cada aspecto dentro de uma produção cinematográfica faz parte da sua linguagem. Para Bordwell, as técnicas cinematográficas, e por conseqüência a sua linguagem, são usadas como meio de transmissão da história, perseguindo a cada momento a maior clareza denotativa possível e utilizando-se de "um número estritamente limitado de dispositivos técnicos específicos organizados em um paradigma estável e classificados probabilisticamente de acordo com as demandas do syuzhet 4 " (BORDWELL, 2005, p. 293). Assim, esses dispositivos 5 se tornam convenções da narração hollywoodiana e, com isso, são facilmente reconhecidos pela maior parte dos espectadores. Martin separa esses elementos em dois tipos: específicos e não específicos. Os não específicos são elementos que participam da criação da imagem e do universo fílmico, porém não são exclusivos da linguagem cinematográfica. (MARTIN, 2003, p. 56). Podemos destacar como não específicos: a iluminação, o vestuário, o cenário, a cor, a tela larga e o desempenho dos atores. Todos esses elementos têm a sua importância na construção da linguagem do filme. Já como elementos fílmicos específicos temos a decupagem e a montagem. Analisaremos agora esses dois elementos A decupagem clássica e a montagem clássica Em certo momento da história, a câmera deixou de ser apenas a testemunha passiva, o registro objetivo dos acontecimentos, para tornar-se ativa e atriz (MARTIN, 2003, p. 32). A câmera assume um papel criador dentro de uma produção 4 O tradutor, Fernando Mascarello, também chama syuzhet de trama. 5 Marcel Martin utiliza o termo elementos.

20 10 cinematográfica, ela é autora e atriz. O diretor tem que fazer escolhas de como mostrar a história (a narrativa). Escolhas de onde irá colocar a câmera e como vai filmar cada ação, até que cor de vestido a atriz irá usar. A partir dessas escolhas, é criada a linguagem do filme. Isso se dá basicamente na decupagem e posteriormente na montagem. Definimos decupagem como o processo de decomposição do filme (e, portanto, das seqüências e cenas) em planos (XAVIER, 2005, p. 27). Um processo com diferentes fatores, que criarão a expressividade da imagem. Esses fatores são, numa ordem que vai do estático ao dinâmico: os enquadramentos, os diversos tipos de planos, os ângulos de filmagem, os movimento de câmera. (MARTIN, 2003, p. 35) Os enquadramentos constituem o primeiro aspecto da participação criadora da câmera (MARTIN, 2003, p. 35). É um recorte da realidade, onde os planos são criados, que o diretor escolhe conforme a intenção da narrativa. Existe uma nomenclatura para os diversos tipos de enquadramentos possíveis: plano geral, primeiro plano, plano detalhe. Não iremos descrever cada tipo de plano existente, até mesmo por não haver regras rígidas para a nomenclatura. Muitas vezes a nomenclatura se dá na relação entre um plano e outro. Os ângulos de filmagem também fazem parte dessa composição. Um plano pode ser filmado de baixo pra cima (plongée), de cima para baixo (contra-plongée) ou de maneira subjetiva (simulando o ponto de vista de algum personagem). Existem também os movimentos de câmera: travellings (movimento do eixo da câmera para frente, para trás, para o lado, etc.), panorâmicas (a câmera fica em um eixo fixo, porém faz um movimento horizontal ou vertical em cima desse eixo), câmera livre (onde a câmera fica na do operador, dando total liberdade de movimento), zoom in ou zoom out (uma lente especial que aproxima ou afasta uma imagem, uma espécie de travelling óptico). Enfim, diferentes fatores que criam a expressividade da imagem. Esses fatores podem ter um caráter apenas descritivo, somente para revelar informações para o espectador, ou ter um caráter dramático com uma significação, que busca exprimir, sublinhando, um elemento material ou psicológico que deve desempenhar um papel decisivo no desenrolar da história (MARTIN, 2003, p. 46). Podemos então afirmar que existe uma decupagem clássica, um modo de fazer as escolhas de como filmar os planos, que já é consagrado e muito utilizado.

21 11 regras: Bordwell afirma que decupagem clássica é o dispositivo mais codificado em (...) a maior parte das cenas hollywoodianas inicia-se com planos de conjunto, segmenta o espaço em planos mais próximos, ligados por raccords de olhar e/ou campo/contracampo, e somente retorna para planos mais afastados se o movimento dos personagens ou a entrada de um novo personagem exige que se reoriente o espectador. (BORDWELL, 2005, p ) A decupagem clássica, para Ismail Xavier, é feita de (...) modo que a que os diversos pontos de vista respeitem determinadas regras de equilíbrio e compatibilidade, em termos de denotação de um espaço semelhante ao real, produzindo a impressão de que a ação desenvolveu-se por si mesma e o trabalho da câmera foi captá-la. (XAVIER, 2005, p. 33) Martin nos lembra que não devemos pensar apenas na imagem em si o plano mas pensar em uma continuidade obrigatória a montagem. A montagem é a organização dos planos de um filme em certas condições de ordem e de duração.. (MARTIN, 2003, p. 132) Existem basicamente dois tipos de montagem: a narrativa e a expressiva. Chamo de montagem narrativa o aspecto mais simples e imediato da montagem, que consiste em reunir, numa seqüência lógica ou cronológica e tendo em vista contar uma história, planos que possuem individualmente um conteúdo fatual, e contribui assim para que a ação progrida do ponto de vista dramático (o encadeamento dos elementos da ação segundo uma relação de casualidade) e psicológico (a compreensão do drama pelo espectador). Em segundo lugar, temos a montagem expressiva, baseada em justaposições de planos cujo objetivo é produzir um efeito direto e preciso pelo choque de duas imagens; neste caso, a montagem busca exprimir por si mesma um sentimento ou uma idéia; já não é mais um meio, mas um fim (...). (MARTIN, 2003, p.132) Assim, dada a importância da narrativa no cinema clássico, a sua montagem é basicamente narrativa. Podemos então chamar a montagem narrativa de montagem clássica. Martin separa a montagem clássica 6 em quatro tipos: linear, invertida, alternada e paralela. 6 Martin utiliza a designação montagem narrativa.

22 12 A montagem linear é o tipo mais simples de montagem, que expõe uma seqüência de cenas de forma lógica e cronológica. Já a montagem invertida é uma montagem que subverte a ordem cronológica, em proveito de uma temporalidade subjetiva e eminentemente dramática, indo e voltando livremente do presente ao passado (MARTIN, 2003, p. 155). A montagem alternada é baseada na contemporaneidade estrita em duas (ou mais) ações que se justapõem (MARTIN, 2003, p. 156), que acabam se unindo no final do filme. É muito utilizada em cenas de perseguição. Por último, mas não menos importante, a montagem paralela. Duas ou mais ações são abordadas de modo intercalado, lembrando muito a montagem alternada, porém possui uma diferença fundamental: indiferença no tempo. Busca uma aproximação de acontecimentos que podem estar muito afastados no tempo e cuja simultaneidade estrita não é de maneira alguma necessária para que sua justaposição seja demonstrativa (MARTIN, 2003, p. 158). Esses quatro tipos de montagem representam diversos modos de contar uma história e têm como referência um elemento importantíssimo de qualquer narrativa: o tempo, ou a organização das sucessões, a posição relativa dos acontecimentos em sua ordem causal natural, não importando a determinação de datas (MARTIN, 2003, p. 155). A montagem clássica busca um modo normal, ou natural, de se combinar as imagens (justamente aquele apto a não destruir a impressão de realidade ) (XAVIER, 2005, p. 33). Temos, na busca pelo modo mais natural e real de contar uma história, a ligação da decupagem clássica com a montagem clássica. Ambas buscam essa naturalidade, uma transparência para que o espectador não perceba que está assistindo ao filme. São duas operações distintas, porém complementares, que buscam o mesmo objetivo e criam assim uma linguagem clássica. A decupagem é uma operação analítica, e a montagem, uma operação sintética. (MARTIN, 2003, p ). Resumindo, o cinema clássico tem como grande finalidade contar uma história, por meio de uma narrativa estável (acompanhando um personagem principal e individual) e uma linguagem que sempre serve a essa narrativa. Uma linguagem que busca o naturalismo da imagem, procurando uma impressão da realidade. Para

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Portfólio de Criação Espaço Experiência 1. Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5

Portfólio de Criação Espaço Experiência 1. Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5 Portfólio de Criação Espaço Experiência 1 Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Evolução Filmes e Processo Multiartes Grafo Audiovisual, Par ou Ímpar e Off Beat apresentam

Evolução Filmes e Processo Multiartes Grafo Audiovisual, Par ou Ímpar e Off Beat apresentam Evolução Filmes e Processo Multiartes Grafo Audiovisual, Par ou Ímpar e Off Beat apresentam direção_adriano Esturilho e Fábio Allon Longa-metragem digital de ficção contemplado pelo Prêmio Estadual de

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

WORKSHOP Sanguecine Sanguecine

WORKSHOP Sanguecine Sanguecine WORKSHOP Sanguecine é um workshop sobre a história, a produção e o mercado de cinema de gênero em âmbito mundial. Ele é derivado de um cineclube dedicado exclusivamente ao cinema fantástico e de gênero

Leia mais

Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1

Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1 Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1 Danizieli de OLIVEIRA 2 Diego de OLIVEIRA 3 Renata Cristina FORNAZIERO 4 Thaís Roberta CASAGRANDE 5 Wolnei MENEGASSI 6 Paulo César D ELBOUX 7 Faculdade

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o Chapeuzinho Vermelho ou Branca de Neve? O sincretismo imagem, texto e sentido. 1 Autor: Fernanda Rodrigues Pucci 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um anúncio de publicidade impressa em

Leia mais

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS Programa Sonora Eletrônica 1 Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS RESUMO O uso e a produção áudio-visual no jornalismo hoje, não depende mais exclusivamente

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Ilustração; formandos; convite; formatura.

PALAVRAS-CHAVE: Ilustração; formandos; convite; formatura. A Sina dos Traços: ilustração para o convite de formatura do curso de Publicidade e Propaganda. 1 Paulo César V. STECANELLA 2 Breno INFORZATO 3 Marília DURLACHER 4 Eloise SCHMITZ 5 Juliana Zanini SALBEGO

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

3ª MOSTRA DE CINEMA AMADOR DO COLÉGIO CIVITATIS (CIVIFILMES) E 3º TROFÉU GRAÇA ARANHA DE CINEMA AMADOR REGULAMENTO

3ª MOSTRA DE CINEMA AMADOR DO COLÉGIO CIVITATIS (CIVIFILMES) E 3º TROFÉU GRAÇA ARANHA DE CINEMA AMADOR REGULAMENTO 3ª MOSTRA DE CINEMA AMADOR DO COLÉGIO CIVITATIS (CIVIFILMES) E 3º TROFÉU GRAÇA ARANHA DE CINEMA AMADOR REGULAMENTO O COLÉGIO CIVITATIS sediado na Rua Falchi Gianini, 842, no bairro da Vila Prudente, CEP:

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA SILVA JUNIOR, CAIO CESAR DUARTE DE CARVALHO, OSMAR DA SILVA MOTTA JUNIOR

AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA SILVA JUNIOR, CAIO CESAR DUARTE DE CARVALHO, OSMAR DA SILVA MOTTA JUNIOR TÍTULO: SISTEMA PARA GERENCIAMENTO DE TEATROS DIONÍSIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare CONCEITOS A EXPLORAR L íngua Portuguesa Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. Signos lingüísticos verbais e não-verbais. A rte O teatro elisabetano. Dramaturgia (conflito dramático

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Pica

Entrevista sobre o Programa Pica Entrevista sobre o Programa Pica Ficha de Identificação Nome: Artur Ribeiro Cargo/Função: Co-Argumenista Programa: Pica Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser considerado qualidade em televisão

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque?

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque? Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Elias Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE ARTE 1) Após analisar a obra a seguir, responda o que se pede. Os fuzilamentos de 3 de Maio de 1808.

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Antes que me esqueçam, meu nome é Edy Star

Antes que me esqueçam, meu nome é Edy Star Antes que me esqueçam, meu nome é Edy Star O documentário aborda a trajetória artística de Edvaldo Souza, o Edy Star, cantor, ator, dançarino, produtor teatral e artista plástico baiano. Edy iniciou a

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL PROGRAMA Tronco Comum SESSÃO 1 Apresentação do Workshop e Introdução à Linguagem Audiovisual 3 horas Apresentação dos intervenientes (formador e formandos). Apresentação

Leia mais

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda PUBLICIDADE X PROPAGANDA PUBLICIDADE Deriva de público (latim: publicus) Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Conhecendo uma Agência de Publicidade¹

Conhecendo uma Agência de Publicidade¹ Conhecendo uma Agência de Publicidade¹ Anthony Andrade NOBRE² Edmilson da Silva GUSMÃO³ Marla Eglaea da Silva FREIRE 4 Rakel de Araripe Bastos CAMINHA 5 Rodolfo Carlos MARQUES 6 Claúdia Adriane SOUZA 7

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s Marketing Básico Capítulo II O Composto de Marketing Os 4 P s O Produto Podemos definir produto como sendo o ator principal da relação de troca, onde o mesmo deve resultar como amplamente satisfatório

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA Gestão de Carreira Gestão de Carreira é um dos temas que mais ganhou destaque nesta última década,

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

Mudança de direção RODRIGO MENEZES - CATEGORIA MARKETERS

Mudança de direção RODRIGO MENEZES - CATEGORIA MARKETERS RODRIGO MENEZES - CATEGORIA MARKETERS Mudança de direção Até maio de 2013 todo o mercado de TV por assinatura adotava uma postura comercial tradicional no mercado digital, composta por um empacotamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO A importância da comunicação na negociação Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto TUTOR: EDUARDO VIEIRA 13/05/2013 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS?

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? Nível de Ensino/Faixa Etária: Série indicada para o Ensino Fundamental Final Áreas Conexas: Biologia, Linguística, Sociologia, Geografia, História, Artes, Gramática, Filosofia.

Leia mais

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores**

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** 16 revistas 3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** Fonte: *IV (Out/09 a Set/10) E **Ipsos-Estudos Marplan/EGM- Out/09 a Set/10 Leitores Ambos, 10/+ anos Audiência Líquida das Revistas

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

E-books. Guia para Facebook Ads. Sebrae

E-books. Guia para Facebook Ads. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Guia para Facebook Ads Por que investir no facebook Ads? Tipos de anúncios Como funciona o sistema de pagamentos Criando anúncios Métricas Autor Felipe Orsoli 1 SUMÁRIO

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda professor Rafael Ho mann Setores envolvidos Anunciante também conhecido como cliente, é a empresa, pessoa ou

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE:

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: Encontro com o Livro no Colégio Coração de Maria Me. Maria Aparecida da Costa Bezerra - Bibliotecária escolar e universitária Resumo: O Colégio Coração de Maria proporciona

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais