INDICE 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA RESULTADOS... 11

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDICE 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 3 2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 4 3. METODOLOGIA... 9 4. RESULTADOS... 11"

Transcrição

1 Março/0

2 INDICE. DADOS DA INSTITUIÇÃO.... CONSIDERAÇÕES INICIAIS.... OBJETIVOS E METAS DA INSTITUIÇÃO.... DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA.... DOS ITENS OBSERVADOS NA AVALIAÇÃO.... DAS INSTÂNCIAS DA AVALIAÇÃO.... FINALIDADE E OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL.... METODOLOGIA.... RESULTADOS..... AVALIAÇÃO DOS ACADÊMICOS.... AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES E TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS.... DESCRIÇÃO DOS OBJETIVOS E QUANTIFICAÇÃO DAS METAS DIMENSÃO I - A Missão e o PDI DIMENSÃO II - Políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e a respectivas formas de operacionalização, incluindo os procedimentos para o estímulo para a produção acadêmica, as bolsas de pesquisa, de monitoria e demais modalidades DIMENSÃO III - A responsabilidade social da Instituição, considerada especialmente no que se refere à sua contribuição em relação à inclusão social, ao desenvolvimento econômico e social, à defesa do meio ambiente, da memória cultural, da produção artística e do patrimônio cultural DIMENSÃO IV - A comunicação com a sociedade DIMENSÃO V - As políticas de pessoal, de carreiras do corpo docente e corpo técnico - administrativo, seu aperfeiçoamento, desenvolvimento profissional e suas condições de trabalho DIMENSÃO VI - Organização e gestão da instituição, especialmente o funcionamento e representatividade dos colegiados, sua independência e autonomia na relação com a mantenedora, e a participação dos segmentos da comunidade acadêmica nos processos decisórios DIMENSÃO VII - Infra-estrutura física, especialmente a de ensino e de pesquisa, biblioteca, recursos de informação e comunicação DIMENSÃO VIII - Planejamento e avaliação, especialmente em relação aos processos, resultados e eficácia da auto-avaliação institucional DIMENSÃO IX - Políticas de atendimento aos estudantes DIMENSÃO X - Sustentabilidade financeira, tendo em vista o significado social da continuidade dos compromissos na oferta da educação superior..... CONSIDERAÇÕES FINAIS...

3 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 RELATÓRIO FINAL. DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome / Código da IES: CEI CENTRO EDUCACIONAL INTEGRADO FACULDADE INTEGRADO DE CAMPO MOURÃO 0 Caracterização da IES: Faculdade Instituição Privada com fins lucrativos Estado: PR Município: Campo Mourão Composição da CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO César Pinto Representante da Instituição Cleuza Proetti Yurassek Representante Docente José Turosi Representante de Clube de Serviços Luciana Pontes Secretária Acadêmica e Representante dos Funcionários Marta Paulina Kaiser Leitner Representante indicado pela ACICAM Associação Comercial e Industrial de Campo Mourão Patrícia Silva de Campos Representante Discente Rafael Zampar Presidente da Comissão Rosely Scheffer Representante dos Coordenadores de Curso Simone Jurema Ruggeri Chiuchetta Colli Diretora Acadêmica Período de mandato da CPA: /0/ a /0/ Ato de designação da CPA: PORTARIA DG Nº 00/0

4 . CONSIDERAÇÕES INICIAIS A Avaliação Institucional na IES é um processo desenvolvido pela comunidade interna, que ocorre anualmente com o intuito de reavaliar e promover melhorias na IES. Para a elaboração de uma proposta consistente e respaldada pela comunidade interna, optou-se por um processo participativo e democrático, envolvendo todos os agentes da Instituição. Nesse processo foram consideradas avaliações com a comunidade externa e discussões com a comunidade interna, definindo-se os parâmetros a serem avaliados. Assim, as avaliações retratam o compromisso institucional com o autoconhecimento e sua relação com o todo, em prol da qualidade de todos os serviços que a IES oferece para a sociedade. Confirma também a sua responsabilidade com a oferta de educação superior e centro de discussão e disseminação de conhecimento. A IES designou uma Comissão Própria de Avaliação - CPA, com representação de todos os segmentos exigidos pela legislação, especialmente constituída para planejar, organizar, refletir e cuidar do interesse de toda a comunidade, sendo responsável pelo processo que conta com a participação e envolvimento geral, com o apoio da alta gestão da IES e com a disponibilização de informações e dados confiáveis. O método adotado partiu do individual para o coletivo e orientou o processo quanto às decisões, técnicas e métodos de forma flexível para, diante de situações concretas, criar novos contornos, adotar decisões e técnicas mais oportunas e diretamente vinculadas às situações em pauta. Para tanto foram realizados seminários e fóruns de discussões envolvendo toda a comunidade acadêmica, no sentido de cumprir as etapas propostas: ) Sensibilização; ) Desenvolvimento do projeto; ) Criação do instrumento de avaliação; ) Aplicação do instrumento.

5 Na criação do instrumento de avaliação, o enfoque concentrou-se, sobretudo no diagnóstico e análise do ensino, infra-estrutura e serviços da IES. A avaliação do ensino de Graduação demonstra a situação dos cursos, onde são avaliados: desempenho da coordenação, desempenho docente; desempenho discente; expectativa do curso pelo discente e infra-estrutura relacionada ao desempenho das atividades de ensino de Graduação (laboratórios específicos e de informática, biblioteca, sala de aula e sala dos professores). A avaliação da infra-estrutura demonstra a situação da IES, onde são avaliados: cantina, fotocopiadora, áreas comuns e portal universitário. A avaliação dos serviços também demonstra a situação da IES, onde são avaliados todos os departamentos administrativos com relação ao atendimento e eficácia dos serviços prestados. Os resultados obtidos são divulgados à comunidade interna da IES, e com base nos dados apresentados são discutidos pontos fortes, pontos fracos e propostas sugestões para melhorias. Os dados da avaliação, bem como as discussões compõem os relatórios de cursos e ainda o relatório geral de Avaliação Institucional. Esse relatório é a base para a Instituição analisar e reorganizar o planejamento de suas ações. O que é possível de ser resolvido em curto prazo é realizado. As ações de médio e longo prazo passam a compor o Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI. A avaliação vista como um processo dialético é constantemente revista no sentido de aprimorar os instrumentos em busca de qualidade e clareza dos dados. Assim, iniciamos um processo manual com respostas assinaladas em formulários próprios. Para o processo de avaliação do ano base 00 tivemos a primeira versão informatizada, que facilitou muito o processo. Em 0 o Sistema foi atualizado e a avaliação passou a compor o planehamento estratégico da instituição. Nesse mesmo modelo, foi implantada pela ª vez a avaliação externa, acompanhada pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná SEBRAE, com o objetivo de conhecer a imagem da Instituição junto à comunidade da

6 região da COMCAM (Comunidade dos Municípios da Região de Campo Mourão - microrregião XII do estado do Paraná).. OBJETIVOS E METAS DA INSTITUIÇÃO A Instituição definiu como seus principais objetivos para garantir êxito no Planejamento e Gestão Institucional: I. transformar o processo de avaliação institucional em um ato contínuo, podendo medir anualmente aspectos quantitativos e qualitativos relativos às atividades desenvolvidas internamente, atendendo às propostas do Sistema Nacional de Avaliação Institucional SINAES; II. dar seqüência ao processo de reestruturação administrativa, buscando racionalização e aprimoramento das informações gerenciais; III. diversificar as fontes de receita, através da implantação de novos cursos de Graduação, Pós-Graduação, extensão e prestação de serviços; IV. fortalecer a imagem institucional junto à comunidade; V. formatar programas de parcerias com empresas da região, visando a cooperação tecnológica e empregabilidade do corpo discente; VI. formatar programas de parcerias com estabelecimentos de ensino público da rede estadual e municipal, visando uma cooperação e acompanhamento da educação básica.. DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA A CPA é composta por representantes de todos os segmentos da comunidade acadêmica (docentes, técnicos administrativos, e discentes) e também da sociedade externa da IES. A CPA, além de coordenar e articular o processo de autoavaliação institucional é responsável pelas seguintes atribuições: I. planejar e organizar as atividades da autoavaliação e sensibilização da comunidade;

7 II. estabelecer os objetivos, a metodologia, os procedimentos, as estratégias, os recursos e o calendário de ações do processo de autoavaliação; III. desenvolver estudos e análises, visando ao fornecimento de subsídios para a fixação, aperfeiçoamento e modificação da política da avaliação Institucional; IV. elaborar os relatórios parciais e finais das diversas etapas da avaliação institucional. V. divulgar os resultados da avaliação institucional a docentes, técnicos administrativos, coordenações de cursos, chefias de departamento e acadêmicos.. DOS ITENS OBSERVADOS NA AVALIAÇÃO Na avaliação dos Projetos de Cursos observa-se: I. na execução do projeto: formação e experiência profissional do corpo docente e a adequação do docente a cada atividade prevista: aula teórica, aula prática, orientação de estágio, orientação de TCC, orientação de monitoria, orientação de iniciação científica, infraestrutura física, laboratórios, recursos de informática e acervo e serviços da biblioteca; II. na atualização do Curso: adequação das ementas e dos planos de disciplina; III. na gestão do Curso: movimentação de acadêmicos: matrícula, transferência recebida, transferência expedida, trancamento, abandono, transferência interna.. DAS INSTÂNCIAS DA AVALIAÇÃO A Avaliação dos Projetos de Curso acontecem em várias instâncias no âmbito institucional: I. no Núcleo Docente Estruturante, a quem compete a observação mais contínua da manutenção do processo de qualidade e adequação do curso;

8 II. no Colegiado de Curso, a quem compete, conforme Regimento, Planejar, Acompanhar a execução e Avaliar todos os procedimentos regulares do curso; III. na CPA, a quem compete a avaliação institucional nas 0 dimensões orientadas pelo SINAES;. FINALIDADE E OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL A finalidade da autoavaliação consiste em verificar se as funções e as prioridades estabelecidas coletivamente no Projeto de Desenvolvimento Institucional PDI e no Projeto Pedagógico dos cursos da Instituição estão sendo realizadas e atendidas, para que as mesmas possam orientar a gestão institucional nas suas dimensões político-acadêmico-administrativa, e promover os ajustes necessários à elevação do seu padrão de desempenho, a partir do auto-conhecimento da Instituição. Tem ainda como objetivos específicos: I. obter dados quantitativos e qualitativos na coleta de informações, objetivando a formulação de um diagnóstico do ensino; II. oferecer subsídios necessários para rever ou preparar seus instrumentos legais e normativos (estatutos, regimentos, regulamentos e projetos); III. produzir e implantar um conjunto de indicadores analíticos que se constituam em ferramenta de planejamento e avaliação de trabalho; IV. produzir um conjunto de indicadores analíticos a serem reunidos numa grade de análise para avaliação; V. fazer acompanhamento contínuo do processo de aperfeiçoamento do desempenho acadêmico; VI. criar mecanismos sistemáticos de prestação de contas à sociedade.

9 . METODOLOGIA Com a apresentação dos resultados da autoavaliação anterior, constatou-se que a metodologia adotada foi suficiente para orientar o processo quanto às decisões técnicas e métodos de aplicação, coleta e análise dos dados e indicar algumas sugestões de alteração no instrumento. Foram utilizados como instrumentos para operacionalizar a proposta de autoavaliação formulários com questões específicas sobre cada dimensão, além de análise dos dados pelos respectivos setores avaliados, bem como autoavaliação do próprio setor avaliado. Na criação do instrumento de autoavaliação, o enfoque concentrou-se, sobretudo no diagnóstico e análise do ensino, infra-estrutura e serviços da IES. A cada ano são avaliados os desempenhos da coordenação, dos docentes; dos discentes; a expectativa do curso pelo discente e infra-estrutura relacionada ao desempenho das atividades de ensino de Graduação (laboratórios específicos e de informática, biblioteca, sala de aula e sala dos professores). A autoavaliação da infra-estrutura considera como quesitos a serem avaliados: segurança, laboratório de informática, biblioteca, salas de aula, xerox, cantina, área externa, web-site e portal área acadêmica. Com relação aos serviços são avaliados todos os departamentos administrativos no que diz respeito ao atendimento e eficácia dos serviços prestados. Os resultados obtidos são divulgados à comunidade interna da IES, e com base nos dados apresentados são discutidos pontos fortes, pontos fracos e propostas sugestões para melhorias. Os dados da autoavaliação, bem como as discussões compõem os relatórios de cursos e ainda o relatório geral de Avaliação Institucional. Esse relatório é a base para a Instituição analisar e reorganizar o planejamento de suas ações. O que é possível de ser resolvido em curto prazo é realizado. As ações de médio e longo prazo passam a compor o Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI.

10 O processo avaliativo foi dividido em quatro momentos: I. avaliação e auto-avaliação pelos acadêmicos das disciplinas, professores, cursos, estrutura física e administrativa; II. avaliação e auto-avaliação pelos professores dos cursos, estrutura física e administrativa; III. avaliação e auto-avaliação pelos funcionários, da estrutura física e administrativa da Instituição; IV. a avaliação externa realizada pela comunidade com profissionais de diferentes segmentos, de reconhecida competência na sociedade. A segunda etapa do Programa de Avaliação Institucional foi destinada a analisar e correlacionar os dados obtidos, com a finalidade de respaldar ações que possibilitem o acompanhamento e a implantação de reformulações que se fizessem necessárias para garantir o processo ensino/aprendizagem com qualidade. Alguns cuidados foram observados ao longo do processo, entre eles a conscientização dos acadêmicos no sentido de compreenderem que a avaliação serve para nortear o professor na adoção de estratégias, visando melhorar a sua aprendizagem e o seu comportamento. Portanto, não é instrumento de punição, e fornece subsídios aos professores, num processo de retroalimentação para que este possa refletir sobre os pontos fracos e ressaltar os fortes do fazer pedagógico. Assim, novamente os resultados da avaliação foram comparados, pelo próprio professor, com os resultados de sua autoavaliação. Os acadêmicos receberam como informação gráficos mostrando o perfil do grupo de professores da sua turma, da infraestrutura e serviços da Instituição. A postura da CPA tem sido a de desenvolver o Programa de autoavaliação institucional atendendo rigorosamente os pressupostos teóricos da legislação que o orienta. Além disso, a experiência aponta a necessidade, em algumas situações, de promover ajustes que efetivamente possibilitem o crescimento profissional do corpo docente e, consequentemente, a qualidade da educação. Dessa forma, trabalha-se com a relação dialógica: avaliar-planejar-avaliar, como norte que dimensiona as propostas de ações que levam em consideração o desenvolvimento humano, científico e tecnológico explícito na missão institucional. 0

11 . RESULTADOS São apresentados abaixo os resultados obtidos pela aplicação dos questionários da Avaliação Institucional. Estes resultados são apresentados e discutidos com todos os envolvidos para a confecção do relatório anual da avaliação. Os resultados são agrupados de acordo com os respondentes em: Acadêmicos, Professores e Técnicos Administrativos. São subdivididos entre as unidades da instituição, em comparação com o resultado geral... AVALIAÇÃO DOS ACADÊMICOS... AVALIAÇÃO CURSO / FACULDADE (Pertencimento/Comprometimento) Foram feitas as questões que seguem e os resultados são apresentados na seqüência. a. Qual é o seu grau de recomendação do seu curso para outras pessoas? b. Qual é o seu grau de recomendação da Faculdade Integrado para outras pessoas? c. Qual era sua expectativa com relação ao seu curso, quando se matriculou? d. Avalie sua satisfação hoje em relação ao seu curso. e. Tenho orgulho de fazer parte da Instituição Integrado? Acadêmicos - Avaliação do Curso/Faculdade 0 Centro/Serviços - Recomendação do Curso Recomendação da Faculdade Expectativa com o curso Satisfação com o curso Orgulho da instituição.. EMPREGABILIDADE Foram feitas as questões que seguem e os resultados são apresentados na seqüência. a. Você possui atividade remunerada? b. Trabalha na área de sua formação? c. Se sim qual é o cargo que ocupa?

12 00% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Empregabilidade Centro/Serviços Possui atividade Trabalha na área.. AVALIAÇÃO DE INFRAESTRUTURA Foram feitas as questões que seguem e os resultados são apresentados na seqüência. a. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você estuda com relação à SEGURANÇA? b. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você estuda com relação à LIMPEZA? c. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você estuda com relação à ÁREA EXTERNA (EX: CORREDOR, PÁTIO, BANHEIROS)? d. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você estuda com relação às SALAS DE AULA? e. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você estuda com relação à BIBLIOTECA? f. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você estuda com relação ao XEROX? g. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você estuda com relação à CANTINA? h. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você estuda com relação aos LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA? i. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você estuda com relação aos LABORATÓRIOS DE AULAS PRÁTICAS? j. Como você avalia a infraestrutura do SITE DA FACULDADE INTEGRADO (ÁREA EXTERNA)? k. Como você avalia a infraestrutura do SITE DA FACULDADE INTEGRADO (ÁREA ACADÊMICA)?

13 Acadêmicos - Infraestrutura 0 - Centro/Serviços.. AVALIAÇÃO DO ATENDIMENTO Foram feitas as questões que seguem e os resultados são apresentados na seqüência. a. Como você avalia o atendimento prestado pela BIBLIOTECA? b. Como você avalia o atendimento prestado pela CANTINA? c. Como você avalia o atendimento prestado pelos LABORATÓRIOS DE AULAS PRÁTICAS? d. Como você avalia o atendimento prestado pelos LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA? e. Como você avalia o atendimento prestado pela OUVIDORIA? f. Como você avalia o atendimento prestado pelo PROTOCOLO (CENTRO E CAMPUS)? g. Como você avalia o atendimento prestado pelo SAA - SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO ALUNO? h. Como você avalia o atendimento prestado pela SECRETARIA ACADÊMICA (ADMINISTRATIVO)? i. Como você avalia o atendimento prestado pela FINANCEIRO? j. Como você avalia o atendimento prestado pelo XEROX? - Acadêmicos - Atendimento Centro/Serviços

14 .. AVALIAÇÃO DO COORDENADOR DE CURSO Foram feitas as questões que seguem e os resultados são apresentados na seqüência. a. A disponibilidade do Coordenador do curso para atender aos alunos. b. O fornecimento adequado de informações sobre o curso. c. A ação do Coordenador no encaminhamento e resolução de problemas. 0 - Acadêmicos - Coordenadores de Curso Centro/Serviços Disponibilidade Informações Resolução de problemas.. MODELO PEDAGÓGICO Apenas para os acadêmicos matriculados até o º período de cada curso, que fazem parte do atual modelo pedagógico da instituição foram feitas as questões que seguem e os resultados são apresentados na sequência, primeiro em um gráfico geral e depois em gráficos específicos para cada questão. a. Como você avalia o estudo em grupo do Projeto Integrador orientado por um professor? b. Como você avalia a postura do professor do Projeto Integrador na orientação dos estudos? c. Qual a contribuição do Trabalho Integrador (Interdisciplinar) para sua formação? d. Como você define a forma de avaliação do Projeto Integrador (Nota da Dedicação + Nota do Trabalho Integrador)? e. Como você avalia a antecedência da postagem no Portal Universitário do material de aula pelo professor? f. Como você avalia a qualidade das aulas postadas no Portal Universitário pelo professor? g. Como você avalia a qualidade dos trabalhos (tarefas) aplicados pelo professor via Portal Universitário? h. Como você avalia a entrega (postagem) de trabalhos do aluno através do Portal Universitário?

15 i. Como você avalia o retorno do trabalho avaliado pelo professor através do Portal Universitário? j. Como você avalia o sistema de postagem dos certificados das Atividades Complementares? k. Como você avalia a validação da carga horária dos certificados das Atividades Complementares? l. Como você avalia as orientações dos estudos dirigidos (trabalho da atividade complementar)? m. Como você avalia o retorno do professor responsável pelas Atividades Complementares? n. Como você avalia os conteúdos trabalhados na disciplina de Formação e sua relação com os conhecimentos da atualidade? o. Como você avalia os conteúdos trabalhados na disciplina de Formação e sua relação com a Língua Portuguesa? p. Como você avalia a divisão em três notas (AV - Professor da Disciplina; AV - Prova Colegiada; AV - Projeto Integrador) do sistema de avaliação das disciplinas? q. Como você avalia a distribuição dos pesos na avaliação das disciplinas? Acadêmicos - Avaliação do Modelo Pedagógico 0 Centro/Serviços 0 Projeto Integrador Atividades Complementares Formação Portal Universitário Sistema de Avaliação

16 0 0 Projeto Integrador Centro/Serviços Estudo em Grupo Postura do Professor Trabalho Integrador Avaliação 0 0 Antecedência na postagem Portal Universitário Qualidade das aulas Qualidade dos trabalhos Postagem dos trabalhos Centro/Serviços Retorno dos trabalhos Atividade Complementar 0 Centro/Serviços 0 Postagem de certificados Validação da carga horária Estudos dirigidos Retorno do professor 0 0 Formação Centro/Serviços Relação com atualidade Relação com língua portuguesa

17 0 0 Avaliação Centro/Serviços Divisão em três notas Distribuição dos pesos.. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CORPO DOCENTE (POR DISCIPLINA CONTENDO NOME DO PROFESSOR) Foram feitas as questões que seguem e os resultados foram apresentados e discutidos individualmente entre o professor e o coordenador do curso. a) Apresenta o plano de ensino e o cronograma da disciplina no início do semestre? b) Orienta os alunos em suas dificuldades demonstrando interesse na aprendizagem da turma? c) Proporciona questionamentos e reflexões que contribuem para o diálogo? d) Cumpre regularmente o horário das aulas? e) Apresenta relacionamento de ética e respeito com os alunos? f) Tem capacidade de administrar conflitos em sala de aula?

18 . AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES E TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS Os questionários respondidos por professores e técnicos administrativos foram semelhantes, por isso os resultados serão trazidos em conjunto.... AVALIAÇÃO DO AMBIENTE DE TRABALHO Foram feitas as questões que seguem e os resultados gerais são apresentados na seqüência. a. O relacionamento entre os funcionários do seu departamento. b. O relacionamento com os demais funcionários da Instituição. c. O relacionamento com seus superiores. d. As condições do espaço físico onde desenvolve suas atividades profissionais. e. As oportunidades e condições de desenvolvimento profissional na Instituição. f. O trabalho em equipe, espírito de cooperação e solidariedade. 0 Professores - Ambiente de trabalho Centro/Serviços - Relacionamento Departamento Relacionamento Instituição Relacionamento Superiores Espaço Físico Oportunidades profissionais Trabalho em equipe Administrativo Centro Serviços Técnicos Administrativos - Ambiente de Trabalho 0 0

19 ... AVALIAÇÃO COMPROMETIMENTO / PERTENCIMENTO Foram feitas as questões que seguem e os resultados gerais são apresentados na seqüência. a. A compatibilidade da sua remuneração com o mercado de trabalho da região. b. O reconhecimento da Instituição pelo seu trabalho. c. O reconhecimento do seu superior pelo seu trabalho. d. O respeito aos aspectos humanos do profissional. e. Satisfação com as atividades que desempenho. f. Tenho orgulho de fazer parte da Instituição Integrado. g. Conheço a história e a metodologia de ensino adotada pela Instituição., 0 Professores - Comprometimento/Pertencimento Centro/Serviços - Remuneração Reconhecimento Instituição Reconhecimento Superiores Respeito Satisfação Orgulho Conheço a história 0 - Técnicos Administrativos - Comprometimento/Pertencimento Administrativo Centro Serviços

20 ... AVALIAÇÃO ATENDIMENTO / SERVIÇOS PRESTADOS Foram feitas as questões que seguem e os resultados gerais são apresentados na seqüência. Os técnicos administrativos responderam apenas as questões que lhes dizia respeito. a. Como você avalia o atendimento prestado pela DIREÇÃO ACADÊMICA? (somente professores) b. Como você avalia o atendimento prestado pela SECRETARIA ACADÊMICA? (somente professores) c. Como você avalia o atendimento prestado pela SUPERVISÃO DE EXTENSÃO? (somente professores) d. Como você avalia o atendimento prestado pela SUPERVISÃO DE PESQUISA? (somente professores) e. Como você avalia o atendimento prestado pela SUPERVISÃO DE PÓS- GRADUAÇÃO? (somente professores) f. Como você avalia o atendimento prestado pelo PROTOCOLO? (somente professores) g. Como você avalia o atendimento prestado pelos LABORATÓRIOS DE AULAS PRÁTICAS? (somente professores) h. Como você avalia o atendimento prestado pelos LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA? (somente professores) i. Como você avalia o atendimento prestado pela BIBLIOTECA? (somente professores) j. Como você avalia o atendimento prestado pelo XEROX? (somente professores) k. Como você avalia o atendimento prestado pelo MARKETING? (somente professores) l. Como você avalia o atendimento prestado pela TESOURARIA? (somente professores) m. Como você avalia o atendimento prestado pela INFORMÁTICA? (somente professores) n. Como você avalia o atendimento prestado pela CANTINA? o. Como você avalia o atendimento prestado pelo COMPRAS? p. Como você avalia o atendimento prestado pelo RH? q. Como você avalia o atendimento prestado pela RECEPÇÃO? r. Como você avalia o atendimento prestado pelo (a) TELEFONISTA? s. Como você avalia o atendimento prestado pela MANUTENÇÃO? 0

21 Professores - Avaliação do Atendimento 0 Centro/Serviços Técnicos Administrativos - Atendimento Administrativo Centro Serviços Compras RH Recepção Telefonista Manutenção... AVALIAÇÃO INFRAESTRUTURA Foram feitas as questões que seguem e os resultados gerais são apresentados na seqüência. Os técnicos administrativos responderam apenas as questões que lhes dizia respeito. a. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você trabalha com relação aos LABORATÓRIOS DE AULAS PRÁTICAS? (somente professores) b. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você trabalha com relação aos LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA? (somente professores) c. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você trabalha com relação à BIBLIOTECA?

22 d. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você trabalha com relação às SALAS DE AULA? (somente professores) e. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você trabalha com relação ao XEROX? (somente professores) f. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você trabalha com relação à SEGURANÇA? g. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você trabalha com relação à LIMPEZA? h. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você trabalha com relação à CANTINA? i. Como você avalia a infraestrutura da unidade que você trabalha com relação à ÁREA EXTERNA (EX: CORREDOR, PÁTIO, BANHEIROS)? j. Como você avalia a infraestrutura do SITE DA FACULDADE INTEGRADO (ÁREA EXTERNA)? k. Como você avalia a infraestrutura do SITE DA FACULDADE INTEGRADO (ÁREA ACADÊMICA)? 0 0 Professores - Infraestrutura Centro/Serviços 0 Técnicos Administrativos - Infraestrutura Administrativo Centro Serviços - Segurança Limpeza Área Externa Site Externo Site Interno

23 . DESCRIÇÃO DOS OBJETIVOS E QUANTIFICAÇÃO DAS METAS Todos os resultados apresentados acima foram organizados comparativamente por curso e setor e enviados aos responsáveis (coordenadores e chefes de setores) que juntamente com a equipe fizeram uma análise que apontava as principais potencialidade e fragilidade de cada ponto avaliado. A CPA reuniu-se e compilou todas as análises setoriais, apresentou-as à direção e à equipe de planejamento estratégico da instituição e finalmente descreveu a análise que segue considerando as dimensões propostas pelo SINAES:. Missão e PDI. Política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação e a extensão. Responsabilidade social da IES. Comunicação com a sociedade. As políticas de pessoal, as carreiras do corpo docente e técnicoadministrativo. Organização de gestão da IES. Infraestrutura física. Planejamento de avaliação. Políticas de atendimento aos estudantes 0. Sustentabilidade financeira

24 . - DIMENSÃO I - A Missão e o PDI Ações Programadas na proposta Capacitar a Instituição para atender ao Programa de Qualidade no Ensino Superior defendido pelo MEC e para a implantação de políticas de avaliação contínua Ações realizadas Construção da Identidade corporativa Levantamento do diagnóstico estratégico da Instituição, ameaças e oportunidades, pontos fortes e pontos fracos Realização do planejamento estratégico Implementação da cultura da estratégia Discussão e divulgação do PPI (entre os colaboradores) Discussão e divulgação do PDI (entre os colaboradores) Discussão e divulgação da Política de Qualidade do MEC (entre os colaboradores) Sensibilização do corpo social para a Avaliação Institucional Fragilidades Dificuldade de separação das marcas Colégio e Faculdade Mudança na cultura organizacional Resultados Alcançados Potencialidades Maior conhecimento das políticas institucionais pelos colaboradores Participação dos colaboradores no planejamento estratégico Melhoria na estrutura administrativa da instituição Valorização de méritos

25 . - DIMENSÃO II - Políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e a respectivas formas de operacionalização, incluindo os procedimentos para o estímulo para a produção acadêmica, as bolsas de pesquisa, de monitoria e demais modalidades Ações Programadas na proposta Capacitar os Coordenadores de Curso, Direção e Corpo Técnico Administrativo nas atividades de Ensino Promover de forma contínua a avaliação dos cursos de graduação Ações realizadas Discussão e divulgação da relação entre o PPI e os projetos pedagógicos de curso Discussão e divulgação das concepções filosóficas da Instituição explicitadas no PPI Discussão e divulgação dos objetivos institucionais e a sua relação com o perfil do egresso Discussão e divulgação da política de interdisciplinaridade relacionando - a com as práticas pedagógicas Discussão e divulgação da coerência entre os objetivos do curso e a organização curricular Discussão e divulgação da coerência entre o perfil do egresso e a organização curricular Discussão e divulgação da coerência entre as Diretrizes Curriculares nacionais e a organização curricular Divulgação da política e dos instrumentos de avaliação Implementação e manutenção do programa de avaliação institucional dos cursos de graduação Divulgação e discussão dos resultados Definição de ações decorrentes dos resultados obtidos nas avaliações Realização de avaliação contínua dos projetos pedagógicos dos cursos considerando sua atualização tanto em conteúdo quanto em metodologia Fragilidades Mudança na cultura organizacional Rotatividade do quadro docente Falta de estímulo à realização de monitoria Resultados Alcançados Potencialidades Melhoria na estruturação da gestão acadêmica Credibilidade no desenvolvimento das atividades acadêmicas Satisfação de estudantes, docentes e técnicos acima de 0% com as implementações realizadas. Alto nível de empregabilidade dos estudantes e egressos Alto índice de aprovação dos egressos em concursos públicos Parcerias e convênios com empresas da região Preocupação na capacitação docente para atendimento ao novo modelo pedagógico Melhora no processo de

26 Ações Programadas na proposta Adequar o Programa de Iniciação Científica Atuar de forma interdisciplinar nos cursos, procurando trabalhar uma visão integrada da realidade. Dar continuidade ao Programa de Monitoria Implantar Política de Nivelamento Criar novos cursos de Graduação Dar continuidade à criação de Cursos de Pós-Graduação com o objetivo de atender às necessidades de educação continuada dos formandos da Instituição e de outros já formados na comunidade Ações realizadas Estímulo a Iniciação Científica como atividade relevante nos Projetos Pedagógicos dos cursos de Graduação, garantindo apoio financeiro para os projetos com mérito acadêmico Fomento às atividades interdisciplinares nos cursos de graduação como: trabalhos de campo, visitas, técnicas, seminários de natureza interdisciplinar e outros Manutenção do programa de Monitoria Realização de aulas reforço nas áreas de maior deficiência diagnosticada pelos professores do NDE Levantamento das necessidades da região de influência da Faculdade Integrado de Campo Mourão Desenvolvimento do projeto pedagógico dos cursos a serem criados e preparação da infra-estrutura Criação de cursos de Pós-Graduação em nível de especialização mediante necessidade da região Estabelecimento de parcerias com Instituições reconhecidas para oferecimento de cursos Fragilidades Resultados Alcançados Potencialidades diversificação de metodologia de ensino

27 Ações Programadas na proposta Manter Programa de Extensão com a participação discente. Abrir os espaços da Instituição para atendimento às necessidades da comunidade Ações realizadas Definição das atividades de extensão como relevantes nos projetos pedagógicos dos cursos, caracterizando-a nos estágios curriculares e extra-curriculares. Ampliação da articulação dos cursos com a comunidade, mediante adoção de convênios que propiciem campos de treinamento e de prestação de serviço. Organização de encontros acadêmico-científicos, abertos à participação da comunidade, de natureza interdisciplinar dando ênfase à discussão de problemas de interesse da região de influência da Faculdade Integrado de Campo Mourão Assinatura de convênios de cooperação com Instituições de cunho social da comunidade Fragilidades Resultados Alcançados Potencialidades. - DIMENSÃO III - A responsabilidade social da Instituição, considerada especialmente no que se refere à sua contribuição em relação à inclusão social, ao desenvolvimento econômico e social, à defesa do meio ambiente, da memória cultural, da produção artística e do patrimônio cultural. Ações Programadas na proposta Manter condições adequadas para portadores de necessidades especiais Ações realizadas Manutenção de rampas, banheiros especialmente adaptados para cadeirantes e bebedouro em altura compatível e demarcação do estacionamento Fragilidades Deficiência na divulgação interna e externa das atividades permanentes de responsabilidade Resultados Alcançados Potencialidades Pavimentação da unidade campus adequando à acessibilidade

28 Ações Programadas na proposta Propiciar recuperação de estudos para alunos com baixo rendimento Propiciar a divulgação do conhecimento para setores da comunidade Propiciar melhoria das atividades técnicas através da qualificação Ações realizadas Manutenção de programa de nivelamento com atividades de reforço com a participação de professores e alunos monitores finalidade: evitar evasão por baixo rendimento Abertura de encontros, conferências e seminários para a comunidade Incentivo à qualificação técnica mediante apoio para participação em programas de especialização Fragilidades social Deficiência na divulgação interna e externa dos resultados de projetos de responsabilidade social Resultados Alcançados Potencialidades Reconhecimento da comunidade como Instituição socialmente responsável e parceira no desenvolvimento regional Participação da comunidade nos eventos institucionais Serviços prestados à comunidade gratuitamente em diversos projetos desenvolvidos Elaboração de material de divulgação do resgate histórico-cultural da instituição.

29 . - DIMENSÃO IV - A comunicação com a sociedade Ações Programadas na proposta Dar maior visibilidade às atividades da Instituição favorecendo o processo de inserção regional Socializar as ações institucionais propiciando ao corpo social conhecer o conjunto de normas que regulamentam a existência de uma IES Ações realizadas Estabelecimento de estratégias de marketing interno e externo que possibilite manter os alunos e funcionários inteirados das atividades da Faculdade e dos resultados obtidos e dar visibilidade às atividades de sucesso dos professores e alunos Divulgação da identidade corporativa da Instituição entre os colaboradores (em desenvolvimento) Divulgação do Plano de Metas e Ações entre os colaboradores Divulgação dos Objetivos e do Perfil Profissional dos cursos Divulgação da Titulação e da experiência profissional do corpo docente Divulgação on-line das resoluções do Conselho Superior e dos colegiados de curso Fragilidades Dificuldade de comunicação entre as unidades da instituição Dificuldade de navegação na área interna do portal universitário Resultados Alcançados Potencialidades Fortalecimento da marca da Instituição Publicação entre os colaboradores de informativo semanal Flash Integrado com divulgação das atividades desenvolvidas Publicação do jornal impresso Você Integrado semestralmente direcionada a comunidade interna e externa. Ampliação da atuação da instituição nas redes sociais Ampliação do relacionamento com as escolas de ensino médio. Crescente ampliação da credibilidade e imagem da instituição

30 . - DIMENSÃO V - As políticas de pessoal, de carreiras do corpo docente e corpo técnico - administrativo, seu aperfeiçoamento, desenvolvimento profissional e suas condições de trabalho. Ações Programadas na proposta Compor corpo docente com formação acadêmica e carga horária adequada aos instrumentos de avaliação do MEC Manter corpo docente adequado às necessidades da instituição Proporcionar apoio pedagógico aos docentes Fortalecer a aplicação do Plano de Carreira Docente Criar e implantar o Programa Institucional de Capacitação de Recursos Humanos - PICRH Incentivar a produção científica Capacitar Técnicos Administrativos na Gestão Acadêmica Ações realizadas Organização formas de seleção para contratação de docentes que atendam aos objetivos institucionais Apoio financeiro aos docentes matriculados em programas de Mestrado e Doutorado recomendados pela CAPES Sistema de Informações Gerenciais com a coleta dos dados da produção docente e a geração de relatórios analíticos e sintéticos Análise do corpo docente de cada curso quanto à titulação, experiência profissional, integração aos objetivos do curso e perspectiva de qualificação Avaliação do desempenho docente Manutenção de Assessoria Pedagógica Capacitação dos docentes para a gestão colegiada dos cursos Definição de regras que permitem remunerar o docente conforme o mérito acadêmico e desempenho compatível com a titulação Definição de regras para apoio aos docentes e técnicos - administrativos em programas de qualificação com interesse institucional Apoio à participação de docentes em Seminários, Conferências, Palestras, Congressos, Workshop Levantamento das necessidades de treinamento do pessoal técnico-administrativo tanto em gestão acadêmica quanto nas atividades específicas dos cursos Fragilidades Necessidade de reestruturação do Setor de Recursos Humanos Institucional Rotatividade de professores Ausência de política de treinamento para técnicos administrativos. Resultados Alcançados Potencialidades Maior qualificação dos colaboradores Incentivo a capacitação docente em programas de pós-graduação stricto sensu Comprometimento dos colaboradores com a instituição Incentivo à capacitação do corpo técnico administrativo com destinação de bolsas de estudo. 0

31 . - DIMENSÃO VI - Organização e gestão da instituição, especialmente o funcionamento e representatividade dos colegiados, sua independência e autonomia na relação com a mantenedora, e a participação dos segmentos da comunidade acadêmica nos processos decisórios. Ações Programadas na proposta Qualificar e dimensionar os gestores necessários ao desenvolvimento das atividades administrativas e acadêmicas da Instituição Manter e atualizar o Sistema de Informações Acadêmicas e Administrativas que permita agilizar o fluxo de informações e diminuir o tempo de atendimento às solicitações da comunidade acadêmica Ações realizadas Discussão da Missão, Visão e Valores da instituição Discussão do Planejamento Estratégico Atualização constante de normas e regulamentos adequados ao funcionamento da Instituição Geração de relatórios e efetuação da consistência do sistema Implantação do Portal Universitário, possibilitando maior e melhor contato entre alunos e professores além do controle de atividades acadêmicas. Fragilidades Mudança na cultura organizacional Dificuldades na implantação do Portal Universitário com relação à transmissão de dados Dificuldades de manipulação do Portal Universitário para os professores Resultados Alcançados Potencialidades Amplitude de visão estratégica pelos colaboradores Fluxo de informação agilizado Implementação do Sistema on-line de Fluxo de Projetos

32 . - DIMENSÃO VII - Infra-estrutura física, especialmente a de ensino e de pesquisa, biblioteca, recursos de informação e comunicação. Ações Programadas na proposta Adequar infra-estrutura física ao crescimento do número de discentes e docentes Ações realizadas Implantação de novas salas de aula Promoção de adequação das salas com móveis e utensílios para garantir as melhores condições de trabalho e estudo Ampliações de infra-estrutura física com atenção para os portadores de necessidades especiais Implantação de procedimentos para utilização de máquinas e equipamentos Implantação/ampliação de espaço para convivência (em desenvolvimento) Ampliação de sala de estudo dos docentes Criação de laboratórios específicos para os cursos de graduação Definição normas e procedimentos de segurança em cada laboratório Ampliação das instalações sanitárias Adequação da infra-estrutura para atendimento aos portadores de necessidades especiais Fragilidades Falta de passarela entre os blocos na Unidade Melhorar a área de convivência na Unidade Incompatibilidade do portal da instituição com alguns navegadores Serviços terceirizados de Cantina e Copiadora Espaço deficiente para atendimento ao acadêmico durante as orientações de TCC e estágio. Resultados Alcançados Potencialidades Wifi em funcionamento em todas as unidades da instituição Espaço, limpeza e iluminação adequados das salas de aula Pavimentação concluída na unidade campus, facilitando o trânsito interno dos estudantes Implementação de novos laboratórios de ensino na unidade campus Construção de um novo bloco didático na unidade campus Aquisição de novas carteiras

33 Ações Programadas na proposta Adequar a Biblioteca ao crescimento da instituição - manter atualizado o acervo Adequação a estrutura de informática ao crescimento da instituição Ações realizadas Ampliação das instalações para o acervo da Biblioteca Ampliação da rede de informática para melhorar o acesso a Base de Dados Aumento dos espaços para estudos individuais e em grupo Aquisição de livros para atender aos projetos Pedagógicos dos cursos de Graduação e Pós-Graduação Adequação dos periódicos às necessidades dos PPC Acesso a Base de Dados Qualificação de recursos humanos para atendimento na Biblioteca Implantação de novas tecnologia Implantação de novos laboratórios de Informática com equipamentos ligados em rede (em desenvolvimento) Aquisição de novos equipamentos para todos os setores de administração acadêmica. Fragilidades Resultados Alcançados Potencialidades Aquisição de câmeras para monitoramento e segurança Melhora do atendimento e serviços prestados pelos diferentes setores da instituição

34 . - DIMENSÃO VIII - Planejamento e avaliação, especialmente em relação aos processos, resultados e eficácia da auto-avaliação institucional Ações Programadas na proposta Implantar a cultura do Planejamento Estratégico Manter a cultura da Avaliação Institucional Ações realizadas Discussão com os gestores, periodicamente, o diagnóstico estratégico atualizando as observações Adequação do PDI, periodicamente, em função das análises no diagnóstico estratégico Instrumentalização das Políticas de Avaliação definidas no PPI através de Resoluções do Conselho Superior Criação de condições de funcionamento da CPA Divulgação dos resultados de todas as avaliações Fragilidades Dificuldade em conscientizar a comunidade interna do anonimato da avaliação. Resultados Alcançados Potencialidades Cultura do planejar, executar, avaliar, corrigir e atualizar implantada com participação do corpo social Dados da autoavaliação utilizados no planejamento estratégico da instituição Divulgação dos resultados da autoavaliação entre colaboradores e estudantes Divulgação das ações realizadas pela CPA e pela direção Dados da autoavaliação institucional utilizados como referência para a gestão institucional

35 . - DIMENSÃO IX - Políticas de atendimento aos estudantes Ações Programadas na proposta Apoiar estudantes menos favorecidos financeiramente a continuar os estudos Apoiar estudantes com baixo rendimento para evitar abandono dos estudos Propiciar aos acadêmicos reais condições de estudo e desenvolvimento Propiciar aos egressos a continuação dos estudos - Educação Continuada Ações realizadas Manutenção de parceria com governo federal para oferta de bolsas de estudo Manutenção de programa de nivelamento com aulas de reforço com a participação de professores e alunos monitores Implantação do serviço de atendimento psicopedagógico aos alunos Disponibilização de rede wifi para atividade de estudo Disponibilização de orientação acadêmica para consulta a base de dados e desenvolvimento de trabalhos dentro das normas Implantação da Avaliação Institucional na ótica do Discente que permita observar as condições de ensino aprendizagem Criação de cursos de pós graduação Divulgação para os egressos de encontros, conferências e congressos organizados pela instituição Fragilidades Rotatividade dos funcionários do SAA Deficiência em treinamentos aos colaboradores que prestam serviço de atendimento Resultados Alcançados Potencialidades Serviço de Atendimento ao Aluno (SAA) Serviço de Ouvidoria Preocupação da instituição em disponibilizar aulas de reforço aos estudantes com deficiência de conteúdo Facilidade de acesso aos programas de Bolsas e Financiamentos do Governo Federal Realização de procedimentos acadêmicos on-line (matrículas, protocolos)

36 .0 - DIMENSÃO X - Sustentabilidade financeira, tendo em vista o significado social da continuidade dos compromissos na oferta da educação superior. Ações Programadas na proposta Apresentar desempenho financeiro satisfatório Implementar sistema de apuração de custo centros de custos Manter baixa a inadimplência Ações realizadas Manter sistema de apuração contábil por competência Planejamento de investimentos em consonância com o projeto pedagógico dos cursos Definição de elementos de Receita por curso: mensalidades, convênios e parcerias, crédito educativo; Definir os elementos de despesa por curso: docente, técnico administrativo, bolsas, investimento acadêmico (infra-estrutura física, laboratórios, acervo, qualificação de pessoal, programa de extensão, atividades de pesquisa), impostos e tributos. Definir Vetores de rateio custos diretos e indiretos para apuração dos custos da gestão administrativa e dos outros custos e custeio (OCC) Criação e implantação de mecanismos de apuração, tanto acadêmica quanto financeira, da movimentação de alunos nos cursos. Definição de programa de parceria com empresas da região através de bolsa convênio Manter estratégia de acompanhamento de pagamento de mensalidade e de negociação Fragilidades Inexistência de capacitação dos coordenadores de curso para atuação na gestão financeira do curso Taxas bancárias elevadas para investimentos Resultados Alcançados Potencialidades Resultado operacional positivo com efetivação dos investimentos acadêmicos previstos nos projetos pedagógicos dos cursos - Custo operacional /faturamento líquido > resultado positivo Implantação do sistema de projetos on-line com clareza na demonstração de receitas e despesas

37 . CONSIDERAÇÕES FINAIS Os indicadores revelaram que a autoavaliação institucional realizada pela Faculdade Integrado de Campo Mourão em 0 foi de grande importância, pois a participação dos envolvidos (estudantes, professores e demais funcionários técnicoadministrativos), com sugestões e propostas para melhoria fez com que se sentissem realmente parceiros da Instituição na busca da qualidade. Os resultados apontados demonstraram que a Instituição tem destinado intensos esforços para concretizar suas ações. Entretanto, isso não significa que a avaliação encerra-se em si mesma. São necessários ajustes para garantir a eficácia do processo enfocando sempre a Missão Institucional. Como por exemplo, a reflexão sobre as ações do corpo docente, que já prima pela qualidade em termos de titulação e/ou de experiência profissional nas áreas do conhecimento, no sentido de colocar em prática ações educativas que privilegiem o acadêmico como sujeito do seu próprio conhecimento. A credibilidade e a futura participação da comunidade estão relacionadas às tomadas de decisões dos gestores ao aproveitarem e considerarem as sugestões apresentadas nos instrumentos aplicados. Os resultados obtidos são incorporados no planejamento da gestão acadêmicoadministrativa, sendo utilizados como subsídio para adequação permanente do PDI e planejamento de estratégias para o crescimento interno, seja pedagógico, administrativo ou físico. Nesse sentido, este relatório serve de base para reflexões dos diversos segmentos da IES (diretores, coordenadores e responsáveis pelos departamentos técnico-administrativos) a fim de aproveitar os resultados e transformá-los em ações efetivas que contribuam para o desenvolvimento de uma educação de qualidade na IES, de seus acadêmicos e da região onde está inserida.

Unis - MG Centro Universitário do Sul de Minas Comissão Própria de Avaliação - CPA. Varginha - 2013 1

Unis - MG Centro Universitário do Sul de Minas Comissão Própria de Avaliação - CPA. Varginha - 2013 1 Varginha - 201 1 CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Relatório Avaliação Institucional - 2012 Varginha - 201 2 Sumário 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO... 7 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 7 DESENVOLVIMENTO... 9.1 AVALIAÇÃO

Leia mais

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior CAPA 1 República Federativa do Brasil Ministério da Educação Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação

Leia mais

Relatório de Avaliação Institucional da Faculdade de Administração e Artes de Limeira

Relatório de Avaliação Institucional da Faculdade de Administração e Artes de Limeira Relatório de Avaliação Institucional da Faculdade de Administração e Artes de Limeira 2014 Fevereiro / 2015 Limeira SP Sumário 1. Identificação da Instituição:...3 2. Dirigentes:...3 3. Composição da CPA

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Arujá - SP 2011 2 SUMÁRIO Dados da Instituição... 3 Considerações iniciais... 4 Desenvolvimento da Avaliação... 4 Dimensões da Autoavaliação...

Leia mais

Anexo I - Formulários Padronizados para envio dos Relatórios dos Setores Institucionais a CPA

Anexo I - Formulários Padronizados para envio dos Relatórios dos Setores Institucionais a CPA Anexos Anexo I - Formulários Padronizados para envio dos Relatórios dos Setores Institucionais a CPA SISTEMATIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO COM VISTAS À AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor 1 - O professor comparece

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

Fanor - Faculdade Nordeste

Fanor - Faculdade Nordeste Norma 025: Projeto de Avaliação Institucional Capítulo I Disposições Gerais A avaliação institucional preocupa-se, fundamentalmente, com o julgamento dos aspectos que envolvem a realidade interna e externa

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NAI É preciso avaliar para aprimorar CONSIDERAÇÕES INICIAIS A UNISANTA desenvolveu,

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018)

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) 1. Introdução O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) busca nortear

Leia mais

SINAES - Auto-Avaliação Institucional

SINAES - Auto-Avaliação Institucional DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSO PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ( ) PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ( ) PROJETO DE PESQUISA ( ) PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmico ( x ); Social ( x ) PROJETO

Leia mais

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC GAMA/DF - 2015 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3. 2. OBJETIVOS... 4. 2.1. Geral... 4. 2.2.Específicos... 4. 3. EIOS AVALIATIVOS... 5. 3.1. Eixos de Avaliação Institucional

Leia mais

PROTOCOLO DE COMPROMISSO

PROTOCOLO DE COMPROMISSO PROTOCOLO DE COMPROMISSO PROTOCOLO DE COMPROMISSO QUE A FACULDADE CASA DO ESTUDANTE - FACE, MANTIDA PELA SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DE ARACRUZ LTDA E REPRESENTADA PELO DIRETOR ANTÔNIO EUGÊNIO CUNHA APRESENTA

Leia mais

FACULDADE DE FORTALEZA FAFOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO ANUAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA

FACULDADE DE FORTALEZA FAFOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO ANUAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA FACULDADE DE FORTALEZA FAFOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO ANUAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA 2014 1 1 APRESENTAÇÃO Este relatório descreve as atividades e resultados obtidos com as ações

Leia mais

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional Faculdade Promove de Sete Lagoas 1.º-213 Sete Lagoas (MG) Membros da CPA Nome Segmento que representa Ludimila Tavares Rocha Silva Antônio Marcos de Oliveira

Leia mais

PROCESSO DE AUTO AVALIAÇÃO FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS - QUADRO RESUMO

PROCESSO DE AUTO AVALIAÇÃO FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS - QUADRO RESUMO AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO INSTITUCIONAL 3.1 Objetivos e Metas Específicos para Avaliação e Acompanhamento do Desempenho Institucional O Programa de Avaliação Institucional resulta de um

Leia mais

Relatório de Avaliação Institucional da Faculdade de Administração e Artes de Limeira-FAAL CPA-Comissão Própria de Avaliação

Relatório de Avaliação Institucional da Faculdade de Administração e Artes de Limeira-FAAL CPA-Comissão Própria de Avaliação Relatório de Avaliação Institucional da Faculdade de Administração e Artes de Limeira-FAAL CPA-Comissão Própria de Avaliação 2013 Fevereiro / Limeira SP Sumário 1. Identificação da Instituição... 4 2.

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PORTO ALEGRE

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PORTO ALEGRE FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PORTO ALEGRE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ACADÊMICO 2014 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos, 435 Porto Alegre RS Fone: (51) 3214-0000

Leia mais

2.1 Dimensão 2 - A política para o ensino, a pesquisa e a extensão

2.1 Dimensão 2 - A política para o ensino, a pesquisa e a extensão 2.1 Dimensão 2 - A política para o ensino, a pesquisa e a extensão As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2013/1 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

PLANO DE AÇÃO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2013/1 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2013/1 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO 2013 APRESENTAÇÃO O Plano de Ação ora apresentado planeja o processo da Autoavaliação Institucional, que vem se consolidando na Faculdade

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010 DIAGNÓSTICO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010 DIAGNÓSTICO INSTITUCIONAL PROGRAMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010 DIAGNÓSTICO INSTITUCIONAL MARÇO/2011 APRESENTAÇÃO Á Comunidade Acadêmica, Órgãos Colegiados Superiores e Unidade Acadêmicas

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL)

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL) 1 RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA (FAROL) Rolim de Moura 2015 2 RESUMO O relatório apresentado é o resultado do processo auto avaliativo desta Instituição, realizado pela Comissão

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA O Regulamento da Comissão Própria de Avaliação CPA foi aprovado pelo CONSUP mediante a Resolução nº 012/2013 data de 26 de novembro de 2013. E foram revisados

Leia mais

Instrumento de Avaliação para Renovação de Reconhecimento de Cursos de Graduação

Instrumento de Avaliação para Renovação de Reconhecimento de Cursos de Graduação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Relatório de auto avaliação da Faculdade de Rolim de Moura

Relatório de auto avaliação da Faculdade de Rolim de Moura 1 SOCIEDADE ROLIMOURENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA LTDA FACULDADE DE ROLIM DE MOURA FAROL Relatório de auto avaliação da Faculdade de Rolim de Moura Rolim de Moura,Março de 2012 2 RESUMO O relatório, ora apresentado,

Leia mais

RESUMO 1 INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Comissão Própria de Avaliação, autoavaliação, SINAES, Ensino Superior

RESUMO 1 INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Comissão Própria de Avaliação, autoavaliação, SINAES, Ensino Superior RESUMO O relatório, ora apresentado, é resultado do processo de autoavaliação institucional, realizado pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) nos moldes previstos na Lei 10.861 do SINAES - Sistema Nacional

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PERSPECTIVA DO ALUNO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PERSPECTIVA DO ALUNO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PERSPECTIVA DO ALUNO PERÍODO: 7 A 16 DE JULHO DE 2010 (DURANTE A MATRÍCULA) LOCAL: LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA FACULDADE DE ILHÉUS HORÁRIO: 8

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: EFETIVIDADE E QUALIDADE Goiânia, Dezembro de 2015 SUMÁRIO 1 CONTEXTO

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO 2014

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE AÇÃO 2014 Situação Real/Reclamações Professores O índice de insatisfação diminuiu em relação ao apresentado desde 2011. - Permanece sendo realizado o processo de seleção: edital; aulas testes; acompanhamento didático;

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

CRONOGRAMA DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2015 - ACOMPANHAMENTO DAS METAS DO PDI 2015 - EIXOS 1, 2 e 5

CRONOGRAMA DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2015 - ACOMPANHAMENTO DAS METAS DO PDI 2015 - EIXOS 1, 2 e 5 CRONOGRAMA DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2015 - ACOMPANHAMENTO DAS METAS DO PDI 2015 - EIXOS 1, 2 e 5 OBJETIVO 1.1. - ASSEGURAR O CRESCIMENTO E PERENIDADE DAS FACULDADES OPET Meta 1.1.1. OBTER RECONHECIMENTO

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 03 Fragilidades; 04 Sugestões de Superação de Fragilidade; 03 Potencialidades. A CPA identificou

Leia mais

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013 FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013 ELABORADO DE ACORDO COM O MODELO DO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES/INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

Faculdade Brasil Norte FABRAN RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO INTERNA

Faculdade Brasil Norte FABRAN RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO INTERNA Faculdade Brasil Norte FABRAN Associação Unificada Paulista de Ensino Renovado Objetivo - ASSUPERO Av. Vereador José Tupinambá nº 1.202 - Laguinho Macapá (AP) RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO INTERNA Macapá

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS

RESULTADOS ALCANÇADOS Política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão 2.1. Coerência das políticas de ensino, pesquisa e extensão com os documentos oficiais. Objetivos Ações Realizadas RESULTADOS ALCANÇADOS

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES 152 AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES Silvana Alves Macedo 1 Reginaldo de Oliveira Nunes 2 RESUMO O processo da Auto-Avaliação Institucional ainda é um

Leia mais

Encaminhamentos, processos e ações. política de contratação e gestão de pessoal. revisão do projeto pedagógico

Encaminhamentos, processos e ações. política de contratação e gestão de pessoal. revisão do projeto pedagógico CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE VITÓRIA (CESV) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica (2) (3) (4) (5) previsão de alunos por turma em disciplina teórica de, no máximo, 80. relação aluno por docente, no

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL CAMPUS PL PERÍODO 2013 1 INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

Leia mais

Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 11 DE MARÇO DE 2016 Estabelece Diretrizes e

Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 11 DE MARÇO DE 2016 Estabelece Diretrizes e Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 11 DE MARÇO DE 2016 Estabelece Diretrizes e Normas Nacionais para a Oferta de Programas e Cursos de Educação

Leia mais

ANEXO I RESOLUÇÃO Nº 13, DE 23 DE MAIO DE 2014. REQUERIMENTO. RSC I RSC II RSC III Data de ingresso no Ifes: Nº de documentos de comprovação:

ANEXO I RESOLUÇÃO Nº 13, DE 23 DE MAIO DE 2014. REQUERIMENTO. RSC I RSC II RSC III Data de ingresso no Ifes: Nº de documentos de comprovação: ANEXO I RESOLUÇÃO Nº 13, DE 23 DE MAIO DE 2014. REQUERIMENTO Nome do Servidor: SIAPE: Lotação: Email: Telefone: Graduação: Titulação: Nível de RSC pretendido (marque com x o perfil pretendido) RSC I RSC

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU agosto / 2010 1 REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Sumário TÍTULO I - DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais

PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO

PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO Pró-reitoria de Desenvolvimento Humano e Social - PRODHS

Leia mais

MUITO AQUÉM do que expressa o referencial mínimo de qualidade. 2 Quando os indicadores da dimensão avaliada configuram um quadro

MUITO AQUÉM do que expressa o referencial mínimo de qualidade. 2 Quando os indicadores da dimensão avaliada configuram um quadro 1 O INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO, aprovado pelo INEP em 2008 e utilizado no processo de avaliação dos Cursos, presenciais e EaD, instituiu o Referencial Mínimo de Qualidade para cada

Leia mais

INSTITUTO MARIA IMACULADA FACULDADES INTEGRADAS MARIA IMACULADA CENTRO DE MOGI GUAÇU/SP PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO TECNÓLOGO EM GESTÃO AMBIENTAL

INSTITUTO MARIA IMACULADA FACULDADES INTEGRADAS MARIA IMACULADA CENTRO DE MOGI GUAÇU/SP PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO TECNÓLOGO EM GESTÃO AMBIENTAL INSTITUTO MARIA IMACULADA FACULDADES INTEGRADAS MARIA IMACULADA CENTRO DE MOGI GUAÇU/SP PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO TECNÓLOGO EM GESTÃO AMBIENTAL Mogi Guaçu 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVO...

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e UF: SP Financeiras (FIPECAFI) ASSUNTO: Credenciamento da

Leia mais

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011.

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA Padrões de Qualidade para Cursos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ Teresina-PI, 22 de maio de 2014 O QUE É O PDI? Segundo o MEC (2007): documento em que se definem a missão da instituição

Leia mais

Relatório de Avaliação Ensino Aprendizagem Curso Biomedicina Ano de 2011/02 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA

Relatório de Avaliação Ensino Aprendizagem Curso Biomedicina Ano de 2011/02 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA AMAZÔNIA REUNIDA FESAR Relatório de Avaliação Ensino Aprendizagem Curso Biomedicina Ano de 2011/02 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Redenção PA 2011 1 SUMÁRIO I APRESENTAÇÃO

Leia mais

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL FACULDADE DE DIREITO DA FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Credenciada pela Portaria MEC n. 3.640, de 17/10/2005 DOU de 20/10/2005. CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO Autorizado pela Portaria MEC

Leia mais

Proposta de Auto-Avaliação Institucional e Planejamento de sua Execução

Proposta de Auto-Avaliação Institucional e Planejamento de sua Execução 1. INTRODUÇÃO A avaliação institucional, processo desenvolvido pela comunidade do CEFET-PR, ocorrerá com o intuito de promover a qualidade da oferta educacional em todos os sentidos. Neste processo serão

Leia mais

EDITAL PROGRAD 06/2014 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS ESTRUTURANTES DE LABORATÓRIOS PARA O ENSINO DE GRADUAÇÃO 2015 / 2017.

EDITAL PROGRAD 06/2014 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS ESTRUTURANTES DE LABORATÓRIOS PARA O ENSINO DE GRADUAÇÃO 2015 / 2017. EDITAL PROGRAD 06/2014 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS ESTRUTURANTES DE LABORATÓRIOS PARA O ENSINO DE GRADUAÇÃO 2015 / 2017. I - OBJETIVO DO PROGRAMA 1. O Programa objetiva apoiar a estruturação dos laboratórios

Leia mais

FACULDADE ANCHIETA DE ENSINO SUPERIOR DO PARANÁ RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 1SEM2015 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

FACULDADE ANCHIETA DE ENSINO SUPERIOR DO PARANÁ RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 1SEM2015 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE ANCHIETA DE ENSINO SUPERIOR DO PARANÁ RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 1SEM2015 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Constituída em atendimento à Lei nº 10.861/2004, regulamentada pela Portaria

Leia mais

Faculdade Monteiro Lobato

Faculdade Monteiro Lobato RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2015 Porto Alegre, fevereiro de 2016 I DADOS E APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO Nome/ Código da IES: SOCIEDADE EDUCACIONAL MONTEIRO LOBATO / 2198 Caracterização de IES: Instituição

Leia mais

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011.

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DA POLÍTICA DE GRADUAÇÃO 1. Estímulo e apoio ao desenvolvimento dos projetos pedagógicos

Leia mais

PESQUISA INSTITUCIONAL CAMPUS RIO DE JANEIRO. Cursos Técnicos Integrado ao Ensino Médio

PESQUISA INSTITUCIONAL CAMPUS RIO DE JANEIRO. Cursos Técnicos Integrado ao Ensino Médio PESQUISA INSTITUCIONAL CAMPUS RIO DE JANEIRO Cursos Técnicos Integrado ao Ensino Médio PESQUISA INSTITUCIONAL IFRJ - CAMPUS RIO DE JANEIRO CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 1 Capa

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Regimento dos Campi da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Deliberação nº 10/2009

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: ARTES/MÚSICA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2016 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO: 2016 COORDENADOR DE ÁREA: ANTÔNIA PEREIRA BEZERRA COORDENADOR ADJUNTO: VERA BEATRIZ SIQUEIRA

Leia mais

FACULDADE OCTÓGONO RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO 2014

FACULDADE OCTÓGONO RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO 2014 FACULDADE OCTÓGONO RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO 2014 I. DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/ Código da IES - Faculdade Octógono - 1387 Caracterização da IES: Particular, com fins lucrativos, Faculdade. Estado: São Paulo

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE PSICOLOGIA 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor POTENC. PTO. A MELHOR. FRAGIL. 1 -

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE ENFERMAGEM 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor 1 - O professor comparece com regularidade

Leia mais

REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL APROVADA na 15ª reunião do Conselho Superior realizada em 12/04/2004 REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL Art. 1º - O presente texto institucionaliza e regulamenta as atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE FISIOTERAPIA 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor POTENC. PTO. A MELHOR. FRAGIL. 1

Leia mais

Relatório da Comissão de Avaliação Período 2013

Relatório da Comissão de Avaliação Período 2013 FACULDADE IBGEN Relatório da Comissão de Avaliação Período 2013 Porto Alegre, 26 de março de 2014. 2 SUMÁRIO I DADOS DA INSTITUIÇÃO... 3 IDENTIFICAÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE... 3

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO DIREITO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO DIREITO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO DIREITO 1. APRESENTAÇÃO O Curso de Direito completa 30 anos em 2015. Nestas três décadas, o Curso tem passado por constantes modificações, todas na busca do aperfeiçoamento

Leia mais

I - Suporte Acadêmico Administrativo

I - Suporte Acadêmico Administrativo I - Suporte Acadêmico Administrativo MISSÃO Desenvolver, de modo harmônico e planejado, a educação superior, promovendo a formação e o aperfeiçoamento acadêmico, científico e tecnológico dos recursos

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE BIOMEDICINA CAMPUS PL PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO

Leia mais

168-Instrumento de Autorização de Cursos de Graduação: Bacharelado ou Licenciatura

168-Instrumento de Autorização de Cursos de Graduação: Bacharelado ou Licenciatura Página 1 de 9 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 20100109 Código MEC: 37883 Código da Avaliação: 89802 Ato Regulatório: Autorização Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA )DA FACULDADE PARAIBANA (FAP) AÇÕES 2015 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA )DA FACULDADE PARAIBANA (FAP) AÇÕES 2015 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA )DA FACULDADE PARAIBANA (FAP) AÇÕES 2015 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DADOS DA MANTENEDORA I Identificação Nome: Associação Unificada

Leia mais

Instituto Machadense de Ensino Superior (IMES) Relatório sobre a Comissão Própria de Avaliação (CPA) Auto-Avaliação Institucional 2013

Instituto Machadense de Ensino Superior (IMES) Relatório sobre a Comissão Própria de Avaliação (CPA) Auto-Avaliação Institucional 2013 Instituto Machadense de Ensino Superior (IMES) Relatório sobre a Comissão Própria de Avaliação (CPA) Auto-Avaliação Institucional 2013 Machado-MG 2014 Sumário 1) Introdução... 3 2) Informações Institucionais...

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DO CENTRO DE ARTES

AUTOAVALIAÇÃO DO CENTRO DE ARTES AUTOAVALIAÇÃO DO CENTRO DE ARTES COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO: Representantes Docentes: - Eliana Gonçalves - Presidente - Dimas Ricardo Rosa - Fátima da Costa Lima - Jociele Lampert Representantes Técnicos

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE PEDAGOGIA CAMPUS PL PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROJETO DE RESOLUÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROJETO DE RESOLUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROJETO DE RESOLUÇÃO Estabelece Diretrizese Normas Nacionais para a Oferta de Programas e Cursosde Educação Superior na

Leia mais

Curso de bacharelado em engenharia de produção

Curso de bacharelado em engenharia de produção CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/01 Curso de bacharelado em engenharia de produção CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 21 de setembro de 2009.

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 21 de setembro de 2009. RESOLUÇÃO CAS Nº 32/2009, DE 21 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPPGE DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO AO DOCENTE E DISCENTE - NADD

NÚCLEO DE APOIO AO DOCENTE E DISCENTE - NADD 1 Fundação de Ensino Superior de Mangueirinha Faculdade Unilagos Rua Saldanha Marinho, 85 www.unilagos.com.br C.N.P.J 05.428.075/0001-91 NÚCLEO DE APOIO AO DOCENTE E DISCENTE - NADD MANGUEIRINHA PARANÁ

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE CAMPO GRANDE

DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE CAMPO GRANDE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL ASSESSORIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E CAPTAÇÃO DE RECURSOS DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE CAMPO GRANDE LINHA TEMÁTICA (PROBLEMAS)

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/02

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/02 Curso de Bacharelado em ODONTOLOGIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/02 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente, Coordenação

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP RELATO INSTITUCIONAL 2014

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP RELATO INSTITUCIONAL 2014 SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP RELATO INSTITUCIONAL 2014 Capivari de Baixo, 30 de março de 2015 1. BREVE HISTÓRICO DA FACULDADE CAPIVARI A Faculdade Capivari

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO 1 DA DEFINIÇÃO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO 1 DA DEFINIÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GRADES 2008/2010 REGULAMENTO MARÇO 2012 (Substitui o regulamento

Leia mais

www.unp.br REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

www.unp.br REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL www.unp.br REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL (Aprovado pela Resolução Nº 021/2015-ConEPE-UnP, de 24/03/2015)

Leia mais

FACULDADE CIDADE DE COROMANDEL

FACULDADE CIDADE DE COROMANDEL Avaliação: DIMENSÃO 1: A MISSÃO E PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2º Semestre de 2015 Unidade: (1) - FACULDADE CIDADE DE COROMANDEL (GRADUAÇÃO) Curso: (32) - ANÁLISE E DES. DE SISTEMAS Indicadores:

Leia mais

O que é e para que serve a CPA?

O que é e para que serve a CPA? O que é e para que serve a CPA? A CPA Comissão Própria de Avaliação foi instituída pela LEI do SINAES, Nº 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004 com as atribuições de condução dos processos de avaliação internos

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ASPECTOS METODOLÓGICOS... 7. 3. RESULTADOS DA AVALIAÇÃO UNISEB - Análise dos Resultados Integrados...

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ASPECTOS METODOLÓGICOS... 7. 3. RESULTADOS DA AVALIAÇÃO UNISEB - Análise dos Resultados Integrados... RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ASPECTOS METODOLÓGICOS... 7 3. RESULTADOS DA AVALIAÇÃO UNISEB - Análise dos Resultados Integrados... 9 3.1. Dimensão 1: Missão

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO 1 REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art.1º A Diretoria de Ensino de Graduação (DEG) é órgão da Pró-Reitoria Acadêmica, do Centro Universitário de Maringá.

Leia mais

CRITÉTIOS DE AVALIAÇÃO DA CAPES

CRITÉTIOS DE AVALIAÇÃO DA CAPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL TECNOLOGIA,

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL LEVANTAMENTO DAS MEDIDAS REALIZADAS

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL LEVANTAMENTO DAS MEDIDAS REALIZADAS AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL LEVANTAMENTO DAS MEDIDAS REALIZADAS RELATÓRIO DO CURSO PEDAGOGIA CPA 2011/12 Porto Velho RO 2011/2012 1 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Profª Drª. Nelice Milena Batistelli Serbino

Leia mais

INSTITUTO ITAPETININGANO DE ENSINO SUPERIOR - IIES COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA

INSTITUTO ITAPETININGANO DE ENSINO SUPERIOR - IIES COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA INSTITUTO ITAPETININGANO DE ENSINO SUPERIOR - IIES COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA 2014 APRESENTAÇÃO Este relatório descreve as atividades e resultados obtidos

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico

Leia mais