TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda."

Transcrição

1 TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda. AUTORA: Sandra Maria Zanello de Aguiar. CREDENCIAIS DO AUTOR: Mestre em Serviço Social-PUC/São Paulo; Professora do Curso de Serviço Social da Universidade Estadual do Centro-Oeste-UNICENTRO, Guarapuava-Pr.; pesquisadora do CNPQ vinculada ao Projeto Desemprego e Cooperativas de Trabalho- arranjos e sistemas produtivos centrais, sob a coordenação da Profa. Dra. Bernadete Wrublevski Aued, do Curso de Pós-Graduação, Doutorado em Sociologia Política, da Universidade Federal de Santa Catarina. SINOPSE De forma a ampliar e aprofundar a compreensão sobre o trabalho e os seus desdobramentos nas expressões individuais e coletivas do segmento dos trabalhadores desempregados, usuários das políticas públicas das organizações governamentais (org) e não-governamentais (ong) que se constituem em campos de estágio do Curso de Serviço Social da UNICENTRO da cidade de Guarapuava, está sendo desenvolvido o Sub-Projeto de Pesquisa- As cooperativas de geração de emprego e renda - que tem alguns encaminhamentos fundamentais iniciais: o primeiro, é identificar a existência de cooperativas de trabalho, o modo de ser destes trabalhadores na consideração das suas representações e percepções sobre o trabalho e, o segundo, é a inserção de alunos no processo ensino/investigação para que vivenciem esta unidade no Serviço Social, como elementos necessários para a objetivação da prática profissional. No movimento interno dos dois encaminhamentos iniciais, encontramos os objetivos desse estudo: a) Analisar as implicações sociais das políticas públicas de geração de emprego e renda no Município de Guarapuava, assim como a verificação da existência de cooperativas de geração de emprego e renda vinculadas a organizações governamentais e não-governamentais, do Município de Guarapuava. b) Identificar, através de mapeamento, a existência de projetos de pesquisa e de extensão sobre cooperativas de geração de emprego e renda, nos diferentes cursos da Universidade Estadual Centro-Oeste-UNICENTRO, de Guarapuava, bem como

2 o mapeamento do Município de Guarapuava para conhecimento da existência de cooperativas de geração de emprego e renda em diferentes instâncias da sociedade. c) Proceder investigações sócio-econômicas e culturais, através de entrevistas biográficas, combinada com a análise longitudinal, em diferentes bairros do Município de Guarapuava, de maneira a conhecer o modo de vida das populações. d) Identificar, através das investigações sócio-econômicas e culturais, a população desempregada e seu modo de vida. e) Investigar as políticas públicas na consideração da sua efetividade e da emancipação de quem a elas recorre, através de pesquisa documental, entrevistas. f) Acompanhar algumas trajetórias de vida de usuários das políticas públicas que estejam em estado de desemprego, as quais serão documentadas de dois em dois anos, ao longo de uma década. De forma a explicitar estes objetivos, elencou-se alguns questionamentos que nortearão a direção dessa investigação: a) Qual a concepção das políticas públicas para o usuário? b) O trabalho se caracteriza como momento predominante no processo evolutivo do trabalhador desempregado, usuário das políticas públicas das org e ong, da cidade de Guarapuava? c) De que modo este trabalhador representa o trabalho no cotidiano da sua vida? d) O trabalho faz parte do cotidiano destes trabalhadores? e) Quais as atividades laborativas identificadas como trabalho para o trabalhador desempregado usuário das políticas públicas das org e ong, da cidade de Guarapuava? f) Quais os tipos de trabalho que desenvolve? g) Qual a origem desse trabalho? h) Quais as habilidades que esse trabalho solicita? i) Esse trabalho possibilita o atendimento das necessidades básicas?

3 j) Onde se localiza esse trabalho? k) O que significa o desemprego? l) Quais as estratégias de sobrevivência? O SER SOCIAL, O TRABALHO E A MODERNIDADE As profundas e alternantes mutações no mundo do trabalho, resultantes das políticas de globalização dos mercados e do desenvolvimento progressivo técnico-científico, têm provocado um afastamento temporário, tão longo, do processo das relações sociais de produção da classe trabalhadora que geralmente, acaba transformando-se em definitivo caracterizando assim, o desemprego. O estado de desemprego coloca homens e mulheres à mercê de determinações que os degradam na relação com a natureza, já que esta relação homem-natureza é condição sine qua non para a satisfação das necessidades básicas, para a construção e reconstrução da sua essência social. O trabalho é a primeira forma de expressão do indivíduo em coletividade. Quem pensa trabalho, pensa homens interagindo conhecimentos, experiências. Isto faz parte da essência enquanto ser social. Ele ainda se constitui em necessidade de primeira ordem ao ser humano, especialmente, quando consideramos este ato na perspectiva da preservação das funções vitais deste ser, ou seja, a íntima relação que estabelece com a natureza, pois é parte constituinte da mesma. Como, então, conceber-se o homem apartado da sua natureza? Da impossibilidade de estar construindo mediações para o desenvolvimento da sua liberdade e autonomia já que se encontra distanciado do trabalho? É só através do trabalho que o homem busca a produção e a reprodução da sua vida em sociedade e a luta pela sua sobrevivência, criando e recriando novas formas de existência, segundo as suas necessidades cotidianas. O trabalho é produto de um pôr teleológico, isto é, a ideação construída na consciência do ser social. É a objetivação das finalidades previamente ideadas. É um processo contínuo que busca sempre novas alternativas e, é isto que o diferencia de outros animais que, ao realizarem meios para a sua sobrevivência, os fazem de modo meramente biológico, sem

4 qualquer intencionalidade, apenas a de sobreviver. Esta posição teleológica se dá em função do resultado de uma necessidade humana e social, que é impulsionada pela contínua realização de necessidades, da produção e reprodução da vida em sociedade. O trabalho, então, é elemento de mediação inserido entre a esfera da necessidade e a da realização desta... (Antunes, p.137, 2001), o que determina um comportamento consciente sobre a espontaneidade do instinto biológico (elemento constituinte dos outros seres vivos), no momento em que o trabalho intervém como mediação entre necessidade e satisfação imediata, pois a vida dos homens que trabalham é constituída de pleno sentido, promovendo a sua autodeterminação, humanização e autonomia. O processo de mediação, de intermitente metabolismo entre o homem e a natureza, leva-o à necessidade de criar produtos que sejam úteis ao seu uso constante. Este movimento do ato laborativo, nas considerações limitada e primitiva, tem um sentido genérico e abstrato, produzindo valores de uso. Já em outras formas mais desenvolvidas, mesmo aliada à relação homem e natureza, explicita inter-relações com outros seres sociais também intencionando a produção de valores de uso, emergindo uma práxis social interativa carregada de intersubjetividades. Em razão das profundas transformações no mundo do trabalho, as considerações sobre o trabalho concreto, aquele que cria valores de uso porque atividade vital, necessidade natural e eterna de efetivar o intercâmbio entre o homem e a natureza (Marx p.50, 1971), acaba tomando uma dimensão, tão somente, abstrata, pela natureza do metabolismo social do capital que faz o trabalho tomar uma forma (...)assalariada, fetichizada e estranhada ( dada a necessidade de produzir valores de troca para a reprodução ampliada do capital)... (Antunes, p.167, 2001). Mas isto, não representa a derrocada do trabalho concreto, pois sem ele não haverá espaço para o metabolismo social do capital expandir-se. Robert Castel (1997), parece demonstrar o metabolismo social do capital através da desagregação da sociedade salarial, ou seja, uma intervenção antecipada com a instalação de mecanismos imediatos, de forma a estancar provisoriamente a aceleração do processo do não-emprego, o que vem agravar (...) a ruptura entre trabalhador e proteção (Castel, p.182, 1997), pois, na ótica do autor, é do trabalho e de sua proteção que se organizam o

5 direito social, a seguridade social, a sociedade e as suas demandas. Estes mecanismos oriundos das políticas públicas tomam uma forma de políticas de inserção que tem como foco principal, a ação social voltada para um determinado aspecto, expressando-se como (...) essencialmente operações de reposição para preparar dias melhores (Castel, p.25, 1997), reduzindo, assim, a necessidade de uma intervenção macroestrutural, de fundo político-econômico e, o que é de suma importância: a consideração do ser social na dinâmica da cotidianidade do trabalho. O trabalho é, efetivamente, a expressão das finalidades humanas constituído de intrínseca dimensão teleológica, mostrando experiências básicas da vida cotidiana, nas soluções que oferta aos carecimentos e necessidades sociais. A vida cotidiana é ponto de partida para a genericidade para-si dos homens que vivem numa dinâmica intermitente de trocas e que segundo Lukács, esta dinâmica que se faz no interior da sociedade que, só pode ser compreendida em sua totalidade, em sua dinâmica evolutiva, quando se está em condições de entender a vida cotidiana em sua heterogeneidade universal. A vida cotidiana constitui a mediação objetivo-ontológica entre a simples reprodução espontânea da existência física e as formas mais altas de genericidade agora já conscientes, precisamente porque nela, de forma ininterrupta, as constelações mais heterogêneas fazem com que os dois pólos humanos apropriados da realidade social, a particularidade e a genericidade, atuem em sua inter-relação imediatamente dinâmica. Conseqüentemente, um estudo apropriado dessa esfera da vida pode também lançar luzes sobre a dinâmica interna do desenvolvimento da genericidade do homem, precisamente por tornar compreensíveis aqueles processos heterogêneos que, na realidade social, dão vida às realizações da genericidade (Lukács in Antunes, p , 2001). É ineliminável a possibilidade de compreender o trabalho sem a ligação dele com a vida cotidiana, correndo-se o risco de desconhecer-se a esfera ontológica que a compõe e assim, inviabilizando o entendimento das formas da consciência do ser-social-que-vive-dotrabalho, em seus complexos movimentos existentes no trânsito entre as formas mais próximas da imediatidade, da genericidade em-si, até aquelas formas mais autênticas, mais identificadas com a genericidade para si (Antunes, p , 2001). Na perspectiva de Lukács, a vida cotidiana está colada à história dos homens. Não há

6 sociedade sem cotidianidade, não há homem sem vida cotidiana. Lukács (1979) traz determinações fundamentais para apreensão da cotidianidade: a heterogeneidade, a imediaticidade e a superficialidade extensiva. A vida cotidiana é heterogênea, sobretudo, no que se refere ao seu conteúdo e à sua significação das atividades do ser social; não são definitivas e imutáveis, pois depende de uma hierarquia que subentende o sistema de organização, por exemplo, as classes sociais, o seu cotidiano e o modo de ser. Ela (...) constitui um universo em que, simultaneamente, se movimentam fenômenos e processos de natureza compósita (linguagem, trabalho, interação, jogo, vida política e vida privada, etc.) (Netto, p. 67, 1996). Esta movimentação inclui a manipulação das coisas que assimiladas individualmente, processam a assimilação das relações sociais que possibilitam o amadurecimento para a cotidianidade, assim como, a assimilação imediata adquirida através de pequenos grupos: família, escola, vizinhança, etc. E esses grupos face to face estabelecem uma mediação entre o indivíduo e os costumes, as normas e a ética de outras integrações maiores ( Heller, p.19, 2000) que o levarão a imprimir valor sobre as suas atividades individuais e as mediações que empreendeu, tornando-o consciente dos valores das integrações maiores que realizou. Aí, pode-se considerar este indivíduo maduro e apto a mover-se no ambiente da sociedade geral. A superficialidade extensiva significa que a vida cotidiana mobiliza em cada homem todas as atenções e todas as forças, mas não toda a atenção e toda a força; a sua heterogeneidade e imediaticidade implicam que o indivíduo responda levando em conta o somatório dos fenômenos que comparecem em cada situação precisa, sem considerar as relações que o vinculam (Netto, p.67, 1996). Isto quer dizer que, o cotidiano deve se constituir de ações menos imediatas e de menos instrumental, pois a heterogeneidade e a imediaticidade retira do homem o atributo da particularidade espaço de mediação entre o singular e o universal (...) (Netto, p.69,1996). Considerando os momentos que constituem a vida cotidiana e a necessidade de promover a sua superação para dar espaço à questão da homogeneidade, Netto apresenta três procedimentos indicados por Lukács: o trabalho criador, a arte e a ciência(...). A dialética cotidianidade/suspensão é a dialética da processualidade da constituição e do

7 desenvolvimento do ser social (Netto, p , 1996). Estas reflexões, ainda que superficiais, vem confirmando a necessidade de efetivar este estudo à busca por elementos que constróem a vida cotidiana das políticas públicas e dos usuários desempregados para conhecimento da estrutura organizacional e da política das instituições encarregadas de prover serviços de assistência social, executoras das políticas públicas cujas intervenções seguem determinações postas pelas alterações no mundo do trabalho. Bem como para desmistificar a profissão do Serviço Social direcionada a uma prática meramente imediata e reiterativa que, sem o conhecimento e apreensão do movimento interno do cotidiano não há como livrar-se do racionalismo limitado(positivismo) e da derivação irracionalista(fenomenologia) (Netto, p.65, 1996), que em algumas instâncias, mesmo isoladas, encaminham o processo do ensino e da pesquisa no Serviço Social à estas perspectivas. É neste contexto que os trabalhadores desempregados usuários das políticas públicas das organizações governamentais e não-governamentais, campos de estágio do Curso de Serviço Social da UNICENTRO, da cidade de Guarapuava, e sujeitos deste estudo, estarão inseridos e explicitando as suas concepções como classe-que-vive-do-trabalho, ou seja, trabalhadores produtivos e improdutivos que constróem o seu modo de vida na cotidianidade do seu trabalho e das determinações políticas e econômicas de um capitalismo em crise. A QUESTÃO METODOLÓGICA Será priveligiada a pesquisa qualitativa, uma vez que o uso da instrumentalidade do trabalho recairá, mais significativamente, em gravações de depoimentos, de narrativas, de entrevistas biográficas e de análises longitudinais do cotidiano dos sujeitos envolvidos na investigação. Para tanto, explicitamos alguns passos para a materialização dos objetivos: 1) Por meio da análise, o conhecimento das implicações sociais das políticas públicas de geração de emprego e renda no Município de Guarapuava, como representam-se à população e como objetivam-se.

8 2) A investigação da existência de cooperativas de geração de emprego e renda e sua origem, através de pesquisa documental, de levantamentos in loco. 2.1 A investigação para mapeamento da existência de projetos de pesquisa e de extensão nos diferentes cursos da UNICENTRO, que tratem de cooperativas de geração de emprego e renda. 2.2 A investigação para mapeamento da existência de projetos de pesquisa e de extensão, nas diferentes instâncias da sociedade. 3) Investigação do modo de vida dos sujeitos participantes do estudo, nas considerações do desemprego, das condições sócio-econômicas e culturais que desenvolvem para o enfrentamento desta situação. 4) Investigação, através do uso de entrevistas, da efetividade das políticas públicas, no que se refere ao subsidiamento de condições de emancipação e autonomia dos sujeitos que a ela recorrem. 5) Acompanhamento de algumas trajetórias de vida de sujeitos dependentes das políticas públicas que se encontrem em situação de desemprego, cujas histórias serão gravadas e documentadas durante dois anos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

9 ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 4 a. ed., São Paulo, Boitempo, Adeus ao trabalho?: Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo, Cortez/Unicamp, CASTEL. Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. 2 a.ed..petrópolis, Vozes, HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. 6 a.ed., Tradução de Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. São Paulo, Paz e Terra, LESSA, Sergio. A ontologia de Lukács. 2 a. ed., Maceió, Edufal, LUKÁCS, Georg. Ontologia do ser social, I e II (A falsa e a verdadeira ontologia de Hegel; Os princípios ontológicos fundamentais de Marx). São Paulo, Ciências Humanas, NETTO. José Paulo. CARVALHO. Maria do Carmo Brant. Cotidiano: conhecimento e crítica. NETTO: Para a Crítica da vida cotidiana, 4 a.ed..são Paulo, Cortêz TEIXEIRA, Francisco José Soares (org.). OLIVEIRA, Manfredo Araújo de(org.) et alii. Neoliberalismo e reestruturação produtiva: As novas determinações do mundo do trabalho. 2 a. ed., São Paulo, Cortez/UECE, 1998.

10

11

12

A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO

A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO Sandra Maria Zanello de Aguiar, e-mail:szaguiar@gmail.com. Universidade Estadual do Centro-Oeste/Setor de Ciências Sociais Aplicadas.

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública

Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública Redes de políticas: novos desafios para a gestão pública Disciplina: INSTITUIÇÕES, ORGANIZAÇÕES E DESENVOLVIMENTO Profs.: Luiz Fernando Paulillo e Mauro Rocha Côrtes Doutoranda: Aldara da Silva César Texto:

Leia mais

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE A POLÍTICA DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Luara Caiana Sousa e Silva INTRODUÇÃO O processo de reestruturação

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

EMENTÁRIO: COMPONENTES DA BASE NACIONAL COMUM (BNC)

EMENTÁRIO: COMPONENTES DA BASE NACIONAL COMUM (BNC) SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL - SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EMENTÁRIO: COMPONENTES DA BASE NACIONAL COMUM (BNC)

Leia mais

Piaget diz que os seres humanos passam por uma série de mudanças previsíveis e ordenadas; Ou seja, geralmente todos os indivíduos vivenciam todos os

Piaget diz que os seres humanos passam por uma série de mudanças previsíveis e ordenadas; Ou seja, geralmente todos os indivíduos vivenciam todos os Teoria cognitivista Piaget utilizou os princípios conhecidos como o conceito da adaptação biológica para desenvolver esta teoria; Ela diz que o desenvolvimento da inteligência dos indivíduos acontece à

Leia mais

A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA

A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA Resumo Ademir Aparecido Pinhelli Mendes 1 NESEF/UFPR/UNINTER Geraldo Balduíno Horn 2 NESEF/PPGE//UFPR Grupo de Trabalho

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

AULA 13 Dados verbais

AULA 13 Dados verbais 1 AULA 13 Dados verbais Ernesto F. L. Amaral 05 de maio de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.105-118. OBJETIVO DA AULA 2 Apresentar

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

A METODOLOGIA DO TRABALHO COLETIVO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS.

A METODOLOGIA DO TRABALHO COLETIVO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. A METODOLOGIA DO TRABALHO COLETIVO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Marcos Jerônimo Dias Junior Formando em licenciatura plena em educação física Universidade Federal de Goiás RESUMO: Se na educação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

O ESTUDO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR MUNICIPAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

O ESTUDO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR MUNICIPAL DO ESTADO DE SÃO PAULO O ESTUDO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR MUNICIPAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Sofia Muniz Alves Gracioli Uni-FACEF 1 Paulo de Tarso Oliveira Uni-FACEF 2 Introdução

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre as mudanças na legislação do Ensino

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania Prof. Manoel Martins de Santana Filho[1] Nosso objetivo e desejo face às mediações do trabalho docente A proposta e necessidade

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

Educação. em territórios de alta. vulnerabilidade

Educação. em territórios de alta. vulnerabilidade Educação em territórios de alta vulnerabilidade 1 A pesquisa procura responder à seguinte questão: A vulnerabilidade social do território inf luencia a qualidade da escola? Como? Por que foi feita a pesquisa?

Leia mais

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Denise Carrera A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto de que a ordem social não é natural e por isso pode ser transformada. A

Leia mais

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO ADILSON DE ANGELO Desde a sua criação, o MST assegurou na sua agenda política a luta pela educação e por uma escola mais significativa para a família

Leia mais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais PARTE 4 Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais A caracterização de raças e ambientes de produção precisa ser melhorada para fomentar políticas de decisão na gestão dos recursos

Leia mais

CONSELHO ESCOLAR: PARTICIPAÇÃO COMO ELEMENTO DE DEMOCRATIZAÇÃO

CONSELHO ESCOLAR: PARTICIPAÇÃO COMO ELEMENTO DE DEMOCRATIZAÇÃO CONSELHO ESCOLAR: PARTICIPAÇÃO COMO ELEMENTO DE DEMOCRATIZAÇÃO TABORDA, Cleuza Regina Balan 1, SILVA Rosana Christofolo 2 ; CARVALHO, Sandra Pereira 3, JESUS, Ivone Alexandre de 4 Palavras-chave: Conselho

Leia mais

O trabalho do Assistente Social na educação: Desafios atuais e o compromisso com o projeto ético-político profissional

O trabalho do Assistente Social na educação: Desafios atuais e o compromisso com o projeto ético-político profissional O trabalho do Assistente Social na educação: Desafios atuais e o compromisso com o projeto ético-político profissional Autoras: Valdenice José Raimundo 1 Sandra Carla Lima 2 Ana Claudia Galvão Matos 3

Leia mais

AÇÃO JOVEM: um estudo no município de Franca-SP.

AÇÃO JOVEM: um estudo no município de Franca-SP. 141 AÇÃO JOVEM: um estudo no município de Franca-SP. Samanta Antonio Gea Uni-FACEF Maria Zita Figueiredo Gera² Uni-FACEF 1. INTRODUÇÃO A presente proposta de pesquisa tem como objetivo realizar um estudo

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE INTRODUÇÃO BATISTA, Erika IFSP_Campinas/Unesp erikkabatista@gmail.com DE BLASI, Jacqueline

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 As assertivas a seguir resumem formulações teóricas da Sociologia sobre coesão social e anomia Leia-as e assinale a alternativa que indica as formulações corretas na tradição teórica

Leia mais

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES RESUMO Cristiane Kuhn de Oliveira Universidade do Estado da Bahia UNEB cristiane-kuhn@hotmail.com O presente artigo expõe os resultados

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ

CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ RESUMO O projeto de pesquisa em curso objetiva investigar o controle social

Leia mais

ESCUTA E PARTICIPAÇÃO DAS CRIANÇAS NA CONSTRUÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ESCUTA E PARTICIPAÇÃO DAS CRIANÇAS NA CONSTRUÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 ESCUTA E PARTICIPAÇÃO DAS CRIANÇAS NA CONSTRUÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Cinthia Votto Fernandes (UFRGS, Porto Alegre,RS) Loide Pereira Trois (UFRGS, Porto Alegre,RS) A intenção deste

Leia mais

O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL

O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL HADDAD, Tatiana Paula (Estágio I), e-mail: tphaddad@hotmail.com; PETILO, Kássia Schnepper (Estágio I), e-mail: kassiaschnepper@hotmail.com;

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino A escola e a gestão do conhecimento Entender as instituições educacionais pressupõe compreendê-las e colocá-las em relação

Leia mais

QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS

QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS Leandro R. Pinheiro - UFRGS FAPERGS Dos anos 1970 aos 1990, visualizamos mudanças no cenário de ação sociopolítica

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Universidade de Brasília Faculdade d de Ciência i da Informação Prof a Lillian Alvares ESPIRAL DO CONHECIMENTO: NONAKA E TAKEUCHI, 1997 Obra referencial cujos objetivos são: Construir

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

ESTUDO DE PROJETOS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE NATAÇÃO/EDUCAÇÃO FÍSICA SUBSIDIADA POR PRINCÍPIOS E CONCEITOS DA TEORIA DE HENRI WALLON1

ESTUDO DE PROJETOS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE NATAÇÃO/EDUCAÇÃO FÍSICA SUBSIDIADA POR PRINCÍPIOS E CONCEITOS DA TEORIA DE HENRI WALLON1 ESTUDO DE PROJETOS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE NATAÇÃO/EDUCAÇÃO FÍSICA SUBSIDIADA POR PRINCÍPIOS E CONCEITOS DA TEORIA DE HENRI WALLON 1 Ana Martha de Almeida Limongelli (PED/PUC-SP) Introdução: O presente

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, GESTÃO DEMOCRÁTICA E A FUNÇÃO POLÍTICA E SOCIAL DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, GESTÃO DEMOCRÁTICA E A FUNÇÃO POLÍTICA E SOCIAL DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, GESTÃO DEMOCRÁTICA E A FUNÇÃO POLÍTICA E SOCIAL DA ESCOLA Resumo PARRA, Silvia 1 - SEEDPR Grupo de Trabalho - Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação. Agência Financiadora:

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO INFANTIL E TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL.

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO INFANTIL E TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL. GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO INFANTIL E TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL. Coordenadora: Profª Drª Eliza Maria Barbosa. Universidade Estadual Paulista UNESP/Araraquara. O grupo de Estudos e Pesquisas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico.

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO Aula 3 META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno(a) deverá: ler

Leia mais

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE 1 EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE Ivo Tonet Introdução É lugar-comum afirmar que a humanidade está vivenciando, atualmente, uma crise de gravíssimas proporções. Crise que não afeta apenas algumas, mas todas as

Leia mais

O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE

O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE Romero Bomfim dos Santos 1 ; Elida Roberta Soares de Santana²; Bruno Fernandes

Leia mais

INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1

INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1 INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1 Fabio Jardel Gaviraghi 2, Caroline Goerck 3, Walter Frantz 4. 1 Projeto de Pesquisa do Doutorado

Leia mais

VISÃO GERAL DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA E PESQUISAS DESENVOLVIDAS NA UFSC

VISÃO GERAL DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA E PESQUISAS DESENVOLVIDAS NA UFSC Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Pós Graduação em Engenharia de Produção VISÃO GERAL DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA E PESQUISAS DESENVOLVIDAS NA UFSC Profª Dra. Mirian Buss Gonçalves mirianbuss@deps.ufsc.br

Leia mais

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível?

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? Michelle CAVALLI 1 RESUMO: O presente artigo pretende discutir sobre as reflexões referentes à polêmica que permeia

Leia mais

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA Nome: Dilma Célia Mallard Scaldaferri GT do Ensino de História e Educação Área temática: Teoria, historiografia e metodologia - Simpósio 37 O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA...

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa 1 Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Solange Rauchbach Garani Escola da Magistratura do Paraná E-mail: solangergarani@yahoo.com.br

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 AS PROPOSTAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTADAS NOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRONHOS FRANCO, C.

Leia mais

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 1 OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Leordina Ferreira Tristão Pedagogia UFU littledinap@yahoo.com.br Co

Leia mais

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL Luana Vianna dos Santos Maia Tatiane da Fonseca Cesar Resumo: O artigo apresentou uma

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

1. Introdução. Página 1 de 7

1. Introdução. Página 1 de 7 O ESPAÇO DOS HOMENS PLENOS: FERNANDO SALINAS, A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ARQUITETURA DO ISPJAE / CUBA E A PERSPECTIVA DE FORMAÇÃO OMNILATERAL Fábio Fernandes Villela, Doutor em Sociologia

Leia mais

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DE CURSO INTRA-UNIDADE

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DE CURSO INTRA-UNIDADE PROJETO PEDAGÓGICO I. PERFIL DO GRADUANDO O egresso do Bacharelado em Economia Empresarial e Controladoria deve ter sólida formação econômica e em controladoria, além do domínio do ferramental quantitativo

Leia mais

Módulo 2. Valores e princípios

Módulo 2. Valores e princípios Módulo 2. Valores e princípios Para o bem-estar de uma sociedade é necessário que existam normas compartidas que orientam o comportamento de seus integrantes. Todo ser humano se rege por valores próprios,

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte INCLUSÃO, GÊNERO E DEFICIÊNCIA Ministério do Esporte Objetivo Geral do PST... Democratizar o acesso ao esporte educacional de qualidade, como forma de inclusão social, ocupando o tempo ocioso de crianças

Leia mais

A CATEGORIA TRABALHO E O SERVIÇO SOCIAL: PORQUE SERVIÇO SOCIAL NÃO É TRABALHO Luciana Sátiro Silva 1 Universidade Estadual do Ceará-UECE

A CATEGORIA TRABALHO E O SERVIÇO SOCIAL: PORQUE SERVIÇO SOCIAL NÃO É TRABALHO Luciana Sátiro Silva 1 Universidade Estadual do Ceará-UECE A CATEGORIA TRABALHO E O SERVIÇO SOCIAL: PORQUE SERVIÇO SOCIAL NÃO É TRABALHO Luciana Sátiro Silva 1 Universidade Estadual do Ceará-UECE GT 3 Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo O Serviço

Leia mais

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Willian Henrique Martins Faculdade de Ciência e Tecnologia UNESP Email: willteenspirit@hotmail.com

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. UEPB E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br Aldeci Luiz de Oliveira Profa. Dra. PMCG E-mail:

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal Klêffiton Soares da Cruz Universidade Federal do Rio Grande do Norte kleffitonsoares@yahoo.com

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

A GESTÃO DO TEMPO NA ATIVIDADE REAL DE TRABALHO ARTICULAÇÕES DE LÓGICAS E IMPOSIÇÕES DE RITMOS

A GESTÃO DO TEMPO NA ATIVIDADE REAL DE TRABALHO ARTICULAÇÕES DE LÓGICAS E IMPOSIÇÕES DE RITMOS 1 A GESTÃO DO TEMPO NA ATIVIDADE REAL DE TRABALHO ARTICULAÇÕES DE LÓGICAS E IMPOSIÇÕES DE RITMOS Daniel de Souza Costa Daisy Moreira Cunha RESUMO: O trabalho aqui apresentado teve como objetivo discutir

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Conhecimentos Gerais 01) A Política

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL E MOVIMENTOS SOCIAIS - PRÁTICAS EDUCATIVAS NOS ESPAÇOS NÃO ESCOLARES

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL E MOVIMENTOS SOCIAIS - PRÁTICAS EDUCATIVAS NOS ESPAÇOS NÃO ESCOLARES EDUCAÇÃO NÃO FORMAL E MOVIMENTOS SOCIAIS - PRÁTICAS EDUCATIVAS NOS ESPAÇOS NÃO ESCOLARES Deneusa Luzia Rodrigues - UNIVILLE Elizabete Tamanini UNIVILLE Programa de Mestrado em Educação - UNIVILLE Resumo:

Leia mais

6. PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO 6.1 APRESENTAÇÃO

6. PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO 6.1 APRESENTAÇÃO 1 6. PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO 6.1 APRESENTAÇÃO A disciplina de Filosofia no Ensino Médio visa desenvolver o senso crítico dos alunos objetivando um cidadão preparado para

Leia mais

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção?

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? 1 PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? Gissele Carraro 1 Nilda Stecanela 2 RESUMO O artigo discute alguns elementos imprescindíveis da gestão do planejamento

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA X AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA

AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA X AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA AULA 1 A Importância da Observação Psicológica em Neuropsicologia Infantil. Fundamentação Teórica e Apresentação de Caso Clínico Denise Gonçalves Cunha Cotuinho Psicóloga Especialista em Neuropsicologia

Leia mais

Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa. Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com.

Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa. Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com. Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com.br Clareza conceitual e eficiência da ação Compreender a essência do

Leia mais

RESENHA. Magali Aparecida Silvestre. Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br

RESENHA. Magali Aparecida Silvestre. Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br RESENHA Magali Aparecida Silvestre Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br Resenha da obra: Didática: embates contemporâneos Maria Amélia Santoro Franco (org.)

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO Atualizado em 11/01/2016 MOTIVAÇÃO Estar motivado é visto como uma condição necessária para que um trabalhador entregue um desempenho superior. Naturalmente, como a motivação

Leia mais

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira 1 Qualquer que seja o campo de atuação\intervenção o Profissional deve: Elaborar um Plano de Intervenção (definição dos instrumentos teórico-metodológicos e técnicooperativos);

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA Ana Claudia da Silva Rodrigues; Lílian Maria Paes de Carvalho Ramos (Orientadora) Universidade Federal Rural

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar Betina Waihrich Teixeira 1 Sandra Maria do Nascimento de Oliveira 2 Resumo: O gestor escolar deve ter uma boa liderança de comunicação, sabendo interagir com sua

Leia mais