MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Projeto Executivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Projeto Executivo"

Transcrição

1 MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANEXO III Modelo do Ministério Público do Trabalho

2 Sumário 1. OBJETIVO PREMISSAS SOLUÇÃO GERAL Topologia Geral de Dados do Datacenter Topologia Geral de Segurança do Datacenter Descrição Geral da Solução de Dados Estrutura de Roteamento DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE SEGURANÇA Firewall, Firewall de Aplicação, VPN IPSeC e VPN SSL IPS Filtro Web Gateway de Gerenciamento Centralizado do Filtro WEB e Gateway e Monitoração e Administração de Segurança - SOC Integração SOC Cliente Serviço de Firewall Gerenciado em Alta-Disponibilidade DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE DATACENTER - SERVIDORES Serviços de DNS Interno e DNS Externo Serviços de Proxy Reverso Gerência de Rede e Datacenter ANEXOS... 9 DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÕES... 9 PLANO DE FACE DOS BASTIDORES DO DATACENTER... 9 PADRÃO DE NOMES DAS LOCALIDADES E EQUIPAMENTOS NA OPERADORA... 9 TABELA CONTENDO O NOME, HARDWARE E IP DE GERÊNCIA DOS EQUIPAMENTOS DO DATACENTER... 9 TABELA CONTENDO PLANO DE VLAN E ENDEREÇAMENTO DO DATACENTER... 9 TABELA CONTENDO PLANO DE CONEXÃO DO DATACENTER (EQUIP ORIGEM; EQUIP. DESTINO; IP ORIGEM; ASN DESTINO; IP DESTINO)... 9 PLANO DE ENDEREÇAMENTO WAN... 9 PLANO DE ENDEREÇAMENTO LAN (INCLUINDO END. LOOPBACK, LOOPBACK GERÊNCIA E ENDREÇO LAN)... 9 PLANO DE QOS... 9 GLOSSÁRIO HISTÓRICO DE REVISÕES Página - 2 -

3 1. OBJETIVO Este documento tem como objetivo apresentar, de uma forma geral, como será a solução de rede de Dados e Datacenter do Ministério Público do Trabalho (MPT). 2. PREMISSAS A rede do MPU utilizará a tecnologia Multiprotocol Label Switching (MPLS), sendo uma topologia composta de Full Mesh e Hub-and-Spoke, conforme descrito adiante. Para comunicação com o Datacenter da Rede anterior, será utilizada uma Virtual Private Network Internet Protocol Security (VPN IPsec), sendo esta mandatória até o fim da migração. Os blocos IP destinados à rede local das unidades do MPT deverão ser únicos, não existindo nenhum tipo de sobreposição. As redes locais dos Ramos do MPU deverão utilizar endereços que estejam dentro do bloco Classless Inter-Domain Routing (CIDR) /8. Para as localidades remotas, serão utilizados os endereços da rede de dados fornecidos pelo MPT. Participarão do ambiente piloto, além das duas sedes da PGT, cinco unidades, a serem definidas pelo MPT. Serão utilizados os padrões de Quality of Service (QoS) informados pelo MPT, desde que em conformidade com os já utilizados pela operadora. Para as soluções de Firewall, Filtragem de e Filtragem Web o MPT deverá ceder Endereços IP para as mesmas. Haver sempre uma reserva de 1% (Um por cento) de banda para tráfego de gerência Simple Network Management Protocol (SNMP). Será utilizado pelos roteadores dos Ramos o protocolo Border Gateway Protocol (BGP) para divulgar e receber os blocos IP dos roteadores do mesmo Ramo e do Datacenter. Não está previsto o uso de outros protocolos de roteamento. Página - 3 -

4 Será utilizado pelos roteadores agregadores de Ramo o protocolo BGP para divulgar e aprender os blocos do mesmo Ramo, de Ramos distintos e das respectivas Demilitarized Zones (DMZ), externa e interna, e da rede de Telefonia IP do Datacenter. Não está previsto o uso de outros protocolos de roteamento. Haverá roteamento Multicast dentro do MPT e para o Datacenter. Não haverá roteamento Multicast para a Internet. O firewall deverá ter no mínimo 5 (cinco) interfaces ativas para zonas distintas, são elas: - WAN (conexão direta com a Internet); - PGT (Sede I e II); - Regionais (PRTs e PTMs); - DMZ (DeMilitarized Zone ou "zona desmilitarizada"); - MZ(Militarized Zone ou "zona militarizada"). Destas zonas, 4 (quatro) serão monitoradas pelo IPS: WAN, PGT, Regionais e DMZ. Na DMZ, estarão os servidores que irão oferecer serviços para a Internet (DNS, FTP, Proxy Reverso, Gateway de , etc.). Na MZ, estarão os servidores que não são acessados da Internet, mas são acessados pela DMZ (banco de dados, corporativo, portal, páginas web, serviços corporativos, etc.), e também, appliances que nos permitem o acesso à Internet (filtro web). A pedido da contratante, novas zonas poderão ser criadas, consequentemente outras interfaces poderão ser ativadas no firewall. A tabela I apresenta as regras globais no firewall com relação às zonas. O X indica permissão de acesso, enquanto o - indica a impossibilidade de acesso. Os acessos via VPN (SSL e IPSec) não estão representados na tabela abaixo e serão definidas nas regras específicas. Página - 4 -

5 DE \ PARA WAN PGT Regionais DMZ MZ WAN X - PGT X - X X X Regionais X X - X X DMZ X X MZ X X X - - Tabela I regras globais no firewall As regras específicas serão entregues no formato da planilha do Excel ou arquivo do Word e poderão apresentar exceções às regras globais apresentadas acima. A pedido da contratante, tanto as regras globais quanto as regras específicas poderão ser alteradas posteriormente. 3. SOLUÇÃO GERAL 3.1. Topologia Geral de Dados do Datacenter 3.2. Topologia Geral de Segurança do Datacenter 3.3. Descrição Geral da Solução de Dados Descrição geral Incluir definição de termos usualmente utilizados na operadora para os roteadores e roteamento Estrutura de Roteamento Página - 5 -

6 Detalhar o roteamento especificando, no mínimo: como se dará entre as unidades do MPT; para o Datacenter; para as redes DMZ s; como se dará no período de migração; para a Internet; como será a divulgação do bloco IP público Apresentar topologia do fluxo de pacotes Localidades Remotas (unidades do MPT) Agregadores do Datacenter Datacenter Firewall e Internet Sessão Firewall e Roteador de Borda: Sessão Firewall e Agregador de Ramo: Endereçamento IP Descrição do endereçamento dos Roteadores das unidade Endereçamento LAN: Endereçamento Loopback: Endereçamento WAN: Datacenter Descrição do endereçamento do datacenter em comum acordo com a contratante Gerência Descrição do endereçamento da gerência dos equipamentos do Datacenter Multicast Página - 6 -

7 IP SLA Detalhamento da solução que farão a geração de pacotes de medição de qualidade de rede e como serão realizadas estas medições que irão monitorar, no mínimo: Jitter (em milissegundos): variação do tempo de retardo de transmissão dos pacotes de voz; Atraso (em milissegundos): tempo que cada pacote de voz despende desde sua origem até seu destino; Perda de Pacotes (em percentual): percentual de pacotes de voz que são perdidos durante a transmissão; Conformação de Tráfego Qos Acesso Remoto Descrição detalhada da forma de acesso e autenticação aos equipamentos localizados nas unidades do MPT e no datacenter da operadora DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE SEGURANÇA Descrição da solução de segurança contendo em cada item. A sua descrição detalhada e os respectivos diagramas Firewall, Firewall de Aplicação, VPN IPSeC e VPN SSL IPS Página - 7 -

8 Filtro Web Gateway de Gerenciamento Centralizado do Filtro WEB e Gateway e Monitoração e Administração de Segurança - SOC Integração SOC Cliente Serviço de Firewall Gerenciado em Alta-Disponibilidade 3.5. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE DATACENTER - SERVIDORES Serviços de DNS Interno e DNS Externo Serviços de Proxy Reverso Gerência de Rede e Datacenter Página - 8 -

9 4. ANEXOS Diagrama de Interligações Plano de Face dos bastidores do Datacenter Padrão de Nomes das localidades e equipamentos na Operadora Tabela contendo o nome, hardware e IP de gerência dos equipamentos do datacenter Tabela contendo Plano de Vlan e Endereçamento do Datacenter Tabela contendo Plano de Conexão do Datacenter (Equip origem; Equip. destino; IP Origem; ASN Destino; IP Destino) Plano de Endereçamento WAN Plano de Endereçamento LAN (incluindo End. Loopback, loopback gerência e Endreço LAN) Plano de QOS Página - 9 -

10 GLOSSÁRIO HISTÓRICO DE REVISÕES APROVAÇÕES Página

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Lembrar a estrutura organizacional do cliente ajuda a planejar a atribuição de endereços e nomes O mapa topológico também ajuda, pois indica onde há hierarquia

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

Vantagens e Serviços

Vantagens e Serviços Official Partner O pfsense é uma distribuição personalizada do FreeBSD, livre e OpenSource, adaptada para uso como um firewall e roteador totalmente gerenciado via interface web. Além disso, ele inclui

Leia mais

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores

Projeto hierárquico de uma rede. Projeto Lógico da Rede. Projeto de Redes de Computadores. Projeto de Redes de Computadores Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

Projeto Lógico da Rede

Projeto Lógico da Rede Projeto Lógico da Rede Projeto da Topologia da Rede Uma topologia é um mapa de uma rede que indica: segmentos de rede (redes de camada 2) pontos de interconexão comunidades de usuários Queremos projetar

Leia mais

FIREWALL APPLIANCE - FAP 500

FIREWALL APPLIANCE - FAP 500 Official Partner imagem ilustrativa FIREWALL APPLIANCE - FAP 500 *pfsense é uma marca registrada da Electric Sheep Fencing LLC. Especificações Técnica PROCESSADOR 1 GHz Dual Core AMD G-T40E APU MEMÓRIA

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

McAfee Security Management Center

McAfee Security Management Center Security Management Center O gerenciamento de segurança centralizado foi desenvolvido para ambientes de firewall de próxima geração e alto desempenho. Principais vantagens Um painel unificado por todo

Leia mais

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação NAT Network Address Translation A funcionalidade de NAT consiste no procedimento de translado de endereços de uma rede para a outra.

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 3 VPN Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Vantagens, Desvantagens e Aplicações Etapas da Conexão Segurança Tunelamento Protocolos de

Leia mais

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços Julho 2013 Milton T. Yuki Governo Eletrônico (e-gov) Público Alvo Cidadão/Sociedade Órgãos de Governo Serviços e-gov para

Leia mais

Para cada questão responda se a afirmativa está certa ou errada, JUSTIFICANDO:

Para cada questão responda se a afirmativa está certa ou errada, JUSTIFICANDO: Exercícios de Segurança de Informação Ameaças lógicas Para cada questão responda se a afirmativa está certa ou errada, JUSTIFICANDO: 1) Vírus de macro infectam arquivos criados por softwares que utilizam

Leia mais

Firewalls. O que é um firewall?

Firewalls. O que é um firewall? Tópico 13 Firewall Ferramentas de defesa - Firewall. Princípios de projeto de firewall. Sistemas confiáveis. Critérios comuns para avaliação de segurança da tecnologia da informação. 2 Firewalls O que

Leia mais

Como proteger sua Rede com Firewall

Como proteger sua Rede com Firewall *pfsense é uma marca registrada da Electric Sheep Fencing LLC. Como proteger sua Rede com Firewall Apresentação Líder em Soluções Pfsense no Brasil A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender

Leia mais

Como proteger sua Rede com Firewall

Como proteger sua Rede com Firewall Como proteger sua Rede com Firewall pfsense *pfsense é uma marca registrada da Electric Sheep Fencing LLC. Apresentação Líder em Soluções Pfsense no Brasil A Vantage TI conta uma estrutura completa para

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes

Planejamento e Projeto de Redes Planejamento e Projeto de Redes Carlos Sampaio Identificação das Necessidades e Objetivos do Cliente Análise dos objetivos e restrições de negócio Análise dos objetivos e restrições técnicos Caracterização

Leia mais

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Conectando-se à Internet com Segurança Soluções mais simples. Sistemas de Segurança de Perímetro Zona Desmilitarizada (DMZ) Roteador de

Leia mais

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10 Treinamentos pfsense Página 1 de 10 Definições, Acrônimos e Abreviações Abreviação / Sigla WAN LAN UTM pfsense BGP Descrição Wide Area Network - Rede de longa distância (interface de rede para links de

Leia mais

Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas

Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas Índice Introdução Fluxo de processo de alto nível para gerenciamento de configuração Criar padrões Controle e gerenciamento de versão

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Possuímos modelos de Subscrição de Suporte ao Software Pfsense para que sua empresa fique tranquila e focada em seu negócio.

Possuímos modelos de Subscrição de Suporte ao Software Pfsense para que sua empresa fique tranquila e focada em seu negócio. O que é o PFSENSE? O pfsense é o principal software Open Source de segurança de redes no mundo. Esta solução é comercializada na forma de Aplliances (Hardware + Software pfsense). O Software pfsense inclui

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

Possuímos modelos de Subscrição de Suporte ao Software Pfsense para que sua empresa fique tranquila e focada em seu negócio.

Possuímos modelos de Subscrição de Suporte ao Software Pfsense para que sua empresa fique tranquila e focada em seu negócio. O que é o PFSENSE? O pfsense é o principal software Open Source de segurança de redes no mundo. Esta solução é comercializada na forma de Aplliances (Hardware + Software pfsense). O Software pfsense inclui

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Nova Rede do MPF - Considerações:

Nova Rede do MPF - Considerações: Brasília, 13 de setembro de 2013. Nova Rede do MPF - Considerações: 1) Impactos Técnicos da Mudança da Topologia / Solução 1) Rede de Comunicação de Dados a) O novo pré-edital exige que na rede corporativa

Leia mais

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES INTERCONEXÃO DE REDES LOCAIS COM ROTEADORES POR QUE NÃO SÓ PONTES? LANs podem ser conectadas entre si com pontes (bridges) Por que não usar sempre pontes para construir redes grandes? Pontes não fazem

Leia mais

FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Rede

FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Rede FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Versão: 1.3 Data: 20 de novembro de 2012 Identificador do documento: GTI Soluções Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: www.gestaotisolucoes.com.br

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

TREINAMENTO AVANÇADO DE PFSENSE

TREINAMENTO AVANÇADO DE PFSENSE DEPOIMENTOS DOS ALUNOS DE PFSENSE Esse foi um momento de conhecimento consistente ao uso de uma ferramenta de segurança Open Source, o pfsense, o qual possibilitou um aprendizado de TREINAMENTO AVANÇADO

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores edes de Computadores edes de Computadores Nível de ede edes de Computadores 2 1 Esquema de endereçamento original: cada rede física tem seu endereço de rede, cada host em uma rede tem o endereço de rede

Leia mais

Endereços IP Sem Classe, Endereços Privados e NAT. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática

Endereços IP Sem Classe, Endereços Privados e NAT. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Endereços IP Sem Classe, Endereços Privados e NAT Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Tópicos Máscaras de Rede com Classe Classless Inter-Domain Routing - CID Notação CIDR

Leia mais

TREINAMENTO AVANÇADO DE PFSENSE

TREINAMENTO AVANÇADO DE PFSENSE DEPOIMENTOS DOS ALUNOS DE PFSENSE Esse foi um momento de conhecimento consistente ao uso de uma ferramenta de segurança Open Source, o pfsense, o qual possibilitou um aprendizado de TREINAMENTO AVANÇADO

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação NAT Network Translation Address A funcionalidade de NAT consiste no procedimento de translado de endereços de uma rede para a outra.

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

RETIFICAÇÃO. acordo com os critérios definidos neste Edital. Somente serão avaliados os títulos dos candidatos classificados na primeira fase.

RETIFICAÇÃO. acordo com os critérios definidos neste Edital. Somente serão avaliados os títulos dos candidatos classificados na primeira fase. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS GABINETE DO REITOR Avenida Professor Mário Werneck, nº 2.590, Bairro

Leia mais

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes FIREWALLS Firewalls Definição: Termo genérico utilizado para designar um tipo de proteção de rede que restringe o acesso a certos serviços de um computador ou rede de computadores pela filtragem dos pacotes

Leia mais

Solução de baixo custo para BGP usando Mikrotik Router OS GTER 31. Bruno Lopes Fernandes Cabral

Solução de baixo custo para BGP usando Mikrotik Router OS GTER 31. Bruno Lopes Fernandes Cabral <bruno@openline.com.br> usando Mikrotik Router OS Bruno Lopes Fernandes Cabral GTER 31 São Paulo SP 13 de maio de 2011 O que é RouterOS? Distribuição Linux voltada para roteamento e wireless Simples porém

Leia mais

Especialização. Redes TCP/IP. Prof. Edgard Jamhour. Redes TCP/IP

Especialização. Redes TCP/IP. Prof. Edgard Jamhour. Redes TCP/IP Especialização Redes TCP/ Prof. Edgard Jamhour Redes TCP/ Especialização Endereçamento Internet e Intranet Redes TCP/ Internet = REDE TCP/ Endereço de 32 bits Identificador da rede Identificador do host

Leia mais

*A32201113* QUESTÃO 20 QUESTÃO 19

*A32201113* QUESTÃO 20 QUESTÃO 19 QUESTÃO 19 Uma empresa opta por modernizar o seu sistema de telefonia, substituindo a central PABX analógica existente por uma solução que utiliza a tecnologia VoIP (Voice over Internet Protocol). É definida

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO ANEXO III CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. CARGO: ANALISTA DE GESTÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA AGCT- ÁREA CONTABILIDADE

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO ANEXO III CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. CARGO: ANALISTA DE GESTÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA AGCT- ÁREA CONTABILIDADE ANEXO III CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. CARGO: ANALISTA DE GESTÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA AGCT- ÁREA CONTABILIDADE LÍNGUA PORTUGUESA: NOÇÕES DE INFORMÁTICA Conceitos básicos de operação de microcomputadores.

Leia mais

Projeto de Redes Locais e a Longa Distância. Thiago Leite

Projeto de Redes Locais e a Longa Distância. Thiago Leite <thiago.leite@udf.edu.br> Projeto de Redes Locais e a Longa Distância Thiago Leite COMER, Douglas. Redes de computadores e internet: abrange transmissão de dados, ligados inter-redes, web e aplicações.

Leia mais

Projetos de Rede Corporativa usando plataforma Gilat SkyEdge II. Ana Claudia de Barcellos

Projetos de Rede Corporativa usando plataforma Gilat SkyEdge II. Ana Claudia de Barcellos Projetos de Rede Corporativa usando plataforma Gilat SkyEdge II Ana Claudia de Barcellos Negócio Satélite na BT LatAm Foco no Mercado Corporativo BT possui uma ótima reputação na região com capacidade

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA DA NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT 1/10 CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA

Leia mais

Audiência Pública. Diretorias de Ensino da Rede Pública Estadual de Educação de São Paulo e demais órgãos vinculados

Audiência Pública. Diretorias de Ensino da Rede Pública Estadual de Educação de São Paulo e demais órgãos vinculados Audiência Pública Aquisição de firewall, switch, licença de antivírus de estação, sistema de gerenciamento centralizado e serviços de instalação, configuração, manutenção e suporte técnico, objetivando

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Roteadores de Serviços Unificados

Roteadores de Serviços Unificados VPN de alto desempenho Protocolos IPSec PPTP L2TP SSL Túneis VPN Até 25 (DSR-250N) Até 35 (DSR-500/500N) Até 70 (DSR-1000/1000N) Túneis SSL VPN Até 5 (DSR-250N) Até 10 (DSR-500/500N) Até 20 (DSR-1000/1000N)

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Tópicos Motivação Utilização cada vez maior da Internet e a criação de ambientes cooperativos, levam a uma crescente preocupação

Leia mais

Fernando Nunes da Silva

Fernando Nunes da Silva Fernando Nunes da Silva Dados Pessoais Data de nascimento: 02/12/1989 Idade: 22 Sexo: Masculino Cidade: Carlópolis-Pr / Brasil CEP: 86420-000 Endereço: Rua Marcos Rodrigues do Amaral Nº 224 Bairro: Centro

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

REDES VIRTUAIS PRIVADAS

REDES VIRTUAIS PRIVADAS REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Redes de Computadores Professor: Marco Antônio Câmara Aluna: Patricia Abreu Página 1 de 10

Leia mais

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft CPE Soft Manual 125/400mW 2.4GHz CPE Soft Campinas - SP 2010 Indice 1.1 Acessando as configurações. 2 1.2 Opções de configuração... 3 1.3 Wireless... 4 1.4 TCP/IP 5 1.5 Firewall 6 7 1.6 Sistema 8 1.7 Assistente...

Leia mais

Endereçamento IP. Rede 2 Roteador 2 1

Endereçamento IP. Rede 2 Roteador 2 1 O protocolo TCP/IP é roteável, isto é, ele foi criado pensando-se na interligação de diversas redes onde podemos ter diversos caminhos interligando o transmissor e o receptor -, culminando na rede mundial

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. DIE GIE Documento1 1/12

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. DIE GIE Documento1 1/12 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA DIE GIE Documento1 1/12 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO / ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS / QUANTIDADE 1. OBJETO: 1.1 Aquisição de Firewalls Appliance (hardware dedicado) com throughput

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br VPN: Virtual Private Networks Uma Rede Virtual Privada (VPN) é um meio de simular uma

Leia mais

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Segurança de Redes Firewall Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução! O firewall é uma combinação de hardware e software que isola a rede local de uma organização da internet; Com ele é possível

Leia mais

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI Agenda Conceitos básicos sobre protocolos utilizados em redes de dados Entendimento entre topologia física e lógica Estudo de caso em ambientes Enterprise,

Leia mais

A gestão e monitoria é feita via interfaceweb no estilo Dashboard com idioma em português e inglês. Um solução da VAMIZI, LDA.

A gestão e monitoria é feita via interfaceweb no estilo Dashboard com idioma em português e inglês. Um solução da VAMIZI, LDA. INTRODUÇÃO O Vamizi Firewall é uma plataforma baseada em Linux especializada na proteção e monitoria de rede que possui uma interface WEB de gestão, agregando diversos serviços em um pacote integrado de

Leia mais

Rede WAN da Codevasf. Histórico, Características e Recursos. Área de Gestão Estratégica Gerência de Tecnologia da Informação

Rede WAN da Codevasf. Histórico, Características e Recursos. Área de Gestão Estratégica Gerência de Tecnologia da Informação Rede WAN da Codevasf Histórico, Características e Recursos Área de Gestão Estratégica Gerência de Tecnologia da Informação Junho / 2011 Rede WAN Definição Uma rede WAN (Wide Area Network) ou Rede de longa

Leia mais

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 INTERNET Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 Anexo I - página 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. VISÃO GERAL DO ESCOPO DO SERVIÇO... 3 3. ENDEREÇOS

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Apresentar os conceitos da camada de rede e seus principais protocolos. Camada de

Leia mais

IBM Security QRadar Risk Manager Versão 7.2.3. Guia de Introdução GC43-1523-01

IBM Security QRadar Risk Manager Versão 7.2.3. Guia de Introdução GC43-1523-01 IBM Security QRadar Risk Manager Versão 7.2.3 Guia de Introdução GC43-1523-01 Nota Antes de usar estas informações e o produto que elas suportam, leia as informações em Avisos na página 33. Copyright IBM

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

Net:Manual:Rv0XX - Wikiproducao

Net:Manual:Rv0XX - Wikiproducao 1 de 7 25-02-2013 10:49 Net:Manual:Rv0XX De Wikiproducao Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: MediaWiki Título do Documento: Manual de configuração RV042 e RV082 Estado do Documento:

Leia mais

Curso Firewall. Sobre o Curso de Firewall. Conteúdo do Curso

Curso Firewall. Sobre o Curso de Firewall. Conteúdo do Curso Curso Firewall Sobre o Curso de Firewall Este treinamento visa prover conhecimento sobre a ferramenta de Firewall nativa em qualquer distribuição Linux, o "iptables", através de filtros de pacotes. Este

Leia mais

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede WebZine Manager Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: SoftSolut,

Leia mais

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Windows Server 2012 Virtualização Hyper-v Firewall Pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on 2 Sumário 1 Conteúdo Windows 2012... 3 2 Conteúdo Virtualização...

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comissão de Segurança da Informação Núcleo de Governança Corporativa de TIC Setor de Segurança da Informação Revisão: 1.1 Vigência: 12/02/2016 Classificação:

Leia mais

CONTINUIDADE OPERACIONAL DA REDE INTRAGOV

CONTINUIDADE OPERACIONAL DA REDE INTRAGOV COMPANHIA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO ESTADO DE SÃO PAULO - PRODESP CONTINUIDADE OPERACIONAL DA REDE INTRAGOV CONSULTA PÚBLICA DIRETORIA DE OPERAÇÕES - DOP GERÊNCIA DE INFRAESTRUTURA PGI MAIO / 2013 Página

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

GWM 1420 N. INFORMÁTICA - networks. Roteador ADSL 2+ Wireless N 150 Mbps BANDA LARGA. Características

GWM 1420 N. INFORMÁTICA - networks. Roteador ADSL 2+ Wireless N 150 Mbps BANDA LARGA. Características INFORMÁTICA - networks BANDA LARGA GWM 1420 N A solução mais inteligente em banda larga. O Roteador GWM 1420 N Intelbras é um 3 em 1 que integra a função de modem ADSL 2+ de alta velocidade, roteador Wireless

Leia mais

No item 3.1 (n) do Anexo I Especificação Técnica é especificado que:

No item 3.1 (n) do Anexo I Especificação Técnica é especificado que: Questionamento 1 Entendemos que para determinar o valor da Cesta de Serviços Mensal (CSM), utilizaremos como base as quantidades de PEP e de TVBB constantes no Anexo 07 (Minuta de Proposta) - página 31

Leia mais

FIREWALL, PROXY & VPN

FIREWALL, PROXY & VPN 1 de 5 Firewall-Proxy D O C U M E N T A Ç Ã O C O M E R C I A L FIREWALL, PROXY & VPN :: MANTENDO O FOCO NO SEU NEGÓCIO :: Se o foco do seu negócio não é tecnologia, instalar e manter por conta própria

Leia mais

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL PÁG. 1 DE 8 PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL ITEM SUMÁRIO PÁG. 1. OBJETIVO... 2 2. CAMPO

Leia mais

CENTRO DE INFORMATICA CCNA. Cisco Certified Network Associate

CENTRO DE INFORMATICA CCNA. Cisco Certified Network Associate CENTRO DE INFORMATICA CCNA Cisco Certified Network Associate E ste currículo ensina sobre redes abrange conceitos baseados em tipos de redes práticas que os alunos podem encontrar, em redes para residências

Leia mais

3.1.2 Protocolos e informação de encaminhamento

3.1.2 Protocolos e informação de encaminhamento 1- Introdução 1 1.1 Desafios da administração de redes 1.2 Objectivos do livro e abordagem utilizada 1.3 Organização do presente texto 2 - As Actuais Infra-Estruturas De Rede 7 2.1 Introdução 2.2 Tecnologias

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Uma combinação de hardware e software que protege redes mediante a análise do tráfego de entrada e saída

Uma combinação de hardware e software que protege redes mediante a análise do tráfego de entrada e saída Sistemas de Firewall Luiz Henrique Barbosa luiz@oluiz.com Firewalls Um Firewall é um método de proteger hosts e redes conectados a outros computadores e redes contra ataques como: tentativas de obter acesso

Leia mais

HP Network Core Implementation

HP Network Core Implementation HP Network Core Implementation Dados técnicos O serviço HP Network Core Implementation tem como objetivo, através de uma análise técnica no ambiente de rede local, realizar a implementação de uma proposta

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RETIFICADA

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RETIFICADA ANEXO VIII Referente ao Edital de Pregão Presencial nº. 020/2014 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RETIFICADA Página 1 de 6 Página 1 de 6 OBJETO : Constitui objeto deste Pregão a Aquisição de Sistema Firewall, conforme

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

HP Router Basic Implementation

HP Router Basic Implementation HP Router Basic Implementation Dados técnicos O HP Router Basic Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto a equipe designada pelo cliente, realizar a instalação

Leia mais

ESTRUTURA E ASPECTOS. 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio

ESTRUTURA E ASPECTOS. 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio ESTRUTURA E ASPECTOS 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio A 3S Networks surgiu com a proposta de oferecer as mais avançadas soluções tecnológicas a empresas dos setores privado e público, atuamos

Leia mais

Ficha técnica: Visual Performance Manager e Pacote TruView Advanced MPLS (SKU 01654)

Ficha técnica: Visual Performance Manager e Pacote TruView Advanced MPLS (SKU 01654) Ficha técnica: Visual Performance Manager e Pacote TruView Advanced MPLS (SKU 01654) Principais características: Notificação por SNMP do limite do desempenho proativo em tempo real Monitoração contínua

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Segurança Física e Segurança Lógica Segurança

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Redes de Computadores: Introdução

Redes de Computadores: Introdução s de Computadores: Introdução Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores s de Computadores Necessidades de comunicação 28-02-2010

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais