capitao_do_campo.indd 1 16/06/ :39:48

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "capitao_do_campo.indd 1 16/06/2014 02:39:48"

Transcrição

1 1 capitao_do_campo.indd 1 16/06/ :39:48

2 CRÉDITOS União Sudeste Brasileira Administração: Presidente Pr. Maurício Lima Secretário Pr. Leônidas Guedes Tesoureiro Pr. Volnei Porto Editor: Pr. Ivay Araújo Revisão: Wellen Erthal Projeto Gráfico: Carlos Alberto A. Goes Impressão e Acabamento: 1ª edição mil exemplares Ministério dos Desbravadores 2 capitao_do_campo.indd 2 16/06/ :39:49

3 ÍNDICE Editorial Técnicas de acampamentos... Filosofia Objetivos de um acampamento Tipos de acampamento Escolhendo o local do acampamento Equipamentos básicos para acampamento Nós e amarras... Nós e seus empregos Amarras básicas Pioneirias e construções... Comida ao ar livre/mateira... Meio ambiente e sustentabilidade... Primeiros socorros... Padiolas Improvisadas Kit básico de primeiros socorros Avaliação do acidente Sinais vitais Obstrução respiratória Parada respiratória Fraturas Animais peçonhentos Afogamento Queimadura Hemorragia Estado de choque Emergências Clínicas Faca, facão e hadinha... Faca de mato Machadinha Recreação para camping... 3 capitao_do_campo.indd 3 16/06/ :39:49

4 Palavra do Líder: Trilhas nos bosques, caminhadas nas montanhas, acampamentos, ordem unida, camporis... afinal, você já parou para pensar por que o clube tem estes programas? Já imaginou quanto é gasto com todas estas atividades? Será que as pessoas que participam ou até dirigem estão sabendo por que estão fazendo tudo isto? Na verdade, sabemos sim! Todas estas atividades fazem parte do currículo dos Desbravadores. Tudo isso é parte de um conjunto de programas e projetos que visam desenvolver o aspecto tridimensional do juvenil ou adolescente de forma organizada, produtiva, responsável e segura. Nosso alvo maior é seguir o líder Jesus e para tanto existe o clube. Tudo o que fazemos, tem gosto de aventura, movimentação, alegria, comandos sincronizados, apelos aos sentidos, desenvolvimento da coordenação motora, espírito de grupo e, conhecimento da natureza com todas as suas belezas que nos levam a reconhecer as digitais do Criador! É por isso que existe o capitão do campo. Para desenvolver habilidades que possam ser úteis tanto na vida no clube como até mesmo na vida pessoal. Uma aprendizagem que levará o adolescente a conhecer e praticar coisas que poderão mudar ou até salvar vidas! Este fascículo visa não somente a motivação, mais especialmente a experiência prática do capitão com as coisas da natureza e vida no campo. Bem-vindo ao mundo do capitão do campo, o capitão habilidoso. Maranata! Pr. Ivay 4 capitao_do_campo.indd 4 16/06/ :39:49

5 CAPITÃO DO CAMPO O CAPITÃO HABILIDOSO TÉCNICAS DE ACAMPAMENTO FILOSOFIA Acampamento (do inglês,camping)é um local onde se estabelecem barracas ou tendas,- geramente com proximidadeá natureza onde toda a infra-estrutura é levada pelos campistas, tal prática é conhecida por campismo. Acampar é uma atividade para todos, mas especialmente para os juvenis de 10 a 15 anos. Devemos gozar deste privilégio. Os acampamentos são indispensáveis no programa de atividades dos Desbravadores, por isso devem ser realizados várias vezes por ano. O valor de um acampamento depende de sua finalidade e programa. Assim como: o local, o equipamento, as acomodações, o tempo e outros fatores podem influenciar no seu êxito. Todavia, a liderança é a chave do sucesso de qualquer acampamento. Sem um preparo adequado, sem uma visão da finalidade. Sem planejamento e dedicação da parte dos dirigentes. Um acampamento não poderá alcançar os alvos desejados. Quem promove um acampamento deve aproveitar os contatos com a natureza e levar os acampantes a se sentirem mais perto de Deus. Isso não deve acontecer por acaso, deve ser o resultado de bons planos, traçados com cuidado e antecedência, executados com dedicação. Cada criança desenvolve-se natural e continuamente. Em cada lugar porque passa a cada pessoa com quem entra em contato, torna-se parte dela. A criança cresce melhor na companhia de alguém que seja experiente, e que a compreenda e valorize. Acampar é um ótimo meio de moldar tal desenvolvimento. A vida ao ar livre representa um tremendo potencial em valores espirituais e elementos construtores do caráter. A arte de acampar oferece grandes oportunidades para se praticar procedimentos democráticos de grupo; para se adquirir autoconfiança, criatividade, autodisciplina e respeito pelos outros; para aplicação prática do conhecimento sobre a Natureza, e para maior apreciação da mesma; e acima de tudo, os desbravadores gostam muito de acampar. É recomendado, portanto, que a vida ao ar livre, com os seus mais variados requisitos, forme um grande segmento do programa anual dos desbravadores. Isso é especialmente verdadeiro quando se considera que a familiaridade com a mata a floresta, pode ser grande aquisição para os dias futuros. A experiência adquirida através do companheirismo em acampamentos e as habilidades desenvolvidas para a sobrevivência na selva serão de grande auxílio para o povo de Deus nos tempos difíceis que estão por vir. 5 capitao_do_campo.indd 5 16/06/ :39:49

6 OBJETIVOS DE UM ACAMPAMENTO 1. Aumentar a familiarização com o ar livre. 2. Ensinar a ter confiança própria. 3. Ajudar os jovens e juvenis a sentir a proximidade de Deus e a se tornarem familiarizados com Ele por Sua criação. 4. Desenvolver vigor físico. 5. Preparar nossos juvenis para o tempo de tribulação vindouro. 6. Satisfazer o espírito de aventura. 7. Ensinar a habilidade de fazer frente aos elementos. 8. Ensinar as habilidades de observação; seguir uma pista, orientação, sobrevivência e assuntos que com ela se relacionam. Falar de acampamento realmente é uma grande diversão, pois se trata de uma das atividades mais divertidas que o clube de desbravadores realiza no decorrer do seu planejamento anual. São muitas as técnicas que podemos destacar sobre acampamento, mas iremos mencionar apenas as necessárias que um capitão precisa saber, para assim iniciar de forma segura as atividades da unidade no que se diz respeito o camping. No que se refere aos tipos de acampamentos são vários os tipos, mas relacionado ao clube de desbravadores podemos dividir em duas categorias: TIPOS DE ACAMPAMENTOS: 1. Instrução. Para prática e treinamento de orientações básicas e avançadas sobre como, onde e como acampar no mato. 2. RecreaçãO. Local para a realização de atividades recreativas que utiliza a natureza como ambiente interativo do grupo. 1.Acampamentos de: a. Instrução b. Recreação No acampamento de Instrução, temos como principal objetivo trabalhar as técnicas de camping e aproveitar pra trabalhar as especialidades ou classes que em algum item precisaria da natureza para o assim realizar. No geral feitos em regiões que proporciona a utilização de mais recursos naturais do que equipamentos prontos como barracas, fogões etc 6 capitao_do_campo.indd 6 16/06/ :39:49

7 No acampamento recreativo, já se utiliza mais os recursos tecnológicos disponíveis, mas sem exagero, onde é possível a utilização de energia, barracas modernas entre outros recursos de camping. Geralmente esse tipo de acampamento ocorre em regiões em que há uma infraestrutura pronta e uma área aberta já predefinida para só chegar e armar as barracas. Quando a unidade já estar num estágio avançado sobre camping, chegam a passar por um tipo de acampamento em que não se utiliza barraca e nem outros utensílios de camping, pois se trata do acampamento de sobrevivência, por se tratar de uma instrução de como sobreviver no mato somente com uma faca e a roupa do corpo, tendo em alguns casos uma pederneira ou uma bússola. Em termos de nomenclatura sobre o camping, no clube de desbravadores ocorrem o acampamento no mato, seja ele com ou sem barraca e o acantonamento que é um tipo de acampamento apenas de instrução sem o uso de barracas ou outras técnicas de camping usando em meio a natureza. ACAMPAMENTOS REALIZADOS NA IGREJA: CAMPORÉE - Acampamento envolvendo todos os Desbravadores de uma região, Estado ou País. TIPOS DE ACAMPAMENTOS GERAIS - Acampamentos envolvendo todos os desbravadores num mesmo Clube. POR UNIDADE - Acampamento que envolve apenas uma unidade específica, ou várias unidades. DIRETORIA - Acampamento que envolve apenas a diretoria (pessoas responsáveis pela organização e direção) de um ou mais Clubes. DIFERENÇA DE ACAMPAMENTO E ACATONAMENTO: ACAMPAMENTO Quando o grupo utiliza barracas e somente ambientes naturais para acampar. ACANTONAMENTO Quando o grupo se acampa em alojamentos de estruturas físicas próprias para o evento, no geral o espaço oferece recursos hídricos, energia e outros ambientes recreativos para tal evento. 7 capitao_do_campo.indd 7 16/06/ :39:49

8 1. Científico - Estudos de geologia, hidrografia e topografia. 2. Profissional - Construção de estradas, circos e agrimensores, etc. 3. Militar - Manobras de guerra. 4. Recreativo - Diversões. 5. Adestramento Escotismo, acampamentos metódicos, com um programa e objetivos onde se aprenda alguma coisa - ideal para os Desbravadores. Os acampamentos podem ser: Fixo e Volante. Fixo: quando vai permanecer mais de 24 horas. Volante: Pode ser uma excursão ou uma refeição ao ar livre que termine antes do anoitecer. ESCOLHENDO O LOCAL DO ACAMPAMENTO Onde vamos? É uma pergunta importante que à primeira vista, parece banal, pois sabemos que um acampamento é montado no mato, campo ou praia. A pergunta se refere ao local exato onde pretendemos acampar. O verdadeiro acampante tem convicção do que vai fazer. Montar uma barraca e nela se abrigar é fácil, qualquer leigo consegue. Mas preparar o local e manter um verdadeiro acampamento, embora simples, exige a perícia e a técnica de um acampante. O verdadeiro acampante, antes de se dirigir a um determinado local, procura saber as condições do terreno em que vai se instalar, por meio de mapas cartas topográficas, ou informações de amigos ou pessoas que conheçam o local, pois é de suma importância que se verifique as condições que o terreno lhe oferece e a direção do vento dominante na região. Para mantermos um acampamento, devemos verificar as condições do terreno - se não é pedregoso, encharcado, arenoso em encosta de morro, em crista de morro terreno muito inclinado ou debaixo de palmeiras ou árvores com galhos secos. Pedregoso - Em terreno pedregoso, dificilmente conseguiremos colocar estacas, abrir valas, sanitários, etc. Encharcado - Há o problema do lamaçal, dificuldades para conservar uma fogueira acesa, as estacas não se firmam e exigem que o leito ou todo o acampamento seja suspenso. Arenoso - Encontramos dificuldade de fixar as estacas e um vento relativamente forte poderá arrancar as barracas. Terreno muito inclinado - problemas de enxurradas, chuvas, leito e dificilmente conseguiremos manter uma barraca bem esticada. Encosta de morro - problemas de 8 capitao_do_campo.indd 8 16/06/ :39:49

9 enxurrada, desmoronamentos. Crista de morro - muito exposto ao vento. Debaixo de palmeiras - Perigo de quedas de folhas o até mesmo de troncos Debaixo de árvores secas Perigo da queda de galhos EQUIPAMENTOS BÁSICOS PARA ACAMPAMENTO Barraca Saco de dormir ou sleeping bag Isolante térmico Fogareiro portátil para preparo de comidas Lanterna Roupas variadas que atendam as condições climáticas do local (vento, chuva, frio, calor, presença de água e umidade) Mochila Kit de primeiros socorros Calçado adequados Mapas, bússula, GPS (dispositivos para localização) Local adequado para Acampar: 1. Local com água potável 2. Terreno de fácil escoamento de água para eventuais chuvas 3. De fácil acesso para visitas ou para eventuais saídas rápidas em caso de emergência. 4.Local seguro e com de preferência com lenha acessível. 5. Bosque próximo para atividades recreativas 6.Arvores para usufruir de sombras e armar barracas ou mesmo para reunir o grupo. Cuidados básicos: Sempre procurar todas as informações sobre o local onde irá acampar. Sempre arme sua barraca na direção em que o vento sopra, para evitar problemas com fogo ou mau cheiro de sua própria latrina. Evite armar a barraca em terrenos: arenoso, inclinados, encosta de morro, no topo de morro, debaixo de arvores secas, pedregoso e com buracos para evitar problemas de alagamento mal dormidas. Programe seu cardápio, de preferência 9 capitao_do_campo.indd 9 16/06/ :39:50

10 com alimentos saudáveis e que dê sustança. Providencie a área de higiene (latrina e banho) e descartar lixos orgânicos e não orgânicos. O orgânicos servem de aduba para a natureza, os não orgânicos devem ser coletados e levados de volta para a cidade. (Conservar e Preservar é papel do desbravador) As valas da latrina devem ter 60cm de profundidade e 90 de comprimento e 30cm de largura. Se possível faça uma pioneiria para acomadra-se na mesma. Lembrando que deve estar a favor do vento longe do local do acampamento, cerca de 100m. Ainda em relação ao local, se possível, dê preferência a uma área gramada, é o ideal, pois facilita o escoamento de chuvas em caso de uma. Equipe Tarefas: 1. Equipe da Cozinha: a. Responsável pelo cardápio e armar o ambiente de alimentação, bem como os cuidados da mesma. 2. Equipe de Transporte: a. Responsável pelo transporte da unidade ou clube. Locomoção e percurso é com eles mesmo. 3. Equipe de Programação: a. Grupo responsável por toda programação do acampamento. Avisos, tarefas, jogos, recreação, trilhas, espiritual etc. 4. Equipe de Materiais: a. Tudo que se diz respeito a materiais do acampamento é com eles. 5. Equipe de Eventos: a. São os responsáveis para montar e executar as atividades elaboradas na programação. 6. Equipe de Infraestrutura: a. Responsáveis por toda estrutura do acampamento, são os expertos em pioneiria, montagem de barracas e etc. Material da Unidade: A unidade deve ter duas barracas, machadinha, facão (2), facas (2), lanterna, corda de 20m, repelente, cordinhas finas, serra, estojo de primeiros socorros, apito, Iscas de fogo, bandeirim, utensílios de cozinha, plástico ou lona para cobrir a cozinha e outro para abrigar da chuva ou do sol forte. Material individual do desbravador Cada desbravador ao acampar deve levar: Bíblia, hinário, lição, seu uniforme completo, mochila, capa ou plástico, lanterna, canivete, agasalho, roupa de uso pessoal, cordinha, chinelo, colchonete, saco de dormir ou cobertor, prato e copo de plásticos, talheres, estojo de costura e 10 capitao_do_campo.indd 10 16/06/ :39:50

11 material de higiene. Todo esse material deve estar acondicionado em saco plástico, evitando de molhar em caso de chuva. Obs: não trazer a mudança para o acampamento e nem esquecer o essencial. 2. NÓS E AMARRAS CHICOTE CURTO - É a parte com que se trabalha. NÓ SIMPLES - Dar uma volta, passando através dela a extremidade da corda e apertando-a esse é o laço comum usado por todos. NÓS E SEUS EMPREGOS A origem dos nós remonta a pré-história, podem mesmo terem sido utilizados antes da descoberta do fogo e da manipulação dos metais. Empregados ao longo dos tempos com as finalidades mais variáveis, alguns adquiriram significados verdadeiramente religiosos, mágicos ou supersticiosos. Mas desde sempre quem mais utilizou os nós, foi a gente do mar. Assim, através dos tempos, a arte de fazer nós foi sendo aperfeiçoada e enriquecida até atingir outras organizações operacionais. A seguir apresentamos alguns nós e suas utilidades, que devem ser conhecidos por todo Desbravador. A fim de entender as instruções para fazer nós, são primeiramente necessárias três definições: CHICOTE COMPRIDO - É a parte longa da corda com que a pessoa trabalha ao formar o nó. VOLTA - Voltando-se a corda sobre si, forma-se um anel. Isso chama-se volta. NÓ CEGO - Escorrega e é praticamente inútil aprendemo-lo para evitá-lo fazer agora um segundo nó simples, cruzando o chicote curto sobre o comprido da mesma maneira que se fez antes. NÓ DIREITO - Não escorrega nem aperta, sendo fácil de desatar. Deve ser usado ao amarrar embrulhos, é valioso em primeiros socorros, etc. Fazer um nó simples agora fazer um segundo nó simples, cruzando o chicote curto sobre o comprido, na direção oposta em que foi feito o primeiro. O principiante sempre pensa que está atando o segundo ao revés. 11 capitao_do_campo.indd 11 16/06/ :39:50

12 NÓ DIREITO - Não escorrega nem aperta, sendo fácil de desatar. Deve ser usado ao amarrar embrulhos, é valioso em primeiros socorros, etc. Fazer um nó simples agora fazer um segundo nó simples, cruzando o chicote curto sobre o comprido, na direção oposta em que foi feito o primeiro. O principiante sempre pensa que está atando o segundo ao revés. NÓ CORREDIÇO - É usado para amarrar um cavalo a um poste. O nó escorrega, mas quando atado convenientemente se toma tanto mais apertado quanto mais se puxar o chicote curto. Fazer uma volta e em vez de passar por ela o chicote curto, como no caso do nó simples, passar o cordão duplo, se o nó corrediço deve passar por um anel, passar por este o chicote curto e então atar o nó simples em torno do chicote cumprido. NÓ DE CIRURGIÃO - Usado pelos médicos para atar os pontos de uma incisão. É valioso para o missionário em perspectiva. Fazer um nó simples, passando então segunda vez o chicote curto através da volta. O desenho corresponde à primeira fase do nó. Para completá-lo deve-se acrescentar em cima outro nó simples. LAIS DE GUIA - Para prender uma pessoa o um animal quando há necessidade imperiosa de que a laçada não se aperte como quando se desce alguém de um prédio incendiado ou quando se puxa uni animal à guia. E um nó que não corre nem emperra, tem grande valor. Fazer uma volta pequena sobre o chicote comprido, deixando o chicote curto bastante longo para passar em torno da pessoa ou do animal. Passe-se então o chicote curto pela volta pequena de baixo para cima. Passe-se logo o chicote curto ao redor do chicote cumprido e passe-se outra vez pela volta pequena de cima para baixo. Para apertar segura-se o nó e puxese pelo chicote comprido. 12 capitao_do_campo.indd 12 16/06/ :39:50

13 NÓ DUPLO - É o que se faz para amarrar os cordões dos sapatos. É preciso evitar o nó cego. Este nó é idêntico ao nó direito com a exceção de ser dupla a volta. CATAU - Muito útil para encurtar um cabo cujos dois extremos estejam presos. Apanhar a parte a ser encurtada, fazendo com ela meia laçada em torno de cada uma das voltas. NÓ DE ESCOTA - Usado para ligar a escota à vela do navio. Usado também, para amarrar duas cordas de diferentes grossuras. Se por exemplo, uma corda precisa ser jogada por cima de um alto muro ou a alguma distância, amarra-se primeiro um peso a um cabo fino e joga-se este peso com o cabo seguro. Liga-se depois a corda a este cabo. Trata-se de um nó muito útil para estender um lençol que servirá para projeções luminosas ou para qualquer outro caso em que um pedaço de pano deva ser esticado pelos cantos, com uma corda ou cabo. Fazer uma laçada com a corda maior ou o canto do lençol, passar o chicote curto da corda menor através desta laçada, de baixo para cima, e passá-lo logo ao redor da laçada, e então passá-lo de baixo do seu próprio chicote comprido, evitando que o chicote curto se introduza outra vez na laçada. NÓ DE PESCADOR - Muito prático para ligar cabos finos e meios duros, como as linhas de pescar. Não foge e é fácil de desatar. Pôr os dois cabos paralelos e com o chicote curto de cada um deles amarrar um nó simples sobre o outro. Puxar, depois os dois chicotes compridos. NÓ DE FATEIXA - Útil por ser fácil de executar e não fugir sob qualquer esforço. Passar a corda pela argola e cm torno do chicote cumprido, passado-a pela laçada assim formada. Repetir o movimento. 13 capitao_do_campo.indd 13 16/06/ :39:51

14 VOLTA DE FIEL - É o nó usado para amarrar as cordas das barracas. Todo desbravador deve conhecê-lo e executá-lo bem. Usa-se ainda para ligar uma estaca a outra. Passar a corda em redor da estaca de modo que o chicote curto passe debaixo do comprido. Levando a extremidade na mesma direção faça a passar novamente ao redor da estaca, de tal maneira que o chicote curto passe por dentro desta ultima laçada feita. VOLTA DA RIBEIRA - Usado para transportar ou levantar vigas ou pedaços pesados de madeira Passar o chicote curto em redor da viga, e em seguida passar por trás do chicote. AMARRAS BÁSICAS NÓ DE GANCHO - Muito útil para prender uma corda a um gancho. Fazer uma volta sobre o gancho, de modo que o chicote curto passe por baixo do comprido, para que, quando se puxar fortemente o chicote comprido, o chicote curto fique preso. Quando estamos em acampamento, este se torna mais agradável quando podemos construir um móvel simples de madeira nativa. Não é necessário martelos, pregos ou serras o suficiente será um bom machado, uma faca afiada alguma corda ou algum outro material de ligadura. Podemos fazer uma mesa de campanha, uma gamela para lavar, cabide para roupas e uma variedade de outras coisas fluas mobílias para o campo a) Passar em revista todo o seu conhecimento de nós, principalmente os nós volta de fiel e nó simples. b) Cada acampante deve ter uma corda com uns 90 cm. da grossura aproximada de um polegar. c) Começar com a amarra plana, pois esta é a amarra básica para as demais e deve ser aprendida primeira. 14 capitao_do_campo.indd 14 16/06/ :39:52

15 AMARRA PLANA a) Coloque as duas varas na posição mostrada pela figura 1. b) Dê um nó volta de fiel com uma extremidade da corda na vara vertical, fazendo passar a extremidade mais comprida da corda pelo laço. conforme mostra a figura 2. que fortalecerá o nó. e) Mantenha firmemente unidas as varas, passando a corda por baixo e em frente à vara horizontal, então por trás e para cima. De novo em torno e pela frente, de modo que a corda volte à posição inicial. Repetir este enlaçamento ao menos três vezes firmando fortemente a amarra. Não cruzar a corda sobre o centro das varas, ou no topo ou embaixo. Figura 3. d) Termine por apertar bem, isto é feito enrolando a corda entre as duas varas e puxando firmemente para uni-la com a primeira volta. Figura 4. Termine com qualquer dos seguintes nós: Volta do fiel, ou nó simples unindo a corda com a extremidade inicial. AMARRA DIAGONAL A amarra em diagonal é usada para cabides, suportes e cavaletes. Começa com o nó volta de fiel ao redor de dois ou três paus. (Fig. 1) No ponto em que cruzam dê duas ou quatro voltas. (Fig. 2) Faça o mesmo número de voltas na direção oposta, apertando sempre. (Fig. 3) Reforce as amarras passando as voltas entre os paus, duas ou quatro vezes. Aperte as cordas firmemente e termine com um nó direito. AMARRA CIRCULAR 1. Faça um nó volta de fiel em torno de uma vara. 2. Coloque a segunda vara paralela, 15 capitao_do_campo.indd 15 16/06/ :39:53

16 como mostra a figura fazendo com a outra extremidade da corda várias voltas paralelas até que as varas estejam firmes. 3. Dê algumas voltas passando por entre as duas varas paralelas para apertar, e finalize. 2. PIONEIRIAS E CONSTRUÇÃO AMARRA CONTÍNUA 1. Corte as varas do tamanho desejado e apare as extremidades. (Fig. 1) 2.Com o meio da corda dê um nó volta de fiel na vara de estrutura, passando as extremidades do corte sob cada vara. (Fig. 2) 3.Cruze a corda formando um X, puxando bem para apertar. (Fig. 3) 4. termine com o nó fateixa ou volta do fiel, e enfie as extremidades das cordas debaixo da última vara. 16 capitao_do_campo.indd 16 16/06/ :39:55

17 17 capitao_do_campo.indd 17 16/06/ :39:56

18 18 capitao_do_campo.indd 18 16/06/ :39:57

19 19 capitao_do_campo.indd 19 16/06/ :39:57

20 20 capitao_do_campo.indd 20 16/06/ :39:58

21 21 capitao_do_campo.indd 21 16/06/ :39:59

22 22 capitao_do_campo.indd 22 16/06/ :40:01

23 23 capitao_do_campo.indd 23 16/06/ :40:02

24 4. COMIDA AO AR LIVRE/MATEIRA O PREPARO DO ALIMENTO SEM UTENSÍLIOS DE COZINHA OVO NA CASCA DE LARANJA OVO NO BARRO Envolva o ovo em cerca e 1 cm de barro consistente e coloque-o sobre as brasas. Ao notar que o barro rachou, retire o ovo, pois já estará pronto. 1. Corte uma laranja pela metade e retire a polpa. 2. Quebre um ovo dentro da frigideira improvisada e acomode-as sobre as brasas. Não coloque sobre chamas diretas para não queimar. O ovo estará pronto entre cinco a dez minutos. BATATA NO BARRO Siga as mesmas orientações para ovo no barro. OVO NA CASCA DE MARACUJÁ Procedimento idêntico ao anterior 24 capitao_do_campo.indd 24 16/06/ :40:02

25 MILHO ASSADO Basta tem um bom espeto e deixa-lo numa grelha. PIZZA NA LATA Retire a tampa de uma lata de 20 litros e o forno já está pronto. Agora é só preparar a pizza e as brasas. É melhor que a lata não fique em contato direto com as brasas. PÃO DE CAÇADOR OVO ACEBOLADO Corte uma cebola grande ao meio e retire o miolo. Quebre um ovo e coloque-o na parte oca da cebola, pondo em seguida para cozinhar na brasa. Em uma lata ou casca de coco, misture uma xícara de farinha de trigo, uma pitada de sal, uma colher(chá) de fermento instantâneo, uma colher (sopa)de açúcar e um pouco de óleo. Adicione água até ficar consistente e prepare uma tira de massa, de cerca de 5 cm de largura e 1 cm de espessura. Para evitar que a massa grude, passe farinha de trigo nas mãos. Em seguida, corte uma vara resistente(goiabeira) e faça uma ponta no lado mais fino. Retire a casca e aqueça-a ao fogo. Depois, é só enrolar a massa e deixa-la assar numa fogueira, sobre forquilhas, dando uma volta no espeto, de vez em quando. (Imagem de espeto com pão enrolado) 25 capitao_do_campo.indd 25 16/06/ :40:03

26 PÃO NA GRELHA Prepare a massa com receita anterior e modele um pão arredondado ou chato. Para assar, coloque-o numa grelha posicionada sobre brasas, não se esquecendo de virá-lo de vez em quando. Outra forma é empurrar para o lado uma parte da fogueira e colocar a massa sobre o chão quente, envolvida em papel-alumínio, empilhando cinza quente sobre ela. ARROZ E VERDURAS EM PANELA DE BAMBU ARROZ NA CASCA DE COCO Corte um gomo de bambu acima dos nós, faça uma abertura e as abas, como mostra a figura. Dê preferência ao bambu maduro. (Imagem panela de bambu no fogo) Uma casca de coco pela metade ou um gomo de bambu serve de panela. Improvise duas argolas ou faça dois furos nas bordas das vasilhas, por onde passará a alça. Antes de utilizar sua panela, deixe-a queimar parcialmente. Coloque o arroz, a água e tempere como puder. Dependure a vasilha sobre o fogo e aguarde. Utilizando esse mesmo recurso dá para cozinhar feijão, macarrão, verduras, etc. 26 capitao_do_campo.indd 26 16/06/ :40:12

27 6.PRIMEIROS SOCORROS Padiolas Improvisadas Na falta de equipamento apropriado para transportar um ferido, se vire com cordas: Cordas. Siga a orientação das fotos. Forre a padiola com pedaços de tecidos, roupas ou folhas, se for necessário. Dois ou três sacos de algodão, juta ou plástico reforçado, desses usados para transporte de grãos. Corte o fundo e enfie uma vara em cada lado. Prenda as laterais com alfinetes de segurança. Duas varas ou galhos compridos de arvore e um cobertor ou pedaço de lona. Dobre o cobertor ou lona sobre as varas deixando-o com cerca de 60 cm de largura. Prenda as laterais com alfinetes de segurança. Jaquetas e blusas de tecido grosso (jeans, brim). Neste caso, o mais indicado é cortar as mangas de duas ou três jaquetas, na altura do ombro, e atravessar uma vara em cada manga. As costas dos blusões serão a parte de cima da padiola. Antes de usar uma padiola improvisada teste-a primeiro. 27 capitao_do_campo.indd 27 16/06/ :40:18

28 KIT BÁSICO DE PRIMEIROS SOCORROS Ataduras de crepe de três metros Soro Fisiológico Band-aid Lâminas de bisturi Alfinetes de segurança Luvas cirúrgicas Bandagem triangular e gaze Tesoura com ponta Pinça de sobrancelhas Termômetro clínico Esparadrapo Cotonetes Algodão Antisséptico spray Xilocaína ou lidocaína gel 2% Merthiolate incolor spray Gelol spray Água oxigenada 10 volumes Protetor solar Olho vivo Em emergências: 1.Esclareça a situação: O que aconteceu? Quantas pessoas estão envolvidas O perigo continua? Alguém mais precisa de ajuda É preciso chamar logo uma ambulância? 2.Pense na segurança Não se arrisque Afaste qualquer coisa que ameace a pessoa que está sendo atendida Só faça a remoção da pessoa se você souber e tiver forças para isso. 3.Atenda primeiro aos problemas mais sérios Hemorragias que precisam ser controladas. Respiração que precisa ser reativada. 4.Solicite ajuda Ambulância, Médico, Polícia, Bombeiros. Pronto-socorro Verifique sempre o prazo de validade dos medicamentos e evite dar remédios ás pessoas. A automedicação pode até matar. 28 capitao_do_campo.indd 28 16/06/ :40:18

29 Procure sempre o conselho de um profissional de saúde. AVALIAÇÃO DO ACIDENTE Antes de qualquer ação da prestação de socorro, o socorrista, principalmente se for amador, deverá seguir um atendimento a vítima que compreende de: C - Checar C - Chamar C - Cuidar C - Checar Consiste em verificar se o local é seguro para o socorrista e a situação em que a vitima se encontra.é bom sempre tentar relacionar a vitima e o local do acidente. Também é importante colher informações de testemunhas ( sapinhos ). C - Chamar O socorrista não deve perder tempo, ele deve imediatamente chamar o resgate. O numero é 193 ou 192 da SAMU. Não tem necessidade de chamar os dois. C - Cuidar Agora sua participação será fundamental, pois você estará cuidando do paciente até a chegada do socorro. Avaliação Inicial Essa avaliação consiste em verificar que tipo de problema sofreu a vítima, se for problema clínico (problema de saúde) ou trauma (provocado por acidente). Em caso de trauma, deverá realizar o exame físico: 1.Verificar o nível de consciência Perguntar para a vítima se está tudo bem. Se a vítima estiver consciente, se apresente e pergunte para a vítima o que ela sente. 2.Abrir vias aéreas Levando em consideração a suspeita de trauma de coluna, deverá realizar a tríplice manobra. 3.Respiração Ver, ouvir e sentir os movimentos respiratórios. Caso a vítima não respire, efetue 2 insuflações. 4.Circulação Verificação de pulso em grandes artérias com o controle de hemorragia. 5.Exame da cabeça aos pés Exame rápido a fim de verificar os problemas mais graves que a vítima pode ter. Também o monitoramento dos sinais vitais. 29 capitao_do_campo.indd 29 16/06/ :40:18

30 Prioridades de Atendimento Grandes hemorragias, PCR Parada Cardiorrespiratórias, PR Parada Respiratória, OR Obstrução Respiratória, Trauma no Crânio, Pequenas Hemorragias, Trauma de Coluna, Fraturas, Estado de Choque. Sinais vitais Temperatura Respiração Pulso Pressão Arterial Média 36ºC Estado febril 37º Febre 38,0 a 38,9ºC Pirexia 39ºC Adulto 10 a 20 MRPM Criança 20 a 30 MRPM Latente 30 a 40 MRPM Adulto 60 a 100 BPM Criança 100 a 120 BPM Latente BPM Obstrução Respiratória Vítima consciente engasgada P.A. sistólica: pressão máxima 110 a 140 mmhg. P.A. diastólica: pressão mínima 60 a 90 mmhg. Pergunte se a vítima: você pode falar?. Se não puder, aplique a manobra de Heimlish. Em gestante e obesos, as compressões no osso Esterno. Repita os passos até o socorro chegar ou até a retirada do corpo estranho. Vítima inconsciente engasgada Verifique o nível de consciência. No caso de inconsciência, abra as vias aéreas e verifique a respiração. Efetue duas insuflações. Se o tórax não elevar, repita operação. Se o ar não passar, deixe a vítima deitada em uma superfície plana e em cima dela aplique a manobra. Após a manobra, tente visualizar o corpo estranho para removê-lo. Se a vítima não respira repita todo o processo até o socorro chegar. Parada Respiratória Verifique o nível de consciência. Libere as vias aéreas. Respiração ver, ouvir e sentir. Se ela não respira, efetue 2 insuflações. Verifique a circulação com o controle de grandes hemorragias. Em bebê use o pulso braquial. Se a vítima tem pulso, então ela encontra um quadro de P.R. Faça uma insuflação a cada 5 segundos verificando o pulso e respiração a cada 10 ventilações, em criança ou bebê 1 insuflação a cada 3 segundos verificando o pulso e respiração a cada 20 ventilações. Parada Cárdio-Respiratória 30 capitao_do_campo.indd 30 16/06/ :40:18

31 Verifique o nível de consciência. Vias aéreas. Respiração ver, ouvir e sentir. Se a vítima não respira, efetue duas insuflações. Circulação, com controle de hemorragias. Se a vítima não tem pulso, ela se encontra no estado de P.C.R. Aplique a massagem cardíaca com o seguinte sincronismo: o Adulto 2 insuflações, 15 massagens verificando o pulso a cada 10 ciclos (com 2 socorristas, a cada 04 ciclos). o Bebê 1 insuflação com o ar das bochechas, 5 massagens 10 ciclos. Fraturas É uma ruptura total ou parcial da estrutura óssea (solução de continuidade no osso). Tipos: - Completa (quebra de osso) - Incompleta (quando ocorre fissura) - Aberta ou Exposta (provoca ferida na pele) - Fechada (não há perfuração na pele). Conduta: - Verifique o VRC - Ministre 02 - Nas fraturas alinhadas, imobilize com tala rígida ou inflável. - Nos deslocamentos, em fraturas expostas e fraturas em articulações imobiliza na posição encontrada com tala rígida. - Use bandagens para imobilizar fraturas ou luxações na clavícula, escápula e cabeça do úmero. - Após a imobilização, continue checando o pulso e perfusão capilar. - Não tente colocar o osso no lugar!!!x!x!x!x!x!x!x NÃO!!!!!!!!!!!!! Conduta em Fratura Exposta: - Controle a hemorragia - Não tente colocar o osso exposto no interior da ferida - Não limpe ou passe qualquer produto na ponta do osso exposto - Proteja o ferimento com gaze, ou atadura limpa. - Imobiliza com tala rígida - Previna o agravamento de contaminação - Procure socorro adequado Animais Peçonhentos São acidentes causados por ofídios, escorpiões, aranhas, vespas, abelhas e alguns seres marinhos, cujos veículos de introdução no corpo humano, se faz através de presas, ferrões, etc. Se você deparar com um acidente provocado por animal peçonhento, lembre-se quem 31 capitao_do_campo.indd 31 16/06/ :40:18

32 dificilmente ele será fatal, imediatamente ou poucos minutos após o acidente. Geralmente se dá por falta de tratamento sorológico. Portanto mantenha a calma e aja a tempo e aja da seguinte forma: Procure identificar e capturar o animal agressor, se possível: não gaste muito tempo com isso. Se não conseguir identificar, trate como se fosse um animal venenoso. Procedimento: VRC, avaliação e tratamento. Procure identificar e capturar o agressor Avalie os sinais vitais Limpe o local com água e sabão Ministre o O2 Mantenha o paciente deitado Transporte rápido. Previne ou trate o choque Faça um círculo em volta do local da picada com uma caneta para marca o local da inoculação do veneno Afogamento Min. Situação 0 Imersão total e pânico 1 Luta contra asfixia 2 Espasmo da glote 3 Deglutição da água 4 Vômitos 5 Perda da consciência 8 Convulsões 9 Parada respiratória Já era Etapas do Salvamento 1- Pesquisa o local à procura de galhos, gancho, cordas. 2- Salvamento (judô aquático). 3- Técnicas de primeiros socorros: OB ou PCR. Queimadura Lesão no tecido de revestimento do corpo, causado por agentes térmicos, químicos ou elétricos. Podendo causar destruição total ou parcial da pele e seus anexos, e atingir camadas mais profundas (músculos, tendões e ossos). 1º Grau atinge a epiderme Dor e vermelhidão no local Sem bolhas 2º Grau Epiderme mais a derme Dor e vermelhidão mais intensa Formação de bolhas. 3º Grau Todas as camadas da pele, gorduras e músculos. Ausência de dor Área escurecida ou esbranquiçada. 32 capitao_do_campo.indd 32 16/06/ :40:18

33 A gravidade da queimadura está relacionada com a sua extensão. Grandes queimaduras acima de 10% do corpo Queimaduras Térmicas: - Apagar o fogo com cobertor ou rolando a vítima. - Retirar a roupa da vítima, menos a parte queimada ou aderida no corpo. - Estabelecer a profundidade e a gravidade da queimadura. - Em caso de 1º grau, lavar com água fria. - Não passar nada no local, não furar bolhas e cuidado com as infecções. - Cobrir o local com o plástico estéril ou papel alumínio. - Quando nos olhos, cobrir com gaze embebida em soro. Queimaduras Químicas: - Lavar o local por 15 minutos sem pressão ou fricção. - Evitar o estado de choque. Queimaduras Elétricas: - Desligue a fonte de energia e afaste a vítima da fonte. - Verifique os sinais vitais e inicie a manobras de reanimação se necessário. - Trate das queimaduras, na fonte de entrada e saída da corrente elétrica. - Mande para o hospital. Hemorragia Perda aguda de sangue circulante. Ferida: é o resultado da agressão sofrida pelas partes moles, produzindo uma lesão tecidual. Procedimento: - Nunca toque na ferida. - Não aplique medicamento ou qualquer produto no ferimento. - Não retire o objeto empalado. - Proteger com gases ou pano limpo, fixando com bandagem, sem apertar o ferimento. - Fazer compressão não local suficiente para cessar o sangramento - Se for em membros, elevar o membro ferido. - Caso não haja controle no ferimento, pressione os pontos arteriais. - Torniquete deverá ser usado em último caso, com o uso de esfignomanômetro. - Procurar o socorro adequado. Procedimento em caso de hemorragia interna: - Mantenha as vias aéreas liberadas. - Mantenha a vítima deitada. - Em caso de fratura, use tala inflável. - Transporte na posição de choque. - Administre o capitao_do_campo.indd 33 16/06/ :40:18

34 - Não de nada de beber para a vítima. - Procure por socorro adequado. Estado de choque Falência hemodinâmica. Classificação: a) Hipovolêmico: - Hemorragia. - Queimaduras graves. - Diarréia, vômitos (desidratação). b) Cardiogênico: - Infarto. - Arritmia cardíaca. c) Séptico: - Infecções graves. d) Anafilático: - Reação de hipersensibilidade a medicamentos, alimentos. e) Neurogênico: - Lesão da medula espinhal. - Dores intensas. Como reconhecer o estado de choque: - Pele pálida, úmida e fria. - Pulso fraco e rápido. - P. A. Sistólica baixa. - Perfusão capilar periférica lenta ou nula. - Tontura ou desmaio. - Respiração curta e rápida. - Sede, tremor e agitação. - Rosto e peito coçando, vermelho, edemaciado (anafilático). Conduta: - Posicione a vítima deitada com as pernas elevadas. - Afrouxe suas roupas. - Mantenha a vítima aquecida. - Ministre o O2. - Choque anafilático, transporte a vítima para o hospital. Emergências Clínicas 1) I.A.M Obstrução de uma artéria do músculo cardíaco. Sinais e Sintomas - Dor súbita prolongada na região do peito. - Mal estar. Conduta - Repouso. - Monitorar os sinais vitais. - Afrouxar as vestes. - RCP se necessário. - Ministre o capitao_do_campo.indd 34 16/06/ :40:18

35 2) Desmaio Perda da consciência. Conduta: - Afastar a vítima no local agressor. - Monitorar os sinais vitais. - Cabeça mais baixa que o corpo. - Transporte para o hospital. 1) Derrame Interrupção do fluxo sanguíneo a determinada área do SNC. Sinais e sintomas: - Tontura. - Dor de cabeça. - Paralisia unilateral. - Às vezes sangramentos. Conduta: - Monitorar os sinais vitais. - Posição de coma para paciente. - Procure o recurso médico. 2) Convulsão Abalos musculares de parte ou de todo corpo, decorrente do mal funcionamento do SNC. Conduta: - proteger a vítima. - Proteger a língua com o pedaço de pano. - cabeça colocada de lado. Se em 5 min não passar, transporte para o hospital. 2.FACA, FACÃO E MACHADINHA A faca de mato é uma ferramenta bastante útil para o Desbravador e, por isso, deve ser bem comprada e bem cuidada. Ao comprares a faca de mato, verifica se o cabo é resistente e se está bem equilibrada. Normalmente as facas de mato já são vendidas com uma bainha. Se a tua não tiver, deves arranjarlhe uma o mais depressa possível. Podes sempre decorar a bainha da faca com coisas que te identifiquem, como uma espécie de marca pessoal. Para verificares se a faca está bem equilibrada, tenta precisamente equilibrar a faca em cima de um dedo, colocando este no início da lâmina, mesmo junto ao cabo. 35 capitao_do_campo.indd 35 16/06/ :40:18

36 COMO ENTREGAR A FACA DE MATO A OUTRA PESSOA Alguns acabam sempre por se cortarem com facas de mato (e mesmo canivetes) ao receberem-nas de outra pessoa. O Desbravador deve saber como entregar corretamente uma faca de mato, e também ter o devido cuidado ao recebê-la de outra pessoa. Não há uma maneira única de entregar a faca de mato. Apenas é preciso ter cuidado para ninguém se cortar na lâmina. NÃO - ao dar a faca com a lâmina para a frente, a pessoa que a recebe pode-se cortar, mesmo que lhe vá pegar no cabo. Uma faca deve sempre ser entregue com o cabo livre para se lhe pegar. NÃO - quando a pessoa que recebe puxar a faca, a lâmina desliza sobre os dedos de quem está a entregar, cortando-os de imediato. SIM - a pessoa que entrega a faca de mato nunca se corta, porque os dedos estão fora do alcance da lâmina. Por seu lado, a pessoa que a recebe, tem o cabo completamente livre para lhe pegar, ficando igualmente fora do alcance da lâmina. COMO CORTAR UM PAU COM A FACA DE MATO Para evitar que se corte um dedo ou uma mão, os movimentos da faca devem ser sempre feitos para fora do nosso corpo, no sentido oposto à mão com que seguramos no pau ou ramo. Assim, a lâmina da faca nunca vem contra nós por azar! CUIDADOS A TER COM A FACA DE MATO A faca deve andar sempre na bainha, quando não estiver a ser usada. No fim dos acampamentos e atividades, deves sempre cuidá-la, seguindo os seguintes passos: 1- limpá-la cuidadosamente de todos os 36 capitao_do_campo.indd 36 16/06/ :40:19

37 detritos, usando petróleo se for preciso; 2- secar bem toda a faca, por causa da ferrugem; 3- afiar bem a lâmina para ficar pronta para a próxima atividade; 4- untar toda a lâmina (e outras partes metálicas) com óleo para a proteger da ferrugem; 5- embrulhá-la num bocado de plástico, para conservar o óleo; 6- guardá-la numa gaveta ou caixa onde ficará em segurança. Enquanto estás no campo e te estás a servir da faca de mato, podes precisar de a pousar e não teres a bainha perto, ou então teres a faca tão suja que não a queiras guardar na bainha. Alguns cometem os maiores erros nestas alturas, mas você, como bom desbravador, farás o correto. maneira, mesmo espetando em areia, há sempre prejuízo para o fio da lâmina. Para além disto, deves ainda ter o cuidado de deixar a faca de maneira a que ninguém se corte na lâmina. Deixar a lâmina no meio do chão é um dos erros mais comuns de alguns: para além de apanhar demasiada umidade e de alguém a poder pisar e parti-la, alguém descalço ou de chinelos pode passar e cortar-se. Também espetar uma faca num cepo pode ser perigoso, pois alguém se pode cortar ao passar com um pé ou uma mão, para além de acabar por torcer o bico da faca caso seja espetada de ponta. NUNCA deves espetar a faca numa árvore viva nem na terra. Se espetares a lâmina na terra poderás encontrar uma pedra que te estrague o fio da lâmina. De qualquer Deves nunca esquecer que quando espetas uma faca num cepo, é apenas por alguns minutos ou segundos, e que o local não pode ser freqüentado por outras pessoas, senão alguém se pode cortar. 37 capitao_do_campo.indd 37 16/06/ :40:19

38 NÃO deves usar a tua faca de mato (ou canivete) num veículo em movimento, como por exemplo num comboio ou autocarro. Um solavanco inesperado pode causar um acidente com a lâmina. No caso de uma travagem brusca, a faca pode vir mesmo a espetar-se no corpo (teu ou de outra pessoa). Quando começas a usar a faca de mato, e tal como no caso do machado, deves ter a preocupação de verificar se tens pessoas junto a ti, que poderiam vir a ser vítimas de algum deslize da lâmina. Se transportares a tua faca de mato dentro da mochila, deves ter cuidado para não a enfiar à força no meio das coisas, pois o bico da faca pode furar a bainha e rasgar o material ou mesmo a mochila. Ao cortares uma espia ou cabo, não cortes na vertical, mas sim obliquamente, tal como com o machado. MACHADINHA A diferença entre o machado e a machada (ou machadinha) está no tamanho. O machado é grande e usa-se com as duas mãos. A machada é mais pequena e basta uma mão para a manobrar. O Desbravador costuma usar a machadinha. UTILIZAÇÃO DO MACHADO O Desbravador sabe usar o machado e a machada corretamente. A machada, usada só com uma mão, requer mais pontaria do que força. De fato, os golpes com a machada são dados pausadamente, calculando sempre o local do golpe, e sem excesso de força. Uma machada não se pega com as duas mãos desferindo fortíssimos golpes no alvo. O machado, apesar de ser pegado com 2 mãos, usa-se também pausadamente, sem 38 capitao_do_campo.indd 38 16/06/ :40:19

39 força excessiva e apostando sempre na pontaria. A machada, por poder ser usada apenas com uma mão, deve ser pegada pela «pega», na ponta do cabo, e não a meio do cabo. Tem-se melhor balanço, e é preciso fazerse menos força. Sempre que se começa a usar um machado, deve-se verificar o seguinte: 1- se a cunha está bem fixa; mergulhar o machado em água faz inchar a madeira e assim garantir melhor a fixação do cabo na lâmina; 2- se não há ninguém à volta que possa ser atingida por um golpe; Para cortar um ramo, nunca o devemos fazer em cima da terra, pois a lâmina acabará sempre por se enterrar no solo, estragando o fio. Deve-se sempre apoiar o ramo em cima de um cepo mais grosso. O ponto onde vamos cortar deve estar bem apoiado e o mais fixo possível. Nunca se deve desferir golpes com o machado sobre um ponto do ramo que esteja sem apoio, pois o efeito será muito pouco e o ramo ao vibrar pode fazer com que o machado salte e atinja o utilizador. 39 capitao_do_campo.indd 39 16/06/ :40:19

40 Os golpes devem ser alternados, ora inclinado para a esquerda ora para a direita. A inclinação do machado é importantíssima para os efeitos dos golpes. Nunca se devem dar os golpes com a lâmina num ângulo de 90º, ou seja, na vertical. Devese inclinar sempre o machado para fazer aproximadamente um ângulo de 60º. O machado nunca deve ser usado como martelo, pois não foi para isso que foi feito. DESBASTAR UM TRONCO Para limpar ou desbastar um ramo ou tronco, começa-se pelo início (parte mais grossa) e vai-se avançando em direção à ponta, no sentido de crescimento da árvore. Se os golpes forem dados no sentido contrário, acabará por rachar o tronco. 40 capitao_do_campo.indd 40 16/06/ :40:20

41 Para cortar uma vara verde, seguras pela parte de cima para a vergar. Os golpes devem ser dados com inclinação de 60º e não perpendicularmente à vara. Vergar a vara aumenta o efeito de corte do machado. CORTAR UM TRONCO NA VERTICAL (OU ABATER UMA ÁRVORE) A técnica apenas precisa de duas zonas de golpe: a primeira de um lado, e a segunda do lado oposto e mais em cima. Esta técnica aplica-se tanto para um ramo, como para um tronco, como para uma árvore. No caso de uma árvore, esta cairá para o lado da primeira zona de golpe. RACHAR LENHA Para rachar lenha, começas por cravar a lâmina no tronco (não precisa de ser com muita força), junto a uma das extremidades. De seguida, vais batendo com o conjunto tronco-machado em cima de um cepo. Aos poucos e poucos o machado vaise enterrando cada vez mais no tronco, rachando-o ao meio. 41 capitao_do_campo.indd 41 16/06/ :40:20

42 FAZER UMA ESTACA Para afiar uma estaca, deves apoiá-la em cima de um cepo, e golpeares com pontaria, como na figura. A cada golpe rodas um pouco a estaca. encostado a uma árvore e muito menos ainda cravado no tronco vivo de uma árvore. O seu manejo deve observar regras de segurança para o utilizador, assim como para pessoas que se encontrem por perto. Uma estaca deve ter a parte de trás ligeiramente desbastada, como na figura acima, para evitar que, ao bater nela, se desfaça. SEGURANÇA Para além de saber manejar corretamente o machado, o Desbravador deve igualmente saber tomar todas as medidas de segurança relativamente a esta ferramenta. Tal como a faca de mato ou outra qualquer ferramenta cortante, o machado não deve ser deixado caído no meio do chão, Deves ter todo o cuidado ao usares o machado para que este não te atinja uma perna ou um braço. Se estiveres a segurar com a mão no tronco ou ramo que cortas, verifica se a mão não fica ao alcance de nenhum golpe desviado por acaso. 42 capitao_do_campo.indd 42 16/06/ :40:20

43 O mesmo cuidado deves ter com as pernas, as quais deverás abrir conforme a posição em que estejas a cortar, de modo a que o machado nunca te atinja a perna, mesmo no caso de um golpe mal dado e que se desvie. NUM SUPORTE COMO GUARDAR O MACHADO Para cravar o machado num cepo é comum verem-se alguns a desferirem grandes golpes sem grandes resultados. A técnica consiste unicamente em espetar a lâmina em bico, e não com o fio todo. Para além disso, a lâmina deve ficar paralela ao cepo. O machado deve ficar guardado dentro da respectiva bainha, ou cravado num cepo ou num suporte próprio montado no campo. NUM CEPO FABRICO DE UMA BAINHA Como a maior parte dos machados que se vendem não trazem bainha, deves saber fazer uma com facilidade, para que o teu 43 capitao_do_campo.indd 43 16/06/ :40:20

44 machado ande sempre protegido e até o possas trazer à cintura. O material ideal é o cabedal. Se não tiveres cabedal, podes usar qualquer tecido grosso do tipo lona ou ganga, que não se rompam com facilidade. Para o reforçares podes fazer duas ou três camadas. TRANSPORTE O transporte do machado é outro fator importante na segurança. Quando o transportares na mão, segura-o sempre pela lâmina, e nunca pelo cabo. Os pequenos quando pegam no machado pela primeira vez, costumam andar a passear com ele segurando no cabo e balanceando-o «à índio», arriscando-se a bater com a lâmina nas pernas ou a atingir algum colega. Se o machado for grande podes levá-lo ao ombro, mas sempre com o fio da lâmina virado para fora. Depois de o cortares com o feitio que se indica na figura, abres orifícios para passares o cinto e para enfiares o cabo do machado. Estes orifícios, no caso de usares tecido, devem ser costurados do mesmo modo que as casas dos botões nas camisas, para não se rasgarem. Depois, é só coseres com fio grosso, e colocares um botão. Num sapateiro encontras com facilidade um botão de mola de fácil uso e que não custa nada a montar. 44 capitao_do_campo.indd 44 16/06/ :40:20

45 Quando se passa o machado a outra pessoa, deves entregá-lo sempre segurando na lâmina, para que lhe possam pegar facilmente no cabo. AFIAR A LÂMINA Para afiares a lâmina podes usar uma simples pedra de esmeril, a qual deves manter molhada com água ou, melhor ainda, com óleo. Usa movimentos circulares, deslocando para a frente. Se a pedra for grande, fixa-a (por exemplo num cepo) e imprime ao machado os movimentos circulares (observa a figura). Se a pedra for pequena, pega nela com uma mão e, tendo cuidado para não te cortares, anda com ela igualmente em movimentos circulares, mantendo o machado fixo. CONSERVAÇÃO Para evitar a ferrugem, deves ter em atenção alguns conselhos: Quando regressas de uma atividade, limpa bem o machado, para tirar toda a umidade; Para retirar ferrugem, usa palha-deaço; Para conservar o machado sem ferrugem, unta a lâmina com óleo ou outra gordura, e envolve-a com plástico; Uma lâmina com BOCAS Se a lâmina tiver bocas (ou lâmina romba), deves começar por as fazer desaparecer usando uma lima (de preferência triangular), e só depois usar a pedra de esmeril. 45 capitao_do_campo.indd 45 16/06/ :40:20

46 Depois de feito o cabo novo, insere-o no olhal e fixa-o com uma cunha. Começas por cavar um pequeno buraco em terra úmida onde enterras ligeiramente a lâmina deixando o olhal de fora. Quando estiveres a desbastar a lâmina do machado, para lhe retirar as bocas, tem cuidado. O fio da lâmina deve ficar com uma forma nem muito longa nem muito curta. Observa a figura para veres qual é a melhor forma. Depois, fazes uma pequena fogueira em pirâmide por cima, de modo a queimar a madeira. Logo que acabes e possas retirar então facilmente os restos de madeira queimada de dentro do olhal, deves mergulhar a lâmina em água fria para que não destempere. O machado deve ser bem equilibrado. Para testar o equilibro, colocas o machado sobre o dedo indicador, na zona do «pescoço», onde acaba o cabo e começa a lâmina. Se o machado se equilibrar é porque está em boas condições de equilíbrio. REPARAÇÃO DO CABO Se por acidente, ou qualquer outro motivo, o cabo do machado se partir, eis uma forma fácil de retirar os restos da madeira do cabo de dentro do olhal da lâmina. 46 capitao_do_campo.indd 46 16/06/ :40:20

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis tivessem mais orientações ou tomassem mais cuidado

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Acionamento do serviço de emergência Antes de iniciar qualquer procedimento, garanta sua segurança e acione o serviço de emergência. 193 192 Fonte:

Leia mais

05 Queimaduras em cozinhas

05 Queimaduras em cozinhas 05 Queimaduras em cozinhas As queimaduras mais comuns são as provocadas por líquidos e a maioria das vítimas são as crianças. O álcool líquido está envolvido em grande parte dos acidentes que provocam

Leia mais

Mundo das Especialidades Acampamento I - Atividades Recreativas - 050

Mundo das Especialidades Acampamento I - Atividades Recreativas - 050 Mundo das Especialidades Acampamento I - Atividades Recreativas - 050 Texto: Aênio Rodriguese Diagramação: Ranmaildo Revorêdo e Khelven Klay Quem escreveu! Aênio Rodrigues Estudante de Licenciatura de

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir: FRATURAS OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão Definir: * Fratura,luxação e entorse; * Citar 4 sinais ou sintomas que indicam tais lesões; * Citar 2 importantes razões para efetuar a imobilização;

Leia mais

1 SEGURANÇA, 2 PRATICIDADE, 3 CONFORTO

1 SEGURANÇA, 2 PRATICIDADE, 3 CONFORTO ATIVIDADES RECREATIVAS 052 Texto: Aênio Rodrigues; Diagramação: Khelven Klay AÊNIO RODRIGUES Faça sua apresentação: Sou desbravador desde os 9, participo do clube Reino Marinho da cidade de Lagarto-SE.

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA PRIMEIROS SOCORROS CONCEITO TRATAMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOCORRISTA CONHECIMENTO INICATIVA CONFIANÇA CRIATIVIDADE CALMA SOLIDARIEDADE ESTADO DE CHOQUE HIPOTENSÃO COM ACENTUADA BAIXA

Leia mais

Primeiros Socorros. São ações que cada cidadão pode realizar para ajudar alguém que esteja passando por um momento de risco.

Primeiros Socorros. São ações que cada cidadão pode realizar para ajudar alguém que esteja passando por um momento de risco. PRIMEIROS SOCORROS Primeiros Socorros São ações que cada cidadão pode realizar para ajudar alguém que esteja passando por um momento de risco. Há um conjunto de procedimentos de emergências para vítima

Leia mais

Primeiros Socorros. O que fazer imediatamente após acontecer um acidente?

Primeiros Socorros. O que fazer imediatamente após acontecer um acidente? Primeiros Socorros Dicas de Primeiros Socorros Você não precisa ser um socorrista experiente para conseguir ajudar alguém que se machucou no meio da natureza. Mas algumas coisas são fundamentais ter em

Leia mais

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros:

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros: Primeiros socorros Os primeiros socorros é o tratamento inicial dado a alguém que se magoou ou sofreu um acidente. Se o acidente for grave, não deves mexer na pessoa lesionada e chamar o 112, explicando-lhe

Leia mais

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3. Manual de instalação, uso e manutenção.

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3. Manual de instalação, uso e manutenção. ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3 Manual de instalação, uso e manutenção. Parabéns, ao adquirir o Ecofogão, você tem em mãos uma das tecnologias mais simples, eficiente e limpa atualmente disponível, para o

Leia mais

Objetivos. Salvar a vida humana. Minimizar a dor. Evitar complicações

Objetivos. Salvar a vida humana. Minimizar a dor. Evitar complicações Primeiros Socorros Objetivos Salvar a vida humana Minimizar a dor Evitar complicações Abordagem na vítima Verificar Sinais Vitais Verificar se há sangramento, fraturas e etc. Informar-se,se possível o

Leia mais

SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO

SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO Primeiros Socorros TST FILIPE MUNIZ RODRIGUES Introdução Primeiros Socorros, são as medidas imediatas aplicadas à uma vítima fora do ambiente hospitalar,

Leia mais

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00 PLANO INSTRUCIONAL Ação/Atividade: PROMOÇÃO SOCIAL/ PRIMEIROS SOCORROS Carga Horária: 20 HORAS Nº MÍNIMO DE PESSOAS: 12 PESSOAS Nº MÁXIMO: 15 PESSOAS IDADE MINIMA: 16 ANOS Objetivo Geral: PROPORCIONAR

Leia mais

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau 1 Lembre-se de três coisas Não tocar Isole a pessoa doente Ligue para a linha de apoio 2 Se pensa que alguém

Leia mais

Qualidade et ecnologia MANUAL DO USUÁRIO PRENSA DIGITAL A VAPOR ELETRÔNICA MODELO QPFB-16 WWW.SUNSPECIAL.COM.BR

Qualidade et ecnologia MANUAL DO USUÁRIO PRENSA DIGITAL A VAPOR ELETRÔNICA MODELO QPFB-16 WWW.SUNSPECIAL.COM.BR Qualidade et ecnologia MANUAL DO USUÁRIO PRENSA DIGITAL A VAPOR ELETRÔNICA MODELO QPFB-16 WWW.SUNSPECIAL.COM.BR Este produto foi projetado para dar ao seu vestuário um aspecto profissional, sem rugas e

Leia mais

STAR. Modelo N106 Grupos I, II e III. SAC: (11) 4072 4000 www.infanti.com.br

STAR. Modelo N106 Grupos I, II e III. SAC: (11) 4072 4000 www.infanti.com.br STAR Modelo N106 Grupos I, II e III SAC: (11) 4072 4000 www.infanti.com.br Conheça seu Assento de Segurança Cuidados e Manutenção A B C Encosto Guia lateral do cinto de segurança Braçadeiras do cinto (pres.

Leia mais

Como podes realizar um acampamento na tua escola

Como podes realizar um acampamento na tua escola A Educação Física está intimamente ligada com a Natureza. São bem exemplo desta afirmação modalidades como a canoagem, a vela, a escalada, o montanhismo, o campismo, entre outras. O campismo é uma forma

Leia mais

1º Boletim : Informação sobre os métodos de avaliação e material de estudo para os eventos

1º Boletim : Informação sobre os métodos de avaliação e material de estudo para os eventos 1º Boletim : Informação sobre os métodos de avaliação e material de estudo para os eventos COMO SERÃO FEITAS AS AVALIAÇÃOES Os requisitos gerais, espirituais, área de acampamento e disciplina, serão avaliados

Leia mais

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau Setembro/2010 Revisado em Fevereiro

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 2. Manual de instalação, uso e manutenção.

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 2. Manual de instalação, uso e manutenção. ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 2 Manual de instalação, uso e manutenção. Parabéns, ao adquirir o Ecofogão, você tem em mãos uma das tecnologias mais simples, eficiente e limpa atualmente disponível, para o

Leia mais

Berço Playard cercado para dormir e brincar H600

Berço Playard cercado para dormir e brincar H600 ABNT NBR 5860-:200 MANUAL DE INSTRUÇÕES Berço Playard cercado para dormir e brincar H600 IMPORTANTE LER COM ATENÇÃO E GUARDAR PARA EVENTUAIS CONSULTAS ADVERTÊNCIA: esteja ciente do risco de chama aberta

Leia mais

Limpeza e manutenção. Conheça a Minicadeira para Carro. Informações complementares

Limpeza e manutenção. Conheça a Minicadeira para Carro. Informações complementares Conheça a Minicadeira para Carro Tira de cinto de segurança para os ombros Tira de ajuste Guarde este manual de instruções para eventuais consultas. 2 Alça para carregar Botão de ajuste na alça Em todos

Leia mais

ALINHA ENTO FEI LASER. Visão geral: Ferramentas usadas no alinhamento: Fita adesiva Caneta vermelha Tesoura Chave de fenda Phillips

ALINHA ENTO FEI LASER. Visão geral: Ferramentas usadas no alinhamento: Fita adesiva Caneta vermelha Tesoura Chave de fenda Phillips ALINHA MENTO DO FEIXE LASER. Este tutorial é para ajudar a pessoa de manutenção da máquina laser no alinhamento do feixe laser que é a coisa mais importante para obter um correto funcionamento de sua máquina

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DOMÉSTICOS

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DOMÉSTICOS PREVENÇÃO DE ACIDENTES DOMÉSTICOS Ao falar de prevenção de acidentes domésticos fazemos um diferencial quanto aos acidentes no lar. Aqui vamos falar de acidentes que ocorrem ao realizar trabalhos domésticos

Leia mais

Primeiros Socorros Volume I

Primeiros Socorros Volume I Manual Primeiros Socorros Volume I um Manual de Junho de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode

Leia mais

A estrutura do nosso corpo foi "projetada" para suportar o nosso peso. A mochila é, portanto, uma carga extra.

A estrutura do nosso corpo foi projetada para suportar o nosso peso. A mochila é, portanto, uma carga extra. Arrumar a Mochila Corpo Nacional de Escutas Agrupamento 143 S. Mamede de Infesta A estrutura do nosso corpo foi "projetada" para suportar o nosso peso. A mochila é, portanto, uma carga extra. Graças à

Leia mais

AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012

AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012 AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012 Formador: Enfermeiro Paulo Oliveira (HUC) Síntese elaborada por Ana Sofia Frias Quando ligamos para o 112, quem atende a nossa

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA

CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA O QUE É A COCEL? A COCEL leva energia elétrica a toda Campo Largo. É esta energia que permite que as fábricas, o comércio e todo o setor produtivo funcionem. É graças

Leia mais

DICAS E ORIENTAÇÕES PARA REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET

DICAS E ORIENTAÇÕES PARA REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET DICAS E ORIENTAÇÕES PARA REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET ORGANIZAÇÃO: Antes de começar a trabalhar é necessário um mínimo de organização. Pode-se nomear uma comissão para coordenar os trabalhos, distribuir

Leia mais

MANUAL DE USO TREINOS E EQUIPAMENTOS

MANUAL DE USO TREINOS E EQUIPAMENTOS 2015 MANUAL DE USO TREINOS E EQUIPAMENTOS FITA SUSPENSA BOLA SUIÇA FAIXA ELÁSTICA CORDA PROFISSIONAL TAPETE DE EXERCÍCIOS MOCHILA SACO Nossos equipamentos são leves, práticos e simples de usar para que

Leia mais

H A R V A R D U N I V E R S I T Y EH&S Awarenss Training SEGURANÇA ELÉTRICA

H A R V A R D U N I V E R S I T Y EH&S Awarenss Training SEGURANÇA ELÉTRICA EH&S Awarenss Training SEGURANÇA ELÉTRICA As informações de segurança a seguir podem ajudá-lo a evitar perigos e choques elétricos. Mantenha sua área de trabalho limpa e seca. Nunca trabalhe ao redor de

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Manual de Instruções Carrinho - Twin

Manual de Instruções Carrinho - Twin Manual de Instruções Carrinho - Twin (Ref. 1350) Página 1 de 8 Remova o carrinho da caixa. As rodas dianteiras, rodas traseiras, bandeja frontal, pedana e capota dianteira devem ser instaladas antes de

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas as divisões

Leia mais

Introdução: O Problema dos Acidentes

Introdução: O Problema dos Acidentes Introdução: O Problema dos Acidentes Os acidentes representam um dos mais sérios problemas de saúde pública, constituindo-se na principal causa de mortes e invalidez entre jovens e crianças. Os acidentes

Leia mais

Redenção PA / ASPA-UNB 13 a 15 de Maio de 2011 Unidade, Serviço e Salvação

Redenção PA / ASPA-UNB 13 a 15 de Maio de 2011 Unidade, Serviço e Salvação Redenção PA / ASPA-UNB 13 a 15 de Maio de 2011 Unidade, Serviço e Salvação Apresentação Bem vindos ao I Acampamento de Instrução do Ministério Jovem edição Região Sul da ASPA. Este é um evento que nos

Leia mais

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAUDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

Leia mais

Criança com deficiência

Criança com deficiência Criança com deficiência Não espero pelos outros. Começo eu mesmo. Como toda criança, a criança com deficiência precisa de muito amor, atenção, cuidados e proteção. Precisa também brincar com outras crianças

Leia mais

Curta o acampamento de verão com segurança!

Curta o acampamento de verão com segurança! 1 Curta o acampamento de verão com segurança! Enquanto estamos contando os dias para o maior acampamento da Igreja Adventista no Brasil, nós queremos lembrá-lo da importância de ter um #acampamentoseguro!

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES POLTRONA DE MASSAGEM

MANUAL DE INSTRUÇÕES POLTRONA DE MASSAGEM MANUAL DE INSTRUÇÕES POLTRONA DE MASSAGEM SL-A11 Obrigado por comprar o nosso produto. Por favor leia este manual de instruções cuidadosamente para saber usá-lo corretamente antes da operação. Por favor,

Leia mais

Criança com deficiência

Criança com deficiência Criança com deficiência Não espero pelos outros. Começo eu mesmo. Como toda criança, a criança com deficiência precisa de muito amor, atenção, cuidados e proteção. Precisa também brincar com outras crianças

Leia mais

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA EM CAIXA DE MADEIRA Capacidade 84 ovos de galinha Autor: Randolfo Ribeiro Este projeto contém

Leia mais

O que fazer em caso de sismo

O que fazer em caso de sismo www.aterratreme.pt O que fazer em caso de sismo Todos os anos se realiza o exercício de prevenção de risco sísmico A Terra Treme, pois é importante relembrar as regras básicas de segurança incluindo alguns

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3184

MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3184 MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3184 POR FAVOR, LEIA ESTE MANUAL ATENTAMENTE ANTES DE UTILIZAR O PRODUTO Você acabou de adquirir um produto ETERNY, da mais alta qualidade. Agradecemos a sua

Leia mais

LLC NUNCA JOGUE FRUT NUNCA JOGUE FRU A FORA NO TA FORA N VA OV MENTE! AMENTE!

LLC NUNCA JOGUE FRUT NUNCA JOGUE FRU A FORA NO TA FORA N VA OV MENTE! AMENTE! MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE PEÇAS...2 MONTAGEM...3 DESMONTAGEM...4 LIMPEZA...4 PREPARAÇÃO DE ALIMENTOS...5 FAZENDO YONANAS...6 APÓS O USO/GARANTIA/RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS...7 DESCARTE DE APARELHOS E BATERIAS...8

Leia mais

Inicie a disciplina apresentando o objetivo geral e os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Primeiros

Inicie a disciplina apresentando o objetivo geral e os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Primeiros Inicie a disciplina apresentando o objetivo geral e os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Primeiros Socorros 1, neste material. 93 Para iniciar uma discussão

Leia mais

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes APRESENTAÇÃO A alimentação e tão necessária ao nosso corpo quanto o ar que precisamos para a nossa sobrevivência, devem ter qualidade para garantir a nossa saúde. Quando falamos em alimentação com qualidade

Leia mais

WATER TRANSFER PRINTING KITS - INSTRUCCIONES

WATER TRANSFER PRINTING KITS - INSTRUCCIONES TM WATER TRANSFER PRINTING KITS - INSTRUCCIONES Por favor leia todo o manual de instruções antes de começar o seu projecto. O Kit Básico de Impressão por Transferência de Água: 1 x Removedor de Silicone

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA INFÂNCIA CAUSAS E SOLUÇÕES

PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA INFÂNCIA CAUSAS E SOLUÇÕES PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA INFÂNCIA CAUSAS E SOLUÇÕES Introdução As crianças pequenas não têm a capacidade para avaliar o perigo, pelo que qualquer objeto que encontram em casa pode transformar-se num brinquedo

Leia mais

:: Introdução :: A parceria que deu certo. :: Escolhendo seu fogão novo ::

:: Introdução :: A parceria que deu certo. :: Escolhendo seu fogão novo :: :: Introdução :: No dia-a-dia, em muitas ocasições, sem perceber, desperdiçamos água, alimentos, luz, gás, gasolina e outros produtos necessários para o nosso bem-estar por simples falta de consciência

Leia mais

Dieli. Gustavo Leticia. Super Mixer. Folheto de Instrução / User Manual 961-09-05. Dieli 23-01-2013. Liberação do arquivo

Dieli. Gustavo Leticia. Super Mixer. Folheto de Instrução / User Manual 961-09-05. Dieli 23-01-2013. Liberação do arquivo N MODIFICAÇÃO POR DATA 0 Liberação do arquivo Dieli 23-01-2013 1 Adição das instruções de montagem. Dieli 14-02-2013 02/13 961-09-05 781978 REV.1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Super Mixer Manual de Instruções

Leia mais

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões Aluno(a): Nº: Data: / /2014 INTRODUÇÃO: a) Se você pudesse escolher

Leia mais

A QUEDA DO AVIÃO. Reunião de Seção. Área de Desenvolvimento enfatizada: FÍSICO. Ramo: Sênior. Mês recomendado para desenvolver a reunião: Qualquer mês

A QUEDA DO AVIÃO. Reunião de Seção. Área de Desenvolvimento enfatizada: FÍSICO. Ramo: Sênior. Mês recomendado para desenvolver a reunião: Qualquer mês Reunião 01 Reunião de Seção A QUEDA DO AVIÃO Área de Desenvolvimento enfatizada: FÍSICO Ramo: Sênior Mês recomendado para desenvolver a reunião: Qualquer mês Explicação sobre o tema: O fundo motivador

Leia mais

Concept. Dispositivo de Retenção Infantil Grupos 1 2 3 (9kg 36kg) Manual de Instrução

Concept. Dispositivo de Retenção Infantil Grupos 1 2 3 (9kg 36kg) Manual de Instrução Dispositivo de Retenção Infantil Grupos 1 2 3 (9kg 36kg) 1031 Manual de Instrução Apresentação Esse é um dispositivo de retenção para crianças, utilizado em veículos rodoviários, de acordo com a norma

Leia mais

Manual de Atividades de Campo Para Classes

Manual de Atividades de Campo Para Classes Manual de Atividades de Campo Para Classes DSA Divisão Sul-Americana da IASD UCOB União Centro Oeste Brasileira AMT Associação Matogrossense ÍNDICE CLASSE DE AMIGOS *Completar uma das seguintes especialidades

Leia mais

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cozinha Industrial. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cozinha Industrial Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Serviços de alimentação Este tipo de trabalho aparenta não ter riscos, mas não é bem assim, veja alguns exemplos: Cortes

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR SUMÁRIO 01. Apresentação 02. Definições de Termos 03. Síntese Histórica 04. Causas de Acidentes 05. Estatísticas de Acidentes 06. Prioridades

Leia mais

Passa-Roupas a Vapor Compacta Modelo CSP- 1

Passa-Roupas a Vapor Compacta Modelo CSP- 1 Passa-Roupas a Vapor Compacta Modelo CSP- 1 Manual de Instruções Singer Passa-Roupas a Vapor Compacta Modelo CSP-1 Como proprietária da nova Passa-Roupas SINGER, você está começando a aprender um sistema

Leia mais

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções Tobogã com Escalada Mega Manual de instruções Código do produto: MT.10812 Recomendado para crianças de 03 a 15 anos Parabéns! Você acaba de adquirir um brinquedo da Mundi Toys. Prezando pela sua segurança

Leia mais

Caderno de Postura. Prof. Luiz Mello

Caderno de Postura. Prof. Luiz Mello Caderno de Postura Prof. Luiz Mello CADERNO DE POSTURA Este caderno de postura tem como objetivo demonstrar os principais pontos relacionados a maneira de como tocar violão e guitarra de uma maneira saudável,

Leia mais

Montagem de Kit Loja de Bolos Passo a Passo

Montagem de Kit Loja de Bolos Passo a Passo Montagem de Kit Loja de Bolos Passo a Passo (o kit pode ser adquirido na www.pequenasartes.com.br) O kit é bem completo e vem com praticamente tudo o que você vai precisar para montar, inclusive cola e

Leia mais

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS -

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS - - CURSO PRIMEIROS SOCORROS - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). FRATURAS

Leia mais

Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira.

Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira. Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira. Respeite a capacidade de carga da empilhadeira e de outras eventuais aparelhagens.

Leia mais

Axkid Manual de Instruções Kidzone

Axkid Manual de Instruções Kidzone Axkid Manual de Instruções Kidzone segurança Voltada para frente com cinto de 9-18kg Voltada para trás com cinto de segurança Voltada para frente com 9-25 Kg o cinto de segurança do adulto 15-25 kg Testado

Leia mais

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida.

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. Campanha do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul e Campo Alegre contra os Acidentes de Trabalho

Leia mais

Tratar danos causados por produtos químicos; Tratar queimaduras; Estado de choque; Respiração de socorro (respiração boca-a-boca).

Tratar danos causados por produtos químicos; Tratar queimaduras; Estado de choque; Respiração de socorro (respiração boca-a-boca). Quando se trabalha ou se está exposto a substâncias perigosas no local de trabalho, na comunidade ou em casa, é importante estar tão seguro quanto possível e estar preparado para acidentes. Esta secção

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Folha do Professor Resumo: O professor fará uma demonstração do que não se deve fazer no laboratório e os alunos tentarão adivinhar os erros. Em seguida,

Leia mais

Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional Marie

Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional Marie Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional Marie Carrinho Marie as ilustrações são apenas representações. o design e o estilo podem variar. Manual Carrinho Marie - Dardara - 2 Antes de usar o carrinho,

Leia mais

FÉRIAS ESCOLARES ACIDENTES DOMÉSTICOS

FÉRIAS ESCOLARES ACIDENTES DOMÉSTICOS FÉRIAS ESCOLARES X ACIDENTES DOMÉSTICOS As férias escolares exigem mais cuidados com os acidentes domésticos porque as crianças ficam mais tempo em casa e isso aumenta o risco de ocorrerem acidentes que

Leia mais

DEFESA DEFESA CIVIL CIVIL

DEFESA DEFESA CIVIL CIVIL DEFESA CIVIL Dicas de Segurança Governo do Estado do Rio Grande do Sul Gabinete de Governo - Casa Militar Prefeitura Municipal de Balneário Pinhal Coordenadoria Estadual de Defesa Civil Coordenadoria Municipal

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.01 14032012] Obrigado por adquirir o ventilador Eros Cadence, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É muito importante ler atentamente este manual de instruções, as informações contidas

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Pequeno manual da prática de afiação de lâminas. Marcos Soares Ramos Cabete

Pequeno manual da prática de afiação de lâminas. Marcos Soares Ramos Cabete Pequeno manual da prática de afiação de lâminas. Marcos Soares Ramos Cabete Introdução. Afiar uma lâmina pode ser um ato simples que muitas pessoas fazem na beirada da pia ou uma arte complexa que requer

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

yper yper www.youngbr.com.br Manual de instruções cadeira de carro

yper yper www.youngbr.com.br Manual de instruções cadeira de carro yper para crianças de 9 a 36 kg grupos I, II, III Manual de instruções cadeira de carro yper Envelopar e enviar para: Young Comércio de Produtos Infantis Ltda-ME. Rua Doutor Antônio Bento, nº 560 cj 205,

Leia mais

CHICCO ZENITH. Grupo 0+ e I 0 a 18 kg

CHICCO ZENITH. Grupo 0+ e I 0 a 18 kg CHICCO ZENITH Grupo 0+ e I 0 a 18 kg NÃO NÃO NÃO NÃO INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO IMPORTANTE: ANTES DE UTILIZAR ESTA CADEIRA AUTO, LEIA COM ATENÇÃO E INTEGRALMENTE ESTE MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA EVITAR

Leia mais

Cartilha das Brincadeiras

Cartilha das Brincadeiras Cartilha das Brincadeiras Amarelinha (academia, escada, macaca, sapata) Primeiro desenhe no chão um diagrama como este aí ao lado. Quem for jogar fica no inferno e lança uma pedra, mirando no número 1.

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS DADOS BÁSICOS

PRIMEIROS SOCORROS DADOS BÁSICOS PRIMEIROS SOCORROS DADOS BÁSICOS Apenas alguns conhecimentos sobre primeiros socorros podem ajudá-lo a lidar melhor com emergências. As suas competências podem ajudá-lo a salvar a vida de um familiar,

Leia mais

Primeiros Cuidados. Dicas de uma Alimentação Saudável

Primeiros Cuidados. Dicas de uma Alimentação Saudável Dividindo o ambiente com os seres humanos, os bichos de estimação também precisam de cuidados especiais para não contrair doenças e, se já houver algum problema, evitar a transmissão aos seus donos. Entre

Leia mais

MASTOLOGIA ORIENTAÇÕES FISIOTERÁPICAS: Coordenação DIVISÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COMITÊ DE PADRONIZAÇÕES

MASTOLOGIA ORIENTAÇÕES FISIOTERÁPICAS: Coordenação DIVISÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COMITÊ DE PADRONIZAÇÕES O R I E N T A Ç Õ E S AOS PACIENTES MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Coordenação DIVISÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COMITÊ DE PADRONIZAÇÕES Essas orientações são essencialmente para pacientes

Leia mais

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral INTRODUÇÃO Oque é Luxação Gleno Umeral? Luxação é o termo empregado quando há perda de contato entre os ossos que compõem uma articulação. No caso do ombro a articulação

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES e informações importantes para manutenção e limpeza dos nossos produtos

MANUAL DE INSTRUÇÕES e informações importantes para manutenção e limpeza dos nossos produtos MANUAL DE INSTRUÇÕES e informações importantes para manutenção e limpeza dos nossos produtos Cadeira Para Auto MATRIX EVOLUTION Ref. IXAU09 Para crianças de 0 a 5 kg (Grupos 0+, I e II) Sob condições expressas

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Manual de Instruções MACAS MAMUTE

Manual de Instruções MACAS MAMUTE Manual de Instruções MACAS Maca para resgate e transporte de feridos Considerações Médicas 1 A Maca Mamute foi desenvolvida para atender à situações de emergência em que seja necessária a imobilização

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC Utilização 3 em 1 (sistema travel system) bebê conforto adaptável ao carrinho Altura regulável das alças para empurrar o carrinho 3 posições de regulagem de

Leia mais

Manual prático de como fazer sabonete artesanal em casa

Manual prático de como fazer sabonete artesanal em casa Manual prático de como fazer sabonete artesanal em casa Este manual foi elaborado a partir de pesquisas nos vários sites de artesanato da Internet brasileira. Ele é gratuito e seu uso e leitura é reservado

Leia mais

Panificadora Multipane Touch

Panificadora Multipane Touch 01/14 776-09-05 777399 REV.3 w wwww.britania.com.br w.philco.com.br Uso exclusivamente doméstico. Panificadora Multipane Touch Introdução Parabéns pela escolha da Panificadora Multipane Touch Britânia,

Leia mais

O Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II pode ser adaptado à maioria das mesas cirúrgicas e acomoda pacientes de até 350 libras (160 kg) de peso.

O Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II pode ser adaptado à maioria das mesas cirúrgicas e acomoda pacientes de até 350 libras (160 kg) de peso. Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II PREFÁCIO O Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II foi projetado para proporcionar o posicionamento ideal nos procedimentos operatórios do ombro. Este dispositivo

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS E IDOSOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas

Leia mais

Leia estas instruções antes de usar o produto

Leia estas instruções antes de usar o produto MANUAL DE INSTRUÇÕES SG500 Sanduicheira Leia estas instruções antes de usar o produto PRECAUÇÕES IMPORTANTES Ao utilizar aparelhos elétricos, a fim de reduzir o risco de incêndio, choque elétrico e/ou

Leia mais

Furadeira de impacto

Furadeira de impacto MANUAL DE INSTRUÇÕES Furadeira de impacto HP640 HP640F HP64 HP64F DUPLA ISOLAÇÃO 00937 AVISO: Para sua segurança pessoal, leia e entenda este manual antes de usar a ferramenta. Guarde estas instruções

Leia mais