GEOMORFOLOGIA DA SERRA DE SINTRA PARQUE DA PENA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GEOMORFOLOGIA DA SERRA DE SINTRA PARQUE DA PENA"

Transcrição

1 GEOMORFOLOGIA DA SERRA DE SINTRA PARQUE DA PENA BIOLOGIA NO VERÃO 2006

2 2

3 GEOLOGIA NO VERÃO PROGRAMA CIÊNCIA VIVA A Geologia no Verão é uma iniciativa do programa Ciência Viva do Ministério da Ciência e da Tecnologia, na qual participam várias instituições portuguesas, que durante alguns dias abrem as portas para ensinar o que é a Geologia a todos os que tiverem curiosidade. Neste âmbito, a Parques de Sintra Monte da Lua, S.A. convida-vos a fazerem uma viagem ao mundo da Geologia através da realização de um percurso no Castelo dos Mouros. Durante o percurso será descrita a evolução da Serra de Sintra e o processo de intrusão magmática que deu origem aos enormes blocos graníticos que hoje aqui se podem encontrar e o impacto que esse fenómeno provocou e provoca no clima bem como na fauna na flora desta serra. Será ainda observada a forma como a geodiversidade condicionou a localização do Castelo dos Mouros e a Vila de Sintra tendo em conta a importância dos seus valores estéticos, culturais, estratégicos, económicos, históricos, religiosos e naturais. 3

4 A SERRA DE SINTRA 1. A ORIGEM GEOLÓGICA DA SERRA DE SINTRA Ao contemplarmos a magnífica serra de Sintra tudo nos leva a crer que este imponente e luxuriante monumento natural sempre existiu na forma que hoje conhecemos. Mas de facto não é essa a realidade. A Serra de Sintra formou-se há cerca de milhões de anos, e deve a sua origem a um fenómeno denominado intrusão magmática. A intrusão magmática consiste no aprisionamento de uma bolha de magma no interior da crosta terrestre. O magma solidifica lentamente, o que permite a formação dos cristais que constituem o granito. Devido às movimentações da crosta terrestre, esta massa de granito eventualmente emerge à superfície, formando, como no caso de Sintra, uma serra. 2. UM CLIMA MUITO ESPECIAL A orientação (EW) e a destacada altitude da Serra de Sintra na plataforma litoral dão-lhe condições climáticas muito peculiares que, conjugadas com as características edáficas (características do solo), facultam à vegetação, um ambiente muito próprio, que contrasta com o da área, bem mais seca, que rodeia a serra a norte e a sul. A temperatura é, em geral, uns três a quatro graus inferior à das regiões limítrofes, mantendo as características da Região Mediterrânica. Mas a Serra mantém sempre, no decorrer do ano, humidade em alto grau, resultante dos ventos dominantes do nor-noroeste, ventos da costa portadores de humidade que ao ficar retida na cumeada condensa dando origem a densos nevoeiros. A precipitação oculta resultante da captação dos nevoeiros pela serra e nas copas das árvores pode fazer duplicar a quantidade da água disponível para as plantas, mesmo durante o período estival (Verão). 3. A VEGETAÇÃO EXUBERANTE A vegetação exuberante da Serra de Sintra está longe de ser um vestígio da floresta primitiva que cobria uma vasta área do que viria a ser Portugal antes das modificações de paisagens impostas pela acção do Homem. De facto, devido às suas intervenções ao longo dos tempos, a serra encontrava-se, em pleno século XIX, praticamente despida de vegetação. Foi com a chegada do Rei D. Fernando II e Sir Francis Cook a Sintra (entre outros), que a situação se inverteu. 4. O ROMANTISMO O romantismo foi um movimento cultural europeu, que surgiu nos finais do século XVIII e cuja influência se consolidou até meados do século XIX. A estética romântica aliou a busca pelo exotismo a uma importância crescida dos sentimentos, o gosto pela natureza, o culto do misticismo e o regresso ao passado. Foi neste contexto que se deu início à plantação do Parque da Pena, exemplo único de parques e jardins que influenciou diversas paisagens na Europa. O CASTELO DOS MOUROS O Castelo dos Mouros é um importante testemunho da presença islâmica na região e de edificação provável entre os séculos VIII e IX. Das suas muralhas é possível admirar uma paisagem única que nos apresenta a vila de Sintra em primeiro plano, estendendo-se até ao Cabo da Roca, a Praia das Maçãs, Mafra, Ericeira e o oceano Atlântico. Em 1839, D. Fernando II aforou a velha fortaleza já bastante arruinada e procedeu ao seu restauro integral de acordo com os ideais românticos em voga no século XIX, incorporando-o no 4

5 jardim romântico da Pena como elemento estético extremamente importante na criação do cenário envolvente ao Palácio da Pena. Actualmente o Castelo apresenta uma planta irregular sendo constituído por uma dupla cintura de muralhas. A muralha interior apresenta um adarve, ameias e o reforço proporcionado por cinco torreões. Destacam-se, no seu interior, a cisterna abastecida por águas pluviais, a porta de traça árabe em arco de ferradura e a Torre Real, a torre mais alta do castelo cujo alcance de vista nos permite compreender a relevante função de sentinela ao longo dos tempos. GEOLOGIA E GEOMORFOLOGIA A Geologia é a ciência que estuda a estrutura e os materiais que compõem o planeta Terra, bem como a sua evolução. A geologia foi uma das ciências que nos demonstrou que a Terra tem cerca de 4500 milhões de anos e que é composta por várias camadas sobrepostas: a crosta, o manto e o núcleo. A Geomorfologia é o estudo das características das diferentes formações geológicas que observamos na Terra: os rios, as montanhas, as planícies, as praias, os desertos, entre muitas outras. Figura 1 Estrutura interna da Terra (adaptado de Justice, ) É na superfície da crosta terrestre que todos os seres vivos habitam. A vida na Terra depende directamente dos minerais que a compõem, pois são estes que permitem a existência das plantas, juntamente com a água e a energia solar. As plantas, por sua vez, são a base da cadeia alimentar. 5

6 É também através da geologia que se sabe onde procurar jazidas de minerais e outros materiais necessários à nossa tecnologia, como o ferro, o cobre, o ouro e até mesmo o petróleo, o carvão e o gás natural. Esta ciência explicou-nos, igualmente, o fenómeno dos terramotos, do vulcanismo, o porquê dos diferentes tipos de rochas e solos, entre outras coisas. Figura 2 Erupção vulcânica (adaptado de Coelho, 1998) AS ROCHAS Existem basicamente três tipos de rochas, relativamente ao seu processo de formação: as magmáticas, as sedimentares e as metamórficas. Uma rocha é uma mistura de diferentes minerais. Um mineral, por sua vez, é um cristal formado por uma mistura de vários elementos químicos (no caso do quartzo, resultado da união de um átomo de silicone e de dois átomos de Oxigénio dióxido de silicone) ou por um só elemento (no caso do ouro e do cobre, por exemplo). Apesar dos minerais poderem existir em estado puro, é muito mais comum estarem combinados uns com os outros formando rochas. Quase todos os processos geológicos decorrem ao longo de milhões de anos, por isso não os podemos observar em acção mas apenas observar os seus resultados. Algumas excepções são os sismos e as erupções vulcânicas. 1. AS ROCHAS MAGMÁTICAS Como o nome indica, as rochas magmáticas formam-se a partir do magma. Exemplos de rochas magmáticas são o granito e o basalto. O granito é designado por rocha plutónica ou intrusiva (por se formar no interior da Terra), enquanto que o basalto é designado de rocha vulcânica ou extrusiva (por formar-se ao ser expelida do interior da Terra através dos vulcões). Um modo de identificar o granito é através da sua resistência comparativamente a outros tipos de rochas e pelo facto dos seus cristais constituintes se notarem a olho nú (textura fanerítica). Sintra é precisamente um local onde se encontra muito granito. Porquê? Figura 3 Intrusão magmática vs extrusão (vulcão) (adaptado de Press & Siever, 1994) A Serra de Sintra deve a sua origem a um fenómeno geológico denominado intrusão magmática. E o que é uma intrusão magmática? O manto terrestre é constituído por magma que se encontra a grandes temperaturas e, consequentemente, fundido. Por ser menos denso, este material tende a subir em direcção à crosta e até mesmo a atravessá-la, dando origem aos vulcões. O processo é análogo ao das bolhas na água a ferver. Por vezes, o magma fica retido e não alcança a superfície. Quando a profundidade a que está retido relativamente à superfície da Terra é de cerca de 3 a 15 km, o magma acaba por arrefecer dando origem a rochas plutónicas. No caso de Sintra formou-se, principalmente, granito e sienito. É pelo facto de esta massa de rochas plutónicas se ter encaixado noutros tipos de rochas (no caso de Sintra, formações jurássico-calcárias) que se utiliza a designação intrusão. As 6

7 movimentações tectónicas empurraram, muito lentamente (alguns milímetros por século!), essa massa de granito em direcção à superfície e, ao mesmo tempo, as camadas de crosta que se encontravam por cima foram sendo erodidas. Finalmente, alguns milhões de anos depois, o granito começou a surgir à superfície, dando origem à serra. Foi assim que a Serra de Sintra (ou Maciço Eruptivo de Sintra) se formou, no interior da crosta, há cerca de 80 milhões de anos, tendo o aspecto actual (granito/sieníto à superfície, rodeados pelos terrenos mais antigos através dos quais abriu caminho) desde há cerca de 30 milhões de anos! São seus contemporâneos os maciços intrusivos de Sines e de Monchique. A formação destes três maciços encontra-se associada ao processo de abertura do Oceano Atlântico Norte. Foi por esta altura que se deu a extinção dos dinossauros e de outros seres vivos. Há cientistas que pensam que foi o aumento da actividade vulcânica mundial que se estava a verificar que provocou essa extinção maciça. Outros há que pensam que tal se deveu a um gigantesco meteorito, que embateu na Terra, alterando o ambiente e o clima a ponto de provocar a extinção de inúmeras espécies. Por fim, existe outro grupo de cientistas que pensam que este acontecimento se deveu a uma combinação de ambos os factores. Figura 4 Granito (in O granito, como já foi referido, é geralmente uma rocha plutónica constituída por diversos minerais facilmente visíveis, sendo os principais o quartzo e o feldspato. Outros minerais constituintes do granito são a moscovite e a biotite (micas), por exemplo. Esta rocha apresenta, geralmente, uma cor acinzentada mas, conforme as proporções dos minerais que a constituem, pode ter também um tom rosado. 2. AS ROCHAS SEDIMENTARES As rochas sedimentares resultam da acumulação e da consolidação de sedimentos (resultantes da erosão de outros tipos de rochas, incluindo rochas sedimentares) ou de precipitação química. O calcário é um exemplo de uma rocha sedimentar, formado pela precipitação nos oceanos de carbonato de cálcio (CaCO 3 ) proveniente de restos de seres marinhos microscópicos. Chegam-se a formar depósitos de centenas de metros de espessura de calcário nos fundos marinhos e, por vezes, devido a processos tectónicos que duram milhões de anos, acabam por surgir à superfície. A Serra da Arrábida é um exemplo de uma dessas formações calcárias. Muitas vezes, a precipitação do calcário preserva vestígios de animais ou plantas, sendo este um dos processos de formação de fósseis. Uma área significativa da península de Lisboa é constituída por depósitos sedimentares formados no Jurássico e Cretácico, emersos há cerca de 70 milhões de anos por movimentações tectónicas, como a Serra de Monsanto, por exemplo. Ao mesmo tempo que as movimentações tectónicas elevavam esses sedimentos calcários, criaram episódios de vulcanismo que temperaram Monsanto com materiais basálticos. Figura 5 Ciclo das rochas (adaptado de Coelho, 1998) 7

8 A areia é um conjunto de partículas que têm origem na erosão de outras rochas, inclusive outras rochas sedimentares. No caso da areia diz-se que é uma rocha sedimentar detrítica móvel. Um exemplo de rocha sedimentar detrítica consolidada é, por exemplo, o arenito, que é areia agregada por um cimento natural. O solo é, em parte, o resultado de processos erosivos. Este tem origem na erosão de outras rochas e na humificação (decomposição) de restos orgânicos. O solo formado a partir de rochas basálticas tem excelentes qualidades agrícolas, devido à sua riqueza de minerais. A zona de Lisboa tem solos deste tipo, daí a sua aptidão para as actividades agrícolas. Apesar de a erosão ser necessária para criar o solo, também o pode destruir. Como vimos, sem solo as plantas não sobrevivem e as plantas são a base da cadeia alimentar, logo o suporte de quase toda a vida na Terra. Um modo de evitar a erosão dos solos é precisamente através da protecção providenciada pelas plantas, que evitam que as terras sejam arrastadas pelo vento e pela água da chuva e dos rios. 3. AS ROCHAS METAMÓRFICAS As rochas metamórficas têm origem em rochas magmáticas e sedimentares que, sob condições particulares de pressão e de temperatura, sofrem um metamorfismo, i.e., uma mudança das suas propriedades, com recristalização e consequente alteração de textura e de estrutura, originando novas rochas. Como exemplos temos a ardósia, o xisto e o mármore. O próprio granito pode ter origem metamórfica mas esse não é o caso do granito que encontramos em Sintra. Por fim, as rochas magmáticas podem dar origem a rochas sedimentares e metamórficas e todas estas podem reverter ao magma, através dos processos tectónicos. INFLUÊNCIA DA GEOLOGIA DE SINTRA NO MEIO ENVOLVENTE O maciço montanhoso de Sintra sobressai acima das plataformas calcárias que a intrusão perfurou na sua ascensão através dessas camadas sedimentares. De facto, anteriormente à formação da Serra, este local era uma zona litoral de terras baixas e planas, ocupada por braços de mar e lagunas. As lamas destes fundos pantanosos formaram camadas sedimentares que, por sua vez, num processo de petrificação que dura milhões de anos, formaram as plataformas calcárias. Ao irromper, a Serra deformou essas plataformas. Foi assim que rastos de dinossauros, previamente formados nessas lamas e preservados na horizontal, durante a formação do calcário, aparecem hoje expostos em posições quase verticais ou de grande inclinação, como é o caso na Praia Grande. De certo modo, a Serra parece uma ilha verde no meio de uma paisagem mais plana, menos arborizada e urbanizada (principalmente a Sul). E, provavelmente, já o foi. Existem algumas evidências de tal ter acontecido entre 6 e 15 milhões de anos atrás, e de novo há cerca de 2 milhões de anos. Para tal acontecer, o nível do mar nessas ocasiões tinha de ser mais elevado que o actual (mudança eustática do nível do mar) e/ou a elevação do próprio terreno teria que ser menor. Na zona da Azóia e de Almoçageme existem vestígios de praias situadas a mais de 170 m de altitude, em relação ao nível actual do mar. A exuberância da vegetação pode ser explicada pelo clima típico da Serra, que por sua vez se deve ao seu relevo, que intercepta a humidade proveniente do Atlântico. Cria-se assim um microclima mediterrânico mas de feição oceânica, com humidade quase subtropical. A evapotranspiração gerada pela floresta ajuda a manter um Figura 6 Feteira da Rainha no Parque da Pena (Foto: Joel Canavilhas 8

9 elevado nível de humidade. A protecção constante do solo providenciada pelas copas e pela manta morta também contribui para uma temperatura e níveis de humidade no solo adequados à diversidade de espécies encontradas. Criou-se, desta forma, uma espécie de ciclo, em que a humidade vinda do oceano permite a existência de muita vegetação que, por sua vez, mantêm as condições para a permanência de um nível quase constante de humidade na Serra, o que vai beneficiar a manutenção do coberto vegetal. Uma influência visível do relevo geológico na flora pode ser constatada nos locais mais altos da Serra, como no Castelo dos Mouros. Pode-se ver que, conforme a altitude e o grau de exposição aos elementos, as árvores crescem mais ou menos. Um efeito curioso é o das copas das árvores que nasceram nos vales estarem ao quase ao mesmo nível das que nascem nos locais mais elevados. O que se passa é que as árvores dos vales, para terem acesso à luz, crescem muito rapidamente em altura, até atingirem um nível de exposição à luz mais favorável. Por sua vez, as árvores que nasceram em locais mais elevados não só não necessitam de crescer muito em altura porque já se encontram em locais de muita luminosidade, como a própria exposição ao vento o torna mais difícil. Além disso, nos locais mais altos e mais íngremes, a erosão sobrepõe-se à sedimentação, levando a que haja menos solo disponível para uma árvore poder crescer com mais vigor. Os microhabitats providenciados pelo relevo e pela variedade litológica explicam também a elevada biodiversidade que a Serra apresenta, apesar da sua relativa pequena dimensão. Uma característica das paisagens graníticas que contribui muito para a criação de microhabitats é o caos de blocos. Os caos de blocos são o resultado da erosão do granito durante milhões de anos. As variações de temperatura a que as rochas e a água nelas infiltrada estão sujeitas com o passar do tempo e das estações vão provocando alterações de volume que acabam por provocar fracturas e fendas. A essas fracturas chamam-se diáclases. Com o tempo, as diáclases transformam um bloco de granito num aglomerado de blocos menores, o caos de blocos. A vertente que se desenvolve do Castelo dos Mouros até à Vila Velha de Sintra é um bom exemplo de caos de blocos. Figura 7 Caos de blocos (adaptado de Coelho, 1998) 9

10 A bioerosão amplifica esse mecanismo. Trata-se da erosão provocada pelos seres vivos durante a sua vida. Um bom exemplo são os líquenes que vão lentamente corroendo a superfície das rochas onde crescem, abrindo caminho para as plantas se poderem fixar. Com o tempo, cria-se uma camada de solo à superfície da rocha que permite a fixação de plantas maiores e mais exigentes. Eventualmente, uma árvore poderá aí estabelecer-se e as suas raízes irão forçar as fendas das rochas que lhe servem de suporte, até as fracturarem completamente. De um modo resumido, é este um dos processos de formação de solo, desde grandes rochas até uma camada de solo mais ou menos uniforme. São muitos os locais no Castelo dos Mouros onde se podem encontrar vestígios de bioerosão. Um aspecto muito importante a considerar é o de que a bioerosão não deve ser confundida com a erosão provocada pelas actividades humanas. Regra geral, a bioerosão tende a criar solo. A erosão de origem humana tende a fazer o oposto. GEODIVERSIDADE A abordagem tradicional à temática da Conservação da Natureza contempla essencialmente, aspectos e preocupações relativos à Biodiversidade. Sem dúvida que esta é uma vertente importante e crucial na óptica da Conservação da Natureza. Contudo esta abordagem omite normalmente as questões relativas à Geodiversidade, esquecendo que esta constitui o suporte para a Biodiversidade. A Geodiversidade consiste na variedade de ambientes geológicos, fenómenos e processos activos que dão origem a paisagens, rochas, minerais, fósseis, solos e outros depósitos superficiais que são o suporte para a vida na terra. Neste contexto surgem associados outros conceitos tais como Geo-património, e os valores que estão inerentes à Geodiversidade. 1. GEOPATRIMÓNIO O conceito de Geopatrimónio abarca as vertentes geológicas e geomorfológicas do património natural. Nele estão contidos formas e processos de evolução das rochas e do relevo que testemunham a evolução da paisagem. 2. OS VALORES DA GEODIVERSIDADE Valor Cultural e Estético O valor cultural é atribuído pelo homem quando é reconhecida uma interdependência entre o meio e o seu desenvolvimento cultural e/ou religioso e social. O valor estético é mais subjectivo e a sua quantificação não é passível de ser atribuída. O valor estético associado à Serra de Sintra serviu de inspiração a vários poetas, retratistas e pintores nacionais e estrangeiros que referem a beleza da paisagem natural sintrense como se pode verificar no excerto das Memórias Paroquiais de 1758, segundo as quais a Serra de Sintra se define como um marco na Paisagem, (...) compõe-se esta montanha de calhaus de imensa grandeza, (...) sem ligadura, sustentados só no equilíbrio, principalmente os que estão na eminência da Serra, onde se vêm vestígios da antiga fortificação dos Mouros (Azevedo, 1982). A Serra de Sintra tem também um valor cultural riquíssimo. São inúmeros os vestígios arqueológicos em toda a Serra que evidenciam uma ocupação humana que vem desde a proto-história até ao século XIX. A localização do Castelo dos Mouros e da própria vila de Sintra foi condicionada pela morfologia da Serra, e desde tempos remotos que a Serra é conotada como um local sagrado e religioso pelas várias culturas que por lá passaram até aos dias de hoje. A simbiose entre o património natural, onde se inclui o geopatrimónio, e a cultura humana é perfeita. Exemplo disso foi o desenvolvimento da cultura romântica no século XIX na Serra de Sintra que teve como imaginário as paisagens criadas pelas formas graníticas da Serra e culminou com a construção de uma Paisagem Cultural que foi classificada em 1995 como Património Mundial pela UNESCO. 10

11 Valor Económico A Serra de Sintra pode ser abordada de duas perspectivas económicas diferentes. A primeira virada para a exploração dos recursos geológicos através da industria transformadora vocacionada para construção civil (exploração de rochas ornamentais e extracção de saibro), e a segunda do ponto de vista da atractividade e potencialidade turística no âmbito da qual encontramos a Parques de Sintra Monte da Lua S.A,. empresa responsável pela gestão dos Parques Históricos de Sintra e outras empresas de eventos de outdoor, restauração e hotelaria. Obviamente que quando falamos em exploração dos recursos, quer seja do ponto de vista industrial, quer do ponto de vista turístico, podemos estar a falar de uma possível ameaça, caso essa exploração não seja controlada, fiscalizada e as capacidades de carga do meio não sejam previamente estabelecidas e cumpridas. Valor Funcional O valor funcional da geodiversidade pode ser encarado sob duas perspectivas: - o valor da geodiversidade in situ, de carácter utilitário para o Homem, no suporte da realização das mais variadas actividades humanas (por exemplo todas as actividades turísticas implementadas na Serra de Sintra; - o valor da geodiversidade enquanto substrato para a sustentação dos sistemas físicos e ecológicos na superfície terrestre. Temos como exemplo na serra de Sintra os caos de blocos que reúnem as condições ideais para a fixação dos vários casais de aves de rapina existentes na Serra. Valor Científico e Educativo Não existem duvidas em relação ao valor cientifico e educativo associado à Serra de Sintra. Neste âmbito podem mencionar-se as várias saídas de campo realizadas pelo ensino Secundário e Superior, os vários artigos, trabalhos científicos e guias de campo produzidos relacionados com a Serra, e todas as actividades de educação e sensibilização ambiental levadas a cabo pelas várias entidades com responsabilidades neste território. Valor Intrínseco O valor intrínseco, de todos os valores já referidos, é o mais subjectivo de atribuir, uma vez que engloba preceptivas filosóficas e religiosas. Contudo não é por acaso que a Serra de Sintra é Património da Humanidade. O facto de ser um local de muita especificidade não deixa ninguém indiferente. A nosso ver este valor, apesar de ser extremamente difícil de quantificar, existe sempre. Quando andar a passear no campo, observe os diferentes tipos de rochas que encontra, o tipo de solo que pisa, e pense nos processos de formação envolvidos e no tempo que levou a criar estas diferentes paisagens de elementos. Leve um guia de geologia consigo para mais facilmente identificar as diferentes rochas e minerais. 11

12 GLOSSÁRIO Basalto: A mais vulgar das rochas magmáticas. Os seus minerais constituintes são a piroxena, a plagiocláse e a olivina. Varia entre a cor preta e o cinzento-escuro. Cretácico: Nome dado ao período geológico entre 144 e 66,4 milhões de anos atrás. Erosão: Desgaste contínuo das rochas por acção do vento, da água, de mudanças de temperatura ou da acção de seres vivos (bioerosão) e respectivo transporte dos materiais daí resultantes. Eustática: Termo que se refere a mudanças reais do nível do mar, a nível global, por contraste a mudanças locais devidas a movimentações verticais de uma massa de terra. Fanerítica: Textura de rochas eruptivas, holocristalina, em que todos ou quase todos os cristais, pelas dimensões, são visíveis a olho nu. Feldspatos: Um grupo de minerais característicos das rochas magmáticas ácidas. Fósseis: vestígios de seres vivos há muito mortos e conservados, principalmente, em rochas sedimentares. Através destes é possível investigar a evolução dos seres vivos ao longo do tempo e as suas condições de vida na altura da fossilização. Também tornam possível ficar a saber as condições ambientais dominantes durante a formação desses sedimentos. Se no alto de uma montanha aparecer um fóssil de um animal marinho, isso implica que os sedimentos e rochas que constituem a montanha formaram-se debaixo do mar. Figura 8 Movimentação dos continentes nos últimos 200 milhões de anos (adaptado de Lambert, ) Geomorfologia: Ciência que estuda a morfologia da superfície terrestre e a sua origem, evolução e os processos envolvidos. 12

13 Figura 9 Escala Geológica (adaptado de Ferreira & Vieira, 1999) Humificação: formação de compostos orgânicos no solo a partir dos restos orgânicos dos seres vivos. Jurássico: Nome dado ao período geológico entre 208 e 144 milhões de anos atrás. Magma: ver Manto. Manto: Camada do interior da Terra que se segue à Crosta. O material que o constitui está fundido, devido às altas pressões e temperaturas. Esse material fundido por vezes atravessa a crosta, dando origem ao magma que é expelido pelos vulcões e às intrusões magmáticas. Micas: Minerais em forma de lâmina, brilhantes, que facilmente se separam umas das outras. Microclima: Características climáticas relativamente constantes numa área relativamente pequena e que contrasta com os padrões climáticos da região circundante. Período: No contexto geológico, corresponde à unidade básica de tempo, em que sistemas específicos de rochas se formaram. Quartzo: mineral constituído por silica (SiO 2 ). Tectónica: ramo da Geologia que estuda a deformação da crosta terrestre e das forças que a provocam Textura: a textura fanerítica diz-se das rochas em que os minerais são facilmente identificáveis a olho nú. O oposto é textura afanítica, como no caso do basalto. A textura pode ser ainda vítrea, onde o arrefecimento e a solidificação é tão rápida que os minerais não se chegam a individualizar, como no caso da obsidiana. Recristalização: neste contexto, é a reorganização da estrutura espacial das ligações entre os átomos constituintes dos cristais ou a formação de novos cristais, devido a processos metamórficos. Um bom exemplo é a grafite, um mineral resultante do metamorfismo de sedimentos ricos em Carbono (a grafite também pode ter origem magmática). 13

14 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Azevedo, J.A. da C. (1982). Memórias Paroquiais de In Velharias de Sintra. Sintra. 4, p Brilha, J. (2005). Património Geológico e Geoconservação - A Conservação da Natureza Na sua Vertente Geológica. Palimage, 190 p. Braga. Coelho, A.Q. - Direcção (1998). Ciências Naturais Ambientes, 7º Ano. Constância Editores, S.A., 272 p. Carnaxide. Ferreira, N. & Vieira, G. (1999). Guia Geológico e Geomorfológico da Serra da Estrela, Locais de interesse Geológico e Geomorfológico - Parque Natural da Serra da Estrela. S.G.F. Criação e Comunicação Gráfica, L.da., 112 p. Lisboa. Hugget, R.J. (2003). Fundamentals of Geomorphology. Routledge Taylor & Francis Group. 386 p. London. Justice; J.L. ( ). A Geografia Enciclopédia Juvenil Ilustrada, Grisewood and Dempsey Ltd, Londres & Círculo de Leitores, L.da., Lisboa. Lambert, M. ( ). A Pré-História Enciclopédia Juvenil Ilustrada, Grisewood and Dempsey Ltd, Londres & Círculo de Leitores, L.da., Lisboa. Press, F. & Siever, R. (1994). Understanding Earth. W. H. Freeman and Company, 593 p. New York Ribeiro, M.L. (1997). A Geologia da Peninha. Sintra. IGM-ICN, 20 p. Lisboa CONSULTAS ON- LINE Em português:

15 Em inglês:

16 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E AMBIENTE 2006 PARQUE DE MONSERRATE, SINTRA TEL.: FAX:

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

Principais texturas e rochas metamórficas Os fenómenos metamórficos provocam modificações na textura das rochas iniciais. A textura depende da dimensão dos cristais, forma e arranjo dos diferentes minerais,

Leia mais

ROCHAS E MINERAIS. Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais

ROCHAS E MINERAIS. Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais ROCHAS E MINERAIS Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais A crosta terrestre é basicamente constituída de rochas. A rocha é produto

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Articulação Tema I TERRA NO ESPAÇO Capítulo

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011 PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7º Ano Ano Lectivo: 2010/2011 Competências Temas/Unidades Conteúdos _ Conhecer a constituição do Universo e do Sistema Solar _ Conhecer as características

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS

CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS O que são rochas? São produtos consolidados, resultantes da união natural de minerais. Diferente dos sedimentos, como por exemplo a areia da praia (um conjunto

Leia mais

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra Geologia no Verão 2012 Saída: 10.00 h no Restaurante Muchaxo, Guincho Regresso: +/- 16.00 h no mesmo local Ida e volta: aprox. 8 km 1/9 INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7.º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7.º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7.º Ano UNIDADES DIDÁTICAS CONTEÚDOS METAS DE APRENDIZAGEM 1º Período TERRA NO ESPAÇO Terra Um planeta com vida Condições da Terra que permitem a existência

Leia mais

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL Capítulo 4 - ROCHAS DEFINIÇÕES MINERAL: Toda substancia inorgânica natural, de composição química estrutura definidas. Quando adquire formas geométricas próprias, que correspondam à sua estrutura atômica,

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Ciências

PROVA BIMESTRAL Ciências 7 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL Ciências Escola: Nome: Turma: n o : 1. Preencha as lacunas do esquema com as seguintes legendas: Planalto ocidental, Depressão periférica, Serra do Mar e Planície litorânea.

Leia mais

Rochas e minerais. Professora Aline Dias

Rochas e minerais. Professora Aline Dias Rochas e minerais Professora Aline Dias Os minerais São substâncias químicas, geralmente sólida, encontradas naturalmente na Terra. São compostos pela união de vários tipos de elementos químicos (silício,

Leia mais

Estrutura e Composição da Terra. Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. [Friedrich Nietzsche]

Estrutura e Composição da Terra. Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. [Friedrich Nietzsche] Estrutura e Composição da Terra Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas. [Friedrich Nietzsche] Contornos do Mundo O interior terrestre é formado por várias camadas e as investigações sobre

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: Lê toda a informação com atenção e responde de forma objectiva.

Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: Lê toda a informação com atenção e responde de forma objectiva. Ficha de trabalho Biologia e Geologia - 10º Ano A Geologia, os geólogos e os seus métodos I Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: Lê toda a informação com atenção e responde de

Leia mais

Modulo I Mudanças Climáticas

Modulo I Mudanças Climáticas Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Exercícios Extras Silvia Set/09 Modulo I Mudanças Climáticas 1. (UFRJ) A maior parte do aquecimento da atmosfera é proveniente da radiação terrestre: a atmosfera deixa

Leia mais

A TERRA É UM SISTEMA ABERTO QUE TROCA ENERGIA E MASSA COM O SEU ENTORNO

A TERRA É UM SISTEMA ABERTO QUE TROCA ENERGIA E MASSA COM O SEU ENTORNO PLANETA TERRA A Terra é um sistema vivo que abriga milhões de organismos, incluindo os humanos, e apresenta delicado equilíbrio para manter a vida. A Geologia é a ciência que estuda a Terra: sua origem,

Leia mais

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia A Península Ibérica é essencialmente constituída por um fragmento

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento.

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ä A água é indispensável ao Homem, a sua falta ou o seu excesso, pode ser-lhe

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa estrutura como os terremotos e vulcões.

Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa estrutura como os terremotos e vulcões. Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Estrutura Interna da Terra (pag. 59 a 69 Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

É caracterizado por ter uma baixa densidade, uma grande quantidade de água, carga eléctrica negativa e uma grande capacidade de permuta de iões.

É caracterizado por ter uma baixa densidade, uma grande quantidade de água, carga eléctrica negativa e uma grande capacidade de permuta de iões. Os solos Definição: O solo é um recurso renovável que facilmente se pode perder por mau uso ou gestão deficiente. O solo forma-se a partir da alterabilidade (meteorização química e/ou física) das rochas

Leia mais

2. PROPRIEDADES DOS MINERAIS E ROCHAS

2. PROPRIEDADES DOS MINERAIS E ROCHAS 2. PROPRIEDADES DOS MINERAIS E ROCHAS 2.1 Introdução Todos os processos geológicos estão de certa maneira dependentes das propriedades dos minerais e rochas. Erupções vulcânicas, movimentos tectónicos,

Leia mais

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA?

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? A UNIÃO DOS ELEMENTOS NATURAIS https://www.youtube.com/watch?v=hhrd22fwezs&list=plc294ebed8a38c9f4&index=5 Os seres humanos chamam de natureza: O Solo que é o conjunto

Leia mais

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra O que é relevo? O relevo terrestre pode ser definido como as formas da superfície do planeta,

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 6º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da recuperação. Superficie da Terra. Litosfera, solo e relevo 1- Analise a imagem. www.trabanca.com-acesso:

Leia mais

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento O Sistema Terra Lua e o passado da Terra O Sistema Terra Lua A conquista da Lua pelo Homem (em 21 de Julho de 1969), tornou possível conhecer com

Leia mais

Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915)

Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915) ESTRUTURA GEOLÓGICA Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915) - Harry Hess (1960) Teoria da Tectônica de Placas Sismos A conseqüência do choque entre placas tectônicas são chamadas de abalos

Leia mais

ABILIO SOARES GOMES ORIGEM DOS OCEANOS

ABILIO SOARES GOMES ORIGEM DOS OCEANOS ABILIO SOARES GOMES ORIGEM DOS OCEANOS Uma das perguntas mais persistentes da humanidade é sobre as origens do homem e do universo, tendo originado tantas cosmogonias quantas civilizações existentes. Para

Leia mais

BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO I Tema I A Geologia, os geólogos e os seus métodos (Módulo inicial)

BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO I Tema I A Geologia, os geólogos e os seus métodos (Módulo inicial) Tema I A Geologia, os geólogos e os seus métodos (Módulo inicial) 1. A Terra e os seus subsistemas em interacção. 1.1Subsistemas terrestres (geosfera, atmosfera, hidrosfera e biosfera). 1.2 Interacção

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO PROFESSOR JULIO BESSA DISCIPLINA GEOGRAFIA SIMULADO: P4 Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br ALUNO TURMA 601 Questão 1

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

A Terra em Realidade Aumentada

A Terra em Realidade Aumentada A Terra em Realidade Aumentada www.constellatius.com Edmilson Souza Barreto Simone de Oliveira Tenório A Terra em Realidade Aumentada Edmilson Souza Barreto Simone de Oliveira Tenório Livro com aplicação

Leia mais

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos 1. Estrutura da atmosfera 1. Estrutura da atmosfera 2. Composição química Dióxido de carbono D i ó x i d o Árgon Outros gases Oxigénio

Leia mais

Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela

Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela - são testemunhos dos processos geológicos que ocorreram no passado; - são habitualmente estratificadas e fossilíferas Reflectem as alterações ambientais que ocorreram na Terra Contam a história evolutiva

Leia mais

Qual o nosso lugar no Universo?

Qual o nosso lugar no Universo? Qual o nosso lugar no Universo? Acredita-se que no Universo existam cerca de 100 000 milhões de galáxias. As galáxias são enormes grupos de estrelas, gás e poeira. Nem todas são iguais e diferenciam-se

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Vulcanismo e Tectónica de Placas

Vulcanismo e Tectónica de Placas Vulcanismo e Tectónica de Placas Fig. 1 Sistema de reciclagem da crosta e vulcanismo nas fronteiras tectónicas. Margens convergentes e divergentes A superfície da Terra é constituída por placas diferenciadas

Leia mais

ID: 61245534 03-10-2015

ID: 61245534 03-10-2015 ID: 61245534 03-10-2015 Tiragem: 29592 País: Portugal Period.: Diária Pág: 17 Cores: Cor Área: 15,92 x 30,00 cm² Corte: 1 de 1 A1 Sapo Moçambique Online Visitas diárias: 2119 País: MZ OCS: Sapo Moçambique

Leia mais

BLOCO DE ATIVIDADES / EXERCÍCIOS PROPOSTOS

BLOCO DE ATIVIDADES / EXERCÍCIOS PROPOSTOS Rede de Educação Missionárias Servas do Espírito Santo Colégio Nossa Senhora da Piedade Av. Amaro Cavalcanti, 2591 Encantado Rio de Janeiro / RJ CEP: 20735042 Tel: 2594-5043 Fax: 2269-3409 E-mail: cnsp@terra.com.br

Leia mais

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24 Sumário Os planetas do Sistema Solar e as suas principais características. (BI dos Planetas do Sistema Solar). Atividade Prática de Sala de Aula Características dos planetas. Preenchimento de tabelas,

Leia mais

Distinguir os conjuntos

Distinguir os conjuntos A UU L AL A Distinguir os conjuntos Nesta aula, vamos acompanhar como os geógrafos distinguem conjuntos espaciais diferenciados na superfície da Terra. Vamos verificar que tais conjuntos resultam de diferentes

Leia mais

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano)

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) 10.º Ano Objetivos Averiguar os conhecimentos prévios dos alunos acerca de alguns dos temas de Geociências que irão ser tratados ao longo do ensino secundário,

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL O Brasil apresenta, em seu território, um dos mais completos registros da evolução geológica do planeta Terra, com expressivos testemunhos geológicos das primeiras

Leia mais

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE Tsunamis Um tsunami caracteriza-se por uma série de ondas destruidoras e poderosas. Ocorrem após perturbações abruptas que deslocam verticalmente a coluna de água, tais como um sismo, atividade vulcânica,

Leia mais

Conservação da Pedra

Conservação da Pedra Conservação da Pedra Ana Paula Ferreira Pinto anapinto@civil.ist.utl.pt Caracterização das rochas A degradação da pedra As acções de conservação no património arquitectónico Tratamento da pedra Caracterização

Leia mais

"O que não está sendo divulgado na mídia"

O que não está sendo divulgado na mídia "O que não está sendo divulgado na mídia". Essa nova versão possui mais fotos e foi disponibilizada na internet por: Clélia Dahlem da Silva. Realmente não sabemos nada, ou muito pouco, sobre a transição

Leia mais

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia do Paraná: Rochas e solos Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia Hidrográfica do Rio Paraná versus Bacia Sedimentar do Paraná = Bacia do

Leia mais

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo Estudo do Solo 1. Introdução O estudo e a caracterização dos parâmetros físicos e químicos do solo constituem uma metodologia de trabalho essencial na realização de levantamentos das comunidades vegetais,

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias.

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias. 01 - (UDESC 2008) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

Vulcanologia. - É o Ramo das Ciências da Terra que estuda a formação, a distribuição e a classificação dos fenómenos vulcânicos.

Vulcanologia. - É o Ramo das Ciências da Terra que estuda a formação, a distribuição e a classificação dos fenómenos vulcânicos. Vulcanologia - É o Ramo das Ciências da Terra que estuda a formação, a distribuição e a classificação dos fenómenos vulcânicos. Vulcanismo Primário (activo) Vulcanismo Central Vulcanismo Fissural Secundário

Leia mais

ÁREA: CIÊNCIAS NATURAIS

ÁREA: CIÊNCIAS NATURAIS PLANIFICAÇÃO DO PCE Escola Básica e Secundária de Velas ANO LETIVO: 2014/2015 ANO: 7º ÁREA: CIÊNCIAS NATURAIS COMPETÊNCIAS- CHAVE C1;C3;C5;C7 C3;C5;C7 C3;C6;C7 DOMÍNIOS/ CONTEÚDOS METAS CURRICULARES ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 16 Ação Geológica do Vento Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Stanley Breeden/DRK Ação Geológica do vento

Leia mais

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta Recursos Hídricos Recursos Hídricos Os recursos hídricos representam a água subterrânea e superficial disponível para qualquer tipo de uso dado pelo Homem numa determinada região. Estes recursos hídricos

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa 2013. Ano: 6 Turma: 61

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa 2013. Ano: 6 Turma: 61 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2013 Disciplina: Ciências Professor (a): Felipe Cesar Ano: 6 Turma: 61 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Geografia ANO: 7ºano TURMAS: B, C ed ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: A Terra: Estudos e Representações (1º Período) AULAS PREVISTAS:

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE I

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE I Aula: 6.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE I 2 O universo 3 Galáxias São conjuntos de sistemas estelares que contêm mais de 100 bilhões de estrelas, poeira e gases. Via Láctea Constelação Agrupamento aparente

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 Correntes marítimas Correntes marítimas Nas aulas anteriores aprendemos sobre a importância do Sol em nossas vidas. Revimos os movimentos da

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 2 Tipos de vegetação Vegetação é caracterizada como o conjunto de plantas de uma determinada região. Em razão da

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Luís Carvalho Geógrafo Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil luis.carvalho@cm

Leia mais

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Terra: Estudos e Representações Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Domínio Subdomínios /Objetivos Gerais Descritores Nº de Aulas Previstas 1- A Geografia e o Território 1.1-Compreender

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA Aluno (a): 4º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação Sistema Solar. Mapa político do Brasil: Estados e capitais. Regiões

Leia mais

Deriva Continental LITOSFERA

Deriva Continental LITOSFERA LITOSFERA Deriva Continental De acordo com determinadas teorias científicas, a crosta terrestre não é uma camada rochosa inteiriça, e sim, fragmentada. A primeira teoria a defender essa tese ficou conhecida

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável.

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável. Soluções: Ficha 1º Ciclo (Ponto I) 2. F L A M I N G O A Q T S S F F S A G G A S A U T P A E O J P A S G A C I L R E C A R P F L A U F L L H A E C Z L T E O Q R I A Q E U O C A I M A O I R U E Ç T I I A

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

Basalto e Gabro. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

Basalto e Gabro. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho ROCHAS Mármores e Granitos Basalto e Gabro Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho Mineral x Rocha MINERAL ROCHA Corpo natural sólido e Agregado natural cristalino formado em composto de minerais, resultado

Leia mais

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESCALA DO TEMPO GEOLÓGICO Organiza os principais eventos ocorridos na história do planeta ERA PRÉ -CAMBRIANA DESAFIO (UEPG) ex. 1 p. 181 - A história e a evolução da

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra

À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra Para observar as pegadas de dinossáurio preservadas na laje vertical do extremo sul da Praia Grande, suba as escadas até as encontrar. Nas pegadas que observa

Leia mais

TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO

TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO 1) O gráfico baixo indica uma forma de organização do espaço rural. Sobre esse gráfico é possível inferir: a) Trata-se da representação

Leia mais

www.google.com.br/search?q=gabarito

www.google.com.br/search?q=gabarito COLEGIO MÓDULO ALUNO (A) série 6 ano PROFESSOR GABARITO DA REVISÃO DE GEOGRAFIA www.google.com.br/search?q=gabarito QUESTÃO 01. a) Espaço Geográfico RESPOSTA: representa aquele espaço construído ou produzido

Leia mais

1. Em que consiste o Resumo Não Técnico?

1. Em que consiste o Resumo Não Técnico? 1. Em que consiste o Resumo Não Técnico? Este Resumo Não Técnico é um volume independente que integra o Estudo de Impacte Ambiental do Parque Eólico de S. Lourenço da Montaria. Destina-se, como o nome

Leia mais

PATRIMÓNIO CULTURAL/HISTÓRICO

PATRIMÓNIO CULTURAL/HISTÓRICO PRAIA DE MELIDES Praia acessível 38º 07 44.31 N 8º 79 33.34 O Praia de extenso areal equipada com apoio de praia, restauração e estacionamentos, bem como condições de excelência ao nível ambiental e acessibilidades,

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO Grupo GEOGRAFIA (420) Ano letivo 2014/2015 Ano de Escolaridade 7º Disciplina Geografia Conteúdos Metas curriculares Estratégias - Recursos Avaliação

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões desta prova: 12 2) Valor das questões:

Leia mais

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE 1- Introdução Delminda Moura Universidade do Algarve e DPGA Zonas costeiras ou litorais, são zonas de interface entre as zonas continentais

Leia mais

Mudança do clima, Qual a importância? Martin Hedberg meteorologista do Centro Meteorológico Sueco

Mudança do clima, Qual a importância? Martin Hedberg meteorologista do Centro Meteorológico Sueco Mudança do clima, Qual a importância? Martin Hedberg meteorologista do Centro Meteorológico Sueco Tempo (Precipitação, nuvens, ventos, humidade, temperatura ) A forma que a Natureza tem de equilibrar as

Leia mais

O que é a DESERTIFICAÇÃO?

O que é a DESERTIFICAÇÃO? Maria José Roxo Pedro Cortesão Casimiro Tiago Miguel Sousa O que é a DESERTIFICAÇÃO? Projecto DesertLinks Framework 5 União Europeia Geografia e Planeamento Regional Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

Leia mais

Road Bike Chall enge Self GUIDED TOUR

Road Bike Chall enge Self GUIDED TOUR Road Bike Chall enge Self GUIDED TOUR 2015 is a registered trademark of Caminhos da Natureza Registered Company as RNAVT (National Registry of Travel Agencies and Tourism) and RNAAT (National Registry

Leia mais

UFU 2014 Geografia 2ª Fase

UFU 2014 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 1 (Geopolítica) A região representada no mapa conta com quase dois terços das reservas mundiais de petróleo. Nas últimas décadas, o controle sobre essas fontes de petróleo foi a principal causa

Leia mais

Prova Específica de Geologia

Prova Específica de Geologia UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Prova Específica de Geologia 6 Junho 2014 1 hora e 30 minutos + 30 minutos de tolerância Escreva

Leia mais