Termo de Cooperação. MTur / UFSC. Conselho Nacional do Turismo 09 de junho de 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Termo de Cooperação. MTur / UFSC. Conselho Nacional do Turismo 09 de junho de 2014"

Transcrição

1 Termo de Cooperação MTur / UFSC Conselho Nacional do Turismo 09 de junho de 2014

2 Agenda INTRODUÇÃO ARCABOUÇOS E DIRETRIZES DINÂMICA DE SISTEMAS NO TURISMO ANÁLISE DO MARCO LEGAL CONSIDERAÇÕES FINAIS

3 Introdução Quem somos Demanda do Mtur Turismo e Coprodução Metodologia

4 Quem Somos Projeto multidisciplinar e multinstitucional UFPR Turismo EGC/UFSC Gestão do conhecimento Consultores Planejamento, Orla, Centros Históricos, Parques temáticos Instituto Stela Engenharia do Conhecimento E-Governança

5 Demanda do MTur Quais são os fatores críticos para que o PNT se torne efetivo?

6 Coprodução no Turismo

7 Metodologia CONCLUSÕES Análise de impactos (econômicos, sociais e legais) Validação no CNT PNT EM AÇÃO DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 4 Fases de entrevista por segmento Concepção dos documentos VALIDAÇÃO FINAL DOS DOCUMENTOS PESQUISA E ANÁLISE Documentos MTur Referências econômicas em Turismo ESCOLHA DOS SEGMENTOS

8

9 Arcabouços e diretrizes

10 Dinâmica de Sistemas no Turismo Ferramenta criada para o MTur Resultados das análises quanto aos impactos econômicos e sociais

11 Dinâmica de sistemas no Turismo Aplicação da Engenharia e da Gestão do conhecimento Ferramenta estratégica para o MTur na coprodução com o trade e turistas Embasamento contínuo para criar e justificar avanços nas políticas públicas Manejo do Parque B16 Infraestrutura, serviços e promoção Modelo de Gestão do Parque Investimento Público B3 R14 R2 R12 Impostos Diretos R11 B12 Investimentos Privados - B4 Desperdício Impostos Indiretos Articulação Público-Privada B9 B2 R4 R10 R13 Receitas B13 B7 B11 Efeito multiplicador indireto em outros setores R3 Número de Turistas Interesse no parque por parte das entidades público-privadas Condição econômica dos residentes locais - Custo de Vida - Oportunidades de emprego para os residentes locais R9 - Exploração ilegal da floresta B10 B8 Oportunidades de emprego Espaço requerido pelas atividades turísticas - Atividades de agricultura - R1 B6 Beleza Natural B14 Poluição - Migração Temporária B1 Atratividade do Parque - - Problemas Sociais Água subterrânea disponível - B15 B5 População Total Consumo de água

12 Parques Nacionais Turistas 2,000 1,500 Simulado People 1, Real Ano Turistas : cenario01 Turistas : Turistas (Real)

13 Parques Nacionais Empregos Gerados 11,000 10,250 9,500 8,750 Pessimista Otimista Otimista Real Real Pessimista 8, Ano "No. de Empregos" : cenario01 "No. de Empregos" : cenario02 "No. de Empregos" : cenario03

14 People Parques Temáticos 2,000 Turistas 1,750 Otimista 1,500 1,250 Real Real 1,000 Pessimista Pessimista Ano Turistas : cenario01 Turistas : cenario02 Turistas : cenario03

15 Parques Temáticos 6.5 PIB Turismo Real Otimista Real Pessimista Pessimista Ano "PIB Turismo/PIB Total" : cenario01 "PIB Turismo/PIB Total" : cenario02 "PIB Turismo/PIB Total" : cenario03

16 Orla Turistas 2,000 1,500 People 1, Real Pessimista Ano Turistas : cenario01 Turistas : cenario02 Turistas : cenario03

17 Orla 8 PIB Turismo Real Real Pessimista Otimista Pessimista Ano

18 People Cidades Históricas Turísticas 800 Turistas Otimista Otimista Real Real Pessimista Ano Turistas : cenario01 Turistas : cenario02 Turistas : cenario03

19 Cidades Históricas Turísticas 1 Indice Desenvolvimento Humano Otimista Otimista Real Real Pessimista Pessimista Ano IDH : cenario01 IDH : cenario02 IDH : cenario03

20 Avaliação de Impactos Econômicos e Sociais Prospecção de cenários Investimentos constantes Crescimento de visitações PIB Empregos IDH Quais são as relações e variáveis mais importantes no turismo? Como a dinâmica do turismo muda essas relações?

21 ANÁLISE DO MARCO LEGAL Como estão e o que deve ser feito com os instrumentos legais?

22 Como analisamos o marco legal? Diagnóstico do marco legal Modificação legal necessária O que é necessário fazer

23 Instrumentos Legais Instrumentos legais facilitadores Intervenção da presidência da república Instrumentos legais impedidores Morosidade do processo legislativo

24 Parques Nacionais Uma lei federal estabeleceria modelo de governança de unidades de conservação para uso turístico sustentável. Deve-se criar novo marco jurídico regulatório, com coprodução entre Municípios, Estados e União, e todos os atores do sistema de turismo.

25 Parques Temáticos Lei delegada que institua o Programa Nacional de Incentivo a Parques Temáticos e Atrativos Turísticos. Lei municipal ou estadual que reconheça as regiões de entorno do parque temático como fundamentais para exploração turística e geração de emprego e renda.

26 Orla Criação de Lei ordinária como marco regulatório que permita investimentos da iniciativa privada e/ou de parcerias público-privadas para exploração do turismo náutico. Inclusão no Artigo 5º da Lei a interface com marcos regulatórios do Projeto Orla, com a inclusão da atividade turística náutica nos instrumentos do Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro.

27 Cidades Históricas Turísticas Criação de Lei ordinária como marco regulatório que permita investimentos da iniciativa privada e/ou de parcerias público-privadas para exploração do turismo de edificações históricas. Criação de lei municipal ou estadual que reconheça incentivos fiscais e de linhas de crédito para revitalização de edificações de uso residencial e comercial. Inclusão de texto de Plano Diretor de Políticas Públicas para o fortalecimento do turismo em cada cidade histórica turística.

28 Considerações Finais

29 Coprodução Prezado Profº Alexandre Obrigado pela sua participação na última reunião do SINDEPAT com MTur. Tenho certeza de que reunimos lá, condições suficientes para traçar as bases de um grande desenvolvimento dos Parques Temáticos no Brasil, ajudando assim a melhorar ainda mais a atividade turística no nosso País. Grande abraço, Alain Baldacci 01/04/2014

30 TURISMO COMO PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO SÓCIOECONOMICO CENTRAL NA ESTRATÉGIA DO PAÍS Como MTUR/EMBRATUR/CNT CONTEMPORÂNEOS Promotores de plataforma de negócios no turismo Lideranças múltiplas e alinhadas com o mercado Coprodução de conhecimento de vanguarda Governo eletrônico aberto Que direção tomar? MUDANÇA NO AMBIENTE ATUAL DOS NEGÓCIOS DE TURISMO MODERNIZAÇÃO DOS MARCOS LEGAIS ACELERAÇÃO DOS INVESTIMENTOS NO TURISMO PÚBLICOS E PRIVADOS CRIAÇÃO DE UM SISTEMA NACIONAL DO TURISMO INTEGRAÇÃO COM CADEIAS E ATORES INTERNACIONAIS Premissas INOVAÇÃO CONTÍNUA COMPETITIVIDADE GLOBAL QUALIDADE TOTAL SUSTENTABILIDADE

31

Discriminação AÇÃO AÇÃO 67 68. Elaboração do Programa de Promoção de Eventos do Pólo Costa do Delta

Discriminação AÇÃO AÇÃO 67 68. Elaboração do Programa de Promoção de Eventos do Pólo Costa do Delta CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 840.000,00 2.500.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência? 1.2 Escala da ação é compatível com a escala do programa? 1.3 Existem

Leia mais

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 7 8 9 10 11 12. Estudo da Capacidade de Carga de Recursos Turisticos Naturais do Pólo

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 7 8 9 10 11 12. Estudo da Capacidade de Carga de Recursos Turisticos Naturais do Pólo CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 1.000.000,00 300.000,00 1.000.000,00 3.000.000,00 2.000.000,00 400.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência? 1.2 1.3 Escala da

Leia mais

PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS

PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS Unidade de Política Industrial Diretoria de Desenvolvimento Industrial BRASÍLIA, 28 DE OUTUBRO DE 2015 O Parque Industrial e sua modernização

Leia mais

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África O documento de apoio da Declaração de Gaborone para a sustentabilidade na África é um paradigma transformador na busca pelo

Leia mais

Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016

Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016 ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação Sanitária no Contexto da Política Tecnológica e de Inovação Agenda Regulatória Ciclo Quadrienal 2013-2016 Eixo 1: Complexo Produtivo e de Ciência,

Leia mais

2ª Convenção de Planejamento Estratégico 26/05/15

2ª Convenção de Planejamento Estratégico 26/05/15 2ª Convenção de Planejamento Estratégico 26/05/15 Participantes MISSÃO E VISÃO CIEAM MISSÃO E VISÃO MISSÃO: Fortalecer, integrar e promover o desenvolvimento da Indústria do Estado do Amazonas, contribuindo

Leia mais

RADAR DE MERCADOS NA LATAM

RADAR DE MERCADOS NA LATAM RADAR DE MERCADOS NA LATAM Mapeamento setorial Brasil, Bolívia, Colômbia e Peru. Oportunidades para o BioComércio Ético Por Cristiane de Moraes -Agosto 2014- OBJETIVO: O ESTUDO Identificar oportunidades

Leia mais

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Institui a Política Municipal de Estímulo à Inovação e ao Desenvolvimento de Startups na Cidade

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL:

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: III ENCONTRO LATINO AMERICANO E CARIBENHO SOBRE MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: Participação dos Estados Eugênio Cunha São Paulo 14 de março de 2008 SUMÁRIO PARTE I NÍVEL INSTITUCIONAL

Leia mais

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011 A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

ANEXO B Hierarquização dos projetos através da metodologia Delphi

ANEXO B Hierarquização dos projetos através da metodologia Delphi ANEXO B Hierarquização dos projetos através da metodologia Delphi Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO s CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 500.000,00 1.000.000,00 2.850.000,00 170.000,00 30.000,00 1.120.000,00

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

Subsecretaria de Economia Verde. Subsecretaria de Economia

Subsecretaria de Economia Verde. Subsecretaria de Economia Subsecretaria de Economia Verde Atual Conjuntura O Estado do Rio de Janeiro apresenta forte crescimento econômico, porém agora é o momento de posicioná-lo como uma liderança dentro uma inoxorável tendência:

Leia mais

P R O D E T U R C O N S U L T O R I A D E P R O J E T O S

P R O D E T U R C O N S U L T O R I A D E P R O J E T O S P R O D E T U R Agenda Apresentação Programas do BID PRODETUR Financiamento Projetos Casos de Sucesso Encerramento A P R E S E N T A Ç Ã O Consultoria de Projetos nasceu com o objetivo de ajudar as Prefeituras

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

CENÁRIO DO DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NO MUNDO E NA AMÉRICA LATINA. Alan Bojanic Ph.D. Representante FAO Brasil

CENÁRIO DO DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NO MUNDO E NA AMÉRICA LATINA. Alan Bojanic Ph.D. Representante FAO Brasil CENÁRIO DO DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NO MUNDO E NA AMÉRICA LATINA Alan Bojanic Ph.D. Representante FAO Brasil Rio de janeiro, março de 2016 GARANTIR UMA PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL Mudar paradigma Preservar o

Leia mais

Programa Ortópolis Os cidadãos como agentes de mudança. Salvador, BA Juliana Andrigueto Dezembro 2006

Programa Ortópolis Os cidadãos como agentes de mudança. Salvador, BA Juliana Andrigueto Dezembro 2006 Programa Ortópolis Os cidadãos como agentes de mudança Salvador, BA Juliana Andrigueto Dezembro 2006 Holcim Brasil Holcim: grupo de origem suíço, líder mundial na produção de cimento Desde 1951 no Brasil

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 013/2015 Contratação na Área de Projetos Especiais Responsável: Leonardo Geluda Setor: Área de Projetos Especiais Rio de Janeiro, 2 de junho de 2015 1. Identificação Recrutamento

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa

Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa Considerando que, Os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento; Que para a execução das referidas

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 79 80 81 82 83 84. Restauração, Intervenção da Praça General Tibúrcio - Fortaleza Histórica

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 79 80 81 82 83 84. Restauração, Intervenção da Praça General Tibúrcio - Fortaleza Histórica CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 200.000,00 45.000,00 194.960,00 400.000,00 80.000,00 550.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência? 1.2 Escala da ação é compatível

Leia mais

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 37 38 39 40 41 42

Discriminação AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO AÇÃO 37 38 39 40 41 42 085/230 - Terezinha - CUSTO PREVISTO DA AÇÃO (R$) - 500.000,00 120.000,00 5.200.000,00 693.000,00 2.790.000,00 8.000.000,00 1. CONDIÇÕES DE ACEITAÇÃO 1.1 Atende aos componentes dos Termos de Referência?

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

MUNICÍPIO DE PALMELA A PLATAFORMA LOGÍSTICA DO POCEIRÃO

MUNICÍPIO DE PALMELA A PLATAFORMA LOGÍSTICA DO POCEIRÃO A EUROACE E A LIGAÇÃO FERROVIÁRIA DE MERCADORIAS SINES CAIA MADRID PARIS MUNICÍPIO DE PALMELA A ATAFORMA LOGÍSTICA DO POCEIRÃO INTERMODALIDADE E A LOGÍSTICA NO CORREDOR SINES/SETÚBAL/LISBOA; CAIA; MADRID

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (do Sr. Juscelino Rezende Filho) Institui a Política Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor Farmacêutico. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A Política

Leia mais

COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS?

COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS? UM OLHAR DA INVENTTA: COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS? Rafael Augusto, Marina Loures e Vitor Bohnenberger 1. INTRODUÇÃO As empresas sempre nos perguntam Como obter recursos para desenvolver projetos

Leia mais

Economia Criativa conceito

Economia Criativa conceito Economia Criativa conceito A Economia Criativa é um conceito ainda em desenvolvimento, que compreende a gestão da criatividade para gerar riquezas culturais, sociais e econômicas. Abrange os ciclos de

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Painel: A CADEIA PRODUTIVA - desenvolvimento da indústria do petróleo e gás no Brasil e o desenvolvimento da indústria de equipamentos e ferramentas

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço

Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço ou Product-Service System (PSS) ÁUREA RAPÔSO Doutoranda em Engenharia Industrial (PEI/UFBA) Professora e Pesquisadora do IFAL Campus Maceió Bolsista CAPES

Leia mais

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ 2 Exportação - US$ FOB 16% 84% Exportação - Toneladas 2% Marítimo 98% Outros PIB (US$ Bilhões) 4,59X Corrente de comércio

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Tecnologia da Informação 1ª. Série Estratégia em Tecnologia da Informação A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de

Leia mais

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado A oferta da Promon Intelligens considera o desenvolvimento de

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos FIESP 07/06/11 Alexandre Comin - MDIC PNRS Instituída pela Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, e regulamentada pelo Decreto nº 7404, de 23 de Dezembro

Leia mais

SEU RESULTADO NA GESTÃO DE PESSOAS

SEU RESULTADO NA GESTÃO DE PESSOAS SEU RESULTADO NA GESTÃO DE PESSOAS A EMPRESA Há 8 anos no mercado, a Adhara RH provê a seus clientes, serviços e produtos para gestão do capital humano, levando-o a ter um forte diferencial competitivo

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

PROJETO DE REGULAÇÃO DO SETOR DE ÁGUA E SANEAMENTO NO BRASIL WORKSHOP I. Rio de Janeiro, 5 de outubro de 2015

PROJETO DE REGULAÇÃO DO SETOR DE ÁGUA E SANEAMENTO NO BRASIL WORKSHOP I. Rio de Janeiro, 5 de outubro de 2015 PROJETO DE REGULAÇÃO DO SETOR DE ÁGUA E SANEAMENTO NO BRASIL WORKSHOP I Rio de Janeiro, 5 de outubro de 2015 ANTECEDENTES 27º CONGRESSO ABES GOIÂNIA 2013 Painéis e debates sobre aspectos da regulação DIAGNÓSTICO

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESPÍRITO SANTO 2010/2014

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESPÍRITO SANTO 2010/2014 PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESPÍRITO SANTO 2010/2014 RESUMO 1. APRESENTAÇÃO Com a missão de promover ações para o fortalecimento do segmento da construção civil no Espírito Santo,

Leia mais

CTNDT - CÂMARA TEMÁTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO

CTNDT - CÂMARA TEMÁTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO CTNDT - CÂMARA TEMÁTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO PAUTA HISTÓRICO CTNDT / METODOLOGIA DE TRABALHO CTNDT / PROPOSTA DE TEMAS PARA DEBATE/EIXO TEMÁTICO HISTÓRICO BRASIL

Leia mais

FORTALECIMENTO DO CONTROLE INTERNO

FORTALECIMENTO DO CONTROLE INTERNO FORTALECIMENTO DO CONTROLE INTERNO O Brasil vive momento determinante do seu futuro, em que a sociedade exige novos paradigmas nas relações comerciais entre o poder público e atores privados. Esse cenário

Leia mais

Rio+20: Uma oportunidade para acelerar a transição para a economia verde e tirar milhões de pessoas da pobreza

Rio+20: Uma oportunidade para acelerar a transição para a economia verde e tirar milhões de pessoas da pobreza Comunicado de imprensa Rio+20: Uma oportunidade para acelerar a transição para a economia verde e tirar milhões de pessoas da pobreza O novo relatório apresenta políticas-chave e constrói os alicerces

Leia mais

PAPEL DO GOVERNO E DAS ASSOCIAÇÕES DE ROTULAGEM AMBIENTAL. OFICINA REGIONAL DE ROTULAGEM AMBIENTAL Rio de Janeiro RJ 19/08/2010 e 20/08/2010

PAPEL DO GOVERNO E DAS ASSOCIAÇÕES DE ROTULAGEM AMBIENTAL. OFICINA REGIONAL DE ROTULAGEM AMBIENTAL Rio de Janeiro RJ 19/08/2010 e 20/08/2010 PAPEL DO GOVERNO E DAS ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES NA PROMOÇÃO DA ROTULAGEM AMBIENTAL OFICINA REGIONAL DE ROTULAGEM AMBIENTAL Rio de Janeiro RJ 19/08/2010 e 20/08/2010 Introdução A humanidade experimenta

Leia mais

APCMC ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS COMERCIANTES DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

APCMC ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS COMERCIANTES DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO APCMC ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS COMERCIANTES DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 16º CONGRESSO NACIONAL A Reabilitação Urbana e a Construção das Cidades Inteligentes do Futuro OS DESAFIOS DAS CIDADES NA GLOBALIZAÇÃO:

Leia mais

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras dezembro 2012 Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras 5 I. O público-alvo

Leia mais

Carta dos Governadores da Amazônia

Carta dos Governadores da Amazônia Carta dos Governadores da Amazônia Os Governadores dos Estados da Amazônia Legal abaixo subscritos, reunidos durante o Fórum dos Governadores, realizado no dia 01 de junho de 2012, na cidade de Manaus

Leia mais

Floresta pode ajudar a tirar o Brasil da crise financeira

Floresta pode ajudar a tirar o Brasil da crise financeira São Paulo, domingo, 24 de maio de 2009 Floresta pode ajudar a tirar o Brasil da crise financeira País pode ser "melhor que a Suécia" se investir em uso sustentável, diz diretor do Bird CLAUDIO ANGELO EDITOR

Leia mais

INTREGRAPE PROJETO APE

INTREGRAPE PROJETO APE INTREGRAPE PROJETO APE Ações Preventivas na Escola Atua no fortalecimento e desenvolvimento do Eixo-Saúde no Programa Escola da Família, sistematizando ações de organização social, que qualifique multiplicadores

Leia mais

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais L.F.Perondi Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Tatiana Marchetti Panza 1 & Davis Gruber Sansolo 2

Tatiana Marchetti Panza 1 & Davis Gruber Sansolo 2 TURISMO EM ÁREAS NATURAIS PROTEGIDAS E A NECESSIDADE DE DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS INCLUSIVAS - ESTUDO DE CASO DO NÚCLEO PICINGUABA DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR-UBATUBA Tatiana Marchetti

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

DIRETRIZES PARA A CONSTRUÇÃO DE UM MARCO REGULATÓRIO DO VÍDEO SOB DEMANDA Minuta de resolução do Conselho Superior de Cinema Dezembro de 2015

DIRETRIZES PARA A CONSTRUÇÃO DE UM MARCO REGULATÓRIO DO VÍDEO SOB DEMANDA Minuta de resolução do Conselho Superior de Cinema Dezembro de 2015 DIRETRIZES PARA A CONSTRUÇÃO DE UM MARCO REGULATÓRIO DO VÍDEO SOB DEMANDA Minuta de resolução do Conselho Superior de Cinema Dezembro de 2015 (1) No último semestre, o Conselho Superior do Cinema realizou

Leia mais

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a Objetivo Planejamento do CBN 2008 Propor a Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas Antecedentes Normas nacionais devem ser: necessárias e demandadas utilizadas acordadas o mais

Leia mais

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo 2013 ESTRUTURA DO PLANO DE AÇÃO CULTURAL Diagnóstico cultural; Desafios e oportunidades;

Leia mais

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Fundação Getulio Vargas, Abril de 2011 REGIÃO PODE TER LEGADO COMPATÍVEL COM DESENVOLVIMENTO INOVADOR E SUSTENTÁVEL Deixar um legado

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano UMA BARRA MANSA: DUAS CIDADES A CIDADE FORMAL: Regularizada, com infraestrutura completa, usufruindo do melhor que a comunidade pode ter em comércio, serviços, cultura e lazer. É a parte da cidade que

Leia mais

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro Conselho de Tecnologia ABIMAQ GT Da Porta pra Dentro 10/08/2015 Premissas para uma POLÍTICA INDUSTRIAL Permitir o crescimento contínuo e sustentado do investimento produtivo do país. Política macroeconômica

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica na Costa Norte

Avaliação Ambiental Estratégica na Costa Norte Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Bras ília, Ago/2006 Avaliação Ambiental Estratégica na Costa Norte Prof. Emílio Lèbre La Rovere Estudo de AAE - PCN I. Cooperação COPPE/LIMA

Leia mais

Preparação do país para a Copa do Mundo 2014 e a herança para

Preparação do país para a Copa do Mundo 2014 e a herança para Code-P0 Preparação do país para a Copa do Mundo 2014 e a herança para a engenharia brasileira O Mundial e o Desenvolvimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Manaus, 30 de março de 2012 Code-P1

Leia mais

Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores ANPROTEC

Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores ANPROTEC Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores Atua no segmento do empreendedorismo inovador, por meio do apoio a entidades promotoras de inovação e pela capacitação de empreendedores

Leia mais

FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO CÁCERES E REGIÃO POTENCIAIS TURÍSTICOS DA REGIÃO

FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO CÁCERES E REGIÃO POTENCIAIS TURÍSTICOS DA REGIÃO FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO CÁCERES E REGIÃO POTENCIAIS TURÍSTICOS DA REGIÃO Rosangela Cabral Rosa Lazarin Coord. Comitê Gestor Destino Indutor & Presidente do COMTUR Cáceres MT Servidora da Unemat VIDEO

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA Seminário Internacional sobre Cidades Inteligentes, Cidades do Futuro Comissão de Desenvolvimento Urbano CDU Câmara dos Deputados A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília 06

Leia mais

Políticas de Turismo

Políticas de Turismo Políticas de Turismo Política O termo política é comumente usado para indicar a atividade ou conjunto de atividades, que, de alguma maneira, têm como termo de referência a polis, ou seja, o Estado. (Dias,2003)

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL DA PRAIA DA VITÓRIA

PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL DA PRAIA DA VITÓRIA PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL DA PRAIA DA VITÓRIA Dinamização Integrada do Porto e Baía da Praia da Vitória Conferência de Imprensa 1 Um pouco de história Desde sempre, após o anúncio da redução

Leia mais

INDUTOR TURÍSTICO: O CASO DE PONTA GROSSA, PARANÁ

INDUTOR TURÍSTICO: O CASO DE PONTA GROSSA, PARANÁ INDUTOR TURÍSTICO: O CASO DE PONTA GROSSA, PARANÁ Agata Marcomini Caires Valéria Albach RESUMO: Ponta Grossa é uma cidade que contém diversos atrativos turísticos, entre eles é possível citar atrativos

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.548, DE 2015 Dispõe sobre a criação, gestão e manejo de Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN, e dá

Leia mais

Solicitação para Chamada de Propostas

Solicitação para Chamada de Propostas Solicitação para Chamada de Propostas Melhores Capacidades e Avaliações dos Estoques de Carbono Segunda Parcela Histórico Dezembro 2014 O Fundo GCF: O Fundo dos Governadores para o Clima e Florestas (Fundo

Leia mais

LEI Nº 13.792, de 18 de julho de 2006. (PDIL) Procedência: Governamental Natureza: PL 141/06 DO: 17.928 de 20/07/06 Fonte - ALESC/Coord.

LEI Nº 13.792, de 18 de julho de 2006. (PDIL) Procedência: Governamental Natureza: PL 141/06 DO: 17.928 de 20/07/06 Fonte - ALESC/Coord. LEI Nº 13.792, de 18 de julho de 2006. (PDIL) Documentação Procedência: Governamental Natureza: PL 141/06 DO: 17.928 de 20/07/06 Fonte - ALESC/Coord. Estabelece políticas, diretrizes e programas para a

Leia mais

Secretaria. de Futebol de 2014

Secretaria. de Futebol de 2014 Secretaria Especial de Articulação para a Copa do Mundo de Futebol de 2014 SECOPA Assistir direta e indiretamente ao Prefeito na condução aos assuntos referentes a Copa do Mundo; Parcerias com a sociedade

Leia mais

Julio Calassara Gestor de Acreditação

Julio Calassara Gestor de Acreditação Acreditação de Organismos de Certificação de Sistemas de Gestão da Segurança em Turismo de Aventura e de Sistemas de Gestão da Sustentabilidade dos Meios de Hospedagem Julio Calassara Gestor de Acreditação

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2042 - Inovações para a Agropecuária Número de Ações 15 Tipo: Projeto 116Z - Apoio à Ampliação, à Revitalização e à Modernização da Infraestrutura Física das Organizações Estaduais de Pesquisas

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Short Lines", um caminho para expansão do serviço ferroviário em sistemas operados no modelo de concessão vertical INFRAESTRUTURA FERROVIAS

Short Lines, um caminho para expansão do serviço ferroviário em sistemas operados no modelo de concessão vertical INFRAESTRUTURA FERROVIAS Short Lines", um caminho para expansão do serviço ferroviário em sistemas operados no modelo de concessão vertical INFRAESTRUTURA FERROVIAS Short Lines", um caminho para expansão do serviço ferroviário

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

que causem ameaças aos seres vivos e ao meio ambiente desde 2001. Compromisso do Brasil de perigosas desde 1998.

que causem ameaças aos seres vivos e ao meio ambiente desde 2001. Compromisso do Brasil de perigosas desde 1998. FUNDO AMBIENTAL PARA ÁREAS CONTAMINADAS Aspectos Legais I CONGRESSO INTERNACIONAL DE MEIO AMBIENTE SUBTERRÂNEO 15 A 18 DE SETEMBRO DE 2009 SÃOPAULO / SP ADRIANA T. V. FIXEL CONTEXTO LEGAL INTERNACIONAL

Leia mais

Build to Last Negócios Familiares que Atravessam Gerações Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Build to Last Negócios Familiares que Atravessam Gerações Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam com o Desenvolvimento Territorial

EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam com o Desenvolvimento Territorial FUNDO MULTILATERAL DE INVESTIMENTOS PROGRAMA REGIONAL DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL COM INCLUSÃO SOCIAL- ConectaDEL EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Visão Atual e 2021 3º CB APL 29 de novembro de 2007. Brasília - DF 1 CONTEXTO Fórum de Competitividade de Biotecnologia: Política de Desenvolvimento da

Leia mais

Representa o Brasil na rede do World Business Council for Sustainable Development.

Representa o Brasil na rede do World Business Council for Sustainable Development. Associação civil, sem fins lucrativos que lidera os esforços do setor empresarial para a implementação do desenvolvimento sustentável no Brasil, com efetiva articulação junto aos governos, empresas e sociedade

Leia mais

Projeto: Qualificação e Integração de Fornecedores da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás no âmbito do MERCOSUL PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Projeto: Qualificação e Integração de Fornecedores da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás no âmbito do MERCOSUL PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS Projeto: Qualificação e Integração de Fornecedores da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás no âmbito do MERCOSUL PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS 1. PANORAMA DO PROJETO O Projeto Qualificação e Integração

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

MANUAL DO INCUBADO PPV. Programa Pronto para Viver

MANUAL DO INCUBADO PPV. Programa Pronto para Viver MANUAL DO INCUBADO PPV Programa Pronto para Viver SUMÁRIO 1. CONTEXTUAIS... 2 2. EQUIPE TÉCNICA DA AGENDE... 2 3. PLANEJAMENTO ESTRETÉGICO... 3 3.1 Planejamento Estratégico - Gestão... 3 3.2 Planejamento

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 004/2016 Contratação na Área de Projetos Especiais Responsável: Leonardo Geluda Setor: Área de Projetos Especiais Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2016 1. Identificação Recrutamento

Leia mais

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs)

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Organização: Unidade de Parcerias Público-Privadas - Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP) Vitória, 26.11.2010 Objetivos do Curso Apresentar

Leia mais

CONCLUSÕES. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes:

CONCLUSÕES. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes: CONCLUSÕES 1. Súmula individualizada. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes: Tema: CONHECIMENTO E INOVAÇÃO (6) I. É da maior relevância estimular

Leia mais

Respostas Dinâmica CRI Minas 10/05/12. Monitoramento de concorrentes/ fornecedor/ cliente/ internizar tecnologia de outros setores;

Respostas Dinâmica CRI Minas 10/05/12. Monitoramento de concorrentes/ fornecedor/ cliente/ internizar tecnologia de outros setores; Respostas Dinâmica CRI Minas 10/05/12 Abaixo estão as respostas das perguntas postas aos participantes do CRI Minas no dia 10 de maio que tratou do tema Inteligência Tecnológica. Cada mesa possuía uma

Leia mais

Arranjos Produtivos Locais Acesso a Serviços Financeiros

Arranjos Produtivos Locais Acesso a Serviços Financeiros Arranjos Produtivos Locais Acesso a Serviços Financeiros 1 Nordeste do Brasil Crescimento de 3% na última década 23 milhões de consumidores PIB da ordem de R$ 144 bilhões 3.3km de litoral Sol o ano inteiro

Leia mais

Plano de Trabalho ADEMI e a Sustentabilidade 2012-2014

Plano de Trabalho ADEMI e a Sustentabilidade 2012-2014 Plano de Trabalho ADEMI e a Sustentabilidade 2012-2014 Objetivos e Premissas do Plano Objetivos do Plano 1 Aperfeiçoar a condução das ações relativas ao tema sustentabilidade na ADEMI 2 - Guiar (instrumento

Leia mais