Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído"

Transcrição

1 Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ana Paula Chaves 1, Jocimara Segantini Ferranti 1, Alexandre L Erário 1, Rogério Santos Pozza 1 utfpr.edu.br, 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Avenida Alberto Carazzai, 1640, , Cornélio Procópio Paraná, Brasil Resumo: Este artigo apresenta uma ferramenta de apoio ao desenvolvimento distribuído de software e ao gerenciamento de projetos baseada em uma arquitetura que possibilita a especificação e execução de processos de software. A ferramenta utiliza o formalismo de redes de Petri na modelagem do processo possibilitando que suas atividades sejam distribuídas entre equipes de desenvolvimento geograficamente distantes. O gerenciamento dos projetos permite o acompanhamento do fluxo de execução do processo fornecendo uma macro visão ao gerente de projeto. Palavras-chave: gerenciamento de projetos; desenvolvimento distribuído de software; workflow; redes de petri; modelagem e execução de processos. 1. Introdução Desenvolver software utilizando um processo de desenvolvimento bem definido não é uma tarefa simples. Ao contrário, ao longo dos anos tem se tornado cada vez mais complexo, na exata medida em que as demandas de software das empresas aumentam em tamanho, complexidade, distribuição e importância estratégica para suas operações (Kruchten, 2003). A tecnologia de workflow apresenta-se como uma alternativa diante da necessidade de aplicação de conceitos, técnicas e ferramentas que auxiliem na realização das tarefas do desenvolvimento, já que permite a definição, execução e monitoramento de processos. Além de favorecer a reengenharia, automação e acompanhamento de processos que envolvem pessoas e sistemas de informação, auxilia na obtenção da qualidade e produtividade desejadas (WfMC, 1995).

2 Um processo de software consiste de um conjunto ordenado de tarefas, que além de contemplar um grande número de atividades com um grande índice de repetição, possui intensa distribuição de tarefas (Tanaka, 2000). Diante de tais características, do contexto de globalização e do evidente progresso tecnológico vivenciado pela sociedade, a distribuição do processo entre equipes de desenvolvimento geograficamente distantes tem se tornado cada vez mais significativa, buscando obter vantagens competitivas em termos de ganho de produtividade, melhoria de qualidade, flexibilidade de desenvolvimento, redução de custos e diluição de riscos (Prikladnicki, 2004). Por meio da descrição formal de um processo de software é possível que o mesmo seja analisado, amadurecido, compreendido e automatizado (Reis, 2000). Uma rede de Petri (PN) é uma ferramenta de modelagem aplicável a uma série de sistemas, especialmente àqueles em que a topologia da rede descreve a relação de precedência entre os eventos, expressando a concorrência e o paralelismo das operações de uma maneira mais natural (Raposo, 2000). Gerenciar um projeto consiste na tomada de decisões sobre o uso de recursos, sejam eles humanos ou materiais. Dessa forma, no gerenciamento de projetos de software, planejar e executar atividades de um processo de desenvolvimento são tarefas importantes para que um resultado de qualidade seja obtido (Huzita, 2006). A automatização desses processos facilita sua gerência, controlando o comportamento do processo definido, coletando métricas e reforçando as regras que garantem sua integridade. Além de melhorar a comunicação entre as pessoas envolvidas e a consistência do que está sendo feito, provê informações que orientam o desenvolvedor na realização do seu trabalho, possibilita a reutilização das definições e a medição do progresso, resultando na economia de recursos. Diante desse contexto, este trabalho apresenta uma ferramenta de auxílio à execução de processos de software que possibilita a distribuição das atividades entre equipes de desenvolvimento geograficamente distantes, visando melhorias na gerência do desenvolvimento e no produto final obtido. A Seção 2 descreve alguns trabalhos encontrados na literatura. As Seções 3 e 4 detalham, respectivamente, a arquitetura em que a ferramenta se baseia e suas principais características. Já a Seção 5 apresenta as conclusões do trabalho e uma sugestão de trabalho futuro. 2. Trabalhos Relacionados Um Ambiente de Desenvolvimento de Software (ADS) auxilia no desenvolvimento de produtos de software por meio da integração de um conjunto de ferramentas que suportam métodos de desenvolvimento e são apoiadas por uma estrutura que permite a comunicação e cooperação entre elas (Brown, 1992). Além de oferecer apoio às atividades individuais e em grupo, gerenciamento do projeto e aumento da qualidade geral dos produtos, permite ao engenheiro de software acompanhar e

3 medir, por informações obtidas ao longo do desenvolvimento, a evolução do trabalho (Travassos, 1994). A seguir são apresentadas algumas ferramentas encontradas na literatura, destacando as soluções empregadas na definição e execução de processos, que embasaram o desenvolvimento deste trabalho. A Estação TABA consiste em um conjunto de ferramentas integradas que permite a organização de atividades por meio do seqüenciamento e composição das mesmas. Essas atividades podem ser modificadas durante a execução do processo, desde que não afetem atividades já concluídas. Um repositório central armazena as informações relativas ao processo, mapeando sua definição e seu acompanhamento para um modelo de objetos. Uma máquina de processos executa as especificações de maneira independente do ambiente e permite sua monitoração durante toda a execução de cada atividade (Taba, 2006). O ambiente PROSOFT auxilia o desenvolvimento desde a especificação dos requisitos até a implementação do sistema, fornecendo integração de dados, controle e apresentação entre suas ferramentas. Sua arquitetura provê mecanismos que permitem sua utilização por vários usuários simultaneamente, possibilitando o compartilhamento de informações e auxílio inteligente ao desenvolvimento. O Gerenciador de Processos faz o papel de interpretador de modelos, permitindo a execução dos processos de acordo com um modelo (Lima, 1998). O SPADE é baseado em uma linguagem de modelagem de processo de software apoiada pelo formalismo de PN que oferece recursos para modelagem, execução e evolução de processos, além de permitir a descrição da interação com pessoas e ferramentas. Utiliza o conceito de atividades para estruturar os modelos de processo, permitindo que essas atividades sejam manipuladas dinamicamente, e armazenando-as em um banco de dados orientado a objetos (Bardinelli, 1993). Visual Simnet é uma ferramenta capaz de modelar e analisar PNs convencionais e estocásticas. Possui um editor gráfico e diversos recursos para análise de PNs, incluindo simulação animada, árvore de cobertura e análise estrutural e de desempenho. Além disso, define um formato textual bastante simples para descrição de PNs e permite sua exportação para outras ferramentas (Garbe, 1997). Diante dos aspectos das ferramentas apresentadas e de algumas características consideradas importantes acerca do controle e execução de processos (Christie, 1995), algumas comparações entre os trabalhos citados acima e a ferramenta proposta neste trabalho são apresentadas na Seção Arquitetura Proposta Com o objetivo de apoiar a utilização de processos de software no desenvolvimento distribuído, esta seção propõe uma arquitetura que permite desde a especificação e modelagem de um processo até a sua execução.

4 A arquitetura proposta, ilustrada na Figura 1, é divida em três camadas Modelagem, Engine e Execução que são apresentadas nas subseções a seguir. Figura 1 Arquitetura proposta Camada de Modelagem O objetivo da camada de Modelagem é gerar uma especificação de um processo de software a partir da definição e modelagem de um processo de desenvolvimento. Tal definição consiste em descrever suas atividades e artefatos que devem ser produzidos e/ou consumidos em cada uma delas, enquanto na modelagem, os artefatos resultantes de cada atividade são agrupados de acordo com suas dependências e distribuídos em um workflow representativo do processo que está sendo criado. Esses grupos de artefatos representam a unidade atômica do processo e são tratados pelo modelo como uma tarefa indivisível Camada Engine A Engine é a camada responsável por interpretar a especificação do processo e transformá-la em um processo passível de execução. A Engine cria uma instância do processo especificado adicionando a ela informações específicas de um projeto, como metas e prazos a serem cumpridos. Além disso, essa camada permite a distribuição dos grupos de artefatos modelados entre diversas equipes de desenvolvimento, e possibilita a atribuição dos artefatos de cada grupo aos membros dessas equipes Camada de Execução A camada de Execução auxilia no gerenciamento do processo instanciado manipulando informações referentes ao andamento do projeto, como datas de início e fim das atividades e artefatos. O acompanhamento do estado de execução dos artefatos possibilita uma visão geral acerca da execução do projeto,

5 possibilitando a tomada de decisões quanto a mudanças no fluxo de execução durante o desenvolvimento. A Figura 2 apresenta um diagrama de gráficos de estados que ilustra os estados de execução de um projeto, de uma atividade e um artefato que são descritos a seguir: Figura 2 Estados de execução. Instanciado: projeto, atividade ou artefato criado, atribuído aos responsáveis pelo desenvolvimento e pronto para ser executado; Executando: projeto, atividade ou artefato em execução; Suspenso: projeto, atividade ou artefato que teve sua execução suspensa temporariamente, podendo ser retomado posteriormente; Cancelado: projeto que foi encerrado sem ser concluído, e não pode ser retomado, resultando no cancelamento das atividades e artefatos que o compõem; Concluído: projeto, atividade ou artefato que teve sua execução concluída. A conclusão de um projeto só é possível se todas as atividades e artefatos que o compõem se encontrarem concluídos. Mudanças dinâmicas durante a execução de processos são bastante comuns e difíceis de serem tratadas, pois, além de afetar a execução e a continuação de um projeto, podem requerer modificações compensatórias na realização do processo, a fim de minimizar possíveis efeitos colaterais como, por exemplo, apagar informações, desfazer operações e alterar a lista de tarefas dos usuários. Diante desses impactos, a arquitetura proposta não permite que atividades e artefatos sejam cancelados durante a execução de um projeto, já que esse cancelamento resulta na mudança da definição do processo. 4. Ferramenta Desenvolvida A ferramenta descrita nesta seção, baseada na arquitetura apresentada na Seção 3, tem como principal objetivo permitir que, embora os processos modelados sejam

6 executados por equipes de desenvolvimento geograficamente distantes, essa característica seja transparente ao usuário e o gerenciamento de cada projeto ocorra de forma virtualmente centralizada. A Figura 3 apresenta a arquitetura descrita na seção anterior e a correspondência de suas camadas com os módulos da ferramenta desenvolvida Edição, Gerenciamento e Monitoramento que serão detalhados nas subseções a seguir. Figura 3 Arquitetura e ferramenta. De acordo com a Figura 3, a camada de Modelagem equivale ao módulo Edição. A Engine está incluída no módulo Gerenciamento, que combinada com o módulo Monitoramento, forma a camada de Execução. A Figura 4 descreve o funcionamento da ferramenta como um todo e a forma pela qual os usuários interagem com as suas funcionalidades, destacando as funcionalidades de cada um dos três módulos que a compõe. Figura 4 Funcionamento da ferramenta.

7 O gerente de processo é o responsável pela modelagem do processo de desenvolvimento. A instanciação de um processo é realizada pelo gerente de projeto com base em um processo modelado. Essa instanciação resulta em um novo projeto pronto para ser executado que contém, além do processo que será executado, informações particulares sobre o trabalho que deve ser realizado. A ferramenta de apoio à execução auxilia no controle do comportamento de processo e reforça as regras de integridade do mesmo. Além disso, provê orientação e suporte para as equipes de desenvolvimento responsáveis pela realização do projeto, e armazena informações acerca do andamento, obtidas como feedback dos desenvolvedores. Essas informações possibilitam ao gerente de projeto acompanhar o desempenho do desenvolvimento, auxiliando na tomada de decisões quanto ao fluxo de execução do projeto. 4.1.Módulo Edição O módulo Edição possui dois objetivos: gerar a especificação de um processo a partir da definição de suas características e modelar o workflow que define seu fluxo de execução. A especificação de um processo consiste em apontar quais atividades devem ser executadas e quais artefatos devem ser produzidos em cada uma delas. Deve conter, ainda, um nome e uma descrição breve, para facilitar a sua identificação entre os demais processos já definidos. A modelagem é baseada na especificação e representa as partes que compõem o processo e os relacionamentos existentes entre elas. Para isso, o módulo permite a criação de um workflow que denota o fluxo de execução do processo, cuja representação é realizada utilizando o formalismo das PNs. A Figura 5 mostra uma das interfaces gráficas do módulo Edição, onde cada elemento lugar da PN modelada, representado por um círculo, possui propriedades que indicam um grupo de artefatos que deverá conter, devendo estes artefatos pertencer a uma mesma atividade. Assim, uma atividade pode ser vista como um conjunto de um ou mais agrupamentos de artefatos. As transições, representadas por quadrados, são habilitadas quando cada um de seus lugares de entrada conclui a produção de seus artefatos, que poderão ser utilizados como matéria-prima para a produção dos artefatos das atividades posteriores. Os arcos, representados pelas setas, indicam a direção do fluxo de execução. O gerente de processo é o usuário responsável por realizar a especificação e modelagem do processo. O objetivo de modelar um sistema com PNs é analisar suas propriedades e seus problemas, possibilitando verificar, por exemplo, se o sistema possui deadlock, se é possível reverter estados, se existe algum estado que nunca será alcançado ou até mesmo análise de desempenho. Para esta ferramenta, entretanto, o principal benefício da utilização das PNs consiste em permitir a construção de modelos que

8 contenham execuções paralelas, favorecendo a distribuição das atividades entre equipes de desenvolvimento geograficamente distantes, já que os artefatos produzidos paralelamente não possuem dependências entre si. Figura 5 Módulo Edição. A modelagem do processo, combinada com a sua especificação, é armazenada, podendo ser posteriormente utilizada pelo módulo Gerenciamento para a instanciação de um projeto Módulo Gerenciamento O módulo Gerenciamento tem por objetivo auxiliar na execução de processos de desenvolvimento de software, apoiando gerentes de projeto na realização do seu trabalho e auxiliando desenvolvedores durante o desenvolvimento. Para possibilitar o gerenciamento dos processos modelados, o módulo Gerenciamento fornece funcionalidades que auxiliam na instanciação do processo, no controle da execução do projeto e na construção dos artefatos que o compõem, possibilitando a instanciação, estimativa, distribuição, execução, suspensão, retomada, cancelamento e conclusão de projetos e dos artefatos de um processo. A instanciação de um processo, ilustrada na Figura 6, permite a criação de um projeto passível de execução. Ao instanciar um processo, um novo projeto é criado contendo, além de informações específicas, como descrição e metas a cumprir, o modelo do processo escolhido. A especificação é relacionada ao projeto e todas as suas atividades e artefatos são instanciados. A estimativa do projeto determina os prazos de início e conclusão do projeto, atividades e artefatos que o compõem, e as regras de trasição dos grupos de artefatos modelados, que auxiliam na garantia de que os mesmos

9 serão construídos de forma correta, utilizando os insumos necessários. A distribuição dos lugares da PN permite que o gerente de projeto atribua a uma equipe de desenvolvimento (site) a responsabilidade pela construção de um grupo de artefatos, cabendo ao gerente do site distribuí-los entre seus membros. Figura 6 Instanciação de um processo. Instanciado o processo, o novo projeto está pronto para ser executado. O gerente de projeto inicia a execução do projeto que é seguida de acordo com as regras de transição definidas na estimativa do mesmo e com os estados apresentados pela Figura 2. Todos os projetos criados permanecem armazenados formando um histórico de execuções que serve para auxiliar outros gerentes na escolha de um processo de desenvolvimento ou mesmo durante a execução de outros projetos. O fluxo de execução dos artefatos ocorre de forma semelhante ao do processo, porém, quem o controla é o desenvolvedor para o qual o artefato foi atribuído Módulo Monitoramento O módulo Monitoramento simula um gerenciador de execução, cujo objetivo é permitir ao gerente realizar o acompanhamento de um projeto em execução. Seu objetivo é recuperar as informações referentes a um determinado projeto e exibir os estados de execução de cada um dos artefatos e das atividades, de acordo com o processo que utiliza. Como esse módulo ainda não foi implementado, atualmente essa visualização é disponibilizada no próprio gerenciador do projeto, dentro do módulo Gerenciamento, conforme representado na Figura Conclusão Este artigo teve por objetivo apresentar uma ferramenta de apoio ao desenvolvimento distribuído de software que, além de permitir que as atividades especificadas sejam distribuídas entre equipes de desenvolvimento geograficamente distantes, auxilia no gerenciamento de projetos.

10 Figura 7 Módulo Gerenciamento.

11 A partir das características dos trabalhos apresentados na Seção 2, algumas comparações acerca de aspectos relacionados à modelagem e execução de processos podem ser apontadas. Aspectos como documentação, controle de versões e gerência de configurações não são abordados nesta comparação, já que não estão diretamente relacionados com o enfoque deste trabalho. O escopo da Estação TABA permite a especificação e instanciação de ADSs a partir de um processo de software e da definição de um domínio de aplicação específicos, enquanto que a ferramenta apresentada neste trablaho auxilia na especificação e execução de processos de desenvolvimento a partir de atividades e artefatos. Enquanto o PROSOFT utiliza um mecanismo de comunicação baseado em mensagens para possibilitar a interação entre os omponentes de um processo, o trabalho apresentado utiliza de um modelo de objetos onde os componentes interagem por meio dos relacionamentos existentes entre eles. Ao contrário do SPADE, que utiliza uma linguagem interpretada para especificação dos modelos de processo, a ferramenta apresentada neste trabalho oferece uma interface gráfica que possibilita a definição dos relacionamentos temporais e de dependências entre atividades e artefatos. Além disso, o SPADE trata os participantes como um conjunto de usuários em uma rede de estações de trabalho locais, não prevendo a distribuição geográfica global dos participantes, característica central da aplicação deste trabalho. Ao passo que os arquivos textos do Visual Simnet permitem uma descrição genérica que abrange diversos processos de negócio, no módulo Edição essa descrição é específica para modelagem de processos de software. É possível ainda concluir que a utilização das PNs para a modelagem do workflow dos processos possibilitou que os modelos produzidos pelo módulo Edição sejam definidos possuindo grupos de artefatos paralelos, favorecendo a distribuição destes grupos entre equipes geograficamente distantes, de forma independente. Além de permitir a realização do projeto por equipes geograficamente distantes, outras contribuições da ferramenta podem ser apontadas, como: a possibilidade de instanciar um processo de software, resultando em uma maior flexibilidade de desenvolvimento; a associação de desenvolvedores aos artefatos, responsabilizando-os pela sua construção; o registro de informações sobre a execução de projetos, possibilitando a existência de um histórico de execuções capaz de auxiliar gerentes em futuras tomadas de decisões; e, principalmente, possibilitar que as equipes de desenvolvimento geograficamente distantes tenham seus projetos gerenciados de forma virtualmente centralizada. Como proposta de melhoria para o trabalho apresentado, a implementação do módulo Monitoramento deve possibilitar a exibição gráfica, utilizando PN, do modelo de processo instanciado, contendo as informações relativas a cada grupo de artefatos e seus respectivos estados, facilitando a tomada de decisões acerca dos

12 riscos e benefícios e possibilitando a extração de informações que poderão servir como experiência para projetos futuros. Referências Bandinelli, S. & Fuggetta, A. (1993). Computational Reection in Software Process Modeling: the SLANG Approach. In Proceedings of the 15th. International Conference on Software Engineering, Baltimore, Maryland, USA. Brown A. et al (1992). Software Engineering Environments: Automated Support for Software Engineering. McGraw-Hill, London. Christie, A. M. (1995). Software Process Automation. Springer-Verlag Berlin Heidelbert. Garbe, W. (1997). Visual Simnet V.1.37 Stochastic Petri-Net Simulator. Technical University of Moldova, Computer Science Department. Huzita, E. H. M. & Tait, T. F. C. (2006). Gerência de projetos de software. XII Escola Regional de Informática da SBC. Kruchten, P. (2003) The Rational Unified Process An Introduction. 3 Ed. Boston: Addison-Wesley. Lima, C. A. G. (1998). Gerenciamento do processo de desenvolvimento cooperativo de software no ambiente PROSOFT. Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software. Prikladnicki, R. & Audy, J. L. N. (2004). Munddos: Um modelo de referência para desenvolvimento distribuído de software. In: XVIII Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software. Raposo, A. B. (2000). Coordenação em Ambientes Colaborativos Usando Redes de Petri. PhD thesis, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Reis, C. A. L. (2000). Gerenciador de processos de software para o ambiente PROSOFT. Dissertação de Mestrado, UFRGS, Porto Alegre, RS. Taba. (2006). Estação TABA. Tanaka, S. A. & Gimenes, I. M. S. (2000). An object oriented framework for task scheduling. Mont St. Michel: IEEE Computer Society Press. Travassos, G. H. (1994). O Modelo de Integração de Ferramentas da Estação TABA. Tese de Doutorado, COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil. WfMC (1995). The workflow management coalition - the workflow reference model.

Proposta de uma ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído

Proposta de uma ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Proposta de uma ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ana Paula Chaves, Jocimara Segantini Ferranti, Alexadre L Erário,

Leia mais

2 Engenharia de Software

2 Engenharia de Software 20 2 Engenharia de Software 2.1 Design de Sistemas Orientados a Objetos Os Sistemas Orientados a Objetos não são mais novidade hoje em dia já estando há muitos anos no mercado. A orientação a objetos permite

Leia mais

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software 3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software A tarefa de planejar os ciclos de construção do software pode partir de diretrizes básicas. Estas diretrizes visam orientar que os ciclos de

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

UML Itens Estruturais - Interface

UML Itens Estruturais - Interface Itens Estruturais - Interface Coleção de operações que especificam serviços de uma classe ou componente Descreve o comportamento visível externamente Raramente aparece sozinha. Em geral vem anexada à classe

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

Diagrama de Estrutura Composta

Diagrama de Estrutura Composta Diagramas da UML Diagrama de Estrutura Composta Diagrama de Casos de Uso Indicação: Análise de Requisitos Permite descobrir os requisitos funcionais do sistema Fornece uma descrição clara e consistente

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 4º PERÍODO 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A3 DATA 15/10/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Analise as afirmações

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância

FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância Short paper Autores: Luciano Lessa Lorenzoni - Apresentador luciano@faesa.br 27-3279152 Denise Frazotti Togneri togneri@zaz.com.br

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução a linguagem UML

Leia mais

Modelagem de Sistemas

Modelagem de Sistemas Capítulo 5 Modelagem de Sistemas slide 1 2011 Pearson Pren0ce Hall. Todos os direitos reservados. 1 Tópicos Apresentados Modelos de contexto Modelos de interação Modelos estruturais Modelos comportamentais

Leia mais

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Fábio Lúcio Meira Objetivos Gerais Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Específicos Apresentar

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML

Mapa Mental de Engenharia de Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software - Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental Engenharia Software Diagramas UML Mapa Mental UML - Diagramas, Fases e Detalhes Resolvi juntar

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COORDENAÇÃO DE SISTEMAS (CODES) JUNHO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: codes@ifbaiano.edu.br Site:

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Orientadores: Márcio de Oliveira Barros e Cláudia Maria Lima Werner {marcio,

Leia mais

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Ben-Hur de Sousa Lopes¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí Paraná Brasil

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Com metodologias de desenvolvimento

Com metodologias de desenvolvimento Sociedade demanda grande quantidade de sistemas/aplicações software complexo, sistemas distribuídos, heterogêneos requisitos mutantes (todo ano, todo mês, todo dia) Mas, infelizmente, não há gente suficiente

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. O que é modelagem. O que é modelagem. Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML. Ferramenta: Rational Rose.

Análise e Projeto de Sistemas. O que é modelagem. O que é modelagem. Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML. Ferramenta: Rational Rose. Análise e Projeto de Sistemas Unified Modeling Language Benno Eduardo Albert benno@ufrj.br O que é modelagem Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML Ferramenta: Rational Rose. 2 O que é modelagem

Leia mais

1 Introdução. Componentes Usuários. Provedor de Serviços. Figura 1.1 Ambiente de oferecimento de serviços

1 Introdução. Componentes Usuários. Provedor de Serviços. Figura 1.1 Ambiente de oferecimento de serviços 1 Introdução Nos últimos anos, houve um aumento notável de demanda por plataformas com suporte a diferentes mídias. Aplicações manipulando simultaneamente texto, vídeo e áudio são cada vez mais comuns.

Leia mais

Palestra 03. O ICBv3 da IPMA como Instrumento para a Auto Avaliação Avaliação de Competências do

Palestra 03. O ICBv3 da IPMA como Instrumento para a Auto Avaliação Avaliação de Competências do Palestra 03 O ICBv3 da IPMA como Instrumento para a Auto Avaliação Avaliação de Competências do Gerente de Projetos O ICBV3 DA IPMA COMO INSTRUMENTO PARA A AUTO AVALIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DO GERENTE DE

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 01/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação - CTI I FINALIDADE Instituir a Metodologia

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

Ricardo Pereira e Silva UML 2. Modelagem Orientada a Objetos. Visual. Books

Ricardo Pereira e Silva UML 2. Modelagem Orientada a Objetos. Visual. Books Ricardo Pereira e Silva UML 2 Modelagem Orientada a Objetos Visual Books Sumário Parte I - Modelagem em Desenvolvimento de Software Orientado a Objetos...15 1 Modelagem em Desenvolvimento de Software...17

Leia mais

UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR A UTILIZAÇÃO DO PROJECT MODEL CANVAS

UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR A UTILIZAÇÃO DO PROJECT MODEL CANVAS ISSN 1984-9354 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR A UTILIZAÇÃO DO PROJECT MODEL CANVAS Área temática: Gestão pela Qualidade Simone Vasconcelos Silva simonevsinfo@gmail.com Leonardo Barroso da Silva leo.barroso.silva@gmail.com

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS Atualizado em 21/12/2015 GESTÃO DE PROCESSOS Um processo é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Por meio de processos, a

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2011 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 2015.1 Banco de Dados I Estudo dos aspectos de modelagem

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Processos de Software

Processos de Software Processos de Software Prof. Sandro Bezerra (srbo@ufpa.br) Adaptado a partir de slides produzidos pelo Prof. Dr. Alexandre Vasconcelos 1/27 Processo Ação regular e contínua (ou sucessão de ações) realizada

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Processo de Software - Revisão

Processo de Software - Revisão Processo de Software - Revisão Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Pressman, R. S. Engenharia de Software, McGraw-Hill, 6ª. Edição,

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Milena Alexandre dos Santos Baesso (Mestranda em Engenharia Elétrica) Agenda Ciclo de Vida de um Sistema A Fase de Análise Análise Orientada à Objetos Diagramas

Leia mais

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário Jair Cavalcanti Leite Departamento de Informática e Matemática Aplicada Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Banco de Dados Orientado a Objetos

Banco de Dados Orientado a Objetos Banco de Dados Orientado a Objetos MODELAGEM, ANÁLISE, PROJETO e CLASSIFICAÇÃO Interação combinando lógica, através de objetos que contém os dados. Estes divididos conforme seus tipos e métodos (classe),

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto*

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto* IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO João Alvarez Peixoto* * Mestrando do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica - UFRGS Porto

Leia mais

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça FAEG - Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone (14) 3407-8000

Leia mais

Engenharia de Software. Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias

Engenharia de Software. Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias Engenharia de Software Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias Sistemas Computacionais Automatiza ou apóia a realização de atividades humanas (processamento da informação)

Leia mais

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Amaury Bordallo Cruz (PEP/UFRJ) bordalo@ugf.br Elton Fernandes - (Coppe-UFRJ) - elton@pep.ufrj.br Solange Lima (PEP/UFRJ) solangelima@petrobras.com.br

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

INE 5613 Banco de Dados I

INE 5613 Banco de Dados I UFSC-CTC-INE Curso de Sistemas de Informação INE 5613 Banco de Dados I 2009/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5613 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia 1 Objetivo Esta disciplina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

Ferramenta de Gerenciamento

Ferramenta de Gerenciamento Ferramenta de Gerenciamento Yuri Franklin 1 Luis Fernando Nuss 2 yuri.fr@uol.com.br luisnuss@hotmail.com 1 Associação Educacional Dom Bosco (AEDB), Faculdade de Engenharia de Resende - Resende, RJ, Brasil

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS E COMPUTAÇÃO TÓPICOS AVANÇADOS EM SISTEMAS INTEGRADOS E DISTRIBUÍDOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS E COMPUTAÇÃO TÓPICOS AVANÇADOS EM SISTEMAS INTEGRADOS E DISTRIBUÍDOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS E COMPUTAÇÃO TÓPICOS AVANÇADOS EM SISTEMAS INTEGRADOS E DISTRIBUÍDOS II RELATÓRIO TÉCNICO ADORILSON BEZERRA DE ARAÚJO ANDRÉ GUSTAVO

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES CAPÍTULO ATIVIDADES, PAG. 138 A 150

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES CAPÍTULO ATIVIDADES, PAG. 138 A 150 LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES WILSON PADUA PAULA FILHO CAPÍTULO ATIVIDADES, PAG. 138 A 150 1 ANÁLISE ESTRUTURAL IDENTIFICAR AS CLASSES ORGANIZAR AS CLASSES IDENTIFICAR RELACIONAMENTOS

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DA GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DA GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTE 28 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DA GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO MODELO

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS Fabiana Fraga Ferreira Bacharelanda em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

REQUISITOS DE SISTEMAS

REQUISITOS DE SISTEMAS REQUISITOS DE SISTEMAS MÓDULO 2 PROCESSOS DE NEGÓCIOS CONTEÚDO 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS MODELAGEM (BPM e UML) PROCESSOS X REQUISITOS 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Introdução à. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.

Introdução à. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu. "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Fábio Levy Siqueira 1 and Paulo Sérgio Muniz Silva 2 1 Programa de Educação Continuada da Poli-USP, São Paulo, Brazil 2 Escola Politécnica

Leia mais

OANAFAS é um programa computacional

OANAFAS é um programa computacional ANAFAS Análise de Faltas Simultâneas OANAFAS é um programa computacional para cálculo de curtos-circuitos. Permite a execução automática de grande variedade de faltas e possui facilidades, como estudo

Leia mais

Introdução ao Processo Unificado (PU)

Introdução ao Processo Unificado (PU) Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação - CPCX Introdução ao Processo Unificado (PU) Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente cedidos por Profa. Dra. Maria Istela Cagnin

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

Descrição do Produto. Altus S. A. 1

Descrição do Produto. Altus S. A. 1 Descrição do Produto O software MasterTool IEC é um ambiente completo de desenvolvimento de aplicações para os controladores programáveis da Série Duo. Esta ferramenta permite a programação e a configuração

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Unified Modeling Language Benno Eduardo Albert benno@ufrj.br O que é modelagem Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML Ferramenta: Rational Rose. 2 O que é modelagem

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB 18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB Autor(es) HARLEI MIGUEL DE ARRUDA LEITE Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Versão 1 MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 1 Presidente INCRA Rolf Hackbart Diretor de Gestão Estratégica DE - INCRA Roberto Kiel Coordenador Geral

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Agenda 1. Arquitetura de Software 1.1.Introdução 1.2.Vantagens da Arquitetura de Software

Leia mais

Projeto SIAC 2.0: Uma aplicação do framework Demoiselle para o desenvolvimento de Sistema de Informações Acadêmicas da UFBA (SIAC)

Projeto SIAC 2.0: Uma aplicação do framework Demoiselle para o desenvolvimento de Sistema de Informações Acadêmicas da UFBA (SIAC) Projeto SIAC 2.0: Uma aplicação do framework Demoiselle para o desenvolvimento de Sistema de Informações Acadêmicas da UFBA (SIAC) André Luís Monteiro P. dos Santos 1, Fernando Cezar Borges 1, Leandro

Leia mais