Julius Bravermann - Um conto sobre o trabalho dos mateiros e a vida na colônia rio-grandense *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Julius Bravermann - Um conto sobre o trabalho dos mateiros e a vida na colônia rio-grandense *"

Transcrição

1 WILHELM WUSTROW ( ) (Jefferson André de Jesus Corredor) 2012 Julius Bravermann - Um conto sobre o trabalho dos mateiros e a vida na colônia rio-grandense * Wilhelm Wustrow Quem alguma vez precisou visitar a colônia do Rio Grande do Sul nos meses de inverno sabe exatamente que, durante alguns dias, pode ser forçado ao descanso obrigatório pela chuva constante ou pelas cheias de rios, aqui e ali. Numa situação destas, só ficará bem quem conseguir uma guarida aconchegante, onde homem e animal sejam igualmente bem cuidados. Tais paragens são conhecidas em toda parte pelos viajantes e são procuradas sempre que possível. Minha viagem estava quase no fim e esperava estar junto aos meus em quinze dias. Mas de repente, depois de alguma geada, começou um tempo chuvoso. Em alguns pontos despencavam grandes tempestades de granizo. O granizo logo diminuiu, e do céu começaram a desabar verdadeiras torrentes de água sobre a terra, já totalmente encharcada. A colheita já havia sido recolhida. O milho estava empilhado no depósito. As batatas também. Os campos ainda não haviam sido semeados com os grãos. O camponês observava o tempo com paz de espírito, na segurança de seu casebre assentado sobre quatro estacas. Comigo dava-se outra coisa. Eu ansiava por uma parada aprazível e por isso, tinha que aguentar algumas léguas de caminhos intransitáveis debaixo de um aguaceiro ininterrupto. Então, finalmente, consegui chegar ao destino da minha excursão aquática pela região. Logo pude sentar-me seco e confortável na hospedaria do Goldener Gans, nas margens do arroio Quilombo, ao lado do velho Peter Schultes, na Picada da Batuíra. O rio transbordara e havia chegado a uma altura não vista há muitos anos. Um lago havia se formado em todo o terreno em ambas as margens do Passo Schultes, * Tradução de Jefferson Corredor; revisão de Celeste Ribeiro de Sousa. Wustrow, Wilhelm. Julius Bravermann Eine Erzählung aus dem riograndenser Kolonie- und Waldläuferleben. In: Koseritz- Kalender, Porto Alegre, 1929, p

2 onde só as moitas da margem indicavam o curso do rio. Não havia nada de natureza atraente e tempo bom para se ver ali. A chuva e a névoa mal permitiam avistar a propriedade vizinha. Um contínuo trovejar, rugir, ramalhar e bramir, vindo da mata distante, anunciava a precipitação da monstruosa massa de água que se formaria na cachoeira, à qual, de modo lamentável, ninguém pôde se aproximar, para observar o poderoso espetáculo da natureza. Tinha diante de mim alguns dias de descanso. A estadia nas instalações do Goldener Gans não era desagradável, especialmente quando, como eu, se conhecia o lugar há anos, e se mantinha contato amigável com o honesto dono da estalagem, que tinha uma venda bem respeitada ao lado de sua hospedaria. Os preços eram quase os da cidade, e ali também se desfrutava de abrigo confortável acompanhado de uma ótima refeição, e o mais importante as montarias eram bem cuidadas. A maioria das vezes eu me hospedava lá para passar a noite, e sendo assim sabia de todos os pontos fracos e fortes do tio Schultes. E junto a ele encontrava um acolhimento duplamente caloroso, quer entre os velhos, quer entre os jovens. Eu não era tratado como forasteiro e tinha o privilégio de não apenas sentar-me à mesa da família, como também de ser admitido no círculo familiar. Enquanto, na região, era hábito os estalajadeiros ouvirem notícias e histórias dos viajantes, aqui acontecia o contrário. Aqui, fui eu quem escutou falar de todos os acontecimentos ocorridos desde minha última estadia, não só do próprio estalajadeiro, mas também de sua corajosa esposa, a quem tinha caído nas graças. Portanto, mais uma vez eu tinha sido bem sucedido na viagem e, como de costume, também fora bem recebido e acomodado. Lá fora a chuva desabava a cântaros, batendo nos vidros das janelas altas. O estrondo da queda da água ressoava por todo lado. As galinhas-d água gritavam e, através do ar úmido, ouvia-se o coaxar de um bando de sapos vindo das poças e valas. Anoitecia. As luzes foram acesas e o jantar, degustado. O aquecedor irradiava calor. Oh, como era agradável estar sentado ali naquele cômodo aquecido, batendo um papo e tomando um copo de cerveja espumante da Picada, depois do campeio encharcado e gélido. Além disso, nós fumávamos o primoroso fumo de Santa Cruz em longos cachimbos. O conforto crescia em direção ao perfeito aconchego do inverno, quando meus olhos caíram sobre uma pintura, que eu não havia visto ali nas minhas viagens anteriores. Mas, tio Schultes, como é que esse famoso fidalgo e inabalável fanfarrão chegou até aqui à selva e ficou pendurado sobre a sua cabeça? perguntei eu, apontando para a pintura. E se ele tivesse dado o nó errado na corda de sisal, quando desceu da lua, e caísse direto sobre sua cabeça? Não estou preocupado com isso agora, riu Schultes, eu vou-lhe contar como o quadro chegou até mim. Foi o Altmann, da Mendes, Barbosa & Cia, de Basilia, quem me deu de presente. Eu nunca havia ouvido nada a respeito desse homem, conhecido em 2

3 todo mundo. Como você sabe, eu vim pra cá com meus pais ainda criança. Eles eram pobres. Da mais tenra infância em diante eu precisei trabalhar e trabalhar, até ganhar o suficiente para comprar este pedaço de terra na colônia, depois que a picada foi aberta, e poder casar com minha velha. Mais tarde, quando eu abri o negócio, não tive tempo para ocupar-me com leitura. Para aprender a respeito das técnicas usadas na região e dos processos agrícolas, deixei de lado os jornais em alemão e os na língua da terra, assim como todos os almanaques. Eu escutava atentamente o que os viajantes daqui e dali contavam. Verdade e ficção passaram pelos meus ouvidos. Eu conseguia distinguir bem entre as duas. Contudo, ninguém me tinha falado do Münchhausen. Aí, um dia, o Altmann estava justamente aqui, quis o destino que o Julius Bravermann, um mateiro meio agrimensor, pernoitasse na estalagem. Tinha participado de expedições para medir quase todos os cantos do nosso estado. Ele é conhecido tanto na mata como no campo, tanto nos povoados como nas vilas e nas cidadezinhas. É sempre bem recebido e bem acolhido na casa das pessoas. Julio é um hóspede bemvindo, quer na casa do mais rico estancieiro, quer no mais humilde rancho. E se ele chega como total desconhecido, basta apenas seu nome, para lhe garantir o melhor lugar junto ao fogo. Mas, mas, ele não é muito exigente em relação à verdade em suas histórias. Assim que ele começa a falar sobre suas experiências na mata, geralmente perde a noção da realidade. E foi assim que o Altmann conheceu o Julio aqui, onde ele sempre se hospeda, quando vem à região, e dele arrancou várias histórias naturalmente verdadeiras. Mas, na manhã seguinte, não voltaram a se encontrar, pois Julius costuma partir com o nascer do sol. E o Altmann ainda lhe dissera ao se despedir: Dê meus cumprimentos ao Münchhausen Ressuscitado, caso o veja. Mas, para o senhor, vou mandar algo como recordação desta noite deliciosa. Já me tinha esquecido do assunto há muito tempo, quando, um dia, encontrei num amontoado de coisas o quadro que está ali pendurado e um livro sobre ele que continha as verdadeiras aventuras do Barão de Münchhausen. Diverti-me um bocado, quando li o livro. Desde então, Julius não voltou mais aqui. Deve andar ocupado com a medição dos terrenos do falecido Coronel Pinto Carvalho, na região da Vila Paulina. Pena que o senhor Julius não esteja hoje presente. Esta é, com certeza, uma noite para uma boa conversa. Lá fora, está um tempo de cão e, aqui dentro, um calor agradável. Mas o senhor não poderia contar uma das histórias desse Münchhausen ressuscitado? Disso eu não sou capaz. - Quem sabe contar histórias à sua maneira é o próprio Julius. Porém, no que se refere ao livro, estou firmemente convencido de que ele cessaria de fazê-lo, se eu lhe apresentasse o mesmo, pois com isso ele perceberia que nós não acreditamos nele. 3

4 Ó, é uma pena que o senhor não queira contar-me nada. Uma lástima. Um tempo assim tão bom para histórias como o de hoje. Eu queria muito também poder chamar agora o Julius, do mesmo modo como Kasper chama Samiel em O franco-atirador, no qual eu me transformaria: Julius, Julius, apareça! Vivinho da silva na picada da cerveja! Ô dono da casa! ecoou num tom cavo e fundo, diante da janela do cômodo onde estávamos naquele instante e um cavaleiro apeou-se. Com franqueza, naquele momento eu me senti estranho; e Schultes, olhando-me fixamente, um pouco pálido, disse: Tem alguma coisa errada. Mal o senhor falou nele, eis que ele aparece. Esse é o Julius. - Entre, meu amigo! Seja bem-vindo ao Goldener Gans, assim o dono da estalagem saudou o hóspede que entrava, e de cujo poncho de inverno escorria água. Deus o abençoe, Peter! Será que eu encontro abrigo aqui? Boa noite, senhor Está um tempo ruim lá fora. É pra já, certamente, que pergunta. Faz tempo que não vem aqui, não Julius? Então, ele gritou para dentro da casa: Bebida! - Au-gust! Rápido, o Julius está aqui! Levem sua mula para um lugar está seco! Tratem bem dela. Agora tire a capa molhada, e pronto, ele encheu um copo de aguardente, aqueça seu interior com este legítimo conhaque. Mas, homem, Julius, de onde você vem agora à noite? Imaginava que estivesse na mata, para além da Vila Paulina. Você já terminou lá? Durante a conversa que se seguiu eu tive tempo suficiente para examinar o recém-chegado. De fato, uma aparência singular. Com quase seis pés de altura, o homem era de constituição vigorosa, robusta. O tempo e a vida dura e estafante haviam gravado com um estilete runas fundas em sua face sincera e cordial, bronzeada pelo vento e pelo clima. Grandes olhos que aparentavam lealdade fitavam alegres o mundo e percebia-se neles que não tinham muito apreço pela tristeza. O rosto vigorosamente talhado, com um nariz ligeiramente adunco, que se evidenciava atrevidamente, era emoldurado por uma barba não muito comprida, onde já se via o grisalho. Uma profusão de cachos loiros envolvia-lhe a cabeça, de testa alta e livre. Sob o colete destacava-se um cinturão comum de couro, que era ao mesmo tempo bolsa de dinheiro, cartucheira, coldre e bainha de facão. Não usava a arma como peça de ostentação. No cano de uma bota, outrora amarela, em cujos tacões eram vistas esporas não muito grandes, estava metida uma arma, igualmente digna de atenção, e um chicote com um cabo munido de um castão de chumbo. As mãos do homem, que podiam ser consideradas graciosas quando comparadas ao tamanho do corpo, denunciavam sinais de que sabiam agarrar com firmeza. Mas mais uma coisa destacavase do cano da outra bota: era a flauta, guardada em segurança em um estojo de couro, da qual o ligeiro Julius não se separava. O homem deixava uma boa, uma agradável impressão naqueles que o viam. Ele, porém, avaliava os forasteiros em espiadas rápidas e percucientes, sabia como ninguém lidar com situações assim. Como agora: tinha-me 4

5 observado, medindo-me, enquanto bebia vagarosamente o conhaque, despindo o agasalho e entregando o cinto aos cuidados do estalajadeiro. Com certeza é um velho amigo seu, Peter, e meneou a cabeça na minha direção, estendendo-me a mão direita. Eu sou Julius Bravermann. O senhor já ouviu falar de mim, não é verdade? Não? Agora, o Rio Grande do Sul me conhece, tal como eu lhe conheço os mais recônditos esconsos e recantos mais longínquos. Saiba, porém, que o melhor rincão é este aqui, debaixo das asas do Goldener Gans do Peter. Sendo assim, mais uma vez: Boa noite! Ô Peter, então, como anda sua velha? Continua bem disposta? Muito bem, gostaria de vê-la, de cumprimentá-la, saudar o Ganso de ouro na sua pessoa e ver se sobrou alguma coisa para eu jantar. E, aí, ele dirigiu-se aos cômodos da estalagem, dos quais logo ressoaram vozes animadas que davam notícia da chegada de um freguês bem-vindo. Então, meu caro senhor Fresenius, disse Schultes, enquanto se ajeitava confortavelmente na poltrona, agora, pode chover e parar de chover à vontade, distração é o que não falta. Preste atenção! Ainda hoje, ele tem de ser atiçado, o nosso Münchhausen rio-grandense. Eu tenho que espicaçá-lo, e o senhor precisa me ajudar. Vai ver que ele não resiste, como o peixe à minhoca. Ele é casado? Não, mas ele sustenta uma família. Ele ajuda a irmã viúva. O marido dela foi atingido por uma árvore quando cortava lenha na mata. Uma das muitas vítimas que a mata reivindica. Pagou as dívidas do cunhado e organizou o negócio da irmã. Também lhe paga um serviçal competente, para o negócio andar pra frente. Cuidando com desvelo da casa e dos cinco filhos o mais velho com doze e o caçula com quatro-, não sobra muito tempo à mulher para o trato da terra. Com certeza, essa é a razão pela qual ele não se casou. Ele raspa e junta tudo o que pode, para que não falte nada, nem um tostãozinho, à irmã, no caso de ocorrer algo com ele ou venha a morrer de repente. Precisa de pouco pra si. Não é beberrão, nem jogador. Nunca pega em cartas e é bem moderado na bebida. Acima de tudo, adora música. Não consegue se imaginar sem sua flauta. Mas onde ele, um homem assim tão sincero e honrado, vai buscar as lorotas a respeito de suas experiências no mato, isso eu não sei. Será que ele não inventa simplesmente as coisas apenas para ter o que contar à roda de conhecidos? Uma, por assim dizer, lengalenga de mateiro-agrimensor. Eu também já pensei nisso. No começo, talvez tivesse sido assim; mas agora, de tanto contar, ele mesmo passou a crer nas histórias que conta. Mas, aí vem ele. Então, Julius, já se sente revigorado? Sim, meu amigo! Sua velha conhece meu ponto fraco: linguiça fresca de fígado com chucrute. Por uma salsicha de fígado com chucrute, você sabe, seria capaz de vender meu primogênito, se eu não fosse filho único. Mas, antes de continuar a conversa, sua balsa está em ordem, Peter? Eu preciso atravessar amanhã sem falta para o outro lado. Amanhã? Impossível! a balsa vai ficar em terra, em segurança. Examine você mesmo a água amanhã. Daqui, nos primeiros três ou quatro dias ninguém pode ser 5

6 levado para o outro lado. Se, realmente, parasse de chover agora, o rio só iria baixar depois de amanhã. Antes de a água baixar até a Cajerana, a balsa não pode ser manejada. Você tem um teto e é meu hóspede. Você, senhor Frenesius, também vai permanecer aqui. Com muito gosto, me veio à mente. Além disso, senhor Bravermann, acho que nós não nos vamos entediar nesta prisão, junto do amigo Schultes, e o céu não haverá de ter as comportas abertas pra sempre, pois, de contrário, temo, que ficaríamos em maus lençóis, já que a boa e velha balsa não é nenhuma arca. Eu acho é que nós devemos beber a este prazeroso encontro sob as asas do Goldener Gans e deixar chover lá fora, até quando Deus quiser. Eu acredito que Ele só mandou a chuva, para que nos conhecêssemos. Fico muito contente que você, o terceiro do grupo, também esteja aqui. Assim, saúde! - Ao alegre encontro. Julius não deu muita trela e, conversa vai, conversa vem, nós esvaziamos algumas garrafas, até que Schultes disse que estava na hora de seguirmos nosso rumo. Você ficou sabendo que eu comprei a terra do Maneco Dias? Não sabia. Quanto você deu por ela? São doze meias colônias. Eu já as medi. O negócio é legal? A terra pertence apenas ao Maneco? O velho Ignacio tinha, tanto quanto me lembro, três filhos, Claudino, Maneco e Juca. Não é verdade? Dessa forma, Claudino e Juca também têm direito. Eles assinaram a transferência? Ambos os irmãos morreram, sem deixar herdeiros. Claudino pereceu como capitão, em Canudos, e Juca afogou-se no naufrágio do Aymoré defronte a Buenos Aires. Sendo assim, Maneco é o único herdeiro. Bom. Então está certo. Quanto você pagou? 30 Contos, com 5 por cento de desconto para o pagamento à vista. Um preço módico. Não é alto demais, nem tampouco demasiado baixo. Duas meias colônias são só campo, e uma meia, quase que exclusivamente pedregulho, inútil para a lavoura. Bom. Agora considere o solo e a mata que há no terreno. Uma terra dessa qualidade e com tamanha abundância de madeiras dos mais nobres tipos, como anjico, guajubira, louro, cedro, batinga, araçá, etc., das que raramente se acham. Há por essas trilhas tanto araçá, que apenas sua casca e lenha cobrem a metade do valor da compra. O humo, então, seguramente de um metro de profundidade. Em todo o Rio Grande do Sul você não vai encontrar outra terra como essa. Oho, meu velho Peter, interrompeu Julius. Eu conheço o solo, eu conheço a mata. Já a percorri o suficiente. Você tem razão, a região é boa, e tem também boa madeira com certeza. Mas, há algo mais aí no que disse. Casca? Sim, e a casca tem um bom preço. Para a região, o que você diz pode valer. Entretanto, vá para outro lugar, para Mato Preto ou Sanga d Ouro, no município de Santa Cristina. Aquilo é terra, ali há árvores. Senhor Fresenius, se algum dia o caminho o levar para aquelas bandas, não deixe de visitar a colônia Abundância. Lá o senhor verá frutas, lá o senhor verá árvores. Ouçam isto. 6

7 O que vocês diriam, se um dia vocês acordassem diante das florestas gigantescas de Mato Preto? Vocês não diriam absolutamente nada, pois vocês não teriam condições de fazê-lo, tamanho o deslumbramento. Vocês ficariam de boca aberta com a surpresa e esquecer-se-iam de fechá-la. Foi assim, e não de outra forma, que aconteceu também comigo. Ora, Julius, se você conseguiu fechar novamente a boca, por que nós iríamos deixá-la aberta? Naquele tempo, não havia tempo para deslumbramentos. Naquele tempo, entre nós era: machado na mão e pra frente com o trabalho. Mas, observei eu com humildade, primeiro não era preciso pegar a foice, para abrir caminho entre os arbustos e o capim? Hahaha! Isso é o que vocês pensam, sim, e aqui, nas nossas matas, é assim que as coisas são feitas, mas lá o menor arbusto tem a largura da perna de um homem, e a relva e os cipós mais fracos têm a grossura de um braço. De que serviria a foice nesse gigantesco emaranhamento? Não, na mão o machado, no cinto, uma machadinha e, de lado, um facão do tamanho de uma mão espalmada, é assim que se ataca a mata por lá. Vão lá, se quiserem ver mata e terra. Mas, como vocês não podem ir sozinhos, aqui estou eu para ser o seu guia. Meus pais haviam comprado terras na Colônia Santa Tecla, na Picada Bonito. Lá, eles tocavam uma hospedaria e eu já havia completado 20 anos, quando um dia ouvi dizer que lá em baixo na venda, junto ao rio Papagaio, havia agrimensores. Foi assim. Meu pai cavalgara até lá e trouxera a notícia, de que eles pousariam ali, com equipamento completo para um longo serviço, para recrutar pessoas para o trabalho na mata. Mato Preto, conhecido por todos nós, através de histórias, como exemplo do que é grande, do que é medonho na forma de animais selvagens e bugres -, devia ser medido. Aquele fora um ano ruim. O depósito de milho estava quase vazio; as batatas também haviam vingado pouco. O feijão fora vendido. O tabaco ainda não estava no ponto. Por isso toda perspectiva de ganho era oportuna. Meu pai dissera-me que os agrimensores pagavam dois patacões de prata por dia, incluindo a alimentação. Ele me aconselhara a ir com eles, e ganhar umas centenas de mil-réis. Eu era habilidoso, eu sabia ler, contar e escrever. Atenção, eu pensei, talvez você se dê melhor na vida se der uma olhada em outros lugares. Sim, a roça e o trabalho na terra não me deixavam. Bom, então eu fui até lá. Apresentei-me ao pequeno holandês, que depois se afogou no Rio Azul. E então, Peter, encha os copos mais uma vez, pois eu quero contar para vocês as aventuras que eu tive nessa viagem. Depois de revigorados, de um lado para narrar, de outro para ouvir, Julius continuou: No terceiro dia nós partimos. Fui com a roupa do corpo e uma muda arrumada na mochila, além de camisas e cuecas; essa era a bagagem. 7

8 O machado e a machadinha estavam sobre sela. A pistola e o facão iam metidos no cinto, a espingarda pendurada aos ombros, sem esquecer-se da flauta no cano da bota. Ao amanhecer, assim que o sol nasceu, partimos cheios de boa disposição ao encontro da selva distante. Aspirei o ar fresco da manhã a plenos pulmões, o peito repleto de todo tipo de alegres esperanças juvenis. Éramos uns vinte homens, com 40 montarias e bestas de carga que nos acompanhavam, para tomar de assalto o Mato Preto. Depois de dois dias havíamos deixado para trás as propriedades daquela que era então a zona de colônias e os campos, que conduziam a pradarias infindas. Nós vagamos durante dezoito dias, como marinheiros se orientando apenas por meio de bússola, abrindo caminho através do capim, galgando colinas, atravessando vales, riachos e brejos, sempre e sempre mais além. Por três vezes nós pernoitáramos em fazendas de gado, as outras vezes, a céu aberto. Muitas vezes chegamos a ficar junto com nossos animais, com lodo até o pescoço e tivemos que ser resgatados. Contudo, só perdemos um animal na cheia de um riacho. Finalmente, no décimo nono dia, avistamos na névoa do horizonte longínquo uma longa e negra faixa de mata. Havíamos conseguido. O nosso destino estava ali, diante dos nossos olhos. Sendo assim, adiante! O crepúsculo caía. A noite cobria a terra. Nem uma pequenina estrela saudava-nos amistosamente do céu. Estava bem ruim, pois caía um forte orvalho, de forma que nos embrulhamos nos ponchos. Sempre em frente. Sempre em frente, até chegarmos, disse nosso líder. Então, alguém deu de cara, não com a mata, mas sim com o chão, ao cair com seu animal. De repente, disseram à frente: Parem! Parem! Chegamos! Realmente. Nós havíamos subido um morro, e ali estava diante de nós, a fantástica mata, de aspecto escuro e proporções gigantescas. Na escuridão da noite e na névoa que se formava, a mata dava a impressão de uma muralha gigante, de um forte, em frente ao qual nós, os sitiadores, acampamos em volta de uma fogueira de bivaque. Da mata vinham murmúrios, sussurros e zumbidos, semelhantes ao barulho de uma grande cidade à distância. Por cima das nossas cabeças passava, inaudível, o grande bacurau, o uralaú, a ave-fantasma; só se ouviam seus gritos prolongados, que ecoavam como lamentos saídos de outro mundo. Também grandes corujas grandes emitiam seus chamados através da mata. Vaga-lumes de todos os tamanhos pairavam em grupos, brilhando, como se brincassem através do fresco ar orvalhado, tal qual inúmeros meteoros percorrendo o espaço sideral. Um jovem alemão, trazido pelo agrimensor de Porto Alegre, dedicava-se afetuosamente a questões do estômago. Ninguém o incomodava. 8

9 De repente, ele acordou sobressaltado. Prestou atenção aos ruídos da mata e disse: Ei, Julius, parece que há gatos bem mal-educados na mata. Ele não deixava de ter razão, pois das profundezas da selva ressoava o esturro de um tigre à procura de água. O líder de nossa expedição, o velho Urbano de Azevedo, deu imediatamente a ordem de acender fogueiras nos quatro cantos do acampamento, como precaução contra um eventual ataque. Um velho negro que estava entre nós sorriu, pois ele achava que não havia nenhum tigre por ali. Todos estavam cansados. Então, nós que não estávamos de sentinela fomos deitar e logo adormecemos. Nada atrapalhara nosso descanso. Toda preocupação fora desnecessária. Era dia claro quando acordamos. O sol brilhava com todo esplendor lá em cima no céu, aquecendo e animando tudo. O velho havia-nos prometido um repouso reparador depois das marchas exaustivas. Ninguém devia ser acordado. Nós olhávamos uns para os outros admirados. Até onde a vista alcançava só havia campos atrás de campos, entremeados de capões como se fossem ilhas. Mas, quando eu me levantei e me virei, para olhar a mata, lá estava diante de mim, em toda sua poderosa massa, o Mato Preto, que encontraria em nós a consagração de seu fim. Uma parede verde infinita, da altura de uma torre, coberta de milhões e milhões de flores magníficas de todo tipo, de todas as cores e matizes; foi assim que se apresentou a mata ao nosso olhar. Não era possível ver os troncos das árvores. Eu digo para vocês, era o verdadeiro cercado da Bela Adormecida. Lá ficamos todos observando silenciosa e solenemente a grande e majestosa edificação da mata o grande e majestoso edifício da mata. Todos os tipos de pássaros cantavam, assobiavam, trinavam, chiavam ou gritavam em agradecimento ao sol, que os aquecia. Borboletas e beija-flores revoavam e planavam, fazendo cintilar suas cores, de uma flor para as outras. A mesa de Deus fora posta para todos, generosamente repleta. Jacus soltavam gritos sonoros e a araponga dava sua martelada na copa das árvores. Lagartos ligeiros passavam pela relva e lebres curiosas e brincalhonas surgiam, para rapidamente voltarem a desaparecer. Saídos da mata, em grande sossego e olhando em derredor, apareceram veados. Logo nos notaram e escapuliram em saltos largos. Todos, à exceção de um, foram abatidos pelo velho Urbano. Julius, disse-me o jovem alemão, eu já olhei bastante por aí, mas, sinceramente, não parece ser uma floresta com árvores. Ele tinha razão, pois o que parecia serem árvores eram na verdade arbustos. De floresta mesmo não havia um único tronco de árvore para se ver. As frondosas copas das árvores erguiam-se acima da mata de corte, que parecia impenetrável, entrelaçada por amoreiras-do-mato de galhos grossos; acima dessa copas fechava-se um teto de folhas extremamente compacto. Somente palmeiras, com seus troncos delgados e flexíveis, atravessavam-no aqui e ali, em seu esforço para alcançar o sol. Suas longas palmas, batidas pelo vento da manhã, ansiavam pelo céu, como longos braços 9

10 suplicando pela luz celeste. Por cima, passavam os representantes da vigilância sanitária rural, os uburus, espreitando, em busca de trabalho, movendo-se pelo suave bater de suas asas largas e rijas. Em silêncio, surpresos, uns de pé, outros sentados, contemplávamos aquela magnífica criação de Deus consagrada à morte, até que o chamado para o café da manhã nos trouxe de volta à realidade insossa. O plano da campanha havia sido traçado. Os agrimensores queriam, em seguida, determinar os limites da mata. Nós devíamos limpar o local do acampamento e montar as barracas e ranchos. Originalmente a mata havia sido destinada pelo imperador a uma colônia militar. Mas nada fora feito. Tempos depois fora vendida, medida por nós, mas sem ser ocupada. Por quê? Eu não sei. Provavelmente, guardaram a terra para o futuro, para fazer especulação. Então, a mata foi medida de ponta a ponta. Nós havíamos circundado a floresta com nossos instrumentos de medição, do mesmo modo que os judeus fizeram com as trombetas ao redor de Jericó. Pena que a mata não tenha caído tão facilmente como o muro de lá. Finalmente disseram: amanhã começa-se a abrir a picada. 780 colônias completas, 100x1000 braças e uma praça central de 7500 de braças quadradas deveriam ser delimitados e dois caminhos através da colônia deveriam ser abertos. Todas as picadas longitudinais deveriam ser traçadas. Ali, havia trabalho para dar e vender; a pergunta era, se nós aguentaríamos a coisa. Depois de uma noite inquieta e cheia de ansiedade, a manhã finalmente raiou. Logo, todos estavam de pé, prontos para amolar os instrumentos cortantes. A coluna ficou a postos, aguardando a indicação do lugar, no qual começaria a investida, e onde era aguardada a ordem do ataque. Pessoal, disse o velho para nós, hoje nós vamos entrar em uma mata na qual, até onde se sabe, nenhum homem - sem contar os selvagens - jamais penetrou. Um dia os jesuítas acamparam diante dessa mata, quando fundaram suas missões. Eles andaram por aí, aqueles homens valentes, sem se deixarem fraquejar, e estabeleceram-se em outra parte. Mas nós vamos penetrá-la e atravessá-la. Nós não sabemos o que ela nos vai oferecer em seu interior. Ouçam minhas palavras: Mantenham olhos e ouvidos atentos. Observem as árvores, suas copas, seus troncos e suas raízes. Observem os arbustos, o capim, os cipós, assim como o solo debaixo de seus pés. E, além disso, sejam briosos no trabalho e agora... Veio à mente do alemão Helm ab zum Gebet. Fomos ao trabalho de bom humor, tudo nos fazia rir. A primeira árvore com que nos deparamos, depois que nos esforçamos para atravessar a barreira de galhos secos e heras, e que deveria ser abatida, foi uma canela Helm ab zum Gebet (traduzido à letra = levantar elmo para a oração ) alude à mais importante peça do cerimonial militar do exército alemão. 10

11 negra. Tinha 7 pés de diâmetro, na medida portuguesa. Cortá-la? Um absurdo. Junto às pontas das raízes rentes à terra, cavou-se em quatro lugares, onde foi colocada a dinamite. Todos recuaram para junto dos detonadores, que deveriam incendiar os pavios. Então houve um estrondo horrendo e, depois, somente restos de árvore para remover. Porém, o que eu contar sobre os diferentes tipos de árvores gigantes, vai ser, afinal, sempre a mesma coisa. Vocês só precisam saber das maravilhosas experiências que vivi. Nós estávamos a bem dizer quase no meio da mata que, devido à densidade do teto, formado pelas copas, possuía pouca madeira de corte, quando um dia, bem diante de nós, nos deparamos com uma grande clareira, com bem umas 200 braças quadradas. Um milagre na selva. Todos nós paramos e admiramos. No meio da clareira erguia-se uma torre solitária, de madeira circular, em ruínas. Ela tinha bem uns 5-6 metros de diâmetro. Próximo dali havia algumas laranjeiras cheias de frutos. Aqui e ali viam-se árvores da mesma fruta, já secas. Toda a superfície da área aberta era uma campina, cuja relva havia sido mantida baixa. A orla da mata mostrava-se densamente entremeada de plantas de corte. No meio da campina, bem próximo à torre de madeira, corria um córrego de um prateado claro. De onde veio a torre? Quem havia plantado as laranjeiras? Quem havia coberto o lugar de grama? Quem a havia mantido aparada? Os jesuítas? Não. Selvagens? Impossível. Só dá para presumir que tenham sido paulistas, quem fez o arroteamento. Quem sabe? Nós seguimos em frente e primeiro descobrimos, através dos muitos vestígios, quem havia mantido baixa a grama. A torre? Nós chegamos perto e vimos que estávamos diante de uma monstruosa ruína de uma árvore. A entrada ficava no lado oposto do tronco. A torreárvore era oca. Nas paredes ainda se viam os restos identificáveis de locais de repouso, uns sobre os outros, para aproximadamente trinta pessoas. Provavelmente os paulistas haviam entalhado a árvore encontrada, para servir como abrigo noturno. Depois, a árvore foi morrendo pouco a pouco e restou essa torre. O solo foi analisado com o perfurador e aqui, como em toda a mata, foi identificado o puro e inesgotável solo de estufa. Nenhum de nós havia visto um humo assim tão bom que pudesse ser comparado com aquele. Ali era possível ter grandes colheitas. Lá adiante, escondido na orla da mata, afinal o que é aquilo? Perguntávamos uns para os outros. Alguma coisa de cerca de 40 pés de altura e 10 polegadas de grossura. Fomos até lá e encontramos o que nos pareceu serem pés de milho secos. Cortámo-los. Caíram um depois do outro, mostrando as espigas espigas, como eu nunca tinha visto, digo a vocês, de três pés de comprimento por nove polegadas de diâmetro. Era milho amarelo e cada grão era como uma moeda de dois vinténs. 11

12 Levamos na época o milho conosco, contudo, da nossa colheita só saiu o milho comum. Com isso, pudemos perceber a força colossal daquele solo. Ora bem, disse o velho, Aproximem-se. Vamos tomar o café da manhã. Vão até ali e peguem aquele tronco caído na grama, para que possamos ter, no mínimo, onde nos sentar. Deixem-no debaixo das laranjeiras. Fomos em seis homens. Olhamos o tronco. Ninguém conhecia a madeira. Bem no momento em que nos preparávamos para examinar, o velho assobiou. E ele não sabia esperar. Onze pés de comprimento e mais meio pé de largura um pé e meio de grossura. O tronco estava aberto em uma das pontas, e era oco. Caramba, como a coisa era pesada. Foram precisos mais dois homens para, então, removê-lo. Jogámo-lo para debaixo das árvores. Bum! Aí ele caiu. E, aí, ele ficou como se fosse vidro, estilhaçado em mil pedacinhos. Julius, admirou-se Peter, como isso é possível? Como pode o tronco de uma árvore, como pode madeira seca, como você diz, se espatifar em pedacinhos? Que tipo de madeira era essa? Hahahaha!, riu Julius. À sua saúde, Peter! - Diversão é o mais importante. Madeira, meu caro Peter, madeira? Não era nenhuma madeira... Mas, cortei eu curioso, se não era nenhuma madeira, o que era então? Eu estava realmente ansioso para ouvir o que o nosso Münchhausen iria nos contar. O dia já estava claro quando acordamos. O que estava ali era algo simples, aquele solo produzira uma simples batata-doce de tamanho gigante! Ah! Ah! nossas bocas deixaram escapar na mesma hora, pois não havíamos contado com uma surpresa daquelas. Sim, senhor, uma simples batata-doce. Os pedaços nós assamos na fogueira. Tinha um gosto delicado e era bem farinhenta. A queda e a esparramação da batatadoce acabaram por desentocar uma gambá e seus oito filhotes, que haviam feito um ninho em seu interior. Nós não tocamos neles, pois não poderiam nos fazer mal. Quando ela se recobrou do susto, fugiu lá de dentro aos trotes, com os filhotes sobre as costas. O velho deu a ordem para suspendermos o trabalho de medição e para nos dirigirmos às barracas, a fim de trazermos o acampamento do campo para aquele local. Fomos ao trabalho e em poucos dias terminamos o que era preciso. A barraca principal tinha leitos, armados como beliches, nas paredes laterais e nos fundos. No lado da frente era a porta. No meio, fora montada uma mesa e ao redor dela, bancos, tendo por encosto as camas. Não muito longe da porta e defronte a ela, havíamos montado a barraca que servia de cozinha. Tínhamos limpado a árvore oca, mas não achamos nada que remetesse a seres humanos e sua presença. Como no topo ela ainda estava totalmente fechada, poderia assim servir como selaria, etc. Mudamos do campo e nos sentíamos muito bem. Os animais podiam correr livremente. Eles tinham boa água e um ótimo pasto. O que eles comiam de dia voltava a crescer à noite. E, o mais importante, nós os tínhamos sempre ao alcance dos olhos. Abrir a picada foi um trabalho horrível, já que estávamos lidando só com gigantes da mata. Porém, a dinamite foi uma grande ajuda para nós. 12

13 Lá fora, na borda da mata, nós havíamos semeado uma plantação. Como deveríamos trabalhar ali ainda durante muito tempo, precisávamos produzir nós mesmos alguma coisa para nosso sustento, pois a natureza nem sempre oferece tudo. Plantamos, então, batata, feijão, milho, abóbora, etc. Esse trabalho de agrimensura era como uma vida em um bosque de contos de fadas. As orquídeas mais esplêndidas pareciam suspensas no ar. Borboletas gigantescas adejavam em volta delas. Encontramos verdadeiras colônias de pássaros tecelões. Todas as plantas, por causa do solo rico, atingiam tamanho incomum. Os animais, contudo, não eram fora do normal. Por mais que trabalhássemos intensamente para irmos adiante, suspendemos o trabalho, respeitosamente calados, assim que nos deparamos com um grupo de cem ou mais quatis, os ginastas da selva. Nós nos divertimos com suas acrobacias e mesmo nosso alemão, que era de Berlim, declarou com franqueza: Eu nunca vi algo assim no circo em Renzen. Raramente víamos outros animais. Em toda a parte o bicho se muda, quando o homem chega com os seus tormentos. Não é assim que se diz? Quase nunca conseguíamos ver porcos do mato. Uma vez, contudo, ao anoitecer, nós havíamos terminado o trabalho do dia e ansiávamos por chegar às barracas, quando vimos uma porca selvagem com dois filhotes no Arroio da Prata, assim chamado por causa dos reflexos da mica que havia nele. Perseguimos os animais, mas não os pegamos antes de alcançarem o capim. E então então, eles desapareceram de repente, como se tivessem sido tragados pela terra. Agora a questão era encontrá-los. Mas, logo em seguida, eles correram na margem oposta para dentro da mata e sumiram. Como será que os bichos chegaram ao outro lado? Eles não nadaram através do riacho, pra lá eles não voaram também; o córrego é bastante largo para saltarem por cima. Como então? Vocês não fazem ideia. Agora, prestem atenção. Estávamos sem tempo para procurar, mas por acaso encontramos uma batata doce, que crescera sob o leito do rio e que emergira em direção à luz do dia no outro lado. Roedores a encontraram antes de nós e a escavaram. Os porcos haviam usado esse túnel, era essa a chave do mistério. Senhor Fresenius, o senhor que gosta de escrever, aconselhe os ingleses e os franceses a plantar tais batatas doces debaixo do Canal da Mancha. Seria uma solução barata para a questão do túnel sob o canal. Pitando o bom fumo de Santa Cruz em nossos cachimbos e molhando as gargantas com a excelente cerveja de picada, que Peter arranjara em quantidade suficiente, não passávamos nenhuma necessidade, envoltos pela fumaça do tabaco como outrora os deuses nas nuvens, e escutando, intimamente satisfeitos, apesar dos semblantes sérios. * Uma noite Julius continuou sua história, o tempo ruim persistira, e assim não podíamos trabalhar não gostávamos de ter esses feriados na mata; o velho não tolerava 13

14 jogos de cartas e ele tinha razão eu também não podia tocar flauta durante o dia todo, e não havia espaço para dançar. O dia inteiro era dedicado à leitura ou aos suspiros. Podia-se também ficar deitado e dormir, comprimindo as costelas. Nós acumulávamos reservas. O tempo úmido já nos atormentava há oito dias. Uma noite, o velho estava sentado à mesa, escrevia e calculava, calculava e escrevia, lá fora o pior dos tempos e a pior das iluminações. O vidro da lanterna estava tão embaçado que quase não era possível ver sua luz. Ainda não havia lâmpadas de carbureto. À disposição havia lamparinas de sebo, para nós, e velas de estearina para o velho, quando não acabavam todas. Eu ficava no meu beliche e pensava como seria bom, se naquele momento eu estivesse sentado junto de minha mãe. Olhava para o barômetro, pendurado no meu alojamento. Ele continuava sem subir. O que iria acontecer? Assim pensava, dormitando. Você, Julius, despertou-me desse entorpecimento a voz do velho ao longe, você poderia ir amanhã até a estância e perguntar, se há lá cartas e jornal. Sim, disse o cozinheiro que, naquele momento, acabava de atravessar a porta e ouvira as últimas palavras, então, alguém podia ir junto. Eu preciso de carne. Está bem, assentiu o velho. Julius e Hilário, vocês saem amanhã cedo. Tragam um bezerrinho de uns três anos. - Quem está chapinhando lá fora? perguntou um dos nossos. Deixa chapinhar quem tem vontade de fazê-lo. Robert! Você juntou as varas de medição e as colocou no seco? Sim senhor, coloquei... Robert não continuou, pois a porta se abriu de repente e, para o espanto de todos, apareceu ali um grande urso marrom, de pé. Com as garras dianteiras estendidas em direção à mesa, ele parecia pedir algo. Todos fugiram. Ouviu-se o engatilhar de espingardas e não teria demorado muito para que estourassem os disparos. O velho, contudo, levantou o braço e gritou: Não atirem! Não é um animal selvagem. O bicho observou-nos com olhar suplicante, dirigiu-se à mesa e apanhou um pedaço de pão que estava sobre ela, enfiou-o na boca e ficou de quatro. Vejam vocês. O podre rapaz está com fome. Julius, pegue a flauta e toque uma modinha bem devagar. Sem preguiça, tirei a flauta e toquei uma genuína modinha. Vocês deviam ter visto como o urso pardo se ergueu e, então, se virou bem devagar, pacatamente. Os homens estavam deitados nos beliches e riam, tanto que as lágrimas escorriam pelas faces. Oh, Deus, deem-lhe uma fatia de pão com mel. Ele está com uma fome canina. Ele dança tão bem. Era dito na confusão. O bom urso pardo, que logo se tornara amigo de todos, ganhou um pedaço de pão com mel. Tamanha a volúpia diante da delícia, que a comeu por entre bramidos. 14

15 Quando acabou de comer, ele se curvou, como se quisesse agradecer, juntou as patas dianteiras, abaixou a cabeça e deu duas cambalhotas. Então, pôs-se de pé novamente. Com certeza, ele escapou de algum sérvio. Pois bem, pode procurá-lo à vontade! Julius, você pode ensinar-lhe mais algumas danças. Claro, quer dizer, vamos a elas, em dias de chuva, para ganhar dinheiro. Entretanto o servente tinha acabado o trabalho na cozinha e queria levar para nós, na barraca, uma bacia cheia de feijões, que precisavam ser escolhidos. Certamente, havia ouvido o barulho, a flauta e o patear, mas isso não era novidade ali. Contudo, quando ele abriu a porta e viu diante de si um urso que havia acabado de se levantar de uma cambalhota, deixou a tigela cair ainda bem que era de latão -, e ficou ali petrificado como, outrora, a mulher de Ló. Vendo essa cena, o pessoal rompeu em uma nova gritaria, que fez o grande animal querer se esconder de medo. Parem! gritou o velho. Vão buscar uma correia e uma corrente. Nós precisamos ter mão no sujeito. Julius e Hilário poderão amanhã dar notícia do ocorrido. Talvez o dono possa ser encontrado. Ele mesmo colocou a coleira e a corrente no urso. O animal agradeceu-lhe, colocando-lhe as patas dianteiras sobre os ombros e lambendo-lhe o rosto. O pobre animal, o bom urso pardo estava feliz por estar entre pessoas. Então, foi levado para o tronco-depósito e preso ali. E agora, disse o velho, ao voltar da toca do urso, e agora, eu peço que todos vocês sejam delicados com nosso convidado, que aumentou nossa família em mais uma cabeça, pois ele é uma dama. Era uma ursa. E, algumas semanas depois, nós a encontramos um dia com dois filhotes engraçadinhos, agarrados às tetas. Finalmente, vieram buscá-la. O tratador de ursos ficou extremamente feliz em encontrar a fugitiva em tão boas mãos, e em poder recebê-la, como mãe de dois ursinhos tão lindos. Quando o sérvio, pois era ele, perguntou ao velho pelas despesas, ele respondeu dirija-se a esse homem, pois fora eu que tivera os animais sob meus cuidados. Há algum tempo já havíamos entrado em acordo sobre não exigir nada do proprietário, se ele aparecesse, porque o animal viveu apenas à base de restos e nos divertiu muito. Apesar disso, houve muita negociação e regateio nas conversas. Finalmente, feliz por ter de volta não um animal, mas três, e ainda por cima sem custos, o homem agradeceu ao velho. Quando o sérvio se aproximou de mim, remexendo na corrente do relógio, me deu meia onça, dizendo: Pegue, você cuidou bem dos animais; vocês não querem dinheiro. Fique com isso. Para se lembrar do urso, use o urso na corrente de seu relógio. Eu aceitei a meia onça e o homem partiu com seus animais. 15

16 Quando mostrei ao velho a peça de ouro, ele disse, depois de observá-la: uma bela moeda, perfeita. Mas nem onça, nem ouro. Essa é uma medalha comemorativa da cidade de Berna, na Suíça, que tem um urso no brasão. É bronze, mas bem folheado a ouro. Uma lembrança simpática, Julius, mas nada além disso. Aqui, senhor Fresenius, aqui está a moeda. * A medalha era verdadeira. A história sobre o urso-pardo fugido? Essa era uma outra questão. Talvez ela tenha sido construída com base na moeda. Não faz diferença, ela era legal. * Ao nos emprenharmos mais e mais na mata, continuou Julius, nós nos deparamos novamente com uma clareira. Pessoas já haviam estado ali. Uma porca doméstica recém-parida, que retornara ao estado selvagem, estava deitada com cinco leitõezinhos, tomando sol. Quando nos notou, levantou-se e fugiu com os filhotes. O animal dirigiu-se para uma construção singular e desapareceu através de uma abertura arredondada. Quando nos aproximamos, o animal estava sossegado lá dentro e amamentava tranquilamente os leitões, sem se deixar incomodar. Era um chiqueiro estranho. Aparentemente composto de 12 partes, liso em cima, um pouco metido para dentro. Era assim o chiqueiro. Agora vocês devem estar pensando, que tipo de chiqueiro era esse? Ora bem, pensei, deve ser um cupinzeiro. Não, não, sorriu Julius, satisfeito, era uma grande abóbora. Uma abóbora?, exclamou Peter, Uma abóbora onde cabe um porco inteiro? Não, Peter, havia seis lá dentro. Não se esqueça dos leitões. Caramba, disse Peter, batendo com as palmas nas coxas, oh, Julius, mas nós temos que ir onde crescem tais coisas gigantes. Sim, sim, se se soubesse... Contudo, agora me ocorreu uma coisa. Quando nós à época cavalgávamos pelo campo, Hilário e eu, a procurar gado, fizemos uma parada ao meio-dia em cima de um bloco de granito arredondado, aplainado no topo, para preparar um chimarrão para nós. Estávamos sobre o bloco, esperando a água ferver e conversávamos. Mas não demorou muito e o bloco de granito se moveu. Ele começou a se mexer. Um, dois, três, - e nós estávamos lá embaixo, contemplando a maravilha. Pois bem, agora ouça, nós nos havíamos enganado direitinho, pois o bloco de granito não era nada além de um carrapato monstruoso e cheio, que se incomodou com o calor do fogo. Julius!!!? O quê? E do que então o carrapato estava cheio? É verdade, Peter, riu Julius, infelizmente, isso eu não posso lhe dizer, esqueci de perguntar ao bicho. Mas, escute, estão batendo 11 horas. É a minha hora. Espero, 16

17 senhor Fresenius, que minha história não tenha entediado muito vocês. Foi um descanso agradável. Julius apertou nossas mãos e saiu. Por um momento ficamos a nos olhar, e então eu disse: Julius está certo, está na hora de nos deitarmos, para digerir o que nos foi oferecido. Boa noite! Na manhã seguinte, quando cheguei para o café da manhã, Julius já tinha partido. Ele estava com pressa. Deixou-me cumprimentos e mandou-me dizer, que quando me encontrasse de novo, iria contar a história do tigre que engoliu o cavalo e depois passou a andar com uma sela para senhoras nas costas. Nunca mais voltei a vê-lo. Dois anos depois ele morreu. Deixou sua irmã e os filhos dela bem amparados. Que pena desse homem. Não é de se admirar, com toda seriedade, que este homem tão divertido, tão ético, tão forte, tivesse essas fraquezas? Peter Schultes e sua esposa já estão aposentados e seu Goldene Gans deixou de existir. 17

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm O LOBO E OS SETE CABRITINHOS Irmãos Grimm Era uma vez uma velha cabra que tinha sete cabritinhos, e os amava como as mães amam os filhos. Certo dia, ela teve de ir à floresta em busca de alimento e recomendou

Leia mais

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Labirinto de vidro 2013 Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 43 Início e fim? Um silêncio denso

Leia mais

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling.

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling. CABOCLO D AGUA. Por Andre Rohling. (47)8818-2914. andrerohling@hotmail.com www.facebook/andre.rohling 1 CENA-EXT-CAMPO-NOITE-19H10MIN. Noite de lua cheia, era bastante claro devido à luz da lua, faróis

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17

Capítulo 1. A Família dos Mumins.indd 13 01/10/15 14:17 Capítulo 1 No qual o Mumintroll, o Farisco e o Sniff encontram o Chapéu do Papão; como aparecem inesperadamente cinco pe quenas nuvens e como o Hemulo arranja um novo passatempo. Numa manhã de primavera

Leia mais

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada?

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada? Levante-se o réu. 6 ...capítulo um Fiquei de pé. Por um momento vi Glória de novo, sentada no banco no píer. A bala acabara de atingir a sua cabeça, de lado, o sangue ainda nem tinha começado a escorrer.

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA C. S. LEWIS O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA ILUSTRAÇÕES DE PAULINE BAYNES Martins Fontes São Paulo 1997 CAPÍTULO I Uma estranha descoberta ERA uma vez duas meninas e dois meninos: Susana, Lúcia,

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes Primeira Edição R. Rutschka Ilustrações de: R. Rutschka Revisão de texto: P. Rull Gomes São Paulo, 2012 3 R. Rutschka 2012 by R. Rutschka Ilustrações R. Rutschka Publicação PerSe Editora Ltda. ISBN 978-85-8196-024-1

Leia mais

Escrito por WEBMASTER Douglas Ter, 25 de Setembro de 2012 10:07 - Última atualização Ter, 25 de Setembro de 2012 10:09

Escrito por WEBMASTER Douglas Ter, 25 de Setembro de 2012 10:07 - Última atualização Ter, 25 de Setembro de 2012 10:09 BÃO OCÊ QUERIA O QUE, SALÁRIO PRESIDIARIO R$ 960,00 REAIS PROS BANDIDO, TRAFICANTE, ESTRUPADOR E ASSASINOS E UM PAI DE FAMILIA TRABALHADOR UM SALARIO MINIMO DE R$ 622,00 REAIS, AI JA É MAIS DA CONTA, ACHO

Leia mais

Gratuidade com os outros

Gratuidade com os outros 2ª feira, dia 21 de setembro de 2015 Gratuidade com os outros Bom dia! Com certeza, todos nós já experimentamos como é bom brincar com amigos, como nos faz felizes trocar jogos e brinquedos, como sabe

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

Cercado de verde por todos os lados

Cercado de verde por todos os lados Cercado de verde por todos os lados Verde-claro. Verde-escuro. Verde-musgo. Verde pálido. Verde superanimado. Verde sendo bicado por passarinhos. Verde sendo engolido por macacos. Verde subindo pelos troncos

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos

Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos Ernest Hemingway Colinas como elefantes brancos As colinas do outro lado do vale eram longas e brancas. Deste lado, não havia sombra nem árvores e a estação ficava entre duas linhas de trilhos sob o sol.

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Em um campo inabitado, cheio de flores, em

Em um campo inabitado, cheio de flores, em Para onde foi o meu dinheiro? A fábula das abelhas. Em um campo inabitado, cheio de flores, em uma terra distante, havia uma colméia diferente das demais. Tudo nessa colméia era muito bem organizado, limpo

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br MUDANÇA DE IMAGEM Os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Isto porque eu não tinha a quem relatar o que me havia acontecido. Eu estava com medo de sair do meu corpo novamente, mas também não

Leia mais

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da 19º Plano de Aula 1-Citação as Semana: Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. 2-Meditação da Semana: Ajudar o próximo 5 47 3-História da Semana: Uma lição a aprender 4-Música da Semana:

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br O TEMPLO DOS ORIXÁS Quando, na experiência anterior, eu tive a oportunidade de assistir a um culto religioso, fiquei vários dias pensando a que ponto nossa inconsciência modificou o mundo espiritual. Conhecendo

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille Água Tu és um milagre que Deus criou, e o povo todo glorificou. Obra divina do criador Recurso

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

Rosana! Rosanaaa! Ô menina! Onde que cê se meteu, diacho de moleca!!

Rosana! Rosanaaa! Ô menina! Onde que cê se meteu, diacho de moleca!! A Promessa N.Lym Consegui um bom emprego em São Paulo! Não posso levar você comigo, mas você pode me esperar. Prometo que vou voltar, vamos nos casar e morar juntos, bem longe daqui! Rosana ficou a pensar

Leia mais

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana:

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: 9º Plano de aula 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: Enraizando e criando raiz (CD-Visualização Criativa faixa 2) 3-História da semana: Persistência X

Leia mais

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR Numa bela manhã, nasceram seis lindos patinhos que encheram de encanto seus pais. Eram amarelinhos e fofinhos. Um dos patinhos recebeu o nome de Taco. Mamãe e papai estavam muito felizes com seus filhotes.

Leia mais

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa O GIGANTE EGOÍSTA Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa Todas as tardes, quando vinham da escola, as crianças costumavam ir brincar para o jardim do Gigante. Era um grande e belo jardim, todo atapetado

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

O dia em que ele nasceu

O dia em que ele nasceu O dia em que ele nasceu E le nasceu no verão mais seco dos últimos quarenta anos. O sol cozinhava a argila vermelha do Alabama, transformando-a em pó, e não havia água por quilômetros ao redor. A comida

Leia mais

A INDA RESTAM AVELEIRAS

A INDA RESTAM AVELEIRAS CAPÍTULO I ESTARIA EU, naquela manhã, mais ou menos feliz do que nos outros dias? Não tenho a menor ideia, e a palavra felicidade não faz mais muito sentido para um homem de 74 anos. Em todo caso, a data

Leia mais

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra feita de carne fria musgosa e invasiva, salpicada de verde e branco. A princípio não o vi, mas depois encostei a cara ao vidro e tentei ficar mais

Leia mais

para ajudar você a descobrir que o Natal é para a vida

para ajudar você a descobrir que o Natal é para a vida para ajudar você a descobrir que o Natal é para a vida O Fabinho está na igreja, no primeiro banco. Com o queixo apoiado nas mãos, ele está olhando o presépio. Um presépio grande como se montava antigamente.

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

APÊNDICE A - Músicas

APÊNDICE A - Músicas APÊNDICE A - Músicas Músicas 1 GUT GUT SEM PARAR Adaptação ao meio líquido Bebeu a água da piscina toda Fui ver quem era, era o João Ele bebia a água da piscina Ele fazia gut gut gut gut gut sem parar

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Olá. Esta é minha casa em São Miguelito. São Miguelito é uma pequena cidade com cerca de 50 ou 60 famílias. A cidade tem uma escola, um campo de futebol e algumas igrejas, mas não tem um centro, como a

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

A Cigarra e a Formiga (versão Carla Flores)

A Cigarra e a Formiga (versão Carla Flores) A Cigarra e a Formiga (versão Carla Flores) CRÉDITO: Carla Cavichiolo Flores/Positivo Informática O verão terminava, e as folhas das árvores já começavam a amarelar, anunciando a chegada do outono. E lá

Leia mais

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu 1 Sinopse Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu não estivesse completamente sozinha. Com um estranho em um Penhasco e sem lembrar de como fui parar ali. Me assustei

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O MENINO MAU Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em

Leia mais

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Local: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial Esta é uma história de mudança que ocorre em um labirinto em que quatro personagens

Leia mais

Detetive por acaso. Comédia de Pedro Bandeira

Detetive por acaso. Comédia de Pedro Bandeira Detetive por acaso Comédia de Bandeira Personagens: Malasartes,, Detetive Policial da Capital Federal, do Valoverde, 1 o Criado, 2 o Criado, Cozinheiro Cena 1 Cenário: Uma árvore recortada em compensado

Leia mais

copyright Todos os direitos reservados

copyright Todos os direitos reservados 1 2 Espaço das folhas 3 copyright Todos os direitos reservados 4 Autor Jorge Luiz de Moraes Minas Gerais 5 6 Introdução Folha é apenas uma folha, uma branca cor cheia de paz voltada para um querer, um

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br Sobre a digitalização desta obra: Esta obra foi digitalizada para proporcionar de maneira totalmente gratuita o benefício de sua leitura àqueles que não podem comprá-la ou àqueles que necessitam de meios

Leia mais

REGIS: UM MENINO NO ESPAÇO

REGIS: UM MENINO NO ESPAÇO REGIS: UM MENINO NO ESPAÇO CELSO INNOCENTE Regis: Um menino no espaço. ISBN 978-85-914107-0-5 1ª edição Celso Aparecido Innocente Penápolis-SP 2012 Sumário Prefácio 7 O sequestro 9 Chegada à Suster 24

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira Texto Naraiany Almeida Nicole Ferreira Ilustrações Davi Vinícius dos Santos Gomes Ítalo Gabriel Pimenta Italon Antunes Barreto Jéssica Pâmela de Souza

Leia mais

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS Alice no País das Maravilhas Índice Capítulo Um Pela Toca do Coelho Abaixo 7 Capítulo Dois A Chave de Ouro 13 Capítulo Três O Mar de Lágrimas 19 Capítulo Quatro A História do Rato

Leia mais

ROTEIRO: O Homem que Trapaceou o Trapaceiro

ROTEIRO: O Homem que Trapaceou o Trapaceiro ROTEIRO: O Homem que Trapaceou o Trapaceiro Flashback (Tomada de SAWYER abrindo os olhos. Ele está em um quarto de motel barato. Levanta da cama com as mãos na cabeça indicando uma ressaca forte. Há duas

Leia mais

Como uma onda no mar...

Como uma onda no mar... Como uma onda no mar... A UU L AL A Certa vez a turma passou férias numa pequena cidade do litoral. Maristela costumava ficar horas a fio admirando a imensidão azul do mar, refletindo sobre coisas da vida

Leia mais

Canadá. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a nossa história e descubra...

Canadá. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a nossa história e descubra... Canadá Você sabia que... Os indivíduos e as comunidades têm o direito a exprimir as próprias opiniões e a participar, com os governos locais, na tomada de decisões e ações que afetem o seu direito à alimentação.

Leia mais

LIVRO FESTA NA FLORESTA AUTOR IZAU CHRISTOFER

LIVRO FESTA NA FLORESTA AUTOR IZAU CHRISTOFER LIVRO FESTA NA FLORESTA AUTOR IZAU CHRISTOFER Num dia chuvoso com fortes trovões, uma família de esquilos, assustada porque havia muito tempo que não chovia daquele jeito na floresta, resolveu não sair

Leia mais

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ 1 Prefácio A página está em branco e não é página digna do nome que lhe dou. É vidro. Écran. Tem luz baça e fere os olhos pretos. Eu tenho demasiado sono para escrever papel.

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES 1ºC - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais