UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA CADEIA DE ABASTECIMENTO Por: Wagner dos Anjos Carvalho Orientador Prof.º Jorge Tadeu Vieira Lourenço Rio de Janeiro 2010

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA CADEIA DE ABASTECIMENTO Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Logística Empresarial. Por: Wagner dos Anjos Carvalho

3 AGRADECIMENTOS...a Deus por ter me capacitado, aos amigos Dayse Peixoto e Vamberto William, que sempre estiveram juntos nos bons e maus momentos e à DeMillus S.A. por fornecer os dados necessários à execução deste trabalho.

4 DEDICATÓRIA...dedico esta monografia à minha esposa Niviane, que junto comigo privou-se de várias coisas para que eu realizasse este sonho, aos meus pais pela dedicação e carinho, minha filha Rayssa que com seu sorriso me estimula a prossegir, aos meus irmãos e a todos que poderia citar mais estão em meu coração.

5 RESUMO Com a maior exigência dos mercados e suas flutuações de oferta e demanda ao longo do tempo, é cada vez mais difícil prever as possíveis causas de desequilíbrio que podem afetar a cadeia de abastecimento tendo um impacto significativo na lucratividade e na satisfação do cliente. Sazonalidade, aceitação do produto, oferta, incentivos, entre outros podem efetivamente afetar o equilíbrio do estoque que mantemos. Entretanto, são utilizadas ferramentas que podem auxiliar na prevenção dessas causas como, por exemplo - o sistema de reposição contínua e a periódica. Essas ferramentas auxiliam na identificação do ponto de ressuprimento de acordo com a demanda, normalmente distribuída, que terá como fonte de alimentação os dados da coleção Cocota referente a um ano de demanda e fazem parte do Catálogo da DeMillus S.A. Espera-se identificar entre as duas ferramentas (contínua e periódica) qual a que mais adequada ao perfil de demanda de DeMillus S.A. e minimizar o desequilíbrio no abastecimento.

6 METODOLOGIA Para execução deste trabalho monográfico, foram utilizadas pesquisas bibliográficas, artigos referentes ao escopo do estudo e dados históricos cedidos e autorizados pela empresa DeMillus S.A., assim como referenciá-los, tratá-los e extrair os seus conteúdos que possam identificar, sugerir e solucionar questões que ocorrem dentro deste habitat. A contribuição deste trabalho tem a intenção de não divergir dos assuntos apresentados. Baseia-se em autores renomeados cujos pensamentos estão apoiados na linha de pesquisa, os que são de suma importância para execução de trabalho.

7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 9 CAPÍTULO I - OBJETIVO E POLÍTICA Tipos de s de Antecipação Sazonalidade de Segurança ou de Flutuação por Tamanho de Lote ou de Ciclo de Proteção em Trânsito ou no Canal de Distribuição Indicadores de Desempenho Giro de Cobertura de Acurácia do Fatores que Afetam o Sazonalidade Variação de Variação de Produto Prazo de Validade CAPÍTULO II - SISTEMAS DE REPOSIÇÕES Modelo de Reposição Contínua e Lote Econômico Classificação ABC Modelo de Reposição Periódica Vantagens e Desvantagens Entre os Sistemas de Segurança Probabilidade de Não r Produto (PNFP) de Segurança em Muitos Períodos Esperada por Ciclo de Ressuprimento (FECRE)... 33

8 CAPÍTULO III SIMULAÇÃO DE MODELOS DE GESTÃO DE ESTOQUES Simulação Análise e avaliação dos Dados CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA CONSULTADA FOLHA DE AVALIAÇÃO... 91

9 9 INTRODUÇÃO Atualmente grandes organizações enfrentam o desafio de balancear o(s) estoque(s) em função da demanda do mercado e dos serviços ao cliente atrelado a produção e a logística. O gerenciamento do estoque deve ser eficiente e já faz parte do dia a dia dos administradores tanto para evitar os excessos embutidos dentro do estoque, aplicar metas de redução e policiar a ausência do mesmo. A aplicação dos conceitos requer o uso de ferramentas matemáticas e computacionais que podem aumentar a competitividade do negócio. Então, procuro apresentar conceitos e exemplos que estão presentes na indústria e no nosso consumo. Esta monografia inicialmente apresenta os tipos de estoques, indicadores de desempenho, fatores que afetam o estoque, modelos de reposição contínua e lote econômico, classificação ABC, modelo de reposição periódica, vantagens e desvantagens entre os modelos de reposição, estoque de segurança, probabilidade de não faltar produtos, estoque de segurança de muitos períodos e falta esperada por ciclo de ressuprimento. izando com um simulador e a análise dos dados verificando como os custos de manter em estoque, os custos de colocar o pedido, custo da falta e o custo total se comportam a medida que aumentamos o número de desvio-padrão. O capítulo 1 descreve os conceitos de cada tipo de estoque que podem ser aplicados estrategicamente de acordo com a política da empresa ou com as flutuações de mercado, os controles gerenciais aplicados ao estoque e fatores internos e externos que podem afetar o estoque. O capítulo 2 apresenta os sistemas de reposição e como cada um se aplica a determinadas situações, a classificação ABC que no gerenciamento de estoque é de suma importância para os tomadores de decisão. Também são tratados os estoques de segurança e apresentando um pequeno conceito sobre estatística.

10 10 O capítulo 3 mostra como criar um simulador em planilha Excel seguindo um raciocínio apresentado num fluxograma, aplicar os dados a essa planilha e analisa-los de forma a observar o comportamento dos custos envolvidos no sistema. Espero que a leitura desta monografia possa contribuir ao leitor e ao mesmo tempo revele utilidade e a clareza do tema. E que possa servir de apoio tanto na vida acadêmica como na vida profissional.

11 11 CAPÍTULO I - OBJETIVO E POLÍTICA 1.1 Tipos de s s são acúmulos de recursos materiais entre fases específicas de processos de transformação (CORREA, 2007; GIANESI, 2007; CAON, 2007, p.29). Ou segundo Martins e Laugeni (2006, p.331) consiste em fazer com que os absorvam as diferenças decorrentes da variação da demanda. Para a Cadeia de Abastecimento e a Logística o gerenciamento do estoque deve receber um enfoque prioritário para definição de metas, funções e os tipos de estoques visando a eficiência e a eficácia da cadeia. Neste capítulo vamos classificar sobre alguns tipos de estoque que ás vezes escutamos alguns gestores falarem, mas muitas das vezes temos uma idéia superficial do que seja ou nunca ouvimos falar e os principais fatores que afetam significativamente o comportamento do estoque podendo comprometer e desequilibrar o estoque que mantemos de Antecipação Muito aplicado para produtos de comportamento sazonal, esses estoques são aplicados às empresas que em determinadas épocas do ano tem seus picos de demanda e são compostos antecipadamente e consumidos nos períodos de picos. São muitos os exemplos que podemos citar nesses casos com comportamento sazonal de demanda sorvetes, ovos de Páscoa, meias, brinquedos, panetones e etc. Dependendo do tipo de produto e da demanda é importante definir uma estratégia visando analisar a necessidade de investimento em capacidade ou a formação antecipada.

12 Sazonalidade As empresas que sofrem com este tipo de comportamento não vendem linearmente o produto o ano todo, o conceito de sazonalidade são justamente as ocorrências não constantes de um período específico. Então se a empresa não compor antecipadamente para atender ao período sazonal, fatalmente terá capacidade de atender no período de pico. A estratégia adotada pelas empresas é produzir linearmente durante o ano tendo equipamentos que os fabriquem suavemente. Por exemplo, a DeMillus S.A. fabrica literalmente o seu pé de meia durante o ano para compor seu estoque e atender ao pico de demanda no inverno de Segurança ou de Flutuação Basicamente é resguardar a empresa contra surpresas do tipo aumento na demanda, atraso na entrega do fornecedor, da produção, quebras de equipamentos e atraso no pedido de compras. Essas variáveis muitas das vezes prejudicam a chegada do produto as prateleiras impactando na perda de vendas obrigando o cliente a migrar para um produto similar da concorrência. O estoque de segurança pode minimizar o risco e não deixa de está ligado ao estoque de antecipação, principalmente nos períodos de pico por Tamanho de Lote ou de Ciclo De acordo com Bertaglia (2003): O estoque de ciclo existe quando os pedidos exigem um lote mínimo de produção ou venda normalmente maior que a quantidade para satisfazer uma demanda imediata. (BERTAGLIA, 2003, p.322). Essas condições podem estar vinculadas ao tamanho do lote mínimo, em função da produção, do fornecimento ou do transporte.

13 13 De fato, alguns materiais só são produzidos em lotes mínimo devido a fatores como custo e tempo envolvidos. O custo de setup é bem significativo no processo assim como o transporte que dependo da distância, deva satisfazer o seu custo de Proteção É bem parecido com o estoque de segurança, mas o que o diferencia do outro é que ele é composto em cima de especulações de mercado e é de duração temporária. Essas especulações nós brasileiros conhecemos bem, quando a última crise global que afetou o mercado imobiliário Americano chegou ao país muitas empresas tomaram medidas preventivas por não saberem a extensão da crise. Este exemplo supracitado simplifica o termo de Proteção, mas existem outros tipos de especulações que também são bem comuns, mas estes são mais voltados ao âmbito industrial, são eles: greves, aumentos de preços, políticas instáveis, ambientes inflacionários e imprevisíveis. O risco quanto a esse tipo de estoque em relação às estratégias das empresas podem afetar os resultados, portanto esta decisão deve ter o aval da alta gerência em Trânsito ou no Canal de Distribuição Este corresponde ao que vemos no nosso dia a dia na movimentação física entre a entrega do fornecedor até a unidade, entre operações de transformação, no transporte até o distribuidor e do distribuidor até o cliente final. Existem três estágios de estoque em trânsito: Suprimento: são os materiais com recebimento programados e em trânsito que ainda não estão disponíveis para serem usados.

14 14 Processamento interno: são as movimentações entre fases do processo de transformação que de alguma forma estão em trânsito no fluxo produtivo. Entrega do produto: são os que estão sendo transportados e que ainda estão consignados, ou seja, ainda não foram pagos pelos clientes. 1.2 Indicadores de Desempenho O sobe e desce nos níveis de estoque causam fortes impactos nas finanças de qualquer empresa. Com isso, se faz necessário medi-lo para saber como está seu desempenho já que a administração moderna enfatiza a sua redução e é salutar. Alguns indicadores serão apresentados e visam monitorar, senão controlar, os estoques Giro de É o número de vezes em que o estoque é consumido totalmente durante um determinado período. É a relação entre a demanda média (D) e o tamanho do lote (Q). O desempenho encontrado mostra que se o índice for alto pode sugerir que o estoque possui uma alta rotatividade entre os produtos. Média( D) Giro de = G = Tamanho Lote( Q) D Q (1) Cobertura de É a quantidade de tempo em semanas ou meses de um determinado produto quanto à taxa de uso, caso este sofra um ressuprimento. Também referenciada como o inverso do giro de estoque.

15 15 C = 1 C = G Q D (2) Acurácia do É a comparação entre a quantidade física com a existente aos registros e esta relação é de extrema importância para garantir a disponibilidade de material tanto para produção quanto ao atendimento ao cliente, ressuprimento, confiabilidade, controles entre outros. Seu nível de acurácia deve apresentar o valor igual a 100 e é representado pela seguinte equação: QtdeFísica Acurácia = x100 (3) Qtde Teórica 1.3 Fatores que Afetam o Todo mundo tem um plano até levar o primeiro golpe! (Mike Tyson) Estar preparado para as flutuações de mercado requer um planejamento estratégico que pode onerar os custos da empresa ou comprometê-la. Essas decisões não são fáceis de serem tomadas e requer da diretoria a melhor estratégia e adequação aplicada a realidade da empresa para que não seja nocalteadas Sazonalidade Conforme tratado anteriormente, este comportamento está relacionado a picos de vendas em determinados períodos do ano, como acontece com

16 16 meias, panetones, ovos de páscoas e sorvetes que tem seus períodos de vendas elevado nos seus respectivos períodos. Sem uma política de produção ajustada a criar um pulmão para atender a esse pico no período sazonal é praticamente impossível atender a toda demanda exigida pelo mercado Variação de A Variação de, para quem trabalhar com planejamento, é um tiro no escuro. O planejamento determina através de uma previsão de vendas, informado pelo Marketing, as quantidades de produtos que serão vendidas no decorrer daquele período em função de estratégias de vendas com fotos, cores, tamanhos, aromas, sabores e outros atrativos que agradem ao cliente. Embora essas projeções estejam escoradas em dados estatísticos e cenários futuros, as projeções podem ser coerentes ou tender a um outro comportamento causando um frenesi de vendas e afetando o estoque Variação de Produto O tempo de preparação assim como o balanceamento entre custo de preparação e formação de estoque tem grande relevância na formação de estoque. Segundo Bertaglia (2003, p324), o maior a diversidade de produtos, maior é o tempo necessário para a preparação. E de fato, esta informação contribui e muito na hora de decidir sobre a política de estoque que será adotada Prazo de Validade Da matéria-prima até o produto acabado, em que apresentem a restrição prazo, este requer uma maior atenção no gerenciamento e na sua rotatividade dentro do estoque. Produtos como: alimentícios, químicos e cosméticos são

17 17 exemplos clássicos e geralmente não devem ter estoques elevados já que podem ficar obsoletos em um pequeno espaço de tempo. Deve-se encontrar o menor risco de estrago e aumentar a disponibilidade para atender a demanda.

18 18 CAPÍTULO II - SISTEMAS DE REPOSIÇÕES Nas operações de distribuição temos quer definir o e Quando pedir e é parte fundamental para a gestão de materiais. E para atender a esses advérbios usamos os sistemas de reposição contínua e o sistema de reposição periódica, embora outros sistemas possam ser utilizados considerando as características dos dois sistemas. Imaginemos o seguinte, um modelo de confecção não tenha variações e que possamos previsivelmente determinar o seu consumo médio (D) dia a dia e que o fornecedor nos entregue rigorosamente num prazo constante. A partir dessa ilustração podemos calcular o Ponto de (PP) que basicamente ao atingir um determinado valor é colocado um pedido de compra ao fornecedor na quantidade (Q) para o novo ciclo do estoque. Lead Time = de entrega de um pedido Ponto do = Momento do Traduzido em nível de estoque Lead Time Q Médio Ponto do Momento do Chegadas do lote Figura 1 Reposição Contínua (Extraída de BORGES, 2010, slide 4)

19 19 A equação utilizada é: PP = DxTR (4) Onde, PP Ponto de D Média TR de Reposição Na situação anterior estávamos num mundo ideal onde não ocorriam surpresas, mas vamos falar do que acontece na realidade. No mundo real estamos lidando com consumos não tão previsíveis que em torno do consumo médio podem variar e o tempo de entrega que por vários motivos podem não serem entregues no prazo determinado. Empresas para se protegerem de situações inesperadas adotam s de Seguranças (ES) que são determinados pela probabilidade aceitável de que haja a falta do produto. O de Segurança garante o abastecimento do sistema evitando falta e conforme Martins e Laugeni (2005) descrevem sobre o de Segurança que: Os s de Segurança têm como função proteger o sistema quando a demanda e o tempo de reposição variam ao longo do tempo. Seu dimensionamento é função da variação da demanda que pode ser representada pelo desvio padrão e pela variação do tempo de reposição [...]. (MARTINS; LAUGENI, 2006, p.275). Isso significa que o Ponto de ganhará um adicional a sua quantidade.

20 20 Lote de Compra Q LT Maior no LT Lead Time Maior que o previsto Médio ES De Segurança Figura 2 de Segurança (Extraída de BORGES, 2010, slide 5) A equação utilizada é: PP = DxTR + Es (5) Onde, PP Ponto de D Média TR de Reposição Es de segurança Então, vimos como determinar o ponto de pedido com o acréscimo do estoque de segurança. Esse sistema apresenta lote de reposição constante (Q)

21 21 e é conhecido também como Lote Econômico Compra (LEC) e que nada mais é do que o custo mínimo do sistema. 2.1 Modelo de Reposição Contínua e Lote Econômico O conceito do sistema de reposição analisa quando o material é retirado do estoque e verifica o saldo que ficou. Se o saldo for menor que a quantidade do ponto de pedido (PP), o modelo de reposição indica que devemos colocar um pedido de compras ou acionar a produção para efetuar o pagamento. Devemos lembrar que os fornecedores (internos e externos) precisam de um tempo de ressuprimento. Para determinar o modelo que melhor representa a situação acima, temos que determinar os custos que estão inseridos no sistema: de oportunidade de manter estoque; com transporte; total. E, modelados pela seguinte equação: = CT = CaqxixEm + CTRxNV (6) Onde: Caq custo unitário de aquisição por produto até determinado estágio da cadeia; CTR custo (fixo) associado a cada viagem ou ressuprimento; D demanda do item para o período considerado; NV número de viagens por ano; i taxa de oportunidade do capital (aa);

22 22 E m estoque médio do período. O intervalo esperado entre dois ressuprimentos é dado pela cobertura do estoque (Q/D) e o número de viagens por ano é dado por (D/Q) e está associado a cada uma dessas viagens um custo de ressuprimento, onde: D CRT x Q (7) Os custos de manter os estoques durante o ano é dado por: Q 2 xcaqxi (8) Onde Q/2 é o estoque médio. Combinado as duas equações, temos: CT Q D = xcaqxi + CTRx (9) 2 Q A maneira de minimizar os custos envolvidos é derivando a equação e igualando a zero. dct ( Q) d( Q) = 0 (10) Caqxi CTRxD 2 Q 2 = 0 (11)

23 23 2xDxCTR Q = TLE = (12) ixcaq Chegamos então, ao Tamanho do Lote Econômico (TLE), também conhecido como Lote Econômico (LEC). 2.2 Classificação ABC É uma ferramenta muito útil e que enriquece com informações poderosas os gestores de estoques. Em resumo a classificação ABC é fazer a ordenação dos itens do estoque que são consumidos em função de um valor financeiro. Isto é, uma lista em ordem de importância, dos itens mais significativos para o menos importantes. E a partir da classificação os itens são divididos em três classes que são A, B e C embora não haja um critério universal que seja aceito para as classes. O que se costuma fazer é adotar um critério que será apresentado abaixo: Classe A: o número de itens é bem pequeno e fica na casa dos 10 ou 20, mas o valor de consumo é bem alto e está na ordem de 50 até 80 no geral; Classe B: o número de itens formado é médio e está entre 20 a 30, e seu valor acumulado fica também nesta ordem de 20 a 30; Classe C: o número de itens é bem alto e está acima de 50, mas o valor de consumo é bem baixo e está na ordem de 5 a 10. A classificação tem pode apresentar aspectos consideráveis para o usuário desde que saiba como tratar as informações, as ações que serão tomadas, organização dos itens nos escaninhos, definir a frequência de

24 24 contagem em um processo de inventário cíclico e buscar reduções significativas no estoque no momento em que houver oportunidade de liberação de recursos para a caixa da empresa. CÓDIGO DO ITEM Tabela 1 Classificação ABC (Extraída de MARTINS, 2006, p. 273) CUSTO UNITÁRIO QUANTIDADE CONSUMIDA VALOR CONSUMO VALOR ACUMULADO PORCENTAGEM DO ALOR ACUMULADO CLASSE DO ITEM P13 R$ ,000 R$ 103, R$ 103, A P60 R$ ,500 R$ 55, R$ 158, A P45 R$ R$ 30, R$ 188, B P02 R$ R$ 12, R$ 200, B P01 R$ ,010 R$ 7, R$ 207, B P87 R$ R$ 7, R$ 214, B P44 R$ R$ 6, R$ 221, B P22 R$ ,000 R$ 6, R$ 227, B P30 R$ R$ 4, R$ 232, B P56 R$ ,500 R$ 3, R$ 236, B P23 R$ R$ 2, R$ 239, C P12 R$ ,000 R$ 2, R$ 241, C P90 R$ ,200 R$ 1, R$ 242, C P50 R$ R$ 1, R$ 244, C P11 R$ ,500 R$ 1, R$ 245, C P26 R$ R$ 1, R$ 246, C P75 R$ R$ 1, R$ 248, C P76 R$ ,500 R$ R$ 248, C P79 R$ R$ R$ 248, C P84 R$ R$ R$ 249, C TOTAL R$ 249,095.00

25 25 Curva ABC Acumulada P13 P60 P45 P02 P01 P87 P44 P22 P30 P56 P23 P12 P90 P50 P11 P26 P75 P76 P79 P84 Itens Gráfico 1 - Classificação ABC relativa à tabela (Extraída de MARTINS, 2006, p. 273) 2.3 Modelo de Reposição Periódica Bertaglia (2003, p.333) descreve: Esse método consiste na revisão periódica, fixa e regular dos estoques. Um novo pedido é colocado no final de cada revisão, e o número de períodos de pedidos é previamente estabelecido. Este sistema pode ser realizado semanalmente, quinzenalmente ou mensalmente conforme a política de cada empresa estimando o nível de reposição necessário para atingir um nível máximo de estoque. O sistema apresenta características bem peculiares quanto ao sistema de reposição contínua, onde são mencionadas por Wanke (2008): Neste outro modelo de gestão, não há a necessidade de pontos de pedido, pois cada x dias é reavaliada a necessidade de reposição. Os tamanhos de lotes não são fixos, podendo variar revisão a revisão, uma vez que em cada revisão é ressuprida a diferença entre o nível de reposição fixo e a posição de estoque efetiva. (WANKE, 2008, p.81).

26 26 - é observado em intervalos fixos - A quantidade pedida é variável - É estabelecida uma meta de estoque. Máximo Q1 Q2 IR TR1 IR TR2 Figura 3 Reposição Periódica (Adaptada de CORRÊA, 2009, p.65) A partir do início, após o período IR, denominado intervalo de revisão, verifica-se que falta a quantidade Q1 para completar o estoque máximo NR. Pede-se a reposição dessa quantidade Q1, que é entregue depois de decorrido o tempo de reposição TR1, ocasião em que o estoque aumenta. Novamente, decorrido o prazo IR, verifica-se que é necessária a quantidade Q2 para completar o nível de reposição. Essa quantidade encomendada chega depois de decorrido o tempo TR2, continuando-se o processo. NR = dx ( TR + IR) + (13) E s em que: NR de Reposição d demanda diária TR de resposta do pedido colocado, em dias

27 27 IR Intervalo de revisão para colocação do pedido, em dias E s de segurança, em unidades 2.4 Vantagens e Desvantagens Entre os Sistemas Alguns estudos apontam para resultados que podem ser satisfatórios ou não entre o tamanho de lote econômico e ponto de pedido (TLE, PP) e o nível de reposição e intervalo de revisão (NR, IR), são eles: O modelo (NR, IR) reage mais rapidamente às variações da demanda e apresenta menor nível de estoque médio, sendo adequado para situações em que há sazonalidade forte e/ou os custos adicionados do produto são relativamente altos quando comparados com a parcela fixa de gastos associada ao ressuprimento; O modelo (TLE, PP) reage mais lentamente às variações na demanda e apresenta maior nível de estoque médio, sendo adequado para situações de sazonalidade fraca e/ou adicionados relativamente baixos quando comparados com os gastos de ressuprimento; O modelo (NR, IR) tende a apresentar o menor custo total para a reposição de estoques em até 150 km de distância, já o modelo (TLE, PP) mostra-se mais adequado para longas distâncias. Não obstante isso, o modelo (NR, IR) é frequentemente adotado por empresas que participam de programas de reposição contínua, com ECR (ficient Consumer Response), CRP (Continuous Replenishment Program) etc. Quando os custos são conhecidos e a demanda é determinística, é possível definir os parâmetros ótimos do modelo (NR, IR) com base no modelo (TLE, PP).

28 de Segurança Quando se fala em estoque de segurança logo se pensa em não deixar de atender a um cliente devido a falta do produto e para que isso não aconteça é fundamental a determinação da probabilidade de não faltar o produto. Segundo Wanke (2008, p.138): É com base nessa probabilidade que os estoques de segurança são calculados e adicionados ao ponto de pedido. E apesar de termos uma grande polêmica em torno de ter ou não estoque e ainda acrescentar este termo estoque de segurança, é muito desagradável para um cliente não receber o produto que encomendou e o autor Wanke (2008, p.138) aponta para uma informação que diz: Quando não há estoques de segurança, há a probabilidade de 50 de faltar produto, supondo que a função de probabilidade da demanda no tempo de resposta seja simetricamente distribuída ao redor da média. (WANKE, 2008, p.138). Existem dois custos que estão envolvidos mutuamente e de naturezas distintas, que são: O custo da fala (cf); O custo do excesso (CE). Esses custos são completamente contrários aos resultados entre a demanda D e o tamanho do lote Q, que são: O quanto se deixa de ganhar quando falta uma unidade de produto em estoque (cf), isto é, pelo menos a sua margem de contribuição (mc); O quanto se perde quando sobra uma unidade de produto em estoque (ce), isto é, o custo de aquisição unitário do produto (Caq). Visualizar o comportamento da demanda no horizonte de planejamento é fundamental para decidir sobre o tamanho do lote Q, a obtenção através de dados históricos, pesquisas de mercado ou a simulação de cenários futuros podem contribuir para a tomada de decisão.

29 29 Podemos nos perguntar sobre qual a probabilidade p de a demanda D se menor ou igual ao tamanho de lote Q? E se a demanda for maior (1-p)? A partir desses elementos, podemos determinar os custos totais (CT) da falta e de excesso na operação de um único período. CT = px ( Q D) xce + (1 p) x ( D Q) xcf (14) Se Q>D, considerar (D - Q) = 0 Se Q<D, considerar (Q D) = 0 Para definir Q e determinar seu valor de modo a minimizar os custos totais da operação é igualando-se a zero a derivada de CT em função de Q: CT = px ( Q D) xce + (1 p) x ( D Q) xcf (15) CT = pxqxce pxdxce + Dxcf Qxcf pxdxcf + pxqxcf (16) dct dq = pxce cf 0 + pxcf = pxce cf + pxcf (17) dct dq = 0 (18) 0 = p xce cf + pxcf (19) cf = p x ( ce + cf ) (20)

30 30 cf p' = (21) ( ce + cf ) A razão entre o custo da falta e a soma do custo da falta com o do excesso aponta para uma probabilidade ótima de não faltar produto de um único período. 2.6 Probabilidade de Não r Produto (PNFP) O modelo de nível de serviço mais empregado nas relações industriais na cadeia de suprimento é a Probabilidade de Não r Produto (PNFP). Esse indicador reflete quais são as chances de ocorrer uma falta durante o ressuprimento. Por exemplo, 75 de PNFP significam que, em média, de cada 100 ressuprimentos, haverá 25 faltas, não importando o quanto se falte nem sua magnitude. Nas relações industriais entre fornecedores e fabricantes é o modelo mais empregado como penalizador na cadeia de suprimentos. Em contratos firmados entre as partes independente da sua grandeza, ele é o que garante a confiabilidade do fornecimento de Segurança em Muitos Períodos Para determinar o estoque de segurança em muitos períodos temos que considerar o desvio-padrão da demanda no tempo de resposta e a distribuição de probabilidade da demanda no tempo de resposta sem esquecer a probabilidade de não faltar produto. Com essas duas variáveis aleatórias independentes, demanda e o tempo de resposta, é possível determinar a média e o desvio padrão da demanda no tempo de resposta. Para determinar a média da demanda no tempo de resposta utilizaremos o ponto de pedido e o desvio-padrão será determinado seguindo a teoria da

31 31 estatística que diz que o desvio-padrão do produto de duas variáveis aleatórias independentes e contínuas é dado pela seguinte equação: AxB ( S xb) + ( S xa) 2 ( S xs ) 2 a 2 B A B S = + (22) Onde: A média da variável aleatória A S A desvio-padrão da variável aleatória A B média da variável aleatória B S B desvio-padrão da variável aleatória B Aplicando ao conceito estatístico a demanda e o tempo de resposta podemos substituir na equação (22) e obter: DxTR ( S xtr) + ( S xd) 2 ( S xs ) 2 D 2 TR TR D S = + (23)

32 32 idade Média Ponto de pedido de segurança para fazer frente a variações incertas da demanda de resposta Figura 4 A demanda varia para mais e o tempo de resposta não varia (SD x TR) (Extraída de WANKE, 2008, p. 142) idade em estoque Média Ponto de pedido de segurança para fazer frente a variações incertas do tempo de resposta de resposta médio de resposta máximo esperado Figura 5 A demanda não varia e o tempo de resposta varia para mais (STR x D) (Extraída de WANKE, 2008, p. 143)

33 33 idade em estoque Média Ponto de pedido de segurança para fazer frente a variações incertas do tempo de resposta e da demanda de resposta máximo esperado Figura 6 Tanto a demanda quanto o tempo de resposta variam para mais (STR x SD) (Extraída de WANKE, 2008, p. 143) 2.7 Esperada por Ciclo de Ressuprimento (FECRE) A Esperada por Ciclo de Ressuprimento, ou Base de Cálculo do Fill Rate pode ser estimado a partir de uma distribuição de probabilidade da demanda no tempo de resposta e o tamanho esperado de cada falta. Esse indicador reflete qual o tamanho médio de falta durante o ressuprimento, nas situações em que há falta e pode ser expresso pela equação: ( ) FR = 1 (24) (Tamanho de Lote)

34 34 CAPÍTULO III SIMULAÇÃO DE MODELOS DE GESTÃO DE ESTOQUES Na vida real sabemos que a demanda é incerta e o tempo de resposta pode sofrer atrasos. E é por isso, que as empresas tomam medidas conservadoras para se resguardar contra possíveis faltas de estoques decorrentes dessas incertezas dimensionando os estoques de segurança. Muitas das vezes não temos uma informação adequada quanto a variabilidade da demanda no tempo de resposta de acordo com uma distribuição normal. Situações como esta não geram uma transparência sobre o tamanho do lote, pontos de pedidos e estoques de segurança afim de minimizar o custo total. Neste capítulo, será apresentado o modelo de gestão de estoques, em Excel, que lida com estas questões de modelo (TLE, PP) com. 3.1 Simulação O mapeamento operacional da gestão de estoque precisa seguir uma lógica, que será apresentado no fluxograma abaixo de acordo com os seguintes tópicos: Inicialmente não temos pedidos pendentes colocados e não recebidos e o nível de estoque é igual ao tamanho do lote Q; Com isso, posição inicial de estoque (PE) é igual ao nível de estoque disponível (E); Quando se inicia a semana seguinte, checa a existência de pedido pendente colocado que ainda não chegou; Se sim, o tamanho do lote Q é somado a posição de estoque; O próximo passo é verificar se o estoque disponível atende a demanda semanal (D<=E);

35 35 Se não, as vendas perdidas é dada por D E, o nível de estoque (E) é diminuído da posição de estoque (PE) ficando igual a zero e calculando o custo de vendas perdidas; Se sim, a demanda semanal é atendida e o nível e a posição de estoque são diminuídos da demanda semanal (D); O próximo passo é verificar se a posição de estoque é menor ou igual ao ponto de pedido somado ao estoque de segurança; Se sim, é colocado um pedido de Q unidades e efetuado os custos de colocação de pedido, mas o nível de estoque não se altera. E em seguida se programa o recebimento de Q unidades para depois do tempo de resposta; Por final, com base no nível de estoque ao final de cada semana (após atendimento da demanda semanal) é inserido o custo de manutenção de estoque com também o custo total. E partindo para a próxima semana temos que retornar ao início da semana; se não, encerramos o simulador. Os valores de k podem determinar a probabilidade de não faltar produto de acordo com uma distribuição normal aderente a uma demanda no tempo de resposta. Abaixo será apresentada uma tabela de probabilidade de não faltar produto em função dos valores k: Tabela 2 Probabilidade de não faltar produto em estoque em função de valores K (Extraída de WANKE, 2008, p. 147) Probabilidade k 50 0, , , , , , , , ,33 99,99 3,62

36 36 Início: de (E) = Q de (PE) = E 1 recebido? 1 = Sim 0 = Não Sim E = E + Q Não Gerar demanda semanal (D) Sim D <= E Não = D E PE = PE E E = 0 E = E D PE = PE - D Calcular o da (CF) (vendas perdidas) PE <= PP + ES Sim pedido Calcular de colocação do (CCP) PE = PE + Q Não Calcular de Manutenção do (CME) Programar ento após Geração do de Calcular (CT) Sim Simular outra semana? Não Fim Figura 7 Fluxograma da Lógica do Simulador (Extraída de WANKE, 2008, p. 239)

37 Análise e avaliação dos Dados Com a aplicação dos níveis de serviço que afetam diretamente o ponto de pedido e o estoque de segurança foram gerados todos os indicadores de custos possíveis, com as combinações possíveis pelo simulador. E com os resultados encontrados seguem as seguintes análises: A medida que o tamanho do lote (Q) aumenta e o valor de k não se altera, temos um aumento no de (CME) e uma redução nos s de s (CCP) e no da (CF). O fato ocorre, pois quando colocamos pedidos grandes aumentamos os níveis de estoques e diminuímos a colocação de pedidos dos mesmos. A medida que o tamanho do lote (Q) não se altera e o valor de k aumenta, temos um aumento no estoque de segurança (ES) que protege o sistema contra faltas, consequentemente aumentando a Probabilidade de Não r Produto (PNFP). Os s de s diminuem, mas os s de s (CME) aumentam como também os s de (CCP) apesar de discretos. Percebe-se que com o aumento do valor de k os indicadores PNFP, FECRE e FR melhoram com à exceção de k=0 onde indica que não ter estoque de segurança. Isso significa maiores tamanhos de lote quando existem estoques de segurança, aumentando na PNFP e no FR e diminuindo na FECRE.

38 38 CONCLUSÃO O gerenciamento eficiente do estoque proporciona ganhos consideráveis quando falamos em acuracidade, tempo, armazenagem e principalmente custos. Está preparado para as épocas do ano em que o estoque é bombardeado de inúmeros pedidos, abastecimentos e saídas de materiais significa atender bem a demanda. Hoje, na gestão de estoque, temos ferramentas de TI que auxiliam em todas as atividades pertinentes ao estoque, mas nem todas as empresas podem dispor de um software como o WMS. E é aí que entra o conceito de tamanho de lote econômico que pode determinar a quantidade necessária para atender o estoque assim como o ponto de pedido para um ressuprimento. O trabalho apresenta um simulador que analisa o tamanho do lote econômico e o ponto de pedido com vendas perdidas, segundo uma distribuição normal da demanda, da probabilidade de não faltar produto e do número de desvio-padrão. Com os dados modelados foram encontrados situações distintas e plausíveis, como: A medida que o tamanho do lote (Q) não se altera e o valor de k aumenta, temos um aumento no estoque de segurança (ES) que protege o sistema contra faltas, consequentemente aumentando a Probabilidade de Não r Produto (PNFP). Os s de s diminuem, mas os s de s (CME) aumentam como também os s de (CCP) apesar de discretos. A medida que o tamanho do lote (Q) não se altera e o valor de k aumenta, temos um aumento no estoque de segurança (ES) que protege o sistema contra faltas, consequentemente aumentando a Probabilidade de Não r Produto (PNFP). Os s de s diminuem, mas os s de s (CME) aumentam como também os s de (CCP) apesar de discretos. o a reposição contínua onde seria feito o comparativo com tamanho do lote econômico os dados não se aplica ao método por se tratar de um método mais simples e que não requer um aprofundamento acadêmicos.

39 39 Com isso, o simulador apresentou uma aplicabilidade probabilística para acompanhamento da demanda aplicando o conhecimento da estatística e conceitos de custos podem ajudar na medição e no controle de estoque.

40 40 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ACCIOLY, Felipe; AYRES, Antonio P. S.; SUCUPIRA, Cezar. Gestão de s. Rio de Janeiro: FGV Editora, BERTAGLIA, Paulo R. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento. São Paulo: Saraiva, BORGES, Fernando. Logística Empresarial: Estratégia de. Rio de Janeiro: AVM, 2010, slide 4-5. CORRÊA, Luiz C.; GIANESI, Irineu Gustavo Nogueira; CAON, M. Planejamento, Programação e Controle da Produção: MRP II/ERP, conceitos, uso e implantação base para SAP, Oracle applications e outros softwares integrados de gestão. 5ª Ed, São Paulo: Atlas, GONÇALVES, Fábio. Excel Avançado 2003/2007: Forecast Análise e Previsão de. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, LIDDELL, Mike; O Pequeno Livro Azul da Programação da Produção. Espírito Santo: Coleção Tecmaran, MARTINS, Petrônio G.; LAUGENI, Fernando P. Administração da Produção. 2ª Ed, São Paulo: Saraiva, 2006.

41 41 MCFEDRIES, Paul. Fórmulas e Funções com Microsoft Excel. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, WANKE, Peter. Gestão de s na Cadeia de Abastecimento. 2ª Ed, São Paulo: Atlas, 2008.

42 ANEXO 1 PLANILHA (TLE, PP) Q = e K = 0 TLE 1,617 Q 8,300 Caq R$ 3.00 D 1,575 CME R$ 1, PNFP PP 790 k 0 Cf R$ 2.79 SD 702 CCP R$ FECRE 270 SDxTR 677 ES 0 CTR R$ 9.59 TR 1 CF R$ 45, Fill Rate PP+ES 790 i 20 STR 0 CT R$ 47,386.34? 1 8,300 8,300 2,839 5, , R$ R$ 9.59 R$ - R$ ,461 5,461-1,299 3,094 3, , R$ R$ - R$ - R$ ,666 3,666-2,757 1,998 4, , R$ R$ - R$ - R$ ,425 4,425-2,304 1,857 4, , R$ R$ - R$ - R$ ,872 4,872-2,688 1,744 5, , R$ R$ - R$ - R$ ,816 5,816-2,107 2,026 5, , R$ R$ - R$ - R$ ,897 5, ,119 4, , R$ R$ - R$ - R$ ,546 4, ,922 3, , R$ R$ - R$ - R$ ,488 3, ,008 1, , R$ R$ - R$ - R$ ,672 1, , R$ 8.65 R$ 9.59 R$ R$ ,347 2, R$ - R$ 9.59 R$ 2, R$ 2, ,851 2, R$ - R$ 9.59 R$ R$ ,209 2, R$ 0.69 R$ 9.59 R$ - R$ ,922 2, R$ 0.69 R$ 9.59 R$ 1, R$ 1, ,145 2,390-1, R$ - R$ 9.59 R$ 3, R$ 3, ,204 1, R$ - R$ 9.59 R$ 1, R$ 1, ,248 2, R$ - R$ 9.59 R$ 2, R$ 2, ,440 2, R$ - R$ 9.59 R$ 2, R$ 2, ,485 1, R$ - R$ 9.59 R$ 1, R$ 1, ,248 2, R$ - R$ 9.59 R$ 2, R$ 2, ,024 2,300-1, R$ - R$ 9.59 R$ 3, R$ 3, ,348-1, R$ - R$ 9.59 R$ 3, R$ 3, ,824 1, R$ - R$ 9.59 R$ R$ ,697 1, R$ 0.36 R$ 9.59 R$ - R$ ,714-1, R$ 0.36 R$ 9.59 R$ 2, R$ 2, ? 42

43 ANEXO 2 PLANILHA (TLE, PP) Q = e K = 1 TLE 1,617 Q 8,300 Caq R$ 3.00 D 1,575 CME R$ 1, PNFP PP 790 k 1 Cf R$ 2.79 SD 702 CCP R$ FECRE 56 SDxTR 677 ES 677 CTR R$ 9.59 TR 1 CF R$ Fill Rate PP+ES 1,467 i 20 STR 0 CT R$ 2,660.63? 1 8,300 8,300 2,839 5, , R$ R$ R$ - R$ ,461 5,461-1,299 3,094 3, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,666 3,666-2,757 1,998 4, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,425 4,425-2,304 1,857 4, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,872 4,872-2,688 1,744 5, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,816 5,816-2,107 2,026 5, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,897 5, ,119 4, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,546 4, ,922 3, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,488 3, ,008 1, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,672 1, , R$ R$ R$ 5.94 R$ ,347 2, R$ - R$ R$ R$ ,851 2, R$ - R$ R$ 6.47 R$ ,209 2, R$ 1.27 R$ R$ - R$ ,922 2, R$ 1.27 R$ R$ 7.74 R$ ,145 2,390-1, R$ - R$ R$ R$ ,204 1, R$ - R$ R$ R$ ,248 2, R$ - R$ R$ R$ ,440 2, R$ - R$ R$ R$ ,485 1, R$ - R$ R$ 9.05 R$ ,248 2, R$ - R$ R$ R$ ,024 2,300-1, R$ - R$ R$ R$ ,348-1, R$ - R$ R$ R$ ,824 1, R$ - R$ R$ 2.73 R$ ,697 1, R$ 0.66 R$ R$ - R$ ,714-1, R$ 0.66 R$ R$ R$ ? 43

44 ANEXO 3 PLANILHA (TLE, PP) Q = e K = 2 TLE 1,617 Q 8,300 Caq R$ 3.00 D 1,575 CME R$ 2, PNFP PP 790 k 2 Cf R$ 2.79 SD 702 CCP R$ FECRE 6 SDxTR 677 ES 1,354 CTR R$ 9.59 TR 1 CF R$ Fill Rate PP+ES 2,144 i 20 STR 0 CT R$ 2,533.08? 1 8,300 8,300 2,839 5, , R$ R$ R$ - R$ ,461 5,461-1,299 3,094 3, , R$ R$ 0.98 R$ - R$ ,666 3,666-2,757 1,998 4, , R$ R$ 0.98 R$ - R$ ,425 4,425-2,304 1,857 4, , R$ R$ 0.98 R$ - R$ ,872 4,872-2,688 1,744 5, , R$ R$ 0.98 R$ - R$ ,816 5,816-2,107 2,026 5, , R$ R$ 0.98 R$ - R$ ,897 5, ,119 4, , R$ R$ 0.98 R$ - R$ ,546 4, ,922 3, , R$ R$ 0.98 R$ - R$ ,488 3, ,008 1, , R$ R$ 0.98 R$ - R$ ,672 1, , R$ R$ R$ 0.61 R$ ,347 2, R$ - R$ R$ 1.75 R$ ,851 2, R$ - R$ R$ 0.66 R$ ,209 2, R$ 1.37 R$ R$ - R$ ,922 2, R$ 1.37 R$ R$ 0.79 R$ ,145 2,390-1, R$ - R$ R$ 2.41 R$ ,204 1, R$ - R$ R$ 1.23 R$ ,248 2, R$ - R$ R$ 1.73 R$ ,440 2, R$ - R$ R$ 1.93 R$ ,485 1, R$ - R$ R$ 0.92 R$ ,248 2, R$ - R$ R$ 1.92 R$ ,024 2,300-1, R$ - R$ R$ 2.47 R$ ,348-1, R$ - R$ R$ 2.68 R$ ,824 1, R$ - R$ R$ 0.28 R$ ,697 1, R$ 0.71 R$ R$ - R$ ,714-1, R$ 0.71 R$ R$ 2.07 R$ ? 44

45 ANEXO 4 PLANILHA (TLE, PP) Q = e K = 3 TLE 1,617 Q 8,300 Caq R$ 3.00 D 1,575 CME R$ 2, PNFP PP 790 k 3 Cf R$ 2.79 SD 702 CCP R$ FECRE 0 SDxTR 677 ES 2,031 CTR R$ 9.59 TR 1 CF R$ 1.43 Fill Rate PP+ES 2,822 i 20 STR 0 CT R$ 2,526.78? 1 8,300 8,300 2,839 5, , R$ R$ R$ - R$ ,461 5,461-1,299 3,094 3, , R$ R$ 1.00 R$ - R$ ,666 3,666-2,757 1,998 4, , R$ R$ 1.00 R$ - R$ ,425 4,425-2,304 1,857 4, , R$ R$ 1.00 R$ - R$ ,872 4,872-2,688 1,744 5, , R$ R$ 1.00 R$ - R$ ,816 5,816-2,107 2,026 5, , R$ R$ 1.00 R$ - R$ ,897 5, ,119 4, , R$ R$ 1.00 R$ - R$ ,546 4, ,922 3, , R$ R$ 1.00 R$ - R$ ,488 3, ,008 1, , R$ R$ 1.00 R$ - R$ ,672 1, , R$ R$ R$ 0.03 R$ ,347 2, R$ - R$ R$ 0.08 R$ ,851 2, R$ - R$ R$ 0.03 R$ ,209 2, R$ 1.38 R$ R$ - R$ ,922 2, R$ 1.38 R$ R$ 0.04 R$ ,145 2,390-1, R$ - R$ R$ 0.11 R$ ,204 1, R$ - R$ R$ 0.06 R$ ,248 2, R$ - R$ R$ 0.08 R$ ,440 2, R$ - R$ R$ 0.09 R$ ,485 1, R$ - R$ R$ 0.04 R$ ,248 2, R$ - R$ R$ 0.09 R$ ,024 2,300-1, R$ - R$ R$ 0.11 R$ ,348-1, R$ - R$ R$ 0.12 R$ ,824 1, R$ - R$ R$ 0.01 R$ ,697 1, R$ 0.72 R$ R$ - R$ ,714-1, R$ 0.72 R$ R$ 0.09 R$ ? 45

46 ANEXO 5 PLANILHA (TLE, PP) Q = e K = 0 TLE 1,617 Q 10,375 Caq R$ 3.00 D 1,575 CME R$ 1, PNFP PP 790 k 0 Cf R$ 2.79 SD 702 CCP R$ FECRE 270 SDxTR 677 ES 0 CTR R$ 9.59 TR 1 CF R$ 40, Fill Rate PP+ES 790 i 20 STR 0 CT R$ 41,826.60? 1 10,375 10,375 2,839 7, , R$ R$ 9.59 R$ - R$ ,536 7,536-1,299 3,094 5, , R$ R$ - R$ - R$ ,741 5,741-2,757 1,998 6, , R$ R$ - R$ - R$ ,500 6,500-2,304 1,857 6, , R$ R$ - R$ - R$ ,947 6,947-2,688 1,744 7, , R$ R$ - R$ - R$ ,891 7,891-2,107 2,026 7, , R$ R$ - R$ - R$ ,972 7, ,119 6, , R$ R$ - R$ - R$ ,621 6, ,922 5, , R$ R$ - R$ - R$ ,563 5, ,008 3, , R$ R$ - R$ - R$ ,747 3, ,332 1, , R$ R$ - R$ - R$ ,762 1,762-1,347 2, R$ R$ 9.59 R$ - R$ ,851 2, R$ 7.08 R$ 9.59 R$ - R$ ,209 2, R$ 6.01 R$ 9.59 R$ - R$ ,922 2, R$ 3.90 R$ 9.59 R$ - R$ ,145 2,390-1, R$ 0.55 R$ 9.59 R$ 3, R$ 3, ,204 1, R$ - R$ 9.59 R$ 1, R$ 1, ,248 2, R$ - R$ 9.59 R$ 2, R$ 2, ,440 2, R$ - R$ 9.59 R$ 2, R$ 2, ,485 1, R$ - R$ 9.59 R$ 1, R$ 1, ,248 2, R$ - R$ 9.59 R$ 2, R$ 2, ,024 2,300-1, R$ - R$ 9.59 R$ 3, R$ 3, ,348-1, R$ - R$ 9.59 R$ 3, R$ 3, ,824 1, R$ - R$ 9.59 R$ R$ ,697 1, R$ 0.36 R$ 9.59 R$ - R$ ,714-1, R$ 0.36 R$ 9.59 R$ 2, R$ 2, ? 46

47 ANEXO 6 PLANILHA (TLE, PP) Q = e K = 1 TLE 1,617 Q 10,375 Caq R$ 3.00 D 1,575 CME R$ 2, PNFP PP 790 k 1 Cf R$ 2.79 SD 702 CCP R$ FECRE 56 SDxTR 677 ES 677 CTR R$ 9.59 TR 1 CF R$ Fill Rate PP+ES 1,467 i 20 STR 0 CT R$ 3,004.17? 1 10,375 10,375 2,839 7, , R$ R$ R$ - R$ ,536 7,536-1,299 3,094 5, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,741 5,741-2,757 1,998 6, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,500 6,500-2,304 1,857 6, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,947 6,947-2,688 1,744 7, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,891 7,891-2,107 2,026 7, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,972 7, ,119 6, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,621 6, ,922 5, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,563 5, ,008 3, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,747 3, ,332 1, , R$ R$ 0.84 R$ - R$ ,762 1,762-1,347 2, R$ R$ R$ - R$ ,851 2, R$ R$ R$ - R$ ,209 2, R$ R$ R$ - R$ ,922 2, R$ 7.18 R$ R$ - R$ ,145 2,390-1, R$ 1.01 R$ R$ R$ ,204 1, R$ - R$ R$ 9.64 R$ ,248 2, R$ - R$ R$ R$ ,440 2, R$ - R$ R$ R$ ,485 1, R$ - R$ R$ 7.24 R$ ,248 2, R$ - R$ R$ R$ ,024 2,300-1, R$ - R$ R$ R$ ,348-1, R$ - R$ R$ R$ ,824 1, R$ - R$ R$ 2.18 R$ ,697 1, R$ 0.66 R$ R$ - R$ ,714-1, R$ 0.66 R$ R$ R$ ? 47

MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS 10/07/2006/em Artigos /por Peter Wanke É universalmente reconhecida a grande importância do conceito nível de serviço no desenho

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Sistemas de Gestão de Estoques

Sistemas de Gestão de Estoques CONCEITOS BÁSICOSB Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 1 CONCEITOS BÁSICOSB PP = Ponto de pedido ou ponto de ressuprimento ou ponto de reposição é o instante (a quantidade) no qual se faz um pedido de compra

Leia mais

Modelos de Nível de Serviço e Otimização dos Estoques na Cadeia de Suprimentos Probabilidade de Não Faltar Produto e Vendas Perdidas

Modelos de Nível de Serviço e Otimização dos Estoques na Cadeia de Suprimentos Probabilidade de Não Faltar Produto e Vendas Perdidas Modelos de Nível de Serviço e Otimização dos Estoques na Cadeia de Suprimentos Probabilidade de Não Faltar Produto e Vendas Perdidas Peter Wanke, D.Sc. 1. Introdução É universalmente reconhecida a grande

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011 Artigo publicado na edição 18 Assine a revista através do nosso site setembro e outobro de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Cálculo do estoque de segurança as suas diferentes abordagens

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA DE USINAGEM

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA DE USINAGEM IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA DE USINAGEM Roberto Nilton Machado de Oliveira (UNA ) robertonmo@outlook.com SHEILA APARECIDA GONCALVES (UNA ) sheila18goncalves@yahoo.com.br LARISSA FRANCO

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 10 09/06/2016 Logística

Leia mais

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos

MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos MPU Administração de Recursos Materiais Parte 02 Janilson Santos 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. Ponto de Pedido PP = (D x TR) + ES Onde: D = Demanda do

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Processos Administrativos de Compras

Processos Administrativos de Compras Processos Administrativos de Compras INTRODUÇÃO A função compras é um segmento essencial do Departamento de Materiais e Suprimentos, que tem pôr finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços

Leia mais

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Camila Cristina Prati Passarini (Unioeste) camila10prati@hotmail.com Rayssa Proença Loiola (Unioeste) rayssaproenca@gmail.com Riquianderson

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DE ESTOQUES Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer a terminologia usada na gestão de estoques Conhecer os métodos e procedimentos básicos de planejamento

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B 2 INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B GERÊNCIAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE Guilherme Demo Limeira SP 2005 3 GUILHERME DEMO GERÊNCIAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUE Projeto científico

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Armazenagem e movimentação de materiais

Armazenagem e movimentação de materiais V I R T U A L Armazenagem e movimentação de materiais Lote econômico e estoque de segurança GESTÃO DE LOGÍSTICA Professor: Wilson Luigi Silva Mestre em Administração Apresentação da unidade Uma vez determinada

Leia mais

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES

POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES POSICIONAMENTO LOGÍSTICO E A DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS CLIENTES 10/06/2000/em Artigos /por Peter Wanke Definir a política mais apropriada para atendimento aos clientes constitui um dos fatores

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL ACORDO - Celular: Silencioso ou desligado - Chamada 19:10hs e 22:10hs. - Entrada ou saída no decorrer da aula em silencio para não atrapalhar os demais participantes. -Trabalho final

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A Aplicação do Gerenciamento de Risco nos Projetos de Implantação de ERP - Protheus. Por: Gisele Santos Ribeiro Orientador

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES Michelle Santos do Nascimento, FATEC- Carapicuíba, mi_mkk@yahoo.com.br Aline de Souza Custodio, FATEC- Carapicuíba,

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE FLUXO DE CAIXA Por: Adriana Sant Anna dos Santos Orientador Profº.: Luiz Claudio Lopes Alves D.Sc. Rio de Janeiro 2009 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa

Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa Izadora Pereira (UNIFEBE) Izadorapereira@unifebe.edu.br André Luís Almeida Bastos (UNIFEBE/FURB/ESNT)

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

'$($')!$!"& (*+!,-$+& +."*/$& !"#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra.

'$($')!$!& (*+!,-$+& +.*/$& !#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. Silene Seibel A variável Estoque Texto base da disciplina PCP da Udesc Introdução No planejamento e controle

Leia mais

Estes postos não permitem mais nenhuma adição de ordens novas, sendo, portanto assumidos como as restrições de capacidade para TODA a operação.

Estes postos não permitem mais nenhuma adição de ordens novas, sendo, portanto assumidos como as restrições de capacidade para TODA a operação. Fascículo 8 Planejamento e controle da capacidade Prover a capacidade produtiva para satisfazer a demanda atual e futura é uma responsabilidade fundamental da atividade de administração da produção. Um

Leia mais

Evolução da Disciplina. Programação e Controle. Conteúdo da Aula. Contextualização. Sinergia. Prof. Me. John Jackson Buettgen Aula 6.

Evolução da Disciplina. Programação e Controle. Conteúdo da Aula. Contextualização. Sinergia. Prof. Me. John Jackson Buettgen Aula 6. Programação e Controle da Produção Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 Conceitos gerais de planejamento Aula 2 Planejamento de produção Aula 3 Planejamento de recursos Prof. Me. John Jackson Buettgen

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Estoques

Conceitos Básicos de Gestão de Estoques Conceitos Básicos de Gestão de Estoques 45 Conceitos básicos de estoque Estoques: acúmulo de de recursos materiais em em um um sistema de de transformação Fase 1 estoque Fase 2 chuvas sazonais máquina

Leia mais

MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2

MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2 MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2 1. Questões teóricas de sistemas de planejamento da produção: a. Defina e descreva planejamento agregado. b. Relacione as vantagens e desvantagens dos

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A TERCEIRIZAÇÃO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIOS DE CARGA E A REDUÇÃO DO CUSTO AGREGADO À LOGÍSTICA Por: Cristiane de Paula Silva Orientador

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE UM VASO DE PRESSÃO EM UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE. Por: Dario Jorge Brandão Orientador Professora

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

ESTUDO DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE DE INSUMOS EM UMA FÁBRICA DE BEBIDAS

ESTUDO DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE DE INSUMOS EM UMA FÁBRICA DE BEBIDAS WWWCONVIBRAORG ESTUDO DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE DE INSUMOS EM UMA FÁBRICA DE BEBIDAS Adriene Sugahara de Paula (UFF/Volta Redonda) adrienesp@iduffbr Denise Cristina de Oliveira Nascimento (UFF/Macaé)

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES RESUMO

ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES RESUMO ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES Flávia Galdino Silva Juliana de Freitas da Silva Lícia Mara Denis Ferreira Unisalesiano Flavinha_galdino@hotmail.com Agulha.freitas@hotmail.com Licia.denis@hotmail.com RESUMO

Leia mais

CENAIC Centro Nacional Integrado de Cursos

CENAIC Centro Nacional Integrado de Cursos Nome: Data: / /. Dia da Semana: Horário de Aula das : ás :. Nome do Professor: Carlos Roberto Mettitier Esta avaliação teórica tem o peso de 10 pontos. Instruções para realização da avaliação: 1. A avaliação

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

ANÁLISE DE CAPITAL DE GIRO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

ANÁLISE DE CAPITAL DE GIRO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS ANÁLISE DE CAPITAL DE GIRO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS MIRELA BOLDRINI LUMES ¹ RESUMO Capital de giro é o conjunto de valores necessários para a empresa fazer seus negócios acontecerem. Pode se dizer

Leia mais

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES.

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. Osmar Possamai (UFSC ) osmarpossamai@gmail.com Emerson Cleister Lima Muniz (UFSC ) eng.prod.emerson@gmail.com

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Impacto Financeiro do Desperdício de Materiais em Hemodinâmica. Cátia Simoni Teixeira Porto Alegre RS

Impacto Financeiro do Desperdício de Materiais em Hemodinâmica. Cátia Simoni Teixeira Porto Alegre RS Impacto Financeiro do Desperdício de Materiais em Hemodinâmica Cátia Simoni Teixeira Porto Alegre RS Serviço de Hemodinâmica Serviço de Hemodinâmica Apresenta alta rotatividade de pacientes Conjuga procedimentos

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos

Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos Design and Performance Gestão da cadeia de suprimentos 1 1. Supply Chain Structure 3. Componentes gerenciais 4. Supply Chain Performance Measurement (SCPM) 5. Hot topics in Supply Chain (SC) 6. Dell Case

Leia mais

Verificando a viabilidade do negócio

Verificando a viabilidade do negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Verificando a viabilidade do negócio Manual Etapa 2/Parte 1 Bem-vindo! Olá, caro empreendedor! É um prazer ter você na Etapa 2 do Programa de Auto-Atendimento

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA Daiane Milioli Dagostin 1 Wagner Blauth 2 RESUMO Atualmente as empresas

Leia mais