FELIZ NATAL RIO DE MOURO. Junta de Freguesia I N F O M A I L

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FELIZ NATAL RIO DE MOURO. Junta de Freguesia I N F O M A I L"

Transcrição

1 Junta de Freguesia RIO DE MOURO I N F O M A I L FELIZ NATAL b o l e t i m t r i m e s t r a l O u t u b r o, N o v e m b r o e D e z e m b r o d e nº 17

2 2 Executivo Filipe Gonçalo de Faria Santos Presidente Pelouros: Espaços verdes e Pessoal 3ªs feiras das 15h00 às 18h00 Carlos Manuel Dias Pereira Secretário Pelouros: Educação, Mercados, Act. Económicas e Hig. Pública 2ªs feiras das 15h00 às 18h00 Vítor Pinto Branquinho Tesoureiro Pelouros: Desporto, Cemitério e Transportes 2ªs feiras das 15h00 às 18h00 Ana Bela G. Paulos Gonçalves Vogal Pelouros: Acção Social, Trânsito e Acessibilidades 2ªs feiras das 15h30 às 17h30 Ana Paula Tomé Martins Duarte Vogal Pelouros: Saúde e Património 4ªs feiras das 16h00 às 17h30 João Paulo Belo Nunes Vogal Pelouros: Cultura, Recreio e Juventude 4ªs feiras das 20h00 às 22h00 João André Santos Alves Vogal Pelouros: Obras, Saneamento Básico e Iluminação Pública 4ªs feiras das 20h00 às 22h00 REUNIÕES ORDINÁRIAS Privada: 1ª Quinta Feira de cada mês, às 21h00 Pública: 3ª Quinta Feira de cada mês, às 21h00 MAGUSTO EM RIO DE MOURO Como já vem sendo habitual, o executivo e funcionários da Junta de Freguesia de Rio de Mouro, comemoraram em convívio o Dia de São Martinho, uma iniciativa que teve lugar no passado dia 4 de Novembro, e que extensível também às seguintes instituições locais: Associação de Solidariedade Social das Mercês; Grupo de Voluntários do Centro de Saúde de Rio de Mouro; Associação de Pensionistas, Idosos e Reformados de Rio de Mouro; Centro Comunitário de Rio de Mouro; AFAPS; Centro de Dia da Tabaqueira e Grupo Folcólorico da Rinchoa. O Magusto é uma festa popular que se realiza em datas festivas, mais concretamente no Dia de São Simão, no Dia de Todos os Santos ou no dia São Martinho. As suas formas de celebração divergem um pouco consoante as tradições regionais. Grupos de amigos e famílias juntam-se à volta de uma fogueira onde se assam as castanhas para comer, bebe-se a tradicional água-pé, fazem-se brincadeiras, as pessoas enfarruscam-se com as cinzas, cantam-se cantigas. A celebração do Magusto está associada a uma lenda a qual dizia que um soldado romano ao passar a cavalo por um mendigo quase nu, como não tinha nada para lhe dar, cortou a sua capa ao meio com a sua espada; estava um dia chuvoso e diz que neste preciso momento parou de chover daí a expressão: Verão de São Martinho. Dia de Finados No passado dia 1 de Novembro, Dia de Todos os Santos, celebrou-se no Cemitério Paroquial de Rio de Mouro, a Missa dos Fiéis Defuntos, celebrada pelo Pároco Carlos Gonçalves. A Junta de Freguesia associou-se a esta jornada de luto e saudade, colocando à disposição de todos quantos quiseram, o seu autocarro, organizando um itinerário pela freguesia, facilitando o transporte para o cemitério. EDITORIAL Mais um Natal e um novo ano se avizinham e com eles as esperanças renovadas em melhorias para a nossa Freguesia. É nesta altura que todos nós somos capazes de dar as mãos, esquecer desavenças e mal entendidos. Aproveitando esta época tão especial, época esta que também é particularmente difícil para a maioria das famílias portuguesas, devido à situação económica que o País atravessa, vamos todos dar um pouco daquilo que somos, para que um simples gesto, consiga converter o Natal daqueles que por alguma razão, se encontrem mais tristes. Foi com este espírito que a Junta de Freguesia a exemplo de anos anteriores ofereceu cabazes de Natal às famílias carenciadas de Rio de Mouro. Para 2007 é nossa intenção dar continuidade ao trabalho que temos vindo a desenvolver, para que Rio de Mouro continue o seu desenvolvimento económico, habitacional e ambiental, não esquecendo de dar primazia às necessidades daqueles que mais precisam. Ao terminar este ano de 2006, não posso deixar de agradecer a confiança que em nós foi depositada pelos Fregueses, posso assegura-lhes a mesma atenção e dedicação para o próximo ano. Não quero deixar passar esta data sem usar Filipe Santos Presidente da Junta de Freguesia de Rio de Mouro este espaço para reconhecer o excelente trabalho que tem sido desenvolvido por todos os funcionários da Junta de Freguesia, que apesar de terem menos recursos à sua disponibilidade, continuam a apresentar um trabalho digno e com muita qualidade. Neste Natal, com os olhos postos no novo ano, faço votos para que tudo de melhor possa surgir em nossas vidas, num Portugal mais solidário, mais fraterno, num Mundo onde se contrarie os sinais de guerra, a fome se erradie e que as crenças e religiões sejam elos de união e não de desavenças, porque este Mundo é o nosso. Em nome da equipa que comigo trabalha, desejo a todos um Santo Natal e um Próspero Ano Novo. Filipe Santos Presidente da J.F. de Rio de Mouro

3 Acções de carácter social DESENVOLVIDAS PELA JUNTA Dentro do espírito da época natalícia estão em curso quatro iniciativas que merecem destaque: O circuito natalício que tem como finalidade mostrar a cerca de 110 seniores as principais iluminações da cidade de Lisboa, bem como da Vila de Sintra; Através de diversas associações e colectividades, a freguesia de Rio de Mouro também se fez representar em programas de televisão como o Dança Comigo e Canta por mim. A Junta de Freguesia de Rio de Mouro, através do pelouro de Acção Social, levou a efeito neste último trimestre diversas acções de carácter social, das quais se destacam o passeio a São Martinho do Porto, que contou com a participação de 55 seniores em ambiente de grande alegria e confraternização. O passeio incluiu almoço, lanche e baile com música ao vivo. O rastreio de hipertensão e risco cardiovascular, dirigido à população em geral. Esta iniciativa é realizada em colaboração com a Clínica Sadio e tem o apoio dos Laboratórios A. Menarini; diversas espécies de animais selvagens em liberdade, aproveitando também a ocasião para assistir a um espectáculo com aves de rapina; Ida ao teatro, onde 64 seniores se deslocaram à Academia de Santo Amaro, em Lisboa, para assistir a uma revista. A peça escolhida foi Boa noite Santo Amaro ; Durante as comemorações do Mês do Idoso foram realizadas três acções: Foi também efectuado um passeio a Mafra, Sobreiro e Vimeiro, ao qual se seguiu um almoço e baile. Não poderiam deixar de ser visitados o Convento de Mafra e a olaria de José Franco. Esta iniciativa contou com a participação de 54 idosos. Um passeio ao Badoca Park, único parque do género em Portugal, situado na região do Alto Alentejo, onde também 55 seniores da freguesia tiveram oportunidade de ver as mais Foi promovido um rastreio de higiene oral destinado aos mais idosos da freguesia, uma acção que foi realizada em conjunto com duas clínicas de Rio de Mouro (Sadia e Alpha Santos) e cuja organização foi da responsabilidade do pelouro da Saúde. A Junta de Freguesia de Rio de Mouro procedeu à oferta de cem Cabazes de Natal, aos fregueses considerados mais carenciados. Para avaliação das condições sócio-económicas de cada um dos candidatos foram efectuadas visitas domiciliárias aos mesmos; Visita a lares de idosos e Centros de Dia sedeados na freguesia, onde foram oferecidas algumas lembranças aos utentes, na esperança de lhes poder proporcionar um pouco mais de alegria desejando-lhes também um Feliz Natal.

4 6 7 Projecto Echo Action Este projecto está a ser implementado em vários países europeus como a Itália, Suécia, Reino Unido, Alemanha, Lituânia, Bulgária e Portugal e ao todo participarão famílias. Em Portugal serão 200 as famílias e desde já contamos com a sua participação. Qual o seu objectivo? Reduzir os consumos de energia na sua habitação e nos meios de transporte que utiliza; sensibilizar para mudanças de comportamentos que permitirão um uso mais racional de energia; sensibilizar para o uso racional de energia, aplicação de sistemas de energias renováveis e tecnologias de mobilidade sustentáveis; através da diminuição dos consumos de energia obter reduções das emissões de CO2. Como é que isso se pode fazer? Com a ajuda de técnicos especializados monitorizam-se os seus consumos, antes, durante e no final do projecto! As reduções dos consumos deverão ser conseguidas através da implementação de medidas de primeiro nível (alterações comportamentais no seu dia-a-dia) ou de segundo nível (pequenas intervenções na habitação). Por fim poderão ser implementadas as medidas de terceiro nível (reabilitação do edifício, intervindo no seu isolamento e no sistema de climatização). As famílias receberão os resultados de todas as análises e uma avaliação pontual será atribuída a cada uma de acordo com as poupanças energéticas verificadas. O projecto Echo Action estará disponível para todas as famílias e funcionará da seguinte forma: - Um técnico especializado analisará as suas facturas de energia e ajudá-lo-á a tomar as melhores decisões para diminuir os seus consumos; - Linhas telefónicas gratuitas, centros de informação e para esclarecimento de qualquer dúvida; - Uma página de Internet sobre o projecto com fórum on-line, dicas e informações sobre eficiência energética e mobilidade sustentável; - Um manual a ser criado por todos os parceiros ao longo do projecto; - Encontros mensais para esclarecimentos e formação; - Uma ferramenta de software onde por inserção de dados, poderá controlar os seus consumos e com dicas para os diminuir. Será também seleccionada uma família por país, para se efectuar uma simulação computorizada do comportamento energético da sua habitação. No fim do projecto será elaborado um DVD e brochuras de divulgação onde serão apresentados os principais resultados de todos os países participantes e servirá como meio de disseminação de Boas Práticas Energéticas! O projecto irá abranger apenas os concelhos de Sintra, Oeiras, Cascais, Mafra, Lisboa, Loures, Odivelas e Amadora. Se residir num destes concelhos e quiser aderir a este projecto, poderá fazê-lo através do onde deverão constar as seguintes informações: nome, número de contacto, concelho onde reside, número de pessoas que compõe o agregado familiar e tipologia de habitação (T0, T1, T2., etc, e se é apartamento ou vivenda). Participar no projecto não tem qualquer encargo! Caso existam outras dúvidas que queiram esclarecer, os interessados em aderir ao Projecto Echo Action poderão contactar por carta a Agência Municipal de Energia de Sintra, sita na Av. Coronel Linhares de Lima, Colares, ou ainda pelo telefone ou pelo fax REDE SOCIal No âmbito do projecto da Rede Social, no dia 6 de Novembro reuniu o Plenário da Comissão Social da Freguesia de Rio de Mouro, na Sede da Junta de Freguesia, sito : Largo do Registo Civil, 10, Rio de Mouro (Velho). Na reunião de Plenário foi apresentado pela Associação Ponte, o projecto do Banco de Tempo e pela Câmara Municipal de Sintra Divisão de Saúde e Acção Social, o projecto do Banco Local de Voluntariado. Ainda na mesma reunião foi apresentado aos parceiros da Rede Social o Relatório de Actividades 2000/2005, assim como o Plano de Actividades 2006/2007, tendo este sido aprovado por unanimidade. ACÇÃO DE FORMAÇÃO ENSINA A EVITAR INCÊNDIOS A pedido da Junta de Freguesia de Rio de Mouro realizou-se na sede dos Bombeiros Voluntários de Algueirão Mem Martins, no passado dia 28 de Outubro, uma acção de formação com duração de quatro horas, denominada Combate a Incêndios. Foi dada uma aula técnica sobre formas de combate a incêndios, e medidas preventivas no sentido de os evitar, e uma aula prática sobre a forma como se deve manusear extintores. Nesta acção de formação estiveram presentes oito funcionários da Junta de Freguesia. Assim, aproveitamos esta oportunidade para agradecer toda a disponibilidade do Sub-Chefe do referido quartel, Bombeiro Luís Faria, e da sua colaboradora, Bombeira Maria João.

5 8 9 Dia Mundial da Terceira Idade No dia 26 de Outubro, no Centro Comunitário Paroquial de Rio de Mouro, os utentes do Centro de Dia e algumas crianças do ATL, dedicaram-se a fazer pão com chouriço, que depois de amassado e cozido, deu um apetitoso lanche. Foi assim a comemoração do Dia Mundial da Terceira Idade que se traduziu numa actividade praticada pelos mais velhos e desconhecida para os mais novos. Feira das Mercês De 14 de Outubro a 1 de Novembro decorreu a realização da Feira das Mercês. Tendo sido instituída pelo Marquês de Pombal, e realizando-se nas suas terras, é a mais antiga feira tradicional do concelho de Sintra. Esta feira servia para abastecer os agricultores de sementes e venda de produtos hortícolas. Paralelamente, foram-se estabelecendo algumas tradições gastronómicas tais como a carne de porco à Mercês e peras cozidas em vinho. Hoje em dia, as tradições mais antigas ainda teimam em subsistir, a par de novas atracções. Durante os dias da feira, actuaram os seguintes grupos folclóricos: Agrupamento Musical Os Giorgius ; Rancho Folclórico As vendeiras Saloias de Sintra ; Grupo Folclórico de Belas; Rancho Folclórico Dançar é viver. Também tiveram lugar actuações de grupos culturais da Associação Luso Caboverdiana. Na tarde de domingo, dia 22, teve lugar a tradicional Missa, seguida de procissão em Honra de Nossa Senhora das Mercês A organização destes festejos esteve a cargo da Associação de Solidariedade Social das Mercês. De 1 a 10 de Dezembro de 2006, realizouse, no átrio do Fitares Shopping, a 13ª edição da Feira do Livro de Rio de Mouro. O programa da edição deste ano contou com a participação de vários grupos, de entre os quais de destacam o Grupo Coral Encontro, Trio Pasculli, Cordatum Ensemble, Grupo Coral da Sociedade Filarmónica de Mira Sintra, Grupo Coral Rio de Mel e Grupo de Música de Câmara 1º Tempo. 13ª Feira do Livro Cabazes de Natal Nos dias 18 e 19 de Dezembro a Junta de Freguesia de Rio de Mouro, através do Pelouro da Acção Social, procedeu à entrega de 100 Cabazes de Natal, a famílias consideradas mais carenciadas da freguesia, de forma a proporcionar-lhes uma ceia de Natal mais condigna.

6 10 11 MATAS DE FRANCOS FORAM PALCO DA CLÁSSICA Prova de BTT dificuldade técnica alta, contou com provas de classificação nas Classes de Escolas: Infantis Juvenis e não federados, e Promoção: Juvenis Femininas; Cadetes Veteranos B e C; Juniores Veteranos A; Sub 23; Elites e por equipas. O percurso é bastante atractivo para o público. Com subidas e descidas íngremes, atravessamento de percursos de água, pista em asfalto e rápida junto à meta proporcionando bons tempos e imagens muito competitivas. Para Filipe Santos, presidente da Junta de Freguesia de Rio de Mouro, esta é uma prova velocipédica muito apreciada pela população da freguesia, e atrai a esta pequena localidade um grande número de pessoas que vêm de vários pontos de Portugal especificamente para assistir a esta prova, acrescentando, este tipo de iniciativa serve para motivar os jovens para a prática de desportos virados para a natureza. A prova esteve aberta à população. A organização teve em conta a competição sem esquecer e fomentar a adesão de novos praticantes na modalidade. Bastou uma bicicleta, capacete e vontade de pedalar. A clássica prova teve como patrocinadores empresas como a Sumol e Irmãos Casalinho. Realizou-se no passado dia 5 de Outubro mais uma prova de BTT em Francos, Sintra, que contava para o Campeonato Regional de Lisboa, organizado pela Associação de Ciclismo de Lisboa, tendo como palco as matas de Francos na freguesia de Rio de Mouro, com meta instalada junto ao Grupo Desportivo e Recreativo de Francos. O percurso, com cerca de 3,5 km e que é considerado de dificuldade física média e

7 12 13 Moções da reunião ordinária da Assembleia de Freguesia de Rio de Mouro realizada em 26 de Outubro 2006 Moção A R.E.N. Considerando que: 1 Conforme notificado pela comunicação social, e por diversas organizações ambientalistas, a empresa Rede Eléctrica Nacional (R.E.N.) prepara-se para instalar, na freguesia de Rio de Mouro, uma linha aérea de alta tensão, a qual passará por áreas habitacionais; 2 A instalação de tais linhas acarreta graves prejuízos para os fregueses de Rio de Mouro, principalmente para aqueles que ficaram a residir nas proximidades de tais instalações eléctricas, na medida em que vêem a sua propriedade a desvalorizar significativamente e ficam expostos a campos magnéticos originados pelos referidos cabos eléctricos de alta tensão, os quais podem ser potencialmente perigosos para a saúde pública; 3 A R.E.N. ocultou os seus projectos durante o maior período de tempo possível e não os submeteu à necessária discussão pública, como manda a lei e, de forma prepotente e arrogante, planeou apresentar um facto consumado, que a todos prejudica, conduta aceitável em regimes ditatoriais, mas completamente inadmissível num Estado de Direito Democrático em que vivemos, no qual a soberania pertence ao Povo; 4 O projecto da R.E.N. tem alternativas, na medida em que a referida instalação poderá ser substituída por cabo subterrâneo, projecto porventura muito mais caro economicamente, mas muito mais consentâneo com a saúde pública da população; 5 A saúde pública e a qualidade ambiental e de vida das pessoas, são princípios constitucionalmente consagrados (vide artigo 64º e 66º da CRP), que a todos vinculam (inclusive a R.E.N.) e não podem ser ignorados pela aplicação estrita de critérios economicistas. Face a tais considerandos, esta Assembleia de Freguesia peremptoriamente rejeita o projecto da R.E.N., nos moldes em que este tem sido apresentado e, face ao défice de informação que se tem verificado, solicita à R.E.N. para que se disponibilize a prestar informações a todos os interessados, numa sessão extraordinária de Assembleia de Freguesia, a realizar especialmente para o efeito, a qual deverá contar, igualmente, com membros de associações ambientais, para que haja um debate plural e esclarecedor de todos os presentes. Bancada da Coligação Mais Sintra Moção B Contra o aumento do Imposto Municipal sobre Imóveis Na última reunião da Assembleia Municipal de Sintra foi aprovada uma proposta de fixação da taxa do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) antiga contribuição autárquica ao valor máximo (0,8 %), tal como tinha acontecido no ano transacto. De acordo com as preocupações levantadas pela CDU em reunião de Câmara aquando da aprovação da Taxa Máxima do IMI a 0,8 % (com os votos favoráveis do PPD / PSD CDS / PP e PS) é hoje possível afirmar que esta medida resultou, em 2006, em dois factores essenciais: 1 As famílias do município de Sintra viram agravar as suas condições financeiras ao serem penalizadas pela cobrança da Taxa Máxima do IMI, e não estão a efectivar o seu pagamento como no passado; 2 A Câmara Municipal de Sintra viu reduzida a receita referente à cobrança do IMI e IMT. A Associação de Bancos Portugueses publicou recentemente um relatório no qual afirma que a situação de incumprimento ao nível do pagamento de prestação da casa no nosso concelho assume valores muito preocupantes, sendo o mais elevado do país. A CDU lamenta que as restantes forças políticas não tenham tido a capacidade de entender que o aumento da referida taxa levaria a este resultado. Aquando da referida aprovação, a CDU alertou para o facto de não ser com o recurso ao aumento das taxas que a Câmara Municipal iria resolver os seus problemas financeiros. A CDU afirma ainda que o aumento das taxas não deve ser a forma de resolução de um problema que é da responsabilidade do Governo e das Autarquias e não dos contribuintes já tão penalizados. A Assembleia de Freguesia de Rio de Mouro, reunida em 26 de Outubro de 2006, manifesta: 1 A sua indignação pela aprovação da taxa máxima deste imposto; 2 A sua rejeição, pois, mais uma vez, são os munícipes de Sintra aqueles que vivem de rendimentos mais baixos a pagarem o desinvestimento do Poder Central, na autarquia de Sintra; 3 Que se envie esta moção à Câmara Municipal de Sintra, Assembleia Municipal e Ministério das Finanças; 4 Que se publique nos órgãos de comunicação social da Junta de Freguesia de Rio de Mouro. Bancada da Coligação Democrática Unitária VIOLÊNCIA DOMÉSTICA A violência, nas suas mais variadas formas, é um crime que não pode nem deve ser silenciado. A violência doméstica é uma questão de Direitos Humanos. É um problema de desigualdade. A mulher é a habitual vítima de violência doméstica. O homem é o habitual agressor. Os números apontam claramente para a confirmação destas afirmações. De 2000 a 2005 foram contabilizadas vítimas de violência doméstica, o que significa uma média de 40 vítimas por dia. Na sua grande maioria elas são mulheres adultas com mais de 25 anos de idade. Quanto aos agressores, no mesmo período de anos, foram registados A maioria é do sexo masculino e, normalmente, são cônjuges, companheiros ex-cônjuges ou excompanheiros das vítimas. A violência e a sua prática são tão antigas como o mundo em que vivemos. Sabemos que tudo tem um começo. Tudo faz parte da História. A violência e a desigualdade entre homens e mulheres também tem a sua história. A lei criminal, ao não regulamentar a esfera privada da família, foi cúmplice das atrocidades e dos atentados aos Direitos Humanos que, dentro das casas de família, foram sendo cometidos ao longo da história da humanidade, sem qualquer punição para com o agressor - homem, marido ou companheiro -, que foi adquirindo impunidade legal e social perante os crimes domésticos que ia cometendo. Assim se foi construindo a ideia de homem dominador, duro e pai tirano, distante, detentor máximo do poder familiar, baluarte último da imposição temerária de regras que teimavam impor-se. As mulheres foram historicamente desencorajadas pelas polícias, pelos tribunais e pela sociedade em geral a apresentarem queixa de um agressor que por direito as devia proteger e a quem deviam obediência. Os mecanismos de apoio também escassearam até um passado muito recente. Restava-lhes sofrer em silêncio a sua condição de mulher, e encarar o casamento, quando violento, como um destino fatal que deveriam suportar até que a morte física, simbólica ou perda das suas identidades também as vitimasse. E assim se foram construindo diferenças, baseadas em desigualdades que cedo se tornaram em injustiças, à luz e com a cumplicidade de um direito e de uma sociedade que colocava a defesa do status quo da família acima dos interesses individuais de cada um dos elementos que a compunham, subsumindo os interesses de um dos géneros o feminino aos interesses do outro o masculino. Todas e todos sabem que qualquer pessoa pode ser vítima de violência doméstica, independentemente do seu estatuto social, da sua idade, cultura, religião ou situação económica e profissional. Como também todas e todos sabemos que romper com uma situação violenta exige grande coragem. Cabe ao governo, em Portugal, no âmbito do II Plano Nacional contra a Violência Doméstica, criar condições para que o problema não só seja mais visível, mas seja mais controlado e atacado. Mas cabe a cada um dos cidadãos o papel fundamental da participação cívica que é a atenção ao que se passa à sua volta, denunciando situações que se constituem como autênticas violações aos Direitos Humanos. Cabe a cada um de nós a consciência de que um telefonema, uma frase, um alerta, pode salvar uma vida. Termino como comecei: a violência doméstica é um crime público. Lembro uma das frases da nossa campanha nacional: Não se cale! Denuncie!

8 14 15 Moções da reunião ordinária da Assembleia de Freguesia de Rio de Mouro realizada em 26 de Outubro 2006 Moção C Acerca das Finanças Locais Considerando que se encontram pendentes, na Assembleia da República, iniciativas legislativas com vista à revisão da Lei das Finanças Locais. Considerando que, de entre elas, a proposta de lei elaborada e aprovada pelo Governo se propõe reformular o sistema de financiamento das autarquias, bem como aspectos essenciais da sua autonomia e mesmo das suas atribuições. A Assembleia de Freguesia de Rio de Mouro delibera: 1 Insistir na necessidade imperiosa de serem respeitados os princípios constitucionais vigentes relativamente à autonomia do Poder Local e ao regime de distribuição dos recursos públicos, a saber: a) Proibição de toda e qualquer forma de tutela que exceda as previstas na Constituição da República Portuguesa inspectiva e de controlo da legalidade, esta exercida em última instância, pelos tribunais (em democracia e quanto a órgãos eleitos, a tutela de mérito cabe em exclusivo aos cidadãos); b) Respeito pela dignidade constitucional da Lei das Finanças Locais enquanto forma privilegiada de fixar e regular a repartição dos recursos públicos entre o Estado e as Autarquias, promovendo a solidariedade e a coesão territorial. 2 Defender que se inverta a rota que vem sendo seguida, no sentido do sub-financiamento e do estrangulamento financeiro das autarquias, percorrendo-se antes o caminho inverso, rumo à aproximação do nível de descentralização da gestão dos recursos públicos (8 % do total) da média (22 %) dos países da OCDE (dados da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico). Mais delibera: 1 Manifestar a sua mais profunda indignação pelas diversas formas de tutela que o Governo incluiu na sua proposta de lei; 2 Protestar contra o alargamento do mecanismo da consignação das receitas (de certas tarifas) e a sua generalização a parte substancial dos recursos públicos afectos às autarquias (Fundo Social Municipal), forma, por excelência, de exercer a tutela administrativa e de gestão contra a autonomia; 3 Repudiar a redução, pelo segundo ano consecutivo para os municípios e agora também para as freguesias, do volume global dos recursos postos à sua disposição em montante pelo menos igual à inflação e lamentar que o Governo insista em apelidar de neutra uma medida deste tipo; 4 Condenar a introdução de critérios e princípios como o do financiamento através de uma parcela do IRS cobrado no território que (e para além de outros), inexoravelmente, enriqueçam as mais ricas e empobreçam as mais pobres das autarquias locais (municípios e freguesias), diminuindo forçosamente os laços de solidariedade e os seus efeitos na coesão territorial e tornando insustentáveis mais de 1/3 dos municípios e muitas centenas de freguesias; 5 Denunciar o expediente dilatório que consiste em atirar para as calendas das próximas eleições (2009) os efeitos mais significativos das medidas draconianas propostas; 6 Rejeitar novas atribuições sem o necessário e adequado financiamento, nomeadamente a responsabilidade pelos centros de saúde, transporte de doentes, certas prestações sociais e outras que encapotadamente e à margem do instituto legal correspondente, a proposta de lei do Governo visa transferir sem contrapartidas para as autarquias. Delibera, por fim: 1 Condenar as tentativas de, com os mais variados pretextos, pôr autarquias contra as autarquias e iludir e prejudicar a solução necessária da questão essencial da injusta repartição dos recursos públicos entre o Poder Central e o Poder Local, ou seja, da extrema e injustificada centralização do Estado que a proposta de lei do Governo visa alargar e reforçar; 2 Apoiar e fazer das suas as reivindicações sucessivas dos congressos das associações nacionais de municípios e de freguesias, no sentido de verem reforçados os meios postos à disposição, de serem garantidos recursos mínimos que permitam o funcionamento destas instituições e a satisfação dos fins para que foram criadas; 3 Apoiar os esforços da Associação Nacional dos Municípios Portugueses, no sentido de encontrar formas de luta contra a proposta de Lei das Finanças Locais apresentada pelo Governo e apelar ao presidente e à maioria do conselho directivo da ANAFRE para que se solidarizem com esses esforços e trabalhem pela concretização das justas aspirações das freguesias expressas legitimamente nos seus congressos. E tudo o que delibera fá-lo, não pelo ente público em abstracto (município ou freguesia) ou pelo órgão em si, mas pela população que representa e cujos interesses, por imperativo legal e constitucional, deve defender acima de tudo e que, a ganhar forma de lei a proposta do Governo, se veria anulada do direito de determinar as opções dos que elege para gerirem o seu território, dos recursos necessários à manutenção das funções urbanas essenciais à vida colectiva e, em última instância, de parte dos seus recursos financeiros pessoais, uma vez que seria chamada a pagar de novo a manutenção das ruas, praças e passeios, dos largos e jardins e de todas as utilidades modernas que é suposto serem suportadas pelos impostos pagos pelos cidadãos. Que se publique nos órgãos de comunicação social da Junta de Freguesia de Rio de Mouro. Bancada da Coligação Democrática Unitária Dia INTERNACIONAL do Voluntariado No dia 5 de Dezembro de 2006, comemorou-se no Centro de Saúde de Rio de Mouro, o Dia Internacional do Voluntariado, com a presença do Sr. Presidente da Junta de Freguesia de Rio de Mouro, Dr. Filipe Santos, Dr.ª Ana Paulos, vogal do Pelouro da Acção Social e D. Ana Paula, vogal do Pelouro da Saúde, assim como a Coordenadora do Projecto de Voluntariado ComVida, Dr.ª Carla Amaral, e as suas estagiárias de Serviço Social do Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa, Marisa Mendes e Vânia Peixeiro, a Directora Dr.ª Maria João Barrau e os Voluntários. A tarde foi para estes. Teve presente connosco a Dr.ª Raquel Custódio, licenciada em Serviço Social e Pós-Graduada em Relações de Interajuda da Universidade Bissaya Barreto de Coimbra, que apresentou uma comunicação multimédia sobre a Cultura Social do Voluntariado. O discurso envolveu a reflexão sobre as actividades desenvolvidas pelos voluntários. Deu para perceber as emoções e os sentimentos dos mesmos em relação à cultura da solidariedade. Para além desta comunicação, a Coordenadora Dr.ª Carla Amaral, realizou uma retrospecção dos cinco anos do ComVida, todo o trabalho realizado pelos mesmos em prol da comunidade, apelando a que este dia é vosso, e agradecendo a todos o trabalho de equipa desenvolvido. Para além deste discurso, as estagiárias de Serviço Social, que estiveram em toda a organização deste evento, comunicaram a todos os presentes o seu sentimento ao estarem integradas num projecto destes, e o contributo na sua formação académica. O Sr. Domingos Gaspar, líder dos Voluntários, fez questão de verbalizar algumas quadras de sua autoria, em nome de todos os colegas. A Sr.ª Directora cumprimentou os Voluntários, apelando mais uma vez para a caminhada realizada por este grupo, sediado no Centro de Saúde de Rio de Mouro, e reforçando a continuidade de toda esta tarefa humanitária. Nesta mesma tarde, houve espaço para os Voluntários interagirem uns com os outros e com a prolectora, afim de lhe colocarem questões, partilharem experiências e factos, cultivando-se um espaço mais informal, com um lanche, mantendo-se o convívio. A todos foi oferecido pelas estagiárias uma condecoração com o símbolo do ComVida. Como coordenadora do ComVida, agradeço as palavras do Sr. Presidente da Junta de Freguesia de Rio de Mouro, que sempre apoiou este projecto, assim como a Junta que se constituiu nossa parceira crucial. Aqui deixo em nome do Centro de Saúde de Rio de Mouro, o nosso Muito Obrigada. Termino todo este discurso com uma frase do nosso Voluntário Edgar Nunes Cravo, Possamos ser nós, os voluntários, uma claridade neste percurso. Coordenação: Carla Amaral Estagiárias de Serviço Social: Marisa Mendes e Vânia Peixeiro

9 16 17 Moções da reunião ordinária da Assembleia de Freguesia de Rio de Mouro realizada em 26 de Outubro 2006 ESPAÇO JOVEM DE FITARES Moção D Alteração dos horários da CP na Linha de Sintra No passado dia 9 de Julho, entraram em vigor os novos horários dos comboios da Linha de Sintra, verificando-se as seguintes alterações: - Nos dias de semana, durante os períodos de hora de ponta, foram eliminados dois comboios nas ligações Sintra / Lisboa e Lisboa / Sintra, passando o tempo de intervalo entre cada composição de 8 para 10 minutos. - Nos dias de semana, no chamado horário diurno (fora da hora de ponta), foi eliminado um comboio por hora nas ligações Sintra / Lisboa e Lisboa / Sintra, passando o tempo de intervalo entre cada composição de 15 para 20 minutos. - Ao fim-de-semana verifica-se um acréscimo de um comboio por hora nas ligações Sintra / Lisboa e Lisboa / Sintra, criando-se ligações directas a Alverca, reduzindo-se o tempo de espera de 20 para 15 minutos (horário diurno). - Continua ainda a verificar-se a supressão das ligações semidirectas entre Sintra e Lisboa e a escassez da oferta de comboios durante o horário nocturno. Face às alterações aos horários da Linha de Sintra, em vigor desde Julho de 2006, e considerando que: - A redução de comboios nas horas de ponta durante o horário diurno afecta directamente a mobilidade de milhares de habitantes da Freguesia de Rio de Mouro e quem a ela se desloca usando o comboio; - O comboio é um meio de transporte menos poluente, constituindo uma alternativa à circulação automóvel que deve ser fomentada e alargada e não reduzida com prejuízo dos utentes; A Assembleia de Freguesia de Rio de Mouro, reunida a 26 de Outubro de 2006, por proposta do Bloco de Esquerda, delibera: 1 Protestar junto da CP, manifestando o seu desagrado pela diminuição da circulação de comboios na Linha de Sintra, decorrente da alteração de horários de Julho de 2006, uma vez que esta alteração é prejudicial aos interesses dos utentes e à mobilidade dentro da Freguesia e do Município. 2 Exigir da CP a revisão imediata dos horários, no sentido da reposição dos comboios suprimidos na alteração de horários de Julho de Recomendar à Câmara Municipal de Sintra todo o empenho junto da CP para que esta reponha de imediato a circulação dos comboios suprimidos na alteração de horários de Julho de Recomendar à Câmara Municipal de Sintra todo o empenho junto da CP para que, a curto prazo, retome a circulação de comboios semidirectos entre Sintra e Lisboa e equacione o aumento da frequência de comboios no horário nocturno. Esta moção deverá ser afixada em local público e a sua aprovação comunicada à imprensa local. Bancada do Bloco de Esquerda Moção E O projecto de instalação de uma Linha de Muito Alta Tensão entre Famões e Trajouce tem causado, durante o último ano, acesa polémica no município de Sintra, uma vez que esta linha irá passar muito próximo de diversas zonas populacionais, pondo em causa a qualidade de vida e a saúde das populações. O traçado previsto para a Linha de Muito Alta Tensão irá atravessar diversas freguesias do município, estando a mobilizar populações e autarcas na luta pela alteração do projecto, nomeadamente pela sua revisão e opção por medidas com menos impacto sobre as populações. A ser construída como previsto, no seu troço esta linha irá atravessar a Freguesia de Rio de Mouro junto ao casario de Rio de Mouro Velho, contrariando a recomendação de precaução que este tipo de estruturas exige. Assim, considerando: - Que a passagem da Linha de Muito Alta Tensão pela Freguesia de Rio de Mouro terá impactos negativos na qualidade de vida das populações da freguesia, pondo em causa a sua saúde; - Que, segundo estudos da Organização Mundial de Saúde, existe uma relação entre a instalação deste tipo de estruturas e o aumento de incidência de algumas doenças do foro oncológico em populações que habitam próximo das mesmas, matéria não constante do estudo de Impacto Ambiental deste projecto; - A existência, sobre esta matéria, um princípio de precaução aprovado em 1992, na Cimeira do Rio, segundo o qual na ausência da certeza científica formal, a existência de um risco ou dano sério ou irreversível requer a implementação de medidas que possam prever este dano ; - A existência de soluções técnicas que permitem evitar os impactos negativos sobre a saúde das populações; - A luta das populações das freguesias de Agualva, São Marcos, Belas e Massamá contra o avanço deste projecto; - A participação dos autarcas de algumas destas freguesias nesta luta. A Assembleia de Freguesia de Rio de Mouro, reunida a 26 de Outubro de 2006, delibera por proposta do Bloco de Esquerda: Manifestar a sua rejeição pelo projecto em causa, uma vez que este se revela prejudicial aos interesses das populações, pondo em causa a sua saúde e qualidade de vida; Manifestar solidariedade com a luta das populações afectadas pela instalação da Linha de Muito Alta Tensão; Manifestar, junto do Instituto do Ambiente, que promoveu a consulta pública e o estudo de Impacto Ambiental para este projecto, a objecção ao projecto, pelos impactos negativos que este poderá vir a trazer às populações; Recomendar à Junta de Freguesia de Rio de Mouro que desenvolva todos os esforços junto das autoridades competentes, no sentido de uma profunda revisão do projecto que complete soluções para evitar os impactos negativos sobre a saúde das populações; Recomendar à Junta de Freguesia todo o empenho no esclarecimento das populações da freguesia sobre os impactos deste projecto; Recomendar à Câmara Municipal de Sintra que desenvolva todos os esforços junto das autoridades competentes, no sentido de uma profunda revisão do projecto que complete soluções para evitar os impactos negativos sobre a saúde das populações; Esta moção deverá ser enviada ao Executivo Municipal e Assembleia Municipal de Sintra, às Assembleia de Freguesia de Agualva, Cacém, Massamá, Belas e Monte Abraão e São Marcos, ao Instituto do Ambiente, ao Senhor Secretário de Estado do Ambiente, aos grupos parlamentares representados na Assembleia da República, à Rede Eléctrica Nacional. Bancada do Bloco de Esquerda O Espaço Jovem de Fitares foi inaugurado no passado dia 4 de Outubro, pelo presidente da Câmara Municipal de Sintra, Fernando Seara. Este equipamento localizado no Complexo Desportivo de Fitares, é inteiramente dirigido à juventude, colocando ao seu dispor serviços como o recurso a um centro de informática com acesso gratuito à Internet. O Espaço Jovem de Fitares está ainda equipado com um Centro de Documentação, uma Videoteca e uma Fonoteca. O Centro de Documentação disponibiliza a consulta de jornais diários e semanários e uma sala de estudo, quanto ao Centro de Informática/Internet está dotado de meios informáticos que podem ser utilizados para elaborar trabalhos para a escola, permitindo assim o contacto com as novas tecnologias de informação e acesso gratuito à Internet. Na Videoteca/Fonoteca os jovens têm a oportunidade de visionar filmes, de realizar trabalhos de pesquisa ou audição de CD s. O Ponto de Encontro é o local ideal para os jovens conversarem e conviverem, tendo desta forma a disponibilidade para ajudar a desenvolver projectos ou beneficiar de actividades interessantes para ocupar tempos livres.

10 18 19 Ocorridos entre 15/09/2006 e 18/12/2006 ÓBITOS Água um Bem Vital SETEMBRO Teresa de Sousa Agostinho Silva Laura Luísa Amália Miranda Maria José Serrado Santos Secca Ribeiro Maria Amélia Pinto Bernardo OUTUBRO Carlos Assis António Tolentino Nunes Ana Maria da Conceição Leitão Simplício Rodrigues Vilete Emília da Conceição M.P. Lopes Ginja Carlos Alberto Martins Fontes Maria Luísa da C.S.Teixeira Fonseca Maria Fernanda Coelho Ribeiro Nunes Gertrudes Aniceta Baia Luísa Alfredo Manuel António Sanches Cristina da Conceição Santos Paulo Correia NOVEMBRO Ângelo António Fortunato Costa Ribeiro Teófilo Augusto Ramos Isabel de Jesus Amaral de Pires Rodrigues Maria de Lurdes Correia Costa Madeira Carlos Garcia Maria Evelina Faria e Maia Aguiar Bustorff Armando Luís Kreissemann N.S.Heitor Rosa Maria do Céu França de Andrade Judite Isabel Amaro Ribeiro José Francisco Gestosa António Cândido Gomes da Silva Vanuza Zuleika Naval Jaime Maria Fernanda Rodrigues de Sousa Maria da Luz Domingos Fernando Hélder Madaleno Ribeiro Costa Matilde Marques de Jesus Gonçalves Maria Helena de Almeida DEZEMBRO Maria do Carmo Chendo Pires Gerando Carlos Evaristo de Sousa Olinda de Jesus Maria Fernanda Dinis Catalarrana Alice Alzira Lurdes Valdez Ferrª S.Lorena Carlos Pereira Penajoia Domingos Rodrigues Moreira Às famílias enlutadas o Executivo e a Assembleia de Freguesia apresentam sentidas condolências Contactos Úteis GNR Polícia Municipal Bombeiros Algueirão-M.Martins Cacém Câmara Municipal SMAS Táxis Centro de Saúde Hospital Amadora Sintra Farmácias Fitares Cargaleiro Lourenço Clara Russo Dumas Brousse Rio de Mouro Serra da Minas Albarraque Damião-Varge Mondar Esc. Música Leal da Câmara Casa Museu Leal da Câmara SMAS Poupar hoje para ter amanhã Contactos Serviços Administrativos Horário: 2ª a 6ª Feira das 9h00 às 13h00 e das 15h00 às 19h00 Tel * Fax: Site:www.jf-riodemouro.pt Posto Vendas da Serra das Minas Horário: 3ª Feira a Domingo das 07h00 às 13h00 Tel.: Polidesportivo de Fitares Todos os dias 10h00 às 13h00 e das 15h00 às 19h00 Tel.: Cemitério Horário Todos os dias das 09h00 às 17h00 DIA A DIA ACÇÃO Serv. Administrativos: 2ª a 6ª Feira das 09h00 às13h00 e das 14h00 às 17h00 Tel./Fax: Banho de imersão Duche Lavar as mãos Lavar os dentes Fazer a barba Lavar a loiça Lavar o carro Desperdício de água a correr 150/200L 80L 15L 19L 0/60L 110L 570L (mangueira) Ficha técnica GASTOS DE ÀGUA Cuidado na utilização da água 25L (Duche curto) 2L L,5L (lavatório cheio) 8L (lavatório cheio 2x) 57L (balde e esponja) Boletim nº Distribuição: J.F. Rio de Mouro Tiragem: exemplares Edição entremeios Comunicação e Imagem, Lda. Urb. Quinta Nova, Lt Loja Sacavém Tel Fax: Água que podemos poupar 55L 1L 16L 26,5/ 56,5L 72L 51L

11 Utilize os Ecopontos DEPOSITAR: Garrafas, frascos e boiões de vidro NÃO DEPOSITAR Loiças/cristal, espelhos/lâmpadas Vidro Papel e Cartão DEPOSITAR: Embalagens de cartão liso/compacto Jornais e revistas NÃO DEPOSITAR: Embalagens de agentes químicos Fraldas/guardanapos/papel de cozinha DEPOSITAR: Garrafas de plástico Latas de bebidas/enlatados e conservas NÃO DEPOSITAR: Embalagens de combustíveis e óleos Embalagens de manteiga/margarina Talheres/tachos e panelas Plástico e Metal O nosso contributo passa pela utilização correcta deste equipamento: - Separar o lixo e depositar no contentor adequado - Colocar o lixo no contentor em sacos fechados e depois do pôr-do-sol - Evitar depositar lixo ao Domingo (não é feita a recolha) - Fechar a tampa do contentor após a utilização Lixo Grosso A CMS dispõe de um serviço de recolha de lixo grosso: -móveis, electrodomésticos, entulhos, etc... Este serviço é gratuito, basta ligar para o número e indicar o local de onde o lixo será recolhido O que devo fazer para remover os dejectos? 1. Introduza a mão no saco de plástico como se de uma luva se tratasse. 2.Apanhe os dejectos. 3. Revire o saco de forma que os dejectos fiquem no seu interior 4. Dê um nó no exterior do saco e coloque-o numa papeleira, num contentor RSU ou no dispensor de sacos. 5. Mesmo no caso de não ter um dispensador por perto, previna-se e use um saco de plástico normal Os ANIMAIS são nossos AMIGOS...seja AMIGO deles também. As nossas CRIANÇAS, os ANIMAIS e todos nós agradecemos!!!

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Mina de Água em Notícia

Mina de Água em Notícia Newsletter Outubro/2013 Mina de Água em Notícia Tomada de posse dos órgão autárquicos da Freguesia de Mina de Água Decorreu no passado dia 22 de Outubro, pelas 19h30, no auditório da Câmara Municipal da

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República Continuarei a percorrer o País, de Norte a Sul, a apelar à união de esforços, a levar uma palavra de esperança e a mostrar bons exemplos de resposta à crise. Discurso de Sua Excelência o Presidente da

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Mudança - PS,BE,PND,MPT, PTP e PAN

Mudança - PS,BE,PND,MPT, PTP e PAN Autárquicas 2013 Funchal Situação Política, financeira, económica e social O Concelho do Funchal vive uma situação dramática, a pior desde a implementação da democracia, da autonomia e do poder local democrático.

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Editorial EXECUTIVO Paulo Alexandre da Silva Quaresma 34 anos, professor Caro(a) amigo(a), Presidente Recursos Humanos, Informação e Atendimento, Habitação Social, Reabilitação Urbana, Espaços Verdes,

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO JUNTA DE FREGUESIA DE S. JOÃO DO CAMPO EDITORIAL SUMÁRIO ANO 7 BOLETIM Nº 27 2012 JULHO AGOSTO SETEMBRO EDITORIAL

BOLETIM INFORMATIVO JUNTA DE FREGUESIA DE S. JOÃO DO CAMPO EDITORIAL SUMÁRIO ANO 7 BOLETIM Nº 27 2012 JULHO AGOSTO SETEMBRO EDITORIAL ANO 7 BOLETIM Nº 27 2012 SUMÁRIO BOLETIM INFORMATIVO EDITORIAL JULHO AGOSTO SETEMBRO A Rua principal, a Dr Jaime Cortesão tem estado cortada EDITORIAL MANIFESTAÇÃO EM LISBOA POSTO MÉDICO ao trânsito, devido

Leia mais

Q U E R E S S E R V O L U N T Á R I O?

Q U E R E S S E R V O L U N T Á R I O? Q U E R E S S E R V O L U N T Á R I O? Da importância do desenvolvimento de competências interpessoais na prática, da necessidade de uma formação mais humana, da crescente consciencialização da injustiça

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE Município de Soure 2014 1 Nota justificativa É hoje inquestionável a transversalidade das políticas públicas dirigidas à juventude. São inegáveis as vantagens

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 APD- DELEGAÇÃO LOCAL DE MEM MARTINS RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 INTRODUÇÃO O ano de 2004 ficou marcado por alguns acontecimentos relevantes, sinal de que, apesar do passar dos anos, a Delegação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009

CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009 CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009 PRESIDÊNCIA: DR. FRANCISCO RODRIGUES DE ARAÚJO VEREADORES PRESENTES: DR. JOÃO MANUEL DO AMARAL ESTEVES

Leia mais

Fls. 1. Departamento de Administração Geral tel.: 351 + 253 + 51 51 23 / 33 fax: 351 + 253 + 51 51 34 e-mail: camaraguimaraes@mail.telepac.

Fls. 1. Departamento de Administração Geral tel.: 351 + 253 + 51 51 23 / 33 fax: 351 + 253 + 51 51 34 e-mail: camaraguimaraes@mail.telepac. Fls. 1 EDITAL ANTÓNIO MAGALHÃES, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE GUIMARÃES, FAZ SABER, em cumprimento do disposto no art.º 91º da Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, alterada e republicada pela Lei 5-A/2002,

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 Por forma a melhor esclarecer os membros da OA quanto à posição e actuação da Ordem, nos últimos dois

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU PROPOSTA DE REGULAMENTO 1 Preâmbulo Uma sociedade que quer preparar o futuro tem que criar condições para se proporcionar aos jovens o acesso a uma formação educativa,

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ATA Nº 106

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ATA Nº 106 CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ATA Nº 106 (4ª Reunião Extraordinária 03/ Março / 2015) De acordo com a deliberação nº2 do Conselho de Gestão, de 28 de outubro de 2010, o Conselho Técnico-Científico da ESSA

Leia mais

ÍNDICE: Novembro de 2009

ÍNDICE: Novembro de 2009 ÍNDICE: 1. Início Ano Lectivo 2. Portugal Tecnológico 3. Gripe A Plano Contingência 4. Espaço de Leitura 5. Sonangol 6. Novos Órgãos Sociais da ETLA 7. Medalha de Mérito Concelho de Santiago do Cacém 8.

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO CRATO EDITAL

CÂMARA MUNICIPAL DO CRATO EDITAL CÂMARA MUNICIPAL DO CRATO EDITAL João Teresa Ribeiro, Presidente da Câmara Municipal do Crato, em cumprimento do disposto no artigo 91.º da Lei n.º 169/99 de 18 de setembro, torna público que na 27.ª reunião

Leia mais

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

Sobre o combate à pobreza

Sobre o combate à pobreza PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução nº 482/XI-1ª Sobre o combate à pobreza O Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza assinala-se em Portugal num preocupante quadro

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 20

CÂMARA MUNICIPAL DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 20 DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 20 DA REUNIÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 17/10/2001 (Contém 6 folhas) Estiveram presentes os seguintes membros: Presidente: Hermano Manuel Gonçalves Nunes de Almeida (PSD)

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

Junho 2007 nº4 MENSAGEM DO PRESIDENTE Olá Viva A edição da nossa revista O Ambúzio de Junho 2007 é um convite a uma visita às nossas Praia da Barra e da Costa Nova, e um desafio para que continues a participar

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO CONCELHO Aprovado na 3.ª Reunião Ordinária

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Vila Velha de Ródão

Conselho Municipal de Educação de Vila Velha de Ródão MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂ1VLARA MUNICIPAL Conselho Municipal de Educação de Vila Velha de Ródão ACTA N~ 42 Aos dez dias do mês de Setembro do ano de dois mil e catorze, pelas catorze horas, reuniu

Leia mais

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL A realidade do concelho de Resende e as carências reais das suas populações mais desfavorecidas impõem que a Câmara Municipal, seu órgão representativo democraticamente eleito,

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

FREGUESIA DE VILARINHO SANTO TIRSO MANDATO 2014/2017. Grandes opções do plano de atividades e investimentos ANO 2014

FREGUESIA DE VILARINHO SANTO TIRSO MANDATO 2014/2017. Grandes opções do plano de atividades e investimentos ANO 2014 1 FREGUESIA DE VILARINHO SANTO TIRSO MANDATO 2014/2017 Grandes opções do plano de atividades e investimentos ANO 2014 2 ÍNDICE - INTRODUÇÃO 3 - AÇÃO SOCIAL E EMPREGO 3,4 - EDUCAÇÃO SAÚDE 4 CULTURA, DESPORTO

Leia mais

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL PREÂMBULO A igualdade das mulheres e dos homens é um direito fundamental para todos e todas, constituindo um valor capital para a democracia.

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

Regulamento dos Campos de Férias

Regulamento dos Campos de Férias Regulamento dos Campos de Férias Arraiolos, 2007 O presente regulamento dos campos de férias do Monte ACE, pretende definir os direitos, deveres e regras a observar por todas as pessoas que envolvem as

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora

Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª. Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 427 /X-4ª Cria um Plano de Emergência para o Distrito de Évora Preâmbulo O distrito de Évora vive hoje uma situação preocupante do

Leia mais

CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS. Artigo 1.º

CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS. Artigo 1.º - - CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1.º A Fundação P.e Félix, criada por iniciativa da Comunidade Católica de São Bernardo em 1989, na comemoração dos vinte e cinco anos da actividade pastoral

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

EDITAL Nº 21/10. Regulamento

EDITAL Nº 21/10. Regulamento MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 21/10 Regulamento - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna público que, por deliberação deste órgão

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

ATA NÚMERO CENTO E TRINTA E DOIS

ATA NÚMERO CENTO E TRINTA E DOIS ATA NÚMERO CENTO E TRINTA E DOIS Aos vinte e dois dias de Abril de dois mil e catorze, pelas vinte e uma horas e trinta minutos, reuniram-se em sessão ordinária, os membros da Assembleia de Freguesia de

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Professor Paula Nogueira Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º Denominação A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE CAPITULO I ENQUADRAMENTO Artigo 1º. Denominação No âmbito das actividades e ao abrigo dos antigos estatutos sociais da S.R.L.S., foi fundado e organizado

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE, REALIZADA NO DIA DEZASSETE DE SETEMBRO DE DOIS MIL E QUINZE

ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE, REALIZADA NO DIA DEZASSETE DE SETEMBRO DE DOIS MIL E QUINZE 17-09-2015 1 Acta número dezoito ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE, REALIZADA NO DIA DEZASSETE DE SETEMBRO DE DOIS MIL E QUINZE Aos dezassete dias do mês de Setembro do ano dois

Leia mais

Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr.

Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr. Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr. Francisco Ramos) Ex.mo Senhor Presidente da Comissão Parlamentar da Saúde, representado

Leia mais

Newsletter. Temos uma nova imagem! Número I Abril 2015

Newsletter. Temos uma nova imagem! Número I Abril 2015 Número I Abril 2015 Temos uma nova imagem! Um coração colorido é agora o novo logotipo e representa o amor da CERCIAMA e de todos os nossos profissionais pelo próximo, a dedicação de alma e coração, a

Leia mais

plano anual de educação ambiental

plano anual de educação ambiental plano anual de educação ambiental 2009/2010 complexo de educação ambiental da quinta da gruta PROGRAMA FAMÍLIAS Grelha Resumo por Sector Sector Rios/Espaços Verdes Animais Dias comemorativos Férias Datas

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

Acta n.º 57. 1. Discussão das propostas de alteração às Normas e Critérios de Apoio ao Movimento Associativo para 2010;

Acta n.º 57. 1. Discussão das propostas de alteração às Normas e Critérios de Apoio ao Movimento Associativo para 2010; Acta n.º 57 No dia 4 de Fevereiro de 2009, pelas 21 horas, realizou-se a 57ª reunião ordinária da Comissão Executiva do. A reunião contou com as seguintes presenças: Sr. Vereador Joaquim dos Santos; Adjunto,

Leia mais

Câmara Municipal de Almeirim

Câmara Municipal de Almeirim Câmara Municipal de Almeirim Programa de Adesão SEMANA EUROPEIA DA MOBILIDADE 16 a 22 de Setembro de 2007 P r o g r a m a 1 - Aderindo à ECOTROCA ganhe viagens nos TUA (durante toda a semana): - Aderindo

Leia mais

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE BAIXA DA BANHEIRA E VALE DA AMOREIRA ACTA Nº 45-UF/2014

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE BAIXA DA BANHEIRA E VALE DA AMOREIRA ACTA Nº 45-UF/2014 UNIÃO DAS FREGUESIAS DE BAIXA DA BANHEIRA E VALE DA AMOREIRA ACTA Nº 45-UF/2014 12/11/2014 (Executivo) Aos doze dias do mês de Novembro de dois mil e catorze, pelas vinte e uma horas, na Sede da União

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 03

CÂMARA MUNICIPAL PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 03 DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 03 DA REUNIÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 03/02/1999 (Contém 9 folhas) Estiveram presentes os seguintes membros: Presidente: Hermano Manuel Gonçalves Nunes de Almeida (PSD)

Leia mais

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196. 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.916,00 1 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E DO 1º CICLO 116.500,00 93.625,00 100.574,00 103.487,00 1 Apoios e subsídios CM 13 18 5 05-06-02-03-99 1.000,00 1.030,00 2.122,00

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Reunião de Câmara: Reunião da Assembleia: Entrada em vigor: CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE MONTIJO (CMEM) PERÍODO 2013-2017

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE MONTIJO (CMEM) PERÍODO 2013-2017 REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE MONTIJO (CMEM) PERÍODO 2013-2017 Aprovado em reunião do CMEM realizada em 9 de abril de 2014 Artigo 1º Noção e Objetivos O Conselho Municipal de Educação,

Leia mais

Cidadania O ASSOCIATIVISMO O RECENSEAMENTO MILITAR O RECENSEAMENTO ELEITORAL O VOLUNTARIADO

Cidadania O ASSOCIATIVISMO O RECENSEAMENTO MILITAR O RECENSEAMENTO ELEITORAL O VOLUNTARIADO 24 Capítulo 43 2 25 Estudos, Depois Formação da Outros Licenciatura e Trabalho Apoios 5 O ASSOCIATIVISMO O RECENSEAMENTO MILITAR O RECENSEAMENTO ELEITORAL O VOLUNTARIADO 5 Capítulo Capítulo 5 57 O ASSOCIATIVISMO

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA E A JUNTA DE FREGUESIA DE SALVADOR

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA E A JUNTA DE FREGUESIA DE SALVADOR PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA E A JUNTA DE FREGUESIA DE SALVADOR Entre: A Câmara Municipal de Serpa, representada pelo seu Presidente, João Manuel

Leia mais

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 07 DE JANEIRO DE 2015 ORDEM DO DIA

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 07 DE JANEIRO DE 2015 ORDEM DO DIA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 07 DE JANEIRO DE 2015 ORDEM DO DIA ASSUNTOS APRECIADOS AO ABRIGO DO N.º 2 DO ART. 50.º DA LEI N.º 75/2013, DE 12 DE SETEMBRO: 1. Empréstimo

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Acta número quatro de 2010

Acta número quatro de 2010 Acta número quatro de 2010 Ao vigésimo nono dia do mês de Dezembro do ano de dois mil e dez, pelas vinte e uma horas, por convocatória individual de vinte de Dezembro de dois mil e dez e edital afixado

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 1. Princípios de Ação.4 2. Recursos Organizacionais.4 3. Recursos Humanos 5 4. Recursos Físicos

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 23

CÂMARA MUNICIPAL DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 23 DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 23 DA REUNIÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 30/10/2007 (Contém folhas) Estiveram presentes os seguintes membros: Presidente: José Alberto Pacheco Brito Dias (PSD) Vice-Presidente:

Leia mais

Junta de Freguesia da Marinha Grande ACTA NÚMERO CINCO

Junta de Freguesia da Marinha Grande ACTA NÚMERO CINCO ACTA NÚMERO CINCO Aos quatro dias do mês de Março de dois mil e dez, pelas vinte e uma horas e quarenta e cinco minutos, deu-se início à reunião ordinária do Executivo da Junta de Freguesia, sob a presidência

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE. Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006. Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr.

JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE. Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006. Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr. JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006 Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr.ª Guadalupe Tel. e Fax: 266 781 165 Tel.: 266 747 916 email: jfguadalupe@mail.evora.net

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO A Câmara Municipal de Serpa no âmbito da sua politica para as áreas sócio-cultural e desportiva, considera o movimento associativo como parceiro

Leia mais

Princípios Programáticos

Princípios Programáticos Princípios Programáticos O nosso Programa centra se em 5 pontos, como os dedos da mão, do qual apresentamos aqui os seus principais Princípios Programáticos, definindo se como linhas de actuação que o

Leia mais

1. CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE. 1.1 Identificação

1. CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE. 1.1 Identificação 1. CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Identificação Espinho é uma cidade situada no distrito de Aveiro, região Norte e subregião do Grande Porto. Segundo os censos de 2001, o concelho tem uma população residente

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

II Caminhada Entre Gerações

II Caminhada Entre Gerações II Caminhada Entre Gerações Âmbito: Envelhecimento Ativo e Solidariedade entre Gerações Tourigo 12 de maio de 2013 CAMINHAR ENTRE GERAÇÕES O idoso não perde talento com o tempo, não perde nada. O jovem

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO REGULAMENTO INTERNO DO VOLUNTARIADO REGULAMENTO Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento visa definir as linhas orientadoras do grupo de voluntariado Marvila Voluntária, o qual tem como entidade promotora

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais