É DE TIRAR O CHAPÉU: UM MOVIMENTO NO ENSINO MÉDIO SOBRE CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "É DE TIRAR O CHAPÉU: UM MOVIMENTO NO ENSINO MÉDIO SOBRE CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS"

Transcrição

1 É DE TIRAR O CHAPÉU: UM MOVIMENTO NO ENSINO MÉDIO SOBRE CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS Roseane Huber de Souza (EEBPCM) Suy Mey Schumacher Moresco (CE) Este projeto nasceu a partir de um dos encontros do Grupo de Professores de Língua Portuguesa (GPLP), que é conduzido pela professora Dra. Otilia Heinig. Existente há mais de dez anos, o grupo se reúne uma vez por mês na cidade de Brusque, tendo integrantes professores de Língua Portuguesa e Pedagogos com o objetivo de aperfeiçoar conhecimentos, socializar e gerar ideias de atividades em sala de aula. Em 2010, a proposta do grupo foi realizar um projeto de leitura. Tal projeto deveria contemplar a leitura como um processo, mostrar aos alunos que não é simplesmente passar os olhos por cima do texto ou decodificar palavras. Vai além do ler. Significa compreender, interpretar, interagir e analisar o que está escrito. Além disso, para que houvesse um maior incentivo à leitura, os alunos teriam um objetivo claro a ser alcançado, ou seja, ler para alcançar ou produzir algo. A ideia de trabalhar com um projeto de letramento gerou muita discussão e ansiedade por parte dos professores do GPLP e logo esboços de projetos começaram a surgir. A partir disso, as professoras Suy Mey Schumacher Moresco e Roseane Huber de Souza realizaram uma parceria para desenvolver o projeto de leitura. Roseane é professora de Língua Portuguesa. Formou-se em Letras em 2000 pela Universidade Regional de Blumenau (FURB). Ministra aulas de língua alemã num projeto particular e no ensino público leciona Língua Portuguesa e Literatura para o Ensino Fundamental II e Ensino Médio na Escola de Educação Básica Professor Carlos Maffezzolli no município de Guabiruba, em Santa Catarina. Tem paixão pela Literatura, gosta de planejar aulas diversificadas, de sair literalmente da sala de aula. Desde 2001 aplica, no Ensino Médio, um evento intitulado Sarau Literário. São apresentações orais nas quais os próprios discentes produzem o objeto socializado levando a uma aprendizagem mais significativa sem abandonar a fundamentação. Durante o ano letivo, incorpora, à rotina das aulas, gêneros textuais, sequências didáticas, projetos, teatros, jograis, declamação de poemas e principalmente a leitura, que é o alicerce de todo o trabalho. Suy Mey também é professora de Língua Portuguesa. Graduou-se em Letras em 2001 pela Universidade Regional de Blumenau (FURB) e, atualmente, trabalha com Ensino

2 Médio em um colégio particular, o Colégio Energia de Brusque, em Santa Catarina. Mesmo já trabalhando um tempo razoável com a disciplina, a professora ainda é uma criança na arte e tem muito para aprender. Gosta de estar em contato com novidades e experiências diferentes. Aprecia compartilhar ideias e estudar. Em sala de aula, procura mostrar aos alunos o mundo de possibilidades que existe ao se trabalhar com Língua Portuguesa. Pensando assim, durante esse tempo como professora, teve a oportunidade de desenvolver saraus, coletâneas de poesias dos alunos, projetos de leitura. Para que o projeto aqui mencionado tomasse forma, as professoras realizaram dois encontros na Biblioteca Pública de Brusque. Lá analisaram materiais, discutiram ideias, planejaram e montaram as etapas do projeto de leitura. Ainda, idealizaram interações entre os alunos das duas escolas. Quando foi apresentada a ideia de se trabalhar um projeto de leitura, ficou-se imaginando o que poderia ser tratado e o que os alunos deveriam alcançar. Como, algum tempo antes, havia sido discutida a importância de histórias para as crianças e técnicas de contação de histórias, além do interesse e gosto que as professoras Suy Mey e Roseane têm pela contação de histórias, decidiu-se que seria trabalhada a leitura de textos para poderem ser contados. Faltava, então, o que seria trabalhado. No mesmo dia em que a professora Otilia propôs o trabalho do projeto, ela apresentou livros variados que pudessem ajudar. Em um desses livros havia uma história que remetia ao conto Alice no País das Maravilhas. Bom, Alice é uma história infantil e nos remete à ideia de alguém lendo ou contando a história para uma criança para entretê-la ou para a hora de dormir. Além disso, estava em alta porque havia estreado um filme baseado em Alice no País das Maravilhas. Aí estava o material que ia ser trabalhado. O esqueleto do projeto estava criado. Assim, tendo como ponto de partida o texto O Chapeleiro, de Flavio de Souza 1, e a história Alice no País das Maravilhas, que havia sido relembrada com o lançamento do filme de mesmo nome no início de 2010, surgiu o nome do projeto: É de Tirar o Chapéu. O objetivo final era a contação de histórias. A seguir é possível entender como o projeto foi montado e desenvolvido e os resultados alcançados. 1 SOUZA, Flávio de. Que História é Essa? 3. São Paulo: Companhia das Letrinhas, Flávio de Souza escreveu três livros com o título Que História é Essa? e nesses livros ele conta histórias de personagens secundários de contos famosos e questiona o leitor sobre a história a qual eles pertencem.

3 1. Participantes de tirar o chapéu O projeto foi desenvolvido com os alunos de 1ª série do Ensino Médio do Colégio Energia do município de Brusque e da EEB Prof. Carlos Maffezzolli do município de Guabiruba. Os alunos da 1ª série do Colégio Energia (1 turma com 34 alunos) vieram de diferentes escolas e também de cidades diferentes (Brusque, São João Batista e Nova Trento). Realidades diferentes de vida que se cruzaram na sala de aula. Alguns alunos já haviam estudado juntos durante algum tempo, tanto em Brusque como em Nova Trento ou São João, e se conheciam bem, mas outros eram completamente novos na turma. Havia alunos um pouco inseguros, envergonhados, tentando encontrar seu lugar na escola e, consequentemente, firmar-se entre os colegas, fazer novas amizades. Adolescentes que tiveram que mudar seu modo de pensar, de agir ao entrar no ensino médio e se adequar às novas regras da escola. Estudavam no período matutino e possuíam aulas de assistência, de laboratório e de educação física à tarde. Já os alunos da Escola Carlos Maffezzolli residiam nos arredores onde a escola se situa, no Bairro São Pedro, em Guabiruba. Eram estudantes do turno noturno, a grande maioria se conhecia desde a Pré-Escola. O projeto foi desenvolvido com duas turmas de 1ª série num total de 55 alunos curiosos, ativos e interessados em pesquisar, ler e apresentar o projeto para a comunidade escolar. Além dos alunos, envolveram-se no projeto dois contadores de histórias. Lieza Neves e Emiliano Daniel de Souza contaram para os estudantes das duas escolas algumas histórias. Lieza Neves, natural de Brusque, é contadora de histórias e também atriz, professora, jornalista e escritora. Dirige e atua em espetáculos de contação de histórias. Também representa a Câmara Temática de Literatura de Brusque. Divide alguns trabalhos com Emiliano Daniel de Souza, natural de Guabiruba, contador de histórias e professor de línguas. Emiliano aprecia literatura de qualidade, desenvolve pesquisa e ministra formações na área da contação de histórias. Tem carinho especial por música e poesia infantil.

4 2. Ambientes que se transformaram Por ter sido desenvolvido através de uma parceria entre as professoras de diferentes escolas e, ainda, de diferentes cidades, o projeto envolveu dois municípios: Brusque e Guabiruba. Brusque é uma cidade localizada no leste de Santa Catarina, no Vale do Itajaí Mirim. Situa-se próxima a cidades como Blumenau, Itajaí, Nova Trento. Cidade vizinha de Guabiruba. Está a aproximadamente 1h e 30min da capital Florianópolis. Possui em torno de habitantes. A cidade foi colonizada por alemães, italianos e poloneses, os quais desenvolveram a produção de tecidos e fizeram do município um dos maiores polos têxteis do estado. Devido a isso, Brusque é conhecida como Berço da Fiação Catarinense e Cidade dos Tecidos. O turismo na cidade é focado, basicamente, no comércio de roupas e tecidos, destacando-se as lojas FIP 1 (Feira Industrial Permanente) e FIP 2, Stop Shop, All Shop e Havan. Porém, além do comércio, a cidade também apresenta um Parque Zoobotânico com Orquidário e Bromeliário, Observatório Astronômico Tadeu Cristóvam Mikowski e o Santuário de Azambuja. No mês de outubro acontece a Fenarreco, festa típica da cultura alemã, que traz o marreco como prato principal. Guabiruba, terra de belíssimas riquezas naturais, elevou-se à categoria de município em 10 de junho de 1962, quando até então se integrava ao território de Brusque. Foi colonizada por imigrantes alemães a partir de 1862 e, posteriormente, em menor escala, por imigrantes italianos e poloneses. Possui habitantes segundo o IBGE Cidades de A sustentação econômica do município se dá através do Comércio, Indústria Têxtil, Metalúrgica, Malharia e, ainda, na Agricultura de Subsistência. Nessas duas cidades, encontramos as escolas onde o projeto se desenvolveu. Em Brusque, o Colégio Energia e, em Guabiruba, a Escola de Educação Básica Professor Carlos Maffezzolli. No Colégio Energia, a sala de aula foi o local onde aconteceu a maior parte das interações e trocas. Foi na sala de aula que o projeto foi apresentado aos alunos, onde, em grupos, discutiram sobre o que pesquisariam e como organizariam suas apresentações. Foi lá que apresentaram as informações pesquisadas sobre os variados tipos de chapéus e também onde receberam a visita dos dois contadores de histórias. O pátio da escola também foi utilizado a fim de fazer uma exposição dos materiais produzidos.

5 Nesse mesmo ano, aconteceu, durante o mês de outubro, a Feira do Livro. O evento, antes realizado no pavilhão da Fenarreco, foi transferido para a praça recém-inaugurada na cidade, a praça Sesquicentenário. Foram erguidas tendas e, no espaço, havia exposição de livros, espaço para a leitura e um mini auditório para apresentações de contação de histórias e palestras. O autor Moacyr Scliar foi presença especial na Feira do Livro de 2010 que conversou com os presentes sobre suas vivências. Foi nessa feira que os alunos do Colégio Energia apresentaram suas contações de histórias. Feira do Livro de Brusque 2010 Para os alunos da Carlos Maffezzolli, o ambiente também foi além da sala de aula. Os estudantes utilizaram a sala informatizada para suas pesquisas. O pátio da escola foi usado para socializarem, com os demais colegas da Unidade Escolar, a produção de chapéus malucos e as leituras dos textos informativos sobre diferentes tipos de chapéus e suas utilidades e, por fim, o auditório da escola, com o palco, sendo utilizado para a produção final do projeto, a contação de histórias sobre chapéus.

6 3. Artefatos envolvidos no projeto A história O Chapeleiro, do livro Que História É Essa? 3, de Flavio de Souza, foi o primeiro texto utilizado no projeto. A pesquisa se estendeu com o uso de computadores para buscar textos informativos sobre chapéus típicos, como o chapéu mexicano, o alemão, chinês; chapéus de personagens famosos tanto na música, cinema e TV (Michael Jackson, Indiana Jones, Charles Chaplin, Willy Wonka, Chapeleiro Maluco) como na literatura (Chapeuzinho Vermelho, Pinóquio, Peter Pan, Robin Hood); chapéus usados na religião; história do chapéu em Brusque/Guabiruba e região; chapéu como status; chapéus alegóricos (aniversário, carnaval). No Colégio Energia, os alunos, depois de pesquisarem os textos informativos sobre chapéus, organizaram uma apresentação para a sala do conteúdo apreendido. Utilizaram cartazes, apresentações em power point, vídeos para demonstrar atuação de artistas como Michael Jackson e Carmem Miranda e até mesmo modelos de alguns chapéus sobre os quais falavam (chapéu de bruxa, chapéu de aniversário). Os alunos da Carlos Maffezzolli, depois de pesquisarem as informações pedidas sobre chapéus, utilizaram vários artefatos, como papel, papelão, canetinhas e outros utensílios para confeccionarem um chapéu alegórico, usando a criatividade na explicação de sua utilidade. Alguns usaram a televisão para ver alguns trechos do quadro Para quem você tira o chapéu? do Programa Raul Gil. Para socializarem os textos informativos pesquisados, utilizaram cartazes e computadores e no fechamento do projeto organizaram o cenário e o figurino das personagens de cada história criada. Por fim, todos os alunos se apropriaram de contos que, de alguma maneira, envolviam o tema chapéu. 4. Atividades que mudaram a rotina O projeto de leitura foi dividido em três partes pelas professoras Roseane e Suy Mey. Entretanto, essas etapas se desenvolveram de formas distintas nas duas escolas. Os estudantes do Colégio Energia iniciaram com a leitura da história O Chapeleiro, personagem de Alice no País das Maravilhas, do livro Que História É Essa? 3. Com a história, eles deveriam adivinhar quem era o personagem e de que história infantil ele participava. Logo em seguida foi discutida a característica marcante do personagem e como um chapéu pode caracterizar alguém. A partir daí foram levantados exemplos de outros personagens famosos na literatura e pessoas famosas que possuem o chapéu como característica marcante, além de discutir um pouco sobre como o chapéu pode ser um

7 elemento de destaque, de status. Findada a discussão, os alunos, divididos em sete grupos, deveriam pesquisar textos informativos sobre o uso do chapéu, sua evolução, tipos, chapéus como marca de status e também sobre personagens do cinema e música que tinham o chapéu como marca característica. As informações deveriam ser resumidas e apresentadas para a turma. A apresentação contaria com a criatividade de cada grupo. Depois dessa troca de informações, os materiais confeccionados pelos grupos foram expostos no pátio da escola, junto com a explicação sobre o trabalho realizado. Exposição Colégio Energia Em uma segunda etapa, os alunos tiveram que pesquisar histórias que tivessem o chapéu como tema central para que, depois de lidas, fossem contadas. Para isso eles receberam, em dois dias distintos, a visita de dois contadores de histórias, Emiliano e Lieza, que, além de contar histórias, responderam perguntas dos alunos sobre essa arte e fizeram indicações de autores. Foi um momento bastante rico, prazeroso e proveitoso para todos. Ao final das contações, anteriormente combinado com a turma e também com o profissional, foi

8 passado o chapéu e os alunos contribuíram com moedas, imitando uma prática usual de apresentações artísticas de rua e fazendo ligação com o tema do projeto. A importância recolhida foi um valor simbólico para ajudar com a despesa de deslocamento dos contadores. Finalmente, escolhidas suas histórias/contos que envolviam o tema chapéu, os textos lidos e ensaiados para a contação, veio a terceira parte do projeto: o momento da apresentação de suas contações ao grande público. Primeiramente a ideia era fazer a apresentação no auditório da escola, porém, a professora Lieza, uma das organizadoras da Feira do Livro de Brusque, convidou a turma para fazer a apresentação do projeto na feira. Com a aceitação dos alunos, o projeto passou a fazer parte da programação da Feira do Livro de 2010 e foi apresentado à noite, no dia 26 de outubro. Usando criatividade e as dicas dadas pelos contadores de história que visitaram os alunos, cada grupo organizou sua contação. Houve grupo que fez a contação somente usando voz e expressão corporal, houve grupo que fez cenário e foi fazendo a contação através dele, houve grupo que se dividiu e um ou dois alunos faziam a contação enquanto os outros estudantes faziam teatro do que ia sendo contado. Apresentaram histórias de humor (O Pássaro Lapão, O País dos Chapéus), Conto Chinês, história reflexiva (Chapeuzinho Verde), histórias de mistério (O Chapéu, A Boca do Chapéu) e história fantástica (A Menina do Chapéu). Apesar do nervosismo presente, todos fizeram uma boa apresentação e passaram pela aprendizagem de falar em público, desenvolver a oralidade e utilizar um ambiente fora de sala de aula. Superaram medos e conquistaram novas habilidades. Além dos alunos e seus familiares, também estavam presentes, no evento, pessoas da comunidade.

9 Contação de Histórias dos alunos do Colégio Energia de Brusque O projeto de leitura da Escola Carlos Maffezzolli foi dividido nas seguintes partes: Antes, durante e depois das leituras. O Antes foi o momento de ouvir, no qual os alunos se deliciaram com as histórias contadas por Emiliano e Lieza. Emiliano apresentou o conto O homem que enxergava a morte do livro Contos de enganar a morte, que são narrativas populares, recolhidas e recontadas por Ricardo Azevedo. Lieza contou Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque. Aqui também foi passado o chapéu a fim de recolher algumas moedas na ajuda de custo para os contadores de histórias. Foi um momento importante para os estudantes, pois o saber ouvir é uma aprendizagem de linguagem atualmente pouco desenvolvida nas escolas. Na conversa que tiveram em seguida com os contadores, os alunos aprenderam algumas técnicas de contação. Postura corporal, entonação de voz, maneiras diversas para decorar um texto, foram assuntos discutidos entre a plateia ouvinte e atenta. Nas aulas posteriores, denominadas durante a leitura, os envolvidos no projeto passaram para a teoria da leitura e pesquisaram textos informativos sobre o tema chapéu. Em

10 livros e na internet, os discentes tiraram o chapéu para o Pinóquio, Peter Pan, Chapeuzinho Vermelho e as bruxas dos contos de fadas. Descobriram a cartola, o chapéu chinês, o chapéu Panamá e os típicos alemães. Emocionaram-se com o chapéu do Indiana Jones, do Willy Wonka, Charlie Chaplin e Chapeleiro Maluco. Chegaram perto do chapéu usado na Oktoberfest de Blumenau, da formatura, aquele usado pelo avô na roça e até o gorro do Papai Noel. Aprenderam que há pessoas que usam chapéus para se proteger do sol, da chuva ou do frio, há os que usam chapéus como alegoria (carnaval, aniversário), outros como status (na religião, no casamento). Questionaram o porquê de tirar o chapéu, ou o boné quando se está na igreja ou sala de aula, o respeito que se tem ao tirar o chapéu no cantar de um Hino, enfim, em duplas, os pesquisadores fizeram descobertas até então desconhecidas para eles. O ouvir e ler foram de relevante contribuição, pois ajudaram na reflexão e aprofundamento da leitura. Toda essa busca de leituras e pesquisas, além da discussão do filme Alice no país das maravilhas dirigido por Tim Burton, com destaque para o Chapeleiro Maluco, resultou na socialização de textos informativos referentes ao tema e, com apoio da disciplina de Artes, os alunos confeccionaram um chapéu maluco. As turmas montaram uma minifeira e levaram ao conhecimento dos demais alunos do Ensino Médio suas descobertas. Havia chapéus típicos de um determinado local como, mexicanos, chineses; chapéus de personagens famosos na literatura e no cinema, como Chapeuzinho Vermelho, bruxa, Robin Hood; chapéus usados em diversas religiões; chapéus alegóricos, usados no carnaval, em aniversários; chapéus usados para proteção do sol, em guerras ou somente para ornamentação. Foi uma verdadeira festa de chapéus, vindos de todas as partes do mundo e de épocas diferentes. Realizou-se também uma pesquisa entre os alunos: para quem você tiraria o chapéu e para quem não tiraria? Essas atividades de leitura valorizaram o trabalho dos estudantes que se sentiram úteis ao socializar o projeto.

11 Socialização das leituras descobertas sobre o tema e exposição de vários modelos de chapéus na Minifeira realizada na E.E.B. Prof. Carlos Maffezzolli

12 O produto final do projeto dos alunos da Escola Carlos Maffezzolli foi realizar apresentações de histórias a partir de todas as leituras feitas, tanto informativas quanto literárias no auditório da escola. Como este projeto iniciou em meados do segundo semestre de 2010, não houve tempo hábil para terminá-lo. A proposta então foi apresentar no evento do Sarau Literário do ano seguinte. No início de 2011, as duas turmas, já no 2º ano, divididas em nove grupos, apresentaram no XI Sarau Literário, no formato de contação de histórias, suas criações. As apresentações mesclaram contos de fadas, histórias de colonos, portugueses, alemães e italianos com seus respectivos chapéus, a história do roubo de uma cartola do Slash, ex-guitarrista do Guns N Roses, e uma sátira do antigo programa Para quem você tira o chapéu? do Raul Gil, da televisão brasileira. Com certeza as apresentações realizadas pelos alunos revelaram o grande potencial que trazem consigo, externando o mesmo em oportunidades como este projeto. Alunos contando uma história de colonizadores com seus respectivos chapéus no Sarau da Escola de Ed. Básica Professor Carlos Maffezzolli

13 Composição do cenário da contação de histórias do XI Sarau Literário da Escola Carlos Maffezzolli Considerações Finais: Refletir para aprender sempre Trabalhar com um projeto em sala de aula diversifica conteúdos e formas de se atingir um objetivo, além disso, deixa a aula mais dinâmica, pois o projeto por si só já tem a proposta de dar vida nova ao aprendizado. Os alunos deixam de ser meros expectadores e receptores de conteúdos para serem produtores de conhecimento, responsáveis pelo que estão aprendendo. Interagem mais entre si e com o professor e, consequentemente, demonstram mais interesse e aproveitam mais as aulas. Todos esses aspectos foram observados nas aulas e nos alunos dos dois colégios. As professoras não eram as detentoras do saber, os alunos sentiram que tinham importância e que o trabalho que desenvolveriam seria de grande valor. Foi muito recompensador ver os alunos pesquisando, lendo e, muito mais, estudando os textos com os quais trabalharam e depois trocando ideias entre si e também com as professoras. Os alunos tornaram as aulas interessantes e se esforçaram para mostrar um bom resultado. Não se contentavam em apresentar um trabalho pela metade, queriam mostrar que eram capazes, usaram criatividade. Aprenderam que ler pode ser divertido e que é muito importante para poder expressar o conhecimento que adquirem.

14 A professora Roseane considera projetos deste âmbito muito positivos. Quem se envolve, tanto professor quanto aluno, além de instigar a leitura e pesquisa, desenvolve capacidades de comunicação e oportuniza novas vivências, experiências e aprendizagens. A criatividade dos alunos foi um elemento que muito esteve em evidência, entre outros valores que um projeto desta envergadura demanda. A escola passou a respirar outros ares, ganhando vida. A rotina foi quebrada e o novo foi permitido proporcionando a esperança nos indivíduos envolvidos. Compete aos profissionais inseridos na escola produzir novas relações e práticas pedagógicas. O projeto É de tirar o chapéu foi uma experiência singular. Para a professora Suy Mey, o projeto também foi positivo e importante, porque mostrou que há possibilidade de se estudar diferentes conhecimentos e de se desenvolver diferentes habilidades de uma forma menos tradicional e mais significativa tanto para alunos como para o professor. Ainda, ensinou que, por ser dinâmico, o projeto nem sempre acontece exatamente como planejado, ele pode ir se modificando ao longo do caminho devido às necessidades e/ou limitações que vão se apresentando (para este projeto de leitura, por exemplo, teve-se a ideia de fazer uma interação entre os alunos das duas escolas com um café ou chá como o que acontece na história Alice no País das Maravilhas, porém não foi possível a sua realização), mas o importante é alcançar os objetivos. Outro ponto é que o projeto pode ser aplicado novamente e, assim, pode-se procurar contemplar o que não foi conseguido da primeira vez. Também, ao aplicá-lo novamente, o projeto pode ser revisado, reescrito, melhorado. Indiscutivelmente, o envolvimento, a dedicação de todos os participantes, desde a ideia do projeto, as leituras, as produções, bem como as socializações, merecem destaque, pois houve um engajamento positivo que só agregou esforços. Pode-se dizer que foi um projeto de tirar o chapéu.

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Pauta de encontro Olá coordenadoras, mais uma vez estaremos

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO Projeto escolar com a temática Livro Amigo produzido no ano de 2012, 2013 e em andamento em 2014, por todos os integrantes da escola e comunidade.

Leia mais

PROJETO MULTIPLICADORES DE LEITURA NA ESCOLA PÚBLICA

PROJETO MULTIPLICADORES DE LEITURA NA ESCOLA PÚBLICA PROJETO MULTIPLICADORES DE LEITURA NA ESCOLA PÚBLICA Elize Huegel Pires 1 1 Apresentação O projeto Multiplicadores de Leitura foi desenvolvido no ano de 2008 com alunos de 5ª série da Escola Municipal

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A FORMAÇÃO DE LEITORES:

Leia mais

BIBLIOTECA VIVA: PLANTANDO LEITURA, COLHENDO CIDADÃOS

BIBLIOTECA VIVA: PLANTANDO LEITURA, COLHENDO CIDADÃOS BIBLIOTECA VIVA: PLANTANDO LEITURA, COLHENDO CIDADÃOS Justificativa O Projeto de Extensão Biblioteca Viva: plantando leitura, colhendo cidadãos, aprovado no Edital Interno de Financiamento de Projetos

Leia mais

Contação de Histórias PEF

Contação de Histórias PEF Contação de Histórias PEF Qual a importância da narração oral? -Exerce influência tanto sobre aspectos intelectuais quanto emocionais da criança. -Tem a capacidade de estimular a imaginação, a criatividade

Leia mais

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM!

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história.

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP Patrícia Helena Boldt Terossi Orientadora Técnica Oficina Pedagógica-SEC PROJETO SALAS DE LEITURA 1-JUSTIFICATIVA: O acesso à aprendizagem da leitura apresenta-se

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio. Eu me remexo muito. E onde eu chego?

Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio. Eu me remexo muito. E onde eu chego? Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio Rua Tonelero, 56 Copacabana RJ site:www.redesagradorj.com.br / e-mail:cscm@redesagradorj.com.br Eu me remexo muito. E onde eu chego? Turma: Maternal II A Professora

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

Feira do livro: acesso ao livro, descoberta da leitura.

Feira do livro: acesso ao livro, descoberta da leitura. Feira do livro: acesso ao livro, descoberta da leitura. Helgair Kretschmer Aguirre (Graduanda em Licenciatura em Letras/Unipampa Bagé) Sheyla de Jesus Meireles Teixeira (Graduanda em Licenciatura em Letras/Unipampa

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais

Autora: SUELY BARROS BERNARDINO DA SILVA. Secretaria de Estado de Educação do Amazonas LEITURA: UM CAMINHO PARA O CONHECIMENTO INTRODUÇÃO

Autora: SUELY BARROS BERNARDINO DA SILVA. Secretaria de Estado de Educação do Amazonas LEITURA: UM CAMINHO PARA O CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Autora: SUELY BARROS BERNARDINO DA SILVA Secretaria de Estado de Educação do Amazonas LEITURA: UM CAMINHO PARA O CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Este foi um projeto piloto, o qual consistiu em desenvolver um trabalho

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Pedagogia Obs.: Para proposta

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil - Justificativa: O projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil iniciou no segundo semestre

Leia mais

PROJETO LITERATUDO JUSTIFICATIVA

PROJETO LITERATUDO JUSTIFICATIVA PROJETO LITERATUDO JUSTIFICATIVA Iniciado em 2010, o LITERATUDO é um projeto de incentivo à leitura desenvolvido pela Secretaria de Educação de Juiz de Fora (SE), por meio do Departamento de Planejamento

Leia mais

LIVRO DO PROFESSOR LIBRAS 1 O ANO 35. Espaços da escola. Encaminhamento

LIVRO DO PROFESSOR LIBRAS 1 O ANO 35. Espaços da escola. Encaminhamento Atividade 9 Espaços da escola Encaminhamento Leve os alunos para conhecer os espaços da escola: sala de leitura, informática, refeitório, quadra de futebol, parque, etc. Peça para os alunos registrarem

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA

CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA 1 FACULDADE DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO ACADÊMICO INTERDISCIPLINAR VII: CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA Autor: Rejane Beatriz

Leia mais

BIBLIOTECA VIVA: CONHECENDO O MUNDO ATRAVÉS DOS LIVROS RESUMO

BIBLIOTECA VIVA: CONHECENDO O MUNDO ATRAVÉS DOS LIVROS RESUMO BIBLIOTECA VIVA: CONHECENDO O MUNDO ATRAVÉS DOS LIVROS Camila Alves de Araujo Maria 1 ; Juciene da Silva Gomes 2 ; Ireny Morassu ³; Maria José de Jesus Alves Cordeiro 4 UEMS Cidade Universitária de Dourados-

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

PROJETO VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA?

PROJETO VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA? PROJETO VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA? TEREZINHA BASTOS (SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE CAXIAS-MA). Resumo VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA? é um projeto de incentivo à leitura e à escrita

Leia mais

Rio e Sagrado: um lugar de todos nós!

Rio e Sagrado: um lugar de todos nós! Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio Rua Tonelero, 56 Copacabana RJ site:www.redesagradorj.com.br / e-mail:cscm@redesagradorj.com.br Rio e Sagrado: um lugar de todos nós!.turma: 1º Período A Professora

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS Kelly Karina Cardoso (kkimica@hotmail.com) Eniz Conceição de Oliveira (eniz@univates.br) Marlise

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

Apresentação. Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa. Atuação 1 Matando a charada. Recomendada para 5a/6a EF. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa. Atuação 1 Matando a charada. Recomendada para 5a/6a EF. Tempo previsto: 4 aulas Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa Atuação 1 Matando a charada Recomendada para 5a/6a EF Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Decifrar uma charada significa

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Espaços e Tempos de Leitura na Educação Infantil 1 Sariane da Silva 2. Resumo

Espaços e Tempos de Leitura na Educação Infantil 1 Sariane da Silva 2. Resumo Espaços e Tempos de Leitura na Educação Infantil 1 Sariane da Silva 2 Resumo A idéia de organizar as salas de aula em cantos temáticos vai ganhando cada vez mais espaço nas instituições de educação infantil.

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA.

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. Francisca Fabiana Ferreira da Silva 1 fabiana.igor@hotmail.com Francisca Mônica Paz de Sousa Dantas 2 monnyka@hotmail.com

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Ieda Maria Alves de Souza Laura Jane Pereira Fernandes Lia Jussara Leães

Leia mais

PROJETO QUARTA LITERÁRIA

PROJETO QUARTA LITERÁRIA PROJETO QUARTA LITERÁRIA * Francisca Wládia de Medeiros Inocêncio ** Leni Oliveira da Silva Este artigo pretende socializar o Projeto Quarta Literária, desenvolvido no Centro Educacional do Projeto SESC

Leia mais

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA 1 LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA Maria de Nazaré da Silva Correa Jediã F. Lima Maria do Carmo S. Pacheco Maria do P. Socorro R. de Lima Maria Rita Brasil Raiolanda

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO "A peça". 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Em um dia de verão, os brinquedos aproveitam o sol

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA ELAINE CRISTINA TOMAZ SILVA (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA). Resumo A Oficina Palavra Mágica de Leitura e Escrita, desenvolvida pela Fundação Palavra Mágica, é um

Leia mais

CONTANDO HISTÓRIAS COM FANTOCHES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATANDO A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA/UFRN

CONTANDO HISTÓRIAS COM FANTOCHES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATANDO A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA/UFRN CONTANDO HISTÓRIAS COM FANTOCHES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATANDO A EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE PEDAGOGIA/UFRN Autoras: Claydianne dos Santos Freitas - Estudante do Curso de Pedagogia

Leia mais

Conhecendo O. História. Aprender com emoção, aprender para sempre. Nesta Edição:

Conhecendo O. História. Aprender com emoção, aprender para sempre. Nesta Edição: Página 1 Conhecendo O Nesta Edição: História 1 Corpo Docente Visita à Sabesp 2 Visita à Prefeitura Feira de Ciências 3 Festa Junina Festa do dia das mães 4 Visita ao Lar Irmã Julia Visita ao Viveiro Projeto

Leia mais

ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO

ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO 1.JUSTIFICATIVA O Projeto Escola Leitora: um caminho a ser construído, elaborado e desenvolvido coletivamente desde 2013 em todas as modalidades de ensino que

Leia mais

A CRIANÇA VAI AO TEATRO: A UNEAL ATUANDO NA COMUNIDADE

A CRIANÇA VAI AO TEATRO: A UNEAL ATUANDO NA COMUNIDADE A CRIANÇA VAI AO TEATRO: A UNEAL ATUANDO NA COMUNIDADE Flaviane de Oliveira Pinto 1 (UNEAL) flaviane_pinto@hotmail.com Maria das Graças Correia Gomes 2 (UNEAL) gracac.gomes@hotmail.com RESUMO: O presente

Leia mais

ADOTANDO ESCRITORES E FORMANDO EDUCADORES

ADOTANDO ESCRITORES E FORMANDO EDUCADORES ADOTANDO ESCRITORES E FORMANDO EDUCADORES Carla Krause Kilian* Cláudia Reischak de Oliveira Dias** Eloisa Monteiro da Silva*** Maristela Piber Maciel**** Resumo: Este artigo aborda a formação, qualificação

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

PALAVRAS QUE BRINCAM: A EXPERIÊNCIA LITERÁRIA DA ONG EMCANTAR COM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE UBERLÂNDIA MG

PALAVRAS QUE BRINCAM: A EXPERIÊNCIA LITERÁRIA DA ONG EMCANTAR COM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE UBERLÂNDIA MG PALAVRAS QUE BRINCAM: A EXPERIÊNCIA LITERÁRIA DA ONG EMCANTAR COM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE UBERLÂNDIA MG ANA PAULA RABELO (ASSOCIAÇÃO EMCANTAR DE ARTE EDUCAÇÃO CULTURA E MEIO AMBIENTE). Resumo Ver

Leia mais

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele.

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele. 1.INTRODUÇÃO A leitura consiste em uma atividade social de construção e atribuição de sentidos. Assim definida, as propostas de leitura devem priorizar a busca por modos significativos de o aluno relacionar-se

Leia mais

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Bianca das Neves Silva Professora da rede municipal de Jundiaí Profa. Dra. Luciene Farias de Melo Coord. do Curso de Educação Física da Faculdade

Leia mais

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL 42 Luciene Rodrigues Ximenes lrximenes@hotmail.com Pós-Graduada em Alfabetização, leitura e escrita pela UFRJ. Atualmente é professora e coordenadora

Leia mais

Tayná Caroline Silva Sousa ¹ Aleticia Ferreira da Cruz ² 1 INTRODUÇÃO

Tayná Caroline Silva Sousa ¹ Aleticia Ferreira da Cruz ² 1 INTRODUÇÃO AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO DO DOCENTE DA EDUCAÇÃO INFANTIL NA VISÃO DE BOLSISTAS E PROFESSORAS SUPERVISORAS DE UMA ESCOLA PARCEIRA NO MUNICÍPIO DE ARAPIRACA/AL 2 Tayná Caroline Silva Sousa

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO O CONTATO COM A LITERATURA NO CONTEXTO ESCOLAR Cursistas: Gean Carlos Lunelli

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

Refletir sobre a data comemorativa do natal.

Refletir sobre a data comemorativa do natal. NATAL ducação Infantil Justificativa O ano está acabando e o natal está chegando. É fundamental ressaltar o verdadeiro significado desta data: o natal não é mera troca de presentes, é momento de confraternização,

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

Letramento: Um ano de histórias

Letramento: Um ano de histórias 1 Letramento: Um ano de histórias Joyce Morais Pianchão 1 RESUMO Ensinar a ler e escrever é a meta principal da escola. E para que todos exerçam seus direitos, exercendo com dignidade a sua cidadania na

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU CONTAÇÃO DE MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 129, /2 6 / 8 HISTÓRIAS música, dança,

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014 Semana de Treinamento Carnaval 2014 Projeto de Formação Continuada Uma enorme rodinha Juntando Pedacinhos Neste momento essa junção de cacos que são muitas de nossas experiências dos anos anteriores, nossas

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PÓLO GUARAI AS PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PÓLO GUARAI AS PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PÓLO GUARAI AS PRÁTICAS DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Mara Luiza Silva 1 Resumo Este artigo relata o desenvolvimento

Leia mais

AS AÇÕES DESENVOLVIDAS PELO NÚCLEO DE LITERATURA E INFÂNCIA DO PET PEDAGOGIA EM 2014

AS AÇÕES DESENVOLVIDAS PELO NÚCLEO DE LITERATURA E INFÂNCIA DO PET PEDAGOGIA EM 2014 AS AÇÕES DESENVOLVIDAS PELO NÚCLEO DE LITERATURA E INFÂNCIA DO PET PEDAGOGIA EM 2014 Aline Effting Larissa Cabral Giselli de Oliveira da Silveira Daniela Martins Eliane Debus RESUMO: O presente trabalho

Leia mais

Literatura na escola: um projeto de incentivo à leitura

Literatura na escola: um projeto de incentivo à leitura Literatura na escola: um projeto de incentivo à leitura Renata Cavalcanti Eichenberg (PUCRS) Orientadora: Vera Teixeira de Aguiar (PUCRS) De acordo com Bruno Bettelheim (1980), a criança, à medida que

Leia mais

PÉ DE MOLEQUE, CANJICA, E OUTRAS RECEITAS JUNINAS: UM JEITO GOSTOSO DE APRENDER A LER E ESCREVER

PÉ DE MOLEQUE, CANJICA, E OUTRAS RECEITAS JUNINAS: UM JEITO GOSTOSO DE APRENDER A LER E ESCREVER PÉ DE MOLEQUE, CANJICA, E OUTRAS RECEITAS JUNINAS: UM JEITO GOSTOSO DE APRENDER A LER E ESCREVER C.E.I Prof.ª DULCE DE FARIA MARTINS MIGLIORINI Sala 4 2ª Sessão Professora Apresentadora: Iriana Aparecida

Leia mais

CAIXA DE LEITURA - UM MUNDO DE FANTASIAS E DESCOBERTAS: UMA EXPERIÊNCIA DE CAMPO NUMA CRECHE MUNICIPAL

CAIXA DE LEITURA - UM MUNDO DE FANTASIAS E DESCOBERTAS: UMA EXPERIÊNCIA DE CAMPO NUMA CRECHE MUNICIPAL CAIXA DE LEITURA - UM MUNDO DE FANTASIAS E DESCOBERTAS: UMA EXPERIÊNCIA DE CAMPO NUMA CRECHE MUNICIPAL Márcia da Silva Cavalcanti, Graduanda de Pedagogia, UEPB O trabalho, Caixa de leitura um mundo de

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

Atividade Pedagógica Teatro de fantoches. Junho 2013

Atividade Pedagógica Teatro de fantoches. Junho 2013 Atividade Pedagógica Teatro de fantoches Junho 2013 III D Teatro de fantoches A criança que ainda não sabe ler convencionalmente pode fazê-lo por meio da escuta da leitura do professor, ainda que não possa

Leia mais

Educação e cultura brasileira para falantes de herança na região de VA, MD e DC ABRACE, Inc. Introdução Histórico

Educação e cultura brasileira para falantes de herança na região de VA, MD e DC ABRACE, Inc. Introdução Histórico 1 Educação e cultura brasileira para falantes de herança na região de VA, MD e DC ABRACE, Inc. Ana Lúcia Lico Associação Brasileira de Cultura e Educação Introdução A missão da ABRACE é preservar e promover

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

EM RITMO DE TABUADA: A MIDIA MUSICAL COMO ESTRATÉGIA PARA ENVOLVER ESTUDANTES À ESCOLA E AO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA

EM RITMO DE TABUADA: A MIDIA MUSICAL COMO ESTRATÉGIA PARA ENVOLVER ESTUDANTES À ESCOLA E AO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA EM RITMO DE TABUADA: A MIDIA MUSICAL COMO ESTRATÉGIA PARA ENVOLVER ESTUDANTES À ESCOLA E AO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA Marisa Aguetoni Fontes, Universidade de Lisboa / Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Retomar as avaliações feitas e montar um quadro que reflita o cenário do trabalho com a leitura hoje nas suas escolas.

Retomar as avaliações feitas e montar um quadro que reflita o cenário do trabalho com a leitura hoje nas suas escolas. Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da tarde Pauta de encontro Olá coordenadoras, mais uma vez estaremos

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão, interessando-se por conhecer

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

RAPHAEL SANTA CRUZ O mágico-

RAPHAEL SANTA CRUZ O mágico- RAPHASANTACRUZ RAPHAEL SANTA CRUZ O mágico- Natural de Caruaru, Pernambuco, Raphael Santa Cruz, atua profissionalmente há dez anos. Em 2008, organizou no SESC Caruaru, o MAGIFEST, evento com palestras,

Leia mais

Projetos Pedagógicos. Agosto 2012

Projetos Pedagógicos. Agosto 2012 Projetos Pedagógicos Agosto 2012 JOGOS PEDAGÓGICOS Biblioteca... Lugar de conhecimento, imaginação e criatividade. A criança que ainda não sabe ler convencionalmente pode fazê-lo por meio da escuta da

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA SOCIALIZAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA CRIANÇA

A INFLUÊNCIA DA SOCIALIZAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA CRIANÇA A INFLUÊNCIA DA SOCIALIZAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA CRIANÇA FONTOURA, Léia Viviane 1 -UNIVALI PACHECO, Jaqueline 2 -UNIVALI ROCHA, Jaqueline 3 UNIVALI Grupo de Trabalho - Psicopedagogia Agência

Leia mais

REUNIÃO DE PAIS 1º ANO C e D 1º SEMESTRE/2012 PROFESSORAS: JULIANA E MARCELA

REUNIÃO DE PAIS 1º ANO C e D 1º SEMESTRE/2012 PROFESSORAS: JULIANA E MARCELA REUNIÃO DE PAIS 1º ANO C e D 1º SEMESTRE/2012 PROFESSORAS: JULIANA E MARCELA PROPÓSITOS DA REUNIÃO Apresentar o trabalho que será realizado no decorrer do ano letivo, em cada área do conhecimento. Compartilhar

Leia mais

MOMENTOS MUSICAIS: A EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORA EM FORMAÇÃO NO PROJETO MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA UFPB

MOMENTOS MUSICAIS: A EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORA EM FORMAÇÃO NO PROJETO MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA UFPB MOMENTOS MUSICAIS: A EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORA EM FORMAÇÃO NO PROJETO MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA UFPB SILVA 1, Ana Karenina Ferreira da Centro de Comunicação, Turismo e Artes/ Departamento de Educação

Leia mais

2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1- INTRODUÇÃO O presente projeto discute a importância do ato de ler e contar histórias no espaço da educação infantil para estimular e incentivar leitores desde pequenos. Acredita-se que essa atividade

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

SARAU NAS ESCOLAS. Ana Carla Penzo de Souza 1 ; Conrado Neves Sathler 2

SARAU NAS ESCOLAS. Ana Carla Penzo de Souza 1 ; Conrado Neves Sathler 2 SARAU NAS ESCOLAS Ana Carla Penzo de Souza 1 ; Conrado Neves Sathler 2 1 Graduanda do curso de Psicologia da UFGD/FCH, bolsista do PIBID/UFGD. E-mail: anapenzzo@hotmail.com. 2 Orientador do PIBID de Psicologia

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC Caro (a) professor (a), ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS PARA O 2º ANO Cientes

Leia mais

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida SETEMBRO Regresso à escola/adaptação Facilitar a adaptação/readaptação ao jardim de infância Negociar e elaborar a lista de regras de convivência Diálogo sobre

Leia mais

ISSN: 1981-3031 PROJETO BAÚ DE LEITURA : O IMPACTO DA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA ESCOLA PRESIDENTE DUTRA NO MUNICÍPIO DE SENADOR RUI PALMEIRA.

ISSN: 1981-3031 PROJETO BAÚ DE LEITURA : O IMPACTO DA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA ESCOLA PRESIDENTE DUTRA NO MUNICÍPIO DE SENADOR RUI PALMEIRA. PROJETO BAÚ DE LEITURA : O IMPACTO DA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA ESCOLA PRESIDENTE DUTRA NO MUNICÍPIO DE SENADOR RUI PALMEIRA. Gilmária Silva dos Santos 1 RESUMO O presente artigo foi elaborado a partir do

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Jussara Braga. Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva. Ilustrações de Rogério Borges

Jussara Braga. Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva. Ilustrações de Rogério Borges Jussara Braga Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Ilustrações de Rogério Borges 1 O desejo das águas é um livro poético escrito em prosa, mas cheio de poesia e lirismo. Por isso,

Leia mais

CONTATOS: FASHION TEEN

CONTATOS: FASHION TEEN CONTATOS: FASHION TEEN End: QI 13 Bloco E Loja 08 Lago Sul Brasília DF Tel: + 55 61.3366.2277/ 61.8533.2515 E-mail: contato@fashionteen.com.br Web: www.fashionteen.com.br APRESENTAÇÃO CURSO FASHIONTEEN

Leia mais