UFRRJ INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE TESE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UFRRJ INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE TESE"

Transcrição

1 UFRRJ INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE TESE A Construção Da Representação Dos Trabalhadores Rurais No Sudeste Paraense WILLIAM SANTOS DE ASSIS 2007

2 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE. A CONSTRUÇÃO DA REPRESENTAÇÃO DOS TRABALHADORES RURAIS NO SUDESTE PARAENSE WILLIAM SANTOS DE ASSIS Sob a Orientação da Professora Leonilde Sérvulo de Medeiros Tese submetida como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade. Rio de Janeiro-RJ, Fevereiro de 2007 i

3 A848c T Assis, William Santos de A construção da representação dos trabalhadores rurais no sudeste paraense / William Santos de Assis f. Orientador: Leonilde Sérvulo de Medeiros. Tese (doutorado) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Ciências Humanas e Sociais. Bibliografia: f Sindicatos rurais - Pará - Teses. 2. Agricultores familiares Entidades representativas Pará - Teses. 3. Agricultores familiares Ação coletiva Pará - Teses. I. Medeiros, Leonilde Sérvulo de. II. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Instituto de Ciências Humanas e Sociais. III. Título. ii

4 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO, AGRICULTURA E SOCIEDADE WILLIAM SANTOS DE ASSIS Tese submetida como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, no Curso de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade área de Concentração em Ciências Sociais Aplicadas. TESE APROVADA EM 27/02/2007 Leonilde Sérvulo de Medeiros, Dra.,UFRRJ (Orientadora) Assinatura Gutemberg Armando Diniz Guerra, Dr., UFPA Assinatura Neide Esterci Dra., UFRJ Assinatura Elisa Guaraná de Castro, Dra., UFRRJ Assinatura Eli de Fátima Napoleão de Lima, Dra., UFRRJ iii

5 DEDICATÓRIA Aos meus pais, Francisco Oliveira de Assis e Damares Santos de Assis, pelo amor incondicional e pela confiança em mim depositada. À Irene e ao Kauê que dividiram as angústias comigo tornando o peso deste trabalho mais leve. iv

6 AGRADECIMENTOS A realização de uma tese, apesar de representar um esforço pessoal, jamais pode ser levado a cabo sem a colaboração de muitos. Neste sentido gostaria de fazer alguns agradecimentos correndo o risco de incorrer em esquecimentos: Aos dirigentes sindicais e do MST que não se incomodaram com as minhas perguntas e o revirar de suas histórias; Ao Laboratório Sócio-agronômico do Araguaia-Tocantins (LASAT) pelo apoio prestado nas diversas fases do trabalho; Ao Núcleo de Estudos Integrados sobre Agricultura Familiar (NEAF)/Centro Agropecuário da Universidade Federal do Pará pela liberação e incentivo para elaboração desta tese; Ao Programa PICDT da UFPa e à CAPES pela bolsa concedida, sem ela esta tarefa seria mais difícil; Ao CPDA/UFRRJ pela oportunidade do exercício acadêmico; Aos colegas do NEAF pela convivência e o estímulo a esta tese; Aos colegas de entidades de apoio que se dispuseram a dialogar sobre o tema de minha tese; À professora Leonilde Sérvulo de Medeiros pelo empenho de mostrar caminhos antes não trilhados; Às inúmeras pessoas que de uma maneira ou de outra colaboraram; E por fim agradeço especialmente a Irene Margarete Höhn, leitora em primeira mão de todas as versões deste texto e companheira de longa estrada. v

7 RESUMO Esta tese procurou compreender o sentido que as ações coletivas dos agricultores familiares e de suas entidades representativas têm assumido no sudeste paraense nos últimos anos. Para tanto, tomamos como universo da pesquisa o complexo processo de luta pelo reconhecimento social e político dos agricultores familiares e suas entidades de representação. Percorrendo os diferentes processos que transformaram econômica, ambiental e socialmente a região, podemos afirmar que os posseiros e os agricultores familiares do sudeste paraense se afirmaram como ator social de importância para o desenvolvimento regional por meio de uma intensa luta por direitos e uma árdua atividade política de seus representantes. A mobilização permanente desses atores e um variado repertório de ação coletiva têm fortalecido sua posição no espaço social regional e influenciado os rumos da política do Estado, principalmente as direcionadas a criação de assentamentos. Palavras-chave: Entidades de Representação, Ação Coletiva, Agricultores Familiares ABSTRACT This study has thought to investigate what sense the collective actions from the family farmers and theirs representative entities have assumed in the southeast of Pará in recent years. Therefore we took as the research universe the complex process of the struggle for the social and political recognition of the family farmers and theirs representative entities. Moving through the different processes that transformed the region social, economical and environmental way, we can confirm that the landholders and the family farmers on the southeast of Pará had imposed themselves as an important social actor for the regional development through an intense struggle for rights and a hard political activity of their representants. The permanent mobilisation of these actors and a variable repertoire of collective actions have made their position stronger in the regional social space and have influenced the political ways of the state, especially those directioned to the creation of the settlements. Keywords: Representative entities, collective action, family farmers. vi

8 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Incentivos concedidos pela Sudam/Finam até dezembro de 1985, em milhões de dólares, por tipo de empresa Quadro 2 Distribuição das empresas agropecuárias beneficiadas pelos incentivos fiscais, no estado do Pará, por grupos de áreas durante o período de 1966 a 1976 Quadro 3 Federalização das terras devolutas do estado do Pará Quadro 4 Formas de ação coletiva, motivações e reivindicações das diferentes categorias de trabalhadores Quadro 5 Origem dos integrantes da chapa de oposição nas eleições da Fetagri Pará em 1987 Quadro 6 Número de STRs e de filiados por Regional Quadro 7 Ocupações em 1995, 1996 e 1997 Quadro 8 Número de participantes e instituições envolvidas nos acampamentos de 1997, 1999, 2000 e Quadro 9 Entidades e pessoas que enviaram mensagem de apoio e solidariedade durante os acampamentos de 1997, 1999 e 2000 Quadro 10 Situação das áreas para reforma agrária no momento dos acampamentos Quadro 11 Volume de recursos solicitados nos acampamentos de 1997, 1999, 2000 e 2001 pelo movimento sindical e MST vii

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Mapa da região de Marabá Figura 2 Principais fluxos migratórios para a região sudeste do Pará a partir da década de 60 Figura 3 Mapa da configuração do território do estado do Pará após a federalização das terras Figura 4 Mapa das principais estradas que cortam a região Figura 5 Charges do boletim O Grito da PA-150, ano I, n o 4 Figura 6 Desenho utilizado no boletim da PA-150 para representar a luta dos posseiros contra os grileiros viii

10 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Percentual de terras no Brasil e na Amazônia para os estratos de < 100 hectares e > hectares Gráfico 2 Percentual de estabelecimentos no Brasil e na Amazônia para os estratos de < 100 hectares e > hectares Gráfico 3 Assassinatos no campo de 1980 a 1990 Gráfico 4 Evolução do número de associações no sudeste do Pará ix

11 LISTA DE FOTOS Foto 1 Monumento pelos mortos do massacre de Eldorado dos Carajás, WSA/setembro de 2004 Foto 2 Chegada dos trabalhadores no local do acampamento (Acervo da Fetagri Regional, cedida ao autor). Foto 3 Montagem das barracas do acampamento (Acervo da Fetagri Regional, cedida ao autor) Foto 4 Assembléia no acampamento (acervo da Fetagri Regional, cedido ao autor) Foto 5 Início de uma passeata saindo do acampamento (Acervo da Fetagri Regional, cedida ao autor) x

12 LISTA DE SIGLAS ABRA Associação Brasileira de Reforma Agrária AGREGAR Agregação de Renda da Agricultura Familiar AI-5 Ato Institucional-5 AMAT Associação dos Municípios do Araguaia Tocantins AMCAT Associação dos Municípios Consorciados do Araguaia Tocantins AP Ação Popular ASSERA Associação dos Servidores do Incra ATER Assistência Técnica e Extensão Rural ATES Assessoria Técnica, Social e Ambiental à Reforma Agrária BASA Banco da Amazônia S.A. BB Banco do Brasil S.A. CAT Centro Agroambiental do Tocantins CIB Companhia Industrial Brasileira CEAT Comissão Especial do Araguaia Tocantins CBB Comissão de Bairros de Belém CDDP Centro de Defesa dos Direitos dos Pobres CEB Comunidade Eclesial de Base CEDI Centro Ecumênico de Documentação e Informação CEDR Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural CEPASP Centro de Estudo e Pesquisa e Assessoria Sindical e Popular CEPLAC Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira CESE Coordenadoria Ecumênica de Serviços CGT Confederação Geral dos Trabalhadores CIB Companhia Industrial Brasileira CIP Centro das Indústrias do Pará CLT Consolidação das Leis do Trabalho CMDR Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural CMN Conselho Monetário Nacional CNA Confederação Nacional de Agricultura CNBB Conferência Nacional dos Bispos do Brasil CNS Conselho Nacional de Seringueiros CO Círculos Operários CONCLAT Conferência Nacional da Classe Trabalhadora CONSIR Comissão Nacional de Sindicalização Rural CONTAC Confederação Nacional da Alimentação CONTAG Confederação Nacional de Trabalhadores na Agricultura COOCAT Cooperativa Camponesa do Araguaia Tocantins COOMAFASP Cooperativa Mista da Agricultura Familiar do Sul e Sudeste Paraense COOMARSP Cooperativa Mista dos Assentamentos de Reforma Agrária COOPSERVIÇOS Cooperativa de Prestação de Serviços COOPVAG Cooperativa de Profissionais Liberais do Vale Araguaia CS Convergência Socialista CPI Comissão Parlamentar de Inquérito CPT Comissão Pastoral da Terra CSN Conselho de Segurança Nacional CT Correio do Tocantins CUT Central Única dos Trabalhadores xi

13 CVRD DATER DL DNPM DNTR-CUT DOPs DRT DS EFA ELETRONORTE EMATER EMBRAPA EMFA ENOS ETR EUA FAEPA FAF/SP FAG FASE FATA FBC FECAP FECAT FERA FERAESP FETAGRI FETRAF FETRAF-SUL FHC FINAM FNO FNS FRS FUNAI FUNRURAL GETAT IBAMA ICMS IDH IECLB IICA INCRA INPA Companhia Vale do Rio Doce Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Decreto Lei Departamento Nacional de Pesquisa Mineral Departamento Nacional dos Trabalhadores Rurais da CUT Departamento Operacional da Policia Secreta Delegacia Regional do Trabalho Democracia Socialista Escola Família Agrícola Centrais Elétricas do Norte Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Encontro Nacional das Oposições Sindicais Estatuto do Trabalhador Rural Estados Unidos da América Federação da Agricultura do Estado do Pará Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar de São Paulo Frente Agrária Gaúcha Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional Fundação Agrária do Tocantins Araguaia Fundação Brasil Central Federação de Associações do Estado do Pará Federação de Cooperativas do Araguaia-Tocantins Fórum de Entidades pela Reforma Agrária Federação dos Empregados Rurais e Assalariados do Estado de São Paulo Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Pará e Amapá Federações de Agricultores Familiares Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul Fernando Henrique Cardoso Fundo de Investimento da Amazônia Fundo Constitucional para Região Norte Fundação Nacional de Saúde Fetagri Regional Sudeste Fundação Nacional do Índio Fundo de Assistência e Previdência ao Trabalhador Grupo Executivo de Terras do Araguaia Tocantins Instituto Brasileiro do Meio Ambiente Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços Índice de Desenvolvimento Humano Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil Instituto Inter Americano de Cooperação Agrícola Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Instituto Nacional de Pesquisas Amazônicas xii

14 INSS IPAR IPC ITERPA JICA LASAT LO MAB MASTER MDA MDB MDV MEB METABASE MIRAD MPF MPST MR-8 MST MSTR NAAC NAEA NEAF OAB-PA OGU OIT ONG PA PCB PC do B PCLB PDA PDC PDS PDS PDSA PDT PF PGC PIC PIN PM PMDB PND PNATER PNRA PO POLAMAZÔNIA PRA PRC Instituto Nacional de Seguridade Social Instituto Pastoral Regional Instituto de Terras do Pará Japan International Cooperation Agency Laboratório Sócio-Agronômico do Araguaia Tocantins Licença de Ocupação Movimento dos Atingidos por Barragens Movimento dos Agricultores Sem Terra Ministério do Desenvolvimento Agrário Movimento Democrático Brasileiro Movimento em Defesa da Vida Movimento de Educação de Base Sindicato dos Metalúrgicos de Marabá Ministério da Reforma Agrária e do Desenvolvimento Ministério Público Federal Movimento pela Sobrevivência da Transamazônica Movimento Revolucionário Oito de Outubro Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra Movimento Sindical dos Trabalhadores Rurais Nippon Amazon Aluminium Company Núcleo de Altos Estudos Amazônicos Núcleo de Estudos Integrados Sobre Agricultura Familiar Organização dos Advogados do Brasil, seção Pará Orçamento Geral da União Organização Internacional do Trabalho Organização Não Governamental Projeto de Assentamento Partido Comunista Brasileiro Partido Comunista do Brasil Paróquia de Confissão Luterana de Belém Plano de Desenvolvimento da Amazônia Partido Democrata Cristão Partido Democrata Social Projeto de Desenvolvimento Sustentável Plano de Desenvolvimento Sustentável do Assentamento Partido Democrático Trabalhista Polícia Federal Programa Grande Carajás Programas Integrados de Colonização Programa de Integração Nacional Polícia Militar Partido do Movimento Democrático Brasileiro Plano Nacional de Desenvolvimento Política Nacional de ATER Plano Nacional de Reforma Agrária Programação Operacional Programa de Pólos Agropecuários e Agrominerais da Amazônia Plano de Recuperação do Assentamento Partido Revolucionário Comunista xiii

15 PROCERA PRONAF PRONERA PROTERRA PROVAP PSB PSDB PSTU PT PVEA RB SAF SAGRI SAR SDDH SER SERPAJ SESPA SINDIPLAN SINTEP SMDH SNCR SNI SORPE SPDDH SPI-TUC SPVEA SRB SR27E STR SUDAM SUDENE TDA TM UDR UFPA UFRGS UHE ULTAB ULTAP UNIPOP UNISINOS UTA VBP Programa de Crédito Especial para a Reforma Agrária Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária Programa de Redistribuição de Terras e Estímulo à Agroindústria do Norte e Nordeste Programa de Valorização da Pequena Produção Rural Partido Socialista Brasileiro Partido da Social Democracia do Brasil Partido Socialista dos Trabalhadores Unidos Partido dos Trabalhadores Plano de Valorização Econômica da Amazônia Relação de Beneficiário Secretaria da Agricultura Familiar Secretaria de Agricultura do Estado do Pará Serviço de Assistência Rural Sociedade de Defesa dos Direitos Humanos Sindicato de Empregados Rurais Serviço de Paz e Justiça Serviço de Saúde do Pará Sindicato dos Produtores da Reforma Agrária Sindicato dos Professores Sociedade Maranhense de Direitos Humanos Sistema Nacional de Crédito Rural Serviço Nacional de Informação Serviço de Orientação Rural Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos Serviço de Patrimônio Imobiliário de Tucuruí Superintendência do Plano de Valorização Econômica da Amazônia Sociedade Rural Brasileira Superintendência Regional 27 E Sindicato dos Trabalhadores Rurais Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste Título da Divida Agrária Tendência Marxista União Democrática Ruralista Universidade Federal do Pará Universidade Federal do Rio Grande do Sul Unidade Hidrelétrica União dos Lavradores e Trabalhadores do Brasil União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Pará Universidade Popular Universidade do Vale dos Sinos Unidade Técnica de Articulação Valor Bruto da Produção xiv

16 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 A Base Empírica...9 A Base das Informações e as Técnicas de Coleta...12 Estrutura do Texto...13 CAPÍTULO I FORMAÇÃO POLÍTICA E ECONÔMICA DO SUDESTE PARAENSE Migrações, Extrativismo, Ocupação do Espaço Regional e Consolidação da Oligarquia Local Políticas Governamentais e Consolidação das Grandes Propriedades O Grupo Executivo de Terras do Araguaia Tocantins, o Programa Grande Carajás e o Acirramento dos Conflitos pela Posse da Terra...36 CAPÍTULO II A LUTA PELO RECONHECIMENTO E PELOS DIREITOS Os Primeiros Passos para a Constituição de um Sindicalismo no Meio Rural (Pré-64) As Organizações de Trabalhadores Rurais no Período do Governo Militar ( ) O Sindicalismo dos Anos 1980: Transformações Internas e Consolidações de Novos Atores...70 CAPÍTULO III OS SINDICATOS NA CENA POLÍTICA DO SUDESTE PARAENSE Das Comunidades Eclesiais de Base à Formação das Oposições Sindicais no Sudeste Paraense Os novos Rumos do Sindicalismo no Estado Sindicatos e Organizações no Período de Ajuste Estrutural e Crescimento Econômico CAPÍTULO IV DISPUTA PELA REPRESENTAÇÃO POLÍTICA E NOVA PRÁTICA SINDICAL Atuação Regionalizada: Fortalecendo o Papel de Representação do Sindicalismo de Trabalhadores Rurais A Inserção do MST na Região Sul e Sudeste do Pará: Relações Tensas e Aprendizados Mútuos Associações de Produtores, Centrais de Associações e Federação de Associações: Disputando o Acesso as Políticas Públicas a Representação dos Agricultores CAPÍTULO V ORGANIZAÇÕES EM MOVIMENTO E AÇÃO COLETIVA As Ações Coletivas no Contexto Regional xv

17 5.2 O Enterro Simbólico do Incra: Disputa Política e Construção de Legitimidade Construindo Demandas e Mobilizando Aliados CAPÍTULO VI OS GRANDES ACAMPAMENTOS COMO INSTRUMENTO DE LUTA POR POLÍTICAS PÚBLICAS Montar o Grande Acampamento: Demonstração de Organização e Força Política Manifestando e Negociando: o Jogo de Interesse dos Diferentes Atores A Pauta de Reivindicação: Espaço de Negociação e Construção de Identidade As questões gerais: marcando a posição no processo de negociação As questões específicas: a disputa pelos recursos CONCLUSÃO REFERÊNCIAS xvi

18 INTRODUÇÃO A região sudeste do Pará esteve sempre ligada a grandes conflitos fundiários, seja em função de seu potencial natural de produtos florestais extrativos, produção mineral ou a agropecuária. A violência que os tem acompanhado tem sido característica marcante da região. Desde o seu processo inicial de povoamento por populações não indígenas se estabeleceu uma incessante disputa pelos seus diferentes recursos. A presença de agricultores entre os muitos grupos que se deslocaram para a região foi sempre marcante. Em épocas remotas, esses agricultores se dedicaram à coleta de produtos florestais como o caucho e a castanha, à caça de animais selvagens para venda de peles, ao garimpo, à implantação de pastagens para grandes fazendeiros e à produção de culturas alimentares. De uma maneira ou de outra participaram ativamente da construção social, econômica e política da região. Durante a maior parte do século XX os agricultores, permaneceram invisíveis politicamente no espaço social. Distribuídos em comunidades com fortes laços de vizinhança e parentesco desenvolveram relações de solidariedade que garantiram sua existência social a despeito da frágil participação nas esferas da política e da representação profissional. A expressão pública dos agricultores se fez notar a partir do momento em que um conjunto de políticas governamentais incrementou o processo migratório para a região, intensificando os conflitos pela posse da terra. Ocupando terras devolutas ou não, agricultores, empregados de fazendas, vaqueiros, meeiros e trabalhadores na terça 1, vindos de outras regiões, tornaram-se posseiros no Sudeste do Pará (GUERRA, 2001). Na condição de posseiros, desenvolveram lutas para conquistar e resistir na terra. Foi nessa condição que passaram a se organizar em Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), associações, caixas agrícolas e mais tarde em sindicatos. Os primeiros Sindicatos de Trabalhadores Rurais (STRs) da região sudeste do Pará, foram criados a partir dos anos 70, fortemente ligados à política de colonização e sob a tutela do Estado autoritário. Durante os anos 80, com o apoio de diferentes grupos de mediação, lideranças rurais oriundas das CEBs, criaram associações (HÉBETTE, 1997), empenharam-se na construção de oposições sindicais, assumiram paulatinamente a direção dos sindicatos e tornaram-se os principais porta-vozes dos agricultores. Inseriram-se nas disputas políticas regionais e construíram uma imagem de resistência ao latifúndio, defesa e luta pela terra. Por meio desse processo, as entidades sindicais se consolidaram como principal porta-voz dos agricultores. Construiu-se o que se pode chamar de uma hegemonia da representação pelo sindicalismo de trabalhadores rurais. Na década seguinte, novas organizações proliferaram. Ainda na década de 1990, o Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) iniciou sua ação na região. Na virada do século, outras formas organizativas que se originaram também no Sul do país, como a Federação da Agricultura Familiar (FETRAF), 2 aportaram na região. Concomitante a esse processo intenso de constituição de entidades representativas dos agricultores, diferentes ações coletivas foram sendo gestadas e implementadas. Hébette (1997) considerou que várias formas de ações coletivas foram implementadas mesmo antes do sindicalismo de trabalhadores rurais assumir a hegemonia da representação dos agricultores. Não podemos esquecer que o regime 1 Caracteriza-se como trabalho na terça quando o produto de um determinado ciclo agrícola é dividido em três partes sendo uma para o agricultor e duas para o dono da terra. 2 A primeira Federação da Agricultura Familiar surgiu na região Sul do Brasil, reunindo sindicatos de agricultores familiares dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. 1

19 autoritário que perdurou por mais de vinte anos, forçou as entidades de representação, fossem elas sindicais ou não, a um recuo em suas atividades. Isso não impediu que os agricultores se mobilizassem por meio de ações coletivas em defesa de seus direitos. A região sudeste do Pará foi um exemplo dessa força social criativa dos agricultores. Durante décadas lutaram contra a política econômica do governo que priorizava a formação de grandes latifúndios em detrimento das unidades de produção de base familiar. Esse apoio às entidades patronais fazia parte de uma política agrícola que visava promover complexos agroindustriais de exportação, e uma política agrária que regulava a distribuição de terra em seu favor. Esse processo predominou de certa maneira em toda a América Latina (PIÑEIRO, 2005). Na condição de posseiro ou elevado à categoria de trabalhador rural, pequeno produtor, camponês e nos dias atuais a agricultores familiares, se mobilizaram e se tornaram reconhecidos no jogo político. A preocupação central desta tese é analisar as transformações das entidades de representação dos agricultores familiares e de suas ações no sudeste paraense, considerando o contexto sócio-político dos anos noventa do século XX. A preocupação em estudar esse tema surgiu a partir da minha própria inserção em atividades de pesquisa, ensino e extensão, ligadas estreitamente a dirigentes e entidades sindicais. Definir um objeto de estudo a partir da inserção profissional é um grande desafio para qualquer pesquisador das ciências humanas. Este desafio é ainda mais complexo para alguém cuja formação acadêmica original é de outro campo disciplinar, como no meu caso, graduado em Agronomia. Apesar da consciência das dificuldades, não tinha como ser diferente. Após vários anos atuando profissionalmente na assessoria de Sindicatos de Trabalhadores Rurais (STRs), num primeiro momento e, em seguida, no âmbito de um programa de Pesquisa, Formação e Desenvolvimento, da Universidade Federal do Pará (UFPA), estabelecendo uma relação direta com os atores locais e de forma privilegiada com as lideranças sindicais rurais e suas organizações de representação (sindicatos, associações e cooperativas), tornou-se uma necessidade refletir, de forma sistemática e à luz das contribuições das Ciências Sociais, sobre as relações entre a dinâmica das lutas e o desenvolvimento social e econômico regional. O meu primeiro contato com o sindicalismo de trabalhadores rurais foi em através de um projeto conjunto da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) e da Comissão Pastoral da Terra (CPT), cujo objetivo era prestar assessoria educacional não formal e técnica agrícola aos agricultores desalojados pelo enchimento do lago da hidrelétrica de Tucuruí. A expressão educação não formal era utilizada pelos diferentes grupos de assessores para designar as atividades de assessoria sindical e política aos STRs; da mesma forma, assessoria técnica agrícola compreendia um conjunto de atividades de orientação técnica aos agricultores, visando a organização da produção. Esse conjunto de atividades se inspirava na proposta pedagógica do educador Paulo Freire (FREIRE, 1983) e em alguns fundamentos da Teologia da Libertação (BOFF, 1981 & BOFF, 1984). A junção desses dois tipos de assessoria numa mesma equipe atendia a uma demanda que não era tão claramente formulada pelo próprio sindicalismo, na busca de soluções para os problemas políticos e os desafios técnicos dos sistemas de produção nas propriedades. Os agricultores, organizados pelo STR de Tucuruí, com apoio de entidades como a CPT, IECLB e Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SPDDH), se articulavam no Movimento em Defesa da Vida (MDV) e, posteriormente, no Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), para reivindicar da Eletronorte e do 3 Ano em que concluí o curso de graduação em Agronomia pela Faculdade de Ciências Agrárias do Pará FCAP, em Belém. 2

20 governo federal providências mitigadoras dos impactos negativos da construção da hidrelétrica. Várias manifestações foram realizadas na sede do município como forma de dar visibilidade aos problemas ambientais e sociais de um projeto de tal envergadura. A construção da barragem produziu um conjunto de efeitos negativos. Um deles foi o deslocamento de um grande número de famílias que habitavam as margens do rio Tocantins há várias gerações. A re-alocação dessas famílias deu-se por meio de um processo com efeitos contraditórios. Ao mesmo tempo em que era considerado como uma vitória das organizações de representação, constituía um problema sério para as famílias re-alocadas. Para estas, o deslocamento era, ao mesmo tempo, a perda de um território construído na convivência com a floresta e o rio e da rede de relações sociais construídas por gerações. Laços de vizinhança, de parentesco, de compadrio e de afetividades foram quebrados e dificilmente serão reparados. O segundo momento de contato com uma entidade sindical foi no final da década de 1980, por meio de um projeto financiado pela cooperação internacional 4. Fui selecionado para trabalhar como assessor técnico no STR de Paragominas 5, região nordeste do estado do Pará. A discussão sobre a preservação da floresta e a melhoria da qualidade de vida dos agricultores eram os principais componentes do projeto. Pretendia-se, com o apoio das entidades de representação dos agricultores, notadamente o sindicato, ampliar a discussão sobre a preservação ambiental e divulgar novas possibilidades de uso da terra. O município abrigava dois grupos distintos de agricultores: um composto por migrantes que chegaram à região através da rodovia Belém/Brasília e que se estabeleceram na parte leste, e outro, composto por agricultores ribeirinhos das margens do Rio Capim, a oeste do município. A degradação ambiental do município devido à intensa atividade pecuária e madeireira, tornava a proposta do STR uma atividade inovadora e solitária. Havia um consenso entre técnicos e dirigentes sindicais de que o sistema tradicional de corte e queima estava chegando a um ponto de estrangulamento e que novas alternativas deveriam ser apresentadas aos agricultores. A principal delas, discutida no âmbito do projeto, era a implantação de Sistemas Agroflorestais 6. Segundo as premissas do projeto, por meio dos Sistemas Agroflorestais, os agricultores podiam potencializar a combinação de espécies vegetais e animais mantendo um alto índice de diversidade biológica e aumentar o leque de alternativas econômicas dos seus sistemas de produção. Esse diagnóstico inicial tornava-se mais complexo quando os contatos se tornaram mais estreitos entre técnicos, agricultores e lideranças sindicais. A falta de infra-estrutura básica como estradas, escolas, postos de saúde e a frágil inserção dos agricultores nas redes de comercialização era apenas a ponta de um problema maior com o qual as famílias se enfrentavam, principalmente na região do Rio Capim, onde predominava um sistema de dominação que misturava assistencialismo, paternalismo e obediência pela dívida contraída com comerciantes. A realidade era complexa e demandava muito mais que o desenvolvimento de uma proposta técnica que superasse o sistema de corte e queima. Para o STR o desafio não era só técnico, como imaginava a maioria das agências que apoiavam financeiramente a iniciativa. Paragominas era terra de latifúndios, de exploração descontrolada de madeira, de grandes projetos de exploração de minérios como o caulim pela Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) e de disputa acirrada pela 4 O projeto foi financiado inicialmente pelo Fundo Canadense para Pequenos Projetos, ligado à Embaixada do Canadá e depois pela Ford Foundation e pelo World Wildlife Fund (WWF). 5 O nome do município enunciava a composição de sua população oriunda do estado do Pará, Goiás e Minas, formando o nome composto Paragominas. 6 Proposta que veio a ser apoiada pela Rede Brasileira Agroflorestal (REBRAF). 3

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE GRITOS As mobilizações conhecidas como "Gritos ocorrem desde o início da década de 1990. O primeiro Grito do Campo aconteceu em maio de 1991 em Belém do Pará. O II Grito do Campo,

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Seminário Nacional sobre Políticas Públicas e Financiamento para o Desenvolvimento Agroflorestal no Brasil

Seminário Nacional sobre Políticas Públicas e Financiamento para o Desenvolvimento Agroflorestal no Brasil Seminário Nacional sobre Políticas Públicas e Financiamento para o Desenvolvimento Agroflorestal no Brasil Brasília, 18 a 20 de agosto de 2004 Mesa I - PARCERIAS ENTRE GOVERNO, ONGs e PRODUTORES RURAIS

Leia mais

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1 CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina FACULDADE MARECHAL RONDON/ UNINOVE NPI NÚCLEO DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

Mobilização camponesa no sudeste paraense e luta pela reforma agrária.

Mobilização camponesa no sudeste paraense e luta pela reforma agrária. Mobilização camponesa no sudeste paraense e luta pela reforma agrária. William Santos de Assis 1 Introdução O presente texto visa analisar o processo recente de mobilização dos camponeses do sudeste paraense

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PARLAMENTARES. Nesta série estão entrevistas com parlamentares federais e com um vereador.

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PARLAMENTARES. Nesta série estão entrevistas com parlamentares federais e com um vereador. APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PARLAMENTARES Nesta série estão entrevistas com parlamentares federais e com um vereador. Entrevistas disponíveis até o momento: Adão Preto Alcides Modesto Ezídio Pinheiro Freitas

Leia mais

MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA

MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UFF - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PURO - PÓLO UNIVERSITÁRIO DE RIO DAS OSTRAS RIR - DEPARTAMENTO INTERDISCIPLINAR DE RIO DAS OSTRAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Uma

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL

O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL (...) Colocamos-nos, nesse momento, diante do desafio de trazer ao debate questões que se inserem nas reflexões em torno do enraizamento histórico do sindicalismo rural no

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

PORTARIA Nº 75, DE 25 DE JULHO DE 2003

PORTARIA Nº 75, DE 25 DE JULHO DE 2003 Ministério do Desenvolvimento Agrário Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 75, DE 25 DE JULHO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, no uso da competência que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, PROTAGONISMO E AUTONOMIA ECONÔMICA NA PAUTA DAS MULHERES DO BAIXO TOCANTINS

SEGURANÇA ALIMENTAR, PROTAGONISMO E AUTONOMIA ECONÔMICA NA PAUTA DAS MULHERES DO BAIXO TOCANTINS SEGURANÇA ALIMENTAR, PROTAGONISMO E AUTONOMIA ECONÔMICA NA PAUTA DAS MULHERES DO BAIXO TOCANTINS Coordenadora Regional da FASE Amazônia Organização: Apoio: 1. Como se desenvolve o trabalho da FASE Amazônia

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL (FASE)

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL (FASE) APRESENTAÇÃO DA SÉRIE FEDERAÇÃO DE ÓRGÃOS PARA ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCACIONAL (FASE) Esta série contempla documentos produzidos pela Fase Federação de Órgãos Para Assistência Social e Educacional. Trata-se

Leia mais

Pendências fundiárias no Pará

Pendências fundiárias no Pará Pendências fundiárias no Pará Brenda Brito*, Sara Baima, Jamilye Salles No Estado do Pará, a situação fundiária é confusa e associada a conflitos no campo. Apesar de avanços nos últimos anos com a criação

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA Resumo Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população,

Leia mais

Políticas de Meio Ambiente Ligadas à Agricultura Familiar

Políticas de Meio Ambiente Ligadas à Agricultura Familiar Políticas de Meio Ambiente Ligadas à Agricultura Familiar Série Políticas Públicas Volume 2 Produzido com base na pesquisa: Políticas Agrárias e Ambientais na Amazônia Oriental Impactos e participação

Leia mais

SEMINÁRIO. Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade. 25 a 27 de novembro de 2014. Felipe Santos da Rosa

SEMINÁRIO. Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade. 25 a 27 de novembro de 2014. Felipe Santos da Rosa SEMINÁRIO Agricultura Familiar no Amazonas: Desafios para Inovação e Sustentabilidade 25 a 27 de novembro de 2014 Felipe Santos da Rosa APRESENTAÇÃO A agropecuária do Estado do Amazonas é desenvolvida

Leia mais

Direcionalidade do Programa de Reforma Agrária

Direcionalidade do Programa de Reforma Agrária Programação Operacional ano - 2005 Direcionalidade do Programa de Reforma Agrária Política de Governo II Plano Nacional de Reforma Agrária Assentamento Novas Famílias Regularização Fundiária Recup. E Qualificação

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO ALICIAMENTO E PREVENÇÃO AO TRABALHO ESCRAVO NO PIAUÍ

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO ALICIAMENTO E PREVENÇÃO AO TRABALHO ESCRAVO NO PIAUÍ PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO ALICIAMENTO E PREVENÇÃO AO TRABALHO ESCRAVO NO PIAUÍ AÇÕES GERAIS: 1. NA ÁREA DA PREVENÇAO AÇÃO ESTRATÉGIA RESULTADOS EXECUÇAO ARTICULADOR PRAZO 1. Declarar a erradicação

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

CRIAÇÃO DE COOPERATIVAS ORGÂNICAS NA AMAZÔNIA E ACESSO A MERCADOS DIFERENCIADOS

CRIAÇÃO DE COOPERATIVAS ORGÂNICAS NA AMAZÔNIA E ACESSO A MERCADOS DIFERENCIADOS CRIAÇÃO DE COOPERATIVAS ORGÂNICAS NA AMAZÔNIA E ACESSO A MERCADOS DIFERENCIADOS O Território da Transamazônica O Papel da Fundação Viver, Produzir e Preservar NOSSA MISSÃO: Contribuir para as Políticas

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Cardeal Sebastião Leme Grito por justiça Dom Helder Câmara Não deixe morrer o profetismo Dom Luciano Mendes de Almeida Não esqueçam

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva**

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva** DISPERSÃO REGIONAL DE EMPREENDIMENTOS COLETIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR A PARTIR DE REGISTROS ADMINISTRATIVOS DO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF) Ernesto Pereira Galindo*

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*)

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) RELATÓRIO SOBRE O MAPEAMENTO ADICIONAL DE AGROPECUÁRIA ÁREA COMPREENDIDA POR 18 MUNICÍPIOS DA ÁREA LIVRE DE AFTOSA DO PARÁ REALIZADO

Leia mais

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Discurso pronunciado pelo Deputado Gonzaga Patriota (PSB/PE), na Sessão de 23/05/2006. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Acompanhando os grandes

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR Com a aprovação da Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, e da Resolução FNDE nº 38, de 16 de julho de 2009, as escolas

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

8º. Congresso Brasileiro de educação Agrícola Superior 53ª. Reunião Anual da ABEAS. Tendências de Educação e Extensão Rural no Brasil

8º. Congresso Brasileiro de educação Agrícola Superior 53ª. Reunião Anual da ABEAS. Tendências de Educação e Extensão Rural no Brasil 8º. Congresso Brasileiro de educação Agrícola Superior 53ª. Reunião Anual da ABEAS Tendências de Educação e Extensão Rural no Brasil Ednaldo Michellon Professor, Pesquisador e Extensionista da Universidade

Leia mais

21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas

21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas 21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas O Brasil está realizando a maior reforma agrária do mundo. A pesada herança de séculos de um Brasil latifundiário passou a mudar, em 1995, a

Leia mais

Entrevista com Clarice dos Santos - Coordenadora do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA

Entrevista com Clarice dos Santos - Coordenadora do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA Entrevista com Clarice dos Santos - Coordenadora do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA O Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária traz um novo impulso para a Educação do

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010.

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Vigência Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção.

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção. INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção Edital de Seleção Março de 2015 Realização Apoio 2...esgotada a palavra de sua

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

O INCRA E O ASSENTAMENTO

O INCRA E O ASSENTAMENTO O INCRA E O ASSENTAMENTO É um conjunto de medidas que visa promover a melhor distribuição da terra, mediante modificação no regime de sua posse e uso, a fim de atender aos princípios da justiça social

Leia mais

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias

Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias Arquitetura da participação no Brasil: avanços e desafios da democracia participativa. Renovando Utopias IPEA: Governança Democrática no Brasil Contemporâneo: Estado e Sociedade na Construção de Políticas

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Marx e o Marxismo 2011: teoria e prática Universidade Federal Fluminense Niterói RJ de 28/11/2011 a 01/12/2011

Marx e o Marxismo 2011: teoria e prática Universidade Federal Fluminense Niterói RJ de 28/11/2011 a 01/12/2011 Marx e o Marxismo 2011: teoria e prática Universidade Federal Fluminense Niterói RJ de 28/11/2011 a 01/12/2011 TÍTULO DO TRABALHO Relação Movimentos Sociais e Intelectuais na Formação Política de Temática

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

FORMAÇÃO DE AGENTES DE ATER. Cursos para Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural da Amazônia Oriental

FORMAÇÃO DE AGENTES DE ATER. Cursos para Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural da Amazônia Oriental MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR - SAF DEPARTAMENTO DE ASSISTENCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL - DATER COMISSÃO EXECUTIVA DO PLANO DA LAVOURA CACAUEIRA CEPLAC

Leia mais

1 Portaria para ICP - cursos UFG.doc

1 Portaria para ICP - cursos UFG.doc Procuradoria da República em Goiás Ofício do Consumidor, Ordem Econômica e Educação PORTARIA MGMO n.º 51/2006 INQUÉRITO CIVIL PÚBLICO O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL no uso de sua atribuição conferida pela

Leia mais

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 LINHA PÚBLICO MODALIDADE FINALIDADE CRÉDITO/TETO JUROS Pronaf Custeio MCR 10-4 familiares com renda bruta anual até R$ 360 mil. (exceto Grupo

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Companheiras e companheiros de caminhada, nossas sinceras saudações. Há aqueles que lutam um dia; e por isso são

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PROMOVENDO A SUCESSÃO E O COMBATE A POBREZA NO CAMPO PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO 3 O QUE É CRÉDITO FUNDIÁRIO O Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF)

Leia mais

Projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia. Projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia

Projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia. Projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia INFORMATIVO DO PROJETO ASSENTAMENTOS SUSTENTÁVEIS NA AMAZÔNIA (PAS) NÚMERO 1 ANO 1 Paiol rústio de secagem e armazenamento de arroz no lote do Sr. Paulo Ferreira dos Santos, PA Cristalino II, BR-163 (PA).

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP Legislação Os normativos do enquadramento dos agricultores

Leia mais

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

FONTES PARA A HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO EM VITÓRIA DA CONQUISTA E REGIÃO: O TRABALHADOR RURAL VAI À JUSTIÇA

FONTES PARA A HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO EM VITÓRIA DA CONQUISTA E REGIÃO: O TRABALHADOR RURAL VAI À JUSTIÇA FONTES PARA A HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO EM VITÓRIA DA CONQUISTA E REGIÃO: O TRABALHADOR RURAL VAI À JUSTIÇA Marielle Leles NEVES UESB marielleleles@yahoo.com.br O presente trabalho tem como principal

Leia mais

Por uma Sociologia Histórica do Sindicalismo rural em Pernambuco

Por uma Sociologia Histórica do Sindicalismo rural em Pernambuco PEREIRA, Jesus Marmanillo. Por uma sociologia histórica do sindicalismo rural em Pernambuco. RBSE Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 12, n. 34, pp. 317-423, Abril de 2013. ISSN 1676-8965 RESENHA

Leia mais

Dinâmicas territoriais e as complexidades das áreas de fronteira agrária na Amazônia oriental.

Dinâmicas territoriais e as complexidades das áreas de fronteira agrária na Amazônia oriental. 1 Dinâmicas territoriais e as complexidades das áreas de fronteira agrária na Amazônia oriental. William Santos de Assis 1 Myriam Oliveira 2 Fábio Halmenschlager 3 RESUMO Este texto procura caracterizar

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004

II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004 II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004 DECLARAÇÃO FINAL (VERSÃO PLENÁRIA) Por Uma Política Pública de Educação do Campo QUEM SOMOS Somos 1.100 participantes

Leia mais

Professor Adjunto do Instituto da Saúde e Produção Animal da UFRA 3

Professor Adjunto do Instituto da Saúde e Produção Animal da UFRA 3 Estrutura familiar e geração de renda em assentamentos rurais que desenvolvem atividade pecuária em Tomé-Açu e Paragominas no Nordeste e Sudeste paraense D.R. FREITAS 1, A.V.SILVA 2, P.C.C. FERNANDES 3,

Leia mais

O AGRÁRIO EM QUESTÃO: UMA LEITURA SOBRE A CRIAÇÃO DOS ASSENTAMENTOS RURAIS NO SUDESTE DO PARÁ. ( GT1- A luta pela terra e a política fundiária )

O AGRÁRIO EM QUESTÃO: UMA LEITURA SOBRE A CRIAÇÃO DOS ASSENTAMENTOS RURAIS NO SUDESTE DO PARÁ. ( GT1- A luta pela terra e a política fundiária ) 1. Introdução O AGRÁRIO EM QUESTÃO: UMA LEITURA SOBRE A CRIAÇÃO DOS ASSENTAMENTOS RURAIS NO SUDESTE DO PARÁ. ( GT1- A luta pela terra e a política fundiária ) Fernando Michelotti 1 Beatriz Ribeiro 2 Haroldo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Práticas instituintes e experiências autoritárias. O sindicalismo rural na Zona da Mata de Pernambuco, 1950-1974

Práticas instituintes e experiências autoritárias. O sindicalismo rural na Zona da Mata de Pernambuco, 1950-1974 Práticas instituintes e experiências autoritárias O sindicalismo rural na Zona da Mata de Pernambuco, 1950-1974 Conselho Editorial Bertha K. Becker Candido Mendes Cristovam Buarque Ignacy Sachs Jurandir

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

O avanço do Dendê O Napalm verde

O avanço do Dendê O Napalm verde O avanço do Dendê O Napalm verde -Qual é a situação do setor produtor de banana na Colômbia? -Depois de muitos anos de crise devido às dificuldades com o preço, com as taxações européias e outros, muitos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PRODUTOR RURAL. Esta série foi criada para abrigar entrevistas com empresário e produtores rurais.

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PRODUTOR RURAL. Esta série foi criada para abrigar entrevistas com empresário e produtores rurais. APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PRODUTOR RURAL Esta série foi criada para abrigar entrevistas com empresário e produtores rurais. Entrevistas disponíveis até o momento: Carlos Henrique Maranhão Cecílio Rego de Almeida

Leia mais

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA Prof.ª Dra. Irizelda Martins de Souza e Silva UEM Caroline Mari de Oliveira UEM Kethlen Leite de Moura UEM Thaís Godoi de Souza UEM Agência Financiadora:

Leia mais

ESTUDOS AVANÇADOS reproduz a seguir entrevista do economista José Juliano

ESTUDOS AVANÇADOS reproduz a seguir entrevista do economista José Juliano Reforma Agrária A proposta é uma coisa, o plano do governo é outra ENTREVISTA ESTUDOS AVANÇADOS reproduz a seguir entrevista do economista José Juliano de Carvalho Filho, professor da Faculdade de Economia

Leia mais

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis Hanen Sarkis Kanaan 1 Resumo: Este trabalho discute a implantação e a situação das famílias assentadas pelo programa de assentamento do Banco

Leia mais

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Sumário Contexto Processo de construção Estrutura do Decreto Objetivos e Interfaces Diretrizes Eixos e objetivos Medidas

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Mapa Mental Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Dois Focos Temáticos Sistema Capitalista História Contradições Desafios para a classe

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

Regimento Interno da Articulação de Esquerda

Regimento Interno da Articulação de Esquerda Regimento Interno da Articulação de Esquerda A Articulação de Esquerda (AE) é uma tendência interna do Partido dos Trabalhadores. Existe para a defesa de um PT de luta, de massa, democrático, socialista

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente,

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente, ** Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 05/06/2013. MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, No dia

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

PORTIFÒLIO DA FASE. A Apresentação institucional. A.1 Objetivos da entidade -

PORTIFÒLIO DA FASE. A Apresentação institucional. A.1 Objetivos da entidade - PORTIFÒLIO DA FASE A Apresentação institucional A.1 Objetivos da entidade - Fundada em 1961, a Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (FASE) é uma organização não governamental brasileira,

Leia mais

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural Marcos Santos Figueiredo* Introdução A presença dos sindicatos de trabalhadores

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016 PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2015/2016 LINHA PÚBLICO MODALIDADE FINALIDADE CRÉDITO/TETO JUROS Pronaf Custeio MCR 10-4 faiares com renda bruta anual até R$ 360. (exceto Grupo A e A/C)

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Liberdade+Autonomia. se constrói com Igualdade. snmt@cut.org.br http//:paridadeja.cut.org.br PARIDADE JÁ!

Liberdade+Autonomia. se constrói com Igualdade. snmt@cut.org.br http//:paridadeja.cut.org.br PARIDADE JÁ! Liberdade+Autonomia se constrói com Igualdade snmt@cut.org.br http//:paridadeja.cut.org.br PARIDADE JÁ! A história da CUT, desde a sua fundação, em 1983, é marcada pelo compromisso com a construção da

Leia mais