XVI ENAIC Encontro Anual de iniciação Científica. Encontro Anual de Iniciação Científica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XVI ENAIC Encontro Anual de iniciação Científica. Encontro Anual de Iniciação Científica"

Transcrição

1 Encontro Anual de Iniciação Científica

2 COMISSÃO ORGANIZADORA PRESIDENTE Profª. Drª. Francisca Pinheiro da Silveira Costa COORDENADORES Profº. Drº. Afonso Ligório Cardoso Profª. Ms. Fernanda Cristina Figueira Teixeira Profª. Drª Lanny Cristina B. Soares Profª. Drª. Vandeni Clarice Kunz 2

3 CENTRO UNIVERSITÁRIO ADVENTISTA DE SÃO PAULO ADMINISTRAÇÃO DA ENTIDADE MANTENEDORA Diretor Presidente: Domingos José de Souza Secretário: Emmanuel Oliveira Guimarães Tesoureiro: Élnio Álvares de Freitas ADMINISTRAÇÃO GERAL DO UNASP Reitor: Euler Pereira Bahia Pró-Reitora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão: Tânia Denise Kuntze Pró-Reitora de Graduação: Sílvia Cristina de Oliveira Quadros Pró-Reitor Administrativo: Andrenilson Marques Moraes Secretário Geral: Marcelo Franca Alves Diretor do Campus EC: José Paulo Martini FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA Diretor: Emilson Reis COORDENADOR DA PÓS-GRADUAÇÃO Francisca Pinheiro da Silveira Costa COORDENAODRES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO Curso de Administração Everson Munkenberg Curso de Ciências Contábeis Waggnoor Kettle Curso de Direito Lélio Maximino Lellis Carlos Alexandre Hees Curso de Educação Artística Ellen de Alburquerque Boger Stencel Curso de Engenharia Civil Débora Pierini Gagliardo Curso de História Elder Hosokawa Curso de Jornalismo Ruben Dargã Holdorf 3

4 Curso de Letras Milton Torres Curso de Pedagogia Betânia Jacob Stange Lopes Curso de Publicidade e Propaganda Martin Kuhn Curso Rádio e TV Martin Kuhn Curso de Teologia Ozeas Caldas Moura Curso de Tradutor e Intérprete Milton Luiz Torres Curso de Sistema para Internet Thales de Társis Cezare APRESENTAÇÃO O Centro Universitário Adventista de São Paulo UNASP, campus de Engenheiro Coelho vem, por meio do XVI Encontro Anual de Iniciação Científica ENAIC, apresentar a toda comunidade acadêmica a produção científica de docentes e discentes, através de pôsteres, resumos e apresentações orais. Considera-se a realização deste encontro como de vital importância para o desenvolvimento de atividades científicas, servindo de estímulo para o aprimoramento de pesquisa e produção do saber acadêmico. A realização deste encontro é fruto do esforço e envolvimento de professores e alunos na construção do conhecimento. Nosso sincero agradecimento a todos que participaram e apoiaram a concretização deste encontro. Francisca Pinheiro da Silveira Costa Coordenadora de Pesquisa do UNASP-EC 4

5 ADMINISTRAÇÃO 5

6 RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: UM ESTUDO SOBRE OS TESTES DE APTIDÕES APLICADOS PELO GRUPO APSE Gabriella Oliveira Lopes Marlon Victor Marques Jéssica Gomes da Silva O artigo trata do papel decisivo da administração de recursos humanos no processo de Recrutamento e Seleção de pessoas, apontando as necessidades existentes no planejamento da busca por talentos humanos, as etapas e os mecanismos de recrutamento e seleção de pessoal. Cada indivíduo é um ser único, com características e aptidões únicas e específicas. O modo mais justo e necessário é aquele que consiste em colocar o indivíduo na posição correspondente às suas aptidões e capacidades. As organizações atuais têm se envolvido cada vez mais na tarefa de buscar e reter talentos, um dos maiores desafios das organizações. Tal tarefa consiste em um processo de atração. Se de um lado as empresas necessitam captar pessoas, de outro lado os indivíduos buscam entrar nas organizações. A relevância do setor de Recrutamento e Seleção deixa acessível aos profissionais da área maneiras de realizar a atividade. A primeira etapa é a verificação do cargo e vaga disponível, a próxima etapa é traçar o perfil desejado do profissional, com essas informações bem definidas a terceira etapa é escolher entre uma gama de opções qual teste será o mais adequado para a obtenção das informações necessárias sobre o perfil do entrevistado, o que justifica a escolha do tema. É fundamental mapear importantes e valiosas informações sobre o comportamento das pessoas no ambiente de trabalho, suas competências, seus talentos e aptidões, possíveis limitações e, sempre que possível, como revertê-las através de um programa de autoconhecimento. Vários autores são citados nesse trabalho para mostrar através de pesquisas bibliográficas o que eles entendem sobre o que foi abordado. Palavras-chave: Recrutamento; Seleção; Teste. 6

7 ARQUITETURA 7

8 PRESERVAÇÃO DE ACERVOS E DA MEMÓRIA: REVISÃO DO BANCO DE DADOS DAS IGREJAS E GRUPOS ADVENTISTAS NO BRASIL Mayla Magaieski Graepp Orientadora: Janaína Xavier Apresentar uma revisão e acréscimo de um banco de dados virtual de igrejas e grupos adventistas do sétimo dia. As informações disponíveis foram inicialmente coletadas pelo Centro Nacional da Memória Adventista (CNMA) a partir de A introdução do projeto se deu em fevereiro de Até então, o material se encontrava desorganizado e desatualizado. Também faz parte desse conjunto de dados de igrejas e grupos um acervo material de documentos e fotografias pertencentes a esses. Revisar os conteúdos e atualizar o banco de dados, anexando junto ao resumo histórico uma fotografia da fachada principal do edifício; Incrementar ao banco de dados várias outras igrejas adventistas do sétimo dia; Disponibilizar as informações por meio virtual. A principal justificativa para este projeto está no enfoque da preservação da memória da Igreja Adventista do Sétimo Dia em relação ao histórico de cada igreja / grupo e a divulgação do mesmo. O acervo material disponível das igrejas foi selecionado, setorizado por Estado e catalogado em uma planilha do programa Excel. Colocou-se o nome do grupo de membros e o seu respectivo acervo disponível (documentos, cartas, fotos, etc.), doados ao CNMA; Os históricos já existentes foram atualizados através do contato com a respectiva associação ou pastor do distrito, nas enciclopédias: Seventh-Day Adventist Church Yearbook e também por meio da internet. Foi feita uma busca de fotografias das fachadas do edifício no google maps, páginas virtuais das igrejas e no acervo de fotos do Centro Nacional da Memória Adventista. Ampliação do banco de dados através da elaboração de novos resumos históricos de igrejas. Compilação do material e disponibilização na Wikipédia do CNMA (http://www.wikiasd.org). Foram catalogados 434 grupos e igrejas e disponibilizados os históricos na Wikipédia do CNMA juntamente as respectivas fotografias da fachada principal dos edifícios. Palavras-Chave: Igreja Adventista; Histórico; Acervo. 8

9 CONTRIBUIÇÃO DA ÁREA ARBÓREA NO CONFORTO TÉRMICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO Larissa Elaine de Souza Holdorf Mateus Felipe dos Santos Matheus Venâncio Reis e Silva Orientadora: Denise D. O. Morelli A vegetação como elemento de fachada possibilita minimizar o ganho de calor, proporcionando melhor condição térmica na edificação e ao usuário. Muitos estudos mostram que a vegetação em áreas urbanas resulta em melhores condições climáticas, trazendo conforto térmico e visual para os usuários. Nas edificações a presença de vegetação também possui um resultado significativo no conforto térmico. No Brasil, algumas regiões as temperaturas são mais amenas no inverno e altas no verão, e o uso da vegetação contribui para minimizar o ganho de calor na envoltória da edificação através do sombreamento. O conforto interno da área construída permite que a temperatura interna esteja em equilíbrio com o organismo do homem. Esta inter-relação do organismo do homem e a sensação de conforto térmico compreendem na troca de calor entre o homem e seu ambiente. A pesquisa foi realizada em dois edifícios residenciais de construção idêntica, diferenciando-se apenas pela presença de árvores na fachada de uma edificação e outra edificação sem árvores. A análise da temperatura externa, umidade refletiva do ar, velocidade do vento foi compara com as respostas sobre a sensação de conforto térmico obtidas de questionários aplicados aos moradores das edificações, permitindo determinar as condições limite do conforto térmico. O resultado permite concluir que o uso da vegetação na fachada minimiza o ganho de calor nas edificações no período mais quente do ano. Também demonstrou que a vegetação é aceita pelos moradores da edificação que possui árvores na fachada e que os moradores do edifício sem vegetação da fachada, no que se refere ao desempenho térmico, são igualmente indicados. Palavra-chave: conforto térmico; sensação térmica; vegetação. 9

10 CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI - GEOGRAFIA 10

11 ANÁLISE DO PROCESSO DE SEDIMENTAÇÃO NO CURSO FINAL DO RIO AMAQUÃ Leandro Barcelos de Lima Orientadora: Lisa Fernanda Meyer da Silva O Rio Camaquã é o maior rio da Bacia Hidrográfica do Camaquã. O rio tem aproximadamente 468 quilômetros de extensão. Nasce da tripla confluência entre o arroio do Hilário, em Lavras do sul; o arroio Camaquã Chico, entre Bagé e Dom Pedrito; e o arroio das Lavras, em Caçapava do Sul, aproximadamente 160 metros acima do nível do mar. O rio está situado sobre uma falha geológica estável e muito antiga, de estrutura rochosa sedimentar. O Camaquã, assim como a maioria dos cursos d'água, perenes e exorreicos, pode ser dividido, da nascente à foz, em três trechos distintos: o curso superior, o curso médio e o curso inferior. Nesta pesquisa, nos interessa analisar como ocorre o processo de sedimentação rochosa no curso inferior do rio. Esta pesquisa foi desenvolvida utilizando-se o sensoriamento remoto para a obtenção de dados, principalmente através do programa de foto vertical Google Earth; aliado à pesquisa bibliográfica temática. Com a pesquisa foi possível determinar que neste trecho o rio é dominado por meandros longos e grandes depósitos sedimentares, ou seja, partículas minerais provenientes dos cursos ao montante, que, basicamente, são de natureza síltica e argilosa, proveniente da carga em suspensão em constante fragmentação. Neste trecho, o rio atravessa os municípios de Camaquã, Amaral Ferrador, São Lourenço do Sul e Cristal, e escoa sobre a planície costeira, em baixa velocidade, visto a baixa topografia do terreno, não superior a 14 metros. Nesta área identificamos os locais mais assoreados do canal, com a formação de diversas ilhas sedimentares, que 'obrigam' o rio a se ramificar constantemente. O curso inferior do Rio Camaquã termina quando suas águas alcançam a Laguna dos patos, próximo as coordenadas 31 17º15 latitude sul e 51 44º 39º de longitude oeste, onde forma uma imensa foz em forma de delta, em decorrência da maneira como os detritos, provenientes do processo de erosão e fragmentação das partículas, são transportados e depositados. Este local é, predominantemente, formado por ilhas, terras alagáveis, sob constante pulso de inundação, muitos banhados, lagoões, canais meandrastes e canais artificiais. Devesse ser salientado que nessa área também se formam os arquipélagos de natureza sedimentar, muitos servindo como habitat e refúgio para centenas de espécies de aves e mamíferos, muitos endêmicos da região. Palavras-Chave: Rio Camaquã; Processo de sedimentação; Curso inferior. 11

12 CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA DEVASTAÇÃO CILIAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMAQUÃ Leandro Barcelos de Lima Orientadora: Lisa Fernanda Meyer da Silva A devastação da vegetação ciliar (também conhecida como mata de galeria ou floresta ripária), que se caracteriza como sendo uma faixa de vegetação nativa às margens de rios, lagos, nascentes e mananciais, em geral é considerada um dos principais problemas ambiental em toda área da Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã, pois, as matas ciliares constituem-se em um elemento básico de proteção dos recursos hídricos. É a partir da remoção da cobertura vegetal ciliar e adjacente que se iniciam diversos outros problemas, como: a redução na absorção de dióxido de carbono; aumento da erosão, assoreamento e compactação do solo; intensificação dos efeitos da lixiviação; migração, ou até mesmo, extinção de vida vegetal e animal, com consequente redução da biodiversidade; significativa diminuição na qualidade da água do deflúvio, já que a mata de galeria 'trabalha' como um filtro natural; entre tantos outros. Pelo exposto, esta pesquisa pretende identificar quais os principais fatores responsáveis pelo processo de remoção da mata ciliar aos mares da Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã. Para tal empreitada utilizamos a metodologia de análise bibliográfica e documental, aliada ao sensoriamento remoto para a obtenção de dados. Com a pesquisa, constatamos que o processo de remoção da mata ciliar das margens de rios e arroios na bacia, tem se acelerado nos últimos anos causando, sobre tudo, drásticas transformações no estado natural antes predominante na área. Estas alterações envolvem desmatamento, cortes e demais atividades que provocam alterações biológicas e que refletem diretamente no potencial ecológico da área atingida. Isso ocorre mesmo estando tal vegetação localizada em área considerada de proteção permanente (APP), conforme o Código Florestal Brasileiro (CFB - Lei n /12); além do fato de ser a Bacia do Camaquã classificada como um patrimônio ecológico estadual, em decorrência da sua biodiversidade singular. De acordo com os dados, são vários os fatores que contribuem para o acelerado processo de desmatamento ciliar, a saber: o avanço das lavouras de fumo, soja, arroz e outras; a pecuária extensiva; a substituição da mata nativa por espécies exóticas, destinadas às indústrias de celulose e derivados; a destruição e ocupação irregular, de áreas nativas, para construção de moradias; o aumento do ecoturismo nas áreas da bacia e, principalmente, a falta de uma política pública séria, comprometida com a proteção dessa importante vegetação. Palavras-Chave: Devastação ciliar; Bacia do Rio Camaquã; Consequências. 12

13 UMA ANÁLISE DA REINCIDÊNCIA CRIMINAL ENTRE APENADOS DO PRESÍDIO REGIONAL DE CAMAQUÃ Leandro Barcelos de Lima Orientadora: Lisa Fernanda Meyer da Silva O Brasil possui a terceira maior população carcerária do planeta, atrás, respectivamente, dos Estados Unidos e da China. O último senso realizado pelo conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostrou que entre os 27 entes federativos haviam mais de 711 mil apenados, distribuídos entre os regimes fechado, semiaberto e aberto. Deste contingente, mais de 65% são reincidentes, ou seja, já passaram outras vezes pelo sistema prisional. Tal fato mostra o alarmante índice de reincidência entre os apenados brasileiros, além de reivindicar uma nova postura do setor púbico frente a essa situação. O objetivo desta pesquisa é identificar o índice de reincidência criminal entre os apenados do Presídio Regional de Camaquã, e traçar um paralelo entre os dados por nós obtidos e os dados do CNJ. A metodologia utilizada é a de análise documental e bibliográfica. No Rio Grande do Sul encontram-se, hoje, encarcerados homens, sendo 31% reincidentes; e 1746 mulheres, sendo 49% de reincidentes. No Presídio Regional de Camaquã, segundo dados colhidos junto à Superintendência de Serviços Penitenciários (SUSEPE), encontram-se 332 apenados, sendo 310 homens e 22 mulheres, divididos pelos três regimes previstos pela legislação; em uma área com capacidade para apenas 190 detentos. Deste contingente, 128 homens (41,2%) e 9 mulheres (40,9%) são reincidentes, ou seja, já tiveram outras passagens pelo sistema prisional gaúcho. Com os dados obtidos com a pesquisa constatamos um número menor de casos de reincidência entre os apenados do Presídio Regional de Camaquã, se comparado à média nacional divulgada pelo CNJ, porém, o índice de reincidência detectado nesse caso em específico ainda é muito elevado. Tal fato deve-se, sobretudo, à falta de uma política pública séria por parte do poder público visando à reinserção dessas pessoas junto à sociedade após cumprir suas penas, compelindo-as, muitas vezes, a retornar à marginalidade como única forma de sobrevivência. Ou o poder público, unido à sociedade civil e ao terceiro setor, adota uma postura concreta e factível frente a essa situação, ou o ciclo prisão-rua-prisão vai continuar a se repetir continuamente. Palavras-Chave: Sistema carcerário; Reincidência; Presídio de Camaquã. 13

14 CIÊNCIAS CONTABEIS 14

15 CONTABILIDADE DO TERCEIRO SETOR: SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO DECISÓRIO NUMA ENTIDADE DO INTERIOR PAULISTA Adrielli de Lima Souza Ana Clara Vischi Magnusson Orientador: Waggnoor Macieira Kettle Este trabalho tem por objetivo investigar o funcionamento da Contabilidade dentro de uma empresa do Terceiro Setor, especificamente uma Associação Esportiva, no interior do Estado de São Paulo, procurando melhor compreensão da sua influência para o processo decisório. O estudo justifica-se pelo fato de que esse ramo da Contabilidade muito tem se destacado no cenário contábil nacional. A Contabilidade, no que diz respeito à sua aplicabilidade, ainda deverá avançar muito nessa área, uma vez que, noutros segmentos, isso já ocorre de forma solidificada, como por exemplo: no Primeiro Setor, que é representado pelo Estado, composto pelas Prefeituras Municipais, Governos dos Estados e Presidência da República, e, o Segundo Setor, representado pelo setor privado, o qual atua, principalmente, na busca pelo lucro. A principal característica das organizações do Terceiro Setor é que não visam ao lucro, e, dessa forma, o Conselho Federal de Contabilidade adota normas e procedimentos específicos para este tipo de entidade. A falta ou o mau uso da Contabilidade como ferramenta de busca de melhor informação e entendimento dos dados fornecidos no terceiro setor podem gerar procedimentos contábeis não confiáveis, gerando assim demonstrações contábeis comprometidas aos fatos reais dessas entidades. A proposta metodológica consiste num estudo bibliográfico, de análise documental e de natureza qualitativa. Assim, a expectativa deste estudo é fornecer uma contribuição à entidade escolhida no sentido de que as demonstrações contábeis possam ser úteis e relevantes no tocante à possibilidade de análise dos recursos por ela aplicados e se estes estão sendo direcionados aos projetos institucionais. Palavras Chave: Contabilidade do Terceiro Setor; Terceiro Setor; Processo Decisório. 15

16 LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA: ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DO SETOR DE COMBUSTÍVEL Andrea Martins de Souza Couy Bruno Alves Feitosa Orientador: Waggnoor Macieira Kettle No atual cenário tributário brasileiro encontra-se, aproximadamente, 92 tributos, conforme ditames do Código Tributário Nacional, e, segundo pesquisas recentes noticiadas pela Exame (2012), o país lidera um ranking no qual estão listados os países com as mais altas cargas tributárias. Assim, levando-se em conta a obrigatoriedade no recolhimento de tais tributos têm-se uma situação de descontentamento no sujeito passivo devedor da obrigação tributária, visto que tais tributos se apoderam de parcela considerável do lucro das empresas. Diante disto os gestores buscam alternativas possíveis para o recolhimento de impostos e taxas, qual seja a definição de um planejamento tributário vantajoso à empresa. O presente estudo justifica-se pelo interesse, tanto dos pesquisadores, quanto da empresa-objeto da investigação. Para tanto valer-se-á de uma pesquisa exploratória-descritiva, de natureza quantiqualitativa, fundamentada em levantamento de dados secundários, ou seja, estudo bibliográfico, bem como numa análise documental, visando desenvolver um planejamento tributário para o Posto Planalto Comércio de Combustíveis LTDA, localizado na cidade de Novo Progresso, Pará, utilizando-se para tanto do princípio da elisão fiscal. Tal princípio consiste na adoção de alternativa legal menos onerosa ou de lacuna da lei, logo é legitima e lícita, pois é alcançada de acordo com o ordenamento jurídico. Para isso, inicialmente serão levantadas todas as informações necessárias para a definição e cálculo da receita de vendas, dos custos e das despesas e apuração do lucro. A partir desse levantamento, a situação contábil/financeira da empresa poderá ser analisada; com base na elaboração da Demonstração do Resultado do Exercício serão reconhecidos e calculados os tributos sendo os quais a empresa esteja obrigada a pagar dentro de cada regime tributário a ser analisado. Tais informações serão úteis no processo da tomada de decisão por parte da administração da empresa em manter-se no atual regime tributário do Lucro Presumido, ou migrar para outro regime qual seja apresentado mais econômico e vantajoso. Palavras-Chave: Legislação Tributária; Planejamento Tributário; Elisão Fiscal; Tributação; Regime Tributário. 16

17 A LEI SARBANES OXLEY (SOX): SUA INFLUÊNCIA NA AUDITORIA CONTÁBIL Atos Antônio Ferreira Davi Ribeiro de Oliveira Orientador: Waggnoor Macieira Kettle Este estudo tem por finalidade abordar a importância da lei Sarbanes-Oxley, mais conhecida como (SOX), para a atuação do auditor nas auditorias realizadas nas organizações que tenham suas ações comercializadas na Bolsa de Valores Norte Americana. Criada por Paul Sarbanes e Michael Oxley em 2002, a referida lei teve o intuito de resgatar a confiabilidade dos acionistas e também fazer com que as empresas tivessem novamente a credibilidade nos mercados nacionais e internacionais, visto que o escândalo ocorrido naquele ano comprometeu a credibilidade de grande parte das empresas que tinham suas ações comercializadas na bolsa de valores norte-americana. Portanto, o presente estudo justifica-se pelo fato do tema estar relacionado a questões de natureza ética, especificamente no campo da auditoria e, também pela confiabilidade da informação por parte das empresas à qual se destina. A proposta metodológica abrange estudo bibliográfico mediante levantamento histórico dos precedentes para então abordar seu impacto na atualidade. Outrossim, o trabalho de campo junto a uma empresa de auditoria KPMG delineará a pesquisa de campo e dará um viés qualitativo, pois, a proposta inclui uma entrevista semiestruturada. A contribuição esperada ocorrerá na medida em que o estudo for desenvolvido, o que poderá acarretar na ampliação do conhecimento das particularidades da lei SOX e também, no âmbito acadêmico, com material científico para futuras pesquisas de novos pesquisadores. Palavras-Chave: Lei Sarbanes-Oxley; Auditoria Contábil; Ética Profissional. 17

18 CONTABILIDADE DE AGRONEGÓCIOS: ADOÇÃO E ANÁLISE NUMA PROPRIEDADE DE PEQUENO PORTE Cibele de Lima Raquel Mendes Florenciano Orientador: Waggnoor Macieira Kettle A agricultura tem uma grande representatividade na economia brasileira, sendo responsável por produtos importantes no cenário de exportação como soja, açúcar e café, no que contribui significativamente no cômputo geral do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Com o passar dos anos a agricultura vem se desenvolvendo, implantando novas tecnologias com o intuito de melhorar a qualidade, a quantidade e o preço dos produtos. Por ser um setor da economia relevante e estar em pleno destaque econômico faz-se necessário que os produtores conheçam seu negócio, saibam se ele está se desenvolvendo bem, se apresenta algum risco e, naturalmente, se está resultando em lucro ou prejuízo. Assim é que este estudo tem por objetivo mostrar a pequenos produtores de café que a contabilidade pode avançar para além de exigências fiscais e pode contribuir significativamente para o bom desenvolvimento de seus negócios. Para tanto, será realizada uma pesquisa descritiva, com materiais bibliográficos como livros e artigos, bem como uma pesquisa de campo de natureza qualitativa. O estudo será desenvolvido no município de Ibitiúra de Minas - MG e pretende trazer contribuições no sentido de levar informações a produtores daquela região que ainda não se valem da informação contábil devido, provavelmente, a não perceberem a ciência contábil como uma ferramenta que pode auxiliá-los no processo decisório de seus negócios. Palavras-Chave: Contabilidade de Agronegócios; Agricultura; Processo Decisório. 18

19 PLANEJAMENTO: ALTERNATIVA PARA O CRESCIMENTO Guilherme Henrique Bueno Leandro Ferreira de Camargo Orientador: Waggnoor Kettle O objetivo desse estudo é verificar o grau de conhecimento que o proprietário de uma microempresa (ME) localizada num município do interior de São Paulo possui sobre o gerenciamento do seu negócio. A pesquisa justifica-se pelo fato das ME possuírem importância considerável no mercado brasileiro atual, pois, representam cerca de 99,2% das empresas do território nacional e empregam 57,2% da potência do trabalho, tornando-se assim, essenciais para a economia e desenvolvimento do país. Entretanto, a taxa de mortalidade das entidades é relativamente alta devido à falha do gerenciamento e na administração das mesmas, pois, boa parte dos seus sócios é constituídos próprios familiares que, na maioria dos casos, representa toda, ou parte, da sua mão de obra direta, não tendo assim um conhecimento aprofundado suficiente para conduzir da melhor forma possível a tomada de decisões e permanecer com um bom nível de competitividade no mercado empresarial, sendo ameaçada pelas grandes empresas que atuam nele. A proposta metodológica de uma pesquisa explicativa de natureza qualitativa, baseada em dados e análise documentais, levantamento bibliográfico. A contribuição pretendida consiste na elaboração de um método estruturado de planejamento que possa futuramente ser utilizado pelos gestores da microempresa estudada, para assim, alavancar o desenvolvimento da mesma e prolongar sua vida útil no ramo de atuação. Palavras-Chave: Microempresa; Planejamento; Gestão de ME. 19

20 CONTABILIDADE GERENCIAL: A IMPORTÂNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA UMA EMPRESA DO SETOR DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO Micaela Larissa de Campos Thatiane Alves dos Santos Orientador: Waggnoor Macieira Kettle Diante da evolução da Contabilidade, principalmente nos últimos anos, nota-se que as informações por ela geradas, muito se aproximam da real situação das empresas, e, a cada dia mais essas entidades procuram tomar decisões baseadas nos relatórios fornecidos pela Contabilidade. Desta forma é que as demonstrações contábeis deixam de ser apenas uma obrigação fiscal e se tornam cada vez mais importantes para o processo decisório. Assim é que a finalidade deste trabalho consiste em focalizar as demonstrações contábeis, com especial atenção para o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício, verificando a sua importância para uma empresa do setor de transporte rodoviário, a saber, a empresa Viação Limeirense Ltda, localizada no município de Limeira, SP, a qual opera na cidade a mais de quatro décadas e é responsável por 70% dos passageiros locais. Por meio de um levantamento bibliográfico e análise documental, o intuito é analisar a importância das demonstrações contábeis para a referida empresa e contribuir para o seu desenvolvimento, uma vez que se encontra num mercado competitivo daquele município. A busca pelas informações e sua devida análise provavelmente proporcionará dados importantes para o estudo e, possivelmente, trará contribuições relevantes para a empresa estudada no contexto do setor de transporte do referido município. Palavras-Chave: Contabilidade Gerencial; Demonstrações Contábeis; Processo Decisório. 20

21 IMPACTOS DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA DE UMA EMPRESA COMERCIAL OPTANTE PELO REGIME DE TRIBUTAÇÃO DO LUCRO PRESUMIDO Osvaldo João Yomuenho Orientador: João Daniel Quagliato A alta carga tributária Brasileira tem sido umas das principais preocupações das empresas quando se pretende estabelecer o preço de venda dos seus produtos ou serviços a serem oferecidos no mercado consumidor. Dentro desse cenário econômico cabe às empresas escolherem em qual regime de tributação possam ser enquadradas minimizando os efeitos dos tributos sobre os seus resultados. Essa escolha depende, em grande parte, de suas atividades e do seu faturamento normatizados pelo Sistema Tributário Nacional. Este trabalho objetiva, através de um estudo exploratório, apresentar os regimes de tributação existente no Brasil demostrando o impacto da carga tributária numa organização elaborada buscando responder a seguinte questão: Qual o impacto dos tributos na formação do preço de venda de uma empresa comercial optante pelo regime de tributação pelo lucro presumido. Para a elaboração do estudo foi utilizado a pesquisa bibliográfica qualitativa em livros, artigos e em sites oficiais, como exemplo, o da Receita Federal do Brasil. As análises e os resultados permitem que sejam aperfeiçoados os conhecimentos sobre o assunto e, objetiva trazer ao leitor as nuances encontradas sobre a carga Tributária que as empresas sofrem no momento que estabelecem os preços de vendas de seus produtos e / ou serviços no mercado. Palavras-Chave: Contabilidade; Tributos; Preços e Regimes de Tributação das Pessoas Jurídicas. 21

22 O IMPACTO DO LEASING NA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) DA AZUL LINHAS AÉREAS BRASILEIAS S/A Roberto Braun José Elízio Orientador: Waggnoor Kettle Este trabalho tem por objetivo analisar os reflexos do Leasing na Demonstração de Resultado do Exercício da empresa Azul Linhas Aéreas Brasileiras, a qual opta pela modalidade de Leasing Operacional. O estudo justifica-se pela importância da aviação como meio de transporte mundial e com ofertas de passagens mais acessíveis aos usuários. O mercado da aviação vem crescendo a cada dia, e para que esse mercado continue atendendo a demanda, é necessário que haja investimento, não só nos aeroportos, mas também por parte das empresas aéreas com a compra de aeronaves mais modernas. Atualmente, uma dessas empresas é a Azul Linhas Aéreas Brasileiras, pois é uma das empresas que, em pouco tempo, conseguiu alcançar o ranking de terceira maior empresa de aviação no Brasil. Isto não se deve apenas à variedade de rotas, mas também pelo fato da empresa contar com uma frota de aeronaves modernas e com conforto que vem correspondendo às expectativas de seus clientes. O Leasing, utilizado com sucesso no Brasil e no mundo, é uma operação onde a empresa arrendatária escolhe o bem de sua preferência, negocia o preço com o fornecedor e, após a assinatura do contrato, solicita a empresa de Leasing que compre o bem para sua utilização. Utilizando-se de uma metodologia fundamentada em levantamento bibliográfico e análise documental, o estudo pretende explorar a referida temática, explorando as duas modalidades de Leasing: financeiro e operacional, no intuito de ampliar conhecimentos que venham contribuir, tanto com os pesquisadores do estudo, bem como apresentar material de consulta a novos pesquisadores. Palavras-Chave: Leasing; Demonstração do Resultado do Exercício; Azul Linhas Aéreas. 22

Centro Universitário Adventista de São Paulo Fundado em 1915 www.unasp.edu.br

Centro Universitário Adventista de São Paulo Fundado em 1915 www.unasp.edu.br Centro Universitário Adventista de São Paulo Fundado em 1915 www.unasp.edu.br Missão: Educar no contexto dos valores bíblicos para um viver pleno e para a excelência no servirço a Deus e à humanidade.

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

ABERTURA DE CAPITAL COMO FORMA DE ALAVANCAGEM NO BRASIL. AUTOR: EVANGELISTA, Aparecida Conceição de Oliveira. ORIENTADOR: LIMA, Hyder Marcelo de.

ABERTURA DE CAPITAL COMO FORMA DE ALAVANCAGEM NO BRASIL. AUTOR: EVANGELISTA, Aparecida Conceição de Oliveira. ORIENTADOR: LIMA, Hyder Marcelo de. ABERTURA DE CAPITAL COMO FORMA DE ALAVANCAGEM NO BRASIL AUTOR: EVANGELISTA, Aparecida Conceição de Oliveira. ORIENTADOR: LIMA, Hyder Marcelo de. O presente artigo visa apresentar a abertura de capital

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA

CONTABILIDADE PÚBLICA CONTABILIDADE PÚBLICA 1. Conceito: Para Bezerra Filho (2006, p.131), a Contabilidade pública pode ser definida como o ramo da ciência contábil que controla o patrimônio público, evidenciando as variações

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS - EAD PARA SERVIDORES DO TCE E CURSOS OBJETIVO PÚBLICO-ALVO CARGA HORÁRIA N. DE VAGAS MODALIDADE 1. As Novas Normas de Contabilidade Aplicada

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O D I G I T A L

A P R E S E N T A Ç Ã O D I G I T A L APRESENTAÇÃO DIGITAL APRESENTAÇÃO Investimento contínuo em qualificação. Adequação às necessidades do cliente. Ética e Gestão Profissional. Esses são os principais pilares que nortearam a fundação do Escritório

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES

RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES RESUMO ESPANDIDO QUALITATIVO NOTA FISCAL ELETRÔNICA: MUDANÇAS E REPERCUSSÕES PARA EMPRESAS E ÓRGÃOS FISCALIZADORES Anilton ROCHA SILVA, Carina VIAL DE CANUTO, Carolina CLIVIAN PEREIRA XAVIER, Débora LORAINE

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

aa Opportune é uma empresa que trabalha em diversas áreas da gestão organizacional, com uma visão contemporânea da prestação de serviços de

aa Opportune é uma empresa que trabalha em diversas áreas da gestão organizacional, com uma visão contemporânea da prestação de serviços de aa Opportune é uma empresa que trabalha em diversas áreas da gestão organizacional, com uma visão contemporânea da prestação de serviços de auditoria, assessoria e consultoria, oferecendo completo portifólio

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORAMENTO FISCAL, CONTABIL E DEPARTAMENTO PESSOAL.

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORAMENTO FISCAL, CONTABIL E DEPARTAMENTO PESSOAL. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORAMENTO FISCAL, CONTABIL E DEPARTAMENTO PESSOAL. OBJETIVO DOS TRABALHOS a) Revisão e diagnóstico sobre os procedimentos legais aplicáveis as operações financeiras e fiscais

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA UERITON DA COSTA FIGUEIREDO FILHO (*), ORLEANE SOUZA DE BRITO 2, LEONARDO GOMES MARTINS 3, ENDEL DE

Leia mais

OS DESAFIOS DO SPED FISCAL PARA AS EMPRESAS Belo Horizonte-MG

OS DESAFIOS DO SPED FISCAL PARA AS EMPRESAS Belo Horizonte-MG OS DESAFIOS DO SPED FISCAL PARA AS EMPRESAS Belo Horizonte-MG Fernanda Martins LEMOS (IC - nandove15@hotmail.com) 1 Lorena Camila Martins ARAUJO (IC - lorenalo90@hotmail.com) 1 Luciana Chaves SILVA (IC

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

TRIBUTOS EM OBRAS. 24 e 25 de Fevereiro de 2010 Pergamon Hotel São Paulo / SP 24 DE FEVEREIRO CONFERÊNCIA CONFERÊNCIA

TRIBUTOS EM OBRAS. 24 e 25 de Fevereiro de 2010 Pergamon Hotel São Paulo / SP 24 DE FEVEREIRO CONFERÊNCIA CONFERÊNCIA Conferência Evite a Bitributação e Planeje a Redução Legal da Carga Tributária Através do Tratamento Adequado dos TRIBUTOS EM OBRAS Considere as Responsabilidades Tributárias dos Envolvidos em uma Obra

Leia mais

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal QUESTIONÁRIO PARA AS AUTORIDADES NACIONAIS TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO DAS RECEITA DOS RECURSOS NATURAIS O objetivo deste questionário é colher informações sobre a gestão dos recursos naturais, com ênfase

Leia mais

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs

O atual contexto do ambiente econômico das MPEs O atual contexto do ambiente econômico das MPEs Brasil e Minas Gerais Belo Horizonte, outubro de 2013 1 Presidente Roberto Luciano Fortes Fagundes Superintendência Geral Gilson Elesbão de Siqueira Departamento

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL: UM ESTUDO SOBRE A EVIDENCIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES AMBIENTAIS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS GRANDES EMPRESAS BRASILEIRAS

CONTABILIDADE AMBIENTAL: UM ESTUDO SOBRE A EVIDENCIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES AMBIENTAIS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS GRANDES EMPRESAS BRASILEIRAS CONTABILIDADE AMBIENTAL: UM ESTUDO SOBRE A EVIDENCIAÇÃO DAS INFORMAÇÕES AMBIENTAIS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS GRANDES EMPRESAS BRASILEIRAS Karla Priscilla Sales de LIMA Universidade Federal do Maranhão

Leia mais

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE FUNDO E ORÇAMENTO NA EFETIVAÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Eugênia Aparecida Cesconeto 1 Política Social e Serviço Social INTRODUÇÃO O presente artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1.

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015 Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. Identificação Contratação de consultoria de pessoa física (PF) para diagnóstico

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - Estudo técnico

TRANSFERÊNCIA DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - Estudo técnico TRANSFERÊNCIA DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - Estudo técnico 1. - Necessidade de existência de mantenedoras das instituições educacionais No Brasil é obrigatório que uma escola, tanto de educação

Leia mais

PLANO DA DISCIPLINA 2014. Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário. Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno

PLANO DA DISCIPLINA 2014. Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário. Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno PLANO DA DISCIPLINA 2014 Disciplina: Orçamento e Planejamento Tributário Curso : Ciências Contábeis Formação : Profissional Carga Horária: 60 Série: 4ª Turno : Noturno Professor Responsável: Carlos Otávio

Leia mais

A reforma do Estado e novos desafios para a gestão educacional

A reforma do Estado e novos desafios para a gestão educacional Autor: Indira Alves França Orientador: Alicia Bonamino Título obtido: Mestrado Título da tese ou dissertação: Gestão Educacional em Tocantins Data de finalização: junho de 2007 Data de ingresso no curso:

Leia mais

RESUMOS COM RESULTADOS... 986 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 988

RESUMOS COM RESULTADOS... 986 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 988 985 RESUMOS COM RESULTADOS... 986 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 988 RESUMOS COM RESULTADOS 986 ANÁLISE DOS PRINCÍPIOS ORÇAMENTÁRIOS, NA ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO PÚBLICO... 987 987 Ensino (ENAENS) ANÁLISE

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

De toda nossa estrutura de trabalho, destacam-se:

De toda nossa estrutura de trabalho, destacam-se: Perfil Estrutura Oliveira & Antunes Advogados Associados é uma sociedade de advogados fundada em 1996, especializada na prestação de serviços jurídicos e consultoria altamente especializados a instituições

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO RESUMO Maria Lucia Indjaian Universidade Presbiteriana Mackenzie Marcos T.Masetto Universidade Presbiteriana Mackenzie Este trabalho

Leia mais

Análise dos procedimentos adotados pelas empresas e orientação nos aspectos atinentes à Relação de Trabalho, contratos individuais e coletivos.

Análise dos procedimentos adotados pelas empresas e orientação nos aspectos atinentes à Relação de Trabalho, contratos individuais e coletivos. Perfil Especializado no Direito Empresarial, SANT'ANA E LAPORTI ADVOGADOS oferece serviços jurídicos a uma grande variedade de empresas que atuam em diversos setores. Com profissionais altamente capacitados

Leia mais

ARTIGOS COMPLETOS...789

ARTIGOS COMPLETOS...789 Anais do Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão - ENEPE 788 ARTIGOS COMPLETOS...789 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS...796 Anais do Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão - ENEPE 789 ARTIGOS COMPLETOS A UTILIZAÇÃO

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE CONTABILIDADE GERENCIAL E CONTABILIDADE FINANCEIRA

DIFERENÇAS ENTRE CONTABILIDADE GERENCIAL E CONTABILIDADE FINANCEIRA Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre as principais características da Contabilidade Gerencial e suas diferenças em relação à Contabilidade Financeira, que é o outro nome da Contabilidade Geral. Trata-se

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

Perfil. de atendimento, gestão e organização.

Perfil. de atendimento, gestão e organização. de atendimento, gestão e organização. Oliveira & Antunes Advogados Associados é uma sociedade de advogados fundada em 1996, especializada na prestação de serviços jurídicos e consultoria altamente especializados

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a criação do Serviço Social do Transporte Ferroviário - SESF e altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.706, de 14 de setembro de 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Avaliação do Programa Nacional Biblioteca da Escola - PNBE

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Avaliação do Programa Nacional Biblioteca da Escola - PNBE TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo - SEPROG Sumários Executivos Avaliação do Programa Nacional Biblioteca da Escola - PNBE Brasília 2002 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. Elaine Raquel Fernandes carlosadm@bol.com.br SENAC Flávia Cristina Pereira

Leia mais

ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO MINISTÉRIO SUPERVISOR: Ministério da Educação ÓRGÃO/ENTIDADE: Universidade Federal de Santa Maria/RS DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Campus Centro de Educação da UFSM RESPONSÁVEL:

Leia mais

O REITOR DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FECAP, mantido pela FUNDAÇÃO ESCOLA DE COMÉRCIO ÁLVARES PENTEADO FECAP, no uso de suas atribuições, RESOLVE:

O REITOR DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FECAP, mantido pela FUNDAÇÃO ESCOLA DE COMÉRCIO ÁLVARES PENTEADO FECAP, no uso de suas atribuições, RESOLVE: Portaria 05/10 CÓDIGO DE ÉTICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FECAP O REITOR DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FECAP, mantido pela FUNDAÇÃO ESCOLA DE COMÉRCIO ÁLVARES PENTEADO FECAP, no uso de suas atribuições, RESOLVE:

Leia mais

Pós - Graduação Lato Sensu CONTROLADORIA E FINANÇAS. Projeto desenvolvido pela Prof.a. Msc. Cristina Santos Titular do Curso de C.

Pós - Graduação Lato Sensu CONTROLADORIA E FINANÇAS. Projeto desenvolvido pela Prof.a. Msc. Cristina Santos Titular do Curso de C. Pós - Graduação Lato Sensu CONTROLADORIA E FINANÇAS Projeto desenvolvido pela Prof.a. Msc. Cristina Santos Titular do Curso de C. Contábei da FAP Piracanjuba-GO 2014 1 1. APRESENTAÇÃO: Formato: presencial

Leia mais

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS

VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS VI-277 - PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICA AMBIENTAL PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR IES DO SUL DO PAÍS Camila Cardoso dos Reis (1) Acadêmica de Engenharia Ambiental na Universidade de Santa Cruz

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS A PARTIR DO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS: O CASO DA IDENTIFICAÇÃO DAS ILHAS DE CALOR NO MUNÍCIPIO DE JOÃO PESSOA-PB

O ENSINO DE CIÊNCIAS A PARTIR DO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS: O CASO DA IDENTIFICAÇÃO DAS ILHAS DE CALOR NO MUNÍCIPIO DE JOÃO PESSOA-PB O ENSINO DE CIÊNCIAS A PARTIR DO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS: O CASO DA IDENTIFICAÇÃO DAS ILHAS DE CALOR NO MUNÍCIPIO DE JOÃO PESSOA-PB Karoline Oliveira Ribeiro¹ Rayhanne Maria de Araújo Jatobá² Rafaelle

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

BANCAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO (2015/2) CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. ORIENTADOR: Prof. AGUINALDO TEODORO BARBOSA FONSECA

BANCAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO (2015/2) CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. ORIENTADOR: Prof. AGUINALDO TEODORO BARBOSA FONSECA O coordenador do Núcleo de Atividades Complementares NAC, nos termos da Resolução CONSUP Faculdade CESUC 001/2015, divulga abaixo a relação das BANCAS PÚBLICAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO do Curso

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

ECO-AGRICULTURA: UM MODELO PARA A SUSTENTABILIDADE QUE O BRASIL PRECISA?

ECO-AGRICULTURA: UM MODELO PARA A SUSTENTABILIDADE QUE O BRASIL PRECISA? ADM132 ECO-AGRICULTURA: UM MODELO PARA A SUSTENTABILIDADE QUE O BRASIL PRECISA? Por: Walfrido Moraes Tomas, Emiko Kawakami de Resende, Débora Fernandes Calheiros, Sandra Aparecida Santos.* Muito tem sido

Leia mais

ADENDO AO EDITAL PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO DE DOCENTES 2011/1 Extraordinário IV

ADENDO AO EDITAL PARA O PROCESSO DE SELEÇÃO DE DOCENTES 2011/1 Extraordinário IV Considerando que o número de inscrições não atingiu o limite mínimo para realização do processo de seleção docente extraordinário IV, torno pública a prorrogação, no período de 11/02/2011 a 16/02/2011,

Leia mais

Material Institucional. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre

Material Institucional. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre Material Institucional accent consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre Sobre a Accent Somos uma empresa brasileira que possui conhecimento especializado em auditoria, impostos, consultoria de gestão

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais;

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais; PROJETO DE LEI Institui o Programa de Cultura do Trabalhador, cria o Vale-Cultura e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Fica instituído, sob a gestão do Ministério da Cultura,

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

A Evolução Recente da Arrecadação Federal

A Evolução Recente da Arrecadação Federal Carta PR 1164 /2015 Brasília, 28 de agosto de 2015 Exmo(a). Senhor(a) Senador(a), O Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil SINDIFISCO NACIONAL oferece a Vossa Excelência um breve

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015.

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. Dados Iniciais. www.smaka.adv.br -> DOCÊNCIA empresarial@smaka.adv.br FUNDAMENTOS DO DIREITO EMPRESARIAL EVOLUÇÃO

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

FRAGILIDADE FISCAL DE PARTE DAS EMPRESAS LISTADAS NA BOVESPA

FRAGILIDADE FISCAL DE PARTE DAS EMPRESAS LISTADAS NA BOVESPA OBSERVATÓRIO DE GOVERNANÇA TRIBUTÁRIA: FRAGILIDADE FISCAL DE PARTE DAS EMPRESAS LISTADAS NA BOVESPA Gilberto Luiz do Amaral João Eloi Olenike Letícia Mary Fernandes do Amaral Fernando Steinbruch 15 de

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1

Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fundação Parque Zoológico de São Paulo Projeto Experimental 1 Fabiane Silveira GOMES 2 Claudia Nociolini REBECHI 3 Universidade Metodista de São Paulo - UMESP, São Paulo, SP RESUMO Em posse de dados cruciais

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

O CONTROLE EXTERNO DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL

O CONTROLE EXTERNO DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL O CONTROLE EXTERNO DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL Luiz Henrique Lima, D.Sc. Conselheiro Substituto TCE MT XIV SINAOP - Cuiabá, MT - novembro / 2011 O Brasil detém a maior diversidade biológica do planeta, 40%

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012 Biodiversidade Conservação e Uso Sustentável Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria O principal instrumento jurídico internacional para a conservação e o uso sustentável

Leia mais

MENDES, SOUZA & GONÇALVES S OCIEDADE DE ADVOGADOS

MENDES, SOUZA & GONÇALVES S OCIEDADE DE ADVOGADOS MENDES, SOUZA & GONÇALVES S OCIEDADE DE ADVOGADOS 1 APRESENTAÇÃO MENDES, SOUZA & Gonçalves SOCIEDADE DE ADVOGADOS. A Mendes, Souza & Gonçalves Sociedade de Advogados, é um escritório de advocacia empresarial

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA NA ROTINA FISCAL DAS EMPRESAS

IMPACTOS DAS MUDANÇAS NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA NA ROTINA FISCAL DAS EMPRESAS IMPACTOS DAS MUDANÇAS NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA NA ROTINA FISCAL DAS EMPRESAS A pesquisa Muito se fala sobre as mudanças na legislação tributária e é certo de que estas sempre impactam na rotina fiscal

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica de Marketing e Mercados

MBA em Gestão Estratégica de Marketing e Mercados MBA em Gestão Estratégica de Marketing e Mercados 1-OBJETIVOS OBJETIVO GERAL: Especializar profissionais com diploma do curso superior, que atuem nos setores empresariais, estratégicos, gerenciais e técnicos

Leia mais

Capacitações em Gestão Documental

Capacitações em Gestão Documental Capacitações em Gestão Documental Responde por este documento: Blenda de Campos Rodrigues, Dra. Sócia diretora da Anima Ensino Mídia e Conhecimento blenda.campos@animaensino.com.br 48.2107.2722 Conteúdo

Leia mais

1º SEMINÁRIO PARA AVANÇAR NA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA NA PARAÍBA

1º SEMINÁRIO PARA AVANÇAR NA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA NA PARAÍBA 1º SEMINÁRIO PARA AVANÇAR NA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA NA PARAÍBA CONSOLIDANDO POLÍTICAS ESTADUAIS E MUNICIPAIS DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA NO ESTADO DA PARAÍBA A. EMENTA O Seminário Para avançar

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais