denº 23 - Novembro de 2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "denº 23 - Novembro de 2005"

Transcrição

1 TURISMO LISBOA denº 23 - Novembro de 2005 Concorrência nos Short e City Breaks Lisboa penalizada pelo transporte aéreo Ministro Mário Lino afasta low cost de Lisboa OBSERVATÓRIO do TURISMO de LISBOA NO INTERIOR Índice LISBOA 1343 Outubro de 2005 Lisboa vista de fora New York Times elogia animação lisboeta MTV dá Best Host City Award a Lisboa Audiência atinge mil milhões de telespectadores

2

3 ÍNDICE Editorial, por Carlos Ornelas Monteiro... 6 Noticiário Nacional... 8 Noticiário Internacional Observatório Entrevista Boletim Interno Market Place A Fechar, por Vítor Costa Visões por João Lagos, Manuel Graça Dias e Fernando Nobre Lisboa vai ter 132 novos hotéis? LISBOA-DAKAR Pela primeira vez nos 28 anos de existência da prova, o Rali Dakar ficou com as inscrições fechadas a seis meses da partida. Pág. 4 Custo do transporte aéreo penaliza Lisboa Um estudo realizado pelo Observatório do Turismo de Lisboa concluiu que Lisboa fica a perder para a concorrência mais directa nos short city breaks, em grande parte pelo peso do transporte no custo final da viagem. Pág. 16 Entrevista com Mário Assis Ferreira Quando já falta menos de meio ano para o Casino Lisboa abrir as portas, a RTL quis saber, junto do presidente da Estoril-Sol, o que este novo equipamento vai trazer para a cidade e para a Região de Lisboa. Pág Até 2010, vão ser construídas 132 novas unidades hoteleiras na região da Grande Lisboa, que constituem a maioria dos 179 hotéis a instalar no país. Segundo um estudo da consultora imobiliária Cushman & Wakefield Healy & Baker, citado pela revista Visão, Lisboa tem a maior fatia, a que se segue o Algarve, com 32 novos hotéis. Os Açores recebem seis novas unidades, tantas como a região do Alentejo, e a Madeira, as restantes três.

4 VISÕES Lisboa-Dakar motiva entusiasmo sem prec João Lagos Presidente da João Lagos Sports 4 Que benefícios vai trazer o Rali Dakar a Lisboa e a Portugal, nomeadamente em termos turísticos? O rali Dakar já realizou 27 edições e é, sem dúvida, um dos eventos mais mediáticos no mundo. O facto inédito da partida para a 28ª edição ser organizada em Lisboa, põe o rali mais perto de África e obriga a que a concentração dos cerca de 700 concorrentes e de milhares de pessoas ligadas à organização, se faça na nossa cidade. A João Lagos Sports ao concretizar este desejo de milhares de aficionados e dos praticantes portugueses de Todo Terreno, põe estas máquinas do deserto ao alcance de todos quantos as queiram visitar na zona de concentração (junto ao Mosteiro dos Jerónimos donde, no dia 31 de Dezembro, será dada também a partida), ou que queiram acompanhar as duas provas especiais que se irão realizar, pela primeira vez em território europeu, em dois troços, o primeiro situado entre Lisboa ao Algarve e o segundo, com saída de Portimão, no dia 1 Janeiro, até à fronteira, já que a caravana embarcará para Marrocos a partir de Málaga. O programa completo e os horários previstos poderão ser consultados atempadamente na abundante documentação impressa e electrónica que na altura estará disponível. Um evento desta envergadura traz benefícios à cidade, desde logo os directos, na hotelaria, comércio, serviços, bastando calcular que se cada pessoa, directamente ligada ao evento e que aqui se desloca, gastar um mínimo de 150 euros por dia entre dormida, refeições e compras durante os 4/5 dias da concentração antes da partida, teremos, por alto, um valor não inferior a de euros, provavelmente muito superior, se considerarmos os custos com os serviços diversos necessários à organização e os gastos daqueles que aqui se deslocarão apenas para ver as máquinas e a partida. Por outro lado, os benefícios mediáticos serão tremendos: o nome da cidade estará sempre ligado ao rali designado Lisboa-Dakar e figurará nas centenas de horas de emissão de televisão para todo o mundo, nas reportagens, artigos e crónicas que serão enviados para todo o mundo, ajudando a consolidar a imagem de Lisboa, como uma cidade aberta, atlântica, desde sempre ponto de partida para grandes aventuras, e de convergência para os viajantes de todo o mundo. Pela primeira vez nos 28 anos de existência da prova, o Rali Dakar ficou com as inscrições fechadas a seis meses da partida. O director daquele que é considerado o rali mais duro do mundo, Etiénne Lavigne, está consciente de que muita gente ficou insatisfeita e decepcionada, já que o Dakar nunca tinha conhecido um tal entusiasmo desde a sua criação, não só em França mas também noutros países estrangeiros, que constituem 70 por cento das inscrições. Foram muitos os pedidos que continuaram a chegar, mesmo depois de ter sido anunciado que o Dakar já estava esgotado. De facto, em Julho, já não havia lugares disponíveis em qualquer uma das categorias automóveis, motos, camiões e assistência. No total, estão inscritos 748 veículos, 508 dos quais em prova (240 motos, 188 automóveis e 80 camiões), numa edição que envolve 1700 concorrentes, 300 organizadores, 250 jornalistas (contando apenas os que estão integrados na caravana), 90 pilotos de aviação e pessoal de manutenção que vão garantir a operacionalidade de 19 aviões e dez helicópteros. Com 40 nações representadas, o rali confirma o seu carácter internacional. Os franceses serão o maior lote, com 33% dos inscritos, diante dos espanhóis, belgas, holandeses e italianos. Observa-se o reforço de outra tendência: o Dakar abre-se um pouco mais cada ano às mulheres. Serão 23 na partida de Lisboa: 8 em moto e 15 para as categorias Carro e Camião. Noutra vertente, muitos serão os que tentam a aventura pela primeira vez. Com efeito, estarão presentes 38% de caloiros em moto e 8% em automóvel. Visibilidade de Lisboa assegurada A palavra LISBOA estará presente em toda a comunicação da prova, que vai ser acompanhada por milhões de pessoas em todo o mundo. Para ter uma ideia mais aproximada do que a partida do Dakar vai representar para Lisboa e para o País, os números de 2005 ajudam a perceber que se trata de um evento catalisador de atenções, com uma forte mediatização. Na última edição, a prova foi acompanhada por mais de 780 representantes de meios de comunicação social dos cinco continentes, com 25 nacionalidades representadas. Apenas para a cobertura da Grande Partida, a organização acreditou mais de 440 pessoas ligadas aos media. Só em França, país de origem da prova, foram escritos mais de 2400 trabalhos jornalísticos sobre o Dakar, no período entre 20 de Dezembro de 2004 e 1 de Fevereiro de 2005, o que representa uma difusão acumulada de 186 milhões de exemplares. No que diz respeito às transmissões televisivas, em 2005, 84 canais difundiram programas dedicados ao rali, em 187 países, num total acumulado de 563 horas de emissão (mais 30% do que em 2004). Para além o site oficial do Dakar regista um grande número de visitas (2,7 milhões em 2005), especialmente durante os dias da prova.

5 dentes Lisboa é escolha natural Portugal torna-se, este ano, no terceiro país a receber a partida do principal rali de todo-o-terreno, depois da França e de Espanha, de onde já saíram quatro edições e no 24.º país a ser atravessado pela prova. A escolha de Portugal passou pelo facto de, pela sua localização geográfica e antecedentes históricos, se encontrar numa posição privilegiada para ser um traço de união entre a Europa e África. Por outro lado, o entusiasmo pelo fenómeno desportivo, como ficou provado com o Euro 2004, é outra garantia de que o Dakar vai ser recebido de forma entusiástica, nomeadamente durante as verificações, três dias antes da partida. A concentração das centenas de veículos vai ser feita a partir de 28 de Dezembro, no espaço entre o Centro Cultural de Belém e as instalações da Universidade Moderna, o que promete um período de verificações animado, com os muitos entusiastas que certamente não vão querer perder a oportunidade de assistir ao vivo ao trabalho das equipas. A partida está marcada para 31 de Dezembro, na Praça do Império, frente ao Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, e a chegada ao Lac Rose, em Dakar, no Senegal, vai acontecer dia 15 de Janeiro de A lista de participantes portugueses é extensa. Dela fazem parte, em automóveis, Carlos Sousa, Paulo Marques, Ricardo Leal dos Santos, Francisco Inocêncio, Nuno Inocêncio, Hélder Oliveira, Pedro Grancha, Pedro Gameiro, Rui Sousa, Miguel Barbosa, Luís Costa, Madalena Antas e Céu Pires de Lima. Nas motos, Ruben Faria, Paulo Gonçalves e Rodrigo Amaral. Elisabete Jacinto volta entrar na prova ao volante de um camião. 5 Percurso final (etapas) DATA PARTIDA CHEGADA LIGAÇÃO ESPECIAL LIGAÇÃO TOTAL 31/01/05 LISBOA PORTIMAO 186 km 83 km 101 km 370 km 01/01/06 PORTIMAO MALAGA 65 km 115 km 387 km 567 km 02/01/06 NADOR ER RACHIDIA 237 km 314 km 121 km 672 km 03/01/06 ER RACHIDIA OUARZAZATE 56 km 386 km 197 km 639 km 04/01/06 OUARZAZATE TAN TAN 187 km 350 km 282 km 819 km 05/01/06 TAN TAN ZOUERAT 336 km 444 km 12 km 792 km 06/01/06 ZOUERAT ATAR 10 km 499 km 12 km 521 km 07/01/06 ATAR NOUAKCHOTT 34 km 508 km 26 km 568 km 08/01/06 Jornada de repouso em NOUAKCHOTT 09/01/06 NOUAKCHOTT KIFFA 30 km 599 km 245 km 874 km 10/01/06 KIFFA KAYES 1 km km 49 km 333 km 11/01/06 KAYES BAMAKO 50 km 231 km 424 km 705 km 12/01/06 BAMAKO LABE 197 km 368 km 307 km 872 km 13/01/06 LABE TAMBACOUNDA 7 km 348 km 212 km 567 km 14/01/06 TAMBACOUNDA DAKAR 107 km 254 km 273 km 634 km 15/01/06 DAKAR DAKAR 38 km 31 km 41 km 110 km TOTAL km km km km

6 EDITORIAL Por falar em competitividade 6 Numa altura em que o Governo acaba de anunciar os planos para o novo aeroporto internacional, com localização na Ota, convém relembrar o que temos vindo a defender sobre a necessidade de o Turismo, na Região de Lisboa, se manter competitivo. É preciso clarificar, definitivamente, o que se pretende com a criação de novas infra-estruturas de transportes, nomeadamente com um novo aeroporto. Não basta substituir a Portela pela Ota. É preciso analisar cuidadosamente o que acontece quando se afasta de Lisboa a infra-estrutura aeroportuária mais importante do País. O facto de o Aeroporto da Portela estar, para todos os efeitos, dentro de Lisboa, tem sido ao longo dos últimos anos uma vantagem competitiva quase imbatível sobre outros destinos concorrentes. É um facto que em nenhuma outra cidade europeia se pode chegar tão rapidamente ao centro depois de sair do avião. É assim que Lisboa tem conseguido ultrapassar a sua localização periférica, apesar de o custo dos transportes aéreos ser, por essa mesma razão, mais caro do que acontece com a nossa concorrência directa. De resto, isso mesmo é comprovado pelo estudo do Observatório Turismo de Lisboa, que publicamos nesta edição, segundo o qual Lisboa perde competitividade, no conjunto de sete cidades da Europa, pelo facto de as tarifas aéreas serem bastante penalizadoras, em particular quando falamos de companhias aéreas clássicas. A situação só melhora com a entrada em cena dos voos low-cost. No entanto, e mesmo depois de ter sido admitida oficialmente a possibilidade de criar um aeroporto dedicado para estas companhias, algumas das localizações entretanto apontadas não servem, de todo, a Região de Lisboa. Se actualmente já é assim, imagine-se com um aeroporto que fica a quase 50 quilómetros da capital, com as consequências que se adivinham, principalmente nos city e short-breaks, bem como no Turismo de congressos e de eventos. Num tempo em que a procura da competitividade está na ordem do dia, sinais como os que são dados pela Ota não podiam ir mais em sentido contrário. Tudo isto leva-nos a uma conclusão muito simples. O Turismo de Lisboa só pode continuar a ser competitivo se o transporte aéreo e, por maioria de razão, as infra-estruturas que o permitem também o forem. Não querer entender isto é condenar o sector turístico à condição de actividade subalterna, totalmente contrária à importância que efectivamente tem para a economia nacional. O facto de o Aeroporto da Portela estar, para todos os efeitos, dentro de Lisboa, tem sido ao longo dos últimos anos uma vantagem competitiva quase imbatível sobre outros destinos concorrentes. Carlos Ornelas Monteiro Presidente Adjunto do Turismo de Lisboa

7 HOTEL DTORRE A CONSISTE Uma Parceria de Sucesso 7 Os Hotéis Alexandre Almeida comunicam a selecção da empresa Consiste para a remodelação interior do Hotel da Torre, situado na zona histórica de Belém, junto ao Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa. Alexandre de Almeida Director Geral Em resultado da experiência adquirida nos últimos 20 anos, a Consiste encara a remodelação do Hotel da Torre como uma excelente oportunidade para demonstrar como a área da hotelaria se enquadra perfeitamente na sua actividade central de negócio, constituída pelas novas tecnologias e remodelação de edifícios. Fernando Costa Freire Chief Executive Officer Consiste: Beloura Office Park, Edifício 10, Quinta da Beloura, Sintra Tel Fax Reabertura Prevista em Abril de 2006

8 NOTICIÁRIO NACIONAL Agências e hoteleiros contra Ota Ota mata Turismo de Lisboa 8 A Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) e a Associação dos Hoteleiros de Portugal (AHP), numa posição conjunta, garantem que o aeroporto da Ota vai comprometer o mercado de short breaks e de congressos na cidade de Lisboa. Estes dois segmentos representam cerca de 77% das receitas da hotelaria na região da capital, pelo que se prevê um impacto negativo da deslocalização da maior infraestrutura aeroportuária para fora de Região de Lisboa. Segundo a APAVT e a AHP, a opção pela Ota vai traduzir-se num aumento de custos e de tempo, agravando o carácter periférico de Lisboa. Por isso, estas duas associações defendem que é preciso repensar esta decisão que não é irreversível. Para o presidente da APAVT, Vítor Filipe, a solução passa pela ampliação da Portela e pela instalação de um aeroporto secundário na base do Montijo. Vítor Filipe acrescenta que a Ota além de matar o Turismo em Lisboa, mata também o aeroporto do Porto, numa reacção defendida também pelo presidente da AHP, Alves de Sousa. Por outro lado, a hipótese de enviar os voos das companhias low-cost para a base de Beja, admitida pelo Ministério das Obras Públicas, motiva uma reacção igualmente negativa por parte das duas entidades pois, Beja não resolve os problemas de Lisboa nem do Algarve. Resolve mal os do Alentejo litoral, servindo apenas para o Alentejo interior e para o Alqueva. Não podemos aceitar que seja esta a segunda infraestrutura. Estas associações lamentam ainda que o sector não tenha sido ouvido pelo executivo sobre esta matéria. Mário Lino em entrevista ao Diário Económico Não se justifica fazer um aeroporto especial em Lisboa para as low-cost Que infra-estrutura é que vai ser o suporte das low-cost? As companhias low-cost ou outros param nos aeroportos que quiserem. É natural que as low-cost, que são companhias que prestam serviços com menos qualidade ou menos pessoal de cabine e que se destinam a praticar preços mais baixos possíveis no voo, nos serviços que prestam a bordo e outros, também no que diz respeito às taxas vão para aeroportos que pratiquem taxas mais baixas. E esses normalmente estão situados longe dos centros urbanos, com menos qualidade ou maior distância. Por estes factores qual é a estratégia? Não estamos a pensar interferir nessa matéria. Os voos de low-cost uns vêm para Lisboa, outros para Faro, outros para o Porto e depois, com o aeroporto de Beja, se quiserem vão para lá. É uma opção deles. O sector turismo continua a dizer ser importante ter infra-estrutura deste tipo Vendo a questão do outro lado, se viermos a ter, no processo de desenvolvimento do novo aeroporto da Ota, um desfasamento temporal entre o seu início da Ota e o esgotamento de capacidade da Portela, logo veremos. Ou seja, se o crescimento do tráfego for mais acelerado do que está previsto, vamos ter o aeroporto da Portela esgotado antes do outro estar pronto. Nesse contexto, podemos incentivar e não obrigar, que uma fatia dos voos para a Portela vão para outro lado. Como? Promovendo uma oferta de aeroporto susceptível de atrair interessados, e é aqui entram as low-cost. Mas sempre numa base provisória enquanto o da Ota não estiver pronto, porque não nos parece fazer sentido fazer um investimento significativo para ter um segundo aeroporto em Lisboa para as low-cost. Se houver necessidade, podemos destacar uma infra-estrutura aeroportuária existente na zona de Lisboa em termos de oferta. Mas nada obriga as low-cost a ir para lá. Não há portanto uma lógica específica para este segmento Não, as companhias é que têm de escolher. Posso é promover. Mas não se justifica fazer um aeroporto especial em Lisboa para as low-cost. Quais as alternativas? Há várias que estão a ser estudadas. Há umas falsas alternativas como Alverca, uma vez que o enfiamento da pista na Portela é o mesmo e portanto ou pára num ou noutro. Mas já Montijo não é assim. Mas é preciso não esquecer que esses aeroportos já têm outras utilizações, até com compromissos internacionais. Mas a filosofia não é construir um aeroporto para as low-cost, até porque são conceitos muito dinâmicos e os grandes aeroportos e companhias também sabem reagir a estas mudanças do mercado. Excerto da entrevista de Mário Lino, Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, publicada no jornal Diário Económico em 22 de Novembro de 2005

9 Novas rotas easyjet apresentadas em Lisboa SET esteve presente A companhia aérea low-cost easyjet e o Turismo de Lisboa apresentaram oficialmente, dia 25 de Outubro, duas novas rotas para Lisboa, a partir da Suíça, a primeira de Genebra, já em funcionamento, e logo a seguir de Basileia, a partir de Março de A directora de marketing da easyjet, Cristina Bernabé, adiantou que o objectivo da companhia consiste em lançar doze novas rotas para Lisboa, durante os próximos cinco anos, período em que vigora o acordo de parceria estabelecido com o Turismo de Lisboa. Só nestas duas novas rotas, a companhia líder europeia do sector low-fare quer trazer, anualmente, 173 mil turistas para a capital portuguesa. Para o Secretário de Estado do Turismo, Bernardo Trindade, que fez questão de estar presente, a estimativa de 492 milhões de euros de acréscimo anual nas receitas turísticas, originado por estas 12 novas rotas, indicia que esta é uma realidade e uma tendência que Portugal e a Região de Lisboa, em particular, têm de seguir de perto. Bernardo Trindade acrescentou que o Governo reconhece que é preciso dar a devida atenção a estas novas dinâmicas do Turismo, cujas respostas, estamos certos, constituirão um importante contributo para o crescimento desta actividade em Portugal, reforçando a ideia de que a importância das companhias aéreas low-cost no crescimento e, acima de tudo, na criação de novos destinos turísticos tem merecido especial empenho pelo actual Governo. Em representação do Turismo de Lisboa, o Presidente Adjunto, Carlos Ornelas Monteiro, sublinhou a importância do acordo celebrado com a easyjet, que prevê o investimento em publicidade de 558 mil euros em 5 anos (pouco mais de 2,50 euros por cada turista novo e menos de 90 cêntimos por cada nova dormida na hotelaria da Região de Lisboa) que, apesar de significativo é muito pouco se comparado com o retorno em novas receitas de Turismo, estimado em 82 milhões de euros por ano só com estas duas novas rotas. O director do Aeroporto de Lisboa, Francisco Severino, também presente nesta conferência de Imprensa, assegurou que a Portela tem capacidade para receber estas novas ligações da easyjet e lembrou que está em curso, até 2009, um plano de expansão deste aeroporto que vai permitir atingir os 40 movimentos por hora, em vez dos 34 actuais. Poucos dias antes da entrada em funcionamento da rota Genebra-Lisboa, a easyjet já tinha vendido mais de 16 mil lugares, sendo que 75% das reservas tiveram origem na Suíça, o que demonstra o interesse gerado por esta nova ligação, esperando-se um resultado idêntico na rota Basileia-Lisboa. 9 Ligação Lisboa-Varsóvia aumenta turistas da Polónia O número de turistas polacos que visitaram Lisboa subiu 64 por cento relativamente ao ano passado, depois de ter sido inaugurada a ligação directa entre Lisboa e Varsóvia, assegurada pela companhia low-cost Centralwings. Estes dados, segundo os quais a Região de Lisboa registou dormidas de turistas vindos daquela cidade, foram adiantados à agência Lusa pela delegação do ICEP na capital polaca. A região foi, em 2004, o destino mais visitado pelos turistas da Polónia, representando 45 por cento do total de dormidas realizadas pelos visitantes polacos em Portugal (35.585). Rui Almas, o delegado do ICEP em Varsóvia, destacou o papel das acções promocionais do destino Lisboa que têm sido conduzidas naquele país, pelo Turismo de Lisboa e pela Centralwings, com o apoio do ICEP e do Instituto de Turismo de Portugal.

10 NOTICIÁRIO NACIONAL Pousadas de Portugal crescem 50% O grupo Pestana Pousadas, que gere a rede das Pousadas de Portugal, vai fechar este ano com resultados operacionais que ultrapassam em 50% os de Só nos primeiros nove meses do ano em curso, a facturação das Pousadas representou um total de 3,7 milhões de euros, em grande medida devido ao facto de se ter conseguido triplicar a rentabilidade por quarto, em apenas três anos. Pelo que adianta a revista Prémio, até 2010, o grupo Pestana Pousadas pretende disponibilizar 563 novos quartos. 10 Portugal e Brasil cooperam no sector do Turismo Portugal e Brasil consolidaram, no final do mês passado, as relações na área do Turismo com a assinatura de um acordo de cooperação, no âmbito da visita oficial do Secretário de Estado do Turismo, Bernardo Trindade, ao Brasil, de 28 a 31 de Outubro. Este acordo, que revela a importância do sector do turismo para o reforço das relações económicas e políticas entre os dois países, foi assinado pelo Secretário de Estado do Turismo, Bernardo Trindade, e pelo Ministro do Turismo do Brasil, Walfrido Mares Guia, no âmbito do III Congresso Empresarial Brasil-Portugal, que decorreu em Salvador da Baía, promovido pelo Conselho Nacional das Câmaras de Comércio Portuguesas no Brasil. O acordo prevê a cooperação entre o turismo português e brasileiro com vista a um incremento dos fluxos turísticos entre os dois países e a uma agilização dos investimentos de capitais, portugueses, brasileiros ou conjuntos, no domínio do turismo. Esta cooperação envolve empresas, organizações e instituições, e concretiza-se nas áreas de intercâmbio de informação sobre a actividade turística (estatística, legislação), intercâmbio de experiências e boas práticas; cooperação na promoção (com a criação de redes de promoção e a organização de iniciativas promocionais conjuntas em mercados externos). SET testemunha internacionalização das Pousadas de Portugal Nesta deslocação, Bernardo Trindade presidiu à inauguração da Pousada do Convento do Carmo, localizada em Salvador da Baía, e que é a primeira unidade internacional da rede Pousadas de Portugal. Representando um investimento de seis milhões de euros, a abertura deste empreendimento turístico resulta da aposta da marca Pousadas de Portugal na internacionalização e, em particular, no mercado brasileiro. A importância do investimento foi sublinhada pela presença, nesta cerimónia, de membros do governo Brasileiro: o ministro do Desenvolvimento, da Indústria e Comércio Exterior, Luís Fernando Furlan, o ministro do Turismo, Walfrido Mares Guia, o ministro da Cultura, Gilberto Gil e o governador do Estado da Baía, Paulo Souto. A nova unidade do grupo Pestana Pousadas está situada no centro monumental de Salvador, num antigo convento carmelita reabilitado, o que a torna no primeiro hotel histórico do Brasil. AHP e APAVT criam Centro de Arbitragem A Associação dos Hotéis de Portugal (AHP) e a Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) vão criar um Centro de Arbitragem, resultado do protocolo que celebraram no passado dia 2 de Novembro. Este centro vai ser um elemento facilitador da resolução de eventuais diferendos entre as empresas que integram estas duas associações do sector do Turismo. O protocolo de cooperação agora assinado prevê, acima de tudo, o reforço da parceria e da cooperação entre a AHP e a APAVT, tendo em conta a relevância de ambas em termos nacionais. INFTUR galardoado em concurso europeu Carolina Sena, representante do Instituto de Formação Turística (INFTUR), recebeu a medalha de bronze no Concurso de Recepção, realizado no âmbito do Encontro Anual da Associação Europeia de Escolas de Hotelaria e Turismo, que este ano decorreu entre os dias 22 e 27 de Outubro, em Antalya, na Turquia. Esta aluna, que frequenta o segundo ano do Curso de Alojamento Hoteleiro da Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve, integrou um grupo de 42 alunos de várias nacionalidades, num evento que juntou 650 participantes em representação de 130 escolas de hotelaria de 30 países.

11 Programa vasto vai até 2006 Câmara de Lisboa evoca Terramoto Na evocação dos 250 anos do Terramoto de Lisboa, a autarquia lisboeta convocou um conjunto de iniciativas, realizadas por várias entidades, assumindo o protagonismo desta efeméride. Iniciativas diversificadas 11 O projecto-âncora do programa das comemorações é a animação virtual da maqueta da Lisboa pré-terramoto, entretanto sujeita a conservação e restauro. Esta peça, que pode ser vista em exposição permanente no Museu da Cidade, ao Campo Grande, serviu de ponto de partida para a valorização de informação relevante sobre uma Lisboa que já não existe. Com recurso a novas tecnologias de informação, foi possível tirar partido dos dados fornecidos pela maqueta para, por exemplo estabelecer um confronto entre a cidade antes do Terramoto e a cidade actual. Assim, ao seleccionar um local, ou monumento, é-se transportado para o local no modelo virtual do passado. Esta animação vai permitir, ainda, visualizar cenas históricas e momentos do quotidiano do séc. XVIII, em três dimensões. Entre as dezenas de iniciativas que vão assinalar os 250 anos do Terramoto podemos encontrar também a exposição O Terramoto de 1755 na Hemeroteca de Lisboa: Fontes & Bibliografia, em exibição até 15 de Dezembro, para além de visitas guiadas e itinerários culturais, em que se vai ficar a conhecer, por exemplo, a origem da famosa expressão Rés-vés Campo de Ourique. São também várias as conferências e palestras sobre o Terramoto de Lisboa e outras de cariz didáctico sobre o que fazer se ocorrer um sismo. Durante o próximo ano vai ainda ser publicado um álbum de banda desenhada sobre o Terramoto de 1755, com autoria de Felipe Abranches, entre muitas outras iniciativas que vão analisar este fenómeno que mudou para sempre a face da capital portuguesa, sob os mais variados ângulos, que vão do social ao artístico, passando pelo técnico e arquitectónico, entre muitos outros Museu Militar evoca Terramoto de Lisboa Numa exposição que pretende lembrar o papel do Exército na reconstrução de Lisboa após o Terramoto de Lisboa, o Museu Militar promove, até dia 4 de Dezembro a exposição Os Engenheiros Militares e o Terramoto e 1755 Trabalhos e Consequências. De 24 a 28 de Novembro Arte Lisboa quer distinguir-se pela qualidade Vai já na quinta edição a Arte Lisboa, que agora iniciou uma nova etapa, com propostas de maior alcance e o objectivo de elevar os critérios de qualidade alcançados por este certame de arte contemporânea. Entre 24 e 28 de Novembro, 60 galerias ocuparam os 10 mil m 2 do Pavilhão 4 da FIL, no Parque das Nações, em Lisboa. Das galerias representadas, 42 são portuguesas, a que se juntaram 13 galerias espanholas, duas alemãs, outras duas brasileiras e uma galeria russa. Esta mostra, destinada a profissionais e ao público em geral, contou com obras de pintura, escultura, desenho, instalações, fotografia e vídeo. Pela primeira vez, a Arte Lisboa teve o Alto Patrocínio do Presidente da República, que presidiu à Comissão de Honra. A Associação Turismo de Lisboa integrou a Comissão Consultiva deste certame.

12 NOTICIÁRIO NACIONAL Mais 12,7% em 2006 Turismo de Portugal reforça promoção para travar perda de competitividade Em 2006, as verbas destinadas à promoção turística vão registar um aumento de 12,7% relativamente a este ano, com um valor global de euros. 12 A intenção é travar a quebra de competitividade que se regista no sector desde 2001, comparativamente à Europa e aos principais concorrentes, essencialmente pela desvalorização do segmento Sol e Mar, o produto turístico tradicional português. No caso do orçamento do Instituto de Turismo de Portugal, (ITP), a evolução é de 21,56%, enquanto que no Programa de Intervenções para a Qualificação do Turismo (PIQTUR) se regista um aumento zero. Do montante global para promoção, 40%, aproximadamente , são destinados ao programa Marca Portugal. Os restantes 60 por cento vão ser distribuídos pelas Agências Regionais, com o Algarve a receber a maior fatia ( ), seguido de Lisboa ( ) e da Madeira ( ). Captação de eventos prioritária A juntar à promoção turística, o investimento a realizar em 2006 contempla um montante adicional especificamente destinado à captação e promoção de eventos com capacidade de projectar o País internacionalmente. No Planeamento da Promoção Turística para 2006, do ITP, fica ainda a saber-se que o principal objectivo é manter o crescimento da geração de riqueza, aumentando o contributo do turismo para o Produto Interno Bruto e para o crescimento do saldo da Balança Turística. O caminho passa não só por captar mais turistas, internos e externos, mas também por reforçar a valorização dos fluxos captados. Por isso, nas áreas de intervenção prioritárias para 2006, vai ser privilegiado o desenvolvimento de novos produtos, o acesso a novos mercados, o reforço da imagem e da notoriedade do destino Portugal, fazendo esforços no sentido de captar eventos de forte impacto mediático. Mercados diferentes, promoção distinta Quanto às acções a desenvolver nos mercados emissores, vão ser diferenciadas, tendo em conta as perspectivas de desenvolvimento económico de cada um, para maximizar as receitas turísticas. A título de exemplo, se na Holanda e Noruega se vai optar por produtos nos quais Portugal apresenta vantagens competitivas relativamente a outros destinos, nos casos do Japão, Áustria e Rússia, a estratégia passa por desenvolver a notoriedade e imagem da oferta portuguesa, nomeadamente através de parcerias estratégicas e do aproveitamento de novas oportunidades de operação. A par deste conjunto de iniciativas, o ITP vai também dar prioridade à aposta nas novas tecnologias como um meio para divulgar e melhorar o acesso dos turistas ao que Portugal tem para oferecer. Marca Lisboa reforçada Partindo da avaliação do desempenho turístico das sete regiões do País, que ficou globalmente aquém das metas traçadas, o documento aponta para o reforço da imagem de marca de Lisboa e, também, do Porto e Norte. Já nos casos do Algarve e da Madeira, aponta-se para um reposicionamento da marca, enquanto que nas Beiras e no Alentejo a imagem de marca ainda tem de ser desenvolvida. Da lista de acções prioritárias para o próximo ano fazem também parte a captação de operações aéreas low-cost para as regiões de Lisboa e do Porto, bem como a continuação desta estratégia no Algarve, o destino nacional com maior número de passageiros transportados por estas companhias. Assim, em 2006, Portugal vai concentrar os esforços da promoção turística em produtos e mercados prioritários, que permitam um retorno a curto prazo, flexibilizando a acção promocional para conseguir aproveitar as oportunidades que possam surgir e ajustando a promoção aos vários públicos-alvo. De resto, esta opção pela concentração em mercados mais relevantes é assumida como estratégica pelo ITP.

13 Rock in Rio Lisboa vai ter novos espaços A edição de 2006, do Rock in Rio Lisboa, vai voltar a realizar-se no Parque da Bela Vista, na zona oriental da cidade, mas com novas estruturas e com um desenho diferente. Desta vez foi dado um especial relevo aos espaços de entretenimento para toda a família. Os vários palcos vão ser reposicionados para aumentar o conforto dos milhares de participantes e permitir uma circulação mais cómoda. Foi criado um novo espaço, o palco Futuro, para divulgar novos talentos portugueses e internacionais. Com um visual que pretende ilustrar uma garagem, vai receber 15 novas bandas. As crianças também vão ter um espaço próprio, o Kids, onde as esperam várias actividades, animadores, educadores, teatro de fantoches, pinturas faciais e contadores de histórias. Este espaço foi também pensado para que os pais possam assistir descansados aos concertos enquanto os filhos se divertem. Entretanto, já se sabe que a artista brasileira Ivete Sangalo vai abrir o evento no Palco Mundo, pelo qual vão passar mais 19 das melhores bandas nacionais e internacionais. Outros regressos são o da Tenda Electrónica, do Espaço Radical, que desta vez até tem neve (100 m 3 por dia) e a Tenda VIP. Está também de volta a campanha EU VOU, que apela à participação, na primeira pessoa e faz alusão visual às novidades desta edição, marcada para 26 e 27 de Maio e 2,3 e 4 de Junho. 13

14 NOTICIÁRIO NACIONAL Valência Summit Cascais vence prémio internacional Cascais conquistou, no passado dia 18 de Outubro, o prémio Valencia Summit International Awards, um galardão que destaca iniciativas internacionais na área da gestão de grandes eventos desportivos. Duarte Nobre Guedes recebe prémio das mãos de Iñaki Urgandarin 14 Cascais foi distinguido não só graças à captação de grandes eventos desportivos, mas também pela forma como foram organizados e promovidos de forma estratégica, com projecção mundial, associada ao desenvolvimento e requalificação de Cascais. Este ano, a JTCE investiu, neste segmento, cerca de 8,7 milhões de euros, sendo que as receitas para a hotelaria desta região devem rondar os 9,4 milhões de euros, em 2005, não contando com as despesas adicionais feitas pelos participantes nestes eventos, estimadas em 7 milhões de euros. Ao acolher competições como o Estoril Open de Ténis, Open de Portugal de Golfe, Concurso Internacional de Saltos, Campeonato do Mundo de Bridge, o Laureus World Sport, o Campeonato do Mundo de Windsurf, o Grande Prémio de Portugal de Motociclismo ou o Campeonato de Vela, que terá lugar em 2007, o Estoril posiciona-se como destino de referência no calendário desportivo, continuando a assegurar um elevado fluxo turístico e projecção internacional. O galardão foi entregue ao presidente da JTCE, Duarte Nobre Guedes, por Iñaki Urgandarin, duque de Palma e marido da princesa Cristina de Espanha, no Hemisféric da Cidade das Artes e das Ciências de Valência, onde decorreu a gala de entrega prémios. A par de Cascais, foram ainda premiadas outras sete entidades que, em 2004, se afirmaram no âmbito desportivo: a cidade de Auckland, na Nova Zelândia; a UBS; Tony Meenaghan, da Universidade de Dublin, um dos maiores peritos mundiais em estudos de patrocínio; a revista Sport Business; Klaus Heinemann, catedrático de sociologia do desporto; a Fundação Seawater e a Homeless World Cup. Este encontro internacional assumese como um espaço de debate e reflexão sobre a organização de eventos desportivos enquanto impulsionadores do desenvolvimento das cidades que os acolhem e o impacto que nelas geram. Para melhor reflectir essa realidade, a organização instituiu estes galardões que, para além de premiarem boas práticas empresariais e promocionais, pretendem desempenhar um papel activo na construção de uma sociedade mais responsável e solidária. Subordinada ao tema Novas Tendências na Gestão de Grandes Eventos Desportivos, a segunda edição da Valência Summit, reuniu em Espanha, até dia 21 de Outubro, um painel que integrou mais de 200 peritos internacionais da área académica e de investigação, empresários, gestores públicos e patrocinadores, organizações desportivas, consultores de topo e representantes do meios de comunicação. O Estoril posiciona-se como destino de referência no calendário desportivo, continuando a assegurar um elevado fluxo turístico e projecção internacional.

15 Empresas de animação turística IGAE alerta para falta de licenciamento No final do passado mês de Outubro, a Inspecção-Geral das Actividades Económicas (IGAE), lançou uma chamada de atenção para o facto de se ter vindo a constatar o exercício da actividade de animação turística por entidades que não se encontram licenciadas para o efeito. Nesta advertência, a IGAE esclarece que estas empresas estão abrangidas por legislação específica, com o objectivo de defender os interesses dos turistas que utilizam serviços prestados por este sub-sector da actividade turística. Assim, ao abrigo do Decreto-Lei 204/2000 de 1 de Setembro, posteriormente alterado pelo Decreto-Lei 108/2002, de 16 de Abril, há regras que têm de ser observadas por estes operadores, como são os casos de marinas, autódromos, balneários termais, campos de golfe, embarcações, aeronaves centros equestres, passeios pedestres, entre outros equipamentos que sirvam de suporte a actividades de natureza cultural, desportiva, temática e de lazer. Licença é obrigatória Qualquer uma destas empresas de animação turística precisa de uma licença e de alvará, a conceder pela Direcção-Geral do Turismo, e só nesse caso podem usar tal denominação, sob pena de utilização abusiva e enganosa. A IGAE lembra ainda a obrigatoriedade de um seguro que cubra de forma adequada os riscos decorrentes da actividade exercida, e da existência de um livro de reclamações no qual possam ser registadas quaisquer anomalias nos serviços prestados. A violação destas e de outras normas estabelecidas, que podem ser consultadas em é punida com coimas que vão dos 249,40 euros aos 3.740,98 euros no caso de pessoa singular, e dos 498,80 euros aos ,94 euros caso se trate de pessoa colectiva. 15 APAVT com reunião em Maputo Congresso debateu cooperação e desenvolvimento A Associação Portuguesa de Agências de Viagem e Turismo (APAVT) realizou, de 26 de Novembro a 1 de Dezembro, o XXXI Congresso Nacional, desta vez em Maputo. O ponto de partida para a discussão foi Turismo: Cooperação e Desenvolvimento e a escolha de Moçambique para a realização do congresso, neste contexto, não aconteceu por acaso. Para o presidente da APAVT, Vítor Filipe, esta associação promoveu a redescoberta de Moçambique, como destino com grande significado para muitos portugueses e que faz parte do imaginário dos que ainda não tiveram a oportunidade de conhecer este País. Durante este congresso, foi dado especial relevo ao papel que o Turismo pode desempenhar no desenvolvimento das economias e na promoção do bem-estar social, tão necessários à grande maioria dos países africanos, como é o caso de Moçambique. Vítor Filipe lembrou ainda que o Turismo aproxima os povos e as culturas e, por isso, é um factor determinante para a promoção da Paz, tão importante para os povos deste país que viveu, até há poucos anos, a experiência da guerra. Os temas em debate passaram pelo Turismo como factor de desenvolvimento económico e social e como desígnio nacional, e pela defesa do consumidor, entre outros. Falta de coordenação no Turismo CPLP preocupada Os ministros do Turismo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), reunidos no terceiro encontro organizado para o efeito, desta vez em Luanda, entre 11 e 13 de Outubro, manifestaram preocupação pelo reduzido incumprimento das acções planeadas na II Conferência, realizada durante o ano passado, em Lisboa. Esta falha foi atribuída, em grande parte, à falta de coordenação do secretariado executivo da CPLP, o que constituiu um entrave à adequada operacionalização do plano de acção. Desta forma, foram mantidos os objectivos traçados em 2004, dos quais fazem parte o incremento da cooperação empresarial entre os agentes do sector (agências de viagens, operadores turísticos e hoteleiros, companhias aéreas e associações empresariais), bem como a troca de experiências entre os oito países lusófonos da CPLP, nomeadamente no que diz respeito aos aspectos fiscais e financeiros, e de planeamento e gestão de recursos. Nesta III Conferência, na qual apenas não esteve o representante de Timor-Leste, foi também decidida a criação de uma imagem turística e cultural da CPLP, através de programas bilaterais e multilaterais. Os ministros do Turismo da comunidade de países lusófonos congratularam-se ainda com o apuramento das selecções de Angola, Brasil e Portugal para a fase final do Campeonato do Mundo de Futebol 2006, na Alemanha, sublinhando o facto de pela primeira vez, três selecções do universo lusófono estarem presentes, em simultâneo, neste evento, o que constitui uma oportunidade para a promoção da imagem turística da comunidade.

16 Custo do transporte aér Low-cost ajustam custos 16 Por outro lado, concluiu-se que a existência de voos low-cost induz um ajustamento dos preços oferecidos pelas chamadas companhias clássicas, no sentido da redução. Embora esta descida tenha vindo a ser gradual, ela é notória, de acordo com as características de cada mercado, sendo particularmente expressiva no caso do Reino Unido. No mercado britânico e futuramente no alemão, a tendência passa por uma aproximação cada vez maior dos preços, à medida que cresce o número de destinos oferecidos pelas low-cost e que vão entrar em concorrência directa com os já operados pelas companhias clássicas. Quanto aos preços do alojamento mais baixo, eles podem servir de factor concorrencial, ainda que não de forma sustentável a longo prazo, já que o mercado se encarrega de nivelar os custos na hotelaria, tal como já acontece com o transporte aéreo. Desta forma, a promoção turística dos destinos ganha ainda mais importância, nomeadamente no que diz respeito à imagem e à presença junto do potencial turista. Um estudo realizado pelo Observatório do Turismo de Lisboa concluiu que Lisboa fica a perder para a concorrência mais directa nos short e city breaks, em grande parte pelo peso do transporte no custo final da viagem. As companhias low-cost vieram melhorar a situação, mas há destinos em que a capital portuguesa é ultrapassada nomeadamente nos casos em que as ligações de baixo custo têm uma presença forte. O Observatório do Turismo de Lisboa fez a comparação e apurou que a competitividade de Lisboa relativamente a outras seis cidades europeias está a ser travada pelos custos do transporte aéreo. Nesta análise, Lisboa foi colocada lado a lado com Madrid, Barcelona, Amesterdão, Viena, Praga e Varsóvia, considerando um alojamento em quarto duplo, com taxas incluídas, para uma estadia de duas pessoas, de 25 a 27 de Novembro de 2005, com transporte de ida e volta, também com taxas incluídas. Uma das primeiras conclusões aponta para o facto de os custos de transporte serem a principal parcela a determinar o custo final da viagem, independentemente do mercado emissor ou da cidade de destino, o que, naturalmente, influencia de forma determinante a escolha do destino para viajar. O fenómeno das low-cost, na maioria dos casos, veio alterar o processo de formação dos preços, reduzindo o peso do transporte aéreo e melhorando a posição competitiva dos destinos com unidades hoteleiras mais acessíveis. Lisboa nos diversos mercados No caso dos turistas provenientes da Alemanha, Lisboa só consegue competir com outras cidades caso o transporte para a capital portuguesa possa ser feito por uma companhia low-cost e por companhias clássicas para as restantes cidades do estudo. Se a origem for o Reino Unido, Lisboa não é competitiva entre as companhias clássicas, mas oferece um preço que se situa na média dos praticados para as restantes cidades se o voo for feito numa low-cost. Já no que diz respeito ao caso da França, Lisboa apresenta alguma competitividade, se considerarmos apenas o transporte em companhia clássica. Nos mercados de Itália e da Holanda, em grande medida pela inexistência de rotas operadas por companhias low-fare, Lisboa é o destino mais caro dos sete analisados. Este estudo analisou também a competitividade de Lisboa quando se tem em conta o custo global da viagem (viagem+alojamento), registando comportamentos distintos consoante o mercado emissor.

17 o penaliza Lisboa É importante prosseguir com acções que levem à redução dos preços do transporte aéreo, ao mesmo tempo em que se actua junto do potencial visitante, promovendo o destino Lisboa. Na Alemanha, Lisboa pode considerar-se um destino caro para as categorias de alojamento mais baixas, sendo mais competitivo na hotelaria de cinco estrelas. No Reino Unido, a competitividade de Lisboa é mediana na generalidade das categorias, crescendo de forma significativa quando o alojamento é de cinco estrelas e a viagem é feita numa low-cost. Em França, Lisboa é igualmente concorrencial na categoria mais elevada, embora o seja menos nas restantes categorias de alojamento. No mercado italiano, Lisboa é fortemente penalizada pela concorrência, apresentando apenas uma competitividade média no alojamento de cinco estrelas. No entanto, o caso de maior gravidade é o da Holanda, onde Lisboa é o destino mais caro dos sete analisados e o segundo mais caro na categoria de cinco estrelas. Analisando apenas os preços praticados pelas 704 unidades hoteleiras em consideração neste estudo (com categorias que vão das duas às cinco estrelas), Lisboa encontra-se numa posição favorável, no conjunto das sete cidades consideradas, sendo apenas ultrapassada por Varsóvia. Genericamente, quanto mais alta é a categoria dos hotéis, maior é a competitividade de Lisboa. No entanto, os autores do estudo concluem que a vantagem competitiva de Lisboa nos preços do alojamento não constitui, a prazo, um benefício para a economia turística, sendo desejável que haja margem para a subida das tabelas, o que só será possível se os custos de transporte forem diminuindo e os níveis de procura aumentarem, em consequência disso mesmo. Acções prioritárias para Lisboa Desta forma, é importante prosseguir com acções que levem à redução dos preços do transporte aéreo, ao mesmo tempo em que se actua junto do potencial visitante, promovendo o destino Lisboa, para aumentar as possibilidades de esta cidade ser visitada face aos destinos concorrentes. Se estes dois objectivos forem alcançados, cresce a margem para que as receitas da actividade turística de Lisboa subam, sem perda ou até mesmo com ganhos de competitividade. À primeira vista, o posicionamento relativamente bom que Lisboa tem no mercado britânico deve-se ao desenvolvimento do transporte aéreo com origem no Reino Unido. Os preços das tarifas são mais reduzidos, quer no caso das low-cost, quer nas companhias clássicas, em reacção às primeiras. Desta forma, e antes de tudo, o estudo sugere que é preciso encontrar formas de, num curto prazo, ser estabelecida uma ligação low-cost entre Lisboa e Paris já que, pelos dados apurados, o actual posicionamento de Lisboa no mercado francês seria extremamente melhorado. Isto porque a capital francesa apresenta condições para uma emissão de turistas semelhante à de Londres. Quanto aos preços praticados pelas companhias low-cost alemãs, poderiam ser mais baixos, pelo que devem ser criadas condições que o tornem possível. Nos mercados italiano e holandês, especialmente no primeiro, a distância geográfica (Lisboa é o destino mais periférico) combinada com a ausência de voos low-cost resulta num claro prejuízo para a capital portuguesa. Como o nível de desenvolvimento do transporte aéreo nestes países não deve evoluir nos próximos anos, é preciso investir mais na promoção turística. Neste quadro podemos verificar que os custos médios do alojamento em Lisboa apenas são ultrapassados pelos de Varsóvia No mercado britânico é notória a influência das low-cost na redução geral das tarifas aéreas, ao contrário do que acontece com a Itália e com a Holanda, onde, inclusive, Lisboa é o destino mais caro 17

18 INTERNACIONAL LISBOA VISTA DE FORA Uma questão pessoal ABC Despegue Vertical Lisboa, uma questão pessoal em destaque no suplemento espanhol 18 Em espanhol, no suplemento distribuído com o jornal ABC, Lisboa, uma questão pessoal é o título do artigo publicado na edição de Outubro de Continuando em espanhol, na revista 2010, Sintra é o tema de artigo de três páginas na edição de Setembro de Experimenta Design 05 é o título da notícia publicada na revista espanhola Ronda Iberia, onde a bienal é um dos destaques na agenda internacional da revista. Em italiano, Quality Travel, o turismo de negócios na região de Lisboa é o tema de um artigo que ocupa quatro páginas da revista, na edição de Setembro de Na edição de 9 de Setembro do jornal inglês Times Educational Supplement, Lisboa é tema do artigo intitulado Lisbon? Hop on the number 28. Ainda em inglês, The Sunday Times Travel Magazine, o novo Hotel Bairro Alto, Hotel As Janelas Verdes e Hotel Metrópole são destaque na publicação de Outubro. Terminando em alemão, Revista Young Woman s Magazine, Lisboa é sugestão de visita. Quality Travel Turismo de Negócios na região de Lisboa em destaque na publicação italiana Ronda Iberia Experimenta Design 2005 em destaque na revista espanhola Times Educational Supplement Lisboa em inglês

19 New York Times recomenda vida nocturna lisboeta The Sunday Times Travel Magazine Hotéis Bairro Alto, Janelas Verdes e Metrópole na revista inglesa Revista 2010 Sintra em destaque na revista espanhola Young Woman s Magazine Lisboa é sugestão de visita na publicação alemã Num texto publicado a 30 de Outubro passado, no prestigiado New York Times, o jornalista Andrew Ferren elogia a animação nocturna de Lisboa e escolhe o Bairro Alto como ponto de partida. Com edifícios grandes mas delapidados, as ruas deste bairro ganham uma nova vida quando o sol se põe, numa imagem completamente oposta à que se pode ver durante o dia. O repórter do Times nova-iorquino alerta, por isso, os visitantes para que não se deixem enganar, pois as artérias do Bairro Alto, à noite, tornamse num desafio a qualquer passante. Sublinhando que beber na rua é legal, Andrew Ferren dá particular destaque às decorações dos intermináveis bares e ao facto de, como diz Vasco Sousa, do Club 43, o espírito do Bairro Alto passar por sair de casa e conhecer pessoas. E não falta oportunidades para isso, pois este é o local onde todos ricos, pobres, heterossexuais, homossexuais, portugueses ou estrangeiros são bem-vindos. Ao descer para a zona de Alcântara, são destacadas as conhecidas casas de diversão onde também se podem encontrar todos os tipos de pessoas. De saída para o fim da noite, o jornalista escolheu a zona de Santa Apolónia, marcada por um estilo diferente do que foi descrito no Bairro Alto, com a diversão a acontecer dentro de portas. Com o nascer do dia, Lisboa é descrita como uma cidade caracterizada pela sua beleza de cortar a respiração e comparada com a norte-americana São Francisco, com as suas colinas, as vistas de rio e até uma ponte quase igual. Este destaque é o segundo que o New York Times dedica a Lisboa, depois de, em Maio deste ano, ter também chamado a atenção para a vida nocturna da capital portuguesa, com o artigo In Two Lively Districts In Lisbon (Chiado e Bairro Alto), Every Night Is a Block Party. 19

20 20 VISÕES Manuel Graça Dias Arquitecto O que pensa do turismo em Lisboa e dos turistas que nos visitam? Uma tarde, em Manhattan, depois de uma visita a um qualquer museu e entusiasmados com que víramos, deambulámos, sem rumo certo, durante um bom bocado. A certa altura, estávamos em frente ao Hudson, virados para Brooklin, quando topámos um extravagante teleférico que corria em paralelo com a enorme ponte. Que divertido - dissemos - e, dez minutos depois, estávamos dentro de uma das cápsulas, de pé, com muita gente à volta, a caminho da outra margem. O passeio foi deslumbrante. A cápsula começou por elevar-se, sobrevoou coberturas e terraços (alguns com carros estacionados em cima, mistérios da elevação), ruas e avenidas, antes de se sobrepor ao rio. Ao lado, a ponte, atulhada de automóveis, já parecia pequena e longe. A meio, o teleférico parou numa ilha com uma escola e uma revoada de garotos, com mochilas e ar de fim de aulas, entrou em conversa e risotada. A travessia prosseguiu e pude assistir depois à rápida dispersão dos nossos diversos companheiros de viagem pelas ruas dessa outra margem da grande maçã. Turistas, ficámos só nós, sem saber muito bem o que fazer, na terra alheia, a indagar da partida para o outro lado. É notável - lembro-me de ter pensado -, este transporte tão divertido e, simultaneamente tão útil, para cá e para lá tão razoavelmente cheio de nova-iorquinos autênticos, gente que vem do trabalho, da escola ou das compras, e eu (nós) aqui, roubando-lhes estes instantes deles, por momentos compartilhando um troço das suas vidas, imitando-as, como se fizéssemos parte da metrópole, como se no-la tivessem, generosamente, emprestado. O discreto teleférico não vem (não vinha) nos guias turísticos, creio - embora eu não seja um leitor assíduo e fiel de semelhante literatura. Pelo menos não fará parte dos standards, como o Empire State, a Estátua da Liberdade, a Times Square, o Guggenheim de Wright ou uma noite no Blue Note. E é isto que é maravilhoso nas cidades, em qualquer cidade. Se não quisermos um turismo arregimentado pelos clichés, uma cidade verdadeira surpreender-nos-á a cada esquina. Tudo tão diferente dos estúpidos eléctricos vermelhos com bancos de veludo que percorrem Lisboa, autistas em relação a nós, lisboetas, oferecendo ao turista uma imagem congelada e absurda porque, ao lado, andam outros iguais, mas amarelos, a transportar ainda cidadãos teimosos. Preferia que os turistas os descobrissem sozinhos, que não fosse necessário falsear as estruturas de transporte, que não chegassem, também, à carreira do 28 com o compêndio nas mãos para observar a espécie em extinção. Disto me lembrei, nessa tarde em Nova Iorque, numa carlinga de teleférico bamboleante, por cima da massa líquida que reflectia bocados de sol encrespado verde e azul. INTERNACIONAL Johansens distingue hotéis portugueses A Condé Nast Johansens, o guia ilustrado mais completo sobre as melhores unidades de alojamento Britania e Cascais e de eventos da Grã-Bretanha, Europa e América do Norte, acaba Miragem integram de distinguir dois hotéis da Região de Lisboa. lista de hotéis O Hotel Britania, antigo Hotel recomendados. do Império, foi nomeado para a categoria Most Excellent Hotel for Design and Innovation. Na base da nomeação estiveram os trabalhos de restauro recentemente realizados no edifício projectado pelo arquitecto Cassiano Branco, nos anos 40, mantendo intactas as linhas art déco e o toque de modernidade que já ostentava na altura, ao conforto correspondente aos padrões quotidianos. O Hotel Cascais Miragem passou também a integrar a lista de hotéis recomendados pelo guia da Johansens, nomeadamente pela qualidade da arquitectura e pelo serviço de cinco estrelas que se pode encontrar em todas as dependências deste hotel, indica o site oficial Todos os anos, e sem aviso prévio, os inspectores desta instituição fazem visitas às unidades recomendadas para garantir que se mantêm as condições que originaram a distinção aos hotéis que constam neste guia internacional. China vai liderar Turismo dentro de 15 anos A China vai ser o principal mercado emissor mundial de turistas em De acordo com um estudo publicado pela corretora CLSA Asia Pacific Markets, dentro de pouco mais de uma década, mais de 115 milhões de chineses vão viajar anualmente para o estrangeiro. No ano passado, 29 milhões de chineses decidiram viajar para outros países, o que representou um crescimento de 43% em relação a 2003.

No pavilhão 2, com 108 stands, estavam representadas as regiões de turismo, câmaras municipais, associações e juntas de turismo, para além de hotéis,

No pavilhão 2, com 108 stands, estavam representadas as regiões de turismo, câmaras municipais, associações e juntas de turismo, para além de hotéis, VIII Legislatura II Sessão Plenária Horta, 26 de Janeiro de 2005 Grupo Parlamentar do Partido Socialista Deputada Ana Isabel Moniz Assunto: Bolsa de Turismo de Lisboa Senhor Presidente da Assembleia, Senhoras

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA

Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA Novo Aeroporto de Lisboa e privatização da ANA O turismo de Portugal não precisa de uma cidade aeroportuária nem de um mega aeroporto; O desenvolvimento do turismo de Portugal, num quadro de coesão territorial

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Política aeroportuária: as dúvidas e as questões

Política aeroportuária: as dúvidas e as questões Política aeroportuária: as dúvidas e as questões J. Paulino Pereira (Instituto Superior Técnico Universidade de Lisboa) Professor Universitário e Consultor 1 Sistema Aeroportuário Nacional 2 Questões levantadas

Leia mais

Portugal: Destino Competitivo?

Portugal: Destino Competitivo? Turismo O Valor Acrescentado da Distribuição Portugal: Destino Competitivo? Luís Patrão Turismo de Portugal, ip Em 2006 Podemos atingir 7.000 milhões de euros de receitas turísticas Teremos perto de 37,5

Leia mais

Estudo de Satisfação de Turistas. Your Business Innovation Partner

Estudo de Satisfação de Turistas. Your Business Innovation Partner Estudo de Satisfação de Turistas Your Business Innovation Partner Índice Enquadramento 3 1.1 Objectivos 4 1.2 Metodologia 6 Síntese 9 Análise 16 3.1 Caracterização da Amostra 18 3.2 Caracterização das

Leia mais

Actual contexto do mercado turístico e perspectivas futuras. Luis Patrão Porto, 18 de Junho de 2009

Actual contexto do mercado turístico e perspectivas futuras. Luis Patrão Porto, 18 de Junho de 2009 Actual contexto do mercado turístico e perspectivas futuras Luis Patrão Porto, 18 de Junho de 2009 Portugal um dos principais destinos turísticos mundiais Turistas do Estrangeiro 12,3 milhões 12º na Europa

Leia mais

especiais por ano, garantindo a máxima capacidade de transporte para jogos de futebol, concertos e outras celebrações de massas.

especiais por ano, garantindo a máxima capacidade de transporte para jogos de futebol, concertos e outras celebrações de massas. O Metro do Porto O Metro é um sistema de transportes públicos da Área Metropolitana do Porto e combina uma rede ferroviária subterrânea, no centro da cidade, com linhas à superfície em meio urbano e diversos

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Licenciatura em Engenharia Informática Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Portugal Golfe e a Internet Alunos Número André

Leia mais

DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA

DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA HÓSPEDES HOTELARIA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA (NUTSII) (Fonte: INE, PORTUGAL) HOLANDA Hóspedes hotelaria - AM Lisboa 82.600 78.557 75.546 76.601 75.636 74.305

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

1 - ambitur.pt, 27-01-2007, Porto Santo vai receber Congresso da APAVT em 2008? 2 - Diário de Viseu, 25-01-2007, Bolsa de Turismo de Lisboa

1 - ambitur.pt, 27-01-2007, Porto Santo vai receber Congresso da APAVT em 2008? 2 - Diário de Viseu, 25-01-2007, Bolsa de Turismo de Lisboa Notícias APAVT - Janeiro 2007 Revista de Imprensa 03-10-2007 1 - ambitur.pt, 27-01-2007, Porto Santo vai receber Congresso da APAVT em 2008? 2 - Diário de Viseu, 25-01-2007, Bolsa de Turismo de Lisboa

Leia mais

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Na frente ribeirinha de Lisboa, a poucos minutos do Parque das Nações, desenvolve-se um novo condomínio que enquadra toda a estrutura pré-existente

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Conheça os seus direitos em caso de: Recusa de embarque Cancelamento de voo Atrasos prolongados Colocação em classe inferior Viagens organizadas

Conheça os seus direitos em caso de: Recusa de embarque Cancelamento de voo Atrasos prolongados Colocação em classe inferior Viagens organizadas OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO AS NOVAS REGRAS Dia 17 de Fevereiro entra em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que

Leia mais

XXXIV Congresso APAVT - MACAU 2008

XXXIV Congresso APAVT - MACAU 2008 XXXIV Congresso APAVT - MACAU 2008 Março 2008 Revista de Imprensa 03-04-2008 1 - Presstur.com, 20-03-2008, Abreu lança programa "Macau, Estrela do Oriente" desde 1.350 euros durante o "Mundo Abreu" 2 -

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

Novembro 2008. XXXIV Congresso APAVT - Macau

Novembro 2008. XXXIV Congresso APAVT - Macau Novembro 2008 XXXIV Congresso APAVT - Macau Revista de Imprensa 12-12-2008 1 - RTP 1, 23-11-2008, Férias no Natal 2 - Expresso, 22-11-2008, Portugal vendido na Ásia 3 - Jornal de Notícias, 22-11-2008,

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5 Tema de pesquisa: Internacional 25 de Setembro de 2012 Revista de Imprensa 25-09-2012 1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1 2. (PT) - Jornal de Negócios - Negócios Mais, 25/09/2012, Bluepharma

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 6 - outubro 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem 1.

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

ROTAS AÉREAS PARA O PORTO. Verão 2011. Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo. Março

ROTAS AÉREAS PARA O PORTO. Verão 2011. Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo. Março ROTAS AÉREAS PARA O PORTO Verão 2011 Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo Março Sumário Oportunidades Reino Unido Londres Alemanha Centro-Oeste e Sul Espanha Madrid

Leia mais

Promoção Imobiliária: que futuro para Lisboa?

Promoção Imobiliária: que futuro para Lisboa? REPORTAGEM AUTÁRQUICAS ALMOÇOS APPII reúne se com os candidatos à CML Promoção Imobiliária: que futuro para Lisboa? Antes do sufrágio que decidirá quem liderará os destinos da capital portuguesa durante

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO. Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal. Síntese

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO. Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal. Síntese PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal Síntese 1 O PENT - Plano Estratégico Nacional do Turismo é uma iniciativa governamental, da responsabilidade do Ministério

Leia mais

Hotelaria em lisboa. com cidades europeias. Tourism, Hospitality and Leisure Department REGULATED BY RICS

Hotelaria em lisboa. com cidades europeias. Tourism, Hospitality and Leisure Department REGULATED BY RICS Hotelaria em lisboa análise comparativa com cidades europeias 215 Tourism, Hospitality REGULATED BY RICS hotelaria em lisboa análise comparativa com cidades europeias 215 Análise comparativa O presente

Leia mais

Satellite Newspapers Portugal Distribuição de Imprensa, Jornais e Revistas, S.A.

Satellite Newspapers Portugal Distribuição de Imprensa, Jornais e Revistas, S.A. O que é a Satellite Newspapers? A Satellite Newspapers é uma multinacional presente em 8 grandes regiões: - Europa - África - América do Norte - América Central - América do Sul - Médio Oriente - Austrália

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo. Janeiro 2015

Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo. Janeiro 2015 Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo Janeiro 2015 Índice Contexto 02 Objectivos 03 Metodologia 04 Imagem 05 Sports Reputation Index by IPAM 07 Determinação do valor potencial 12 Conclusões

Leia mais

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 1 O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de

Leia mais

Assim o termo M.I.C.E. significa:

Assim o termo M.I.C.E. significa: 1 Assim o termo M.I.C.E. significa: Meetings Qualquer tipo de reunião, focalizado apenas em uma empresa ou organização e seus respectivos colaboradores ou participantes Incentives Qualquer tipo de iniciativa,

Leia mais

Room to grow VII conferência anual do Turismo Cidades

Room to grow VII conferência anual do Turismo Cidades www.pwc.pt Room to grow VII conferência anual do Turismo Cidades A dinâmica das cidades europeias César Gonçalves Funchal 4 abril 2014 Quaisquer que tenham sido as razões que nos colocaram neste lugar

Leia mais

Programa de Promoção Turística e Cultural

Programa de Promoção Turística e Cultural Programa de Promoção Turística e Cultural Sintra encontra-se em 11º lugar no ranking dos 50 melhores lugares a visitar, nas escolhas dos leitores do jornal New York Times? Sintra é uma das 21 finalistas

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade Maria José Catarino Vogal do Conselho Directivo Trancoso, 28 de Outubro de 2009 TURISMO - Contributo para o desenvolvimento sustentado

Leia mais

OBJECTIVOS DO OBSERVATÓRIO:

OBJECTIVOS DO OBSERVATÓRIO: ENQUADRAMENTO: O Observatório do Turismo de Lisboa é uma estrutura interna da Associação Turismo de Lisboa, criada em 1999. A ATL é uma associação privada de utilidade pública, que conta actualmente com

Leia mais

ROTAS AÉREAS PARA LISBOA. Verão 2011. Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo. Março

ROTAS AÉREAS PARA LISBOA. Verão 2011. Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo. Março ROTAS AÉREAS PARA LISBOA Verão 2011 Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo Março Sumário Oportunidades Reino Unido Londres Alemanha Centro-Oeste Espanha Madrid e

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

A procura dos cursos da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril triplicou

A procura dos cursos da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril triplicou Pág: 12 Área: 18,37 x 22,86 cm² Corte: 1 de 5 Entrevista ALEXANDRA PEREIRA Directora da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril A procura dos cursos da Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril triplicou

Leia mais

Intervenção do Sr. Deputado. Osório Silva. Intitulada: O Sector do Turismo na Ilha Terceira. Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores

Intervenção do Sr. Deputado. Osório Silva. Intitulada: O Sector do Turismo na Ilha Terceira. Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Intervenção do Sr. Deputado Osório Silva Intitulada: O Sector do Turismo na Ilha Terceira Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sala das Sessões, Ilha do Faial O Partido Socialista/Açores,

Leia mais

Normas de Admissão (Regulamento de Jóias e Quotas)

Normas de Admissão (Regulamento de Jóias e Quotas) Normas de Admissão (Regulamento de Jóias e Quotas) Capítulo I // Disposições Gerais As presentes normas têm como finalidade estabelecer as regras a que devem obedecer a admissão de novos associados da

Leia mais

XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011. Diogo Gaspar Ferreira

XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011. Diogo Gaspar Ferreira XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011 Diogo Gaspar Ferreira 1. PONTOS FRACOS E FORTES DO TURISMO RESIDENCIAL PORTUGUÊS 2. PLANO ESTRATÉGICO A

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 13/98, de 17 de Abril Segundo Protocolo Adicional de Cooperação no Domínio da Comunicação Social entre a República Portuguesa e a República de Moçambique, assinado em Maputo aos 28 de Novembro

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo. Janeiro 2014

Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo. Janeiro 2014 Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo Janeiro 2014 Índice Contexto 02 Objectivos 03 Metodologia 04 Imagem 05 Sports Reputation Index by IPAM 07 Determinação do valor potencial 12 Prevendo

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais

Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA

Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA A Rota Vicentina (RV) é uma rota pedestre ao longo do Sw de Portugal que pretende afirmar esta região enquanto destino internacional de turismo de natureza,

Leia mais

Calçado português reforça aposta no mercado alemão

Calçado português reforça aposta no mercado alemão Calçado português reforça aposta no mercado alemão O mercado alemão é uma prioridade estratégica para a indústria portuguesa de calçado. Por esse motivo, a presença nacional na GDS, o grande evento do

Leia mais

mais PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP

mais PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP VOTE CARLOS BARBOSA 2011/2015 ÓRGÃOS SOCIAIS DIRECÇÃO PRESIDENTE Carlos de Alpoim Vieira Barbosa, sócio 14294 Miguel António Igrejas Horta e Costa

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

HELLO CABO VERDE EXPO 2011

HELLO CABO VERDE EXPO 2011 New Bedford, 31 de Janeiro de 2011 HELLO CABO VERDE EXPO 2011 Exposição sobre as Oportunidades de Negócios e Turismo em Cabo Verde New Bedford, MA 27 a 29 de Maio de 2011 OBJECTIVO O objectivo da exposição

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Rússia Oportunidades e Dificuldades do Mercado Março 2012 Índice 1. Oportunidades 3 1.1 Comércio 3 1.2 Investimento de Portugal na Rússia 4 1.3 Investimento da Rússia em

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 0 9 A TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, em 2009, desenvolverá as suas acções em três vertentes fundamentais: a Internacionalização através do

Leia mais

Assunto: DescubraPortugal / Canal de promoções comerciais

Assunto: DescubraPortugal / Canal de promoções comerciais CIRCULAR Nº 021/2009 (G) CP/MS Lisboa, 04 de Março de 2009 Assunto: DescubraPortugal / Canal de promoções comerciais Caro Associado, A campanha Descubra um Portugal Maior, lançada pelo Turismo de Portugal

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Rússia Oportunidades e Dificuldades do Mercado Fevereiro 2010 Índice 1. Oportunidades 3 1.1 Comércio 3 1.2 Investimento de Portugal na Rússia 4 1.3 Investimento da Rússia

Leia mais

Trekking nos Pirinéus

Trekking nos Pirinéus Intensidade Moderada (nível 3 em 5 max) 7 dias de caminhada moderada 6 noites em refúgios de montanha com possibilidade de 2 noites em Barcelona viagens em 2015 14 a 22/8-21 a 29/8-28/8 a 5/9 Parque Nacional

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt QUEM SOMOS SOMOS ESPECIALISTAS (corpos sociais) Jorge Alves Prof. Catedrático jubilado

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo www.pwc.pt Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo 16 Cláudia Coelho Diretora Sustainable Business Solutions da Turismo é um setor estratégico para a economia e sociedade nacional o que se reflete

Leia mais

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE Com a criação da CEE, as trocas comerciais entre membros sofreram enormes aumentos de tráfego, tendo as empresas a oportunidade de aceder a um mercado muito mais vasto.

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

1. Primeiro de Janeiro, 04-05-2010, Capital de risco cresce 14% 1. 2. Diário Económico, 04-05-2010, Actividade de capital de risco cresceu 14% 2

1. Primeiro de Janeiro, 04-05-2010, Capital de risco cresce 14% 1. 2. Diário Económico, 04-05-2010, Actividade de capital de risco cresceu 14% 2 Revista de Imprensa 12-05-2010 1. Primeiro de Janeiro, 04-05-2010, Capital de risco cresce 14% 1 2. Diário Económico, 04-05-2010, Actividade de capital de risco cresceu 14% 2 3. Económico Online, 03-05-2010,

Leia mais

Programa do Congresso

Programa do Congresso Programa do Congresso 02 de Dezembro - Sábado - Chegada dos Congressistas a Ponta Delgada. - Transfer para os Hotéis. - Entrega da Pasta de Congressista no Wellcome Desk instalado nos Hotéis. 19:30h -

Leia mais

INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA

INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO PORTO DE LISBOA 2011 1 INQUÉRITO A PASSAGEIROS INTERNACIONAIS DE CRUZEIRO INTRODUÇÃO Na continuidade do estudo que vem sendo realizado pelo, em conjunto

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Importância geoestratégica de Portugal

Importância geoestratégica de Portugal GRANDE REPORTAGEM CLUBE EUROPEU AEVILELA Importância geoestratégica de Portugal PORTO DE SINES Porta ideal de entrada num conjunto de mercados CIDADE DA HORTA Telegraph Construction and Maintenance Company

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

Barómetro Travelstore American Express 2011 Sergio Almeida

Barómetro Travelstore American Express 2011 Sergio Almeida Barómetro Travelstore American Express 2011 Sergio Almeida Director de Negócio Travelstore American Express Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à 1. Amostra 2. Caracterização

Leia mais

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta Agenda O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta O Diagnóstico Turismo marítimo e costeiro Náutica de Recreio 60 Turismo Maritimo e Costeiro 123 Nautica

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO

PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO REGRESSO À CASA Concurso para a selecção da REDACÇÃO e CONSELHO EDITORIAL do JORNAL ARQUITECTOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO I. RESPOSTAS Formatos: os formatos previstos são a edição online, o fórum na internet,

Leia mais

Plano de Actividades Ano de 1999

Plano de Actividades Ano de 1999 Plano de Actividades Ano de 1999 O ano de 1999 ficará assinalado pela reorganização da Central de Reservas com o lançamento da CENTER - Central Nacional de Turismo no Espaço Rural. CENTER - Central Nacional

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República Continuarei a percorrer o País, de Norte a Sul, a apelar à união de esforços, a levar uma palavra de esperança e a mostrar bons exemplos de resposta à crise. Discurso de Sua Excelência o Presidente da

Leia mais

>>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico. as nossas cidades retratadas por crianças

>>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico. as nossas cidades retratadas por crianças >>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico as nossas cidades retratadas por crianças ----------------------------------------------------------- departamento de promoção da arquitectura educação pela arquitectura

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 31/94 Acordo sobre Transportes Rodoviários Internacionais entre a República Portuguesa e o Reino da Noruega

Resolução da Assembleia da República n.º 31/94 Acordo sobre Transportes Rodoviários Internacionais entre a República Portuguesa e o Reino da Noruega Resolução da Assembleia da República n.º 31/94 Acordo sobre Transportes Rodoviários Internacionais entre a República Portuguesa e o Reino da Noruega Aprova, para ratificação, o Acordo sobre Transportes

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA: Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas)

Leia mais

Com decisão sobre aeroporto de Charleroi, Comissão promove actividade das companhias de custos reduzidos e desenvolvimento regional

Com decisão sobre aeroporto de Charleroi, Comissão promove actividade das companhias de custos reduzidos e desenvolvimento regional IP/04/157 Bruxelas, 3 de Fevereiro de 2004 Com decisão sobre aeroporto de Charleroi, Comissão promove actividade das companhias de custos reduzidos e desenvolvimento regional A Comissão Europeia tomou

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MILHAS TOP MILES

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MILHAS TOP MILES REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MILHAS TOP MILES NOTA DE BOAS VINDAS Beneficie das vantagens exclusivas do Programa de Milhas Top miles (adiante designado por Programa de Milhas ), assim como, dos serviços

Leia mais

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE ESBOÇO MARÇO DE 2014 Esta publicação foi produzida para revisão pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA 2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA Gestão Inteligente e Competitividade 15 de Setembro 2011 Museu da Carris Conheça as estratégias nacionais e internacionais para uma gestão eficiente da mobilidade urbana

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

www.pwc.pt Room to grow European cities hotel forecast 2014 César Gonçalves Susana Benjamim 19 março 2014

www.pwc.pt Room to grow European cities hotel forecast 2014 César Gonçalves Susana Benjamim 19 março 2014 www.pwc.pt Room to grow European cities hotel forecast 2014 César Gonçalves Susana Benjamim 19 março 2014 Introdução 3ª edição do European cities hotel forecast; enquadrada pela 2ª vez; Colaboração da

Leia mais

Cumprimento particular à nova Direção da AHRESP

Cumprimento particular à nova Direção da AHRESP Cumprimento particular à nova Direção da AHRESP Comendador Mário Pereira Gonçalves Minhas Senhoras e meus senhores, O Turismo é um setor estratégico para a economia nacional. Representa cerca de 9,5% do

Leia mais

A Competitividade dos Portos Portugueses O Turismo e o Sector dos Cruzeiros

A Competitividade dos Portos Portugueses O Turismo e o Sector dos Cruzeiros O Turismo e o Sector dos Cruzeiros Agenda 1. Portugal e o Mar 2. Os Cruzeiros no PENT 3. O Turismo na Economia Portuguesa 4. O Segmento de Cruzeiros Turísticos 5. Cruzeiros Turísticos em Portugal Terminais

Leia mais

Propostas para Revitalização do sector do Turismo Residencial Janeiro de 2013

Propostas para Revitalização do sector do Turismo Residencial Janeiro de 2013 Propostas para Revitalização do sector do Turismo Residencial Janeiro de 2013 APR Associação Portuguesa de Resorts A Associação Portuguesa de Resorts (APR) tem por missão promover a imagem, empresas e

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais