PRTG Uma ferramenta de apoio ao Administrador de Redes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRTG Uma ferramenta de apoio ao Administrador de Redes"

Transcrição

1 PRTG Uma ferramenta de apoio ao Administrador de Redes Éverton Perleberg 1, André Moraes 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATECPEL) Rua Gonçalves Chaves Pelotas RS Brasil Abstract. The Paessler Router Traffic Grapher is an enterprise solution for network monitoring for small to large, PRTG is a tool to support Windowsbased Administrator, with which it is possible to track and monitor easily the network, in addition to graphics and tables get updated in real time, allowing a variety of information about you. Resumo. O Paessler Router Traffic Grapher é uma solução corporativa para monitoramento de redes de pequeno a grande porte, o PRTG é uma ferramenta de apoio ao Administrador baseada em Windows, com a qual é possivel acompanhar e monitorar facilmente a rede, alem de obter gráficos e tabelas atualizadas em tempo real, o que permite obter varias informações a seu respeito. Figura 1. PRTG Traffic Grapher 1. Introdução Ao gerenciar a rede de internet de uma empresa, surge a nescessidade do Administrador utilizar uma ferramenta de apoio, a ferramenta PRTG Traffic Grapher surge como uma excelente opção, ela funciona em conjunto com o Agente SNMP o qual coleta as

2 informções e as disponibiliza via rede a estação de monitoramento PRTG, o qual fica encarregado de armazenar e processar as informações. Para facilitar o uso ele gera gráficos e tabelas contendo as informações a serem analisadas separando-as por intervalos de tempo e de dias. A ferramenta ainda conta com uma interface web, a qual pode ser visualizada dentro e fora da rede, tanto pelo Administrador quanto as pessoas que tiverem os devidos privilegios.[danresa 2011] 2. Ambiente Proposto O ambiente descrito neste trabalho mostra a utilização da ferramenta PRTG em uma empresa, no qual existem 5 (cinco) estações de trabalho Windows XP denominadas Recepção, PC Jhonatan, PC Vanessa, PC Impressora e PC Clairton e 1 (um) servidor de monitoramento Windowns XP denominado Monitoramento. A ferramenta esta instalada em um computador dedicado, o qual não necessita ser robusto, a maquina em questão possui processador Intel Celeron 2.26 GHz, 512 MB de Memória DDR 400 MHz e Interface Ethernet On-Board. Estão sendo monitorados o trafego nas Interfaces de rede, uso de Memória Fisica e o uso de Processador das estações de trabalho e do Servidor de Monitoramento da empresa. É possivel fazer uma avaliação detalhada do uso da rede com as informações coletadas com o PRTG, podendo assim verificar qual maquina consome mais recursos, os horarios de pico, entre outras informações. 3. Agente SNMP O agente SNMP (Simple Network Management Protocol) é o responsável por coletar as informações dos computadores e as disponibilar para o PRTG. O processo de ativação do Agente SNMP é bastante simples, necessitando apenas Ativa-lo no Sistema Operacional Windows, em Adicionar ou Remover Programas, o Serviço vai ser iniciado e configurado automaticamente para obter inicialização automatica, para finalizar a configuração do Agente nas estações a serem monitaradas é necessario liberar a porta 161 UDP no Firewall do Windows. 4. Paessler Router Traffic Grapher O PRGT (Peasler Router Traffic Grapher) é um aplicativo que tem como principal objetivo auxiliar o Adminstrador de redes no gerenciamento de redes de pequeno a grande porte, com ele é possivel concentrar as informações coletadas atravéz do Agente SNMP, as quais são detalhadas e saparadas em graficos especificos e em tabelas, nas quais é possivel analizar o funcionamento da rede, verificando o seu uso, seus picos e suas deficiencias, é possivel moninitorar todo tipo de equipamento que possui suporte a SNMP. O PRTG é uma solução corporativa que conta com uma vasta gama de opções, sendo possível monitorar Tráfego, uso de CPU, uso de Memória Fisica e Virtual, Uso dos Discos, Ping, entre outras opções estao o gerador de Gráficos e Tabelas, o Network Discovery (Scanner de Sensores SNMP) e a Interface Web que pode ser acessada pelo Adminstrador e por usuarios que tiverem privilegios. [Paessler 2011] 4.1. Instalação A instalação do PRTG Traffic Grapher é bastante simples, sendo que o arquivo para instalação do software encontra-se no site do fabricante [Paessler 2011], basta escolher a versão e fazer o download do arquivo. Para realização deste trabalho foi instalado a

3 versão Trial para poder contar com todas os recursos do Software dentro de um periodo de trinta (30) dias. Em [Pinheiro 2007] encontram-se mais informações a respeito da instalação do PRTG Adicionado um Sensor Logo que o PRTG é iniciado pela primeira vez automaticamente é iniciado o utilitario para adicionar Sensores SNMP, o qual nos dá duas (2) opções, entre elas o utilitario padrão e o Automatic Network Discovery (Scanner de Sensores SNMP). Figura 2. Adicionando um Sensor 4.3. O Scanner Padrão Ao iniciar o Scanner Padrão, são mostradas algumas alternativas, entre elas SNMP (Simple Network Management Protocol), Packet Sniffing, Netflow Collector, Latency Monitor e Sensor Aggregation. Apos escolher a opção desejada sera solicitado nomear o Sensor, informar o IP, a versão do SNMP (V1 que é comumente utilizado, V2c que conta com suporte a 64 bits, e V3 que conta com suporte a autenticação e criptografia. Figura 3. Scanner Padrao

4 SNMP (Simple Network Management Protocol) Serão exibidas algumas variantes de Sensores, entre eles o Standard Traffic Sensor que é o Sensor padrão, o qual vai monitorar o trafego na interface de rede, SNMP Helper Sensor que vai monitorar serviços de Bancos de Dados, From OID/MIB Library para monitorar algumas bibliotecas Dell, Cisco e Linux, Custom SNMP Sensor que vai monitorar sensores customizados. Figura 4. SNMP (Simple Network Management Protocol) Packet Sniffing Para o Monitor de Pacotes funcionar o computador onde o PRTG Traffic Grapher deve ser instalado em um computador que vai concentrar todo o trafego da rede, ou seja, o computador em questão deve ter duas placas de rede e o roteamento deve estar ativado, a primeira deve estar conectado ao modem que prove o acesso a internet e a segunda vai estar conectada a um Switch que vai interligar os demais computadores da rede e os servidores. O Monitor de Pacotes deve estar direcionado para uma das duas interfaces de rede do computador que vai concentrar a rede, possibilitando monitorar a quantidade de pacotes e os protocolos mais utilizados, como HTTP, HTTPS, DNS, FTP, ICMP, IMAP, IRC, NETBIOS, POP3, RDP, SMTP, SNMP, SSH e TELNET.

5 Figura 5. Packet Sniffing Netflow Collector Utilizado para fazer monitoramento de Roteadores Cisco Latency Sensor Esta opção consiste em verificar o tempo de resposta das estações de trabalho atravez do protocolo ICMP por meio de PING, assim é possivel verificar quando uma estação de trabalho esta ligada ou não. Nesta opção é necessario inserir o nome do host que vai ser Monitorado, seu IP, o tempo de resposta para que ocorra Time Out que por padrao é de mil (1000) milisegundos e o tamanho dos pacotes que por padrão é de trinta e dois bytes. Figura 6. Latency Sensor Sensor Agregattion Esta opção consiste em agregar Sensores de modo que é possivel criar grupos de Sensores, de modo que é possivel criar um grupo para agregar Sensores ICMP, Sensores de Trafego,

6 Sensores de Uso de Disco e Memoria, afim de poder monitorar todos os Graficos em uma mesma seção Automatic Network Scanner O Automatic Network Scanner é uma maneira facil e automatizada de adicionar Sensores SNMP de trafego de rede, sendo que é somente necessario informar uma faixa de endereços IP para ser Scaneada, a versão do SNMP geralmente V1, a Comunidade que por padrão é public, a porta que por padrão é 161 UDPe se julgar necessario habilitar o Scaneameto rápido. Todos os hosts que tiverem o Serviço SNMP serão adicionados a uma lista de sensores que serão incluidos em um grupo de sensores, os quais podem ser organizados utilizando o Sensor Agregation. Figura 7. Automatic Network Discover Figura 8. Automatic Network Discover 5. Graficos Para facilitar a administração pelo Administrador o PRTG Traffic Grapher recebe as informações do agente SNMP e os armazenam, gerando graficos para facilitar a visualização. São gerados graficos que sao atualizados conforme programado pelo Administrador, são gerados quatro (4) graficos para cada sensor, o primeiro mostra os dados em

7 um periodo de uma (1) hora, o segundo mostra os dados de um periodo de vinte e quatro (24) horas, o terceiro mostra os dados em um periodo de um (1) mês e o ulimo mostra um grafico do ano interio. Figura 9. Graficos 6. Tabelas Do mesmo modo que os graficos auxiliam o Administrador, as tabelas ajudam o administrador a decifrar os dados de uma maneira mais técnica, podendo verificar com precisão a quantidade de dados transmitidos por cada host, assim possibilitando conferir os horarios que a internet é utilizada com mais frequencia e com qual intensidade é utilizada. Figura 10. Tabelas 7. Conclusões No ambiente em qual o PRTG foi instalado existem cinco computadores utilizando um link de um (1) Mb empresarial, acompanhou-se o trafego dos mesmos em um periodo

8 de um (1) mes, costatou-se que durante o expediente todos os cinco (5) computadores tiveram um consumo de banda rasoavel, com alguns picos, visto que durante o expediente a internet é utilizada somente para fins comerciais, a exceção do computador denominado PC Impressora, o qual é o unico liberado para os funcionarios utilizarem a internet para fins particulares. Sendo esta empresa de funcionamento vinte e quatro (24) horas, constatou-se que no periodo noturno, em que permanecem na empresa somente funcionarios, o computador denominado PC da Impressora tem um consumo de banda mais acentuado, o mesmo consatou-se nos finais de semana, periodo em que somente os funcionarios encontram-se na empresa. O PRTG Mostrou-se Muito Eficiente, trabalhando em perfeita sintonia com o Agente SNMP do Windows XP, sendo que ele conseguiu mostrar toda a movimentação dentro da rede, mostrando relatorios que podem ser analizados satisfatoriamente. Figura 11. Ambiente Proposto 8. Comparativo entre os Computadores Os Graficos abaixo demonstram o consumo de banda no periodo em que o PRTG esta ativo. É possivel verificar que duarante o horario de expediente todos os computadores tem uma transferencia de dados considerada normal para o padrão da empresa. A unica anormalidade acontece fora do horario de expediente e nos finais de semana, periodo este que a empresa fica por resposabilidade de funcionarios.

9 Figura 12. PC Impressora Figura 13. PC Jhonatan Figura 14. Recepcao

10 Figura 15. PC Clairton 9. Considerações Finais A aceitação do PRTG por parte do Empresario foi positiva, visto que foi liberado o acesso via web ao mesmo, possibilitando-o acompanhar o desempenho de sua rede local. Portanto o PRTG comportou-se de acordo com o esperado e apresentou resultados satisfatorios, os quais realmente auxiliam o Administrador da rede da Empresa e possibilita ao Empresario uma maneira facil de acompanhar seu funcionamento em tempo real, surgindo a possibilidade de manter o projeto em funcinamento dentro da empresa. Referências DANRESA (04/09/2011). Sistema de monitoração prtg network monitor em appliance - %e2%80%93-prtg-network-monitor-em-appliance/. Paessler (2011). Paessler the network monitoting company - Pinheiro, C. (2007). Monitoramento da rede utilizando prtg -

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes FIREWALLS Firewalls Definição: Termo genérico utilizado para designar um tipo de proteção de rede que restringe o acesso a certos serviços de um computador ou rede de computadores pela filtragem dos pacotes

Leia mais

Funcionalidades da ferramenta zabbix

Funcionalidades da ferramenta zabbix Funcionalidades da ferramenta zabbix Jordan S. Romano¹, Eduardo M. Monks¹ ¹Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves Chaves,

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Aplicação. Camada de Aplicação

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Aplicação. Camada de Aplicação Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. A camada da aplicação serve como a janela na qual os utilizadores e processos da aplicação podem

Leia mais

Network Top: Uma Ferramenta Automatizada para Análise e Gerenciamento de Redes

Network Top: Uma Ferramenta Automatizada para Análise e Gerenciamento de Redes Network Top: Uma Ferramenta Automatizada para Análise e Gerenciamento de Redes Adriano K. Maron, Anderson B. Pinheiro 1 Universidade Católica de Pelotas (UCPEL) Caixa Postal 96010-000 Pelotas RS Brazil

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Fundamentos dos protocolos internet

Fundamentos dos protocolos internet Fundamentos dos protocolos internet - 2 Sumário Capítulo 1 Fundamentos dos protocolos internet...3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.2. Troubleshooting...

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

Firewall. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Firewall. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Firewall Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com ENLACE X REDE A camada de enlace efetua de forma eficiente e com controle de erros o envio

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br ADMINISTRAÇÃO TCP/IP. Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br ADMINISTRAÇÃO TCP/IP. Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br ADMINISTRAÇÃO TCP/IP Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br Protocolos TCP/IP - Tópicos Introdução IP Endereçamento Roteamento UDP, TCP Telnet, FTP Correio DNS Web Firewalls Protocolos TCP/IP

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015 TE090 - Prof. Pedroso 17 de junho de 2015 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Suponha que um roteador foi configurado para descobrir rotas utilizando o protocolo RIP (Routing Information Protocol),

Leia mais

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA DA NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT 1/10 CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Controlar Aplicações e Serviços com Monitoramento de Rede

Controlar Aplicações e Serviços com Monitoramento de Rede Controlar Aplicações e Serviços com Monitoramento de Rede White Paper Autor: Daniel Zobel, Chefe de Desenvolvimento de Software Paessler AG Publicado em: março/2014 PÁGINA 1 DE 8 Índice Introdução: Evite

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA - DTB

LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA - DTB LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB PARA UTILIZAÇÃO COM SISTEMAS NO BREAKS MONOFÁSICOS GUARDIAN LINHAS ENERGIZA E SEICA DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

Análise Comparativa de Sistemas de Gerência SNMP WhatsUP e The Dude. ntop

Análise Comparativa de Sistemas de Gerência SNMP WhatsUP e The Dude. ntop UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Análise Comparativa de Sistemas de Gerência SNMP WhatsUP e The Dude ntop Marcelo Santos Daibert João

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras

Software de gerenciamento de impressoras Software de gerenciamento de impressoras Este tópico inclui: "Usando o software CentreWare" na página 3-10 "Usando os recursos de gerenciamento da impressora" na página 3-12 Usando o software CentreWare

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA Conectividade (Modelo de Camadas) Autor: Patrick Freitas Fures Relatório Técnico apresentado ao Profº. Nataniel Vieira como requisito final

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Windows Server 2012 Virtualização Hyper-v Firewall Pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on 2 Sumário 1 Conteúdo Windows 2012... 3 2 Conteúdo Virtualização...

Leia mais

Instalar o MarkVision

Instalar o MarkVision Instalando o 1 contas O apresenta diversos componentes instaláveis: Aplicativo - Instala o Utilitário Printer Management. Este aplicativo requer que o Servidor do esteja disponível na rede. Servidor do

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Camada de Aplicação A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: E-mail, Acesso a Internet, troca de arquivos, etc. Portas

Leia mais

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Sumário: 1. Pré-requisitos de instalação física e lógica do Sisloc... 3 Servidores de Dados... 3 Servidores de Aplicação (Terminal Service)... 3

Leia mais

Pré-Requisitos do Software Themis Pré-Requisitos do Software Themis

Pré-Requisitos do Software Themis Pré-Requisitos do Software Themis Pré-Requisitos do Software Themis Pré-Requisitos do Software Themis 1. Pré-requisitos para Servidores - até 2 licenças: 1.1 Plano Básico: Processador: 3.0 GHz ou superior. Recomenda-se 3.2 GHz Dual-Core.

Leia mais

Análise do Monitoramento de Redes com Software Livre Utilizando Nagios

Análise do Monitoramento de Redes com Software Livre Utilizando Nagios Análise do Monitoramento de Redes com Software Livre Utilizando Nagios Thiago Guimarães Tavares 1 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFTO) Araguatins TO Brasil {thiagogmta}@gmail.com

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC Sumário Pré-Requisitos de Instalação Física e Lógica do SISLOC...3 Servidores de Dados...3 Servidores de Aplicação (Terminal Service)...3 Estações

Leia mais

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep 1. Introdução Firewall é um quesito de segurança com cada vez mais importância no mundo da computação. À medida que o uso de informações e sistemas é

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Edital 012/PROAD/SGP/2012

Edital 012/PROAD/SGP/2012 Edital 012/PROAD/SGP/2012 Nome do Candidato Número de Inscrição - Assinatura do Candidato Secretaria de Articulação e Relações Institucionais Gerência de Exames e Concursos I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

JOF - JOINT OPERATIONS FACILITY

JOF - JOINT OPERATIONS FACILITY Anexo 1 Especificações Técnicas (com alterações) 1. OBJETO DA CONTRATAÇÃO Aquisição de equipamentos de informática. 2. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LOTE 01 Item DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO QTD 1 Servidor

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Revisão para a prova B2 Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor:

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Dell Infrastructure Consulting Services

Dell Infrastructure Consulting Services Proposta de Serviços Profissionais Implementação do Dell OpenManage 1. Apresentação da proposta Esta proposta foi elaborada pela Dell com o objetivo de fornecer os serviços profissionais de implementação

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Symantec Network Access Control

Symantec Network Access Control Conformidade abrangente de endpoints Visão geral O é uma solução completa para o controle de acesso que permite às empresas controlar o acesso às redes corporativas de forma segura e eficiente, através

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Serviços de Rede Prof: Jéferson Mendonça de Limas Ementa Configuração de Serviços de Redes; Servidor Web; Servidor de Arquivos; Domínios; Servidor de Banco de Dados; SSH; SFTP;

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ÊNFASE EM ENGENHARIA DE SOFTWARE ARTHUR HENRIQUE DO PRADO FRANQUELO ALLAN ESTEVAM DE SOUZA CARLOS

Leia mais

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRONIM, IMPLANTAÇÃO SQL SERVER GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA Cliente GOVBR, UEM-MARINGA / Prefeitura Municipal de PEROLA Data 10/09/2015 Versão 1.0 Objeto:

Leia mais

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes Sobre os autores Marjorie Roberta dos Santos Rosa Estudante de graduação do curso de Bacharelado em Informática Biomédica da Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Seu manual do usuário KASPERSKY LAB ADMINISTRATION KIT 8.0 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3741343

Seu manual do usuário KASPERSKY LAB ADMINISTRATION KIT 8.0 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3741343 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para KASPERSKY LAB ADMINISTRATION KIT 8.0. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas

Leia mais

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Manual do Nscontrol Principal Senha Admin Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Aqui, você poderá selecionar quais programas você quer que

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Capitulo 1

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Capitulo 1 Capitulo 1 Montagem de duas pequenas redes com a mesma estrutura. Uma é comandada por um servidor Windows e outra por um servidor linux, os computadores clientes têm o Windows xp Professional instalados.

Leia mais

Segurança de redes com Linux. Everson Scherrer Borges Willen Borges de Deus

Segurança de redes com Linux. Everson Scherrer Borges Willen Borges de Deus Segurança de redes com Linux Everson Scherrer Borges Willen Borges de Deus Segurança de Redes com Linux Protocolo TCP/UDP Portas Endereçamento IP Firewall Objetivos Firewall Tipos de Firewall Iptables

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação. Guilherme Pereira Carvalho Neto. Portas e Serviços

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação. Guilherme Pereira Carvalho Neto. Portas e Serviços Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação Guilherme Pereira Carvalho Neto Portas e Serviços Goiânia 2015 Relatório de portas e serviços na rede Relatório produzido com base em dados colhidos

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

OBJETIVOS DO PROJETO OILBRAS

OBJETIVOS DO PROJETO OILBRAS OBJETIVOS DO PROJETO OILBRAS O objetivo deste projeto é de desenvolver uma rede lógica e estruturada para interconexão dos diversos setores da empresa através de comutadores. Dentro deste contexto procurou-se

Leia mais

Rede sob Controle com o NAGIOS

Rede sob Controle com o NAGIOS Rede sob Controle com o NAGIOS Carlos Coletti Assessoria de Informática carlos@unesp.br Agenda Conceitos de Monitoramento Nagios: histórico e funcionamento Instalação Os Arquivos de Configuração A Interface

Leia mais

Nesta modalidade o cliente, além da administração de seus servidores, o cliente executa os procedimentos de backup e recovery do seu conteúdo.

Nesta modalidade o cliente, além da administração de seus servidores, o cliente executa os procedimentos de backup e recovery do seu conteúdo. 1. DATACENTER 1.1. Hospedagem simples de servidor (colocation) Fornecimento de alocação de espaço e infraestrutura de alta disponibilidade no Datacenter da PRODEPA para hospedagem de equipamentos de propriedade

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Data Autor Descrição Revisão Configuração HX600 via Rede Ethernet 1.0

Data Autor Descrição Revisão Configuração HX600 via Rede Ethernet 1.0 Data Autor Descrição Revisão 06/05/2009 Barbarini Configuração HX600 via Rede Ethernet 1.0 Page 1 / 12 Procedimento de Instalação 1 O módulo deverá ser fixado próximo ao medidor. Para alimentá-lo é necessária

Leia mais

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01 APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET O processo de Navegação na Internet Aula 01 O processo de Navegação na Internet. USUÁRIO A CONEXÃO PROVEDOR On-Line EMPRESA

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Ferramentas de Gerenciamento de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento

Leia mais

Camada de Aplicação. Prof. Eduardo

Camada de Aplicação. Prof. Eduardo Camada de Aplicação RC Prof. Eduardo Introdução Você sabe que existem vários tipos de programas na Internet? - Talvez você já tenha notado que existem vários programas diferentes para cada um desses tipos.

Leia mais

Servidores Windows para empresas

Servidores Windows para empresas Servidores Windows para empresas Vinicius F. Teixeira 1, André Moraes 1 1 Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia senac Pelotas - RS - Brasil {vinicius,andré}viniciusfteixeira@gmail.com,

Leia mais

www.leitejunior.com.br 10/04/2012 19:30 Leite Júnior QUESTÕES CESGRANRIO 10/04/2012 AO VIVO

www.leitejunior.com.br 10/04/2012 19:30 Leite Júnior QUESTÕES CESGRANRIO 10/04/2012 AO VIVO QUESTÕES CESGRANRIO 10/04/2012 AO VIVO DE PETRÓLEO E DERIVADOS... QUESTÃO 21 - Um determinado usuário trabalha em uma rede que possui o servidor anpout.gov.br para envio de e-mails e o servidor anpin.gov.br

Leia mais

III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Ibirisol Fontes Monitor: Jundaí Abdon.

III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Ibirisol Fontes Monitor: Jundaí Abdon. III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Ibirisol Fontes Monitor: Jundaí Abdon Prática 1 Cenário: Na figura acima temos uma pequena rede, que

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 Disciplina Fundamentos de Redes Introdução ao Endereço IP 1 Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 PROTOCOLO TCP - ARQUITETURA Inicialmente para abordamos o tema Endereço IP, é necessário abordar

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina;

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina; Aula prática Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Objetivo Nesta aula, você aprenderá a utilizar alguns utilitários de rede que podem ajudá-lo a identificar problemas na rede. No windows existem

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Conhecer o conceito da camada de transporte e seus principais protocolos: TCP e UDP. O principal objetivo da camada de transporte é oferecer um serviço confiável,

Leia mais

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes:

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes: Gerência de Redes: - Gerência de redes é o monitoramento de qualquer estrutura física e/ou lógica de uma rede. É de extrema importância esse gerenciamento para que se obtenha um bom fluxo no tráfego das

Leia mais

02. A extensão padrão para arquivos de áudio digital no ambiente Windows é:

02. A extensão padrão para arquivos de áudio digital no ambiente Windows é: Prova sobre informática para concursos. 01 A definição de Microcomputador é: a) Equipamento com grade capacidade de memória principal (256 Megabytes), vários processadores, alta velocidade de processamento.

Leia mais

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes

Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes Ferramentas Livres para Monitoramento de Redes SOBRE A AUTORA Estudante de graduação do curso de Bacharelado em Informática Biomédica da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Atualmente participa do grupo

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 2.9 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

Appliance da solução Dispositivo de segurança especializado em proteção contra ataques DDoS

Appliance da solução Dispositivo de segurança especializado em proteção contra ataques DDoS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ITEM 3478-_M.PDF Appliance da solução Dispositivo de segurança especializado em proteção contra ataques DDoS Item/subitem Descrição Exigência.. O appliance da solução

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Introdução à Camada de Aplicação. Prof. Eduardo

Introdução à Camada de Aplicação. Prof. Eduardo Introdução à Camada de Aplicação RC Prof. Eduardo Introdução Você sabe que existem vários tipos de programas na Internet? - Talvez você já tenha notado que existem vários programas diferentes para cada

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES Filipe Herbert da Silva 1, Marco Aurélio G. de Almeida 1, Jonhson de Tarso Silva 1, Karina Buttignon 1 1 Fatec Guaratinguetá,

Leia mais

Acesso Remoto Placas de captura

Acesso Remoto Placas de captura Acesso Remoto Placas de captura 1 instalar o DVR Siga os passos de instalação informados na caixa do produto, após seu perfeito funcionamento vá para próximo passo. 2 Configurá-lo na rede Local O computador

Leia mais

Guia do Usuário Administrativo Bomgar 10.2 Enterprise

Guia do Usuário Administrativo Bomgar 10.2 Enterprise Guia do Usuário Administrativo Bomgar 10.2 Enterprise Índice Introdução 2 Interface administrativa 2 Status 2 Minha conta 3 Opções 3 Equipes de suporte 4 Jumpoint 5 Jump Clients 6 Bomgar Button 6 Mensagens

Leia mais

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas O DIR 635 tem duas opções para liberação de portas: Virtual server: A opção Virtual Server permite que você defina uma única porta pública

Leia mais

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP Programação TCP/IP Protocolos TCP e UDP Tecnologia em Redes de Computadores Unicesp Campus I Prof. Roberto Leal Visão Geral da Camada de Transporte 2 1 Protocolo TCP Transmission Control Protocol Protocolo

Leia mais

Projeto Infra-Estrutura de rede Coordenadores: DIEGO MIRANDA. Projeto Integrador

Projeto Infra-Estrutura de rede Coordenadores: DIEGO MIRANDA. Projeto Integrador Projeto Infra-Estrutura de rede Coordenadores: DIEGO MIRANDA Projeto Integrador 1. Estrutura de Rede 2. Visão do Rack 3. Planta Baixa TI 4. Planta Baixa Geral 5. Tabela de Endereço 6. Tabela Router 7.

Leia mais