CORREIOS ENVELOPAMENTO AUTORIZADO PODE SER ABERTO PELA ECT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORREIOS ENVELOPAMENTO AUTORIZADO PODE SER ABERTO PELA ECT"

Transcrição

1 Abastecer Março/Abril/ Maio/2014 I n o 14 I I DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Brasil Mala Direta Postal Básica /2009/DR/MG/SP Abracen //// CORREIOS//// ENVELOPAMENTO AUTORIZADO PODE SER ABERTO PELA ECT classificação selo de qualidade para os produtos vegetais 40 anos centrais comemoram avanços na qualidade do abastecimento saúde informações na web sobre alimentação saudável

2

3

4 Presidente / Mário Maurici de Lima Morais [ceagesp-sp] 1º Vice-presidente / Antonio Reginaldo Costa Moreira [ceasa-ce] 2º Vice-presidente / Romero Fittipaldi Pontual [ceasa-pe] 3º vice-presidente / Luiz Damaso Gusi [ceasa-pr] Diretor Norte / Paulo Sérgio Braña Muniz [ceasa-ac] Vice-diretor Norte / Marco Antônio Soares Rapozo [ceasa-pa] Diretor Nordeste / José Tavares Sobrinho [ceasa-pb] Vice-diretor Nordeste / Marco Aurélio Casé [ceasa de caruaru-pe] Diretor Sul / Paulino Olivo Donatti [ceasa-rs] Vice-diretor Sul / Felício Francisco Silveira [ceasa-sc] Diretor Sudeste / Leonardo Penna de Lima Brandão [ceasa-rj] Vice-diretor Sudeste / José Paulo Viçosi [ceasa-es] Diretor Centro-Oeste / Wilder da Silva Santos [ceasa-df] Vice-diretor Centro-Oeste / Edvaldo Crispim da Silva [ceasa-go] Secretário Executivo / José Amaro Guimarães Moreira Vice-presidente FLAMA / Antonio Costa Moreira [ceasa-ce] Conselho Fiscal Titular Vinícius Petrônio Ferraz [ferbraz] Hélio Tomaz Rocha [craisa ceasa santo andré] Mario Dino Gadioli [ceasa de campinas] Conselho Fiscal Suplente Marcos Lima [ceasa-mg] Rodrigo Soares Gaia [ceasa-al] Francisco Estrela Abrantes [ceasa maranhão co-hortifrúti] COORDENAÇÃO EDITORIAL Eduardo Luiz Correia Jornalistas Bruna Queiroz, Carlos Dusse, Ciro Cavalcante, Delfino Araújo, Eduardo Luiz Correia, Glória Varela, Larissa Trevisan, Luciano Somenzari, Marisa Ribeiro, Matheus Feitoza, Vinícius Mattiello ABRACEN SGAS, Quadra 901, Bloco A, Lote 69 Ed. CONAB Sala 101 B Cep Telefone Responsável: Jusmar Chaves A Abracen é filiada a: WUWM World Union of Wholesale Markets: Flama Federación Latinoamericana de Mercados de Abastecimento Direção Executiva: Flávia Soledade Edição: Glória Varela - Mtb 2111 Revisão: Fátima Loppi Edição Gráfica: Cláudia Barcellos / Grupo de Design Gráfico Periodicidade: Trimestral Fotolito Impressão: RD Gráfica Distribuição: nacional Tiragem: unidades ATENDIMENTO AO LEITOR: A revista Abastecer Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos anúncios e artigos assinados. As pessoas que não constam do expediente não têm autorização para falar em nome da Revista Abastecer Brasil ou de retirar qualquer tipo de material se não tiverem em seu poder autorização formal da direção-executiva constante do expediente.

5 parceria para definição de políticas públicas o potencial e as vantagens de empreendimentos em conjunto, como base comum de dados estatísticos Neste início de 2014, a Abracen apresenta mais uma edição da Abastecer Brasil, a de número 14. Dentre os vários assuntos abordados, alguns merecem ser destacados, não apenas porque são temas relevantes, mas também por sinalizar as iniciativas de integração e aprimoramento técnico do setor de entrepostagem, como as discussões sobre padronização de embalagens, classificação de produtos, entre outras. Outro aspecto começa, agora, a ganhar musculatura, no sentido de as CEASAS brasileiras contribuírem em patamar mais elevado para as definições de políticas públicas voltadas para o abastecimento da população. A Associação Brasileira de Centrais de Abastecimento (Abracen), juntamente com técnicos do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort), da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Fazenda e do Banco Central, iniciou as articulações para a criação de uma base comum de dados estatísticos. O primeiro encontro para tratar disso aconteceu em Curitiba (PR), em fevereiro, com a participação de representantes técnicos das CEASAS do Paraná, do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, de São Paulo, de Minas Gerais, do Rio de Janeiro e do Espírito Santo. Ressalte-se que as Centrais de Abastecimento são importantes, se não fundamentais, no escoamento de produtos in natura do País. Por suas unidades passam, anualmente, nada menos que 20 milhões de toneladas de produtos hortícolas. Mas as centrais não se restringem aos canais de abastecimento da população. São também geradoras de informações estatísticas para a observação dos preços, de ofertas, da qualidade de produtos e de seus impactos no custo de vida da população. Ou seja, as CEASAS brasileiras produzem dados cruciais que podem auxiliar no balizamento de políticas públicas voltadas para o campo. O que faltava, agora que começaram as considerações de viabilidade técnica do projeto, era a proposição de uma base de informação comum, em um modelo de abrangência nacional. O encontro de Curitiba foi o primeiro passo nesse sentido, mas já sinaliza o potencial de outros empreendimentos conjuntos que podem, e devem, ser feitos pelas centrais de abastecimento. Outro destaque desta edição diz respeito aos aniversários das CEASAS de Minas Gerais, de Caxias do Sul e de Porto Alegre, construídas entre os anos 1970 e 1980, e que passam por processos de modernização de suas instalações e de suas operações. Ressalto, ainda, as reportagens sobre classificação de produtos vegetais e sobre a elaboração de um Manual de Boas Práticas a ser adotado nas centrais atacadistas do Brasil. Boa leitura. Mário Maurici de Lima Morais Presidente da ceagesp e da abracen Abastecer Brasil 5

6 EVENTOS , 19 e 20 de março Encontro da Flama/Mercosul Porto Alegre (RS) Encontro da Abracen, em Porto Alegre (RS) Assembleia geral e comemoração do aniversário da CEASA-RS 8 e 9 de abril 5 0 Seminário Nacional de Tomate de Mesa Unimep, Piracicaba, SP 8, 9 e 10 de maio II Hortifruti Brasil Fórum Internacional de Tecnologia em Horticultura, Fruticultura e Flores Curitiba (PR) 16 a 20 de maio Encontro da WUWM World Union of Wholesale Markets em Tessalônica, Grécia julho (data a definir) Encontro da Abracen Comemoração dos 40 anos da CEASA-MG 28 de julho a 1 de agosto 53 0 Congresso Brasileiro de Olericultura Palmas, TO A Olericultura na Amazônia Legal: Perspectivas e Desafios 24 a 27 de setembro Conferência da WuWM Londres, Inglaterra 6 Abastecer Brasil

7 entrevista Internacional México investe nas relações entre produtores e comerciantes 40 SUMÁRIO reportagens Manual de Boas Práticas Novos tempos, novas práticas 8 manual de boas práticas Lei de Licitações À luz da legalidade 12 Metodologia CEASAS buscam padronização de dados estatísticos 17 De pai para filho Em Londrina, a tradição abre espaço para novos projetos 18 Padronização Embalagens, a caminho do ideal 26 alimento saudável Capa Classificação de produtos vegetais: garantia de qualidade 30 Expansão CeasaMinas: 40 anos de conquistas 34 Caxias do Sul Novo modelo de gestão 46 Técnicos experientes Regionalização da CEASA impulsiona a economia 49 Alimento saudável Quem quer saúde vai à feira e à web 50 padronização Painel II Hortifrúti Brasil Show atrai empresários europeus 53 Modelo espanhol Evolução à vista 54 Ceasa Destaque CEASA-RS Quatro décadas de qualidade alimentar 58 artigos Tânia Mara Evaristo Moumeso Oásis no deserto 24 Angelo Bolzan Desafio na cadeia do abastecimento 44 Paulino Olivo Donatti Exemplo de sustentabilidade 56 ceasa destaque Abastecer Brasil 7

8 manual de boas práticas Novos tempos, novas práticas Necessidade de mais integração e de serviços à altura das exigências dos consumidores levou a Abracen a organizar um Manual de Boas Práticas das CEASAS. A publicação deverá servir de referência para solução de problemas operacionais, administrativos e ambientais. Por Luciano Somenzari O conceito de funcionamento das Centrais de Abastecimento tem seu início ainda nos anos 1960, quando a construção de grandes centros de distribuição foi usada para resolver um sistema de comercialização obsoleto e estrangulado pela falta de logística. O século XXI já avança e os novos tempos exigem mais uma vez que certas adequações ocupem o lugar de formas ultrapassadas de gestão e administração. No Brasil e no mundo não há mais como adiar o enfrentamento de problemas ligados, por exemplo, às questões socioambientais. Como tratar o lixo gerado nas CEASAS brasileiras? Vale a pena utilizar os resíduos sólidos para geração de energia ou água de reuso? Como se relacionar com os moradores ou com os fornecedores que têm relação direta com as centrais de abastecimento? Pois bem, os tais novos tempos trazem desafios complexos que, não necessariamente, exigem soluções igualmente complexas. Às vezes, se for adotado um simples modelo padrão para manipulação de alimentos ou de transporte, muitas dores de cabeça podem ser evitadas, e o que é melhor, zelará pela qualidade e pela segurança do alimento comercializado. Recentemente a diretoria da Associação Brasileira de Centrais de Abastecimento (Abracen) nomeou uma equipe de trabalho que ordenou e sistematizou o conteúdo de um Manual de Boas Práticas das CEASAS. Os primeiros exemplares desse manual deverão ser entregues na reunião da direção da Abracen, em março deste ano, em Porto Alegre (RS). Trata-se de um documento em que estão descritas as atividades e procedimentos adotados pelas empresas que produzem, manipulam, transportam, armazenam e/ou comercializam, para garantir que os alimentos tenham segurança e qualidade sanitária, atendendo à legislação federal em vigor. O ponto final dessa publicação foi dado a seis mãos, graças ao esforço de três técnicos escalados para elaborar a redação final do documento: José Lourenço Pechtoll, gerente de Armazenagem da CEAGESP; Carmo Zeitune, diretor-técnico operacional da CEASA-ES; e Claudinei Barbosa, diretor-técnico da CEASA-Campinas (SP). Pechtoll sintetiza a importância de um documento como esse: Faz tempo que a Abracen sente a necessidade de adotar um instrumento para nortear as CEASAS para que elas sejam mais proativas. Longe de ser a panaceia que irá solucionar todos os problemas crônicos das CEASAS, a maioria das quais sem condições de realizar os investimentos necessários para aprimorar o próprio negócio, o Manual oferecerá recomendações que todas podem seguir voluntariamente para aumentar a competitividade e atender às exigências do mercado atual. Em suma, vai ajudar a modernizar as centrais brasileiras para que possam garantir a qualidade dos produtos, o aperfeiçoamento do comércio, da estrutura e dos procedimentos, complementa Pechtoll. Dividido em cinco eixos estruturantes, o Manual parte do princípio de que as Centrais têm vida própria, mas, muitas vezes isoladas uma das outras, acabam prejudicando o próprio desenvolvimento, segundo avaliação de Claudinei Barbosa, acostumado a enfrentar essas mesmas circunstâncias na Central de Campinas. 8 Abastecer Brasil

9 Os cinco eixos são: Infraestrutura das Centrais de Abastecimento; Serviços de Alimentação; Sustentabilidade Ambiental; Formação/Qualificação de Profissionais; Sistema de Informação/ Comércio Justo. Infraestrutura Esse tópico do Manual aborda os requisitos necessários à instalação das Centrais de Abastecimento e inclui os seguintes assuntos: Estrutura predial adequada; Plano Diretor; Mobilidade e conforto logístico; Acessibilidade interna e externa; Áreas de estacionamento para caminhões que estão fora da operação de carga e descarga; Rotas alternativas para entrada e saída das centrais; Impacto na vizinhança e adequação viária; Central de embalagens (Banco de Caixas). Serviços de Alimentação Nesse eixo constam os requisitos específicos de fracionamento e manipulação de produtos a serem comercializados. Aliada a esse tema está a recomendação de instalar, dentro das centrais, restaurantes, lanchonetes, quiosques, espaço para vendedores ambulantes etc., ou seja, serviços para atender aos funcionários, permissionários e demais usuários das CEASAS. Determinar áreas específicas para serviços; Seguir orientações da Vigilância Sanitária; Exigir a apresentação de licenças e demais autorizações de funcionamento; Implementar a Rotulagem nas embalagens; Instalar o Controle de Pragas; Normatizar o comércio ambulante e realizar inspeção sanitária periódica; Normatizar pré-preparo, preparo e exposição de alimentos; Estimular a higienização de equipamentos, móveis, instalações e utensílios. Sustentabilidade ambiental O tema trata das formas adequadas de manejo de sobras e resíduos, de tratamento de efluentes e abastecimento de água nas instalações. Ter um plano de Gerenciamento de resíduos; Fazer uso racional da água, com elaboração de um Plano de Redução e uso sustentável, otimizado de três formas: água potável, para consumo e higienização de alimentos; água de reuso; e água pluvial armazenada, para limpeza e higiene de ambientes; Implementar estações de tratamento na produção de água para reutilização e sistema de coleta e armazenamento de água da chuva; Descartar adequadamente resíduos com aplicação de penalidades aos usuários infratores; Facilitar acesso à água para higienização; Elaborar projeto de combate ao desperdício (evitar produzir foto: lilian uyema Técnicos discutem conteúdo do Manual de Boas Práticas Abastecer Brasil 9

10 comunicação / ebal Manual oferecerá recomendações para modernizar as Centrais brasileiras sobras, criação de Banco de Alimentos utilizando produtos com perda de valor comercial mas ainda próprio para consumo etc.); Fazer coleta seletiva; Compartilhar com permissionários e produtores os custos da gestão de resíduos e contaminação de efluentes. Formação/Qualificação Abordagem dos requisitos para a formação e qualificação de todos os manipuladores de alimentos que trabalham nas centrais de abastecimento, que inclui funcionários das próprias CEASAS, funcionários de permissionários, produtores e transportadores. Adotar metodologia adequada à realidade formativa-educativa do formando; Oferecer treinamento prévio para a função, definindo direitos e deveres; Realizar periodicamente campanhas de conscientização de manipulação do alimento, limpeza e asseio do ambiente; Oferecer cursos de capacitação contínuos para os operadores do mercado; Desenvolver projeto de gratificação no alcance de metas educativas e informativas; Exigir dos permissionários cursos de capacitação dos funcionários das empresas alocadas nos mercados; Promover capacitação para conhecimento de metodologia de embalagens e logística de transporte. Sistema de Informação/ Comércio Justo Os dois temas foram agrupados em um único tópico sobre a necessidade de se estabelecerem sistemas de gestão de informação e controle (por meio inclusive de implementação de estrutura de Tecnologia da Informação TI e de comércio justo). Investir em sistema de informação permitindo acesso do produtor aos dados; Disponibilizar índices de preços praticados nas CEASAS por meio eletrônico; Implementar sistema único de controle de entrada de produtos, exigindo identificação do alimento, rastreabilidade, origem e destino, nota fiscal etc.; Informatizar as portarias; Instalar sistema unificado de rede mídia eletrônica; Instituir e medir indicadores de qualidade; Criar políticas para agregar valores na produção por meio de beneficiamento por cooperativas e associações; Estabelecer padrões mínimos de qualidade para classificação dos produtos; Criar regras comerciais com responsabilidades e deveres para cada elo da cadeia de produção e de um sistema de arbitragem por adesão voluntária; Instituir cadastro de compradores com índice de confiabilidade; Incentivar parcerias entre permissionários e produtores rurais para maior eficiência e qualidade dos produtos. O levantamento dos pontos que farão parte do Manual foi feito depois de várias reuniões com técnicos e operadores de mercado das centrais atacadistas, com a participação de pelo menos 11 representantes de CEASAS afiliadas à Abracen. Para Carmo Zeitune, da Central capixaba, o Manual de Boas Práticas se traduz em um extraordinário instrumento de gestão e aproxima os mercados atacadistas brasileiros dos principais mercados mundiais, que priorizam a inocuidade e segurança dos alimentos como fatores indispensáveis à saúde humana. 10 Abastecer Brasil

11 Abastecer Brasil 11

12 lei de licitações à luz da legalidade Aplicação da Lei de Licitações chega no momento de modernização das ceasas Por Delfino Araújo A maior central de abastecimento do País e da América Latina quer se renovar. Na verdade, precisa. A Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP) busca novos ares após 45 anos de serviços prestados. Primeiro aos paulistanos, que são os mais próximos. Mas o espírito empreendedor dos que se estabeleceram ali, desde o início, conseguiu estender a força dos negócios do abastecimento para muito além das fronteiras da cidade e do próprio estado de São Paulo e chegar a quase todas as regiões do País. Exatamente por essa grandeza é que a renovação torna-se essencial. O entendimento da necessidade de modernização chega em um momento chave para a vida de todos que ali trabalham. A Lei nº 8.666, conhecida como Lei das Licitações, bateu à porta da Central e surpreendeu os seus quase permissionários estabelecidos em boxes, módulos e pavilhões onde fervilham os negócios 24 horas por dia. E olha que demorou a chegar. A Lei é de 1993, há mais de 20 anos. Mas, agora, o Tribunal de Contas da União, o Ministério Público de São Paulo e, claro, a direção da CEAGESP, fazem os preparativos necessários para começar a transformação. O primeiro passo é cumprir o que exige a lei: toda área de concessão do espaço público precisa passar por um processo de concorrência para ser ocupada. É exatamente esse primeiro passo que faz bater mais acelerado o coração de todos na Central, desde que foram anunciadas as providências para adequação à lei. Corações batendo mais forte? Com razão. Desde os pioneiros, os contratos que abrigaram os comerciantes ali dentro estabeleciam um confortável uso por tempo indeterminado. Como contrapartida, só mesmo o pagamento de um valor mensal e despesas de condomínio, calculados por metro quadrado de espaço ocupado. Mesmo esse valor retorna a eles em benefícios como a prestação de serviços de manutenção, seguro, limpeza, segurança, entre outros itens. O EXEMPLO DOS OUTROS A questão mais palpitante, que está na mente dos dirigentes da CEAGESP e deixa bastante inquietos permissionários e trabalhadores, diz respeito ao tempo de transição que será concedido a esses comerciantes até que se realizem as primeiras licitações públicas. Outras centrais de abastecimento do País já enfrentaram a tarefa da aplicação da Lei. Na CeasaMinas, que também é vinculada ao governo federal, como a CEAGESP, o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) foi assinado com o Ministério Público Federal depois de um longo e difícil período de negociações. O novo contrato de conceção de uso que foi firmado em Minas concedeu um prazo de 20 anos aos concessionários da época. E só no final desse período é que essas áreas de comercialização do entreposto mineiro serão licitadas. No Distrito Federal e no Rio de Janeiro a opção foi pela criação de novas leis. Na capital do País, a Lei Distrital nº 4.900, de 16 de agosto de 2012, garantiu um contrato de 15 anos de permissão de uso das áreas de comercialização, que podem ser prorrogados por mais 15 anos, para os atuais ocupantes, desde que estivessem em dia com as suas obrigações fiscais e trabalhistas. No Rio de Janeiro, a Lei Estadual nº 6.482, de 2 de julho de 2013, também definiu o prazo de 15 anos, renováveis por mais 15. Nos seis entrepostos da CEASA Rio, já foram regularizados mais de 600 dos contratos, e o processo de regularização continua. 12 Abastecer Brasil

13 Outra Central que chegou a um entendimento com os permissionários é a CEASA do Espírito Santo. Primeiro com o ressarcimento, definido por uma tabela escalonada dos investimentos feitos nos boxes, no momento da abertura das licitações, e mais a concessão de 10 anos de uso das áreas, definida em contrato. fotos: lílian uyema QUANDO E COMO SERÁ? Vai ser uma batalha dura. A frase sincera e dita em tom sereno traduz bem o que se espera de todo o processo de adequação da CEAGESP à Lei das Licitações. Carlos Eduardo de Melo Ribeiro, responsável pelo setor jurídico da CEAGESP, e que certamente estará na linha de frente das negociações, junto com o TCU e o Ministério Público, mostra que está atento a todos os movimentos que acontecem dentro da Central. É claro que a notícia sobre a necessidade de adequação à Lei tirou todo mundo da zona de conforto. Mas eu entendo que todos terão condições de participar, e certamente em condições bem competitivas. Há risco? Claro que há, mas qualquer atividade empresarial tem risco, faz parte da natureza dos negócios. Caminhando pelas alamedas que levam aos 40 pavilhões da CEAGESP, repartidos em boxes e módulos, e por onde circulam perto de 50 mil pessoas e 10 mil veículos por dia, a sensação é de que a grande maioria permanece alheia ao que está por acontecer. Mas é só aparência. A verdade é que está no ar um constante alerta imaginário, mas bem evidente no semblante de cada um: Atenção, homens negociando! Todos agarrados a tablets, calculadoras, telefones celulares, preenchendo comandas, manobrando empilhadeiras ou empurrando pilhas de caixas de frutas, legumes, carregando e descarregando carretas de batatas, bananas, cebolas. Esses homens não param. Este é o lema: primeiro os negócios. Conceder alguns minutos de conversa sobre qualquer outro assunto é interromper aquilo que eles mais sabem, e também mais gostam de fazer: negociar. E a primeira reação à menção de concorrência pública vem quase sempre intempestiva, indignada. Tá bom, licita, eu perco. Rua para meus 127 funcionários. Eu vou pra casa, no auge do meu desempenho profissional. Tá tudo errado, diz um empresário para todo mundo ouvir. Ele atingiu recentemente os 10 milhões de reais de faturamento em um só mês. Não, não, é muito prematuro. A gente tem que discutir muito bem, diz outro empresário, cercado de caixas de legumes. Afora isso, mostra-se otimista em relação às mudanças. Acredita mesmo que será possível melhorar os serviços, a logística dos transportes, diminuir custos operacionais. Quanto tempo, 15 anos, 20 anos? É muito pouco. A Central está ultrapassada, precisa melhorar muito, Melo Ribeiro coleta opiniões que chegam de todos os cantos Edmilson da Luz está há 25 anos no setor de legumes Abastecer Brasil 13

14 Como ficaria isso aqui? Não consigo imaginar isso tudo retalhado entre diversos novos permissionários concorrentes. decreta outro. E acrescenta: Isso aqui foi construído para caminhões como aquele ali, e aponta um velho GMC. Ninguém nem sonhava com as carretas ou os trucks do tamanho que se produz hoje. Quando os batateiros chegam com eles, trava tudo. Ninguém passa. Não há espaço pra tudo isso. No box vizinho, um comerciante dos mais antigos, e também bananeiro, quase consegue dizer tudo só com o olhar sereno que vai percorrendo aquelas montanhas de mercadorias, o corre-corre, o produto que chega e que sai um olhar melancólico, como se estivesse prestes a se despedir de tudo aquilo. No Sindicato dos Permissionários em Centrais de Abastecimento de Alimentos do Estado de São Paulo (SINCAESP), o presidente José Luiz Batista, recém-eleito, está preocupado. A ocupação de espaço proposta na Lei nº não leva em conta a gestão do abastecimento. Mas devia. A grande maioria aqui é de produtores com longo histórico de atuação dentro da CEAGESP. De novo o advogado da CEAGESP, Melo Ribeiro, mostra-se sereno diante dos argumentos que ele sabe que terá que enfrentar durante todo o processo de negociações: Ninguém desconsidera os investimentos feitos ou o papel dos permissionários aqui dentro. Mas tudo que eles investiram foi no próprio negócio, no que é deles, está certo? Claro que muito da grandiosidade da Central se deve a esses comerciantes, só que isso não significa que a CEAGESP não teve nenhum papel nisso. O QUE SERÁ, QUE SERÁ... O Projeto de Lei 174 tramita no Congresso Nacional desde De autoria do deputado Weliton Prado, do PT/MG, a proposta institui o Plano Nacional de Abastecimento de Hortigranjeiros (PLANHORT). Quer dizer, define um novo marco regulatório para o setor de abastecimento no País. O PL 174 propõe um período de transição de dez anos, e mais a consideração dos investimentos feitos pelos permissionários, além de um prazo de até 25 anos para os novos contratos. A aprovação de um novo marco regulatório seria muito melhor. Mas o projeto atual merece aprimoramentos e ainda deve passar por duas comissões técnicas da Câmara antes de chegar ao Senado, diz Melo Ribeiro. José Luiz Batista, presidente do SINCAESP: a Lei n não leva em conta a gestão do abastecimento, mas devia. Independentemente da aprovação desse projeto, ele se prepara para os próximos passos: firmar o TAC com o MP para iniciar o recadastramento dos permissionários, fazer o levantamento das certidões de regularidade, das questões tributárias, da vida fiscal e trabalhista de tudo o que acontece dentro do entreposto e estabelecer um novo modelo de contrato a vigorar já no período de transição. Nas mesas de discussões, Melo Ribeiro não só terá a tarefa de debater, mas também a chance de ouvir muitas histórias. E talvez aí estejam as maiores dificuldades que ele vai encontrar: conciliá-las, porque elas constituem exemplos muito fortes de vidas construídas literalmente dentro da central. Por consequência, trata-se de gente vencedora que estruturou dia após dia as convicções que serão levadas à consideração dessa nova ordem que se quer estabelecer. Dessa gente faz parte o piauiense Edmilson da Luz, que chegou há 25 anos ali no setor de legumes. Determinado, veio com uma leva de conterrâneos em busca de dar um jeito na vida. E foi ligeiro. Trabalhou oito meses de empregado, como vendedor. E logo depois conseguiu o seu módulo, o primeiro passo para a independência. Agora já alcançou os 29 módulos e não esconde o medo de não ter condições de concorrer e manter todos eles. Como ficaria 14 Abastecer Brasil

15 isso aqui? Não consigo imaginar isso tudo retalhado entre diversos novos permissionários concorrentes. Quem não deve faltar a essas rodadas de negociações é o empresário João Barossi, do ramo de batatas. Ele já está na CEAGESP há 15 anos, quando deixou a sua Monte Alto, interior de São Paulo, terra da cebola. Quando lembra os prazos para a transição, nada do que foi estabelecido nas CEASAS de Minas Gerais e do Rio de Janeiro o comove: Não pode, assim de repente, limitar o empresário que quer crescer. Por isso, o debate vai ser longo. Bem longo. Mas também faço parte de um grupo de empresários do entreposto que querem construir uma central longe daqui. Já existe até uma área escolhida, ao longo da Rodovia dos Bandeirantes. Luiz Roque, do setor das bananas, é outro entusiasta de uma central fora dos limites da cidade. Mas é certo que vai se lembrar sempre dos bons tempos da CEAGESP. Afinal, era só um garoto quando começou. Lembra que o pai não sabia ler nem escrever, e foi ele, aos 11 anos, o escolhido para tomar conta do coração da empresa: o caixa. Quarenta nos depois, Roque entende que modernização é mesmo a palavra da hora. Mas não aqui. Quando o rodoanel de São Paulo ficar pronto, como justificar o tráfego de caminhões pesados aqui do lado de dentro? Roque acredita que as autoridades deveriam pensar nisso, porque o valor imobiliário que se alcançaria com a área da atual CEAGESP certamente compensaria a construção de uma nova central de abastecimento fora da cidade. O respeitado produtor de tomates José Luiz Batista é agora presidente do Sindicato dos Permissionários. Tem a responsabilidade de representar o interesse de todos eles nas negociações. O ideal seria um regramento específico para o setor de abastecimento. Porque mais que permissionários, nós aqui somos produtores, financiadores da produção, responsáveis pela logística de transporte e de abastecimento. Tudo isso está nas mãos dos permissionários. Ainda há outra questão importante: a licitação traz também o risco de concentração dos espaços nas mãos das distribuidoras. Mais antigo no entreposto do que todos eles, Edson Magario confessa que era só um rapazinho tímido, caipira da roça mesmo, lá em Registro, no Vale do Ribeira (SP), quando foi intimado pelo pai, que confiava nele para to- mar conta do box de bananas no entreposto que estava surgindo. Ele conta que os pioneiros tinham que suportar a zombaria dos comerciantes que ainda resistiam na Zona Cerealista da Rua Santa Rosa, centro da cidade. Ninguém queria vir. Como atrair clientes para aquele mar de lama e mosquitos? Magario apostou na força da gentileza. Deu certo. Era apenas um pequeno box, hoje já são cinco. E por isso, quando fala em licitação, é direto: E os 45 anos de investimentos feitos aqui, quem vai pagar? A PALAVRA É... Conciliação. Porque será mesmo preciso conciliar interesses distintos. E que se entenda que não são só dos permissionários, mas também da CEAGESP. A Central tem ainda a responsabilidade de atender às exigências legais, com acompanhamento permanente, tanto do Ministério Público quanto do Tribunal de Contas da União. Até aqui Melo Ribeiro vai coletando as opiniões que chegam de todos os cantos e que, certamente, constituirão um valioso patrimônio de recursos e argumentação, para nortear as melhores decisões na mesa de negociações com os permissionários da CEAGESP. Todos precisam saber que a intenção não é tirar o comerciante daqui. Queremos que todos eles permaneçam, e comercializem cada vez mais. Acontece que um espaço de uso público precisa observar as regras de ocupação previstas em lei. Não pode ser ocupado indefinidamente, passando de pai pra filho. E ainda teremos a chance de corrigir uma distorção que ocorre aqui dentro: o mercado paralelo de áreas oferecidas até no Google, por mais espantoso que pareça. Os valores dessas ofertas chegam a 850 mil reais, muito acima dos praticados nas licitações, informa o advogado. E tem mais: instalar uma nova Central exige um investimento considerável, e é preciso avaliar se vale a pena, quanto isso vai custar. E que mesmo numa central privada, de tempos em tempos eles terão que sentar com os proprietários e discutir contratos. Eu tenho certeza de que o empresário que está no setor dificilmente vai abrir mão de participar do processo de licitação. Afinal, aqui é o lugar deles. Todos precisam saber que a intenção não é tirar o comerciante daqui. Queremos que todos eles permaneçam, e comercializem cada vez mais. Acontece que um espaço de uso público precisa observar as regras de ocupação previstas em lei. Abastecer Brasil 15

16 16 Abastecer Brasil

17 Qual a variação do preço do tomate nos últimos meses? A questão, levantada pela imprensa no ano passado, quando se registrou uma combinação entre quebra de safra no Sul do País e outros fatores, tornou-se recorrente naquele período. Os jornalistas queriam explicar para as pessoas a grande variação dos valores na comercialização do produto. Invariavelmente, as fontes de dados sobre o tema foram as Centrais de Abastecimento. Isso porque elas colhem, processam e subsidiam com dados confiáveis os interessados no assunto. Apesar, porém, de serem geradoras de dados estatísticos importantes, não há uma base uniforme para o processamento das informações. Para contornar o problema, representantes das CEASAS de nove estados brasileiros, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), da Associação Brasileira das Centrais de Abastecimento (Abracen), da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Fazenda e também do Banco Central realizaram o primeiro encontro para discutir a uniformização da metodometodologia CEASAS buscam padronização de dados estatísticos Começa a ser definida uma metodologia comum para o processamento de informações Eduardo luiz Correia logia e do sistema de processamento dos dados sobre o mercado produtor de hortifrútis do País. A reunião aconteceu em Curitiba (PR), em fevereiro, oportunidade em que foram apresentados vários modelos de captação de informações das Centrais e as ações necessárias à padronização de um sistema único para todos os agentes envolvidos no tema. O intuito é unir esforços para melhorar o sistema de informações das CEASAS. A padronização de procedimentos é a oportunidade de mostrar a importância de comercialização dos mercados das Centrais, avalia Newton Júnior, gerente de Modernização do Mercado Hortigranjeiro da Conab. Para o representante do Ministério da Fazenda, Vitor Ludvig, a padronização permitirá a elaboração de projeções, a fim de auxiliar os produtores a definir quando e quanto têm que plantar. Além disso, os dados ainda poderão auxiliar no cálculo de índices econômicos, como o IPCA Índice de Preços ao Consumidor Amplo. A Conab, por sua vez, apresentou o trabalho desenvolvido em sua plataforma para a inserção de dados da produção e comercialização de hortigranjeiros no País. Agora, após a reunião técnica feita em Curitiba, coordenada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), e de posse dos mecanismos de captação de dados de cada CEASA, o grupo de trabalho vai se dedicar a construir uma metodologia comum a todos e definir os modos de operar a plataforma comum. Para se ter uma ideia do manancial de informações que são, ou podem ser, geradas pelas CEASAS, basta lembrar que cerca de 20 milhões de toneladas de produtos in natura passam, anualmente, por suas unidades. Abastecer Brasil 17

18 de pai para filho EM londrina, A TRADIÇÃO ABRE ESPAÇO PARA NOVOS projetos A diversificação da atividade econômica não desbancou a agricultura, que ainda é o motor da economia municipal Por Larissa Trevisan fotos: sara bornholdt Novo modelo de logística vai reduzir as perdas 18 Abastecer Brasil

19 Foi uma floresta típica de Mata Atlântica que os primeiros colonizadores encontraram ao chegar ao norte do Paraná, no final do século XIX, na área onde hoje estão municípios como Cambará e Londrina. Na região de terra roxa, extremamente fértil, gaúchos, mineiros e nordestinos se depararam com uma paisagem composta de araucárias, perobas, figueiras e ipês. A partir da década de 1920, o governo estadual passa a conceder terras a empresas privadas de colonização. O objetivo era abrir estradas e derrubar a floresta para a implantação de projetos agrícolas. Foi com esse espírito que, em 1924, a Companhia de Terras Norte do Paraná, uma subsidiária da firma inglesa Paraná Plantations, instalou-se na região. O café já era plantado nessa terra privilegiada, mas os ingleses também tinham interesse em abrir áreas de cultivo de algodão, para alimentar a sua indústria têxtil. A proposta de expansão incluía a construção de uma ferrovia que atravessasse o norte do estado, em direção à fronteira com o Paraguai. O ramal faria a interligação de toda essa área com outros centros agrícolas e industriais do País, pois se ligaria à estrada de ferro Sorocabana, em Ourinhos (SP). À frente dos trabalhos de prospecção para instalar a Companhia de Terras Norte do Paraná estava Simon Joseph Fraser, conhecido como Lord Lovat, uma figura marcante no processo de ocupação desse território. A partir de 1930, a região de Londrina recebeu um grande número de colonos ingleses, alemães, espanhóis, italianos, japoneses e também brasileiros, explica a professora e pesquisadora da Universidade Estadual de Londrina, Magda Tuma, autora de seis livros. No começo, os imigrantes dedicaram-se principalmente ao cultivo do algodão, mas o plantio de hortaliças tornou-se uma questão de sobrevivência. Os japoneses abriram várias chácaras para plantar hortaliças, porque aqui não havia o que comer, complementa a pesquisadora. Mais tarde, nos anos 1950, o café ganharia força. Graças à fertilidade do terreno e aos números expressivos da produção, Londrina passou a ser conhecida como a Capital do Café. A cidade conserva o título, talvez por nostalgia, já que o produto não é mais o motor da economia municipal. A principal fonte de receita de Londrina, que atualmente possui mais de meio milhão de habitantes, continua sendo a agricultura, embora a atividade econômica tenha se diversificado. O turismo ecológico, por exemplo, desponta com força na região. Os produtos mais comercializados e exportados são o café, o trigo, a soja, o milho, o algodão, as frutas e as hortaliças. Marcos: expansão inclui mercado de flores e de pescado ABASTECIMENTO A agricultura vigorosa, que movimenta os negócios da região, impulsiona também a Central de Abastecimento de Londrina, que hoje abastece metade do Paraná, e também cidades do sul dos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul. São dois milhões de pessoas e mais de 300 municípios, estima o gerente da instituição, Marcos Augusto Pereira. Em 2013, a Central comercializou mais de 88 mil toneladas de alimentos, o correspondente a R$ 153 milhões. Pereira afirma que em 2014 esses números serão ainda maiores. O mercado de flores está em fase de execução e será inaugurado ainda este ano. A maioria das centrais já tem um setor destinado à floricultura, mercado em expansão no País, então, nós não podemos ficar para trás, explica. O projeto de expansão prevê ainda uma área destinada ao comércio de pescados, mas o espaço precisa passar por uma reforma. Vamos ver se até o fim do ano inauguramos tudo, pondera o gerente. Abastecer Brasil 19

20 Fundada no início da década de 1980, a Ceasa de Londrina só decolou mesmo no começo dos anos 90. Hoje, quase três mil pessoas passam pela Central nos dias de maior movimento segundas, quartas e sextasfeiras. Um grande diferencial que atrai consumidores de várias regiões é o horário. É uma das únicas centrais que funciona na parte da tarde para comércio. Então, o comprador chega cedo, faz a cotação e tem o período da tarde para fazer as compras com calma e economia, revela Pereira. É o caso do comerciante Leôncio Araceli, que mora na cidade de Assis, no interior de São Paulo. Há 14 anos, toda semana ele viaja 130 quilômetros, distância do município até a Central, para abastecer o restaurante da família. Segundo ele, além do horário de funcionamento, as pedras também são um atrativo. Você chega aqui e pode negociar diretamente com os produtores. Além disso, eles têm sempre produtos da estação, o que nos permite mudar o cardápio do restaurante sem ter que mexer no preço final, explica Araceli. As pedras fazem parte da rotina da Ceasa de Londrina. Embora possam ser encontradas em outras centrais, a diferença é que elas só funcionam no período da tarde. O nome designa áreas marcadas por faixas pintadas no chão, como se fossem vagas de estacionamento cobertas. É assim que os pequenos produtores cadastrados na Central dividem o espaço para comercializar suas mercadorias. É uma forma de dar espaço ao pequeno produtor em época de safra e, ao mesmo tempo, aumentar a oferta de mercadorias para o consumidor, analisa Marcos Pereira. Numa quarta-feira quente de dezembro de 2013, o agricultor Claudio Aparecido Moreira ocupava a pedra número 91. Ele e o irmão trabalham juntos e já tinham vendido quase toda a colheita daquela semana: 100 dúzias de repolho, 15 de berinjela e 12 de abobrinha verde. Claudio voltou para casa com dois mil reais no bolso. Prefiro trabalhar na pedra a ter um box. A clientela é fiel, mas você tem que oferecer sempre mercadoria de qualidade. Não adianta botar o repolhão bonito por cima e os miudinhos por baixo. Tem que ter capricho para fazer a carga, zelar pelo freguês, avalia ele. Os fregueses de Claudio são, principalmente, feirantes, supermercados, quitandas e varejistas ambulantes. Segundo dados da Ceasa, a região de Londrina abriga mais de 6 mil produtores de frutas, que plantam em 28 mil hectares e geram uma receita de R$ 247 milhões por ano. Já no segmento das hortaliças, são 20 mil produtores em 20 mil hectares, responsáveis por R$ 500 milhões, anualmente. As duas atividades, juntas, empregam diretamente quase 69 mil pessoas. Marcelo: família unida comanda 35 empregados Claudio prefere trabalhar na pedra a ter um box 20 Abastecer Brasil

Guia de Boas Práticas

Guia de Boas Práticas específico para a Gestão de Mercados Atacadistas Sob a presidência de Mário Maurici de Lima Morais, Presidente da ABRACEN, foi criada uma equipe de trabalho dos membros da ABRACEN para a redação do presente.

Leia mais

CEASA. Qualidade, variedade, compromisso social e ambiental. Campinas PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

CEASA. Qualidade, variedade, compromisso social e ambiental. Campinas PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS CEASA Campinas PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS Qualidade, variedade, compromisso social e ambiental A CEASA Qualidade, variedade, compromisso social e ambiental. Estes são os alicerces da Centrais de

Leia mais

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Centro de Qualidade em Horticultura CEAGESP Construção e adoção de ferramentas

Leia mais

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS oportunidades de negócio para a Agricultura Familiar Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS CAMPO GRANDE - AGOSTO/2014 SEBRAE/MS Conselho Deliberativo Associação das Microempresas

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES CONAB/CEASAS PROJETO DE MODERNIZAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÕES CONAB/CEASAS PROJETO DE MODERNIZAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES CONAB/CEASAS PROJETO DE MODERNIZAÇÃO Newton Araújo Silva Júnior Mapa das CEASAS - SIMAB Fluxograma da Informação 1 - Coleta 2 - Tratamento 3 - Transformação 4 - Divulgação COLETA

Leia mais

O Entreposto Terminal da CEAGESP e as embalagens

O Entreposto Terminal da CEAGESP e as embalagens O Entreposto Terminal da CEAGESP e as embalagens A Corrente da Produção ao Consumo Insumos Tecnologia Produção Transporte Atacado Consumo Varejo Serviço de Alimentação O negócio de frutas e hortaliças

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

A CEASA DOS GAÚCHOS BANCO DE ALIMENTOS

A CEASA DOS GAÚCHOS BANCO DE ALIMENTOS Encontro Nacional da ABRACEN Rio de Janeiro, agosto de 2012 A CEASA DOS GAÚCHOS BANCO DE ALIMENTOS QUEM SOMOS ÁREA TOTAL: 420.000m² ÁREA CONSTRUÍDA: 86.500m² FUNCIONÁRIOS: CEASA/RS 38 (efetivos) Terceirizados

Leia mais

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina.

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina. EntreVISTA Fotos: Divulgação/Shutterstock O grande empreendedor encara os desafios Entre esperar o livro pronto e escrevê-lo, o comerciante Arnaldo Tsuruda preferiu seguir pela segunda opção. A história

Leia mais

CDA COMUNICAÇÃO INTEGRADA

CDA COMUNICAÇÃO INTEGRADA Central de Cases CDA COMUNICAÇÃO INTEGRADA www.espm.br/centraldecases Central de Cases CDA COMUNICAÇÃO INTEGRADA Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy, da ESPM SP. Recomendado para a área de Administração

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO SUMÁRIO 4 APRESENTAÇÃO DO PROJETO 6 JUSTIFICATIVA 7 OBJETIVOS 7 PÚBLICO ALVO 8 HISTÓRICO DO EVENTO 12 EMPRESAS E INSTITUIÇÕES PARCEIRAS APRESENTAÇÃO DO PROJETO Foto 1: Vista aérea do evento A Expoarroz

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.413-A, DE 2013 (Do Sr. Jorginho Mello)

PROJETO DE LEI N.º 5.413-A, DE 2013 (Do Sr. Jorginho Mello) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.413-A, DE 2013 (Do Sr. Jorginho Mello) Dispõe sobre a concessão do Selo Estabelecimento Sustentável; tendo parecer da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Introdução Planejamento Divulgando sua loja Como fechar as vendas Nota Fiscal

Leia mais

CAE CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

CAE CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR 2 Esta cartilha do Tribunal de Contas da União TCU foi elaborada para os membros do Conselho de Alimentação Escolar - CAE. Os objetivos são dois: destacar a importância

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Everaldo Baldin. cipa entrevista. 22 cipacaderno informativo de prevenção de acidentes www.cipanet.com.br

Everaldo Baldin. cipa entrevista. 22 cipacaderno informativo de prevenção de acidentes www.cipanet.com.br Everaldo Baldin Prot-Cap: quatro décadas de empreendedorismo PARA EVERALDO BALDIN, O SEGREDO DO SUCESSO DA EMPRESA ESTÁ NA QUALIDADE DO ATENDIMENTO E NO FOCO NO MERCADO DE EPI POR VIVIANE FARIAS redacao6@cipanet.com.br

Leia mais

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Pavilhão Amarelo São Paulo BEM VINDO A FRUIT & LOG 2009! ABRINDO

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

Obtenção de recursos para a agricultura urbana através do Orçamento Participativo municipal: a experiência de Porto Alegre

Obtenção de recursos para a agricultura urbana através do Orçamento Participativo municipal: a experiência de Porto Alegre Obtenção de recursos para a agricultura urbana através do Orçamento Participativo municipal: a experiência de Porto Alegre Saya Saulière - sayasauliere@hotmail.com IPES/PGU-AL Fotos: Saya Sauliére - 1:

Leia mais

BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR

BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CIRCULAR TÉCNICA CEAGESP - CQH Nº 14 - JUNHO 2006 EU SEI PRODUZIR SÓ NÃO SEI COMERCIALIZAR!

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN. Departamento de Estruturação e Integração de Sistemas Públicos Agroalimentares DEISP

Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN. Departamento de Estruturação e Integração de Sistemas Públicos Agroalimentares DEISP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Departamento de Estruturação e Integração de Sistemas Públicos Agroalimentares DEISP

Leia mais

MANUAL. Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento. [Digite texto]

MANUAL. Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento. [Digite texto] MANUAL Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento [Digite texto] Grupo de Trabalho Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Ministério

Leia mais

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS 1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS Organização de Produtores para produção e comercialização de laranjas in natura. MAURÍLIO SOARES GOMES - Engenheiro Agrônomo JOSÉ ROBERTO GOLFETE - Técnico

Leia mais

Usina São Luiz S/A. Declaração de ciência do regulamento

Usina São Luiz S/A. Declaração de ciência do regulamento Declaração de ciência do regulamento Declaramos, para os devidos fins, que: i) Estamos cientes e de acordo com as condições do Regulamento do Prêmio de Mérito Ambiental. ii) A empresa está cumprindo as

Leia mais

Negócio Missão Visão

Negócio Missão Visão Histórico A CEASA é um projeto que surgiu a partir da necessidade de organizar a comercialização e melhorar o abastecimento de produtos hortigranjeiros em Rio Branco. Pleiteada desde o início do Governo

Leia mais

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia Cadeia irá trabalhar unida na implementação das melhores práticas socioambientais

Leia mais

fazem bem e dão lucro

fazem bem e dão lucro Melhores práticas de fazem bem e dão lucro Banco Real dá exemplo na área ambiental e ganha reconhecimento internacional Reunidos em Londres, em junho deste ano, economistas e jornalistas especializados

Leia mais

Primeiro escritório de inclusão social da América Latina

Primeiro escritório de inclusão social da América Latina Primeiro escritório de inclusão social da América Latina 18 de setembro Nós do Centro: mais uma ação para a comunidade do Grupo Orsa O Grupo Orsa, por meio da Fundação Orsa, inaugura um espaço inovador

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: REGIÃO SUDESTE PLANEJAMENTO

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: REGIÃO SUDESTE PLANEJAMENTO Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais em várias categorias CATEGORIA: REGIÃO SUDESTE PLANEJAMENTO Município de Três Marias MG Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito

Leia mais

Mídia Kit 2015. Publicidade. Tabela com vigência a partir de janeiro de 2015 Versão I em 26/11/2014

Mídia Kit 2015. Publicidade. Tabela com vigência a partir de janeiro de 2015 Versão I em 26/11/2014 Mídia Kit 2015 Publicidade Tabela com vigência a partir de janeiro de 2015 Versão I em 26/11/2014 Multiplataforma A Prazeres da Mesa é hoje a mais dinâmica produtora de conteúdo de gastronomia em várias

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 Expediente: Textos: Elisangeles Souza e Marcos Andersen Revisão: Elisangeles Souza, Maria Silvia

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 1 1. O Programa de Gestão Ambiental O Programa de Gestão Ambiental da

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

20/10/2015 Por Jair Sampaio Pelo segundo ano consecutivo, Senac RN é uma das 150 melhores empresas para trabalhar no Brasil

20/10/2015 Por Jair Sampaio Pelo segundo ano consecutivo, Senac RN é uma das 150 melhores empresas para trabalhar no Brasil VEÍCULO: BLOG DO JAIR SAMPAIO DATA: 20.10.15 20/10/2015 Por Jair Sampaio Pelo segundo ano consecutivo, Senac RN é uma das 150 melhores empresas para trabalhar no Brasil Instituição vinculada ao Sistema

Leia mais

10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL

10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL 10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL Os meses de dezembro e janeiro na maioria das empresas são marcados invariavelmente por atividades de planejamentos, orçamentos e metas para o ano novo. Para o próximo

Leia mais

Documentos 297. Agostinho Dirceu Didonet. ISSN 1678-9644 Março, 2014. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão

Documentos 297. Agostinho Dirceu Didonet. ISSN 1678-9644 Março, 2014. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Março, 2014 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 297 O Papel das Mulheres no Desenvolvimento

Leia mais

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> O que é software na nuvem... 6 >> Vantagens do software na nuvem... 8 >> Conclusão... 13 >> Sobre a Frota Control... 15 3 Introdução

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário Luiz Antônio Jaeger (21) 9702 9194 luizantonio@parme.com.br parme@parme.com.

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário Luiz Antônio Jaeger (21) 9702 9194 luizantonio@parme.com.br parme@parme.com. PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Pleno Dados da empresa Razão Social Franquipar Franqueadora e Licenciadora de Marcas Ltda. Nome fantasia Parmê

Leia mais

Lean na agroindústria: a transformação da indústria de café torrado e moído no Grupo 2 Irmãos

Lean na agroindústria: a transformação da indústria de café torrado e moído no Grupo 2 Irmãos Lean na agroindústria: a transformação da indústria de café torrado e moído no Grupo 2 Irmãos Julio César Paneguini Corrêa A filosofia lean não mais se restringe às empresas de manufatura. Muitos setores

Leia mais

Cooxupé faz investimento milionário em complexo de armazenamento

Cooxupé faz investimento milionário em complexo de armazenamento Cooxupé faz investimento milionário em complexo de armazenamento 7 8 Carlos Paulino discursando A cidade de Guaxupé, no sul de Minas Gerais, é conhecida por ser um dos grandes centros cafeeiros nacionais

Leia mais

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Em nome da comissão que organizou este evento agradeço a todos aqueles que convidamos para compor as diversas mesas e a todos vocês que acompanharam

Leia mais

Manual de Conduta Escritórios Brasília

Manual de Conduta Escritórios Brasília Manual de Conduta Escritórios Brasília 1 Prezado parceiro, você acaba de ingressar em um novo modelo de gestão de negócios. Seja bem-vindo. 2 Com o único objetivo de aprimorar o seu negócio vamos apresentar

Leia mais

Segunda-feira, 22 de abril de 2013

Segunda-feira, 22 de abril de 2013 Segunda-feira, 22 de abril de 2013 22/04/2013 07h00 - Atualizado em 22/04/2013 07h00 Empresários dão dicas de como empreender após a aposentadoria Professora aposentada montou empresa de reforma de calçadas.

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.650 Parceiros Rurais. Edição nº 25 - Fevereiro de 2016. Nesta Edição. Página 2.

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.650 Parceiros Rurais. Edição nº 25 - Fevereiro de 2016. Nesta Edição. Página 2. I N F O R M A T I V O Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.650 Parceiros Rurais. Edição nº 25 - Fevereiro de 2016. Nesta Edição Agricultura O exemplo de nossos vizinhos... Página 2

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Perspectivas do mercado de tratamento de águas e efluentes

Perspectivas do mercado de tratamento de águas e efluentes por Bruna Lavrini Perspectivas do mercado de tratamento de águas e efluentes Segundo fontes do setor, 2013 deve ser mais promissor do que 2012 O ano de 2012 está acabando e é necessário fazer um balanço

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA VAREJO Julho - 2012 O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA Fonte imagem: Disponível em:< http://4.bp.blogspot.com/_caqa6tpillu/tjevn_ah_ei/ AAAAAAAAAAM/3dTp5VPhJ9E/s1600/69589_Papel-de-Parede-Todos-juntos_1280x800.

Leia mais

A lei na prática. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo. Cooperativas de catadores

A lei na prática. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo. Cooperativas de catadores Política Nacional de Resíduos Sólidos Cooperativas de catadores A lei na prática Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo Em vigor desde agosto de 2010, a nova lei sobre resíduos urbanos

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Nordeste atrai novos investimentos em celulose

Nordeste atrai novos investimentos em celulose Reportagem de Capa Agência Vale Nordeste atrai novos investimentos em celulose O PAPEL - Março 2010 O sul da Bahia já tem exemplos de sucesso, como as fábricas da Veracel e da Suzano. Agora, os Estados

Leia mais

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS RAMA 1 O QUE É O RAMA? Página 3 Sumário 2 PARA QUE SERVE O RAMA? 3 Página 4 COMO FUNCIONA O RAMA? Página 5 4 POR QUE PARTICIPAR Página 9 DO RAMA? 5 COMO PARTICIPAR DO RAMA? Página 10 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS

Leia mais

TASCHIBRA. Resumo. Sistema de Gestão de Qualidade SGQ na Taschibra: processo de melhoria contínua

TASCHIBRA. Resumo. Sistema de Gestão de Qualidade SGQ na Taschibra: processo de melhoria contínua TASCHIBRA Sistema de Gestão de Qualidade SGQ na Taschibra: processo de melhoria contínua por Ademar do Amaral Jr Mestre em Administração pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (2007); Especialista

Leia mais

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Comercialização de Uvas X Congresso Brasileiro de Viticultura e Enologia 161 Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Gabriel Vicente Bitencourt de Almeida 1 Da mesma forma que botanicamente,

Leia mais

Rastreabilidadee Alimento Seguro. Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP

Rastreabilidadee Alimento Seguro. Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP Rastreabilidadee Alimento Seguro Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade em Horticultura da CEAGESP Algumas constatações O cumprimento das exigências legais édever de cada cidadão. Ninguém

Leia mais

5 Case Stara. Cristiano Buss *

5 Case Stara. Cristiano Buss * Cristiano Buss * Fundada em 1960, a Stara é uma fabricante de máquinas agrícolas. De origem familiar, está instalada em Não-Me-Toque, no norte do Estado; Em seis anos, cresceu 11 vezes, com baixo nível

Leia mais

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história Desafio Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história de recuperação, tradição e sucesso no varejo de material de construção mineiro. O único caminho a seguir,

Leia mais

Artigo 16 Como montar uma Cafeteira

Artigo 16 Como montar uma Cafeteira Artigo 16 Como montar uma Cafeteira O consumo de café é um hábito entre os brasileiros, seja em casa, no trabalho ou na rua. Esse hábito vem crescendo e se modificando também. O interesse pelos cafés finos

Leia mais

Alguns ensinamentos valem para qualquer negócio

Alguns ensinamentos valem para qualquer negócio Alguns ensinamentos valem para qualquer negócio Você tem um trabalho tradicional, daqueles de bater ponto. Já tem um negócio, mas não vai tão bem quanto gostaria. É um funcionário público, mas está infeliz

Leia mais

Perguntas e respostas Mais Qualidade

Perguntas e respostas Mais Qualidade Perguntas e respostas Mais Qualidade O que é o Programa Mais Qualidade? O Mais Qualidade é um programa da Bayer CropScience que tem como objetivo a obtenção de frutas com qualidade superior. Tudo isso

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

PRONUNCIAMENTO SOBRE LOGÍSTICA DE TRANSPORTES

PRONUNCIAMENTO SOBRE LOGÍSTICA DE TRANSPORTES PRONUNCIAMENTO SOBRE LOGÍSTICA DE TRANSPORTES Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Senadores, Amigos que nos assistem e nos ouvem pela Rádio Senado e pela TV Senado Há poucos dias, um fato foi amplamente

Leia mais

Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade.

Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade. Políticas Públicas são um conjunto de ações e decisões do governo, voltadas para facilitar a solução de problemas da sociedade. Políticas Públicas são a totalidade de ações, metas e planos que os governos

Leia mais

O setor supermercadista e o compromisso com a qualidade das frutas e verduras. ABRAS Associação Brasileira de Supermercados

O setor supermercadista e o compromisso com a qualidade das frutas e verduras. ABRAS Associação Brasileira de Supermercados O setor supermercadista e o compromisso com a qualidade das frutas e verduras ABRAS Associação Brasileira de Supermercados ABRAS Entidade civil sem fins lucrativos, criada em 1971 Missão Representar,

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br NO CAMPO: UMA FAMÍLIA DE SOLUÇÕES EDUCACIONAIS PARA PRODUTORES RURAIS. TODA MINHA FAMÍLIA VIVE DA PRODUÇÃO RURAL. E MAIS DE CINCO MILHÕES

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Se hoje investir em responsabilidade socioambiental é uma opção, em breve será praticamente obrigatório para se manter no mercado. Especialistas da indústria

Leia mais

Gestão nacional SESI cria atendimento único para grandes empresas

Gestão nacional SESI cria atendimento único para grandes empresas Gestão nacional SESI cria atendimento único para grandes empresas O SESI Nacional lançou no ano passado o Programa de Base Nacional, uma iniciativa da área de Relações com o Mercado, para tornar mais ágil

Leia mais

Sobre o evento ACELERA SP

Sobre o evento ACELERA SP Sobre o evento ACELERA SP Articulado pelo parlamentar da região, o município de Guararema receberá a oitava edição do encontro, que tem como objetivo apresentar os projetos da pasta e discutir possíveis

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

Um ano de farta colheita

Um ano de farta colheita Um ano de farta colheita Estamos muito felizes, pois o trabalho que realizamos em 2012 rendeu uma farta colheita, como demonstramos neste balanço: o Balanço de Atividades ANDEFedu de 2012. Além de palestras

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa L Fundação Espaço ECO produz e dissemina conhecimento por meio da Educação para a Sustentabilidade Organização promove a transformação socioambiental de pessoas, organizações e sistemas

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados, o Primeiro e o Segundo Setor da Sociedade. Tem como objetivo

Leia mais

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br 10 - Precisão na pecuária 14 - Trigo com tecnologia 18 - Turistas no pomar 10 14 18 PRIMAVERA 2013 O SULCO JohnDeere.com.br COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. capa 1 2 RICARDO

Leia mais

Assessoria de Imprensa

Assessoria de Imprensa Assessoria de Imprensa Alex Branco Neto MTB: 12.834 Telefone:(11) 3021 4830 e mail: alex.branco@uol.com.br Release Um Grupo 100% brasileiro Somos o principal Grupo de capital nacional no processamento

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 SOJA BRASILEIRA A soja é a principal cultura agrícola do Brasil - 28 milhões de ha (25% da área mundial plantada)

Leia mais

PENDURAR (63(&,$/ 62)7:$5( 1$&,21$/ QUEM NÃO QUER AS CHUTEIRAS

PENDURAR (63(&,$/ 62)7:$5( 1$&,21$/ QUEM NÃO QUER AS CHUTEIRAS QUAIS RESULTADOS APRESENTAM AS EMPRESAS QUE CONTRATAM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA? Pág. 46 N 1Ô0(52 35(d2 5 ISSN 2176-5553 9 772176555004 QUEM NÃO QUER PENDURAR AS CHUTEIRAS CHUTEIRAS AS O EXEMPLO DE EMPRESÁRIOS

Leia mais

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso.

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. Cliocar Acessórios: A construção de um negócio A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. 2 Conteúdo Resumo executivo... 2 Conhecendo o mercado... 2 Loja

Leia mais

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS 1 ÍNDICE 1. Introdução... 2. Por que preciso investir em tecnologia?... 3. Cinco passos para usar a tecnologia a meu favor... 4.

Leia mais

Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final

Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final www.aciaanapolis.com.br Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final De 1º a 07 de Fevereiro de 2014 - Ano 09 - Nº 224 - Diretoria 2013/2015 Diretoria da Associação Comercial e Industrial

Leia mais

8 Balanço Social. 8.1. Política de Preços Mínimos

8 Balanço Social. 8.1. Política de Preços Mínimos 8 Balanço Social Ao participar da formulação e execução de políticas para o setor agroalimentar, com o objetivo de garantir o atendimento das necessidades de sustentação da renda do produtor e de segurança

Leia mais

SURGIMENTO DOS BANCOS DE ALIMENTOS NO MUNDO E NO BRASIL

SURGIMENTO DOS BANCOS DE ALIMENTOS NO MUNDO E NO BRASIL Banco de Alimentos Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), por meio da Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (SESAN) SURGIMENTO DOS BANCOS DE ALIMENTOS NO MUNDO

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PREFEITO

AGRICULTURA FAMILIAR UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PREFEITO AGRICULTURA FAMILIAR UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PREFEITO Copyright 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. A reprodução não

Leia mais

Distritos Industriais. e o Desenvolvimento das Cidades

Distritos Industriais. e o Desenvolvimento das Cidades Distritos Industriais e o Desenvolvimento das Cidades Expediente Distritos Industriais e o Desenvolvimento das Cidades Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais