CONHECIMENTOS, PRÁTICAS E PERCEPÇÃO DO USO DO LASER NA FISIOTERAPIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONHECIMENTOS, PRÁTICAS E PERCEPÇÃO DO USO DO LASER NA FISIOTERAPIA"

Transcrição

1 CONHECIMENTOS, PRÁTICAS E PERCEPÇÃO DO USO DO LASER NA FISIOTERAPIA Janaína de Moraes Silva 1, Ana Paula de Sousa Pereira 2, Ana Carolina Lacerda Borges 3, Denise da Costa Nunes Montoni 3, Renata Amadei Nicolau 4 1 Universidade Vale do Paraíba (UNIVAP)/Doutoranda em Engenharia Biomédica, Av.Shishima Hifumi, 2911 Urbanova - São José dos Campos SP, 2- Fisioterapeuta graduada pelo Centro de Ensino Unificado de Teresina (CEUT), Av. dos Expedicionários, 699 CEP , Teresina PI, 3-Graduandas em Fisioterapia, Laboratório de Engenharia de Reabilitação Sensório Motora, Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP) Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova, CEP , São José dos Campos-SP, 4 Professora Doutora, Programa de Doutorado em Bioengenharia Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento (IP&D), Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova, CEP , São José dos Campos-SP, Resumo- A terapia Laser de baixa intensidade é um recurso terapêutico luminoso que possui propriedades especiais capazes de interagir com os tecidos biológicos. Na área de Fisioterapia, utiliza-se o Laser de tendo como base, a presença de uma considerável quantidade de conteúdo sobre o tema. O propósito deste trabalho foi avaliar a percepção dos fisioterapeutas sobre o Laser e sua utilização. A população abordada é composta por fisioterapeutas, localizados na cidade de Teresina-PI, que fazem uso de Laserterapia na sua prática clínica. Esta pesquisa caracteriza-se por ser qualitativa e observacional. Como instrumento de coleta de dados foi utilizado uma entrevista semi-estruturada com questões abertas. As unidades temáticas estabelecidas foram: denominação, propriedades, parâmetros, tipos e efeitos biológicos, fisiológicos e terapêuticos, assim como suas técnicas de aplicação. Evidenciamos que os fisioterapeutas consideram importante em seu plano de tratamento a utilização da laserterapia (80%), porém (10%) utilizam essa terapia isoladamente (10%), apesar do uso, (98%) não fizeram cursos específicos para o manuseio do Laser e que apesar de reconhecer a necessidade do aparato de proteção, na prática clínica (100%) não fazem uso dos mesmos. Palavras-chave: Laser, Laserterapia, Fisioterapia Área do Conhecimento: Fisioterapia. Introdução A denominação LASER é o acrônimo de Luz Amplificada por Emissão Estimulada de Radiação (Light Amplification by the Stimulated Emission of Radiation). A emissão estimulada consiste na absorção de luz incidente por um átomo que faz saltar um dos elétrons do nível energético fundamental para o nível superior. Este átomo em estado metaestável recupera num breve tempo os estados fundamentais, emitindo um fóton e uma radiação de luz de comprimento de onda definido. (BUSARELLO et al, 2011). Pode-se dizer que o LASER é uma luz potente, de uma só cor e se pode dirigir e ajustar sua potencia de precisão. Este proporciona uma forma de emissão de radiação luminosa de características especiais. Dentre estas estão: a monocromoticidade, a coerência e a polarização. (ARRUDA et al, 2007) Dentro da área médica, podemos dividir em LASER de alta e baixa potência. E são utilizados fundamentalmente por três tipos de emissores: sólidos, como o neodímio YAG; com tudo de gás, como o Hélio Neon, CO2 ou Argônio; ou por meio de um diodo, como AsGa e AsGaAl (ROCHA,2004). Na área de Fisioterapia, utiliza-se o LASER de baixa potência. Estes não elevam a temperatura tissular, senão que sua ação esteja baseada principalmente nos efeitos fotoquímicos.( SILVEIRA et al, 2009) A interação da radiação LASER com os tecidos se realiza nas interfases, mediante os fenômenos de reflexão e refração e, no interior do meio, onde tem lugar a transmissão, fato que depende principalmente dos fenômenos de absorção e dispersão. Sendo que a absorção e a 1

2 transmissão da radiação Laser dependem fundamentalmente de dois fatores: o comprimento de onda e a natureza absorvente.( SILVEIRA et al, 2009)) A dosificação deve ser expressa em joules para cada cm 2 da pele do paciente (J/cm 2 ), denominada densidade de energia, que significa a quantidade de energia depositada numa superfície determinada. Esta densidade energética está diretamente relacionada ao tempo de exposição da radiação que, deverá ser calculado para definir a dose exata. (TAVARES et al, 2005) Os efeitos da radiação Laser sobre os tecidos dependem da absorção de sua energia e da transformação desta, em determinados processos biológicos. Para descrever estes é habitual seguir um esquema segundo o qual a energia depositada nos tecidos produza uma ação primária ou direta, com efeitos do tipo fototérmicos, fotoquímicos e fotoelétricos. Estes efeitos locais provocam outros, os quais constituem a ação indireta (estímulo a microcirculação, aumento do trofismo). (MAIA & VIEIRA, 2009;LINS et al, 2011) Apesar dos efeitos benéficos, a radiação LASER pode oferecer riscos de seus usuários e pacientes, sendo necessário o conhecimentos das normas de segurança.(pansini, 2001) Metodologia Estudo exploratório, descritivo e transversal, com estratégia de coleta e análise de dados de forma qualitativa e quantitativa. A pesquisa foi realizada no período de agosto a setembro de A coleta de dados ocorreu através do envio, através de carta ou , de um questionário semi-estruturado com questões abertas, aos fisioterapeutas que estivessem em plena atividade profissional, que trabalhassem em clínicas, hospitais e domicílios da cidade de Teresina, estado Piauí, que fizessem uso da laserterapia na sua prática clínica e que aceitassem participar do estudo assinando um termo de consentimento livre e esclarecido, conforme determina a Resolução nº 196/1996 do CNS/MS. Foram excluídos os fisioterapeutas que não responderam completamente o questionário, e os que, por qualquer motivo, se recusaram a participar do estudo. Foi iniciada a coleta de dados através da aplicação do questionário enviado por carta ou , com a finalidade de avaliar o conhecimento, a prática da utilização do Laser pelos fisioterapeutas, composto de dez perguntas a respeito dos fundamentos básicos da laserterapia. Depois da coletados os dados, foram analisados através do programa Microsoft Office Excel 2007 e apresentados em forma de gráficos e/ou tabelas. Resultados O estudo sobre conhecimentos, práticas e percepções sobre a utilização do LASER na Fisioterapia foi realizado na cidade de Teresina, estado do Piauí com 50 fisioterapeutas sendo, 30% (n=15) do sexo masculino e 70% (n=35) do sexo feminino. A média de idade mínima de 23 e a máxima de 42 anos. E média de formação de 4 anos. Foram questionados há quanto tempo usavam o LASER como terapia, mostrando que 84% (n=42), utilizavam a laserterapia há mais de 2 anos, sendo que 80% (n=40) na área de traumatoortopedia e 20% (n=10) na área de Dermatofuncional (estética) e 10% (n=5) na área de Neurologia. (Gráfico 1) Área de atuação Neurologia Dermatofuncional Traumato-Ortopedia Gráfico 1: Dados acerca do uso do LASER segundo a área de atuação fisioterapêutica. De acordo com os 50 fisioterapeutas entrevistados 82% (n=42) afirmaram saber manusear o Laser completamente, porém 100% (n=50), não realizaram curso específico para isso, sendo o conhecimento prático obtido na graduação ou durante estágios extracurriculares. Apenas 30% (n=15), dizem ler artigos sobre a aplicação do LASER. O LASER mais utilizado na prática clínica desses fisioterapeutas consiste no de HeNe, AsGa e Diodo. Dos fisioterapeutas abordados, 100%(n=50) relataram as três principais características e propriedades da luz LASER, porém quando questionados sobre a dosimetria e o numero de sessões para obtenção dos efeitos terapêuticos 100%(n=50) afirmaram usar em dias alternados, baseados na indicação no manual do equipamento, quanto aos efeitos e estágios do processo inflamatório, além de 90% aplicarem de forma pontual (encostando a ponta da caneta

3 aplicadora na pele), porém sem observarem a distancia entre os pontos de aplicação e 10% em varredura. (Grafico 2) Segundo Silveira et al.,(2008), para dosar corretamente a radiação laser é necessário ter um conhecimento da área da lesão, da potência de emissão (geralmente fornecida pelo fabricante) e do tempo necessário para obter os efeitos desejados. Se a área a ser tratada for maior que um ponto, ela deverá ser calculada através da fórmula: A = (xr², onde A = área, ( = 0,0314 cm² e r² = raio ao quadrado. Para calcular o tempo utiliza-se a fórmula: T(s) = dose desejada(j/cm) x área(cm²). Formas de aplicação 5; 10% 45; 90% Gráfico 2: Dados acerca das formas de aplicação do LASER pelos entrevistados. Dos 50 fisioterapeutas avaliados, n=40 (80%), acharam o LASER eficiente, porém seus efeitos terapêuticos são lentos e sempre devem ser associados com outras terapias.(grafico 3) Eficácia do LASER Aplicação pontual Varredura responderam o aumento da circulação local. (Grafico5) Os efeitos fisiológicos da radiação LASER podem ser classificados como: primários, secundários e terapêuticos. De acordo com Tavares (2005), os efeitos primários são subdivididos em efeito bioquímico, bioelétrico e bioenergético. Como efeitos bioquímicos da radiação laser temos a liberação de substâncias pré-formadas (serotonina, bradicinina e histaminas), modificações das reações enzimáticas normais, estímulo da produção de ATP e também ação fibrinolítica. O efeito bioelétrico principal é a potencialização da bomba de Na/K que consome a energia proveniente do ATP. O efeito bioenergético consiste na existência de uma energia, embora não se saiba qual a sua essência. Os efeitos secundários são conseqüentes dos efeitos primários (que ocorrem diretamente pela absorção da radiação), podendo ser classificados, segundo Silveira, et al.,(2008), como: estímulo a microcirculação (a liberação de histaminas provocada pela radiação irá paralisar os esfíncteres pré-capilares aumentando o fluxo sangüíneo no local) e estímulo ao trofismo celular ( com o aumento da produção de ATP a atividade mitótica é aumentada e, conseqüentemente, ocorre aumento da cicatrização e também melhor trofismo dos tecidos). Em conseqüência das alterações relativas aos efeitos primários e secundários, classifica-se os efeitos terapêuticos como efeito antiinflamatório, analgésico, antiedematoso e cicatrizante.(agne, 2005) Efeitos terapêuticos do LASER 10; 20% 40; 80% 10; 20% 20; 40% 20; 40% Eficaz Ineficaz Analgesia Cicatrização de feridas Depilação Gráfico 3: Eficácia do LASER segundo os entrevistados. Sobre os efeitos terapêuticos do LASER 70% (n=35) lembra-se de imediato que este tem efeitos terapêuticos voltados para analgesia, 40% (n=20) para cicatrização de feridas e 20% (n=10), depilação. Sendo que quando pedidos para citarem algum efeito fisiológico e/ou biológico que justifique o efeito terapêutico 100% (n=50) Gráfico 4: Efeitos terapêuticos dos LASER relatados pelos entrevistados. As tendinopatias são distúrbios comuns com uma variedade de tratamentos e terapias e a Laserterapia aparece como uma alternativa no tratamento dessas patologias na área de traumato-ortopedia. ortopedia. Acredita-se que a ação do laser de baixa potência sobre o tecido está relacionada à possibilidade de inibição do aparecimento de fatores quimiotáticos nos 3

4 estágios iniciais da inflamação; inibir a síntese de prostaglandinas, além de inibir o esfíncter précapilar, através de mediadores químicos. (SATTAYUT et al., 2000) A laserterapia exerce um importante efeito sobre o processo ulcerativo, resultando na redução do tempo de cicatrização. Este tem um papel essencial na resposta protetora da lesão epidérmica por meio da reparação tecidual. (SULLINS, 2004). Segundo Karu (1987), a exposição ao laser estimula uma atividade eletroquímica mitocondrial extra e um concomitante aumento na síntese de ATP, promovendo assim proliferação celular e citoproteção. Na área de Fisioterapia dermatofuncional o processo do laser na depilação funciona através do efeito térmico, onde ocorre a liberação de energia no folículo piloso e consequentemente destruição deste. A utilização do LASER para remoção de pelos tem sido muito estudada, tendo em vista que este processo vem ganhando cada vez mais espaço, tornando uma alternativa cogitada em relação a outros métodos de depilação. (AVÉ, 2004) Sobre as medidas de segurança, 80% (n=40) fisioterapeutas afirmaram que apesar de conhecerem a necessidade de aparato para proteção, nenhum serviço no qual eles prestam os serviços, disponibiliza de área especial de aplicação para o LASER, óculos protetor e faziam manutenção dos equipamentos. O único cuidado era para não perder a atenção e apontar o feixe para os seus olhos ou para os do paciente. Segundo Pansini, 2001, a laserterapia apesar de mostrar efeitos benéficos, pode também oferecer riscos a saúde de seus usuários e pacientes. Os principais efeitos adversos conhecidos são: para pele, a aceleração do envelhecimento, o aumento da pigmentação, queimaduras, eritemas e o aumento da sensibilidade. E para os olhos: a fotoqueratite na córnea e conjuntiva, a catarata, danos térmicos e fotoquímicos na retina, queimaduras na córnea e no cristalino. (PANSINI, 2001) Conclusão Evidenciou-se que os fisioterapeutas entrevistados afirmam ter conhecimento teórico e prático da utilização do LASER, porém obtidos por meio de livros de graduação ou manuais de equipamentos. Pode-se constatar assim apenas a relevância de caráter técnico da aplicação, e não das evidencias científicas da terapia. Por fim, destaca-se que os fisioterapeutas que usam o LASER apesar de saberem da necessidade de cuidado na sua aplicação, não dispõem de medidas de segurança básicos, expondo assim tanto ele, como os pacientes, ao risco da Laserterapia de baixa potencia. Referências AGNE. J.E. Eletrotermoterapia: Teoria e Prática.São Paulo,ed. Orium, AVÉ, B.R.C. in KEDE, M.P.V.; SABATOVICH, O. Dermatologia estética. São Paulo. Ed. Atheneu, ARRUDA, E.R.B.; RODRIGUES, N.C; TACIRO, C.; PARIZOTTO, N.A; Influencia de diferentes comprimentos de onda da Laserterapia de baixa intensidade na regeneração tendínea do rato após tenotomia. Rev. Bras. Fisioterapia, São Carlos, V.11, n.4, p , jul/ago, BUSARELLO, F.O; ARTIFON, E.L; LOTH, E.A; BERTOLINI, G,R,F. Análise da eficácia do laser de Baixa potência no tratamento da dor tendinea em ratos imunossuprimidos. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, V.18, n.4, p , out/dez, FUKUDA T.Y; MALFATTI, C.A. Análise da dose do laser de baixa potência em equipamentos nacionais. Rev. Bras. Fisioterapia, São Carlos, v.12, n.1, jan/fev, LINS, R.D.A.U; DANTAS,E.M; LUCENA, K.C.R; GARCIA, A.F.G; SILVA, J.S.P. Aplicação do laser de baixa potência na cicatrização de feridas. Odontol. Clin. Cient, suplemento , out/dez., KARU T. Photobiological fundamentals of lowpower laser therapy. IEEE J. Quantum Electron. 1987; 23 (10); MAIA, P.H.B; VIEIRA, W.H.B. Influencia do Laser no desempenho muscular. Revista da FARN, p , jan/dez.,2009. PANSINI, M. Avaliação de requisitos de segurança em lasers terapêuticos de baixa intensidade, 2001, 69f. Dissertação (Mestrado em Odontologia) Instituto de Pesquisa Energética e Nucleares. Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001 ROCHA, J.C.T. Terapia Laser, cicatrização tecidual e angiogênese. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, Universidade de Fortaleza Brasil. Ano/vol 17, n:001. P

5 SATTAYUT, S.; HUGES, F.; BRADLEY,P. 820nm galliun aluminum arsenide laser modulation of prostaglandina E2 production in interleukin I stimulated myoblasts. Laser Ther., v.11, n.2, p.8895, SILVEIRA, P.C.L; SILVA L.A, TUON T; FREITAS T.P; STRECK E.L; PINTO R.A Efeitos da laserterapia de baixa pontência na resposta oxidativa epidérmica induzida pela cicatrização de feridas. Rev. Bras. Fisioterapia. São Carlos, V.13; n. 4. Julho/ago TAVARES M.R, MAZZER N., PASTORELLO M. Efeito do laser terapêutico na cicatrização tendinosa: estudo experimental em ratos. Rev. Bras. Fisioterapia, São Carlos, 6(2): ;

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação.

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. L.A.S.E.R. Introdução Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. Introdução Em 1900 o físico alemão Max Planck apresentou uma explanação

Leia mais

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas LASER Prof. Gabriel Villas-Boas INTRODUÇÃO O termo Laser constitui-se numa sigla que significa: Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação. Esta radiação é constituída por ondas eletromagnéticas,

Leia mais

11/18/2011. ILIB irradiação do laser no sangue.

11/18/2011. ILIB irradiação do laser no sangue. Analisando o significado da terminologia LASER LASER (Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation) ILIB irradiação do laser no sangue. BASES FÍSICAS DA RADIAÇÃO LASER Princípios Elementares

Leia mais

Acórdão nº. 293 de 16 de junho de 2012.

Acórdão nº. 293 de 16 de junho de 2012. Imprimir Acórdão nº. 293 de 16 de junho de 2012. D.O.U nº 120, Seção I, em 03/07/2012, páginas 127 e 128. O PLENÁRIO DO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI)

INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI) INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI) Nayana Pinheiro Machado 1,2,3, Relândia Cristina Machado Reinaldo Ratts 4, Veruska Cronemberger

Leia mais

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada 2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada A luz está presente em praticamente todos os momentos de nossas vidas e tem fundamental importância para a sobrevivência da vida no planeta. Atualmente,

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO.

ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO. ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO. ZAGO, Márcio Fernando Cardoso 1 ; COUTO, Daiane Borges Sousa do 2 ; SILVEIRA, Nusa

Leia mais

PROJETO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL NA SAÚDE DA MULHER NA ASSISTÊNCIA DE MULHERES ACOMETIDAS POR RUGAS

PROJETO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL NA SAÚDE DA MULHER NA ASSISTÊNCIA DE MULHERES ACOMETIDAS POR RUGAS PROJETO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL NA SAÚDE DA MULHER NA ASSISTÊNCIA DE MULHERES ACOMETIDAS POR RUGAS MAIA, Ingrid Vanessa E. 2 RAMALHO, Jéssica Soares 2 FERREIRA, Luana de Lima 2 JUNIOR, Paulo Sergio

Leia mais

TERAPIA FOTODINÂMICA

TERAPIA FOTODINÂMICA TERAPIA FOTODINÂMICA Terapia Fotodinâmica Estudo e desenvolvimento de novas tecnologias. Seu uso por podólogos brasileiros é anterior a 1995. Usado por podólogos em outros países, desde a década de 80.

Leia mais

PARECER CRM/MS N 06/2011 PROCESSO CONSULTA CRM-MS 01/2011 CÂMARA TÉCNICA DE DERMATOLOGIA. Interessado: Dr. M.A.L

PARECER CRM/MS N 06/2011 PROCESSO CONSULTA CRM-MS 01/2011 CÂMARA TÉCNICA DE DERMATOLOGIA. Interessado: Dr. M.A.L PARECER CRM/MS N 06/2011 PROCESSO CONSULTA CRM-MS 01/2011 CÂMARA TÉCNICA DE DERMATOLOGIA Interessado: Dr. M.A.L Parecerista: Câmara Técnica de Dermatologia EMENTA: Uso de sistema a LASER para epilação

Leia mais

MANUAL DO EQUIPAMENTO LASER HTM COMPACT

MANUAL DO EQUIPAMENTO LASER HTM COMPACT MANUAL DO EQUIPAMENTO LASER HTM COMPACT REGISTRO ANVISA nº: 80212480005 HTM Indústria de Equipamentos Eletro-Eletrônicos Ltda. Av. Carlos A. do A. Sobrinho, 186 CEP:13901-160 Amparo SP Brasil Tel/Fax (19)

Leia mais

Curso. Abordagem Multiprofissional na Prevenção e Tratamento de Feridas

Curso. Abordagem Multiprofissional na Prevenção e Tratamento de Feridas Curso Abordagem Multiprofissional na Prevenção e Tratamento de Feridas Promotores Coordenação Fernanda Maria Silva Graduada em Enfermagem -Bacharelado e Licenciatura- pela Universidade Estadual da Paraíba;

Leia mais

MANUAL DO EQUIPAMENTO LASER HTM

MANUAL DO EQUIPAMENTO LASER HTM MANUAL DO EQUIPAMENTO LASER HTM REGISTRO ANVISA nº: 80212480003 HTM Indústria de Equipamentos Eletro-Eletrônicos Ltda. Av. Carlos A. do A. Sobrinho, 186 CEP:13901-160 Amparo SP Brasil Tel/Fax (19) 3807-7741

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE TRAUMATISMO DENTO-ALVEOLAR EM ESPORTISTAS DE RIBEIRÃO PRETO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE TRAUMATISMO DENTO-ALVEOLAR EM ESPORTISTAS DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO: AVALIAÇÃO DE TRAUMATISMO DENTO-ALVEOLAR EM ESPORTISTAS DE RIBEIRÃO PRETO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ODONTOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

4 APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA

4 APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA 4 APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA 4.1. PRINCÍPIOS FÍSICOS DO FUNCIONAMENTO DOS LASERS Como se sabe, a sigla LASER é composta das iniciais de Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation e que

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TRATAMENTOS ENDODÔNTICOS REALIZADOS POR ALUNOS DE GRADUAÇÃO COM PROSERVAÇÃO DE SEIS MESES

AVALIAÇÃO DE TRATAMENTOS ENDODÔNTICOS REALIZADOS POR ALUNOS DE GRADUAÇÃO COM PROSERVAÇÃO DE SEIS MESES AVALIAÇÃO DE TRATAMENTOS ENDODÔNTICOS REALIZADOS POR ALUNOS DE GRADUAÇÃO COM PROSERVAÇÃO DE SEIS MESES Dhebora do Canto 1 ; Beatriz do Nascimento Hernandes 2 ; Fausto Rodrigo Victorino 3 RESUMO: Pode-se

Leia mais

EFEITO BIOMODULADOR DO LASER DE BAIXA POTÊNCIA EM MAMILOS DE PACIENTES PUÉRPERAS

EFEITO BIOMODULADOR DO LASER DE BAIXA POTÊNCIA EM MAMILOS DE PACIENTES PUÉRPERAS EFEITO BIOMODULADOR DO LASER DE BAIXA POTÊNCIA EM MAMILOS DE PACIENTES PUÉRPERAS Taciana Lidinéia Alflen, UNIVAP* Gêrda Coêlho e Silva NOVAFAPI, UNIVAP** Renato Amaro Zângaro, UNIVAP*** Renata Amadei Nicolau,

Leia mais

EFEITOS BIOESTIMULADORES DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE E LED TERAPIA NA SAÚDE: UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR E SOCIAL

EFEITOS BIOESTIMULADORES DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE E LED TERAPIA NA SAÚDE: UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR E SOCIAL EFEITOS BIOESTIMULADORES DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE E LED TERAPIA NA SAÚDE: UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR E SOCIAL 1. UFPB- Professora Orientadora 2. COI-PR Extensionista Externo- Consultor 3. Discente

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DA APLICAÇÃO DO LASER DE BAIXA POTÊNCIA COMO PREVENÇÃO E/OU MELHORA DA MUCOSITE ORAL: REVISÃO DE LITERATURA

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DA APLICAÇÃO DO LASER DE BAIXA POTÊNCIA COMO PREVENÇÃO E/OU MELHORA DA MUCOSITE ORAL: REVISÃO DE LITERATURA AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DA APLICAÇÃO DO LASER DE BAIXA POTÊNCIA COMO PREVENÇÃO E/OU MELHORA DA MUCOSITE ORAL: REVISÃO DE LITERATURA Marsi Teresa¹, Oliveira Liv AM², Amadei Renata³ Resumo- A Mucosite Oral

Leia mais

PERFIL DOS EGRESSOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FORMADOS ENTRE 2000 2009

PERFIL DOS EGRESSOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FORMADOS ENTRE 2000 2009 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL DOS EGRESSOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FORMADOS ENTRE 2000 2009 Isabella Caroline Belem 1 ; Raphael de Oliveira Delfino 2 ; Valquíria Félix Rocha

Leia mais

COMO ELABORAR O PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO E A IMPORTÃNCIA DO SEU CORRETO PREENCHIMENTO. Ribeiro S.; Canettieri, A.C.V.

COMO ELABORAR O PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO E A IMPORTÃNCIA DO SEU CORRETO PREENCHIMENTO. Ribeiro S.; Canettieri, A.C.V. COMO ELABORAR O PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO E A IMPORTÃNCIA DO SEU CORRETO PREENCHIMENTO Ribeiro S.; Canettieri, A.C.V. Curso de Odontologia, Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade do Vale do Paraíba

Leia mais

Veterinária. Photon Vet. Manual do Usuário

Veterinária. Photon Vet. Manual do Usuário Veterinária Photon Vet Manual do Usuário Parabéns, você acaba de adquirir o mais moderno sistema optoeletrônico desenvolvido para bioestimulação na área de Veterinária. PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS A utilização

Leia mais

ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E EFEITO JOULE¹

ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E EFEITO JOULE¹ ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E EFEITO JOULE¹ Ana Célia Alves dos Santos² Débora da Cruz Alves² Gustavo Gomes Benevides² Júlia Fabiana de Oliveira Barboza² Stefanie Esteves da Silva² Stephanye

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES DE SAÚDE LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE N.º 015/2013 1

LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES DE SAÚDE LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE N.º 015/2013 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE - SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL - GSSM EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA - EPT LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

Eixo Temático 01-018 - Gestão Ambiental BARREIRAS ENCONTRADAS NA COMPRA DE PRODUTOS ORGÂNICOS NUM SUPERMERCADO DE NATAL/RN

Eixo Temático 01-018 - Gestão Ambiental BARREIRAS ENCONTRADAS NA COMPRA DE PRODUTOS ORGÂNICOS NUM SUPERMERCADO DE NATAL/RN 134 Eixo Temático 01-018 - Gestão Ambiental BARREIRAS ENCONTRADAS NA COMPRA DE PRODUTOS ORGÂNICOS NUM SUPERMERCADO DE NATAL/RN Josiane Rodrigues Eugênio; Jane Lúcia Soares Pereira; Micarla Bezerra da Silva;

Leia mais

Laserterapia na cicatrização de úlcera de pressão: Relato de caso Laser therapy on the healing of pressure ulcers: Case Report

Laserterapia na cicatrização de úlcera de pressão: Relato de caso Laser therapy on the healing of pressure ulcers: Case Report Laserterapia na cicatrização de úlcera de pressão: Relato de caso Laser therapy on the healing of pressure ulcers: Case Report João Batista Jacinto 1, Angélica de Fátima Gomes Mota 1, Júlia Braga de Freitas

Leia mais

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Instrumentação para Espectroscopia Óptica CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti INTRODUÇÃO Os componentes básicos dos instrumentos analíticos para a espectroscopia

Leia mais

Paridade. puerperais Não 24 45,3. neonatal Não 34 63,0 19 35,8 29 54,7

Paridade. puerperais Não 24 45,3. neonatal Não 34 63,0 19 35,8 29 54,7 PERCEPÇÃO DA PUÉRPERA EM RELAÇÃO À ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Viana, J.C 1 ; Mota, L.L 2 ; Corrêa, A.L³; Perroni, C. A. 4 jamilli-viana@bol.com.br; lidiener @hotmail.com.br;

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Propostas e ações inclusivas: impasses e avanços Belo Horizonte 17 a 20 de outubro de 2006 Sessões

Leia mais

RETRATO DA COMUNICAÇÃO ENTRE FAMILIARES E CUIDADORES DE PACIENTES COM SEQUELAS DE PARALISIA CEREBRAL SEM VERBALIZAÇÃO

RETRATO DA COMUNICAÇÃO ENTRE FAMILIARES E CUIDADORES DE PACIENTES COM SEQUELAS DE PARALISIA CEREBRAL SEM VERBALIZAÇÃO RETRATO DA COMUNICAÇÃO ENTRE FAMILIARES E CUIDADORES DE PACIENTES COM SEQUELAS DE PARALISIA CEREBRAL SEM VERBALIZAÇÃO Cíntia Monteiro Carvalho, Maria Aparecida Ramires Zulian UNIVAP, Faculdade Ciências

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA LASERTERAPIA DE BAIXA POTÊNCIA (LBP) NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DE PRESSÃO UMA REVISÃO LITERÁRIA.

A CONTRIBUIÇÃO DA LASERTERAPIA DE BAIXA POTÊNCIA (LBP) NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DE PRESSÃO UMA REVISÃO LITERÁRIA. 1 A CONTRIBUIÇÃO DA LASERTERAPIA DE BAIXA POTÊNCIA (LBP) NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DE PRESSÃO UMA REVISÃO LITERÁRIA. THE CONTRIBUTION OF LOW HARNESS LASERTHERAPY (LLH) FOR TREATING PRESSURE ULCERS: LITERARY

Leia mais

Termômetro Infra Vermelho ITTI 550

Termômetro Infra Vermelho ITTI 550 Termômetro Infra Vermelho ITTI 550 1. INTRODUÇÃO O termômetro infravermelho foi projetado para ser utilizado na medição da temperatura de superfície da pele ou de um objeto onde a medição por contato

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes Curso Técnico Segurança do Trabalho Identificação e Análise de Riscos Identificação e Análise de Riscos Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes Segundo a NR15 Anexo 7: Radiações não-ionizantes são as microondas,

Leia mais

LASER histórico e aplicações

LASER histórico e aplicações LASER histórico e aplicações Marina Scheid Matheus Hennemann Biofísica III Prof. Edulfo Diaz Histórico 1905 Albert Einstein, com auxílio de Max Planck Luz: pacotes discretos e bem determinados Fótons Histórico

Leia mais

Possíveis questões dos profissionais durante a notificação

Possíveis questões dos profissionais durante a notificação Possíveis questões dos profissionais durante a notificação Q: O que é um sistema de notificação de incidentes e eventos adversos? R: É um sistema que alimenta uma base de dados com os diferentes tipos

Leia mais

7 Percepção de riscos de campos eletromagnéticos pela população

7 Percepção de riscos de campos eletromagnéticos pela população 102 7 Percepção de riscos de campos eletromagnéticos pela população A população está constantemente exposta às ondas eletromagnéticas (OEM) de radiofreqüências (RF) de baixa intensidade oriundas de diversas

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO ANO LECTIVO 2015 2016 CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL MÉTODOS OPTICOS ESPECTROFOTOMETRIA MOLECULAR (UV

Leia mais

O curso de Pós-graduação em Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica tem 368 horas de atividades presenciais, organizadas em quatro módulos.

O curso de Pós-graduação em Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica tem 368 horas de atividades presenciais, organizadas em quatro módulos. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA E ENGENHARIA CLÍNICA 1. ORGANIZAÇÃO E MÓDULOS O curso de Pós-graduação em Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica tem 368 horas de atividades presenciais, organizadas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA TERAPIA DO RISO NO TRATAMENTO DO PACIENTE PEDIÁTRICO

A INFLUÊNCIA DA TERAPIA DO RISO NO TRATAMENTO DO PACIENTE PEDIÁTRICO A INFLUÊNCIA DA TERAPIA DO RISO NO TRATAMENTO DO PACIENTE PEDIÁTRICO GARCIA, D. T. R.¹; SILVA, J. G. ² ; VAZ, A. C.³ ; FILOCOMO, F. R. F. 4 ; FILIPINI, S. M. 5 1,2,3,4,5 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade

Leia mais

O que é coleta de dados?

O que é coleta de dados? O que é coleta de dados? Segundo Bandeira (2004) no projeto de pesquisa, o pesquisador deverá descrever detalhadamente o método que usará para coletar seus dados. Basicamente ele pode adotar como método

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO

Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO Avaliação sobre o consumo de drogas por adolescentes nas escolas do município de Iporá-GO Moreira, Izadora Cristina; Aquino, Valdirene Silva Rocha; RAMALHO, Letícia Carneiro; CUNHA, Marielton Passos; PINHEIRO,

Leia mais

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT): UMA AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT): UMA AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT):

Leia mais

GUARAQUEÇABA-PR, 2012

GUARAQUEÇABA-PR, 2012 GUARAQUEÇABA-PR, 2012 AUTORA: ALINE PALLA PIACENTI FARMACÊUTICA E ACUPUNTURISTA HOSPITAL REGIONAL DE GUARAQUEÇABA-PR COLABORADORES: KAIO JULIO CESAR COLOZIO DIRETOR GERAL HRG NILZA REDERD DIRETORA ADMINISTRATIVA

Leia mais

Procedimentos Estéticos

Procedimentos Estéticos Abaixo estão relacionados os procedimentos realizados pelo profissional biomédico habilitado em biomedicina estética de acordo com as resoluções e normativas vigentes do Conselho Federal de Biomedicina

Leia mais

1 Justificativa. 2 Objetivos. 2.1 Objetivos gerais

1 Justificativa. 2 Objetivos. 2.1 Objetivos gerais 4 Introdução Este projeto de pesquisa procura levantar dados que mostrem a qualidade de compreensão dos alunos que compõem o Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA) sobre questões

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA Flávia Teixeira Germano, Universidade Potiguar, flavinhabebezao@hotmail.com Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar,

Leia mais

Caracterização dos sistemas solares térmicos instalados nas residências do programa Minha Casa Minha Vida no município de Teresina

Caracterização dos sistemas solares térmicos instalados nas residências do programa Minha Casa Minha Vida no município de Teresina Caracterização dos sistemas solares térmicos instalados nas residências do programa Minha Casa Minha Vida no município de Teresina Mateus de Melo Araujo (Aluno de ICV), Marcos Antonio Tavares Lira (Orientador,

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais De todas as especialidades da Engenharia, pode-se dizer que a Engenharia Mecânica é das mais amplas e diversificadas. Ela se envolve com instalações industriais, máquinas e equipamentos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CARÁTER DAS ORGANIZAÇÕES DE CONSUMO COLETIVO PARA IDOSOS (AS) DA CIDADE E DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE

AVALIAÇÃO DO CARÁTER DAS ORGANIZAÇÕES DE CONSUMO COLETIVO PARA IDOSOS (AS) DA CIDADE E DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE AVALIAÇÃO DO CARÁTER DAS ORGANIZAÇÕES DE CONSUMO COLETIVO PARA IDOSOS (AS) DA CIDADE E DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE Tamires Carolina Marques Fabrício. Universidade Federal Rural de Pernambuco/UFRPE,

Leia mais

Título do projeto: Incidência de Queixas Músculo-esqueléticas em Profissionais Intensivistas.

Título do projeto: Incidência de Queixas Músculo-esqueléticas em Profissionais Intensivistas. PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E AÇÃO COMUNITÁRIA. COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA Anápolis, 4 de junho de 2009. OFÍCIO 127 / 2009 CEP Número de Protocolo: 0031/2009 Título do projeto: Incidência

Leia mais

C O F F I T O CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL

C O F F I T O CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL PARECER DO GRUPO DE TRABALHO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL LUZ INTENSA PULSADA (IPL ou LIP) Utilizando o princípio da fototermólise seletiva, ganharam popularidade aparelhos de emissão de luz intensa pulsada

Leia mais

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS *Elenilson F. Alves 1 (PQ), *Clarissa M. Sousa 2 (FM), *Juliana O. Ehlers 1 (IC), *Tais B.

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Medidas preventivas de comportamentos agressivos/violentos de doentes - contenção física Nº: 08/DSPSM/DSPCS DATA: 25/05/07 Para: Contacto na DGS: ARS, Hospitais do SNS, Serviços Locais e Regionais

Leia mais

SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO

SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO Revista Eletrônica FACIMEDIT, v2, n2, jul/dez 2015 ISSN 1982-5285 ARTIGO ORIGINAL SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO KNOWLEDGE

Leia mais

QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA

QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA ABSORÇÃO FOTOQUÍMICA 3ª Parte A INSTRUMENTAÇÃO 07/10/2013 Mauricio X. Coutrim ESPECTRO DE ABSORÇÃO A energia absorvida por um fóton é igual à diferença entre as energias do estado

Leia mais

Astroquímica. Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. Prof. Dr. Sergio Pilling. Alunos: Víctor de Souza Bonfim. 1. Introdução

Astroquímica. Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. Prof. Dr. Sergio Pilling. Alunos: Víctor de Souza Bonfim. 1. Introdução Astroquímica Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Prof. Dr. Sergio Pilling Alunos: Víctor de Souza Bonfim Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. 1. Introdução Nossas discussões desta aula procuram

Leia mais

5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão

5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão 5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão Considerando o tamanho nanométrico dos produtos de síntese e que a caracterização por DRX e MEV não permitiram uma identificação da alumina dispersa

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

Pesquisa Estatística. Estatística Descritiva. Gestão Ambiental Prof. Luiz Rogério Mantelli

Pesquisa Estatística. Estatística Descritiva. Gestão Ambiental Prof. Luiz Rogério Mantelli Gestão Ambiental Prof. Luiz Rogério Mantelli Pesquisa Estatística Estatística Descritiva São técnicas utilizadas para descrever um conjunto de dados ou apresentá-lo de forma resumida. 1.Gráficos descritivos:

Leia mais

Redação Dr. Maurício de Freitas Lima. Edição ACS - Assessoria de Comunicação Social Maria Isabel Marques - MTB 16.996

Redação Dr. Maurício de Freitas Lima. Edição ACS - Assessoria de Comunicação Social Maria Isabel Marques - MTB 16.996 2 Redação Dr. Maurício de Freitas Lima Edição ACS - Assessoria de Comunicação Social Maria Isabel Marques - MTB 16.996 Produção e Projeto Gráfico Designer Gráfico: Patricia Lopes da Silva Edição - Outubro/2012

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA DE UMA REAÇÃO EM ESPECTROFOTOMETRÍA

CINÉTICA QUÍMICA DE UMA REAÇÃO EM ESPECTROFOTOMETRÍA CINÉTICA QUÍMICA DE UMA REAÇÃO EM ESPECTROFOTOMETRÍA INTRODUÇÃO Espectrofotometria É a medida da quantidade de energia radiante absorbida pelas moléculas a longitudes de ondas específicas. A espectrofotometria

Leia mais

Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation

Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação Características da luz laser Monocromática Colimada Coerente EXEMPLOS: Características específicas

Leia mais

ESTRUTURA QUÍMICA TESTE DE CHAMA

ESTRUTURA QUÍMICA TESTE DE CHAMA ESTRUTURA QUÍMICA TESTE DE CHAMA META Demonstrar fatos que comprovem a transição eletrônica através do teste da chama. Apresentar os conceitos da técnica do teste de chama. OBJETIVOS Identificar os constituintes

Leia mais

Comparação da força da musculatura respiratória em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico (AVE) com os esperados para a idade e sexo

Comparação da força da musculatura respiratória em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico (AVE) com os esperados para a idade e sexo Comparação da força da musculatura respiratória em pacientes acometidos por acidente vascular encefálico (AVE) com os esperados para a idade e sexo Camila Viana Benzoni 1, Paulo Eduardo Gomes Ferreira

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS Autor José André Ramos Gouveia; Orientadora: Isabella Dantas da Silva; Co-autores: Lorena Maria Brito Neves Pereira; Gabriela Brasileiro

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Telha Impermeabilizante Incolor Página: 01 / 07 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Telha Impermeabilizante Incolor Código

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

PSICODIAGNÓSTICO: FERRAMENTA DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA¹

PSICODIAGNÓSTICO: FERRAMENTA DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA¹ PSICODIAGNÓSTICO: FERRAMENTA DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA¹ OLIVEIRA, Micheli Viera de 2 ; MELLO, Lauren Machado 2 ; OLIVEIRA, Vânia Fortes³. 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicólogas graduadas pelo Centro

Leia mais

Introdução: a homeostase orgânica pode ser alterada pelo exercício físico, através do incremento

Introdução: a homeostase orgânica pode ser alterada pelo exercício físico, através do incremento TCC em Re vista 2009 85 PRADO, Fernanda Peres 13. Análise do estresse oxidativo no plasma sanguíneo através da microscopia óptica em indivíduos submetidos à crioimersão corporal imediata ao esforço físico

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DO JARDIM BOTÂNCIO DO RJ (JBRJ) E DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO (AAJB) NORMAS E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DO JARDIM BOTÂNCIO DO RJ (JBRJ) E DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO (AAJB) NORMAS E PROCEDIMENTOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DO JARDIM BOTÂNCIO DO RJ (JBRJ) E DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO (AAJB) NORMAS E PROCEDIMENTOS Finalidade: Suprir o Jardim Botânico do Rio de Janeiro de pessoal para

Leia mais

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Relatório Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Direcção Municipal da Presidência Gabinete do Munícipe Divisão Municipal de Gestão da Qualidade Porto, 29 de Junho de 2011

Leia mais

AFERIÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE LASER DE BAIXA POTÊNCIA E CARACTERIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS EMPREGADOS NA SUA UTILIZAÇÃO CLÍNICA

AFERIÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE LASER DE BAIXA POTÊNCIA E CARACTERIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS EMPREGADOS NA SUA UTILIZAÇÃO CLÍNICA UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA LINHA DE PESQUISA: DOSIMETRIA E CONVALIDAÇÃO DE RECURSOS FISIOTERAPÊUTICOS

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS I. OBJETIVO Regulamentar a competência da equipe de enfermagem, visando o efetivo cuidado e segurança do

Leia mais

Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso

Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso Avaliação da eficiência energética do sistema de iluminação artificial de um ambiente de trabalho estudo de caso Mariana Fialho Bonates (UFPB) marianabonates@bol.com.br Elisa Lobo de Brito (UFPB) elisa_brito@ig.com.br

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nº: 059 Data da última revisão: 04/05/2013 Nome do Produto: Betugrout Super 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Super Código do Produto:026050100. Nome da Empresa:Betumat

Leia mais

IV MOSTRA ACADÊMICA DE ENFERMAGEM DA UFC

IV MOSTRA ACADÊMICA DE ENFERMAGEM DA UFC UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE FARMÁCIA, ODONTOLOGIA E ENFERMAGEM - FFOE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM - DENF PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET ENFERMAGEM UFC IV MOSTRA ACADÊMICA DE ENFERMAGEM

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Acetato de sódio. Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá,3405 Monte Castelo Fortaleza Ce CEP: 60130-000 Telefone: (0xx85)

Leia mais

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Belarmino Santos de Sousa Júnior¹ ; Fernando Hiago da Silva Duarte²; Ana Elza da Silva Mendonça³ ¹ Acadêmico de Enfermagem

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE NA ESCOLA ESPECIAL HELEN KELLER CAXIAS DO SUL

PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE NA ESCOLA ESPECIAL HELEN KELLER CAXIAS DO SUL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ELENISE PEREIRA PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 - Tópicos de Ensino de Física. Relatório Parcial

Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Física Gleb Wataghin. F 609 - Tópicos de Ensino de Física. Relatório Parcial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin F 609 - Tópicos de Ensino de Física Relatório Parcial Aluna: Luciene O. Machado Orientador:Antonio Carlos da Costa Coordenador: José

Leia mais

TRABALHADORES DE ENFERMAGEM E OS IDOSOS HOSPITALIZADOS: UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO

TRABALHADORES DE ENFERMAGEM E OS IDOSOS HOSPITALIZADOS: UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO TRABALHADORES DE ENFERMAGEM E OS IDOSOS HOSPITALIZADOS: UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO JULIANA PETRI TAVARES 1 CARMEM LÚCIA COLOMÉ BECK 2 ROSÂNGELA MARION 3 SUSAN BUBLITZ 4 SABRINA MEDIANEIRA WIETHAN QUINHONES

Leia mais

OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA

OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA Vanessa Mota Lins Eder Rodrigues Machado RESUMO: Introdução: Trata-se de um estudo que sintetizou o conhecimento produzido acerca

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA.

IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA. IDENTIFICAÇÃO DE PERCEPÇÃO E DOS ASPECTOS ESTRUTURAIS QUANTO AOS RESIDUOS SÓLIDOS NO BAIRRO ANGARI, JUAZEIRO-BA. Roberta Daniela da Silva Santos (1) Anne Kallyne dos Anjos Silva (2) Simone do Nascimento

Leia mais

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Raquel Lino de Menezes 8, Francielda Geremias da Costa Luz¹, Maycon Allison Horácio de

Leia mais

4 Normas e limites de exposição a campos eletromagnéticos

4 Normas e limites de exposição a campos eletromagnéticos 49 4 Normas e limites de a campos eletromagnéticos As normas de internacionais são elaboradas para proteger os vários segmentos da população contra todos os danos identificados causados pela energia de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS

DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS Coordenadoras: Karla da Costa Seabra (Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Educação) Susana Engelhard Nogueira (Instituto Federal

Leia mais

TÍTULO: A RELAÇÃO DE DOR OSTEOMUSCULAR E A QUALIDADE DE VIDA DOS MILITARES DO BATALHÃO DO CORPO DE BOMBEIROS.

TÍTULO: A RELAÇÃO DE DOR OSTEOMUSCULAR E A QUALIDADE DE VIDA DOS MILITARES DO BATALHÃO DO CORPO DE BOMBEIROS. TÍTULO: A RELAÇÃO DE DOR OSTEOMUSCULAR E A QUALIDADE DE VIDA DOS MILITARES DO BATALHÃO DO CORPO DE BOMBEIROS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais Guia técnico Métodos de marcação direta de peças Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais A prática da Marcação Direta de Peças (DPM) é utilizada em muitas indústrias

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: REALIDADE DOCENTE E A IMPORTANCIA DA EXPERIMENTAÇÃO PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM

ENSINO DE QUÍMICA: REALIDADE DOCENTE E A IMPORTANCIA DA EXPERIMENTAÇÃO PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM ENSINO DE QUÍMICA: REALIDADE DOCENTE E A IMPORTANCIA DA EXPERIMENTAÇÃO PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Ana Maria Gonçalves Duarte Mendonça 1 ; Darling de Lira Pereira 2 1 Universidade Federal de Campina

Leia mais

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor 3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor Neste capítulo, serão analisados os métodos de conversão de comprimento de onda, e como os sinais originais e

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI Kássia Hellem Tavares da Silva (*), Lorrane de Castro Miranda, Israel

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

Guia para usar o Toolkit

Guia para usar o Toolkit Guia para usar o Toolkit Parte do Toolkit, da Fundação PHG, para a Avaliação das Necessidades de Saúde em relação a Doenças Congênitas Versão: 1.1 setembro 2013 PHG Foundation is a charity registered in

Leia mais

3 Método 3.1. Entrevistas iniciais

3 Método 3.1. Entrevistas iniciais 3 Método 3.1. Entrevistas iniciais Os primeiros passos para elaboração do questionário foram entrevistas semiestruturadas feitas pelo telefone com o objetivo de descobrir o tempo máximo de lembrança das

Leia mais