Tudo isso junto de uma vez só: o choro, o forró e as bandas de pífanos na música de Hermeto Pascoal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tudo isso junto de uma vez só: o choro, o forró e as bandas de pífanos na música de Hermeto Pascoal"

Transcrição

1 Lúcia Pompeu de Freitas Campos Tudo isso junto de uma vez só: o choro, o forró e as bandas de pífanos na música de Hermeto Pascoal Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Música da Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Música. Linha de pesquisa: Estudo das Práticas Musicais Orientador: Carlos Vicente de Lima Palombini Belo Horizonte Escola de Música da UFMG 2006

2 2 C198t Campos, Lúcia Pompeu de Freitas Tudo isso junto de uma vez só: o choro, o forró e as bandas de pífanos na música de Hermeto Pascoal / Lúcia Pompeu de Freitas Campos fls. ; il. Bibliografia: f Dissertação (mestrado) Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Música. Orientador: Prof. Dr. Carlos Palombini 1. Música popular - Brasil 2. Música instrumental 3. Pascoal, Hermeto 4. Ritmos brasileiros

3 3 Aos instrumentistas brasileiros, das festas de rua, das bandas às rodas de choro. A Hermeto Pascoal e sua escola de músicos.

4 4 Agradecimentos Agradeço aos meus pais, Regina e Léo, pelo apoio amoroso e verdadeiro e pela leitura cuidadosa dos textos. Ao Marcelo pelo carinho e bom humor, pelo arranjo do Nazareth e pela ajuda na edição das partituras. Ao Prof. Carlos Palombini pela confiança e pela orientação. Aos professores Carlos Sandroni, Glaura Lucas e Heloísa Feichas, da banca examinadora. À Edilene, da secretaria da pós-graduação, à Eliana, da seção de ensino, pela atenção de sempre. Ao meu irmão Sérgio, à vovó Inah, à Cacau, aos meus amigos e familiares, nessa fase tudo junto de uma vez só. À memória da vó Eunice, pelo piano e lembranças da bisavó Aída. Aos amigos do Corta Jaca, do Cataventoré, do Grupo de Percussão e da Orquestra. Em especial, ao Rafa Martini e ao Marcelo, por terem tocado comigo o choro em 7 ; ao Felipe José Abreu, pelas informações sobre a Itiberê Orquestra Família. À Ana Cláudia Assis, ao Rubner de Abreu e à Rosângela de Tugny, pela indicação de bibliografia; ao Fernando Rocha, pelo arranjo de vibrafone; ao Marcos Filho, pelo auxílio com o computador. Aos entrevistados Hermeto Pascoal, Marcio Bahia, Seu João do Pife, Nenê, Pernambuco do Pandeiro, Mauro Rodrigues pela disponibilidade e atenção. A todos, pelas conversas inspiradoras de idéias.

5 5 Resumo Seguindo a trajetória musical de Hermeto Pascoal, os trios de forró, os regionais de choro e as bandas de pífanos foram aqui relacionados de modo a entendê-los como formações instrumentais tradicionais no Brasil, pelas quais passaram gêneros musicais diversos. Nesse percurso, descobrimos a orquestra de Guerra Peixe, em Recife, e o regional de Pernambuco do Pandeiro, no Rio de Janeiro, como escolas de Hermeto nos arranjos, no choro e no forró. O paradigma do tresillo foi referência para, num primeiro momento, apreender a rítmica tradicional do choro e do forró e, num segundo momento, incorporá-los à multiplicação e sobreposição de pulsações proposta pela rítmica de Hermeto, que se baseia em jogos e brincadeiras realizadas tanto em composições como em improvisos. As brincadeiras com sons de animais relacionam-se às dramatizações musicais das bandas de pífano. Ao moldar tantas experiências segundo uma intenção musical própria, a música desenvolvida por Hermeto permite questionar categorias musicais estabelecidas música popular, folclórica, erudita tanto por apresentar elementos de todas essas categorias como também por não se ater a nenhuma delas. O que Hermeto propõe é uma experiência musical integradora a partir de uma escuta ampla e irrestrita que realiza a mistura dentro do tacho de sons.

6 6 Abstract Following Hermeto Pascoal s musical path, the forró trios, the choro regional groups and the pífano bands were here related so as to understand them as traditional instrumental formations in Brazil, through which passed diversified musical genres. In this way, we found Guerra Peixe s orchestra, in Recife, and Pernambuco do Pandeiro s regional group, in Rio de Janeiro, as Hermeto s schools for the arrangements in choro and in forró. The tresillo paradigm was, in the first moment, the reference for capturing the traditional rhythmics of these genres and, in a second moment, for incorporating them to the multiplication and superposition of pulses proposed by Hermeto s rythmics, based on games and plays present both in his compositions and improvisations. The plays made with animal sounds are related to the musical dramatizations of the pífano bands. Shaping so many experiences under a peculiar musical design, the music developed by Hermeto puts into question established musical categories popular, traditional, art music for presenting features belonging to all these categories and for not relying on any of them. Hermeto s proposal is an integrative musical experience drawing on a wide and unrestricted listening that makes a blend within the sound mixing pot.

7 7 Sumário Introdução Conceitos: se não tê-los, como sabê-los? Música instrumental? Música popular?...9 1ª parte > O OVO Festas e brincadeiras Bailes Populares Segura a porca! Um pouco de rítmica Forró Brasil Luiz Gonzaga: do choro ao baião Forró não é só aquilo O zabumba do forró Anarriê O baile que era choro que hoje é forró As nossas festas : origens do choro carioca Da roda aos regionais O choro faz escola Inventando a roda...47

8 Oficina de composição Família choro: gêneros Regionais Zabumbas ou Bandas de Pífanos Guerra-Peixe: o rei da pesquisa Repertório de brincadeiras ª parte > TACHO Escuta Hermeto Da paisagem sonora à linguagem harmônica Viva o som sempre Teoria musical feita em casa Hermeto do choro ao forró Pernambuco do Pandeiro Batucando no morro ou no arraial? Choros e arranjos de Hermeto Salve Copinha, Abel, Pixinguinha Um chorinho em sete Rítmica brasileira via Hermeto Pascoal Bateria brasileira? Coalhada de ritmos Aqui não é baile...112

9 Siga o chefe Mestre Radamés Escola Jabour Só não toca quem não quer? de junho de Conclusões Referências Repertório do CD (anexo 1) Créditos do DVD (anexo 2)...143

10 10 Introdução Meu primeiro intuito com este trabalho foi me aproximar da música de Hermeto Pascoal, estabelecer relações para participar de sua criatividade, afinar minha percepção para distinguir suas cores e ritmos. No entanto, é preciso palavras, palavras carregadas de história. Aliado à percepção da música, foi necessário o entendimento da história. De onde surgiu essa idéia? Durante os anos 1990, assisti a muitos shows de Hermeto Pascoal e seu grupo pelas redondezas de Belo Horizonte: Sabará, Conceição do Mato Dentro, Diamantina, Ouro Preto... até Friburgo, Niterói e Rio de Janeiro. Além de ter ficado fascinada pela música de Hermeto, ela me abriu novo leque de interesses pelos ritmos e gêneros da música brasileira, que a partir de então fui buscando conhecer. Hermeto abriu minha escuta para uma cultura aparentemente desconhecida pela história da música que estudamos e apenas decorativa nos meios de comunicação. Foi sua música que me fez querer conhecer a música das bandas de pífanos, os maracatus, os choros, enfim, a música presente na cultura popular brasileira, primeiramente a nordestina. E, quanto mais conhecia esses universos, mais gostava de seus arranjos de flautas, suas brincadeiras com sons de animais, suas misturas de ritmos. Atualmente, não por coincidência, participo de um grupo musical diretamente ligado ao tema desta pesquisa: o Corta Jaca, dedicado ao choro e outros gêneros afins como schottisch, samba-choro, valsa, maxixe e polca. Participei também, durante quatro anos, da Banda de Pífanos Cataventoré, onde estudamos alguns gêneros próprios das bandas de pífanos do nordeste brasileiro, como o caboré, a pipoca, a briga do cachorro com a onça, dentre outros. Essa minha experiência pessoal e tantas investigações a serem feitas e registradas me estimularam a propor este projeto. A investigação da trajetória de Hermeto Pascoal, desde sua infância em Alagoas até sua atuação profissional nos regionais de Recife e Rio de Janeiro, evidencia o contato do músico com inúmeros ritmos e gêneros da música popular brasileira, que ele não só incorporou como também foi transformando ao longo de sua carreira.

11 11 O foco desta pesquisa incide particularmente sobre três formações instrumentais os regionais de choro, as bandas de pífano e os trios de forró cuja importância para a formação musical de Hermeto pretendo demonstrar, investigando as relações do músico com essas tradições musicais e a forma como ele as incorporou em sua obra. Situando este trabalho em um contexto científico, deparei-me com a necessidade de interpretar situações, discursos e peças musicais e, como faço agora, escrever sobre eles. Nesta tarefa, a abordagem semiótica proposta por Clifford Geertz no livro A interpretação das culturas (Geertz 1989) norteou toda a pesquisa. Geertz entende cultura como uma construção intersubjetiva constante e dinâmica ou um conjunto de significados permanentemente construídos e reconstruídos. Seu método, descrição densa, busca descrever o processo de construção de uma cultura a partir de vários fios, ou seja, aspectos diversos que se entrelaçam até a construção de um significado. Se o que proponho é um mergulho na música de Hermeto Pascoal no que concerne a sua relação com algumas tradições musicais brasileiras, estou falando de cultura ou, como entende Geertz, estou fazendo cultura. Sobre esse processo, ele diz: A análise cultural é intrinsecamente incompleta e, o que é pior, quanto mais profunda menos completa. É uma ciência estranha cujas afirmativas mais marcantes são as que têm a base mais trêmula, na qual chegar a qualquer lugar com um assunto enfocado é intensificar a suspeita, a sua própria e a dos outros, de que você não o está encarando de maneira correta. (Geertz 1989: 39) Trata-se, portanto, de um processo dialético, uma tentativa constante de interpretar, contando uma história que pode sempre ser contestada. Meu objetivo aqui, concordando com Geertz, é menos uma perfeição de consenso do que um refinamento do debate em torno da cultura brasileira, mais especificamente, da música brasileira. Essa abordagem interpretativa me interessa porque enfatiza o caráter vulnerável da análise e da história contada, que depende de uma boa argumentação e imaginação. O desafio do pesquisador é justamente esse: refletir sobre seu contexto de observação e assumir sua posição, de tal forma que sua parcialidade torne-se não um defeito, mas um elemento criativo a mais, contribuindo para a relevância do estudo.

12 12 Optei também pela observação-participante na medida em que há uma imersão no universo do choro, das bandas de pífano e da música de Hermeto. Desde 2000, mantive um contato crescente, sob forma de aulas, oficinas e entrevistas, com os músicos que tocam e tocaram com Hermeto Pascoal. Em 2005, tive a oportunidade de conversar com o próprio Hermeto. Em 2006, fiz uma entrevista com Pernambuco do Pandeiro, diretor do regional que Hermeto participou nos anos 1950, no Rio de Janeiro. Participo atualmente, como percussionista, de um grupo de choro, rodas de choro, uma orquestra dedicada à música instrumental brasileira. Além disso, nesse meio tempo, fiz pesquisas junto a duas bandas de pífano, um grupo de maracatu e participei dos festivais de choro realizados pela Escola Portátil de Música, no Rio de Janeiro, sob coordenação de Maurício Carrilho e Luciana Rabello. Nesses festivais, tomei parte nas oficinas de percussão, pandeiro, composição e história do choro e dos demais gêneros que compõem este universo, um aprendizado intenso ao qual farei referências ao longo do texto. Optei por utilizar o primeiro nome no tratamento da maioria das pessoas envolvidas na pesquisa, o que se justifica pela necessidade de imersão nas observações e entrevistas, nas quais a formalidade seria excessiva. Muitos dos músicos aos quais farei referência se apresentam e assinam seus trabalhos com o nome artístico, que também será aqui priorizado. O tom informal do texto deve-se muitas vezes à permeabilidade dessas influências. Durante todo o estudo, tive o objetivo de: Tentar manter a análise das formas simbólicas tão estreitamente ligadas quanto possível aos acontecimentos sociais e ocasiões concretas (Geertz 1989: 40).

13 13 1. Conceitos: se não tê-los, como sabê-los? Música brasileira, música popular, música erudita, música culta, música de concerto, música folclórica, música tradicional, música instrumental, música concreta, música experimental, música universal: música? A música existe enquanto som em determinado contexto para uma escuta determinada; existir enquanto música popular ou qualquer outra categoria, é outra história, é outra invenção. Assim como estou aqui inventando o personagem Hermeto Pascoal nesse contexto acadêmico e reinventando tantos outros conceitos relacionados: choro, forró, etc. Quando vou procurar um CD de Hermeto Pascoal (que raramente consigo achar) numa loja, normalmente procuro numa categoria chamada instrumental brasileiro. No entanto, essa categoria não existe na Enciclopédia da música brasileira: popular, erudita e folclórica (2003). Parece que música instrumental existe enquanto categoria comercial (nem tão comercial assim), mas não como categoria intelectual Música instrumental? De fato, muito pouco foi escrito sobre esse instrumental brasileiro ou música instrumental brasileira, definições em si bastante problemáticas. Toda música requer instrumentos, convencionais ou não, podendo-se entender a voz e o corpo também como instrumentos. Em geral, entende-se por instrumental a música cuja elaboração independe de um texto verbal escrito, um poema ou letra de música; brasileira porque foi feita por um artista brasileiro. Mas não é tão simples assim. Outro pesquisador que recentemente debruçou-se sobre a criação musical de Hermeto, Luiz da Costa Lima Neto, cujo estudo em muito ajudou minha pesquisa, admite: Questionando ao mesmo tempo os rótulos da indústria cultural e os limites do universo erudito e popular, Hermeto desafia aqueles que querem estudá-lo (Lima Neto 1999: 23). Fui encontrar uma explicação mais detalhada do que seria esse instrumental brasileiro no trabalho de um pesquisador americano: Andrew Connell, que também se aventurou a entender a obra de Hermeto Pascoal.

14 14 No início dos anos 70 várias transformações resultaram no aparecimento de um novo tipo de música instrumental no Brasil, que não derivava apenas do choro e da bossa-nova, mas também de uma ampla gama de gêneros brasileiros e sons internacionais. Aliada aos desenvolvimentos cosmopolitas da MPB (música popular brasileira), a mídia da música instrumental e sua presença cultural foram sendo construídas ao longo da década, estimuladas por eventos como o ressurgimento do choro, a renovada popularidade da gafieira, o Movimento Black Rio, festivais tanto de choro quanto de jazz, além do crescente apoio do estado e de instituições. (Connell 2002: 95, tradução da autora) Segundo Connell, de 1969 a 1975 (época do apogeu dos festivais da canção), a música instrumental teria sido banida do campo da música popular brasileira. Ressurgiu, em seguida, a partir de iniciativas diversas: matérias de jornalistas como Ana Maria Bahiana, Tárik de Souza, Sergio Cabral, Paulo Venâncio Filho, produtores culturais como Hermínio Bello de Carvalho, além de ajuda estatal e, é claro, da atuação dos próprios músicos, dentre os quais ele destaca Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti e Paulo Moura. O choro também fez parte desse movimento dedicado à música instrumental, mas nessa época ficou restrito ao público nacional. Sobre o choro, entrarei em detalhes no capítulo 5. Já a música instrumental começou a chamar a atenção no exterior, especialmente por causa de Hermeto Pascoal e Egberto Gismonti, que fizeram várias turnês internacionais na década de 70, levando Connell a afirmar: Desde a bossa nova, a música brasileira não tinha tido tanta influência no exterior (Connell 2002: 99, tradução da autora). Essa nova geração de instrumentistas chamava a música que faziam de música instrumental brasileira contemporânea. Hermeto prefere chamar sua música de música universal ou música livre. São definições que buscam outro espaço, talvez uma alternativa à dicotomia erudito/popular, que sempre esteve presente na categorização da música no Brasil, conforme explica Elizabeth Travassos: Duas linhas de força tensionam o entendimento da música no Brasil e projetam-se nos livros que contam sua história: a alternância entre reprodução dos modelos europeus e descoberta de um caminho próprio, de um lado, e a dicotomia entre erudito e popular, de outro. Como uma espécie de corrente subterrânea que alimenta a consciência dos artistas, críticos e ouvintes, as linhas de força vêm à tona, regularmente, pelo menos desde o século XIX. [...] Mais recentemente emergem em torno de artistas como Egberto Gismonti e

15 15 Hermeto Pascoal, que problematizam a separação entre erudito e popular. (Travassos 2000: 7, 8) Ao realizar uma música que interessa a públicos tão diversos, criando novas escutas, e ao mesmo tempo calcada em fontes nitidamente populares, ambos tornam-se músicos de difícil definição. Um exemplo desse novo espaço de interação é o fato de músicas de Hermeto Pascoal e Egberto Gismonti constarem nos programas de concertos do Duo Assad de violões, conhecido no circuito internacional da chamada música de concerto. No que diz respeito ao debate acadêmico e terminológico em geral, a música instrumental popular ou música instrumental brasileira contemporânea, na qual procuro destacar a música de Hermeto Pascoal, não se encaixa em meio às dicotomias conceituais e entre os campos que geralmente se dedicam ao estudo da música no Brasil: a musicologia, a etnomusicologia, os estudos sociais e literários, dentre outros. A meu ver, desde os anos 1970, ela significou justamente uma proposta concreta, ou melhor, sonora, para a diluição das fronteiras terminológicas. Há, no entanto, outra fronteira que tende a desaparecer na música de Hermeto Pascoal, conforme veremos nos capítulos que se seguem: a distinção entre música folclórica e música popular. Mas antes precisamos entender melhor tais definições Música popular? Carlos Sandroni, no artigo Adeus à MPB (2004), evidencia o vínculo entre o popular da definição música popular brasileira e determinada concepção de povo brasileiro. A partir desse esclarecimento inicial, ele demonstra como o conceito de música popular brasileira foi se transformando ao longo do tempo, junto com a transformação da concepção de povo brasileiro. Primeiramente, ele coloca a necessidade de definir o que seja povo para se saber o que vem a ser popular. Alguns dilemas emergem dessa questão: a diferença entre música folclórica e música popular, a mudança de sentido desses termos ao longo do tempo, a separação entre música rural e música urbana. Segundo Sandroni, até os anos 1940, usava-se música popular referindo-se ao mundo rural, mas a crescente importância das músicas urbanas, associada à produção

16 16 intelectual de personagens como Alexandre Gonçalves Pinto e Vagalume, 1 levou à divisão entre folclore e popular, que seria proposta por Oneyda Alvarenga. A partir de então, consagrou-se a diferença que prevaleceu durante a segunda metade do século XX: a música popular sendo entendida como a música do rádio e do disco, urbana, autoral e mediada; e a música folclórica como a música rural, anônima e não-mediada. Segundo a concepção de Alvarenga, a última seria a mais autêntica e mantenedora do caráter nacional, enquanto a primeira estaria contaminada pelo comércio e pelo cosmopolitismo (Sandroni 2004: 27,28). Continuando a cronologia proposta por Sandroni, durante os anos 1960, a música popular brasileira passa a delimitar um campo que excluía músicas não-nacionais, cumprindo certo papel de defesa nacional, antes atribuído ao folclore. Transforma-se então na sigla MPB, num momento em que a idéia de povo brasileiro foi muito debatida. Em 1968, o tropicalismo questionou a orientação estético-política da MPB, com a qual o público se identificava. Já nos anos 1970, gostar de Chico Buarque, Tom Jobim e João Gilberto significava eleger certo universo de valores e referências. A partir de 1980, a sigla passou a ser adotada de modo mais amplo, integrando até mesmo o rock nacional (Sandroni 2004: 29, 30). Como bem observou Sandroni, dos anos 1960 até os anos 1980, MPB foi se tornando uma categoria analítica, uma opção ideológica e um perfil de consumo, ou seja, uma sigla com caráter aglutinante que identificava um gosto musical coerente. O que já não acontece desde os anos Assiste-se atualmente a dois movimentos: a fragmentação das músicas populares e a relativização da dicotomia entre a música popular e a música folclórica (Sandroni 2004: 31, 32). Ora, se tomamos o ponto de vista da música instrumental, posso dizer que pelo menos desde os anos 1970 ela já contribuiu para a fragmentação da idéia de MPB. Falando particularmente da música de Hermeto Pascoal, ele não só não se encaixa nessa categoria, como também problematiza a diferença entre música popular e folclórica. 1 Alexandre Gonçalves Pinto foi um chorão da velha guarda que em 1936 publicou o livro Choro: reminiscências dos chorões antigos (Gonçalves Pinto 1936), no qual retrata inúmeros músicos que atuaram no Rio de Janeiro desde 1870, muitos deles conhecidos graças aos relatos de Alexandre. Francisco Guimarães Vagalume também foi um personagem atuante na música, como cantor e homem do rádio, que registrou no livro A roda de samba (Vagalume 1978) suas percepções do meio musical na época em que viveu.

17 17 A primeira música gravada por Hermeto que fez sucesso internacional, O Gaio da Roseira é uma composição de Divina Eulália de Oliveira e Pascoal José da Costa, os pais de Hermeto, que a cantavam quando trabalhavam na roça. Hermeto não só gravou a música, como colocou os próprios Divina Eulália e Seu Pascoal como autores. Se Luiz Gonzaga também gravou adaptações de músicas que tocava com seu pai, como Asa Branca, nunca efetivamente colocou o nome de Januário como compositor. Creio que essa atitude de Hermeto frente às origens de sua música revela muito de sua concepção integradora, que vai de encontro à tese de Sandroni: a distinção entre música popular e música folclórica no Brasil esteve também ligada à idéia de que a primeira estava viva e a segunda morta. A integração de aspectos de manifestações folclóricas ao mercado musical moderno é apenas uma das maneiras pelas quais tal concepção vem sendo posta em xeque nos últimos anos. (Sandroni 2004: 34) Diante de uma concepção contemporânea do que seja a música presente na cultura popular, encontrando-a tanto na música de Hermeto como na música de Seu João do Pife, de Sebastião Biano, nos choros de Pixinguinha e de Maurício Carrilho, dentre outros, procurarei contextualizar cada uma das manifestações musicais, comparando-as e relacionando-as. Para isso, esta dissertação foi dividida em duas partes. Na primeira parte, O ovo, 2 busco conhecer o caminho percorrido por Hermeto, em suas andanças do forró ao choro, tangenciando as bandas de pífano. Nesse percurso, ritmos e gêneros musicais perpassam bailes e festas que recontam caminhos da história da música no Brasil. Na segunda parte, Tacho, 3 a música de Hermeto é focalizada e analisada, relacionando sua concepção sonora e sua escuta às misturas e transformações rítmicas que ele realiza nas tradições do choro, do forró e das bandas de pífano. 2 O ovo foi uma das primeiras composições de Hermeto gravadas, é um choro bem nordestino ou um forró chorado, o que sintetiza bem a idéia da primeira parte do estudo, de relacionar a história do forró e do choro, além de remeter às origens da música de Hermeto. 3 Tacho também é o título de uma composição de Hermeto (gravada no CD Missa dos escravos), que remete à mistura de sons, idéia que será desenvolvida na segunda parte.

18 1ª parte > O OVO 18

19 19 2. Festas e brincadeiras Não existe na música brasileira essa coisa que Olavo Bilac qualificou como resultado de três raças tristes, pois até a reza-de-defunto (canto de velório, excelências e benditos) na interpretação do povo é alegre pela sua interpretação expansiva, natural, desinibida. (Guerra-Peixe e Raposo 1984: 6) A alegria de que fala Guerra-Peixe está presente na música de Hermeto Pascoal. O baterista Nenê, que trabalhou durante dez anos com Hermeto, é quem diz: É uma música impregnada de festas populares (Nenê 2005). Ele cita o exemplo de uma faixa do disco Brazilian Adventure, a música Velório, onde o compositor procura reproduzir os sons das festas que ocorriam por ocasião dos velórios em sua terra natal. Para isso utilizou matracas e sussurros, conforme as brincadeiras de sua infância. Com quase 70 anos de idade, lembranças não faltam a Hermeto, talvez por isso mesmo ele defenda uma atitude e uma música totalmente voltadas para o presente: nunca me lembro do passado, ele já existe na gente. É uma energia que já vem com a gente, quem procura se lembrar do passado está perdendo o presente praticamente todo (Pascoal 2005). Assim é sua música, presente, atual, impregnada de festas e de vida, da sua vida e, por isso mesmo, de seu passado que se faz presente. Sua recusa do passado não é uma recusa da tradição, mas uma defesa contra os tradicionalistas. Afinal, sua criatividade extrapolou as formações musicais pelas quais passou e, ao lado do aprendizado e da admiração pela cultura popular, há sempre uma recusa da estagnação. Mas Hermeto viveu sim várias formações musicais, tradicionais ou não. Este é um passado evidente em sua música, que se torna presente na criação. São vários fios de cultura que vão se entrelaçando em sua obra, revelando uma música brasileira e, como ele quer, universal. Contar essa história é uma tentativa constante de equilibrar as vertentes de arte e tradição. Começarei pela arte que já é tradição: as festas populares, os bailes chamados de choros ou forrós, os gêneros, ritmos e formações musicais aí envolvidos. Tradição como uma manifestação que já é recorrente, envolvendo características que se repetem ao longo do tempo, que a tornam reconhecida pela comunidade onde se realiza e passível de ser generalizada como manifestação nacional.

20 20 Dentre as formações instrumentais tipicamente brasileiras, podemos considerar três especialmente caras à música instrumental: os trios de forró (sanfona, zabumba e triângulo), as bandas de pífanos (dois pífanos, tarol, prato e zabumba) e os conjuntos regionais (violão, cavaquinho, pandeiro, flauta, dentre outros instrumentos solistas). A experiência musical de Hermeto Pascoal é particularmente rica em música brasileira por ele ter vivido, já em sua infância e adolescência, essas três formações instrumentais. Nascido em Alagoas em 1936, Hermeto apresenta, em sua trajetória, inúmeras referências que, como ele diz, vão do forró ao choro. Minha formação: desde criança, eu tocava o oito-baixos, que era o instrumento que eu tocava em bailes, lá no nordeste é pé-de-bode. Eu mesmo fazia os meus pifes, no mato, de cano de mamona, eu já fazia pra tocar, já tinha aquilo na cabeça, mas não saía do lado dos zabumbeiros, e os zabumbeiros lá em Lagoa da Canoa, em Alagoas, era normal tocar na porta das igrejas, na feira, em procissão, em bailes também. Então essa era minha infância, até os 14 anos de idade. Quando eu saí com 14 anos de Alagoas para Recife, aí eu tive conhecimento do que se chama chorinho. Eu saí direto do forró, das coisas que eu estava acostumado a tocar, peguei a sanfona e fui tocar chorinho no regional, na Rádio Jornal do Comércio, em Recife. Com 15, 16 anos, já estava tocando em regional. Quando eu cheguei no sul, eu fui juntando a música. A gente nunca fica fixo num estilo só, é uma mistura. (Pascoal 2005) Hermeto faz uma cronologia dos primeiros instrumentos tocados por ele a sanfona de oito-baixos e os pifes (ou pífanos, como veremos no capítulo 6) acrescentando a presença constante dos zabumbeiros em suas formações musicais. Dessas combinações surgem justamente as bandas de forró e de pífanos que, como ele mesmo diz, tocavam na porta das igrejas, na feira, em procissão, em bailes..., sendo responsáveis pelas mais diversas festividades de cidades do interior como Lagoa da Canoa. A sanfona foi o instrumento que possibilitou a ele migrar do forró aos regionais, onde passou a tocar choro. Para participar dessa história contada por Hermeto, precisamos investigar o universo de cada uma dessas formações musicais. Inspirada pela música de Hermeto, eminentemente atual, minha abordagem tende a ser calcada no presente, seja em minhas observações e pesquisas, seja em entrevistas e numa leitura da bibliografia à luz da experiência musical.

21 Bailes Populares Ao pesquisar as origens do forró e do choro, passando pela tradição das bandas de pífano, fui percebendo como a história desses conceitos se entrelaça constantemente, a começar pelo significado original de ambos como bailes populares, sem esquecer os inúmeros gêneros musicais que aí se relacionam. Tinhorão nos lembra que, em suas origens, o termo forró, baile ou festa de gente humilde, sempre foi palavra pouco nobre, mesmo no nordeste, equivalendo ao carioca forrobodó (Tinhorão 1976: 188). Por sua vez o termo carioca forrobodó, do qual forró seria uma abreviatura, equivaleria a forrobodança, que é comparado ao Chorão do Rio de Janeiro (um baile, obviamente, animado pelos choros), em citação do verbete forró da Enciclopédia da música brasileira (2003). A compositora Chiquinha Gonzaga, uma das pioneiras na composição de choros, escreveu a música para uma peça de teatro de revista cujo título era justamente esse: Forrobodó. Os bailes populares também eram conhecidos como assustados, chamados ainda de arrasta-pés, como observa Wisnik ao falar sobre o martírio do compositor Pestana (célebre personagem de Machado de Assis): a polca, que persegue o compositor como a maldição que o condena à vida rasteira dos bailes e assustados os tradicionais arrasta-pés (Wisnik 2004: 19). Atualmente, qualquer um que freqüenta um forró sabe que arrasta-pé é um dos ritmos aí tocados, como veremos mais adiante. Voltando à denominação dos bailes, Alexandre Gonçalves Pinto e Vagalume são testemunhas imprescindíveis. O primeiro chama os bailes onde tocavam os antigos chorões de choros ou pagodes. O segundo, ao falar das batucadas (encontros de samba), diz: Mas não era só na Penha que os encontros se davam. Era também onde houvesse um Choro, um arrastado, um vira-vira-mexe, uma festa qualquer e principalmente na velha Cidade Nova, onde quase sempre se realizava o baile na sala de visitas e um sambinha mole no quintal. (Vagalume 1978: 36) Oneyda Alvarenga é quem explica a generalidade dos termos, ao falar que o Samba viu o seu sentido ainda mais alargado que o de Batuque, estendendo-se a nome de qualquer baile popular, equivalente a função, pagode, forró e outros mais (Alvarenga s.d: 133).

Programação Geral. Música Regional Brasileira. A música do Brasil - Seg/Dom 6h.

Programação Geral. Música Regional Brasileira. A música do Brasil - Seg/Dom 6h. Programação Geral Música Regional Brasileira A música do Brasil - Seg/Dom 6h. Programa destinado a divulgar a música típica das regiões do Brasil. Toca os grandes mestres da música nordestina e mostra

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos)

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) COLÉGIO PEDRO II DIRETORIA GERAL SECRETARIA DE ENSINO CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO = 2002 = PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) 1) Escreva uma notação rítmica

Leia mais

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53 Rio de Janeiro Sumário Para início de conversa 9 Família, a Cia. Ltda. 13 Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35 Cardápio de lembranças 53 O que o homem não vê, a mulher sente 75 Relacionamentos: as Cias.

Leia mais

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro ANTONIO LOUREIRO www.boranda.com.br/antonioloureiro O compositor e multi-instrumentista Antonio Loureiro chega ao segundo álbum solo apostando na liberdade do improviso e defendendo uma criação musical

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Lundu do tropeiro. Música na escola: exercício 4

Lundu do tropeiro. Música na escola: exercício 4 Lundu do tropeiro Música na escola: exercício 4 Lundu Partituras Melodia, harmonia e letra do tropeiro Autor: Autor desconhecido, canção folclórica Região: Goiás Fonte: 500 Canções Brasileiras, de Ermelinda

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

virgínia rosa geraldo flach

virgínia rosa geraldo flach virgínia rosa geraldo flach virgínia rosa geraldo flach O gaúcho Geraldo e a paulista Virgínia se apresentaram juntos pela primeira vez na série Piano e Voz, da UFRGS. Quando tocou em São Paulo, no Supremo

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 8.2 Conteúdo. Música

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 8.2 Conteúdo. Música Aula 8.2 Conteúdo Música 1 Habilidades: Conhecer a origem da Música, seus principais elementos formadores, e a sua importância na sociedade. 2 Música Origem: Pré-história (marcava o ritmo com as mãos e

Leia mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais importantes que marcaram a trajetória da MPB nos últimos

Leia mais

Roda de conversa 6 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela

Roda de conversa 6 Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela A música do Brasil e do mundo Moderadores: Sergio Molina e Adriana Terahata Participantes: Carlos Sandroni e Ivan Vilela Sergio Molina Projeto A Música na Escola, roda de conversa número seis vai discutir

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAI BA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAI BA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAI BA ASCOM WEB RÁDIO UEPB PROGRAMAÇÃO SEGUNDA / SEXTA MADRUGADA AFORA: 00 A 06:15 As músicas quem embalam as madrugadas de todos nós CIFRÕES: 06:15 A 06:30 Boletim Econômico,

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail.

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail. A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO Igor Luiz Medeiros 2 igorluiz.m@hotmail.com Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Artes, Filosofia

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha

O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha uns 14 anos e um amigo chegou com aquele papo de experimenta,

Leia mais

Com fantasias, alunos do Infantil dançaram as marchinhas do Carnaval

Com fantasias, alunos do Infantil dançaram as marchinhas do Carnaval FourC leva o sambódromo para a Escola, unindo diversão e aprendizagem Máscaras, samba-enredo, alegorias, fantasias e muita alegria aliada ao estudo, o aprendizado e a diversão! Foi assim o Carnaval na

Leia mais

O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA

O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA Por Turi Collura Elaborado no Século XIX, o antigo livro de técnica pianística chamado Hanon - O Pianista Virtuoso resiste

Leia mais

A MÚSICA BRASILEIRA Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

A MÚSICA BRASILEIRA Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br A MÚSICA BRASILEIRA Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija

Leia mais

A obra de Marco Pereira para violão solo: aspectos composicionais. Palavras chave: Violão solo brasileiro, Marco Pereira, jazz, Garoto.

A obra de Marco Pereira para violão solo: aspectos composicionais. Palavras chave: Violão solo brasileiro, Marco Pereira, jazz, Garoto. A obra de Marco Pereira para violão solo: aspectos composicionais Julio Cesar Moreira LEMOS, UFG - EMAC. Julioczar10@gmail.com Werner AGUIAR, UFG EMAC werneraguiar@gmail.com Palavras chave: Violão solo

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê O canto coletivo é a prática musical mais elementar na educação musical, grandes educadores musicais como Dalcroze, Kodaly, Willems, Villa-Lobos e outros, utilizavam a voz e o canto coletivo como ponto

Leia mais

Circo-Teatro: É Teatro No Circo

Circo-Teatro: É Teatro No Circo Circo-Teatro: É Teatro No Circo Ermínia Silva Centro de Memória da Unicamp Doutor Pesquisadora Colaboradora do Centro de Memória da Unicamp Resumo: Parte dos estudos sobre circo no Brasil, realizados no

Leia mais

Disco de Roberta Sá e Trio Madeira Brasil revela o rico universo musical do compositor baiano Roque Ferreira

Disco de Roberta Sá e Trio Madeira Brasil revela o rico universo musical do compositor baiano Roque Ferreira Disco de Roberta Sá e Trio Madeira Brasil revela o rico universo musical do compositor baiano Roque Ferreira Quando o Canto É Reza é resultado do encontro da cantora Roberta Sá e do Trio Madeira Brasil

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC.

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC. 1 O ensino de música extracurricular na Escola Técnica Federal em Florianópolis/SC: relato de experiência sobre uma oficina de improvisação musical realizada Maycon José de Souza 1 Universidade do Estado

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA As letrinhas mágicas. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Uma visita ao zoológico. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO As Vogais vão ao zoológico e têm contato com

Leia mais

2. O fato folclórico

2. O fato folclórico (...) O folclore, apesar de não percebermos, acompanha a nossa existência e tem grande influência na nossa maneira de pensar, sentir e agir. Quando crianças fomos embalados pelas cantigas de ninar e pelos

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin Fotos: Luís Antônio Rodrigues No Perfil & Perfil Em meio às gravações no estúdio Brothers da Lua do músico, juntamente com o gravamos uma entrevista, onde eles nos contam como começou essa amizade e parceria,

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Sequência Didática / EJA

Sequência Didática / EJA Sequência Didática / EJA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa EIXOS: Oralidade, Leitura e Escrita CONTEÚDO: Interpretação Textual CICLO: EJA I Ciclo I (1º, 2º, 3º Anos) INTERDISCIPLINARIDADE: Geografia

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I ARTES. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda.

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I ARTES. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda. Conteúdo: Aula 1 e 2: Canção de roda. 2 Habilidades: H12 Reconhecer diferentes funções da arte, do trabalho da produção dos artistas em seus meios culturais. 3 Música clássica- baseada no folclore Heitor

Leia mais

PROJETO RODA DE CORDÉIS

PROJETO RODA DE CORDÉIS PROJETO RODA DE CORDÉIS Justificativa Os alunos do Centro Cultural Capoeira Cidadã buscam a Capoeira e as outras atividade da ONG por já terem uma forte afinidade com o ritmo, a música e a rima presentes

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

Subsídios para O CULTO COM CRIANÇAS

Subsídios para O CULTO COM CRIANÇAS Subsídios para O CULTO COM CRIANÇAS O que é um culto infantil? O culto para crianças não tem o objetivo de tirar a criança de dentro do templo para evitar que essa atrapalhe o culto ou atrapalhe a atenção

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO N 01 DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 02/2014

EDITAL DE RETIFICAÇÃO N 01 DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 02/2014 EDITAL DE RETIFICAÇÃO N 01 DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 02/2014 O Prefeito em Exercício do Município de Lucas do Rio Verde e a Presidente da Comissão Examinadora do Processo

Leia mais

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Patrícia Cristina de Aragão Araújo 1 Thaís de Oliveira e Silva 2 A escola existe

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

(PI): 01 - O 01 (A1):

(PI): 01 - O 01 (A1): Tema do Projeto: Composição Musical em Banda Pop/Rock em contexto extracurricular Que aprendizagens e motivações são desenvolvidas no projeto de composição de canções a partir de sequências harmónicas

Leia mais

Seja um incentivador da arte e da cultura brasileira

Seja um incentivador da arte e da cultura brasileira Seja um incentivador da arte e da cultura brasileira Um de Bananal, outra de Piracicaba, um nasceu há 100 anos, outra há 29, um aos nove anos foi pro Rio de Janeiro e apesar do pouco reconhecimento se

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

MÚSICA POPULAR BRASILEIRA E O ENSINO DE FLAUTA DOCE

MÚSICA POPULAR BRASILEIRA E O ENSINO DE FLAUTA DOCE 51 MÚSICA POPULAR BRASILEIRA E O ENSINO DE FLAUTA DOCE Prof a. Dr a. Ana Paula Peters UNESPAR/EMBAP anapaula.peters@gmail.com Para comentar a relação que estabeleço entre música popular brasileira e o

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL 389 COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL Ruth de Sousa Ferreira Silva Mestranda em Artes pela Universidade Federal de Uberlândia Introdução Este relato de experiência tem como

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

ATIVIDADE DE FIXAÇÃO: ELEMENTOS DA MÚSICA. I. Leia a partitura musical Ciranda da Lia e faça os itens a seguir (ver no portal):

ATIVIDADE DE FIXAÇÃO: ELEMENTOS DA MÚSICA. I. Leia a partitura musical Ciranda da Lia e faça os itens a seguir (ver no portal): ELEMENTOS DA MÚSICA I. Leia a partitura musical Ciranda da Lia e faça os itens a seguir (ver no portal): 1. O tipo de compasso é... 2. A figura de ritmo de maior duração nesta música chama se... 3. Discrimine

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO Universidade Estadual de Campinas Fernanda Resende Serradourada A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO: O Projeto de Desenvolvimento realizado por mim visava à confecção

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro!

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro! PHELIPE AGNELLI Baterista Percussionista Compositor Músico Brasileiro 1 ENTREVISTA "Inspirando e sendo inspirado" Phelipe Agnelli é músico e compositor, nascido a 50 minutos de São Paulo, na cidade de

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

Palavras-chave: aulas coletivas; motivação; execução musical; flauta transversal; prática interpretativa.

Palavras-chave: aulas coletivas; motivação; execução musical; flauta transversal; prática interpretativa. 794 AULAS COLETIVAS DE INSTRUMENTO COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EXECUÇÃO MUSICAL DE FLAUTISTAS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO. José Benedito Viana Gomes Universidade Federal do Estado do Rio

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

PRAIA DO JACARÉ JOÃO PESSOA PB

PRAIA DO JACARÉ JOÃO PESSOA PB PRAIA DO JACARÉ JOÃO PESSOA PB A tradição de assistir ao pôr do sol ouvindo o Bolero de Ravel na Paraíba começou com uma grande coincidência. Um grupo de amigos se reuniu para assistir ao fenômeno na Praia

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO.

PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO. PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA 2012 TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO. POR QUE TRABALHAR LUIZ GONZAGA? Luiz Gonzaga é um mestre da música. Foi ele

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos.

Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos. Música Objetivo da Aula Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos. Desde que se começou a estudar a história da humanidade, tem-se

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA letreiro 1: Sem o modernismo dos tempos atuais, o samba sertanejo era uma espécie de baile rústico, que ia noite à dentro até o raiar do dia, com seus matutos dançando e entoando

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA Luiz Rafael Moretto Giorgetti Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP (Ex-aluno) e-mail: rafael_giorgetti@hotmail.com

Leia mais

ENSINO MUSICAL NAS PERIFERIAS

ENSINO MUSICAL NAS PERIFERIAS ENSINO MUSICAL NAS PERIFERIAS Orientadora: Santuza Cambraia Naves Alunos: Tarso Soares Barreto e Deborah Raposo Introdução Esta pesquisa teve por objetivo avaliar e estudar instituições que têm como princípio

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail. POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.com 1 INTRODUÇÃO Os estudos mais recentes que tomam a Educação Infantil como objeto

Leia mais

DISCURSO DO EXCELENTÍSSIMO SENHOR VEREADOR SILVINHO REZENDE, DURANTE REUNIÃO SOLENE PARA ENTREGA DO DIPLOMA DE HONRA AO MÉRITO AO MÚSICO RONALDO COISA

DISCURSO DO EXCELENTÍSSIMO SENHOR VEREADOR SILVINHO REZENDE, DURANTE REUNIÃO SOLENE PARA ENTREGA DO DIPLOMA DE HONRA AO MÉRITO AO MÚSICO RONALDO COISA DISCURSO DO EXCELENTÍSSIMO SENHOR VEREADOR SILVINHO REZENDE, DURANTE REUNIÃO SOLENE PARA ENTREGA DO DIPLOMA DE HONRA AO MÉRITO AO MÚSICO RONALDO COISA NOSSA, REALIZADA EM 04 DE JULHO DE 2012. 1 Boa Noite,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional Sequencia Didática destinada aos Anos Finais do Ensino

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

MATEMÁTICA E MÚSICA: UMA PROPOSTA DE ABORDAGEM NO ENSINO FUNDAMENTAL

MATEMÁTICA E MÚSICA: UMA PROPOSTA DE ABORDAGEM NO ENSINO FUNDAMENTAL MATEMÁTICA E MÚSICA: UMA PROPOSTA DE ABORDAGEM NO ENSINO FUNDAMENTAL Fábio Alexandre Borges 1 Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão - FECILCAM Universidade Estadual de Maringá - UEM/PCM

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais