A proposta desta Rede Ciclável surge no âmbito da Mobilidade Saudável, como componente do Planeamento Ambiental.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A proposta desta Rede Ciclável surge no âmbito da Mobilidade Saudável, como componente do Planeamento Ambiental."

Transcrição

1 COMPONENTE CULTURAL DO PLANO VERDE DE SINTRA Estrutura Viária Percursos Excerto do Plano Verde de Sintra (1ª fase) PERCURSOS CICLÁVEIS PRELIMINAR André NEVES, Aluno Arq. Paisagista Orientação: Manuela Raposo MAGALHÃES, Prof. Doutorada Arq. Paisagista Co-Orientação: Duarte d Araújo da MATA, Arq. Paisagista A proposta desta Rede Ciclável surge no âmbito da Mobilidade Saudável, como componente do Planeamento Ambiental. Os resultados alcançados mostram as potencialidades para o Concelho. Contudo, apesar de se ter chegado a uma proposta de Rede Ciclável e a uma hierarquização da mesma, haverá necessidade no futuro de fazer aferições desta informação com dados da Câmara Municipal, assim como com a Rede de Percursos Culturais, também desenvolvida, nesta fase, a nível preliminar. Procuram-se alternativas para um conjunto de problemas com os quais actualmente o País se debate e, mais particularmente, a Área Metropolitana de Lisboa e o Concelho de Sintra, tais como: - a mobilidade urbana, abrangendo os seus múltiplos aspectos associados, tais como o tempo de deslocação nos percursos diários casa-trabalho, o congestionamento automóvel, a despesa económica e energética que representa o uso do transporte individual; a reduzida atractibilidade dos transportes públicos colectivos; a falta de espaços urbanos de qualidade e particularmente para uso pedonal e por bicicletas; - a poluição atmosférica, nomeadamente através da emissão de gases de estufa, resultantes em grande parte do sistema de transportes e dos veículos individuais, com consequências globais nas alterações climáticas, assim como na saúde pública, e no bem-estar a um nível mais local; - o próprio conceito de qualidade de vida do cidadão, que se debate com o sedentarismo, hábitos de vida menos saudáveis, e com menos oportunidades para o lazer, recreio e contacto humano; A nível metropolitano, o concelho de Sintra, dada a sua proximidade com Lisboa constitui, para além do seu carácter rural em grande parte do concelho, um grande subúrbio da cidade de Lisboa. É ao longo do caminho-de-ferro que se distribuem um grande conjunto de aglomerados, densamente povoados, constituindo o eixo urbano Sintra-Lisboa. É neste eixo que se verificam com maior intensidade os problemas acima referidos: 1

2 Figura Valores referentes ao Concelho de Sintra INE, o crescente uso do transporte individual (Figura 151); comparativamente a 1991, ano em que 25,1% utilizava o transporte individual e 54% o transporte colectivo, ao contrário de 2001, quando a taxa de utilização do transporte individual subiu para os 47,2%, enquanto que a utilização de transporte colectivo, decresceu para 37,2%. (Fonte: INE, 2003) - o congestionamento automóvel do itinerário complementar IC19, e respectivos acessos (Figura 152 e 153), o que implica todo um conjunto de problemas já descritos. O IC19 é o eixo viário de entrada na grande Lisboa que regista (comparativamente com todos os outros da restante AML), maior tráfego médio: automóveis por dia; sendo o número de automóveis que utiliza a EN117, a outra ligação do concelho a Lisboa (DGTT, Delegação de Transportes de LIsboa (2000); Mobilidade e Transportes na AML 2000 versão na Internet Figura 152 e Congestionamento no IC19: (in - o contínuo aumento populacional do Concelho de Sintra, onde se registou maior variação populacional entre 1991 e 2001, cerca de 39,4%, corresponde a um ganho de habitantes (INE 2003); - a generalizada falta de espaços com qualidade para o uso pedonal e ciclável, que ofereçam conforto e segurança para peões e ciclistas, cujos valores relativos à circulação pedonal reflectem bem este facto (5,7% de diminuição em andar a pé entre 1991 e 2001) (INE, 2003); - o continuado decréscimo de utilizadores de transportes públicos colectivos, comboio ou autocarro, sendo que este último é limitado e ineficaz para as necessidades, 2

3 frequentemente devido à grande intensidade de veículos automóveis e consequente congestionamento; - a ocupação do espaço público com parqueamento automóvel, faltando espaços de lazer e recreio, entre outros. Deste modo, é urgente a procura de novas soluções de mobilidade que contribuam para um modelo de cidade sustentável, munindo o território de um sistema de transportes multimodal e integrado, permitindo o maior número de opções de trajecto possíveis, devidamente interligados e adequados às necessidades das pessoas. Numa perspectiva económica e energética, a lógica de utilização do transporte individual é também insustentável. As redes cicláveis oferecem oportunidades únicas como estruturas compatíveis com a salvaguarda dos recursos naturais, dado que podem surgir como percursos contínuos de sobreposição com os diversos elementos que constituem a componente visível dos ecossistemas, cuja preservação contribui para assegurar o funcionamento da Paisagem. Simultaneamente, percursos cicláveis ligam elementos culturais da paisagem, assim como equipamentos colectivos de natureza social e cultural, potenciando a requalificação do espaço público.(ceap / ISA / UTL, 2004) As bicicletas são um modo de locomoção competitivo e preferencial, no caso de ligação aos transportes púbicos ou a deslocações a curtas distâncias, inferiores em média a 3 km. Constituem-se como uma modalidade de transporte individual, só que não poluente, económica, conferindo mobilidade, rapidez e redução de custos, usufruindo do seu volume reduzido na poupança de espaço público e de estacionamento, promovendo a prática desportiva e do lazer e daí a consequente manutenção da forma física do utilizador. (CEAP / ISA / UTL, 2004) A actual dispersão da edificação no Concelho de Sintra, constitui um factor determinante para uma cada vez maior variabilidade das deslocações dos seus habitantes, conduzindo a uma crescente dificuldade na resposta dos transportes públicos às necessidades. Os padrões de deslocação na AML mostram viagens quotidianas cada vez maiores e a uma menor padronização dos itinerários, o que se traduz numa tendência para o abandono do transporte público em detrimento do transporte individual. As figuras seguintes evidenciam estes factos para o Concelho de Sintra (Figuras154, 155 e 156): 3

4 Figura 154 e 155 Evolução da Duração Média dos Movimentos Pendulares nos habitantes do Concelho de Sintra, entre 1991 e 2001, in INE, 2003 Figura 156 -Distribuição do destino das viagens dos habitantes do Concelho de Sintra, in INE, 2003 Esta tendência para a procura do transporte individual surge nas últimas décadas como o resultado do afastamento dos aglomerados e dos centros de serviços, assim como de lazer, para longe da proximidade das interfaces de transporte. As ligações, em transporte público, destes novos aglomerados ou centros de serviço até às interfaces ferroviárias é inevitavelmente deficiente, sob o ponto de vista das necessidades efectivas, o que torna as viagens compostas (transporte individual + transporte público) uma inevitabilidade para grande parte da população. Desta forma, a opção pelo transporte individual, mas não poluente, como o andar a pé e de bicicleta, no sentido de servir como complemento para o acesso aos transportes públicos, assume uma importância extrema no Concelho de Sintra. Em 2001, o INE referia mesmo para o Concelho de Sintra que o tempo dispendido nos movimentos pendulares em transporte colectivo era o mais elevado da AML. (INE, 2003) A existência de uma Rede Ciclável do Concelho de Sintra será composta por duas grandes vertentes - uma de uso quotidiano, em pequenas deslocações competitivas e outra de utilização de lazer e recreio. A Rede Ciclável é planeada em função do conforto (declive ciclável) e dos elementos que se pretende servir, como sejam os equipamentos colectivos (educativos, culturais, desportivos e de saúde), juntamente com os interfaces de transportes públicos..(ceap/isa /UTL, 2004 e Cozzi et al. (1999) 1 ). 1 Cozzi, Mauro & Ghiacci, Silvia & Passigato, Marco (1999); Piste Ciclabili ; Ed. II Sole 24 Ore S.p.A., Milano 4

5 Aptidão Ciclável A síntese da Rede Ciclável Municipal passa por várias etapas sequenciais. Como primeiro passo da intervenção, está a ideia do conforto dos utilizadores, baseada na garantia de declive ciclável dos percursos. Este passo analisa o declive ciclável da rede viária e de caminhos, assim como de possíveis percursos associados a linhas de água ou aos principais canais ferroviários. A avaliação do declive ciclável refere-se ao declive longitudinal destes elementos. A sua importância é decisiva para o sucesso final da rede, uma vez que o declive é um dos principais factores que possibilita ou inviabiliza o desenho de uma rede ciclável, no sentido de a tornar atractiva sob o ponto de vista da abrangência de utilizadores. (Ministério do Fomento Espanhol (1999), La bicicleta en la ciudad ) Deste modo, a circulação de bicicletas só é confortável para determinadas classes de declive. As classes de declive utilizadas para a elaboração da Aptidão Ciclável são as seguintes: 0-3% - terreno considerado plano, com aptidão máxima para circulação em bicicleta; 3-5% - terreno pouco declivoso, considerado satisfatório para circular de bicicleta; 5-8% -terreno declivoso, impróprio para circulação de bicicletas a longa-média distância, podendo no entanto funcionar como troços cicláveis de ligação (até 150m) (Pedestrian and Bicycle Information Center em 8%-10% - terreno muito declivoso, não adequado à circulação de bicicletas excepto para troços muito pequenos de ligação (até 45m) (Pedestrian and Bicycle Information Center em Como atrás referido, é o cumprimento dos requisitos de declive longitudinal uma condição necessária para assegurar que a rede ciclável possa ser utilizada por todas as classes etárias. Considera-se que até 5% de declive, praticamente todo o tipo de utilizadores a consegue percorrer. Para a avaliação e determinação dos declives longitudinais, recorreu-se ao software ArcGis e algumas funcionalidades que permitiu, para além de uma análise rigorosa da globalidade dos percursos, minimizar os erros de cálculo do declive, sendo um dos casos aquele em todos os percursos assentam em áreas classificadas como declivosas, mas onde o traçado se desenvolve paralelo às curvas de nível do terreno. Estes casos foram detalhadamente verificados e removidos, pelo que o resultado final da Aptidão Ciclável apresenta enorme fiabilidade. Após a análise dos resultados desta carta, verifica-se que o Concelho de Sintra apresenta a aptidão ciclável em grande parte do território, sendo que se verifica a existência de situações onde a aptidão é condicionada para a mesma circulação: - Por um lado, destaca-se a existência de zonas relativamente planas. Dentro do grande eixo urbano Sintra-Lisboa, são de salientar a zona da Abrunheira, Manique, pequena parte da Portela de Sintra, Mem Martins, Algueirão, Cavaleira, Rio de Mouro, pequena parte do Cacém e Agualva, Queluz de Baixo e Belas, assim como toda a zona adjacente às ribeiras da Lage, Jarda, Barcarena e Jamor; 5

6 - Na zona mais rural do concelho, e como áreas relativamente planas: a grande várzea da Granja do Marquês, Terrugem, Ral, Campo Raso, Pêro Pinheiro, toda a área desde a estação do Sabugo até Pedra Furada, compreendendo a depressão de Alfouvar e Negrais; junto à faixa costeira, todo o vale e várzea de Colares, Banzão, Praia das Maçãs, Janas, Fontanelas, Arneiro de Marinheiros, Magoito, S.João das Lampas e Assafora; - por outro lado, outra grande parte do concelho não é plana. Destaca-se a nível global a serra de Sintra e a serra da Carregueira. Dentro do eixo urbano, os aglomerados sujeitos a maiores declives são a Tapada das Mercês, Rinchoa, parte da Agualva e Cacém, Massamá, Colaride, Monte Abraão, Serra da Silveira e parte de Queluz. Na zona mais rural do concelho, e também caracterizados por algum declive é de salientar: Albarraque, Tabaqueira, Rio de Mouro Velho, Covas, Paiões, Idanha, D.Maria, Almargem do Bispo, Vale de Lobos, Morelena e Covas de Ferro. A análise efectuada tem como objectivo, constatar a existência de troços com declives cicláveis. Assim, juntamente com os quatro tipos de classes referidos anteriormente, faz-se ainda uma outra distinção, de acordo com a análise da situação existente (rede viária e de caminhos) ou, por outro lado, referente a elementos passíveis de receber um percurso na sua área (principais linhas de água ou ainda os canais ferroviários). A carta de Aptidão Ciclável (Figura 157) antecede a carta da Rede Ciclável Potencial, que esboçará a potencialidade do Concelho para a circulação de bicicleta, nomeadamente espacializando os percursos em função do declive e dos equipamentos que justificam funcionalmente a sua existência. A Aptidão Ciclável constitui uma base fundamental para a Rede Ciclável Potencial. (CEAP/ISA/UTL, 2004) Rede Ciclável Potencial A rede ciclável potencial representa a espacialização de todos os percursos cicláveis possíveis no concelho (CEAP/ISA/UTL, 2004). Estes traçados foram definidos em função de: - percursos com aptidão ciclável; - as ligações que os percursos possibilitam; - garantia de continuidade dos percursos. A Rede Ciclável Potencial funciona como a visão espacial para a circulação de bicicletas no Concelho, baseada na sua própria funcionalidade e representada por percursos com perfil longitudinal ciclável, assim como pelas ligações que proporcionam aos principais equipamentos. Para além do declive, factor determinante neste desenho da rede ciclável, é de salientar a importância da continuidade da rede. Os múltiplos troços da rede, passíveis de serem cicláveis, devem apresentar dimensão suficiente para que, em conjunto, possam significar um percurso. Desta forma, o valor dos 5% de declive marca uma fronteira entre o que se considera definido como declive adequado para a circulação por bicicleta e declive menos adequado, sendo que os troços com declive longitudinal, situado no intervalo entre 5%-8%, podem funcionar como troços cicláveis de 6

7 ligação até 150m, e entre 8%-10% são aceitáveis para ligações até 45m. (Pedestrian and Bicycle Information Center em 7

8 Figura 157 Aptidão Ciclável 8

9 A rede deve apresentar funcionalidade própria, o que significa permitir servir os equipamentos de uso quotidiano, como as interfaces de transportes públicos, equipamentos culturais, sociais e de recreio/lazer; mas deve também, nesta lógica de funcionalidade própria, permitir encaminhar os seus utilizadores para os transportes colectivos, através da ligação com as suas interfaces. Esta ligação ao sistema de transportes públicos permite garantir que se efectuem longas distâncias quotidianas, sendo as viagens constituídas, quer por deslocações únicas em bicicleta (casa local de trabalho), como igualmente através da utilização da bicicleta numa parte da deslocação total (casa interface de transportes ou interface de transportes local de trabalho), sendo as maiores distâncias intermédias efectuadas em transporte público. (CEAP/ISA/UTL, 2004). Esta complementaridade atrai utilizadores para o transporte público e garante uma plena funcionalidade para a bicicleta, integrada no sistema de transportes, prevendo-se que mais pessoas possam pedalar diariamente. O Concelho de Sintra apresenta um número elevado de interfaces de transporte, sendo que as mais importantes estão associadas aos eixos ferroviários: linha de Sintra (Figura 158) e linha do Oeste. Aliás, o comboio é o meio de transporte público mais estruturante, sendo que o autocarro funciona na generalidade das carreiras em articulação, tendo como destino de partida ou chegada, as estações ferroviárias. Figura Linha Sintra (Estação Queluz-Belas), in A Rede Ciclável Potencial é constituída por diferentes tipos de percursos (Figura 159): - percursos cicláveis propostos pela Câmara Municipal Sintra: tratam-se de traçados propostos pela Câmara Municipal de Sintra e actualmente em fase de projecto; - percursos cicláveis propostos sobre a rede viária e caminhos: consiste em percursos sobrepostos, agarrados ou adjacentes, à estrutura viária e de caminhos existente; - percursos cicláveis propostos adjacentes ao canal ferroviário: são percursos ainda não existentes actualmente, mas cujo traçado se prevê paralelo à linha ferroviária); - percursos cicláveis propostos adjacentes às linhas de água: são percursos a compatibilizar com as linhas de água, dentro do Domínio Público Hídrico. Foram vários os equipamentos a ter em conta nesta síntese da Rede Ciclável Potencial: 9

10 Figura 159 Percursos cicláveis potenciais 10

11 - Interfaces de transportes ferroviários, considerando nesta fase as principais estações da linha ferroviária Lisboa Sintra e da Linha do Oeste, sendo que, nesta última, deu-se primazia às estações Meleças e Sabugo. No Eixo Lisboa Sintra, foram tidas em conta todas as estações. Estas estações apresentam-se sob a forma de interface, estando interligadas com o serviço de autocarros. Na generalidade dos aglomerados do Concelho, o serviço de autocarros apresenta as suas paragens no interior dos aglomerados, sendo que a Rede Ciclável Potencial, desde que o declive o permita, procura alcançar os aglomerados, o que dispensa a marcação das paragens; - Equipamentos de uso quotidiano, tais como Escolas, ou Equipamentos Desportivos, permitindo abranger uma gama de pontos de grande utilização pelas populações locais, nomeadamente pelas classes mais jovens, sobre as quais se esperará grande utilização das infra-estruturas da Rede; - Outros Equipamentos Colectivos de interesse, tais como Mercados, Centros de Saúde, Farmácias, e Cemitérios; - Equipamentos de Segurança - Esquadras da PSP e Postos da GNR - considerados como pontos importantes no sentido de melhorar as condições de circulação, quando se encontram na proximidade directa do percurso, somando o facto de serem pontos preferenciais para a localização de estacionamentos de bicicleta; - Património Arquitectónico, constituindo pontos de enorme interesse turístico e servindo de pontos de atracção para o lazer, sendo constituídos por elementos provenientes das sub-classes Adegas, Arquitectura Civil, Arquitectura Militar, Arquitectura Religiosa, Azenhas, Buracas, Casal, Chafarizes e Fontes, Estruturas Hidráulicas, Moinhos, Palácios, Pequenas Estruturas Agrícola e Quintas; - Foram ainda tidos em conta alguns centros de comércio e serviços existentes no Concelho e que funcionam como pontos de atracção para a população, sendo considerados como pontos potenciais de captação de ciclistas. É de sublinhar que a maioria da Rede Ciclável sintetizada para o Concelho surge sobre a estrutura viária e de caminhos (Figuras 160 e 161), o que é um factor determinante da ancoragem desta rede à realidade física, facilitando a sua implementação. Figura 160 e Estrada na Granja do Marquês e caminho na Abrunheira: Os percursos cicláveis sobrepõe-se preferencialmente à rede viária e de caminhos, facilitando a sua implementação 11

12 Relativamente aos percursos propostos para serem associados às linhas de água, o enquadramento legal para a sua proposta baseia-se no Decreto-Lei 468/71, de 5 de Novembro (DR 260/71, Série I) que revê, actualiza e unifica o regime jurídico dos terrenos do domínio público hídrico, permitindo, com algumas condicionantes, a intervenção nestas zonas. Assim, no caso das linhas de água referentes ao Concelho de Sintra, aplica-se a possibilidade de circulação nas margens das águas não navegáveis nem flutuáveis, nomeadamente torrentes, barrancos e córregos de caudal descontínuo, onde o domínio publico hídrico tem a largura de 10 metros em cada margem. Tendo por base este pressuposto, as linhas de água são compatíveis com tipos de intervenção que mantenham o seu funcionamento ecológico mas que, em simultâneo, permitam o fluxo de peões e ciclistas, sendo que o percurso proposto tem que se adaptar à morfologia das margens do curso de água, funcionando como traçado de auxílio à manutenção da linha de água e da sua galeria ripícola (Figura 162). Figura Ao longo do aqueduto das águas livres: Os percursos cicláveis podem seguir adjacentes às linhas de água, requalificando as suas margens Esboço da Rede Ciclável Hierarquizada A Rede Ciclável Hierarquizada corresponde a um processo de interpretação e avaliação da Rede Ciclável Potencial. Foi elaborada uma primeira hierarquização, sendo passíveis no futuro aferições no sentido de melhorar o agora proposto. Esta primeira hierarquização da Rede Ciclável teve como principais critérios: - a capacidade dos percursos cicláveis para fazer a ligação a outros concelhos da AML (Figura 163); - a continuidade dos percursos cicláveis e a capacidade destes em estabelecer ligações a grande escala, entre vários aglomerados e em vastas áreas do concelho; - o tipo de ligações que possibilitam, como a interfaces de transporte ou a equipamentos colectivos; - o carácter cultural do percurso, por ligar variados pontos de interesse arquitectónico, arqueológico e de interesse cultural; 12

13 Figura Esboço da Estrutura Ecológica e de uma Rede Ciclável Potencial para toda a Área Metropolitana de Lisboa Norte A Hierarquia proposta é a seguinte (Figura 164): - Rede Ciclável de 1ª ordem: constituída por grandes Eixos Cicláveis; assegurando ligações contínuas entre aglomerados e ligando várias partes do concelho, permitindo estabelecer percursos contínuos de grande extensão e em vários casos estabelecer ligação com os outros Concelhos limítrofes; - Rede Ciclável de 2ª ordem: constituída por percursos complementares com os de 1ª ordem; permitem estabelecer ligações importantes a uma escala mais local, entre diferentes pontos e equipamentos; - Rede Ciclável de 3ª ordem: com carácter de distribuição local; possui continuidades menores e necessita de estar em articulação com as outras classes para poder servir percursos mais abrangentes; - Percursos propostos de primeira ordem ao longo das linhas de água: não correspondendo à hierarquia das linhas de água, são sim percursos que apresentam grande potencialidade no que respeita a ligações contínuas de grande importância Concelhia, permitindo ligar diferentes aglomerados e criar trajectos de ligação com os Concelhos limítrofes; - Percursos propostos de segunda ordem ao longo das linhas de água: com um carácter menos abrangente, apresentam um papel de distribuição local. 13

14 Figura 164 Esboço da Rede Ciclável Hierarquizada 14

15 A Rede Ciclável Hierarquizada Municipal apresenta um total de 533,496km de percursos cicláveis, sendo que não se trata na sua totalidade de espaços segregados unicamente para ciclistas (ciclovia), dado que a definição tipológica associada a cada hierarquia conduzirá posteriormente à síntese de diferentes situações, tais como: - tipologia em coexistência bicicletas automóveis, associada a ruas de tráfego local, onde a aplicação de medidas de gestão de tráfego pelo design urbano deverão permitir a circulação conjunta, em máxima segurança, de bicicletas e peões. Estas medidas passam pela manutenção / criação de uma rua com um carácter local, onde o automobilista apreenda instintivamente uma condução a muito baixas velocidades ( inferior a 30km/h). Esta tipologia passa pela redução ao mínimo da área de circulação automóvel, podendo a mesma ser assumidamente mista com o tráfego pedonal, sem remates ou limites que conduzam a segregações indesejáveis, a existência de pavimentos adequados à moderação de velocidade, a sobreelevação dos cruzamentos para benefício dos peões, o enriquecimento do espaço público com mobiliário, o aumento de vegetação, a diminuição do espaço visual aberto para o automobilista, entre outras; - tipologia em coexistência bicicletas peões, em situações onde se entenda, por um lado, ser preferível a não coexistência com o tráfego automóvel, e por outro, onde seja adequado, pelo número de utilizadores em causa, uma convivência entre peões e ciclistas. No caso dos percursos adjacentes a linhas de água, será a generalidade das situações. No caso de tráfego automóvel acima de 30km/h, a separação entre ciclistas e peões é inevitável; - tipologia de separação entre bicicletas e os outros utilizadores (peões e automóveis), tratando-se de situações de segregação total do espaço, sendo criado um espaço ciclável próprio em Faixa ou em Pista. Esta tipologia é a única onde se verifica a construção do que convencionalmente se denomina ciclovia, constituída por espaço próprio ciclável. Avaliando a distribuição dos percursos pelas diferentes classes hierárquicas, chegam-se aos seguintes valores (Quadro 21): Quadro 1 Valores em Km dos Percursos Cicláveis Proposto REDE CICLÁVEL DE SINTRA: CLASSE DE HIERARQUIA DO PERCURSO VALORES EM KM Percursos de 1ª ordem sobre a rede viária e de caminhos 161,055 Percursos de 2ª ordem sobre a rede viária e de caminhos 121,406 Percursos de 3ª ordem sobre a rede viária e de caminhos 129,046 Percursos de 1ª ordem adjacentes ao longo de linhas de água 65,832 Percursos de 2ª ordem ao longo de linhas de água 56,157 Total Final 533,496 O Concelho de Sintra apresenta uma Rede Ciclável completa e abrangente, sendo possível identificar-se percursos distribuídos homogeneamente pelo território. A generalidade dos aglomerados estão abrangidos por percursos cicláveis sendo que, em algumas áreas do Concelho, verifica-se uma maior densidade de percursos. 15

16 Assim, na Rede Ciclável de Sintra, destacam-se algumas ligações, pela sua importância: - O Eixo Lisboa Sintra, paralela ao canal ferroviário, cujo percurso principal se encontra em projecto na Câmara Municipal de Sintra, permitindo a ligação entre todos os aglomerados existentes entre Sintra e Queluz; - A ligação ciclável atravessando o Concelho na direcção Norte-Sul, desde os Concelhos de Cascais e Oeiras, entrando em Albarraque, passando pelo Algueirão e seguindo para a Terrugem, Odrinhas e continuando para o Concelho de Mafra; - A ligação entre o Algueirão e os Concelhos de Amadora e Odivelas, passando por Vale de Lobos e o Bairro do Ginjal; - A ligação que liga o Algueirão ao Concelho de Loures, passando por Montelavar, Pedra Furada e Negrais, em projecto na Câmara Municipal de Sintra; - A ligação entre Sintra e a Praia das Maçãs, seguindo pelo Magoito até à Praia da Samarra; - O percurso da Serra de Sintra, circular e com uma ramificação até ao Cabo da Roca; - A ligação Ciclável de Sintra na direcção de Cascais, adjacente à EN9; - A ligação ciclável entre o Algueirão e Queluz, passando pelo Recoveiro, Meleças, Tapada dos Coelhos e Belas; - A ligação Este Oeste, entre Albarraque e Belas, passando pelo Cacém. Para além destas ligações, destacam-se alguns percursos que acompanham as linhas de água e que permitem penetrações contínuas em grandes distâncias no interior do Concelho, com declive confortável, tais como: - A ligação ao longo da Ribeira da Laje, a partir do Concelho de Oeiras, passando por Rio de Mouro e terminando no centro do Algueirão; - O percurso entre Queluz e a Serra da Carregueira, passando por Belas, ao longo do Rio Jamor - O percurso para Norte, ao longo da Ribeira de Carenque, a partir de Queluz; - A ligação entre o Cacém e o Recoveiro ao longo da Ribeira das Jardas, permitindo depois ligar ao Algueirão através de um percurso assente sobre a rede viária e de caminhos; - A ligação ao Concelho de Cascais, através da Ribeira de Manique, podendo continuar através de um declive quase nulo até ao mar; - As ligações, do Algueirão para Norte, na direcção do Concelho de Mafra, através da Ribeira da Granja e depois Ribeira da Cabrela e de Almornos para Norte, através da Ribeira do Vale, encontrando depois a Ribeira da Cabrela. 16

17 BIBLIOGRAFIA CAPÍTULO IV.2 SUB-CAPÍTULO 2.1 Antupit et. Al (1996); Steps ahead: making streets that work in Seattle, Washington in Landscape and Urban Planning, special issue: streets ahead, vol.35 nos 2,3, Elsevier. CEAP Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista do Instituto Superior de Agronomia - ISA Instituto Superior de Agronomia UTL Universidade Técnica de Lisboa; AGENEAL Agência Municipal de Energia de Almada; CMA - Câmara Municipal de Almada (2004); Plano da Rede Ciclável do Concelho de Almada City of Copenhagen (2001); Building and Construction Administration / Roads and Parks Department: Bicycle Account Cozzi, Mauro & Ghiacci, Silvia & Passigato, Marco (1999); Piste Ciclabili ; Ed. II Sole 24 Ore S.p.A., Milano. Grimshaw, John & Cotton, Nick (2000); National Cycle Network; Sustrans, Bristol. Harris, Charles W & Dines, Nicolas T.; Time-Saver Standards for Landscape Architecture, second edition. INE (Instituto Nacional de Estatística) (2003); Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: a Área Metropolitana de Lisboa e a Área Metropolitana do Porto: ) Lynch, Kevin (1960); A Imagem da Cidade (V.Portuguesa); Edições 70, Lisboa. Lynch, Kevin (1981); La Buena Forma de la Ciudad (Versão Castelhana, 1985), Editorial Gustavo Gili, S.A., Barcelona. Luymes, Don T. & Tamminga, Ken (1995); Integrating Public safety and use into planning urban greenways in Landscape and urban planning nº33. Magalhães, M.R. (2001); A Arquitectura Paisagista morfologia e complexidade, Editorial Estampa. 1ª edição, Lisboa. Magalhães, M.R. & Mata, D. et al (2003), Estudo Estratégico para a Implementação de uma ciclovia entre Chaves e Vila Real. Outubro, Lisboa. Magalhães, M.R. & Mata, D. et al (2005), Repensar a acessibilidade na AML: A bicicleta como componente do sistema de transportes Metropolitano - artigo para a revista Arquitectura & Vida, número a sair em Setembro de 2005 Magalhães, M.R. & Mata, D. et al (2003), Estudo Estratégico para a Implementação de uma ciclovia entre Chaves e Vila Real. Outubro, Lisboa Ministério do Fomento Espanhol (1999), La bicicleta en la ciudad. Selberg, K. (1996); Road and traffic environment in Landscape and Urban Planning special issue: Streets ahead, vol.35 nos 2,3, Elsevier. Telles, Gonçalo; Humanização das vias rápidas. A circulação de peões e bicicletas in Lisboa Urbanismo. Boletim da Direcção Municipal de Planeamento e Gestão Urbanística/CML.(Setembro/Outubro 1999). Vários (Setembro de 1979); Rede de Tráfego Urbano na Suécia (velocípedes) Versão Portuguesa - Ed. Ministério da Habitação e Obras Públicas (MHOP), Gabinete de Informação Pública e Relações Externas. Vários (1992); A Europa das Cidades. Acções Comunitárias em Meio Urbano Comissão Europeia, Bruxelas. Vários (March 1996); European sustainable Cities report; Expert Group on the Urban Environment. European Comission, Brussels. Vários (1998); Portland Pedestrian Design Guide versão online element of the Pedestrian Master Plan for the City of Portland, Oregon, USA Office of Transportation. Vários (2000); CERTU, Centre d Etudes sur les Réseaux, les Transports et l Urbanisme, Le stationnement dês velos sur les espaces prives. 17

18 Vários, (2004); Ecopistas, Plano Estratégico - Refer, E.P. Legislação e publicações na Internet: DGTT, Delegação de Transportes de LIsboa (2000); Mobilidade e Transportes na AML 2000 versão na Internet Decreto Regulamentar nº 22 A/98 e 41/02 Decreto Lei nº 123/97 Decreto-Lei 468/71, de 5 de Novembro (DR 260/71, Série I) Instituto de Estradas online: Publicação online: Vários (2000); The European Greenways Good Pratice Guide, ed. European Greenways Association Publicação online: Eurovelo News, vol 7 em NJ Dot Bicycle Compatible Roadways and Bikeways Planning and Design Guidelines in Estados Unidos da América: Pedestrian and Bicycle Information Center em Car Free Cities em Sítio da Internet do Ministério das Obras Públicas em 18

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável 15 de Fevereiro de 2011 José M. Viegas Susana Castelo Mudança de paradigma Necessidade de : 1. Revisão do modelo de Predict & Provide, já que este

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO 1. MOTIVAÇÕES E PREOCUPAÇÕES Condicionantes à Mobilidade Problemática Específica Articulação entre as decisões urbanísticas

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia

Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista Prof. Francisco Caldeira Cabral Instituto Superior de Agronomia Segurança dos utilizadores na ciclovia Acesso e circulação de veículos automóveis à ciclovia A entrada de veículos na ciclovia, quer de emergência, quer de manutenção e finalmente de trânsito local, deverá

Leia mais

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Informação à Comunicação Social 25 de Fevereiro de 2003 MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Deslocações entre o local de residência e o local de trabalho / estudo PORTUGAL MINISTÉRIO

Leia mais

What We re Doing For Cycling no município do Seixal

What We re Doing For Cycling no município do Seixal What We re Doing For Cycling no município do Seixal SEIXAL Seixal: 94 km2 158 269 habitantes 94 600 empregados e estudantes 47 800 ficam no concelho (50%) Seixal: 94 km2 158 269 habitantes 94 600 empregados

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

Matosinhos: território de mobilidades

Matosinhos: território de mobilidades Matosinhos: território de mobilidades O desenvolvimento do tecido urbano, as alterações do modo de vida, a flexibilidade do automóvel particular, associada a uma oferta nem sempre satisfatória de transportes

Leia mais

Energy for Smart Cities. Estoril, 29 de Novembro de 2012

Energy for Smart Cities. Estoril, 29 de Novembro de 2012 Smart Investments for Smart Cities Energy for Smart Cities Estoril, 29 de Novembro de 2012 Agenda Quem somos Mobilidade Ambiente O que querem os Consumidores de Mobilidade Reflexão conjunta sobre onde

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RECURSOS DA OFERTA DE LAZER E CULTURA

CARACTERIZAÇÃO DOS RECURSOS DA OFERTA DE LAZER E CULTURA CARACTERIZAÇÃO DOS RECURSOS DA OFERTA DE LAZER E CULTURA LOCALIZAÇÃO Aeroportos / Aeródromos / Pistas Aeródromo da Tojeira Bibliotecas / Arquivos Históricos Biblioteca Casa Mantero Biblioteca Municipal

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

O papel da bicicleta na mobilidade urbana

O papel da bicicleta na mobilidade urbana O papel da bicicleta na mobilidade urbana 1870 Grand Bi James Starley França O automóvel continua a ser, na maioria das cidades portuguesas, o principal responsável pela ineficiência ambiental e pelo incumprimento

Leia mais

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra O Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra estabelece a concepção do espaço urbano, para a área de intervenção do Plano, dispondo, designadamente,

Leia mais

Estação central de coimbra

Estação central de coimbra central de coimbra N o v a i n t e r f a c e i n t e r m o d a l e P l a n o d e u r b a n i z a ç ã o ( e n t r a d a p o e n t e ) Na sua história recente tem sido muito influenciada pela localização

Leia mais

O Metro Ligeiro de Superfície

O Metro Ligeiro de Superfície UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE O Metro Ligeiro de Superfície AÁrea Metropolitana de Lisboa poderá contar nos próximos anos com uma nova solução de transporte rápido para os concelhos limítrofes de Lisboa, e

Leia mais

Rede Escolar do Concelho de Sintra

Rede Escolar do Concelho de Sintra Secundária Matias Aires Agualva 402199 X X Básica 2, 3 D. Domingos Jardo Mira Sintra 340728 X X Básica Dr. António Torrado Agualva 290178 X X Básica Lopas Agualva 293714 X X Básica Meleças Belas 244661

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável de Vendas Novas. Relatório de Diagnóstico

Plano de Mobilidade Sustentável de Vendas Novas. Relatório de Diagnóstico Plano de Mobilidade Sustentável de Vendas Novas Relatório de Diagnóstico Setembro de 2007 Projecto: Projecto Mobilidade Sustentável Equipa Técnica: Av. Rovisco Pais, 1 Pav. Mecânica I, 2º andar 1049-001

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Disciplina: TRANSPORTES. Sessão Prática 3 (tipo B): A Observação da Mobilidade

Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Disciplina: TRANSPORTES. Sessão Prática 3 (tipo B): A Observação da Mobilidade Mestrado Integrado em Engenharia Civil Disciplina: TRANSPORTES Prof. Responsável: José Manuel Viegas Sessão Prática 3 (tipo B): A Observação da Mobilidade Instituto Superior Técnico / Mestrado Integrado

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X ESTABELECE MEDIDAS DE APOIO À MOBILIDADE SUSTENTÁVEL E AOS SERVIÇOS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS DE TRANSPORTE

PROJECTO DE LEI N.º /X ESTABELECE MEDIDAS DE APOIO À MOBILIDADE SUSTENTÁVEL E AOS SERVIÇOS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS DE TRANSPORTE Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X ESTABELECE MEDIDAS DE APOIO À MOBILIDADE SUSTENTÁVEL E AOS SERVIÇOS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS DE TRANSPORTE Exposição de motivos: Nas últimas décadas tem-se

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a com maior frequência na Europa Manifesto da ECF para as eleições para o Parlamento Europeu de 2014 - Versão breve ECF

Leia mais

QUADRA MARÍTIMA - CICLOVIAS Estudo prévio Locais possíveis para implementação de ciclovias

QUADRA MARÍTIMA - CICLOVIAS Estudo prévio Locais possíveis para implementação de ciclovias QUADRA MARÍTIMA - CICLOVIAS Estudo prévio Locais possíveis para implementação de ciclovias 07-07-2014 Rui Nunes Silva, Arq. Página 1 de 5 INTRODUÇÃO A sustentabilidade nos transportes urbanos e a crescente

Leia mais

Como a política de transportes pode influenciar a qualidade do ar nas cidades

Como a política de transportes pode influenciar a qualidade do ar nas cidades Como a política de transportes pode influenciar a qualidade do ar nas cidades Gonçalo Homem de Almeida Rodriguez Correia (gcorreia@dec.uc.pt) Professor Auxiliar do Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

PROJECTO DE LEI Nº 581/X ALTERA AS NORMAS PARA VELOCÍPEDES SEM MOTOR DO CÓDIGO DA ESTRADA. Exposição de Motivos

PROJECTO DE LEI Nº 581/X ALTERA AS NORMAS PARA VELOCÍPEDES SEM MOTOR DO CÓDIGO DA ESTRADA. Exposição de Motivos PROJECTO DE LEI Nº 581/X ALTERA AS NORMAS PARA VELOCÍPEDES SEM MOTOR DO CÓDIGO DA ESTRADA Exposição de Motivos A invenção do motor de explosão e do automóvel particular trouxe alterações radicais à nossa

Leia mais

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 26 de Setembro de 2003 Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 PORTUGAL A análise dos movimentos pendulares

Leia mais

Expansão da Plataforma Logística

Expansão da Plataforma Logística CÂMARA U1 Expansão da Plataforma Logística RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DA DISCUSSÃO PÚBLICA DA PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO E RESPECTIVO PROGRAMA-BASE DIVISÃO DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO D EZ E M

Leia mais

Rita Castel Branco CML - Direcção Municipal de Mobilidade e Transportes

Rita Castel Branco CML - Direcção Municipal de Mobilidade e Transportes MOBILIDADE: estado actual 50% das deslocações casa-trabalho na AML são feitas de automóvel Motociclos & bicicletas = 1,1% Bicicletas = 0,2% Fonte: Estudo de Avaliação Técnica na Área do Planeamento de

Leia mais

A MOBILIDADE SUSTENTÁVEL EM AGLOMERADOS URBANOS DE PEQUENAS DIMENSÕES

A MOBILIDADE SUSTENTÁVEL EM AGLOMERADOS URBANOS DE PEQUENAS DIMENSÕES A MOBILIDADE SUSTENTÁVEL EM AGLOMERADOS URBANOS DE PEQUENAS DIMENSÕES 149 A MOBILIDADE SUSTENTÁVEL EM AGLOMERADOS URBANOS DE PEQUENAS DIMENSÕES Paulo Ribeiro José Fernando Gomes Mendes André Fontes Escola

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS I SISTEMAS EM RUPTURA?... Urbano: fragmentado, densidades extremadas Natural: pressão, desarmonia, descontinuidade Residencial: dormitório unifamiliar ou massivo Económico:

Leia mais

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas.

1. Conectividade. Conceito: É sair de casa e poder ir ao bairro do lado sem ter de dar grandes voltas. 1. Conectividade Em que medida o ambiente urbano/pedonal dispõe de uma rede integrada que permite conectar origens e destinos, que passa, por exemplo, pela existência e continuidade de uma infra-estrutura

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Exposição de motivos Existiam 216 milhões de passageiros de carros na UE a 25 em 2004, tendo o número

Leia mais

Gestão da mobilidade urbana

Gestão da mobilidade urbana Fernando Nunes da Silva Vereador da Mobilidade C. M. Lisboa Fernando Nunes da Silva OE Coimbra JAN 2013 JAN 13 Gestão da mobilidade urbana - dificuldades e soluções uma política de mobilidade para Lisboa:

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16 Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) decidiu desenvolver o Plano Intermunicipal de

Leia mais

DISPOSIÇÕES TÉCNICAS. AUTO-ESTRADAS Características Técnicas DOCUMENTO BASE

DISPOSIÇÕES TÉCNICAS. AUTO-ESTRADAS Características Técnicas DOCUMENTO BASE DISPOSIÇÕES TÉCNICAS AUTO-ESTRADAS Características Técnicas DOCUMENTO BASE Trabalho realizado com a colaboração do Eng. João Bernardo Pessoa Begonha, apresentado no V Congresso Rodoviário Português Estrada

Leia mais

E s t r u t u r a V e r d e

E s t r u t u r a V e r d e Estrutura Verde A. Introdução O conceito de Estrutura Verde insere-se numa estratégia de desenvolvimento sustentado, objecto fundamental das políticas do ordenamento do território. A Estrutura Verde é

Leia mais

Controlo da velocidade em eixos rodoviários

Controlo da velocidade em eixos rodoviários Controlo da velocidade em eixos rodoviários Definição de soluções combinadas de acalmia de tráfego Sílvia SANTOS 1 ; Ana BASTOS SILVA 2 Departamento de Engenharia Civil Universidade de Coimbra Rua Luís

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

O SIG como apoio à mobilidade intermodal

O SIG como apoio à mobilidade intermodal Especializações em Transportes Transportes e Vias de / SIG Comunicação / INSPIRE e Sistemas Painel de Lisboa Informação 6 novembro Geográfica 2012 Transportes / SIG / INSPIRE O SIG como apoio à mobilidade

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EIXO PRIOROTÁRIO IX DESENVOLVIMENTOS DO SISTEMA URBANO NACIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EIXO PRIOROTÁRIO IX DESENVOLVIMENTOS DO SISTEMA URBANO NACIONAL MIRANDELA XXI ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE URBANA PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EIXO PRIOROTÁRIO IX DESENVOLVIMENTOS DO SISTEMA URBANO NACIONAL ACÇÕES INOVADORAS PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ECOXXI Galardão 2013 MODOS DE TRANSPORTE SUAVES EM TORRES VEDRAS

ECOXXI Galardão 2013 MODOS DE TRANSPORTE SUAVES EM TORRES VEDRAS ECOXXI Galardão 2013 MODOS DE TRANSPORTE SUAVES EM TORRES VEDRAS LOCALIZAÇÃO DE TORRES VEDRAS POPULAÇÃO O Município de Torres Vedras localiza-se na costa oeste de Portugal e a sua cidade,torres Vedras,

Leia mais

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião PROJECTO NAZARÉ XXI - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião Nazaré XXI é um projecto turístico de impacto regional, inserido na política de desenvolvimento económico que a Câmara Municipal

Leia mais

Lisboa. predominante. Constituem áreas de enquadramento e valorização dos núcleos históricos edificados. Tipologia dominante dos edifícios.

Lisboa. predominante. Constituem áreas de enquadramento e valorização dos núcleos históricos edificados. Tipologia dominante dos edifícios. Classes Subclasses Categorias Subcategoria Espaço urbano Históricas Áreas históricas habitacionais Consolidadas De estruturação De reconversão Espaços urbanos cujas características morfológicas, arquitectónicas

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil Sistema Ferroviário: Estagnação ou Desenvolvimento? Alberto Castanho Ribeiro Porto, 21 de Maio de 2011 Estrutura 1. Evolução do Caminho de Ferro 2. Desafios

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

ACIV Associação para o Desenvolvimento da Engenharia Civil ESTUDO DE IMPLANTAÇÃO DA INTERFACE MODAL ESTAÇÃO DA LOUSÃ

ACIV Associação para o Desenvolvimento da Engenharia Civil ESTUDO DE IMPLANTAÇÃO DA INTERFACE MODAL ESTAÇÃO DA LOUSÃ ACIV Associação para o Desenvolvimento da Engenharia Civil Metro Mondego, s.a. ESTUDO DE IMPLANTAÇÃO DA INTERFACE MODAL ESTAÇÃO DA LOUSÃ Coimbra, Junho 2007 Professora Ana Maria César Bastos Silva (coordenação)

Leia mais

O Interface de Transportes

O Interface de Transportes O Interface de Transportes Tipologias de funcionamento e morfologia espacial - aplicação ao projecto Resumo Alargado Inês Isabel do Nascimento Piedade Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Avaliação Ambiental Estratégica Recomendações para a integração e apreciação da Componente Saúde Humana nos Planos Municipais de Ordenamento do Território Nº: 36/DA DATA:09.10.09 Para: Contacto

Leia mais

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Luís Matas de Sousa Director do Projecto de Requalificação Urbana da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Área

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

Fernando Nunes da Silva Professor de Urbanismo e Transportes no IST. Câmara Municipal de Sines Maio 2008. 2008 - Prof. Fernando Nunes da Silva

Fernando Nunes da Silva Professor de Urbanismo e Transportes no IST. Câmara Municipal de Sines Maio 2008. 2008 - Prof. Fernando Nunes da Silva Fernando Nunes da Silva Professor de Urbanismo e Transportes no IST Câmara Municipal de Sines Maio 2008 PDM de Sines Sistema de Transportes e Acessibilidades DESENVOLVIMENTO REGIONAL / NACIONAL População

Leia mais

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável Gabinete de Planeamento Inovação e Avaliação Catarina Marcelino (cmarcelino@imtt.pt) http://www.imtt.pt APA, 14 de Fevereiro de 2012 Índice 1. Conceito

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS. Parte

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS. Parte PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS Parte I PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE ODIVELAS 1- O PDM não resolve problema algum. É só um PLANO... O PROCESSO de Planeamento Pode e Deve fazer com que as coisas aconteçam...

Leia mais

PROPOSTAS PARA A PROMOÇÃO DO USO DA BICICLETA EM LISBOA

PROPOSTAS PARA A PROMOÇÃO DO USO DA BICICLETA EM LISBOA PROPOSTAS PARA A PROMOÇÃO DO USO DA BICICLETA EM LISBOA Junho 2007 Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta Secretariado: Rua Bernardo Lima 35, 2º B 1150-075 Lisboa Endereço Postal:

Leia mais

Mobilidade Sustentável

Mobilidade Sustentável Mobilidade Sustentável Eco-Condução e Planos de Mobilidade de Empresas e Pólos 1 Índice 1. Conceito de Mobilidade Sustentável 2. Eco-condução (+ económica, + segura, + confortável) a) Informação, Formação

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

22-01-2014 P R O P O S T A D E O R D E N A M E N T O P R O P O S T A D E O R D E N A M E N T O

22-01-2014 P R O P O S T A D E O R D E N A M E N T O P R O P O S T A D E O R D E N A M E N T O P A I N E L I I I P R O P O S T A D E O R D E N A M E N T O I Proposta de Qualificação do solo Estrutura Ecológica Municipal Solo Rural Solo Urbano II Proposta de Acessibilidades, Transportes e Mobilidade

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Cronograma Índice Apresentação da TC Urbes Objetivos do Plano de Mobilidade Sustentável Cidade e Mobilidade Diagnóstico Planejamento

Leia mais

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003 GAPTEC Departamento de Planeamento Estratégico Divisão do Plano Director Municipal Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas Maio 2003 Relatório Final Volume II EQUIPA Coordenadores

Leia mais

METRO DO PORTO. Melhoria da mobilidade. Foto do site da Bombardier

METRO DO PORTO. Melhoria da mobilidade. Foto do site da Bombardier METRO DO PORTO Melhoria da mobilidade Foto do site da Bombardier Rui Site: Rodrigues www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt Data: Público, 15 de Dezembro de 2003 METRO DO PORTO

Leia mais

Rede Escolar Particular do Concelho de Sintra

Rede Escolar Particular do Concelho de Sintra Rede Escolar Particular do Concelho de Sintra Instituições sem fins lucrativos Escolas Moradas / Contactos Creche Rua da Lagoa, n.º 15 S. Carlos 2725-355 Mem Martins Tel.: 219214466 / Fax: 219221910 E-mail:

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE FAMALICÃO

MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE FAMALICÃO MAPA DE RUÍDO DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE FAMALICÃO Actualização segundo o D.L. 9/2007, 17 de Janeiro RESUMO NÃO TÉCNICO Equipa Técnica do Mapa de Ruído: Luís Conde Santos, Director do Laboratório Susana

Leia mais

Metro. é o que mais agrada. Transportes públicos

Metro. é o que mais agrada. Transportes públicos é o que mais agrada O metro é um dos meios de transporte mais usados e que mais satisfaz os inquiridos. Já o autocarro desilude a elevada percentagem que o usa METRO DO PORTO A empresa que lidera na satisfação

Leia mais

Metro Sul do Tejo. Artigo de Opinião

Metro Sul do Tejo. Artigo de Opinião Metro Sul do Tejo Artigo de Opinião Neste artigo chama-se a atenção para as ineficiências do atual sistema de transportes públicos na zona de Almada, devida à descoordenação entre as carreiras do Metro

Leia mais

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Rodoviária Ferroviária De Aeroportos De Portos De Energia Uma distribuição desigual Uma rede melhorada Segura

Leia mais

ORDEM DOS ECONOMISTAS 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. Carlos Correia da Fonseca, Ordem dos Economistas, Out 2011 1

ORDEM DOS ECONOMISTAS 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. Carlos Correia da Fonseca, Ordem dos Economistas, Out 2011 1 ORDEM DOS ECONOMISTAS 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS Carlos Correia da Fonseca, Ordem dos Economistas, Out 2011 1 Tema da comunicação: Transportes, economia de transportes, políticas de transportes

Leia mais

PORTAGENS AS NOVAS FRONTEIRAS DE LISBOA. Revista ACP TEMA DE CAPA ID: 27641689 01-11-2009

PORTAGENS AS NOVAS FRONTEIRAS DE LISBOA. Revista ACP TEMA DE CAPA ID: 27641689 01-11-2009 Pág: 12 Área: 19,57 x 24,59 cm² Corte: 1 de 7 CONSTITUEM-SE HOJE COMO QUE NOVAS FRONTEIRAS. EM RELAÇÃO A LISBOA, ESTÃO PERFEITAMENTE DEMARCADAS. FALAMOS DAS PORTAGENS QUE RODEIAM A CAPITAL, CONDICIONANDO

Leia mais

PROMOÇÃO DA BICICLETA

PROMOÇÃO DA BICICLETA PROMOÇÃO DA BICICLETA E OUTROS MODOS SUAVES Porto, 21 de novembro de 2013 Congresso Internacional de Promoção da Mobilidade Suave O Problema A evolução da mobilidade em Portugal Predomínio crescente das

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PEDREGAL, SINTRA ACESSIBILIDADES E MOBILIDADE RELATÓRIO (ESTE DOCUMENTO TEM 55 FOLHAS) 2090.3/01/05 (03/2015)

PLANO DE PORMENOR DO PEDREGAL, SINTRA ACESSIBILIDADES E MOBILIDADE RELATÓRIO (ESTE DOCUMENTO TEM 55 FOLHAS) 2090.3/01/05 (03/2015) PLANO DE PORMENOR DO PEDREGAL, SINTRA ACESSIBILIDADES E MOBILIDADE RELATÓRIO (ESTE DOCUMENTO TEM 55 FOLHAS) 2090.3/01/05 (03/2015) Índice A. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO... 4 B. REDE RODOVIÁRIA EXISTENTE...

Leia mais

OPTIMIZAR OS COMBOIOS SUBURBANOS DE LISBOA

OPTIMIZAR OS COMBOIOS SUBURBANOS DE LISBOA OPTIMIZAR OS COMBOIOS SUBURBANOS DE LISBOA Diagrama actual Rui Rodrigues Site: www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt Data: Público, 13 de Junho de 2005 OPTIMIZAR OS COMBOIOS SUBURBANOS

Leia mais

ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL

ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL ÍNDICE II ENQUADRAMENTO REGIONAL 1. TERRITORIAL 2. DEMOGRÁFICO 3. VIÁRIO Revisão do Plano Director Municipal de Vila Nova de Famalicão - II. Enquadramento Regional - DEZEMBRO 2004 1 Índice de Figuras Figura

Leia mais

o papel dos modos suaves na mobilidade urbana tendências e implicações

o papel dos modos suaves na mobilidade urbana tendências e implicações POLITICAS DE GESTÃO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO EM CENTROS URBANOS 12 de Abril de 2011 o papel dos modos suaves na mobilidade urbana tendências e implicações Ana Bastos Silva Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Guia de Matrícula 2015 2016

Guia de Matrícula 2015 2016 A Câmara Municipal de Sintra apresenta, pela primeira vez, um guia de matrícula, direcionado aos encarregados de educação dos candidatos à rede escolar pública do Concelho de Sintra. Neste documento, os

Leia mais

O SISTEMA DE. Álvaro Seco SISTEMA DE MOBILIDADE DO MONDEGO

O SISTEMA DE. Álvaro Seco SISTEMA DE MOBILIDADE DO MONDEGO O Álvaro Seco ÍNDICE 1. Resenha Histórica 2. O Presente Mudança de Paradigma Breve Descrição da Rede 3. O Faseamento do Projecto 4. Os Desafios Futuros 1. RESENHA HISTÓRICA 1 RESENHA HISTÓRIA O PROBLEMA

Leia mais

Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto

Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto Nota inicial Genericamente, os principais problemas que encontrámos foram a proliferação de obstáculos à normal fluidez da circulação das bicicletas.

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

Autárquicas 2013. Recomendações da FPCUB às candidaturas autárquicas para uma Mobilidade Ciclável

Autárquicas 2013. Recomendações da FPCUB às candidaturas autárquicas para uma Mobilidade Ciclável 1/7 Autárquicas 2013 Recomendações da FPCUB às candidaturas autárquicas para uma Mobilidade Ciclável Nas cidades Europeias tem-se dado prioridade a Planos de Deslocações Urbanas que privilegiem uma mobilidade

Leia mais

COIMBRA LANÇAMENTO DA LINHA AZUL COM TRÊS MINI AUTOCARROS ELÉCTRICOS GULLIVER 8 de Setembro de 2003

COIMBRA LANÇAMENTO DA LINHA AZUL COM TRÊS MINI AUTOCARROS ELÉCTRICOS GULLIVER 8 de Setembro de 2003 COIMBRA LANÇAMENTO DA LINHA AZUL COM TRÊS MINI AUTOCARROS ELÉCTRICOS GULLIVER 8 de Setembro de 2003 MINI-AUTOCARROS ELÉCTRICOS EM FROTAS DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO O GULLIVER PROGRAMA DE DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

MUDAR PRÁTICAS DE DESLOCAÇÃO PLANO DE PROMOÇÃO DA BICICLETA E OUTROS MODOS SUAVES. Isabel Seabra

MUDAR PRÁTICAS DE DESLOCAÇÃO PLANO DE PROMOÇÃO DA BICICLETA E OUTROS MODOS SUAVES. Isabel Seabra MUDAR PRÁTICAS DE DESLOCAÇÃO PLANO DE PROMOÇÃO DA BICICLETA E OUTROS MODOS SUAVES Isabel Seabra 4ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA Preparar a Cidade para a Mobilidade do Futuro: Dos Modos Suaves à Mobilidade

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 APD- DELEGAÇÃO LOCAL DE MEM MARTINS RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 INTRODUÇÃO O ano de 2004 ficou marcado por alguns acontecimentos relevantes, sinal de que, apesar do passar dos anos, a Delegação

Leia mais

REDES CICLÁVEIS: CLASSIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DA INCLINAÇÃO DO TERRENO AFERIDA POR MÉTODOS Low-Cost e No-Cost.

REDES CICLÁVEIS: CLASSIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DA INCLINAÇÃO DO TERRENO AFERIDA POR MÉTODOS Low-Cost e No-Cost. REDES CICLÁVEIS: CLASSIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DA INCLINAÇÃO DO TERRENO AFERIDA POR MÉTODOS Low-Cost e No-Cost. Elton Taniguchi, Paulo Ribeiro, Daniel Rodrigues RESUMO Os problemas causados pela circulação

Leia mais

Disciplina: TRANSPORTES. Sessão 10: A Intermodalidade em Sistemas de. Transportes: potencialidades, dificuldades, soluções

Disciplina: TRANSPORTES. Sessão 10: A Intermodalidade em Sistemas de. Transportes: potencialidades, dificuldades, soluções MESTRADO INTEGRADO DE ENGENHARIA CIVIL Disciplina: TRANSPORTES Prof. Responsável: José Manuel Viegas Transportes: potencialidades, dificuldades, soluções 2010 / 2011 1/16 MÚLTIPLAS SOLUÇÕES MODAIS Devido

Leia mais

ECONOMIA DOS TRANSPORTES. Conferência Internacional, 17 de Abril de 2015, Luanda Manuel Mota - Rodoviária de Lisboa.

ECONOMIA DOS TRANSPORTES. Conferência Internacional, 17 de Abril de 2015, Luanda Manuel Mota - Rodoviária de Lisboa. MOBILIDADE Assegura acesso aos bens e serviços disponibilizados pela sociedade; Contribui para a competição entre as cidades ou regiões, favorecendo o crescimento económico; Contribui para a coesão social;

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA A SUSTENTABILIDADE DA CIDADE DO PORTO

ESTRATÉGIA PARA A SUSTENTABILIDADE DA CIDADE DO PORTO ESTRATÉGIA PARA A SUSTENTABILIDADE DA CIDADE DO PORTO A Estratégia para a Sustentabilidade da Cidade do Porto é um documento da responsabilidade técnica da AdEPorto - Agência de Energia do Porto elaborado

Leia mais

Políticas e Orientações para a Mobilidade Ciclável Isabel Seabra Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres (IMTT) Gabinete de Planeamento

Políticas e Orientações para a Mobilidade Ciclável Isabel Seabra Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres (IMTT) Gabinete de Planeamento Políticas e Orientações para a Mobilidade Ciclável Isabel Seabra Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres (IMTT) Gabinete de Planeamento Inovação e avaliação (GPIA) 1 Instituto da Mobilidade

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

MOBILIDADE EM CIDADES DE MÉDIA DIMENSÃO O CASO DA CIDADE DE FARO. M. C. B. Gameiro, M. M. P. Rosa, J. I. J. Rodrigues e R. M. A.

MOBILIDADE EM CIDADES DE MÉDIA DIMENSÃO O CASO DA CIDADE DE FARO. M. C. B. Gameiro, M. M. P. Rosa, J. I. J. Rodrigues e R. M. A. MOBILIDADE EM CIDADES DE MÉDIA DIMENSÃO O CASO DA CIDADE DE FARO M. C. B. Gameiro, M. M. P. Rosa, J. I. J. Rodrigues e R. M. A. Alves RESUMO Em Portugal, no final de 2013, no âmbito do projeto de investigação

Leia mais

Transporte de Passageiros

Transporte de Passageiros Transporte de Passageiros 1997-2006 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. PARQUE DE VEÍCULOS LIGEIROS EM CIRCULAÇÃO... 4 3. EXTENSÃO DA REDE NACIONAL RODOVIÁRIA E DA REDE FERROVIÁRIA... 5 4. TRANSPORTE DE

Leia mais

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO No âmbito do procedimento de consulta pública do Plano Estratégico de Transportes 2008-2020 (PET), vem a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza apresentar o seu parecer. SOBRE OS PRESSUPOSTOS

Leia mais

Guia para Elaboração de Planos de Mobilidade e Transportes (PMT)

Guia para Elaboração de Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) Workshop Regional de Disseminação do Universidade de Évora, Évora, 24 de Abril de 2012 Guia para Elaboração de Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) Faustino Gomes TIS.PT, Transportes, Inovação e Sistemas,

Leia mais

Plano de Acção Social Escolar Ano Lectivo 2012/2013

Plano de Acção Social Escolar Ano Lectivo 2012/2013 são de Planeamento e Logísitica Educativa Plano de Acção Social Escolar Ano Lectivo 2004/2005 Plano de Acção Social Escolar Ano Lectivo 2012/2013 Parecer favorável do Conselho Municipal de Educação aprovado

Leia mais

SUMÁRIO O TERRITÓRIO, A BICICLETA E A GÉNESE DO PROJECTO MURTOSA CICLÁVEL REDE DE CICLOVIAS E INFRAESTRUTURAS DE APOIO AS PESSOAS E A BICICLETA

SUMÁRIO O TERRITÓRIO, A BICICLETA E A GÉNESE DO PROJECTO MURTOSA CICLÁVEL REDE DE CICLOVIAS E INFRAESTRUTURAS DE APOIO AS PESSOAS E A BICICLETA A BICICLETA NA MOBILIDADE URBANA E NA FRUIÇÃO DA NATUREZA MURTOSA, 23 DE SETEMBRO DE 2011 SUMÁRIO O TERRITÓRIO, A BICICLETA E A GÉNESE DO PROJECTO MURTOSA CICLÁVEL REDE DE CICLOVIAS E INFRAESTRUTURAS DE

Leia mais