O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável"

Transcrição

1 MAC Tópicos Avançados em POO O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável Raphael Y. de Camargo e Carlos Alexandre Queiroz 30 de outubro de Intenção O padrão auto-adaptável permite o desenvolvimento de aplicações que se adaptam a mudanças em seu ambiente de execução através de uma arquitetura modular e flexível. Este padrão pode ser aplicado tanto a sistemas centralizados quanto a sistemas distribuídos. 2 Contexto A demanda por sistemas que operem em ambientes altamente dinâmicos e consigam se adaptar a mudanças nas condições desse ambiente, vem crescendo nos últimos anos. Exemplos desses sistemas incluem aqueles presentes em dispositivos móveis, onde a qualidade da comunicação da rede pode sofrer grandes variações em curtos intervalos de tempo, e servidores Web, cuja demanda de requisições costuma variar bastante. Com o passar do tempo, a quantidade de sistemas com este tipo de requisitos apenas tende a aumentar. Técnicas para o desenvolvimento de sistemas com capacidade de adaptar-se a diferentes situações são de grande importância para a indústria de software e vêm recebendo bastante atenção da comunidade acadêmica. Em particular, diversas arquiteturas para o desenvolvimento desses sistemas foram propostas. 3 Problema Ambientes de execução altamente dinâmicos requerem que as aplicações operem em condições bastante variadas. Estas aplicações devem detectar mudanças ocorridas em seu ambiente de execução e realizar os passos necessários para a adaptação. Além disso, para se obter maior flexibilidade, a funcionalidade referente à adaptação deve ser separada do restante da aplicação. Forças O padrão auto-adaptável considera as seguintes forças: Deve haver uma separação dos aspectos relacionados à adaptação do restante da funcionalidade da aplicação; 1

2 Figura 1: Módulos do padrão auto-adaptável. Deve ser genérico de modo que possa ser aplicado a diferentes situações; Deve poder ser aplicado tanto a sistemas centralizados como distribuídos; 4 Solução Monitorar diferentes parâmetros do ambiente de modo que a aplicação possa se adaptar a mudanças significativas nestes valores. A partir destes parâmetros definir eventos, que são mudanças de estado no ambiente definidas pelo usuário e/ou aplicação. Com base na presença destes eventos, a aplicação pode se adaptar às mudanças ocorridas em seu ambiente de execução. Exemplos de parâmetros incluem o uso de CPU e memória e a disponibilidade de banda na rede. Como exemplos de eventos podemos citar a utilização de um percentual da memória do sistema acima de um determinado valor ou um grande aumento na quantidade de comunicação entre dois componentes da aplicação. 5 Estrutura O padrão arquitetural auto-adaptável é composto por três módulos (Monitor, Analisador e Configurador), além da aplicação que será reconfigurada e do ambiente de execução. Cada módulo é composto por classes que realizam as operações atribuídas aos seus módulos. Estes módulos estão representados na figura 1, onde as setas indicam a dependência entre os módulos. Estes módulos são descritos a seguir. Monitor: Realiza o monitoramento das variáveis de ambiente desejadas; Analisador: Analisa os dados provindos do monitor, checando a presença de eventos; Configurador: Realiza a reconfiguração da aplicação; 2

3 Figura 2: Diagrama de Sequência. O módulo Monitor é constituído por monitores que acompanham os valores de diferentes parâmetros do sistema, como utilização de memória e CPU, comunicação entre componentes e variáveis de ambiente. Sua função é detectar quando ocorrem mudanças significativas nesses parâmetros. Uma mesma aplicação pode ter diversos monitores atuando simultaneamente. O Analisador é o responsável pela análise dos dados provenientes dos monitores, checando pela presença de eventos. Estes eventos devem ser então comunicados ao Configurador. Este módulo é também responsável por armazenar os eventos que devem ser detectados. O módulo Configurador é o responsável pela realização das modificações na aplicação em decorrência de eventos detectados. Estas modificações podem corresponder desde simples alterações em alguns parâmetros até a substituição ou migração de componentes da aplicação. 6 Dinâmica A dinâmica da arquitetura é apresentada na figura 2. O Monitor realiza a monitoração dos parâmetros que lhe foram atribuídos, notificando o Analisador sempre que ocorre uma mudança significativa nestes valores. Estes dados são analisados no Analisador, que notifica o Configurador sempre que um evento de interesse ocorre. O Configurador realiza então as modificações na aplicação. Pode existir ainda um fluxo de controle na direção oposto, onde o Configurador especifica ao Analisador quais eventos deverão ser detectados. Com base nos eventos definidos, o Analisador sinaliza ao Monitor quais parâmetros devem ser monitorados. A existência deste fluxo depende de quão flexível é a implementação de cada módulo (ver seção 8). 7 Conseqüências A utilização do padrão auto-adaptável numa aplicação traz as seguintes vantagens e desvantagens: Vantagens: 3

4 Adaptação Dinâmica: Permite a construção de sistemas que se adaptam em tempo de execução a diferentes condições em seu ambiente de execução. Separação de Responsabilidades: Os aspectos relacionados a monitoramento, detecção de eventos e execução de mudanças são separadas da funcionalidade da aplicação. Flexibilidade: O desacoplamento das funcionalidades de adaptação, gera um código mais flexível e fácil de manter. Sistemas Distribuídos: Este padrão pode ser facilmente aplicado a sistemas distribuídos, uma vez que componentes dos módulos podem estar localizados em diferentes máquinas. Desvantagens: Eficiência: A utilização de módulos separados diminui a eficiência com relação a um sistema monolítico devido ao aumento na troca de mensagens. Dificuldade de Implementação: Em alguns casos a arquitetura proposta pode ser mais complicada de implementar do que um sistema onde os mecanismos de adaptação estão inseridos no próprio código. 8 Implementação Monitor: O módulo Monitor pode ser implementado de diversas maneiras. Uma possibilidade é utilizar o padrão de projeto Observer [GHJV95], de modo que o monitor é avisado pelo sistema sobre a mudanças de estado. Uma outra possibilidade é fazer com que classes do Monitor chequem periodicamente o valor dos parâmetros do sistema, enviando os valores para o Analisador. Devese notar que, apesar de normalmente menos eficiente, esta pode ser a única opção caso a aplicação esteja interagindo com um sistema fechado. Um ponto importante é a frequência com que os monitores devem checar os valores dos parâmetros que estão sendo monitorados. Também é preciso definir o quanto um parâmetro deve mudar para que esta mudança seja considerada significativa e seja repassada ao Analisador. Uma possibilidade é definir faixas de valores, onde sempre que o parâmetro muda de faixa, é enviado um sinal para o Analisador com a nova faixa. No módulo Monitor pode-se definir o nível de flexibilidade desejado. Para casos onde não é necessário muita flexibilidade, pode-se implementá-lo utilizando uma única classe que monitora sempre os mesmo parâmetros desejados. Para obter um sistema bastante flexível, pode-se implementar um repositório de monitores, que armazena monitores de diversas funções. Dependendo dos eventos que o Analisador estiver interessado, diferentes combinações de monitores podem então ser ativados. Analisador: O ponto mais importante na implementação deste módulo é a determinação de como implementar regras para detecção de eventos. Uma possibilidade para a implementação é colocar as regras diretamente no código. A vantagem deste método é que ele é bastante simples de ser implementado. Pode se obter uma certa flexibilidade deixando explícitas as variáveis que representam as regras, de modo que os valores dessas variáveis possam ser alterados. Além disso, as regras podem ser substituídas por outras a partir 4

5 da troca dos componentes que estão realizando a detecção de eventos. Uma outra opção seria utilizar uma linguagem de script ou XML e um interpretador. Este método fornece a maior flexibilidade, permitindo a definição de novas regras em tempo de execução, mas é mais difícil de ser implementado. Configurador: A implementação do módulo Configurador pode ser feita de diversas maneiras. No caso em que desejamos apenas alterar variáveis, a implementação é bastante simples, sendo necessário apenas o envio de uma mensagem para a aplicação. Para casos onde é necessária a substituição de componentes da aplicação, a situação é um mais complexa, podendo ser necessário uma participação ativa da aplicação. Para executar esta troca, é necessário que se utilize um mecanismo que explicite a relação entre os componentes como os ComponentConfigurators [KC00], ou em casos mais simples, utilizar o padrão Strategy [GHJV95]. A escolha do mecanismo apropriado depende do caso. Aplicação: Dependendo do tipo de reconfiguração, pode ser necessário que haja participação da aplicação. Por exemplo, quando um componente é substituído por outro, normalmente é necessário que o estado do componente anterior seja transferido para o novo componente. A determinação dos dados que precisam ser salvos e a reinicialização do novo componente devem ser gerenciadas pela aplicação. Sistemas Distribuídos: O padrão auto-adaptável pode ser facilmente implementado em sistemas distribuídos. Basta colocar cada módulo em um processo separado e realizar comunicação entre eles através de um protocolo de comunicação ou Middleware, como Java RMI ou CORBA. Os módulos podem então ser executados em diferentes máquinas de maneira transparente. 9 Exemplo de Utilização Como exemplo de utilização do padrão arquitetural auto-adaptável, utilizaremos uma aplicação com arquitetura cliente-servidor, onde os clientes enviam requisições para os servidores a uma taxa que varia com o tempo. Os servidores podem ser replicados de modo a poder atender um maior número de clientes simultâneos. Para que o sistema possa implementar e controlar o número de réplicas, módulos Monitor poderiam ser instalados nas máquinas de modo a monitorar a carga na CPU, na memória e no tráfego da rede. Esses dados seriam passados ao Analisador que, sempre que esta carga ultrapassasse um determinado valor, enviaria um sinal ao Configurador, de modo que este possa realizar a replicação do servidor. O oposto ocorreria quando a carga nos computadores fosse muito baixa, com uma diminuição no número de réplicas. A replicação poderia ser feita com o Configurador solicitando à aplicação a criação de uma réplica. De posse desta réplica, o Configurador se encarregaria de encontrar o local para colocá-la e enviaria uma mensagem à aplicação com a localização da nova réplica. 10 Usos Conhecidos O padrão arquitetural auto-adaptável já foi utilizado em diversos trabalhos na área de sistemas adaptativos. O primeiro exemplo é um arcabouço para o desenvolvimentos de aplicações distribuídas adapta- 5

6 tivas [SEK03b, SEK03a]. Na Universidade do Arizona foi criado um modelo para sistemas adaptativos [HS96] de arquitetura similar ao nosso padrão, com os módulos Monitor e Analisador sendo colapsados em um, além de possuir um sistema adicional para a realização de negociações entre os componentes da aplicação sobre a execução das adaptações. Além disso, o padrão Adaptive Strategy [AB01] pode ser considerada uma especialização de nosso padrão arquitetural, onde é utilizado o padrão Observer para realizar o monitoramento e o padrão Strategy para a realização da adaptação. 11 Padrões Relacionados Adaptive Strategy [AB01]: É uma extensão do padrão Strategy de modo que as diferentes implementações possam ser selecionadas a partir do monitoramento do ambiente de execução. AdapPE [DB03]: Um padrão arquitetural para o desenvolvimento de aplicações adaptativas orientadas a aspectos. As principais diferenças em relação ao nosso padrão estão na organização e tipo de módulos e no uso de programação orientada a aspectos. Referências [AB01] [DB03] Oliver Aubert and Antoine Beugnard. Adaptive strategy design pattern. In Proceedings of KoalaPLoP, Ayla Dantas and Paulo Borba. Adappe: An architectural pattern for structuring adaptive applications with aspects. In SugarLoafPLOP, Porto de Galinhas, Brazil, August [GHJV95] Erich Gamma, Richard Helm, Ralph Johnson, and John Vlisside, editors. Design Patterns. Addison-Wesley Pub Co, [HS96] [KC00] Matti A. Hiltunen and Richard D. Schlichting. Adaptive Distributed and Fault-Tolerant Systems. International Journal of Computer Systems Science and Engineering, 11(5): , September Fabio Kon and Roy H. Campbell. Dependence Management in Component-Based Distributed Systems. IEEE Concurrency, 8(1):26 36, January-March [SEK03a] Francisco J. S. Silva, Markus Endler, and Fabio Kon. Developing adaptive distributed applications: a framework overview and experimental results. In Proceedings of the International Symposium on Distributed Objects and Applications, Sicily, Italy, November [SEK03b] Francisco J. S. Silva, Markus Endler, and Fabio Kon. A framework for building adaptive distributed applications. In ACM/IFIP/USENIX Middleware 2003 Workshop on Reflective and Adaptive Middleware, pages , Rio de Janeiro, Brazil, June

Um Arcabouço open source em Python para DBC com

Um Arcabouço open source em Python para DBC com Um Arcabouço open source em Python para DBC com Suporte à Evolução Dinâmica não Antecipada Yguaratã C. Cavacanti 1, Hyggo Oliveira de Almeida 1, Evandro Costa 2 1 Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

4 Arquitetura do middleware

4 Arquitetura do middleware 4 Arquitetura do middleware Ao utilizar um modelo de componentes orientado a serviços, o middleware Kaluana divide o processo de desenvolvimento de aplicações em duas etapas: a primeira é o desenvolvimento

Leia mais

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534.

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. Bibliografia 88 8 Bibliografia ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. AMBRIOLA, V.; TORTORA, G. Advances in Software

Leia mais

Padrões de Interação com o Usuário

Padrões de Interação com o Usuário Padrões de Interação com o Usuário Granularidade dos Padrões Padrões estão relacionados a 3 elementos: Contexto ocorre Problema resolve Solução Problemas e Soluções podem ser observados em diferentes níveis

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos 11 Objetivos Este capítulo apresenta uma introdução aos sistemas distribuídos em geral Arquiteturas de cliente servidor Características das arquiteturas de 2 e 3 camadas Ambiente

Leia mais

Requisitos de Sistemas

Requisitos de Sistemas Bancos de Dados III Acesso Cliente Servidor Arquiteturas Rogério Costa rogcosta@inf.puc-rio.br 1 Requisitos de Sistemas Grande competitividade no mercado TI deve apoiar a empresa atendendo com agilidade.

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Agenda 1. Arquitetura de Software 1.1.Introdução 1.2.Vantagens da Arquitetura de Software

Leia mais

2 Ferramentas Utilizadas

2 Ferramentas Utilizadas 2 Ferramentas Utilizadas Esta dissertação utiliza vários outros trabalhos para implementar os mecanismos de adaptação abordados. Essas ferramentas são descritas nas seções seguintes. 2.1 Lua Lua [7, 8]

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML 1. Conceitos e termos importantes XML Empresarial: é um sistema web (roda em um servidor remoto) de armazenamento e distribuição de documentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

ARQUITETURAS DOS SISTEMAS DE EMPRESARIAIS (ERP) Arquitetura cliente-servidor Arquitetura aberta

ARQUITETURAS DOS SISTEMAS DE EMPRESARIAIS (ERP) Arquitetura cliente-servidor Arquitetura aberta ARQUITETURAS DOS SISTEMAS DE PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS (ERP) Arquitetura cliente-servidor Arquitetura aberta Arquitetura cliente-servidor Definição do modelo cliente-servidor O modelo cliente-servidor

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

Sistema de Controle de Posicionamento de Estações Móveis via Internet e GPS

Sistema de Controle de Posicionamento de Estações Móveis via Internet e GPS UNIVERSIDDE DO ESTDO DO MZONS ESCOL SUPERIOR DE TECNOLOGI COORDENÇÃO DE ENGENHRI D COMPUTÇÃO Sistema de Controle de Posicionamento de Estações Móveis via Internet e GPS Elaborado por: Moacir de Oliveira

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos Explicar as vantagens e desvantagens das arquiteturas de sistemas distribuídos

Leia mais

ERGONOMIA. Prof. Ruy Alexandre Generoso

ERGONOMIA. Prof. Ruy Alexandre Generoso ERGONOMIA Prof. Ruy Alexandre Generoso Ergonomia de Software - Definição É a ciência que estuda o conforto, a utilização, a organização e a documentação do software. Tem como objetivo facilitar e otimizar

Leia mais

Componentes em Esquema de Tolerância a Faltas Adaptativa

Componentes em Esquema de Tolerância a Faltas Adaptativa Grupo de Pesquisa Área de Informática Componentes em Esquema de Tolerância a Faltas Adaptativa Prof. Dr. Fábio Favarim favarim@utfpr.edu.br Roteiro da Apresentação Introdução Tolerância a Faltas (TF) Tolerância

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Introdução Projeto de Arquitetura (Cap 11 - Sommerville) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Até agora, estudamos: Os

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Marabá Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Distribuídos Prof.: Warley Junior warleyjunior05@gmail.com Plano de Ensino. Turma SI

Leia mais

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle.

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle. Introdução Os principais elementos de um sistema de computação são a unidade central de processamento (central processing unit CPU), a memória principal, o subsistema de E/S (entrada e saída) e os mecanismos

Leia mais

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Programação Servidor para Sistemas Web 1 Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar a teoria por trás dos padrões na construção de aplicações Web. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor.

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE Apresentação. O mais famoso tipo de arquitetura utilizada em redes de computadores

Leia mais

Manual do usuário. Viewer

Manual do usuário. Viewer Manual do usuário Viewer Outubro / 2010 Manual do Heron Viewer Índice Heron Viewer... 2 Instalação... 2 Configuração... 5 Configurando o servidor (Computador que acompanha o aparelho Heron)... 5 Configurando

Leia mais

Auditoria de Sistemas de Informação. Everson Santos Araujo

Auditoria de Sistemas de Informação. Everson Santos Araujo <everson@por.com.br> Auditoria de Sistemas de Informação Everson Santos Araujo 2 Abordagens Ao redor do computador Através do computador Com o computador 3 Ao redor do computador Auditoria de documento-fonte

Leia mais

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Março/2015 Página 1 de 17 Projuris Enterprise Projuris Enterprise é um sistema 100% Web, com foco na gestão de contencioso por empresas ou firmas

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração UNIRIO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro CCET Centro de Ciências Exatas e Tecnologia EIA Escola de Informática Aplicada TIN0033 Projeto de Graduação II Orientadora: Renata Araújo Alunos:

Leia mais

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Marco Antonio De Grandi, Valter Vieira de Camargo, Edmundo Sérgio Spoto Centro Universitário Eurípides de Marília

Leia mais

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural)

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural) Universidade Federal de Campina Grande Pb Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Projeto em Computação I 2111185 Professora: Francilene Procópio Garcia, P.Sc Alunos: Arnaldo de Sena Santos;

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTM.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS 2º TRIMESTRE Patrícia Lucas O QUE SÃO SISTEMAS OPERACIONAIS? Um sistema operacional é um conjunto de rotinas executado pelo processador, de forma semelhante

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

Infra-estrutura de Software

Infra-estrutura de Software Infra-estrutura de Software Apresentação Ciência da Computação Professor: Carlos Ferraz Monitoria: em formação Horários: Quartas e Sextas, 08-10h (D-005) Laboratório: G4, normalmente URL: http://www.cin.ufpe.br/~cagf/if677/2013-1

Leia mais

Perfil Profissional do Módulo de Especialização Técnica em Java com Websphere e Rational

Perfil Profissional do Módulo de Especialização Técnica em Java com Websphere e Rational Perfil Profissional do Módulo de Especialização Técnica em Java com Websphere e Rational Perfil: Desenvolvem e operam sistemas em Linguagem de Programação Java (JEE); configuram servidores de aplicação;

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução

Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução Curso - Padrões de Projeto Módulo 1: Introdução Vítor E. Silva Souza vitorsouza@gmail.com http://www.javablogs.com.br/page/engenho http://esjug.dev.java.net Sobre o Instrutor Formação: Java: Graduação

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Caracterização de Sistemas Distribuídos Coulouris, Dollimore and Kindberg. Distributed Systems: Concepts and

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Integrade V0.2: Mudanças na Arquitetura e Adaptação de Bibliotecas para Computação Paralela no Integrade

Integrade V0.2: Mudanças na Arquitetura e Adaptação de Bibliotecas para Computação Paralela no Integrade Integrade V0.2: Mudanças na Arquitetura e Adaptação de Bibliotecas para Computação Paralela no Integrade Marcelo de Castro Caredoso Bolsista DTI-H e Mestrando Agenda Integrade V0.2 Mudanças na Arquitetura

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

INTRODUÇÃO A SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

INTRODUÇÃO A SISTEMAS DISTRIBUÍDOS INTRODUÇÃO A SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos O que é um sistema Distribuído? SD é aquele no qual os componentes de hardware ou software se comunicam e coordenam suas ações

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS. PADRÕES DE SOFTWARE 1 Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.UECE) Julho-2009 CONTEÚDO Introdução aos Padrões de Software O quê são padrões?

Leia mais

Descrição do Serviço Serviços Dell System Track

Descrição do Serviço Serviços Dell System Track Visão geral dos Termos e Condições Descrição do Serviço Serviços Dell System Track Este contrato ( Contrato ou Descrição do Serviço ) é firmado entre o cliente ( você ou Cliente ) e a entidade Dell identificada

Leia mais

Avaya Softconsole Versão 1.5 Referência Rápida

Avaya Softconsole Versão 1.5 Referência Rápida Avaya Softconsole Versão 1.5 Referência Rápida 555-233-773PTB 1ª edição Fevereiro de 2003 Copyright 2003, Avaya Inc. Todos os direitos reservados Impresso nos EUA Aviso. Considerando-se que foram empregados

Leia mais

Área: Ensino a Distância. 1. Introdução. 2. A Ferramenta de Co-autoria para EAD

Área: Ensino a Distância. 1. Introdução. 2. A Ferramenta de Co-autoria para EAD 1. Introdução Co-Autoria de Aulas na Rede Metropolitana de Alta Velocidade de Recife Juliana Regueira Basto Diniz Barros, Lorena de Sousa Castro, Carlos André Guimarães Ferraz E-mail: {jrbd,lsc2,cagf}@cin.ufpe.br

Leia mais

Classificação Quanto. Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3)

Classificação Quanto. Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

Uso de Ferramentas Open Source para gestão de Projetos Eduardo Cardoso Moraes

Uso de Ferramentas Open Source para gestão de Projetos Eduardo Cardoso Moraes Uso de Ferramentas Open Source para gestão de Projetos Eduardo Cardoso Moraes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Universidade Federal do Pernambuco Resumo. Atualmente

Leia mais

Padrões Arquiteturais. Sistemas Distribuídos: Broker

Padrões Arquiteturais. Sistemas Distribuídos: Broker Padrões Arquiteturais Sistemas Distribuídos: Broker Sistemas Distribuídos Tendências: Sistemas Comp. com múltiplas CPUs Redes locais com centenas de hospedeiros Benefícios Economia Desempenho e escalabilidade

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Por que Redes? Estamos cercados por redes: supermercados, lojas, bancos, cinemas, farmácias e inúmeros outros lugares; Com a queda do custo de implementação de redes, é praticamente impossível pensar em

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Sistema de Coleções Biológicas

Sistema de Coleções Biológicas Sistema de Coleções Biológicas Objetivo: Padronizar e tornar mais eficiente o processo de gerenciamento das coleções zoológicas. Metodologia: Criação de um Sistema Gerencial acessado pela rede (web) e

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Descrição de Serviço da SAP Serviços de Suporte SAP Custom Development

Descrição de Serviço da SAP Serviços de Suporte SAP Custom Development Descrição de Serviço da SAP Serviços de Suporte SAP Custom Development A SAP oferece Serviços de Suporte para os Recursos desenvolvidos e entregues pela SAP nos termos de um Formulário de Pedido de Serviços

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.2. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.2. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.2 ExpressoMG 16/12/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

1. Objetivos dos Laboratórios de Informática fixo e móveis; Os Laboratórios de Informática têm como objetivo atender às seguintes necessidades da IES:

1. Objetivos dos Laboratórios de Informática fixo e móveis; Os Laboratórios de Informática têm como objetivo atender às seguintes necessidades da IES: REGULAMENTO PARA USO DOS LABORATORIOS DE INFORMATICA E DA INTERNET NA FACULDADE REDENTOR POR PARTE DE PROFESSORES E ALUNOS 1. Objetivos dos Laboratórios de Informática fixo e móveis; Os Laboratórios de

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Oportunidades e Desafios da Computação Móvel no Cotexto Empresarial Aspectos de Software e Middleware

Oportunidades e Desafios da Computação Móvel no Cotexto Empresarial Aspectos de Software e Middleware Oportunidades e Desafios da Computação Móvel no Cotexto Empresarial Aspectos de Software e Middleware para Computação Móvel Francisco José da Silva e Silva Rafael Fernandes Lopes Universidade Federal do

Leia mais

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Novembro/2012

Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Novembro/2012 Síntese das discussões do fórum Livro-APF: Novembro/2012 Nessa síntese foram abordados, em 57 mensagens, os seguintes assuntos: Contagem de Tipos de Dados de uma CE Contagem de PF de Componentes Contagem

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

Sistema centralizado O Paradigma Cliente/Servidor

Sistema centralizado O Paradigma Cliente/Servidor centralizado O Paradigma Cliente/Servidor Computador central (mainframe) + conjunto de terminais + recursos centralizados recursos mainframe terminais 2 distribuído Relações entre entidades Grupo de computadores

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Introdução filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução Sistemas complexos com muitos componentes em interação devem ser monitorados e controlados. 2 Introdução A de gerência de redes surgiu

Leia mais

Quatro tendências críticas em TI para a continuidade dos negócios

Quatro tendências críticas em TI para a continuidade dos negócios Quatro tendências críticas em TI para a continuidade dos negócios Em TI, o fracasso não é uma opção. Não surpreendentemente, as organizações tornaram uma prioridade alta desenvolver e implementar planos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Aula 4 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Migração de Código Em

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: COORDENADOR DE INCLUSÃO DIGITAL CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: COORDENADOR DE INCLUSÃO DIGITAL CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org)

1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) J930 Padrões Projeto de 1Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br O que é um padrão? Maneira testada ou documentada de alcançar um objetivo qualquer Padrões são comuns em várias áreas

Leia mais

9 Introdução ao DHCP. 9.1 Motivação APÊNDICE

9 Introdução ao DHCP. 9.1 Motivação APÊNDICE APÊNDICE 9 9 Introdução ao DHCP 9.1 Motivação Para que uma máquina possa participar de uma rede TCP/IP, é necessário que seu software TCP/IP esteja corretamente configurado. Configurar o software TCP/IP

Leia mais

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Última Atualização: 08/01/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Painel de Lances V Envio de Lances VI Prorrogação

Leia mais

O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados.

O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados. O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados. A multiprogramação tem como objetivo permitir que, a todo instante, haja algum processo

Leia mais

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ana Paula Chaves 1, Jocimara Segantini Ferranti 1, Alexandre L Erário 1, Rogério

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Padrões de Projeto WEB e o MVC

Padrões de Projeto WEB e o MVC Padrões de Projeto WEB e o MVC Padrões de Projeto WEB e o MVC O que são padrões? "Cada padrão descreve um problema que ocorre freqüentemente em seu ambiente, e então descreve o cerne da solução para aquele

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Tópicos Avançados em Engenharia de Software

Tópicos Avançados em Engenharia de Software Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Matemática e Computação Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Tópicos Avançados em Engenharia de Software Padrões e Frameworks (Aula 01-

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks

Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks Beatriz Franco Martins Souza (mbeatrizfranco@yahoo.com.br) Computer Science Department Federal University

Leia mais

Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns STRATEGY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Histórico Sobre Design Patterns A origem dos Design Patterns (Padrões de Desenho ou ainda Padrões de Projeto) vem do trabalho de um arquiteto

Leia mais

Gerenciamento Integrado de QoS em Redes de Computadores

Gerenciamento Integrado de QoS em Redes de Computadores Gerenciamento Integrado de QoS em Redes de Computadores Lisandro Zambenedetti Granville, Liane Margarida R. Tarouco Instituto de Informática - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Caixa Postal

Leia mais

Gerenciamento de Deslocamentos e Viagens

Gerenciamento de Deslocamentos e Viagens MANUAL: Gerenciamento de Deslocamentos e Viagens Administrador do Sistema de Viagens Versão: 1.0 Sumário Apresentação... 1 1. Acesso ao sistema... 2 2. Perfis do sistema... 2 3. Configurando o sistema

Leia mais

HP Quality Center. Preparar materiais de treinamento e observações para a nova versão 16 Suporte pós-atualização 16 Suporte 17 Chamada à ação 17

HP Quality Center. Preparar materiais de treinamento e observações para a nova versão 16 Suporte pós-atualização 16 Suporte 17 Chamada à ação 17 Documento técnico HP Quality Center Atualize o desempenho Índice Sobre a atualização do HP Quality Center 2 Introdução 2 Público-alvo 2 Definição 3 Determine a necessidade de uma atualização do HP Quality

Leia mais

idaccess Controlador de Acesso Multifuncional Apostila de treinamento

idaccess Controlador de Acesso Multifuncional Apostila de treinamento idaccess Controlador de Acesso Multifuncional Apostila de treinamento Esta apostila é fornecida da forma como está e as informações nela contidas estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio. As imagens

Leia mais