Análise espacial de servidão aeronáutica e servidão militar terrestre na Base Aérea de Sintra

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise espacial de servidão aeronáutica e servidão militar terrestre na Base Aérea de Sintra"

Transcrição

1 Sessão UNL - ISEGI Análise espacial de servidão aeronáutica e servidão militar terrestre na Base Aérea de Sintra João Henrique Andrade Cardoso 22 de Maio 2014

2 CONTEÚDO Introdução e objetivos Servidão militar terrestre Servidão militar aeronáutica Metodologia Software e dados de análise Análise espacial e interpretação de resultados Obtenção de MDT Delimitação de servidão militar terrestre Interseção de superfícies de terreno com superfícies de desobstrução Obtenção de zonas críticas Conclusões

3 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS DECRETO N.º 42245/1959, 7 Novembro Regras de servidão militar no aeródromo de Sintra avanço tecnológico alteração dos procedimentos operacionais e de aeronavegabilidade DECRETO N.º 31/2007, 11 Dezembro novas áreas abrangidas pela servidão

4 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS SERVIDÃO Direito conferido a um prédio, permitindo o gozo de certas utilidades restrição ou limitação do direito de propriedade de prédios vizinhos inibição do proprietário vizinho de praticar atos que possam perturbar ou impedir o exercício da servidão garantir a segurança das pessoas, bens e instalações nas zonas confinantes medidas de segurança indispensáveis ao exercício da atividade aeronáutica e operações militares

5 SERVIDÃO MILITAR TERRESTRE Primeira zona de proteção Construções de qualquer natureza Alterações à configuração do solo Instalação de linhas, cabos elétricos ou condutas Vedações, mesmo que sejam de sebe e como divisórias de propriedades área limitada exteriormente por uma faixa de 100 m em toda a extensão, a partir do perímetro da área da BA1 Segunda zona de proteção parte restante da zona geral até aos 1000 m Construções decorrentes de operações urbanísticas Plantação de árvores e arbustos, constituindo bosques ou matas

6 SERVIDÃO MILITAR AERONÁUTICA Zona A1 (corredor de acesso) 132,21 m a 172,64 m, com gradiente de 2 %; Zona A2 (corredor de acesso) 127,64 m a 172,64 m, com gradiente de 2 %; Zonas B1 e B2 (corredores de acesso e horizontal interior) horizontal a 172,64 m; Zonas C (concordância) 127,64 m a 172,64 m, com gradiente de 1 para 7; Zona D (horizontal interior) 172,64 m; Zona E1 (corredor de acesso e cónica) 172,64 m a 238,59 m, com gradiente de 5 %; Zona E2 (corredor de acesso e cónica) 172,64 m a 230,97 m, com gradiente de 5 %; Zonas F (cónica) 172,64 m a 272,64 m, com gradiente de 5 %; Zona G1 (corredor acesso) 235,85 m a 282,21 m, com gradiente de 2 %; Zona G2 (corredor acesso) 228,91 m a 277,64 m, com gradiente de 2 %; Zona H1 (corredor de acesso) horizontal a 282,21 m; Zona H2 (corredor de acesso) horizontal a 277,64 m; Zonas I1 (concordância) 235,85 m a 282,21 m, com gradiente de 1 para 7; Zonas I2 (concordância) 228,91 m a 277,64 m, com gradiente de 1 para 7; Zona J (horizontal exterior sector Norte) horizontal a 272,64 m; Faixa H2 I2 G2 I2 E2 B2 A2 pista e a área de paragem de fim de pista (stopway) D C C A1 F D B1 E1 G1 I1 J I1 H1

7 ÁREA DE ESTUDO 80000, , , , , Legenda World Imagery Low Resolution 15m Imagery High Resolution 60cm Imagery High Resolution 30cm Imagery Pista Servidão aeronáutica, , , , Kilometers Source: Esri, DigitalGlobe, GeoEye, i-cubed, USDA, USGS, AEX, Getmapping, Aerogrid, IGN, IGP, swisstopo,

8 METODOLOGIA SOFTWARE ArcGIS Desktop 10.2 da ESRI aplicações integradas ArcCatalog ArcMap e ArcToolbox ArcScene Google Earth AutoCad Civil 3D da Autodesk

9 Modelo de Estrutura Dados dados de dados Sistema de georeferência PLANTA DA BASE AÉREA DE SINTRA Vetorial Polígonos Lisboa Hayford Gauss IGeoE SERVIDÃO AERONÁUTICA E MILITAR Vetorial Polígonos Lisboa Hayford Gauss IGeoE TERRESTRE DADOS PARA MODELAÇÃO DO Vetorial Polígonos WGS84 TERRENO (MDT) PRINCIPAIS LINHAS DE ÁGUA Vetorial Linhas Lisboa Hayford Gauss IGeoE CAOP V Vetorial Polígonos ETRS89/PT-TM06 CARTA DE OCUPAÇÃO DO SOLO Vetorial Polígonos ETRS89/PT-TM06 (COS2007) N1 E N2 MAP IMAGERY Raster Pixel WGS 1984 Web Mercator Auxiliary Sphere

10 OBTENÇÃO DE MDT - MÉTODO DE CONVERSÃO DE GOOGLE EARTH - CAD - SIG comando importgemesh do AutoCAD Civil 3D comando CAD to Geodatabase do ArcGIS do ArcMap dwg shapefile quadrícula de 10x13 Aeródromo Sintra Serra de Sintra Conversão para o formato TIN através do comando Create TIN da extensão 3d analyst

11 DELIMITAÇÃO DE SERVIDÃO MILITAR TERRESTRE LIMITES DA ZONA 1 (100M) não apresenta qualquer construção LIMITES DA ZONA 2 (1000M) Classes de uso do solo (COS2007) 1.1 (Tecido urbano) 1.2 (Indústria, comércio e transportes) área construída de cerca de 22%

12 INTERSEÇÃO DE SUPERFÍCIES DE TERRENO COM SUPERFÍCIES DE DESOBSTRUÇÃO

13 OBTENÇÃO DE ZONAS DE SOMBREAMENTO E EXPOSIÇÃO DE SUPERFÍCIES DE TERRENO EM RELAÇÃO À PISTA skyline e o skyline barrier da extensão 3d Analyst Definição de pontos de observação: proximidade das cabeceiras da pista vértices das superfícies de desobstrução próximos da pista Model builder zonas G1, G2, H1, H2, I1 e I2 edificação numa projeção horizontal no sentido oposto ao da pista até uma distância de 300 m

14 OBTENÇÃO DE ZONAS CRÍTICAS NA LADEIRA DA PISTA OPERAÇÕES DE UNION, CLIP, DISSOLVE E INTERSECT obtenção de silhuetas skyline barrier projeção horizontal das silhuetas obtidas multipatch footprint agrupamento das silhuetas union ajustamento à área de servidão clip interseção com relevo clip obtenção de área de 300 m para o lado da pista buffer caracterização do solo COS2007 N2 intersect interseção da caracterização do solo com a ladeira da pista clip

15 OBTENÇÃO DE ZONAS CRÍTICAS NA LADEIRA DA PISTA CARACTERIZAÇÃO PELA CARTA DE OCUPAÇÃO DOS SOLOS 2007 (NÍVEL 2) Legenda COS2007 Nível Tecido urbano 1.2-Indústria, comércio e transportes 1.3-Áreas de extracção de inertes, áreas de deposição de resíduos e estaleiros de construção 2.1-Culturas temporárias 2.4-Áreas agrícolas heterogéneas 3.1-Florestas 3.2-Florestas abertas e vegetação arbustiva e herbácea Ladeira da pista Pista Servidão aeronáutica

16 OBTENÇÃO DE ZONAS CRÍTICAS NA LADEIRA DA PISTA Apenas o lado sudeste da ladeira da pista apresenta o terreno como obstáculo N2 Descrição N2 % 1.1 Tecido urbano 10,44% 1.2 Indústria, comércio e transportes 1,54% 1.3 Áreas de extracção de inertes, áreas de deposição de resíduos e estaleiros de construção 5,54% 2.1 Culturas temporárias 10,56% 2.4 Áreas agrícolas heterogéneas 3,28% 3.1 Florestas 13,02% 3.2 Florestas abertas e vegetação arbustiva e herbácea 55,62%

17 OBTENÇÃO DAS ZONAS CRÍTICAS NA LADEIRA DA PISTA Sobreposição de imagem de satélite com recurso a um WMS DEVERÁ SER VERIFICADO NESTAS ZONAS O FATOR DE SOMBREAMENTO

18 CONCLUSÕES Demonstração de diversas potencialidades do ArcGIS através do ArcMap e ArcScene Possibilidade de exportação de dados para criar superfícies tridimensionais (TIN) com recurso ao Google Earth e a software CAD com posterior tratamento em ArcGIS - operação pode ser bastante morosa - recolha sucessiva de imagem no caso de áreas de estudo consideráveis Dificuldade na obtenção de interseções complexas, nomeadamente entre as superfícies de desobstrução e o relevo As operações de análise espacial efetuadas permitem uma primeira aproximação à realidade atual das servidões e facilitam o apoio à decisão na fase de licenciamentos de construção A desenvolver aperfeiçoar as metodologias para obtenção de zonas de sombreamento existentes na totalidade da servidão aeronáutica e as suas implicações no uso e programação do solo urbano da região.

19 FIM

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

CAPÍTULO 1. O QUE É O ArcGIS 8.3. O Sistema de Informações Geográficas ArcGIS é constituído de três partes:

CAPÍTULO 1. O QUE É O ArcGIS 8.3. O Sistema de Informações Geográficas ArcGIS é constituído de três partes: CAPÍTULO 1 O QUE É O ArcGIS 8.3 O Sistema de Informações Geográficas ArcGIS é constituído de três partes: O ArcGIS Desktop, uma parte integrada de aplicações avançadas de SIG; O gateway ArcSDE, uma interface

Leia mais

Acesso ao Servidor de Mapas (ARCMAP)

Acesso ao Servidor de Mapas (ARCMAP) Acesso ao Servidor de Mapas (ARCMAP) Versão 1.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/03/2014 1.0 Criação do documento Frederico dos Santos Soares APRESENTAÇÃO O presente documento tem como

Leia mais

Sessão de Esclarecimentos para a Georreferenciação de Processos de Obras Particulares Fevereiro de 2010

Sessão de Esclarecimentos para a Georreferenciação de Processos de Obras Particulares Fevereiro de 2010 Sessão de Esclarecimentos para a Georreferenciação de Processos de Obras Particulares Fevereiro de 2010 Produzido por: DEP () Introdução O recurso a novas tecnologias de informação, nomeadamente no desenvolvimento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

2. METODOLOGIA DE TRABALHO

2. METODOLOGIA DE TRABALHO TRAÇADO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO TÉCNICA AUXILIAR NA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS Autores: Adriana Gomes de Souza Pesquisadora

Leia mais

4ª aba do cadastro: Mapa Orientações para upload de shapefiles

4ª aba do cadastro: Mapa Orientações para upload de shapefiles Conteúdo: 1. Como fazer upload de arquivos espaciais no SiCAR-SP? Formato dos arquivos Características do shapefile Sistema de Coordenadas requerido Como preparar o shapefile para o upload 2. O que fazer

Leia mais

Introdução ao ArcGIS

Introdução ao ArcGIS Introdução ao ArcGIS Maria Cecilia Brandalize Novembro, 2011 Tópicos O que é um SIG? A estrutura do ArcGIS Dados utilizados no ArcGIS Operações básicas com o ArcGIS Edição de dados Combinação de dados

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

Fluxo de produção de dados geográficos para simulador de navegação marítima Projecto SIMNAV

Fluxo de produção de dados geográficos para simulador de navegação marítima Projecto SIMNAV Fluxo de produção de dados geográficos para simulador de navegação marítima Projecto SIMNAV NOBRE, Ana; FÉLIX, Inês; PACHECO, Miguel PALAVRAS CHAVE: Simulador de navegação, SIG, navegação, Polaris RESUMO

Leia mais

MAPA - Orientações. Conteúdo desse documento:

MAPA - Orientações. Conteúdo desse documento: Conteúdo desse documento: 1. Como fazer upload de arquivos espaciais no CAR 1.a. Formato do arquivo 1.b. Características do shapefile 1.c. Sistema de coordenadas requerido 1.d. Como preparar o shapefile

Leia mais

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR ANEXO V - NOTAS EXPLICATIVAS Este formulário é de preenchimento obrigatório e serve de sustentação à auto-avaliação realizada no Anexo III Os itens I Preenchimento dos requisitos de elegibilidade e II

Leia mais

Nota 3 Técnica. Sistemas computacionais utilizados na estruturação do SITE MATOPIBA. Carlos Alberto de Carvalho 1 Jaudete Daltio 2

Nota 3 Técnica. Sistemas computacionais utilizados na estruturação do SITE MATOPIBA. Carlos Alberto de Carvalho 1 Jaudete Daltio 2 Nota 3 Técnica Campinas, SP dezembro, 2014 Sistemas computacionais utilizados na estruturação do SITE MATOPIBA Carlos Alberto de Carvalho 1 Jaudete Daltio 2 1 Mestre em ciência da computação e analista

Leia mais

Dimensionando uma estrutura vertical Aspectos fundamentais de projeto Análise NBR 6123

Dimensionando uma estrutura vertical Aspectos fundamentais de projeto Análise NBR 6123 Dimensionando uma estrutura vertical Aspectos fundamentais de projeto Análise NBR 6123 Quando um cliente necessita de uma estrutura vertical para telecomunicações, deve informar os seguintes itens que

Leia mais

Infraestrutura de Dados Espaciais na REFER. João Carlos Silva (REFER)

Infraestrutura de Dados Espaciais na REFER. João Carlos Silva (REFER) João Carlos Silva (REFER) João Carlos Silva REFER / REFER Telecom OpenGIS Standards / RNID AGENDA Caso de Sucesso Desafio inicial e a Solução Solução Tecnológica Factos e Números Componente Financeira

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação / SEMED - MANAUS AM

Secretaria Municipal de Educação / SEMED - MANAUS AM Secretaria Municipal de Educação / SEMED - MANAUS AM Secretaria Municipal de Educação - MANAUS AM Relato de experiência utilizando o ARCMAP desde o planejamento até a produção cartográfica dinâmica para

Leia mais

IT 190- Princípios em Agricultura de Precisão Mapeamento com o programa computacional ArcGis 9.2 Carlos Alberto Alves Varella - varella@ufrrj.

IT 190- Princípios em Agricultura de Precisão Mapeamento com o programa computacional ArcGis 9.2 Carlos Alberto Alves Varella - varella@ufrrj. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro IT- Departamento de Engenharia SEROPÉDICA-RIO DE JANEIRO MAIO-2008 IT 190- Princípios em Agricultura de Precisão Mapeamento com o programa computacional ArcGis

Leia mais

1 - Crie um novo documento no ArcMap. Com o programa aberto, selecione o Dataframe Layers

1 - Crie um novo documento no ArcMap. Com o programa aberto, selecione o Dataframe Layers Conversão de Raster para Polígono usando o ArcMap Nos posts anteriores, conhecemos uma situação onde uma empresa solicita, além do produto esperado, imagens no canal alfa para geração de polígonos envolventes

Leia mais

SIMULAÇÃO DE CHEIA SEGUIDA DE INUNDAÇÃO NA CIDADE DE MIRANDELA

SIMULAÇÃO DE CHEIA SEGUIDA DE INUNDAÇÃO NA CIDADE DE MIRANDELA SIMULAÇÃO DE CHEIA SEGUIDA DE INUNDAÇÃO NA CIDADE DE MIRANDELA Maria Gouveia Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra mmalgouveia@gmail.com Luciano Lourenço Faculdade de Letras da Universidade de

Leia mais

ISA 2011/2012 Unidades curriculares Geomática e SIGDR Aula prática: Sistemas cartográficos, georreferenciação e mosaicos de imagem

ISA 2011/2012 Unidades curriculares Geomática e SIGDR Aula prática: Sistemas cartográficos, georreferenciação e mosaicos de imagem ISA 2011/2012 Unidades curriculares Geomática e SIGDR Aula prática: Sistemas cartográficos, georreferenciação e mosaicos de imagem Este exercício tem 2 partes. Parte 1 Objectivo: Definição da projecção

Leia mais

3Conceitos MASTER. SIG e Gestão Urbanística OFERTA FORMATIVA. Tecnologia ESRI

3Conceitos MASTER. SIG e Gestão Urbanística OFERTA FORMATIVA. Tecnologia ESRI OFERTA FORMATIVA 3Conceitos MASTER SIG e Gestão Urbanística Tecnologia ESRI 1 Master - SIG e Gestão Urbanística Tecnologia ESRI Fundamentação do curso: Defende-se aqui a ideia de que os técnicos envolvidos

Leia mais

SIG do Município de Oeiras: um instrumento para a gestão Municipal. ORADOR 1 Maria João Bessa (CM de Oeiras) ORADOR 2 João Melo (Municípia, S.A.

SIG do Município de Oeiras: um instrumento para a gestão Municipal. ORADOR 1 Maria João Bessa (CM de Oeiras) ORADOR 2 João Melo (Municípia, S.A. SIG do Município de Oeiras: um instrumento para a gestão Municipal ORADOR 1 Maria João Bessa (CM de Oeiras) ORADOR 2 João Melo (Municípia, S.A.) Maria João Bessa Câmara Municipal de Oeiras SIG do Município

Leia mais

ArcGIS 10: Parcel Editor: Divisão de Shapefile em Partes Iguais

ArcGIS 10: Parcel Editor: Divisão de Shapefile em Partes Iguais ArcGIS 10: Parcel Editor: Divisão de Shapefile em Partes Iguais A Edição de Parcelas de Fábrica é um poderoso recurso de edição do ArcGIS 10. Essa ferramenta é fundamental para divisão de arquivos shapefile

Leia mais

APLICAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

APLICAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS APLICAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS MESSIAS, M ; Programa de Pós Graduação em Geociências Mestrado - UFF, Outeiro de São João Batista, s/nº - 5º andar Centro, Niterói

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

No âmbito do projecto para elaboração

No âmbito do projecto para elaboração >>Boletim do IGeoE N.º 72 Novembro 2010 Levantamento de dados de aeródromos, heliportos e rádio Introdução No âmbito do projecto para elaboração do Manual VFR (Visual Flight Rules), responsabilidade do

Leia mais

Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine:

Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine: Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine: potencialização da comunicação espacial em simulação da morfologia de ocupação e parâmetros urbanísticos Profa Ana Clara Mourão Moura Laboratório

Leia mais

Implementação do Web SIG para o PGRH. Caderno de Análise e Desenho. ARH Centro, I.P. Ref.: ARHCentro/WebSIG/CAD V3.0 10/04/2012.

Implementação do Web SIG para o PGRH. Caderno de Análise e Desenho. ARH Centro, I.P. Ref.: ARHCentro/WebSIG/CAD V3.0 10/04/2012. Implementação do Web SIG para o PGRH ARH Centro, I.P. Caderno de Análise e Desenho Ref.: 10/04/2012 Co-financiamento FICHA TÉCNICA Referência: Projecto: Implementação do Web SIG para o PGRH Gestor de Projecto:

Leia mais

Apostila de ArcGIS Laboratório de Topografia e Cartografia Universidade Federal do Espírito Santo

Apostila de ArcGIS Laboratório de Topografia e Cartografia Universidade Federal do Espírito Santo Apostila de ArcGIS Laboratório de Topografia e Cartografia Universidade Federal do Espírito Santo Índice Geodatabases 3 Lição 1: Geodatabase Básico 4 Lição 2: Criando Geodatabases 13 Lição 3: Feições simples

Leia mais

MICROBACIA DO ARROIO CALIFÓRNIA FOZ DO IGUAÇU/ PR, COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE GEOPROCESSAMENTO

MICROBACIA DO ARROIO CALIFÓRNIA FOZ DO IGUAÇU/ PR, COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE GEOPROCESSAMENTO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL E DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE APP's DA MICROBACIA DO ARROIO CALIFÓRNIA FOZ DO IGUAÇU/ PR, COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE GEOPROCESSAMENTO gvsig Eng Esp Taciana

Leia mais

Desenvolvimento de Mapas Interativos Utilizando Tecnologias Livres 1

Desenvolvimento de Mapas Interativos Utilizando Tecnologias Livres 1 Desenvolvimento de Mapas Interativos Utilizando Tecnologias Livres 1 Fernando Martins Pimenta 2, Elena Charlotte Landau 3, André Hirsch 4 e Daniel Pereira Guimarães 3 1 Projeto financiado pela FAPEMIG

Leia mais

Implementação do Web SIG para o PGRH

Implementação do Web SIG para o PGRH Implementação do Web SIG para o PGRH ARH Centro, I.P. Requisitos do Sistema Ref.: 30/11/2010 FICHA TÉCNICA Referência: Projecto: Implementação do Web SIG para o PGRH Gestor de Projecto: Miguel Rodrigues

Leia mais

Cartografia. Norma Técnica da Federação Nº1. Federação Portuguesa de Airsoft - APD Apartado 526816 4251-901Porto PORTUGAL

Cartografia. Norma Técnica da Federação Nº1. Federação Portuguesa de Airsoft - APD Apartado 526816 4251-901Porto PORTUGAL Cartografia Norma Técnica da Federação Nº1 Federação Portuguesa de Airsoft - APD Apartado 526816 4251-901Porto PORTUGAL www.fpairsoft.pt geral@fpairsoft.pt 1. Introdução 1.1 Objectivo A presente norma

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

6 Geoprocessamento. Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes

6 Geoprocessamento. Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes 6 Geoprocessamento Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes 156 O que é geoprocessamento? Consiste no uso de ferramentas computacionais

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DA BASE DE DADOS ESPACIAIS DIGITAL PARA O MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL-RS

ATUALIZAÇÃO DA BASE DE DADOS ESPACIAIS DIGITAL PARA O MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL-RS ATUALIZAÇÃO DA BASE DE DADOS ESPACIAIS DIGITAL PARA O MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL-RS 1. Contextualização A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos, que tem como missão preservar

Leia mais

MAPAS URBANOS INTELIGENTES CAPÍTULO 04 RESULTADOS E ANÁLISES

MAPAS URBANOS INTELIGENTES CAPÍTULO 04 RESULTADOS E ANÁLISES CAPÍTULO 04 RESULTADOS E ANÁLISES Neste capítulo serão abordados os resultados e as análises decorrentes da aplicação do método proposto no desenvolvimento deste trabalho. a) Integração dos Dados Raster/Vector

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

COMUNICADO Nº 001/2010 ESTIMATIVA DE DEMANDA PARA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS DE TREINAMENTO DE SOFTWARES AUTODESK TERMO DE REFERÊNCIA

COMUNICADO Nº 001/2010 ESTIMATIVA DE DEMANDA PARA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS DE TREINAMENTO DE SOFTWARES AUTODESK TERMO DE REFERÊNCIA COMUNICADO Nº 001/2010 ESTIMATIVA DE DEMANDA PARA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS DE TREINAMENTO DE SOFTWARES AUTODESK ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA Aquisição de CURSOS DE SOFTWARE AUTODESK,

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ECOLOGIA DE PAISAGENS

INTRODUÇÃO ÀS FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ECOLOGIA DE PAISAGENS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP Instituto de Biociências Departamento de Ecologia Laboratório de Ecologia da Paisagem e Conservação (LEPaC) CURSO DE DIFUSÃO APOSTILA INTRODUÇÃO ÀS FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

O WebSig do Município de Guimarães

O WebSig do Município de Guimarães O WebSig do Município de Guimarães Pedro Pereira A Divisão SIG O SIG do Município de Guimarães Gabinete criado em 1998 (no âmbito do PROSIG) Nos 10 anos seguintes, o SIG serviu de apoio aos diversos serviços

Leia mais

OpenJUMP. Pontos fracos do OpenJUMP

OpenJUMP. Pontos fracos do OpenJUMP OpenJUMP No início foi chamado apenas de JUMP (JAVA Unified Mapping Platform), e se tornou popular no mundo livre de SIG(Sistema de informação Geográfica), desenhado por Vivid Solutions. Atualmente é desenvolvido

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação Geográfica e Ordenamento do Território. Relatório do Trabalho Prático: Análises á Rede Viária

Mestrado em Sistemas de Informação Geográfica e Ordenamento do Território. Relatório do Trabalho Prático: Análises á Rede Viária Mestrado em Sistemas de Informação Geográfica e Ordenamento do Território Relatório do Trabalho Prático: Análises á Rede Viária Análise Espacial Avançada 2014/2015 Docente: Prof. Dr. António Costa Discente:

Leia mais

ArcGIS: Rescale em Batch, Composição Colorida RGB e Fusão de Imagens Landsat-8

ArcGIS: Rescale em Batch, Composição Colorida RGB e Fusão de Imagens Landsat-8 ArcGIS: Rescale em Batch, Composição Colorida RGB e Fusão de Imagens Landsat-8 2013 LANDSAT-8: Informações para Novos Usuários de Imagens Licença: As imagens Landsat-8 são gratuitas; Download: Para baixar

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

Mapa índice digital na CPRM: recurso a serviço da disseminação da informação cartográfica

Mapa índice digital na CPRM: recurso a serviço da disseminação da informação cartográfica Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Mapa índice digital na CPRM: recurso a serviço da disseminação da informação cartográfica Isabel Angela dos Santos Matos (CPRM) - isabel.matos@cprm.gov.br Resumo: Este

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43 AQUISIÇÃO, TRATAMENTO E DISPONIBILIZAÇÃO DE IMAGENS

Leia mais

http://mapas.ipea.gov.br/i3geo/

http://mapas.ipea.gov.br/i3geo/ IPEAMAPAS Disponibilização de forma espacializada dos dados publicados pelo IPEA; Permite interatividade com outros dados disponíveis (infraestrutura, assistência social, saúde, educação, cultura e dados

Leia mais

Exemplos de acesso ao Web Feature Service

Exemplos de acesso ao Web Feature Service Exemplos de acesso ao Web Feature Service udig, software livre ArcGis, ESRI Geomedia, Intergraph udig, software livre http://udig.refractions.net/confluence/display/udig/home (no exemplo a seguir apresentado

Leia mais

AMBIENTE URBANO E TRANSPORTES Sistemas de Informação Geográfica

AMBIENTE URBANO E TRANSPORTES Sistemas de Informação Geográfica 1. AULA 1 TAREFAS BÁSICAS EM ARCGIS Durante esta sessão vamos realizar uma série de tarefas básicas em ArcGIS, tal como criar um novo projecto, definir o sistema de coordenadas, representar informação

Leia mais

SIG e Banco de Dados OFICINA BUFFER E OVERLAY. Responsável: MARIA ISABEL C DE FREITAS Colaboração: KATIA CRISTINA BORTOLETTO E BRUNO ZUCHERATO

SIG e Banco de Dados OFICINA BUFFER E OVERLAY. Responsável: MARIA ISABEL C DE FREITAS Colaboração: KATIA CRISTINA BORTOLETTO E BRUNO ZUCHERATO SIG e Banco de Dados OFICINA BUFFER E OVERLAY Responsável: MARIA ISABEL C DE FREITAS Colaboração: KATIA CRISTINA BORTOLETTO E BRUNO ZUCHERATO ************************************************************

Leia mais

Gerir o Domínio Público Ferroviário com Inteligência Geográfica Rodrigo Dourado

Gerir o Domínio Público Ferroviário com Inteligência Geográfica Rodrigo Dourado Rodrigo Dourado Agenda Grupo REFER Direção de Gestão Cadastral e Licenciamento Dados do negócio e Informação geográfica Funções do SIG no Património Visualizadores FLEX Ações Futuras Grupo REFER REFER

Leia mais

MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG. QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source

MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG. QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source 1 02 DESTINATÁRIOS Todos os que trabalhando ou que virão a trabalhar com tecnologia

Leia mais

Base de Dados para Saneamento. Sanepar Companhia de Saneamento do Paraná

Base de Dados para Saneamento. Sanepar Companhia de Saneamento do Paraná Base de Dados para Saneamento Sanepar Companhia de Saneamento do Paraná Área de Atuação S.A.A. 635 localidades 9,51 milhões de pessoas 100% pop. atendida 1,7 milhão análises de Água/Ano S.A.A. Infra-Estrutura

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. Transformações de coordenadas para não especialistas

CURSO DE FORMAÇÃO. Transformações de coordenadas para não especialistas CURSO DE FORMAÇÃO Transformações de coordenadas para não especialistas Colégios de Engenharia Geográfica e Engenharia Geológica e Minas Região Centro José A. Gonçalves jagoncal@fc.up.pt Sumário do curso

Leia mais

Métodos de Exibição de Dados Geográficos

Métodos de Exibição de Dados Geográficos Métodos de Exibição de Dados Geográficos Objetivos: Visualização e exploração de dados geográficos e tabulares 1. Abstração do mundo real; 2. Definição do modelo conceitual; 3. Elaboração do modelo físico.

Leia mais

ArcGIS 1: Introdução ao GIS (10.2)

ArcGIS 1: Introdução ao GIS (10.2) ArcGIS 1: Introdução ao GIS (10.2) Duração: 02 dias (16 horas) Versão do ArcGIS: 10.2 Material didático: Português Descrição Este treinamento ensina o que é o GIS e o que você pode realizar com ele. Trabalhando

Leia mais

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos Cartografia Municipal de risco com recurso ao MODEL BUILDER José Rocha Departamento de Geografia, Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho jmanuelfrocha@sapo.pt RESUMO A cartografia municipal

Leia mais

I CURSO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE DFCI. Metodologia de representação das RPDFCI

I CURSO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE DFCI. Metodologia de representação das RPDFCI Mário Pereira da Costa mario.costa@afn.min-agricultura.pt I CURSO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE DFCI Metodologia de representação das RPDFCI COTF - Lousã 11 a 13 de Maio de 2009 OBJECTIVOS

Leia mais

A relevância da Carta do Regime do Uso do Solo no Ordenamento do Território. AFONSO, Luisa; FRANÇA, Luz;

A relevância da Carta do Regime do Uso do Solo no Ordenamento do Território. AFONSO, Luisa; FRANÇA, Luz; A relevância da Carta do Regime do Uso do Solo no Ordenamento do Território AFONSO, Luisa; FRANÇA, Luz; Ordenamento do Território Conceito História i e Desenvolvimento Enquadramento Metodologia CRUS e

Leia mais

GeoInvent Sistema de Apoio à Análise de Informação com Componente Espacial

GeoInvent Sistema de Apoio à Análise de Informação com Componente Espacial Sistemas de Informação Geográfica e de Apoio à Decisão GeoInvent Sistema de Apoio à Análise de Informação com Componente Espacial O GeoInvent é um programa de computador concebido para facilitar a análise

Leia mais

Objetivo: desenvolver um Plano de Bacia Hidrográfica

Objetivo: desenvolver um Plano de Bacia Hidrográfica Tutorial de Aplicações do geoprocessamento em Sistema de Informação Geográfica livre Elaborado por: ¹Loide Angelini Sobrinha; ²Leandro Guimarães Bais Martins; ³João Luiz Boccia Brandão ¹ ²Engenheiro(a)

Leia mais

Normas Técnicas. Georreferenciação de Processos de Urbanização e Edificação do Município de Ponte de Lima V.2.1-2012

Normas Técnicas. Georreferenciação de Processos de Urbanização e Edificação do Município de Ponte de Lima V.2.1-2012 Normas Técnicas Georreferenciação de Processos de Urbanização e Edificação do Município de Ponte de Lima V.2.1-2012 1. Introdução De acordo com o Regime Jurídico da Urbanização e Edificação, designadamente

Leia mais

Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas FFLCH. Departamento de Geografia

Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas FFLCH. Departamento de Geografia Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas FFLCH Departamento de Geografia Mini-curso Mapeamento de APP (áreas de preservação permanente) através de técnicas de Geoprocessamento

Leia mais

Conceitos, ferramentas e aplicações na avaliação imobiliária: Tecnologias de informação geográfica FLOSS & FLOSS4G

Conceitos, ferramentas e aplicações na avaliação imobiliária: Tecnologias de informação geográfica FLOSS & FLOSS4G Conceitos, ferramentas e aplicações na avaliação imobiliária: Tecnologias de informação geográfica FLOSS & FLOSS4G José Miguel M. C. Gomes Aires zeaires@gmail.com 1 FLOSS & FLOSS4G "Código Aberto FSF (Free

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

Aula prática - Modelo Numérico. do Terreno. do Terreno (MNT) ou Modelo Digital do Terreno

Aula prática - Modelo Numérico. do Terreno. do Terreno (MNT) ou Modelo Digital do Terreno Aula prática - Modelo MDT correspondem a Digital Terrain Model (DTM) ou Digital Elevation Model (DEM). Uma das modelagens mais utilizadas em geotecnologias que procura representar digitalmente o comportamento

Leia mais

Por que Geoprocessamento?

Por que Geoprocessamento? Um pouco sobre a NOSSA VISÃO Processamento Digital é um endereço da Web criado pelo geógrafo Jorge Santos com objetivo de compartilhar dicas sobre Geoprocessamento e Software Livre. A idéia surgiu no ano

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE DADOS ESPACIAIS DE MINAS GERAIS IEDE-MG

IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE DADOS ESPACIAIS DE MINAS GERAIS IEDE-MG IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE DADOS ESPACIAIS DE MINAS GERAIS IEDE-MG Versão 1...Fevereiro 2011 Versão 2...Setembro 2011 Versão 3...Abril 2012 1 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO... 3 2. OBJETIVO... 5 3. CONCEITOS

Leia mais

PTR 2355/2389 Princípios de Geoprocessamento. Atividade Prática: Laboratório SIG

PTR 2355/2389 Princípios de Geoprocessamento. Atividade Prática: Laboratório SIG PTR 2355/2389 Princípios de Geoprocessamento Atividade Prática: Laboratório SIG Docentes: Prof. Dr Claudio Luiz Marte Prof. Dr. José Alberto Quintanilha Elaboração Roteiro: Mariana Abrantes Giannotti Colaboração:

Leia mais

Curso de Economia para Jornalistas. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Erivelton Pires Guedes erivelton.guedes@ipea.gov.br mapas@ipea.gov.

Curso de Economia para Jornalistas. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Erivelton Pires Guedes erivelton.guedes@ipea.gov.br mapas@ipea.gov. Curso de Economia para Jornalistas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Erivelton Pires Guedes erivelton.guedes@ipea.gov.br mapas@ipea.gov.br IpeaMapas Roteiro Missão do Ipea Objetivos principais Principais

Leia mais

PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO

PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO PROSPOSTA DE METODOLOGIA PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA SINTETIZADA DE ÁREA DEGRADADA PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO Autores: Jonathan J. Campos, William de O. Sant Ana, Jefferson de Faria, Maria G. R. de Souza,

Leia mais

INSPIRE: Ponto de situação e perspetivas de desenvolvimento futuro O sector dos transportes

INSPIRE: Ponto de situação e perspetivas de desenvolvimento futuro O sector dos transportes INSPIRE: Ponto de situação e perspetivas de desenvolvimento futuro O sector dos transportes Maria José Lucena e Vale Direção Geral do Território - DGT Sumário Gestão de Informação e Conhecimento: A Diretiva

Leia mais

NORMAS DE INSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE OPERAÇÃO URBANÍSTICA EM FORMATO DIGITAL. Pedidos de Licenciamento (PL) e Comunicações Prévias (CP)

NORMAS DE INSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE OPERAÇÃO URBANÍSTICA EM FORMATO DIGITAL. Pedidos de Licenciamento (PL) e Comunicações Prévias (CP) NORMAS DE INSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE OPERAÇÃO URBANÍSTICA EM FORMATO DIGITAL Pedidos de Licenciamento (PL) e Comunicações Prévias (CP) No cumprimento da Lei n.º 60/2007 de 4 de Setembro e nas alterações

Leia mais

QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC)

QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC) QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC) Jorge Santos 2014 Conteúdo Sumário Capítulo 1... 3 Introdução... 3 1.1 Referência Espacial... 3 1.2 Sistema de Referência de Coordenadas (SRC)...3 1.3

Leia mais

TERRAMAIS. Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal. Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO

TERRAMAIS. Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal. Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO TERRAMAIS Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO A vantagem na utilização de Sistemas de Informação Geográfica

Leia mais

SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL

SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA COLETA DE DADOS PARA MONITORAMENTO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL 1. Contextualização A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos, que

Leia mais

Edificação e Urbanização na Região Norte

Edificação e Urbanização na Região Norte Edificação e Urbanização na Região Norte (Mapa da Situação Urbanística Existente - MSUE) Nota MetodoLogica Última actualização: 30-NOV-2011 A Introdução e aspectos genéricos sobre o produto MSUE Categorias

Leia mais

Conheça a mais nova aplicação para profissionais GIS: ArcGIS Pro. Caio Victer

Conheça a mais nova aplicação para profissionais GIS: ArcGIS Pro. Caio Victer Conheça a mais nova aplicação para profissionais GIS: ArcGIS Pro Caio Victer Enquete O que você já sabe... Administra seus dados Executa análises Avançadas Modela e Automatiza Fluxos de Trabalho Disponibiliza

Leia mais

Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território

Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território Evolução da última década Manuela Sampayo Martins (Eng.ª) Sistemas de Informação Sistemas de Geográfica, Informação Lda. Geográfica,

Leia mais

GeoLoulé: Plataforma SIG da C. M. Loulé. Agenda. Objectivo. Enquadramento. Historial. Equipa. Arquitectura. MuniSIG Web. Casos Práticos.

GeoLoulé: Plataforma SIG da C. M. Loulé. Agenda. Objectivo. Enquadramento. Historial. Equipa. Arquitectura. MuniSIG Web. Casos Práticos. Agenda Objectivo Enquadramento Historial Equipa Arquitectura MuniSIG Web Casos Práticos ArcGIS Mobile Futuro Objectivo Criar uma infra-estrutura de suporte a todas as aplicações de informação geográfica

Leia mais

Plataformas ESRI - Procedimento para adicionar tema WMS (Web Map Server) em ArcGIS:

Plataformas ESRI - Procedimento para adicionar tema WMS (Web Map Server) em ArcGIS: INDICE FAQ Plataformas ESRI - Procedimento para adicionar tema WMS (Web Map Server) em ArcGIS: É possível aceder aos serviços de mapas (WMS) em ArcGIS do seguinte modo: Criar a ligação: em ambiente ArcCatalog,

Leia mais

Identificação de segmentos e locais nos limites territoriais do Brasil para ações de prevenção à entrada de pragas

Identificação de segmentos e locais nos limites territoriais do Brasil para ações de prevenção à entrada de pragas ISSN 2319-0701 03 Identificação de segmentos e locais nos limites territoriais do Brasil para ações de prevenção à entrada de pragas Introdução No início dos anos 1990, uma praga desconhecida deixou um

Leia mais

Laboratório de Métricas da Paisagem (Mepa) Dep. de Geografia / UFRR. Coord. Prof. Thiago M Carvalho. http://ufrr.br/mepa.

Laboratório de Métricas da Paisagem (Mepa) Dep. de Geografia / UFRR. Coord. Prof. Thiago M Carvalho. http://ufrr.br/mepa. Laboratório de Métricas da Paisagem (Mepa) Dep. de Geografia / UFRR Coord. Prof. Thiago M Carvalho http://ufrr.br/mepa Aulas Quantum GIS Adicionar uma base cartográfica serviço web. Exemplo: malha de Boa

Leia mais

WORKSHOP 6. Geoportal SDI/SNIT. Uma referência na área do Ordenamento do Território e Urbanismo. Francisco M. Sequeira. Direção Geral do Território

WORKSHOP 6. Geoportal SDI/SNIT. Uma referência na área do Ordenamento do Território e Urbanismo. Francisco M. Sequeira. Direção Geral do Território WORKSHOP 6 Geoportal SDI/SNIT Uma referência na área do Ordenamento do Território e Urbanismo Francisco M. Sequeira Direção Geral do Território fsequeira@dgterritorio.pt Etapas Decisão da elaboração; revisão;

Leia mais

Validação dos Serviços de Georreferenciamento

Validação dos Serviços de Georreferenciamento Validação dos Serviços de Georreferenciamento De onde viemos, onde estamos, e para onde vamos. INCRA / SRFAC Processo Convencional Recepção de peças técnicas (planta e memorial descritivo) em papel Processo

Leia mais

Projeto em Sistemas de Informação Geográfica (SIG) 17

Projeto em Sistemas de Informação Geográfica (SIG) 17 Projeto em Sistemas de Informação Geográfica (SIG) 17 Um sistema para adquirir, armazenar, validar, manipular, analisar e visualizar informação georreferenciada. (DoE, 1987); Uma tecnologia de informação

Leia mais

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l PRODUTO 06 MAPAS TEMÁTICOS CRESCENTE. F É R T l L MEIO AMBIENTE CULTURA COMUNICAÇÃO

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l PRODUTO 06 MAPAS TEMÁTICOS CRESCENTE. F É R T l L MEIO AMBIENTE CULTURA COMUNICAÇÃO Rubrico: RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l DIAGNÓSTICO FÍSICO SOCIOAMBIENTAL PRODUTO 06 MAPAS TEMÁTICOS T CRESCENTE F É R T l L MEIO AMBIENTE CULTURA COMUNICAÇÃO JULHO/2013 Rubrico:

Leia mais

Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma

Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma Nome Nº Turma DISCIPLINA DE GEOGRAFIA 7º ANO TRABALHO DE GRUPO HYPERPAISAGENS PROFESSORA: CRISTINA CÂMARA ANO LECTIVO 2002/03 FOTOGRAFIA AÉREA (1 E 2) A Fotografia Aérea é: a) Uma fotografia digital, tirada na vertical

Leia mais

ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA O SETOR SUCROALCOOLEIRO

ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA O SETOR SUCROALCOOLEIRO ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA O SETOR SUCROALCOOLEIRO 1. Material cartográfico digital: Apresentar material cartográfico na Projeção Cartográfica Universal Transversa de Mercator

Leia mais

10/07/2015. Valentim Realinho C3i, Instituto Politécnico de Portalegre vrealinho@estgp.pt

10/07/2015. Valentim Realinho C3i, Instituto Politécnico de Portalegre vrealinho@estgp.pt 10/07/2015 Valentim Realinho C3i, Instituto Politécnico de Portalegre vrealinho@estgp.pt 1 Motivação O uso da biomassa com fins energéticos tende a crescer significativamente nas próximas décadas As previsões

Leia mais

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Jump Qgis Thuban MapServer

Leia mais

VETORIZAÇÃO DO CADASTRO GEOMÉTRICO DA PROPRIEDADE RÚSTICA DO CONCELHO DE ALJUSTREL

VETORIZAÇÃO DO CADASTRO GEOMÉTRICO DA PROPRIEDADE RÚSTICA DO CONCELHO DE ALJUSTREL VETORIZAÇÃO DO CADASTRO GEOMÉTRICO DA PROPRIEDADE RÚSTICA DO CONCELHO DE ALJUSTREL Lisboa, Setembro 2015 Inês Guerreiro Sara Santos - CM Aljustrel OBJETIVOS Converter para formato vetorial, o cadastro

Leia mais

IMAGENS DOS LIMITES DAS ZDP LITORIAIS DOS MOLUSCOS BIVALVES DE ACORDO COM O DESPACHO N 4022/2015 DE 22 ABRIL DE 2015

IMAGENS DOS LIMITES DAS ZDP LITORIAIS DOS MOLUSCOS BIVALVES DE ACORDO COM O DESPACHO N 4022/2015 DE 22 ABRIL DE 2015 IMAGENS DOS LIMITES DAS ZDP LITORIAIS DOS MOLUSCOS BIVALVES DE ACORDO COM O DESPACHO N 4022/2015 DE 22 ABRIL DE 2015 L1 : Litoral Viana 2 L1 L2 0 13,750 27,500 55,000 Metros L2 : Litoral Matosinhos 3 L1

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Visão Geral. Autodesk Geospatial e Optimização de Processos de Desenho

Visão Geral. Autodesk Geospatial e Optimização de Processos de Desenho O novo AutoCAD Map 3D é a plataforma líder para engenharia, infraestruturas, cartografia e SIG. O AutoCAD MAP 3D permite efectuar a ponte entre CAD e GIS, ao permitir o acesso directo aos dados independentemente

Leia mais

Utilização do QuantumGIS (QGIS)

Utilização do QuantumGIS (QGIS) Utilização do QuantumGIS (QGIS) Actividade Criação de mapas temáticos a partir de dados estatísticos Descrição do trabalho: Utilização do QGIS para a criação de mapas temáticos a partir de dados estatísticos

Leia mais