ÍNDICE. Relatório de Execução Final Pág. 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. Relatório de Execução Final Pág. 1"

Transcrição

1 ÍNDICE Preâmbulo 3 1 Envolvente Sócio -Económica 6 2 O Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo 11 3 Sistema de Gestão, Acompanhamento e Controlo do Programa Sistema de Informação do Programa Operacional 26 5 Sistema de Publicidade do Programa Operacional 27 6 Coerência, Racionalidade Global e Avaliação Intercalar do PORLVT 29 7 Execução Financeira do PORLVT Execução Global Subprograma A Reforço do Coesão do Território Regional e Melhoria da Qualidade de Vida Subprograma B - Acções de Desenvolvimento de Valor Estratégico Regional Dinamização Regional 42 Relatório de Execução Final Pág. 1

2 8 Realização Física do PORLVT Ambiente Transportes e Acessibilidades Infra-Estruturas e Equipamentos Reabilitação e Valorização Urbana Acções Imateriais 51 9 Avaliação Global da Execução do PORLVT Análise Territorial Domínios de Intervenção Análise por Promotores Avaliação dos Impactes do PORLVT Ambiente Transportes e Acessibilidades Equipamentos Colectivos Acções Imateriais Respeito por outras políticas comunitárias 73 Quadros e Anexos 75 Relatório de Execução Final Pág. 2

3 PREÂMBULO Apesar dos progressos económicos e sociais que a Região de Lisboa e Vale do Tejo vem registando, no início da execução do QCA II, em 1994, ainda eram evidentes as carências em diversos domínios, designadamente os fenómenos de desigualdades e de exclusão, quer a nível territorial quer social. O Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) constituiu uma das sete intervenções regionais específicas integradas no Eixo 4 - Fortalecer a Base Económica Regional - do QCA II para o período , tendo abrangido um território composto por 51 municípios. Durante o seu período de vigência, o PORLVT aprovou um total de 789 projectos correspondentes a 570,8 milhões de EUROS, dos quais 408,1 milhões (71,5%) foram comparticipados pelo FEDER. A Intervenção Operacional consubstanciou-se em três sub-programas, que procuraram atingir outros tantos objectivos estratégicos: Sub-Programa A: Reforço da Coesão do Território Regional e Melhoria da Qualidade de Vida (vertente de actuação ao nível local, privilegiando os centros urbanos de média e pequena dimensão); Sub-Programa B: Acções de Desenvolvimento de Valor Estratégico Regional (privilegiam-se as acções supra-municipais, que visem uma melhoria das acessibilidades, do ambiente e dos equipamentos sócioeconómicos); Sub-Programa C: Dinamização Regional (pretende valorizar-se a competitividade dos sistemas produtivos, apostando na inovação). Relatório de Execução Final Pág. 3

4 O nível de despesa pública realizada e contabilizada pelas entidades gestoras do Programa foi de 569,5 milhões de EUROS, o que permitiu atingir uma taxa de execução global de 101%, sendo este um excelente indicador de execução financeira, tanto mais que se ultrapassaram os montantes inicialmente aprovados pela Comunidade, tendo-se também ultrapassado as metas de realização física em diversos domínios. Os bons níveis de execução financeira e física do Programa resultaram, entre outros factores, da boa operacionalização e eficiência do sistema de gestão, acompanhamento e controlo do Programa Operacional, bem como da capacidade mobilizadora de diversos agentes e instituições na implementação da intervenção (sobretudo autarquias e associações sem fins lucrativos), o que permitiu criar uma dinâmica de parceria coresponsabilizadora de diversos protagonistas na implementação de acções estratégicas de desenvolvimento. Foram diversos os domínios em que se fizeram sentir os efeitos do PORLVT. Pela dimensão do investimento e pelo seu carácter estratégico e/ou inovador destacam-se três. Em primeiro lugar, o ambiente que absorveu aproximadamente 210 milhões de EUROS de investimento (maioritariamente nas sub-regiões Oeste e Vale do Tejo), contribuindo decisivamente para a melhoria dos padrões de qualidade ambiental da Região, particularmente nos segmentos das águas residuais urbanas (cujo taxa de cobertura passou de 41% em 1994 para 72% em 2000) e dos resíduos sólidos (todos os resíduos passaram a ter um destino apropriado na Região, eliminando-se as lixeiras). O sector dos transportes mobilizou também uma grande fatia de recursos (cerca de 1/3 do total), tendo sido construídas infra-estruturas de grande impacte e de largo espectro territorial (sobretudo na AML e no Vale do Tejo); uma melhor articulação e coesão das malhas viárias decorre, também, das pequenas acções apoiadas. Relatório de Execução Final Pág. 4

5 No sector dos equipamentos colectivos, embora as acções apoiadas ainda não tenham conseguido ultrapassar todas as carências quantitativas e qualitativas da Região, foram fundamentais na promoção da qualidade de vida da população e na valorização e qualificação dos centros urbanos, sobretudo nas valências de equipamentos desportivos. A segunda metade da década de 90 ficará seguramente assinalada pela afectação de recursos e investimentos muito significativos na Região de Lisboa e Vale do Tejo, para o qual muito contribuiu o PORLVT, possibilitando a promoção do desenvolvimento integrado e sustentado dos diversos concelhos e sub-regiões. A presente publicação pretende apresentar, de forma sucinta, os principais objectivos e o sistema de gestão, acompanhamento e informação do PORLVT. Ilustram-se, igualmente, os impactes sócio-económicos e territoriais esperados e verificados, bem como a sua execução física e financeira. Abril de 2002 O Presidente António Fonseca Ferreira Relatório de Execução Final Pág. 5

6 1 ENVOLVENTE SÓCIO-ECONÓMICA O Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) abrangeu toda a Região de Lisboa e Vale do Tejo (NUT II), o que compreende uma área de cerca de Km2 (cerca de 13,4% da superfície total do Continente) distribuída por 51 municípios. De acordo com os resultados preliminares dos Censos 2001, a Região de Lisboa e Vale do Tejo possuía habitantes, o que corresponde a 35% do total da população existente no país. A Região de Lisboa e Vale do Tejo lidera o crescimento económico do país, apresentando os maiores índices de produtividade. O perfil produtivo regional reflecte a preponderância do comércio e dos serviços, a qual é induzida pela concentração de actividades económicas e de recursos humanos e institucionais mais qualificados. A actividade industrial, apesar de ser numerosa e diversificada, tem vindo a diminuir a sua contribuição para o produto e para o emprego regional (particularmente na AML), fruto de um processo de reestruturação produtiva favorável à deslocação de algumas actividades para outras regiões do país. O PORLVT como instrumento de apoio ao desenvolvimento dos 51 municípios da RLVT. A Região de Lisboa e Vale do Tejo encontra-se dotada com as melhores infra-estruturas de acessibilidades rodoviárias, ferroviárias, portuárias e aeroportuárias, possuindo, assim, melhores acessibilidades ao nível nacional e internacional. Contudo, subsistem consideráveis disfunções na articulação intermodal e estrangulamentos em algumas parcelas do território regional e, em particular, na AML. Apesar da Região de Lisboa e Vale do Tejo permanecer bem dotada do ponto de vista de equipamentos de apoio à população, persistem grandes distorções no acesso a equipamentos, fruto da sua excessiva concentração em Lisboa e do Características, potencialidades e debilidades da Região de Lisboa e Vale do Tejo. Os valores apresentados pelos Censos 2001 não contemplam o concelho do Gavião, na medida em que este foi recentemente transferido da Região de Lisboa e Vale do Tejo para a Região do Alentejo. Relatório de Execução Final Pág. 6

7 crescimento rápido de algumas áreas periféricas. Também em relação a infra-estruturas de saneamento básico se evidencia a existência de graves carências, quer em áreas densamente urbanizadas (caso da Península de Setúbal) quer em áreas de povoamento disperso (como o Oeste), o que constitui uma ameaça ao ambiente e à qualidade de vida da população. A ocupação do solo na Região de Lisboa e Vale do Tejo tem vindo a caracterizar-se, grosso modo, pela distribuição espacial desordenada e pouco disciplinada de população e actividades; a forte concentração de pessoas e actividades nesta região leva a que as questões de ordenamento do território se coloquem aqui com maior acuidade. De acordo com os Censos 2001, a taxa de crescimento dos edifícios entre 1991 e 2001 foi de 11,3% nesta região, valor semelhante à média nacional, mas substancialmente superior à taxa de crescimento Dinâmica demográfica positiva da RLVT, embora com dinâmicas territoriais distintas. populacional. A evolução demográfica recente da Região de Lisboa e Vale do Tejo permite evidenciar a dinâmica desta Região, com uma taxa de crescimento populacional entre 1981 e 1991 semelhante à média nacional (ligeiramente inferior a 5%). Esta tendência recente de ligeira subida contraria o período anterior caracterizado pela estagnação demográfica. Contudo, ocorreram dinâmicas de evolução muito distintas nas diversas subregiões e concelhos que constituem a Região de Lisboa e Vale do Tejo durante a última década do séc. XX. A Área Metropolitana de Lisboa como um todo voltou a registar um acréscimo populacional (ainda que longe dos valores registados nas décadas de 60 e 70), consequência do alargamento dos fenómenos de suburbanização e de periurbanização a uma segunda coroa de concelhos, quer da margem norte (casos de Sintra, Mafra e V. F. Xira) quer sobretudo da margem sul da AML (Seixal, Alcochete, Palmela, Sesimbra); o crescimento destes concelhos é suficiente para contrabalançar a forte quebra populacional da cidade de Lisboa. Evolução da População na RLVT Sub-Região Var. % AML ,8 Oeste ,3 V.Tejo ,5 RLVT ,8 Portugal ,6 Relatório de Execução Final Pág. 7

8 A sub-região Oeste acentuou o processo de crescimento populacional já evidenciado durante períodos anteriores. De facto, exceptuando os concelhos de Óbidos e da Nazaré, em todos os restantes municípios desta sub-região se registaram acréscimos populacionais, que assumiram maior expressão nas Caldas da Rainha e nos espaços contíguos à Área Metropolitana de Lisboa. Por sua vez, o Vale do Tejo consegue inverter a tendência para a quebra populacional, registando um acréscimo de 2,5%. Não obstante, este valor esconde profundas assimetrias no interior da sub-região, na medida em que coexistem três tipos de situações: concelhos com forte dinâmica demográfica (Benavente, Entroncamento e Ourém), concelhos com quebras populacionais significativas (na sua maioria localizados no leste e nordeste da sub-região) e os restantes caracterizados pela estagnação ou ligeira subida populacional. Componentes da Evolução Demográfica (%) Sub-Região C. Efect. C. Natur. C. Mig. AML 4,8 1,4 3,4 Oeste 7,3-1,2 8,5 V.Tejo 2,5-3,1 5,6 RLVT 4,8 0,5 4,3 Portugal 4,6 0,9 3,7 A evolução demográfica positiva das três sub-regiões que constituem a RLVT deve-se, fundamentalmente, à componente migratória, uma vez que o crescimento natural ou é quase nulo ou apresenta valores negativos. Este facto resulta do decréscimo acentuado da taxa de natalidade, levando ao envelhecimento progressivo da população na Região, à semelhança do que sucede no resto do país. A dinâmica territorial da Região de Lisboa e Vale do Tejo é, em grande medida, determinada pela modelação do sistema urbano regional. Este é dominado pela Área Metropolitana de Lisboa, que compreende aproximadamente mil habitantes (77% do valor total de residentes em toda a Região). A AML apresenta uma crescente especialização em funções terciárias superiores, concentrando um número significativo de infraestruturas e equipamentos; contudo, subsistem diversos problemas de ordenamento do território e de exclusão social fruto de um crescimento urbano muito rápido. Relatório de Execução Final Pág. 8

9 A cidade de Lisboa emerge como a cabeça do sistema urbano regional, não só pelo facto de ser o maior aglomerado populacional do país mas, sobretudo, pelo facto de aí se concentrarem a maioria das actividades económicas, de recursos humanos qualificados e equipamentos e infra-estuturas. A cidade de Setúbal tem vindo a afirmar-se como segundo pólo da AML, apresentando forte taxa de crescimento populacional e habitacional. Fora da AML, podem distinguir-se dois sistemas urbanos sub-regionais fundamentais. O sistema urbano do Oeste, com 339 mil habitantes, baseado num modelo polinucleado, caracteriza-se por possuir uma estrutura de povoamento bastante dispersa (o que tem colocado alguns problemas na dotação de equipamentos e infra-estruturas) onde, apesar de tudo, emergem cinco centros urbanos com um dinamismo assinalável (Caldas da Rainha e Torres Vedras, num primeiro nível hierárquico, e Peniche, Alcobaça e Nazaré, num segundo nível) associados a processos de industrialização difusa, sustentada por um modelo de desenvolvimento endógeno. O sistema urbano do Vale do Tejo, com 445 mil habitantes, também polinucleado, localiza-se numa posição de charneira entre o litoral atractivo e o interior repulsivo, por um lado, e o norte e o sul por outro, assumindo ainda a agricultura um papel relevante na respectiva base económica. No Vale do Tejo existem 9 centros urbanos sedes de concelho com o título de cidade, sendo de destacar, pela sua dimensão demográfica e económica, 4 centros/eixos urbanos (Santarém, que pelo facto de ser capital de distrito, corresponde ao primeiro nível e Tomar, Abrantes e o eixo Torres Novas / Entroncamento que correspondem ao nível hierárquico seguinte). Relatório de Execução Final Pág. 9

10 VARIAÇÃO DA POPULAÇÃO NA RLVT ( ) REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO Sistema urbano regional Ferreira do Zêzere Ourém Tomar Nazaré Sardoal Alcobaça Torres Novas Alcanena Constância Abrantes Gavião Peniche Óbidos Bombarral Caldas da Rainha Rio Maior V.N. Barquinha Entroncamento Golegã Chamusca Santarém Alpiarça Lourinhã Cadaval Almeirim Cartaxo Torres Vedras Mafra Alenquer Sobral de M. Agraço Arruda dos Vinhos V.F. Xira Loures Azambuja Benavente Salvaterra de Magos Coruche Área Metropolitana de Lisboa - Norte Área Metropolitana de Lisboa - Sul Oeste Lezíria do Tejo Médio Tejo Sintra Cascais Oeiras Amadora Almada Seixal Lisboa Barreiro Alcochete Montijo Moita Palmela Setúbal Pólo Central 1ª Ordem 2ª Ordem Pólos Estruturantes 3ª Ordem Sesimbra 0 25 km Supra-locais Pólos Complementares Locais Concertação Inter Sub-Sistemas Urbanos Fonte : Censos 2001, INE Fonte : CCRLVT/CEDRU Relatório de Execução Final Pág. 10

11 2 O PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO O Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT), constituiu uma das sete intervenções regionais específicas integradas no Eixo 4 - Fortalecer a Base Económica Regional - do segundo Quadro Comunitário de Apoio (QCA II) para Portugal no período A área de actuação do PORLVT abrangeu todos os 51 municípios integrados na NUTE II da Região de Lisboa e Vale do Tejo. A programação inicial da Intervenção Operacional, aprovada pela Decisão Comunitária C(94)381/5, de , (FEDER nº e ARINCO nº 94.PT ) previa um investimento público de mil EUROS (cerca de 100,9 milhões de contos), dos quais cerca de 75% teriam origem no FEDER. O valor final, aprovado pela Decisão Comunitária C(1999)2174, de , ascendeu a mil EUROS (cerca de 111,186 milhões de contos) O PORLVT como instrumento financeiro, mobilizando cerca de 515 milhões de EUROS de investimento. O PORLVT procurou dar resposta a três objectivos estratégicos para a Região, que foram previamente definidos no Plano de Desenvolvimento Regional de Portugal para o período : Reforçar a coesão do território regional e melhorar a qualidade de vida; Incrementar a competitividade da economia regional; Dinamizar a estrutura produtiva. Para atingir estes objectivos estratégicos, o PORLVT consubstanciou-se em outros tantos Sub-Programas: O PORLVT compreendeu três objectivos estratégicos e outros tantos Sub-Programas. Relatório de Execução Final Pág. 11

12 Sub-Programa A - Reforço da Coesão do Território Regional e Melhoria da Qualidade de Vida A concretização deste Sub-Programa procurou melhorar a qualidade de vida dos centros urbanos de pequena e média dimensão, através da sua dotação em equipamentos e infra-estruturas. Pretendeu-se, pois, responder às tendências recentes da população portuguesa na ocupação e organização do território, a qual tem mostrado uma forte apetência pelos espaços urbanos não metropolitanos, designadamente pelas sedes de concelho. O Sub-Programa A programou para o período de um investimento de cerca de 228 milhões de EUROS, cerca de 44,3% do total do PORLVT. Por forma a tornar mais operativa a sua execução, este Sub-Programa foi estruturado em três unidades: Área Metropolitana de Lisboa (correspondente às NUTE da Grande Lisboa e da Península de Setúbal, às quais acrescem os concelhos de Mafra e da Azambuja), Vale do Tejo (NUTE da Lezíria e do Médio Tejo, exceptuando Azambuja) e Oeste (NUTE do mesmo nome, exceptuando Mafra). Era constituída por uma só medida que integrava cinco domínios essenciais: Acessibilidades e transportes - contemplando o incremento e fecho das malhas municipais, a melhoria das condições de circulação urbana, a beneficiação e remodelação dos caminhos rurais e a criação de estruturas de apoio aos transportes; Saneamento básico e aproveitamento hidráulico - contemplando quer a construção, beneficiação ou remodelação de redes e órgãos das redes (incluindo estruturas orientadas para a realização e gestão de sistemas, laboratórios direccionados para o controlo e a monitorização dos parâmetros de qualidade definidos) quer a construção de pequenas barragens e represas; Valorização do património - englobando quer as acções de recuperação e valorização de conjuntos e elementos com valor arquitectónico, histórico e urbanístico quer acções de protecção e valorização de espaços naturais; Finalidades e montante financeiro do Sub-Programa A. Domínios de intervenção do Sub- Programa A. Relatório de Execução Final Pág. 12

13 Equipamentos sociais - integrando acções no âmbito da construção ou remodelação de estabelecimentos de ensino básico, de cultura, lazer e desporto e de outros equipamentos de utilização colectiva; Infra-estruturas de apoio à actividade produtiva - englobando quer infra-estruturas de áreas e loteamentos industriais quer construção, beneficiação ou remodelação de equipamentos de apoio ao turismo e à promoção local. Sub-Programa B - Acções de Desenvolvimento de Valor Estratégico Regional Este Sub-Programa visou o reforço da coesão supra-local, através da aposta em estratégias que valorizem as redes de sinergias e de complementaridades entre os diversos centros urbanos da Região de Lisboa e Vale do Tejo. Reforçada a coesão regional e a requalificação do sistema urbano, desenvolveram-se efeitos multiplicadores para o processo de desenvolvimento de toda a região. Finalidades e montante financeiro do Sub-Programa B. A programação financeira inicial do PORLVT consignou a este Sub-Programa, cerca de, 235 milhões de EUROS de investimento, o que representou 45,6% do total. A concretização dos objectivos definidos para o Sub-Programa B foi efectuada através de acções enquadradas por três Medidas:? Medida 1 Transportes e Acessibilidades que representou cerca de 34% do investimento previsto para o Sub-Programa, pretendeu atingir os seguintes objectivos específicos: aumentar a grande articulação entre as redes viárias fundamental e regional; criar, melhorar e complementar infra-estruturas de apoio ao sistema de transportes.? Medida 2 Ambiente absorveu aproximadamente 56% da despesa pública do Sub-Programa B, pretendendo atingir os seguintes objectivos específicos: desenvolvimento de sistemas integrados de abastecimento de água, com origem controlada; Estrutura do Sub-Programa B por Medidas e respectivos objectivos específicos. Relatório de Execução Final Pág. 13

14 desenvolvimento de sistemas integrados de águas residuais (incluindo o tratamento final); desenvolvimento de sistemas integrados de tratamento de resíduos sólidos.? Medida 3 Equipamentos Sócio-Económicos que representou cerca de 10% do investimento previsto para o Sub-Programa, procurou atingir os seguintes objectivos específicos: potenciar o aproveitamento das capacidades e recursos locais, designadamente através da promoção da educação, dos recursos turísticos e dos recursos patrimoniais; contribuir para o fortalecimento da economia regional, agindo quer no domínio da implantação física das empresas, quer no domínio da respectiva inserção nos mercados. Sub-Programa C - Dinamização Regional Com este Sub-Programa pretendeu-se promover o desenvolvimento integrado e sustentado da Região, contemplando várias dimensões, através da conjugação de dois tipos de dinamismos: por um lado, os de natureza endógena, que se relacionam com a capacidade de potencialização dos recursos existentes e, por outro, os exógenos, que resultarão da captação de investimentos exteriores ao seu espaço, designadamente em sectores inovadores. Visou-se, fundamentalmente, o aumento da competitividade regional através da valorização da flexibilidade, da inovação dos sistemas produtivos, e do acesso à informação. Finalidades e montante financeiro do Sub-Programa C. O Sub-Programa C, para o período de 1994 a 1999, previa um investimento total da ordem dos 52 milhões de EUROS (10,1% do Total do PORLVT), organizando-se em duas grandes linhas de intervenção:? Medida 1 Promoção da Actividade Económica - que representou cerca de 72% do investimento previsto para o Sub-Programa, teve como objectivos específicos os seguintes: Estrutura do Sub-Programa C por Medidas e respectivos objectivos específicos. Relatório de Execução Final Pág. 14

15 promover o envolvimento dos agentes económicos, sociais e institucionais em dinâmicas geradoras de desenvolvimento; apoiar núcleos de dinamização, inovação e de prestação de serviços, que contribuam para a criação de um enquadramento favorável às empresas e reforcem os factores dinâmicos de competitividade; estimular iniciativas que contribuam para o fortalecimento da posição concorrencial das empresas e para a consolidação do perfil produtivo regional.? Medida 2 Assistência Técnica absorveu 28% do investimento previsto para o Sub-Programa, pretendendo atingir os seguintes objectivos específicos: apoiar a realização de estudos de suporte à tomada de decisão sobre acções de desenvolvimento; criar instrumentos de apoio ao planeamento e ao ordenamento do território. Pela Decisão Comunitária C(1998) 1048, de , o Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo, foi reforçado, passando a ser de mil EUROS de investimento público, dos quais mil EUROS tinham origem no FEDER. Viu, ainda, pela Decisão Comunitária C(1098) 3602, de , contemplado um novo reforço financeiro, passando, assim, o montante de investimento público do Programa Operacional, ser de mil EUROS, dos quais mil EUROS tinham origem no FEDER. A Decisão Comunitária C(1999) 2174, de , aprovou uma reprogramação do Programa, que consistiu no ajustamento da programação em anos anteriores, ajustando-a à execução, e numa reafectação de verbas do Subprograma C Dinamização Regional, para o Subprograma B - Acções Específicas de Valorização Territorial. O investimento público passou a ser de mil EUROS, mantendo-se o mesmo montante de subvenção comunitária do FEDER. Programação/reprogramação do PORLVT Subprogramas/Medidas A - Reforço da Coesão do Território Regional e Melhoria da Qualidade de Vida B - Acções de Desenvolvimento de Valor Estratégico Regional.nº C(94) 381/ Decisão Comunitária nº C(98) Un.: mil euros nº C(98) nº C(99) B1 - Transp.e Acessibil B2 - Ambiente B3 - Eq. sócio-económicos C - Dinamiz. Reg C1 - Prom. da Act. Econ C2 - Assistência Técnica TOTAL Relatório de Execução Final Pág. 15

16 Sub-Programa A Reforço da Coesão do Território e Melhoria da Qualidade de Vida Sub-Programa B Acções de Desenvolvimento de Valor Estratégico Regional Sub-Programa C Dinamização Regional LÓGICA ORGANIZACIONAL DO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO. CONTRATUALIZAÇÕES: MEDIDAS: MEDIDAS: AML Oeste Vale do Tejo Transportes e Acessibilidades Ambiente Equipamentos Sócio Económicos Promoção da Actividade Económica Assistência Técnica Relatório de Execução Final Pág. 16

17 3 SISTEMA DE GESTÃO, ACOMPANHAMENTO E CONTROLO DO PROGRAMA O Decreto-Lei nº 99/94, de 19 de Abril, definiu a estrutura orgânica relativa à gestão, acompanhamento, avaliação e controlo de execução do Quadro Comunitário de Apoio (QCA) para as intervenções estruturais comunitárias relativas a Portugal. O Despacho Conjunto dos membros do governo com responsabilidade no FEDER de 3 de Junho de 1994 criou as unidades de gestão dos três sub-programas do PORLVT, definindo, simultaneamente, as respectivas composições e competências. Por conseguinte, as funções de Coordenação, Gestão, Acompanhamento, Avaliação e Controlo da execução do PORLVT exerciam-se sempre a dois níveis: o global do QCA e o específico do Programa Operacional. A Coordenação e Gestão Global do QCA, da competência da Comissão de Gestão dos Fundos Comunitários, sendo presidida pelo Director-Geral do Desenvolvimento Regional e tendo, como outros participantes, dirigentes responsáveis pela gestão nacional do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, do Fundo Social Europeu, do Fundo Europeu de Orientação e Garantia Agrícola (Secção Orientação), do Instrumento Financeiro de Orientação das Pescas (IFOP) e do Fundo de Coesão. O Acompanhamento da Execução Global do QCA incumbia a uma Comissão de Acompanhamento para análise dos impactes sócio-económicos da execução do QCA, reunindo ordinariamente duas vezes por ano e, extraordinariamente, a pedido dos representantes da CE ou das autoridades portuguesas; esta Comissão é presidida pelo Presidente da Comissão de Gestão, integrando membros de diversas entidades. O acompanhamento da execução do QCA foi sustentado por um sistema de informação de base geográfica. Coordenação, Gestão e Acompanhamento Global do QCA II. Relatório de Execução Final Pág. 17

18 No que diz respeito às funções de coordenação e gestão específicas do PORLVT, estas assentaram numa estrutura presidida pelo Presidente da CCRLVT; a gestão específica do PORLVT incumbia a um Gestor com as seguintes competências: propor a regulamentação e assegurar a organização dos processos de candidatura ao financiamento pela intervenção respectiva; assegurar o cumprimento por cada projecto das normas nacionais e comunitárias aplicáveis; assegurar que são cumpridas as condições de cobertura orçamental dos projectos; aprovar candidaturas de projectos, uma vez obtido o parecer da unidade de gestão; apreciar da conformidade de pedidos de pagamento que sejam apresentados pelos executores de projectos e efectuar os pagamentos; assegurar que seja instituído um sistema de controlo adequado a uma verificação dos processos de candidaturas e de pagamentos conforme os normativos aplicáveis; elaborar o relatório de execução do Programa Operacional. Competências do Gestor específico do PORLVT. Nas suas funções o Gestor foi apoiado por Unidades de Gestão, que possuíam as seguintes competências: propor, aos membros do governo com responsabilidade nos fundos comunitários envolvidos, a aprovação do seu regulamento interno; dar parecer sobre os projectos de decisão do Gestor relativos a candidaturas ao financiamento pelo Programa Operacional; dar parecer sobre os projectos de relatório de execução feitos pelo Gestor; acompanhar e dar parecer sobre o sistema de controlo e avaliação. Competências das Unidades de Gestão do PORLVT. Estas Unidades de Gestão reúnem e apresentam uma composição própria de acordo com cada um dos Sub- Programas do PORLVT: Relatório de Execução Final Pág. 18

19 Composição da Unidade de Gestão do Sub-Programa A: o Gestor do Programa; dois representantes dos municípios da AML; dois representantes dos municípios da sub-região do Oeste; dois representantes da sub-região do Vale do Tejo (um da Lezíria e outro do Médio Tejo). Na sequência da estruturação do Sub-Programa A em três unidades territoriais, este Sub-Programa foi contratualizado (através de contratos-programa) com as entidades associativas representativas dos municípios daquelas unidades territoriais: i) a Junta Metropolitana de Lisboa; ii) as Associações dos Municípios da Lezíria e do Médio do Tejo; iii) a Associação de Municípios do Oeste. Deste modo, permitiu-se a criação de três foruns de envolvimento, de discussão e de concertação das estratégias e prioridades de cada município, as quais estavam balizadas pelo regulamento e objectivos do PORLVT. Composição da Unidade de Gestão do Sub-Programa B: o Gestor do Programa; um representante da Direcção-Geral do Desenvolvimento Regional; um representante da Direcção-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano; um representante dos municípios da sub-região da Área Metropolitana de Lisboa; um representante dos municípios da sub-região do Oeste; um representante dos municípios da sub-região do Vale do Tejo. Composição da Unidade de Gestão do Sub-Programa C: o Gestor do Programa; um representante do Conselho da Região; um representante da Direcção-Geral do Desenvolvimento Regional; Composição das três Unidades de Gestão do PORLVT. Reuniões das Unidades de Gestão Sub-Programa Ano A* B C Total * Inclui AML, Oeste e V.Tejo Relatório de Execução Final Pág. 19

20 um representante da Associação Empresarial da Região de Lisboa; um representante do Núcleo Empresarial de Santarém; um representante da Associação Empresarial da Região de Setúbal; um representante do Núcleo Empresarial de Leiria (suplente). No caso dos Sub-Programas B e C, sempre que estivessem em análise assuntos do seu interesse directo, outras entidades podiam integrar as respectivas Unidades de Gestão, tais como os Directores Regionais de Organismos Desconcentrados da Administração Central (Educação, Saúde, Ambiente, Junta Autónoma de Estradas, Indústria e Energia e Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico). Durante os anos de vigência do PORLVT foram realizadas diversas reuniões das três Unidades de Gestão do PORLVT. O acompanhamento específico da execução do PORLVT e a avaliação dos seus impactes sócio-económicos incumbia a uma Unidade de Acompanhamento. Esta era presidida pelo Director-Geral do Desenvolvimento Regional e integrava as seguintes entidades: Presidente da Comissão de Coordenação da Região de Lisboa e Vale do Tejo; os membros das Unidades de Gestão da Intervenção Operacional; representantes das entidades responsáveis pela gestão nacional dos fundos comunitários envolvidos; representantes da Comissão Europeia e do Banco Europeu de Investimento; Presidente do Conselho da Região; representantes das Direcções Regionais dos Departamentos ministeriais envolvidos. Competia à Unidade de Acompanhamento, para além do previsto na Decisão (CEE) nº C (94) 376, acompanhar a realização de toda a intervenção operacional. Durante o período de vigência do PORLVT esta Unidade de Acompanhamento reuniu dez vezes (geralmente duas vezes por ano). Composição e competências da Unidade de Acompanhamento específica do PORLVT. Dez reuniões da Unidade de Acompanhamento do PORLVT entre 1994 e Relatório de Execução Final Pág. 20

REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ARRUDA DOS VINHOS 1ª FASE CARACTERIZAÇÃO E DIAGNÓSTICO

REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ARRUDA DOS VINHOS 1ª FASE CARACTERIZAÇÃO E DIAGNÓSTICO REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ARRUDA DOS VINHOS 1ª FASE CARACTERIZAÇÃO E DIAGNÓSTICO ÍNDICE DE VOLUMES : VOLUME I ENQUADRAMENTO REGIONAL VOLUME II SISTEMA BIOFÍSICO VOLUME III SISTEMA SÓCIO-ECONÓMICO

Leia mais

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Informação à Comunicação Social 25 de Fevereiro de 2003 MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Deslocações entre o local de residência e o local de trabalho / estudo PORTUGAL MINISTÉRIO

Leia mais

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 26 de Setembro de 2003 Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 PORTUGAL A análise dos movimentos pendulares

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI 1 15 de Maio de 2013 Auditório

Leia mais

Construção, Ampliação ou Remodelação de Cemitérios

Construção, Ampliação ou Remodelação de Cemitérios NORMA DE PROCEDIMENTOS Abril de 2008 12 / OT Tramitação da vistoria para a Construção, Ampliação ou Remodelação de Cemitérios 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos

Leia mais

08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO

08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO 08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO Aprovação do Relatório de Execução de 2010 Estrutura do Relatório de Execução 2010 Estrutura do Relatório de Execução de 2010 do PORL: 1. Apresentação

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA Relatório de 2000 1. Introdução e enquadramento. 1.1 Apresentação e síntese do documento O relatório de 2000 do Programa Operacional da Cultura, constitui o 1º relatório

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Qualificação do Sistema de Transportes Públicos de Passageiros

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Qualificação do Sistema de Transportes Públicos de Passageiros Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Qualificação do Sistema de Transportes Públicos de Passageiros Aviso para apresentação de candidaturas em contínuo Qualificação do Sistema de Transportes

Leia mais

Entrada em vigor em 9/08/2012 na redação dada pela deliberação CMC POVT de 8/08/2012

Entrada em vigor em 9/08/2012 na redação dada pela deliberação CMC POVT de 8/08/2012 Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Programa Operacional Valorização do Território Deliberações CMC POVT: 15/10/2007, 19/02/2008, 26/08/2009, 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Qualificação dos Níveis de Serviço da Rede EENN e EEMM

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Qualificação dos Níveis de Serviço da Rede EENN e EEMM Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Qualificação dos Níveis de Serviço da Rede EENN e EEMM Aviso para apresentação de candidaturas em contínuo Qualificação dos Níveis de Serviço da Rede

Leia mais

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO N.

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO N. EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO REGULAMENTO ESPECÍFICO: SISTEMA DE APOIO A ÁREAS DE ACOLHIMENTO EMPRESARIAL E LOGÍSTICA AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM

Leia mais

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA PME INVESTE As Linhas de Crédito PME INVESTE têm como objectivo facilitar o acesso das PME ao crédito bancário, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da redução do risco das operações

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 -

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana

Leia mais

Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo

Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo LISBOA DE GEOGRAFIA VARIÁVEL... Perspectiva administrativa: Área Metropolitana de

Leia mais

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES 2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES Aceleração da execução A execução do QCAIII atingia, no final do 1.º semestre de 2001, uma taxa de execução acumulada de cerca de 29% face ao

Leia mais

Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos:

Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos: Relevância da escala inter-municipal na operacionalização de sistemas urbanos policêntricos: exemplificação em territórios de baixa densidade* Tema 1: Desenvolvimento, competitividade e cooperação inter-municipal

Leia mais

INDICE... I NOTA INTRODUTÓRIA... III 1. MODIFICAÇÕES DAS CONDIÇÕES GERAIS COM IMPORTÂNCIA RELEVANTE PARA A EXECUÇÃO DA INTERVENÇÃO...

INDICE... I NOTA INTRODUTÓRIA... III 1. MODIFICAÇÕES DAS CONDIÇÕES GERAIS COM IMPORTÂNCIA RELEVANTE PARA A EXECUÇÃO DA INTERVENÇÃO... Aprovado Consulta Escrita 2 a 11 de Junho e 14ª Reunião da Comissão de Acompanhamento 17 de Junho de 2008 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 2007 PORLVT INDICE INDICE... I NOTA INTRODUTÓRIA... III 1. MODIFICAÇÕES

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Mobilidade Territorial

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Mobilidade Territorial Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Mobilidade Territorial Convite Público à Apresentação de Candidaturas no domínio dos Sistemas ferroviários ligeiros (metro) MT/01/2008 MOBILIDADE TERRITORIAL

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Convite Público para Apresentação de Candidaturas Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Aviso relativo

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Conselho Regional da RLVT. Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20

Conselho Regional da RLVT. Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20 Conselho Regional da RLVT Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20 19 de fevereiro de 2013 Domínios-Chave Crescimento Inteligente Crescimento Inclusivo Crescimento Sustentável

Leia mais

Programa Operacional Regional de Lisboa

Programa Operacional Regional de Lisboa AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM REGIME DE APROVAÇÃO CONDICIONADA - OVERBOOKING Considerando que a dotação global do Programa Operacional já está comprometida, não existindo recursos financeiros,

Leia mais

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO REGULAMENTO ESPECÍFICO: ENERGIA AVISO N.º 2/E/BA ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO COM EXTRACÇÕES TRIMESTRAIS Na sequência

Leia mais

Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais

Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Programa Operacional Valorização do Território Deliberações CMC POR: 26/03/2008, 17/04/2009, 14/08/2009, 20/04/2010,

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica

Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) Programas Operacionais Regionais do Continente REGULAMENTO ESPECÍFICO Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base

Leia mais

Aviso - ALG-28-2015-11

Aviso - ALG-28-2015-11 Eixo Prioritário 5 Investir no Emprego OT 8 Promover a Sustentabilidade e a Qualidade do Emprego, e Apoiar a Mobilidade dos Trabalhadores PI 8.9 Apoio ao crescimento propício ao emprego, através do desenvolvimento

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DA CGD PARA A COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO LINHA DE CRÉDITO CGD/BEI E SUBVENÇÃO GLOBAL (APOIO AO QCA II)

RELATÓRIO FINAL DA CGD PARA A COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO LINHA DE CRÉDITO CGD/BEI E SUBVENÇÃO GLOBAL (APOIO AO QCA II) RELATÓRIO FINAL DA CGD PARA A COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO LINHA DE CRÉDITO CGD/BEI E SUBVENÇÃO GLOBAL (APOIO AO QCA II) ÍNDICE A. LINHA DE CRÉDITO CGD/BEI Pag. 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 1 2. UTILIZAÇÃO DA

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística

Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística REGULAMENTO ESPECÍFICO Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento define as condições de acesso e as regras

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

ACÇÃO INTEGRADA DE BASE TERRITORIAL VALORIZAÇÃO DO TEJO

ACÇÃO INTEGRADA DE BASE TERRITORIAL VALORIZAÇÃO DO TEJO ACÇÃO INTEGRADA DE BASE TERRITORIAL VALORIZAÇÃO DO TEJO ANTÓNIO MARQUES LISBOA > LNEC > 25 NOVEMBRO 2010 De onde partimos? Como fizemos? Onde chegamos? ? De onde partimos ACÇÃO INTEGRADA DE BASE TERRITORIAL

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade»

QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade» QREN (2007-2013) PARTE IV Fichas Resumo prioridade «Factores de competitividade» SISTEMA DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO DAS EMPRESAS 1 Os sistemas de incentivos ao investimento das empresas são um dos instrumentos

Leia mais

síntese da execução financeira em Novembro de 2007 QCA III

síntese da execução financeira em Novembro de 2007 QCA III 2007 síntese da execução financeira em Novembro de 2007 QCA III QCA III síntese da execução financeira em Novembro 2007 QCA III síntese da execução financeira em Novembro 2007 Comissão de Gestão do QCA

Leia mais

4. Visão e objectivos estratégicos

4. Visão e objectivos estratégicos A visão que se propõe para o futuro do Município da Sertã consubstancia-se em VENCER O FUTURO, CONSTRUINDO UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Esta visão, sustentada na contextualização sócio-económica e ambiental

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS Destina-se a apoiar. nas explorações agrícolas para a produção primária de produtos agrícolas - Componente 1. na transformação e/ou comercialização de produtos agrícolas

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

I. PLANEAMENTO, NEGOCIAÇÃO E ESTRUTURA DO QCA III...2. I.1. Do PNDES ao QCA III: estratégia, programação e negociação...2

I. PLANEAMENTO, NEGOCIAÇÃO E ESTRUTURA DO QCA III...2. I.1. Do PNDES ao QCA III: estratégia, programação e negociação...2 ÍNDICE I. PLANEAMENTO, NEGOCIAÇÃO E ESTRUTURA DO QCA III...2 I.1. Do PNDES ao QCA III: estratégia, programação e negociação...2 I.2. Objectivos prioritários do QCA III...6 I.3. A Estrutura do Financiamento

Leia mais

Criar Valor com o Território

Criar Valor com o Território Os territórios como ativos 4 O VALORIZAR é um programa de valorização económica de territórios, que os vê como ativos de desenvolvimento e geração de riqueza e emprego. 5 é a sua visão e a sua assinatura.

Leia mais

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Centro Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional de Lisboa Autoridade

Leia mais

REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL Fundo de Desenvolvimento Urbano JESSICA/CGD

REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL Fundo de Desenvolvimento Urbano JESSICA/CGD REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL Fundo de Desenvolvimento Urbano JESSICA/CGD SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA Porto, 03 de Abril 2013 Caixa Geral de Depósitos 2013 03 de Abril 1 A reabilitação urbana e a regeneração

Leia mais

o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1

o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1 o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1 Maria Júlia Ferreira 2 Resumo: Palavras-chave Estratégias habitacionais; territórios residenciais;

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Leia mais

Regulamento Específico - Economia Digital e Sociedade do Conhecimento

Regulamento Específico - Economia Digital e Sociedade do Conhecimento ECONOMIA DIGITAL E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO (EDSC) DOS PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento define as condições de atribuição

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Convite Público para Apresentação de Candidaturas Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Aviso relativo

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS E APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES/COLECTIVIDADES SEM FINS LUCRATIVOS DO MUNICÍPIO DE BORBA Praça da República 7150-249 Borba Telf.: 268 891 630 Fax: 268 894 806 balcaounico@cm-borba.pt

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso das operações a apoiar no âmbito da Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos, para:

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 Dotação financeira: 2.155 M FEDER: 1.751

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Fundo Social Europeu Ministério das Finanças

Fundo Social Europeu Ministério das Finanças P R O G R A M A O P E R A C I O N A L INICIATIVA COMUNITÁRIA PME Relatório Final Medida 4 Formação Profissional Relatório de Execução 1999 Relatório Final 1994-99 Fundo Social Europeu Ministério das Finanças

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Planos de Mobilidade e Transportes em Portugal e SUMP - conceitos

Planos de Mobilidade e Transportes em Portugal e SUMP - conceitos Planos de obilidade e Transportes em Portugal e SUP - conceitos IT, Gabinete de Planeamento, Inovação e Avaliação aria Isabel Seabra icseabra@imt ip.pt 4 de junho de 2015 Portugal e a obilidade Sustentável

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) Neste orçamento, o Município ajustou, as dotações para despesas de investimento, ao momento de austeridade que o país

Leia mais

Assistência Técnica FEDER

Assistência Técnica FEDER Programa Operacional Assistência Técnica FEDER 2007-2013 Relatório Anual de Execução 2 0 0 9 Ficha Técnica Título: Programa Operacional de Assistência Técnica FEDER 2007-2013 Relatório Anual de Execução

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»?

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? No actual cenário económico-financeiro do Mundo e do País, é obrigação de todas as entidades públicas, à sua escala, promoverem medidas de apoio às empresas e às famílias

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE PREÂMBULO

REGULAMENTO ORGÂNICO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE PREÂMBULO REGULAMENTO ORGÂNICO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE PREÂMBULO Com a aprovação e publicação do novo quadro de atribuições e competências das Comunidades Intermunicipais, aprovado pela Lei nº 45/2008,

Leia mais

SI QUALIFICAÇÃO DE PME

SI QUALIFICAÇÃO DE PME SI QUALIFICAÇÃO DE PME SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (AVISOS DE CANDIDATURA MAIO 2010) TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO Principais linhas de evolução e transformação da paisa social e económica regional População A região, inserida no contexto português

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

GFAPPPE GESTÃO, FINANCIAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E POLÍTICAS PÚBLICAS ESTRUTURAIS

GFAPPPE GESTÃO, FINANCIAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E POLÍTICAS PÚBLICAS ESTRUTURAIS GFAPPPE GESTÃO, FINANCIAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E POLÍTICAS PÚBLICAS ESTRUTURAIS Luís Mendes Barata Professor Auxiliar Convidado I APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA O objectivo fundamental desta disciplina

Leia mais