Technology in the Classroom: Use of Educational Apps for College Students

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Technology in the Classroom: Use of Educational Apps for College Students"

Transcrição

1 Technology in the Classroom: Use of Educational Apps for College Students Gustavo Hermínio Salati Marcondes de Moraes (Unicamp Faculdade de Ciências Aplicadas, São Paulo, Brasil) Emerson Feitosa Arrais (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado, São Paulo, Brasil) Abstract This research aimed to identify what are the factors that lead the college student intention to use applications provided by the educational institutions. A survey of 133 students who used educational apps was performed and the analysis was developed through structural equation modeling. The results show that aid in daily academic activities, the enjoyment provided in the use and the habit positively influence the intention to use. Regarding the technical part involved in this procedure (download, install and get information) and the influence of other people, these factors are not influencers of such use. The study expands the understanding of issues related to educational applications, enabling the use of the results to make decisions about the provision and development of applications for this purpose. Keywords: Applications, college students, technological adoption, structural equations. A Tecnologia na Sala de Aula: Utilização de aplicativos educacionais por estudantes universitários Resumo Esta pesquisa teve como objetivo identificar quais são os fatores que levam o estudante universitário à intenção de utilizar aplicativos disponibilizados pelas instituições de ensino. Foi realizada uma pesquisa com 133 estudantes que utilizaram aplicativos educacionais e a análise foi desenvolvida por meio de modelos de equações estruturais. Os resultados evidenciam que o auxílio nas atividades acadêmicas cotidianas, a diversão proporcionada e o hábito influenciam positivamente na intenção de uso. Já a parte técnica envolvida nesse procedimento (baixar, instalar e buscar informações) e a influência de outras pessoas, esses fatores não são influenciadores da utilização. O estudo amplia o entendimento dos aspectos relacionados aos aplicativos educacionais, possibilitando, dessa forma, utilizar-se dos resultados para tomar decisões sobre a disponibilização e desenvolvimento de apps para essa finalidade. Palavras-chave: Aplicativos, estudantes universitários, adoção tecnológica, equações estruturais. Agradecimentos Agradecemos à Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado pelo apoio e incentivo no desenvolvimento deste estudo

2 1. Introdução As relações sociais e empresariais têm sofrido profundas alterações devido à utilização das tecnologias da informação e comunicação (TIC), transformando a noção de tempo e espaço (Colombo & Cortezia, 2014). A possibilidade da conectividade em qualquer local e tempo altera a forma de comunicação entre as empresas e seus stakeholders. As questões que envolvem mobilidade permeiam as ações empresariais, que procuram se valer das tendências tecnológicas, buscando novos resultados em seus negócios. As redes sem fio e o acesso a dados e informações por meio de dispositivos móveis se apresentam com uma alternativa de interatividade comum entre empresas (Saccol & Reinhard, 2007). Desde a invenção dos smartphones, a tecnologia de telefonia móvel tem mudado rapidamente (Paterson & Low, 2011). A demanda pelos smartphones e tablets vem aumentando muito, e isso deve-se às suas diversas funções e popularidade. Com esses aparelhos é possível a realização de mensagens instantâneas pela internet, download de aplicativos móveis, conexão com programas de entretenimento de visualização Wi-Fi e de estacionamento (Park e Chen, 2007). Devido à crescente conectividade via dispositivos sem fio, é necessário adaptar as tecnologias para as diversas situações (Cenzi et al., 2008), por meio de aplicativos (apps), que são desenvolvidos como ferramenta de interação das empresas com os clientes, funcionando como software, executando variadas tarefas e aumentando a interatividade dos dispositivos móveis. Com a proliferação dos aplicativos móveis usados nos smartphones, professores e instituições de ensino têm apostado em disponibilizar aplicativos para as disciplinas, oferecendo conteúdo com valor e qualidade para os estudantes. Nesse contexto, a presente pesquisa tem como objetivo entender os motivos que levam o estudante à intenção de baixar e utilizar aplicativos em sala de aula. O objetivo geral do estudo pode ser traduzido pela questão da pesquisa: Quais são os fatores que levam o estudante universitário à intenção de instalar e utilizar um aplicativo para smartphone disponibilizado pelo professor e/ou instituição de ensino? A justificativa para realização da pesquisa está nas suas contribuições práticas e teóricas. Do ponto de vista prático, os resultados podem auxiliar os professores e instituições de ensino no entendimento dos benefícios da utilização das TICs em sala de aula, facilitando a disseminação de informações e ampliando os conhecimentos científicos e tecnológicos

3 Do ponto de vista acadêmico, o estudo pretende adaptar e testar modelos reconhecidos na literatura internacional para um contexto específico e ainda não explorado, adicionando novos construtos e aumentando o entendimento sobre novas tecnologias. O novo modelo apresentado contribui para os estudos em administração, tecnologia e educação, com percepções sobre o comportamento do indivíduo frente a novas tecnologias. 2. Referencial Teórico 2.1 Tecnologias da Informação Móveis e Aplicativos As tecnologias de informação móveis e sem fio (TIMS) abordam temas como telefones celulares, smartphones, tablets, redes sem fio entre outras tecnologias (Saccol, Manica, & Calderwood, 2011). Welin-Berger (2004) apregoa que do ponto de vista empresarial a introdução das TIMS possibilita melhoria nos processos, velocidade no acesso às informações, redução de erro e melhor planejamento. Sob a ótica do consumidor, Saccol, Manica e Calderwood (2011) apresentam ganhos provenientes da disponibilidade de um canal móvel de comunicação para atender às demandas de captação de pedidos no ambiente móvel e também como ferramenta de buscas de informações, gerando redução de tarefas administrativas e de logística e eficiência no trabalho de campo. A funcionalidade de um dispositivo de informação depende da sua interface de comunicação (software), compostas por conjuntos de instruções operacionais utilizados para controlar o processamento das tecnologias (Laudon & Laudon, 2004). A expressão aplicação móvel é usada para classificar o software utilizado em dispositivos móveis (Cenzi et al., 2008). As últimas décadas foram marcadas por uma disseminação acelerada das TIMS (Saccol, Manica, & Calderwood, 2011). A usabilidade e aderência dos cidadãos aos aplicativos pode ser verificada na rotina diária de um usuário de aplicações móveis, que utilizam os smartphones para, por exemplo, escutar músicas, conversar via Skype e assistir filmes (Anderson & Wolff, 2010). De acordo com pesquisa realizada pelo Gartner (2013), a quantidade de downloads de aplicativos em 2013 estava estimada em 102 bilhões, gerando uma receita de $ 26 bilhões, contra $ 18 bilhões em A previsão é que, até 2017, 268 bilhões de apps serão baixados, com uma receita de $ 77 bilhões. Esses números ressaltam a importância e o crescimento desse mercado

4 O presente artigo utilizou como instrumento de informação o estudo dos smartphones e tablets, juntamente com o uso dos aplicativos como software, dentro do contexto universitário. 2.2 Pesquisas sobre adoção tecnológica As pesquisas desenvolvidas sobre adoção da tecnologia têm como seu principal referencial a Teoria Unificada de Aceitação e Utilização de Tecnologia (UTAUT), desenvolvida por Venkatesh, Morris, Davis e Davis (2003). O modelo, que analisa os fatores que favorecem o uso e a intenção de uso de determinada tecnologia, é um dos modelos mais utilizados na literatura de sistemas de informação. Venkatesh et al. (2003) elaboraram o modelo por meio de uma unificação de oito modelos anteriores, contendo quatro construtos considerados determinantes diretos do comportamento de uso da tecnologia. Os construtos apresentados na UTAUT são: Expectativa de Desempenho, Expectativa de Esforço, Influência Social e Condições Facilitadoras. Quase uma década depois da UTAUT, Venkatesh, Thong e Xu (2012) apresentaram a UTAUT 2, que seria um aperfeiçoamento do modelo anterior. A primeira versão foi desenvolvida para o contexto organizacional, enquanto a segunda versão foi elaborada para o contexto do consumidor. Além dos construtos constantes da UTAUT, a nova teoria apresenta três novos construtos: Motivação Hedônica, Valor do Preço e Hábito. O Gráfico 1 apresenta a UTAUT 2. Gráfico 1. UTAUT 2 Fonte: Venkatesh, V., Thong, J. Y. L., Xu, X. (2012)

5 No modelo, a Expectativa de Desempenho avalia em qual medida o indivíduo acredita que a utilização do sistema contribuirá para o desempenho no seu trabalho, e a Expectativa de Esforço é a perspectiva de facilidade pelo indivíduo em relação à utilização do sistema. Influência Social é definida como a intensidade na qual o sujeito compreende a influência que pessoas importantes em seu círculo social exercem para que ele utilize a tecnologia. Condições Facilitadoras são entendidas como a percepção do indivíduo sobre a existência de uma infraestrutura técnica e organizacional para utilização do sistema e a Motivação Hedônica é definida como a diversão ou prazer em utilizar uma tecnologia. O Valor do Preço é a comparação pelo consumidor do benefício percebido com a utilização da tecnologia, incluindo vantagens em relação ao custo monetário. Como último fator, Hábito é definido como a medida em que as pessoas tendem a executar comportamentos automaticamente por causa da aprendizagem. Os autores destacam como moderadores no modelo a Idade, o Sexo e a Experiência. As hipóteses do presente estudo são baseadas e adaptadas dos estudos de Venkatesh et al. (2003) e Venkatesh et al. (2012) A primeira hipótese do presente estudo é em relação ao construto Expectativa de Desempenho do UTAUT. A hipótese formulada é que o estudante acredita que utilizar os aplicativos educacionais pode auxiliar nas atividades acadêmicas cotidianas, agilizar nas atividades de estudo e ser útil para acompanhar as aulas. Hipótese 1: Expectativa de Desempenho influencia de forma positiva a Intenção de Uso de aplicativos educacionais. Expectativa de Esforço e Influências Sociais são construtos utilizados na maioria dos estudos de adoção tecnológica, e estão presentes na UTAUT e UTAUT 2 com alto valor explicativo. Assim, foram considerados no modelo do presente estudo para serem testados. Dessa forma, entende-se que o estudante que consegue adquirir, instalar e buscar informações sobre os apps com facilidade teria maior intenção de utilizar os aplicativos (Hipótese 2). Em relação às Influências Sociais, a hipótese apresentada é que se pessoas que influenciam o comportamento do estudante recomendassem, haveria maior intenção de uso. Hipótese 2: A Expectativa de Esforço influencia positivamente a Intenção de Uso de aplicativos educacionais. Hipótese 3: Influência Social influencia positivamente a Intenção de Uso de aplicativos educacionais. Motivação Hedônica pode ser definida como a diversão ou o prazer em utilizar a tecnologia (Venkatesh, Thong, & Xu, 2012). Alguns pesquisadores do comportamento do

6 consumidor e de sistemas de informação têm utilizado construtos relacionados com a motivação hedônica em seus estudos, e os resultados da variável são relevantes tanto no consumo quanto na utilização da TI (Brown & Venkatesh, 2005; Holbrook & Hirschman, 1982; Nysveen, Pedersen, & Thorbjornsen, 2005; van der Heijden, 2004). Assim, a Hipótese 4 do estudo é relacionada à Motivação Hedônica, entendendo que os estudantes que acham divertido e prazeroso a utilização de apps serão influenciados a utilizá-los. Hipótese 4: Motivações Hedônicas influenciam positivamente a Intenção de Uso de aplicativos educacionais. Hábito vem sendo utilizado em estudos da área de tecnologia com resultados positivos, como nos estudos de Malhotra, Sung e Agarwal (2004) e Limayem, Hirt e Cheung (2007). Venkatesh et al. (2012) também considerou o construto na UTAUT 2 e o resultado obtido foi alto. Para o contexto do presente estudo Hábito foi considerado importante, constituindo-se a Hipótese 5. Assim, a hipótese é que o estudante que tem o hábito de utilizar apps para estudar, assistir vídeos e obter conteúdos das disciplinas, será mais influenciado a utilizar os aplicativos educacionais. Hipótese 5: Hábito influencia positivamente a Intenção de Uso de aplicativos educacionais. 3. Modelo Conceitual da Pesquisa e Hipóteses do Estudo O Gráfico 2 apresenta o modelo teórico para validação dos constructos e testes das hipóteses levantadas. Gráfico 2. Modelo Conceitual da Pesquisa

7 O Quadro 1 apresenta a descrição e a base teórica de cada uma das hipóteses do estudo. Quadro 1. Hipóteses do Estudo Hipóteses Descrição Base Teórica H1 Expectativa de Desempenho influencia de forma positiva a Intenção de Uso de aplicativos educacionais. Venkatesh et al. (2003); Venkatesh et al. (2012). H2 A Expectativa de Esforço influencia positivamente a Intenção de Uso de aplicativos educacionais. Venkatesh et al. (2003); Venkatesh et al. (2012). H3 Influências Sociais influenciam positivamente a Venkatesh et al. (2003); Intenção de Uso de aplicativos educacionais. Venkatesh et al. (2012). H4 Motivações Hedônicas influenciam positivamente a Intenção de Uso de aplicativos educacionais. Venkatesh et al. (2003); Venkatesh et al. (2012). H5 Hábito influencia de forma positiva a Intenção de Uso de aplicativos educacionais. Venkatesh et al. (2003); Venkatesh et al. (2012). 4. Metodologia Foi utilizada uma metodologia quantitativa para o desenvolvimento de pesquisa. Para análise e verificação das hipóteses e do modelo proposto, foi realizada uma pesquisa com 133 estudantes que já utilizaram aplicativos educacionais. O questionário preliminar foi validado por um grupo composto por 4 especialistas da área de tecnologia da informação que já utilizaram modelos de adoção tecnológica. As escalas foram adaptadas de estudos anteriores. As perguntas eram afirmações que os usuários respondiam em uma escala Likert baseada em cinco níveis, que variavam entre os extremos Discordo Totalmente até Concordo Totalmente. A análise dos dados foi realizada por meio da técnica de análise multivariada de modelagem por equações estruturais, que é adequada para situações de múltiplas relações concomitantemente (Chin, Marcolin, & Newsted, 2003; Hair, Anderson, Tatham, & Black, 2005). 5. Descrição e análise dos resultados Foram utilizados os critérios para avaliação de modelos de mensuração reflexivos apresentados por Hair et al. (2013): a) Consistência interna (confiabilidade composta); b) Confiabilidade do indicador; c) Validade convergente (variância média extraída); d) Validade discriminante

8 A Análise Fatorial Confirmatória foi utilizada para examinar a validade convergente e discriminante dos construtos utilizados no modelo estrutural (Hair et al., 2005). Todos os construtos apresentaram indicadores com cargas altas em suas variáveis latentes (Tabela 1), superiores a 0,70, e cargas baixas nas demais variáveis latentes, indicando razoável validade discriminante e convergente (Chin, 1998). Os únicos indicadores que não apresentaram valores superiores a 0,70 foram IU1 e IU4, que apresentaram respectivamente os valores de 0,684 e 0,655, valores muito próximos do aceitável. Tabela 1. Análise Fatorial Confirmatória Construto Variável Expectativa de Motivações Intenção Hábito Desempenho Hedônicas de Uso Expectativa de Desempenho ED1 0,815 0,482 0,353 0,379 Expectativa de Desempenho ED2 0,782 0,439 0,276 0,322 Expectativa de Desempenho ED3 0,898 0,638 0,410 0,476 Motivações Hedônicas MH1 0,460 0,821 0,449 0,432 Motivações Hedônicas MH2 0,578 0,868 0,498 0,477 Motivações Hedônicas MH3 0,570 0,844 0,416 0,416 Hábito HAB1 0,399 0,504 0,900 0,376 Hábito HAB2 0,334 0,473 0,924 0,430 Hábito HAB3 0,429 0,509 0,924 0,460 Intenção de Uso IU1 0,433 0,389 0,236 0,684 Intenção de Uso IU2 0,445 0,418 0,387 0,814 Intenção de Uso IU3 0,258 0,463 0,446 0,766 Intenção de Uso IU4 0,244 0,214 0,253 0,655 Outro indicador utilizado para a validação convergente do modelo é o valor da variância média extraída (AVE) que, como critério para validação, deve apresentar um valor superior a 0,5, de acordo com Hair, Ringle e Sarstedt (2011). Para avaliar o modelo de mensuração, uma medida principal utilizada, além do exame das cargas para cada indicador, é a confiabilidade composta de cada construto (Hair et al., 2005; Hair et al., 2013). A confiabilidade composta descreve o grau em que os indicadores representam o construto latente em comum. Um valor de referência comumente usado para confiabilidade aceitável é 0,70. Foi realizada, também, para analisar a validade convergente, a verificação da consistência interna. Um alto valor de consistência interna no construto indica que todas as variáveis representam o mesmo construto latente. A consistência interna é avaliada por meio do Alpha de Cronbach, que varia de 0 a 1, com altos valores indicando alto nível de consistência. Para estudos exploratórios, valores entre 0,60 e 0,70 são considerados aceitáveis; já para estudos em estágios mais avançados, valores entre 0,70 e 0,90 são considerados satisfatórios (Nunally & Berstein, 1994; Hair et al., 2013). Outro indicador de validade discriminante entre os construtos é calcular a raiz quadrada da variância média extraída dos construtos, que deve ser maior que a correlação

9 entre as variáveis latentes (Fornell & Larcker, 1981). Todos os indicadores mencionados são apresentados na Tabela 2 e estão dentro do estabelecido pelos autores. Tabela 2. Síntese da avaliação dos modelos de mensuração Expectativa de Desempenho Expectativa de Desempenho 0,833 Motivações Hedônicas Motivações Hedônicas 0,635 0,844 Hábito Hábito 0,423 0,540 0,916 Intenção de Uso Intenção de Uso 0,479 0,525 0,463 0,732 AVE 0,694 0,713 0,839 0,537 Confiabilidade Composta 0,872 0,882 0,940 0,821 Alpha de Cronbach 0,781 0,799 0,905 0,714 Para analisar as significâncias dos indicadores foi utilizada a técnica bootstrapping, de acordo com a sugestão de Efron e Tibshirani (1998). A utilização da técnica bootstrapping para analisar a significância das cargas obtidas para as variáveis observáveis não se baseia só em uma estimação de modelo, mas calcula estimativas de parâmetros e seus intervalos de confiança com base em múltiplas estimações (Hair, Anderson, Tatham, & Black, 2005; Hair, Hult, Ringle, & Sarstedt, 2013). De acordo com as recomendações de Hair et al. (2013), foi realizada uma reamostragem de amostras, com reposição de 133 casos. A estatística t de Student analisa a hipótese de que os coeficientes de correlação são iguais a zero. Caso os resultados deste teste indiquem valores superiores a 1,96, a hipótese é rejeitada e a correlação é significante (Efron & Tibshirani, 1998; Hair et al., 2013). A Tabela 3 apresenta os valores dos coeficientes entre os construtos e as respectivas estatísticas t de Student. Os valores foram estimados pela técnica de bootstrapping. Os valores dos relacionamentos de Hábito e Motivações Hedônicas em relação à Intenção de Uso apresentaram valores de t de Student superiores a 1,96 (nível de significância = 5%). O valor do teste t de Expectativa de Esforço e Influência Social ficaram muito abaixo de 1,96. Esses valores significam que os construtos não influenciam positivamente a Intenção de Uso do app educacional, não confirmando as Hipóteses 2 e 3. Tabela 3. Coeficientes do modelo estrutural entre construtos Média Desvio P-valor Estatística T Padrão (bicaudal) Expectativa de Desempenho Intenção de Uso 0,220 0,121 1,856 0,054 Expectativa de Esforço Intenção de Uso 0,024 0,100 0,088 0,930 Influência Social Intenção de Uso -0,031 0,084 0,490 0,624 Hábito Intenção de Uso 0,241 0,095 2,516 0,012 Motivações Hedônicas Intenção de Uso 0,274 0,115 2,349 0,

10 Como os coeficientes dos construtos Expectativa de Esforço e Influência Social associados com o construto Intenção de Uso não obtiveram valores significantes, foram eliminados das análises e validações posteriores. Considerações sobre estas ausências de significâncias serão feitas no tópico Conclusões. A Tabela 4 apresenta os coeficientes do modelo estrutural sem os construtos eliminados. Na primeira análise, o construto Expectativa de Desempenho havia apresentado valor muito próximo do desejado, e na análise apresentada na Tabela 4 o valor já está adequado. Tabela 4. Coeficientes do modelo estrutural entre construtos Média Desvio P-valor Estatística T Padrão (bicaudal) Expectativa de Desempenho Intenção de Uso 0,224 0,097 2,201 0,028 Hábito Intenção de Uso 0,229 0,093 2,462 0,014 Motivações Hedônicas Intenção de Uso 0,270 0,117 2,260 0,024 A análise do coeficiente de determinação (R²) foi realizada com base nos estudos de Cohen (1977). Segundo este autor, o estado de desenvolvimento de grande parte da ciência do comportamento é tal que não muito da variância na variável dependente é previsível. Nesse sentido, o autor propõe uma escala para a classificação do coeficiente de determinação, sendo R² igual a 10% considerado baixo, R² igual a 30% considerado médio e R² igual a 50% considerado alto. O Gráfico 3 apresenta o modelo resultante da pesquisa com a síntese das validações das hipóteses. Gráfico 3. Modelo resultante da pesquisa e síntese das validações das hipóteses Foram testadas variáveis moderadoras como idade e gênero e não foram encontrados efeitos significantes. Finalmente, a partir das validações obtidas com o modelo estrutural, apresenta-se no Quadro 2 a síntese dos testes de hipóteses do estudo

11 Quadro 2. Síntese dos testes de hipóteses do estudo Hipóteses Descrição Resultado H1 Expectativa de Desempenho influencia de forma positiva a Intenção de Uso de aplicativos educacionais. CONFIRMADA H2 A Expectativa de Esforço influencia positivamente a Intenção de NÃO H3 H4 H5 Uso de aplicativos educacionais. Influências Sociais influenciam positivamente a Intenção de Uso de aplicativos educacionais. Motivações Hedônicas influenciam positivamente a Intenção de Uso de aplicativos educacionais. Hábito influencia de forma positiva a Intenção de Uso de aplicativos educacionais. CONFIRMADA NÃO CONFIRMADA CONFIRMADA CONFIRMADA 6. Conclusões O alto valor explicativo do construto Motivações Hedônicas evidencia que os estudantes teriam prazer e achariam divertido utilizar aplicativos educacionais, sendo assim o principal fator influenciador da intenção de uso. No entanto, nota-se que a Expectativa de Esforço não apresentou significância estatística de influência à intenção de uso dos aplicativos. A provável explicação para esse resultado é que os estudantes, em sua maioria, já estão acostumados com os aspectos técnicos dos aplicativos como, por exemplo, adquirir, instalar e buscar informações sobre os apps em lojas virtuais. De acordo com os resultados do estudo, tampouco se comprovou que os usuários são influenciados pela opinião de pessoas que confiam para utilizar os aplicativos. Por se tratar de uma aplicação tecnológica exclusiva para o contexto da instituição de ensino em que o estudante está vinculado, entende-se que esse resultado é plausível. A Expectativa de Desempenho também apresentou valores positivos, ressaltando sua influência sobre a utilização dos apps. Assim, evidencia que os estudantes consideram que os aplicativos podem auxiliar nas atividades cotidianas da vida escolar, agilizando as atividades e a verificação de notas e faltas, por exemplo. Dessa forma, as funcionalidades disponibilizadas no aplicativo pela instituição são fundamentais para sua utilização. Além destes aspectos influenciadores ao uso da tecnologia, o estudo revelou que o hábito é o segundo fator que motiva à intenção de uso dos apps, dada a sua influência positiva significante sobre o uso desta aplicação. Atualmente, a maior parte dos estudantes possuem smartphones e está acostumado a utilizar aplicativos para buscar informações, assistir vídeos e estudar. O valor do coeficiente de determinação do construto Intenção de Uso dos apps igual a 34,8% manifesta uma explicação razoável pela seleção dos construtos analisados. Porém, sugere-se a continuidade deste estudo com a inclusão de outros possíveis construtos, para conseguir um maior fator explicativo

12 Para as instituições de ensino, o estudo amplia o entendimento dos aspectos relacionados aos aplicativos educacionais por parte dos estudantes, possibilitando, dessa forma, utilizar-se dos resultados para tomar decisões sobre a disponibilização e desenvolvimento de aplicativos para essa finalidade. Entendendo que os estudantes utilizariam aplicativos para auxiliar nas atividades educacionais cotidianas, para se divertir e por causa do hábito de usar apps, os gestores podem reconhecer esse canal como uma possibilidade de interação efetiva e positiva com os estudantes. Como recomendações, novos estudos poderiam: - Explorar o modelo em diferentes instituições de ensino e cursos; - Acrescentar novos construtos para aumentar o valor explicativo do modelo; - Inserir moderadores no modelo para analisar diferenças entre perfis (idade, sexo, renda, etc.); - Realizar pesquisas qualitativas com um número menor de estudantes, para aprofundar os resultados

13 REFERÊNCIAS Anderson, C., & Wolff, M. (2010). The web is dead: long live the internet. Revista Wired, [S.l.: S.n.], 17 ago. Brown, S. A., & Venkatesh, V. (2005). Model of Adoption of Technology in the Household: A Baseline Model Test and Extension Incorporating Household Life Cycle. MIS Quarterly, (29:4), pp Cenzi, D., Teixeira, I., Costa, J. G., Dobgenski, J. (2008). Tecnologia de aplicações para dispositivos móveis integrada a banco de dados remoto utilizando software livre. Anuário da Produção Científica dos Cursos de Pós- Graduação, v. 3, n. 3, p , Colombo, M. C., & Cortezia, L, S. D. (2014). Adoção de Aplicativos Para Dispositivos Móveis: Uma Análise Sob a Perspectiva da Utilidade dos Aplicativos em Empresas do Setor Imobiliário. XXXVIII Encontro da ANPAD Enanpad. Rio de Janeiro, Cohen, J. (1977). Statistical Power Analysis for the Behavioral Sciences, ed. 2. New York: Academic Press, The Concept of Power Analysis. Chin, W. W. (1998). The Partial Least Squares Approach to Structural Equation Modeling. In G. A. Marcoulides (Ed.), Modern Methods for Business Research (pp ). Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum. Chin, W. W., Marcolin, B. L., & Newsted, P. R. (2003). A Partial Least Squares Latent Variable Modeling Approach for Measuring Interaction Effects: Results from a Monte Carlo Simulation Study and an Electronic-Mail Emotion/Adoption Study. [Article]. Information Systems Research, 14(2), Efron, B., & Tibshirani, R. J. (1998). An introduction to the bootstrap. Chapman & Hall / CRC Press. Fornell, C., & Larcker, D. F. (1981). Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of Marketing Research, v.18, pp Gartner Group. (2014). Gartner says mobile app stores will see annual downloads reach 102 billion in Set Disponível em: < Acesso em: 30 set Hair, JR. J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (2005) Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman. Hair, J. F., Hult, G. T. M., Ringle, C. M., & Sarstedt, M. (2013). A Primer on Partial Least Squares Structural Equation Modeling (PLS-SEM). Thousand Oaks: SAGE Publications. Hair, J. F., Ringle, C. M., & Sarstedt, M. (2011). PLS-SEM: Indeed a Silver Bullet. Journal of Marketing Theory and Practice, v. 19, pp

14 Holbrook, M. B., & Hirschman, E. C. (1982). The Experiential Aspects of Consumption: Consumer Fantasies, Feelings, and Fun. Journal of Consumer Research, (9:2), pp Laudon, J. P., Laudon, K. C. (2004). Sistemas de informação gerenciais: administrando a empresa na era digital. 5. ed. São Paulo: Pearson. Limayem, M., Hirt, S. G., & Cheung, C. M. K. (2007). How Habit Limits the Predictive Power of Intentions: The Case of IS Continuance. MIS Quarterly (31:4), pp Luo, J., Ba, S., & Zhang, H. (2012). The Effectiveness of Online Shopping Characteristics and Well-Designed Websites on Satisfaction. MIS Quarterly (36:4): pp Malhotra, N. K., Sung, S. K., & Agarwal, J. (2004). Internet Users' Information Privacy Concerns (IUIPC): The Construct, the Scale, and a Causal Model. [Article]. Information Systems Research, 15(4), doi: /isre Nunally, J. C., & Bernstein, I. (1994). Psychometric theory. New York: McGraw-Hill. Nysveen, H., Pedersen, P. E., & Thorbjornsen, H. (2005). Intentions to Use Mobile Services: Antecedents and Cross-Service Comparisons. Journal of the Academy of Marketing Science, (33:3), pp Park, Y., & Chen, J. V. (2007). Acceptance and adoption of the innovative use of smartphone. Industrial Management & Data Systems, vol. 107, n.9, pp Paterson, L., & Low, B. (2011). Student attitudes towards mobile library services for smartphones. Library Hi Tech, Vol. 29 Iss: 3, pp Saccol, A. Z., Manica, A., Calderwood, S. E. (2011). Innovation and adoption of mobile technology in public organizations: the IBGE case. Revista de Administração de empresas - RAE, São Paulo, v. 51, n. 1, p.72-83, jan./fev. Saccol, A. Z., & Reinhard, N. (2007). Tecnologias de informação móveis, sem fio e ubíquas: definições, estado da arte e oportunidades de Pesquisa. Revista de Administração Contemporânea, v. 11, n. 4, p , out./dez. van der Heijden, H. (2004). User Acceptance of Hedonic Information Systems. [Article]. MIS Quarterly, 28(4), Venkatesh, V., Morris, M. G., Davis, G. B., & Davis, F. D. (2003). User Acceptance of Information Technology: Toward a Unified View. [Article]. MIS Quarterly, 27(3),

15 Venkatesh, V., Thong, J. Y. L., & Xu, X (2012). Consumer Acceptance and Use of Information Technology: Extending the Unified Theory of Acceptance and Use of Technology. MIS Quarterly, 36(1),

Curtir Mais, Pagar Menos Adoção às Compras Coletivas pelo Consumidor Final

Curtir Mais, Pagar Menos Adoção às Compras Coletivas pelo Consumidor Final Curtir Mais, Pagar Menos Adoção às Compras Coletivas pelo Consumidor Final Autoria: Gustavo Hermínio Salati Marcondes de Moraes, Eduardo da Silva Flores, Alexandre Cappellozza, Emerson Feitosa Arrais Resumo

Leia mais

Curtir Mais, Pagar Menos Adoção às Compras Coletivas pelo Consumidor Final. Enjoy more, Pay less Adoption to Collective Buying by Consumers

Curtir Mais, Pagar Menos Adoção às Compras Coletivas pelo Consumidor Final. Enjoy more, Pay less Adoption to Collective Buying by Consumers Revista Gestão & Tecnologia e-issn: 2177-6652 revistagt@fpl.edu.br http://revistagt.fpl.edu.br/ Curtir Mais, Pagar Menos Adoção às Compras Coletivas pelo Consumidor Final Enjoy more, Pay less Adoption

Leia mais

O efeito da confiança na intenção de uso do mobile banking

O efeito da confiança na intenção de uso do mobile banking Fernanda Leão Ramos O efeito da confiança na intenção de uso do mobile banking Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da PUC- Rio como

Leia mais

Autoria: Gustavo Hermínio Salati Marcondes de Moraes

Autoria: Gustavo Hermínio Salati Marcondes de Moraes Dubsmash Comportamento de Rebanho na Utilização de Tecnologia de Informação Resumo Autoria: Gustavo Hermínio Salati Marcondes de Moraes O comportamento de rebanho em tecnologia de informação é um fenômeno

Leia mais

Como aprender a aplicar a Técnica de Equações Estruturais na Pesquisa em Operações. Luiz Artur Ledur Brito FGV-EAESP Luiz.brito@fgv.

Como aprender a aplicar a Técnica de Equações Estruturais na Pesquisa em Operações. Luiz Artur Ledur Brito FGV-EAESP Luiz.brito@fgv. Como aprender a aplicar a Técnica de Equações Estruturais na Pesquisa em Operações Luiz Artur Ledur Brito FGV-EAESP Luiz.brito@fgv.br Agenda O que é a técnica de equações estruturais e para que serve?

Leia mais

4. Modelagem e Análise dos Dados

4. Modelagem e Análise dos Dados 4. Modelagem e Análise dos Dados Neste capítulo são avaliadas as propriedades estatísticas e psicométricas da amostra coletada, sendo ajustados os modelos de mensuração e estruturais propostos. São testadas

Leia mais

Fatores que Influenciam o Uso e a Intenção de Uso das Tecnologias: Um estudo em uma Universidade

Fatores que Influenciam o Uso e a Intenção de Uso das Tecnologias: Um estudo em uma Universidade Fatores que Influenciam o Uso e a Intenção de Uso das Tecnologias: Um estudo em uma Universidade RESUMO Autoria: Viviane Alexandra Machado Saragoça, Maria José Carvalho de Souza Domingues Buscou-se analisar

Leia mais

Usabilidade dos Sistemas Operacionais Móveis Android, ios e Windows Phone

Usabilidade dos Sistemas Operacionais Móveis Android, ios e Windows Phone Usabilidade dos Sistemas Operacionais Móveis Android, ios e Windows Phone Déborah S. Cardoso 1, Kátia Adriana A. L. de Barros 1 1 Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) dehscardoso@gmail.com,

Leia mais

Uso de modelagem de equações estruturais para testar a validade de construto

Uso de modelagem de equações estruturais para testar a validade de construto Uso de modelagem de equações estruturais para testar a validade de construto Juliana Alvares Duarte Bonini Campos Paula Cristina Jordani Patrícia Petromilli Nordi Sasso Garcia João Maroco Introdução A

Leia mais

Análise da produção científica nacional sobre Sistema de Informação Gerencial nos principais eventos nacionais em Engenharia de Produção

Análise da produção científica nacional sobre Sistema de Informação Gerencial nos principais eventos nacionais em Engenharia de Produção Análise da produção científica nacional sobre Sistema de Informação Gerencial nos principais eventos nacionais em Engenharia de Produção Tanise Fuckner de Oliveira (UTFPR) taniseoliveira@yahoo.com.br Antonio

Leia mais

A competitividade de um país não começa nas indústrias ou nos laboratórios de engenharia. Ela começa na sala de aula.

A competitividade de um país não começa nas indústrias ou nos laboratórios de engenharia. Ela começa na sala de aula. 1 Introdução 1.1. Apresentação do Tema A competitividade de um país não começa nas indústrias ou nos laboratórios de engenharia. Ela começa na sala de aula. (Lee Iacocca) As inovações estão transformando

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO O USO DE TECNOLOGIAS MÓVEIS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EVERTON ROBERTO COMIN

RELATÓRIO EXECUTIVO O USO DE TECNOLOGIAS MÓVEIS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EVERTON ROBERTO COMIN RELATÓRIO EXECUTIVO O USO DE TECNOLOGIAS MÓVEIS NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EVERTON ROBERTO COMIN SÃO LEOPOLDO 2014 Introdução Este relatório apresenta os resultados da pesquisa O uso de tecnologias móveis

Leia mais

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 Alexandre Nixon Soratto, Msc. (INMETRO) ansoratto@inmetro-sc.gov.br Gregório Varvakis, PhD. (UFSC) grego@egc.ufsc.br Resumo

Leia mais

CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO PARA AVALIAR A MODALIDADE A DISTÂNCIA NO ÂMBITO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO

CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO PARA AVALIAR A MODALIDADE A DISTÂNCIA NO ÂMBITO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO PARA AVALIAR A MODALIDADE A DISTÂNCIA

Leia mais

Categorias Temas Significados Propostos

Categorias Temas Significados Propostos 91 5. Conclusão O objetivo do presente trabalho foi descrever a essência do significado da experiência consultiva para profissionais de TI que prestam de serviços de consultoria na área de TI. Para atingir

Leia mais

Os rumos do Email Marketing

Os rumos do Email Marketing Marketing Os rumos do Email Marketing Confira alguns pontos que podem fazer a diferença na utilização desta ferramenta, como um maior investimento na equipe De 1 a 3 de fevereiro, tive a oportunidade de

Leia mais

JOGOS DIGITAIS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE FRAÇÕES: UMA PROPOSTA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA

JOGOS DIGITAIS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE FRAÇÕES: UMA PROPOSTA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA JOGOS DIGITAIS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE FRAÇÕES: UMA PROPOSTA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 Lucas Henrique VIANA lucas_henriqk@hotmail.com

Leia mais

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento Patrícia B. Scherer Bassani 1 (FEEVALE) Elias Wallauer 2 (FEEVALE) Lovani

Leia mais

Mensuração de Resultados

Mensuração de Resultados Mensuração de Resultados A Educação Corporativa mais Próxima da Estratégia do Negócio coleção 3 02 olá! A Affero Lab, maior empresa de Educação Corporativa do Brasil, tem se envolvido com todos os aspectos

Leia mais

A importância da Adequação Mútua entre o Sistema e as Tarefas no EaD: Uma análise com estudantes brasileiros

A importância da Adequação Mútua entre o Sistema e as Tarefas no EaD: Uma análise com estudantes brasileiros Association for Information Systems AIS Electronic Library (AISeL) CONF-IRM 2013 Proceedings International Conference on Information Resources Management (CONF-IRM) 5-1-2013 A importância da Adequação

Leia mais

Novos formatos para a venda direta

Novos formatos para a venda direta Canais Novos formatos para a venda direta A tecnologia é aliada da consultora para ganhar agilidade, aprofundar o relacionamento e ampliar as vendas Imagem da campanha de lançamento do Você Conect@ para

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO 63 TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS APLICADAS AO ENSINO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO CARLOS FERNANDO DE ARAUJO JR 1 ÁDERSON GUIMARÃES PEREIRA 2 RESUMO O trabalho procura demonstrar que a aplicação das tecnologias

Leia mais

Aplicativo para dispositivos móveis: relato de experiência da biblioteca da escola de educação física e esporte da Universidade de São Paulo

Aplicativo para dispositivos móveis: relato de experiência da biblioteca da escola de educação física e esporte da Universidade de São Paulo Aplicativo para dispositivos móveis: relato de experiência da biblioteca da escola de educação física e esporte da Universidade de São Paulo Solange Alves Santana Maria Lúcia Vieira Franco Regiane Pereira

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Leia mais

Adoção de Governo Eletrônico no Brasil: A perspectiva do usuário do programa Nota Fiscal Paulista

Adoção de Governo Eletrônico no Brasil: A perspectiva do usuário do programa Nota Fiscal Paulista Adoção de Governo Eletrônico no Brasil: A perspectiva do usuário do programa Nota Fiscal Paulista Resumo Autoria: Gustavo Hermínio Salati Marcondes de Moraes, Fernando de Souza Meirelles Esta pesquisa

Leia mais

Inclusão Digital Uma Maneira Eficiente De Inclusão Social

Inclusão Digital Uma Maneira Eficiente De Inclusão Social Inclusão Digital Uma Maneira Eficiente De Inclusão Social Fábio Manoel Caliari Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) São Bento do Sul SC Brasil Departamento de Sistemas de Informação caliari@sbs.udesc.br

Leia mais

Palavras-Chave: Fusão e Aquisição, Comportamento do Consumidor, Produto, Satisfação, Lealdade.

Palavras-Chave: Fusão e Aquisição, Comportamento do Consumidor, Produto, Satisfação, Lealdade. Nome do Aluno: Clara Montagnoli Neves Nome do Orientador: Carla Ramos Tema: Estudo do impacto no comportamento do consumidor resultante de fusão ou aquisição de empresas. Palavras-Chave: Fusão e Aquisição,

Leia mais

26/05 - Convergência de Métodos para Avaliação de Dados: Fatorial, Clusters e Testes Bivariados. 11 02/06 - Regressão Linear Simples e Múltipla

26/05 - Convergência de Métodos para Avaliação de Dados: Fatorial, Clusters e Testes Bivariados. 11 02/06 - Regressão Linear Simples e Múltipla PLANO DE ENSINO Universidade Positivo Curso: MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Área de concentração: Organizações, Gestão e Sociedade Disciplina: Métodos Quantitativos Administração de Pesquisa Carga horária total:

Leia mais

INFORMÁTICA: UMA NOVA FERRAMENTA PARA A EDUCAÇÃO

INFORMÁTICA: UMA NOVA FERRAMENTA PARA A EDUCAÇÃO INFORMÁTICA: UMA NOVA FERRAMENTA PARA A EDUCAÇÃO SANTOS, Lucimeire Silva 1 SANTOS, Luciana Silva 2 ALMEIDA, Douglas Ribeiro 3 BARBARESCO, Bárbara Lima 4 SANTOS, Luiz Alberto Alves 5 RESUMO Atualmente para

Leia mais

4 Análise dos Resultados

4 Análise dos Resultados 55 4 Análise dos Resultados Este capítulo apresenta os resultados obtidos a partir de survey realizada com jovens universitários chilenos. Para compor a base de dados, foram utilizadas as respostas de

Leia mais

Mundo. Usuários (em milhões) América Latina

Mundo. Usuários (em milhões) América Latina O Modelo Estendido da Teoria Unificada da Aceitação e Uso de Tecnologia no Contexto do Consumo (UTAUT2): Avaliando o Modelo no Brasil a Partir de Usuários de Internet em Smartphones. Autoria: Luiz Henrique

Leia mais

XV SEMEAD outubro de 2012

XV SEMEAD outubro de 2012 Área temática: GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FATORES QUE INFLUENCIAM A ACEITAÇÃO E USO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NO CONTEXTO DE UM CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA SERVIDORES PÚBLICOS AUTORAS

Leia mais

Palavras-chave: serviços qualificados, interação universidade-empresa, ecossistema inovação

Palavras-chave: serviços qualificados, interação universidade-empresa, ecossistema inovação Ampliação quantitativa e qualitativa da interação entre o ambiente da universidade e a população do Inovaparq a partir do compartilhamento de projetos e programas de extensão Vanessa de Oliveira Collere

Leia mais

Análise do processo de avaliação contínua em um curso totalmente à distância

Análise do processo de avaliação contínua em um curso totalmente à distância Análise do processo de avaliação contínua em um curso totalmente à distância Joice Lee Otsuka Instituto de Computação Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) 1 Caixa Postal 6176 CEP: 13083-970 - Campinas,

Leia mais

Aceitação de Tecnologia: Um Estudo da Adoção de Mídias Digitais a partir do Uso de E-Books para fins de Leitura

Aceitação de Tecnologia: Um Estudo da Adoção de Mídias Digitais a partir do Uso de E-Books para fins de Leitura Aceitação de Tecnologia: Um Estudo da Adoção de Mídias Digitais a partir do Uso de E-Books para fins de Leitura Autoria: Mateus de Sousa Martins, Josivania Silva Farias, Danilo Santana Pereira RESUMO Para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 2º. SEMESTRE 2015 DISCIPLINA: Pesquisa Quantitativa com Análise de Dados PROFESSOR:

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1

MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 MODELAGEM MATEMÁTICA: PRINCIPAIS DIFICULDADES DOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO 1 Resumo Claudenici Aparecida Medeiros da Silva Universidade Federal do Pará Campus de Marabá Pólo de Canaã dos Carajás nici_medeiros@hotmail.com

Leia mais

Adoção da Internet Móvel para Uso Pessoal

Adoção da Internet Móvel para Uso Pessoal Association for Information Systems AIS Electronic Library (AISeL) AMCIS 2010 Proceedings Americas Conference on Information Systems (AMCIS) 8-1-2010 Sidney Chaves Faculdade de Economia e Administração

Leia mais

Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas

Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas 264 Biblioteca Virtual de Soluções Assistivas Maria Helena Franciscatto 1 Adriana Soares Pereira 1 Roberto Franciscatto 1 Liliana Maria Passerino 2 1 Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Colégio

Leia mais

TENHA A SUA AGÊNCIA NO MERCADO DE APLICATIVOS MÓVEIS

TENHA A SUA AGÊNCIA NO MERCADO DE APLICATIVOS MÓVEIS TENHA A SUA AGÊNCIA NO MERCADO DE APLICATIVOS MÓVEIS MERCADO DE APLICATIVOS MÓVEIS POLITICA COMERCIAL E VENDAS FÁBRICA DE APLICATIVOS ÍNDICE EXPLORANDO RECURSOS COMPORTAMENTO DO USUÁRIO COMO MANTER SUA

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira 15 INTELIGÊNCIA DE MERCADO: TRANSFORMANDO AS OLIMPÍADAS EM NEGÓCIOS 1 RESUMO Um dos grandes desafios das organizações hoje é a aplicabilidade assertiva das técnicas de análise e métodos utilizados em Inteligência

Leia mais

ANALISANDO O INVESTIMENTO EM TECNOLOGIA

ANALISANDO O INVESTIMENTO EM TECNOLOGIA ANALISANDO O INVESTIMENTO EM TECNOLOGIA Mariano Yoshitake Francisco Santos Ventura Ricardo Krayuska Araujo Fabrício Antão de Sousa Thais Vieira Damasceno RESUMO Este artigo foi realizado como parte das

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

Uma Perspectiva sobre o Sistema de Controle de Eventos utilizado pela Faculdade Metodista Granbery

Uma Perspectiva sobre o Sistema de Controle de Eventos utilizado pela Faculdade Metodista Granbery Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 4, JAN/JUN 2008 Uma Perspectiva sobre o Sistema de Controle de Eventos

Leia mais

Marcos Paulo SANCHEZ 2 Ruy GUERIOS 3 Mauro Roberto Claro de SOUZA 4. Faculdade Eniac, Guarulhos, SP

Marcos Paulo SANCHEZ 2 Ruy GUERIOS 3 Mauro Roberto Claro de SOUZA 4. Faculdade Eniac, Guarulhos, SP Utilização da Tecnologia como Fator Motivacional no Aprimoramento do Processo de Ensino-Aprendizagem de Jovens Relato de Experiência do Sistema de Ensino Eniac 1 Marcos Paulo SANCHEZ 2 Ruy GUERIOS 3 Mauro

Leia mais

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática José Adson D. Pacheco & Janaina V. Barros - UPE Resumo: O presente artigo avalia a utilização de softwares educativos de matemática na sala de aula

Leia mais

Serviço Especial de TV por Assinatura

Serviço Especial de TV por Assinatura RELATÓRIO CONTENDO AS ANÁLISES ESTATÍSTICAS DOS DADOS COLETADOS E SEUS RESULTADOS PRODUTO VI PÚBLICO (TUP) Serviço Especial de TV por Assinatura Janeiro de 2013 2 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VALIDAÇÃO

Leia mais

O USO DE REDES SOCIAIS E TECNOLOGIA MÓVEL NA EAD NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR

O USO DE REDES SOCIAIS E TECNOLOGIA MÓVEL NA EAD NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR 1 O USO DE REDES SOCIAIS E TECNOLOGIA MÓVEL NA EAD NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR São Carlos - SP - abril - 2014 Helena Gordon Silva Leme - UFSCar - hgsleme@gmail.com Kenia Rosa de Paula Nazario - UFSCar

Leia mais

O USO DE APLICATIVOS COM JOGOS DE QUÍMICA NO CELULAR COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO APRENDIZAGEM

O USO DE APLICATIVOS COM JOGOS DE QUÍMICA NO CELULAR COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO APRENDIZAGEM O USO DE APLICATIVOS COM JOGOS DE QUÍMICA NO CELULAR COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO APRENDIZAGEM Irivan Alves Rodrigues 1 ; Elisângela Garcia Santos Rodrigues 2. 1. EEEFM Luís de Azevedo Soares. E-mail:

Leia mais

Aprimoramento através da integração

Aprimoramento através da integração Aprimoramento através da integração Uma parceria para implementar uma solução de aprendizagem em tempo recorde Visão Geral Com mais de 70 anos de excelência na produção de conhecimento no Brasil, a Fundação

Leia mais

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO Jorge Luiz Maria Junior 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Resumo Através dos sistemas de informação, as organizações mundiais buscam práticas

Leia mais

Usabilidade na Web. Dinara P. Lima. Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil

Usabilidade na Web. Dinara P. Lima. Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil Usabilidade na Web Dinara P. Lima Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil dinara.lima@gmail.com Abstract. This article presents an overview

Leia mais

Classificação: Determinístico

Classificação: Determinístico Prof. Lorí Viali, Dr. viali@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/viali/ Da mesma forma que sistemas os modelos de simulação podem ser classificados de várias formas. O mais usual é classificar os modelos

Leia mais

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2013 Trabalho utilizado como requisito parcial da disciplina Métodos de Pesquisa em Psicologia André

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

RESUMo. Luiz Henrique Lima Faria 1 Antônio Carlos Giuliani 2 Nádia Kassouf Pizzinatto 3 Andrea Kassouf Pizzinatto 4

RESUMo. Luiz Henrique Lima Faria 1 Antônio Carlos Giuliani 2 Nádia Kassouf Pizzinatto 3 Andrea Kassouf Pizzinatto 4 DOI: 10.5902/1983465913088 A Aplicabilidade do Modelo Estendido ao Consumo da Teoria Unificada da Aceitação e Uso de Tecnologia (UTAUT2) no Brasil: Uma Avaliação do Modelo a Partir de Usuários de Internet

Leia mais

PERFIL DE ESCOLAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CICLO II A RESPEITO DO USO DE RECURSOS DE INFORMÁTICA PELO PROFESSOR PARA AUXÍLIO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO

PERFIL DE ESCOLAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CICLO II A RESPEITO DO USO DE RECURSOS DE INFORMÁTICA PELO PROFESSOR PARA AUXÍLIO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

Adoção do Serviço de Mensagens de Texto (SMS) pelos usuários de telefonia móvel: Uma proposta baseada no Modelo de Aceitação da Tecnologia

Adoção do Serviço de Mensagens de Texto (SMS) pelos usuários de telefonia móvel: Uma proposta baseada no Modelo de Aceitação da Tecnologia Jéssica Mattoso da Fonseca Adoção do Serviço de Mensagens de Texto (SMS) pelos usuários de telefonia móvel: Uma proposta baseada no Modelo de Aceitação da Tecnologia Dissertação de Mestrado Dissertação

Leia mais

Whatsquestions Tire dúvidas online

Whatsquestions Tire dúvidas online Whatsquestions Tire dúvidas online Caio Souza Costa 1,Allison Silva 2, João Souza 3, Antônio Souza Magalhães 4, Cynara Carvalho Souza 5 Departamento de Computação Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais

Leia mais

A utilização de CRM como estratégia de negócio

A utilização de CRM como estratégia de negócio Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma nº 25 09 de abril de 2015 A utilização de CRM como estratégia de negócio Dasio Giovanni do Carmo Barreto Supervisor

Leia mais

POPULARIZAÇÃO DA CIÊNCIAS ATRAVÉS DE APLICATIVO PUBLICADOR E SIMULADOR EM TABLETS PARA O ENSINO MÉDIO

POPULARIZAÇÃO DA CIÊNCIAS ATRAVÉS DE APLICATIVO PUBLICADOR E SIMULADOR EM TABLETS PARA O ENSINO MÉDIO POPULARIZAÇÃO DA CIÊNCIAS ATRAVÉS DE APLICATIVO PUBLICADOR E SIMULADOR EM TABLETS PARA O ENSINO MÉDIO Edgley Alves Batista; Antonio Augusto Pereira de Sousa; Welida Tamires Alves da Silva; Amanda Monteiro

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE PARA A INCLUSÃO DIGITAL NA ESCOLA PÚBLICA

IMPLICAÇÕES DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE PARA A INCLUSÃO DIGITAL NA ESCOLA PÚBLICA IMPLICAÇÕES DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE PARA A INCLUSÃO DIGITAL NA ESCOLA PÚBLICA Adriana Richit, Bárbara Pasa, Valéria Lessa, Mauri Luís Tomkelski, André Schaeffer, Andriceli Richit, Angélica Rossi

Leia mais

10 Análise dos recursos internos

10 Análise dos recursos internos 177 10 Análise dos recursos internos Essa seção do trabalho tem como objetivo fazer a análise dos recursos internos das duas empresas pesquisadas, Globo e Vivo. Como referencial teórico será utilizado

Leia mais

MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA, DESENHO DIDÁTICO E USABILIDADE NA GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL

MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA, DESENHO DIDÁTICO E USABILIDADE NA GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA, DESENHO DIDÁTICO E USABILIDADE NA GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL RESUMO Rejane Cunha Freitas 1 Orientador: Marco Silva Dada a expansão de cursos de graduação

Leia mais

Apêndice A. Documento de Especicação de Requisitos de Software do Classroom experience

Apêndice A. Documento de Especicação de Requisitos de Software do Classroom experience Apêndice A Documento de Especicação de Requisitos de Software do Classroom experience 103 Especificação dos Requisitos do Software < Classroom experience > Versão 2.0 Preparado por < Taffarel Brant Ribeiro,

Leia mais

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1 GT2 O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Renato Fares Khalil Marco Aurélio Bossetto José Fontebasso Neto.br Orientadora: Profa. Dra. Irene Jeanete Lemos

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

DidaTIC: ferramenta para elaboração de conteúdos didáticos digitais para EAD

DidaTIC: ferramenta para elaboração de conteúdos didáticos digitais para EAD DidaTIC: ferramenta para elaboração de conteúdos didáticos digitais para EAD Cristiane Borges Braga 1, Cassandra Ribeiro de O. e Silva 1, Fabrice Joye 1, Marcos Portela 1, Jane Fontes Guedes Melo 2 1 Núcleo

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2016 Apresentação O Sindusfarma deseja oferecer aos seus associados à possibilidade de

Leia mais

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Avaliação Econômica como instrumento para o aprimoramento da gestão das ações sociais 26/09/2013 Fundação

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS FATORES DETERMINANTES E INFLUENCIADORES DE COMPRA DA MÚSICA GOSPEL VITÓRIA 2013 2 GEORGE PINHEIRO RAMOS

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Renato Paraquett Fernandes Mestrando do Programa de Pós-Graduação e Engenharia Civil/Produção da Universidade

Leia mais

ANÁLISE ORGANIZACIONAL DE UMA EMPRESA DO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS EM SANTA MARIA (RS) Lúcia dos Santos Albanio 1 Ezequiel Redin 2

ANÁLISE ORGANIZACIONAL DE UMA EMPRESA DO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS EM SANTA MARIA (RS) Lúcia dos Santos Albanio 1 Ezequiel Redin 2 ANÁLISE ORGANIZACIONAL DE UMA EMPRESA DO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS EM SANTA MARIA (RS) Lúcia dos Santos Albanio 1 Ezequiel Redin 2 1 INTRODUÇÃO As empresas do setor moveleiro foram impulsionadas, nos

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA

GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA www.uniube.brpropepmestradorevista GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA SILVA, Eduardo Alex Carvalho Ribeiroi Lívia Rodrigues Acadêmico do Curso de Licenciatura Plena em Ciências Biológicas do Centro Federal

Leia mais

Histórico de implantação da EAD na Universidade Estadual de Ponta Grossa: a evolução dos estilos de aprendizagem

Histórico de implantação da EAD na Universidade Estadual de Ponta Grossa: a evolução dos estilos de aprendizagem Histórico de implantação da EAD na Universidade Estadual de Ponta Grossa: a evolução dos estilos de aprendizagem Adilson de Oliveira Pimenta Junior (UEPG) aopjr@uepg.br Diolete Marcante Lati Cerutti (UEPG)

Leia mais

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema No ambiente de negócios atual, o potencial da Tecnologia da Informação (TI) está sendo utilizado para alavancar a vantagem competitiva de inúmeras industrias.

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

UMA ANÁLISE SOCIAL DO PERFIL DOS DISCENTES DE CURSOS ONLINE DO PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DO SENAI

UMA ANÁLISE SOCIAL DO PERFIL DOS DISCENTES DE CURSOS ONLINE DO PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DO SENAI UMA ANÁLISE SOCIAL DO PERFIL DOS DISCENTES DE CURSOS ONLINE DO PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DO SENAI Salvador BA 05/2011 Elson Cardoso Siquara SENAI-BA elsoncs@fieb.org.br Fábio Britto de Carvalho

Leia mais

TWITTER COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE UMA TURMA DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ll

TWITTER COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE UMA TURMA DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ll 1 TWITTER COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE UMA TURMA DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ll Jefferson de Oliveira Balduino 1 Karine Lôbo Castelano 2 Jame de Oliveira Balduino

Leia mais

Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc

Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc Wagner Luis Cabral Martins Palavras-chave: Estatística descritiva. Software Calc. Recursos pedagógicos. As Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Descrição de Serviço da SAP Serviços de Suporte SAP Custom Development

Descrição de Serviço da SAP Serviços de Suporte SAP Custom Development Descrição de Serviço da SAP Serviços de Suporte SAP Custom Development A SAP oferece Serviços de Suporte para os Recursos desenvolvidos e entregues pela SAP nos termos de um Formulário de Pedido de Serviços

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTM.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

RESUMO. Livraria Cultura 1

RESUMO. Livraria Cultura 1 Livraria Cultura 1 Júlia SCHNEIDER 2 Aline LEONARDI 3 Larissa OLIVEIRA 4 Christian Hugo PELEGRINI 5 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP RESUMO A Livraria Cultura é uma das maiores

Leia mais

A criação do projeto laboratório biblioteca digital como estratégia de ensino da disciplina bibliotecas arquivos e museus digitais

A criação do projeto laboratório biblioteca digital como estratégia de ensino da disciplina bibliotecas arquivos e museus digitais Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) A criação do projeto laboratório biblioteca digital como estratégia de ensino da disciplina bibliotecas arquivos e museus digitais Célia da Consolação Dias (ECI/UFMG) -

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS.

CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Flávio de Paula Soares Carvalho. (UNIPAM E-mail: flavioscarvalho@unipam.edu.br)

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO 200 AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO Clayton Cardoso de MORAES 1 Guilherme Bernardo SARDINHA 2 O presente

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DE ALUNOS EM UM CURSO OFERECIDO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

ANÁLISE DO DESEMPENHO DE ALUNOS EM UM CURSO OFERECIDO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ANÁLISE DO DESEMPENHO DE ALUNOS EM UM CURSO OFERECIDO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA Resumo Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que visou realizar uma análise da influência de conhecimentos

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Governança em Tribunais de Justiça de Brasil e Portugal 1

Projeto de Pesquisa: Governança em Tribunais de Justiça de Brasil e Portugal 1 Projeto de Pesquisa: Governança em Tribunais de Justiça de Brasil e Portugal 1 1. INTRODUÇÃO Tomás de Aquino Guimarães, professor, Universidade de Brasília Luiz Akutsu, doutorando em Administração, Universidade

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Lívia Jordão. Marcos Kalinowski. livia.jordao@ice.ufjf.br. kalinowski@ice.ufjf.br

Lívia Jordão. Marcos Kalinowski. livia.jordao@ice.ufjf.br. kalinowski@ice.ufjf.br Lívia Jordão livia.jordao@ice.ufjf.br Marcos Kalinowski kalinowski@ice.ufjf.br Introdução MPS-SV e Serviços de Desenvolvimento Survey: Aplicabilidade do MPS-SV à Serviços de Desenvolvimento Planejamento

Leia mais

CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS

CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS Danielle Cenci - PUCRS 1 Sônia Maria de Souza Bonelli - PUCRS 2 Resumo: Este artigo é o recorte de um trabalho de conclusão de curso da Especialização

Leia mais

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA APOIO ÀS DECISÕES DE E-BUSINESS E SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES Conceito O conceito básico de e-business é simples: negócios

Leia mais

Aceitação da Internet Móvel pelo Consumidor

Aceitação da Internet Móvel pelo Consumidor Resumo Aceitação da Internet Móvel pelo Consumidor Autoria: Renata Dias Ferrão Levy de Souza, Jorge Brantes Ferreira, Luis Fernando Hor-Meyll, Jorge Ferreira da Silva, Cristiane Junqueira Giovannini Este

Leia mais

Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais. Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495

Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais. Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495 Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais com Prof. Lucas Henrique da Luz Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495 O que

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO UTILIZAÇÃO DE GEOPROCESSAMENTO PARA ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE A EQUIPAMENTOS PÚBLICOS DE ENSINO FUNDAMENTAL EM ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA: BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO DO SALSO PORTO ALEGRE/RS PEDRO GODINHO

Leia mais