Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02"

Transcrição

1 Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia Manual de Estágios Currículo Belo Horizonte Dezembro de 2009

2 1 FICHA TÉCNICA CORPO ADMINISTRATIVO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Presidente do Grupo Splice Antônio Roberto Beldi Reitor Luis Carlos Souza Vieira Pró-Reitor Acadêmico Sudário Papa Filho Pró-Reitor de Planejamento e Gestão Eduardo Eterovick Secretário Geral Carlos Wolney Mota dos Santos Coordenadora do Curso de Psicologia Júnia Maria Campos Lara Coordenadora da Clínica de Psicologia Merie Bitar Moukachar Coordenação do Centro de Excelência para o Ensino Fernanda Amaral Ferreira

3 2 1. APRESENTAÇÃO CONCEPÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR... 5 Núcleo Psicoterapêutico... 6 Núcleo de Políticas de Saúde... 7 Núcleo de Gestão OBJETIVOS GERAIS DESCRIÇÃO DOS ESTÁGIOS Organização dos Estágios Atividades dos Estágios Distribuição da Carga Horária e Pré-requisitos dos Estágios Trabalhos de Conclusão dos Estágios Campos dos Estágios CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 15

4 3 1 APRESENTAÇÃO Apresentamos o Manual Informativo dos Estágios Supervisionados do Curso de Psicologia, que contém informações sobre o processo de desenvolvimento dos estágios. Leia-o com atenção e oriente-se. O Estágio Supervisionado é parte integrante do processo de Reforma Curricular implantado no segundo semestre de Vem sustentado por um trabalho de discussão das Diretrizes Curriculares Nacionais, e do Conselho Federal de Psicologia, em nível nacional, sensível a necessidade de mudança de perfil do psicólogo colocada pela realidade atual. Tal perfil deve-se caracterizar cada vez mais pela exigência de uma formação básica e pluralista, fundamentada em um discurso epistemológico, teórico e ético rigoroso e inserção na realidade sociocultural imediata. Atualmente a sociedade brasileira demanda à Psicologia, profissionais para atuação em equipes multidisciplinares e com maior poder decisório. O atendimento às classes menos favorecidas e o deslocamento do atendimento particular para o atendimento institucionalizado, tornaram-se uma exigência. O Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia visa contemplar uma prática profissionalizante de qualidade, vinculada a uma postura crítica perante os conhecimentos teóricos, assim como uma postura ética diante do trabalho. Entende-se aqui Estágio como uma atividade profissional desenvolvida em situação real sob supervisão de profissional qualificado, diferenciando-se da

5 4 Prática que é uma atividade através da qual se obtém comprovação da teoria esgotando aí sua finalidade. Em síntese, os trabalhos desenvolvidos nos estágios oferecidos pelo curso em campos externos e na Clínica de Psicologia buscam cumprir os objetivos básicos e essenciais para a formação de nosso aluno, a saber: Pautar suas atividades no respeito à Ética, considerando as necessidades sociais, os direitos humanos, a cidadania, tendo em vista a prevenção e a promoção da qualidade de vida dos indivíduos, grupos, organizações e comunidade; Atender as necessidades relativas aos estágios supervisionados e práticas do curso de Psicologia; Promover uma comunicação científica efetiva entre alunos, professores e a comunidade; COORDENAÇÃO DO CURSO DE PSICOLOGIA E COORDENAÇÃO DA CLÍNICA DE PSICOLOGIA NEWTON PAIVA

6 5 2 CONCEPÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR Os estágios curriculares, preconizados pela Resolução nº8, de 07/05/2004, consistem em práticas inseridas em um conjunto de atividades que compõem uma prática profissional. Segundo dados da Associação Brasileira de Ensino de Psicologia (ABEP), o que define o estágio como componente curricular é a possibilidade de um atendimento mais individualizado que permita o acompanhamento das atividades e orientação constante. 1 Os estágios no curso de Psicologia têm um papel significativo na formação acadêmica de nossos alunos, por meio de uma produção cientifica e de um envolvimento do corpo docente que acompanham as transformações dos saberes e fazeres clínicos. Tais transformações cotejam a multiplicidade de acontecimentos na dimensão social, vividas pelo homem contemporâneo. As diversas manifestações de sofrimento, comportamentos e desfigurações de sua essência exigem uma ampliação no propósito de partir de uma clínica para as várias clínicas. Para isso, se dão as ênfases curriculares do curso de Psicologia que encontram-se sintetizadas nos Núcleos Psicoterapêutico, Políticas de Saúde e de Gestão que se articulam aos laboratórios, na Clínica-escola do curso de Psicologia. O atendimento oferecido nesta Clínica Ampliada abre as mais diversas possibilidades, não apenas com objetivos terapêuticos, mas também com objetivos psicossociais, potencializando seu efeito e seu alcance, sem prejuízo de sua qualidade, especificidades teórica e ética. Sustentado por um trabalho de discussão e crítica do Conselho Federal de Psicologia, em nível nacional, sensível a necessidade de mudança de perfil do psicólogo imposta pela realidade atual, o estágio supervisionado visa assegurar o contato do educando com situações, contextos e instituições. Nestas situações, o estágio permite que conhecimentos, habilidades e atitudes dos alunos se concretizem em ações caracterizadas cada vez mais pela exigência de uma 1

7 6 formação básica e pluralista, fundamentada em um discurso epistemológico, teórico e ético rigoroso e inserção na realidade sociocultural imediata. Os estágios no Curso de Psicologia, de acordo com o que é preconizado pelas Diretrizes Curriculares Nacionais estão organizados em dois níveis - básico e específico - cada um com sua carga horária própria e se desenvolvem ao longo do processo formativo. O estágio supervisionado básico inclui o desenvolvimento de práticas integrativas das competências e habilidades previstas no núcleo comum. Já o estágio supervisionado específico inclui o desenvolvimento de práticas integrativas das competências, habilidades e conhecimentos, que definem as duas ênfases propostas pelo projeto de curso, sintetizadas nos Núcleos Psicoterapêutico, Núcleo de Políticas de Saúde e Núcleo de Gestão que se articulam aos laboratórios e à Clínica-escola. Os três núcleos acima referidos têm em comum a função de organizar e realizar eventos e pesquisas científicas; fomentar, captar e acompanhar campos de estágios para o curso, entre outras funções mais específicas. Núcleo Psicoterapêutico Realiza a gestão dos atendimentos clínicos específicos vinculados a este Núcleo da Clinica de Psicologia, e também a gestão de todos os estágios curriculares e extracurriculares que tenham ênfase no atendimento clínico individual e em grupo, de crianças, adolescentes, adultos e idosos, prestando serviços clínicos à comunidade externa e interna a Newton Paiva. Propõe a criação de novas modalidades de estágios que possam incrementar o número de atendimentos, na Clínica de Psicologia.

8 7 Núcleo de Políticas de Saúde Realiza a gestão e manutenção dos atendimentos clínicos vinculados a este Núcleo e, além disso, tem como foco central a sustentação de campos de estágios externos à Clínica de Psicologia que tenham ênfase em Políticas de Saúde, em suas perspectivas de prevenção e tratamento. Núcleo de Gestão Realiza a gestão e manutenção dos atendimentos específicos da Clínica de Psicologia vinculados a este Núcleo, e promove a gestão do conhecimento internúcleos da Clínica bem como a gestão de pessoas em empresas e escolas. 3 OBJETIVOS GERAIS Possibilitar ao aluno exercer, sob supervisão, um atendimento prático em situação real que contemple as demandas atuais. Desenvolver a profissionalização ao longo de todo o curso. Iniciar a profissionalização dentro de uma formação pluralista, de acordo com escolha ética do aluno. Resgatar e enfatizar a especialidade da Psicologia no campo da ciência. Capacitar o aluno a desenvolver uma atitude crítica e ética frente as práticas profissionalizantes. Instigar, integrar, ampliar e articular teoria e prática. Integrar ensino, pesquisa e extensão nas atividades profissionalizantes. 3.1 Objetivos Específicos para Estágios do Nível Básico O estágio básico procura desenvolver uma prática em momentos mais precoces no curso, sinalizando a importância da articulação entre prática e teoria, ao

9 8 longo do curso. Neste sentido, tem-se como proposta promover a inserção do aluno em situações, contextos, instituições e práticas profissionais diversas, bem como propiciar o desenvolvimento de atividades básicas diversas tais como observação, coleta de dados, entrevistas, avaliação, intervenções elementares e intermediárias em grupos ou individuais e elaboração de relatórios técnicocientíficos. 3.2 Objetivos específicos para Estágios do Nível Específico Os estágios específicos possuem uma dinâmica que os conecta aos estágios básicos. As atividades e os processos desenvolvidos pelos alunos nos estágios básicos são aprofundados e inseridos em diferentes contextos nos estágios específicos. Estes são realizados de acordo com as ênfases definidas em nosso curso - Políticas de Saúde e Clínica e Políticas de Gestão - sintetizadas nos Núcleos Psicoterapêutico, Políticas de Saúde e de Gestão que se articulam aos laboratórios da Clínica-escola do Curso de Psicologia. Os estágios específicos são desenvolvidos pelos alunos em duas modalidades de estágios diferentes, no entanto, devem ser cursados em uma mesma Ênfase Curricular.

10 9 4 DESCRIÇÃO DOS ESTÁGIOS 4.1 Organização dos Estágios ESTÁGIO BÁSICO - Observação ESTÁGIO I - Entrevistas e Questionários NÍVEL BÁSICO ESTÁGIOS II, III e IV - Investigação - Diagnóstico - Intervenção breve ESTÁGIO V - Intervenção de nível intermediário, localizadas em contexto restrito, apoiada no uso de recursos técnico-metodológicos diversos NÍVEL ESPECÍFICO ESTÁGIOS VI e VII - Intervenção de nível complexo, de curto, médio e longo prazo incluindo contextos multidisciplinares e planejamento de estratégias

11 BASICO Perío Estágios Duração Núcleos / Ênfase Campos Vagas X CH total 10 do 3º Estágio Básico 6 meses 54 horas/semestrais Políticas de Saúde Clínica de Psicologia e campos externos 20 alunos por turma (02 h/a) Gestão LAGEP e campos externos Psicoterapêutico Clínica de Psicologia e 06 horas (no mínimo) campos externos 4º Estágio I 6 meses 72 horas/semestrais Políticas de Saúde Clínica de Psicologia e campos externos 20 alunos por turma (02 horas/aula) Gestão LAGEP e campos externos Psicoterapêutico Clínica de Psicologia e campos externos 5º Estágio II (2009-2) 6 meses 72 horas/semestrais Políticas de Saúde Clínica de Psicologia e campos externos 12 alunos por turma (02 horas/aula) 6ª Estágio III ( ) 6 meses 72 horas/semestrais Gestão LAGEP e campos externos 12 alunos por turma (02 horas/aula) 7º Estágio IV 6 meses 72 horas/semestrais Psicoterapêutico Clínica de Psicologia e campos externos 12 alunos por turma (02 horas/aula) ESPECIFICO 8º Estágio V (escolha do aluno) 9º Estágio VI (escolha do aluno) 10º Estágio VII (escolha do aluno) 6 meses 72 horas/semestrais 6 meses 144 horas/semestrais 6 meses 144 horas/semestrais 18 horas para todos os Núcleos (no mínimo) Políticas de Saúde 10 alunos por turma Gestão 10 alunos por turma Psicoterapêutico 10 alunos por turma 18 horas para cada Ênfase Ênfase em Políticas de 08 alunos por turma Gestão Ênfase em Políticas de 08 alunos por turma Saúde e Clínica 18 horas para cada Ênfase Ênfase em Políticas 08 alunos por turma Gestão Ênfase em Pol. de Saúde 08 alunos por turma e Clínica

12 4.2 Atividades dos Estágios Estágio Atividades Objetivo 11 Básico Teoria, técnica e prática de coleta de dados por meio de práticas de observação e comunicação científica junto a instituições e ou serviços de Psicologia. Promover a inserção do aluno em situações, contextos, instituições e práticas profissionais diversas, bem como propiciar o desenvolvimento de atividades de observação e elaboração de relatório técnicocientífico. I Teoria, técnica e prática de coleta de dados por meio de práticas de entrevistas e questionários e comunicação científica junto a instituições e ou serviços de Psicologia. II, III e IV O exercício profissional: atividades básicas e contextualização com relação a clientela a aos fundamentos epistemológicos e éticos. V Aprendizagem profissionalizante teoricamente fundamentada, desenvolvendo métodos e técnicas de práticas psicológicas; desempenho de atividades intermediárias na contextualização com relação a clientela e aos fundamentos epistemológicos e éticos. VI e VII Aprendizagem profissionalizante teoricamente fundamentada, desenvolvendo métodos e técnicas de práticas psicológicas em estágios vinculados as ênfases do curso a escolha do aluno; desempenho de atividades profissionalizantes e complexas, na contextualização com relação a clientela e aos fundamentos epistemológicos e éticos; Os estágios ocorrem em campos de atuação para formação nas duas ênfases: Ênfase de Políticas de Saúde e Clínica ou Ênfase de Políticas de Gestão Introduzir os princípios básicos que fundamentam cientificamente entrevista e questionário, visando a compreensão dos seus objetivos, estruturação, condução, análise e comunicação de resultados. Proporcionar ao aluno oportunidade de construção e utilização de instrumentos de dados nos diversos contextos onde a Psicologia está presente, bem como da comunicação dos resultados obtidos. Desenvolver a atitude crítica e a habilidade reflexiva nas práticas profissionalizantes e no desenvolvimento pessoal. Desenvolver a atitude crítica e a habilidade reflexiva nas práticas profissionalizantes e no desenvolvimento pessoal. Aprofundar a aprendizagem profissionalizante teoricamente fundamentada, desenvolvendo métodos e técnicas de práticas psicológicas em estágios vinculados as ênfases do curso, a escolha do aluno; desempenhar atividades profissionalizantes e complexas; ser capaz de contextualizar com relação a clientela e aos fundamentos epistemológicos e éticos; desenvolver atitude crítica e habilidade reflexiva nas práticas profissionalizantes e no desempenho pessoal.

13 Distribuição da Carga Horária e Seqüência Pedagógica recomendada dos Estágios Estágios Período Total de Carga Horária Supervisão C. H. Prática C. H. Seqüência pedagógica recomendada Básico I II I III I IV I V II, III e IV VI V VII VI 4.4 Trabalhos de Conclusão dos Estágios PERÍODO ESTÁGIO INSTRUMENTO FINAL PARA AVALIAÇÃO 3º Básico Relatório Técnico 4º Estágio I Relatório Técnico 5º Estágio II Texto Acadêmico 6º Estágio III Texto Acadêmico 7º Estágio IV Texto Acadêmico 8º Estágio V Artigo Científico 9º Estágio VI Elaboração do TCC 10º Estágio VII TCC Entende-se conforme descrito abaixo as caracterizações para cada um dos tipos de trabalhos exigidos em cada estágio.

14 13 Relato ou Relatório Técnico de Estágio É o documento que visa apresentar todas as atividades de aprendizagem social, profissional e cultural, proporcionadas ao estudante pela participação em situações reais de trabalho, sendo realizada na comunidade em geral ou junto a pessoas jurídicas de direito público ou privado, sob responsabilidade e coordenação da instituição de ensino. Nele o discente deve apresentar, de forma detalhada, a descrição do local onde foi realizado o estágio, o período de duração e as atividades desenvolvidas. (CENTRO, 2010, p.8) Trabalho Acadêmico, Trabalho acadêmico de acordo com a NBR (2005, p. 3) é: o documento que representa o resultado de estudo, devendo expressar conhecimento do assunto escolhido, que deve ser obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros ministrados. Deve ser feito sob a coordenação de um orientador. (CENTRO, 2010, p. 6) Artigo científico A norma NBR 6022 define o artigo científico como parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento (ABNT, 2003, p.2 citado por CENTRO, 2010, p.6) De acordo com Lakatos e Marconi (1991, citado por CENTRO, 2010, p. 6), os artigos científicos são pequenos estudos publicados em periódicos especializados que apresentam resultados de estudos ou pesquisas de forma sucinta e completa, o que viabiliza a repetição da experiência pelo leitor. 4.5 Campos dos Estágios Os estágios são oferecidos em campos de atuação determinados e conveniados com a Instituição, nos quais tem-se recomendado que sejam desenvolvidos, no mínimo, dois projetos de estágios e, no máximo, três, de Núcleos diferentes.

15 14 A representação gráfica a seguir, apresenta os estágios e alguns campos possíveis para cada Núcleo e para todos os níveis oferecidos. Estágios Curriculares do CURSO DE PSICOLOGIA Núcleo Psicoterapêutico Plantão Psicológico CLINICA DE DE PSICOLOGIA Atendimento Crianças, Jovens e Adultos CLINICA DE DE PSICOLOGIA O lugar do do Brincar e da da Escuta na na Psicanálise HOSPITAL Plantão Psicológico CEAD Atendimento a grupos de de crianças CEAD Plantão Psicológico E M HUGO WERNECK Núcleo de Gestão Núcleo de Gestão Psicologia do do Trabalho CLINICA DE DE PSICOLOGIA Orientação Profissional CLINICA DE DE PSICOLOGIA Psicologia Organizacional HOSPITAL Pesquisa de de Clima Organizacional CEAD Treinamento e capacitação para funcionários CEAD Atendimento a grupos salas de de aula E M HUGO WERNECK Núcleo de Políticas de Saúde Atendimento em em Toxicomania CLINICA DE DE PSICOLOGIA Avaliação Psicológica em em toxicomania CLINICA DE DE PSICOLOGIA Violência Sexual --Mulheres e Adolescentes Grávidas HOSPITAL Acompanhamento dos Adolescentes CEAD Atendimento em em Medida sócio-educativa CEAD Atendimento a Famílias E M HUGO WERNECK 5 CONCLUSÃO Esta organização, disposta na diversidade encontrada nos estágios vinculados aos Núcleos que sintetizam as ênfases curriculares em nosso curso, procura responder à concepção de formação trazida pelas Diretrizes Curriculares que tem a noção básica de que a formação por competências e habilidades deve preparar o futuro profissional para atuar em diferentes contextos.

16 15 A atuação em políticas públicas, a atuação com a gestão de pessoas, a atuação em intervenções grupais, colocadas aqui neste Projeto Pedagógico, atendem a uma indicação de relevância social neste momento. Ou seja, defender a formação para atuar nesta diversidade que a dinâmica social contemporânea nos possibilita, significa indicar, explicitamente, uma avaliação de que esses campos de práticas devem ser ressaltados já, desde a formação, como forma de garantir a presença da Psicologia na realidade social brasileira. Assim, se distribuem os estágios supervisionados do Curso de psicologia do Centro Universitário Newton Paiva, de forma a garantir a formação mais ampla e diversificada de nossos alunos. A proposta que apresentamos neste Manual busca atender a necessidade constatada de termos, em um mesmo campo de atuação para estágios, a oferta do maior número possível de modalidades de atendimento. Isso ocorre tanto do ponto de vista da diversidade entre os núcleos, quanto do ponto de vista da diversidade de tipos de atendimento para melhor atender as demandas que são dirigidas ao conhecimento psicológico. 6 REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ABNT. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, Citado por CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA. Núcleo de Bibliotecas. MANUAL PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS ACADÊMICOS: padrão Newton Paiva. BELO HORIZONTE:Centro Universitário Newton Paiva, Disponível em wton%20paiva_2010.pdf

17 16 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ABNT. NBR 6022: informação e documentação: artigo em publicação periódica científica impressa: apresentação. Rio de Janeiro, Citado por CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA. Núcleo de Bibliotecas. MANUAL PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS ACADÊMICOS: padrão Newton Paiva. BELO HORIZONTE:Centro Universitário Newton Paiva, Disponível em wton%20paiva_2010.pdf ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ABNT. NBR Apresentação de relatórios técnico-científicos: procedimentos. Rio de Janeiro,1989. CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA. Núcleo de Bibliotecas. MANUAL PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS ACADÊMICOS: padrão Newton Paiva. BELO HORIZONTE:Centro Universitário Newton Paiva, Disponível em wton%20paiva_2010.pdf LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia cientifica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, p. citado por CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA. Núcleo de Bibliotecas. MANUAL PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS ACADÊMICOS: padrão Newton Paiva BELO HORIZONTE: Centro Universitário Newton Paiva, Disponível em wton%20paiva_2010.pdf

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CURSO DE ENFERMAGEM DO CESUMAR SOB A ÓTICA DO SUS Lizyanne Saldanha Soares 1, Natalia Máximo Souza Lima 2, Raquel Gusmão Oliveira

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Ademir Camilo) Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado Ademir Camilo O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Encaminhamentos, processos e ações. política de contratação e gestão de pessoal. revisão do projeto pedagógico

Encaminhamentos, processos e ações. política de contratação e gestão de pessoal. revisão do projeto pedagógico CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE VITÓRIA (CESV) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica (2) (3) (4) (5) previsão de alunos por turma em disciplina teórica de, no máximo, 80. relação aluno por docente, no

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Histórico. 4.1.3 - Objetivos Específicos

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Histórico. 4.1.3 - Objetivos Específicos 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Histórico A Universidade Federal de Uberlândia, num esforço coletivo liderado pela atual gestão vem trabalhando na excelência de ensino,

Leia mais

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Informática Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel Belo Horizonte - MG Outubro/2007 Síntese

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

DIRETRIZES DE FORMAÇÃO DE PSICOPEDAGOGOS NO BRASIL

DIRETRIZES DE FORMAÇÃO DE PSICOPEDAGOGOS NO BRASIL DIRETRIZES DE FORMAÇÃO DE PSICOPEDAGOGOS NO BRASIL A Psicopedagogia é a área de conhecimento, atuação e pesquisa que lida com o processo de aprendizagem humana, visando o apoio aos indivíduos e aos grupos

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado Licenciatura em Música

Regulamento de Estágio Supervisionado Licenciatura em Música Regulamento de Estágio Supervisionado Licenciatura em Música CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1.º Entende-se, para efeitos dessa resolução, o estágio como ato educativo escolar supervisionado,

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Proposta: Propor mudanças nas leis que regem a publicação, desenvolvimento e divulgação dos testes no Brasil, de forma que se padronizem e ofereçam subsídios do alcance e limites dos testes. Proposta:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. 2.3 Justificativa pela escolha da formação inicial e continuada / qualificação profissional:

PROJETO PEDAGÓGICO. 2.3 Justificativa pela escolha da formação inicial e continuada / qualificação profissional: PROJETO PEDAGÓGICO 1 Identificação: Curso de Extensão em Navegação Marítima Básica Contextualização da(s) localidade(s) onde ocorrerá o curso: O curso será oferecido no CRPNM ( Centro de Referência em

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL OBRIGATÓRIO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL OBRIGATÓRIO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL OBRIGATÓRIO COORDENNAÇAO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Profª Msc Liana Maria Ibiapina do Monte SUMÁRIO APRESENTAÇÃO CARACTERIZAÇÃO TERMINOLOGIA

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS O componente curricular denominado Atividades Acadêmico-Científico- Culturais foi introduzido nos currículos

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU.

APRESENTAÇÃO CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU. Credenciada pelo MEC pela Portaria nº. 1. 655 de 13/05/2005 e Autorizada pela Portaria nº. 1.656 de 13/05/2005. COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO APRESENTAÇÃO CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU.

Leia mais

A participação e os compromissos do ensino privado

A participação e os compromissos do ensino privado artigo Cecília Farias Diretora do Sinpro/RS e presidente do Conselho Estadual de Educação do Rio Grande do Sul (CEEd/RS). A participação e os compromissos do ensino privado com o Plano Nacional de Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Informações básicas. Programa Ensino Integral

Informações básicas. Programa Ensino Integral Informações básicas Programa Ensino Integral Abril/2014 1) Premissas básicas do novo modelo de Ensino Integral O novo modelo de Ensino Integral pressupõe inovações em alguns componentes fundamentais da

Leia mais

Composição dos PCN 1ª a 4ª

Composição dos PCN 1ª a 4ª Composição dos PCN 1ª a 4ª Compõem os Parâmetros os seguintes módulos: Volume 1 - Introdução - A elaboração dos Parâmetros curriculares Nacionais constituem o primeiro nível de concretização curricular.

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos)

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) 2012-2013 1 Prezado (a) estagiário (a), O presente manual visa orientá-lo (la) quanto à realização do Estágio

Leia mais

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos HISTÓRIA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura GRAU ACADÊMICO: Licenciado em História PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO A definição

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

Manual de. Estágio Curricular Supervisionado. Bacharelado

Manual de. Estágio Curricular Supervisionado. Bacharelado 1 Manual de Estágio Curricular Supervisionado Bacharelado 2 APRESENTAÇÃO O Manual de Estágio Curricular Supervisionado está organizado de forma objetiva e prática, buscando definir informações e conceitos

Leia mais

EdUECE- Livro 1 03430

EdUECE- Livro 1 03430 OS SABERES E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Maria Irene Miranda Universidade Federal de Uberlândia RESUMO O trabalho aborda o Curso de Pedagogia

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO Considerando o objetivo de formação de docentes em que a atividade prática de prestação de serviços especializados é relevante à sociedade, torna-se necessário

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Minuta de Projeto de Resolução para audiência pública de 11/12/2015 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Educação

Leia mais

RESOLUÇÃO 001/2014 DA CONCEPÇÃO E DOS OBJETIVOS

RESOLUÇÃO 001/2014 DA CONCEPÇÃO E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO 001/2014 Dispõe sobre o Estágio Curricular Supervisionado do curso em atendimento ao que prevê o Projeto Pedagógico do Curso de Administração. A Coordenação do Curso de Administração, no uso

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 88-GR/UNICENTRO, DE 12 DE MAIO DE 2014. Especifica a estrutura curricular do Curso de Especialização em Educação e Formação Empreendedora, modalidade de educação a distância, aprovado pela

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. O Presidente

Leia mais

Gestão Estratégica de Negócios

Gestão Estratégica de Negócios INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão Estratégica de Negócios Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Santa Rita do Sapucaí MG Setembro de 2013

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Educação Física - Área de Saúde e Qualidade de Vida - Bacharelado Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Artes Visuais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Artes Visuais ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Artes Visuais São as seguintes as disciplinas de Estágio Supervisionado do Curso de Artes Visuais (licenciatura): Estágio Supervisionado I (ART30049) 120 horas Propõe

Leia mais

FACULDADE ASTORGA FAAST REGULAMENTO ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

FACULDADE ASTORGA FAAST REGULAMENTO ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE ASTORGA FAAST REGULAMENTO ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS LICENCIATURA EM PEDAGOGIA As atividades de Estágio Supervisionado constantes da Matriz Curricular do Curso de Pedagogia da FAAST deverão ser

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos necessários à sistematização do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

Plano de Ação da Orientação Educacional. 01- Introdução

Plano de Ação da Orientação Educacional. 01- Introdução Plano de Ação da Orientação Educacional 01- Introdução O contexto desafiante da atual sociedade brasileira, demanda progressivamente uma educação de qualidade. Tarefa de tal magnitude, exige uma concentrada

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Bacharelado em Educação Física

Bacharelado em Educação Física Bacharelado em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular possivelmente seja uma das mais ricas experiências do acadêmico que optou pelo Curso de Bacharelado em Educação Física. As situações

Leia mais

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular do

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS MARIA IMACULADA MOGI GUAÇU PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS HABILITAÇÃO EM BIOLOGIA.

FACULDADES INTEGRADAS MARIA IMACULADA MOGI GUAÇU PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS HABILITAÇÃO EM BIOLOGIA. FACULDADES INTEGRADAS MARIA IMACULADA MOGI GUAÇU PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS HABILITAÇÃO EM BIOLOGIA. Mogi Guaçu SP 2000 OBJETIVOS GERAIS DAS FACULDADES INTEGRADAS MARIA

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de TIC. Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de TIC. Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de TIC Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Pró diretoria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação;

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Arte (Teatro Artes Visuais Música - Dança)

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Arte (Teatro Artes Visuais Música - Dança) Essa carta é somente um modelo e caso o aluno precise do documento tem que protocolar a solicitação na Secretaria Acadêmica. MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Arte (Teatro Artes Visuais

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE 2013 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Relações

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de Projetos INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de Projetos Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia 15/05/2013 Pró diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais

FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE LETRAS

FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE LETRAS FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE LETRAS OLÍMPIA 2014 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LETRAS REGULAMENTO GERAL TÍTULO DO ESTÁGIO E SEUS FINS Artigo

Leia mais

O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso

O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso Introdução * Sonia Pires Simoes O projeto pedagógico Institucional representa a linha pedagógica que a Instituição norteia para gerenciamento

Leia mais

Carta Aberta aos Estudantes e Trabalhadores dos Cursos de Graduação a Distância em Serviço Social no Brasil

Carta Aberta aos Estudantes e Trabalhadores dos Cursos de Graduação a Distância em Serviço Social no Brasil 1 Carta Aberta aos Estudantes e Trabalhadores dos Cursos de Graduação a Distância em Serviço Social no Brasil Os delegados, observadores e convidados reunidos entre os dias 6 e 9 de setembro de 2009, em

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO 1 DA DEFINIÇÃO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO 1 DA DEFINIÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GRADES 2008/2010 REGULAMENTO MARÇO 2012 (Substitui o regulamento

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Res. Consun nº 90/10, de 24/11/2010. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Art. 2º Art. 3º Este instrumento apresenta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 Dispõe sobre a regulamentação de Curso de Formação Inicial e Continuada ou Qualificação Profissional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

RESOLUÇÃO. Redação dada pela Res. CONSEPE 42/2003, de 29 de outubro de 2003.

RESOLUÇÃO. Redação dada pela Res. CONSEPE 42/2003, de 29 de outubro de 2003. RESOLUÇÃO CONSEPE 55/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE PEDAGOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 24/2007 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Pedagogia, na

Leia mais

MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI - INTEGRADOR FAN CEUNSP

MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI - INTEGRADOR FAN CEUNSP MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI - INTEGRADOR FAN CEUNSP Salto 2010 MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI / INTEGRADOR 0 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 TRABALHO INTERDISCIPLINAR (TI)... 3 ORGANIZAÇÃO...

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara da Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara da Educação Superior e Profissional INTERESSADA: Universidade Estadual do Ceará EMENTA: Reconhece o Curso de Ciências Sociais Licenciatura Plena, ofertado em Fortaleza pelo Centro de Humanidades da Universidade Estadual do Ceará UECE, até

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), por meio de sua Pró-reitoria de

Leia mais

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES A formação complementar é fruto da participação do aluno, durante o período de realização do seu curso superior, em atividades que não estão inseridas na grade curricular, mas que reconhecidamente contribuem

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO Lista de Anexos... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 5 3. DEFINIÇÕES... 5 4. OBJETIVOS... 6 5. PLANEJAMENTO E COMPETÊNCIAS...

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013

PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013 PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013 INSTITUIÇÃO PROPONENTE: Ministério da Educação CNPJ: 00.394.445/0124-52 SETOR RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Secretaria de Educação Básica(SEB) ENDEREÇO: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA EM PSICOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA EM PSICOLOGIA CLÍNICA ESCOLA PARA ATENDIMENTO PSICOLÓGICO (CEAP) CEAP O Núcleo de Prática em Psicologia - CEAP do Curso de Bacharelado em Psicologia da AJES Instituto Superior de Educação do Vale do Juruena, da entidade

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. Viviane Kalil Fadel Plombon * PUCPR Resumo Para que ocorra um trabalho de qualidade em uma

Leia mais

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014 sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (187) 31 32 São Paulo, 124 (187) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Resolução

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA. Estrutura curricular ou matriz curricular

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA. Estrutura curricular ou matriz curricular UNIVERSIDADE IGUAÇU FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA Estrutura curricular ou matriz curricular O curso foi estruturado com base nas Diretrizes Curriculares para Fisioterapia

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA

POLÍTICA DE PESQUISA POLÍTICA DE PESQUISA Apresentação Este documento trata da política de pesquisa e de iniciação científica do UNISAL, que deve guiar toda e qualquer iniciativa de investigação e geração de conhecimento institucionais.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA PROJETO PEDAGÓGICO GICO DE CIÊNCIAS SOCIAIS IMPLANTADO EM 2012.1

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA PROJETO PEDAGÓGICO GICO DE CIÊNCIAS SOCIAIS IMPLANTADO EM 2012.1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA PROJETO PEDAGÓGICO GICO DE CIÊNCIAS SOCIAIS IMPLANTADO EM 2012.1 PRINCÍPIOS PIOS NORTEADORES DA CONCEPÇÃO DO CURSO 1. Trabalhar uma identidade para o curso em torno dos eixos de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Serviços Jurídicos

Leia mais

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG 1 Introdução Texto para discussão Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG Como resultado da coleta de subsídios para aperfeiçoamento da gestão da carreira de Especialista em Políticas

Leia mais

MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO

MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO O Servidor em Cargos Técnico-Administrativos em Educação possui peculiaridades

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MINISTÉRIO DA SAÚDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA RESUMO DAS ATIVIDADES DO PRÓ-SAÚDE NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFG As atividades do Pró-Saúde para o primeiro ano de desenvolvimento

Leia mais

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros.

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros. Meta 1 - Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de quatro e cinco anos, e ampliar, até 2025, a oferta de Educação Infantil de forma a atender a 50% da população de até 3 anos. Estratégias:

Leia mais

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE Avaliação institucional: potencialização do processo ensino e aprendizagem A avaliação institucional é uma prática recente

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS LETRAS E ARTES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA João Pessoa, maio de 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS:

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: Art. 3º - A Escola oferece os seguintes níveis de ensino: I. Educação Infantil: de 0 a 05 anos de idade. Educação Precoce de 0 a 03 anos Educação

Leia mais

A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa

A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa A aula de leitura através do olhar do futuro professor de língua portuguesa Dra. Eulália Vera Lúcia Fraga Leurquin 1 Marina Kataoka Barros 2 Resumo Por meio desta comunicação, desejamos refletir sobre

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Ensino. Aprendizagem. Formação docente.

PALAVRAS-CHAVE Ensino. Aprendizagem. Formação docente. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Em consonância

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em. Comércio Exterior. na modalidade presencial

Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em. Comércio Exterior. na modalidade presencial Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior na modalidade presencial Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologiaem Comércio Exterior na modalidade presencial Eixo Tecnológico:

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais

a) Estar regularmente matriculados no curso;

a) Estar regularmente matriculados no curso; (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) br ESTÁGIO CURRÍCULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

ANEXO 01 PLANO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM

ANEXO 01 PLANO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM ANEXO 01 PLANO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM PLANO DE ESTÁGIO DO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM A) JUSTIFICATIVA O estágio supervisionado do Curso Técnico em Enfermagem é elemento transformador do

Leia mais

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Assegurar, em regime de colaboração, recursos necessários para a implementação de políticas de valorização

Leia mais