Abertura Reencontro 1/9/10 09:29 Page 1 REENCONTRO MORTAL. 2.ª p.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Abertura Reencontro 1/9/10 09:29 Page 1 REENCONTRO MORTAL. 2.ª p."

Transcrição

1 Abrtura Rncontro 1/9/10 09:29 Pag 1 REENCONTRO MORTAL 2.ª p.

2 Abrtura Rncontro 1/9/10 09:29 Pag 2 J. D. Robb SÉRIE MORTAL Nudz Mortal Glória Mortal Etrnidad Mortal Êxtas Mortal Crimônia Mortal Vingança Mortal Natal Mortal Conspiração Mortal Laldad Mortal Tstmunha Mortal Julgamnto Mortal Traição Mortal Sdução Mortal Rncontro Mortal 2.ª p.

3 Abrtura Rncontro 1/9/10 09:29 Pag 3 Nora Robrts scrvndo como J. D. ROBB REENCONTRO MORTAL Tradução Rnato Motta A. B. Pinhiro d Lmos 2.ª p.

4 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag 7 Capítulo um Assassinato ra algo trabalhoso. A mort ra uma tarfa difícil para o assassino, a vítima os sobrvivnts. E também para os qu s colocavam ao lado dos mortos. Alguns ralizavam su trabalho d forma dvotada. Outros ram dscuidados. Para alguns, assassinato ra um trabalho d amor. Ao sair do apartamnto na Park Avnu para sua caminhada matinal d todos os dias, Waltr C. Pttibon dsfrutava d uma dádiva maravilhosa: não sabia qu as horas à sua frnt sriam as últimas da sua vida. Com sssnta anos complição robusta, Pttibon ra um homm d ngócios astuto qu aumntara a considrávl fortuna da família por mio d flors sntimntos. El ra rico, gozava d boa saúd pouco mais d um ano ants conquistara uma sposa jovm loura qu tinha o aptit sxual d uma cadla dobrman o QI d uma alcachofra. Para Waltr C. Pttibon, su mundo ra prfito, com prcisão absoluta. Tinha um trabalho qu amava dois filhos do primiro casamnto qu, um dia, assumiriam os ngócios da família, como um 3.ª p.

5 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag 8 8 J. D. ROBB dia l fizra com su pai. Mantinha um rlacionamnto razoavlmnt amistoso com sua x-sposa, uma mulhr snsívl rfinada. Su filho sua filha ram pssoas agradávis intlignts, motivos d orgulho satisfação para l. Tinha também um nto qu ra a mnina dos sus olhos. No vrão d 2059, a mprsa Mundo das Flors ra um mprndimnto intrgaláctico composto por floristas, horticultors, scritórios stufas climatizadas dntro fora do planta. Waltr adorava flors, não só por sua magnífica margm d lucros. El amava o prfum dlas, suas cors, txturas, a blza das folhas, dos brotos o simpls milagr da sua xistência. Todas as manhãs l visitava vários dos sus floristas, para vrificar o stoqu das lojas, os arranjos ou simplsmnt para sntir o prfum dlas, batr papo com os funcionários clints, passar algum tmpo ntr as flors as pssoas qu as amavam. Duas vzs por smana l s lvantava ants do amanhcr ia ao mrcado das flors, no cntro. Circulava por ali, via tudo, curtia o ambint, fchava novos contratos criticava o qu não gostava. Essa ra uma rotina da sua vida qu mudara pouquíssimo ao longo d quas mio século, da qual l nunca s cansava. Naqul dia, dpois d passar uma hora, mais ou mnos, ntr as flors, l iria para os scritórios da mprsa. Ficaria mais tmpo lá do qu d hábito, a fim d dar à sua mulhr tmpo spaço suficints para finalizar os prparativos da sua fsta surprsa d anivrsário. Quas riu ao lmbrar disso. Sua qurida sposa não consguiria guardar um sgrdo nm s tivss os lábios colados. Waltr já sabia dos prparativos da fsta havia smanas, mas stava tão mpolgado com o vnto daqula noit qu s sntia como uma criança. É claro qu l iria dmonstrar surprsa, nsaiara divrsas xprssõs d stupfação diant do splho, logo d manhã. 3.ª p..

6 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag 9 Rncontro Mortal 9 E foi assim qu Waltr sguiu sua rotina diária com um lv sorriso nos lábios, sm fazr a mínima idia do tamanho vrdadiro da surprsa qu tria pla frnt. Ev não lmbrava d alguma vz tr s sntido tão bm m toda a sua vida. Dscansada, rvigorada, ágil, lv solta, la s prparava para o primiro dia d trabalho dpois d maravilhosas dscompromissadas férias d duas smanas, nas quais a tarfa mais incômoda ra dcidir s tinha vontad d comr ou d dormir. A primira smana fora na villa no México, a sgunda m uma ilha particular. Nos dois locais houv muitas oportunidads para la pgar sol, fazr sxo curtir sstas maravilhosas. Roark, mais uma vz, provou qu tinha razão. Els ralmnt prcisavam daqul tmpo juntos, long d tudo. Ncssitavam urgntmnt d um príodo d cura. E plo jito como la s sntia naqula manhã, haviam cumprido a missão. Em pé dntro do clost, Ev franziu a tsta diant da florsta d roupas qu havia acumulado dsd qu s casara. É claro qu a snsação d confusão diant do vstuário não ra plo fato d tr passado a maior part dos últimos quatorz dias compltamnt nua, ou quas. O fato é qu, a não sr qu la stivss nganada, su marido consguira ampliar ainda mais o númro d pças do su guardaroupa. Pgando um sptacular vstido longo azul fito d um matrial qu parcia cintilar ofuscar, prguntou m voz alta: Eu já tinha visto ss vstido ants? Está no su clost. Na salta d star do imnso quarto d dormir, Roark analisava atntamnt as cotaçõs da bolsa no tlão, saborando uma sgunda xícara d café. Mas olhou para trás. S prtnd usar ssa roupa hoj, qurida, os lmntos do mundo do crim m nossa cidad ficarão crtamnt imprssionados. 3.ª p.

7 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag J. D. ROBB Tm muito mais roupas aqui do qu havia duas smanas atrás. Sério? Mas como isso pod tr acontcido? Você prcisa parar d m comprar roupas. El sticou a mão para acariciar a cabça d Galahad, mas o gato rguu o focinho no ar, com ar d dsdém. Estava d mau humor dsd qu ls haviam voltado d viagm, na noit antrior. Por quê? Porqu isso é mbaraçoso rsmungou Ev, ntrando no mio das roupas m busca d algo razoavlmnt simpls qu pudss usar para trabalhar. El simplsmnt sorriu para la, obsrvando-a pgar um top simpls, calças confortávis vsti-los sobr o corpo sguio firm qu l não parava d dsjar. Ev adquirira um bronzado blíssimo, um tom pálido d dourado; o sol clarara algumas das mchas dos sus cablos castanhos muito curtos. Ela s vstiu d forma rápida, com movimntos curtos, prcisos, o ar típico d uma mulhr qu não s incomodava com moda. E ssa ra a razão, Roark imaginou, d l nunca rsistir à tntação d cobri-la com roupas da última stação. Ela dscansara bm durant o tmpo qu passou long, rfltiu Roark. El prcbu, hora após hora dia após dia, as psadas nuvns d fadiga procupação qu foram s rgundo s afastando dla. Agora havia uma lvza m sus olhos cor d uísqu, sm falar no brilho saudávl m su rosto strito, com traços marcants blos. Quando la prndu o coldr sob a axila, uma xprssão firm s instalou m sua boca uma boca d lábios grossos gnrosos, isso mostrou a Roark qu a tnnt Ev Dallas stava d volta, pronta para botar pra qubrar. Por qu srá qu uma mulhr armada m dixa tão xcitado? Ela lançou um olhar para l, voltou ao clost pgou uma jaquta lv. 3.ª p..

8 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag 11 Rncontro Mortal 11 Corta ssa! Não vou chgar atrasada ao mu primiro dia d trabalho só porqu você stá com algum tsão rsidual. Ah, sm dúvida la stava d volta, pnsou l, lvantando-s. Qurida Ev... diss l, tntando falar d forma casual, sm cartas. Essa jaquta não! O qu há d rrado com minha jaquta? Ela parou um instant, ants d nfiar um dos braços pla manga da roupa. Ela é lv, boa para usar no vrão. E cobr a minha arma. Mas não foi fita para usar com ssa calça. El foi até o clost, procurou ntr os cabids pgou outra jaquta igualmnt lv, fita do msmo matrial na cor xata da calça cáqui. Esta aqui é a jaquta crta. Mas u não vou sr filmada ou ntrvistada hoj, nm nada dss tipo argumntou Ev, mas acabou trocando d roupa, porqu ra mais fácil do qu discutir. Us isso também. Dpois d um novo mrgulho no clost, Roark voltou trazndo nas mãos um par d botas d cano curto, fitas d couro fino, m tom castanho. D ond aparcu isso? O mago do clost troux. Ela fz uma cara d suspita aprtou a ponta das botas com ar dsconfiado. Não prciso d botas novas. As minhas stão gastas, mas são boas. Gastas é um trmo ducado dmais para o qu las são. Exprimnt stas. Vou só xprimntar murmurou la, sntando-s no braço do sofá para calçá-las. Sus pés scorrgaram para dntro das botas como s fossm mantiga, o qu a fz olhar para Roark com os olhos stritos. Provavlmnt l mandara fabricá-las sob mdida m uma das suas inúmras fábricas, crtamnt custavam mais d dois mss do salário d um tira m Nova York. Qu spantoso! 3.ª p.

9 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag J. D. ROBB dbochou la. O mago do clost sab diritinho o númro qu u calço. El é msmo uma figura surprndnt. Suponho qu sja inútil xplicar a l qu uma policial não prcisa d botas qu provavlmnt foram costuradas a mão por alguma fririnha italiana, ntr sus afazrs oraçõs diárias. Não adianta, l smpr faz o qu qur. Passando as mãos plos cablos d sua mulhr, l rguu-lh o quixo na dirção do su rosto.... E adora você. O stômago d Ev continuava a dar cambalhotas smpr qu la o ouvia dizr isso, spcialmnt ao olhar para o rosto dl d prto, como naqul momnto. Muitas vzs la s prguntava por qu nunca s afogara naquls olhos, qu tinham um tom crul slvagm d azul. Você é tão lindo, sabia? Ev não prtndia dizr isso alto, quas pulou ao ouvir a própria voz. Viu o sorriso dl s acndr, rápido caloroso, tomando conta d um rosto com traços angulosos uma sdutora boca d pota qu prtnciam a uma pintura mrciam sr ntalhados m pdra. Jovm Dus Irlandês sria o nom da scultura. Pois os duss não ram sdutors, implacávis cobrtos d podr? Prciso ir. Ela s lvantou dprssa, mas l não saiu da frnt sus corpos s chocaram. Roark... Eu si. Nós dois voltamos à ralidad, mas... As mãos dl acariciaram as latrais do corpo dla m um gsto lnto possssivo qu a fz lmbrar, com clarza, o prazr qu aquls ddos ágis sprtos ram capazs d proporcionar ao su corpo. Acho qu você pod plo mnos sparar alguns sgundos para m dar um bijo d dspdida. Você qur qu u lh dê um bijinho d tchau-tchau? Sim, quro sim. Havia um jito divrtido m su lv sotaqu irlandês qu a fz colocar a cabça d lado. Tudo bm, ntão. Em um movimnto rápido como o sorriso qu viu, Ev agarrou tufos dos cablos dl, qu chgavam 3.ª p..

10 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag 13 Rncontro Mortal 13 quas à altura dos ombros, aprtou-os, puxou-os com força fz suas bocas s smagarm. Sntiu o coração dl pular ao msmo tmpo qu o su. Foi um salto d calor, rconhcimnto união. Ao ouvir o gmido d prazr qu saiu dos lábios dl, Ev s dixou mrgulhar ainda mais no bijo nfrntou, fliz, uma batalha rápida dnsa d línguas pqunas mordidas nos lábios. Então la o mpurrou s afastou, mio tonta. Mais tard a gnt s vê, garotão dspdiu-s, saindo do quarto. Cuid-s, tnnt. El soltou um longo suspiro s rcostou no sofá. Agora vamos lá... diss, olhando para o gato. Quanto vai m custar fazr as pazs com você? Ao chgar à Cntral d Polícia, Ev pgou uma passarla aéra, foi dirto para a Divisão d Homicídios rspirou fundo, ants d ntrar. Ela não tinha nada contra os pnhascos d tirar o fôlgo da rgião ost do México, não tinha nada a rclamar quanto à brisa morna das ilhas tropicais, mas a vrdad é qu havia sntido falta da atmosfra dali: do chiro d suor, do café d má qualidad, do dsinftant barato, acima d tudo, das nrgias frozs qu surgiam dos confrontos ntr tiras bandidos. O tmpo qu Ev passou fora srvira apnas para aguçar ainda mais sus sntidos diant d tudo qu rolava ali: as muitas vozs qu falavam ao msmo tmpo, a sinfonia cacofônica dos bips campainhas dos tl-links comunicadors, a corrria d pssoas andando d um lado para outro, como s tivssm coisas importants a rsolvr m algum lugar. Alguém gritou obscnidads tão dprssa qu as palavras s atroplaram m uma torrnt furiosa qu parcu música aos sus ouvidos. Tirasbabacasscrotosfilhosdaputa. 3.ª p.

11 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag J. D. ROBB Sja bm-vinda, pnsou la algrmnt. O trabalho fora o su lar, a sua família, ra o único objtivo dfinido m sua vida, ants d Ev conhcr Roark. Agora, msmo com l, ou talvz plo fato d tê-lo, o trabalho continuava sndo part ssncial do qu Ev ra do qu fazia. No passado, la fora uma vítima indfsa, usada dstroçada. Agora, s tornara uma gurrira. Entrou na sala d ocorrências pronta para nfrntar qualqur coisa qu aparcss. O dttiv Baxtr rguu os olhos do trabalho qu fazia soltou um assobio. Uau, Dallas. Hubba-hubba! O quê? Ev olhou para trás, por sobr o ombro, só ntão prcbu qu a xclamação d Baxtr ra para la. Você é um cara stranho, Baxtr. É quas tranquilizador sabr qu crtas coisas nunca mudam. Você é qu é a difrnt aqui, tnnt. El s lvantou foi até ond la stava, passando por ntr as msas. Tá bonitona! acrscntou, sntindo a lapla da jaquta d couro dla, passando o polgar o indicador para vrificar a txtura do matrial. Tá parcndo uma modlo famosa, Dallas. Você põ todo mundo aqui no chinlo, m trmos d sofisticação. É só uma jaquta rsmungou la, mortificada. Corta ssa! E pgou um suprbronzado também. Aposto qu você não ficou nm com marca d biquíni. Ela arrganhou os dnts m um sorriso forçado. Srá qu u vou tr qu t dar umas porradas? Divrtindo-s com tudo aquilo, l balançou o ddo diant dla. E o qu é isso pndurado nas suas orlhas? Ao vr qu la colocou a mão na orlha, confusa, l piscou duas vzs, fingindo 3.ª p..

12 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag 15 Rncontro Mortal 15 surprsa. Ora vjam! Acho qu você stá usando brincos. Muito bonitos, por sinal. Ela s squcu d qu stava d brincos. Srá qu o mundo do crim ficou m stado d animação suspnsa nquanto u stiv fora, a ponto d vocês starm com tmpo d sobra para analisar minhas roupas acssórios? Estou apnas dslumbrado, tnnt. Absolutamnt dslumbrado por ss momnto fashion. Botas novas? Vá nxugar glo, Baxtr. Ela saiu, dixando-o para trás, rindo. Está confirmado. Ela stá d volta! anunciou Baxtr, ao som d aplausos. Rtardados, pnsou Ev, marchando a passos firms rumo à sua sala. O Dpartamnto d Polícia Sgurança da Cidad d Nova York abrigava um bando d rtardados. Puxa, como la sntira falta dls! Ela ntrou m sua sala, mas ficou m pé a um passo do portal, com os olhos arrgalados. Sua msa stava vazia. Pior qu isso, stava compltamnt limpa. A sala toda stava limpa. Era como s alguém tivss aparcido ali, sugado toda a poira a sujira, dpois tivss dado um bom polimnto no qu ficara para trás. Dsconfiada d tudo, la passou o ddo pla pard. Sim, aquilo ra tinta nova, sm dúvida. Estritando os olhos, foi m frnt. Aqula ra uma sala aprtada, com uma janla ridiculamnt pquna, uma scrivaninha caindo aos pdaços qu agora parcia impcavlmnt limpa, sm falar nas duas cadiras com molas soltas. O arquivo, qu também brilhava, fora todo limpo organizado. Uma plantinha simpática fora colocada m cima dl. Com um grito d dsspro, la du um pulo abriu uma das gavtas do arquivo apalpou a latral. Eu sabia, u sabia, tinha crtza! O canalha tornou a atacar. Tnnt? 3.ª p.

13 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag J. D. ROBB Rosnando, Ev olhou para trás. Sua auxiliar stava m pé sob o portal, tão alinhada impcávl m su uniform d vrão quanto a sala d Ev. O maldito ladrão d chocolats dscobriu mu scondrijo! Pabody aprtou os lábios. A snhora tinha chocolat scondido m uma das gavtas dss armário? Ela ntortou a cabça d lv. Na ltra M? Sim, M d mu, droga. Aborrcida, Ev fchou a gavta com força. Esquci d lvar as barras quando viaji. Qu diabos acontcu aqui, Pabody? Tiv d lr mu nom na porta para m crtificar d qu ssa ra msmo a minha sala. Como a snhora viajou, ss parcu um bom momnto para limpar pintar sua sala. Tava tudo dspncando por aqui. Mas u stava acostumada. Ond stão minhas tralhas? quis sabr la. Havia alguns arquivos umas listas importants, sm falar nos rlatórios do lgista da prícia sobr o caso Dunwood, qu dv tr chgado nquanto u stiv fora.* Cuidi d tudo. Vrifiqui as listas, acompanhi os arquivos guardi os rlatórios. Pabody xibiu um sorriso qu tntou scondr a algria qu sus olhos castanhos dlataram. Também tiv um tmpinho livr. Já cuidou d toda a paplada? Sim, snhora. E rsolvu fazr uma limpa no mu scritório? Havia organismos multiclulars s rproduzindo plos cantos da sala, snhora. Foram todos mortos. Com toda a calma do mundo, Ev nfiou as mãos nos bolsos s balançou para frnt para trás, sobr os calcanhars. Pabody... srá qu ss não é o jitinho qu você arranjou para m informar d qu quando u stou por prto você não tm tmpo d cuidar nm dos assuntos d rotina? * Vr Sdução Mortal. (N. T.) 3.ª p..

14 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag 17 Rncontro Mortal 17 Nada disso, snhora. Sja bm-vinda, Dallas. Por falar nisso, tnho d rconhcr qu você stá com uma aparência fantástica. E qu roupa transada! Ev s dixou cair na cadira. E como é minha aparência, normalmnt? Qur qu u sja honsta? Ev analisou o rosto quadrado d Pabody suas fiçõs rsolutas, molduradas por cablos qu parciam uma tigla com franjas na frnt. Pabody, stou aqui pnsando s snti saudad da sua língua frina. Não dcidiu. Não snti falta disso, nm um pouco. Ah, mas é claro qu sntiu, Dallas. Esptacular o su bronzado, por falar nisso. Aposto qu você passou um tmpão lagartando ao sol fazndo coisas lgais dss tipo. Foi msmo. E você, como consguiu? Como consgui o quê? Essa cor, Pabody. Fz uma sssão d bronzamnto? Não. Fui a Bimini. Qual Bimini? A ilha no Carib? Qu diabos você foi fazr m Bimini? Ah, sab como é... tiri umas friazinhas, qu nm você. Roark sugriu qu, já qu você ia ficar algum tmpo fora, u também dvia tirar uma smana d folga... Ev rguu a mão. Roark... sugriu? Pois é. El achou qu u McNab podíamos tirar uns diazinhos para rlaxar, ntão... Ev sntiu um músculo comçar a rpuxar sob sua pálpbra squrda. Acontcia isso smpr qu la s lmbrava do lanc qu rolava ntr Pabody o dttiv viciado m roupas da moda qu trabalhava na Divisão d Dtcção Eltrônica. Para vitar qu sua auxiliar prcbss, prssionou dois ddos sob a pálpbra. 3.ª p.

15 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag J. D. ROBB Você McNab. Em Bimini. Juntos. Pois é... Já qu nós stávamos a fim d ratar lvar a coisa mais a sério, a viagm parcu uma boa idia. E quando Roark diss qu nós podíamos usar um dos sus jatinhos ficar na casa qu l tm m Bimini, não pnsamos duas vzs. Usaram o jatinho dl? Ficaram na casa qu l tm m Bimini? O músculo sob a pálpbra pulou dbaixo dos sus ddos. Com os olhos brilhando, Pabody s distraiu tanto qu ncostou o quadril na quina da msa. Puxa, Dallas, foi absurdamnt fantástico. A casa parc um palact, fica m uma propridad imnsa. Tm uma cascata qu cai na piscina, uma praia ond dá para fazr squi aquático. A suít principal tm uma cama d gl do tamanho d Saturno. Não quro sabr dtalhs sobr a cama. A casa ra totalmnt isolada, apsar d ficar na bira da praia, du para circularmos plados como dois macaquinhos quas o tmpo todo. Não quro sabr d macaquinhos plados nm d suas macaquics. Pabody ncostou a língua na bochcha. Bm, às vzs nós ficávamos smiplados. Só si qu... compltou la, ants d Ev gritar.... Foi o máximo! Quria mandar um prsnt d agradcimnto para Roark, mas como l tm tudo, litralmnt, não faço a mínima idia do qu podria comprar. Você tm alguma sugstão? Srá qu minha sala tm cara d lojinha d lmbranças ou club social? Qual é, Dallas? Está tudo m dia aqui no trabalho. Pabody sorriu, sprançosa. Pnsi m dar para l uma das mantas qu minha mã faz. Ela é tclã, sab? Faz coisas lindíssimas. Srá qu l gostaria disso? 3.ª p..

16 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag 19 Rncontro Mortal 19 Escut, l crtamnt não spra prsnt d nnhum tipo, não prcisa s incomodar, Pabody. Mas foram as mlhors férias qu u tiv m toda a minha vida! Quro qu l saiba o quanto fiqui grata. Puxa, significou muito para mim qu l tnha pnsado nisso, Dallas. Si, Roark stá smpr pnsando nas pssoas. Ev s drrtu, não consguiu vitar. El vai adorar rcbr d prsnt uma coisa fita pla sua mã. Sério msmo? Então já é!... Vou ligar para la hoj msmo. Agora qu já tivmos a nossa fstinha d rncontro, Pabody, srá qu não tm nnhum caso novo para rsolvrmos, não? Nadica d nada. Não há nada pndnt. Então vamos pgar alguns dos casos não rsolvidos qu stão arquivados. Algum m spcial? Pod scolhr. Prciso fazr alguma coisa. Estou dntro! Ela ia sair, mas parou na porta. Sab qual é a mlhor part d ficar fora algum tmpo, Dallas? É voltar. Ev passou a manhã analisando arquivos antigos qu stavam m abrto, buscando uma pista qu não tivss sido invstigada ou algum ângulo qu não tivss sido xplorado. O caso qu mais a intrssou foi o d Marsha Stibbs, uma mulhr d vint sis anos qu fora ncontrada submrsa na banhira. Qum a ncontrou foi o marido, Boyd, ao voltar d uma viagm. A princípio, tudo parcia um daquls acidnts domésticos trágicos típicos, até qu o rlatório do lgista dscobriu qu Marsha não morru afogada já stava morta quando foi colocada na banhira. Como la fora colocada lá dntro, com o crânio fraturado, a possibilidad d tr scorrgado s afogado m mio à spuma prfumada tinha sido dfinitivamnt dscartada. 3.ª p.

17 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag J. D. ROBB O invstigador lvantou provas d qu Marsha tinha um caso xtraconjugal. Um pacot d cartas d amor, assinadas por um mistrioso C, foi ncontrado no fundo da gavta d roupas d baixo da vítima. As cartas ram sxualmnt xplícitas chias d pdidos para qu la s divorciass do marido para fugir com o amant. Sgundo os rlatórios das invstigaçõs, as cartas o su contúdo bombástico tinham chocado o marido todos os ntrvistados qu conhciam a vítima. O álibi do marido ra sólido, bm como su histórico, qu foi minuciosamnt invstigado. Boyd Stibbs, rprsntant para vndas rgionais d uma mprsa d artigos sportivos, ra, por todos os ângulos, o cidadão nortamricano padrão. Ganhava um pouco mais do qu a média dos profissionais da sua ára. Casado com sua namorada d faculdad, passou a trabalhar como comprador d uma grand loja d dpartamntos. Aos domingos, gostava d jogar flag football, uma vrsão mais lv do futbol amricano. Não tinha histórico d bbidas, vício m jogo nm m drogas ilgais. Não havia um único rgistro d violência m sus dados. Ofrcu-s para sr submtido ao mais avançado modlo d dtctor d mntiras foi aprovado com louvor. O casal não tinha filhos morava m um prédio calmo do Wst Sid. Curtiam ncontros sociais com um pquno círculo d amigos, até o momnto da mort da sposa, xibiam todos os sinais d um casamnto sólido fliz. A invstigação fora minuciosa, muito cuidadosa complta. Msmo assim o invstigador principal não consguira achar um único indício squr da xistência do amant qu assinava como C. Ev convocou Pabody plo tl-link intrno. Sl os cavalos, Pabody. Vamos sair plos campos intrrogando algumas pssoas. Enfiando o arquivo na bolsa, Ev pgou a jaquta pndurada nas costas da cadira saiu da sala. * * * 3.ª p..

18 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag 21 Rncontro Mortal 21 Nunca trabalhi num caso arquivado. Não pns nl como arquivado aconslhou Ev. Vja nl um caso não rsolvido. Há quanto tmpo ss crim stá m abrto? Quas sis anos. S o cara com qum la stava d roça-roça fora do casamnto não aparcu nss tmpo todo, como é qu você vai consguir rastrá-lo agora? Dando um passo d cada vz, Pabody. Lia as cartas. Pabody pgou o matrial guardado na pasta. Nm tinha chgado ao mio da primira carta quando fz sua obsrvação inicial. Nossa, isso aqui é um matrial qunt msmo! comntou, soprando os ddos. Vá lndo. Tá brincando? Pabody ajitou o trasiro no banco. Não iria parar agora nm qu você mandass. Estou aprndndo uma porção d técnicas róticas aqui. Continuou a lr, com os olhos s arrgalando d vz m quando, ntr pqunos gmidos. Jsus, m abana! Acho qu acabi d tr um orgasmo. Obrigada por compartilhar ssa pquna informação. O qu mais consguiu lndo ss matrial? Uma admiração gnuína plo sr. C, por sua imaginação por sua nrgia. Dix-m rfazr a prgunta... O qu você não consguiu aí? Bm... El não assinou o nom complto m nnhuma das cartas. Prcbndo qu dixava scapar alguma coisa important, Pabody olhou mais uma vz para as cartas. Não há nvlops, ntão las dvm tr sido ntrgus m mãos ou colocadas dirtamnt na caixa do corrio. Suspirou. Vou lvar nota baixa nss tst, Dallas. Não si o qu mais você viu aqui qu u não vi. A qustão é o qu u não vi. Não há rfrências a como, quando ou ond ls s conhcram. Nm como s tornaram aman- 3.ª p.

19 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag J. D. ROBB ts. Não há mnção ao lugar ond ls trpavam até virar do avsso, nas mais acrobáticas posiçõs. Foi isso qu m fz pausar rfltir. Sobr o quê? quis sabr Pabody, compltamnt prdida. Sobr a possibilidad d nunca tr xistido um sr. C d vrdad. Mas... Tmos aqui uma mulhr intrrompu Ev, bm casada, qu tm um bom mprgo, com muita rsponsabilidad, um círculo d amigos qu mantém, como o casamnto, há vários anos. Todas as dclaraçõs dsss amigos concordam m um ponto: ninguém tinha a mínima dsconfiança d qu la stava tndo um caso. Ninguém stranhava o jito como la s comportava, falava vivia. Ela nunca faltou um único dia ao trabalho. Quando é qu todas ssas trpadas atléticas acontciam? O marido dla viajava muito. Tudo bm, isso abr a possibilidad d uma mulhr s nvolvr com um amant, s tivr índol para isso. No ntanto, nossa vítima indicava d todas as formas sr uma mulhr fil, rsponsávl, honsta. Ia para o trabalho voltava para casa. Só saía m companhia do marido ou m grupo, com outros casais. Não foram ncontradas ligaçõs stranhas ou qustionávis fitas para o apartamnto dla, nm d lá para fora; nm dos tl-links do scritório, nm do su tl-link pssoal. Como é qu la o sr. C combinavam o próximo ncontro amoroso? Pssoalmnt? Talvz l foss alguém do trabalho dla. Pod sr. Mas você não acha isso provávl, crto, Dallas? Tudo bm qu la parc sr uma mulhr ddicada ao casamnto, mas as pssoas d fora, msmo amigos íntimos, muitas vzs não sacam o qu stá acontcndo no casamnto dos outros. Aliás, muitas vzs nm o parciro prcb. Vrdad vrdadira. O invstigador principal do caso concordava com isso, com crta razão. 3.ª p..

20 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag 23 Rncontro Mortal 23 Mas você não concorda notou Pabody. Acha qu o marido armou tudo, fz parcr qu la o traía, montou um álibi sólido, ntrou m casa a matou, ou mandou alguém fazr isso? Uma opção plausívl. É por isso qu stamos indo convrsar com l. Ev avistou uma rampa qu lvava ao sgundo andar d uma vaga junto à calçada consguiu aprtar su carro ntr um sdã uma moto a jato. Agora l trabalha a partir do su scritório doméstico quas todo dia. Ev apontou com a cabça para o prédio d apartamntos diant dlas. Vamos vr s Boyd Stibbs stá m casa. El stava. Um homm muito atrant, usando apnas um short curto uma camista, abriu a porta com uma criança d colo apoiada no quadril. Ao olhar para o distintivo d Ev, uma sombra passou plos sus olhos. Uma sombra d dor. Trata-s d Marsha, tnnt? Algo novo surgiu? El olhou d rlanc para os cablos curtos da mnininha qu trazia no colo. Dsculpm... Entrm, por favor. Faz tanto tmpo qu a polícia não m traz novidads, nm m procura para falar sobr o qu acontcu, qu u... S vocês quisrm sntar, fiqum à vontad. Vou lvar minha filhinha para o quarto. Prfria qu la não participass d... A mão dl s movu acariciou os cablos da garotinha. Por favor, m dm só um instantinho pdiu l. Ev sprou até l sair da sala. Qu idad tm ssa criança, Pabody? Uns dois anos. Eu acho. Ev concordou com a stimativa foi até a sala d star. Havia brinqudos spalhados m toda part a dcoração ra algr. Ouviu-s uma gargalhada infantil alta um pdido: Papai! Qué brincá! 3.ª p.

21 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag J. D. ROBB Dpois, Traci. Brinqu sozinha um pouco, qu quando mamã chgar la lva você ao parquinho. Mas tm d ficar boazinha nquanto u convrso com as moças lá na sala. Combinado? Eu vô no balanço? Promt? Promto. Ao voltar para a sala, l passou as duas mãos plos cablos louro-scuros. Não quro qu la nos ouça convrsando sobr Marsha nm sobr o qu acontcu. Aparcu algo novo? Vocês finalmnt o ncontraram? Sinto muito, sr. Stibbs. Trata-s apnas d um acompanhamnto d rotina. Então não há nada? Eu tinha sprança d qu... Acho qu é tolic minha, dpois d todo ss tmpo, achar qu vocês podriam achá-lo. O snhor ralmnt não faz idia d qum podria star tndo um caso com sua sposa, crto? Ela não stava tndo um caso com ninguém! El parcu cuspir as palavras um ar d fúria surgiu m su rosto, qu s tornou duro. Não m importo com o qu as pssoas dizm. Ela não tinha nnhum amant. Nunca acrditi nisso... No princípio, sim, quando comçou toda aqula loucura u não consguia raciocinar dirito. Mas Marsha nunca mntia, não iria m trair. E la m amava. El fchou os olhos, parcndo tntar s rcompor. Podmos nos sntar? pdiu l. El s largou sobr uma poltrona. Dsculpm-m u tr gritado. É qu u não agunto as pssoas falando ssas coisas d Marsha. Não suporto imaginar qu todo mundo lá fora os nossos amigos pnsam isso dla. Marsha não mrc. Muitas cartas foram ncontradas m uma das gavtas dla. 3.ª p..

22 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag 25 Rncontro Mortal 25 Não m importam as cartas. Ela nunca iria m trair. Nós tínhamos... El olhou para trás, na dirção do quarto ond a mnina cantava algo, mio dsafinada. Olhm, nós tínhamos um bom rlacionamnto sxual. Um dos motivos d trmos nos casado tão jovns foi o fato d não consguirmos mantr as mãos afastadas um do outro, Marsha acrditava na instituição do casamnto. Vou lhs dizr o qu u acho. El s inclinou para frnt. Na minha opinião, algum cara andava obccado por la fantasiava coisas, ou algo dss tipo. El é qum dv tr mandado aqulas cartas para la. Nunca sabri o porquê d la não m contar nada. Talvz não quisss m dixar procupado. El dv tr aparcido aqui quando u viaji para Columbus a matou porqu não consguiu tê-la. Boyd Stibbs stava consguindo pontos altos no su mdidor d sincridad, Ev avaliou. Tudo aquilo podia sr fingimnto, é claro, mas com qu finalidad l faria isso? Por qu insistir qu a vítima ra fil quando pintá-la com as cors do adultério funcionaria mlhor? S ss foi o caso, sr. Stibbs, o snhor continua sm tr idia d qum podria sr ss homm? Nnhuma. Pnsi muito sobr isso. No primiro ano dpois do crim u mal consguia pnsar m outra coisa. Quria acrditar qu l sria ncontrado punido, qu havria algum tipo d castigo para o qu fz. Nós éramos flizs, tnnt. Não tínhamos nnhuma procupação no mundo. D rpnt, tudo virou fumaça. El aprtou os lábios. Puff... Sinto muito, sr. Stibbs. Ev sprou um sgundo. Sua filhinha é linda. Traci? El passou a mão sobr o rosto, como s para obrigá-lo a voltar ao prsnt. Ela é a luz da minha vida. Qur dizr qu o snhor voltou a s casar? 3.ª p.

23 rncontro 1 1/9/10 09:28 Pag J. D. ROBB Faz quas três anos. El soltou um suspiro longo ncolhu os ombros d lv. Maurn é fantástica. Ela Marsha ram amigas. Ela foi uma das pssoas qu m ajudaram muito durant o primiro ano. Não si o qu tria fito da vida sm la. No momnto m qu l falava isso, a porta da frnt s abriu. Uma linda morna trazndo no colo uma sacola d mantimntos ntrou fchou a porta d costas, com o pé. Olá, quridos, chgui. Vocês não imaginam o qu acabi d vr na... Parou d falar ao vr Ev Pabody. No instant m qu sus olhos pousaram na farda d Pabody, Ev prcbu o ar d mdo qu s instalou m su rosto. 3.ª p..

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

Streptococcus mutans, mas podem me

Streptococcus mutans, mas podem me Estação Saída Estação 1 - Olá moçada!! Mu nom é Strptococcus mutans, mas podm m chamar d Sr. Mutans. Vocês nm imaginam, mas u stou prsnt m uma part muito important do su corpo: a cavidad bucal!! Eu sou

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho Ano 2 Lagdo, Domingo, 31 d maio d 2015 N o 12 Datas das próximas viagns da UFMG Data Casa 12 29 d maio a 31 d maio d 2015 Alcion/Paulo 13 26 d junho a 28 d junho d 2015 Gralda/Antônio 14 24 d julho a 26

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Encontro na sede da Associação Comunitária de Lagedo

Datas das próximas viagens da UFMG. Encontro na sede da Associação Comunitária de Lagedo Ano 2 Lagdo, Domingo, 29 d março d 2015 N o 10 Datas das próximas viagns da UFMG Data Casa 10 27 d março a 29 d março d 2015 Altina Encontro na sd da Associação Comunitária d Lagdo Runião com moradors

Leia mais

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS 1) VAMOS CLBRAR Autor:Piter di Laura/Maria duarda/carlos Tocco Intro: /# D9 A/C# /B A/C# /# D9 TODOS RUNIDOS NA CASA D DUS COM CANTOS D ALRIA RAND LOUVOR VAMOS CLBRAR OS FITOS DO SNHOR SUA BONDAD QU NUNCA

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

Origem dos Jogos Olímpicos

Origem dos Jogos Olímpicos Natal, RN / /04 ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: Profssor: TESTE º Trimstr º M INSTRUÇÕES: Vrifiqu s sua avaliação contém 6 qustõs ( objtivas 04 discursivas). Caso haja

Leia mais

CURSO ON LINE RACIOCÍNIO LÓGICO PARA DESESPERADOS PROFESSORES: GUILHERME NEVES E VÍTOR MENEZES. Aula 1 Lógica de argumentação e diagramas lógicos

CURSO ON LINE RACIOCÍNIO LÓGICO PARA DESESPERADOS PROFESSORES: GUILHERME NEVES E VÍTOR MENEZES. Aula 1 Lógica de argumentação e diagramas lógicos 1 Aula 1 Lógica d argumntação diagramas lógicos I LÓGICA DE ARGUMENTAÇÃO (CONTINUAÇÃO).... 2 1 Rvisão..... 2 2 Técnica 1: liminando as linhas com prmissas falsas... 5 Técnica 2: tabla vrdad modificada...

Leia mais

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua CONTINUIDADE A idéia d uma Função Contínua Grosso modo, uma função contínua é uma função qu não aprsnta intrrupção ou sja, uma função qu tm um gráfico qu pod sr dsnhado sm tirar o lápis do papl. Assim,

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

Newsletter Biblioteca Escolar Carlos Cécio e Centro Escolar de Santa Margarida

Newsletter Biblioteca Escolar Carlos Cécio e Centro Escolar de Santa Margarida página 1 Acontcu... Concurso Conclhio d Litura Era uma vz... É assim qu comçam as histórias... Esta história comçou há crca d três anos numa bibliotca scolar, ond dznas d livros, arrumadinhos m stants,

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Quanto mais eu escrevo, mais interessada eu fico.

Quanto mais eu escrevo, mais interessada eu fico. O futuro do Brasil Quanto mais u scrvo, mais intrssada u fico. Os manos, os dançarinos d rua, os grafitiros, pais mãs, promotors, juízs, psicólogos... todos dão vida para a história. Você tm boas fotos?

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 1º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 1º Ano

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 1º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 1º Ano Govrno dos Açors Escola Básica Scundária d Vlas º Ciclo ENSINO BÁSICO Planificação Anual d EMRC º Ano º Príodo Unidad Ltiva - Tr um coração bom Curriculars F B. Construir uma d litura rligiosa da pssoa,

Leia mais

O dia da tempestade. usando o pseudônimo de Jane Fraser. Somente em 1955, livros publicados em mais de trinta países.

O dia da tempestade. usando o pseudônimo de Jane Fraser. Somente em 1955, livros publicados em mais de trinta países. EDIÇÕES BESTBOLSO O dia da tmpsta lha, A scritora Inglatrra. Rosamun Aos 25 Pilchr anos publicou nascu m su 1924 primiro na Cornua- usando o psudônimo Jan Frasr. Somnt m 1955, livro anos, Pilchr tornou-s

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

Leia o texto abaixo, para responder às questões de números 43 a 48.

Leia o texto abaixo, para responder às questões de números 43 a 48. PORTUGUÊS Lia o txto abaixo, para rspondr às qustõs d númros 43 a 48. [...] Ao sair do Tjo, stando a Maria ncostada à borda do navio, o Lonardo fingiu qu passava distraído por junto dla, com o frrado sapatão

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS APÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS As filas m intrsçõs não smaforizadas ocorrm dvido aos movimntos não prioritários. O tmpo ncssário para ralização da manobra dpnd d inúmros fators,

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

Nova série de desenho animado para TV, que ensina o valor dos alimentos. Biblia_Estudo_4.indd 1 06/10/2011 01:27:38

Nova série de desenho animado para TV, que ensina o valor dos alimentos. Biblia_Estudo_4.indd 1 06/10/2011 01:27:38 Nova séri d dsnho animado para TV, qu nsina o valor dos alimntos. Biblia_Estudo_4.indd 1 06/10/2011 01:27:38 introdução Nutriamigos é uma nova séri animada para TV cujo objtivo é nsinar às crianças a importância

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tma O ciclo mnstrual tm a missão d prparar o organismo para consguir uma gravidz com êxito. O 1º dia d mnstruação corrspond ao 1º dia do ciclo mnstrual. Habitualmnt,

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba Catálogo M404 PowrTrap Mcânica Séri GP Séri GT Rcupração ficaz do Mlhora a ficiência da planta Aumnto da produtividad qualidad dos produtos são, alguns dos bnfícios da drnagm rcupração do, além d rduzir

Leia mais

Caro usuário, Atenciosamente, Equipe de Documentação. Intelbras S/A 03/06

Caro usuário, Atenciosamente, Equipe de Documentação. Intelbras S/A 03/06 Caro usuário, Você acaba d adquirir um produto dsnvolvido pla Intlbras, mprsa lídr na fabricação d trminais cntrais tlfônicas da América Latina. O tlfon sm fio ISF 900 TEL ID possui um dsign qu agrga conforto

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Sucót. Hospitalidade e Alegria. E te alegrarás em tua festa e serás somente feliz. (Devarím 16:14-15)

Sucót. Hospitalidade e Alegria. E te alegrarás em tua festa e serás somente feliz. (Devarím 16:14-15) Sucót Hospitalidad Algria E t algrarás m tua fsta srás somnt fliz (Dvarím 16:14-15) A Fsta da Algria A própria Torá incluiu a mitsvá d star m stado d algria nas fstas, mas xclusivamnt m Sucót sta ordm

Leia mais

Jornal dos alunos do Ensino médio E.E.F.M Estado do ParáFortaleza-CE janeiro de 2010 Nº 001. Gazeta. www.gazetaep.com.br

Jornal dos alunos do Ensino médio E.E.F.M Estado do ParáFortaleza-CE janeiro de 2010 Nº 001. Gazeta. www.gazetaep.com.br Jornal dos alunos do Ensino mdio E.E.F.M Estado do ParáFortalza-CE janiro 2010 Nº 001 EP Gazta FUNDADOR ESTADO DO PARÁ www.gaztap.com.br Alunos scola Estado do Pará passaram na 1º fas UFC Três alunos scola

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Dia da Criança Adventista

Dia da Criança Adventista Dia da Criança Advntista 1 O fu r ci as tu bê co In m ci su sã nã a Ficha Técnica Matrial prparado plo Ministério da Criança: DNA plo Pssoal da Kids Ministry Idas * Phyllis Washington, dirtor * Candy DVor,

Leia mais

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha Esta é uma Mdida só para 2012, ou vai continuar? Não stá prvisto na lgislação um príodo d vigência. Uma ntidad mprgadora com mnos d cinco (5) trabalhadors pod candidatar s ao Estímulo 2012? Sim. Nst caso,

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

DNA DA VENDA TÉCNICA E EMOÇÃO A SERVIÇO DO SUCESSO MOACIR MOURA

DNA DA VENDA TÉCNICA E EMOÇÃO A SERVIÇO DO SUCESSO MOACIR MOURA Nº 2 OBSTÁCULOS DNA DA MOACIR MOURA DNA DA OBSTÁCULOS Ouvidos d mrcador. Escut sltivamnt o clint, mas continu sua linha d argumntação. As objçõs são justificativas do clint para comprar. Os Todo dsafios

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

Reflexões sobre a formação inicial e continuada de professores de espanhol no Brasil. Katia Aparecida da Silva Oliveira - UNIFAL

Reflexões sobre a formação inicial e continuada de professores de espanhol no Brasil. Katia Aparecida da Silva Oliveira - UNIFAL Rflxõs sobr a formação inicial continuada d profssors d spanhol no Brasil Katia Aparcida da Silva Olivira - UNIFAL Dsd a promulgação da li 11.161/2005, qu trata da obrigatoridad do nsino da língua spanhola

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht Efêmera (título provisório) Por Ana Julia Travia e Mari Brecht anaju.travia@gmail.com mari.brecht@gmail.com INT. SALA DE - DIA. VÍDEO DE Números no canto da tela: 00 horas Vídeo na TV., 22, com seus cabelos

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

03/04/2014. Força central. 3 O problema das forças centrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA. Redução a problema de um corpo. A importância do problema

03/04/2014. Força central. 3 O problema das forças centrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA. Redução a problema de um corpo. A importância do problema Força cntral 3 O problma das forças cntrais TÓPICOS FUNDAMENTAIS DE FÍSICA Uma força cntralé uma força (atrativa ou rpulsiva) cuja magnitud dpnd somnt da distância rdo objto à origm é dirigida ao longo

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 17 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 17 Locaçõs ÍNDICE Parágrafos Objctivo 1 Âmbito 2-3 Dfiniçõs 4-6 Classificação d locaçõs 7-19 Locaçõs nas dmonstraçõs financiras d locatários 20-35 Locaçõs

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

Manual de instruções

Manual de instruções Manual d instruçõs RECOMENDAÇÕES DE SEGURANÇA IMPORTANTES Ao usar um ltrodoméstico, prcauçõs básicas d sgurança dvm sr smpr sguidas, incluindo o sguint: Esta máuina d costura foi projtada fabricada para

Leia mais

Catálogo de Perfis Padronizados

Catálogo de Perfis Padronizados Extrusão Gral Catálogo d Prfis P Shaping a lightr futur Frramntaria Estoqu d tarugos rfis Introdução SP no Mundo Fundada m 1963 na Suécia, a Sapa iniciou suas atividads a partir do zro s transformou, m

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SEMANA DO GUIA DE TURISMO 13 A 15 DE MAIO 2015

PROGRAMAÇÃO SEMANA DO GUIA DE TURISMO 13 A 15 DE MAIO 2015 PROGRAMAÇÃO SEMANA DO GUIA DE TURISMO 13 A 15 DE MAIO 2015 13 d Maio 2015 Horário Atividad Local Participants Orintaçõs aos Alunos Abrtura do Evnto Srvidors do Câmpus alunos do Comparcr à crimônia d abrtura

Leia mais

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO SISTEMA CONSTRUTIVO PAREDES DE CONCRETO NBR60 PAREDES DE CONCRETO Sistma construtivo m qu as lajs as pards são moldadas m conjunto, formando um lmnto monolítico.

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE. A presença da língua espanhola no Nordeste e o caso de Sergipe

A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE. A presença da língua espanhola no Nordeste e o caso de Sergipe Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE Doris Cristina Vicnt da Silva Matos (UFS) Considraçõs iniciais Chgamos a 2010,

Leia mais

LIMPEZA DE VESTIÁRIOS E SANITÁRIOS

LIMPEZA DE VESTIÁRIOS E SANITÁRIOS IT 002/01 SUMÁRIO 1. Objtivo... 2 2. Abrangência... 2 3. Documntos Complmntars... 2 4. Dfiniçõs/Siglas... 2 5. Dscrição dos Procdimntos... 2 6. Rgistros... 6 7. Histórico d Rvisõs... 7 8. Fluxograma...

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo. Capítulo Um

Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo. Capítulo Um Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo Capítulo Um Você deve estar de saco cheio deles. Será que nunca vão parar de vir aqui? Tom O Connor, seu

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais

Equilíbrio Térmico. é e o da liga é cuja relação com a escala Celsius está representada no gráfico.

Equilíbrio Térmico. é e o da liga é cuja relação com a escala Celsius está representada no gráfico. Equilíbrio Térmico 1. (Unsp 2014) Para tstar os conhcimntos d trmofísica d sus alunos, o profssor propõ um xrcício d calorimtria no qual são misturados 100 g d água líquida a 20 C com 200 g d uma liga

Leia mais

e e e e e e e e e e e e e e e

e e e e e e e e e e e e e e e DESCRIÇÃO DO PROJETO A Voz das Avós das Quatro Dirçõs do Planta Em outubro d 2011, Brasília srá palco d um ncontro qu irá valorizar a divrsidad cultural spiritual do Brasil do mundo: a Voz das Avós das

Leia mais

Curso Intermediário de LIBRAS

Curso Intermediário de LIBRAS Curso Intermediário de LIBRAS 1 Curso Intermediário de LIBRAS 2 Unidade 2 Fazer as compras Sábado foi dia de ir ao Tok Stok. Nós, casal, fomos passear e dar uma voltada para olhar os moveis e objetos.

Leia mais

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL WWW.SUPERVISORPATRIMONIAL.COM.BR SUPERVISOR PATRIMONIAL ELITE 1 OS 3 PASSOS PARA O SUCESSO NA CARREIRA DA SEGURANÇA PATRIMONIAL Olá, companheiro(a) QAP TOTAL. Muito prazer, meu nome e Vinicius Balbino,

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

GERADOR ELETROSTÁTICO

GERADOR ELETROSTÁTICO GERADOR ELETROSTÁTICO Est artigo irá mostrar como construir um grador ltrostático, projto muito famoso m firas d Ciências. É uma máquina muito intrssant dvido às pqunas faíscas qu gra, dmonstrando claramnt

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais