OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO"

Transcrição

1 OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO A realidade é que o homem tem um estranho desejo de conhecer e que sua natureza falha... A verdadeira natureza do homem é ampla, consiste em ter capacidades e também em ter falhas. O homem se compõe do que tem e do que lhe falta. O homem é a insuficiência viva, precisa saber, percebe que ignora. É preciso analisar isso. Por que dói a própria ignorância? José Ortega Y Gasset QUE ES FILOSOFIA? Revista de Ocidente Madrid, 1966 Admitindo que queremos uma educação de cunho científico cabe, também, perguntar: Que é ciência? Que é racionalidade? Como entendemos que ocorre a aprendizagem? As máquinas fazem a história? A atual crise do campo educacional é a crise de uma ortodoxia, o que ainda parece heresia é uma forma de progresso em direção à cientificidade redefinida. A educação tem que ter a clareza de não se deixar captar por tecnologias cujos objetivos são mais econômicos que sociais, não permitir que a metodologia pretenda substituir o método. Há alguns tipos de conhecimento que temos que adquirir a qualquer custo sob pena de perder a liberdade, afirmar Terry Eagleton, em sua Teoria Literária: uma introdução. Nós da educação não podemos nos permitir ser monodisciplinares, desinteressados das relações entre diferentes vetores que constituem a profissão e, mais amplamente, a sociedade. A redescoberta do planeta Terra e do homem, nesta época que se diz técnico-científica-informacional, aponta para a ciência como força produtiva mas, também, para o aumento da importância do saber do homem no processo produtivo. É imperativo colocar esses recursos a serviço da humanidade visto que todas as coisas estão ligadas às demais por uma infinidade de conexões. A lei da interconexão universal é a base para a compreensão da unidade do mundo e seu conhecimento, e ao mesmo tempo afirma a independência relativa das coisas e dos processos, porque o verdadeiro conceito de interconexão sugere também uma separação relativa... (E. Marquist, in

2 Milton Santos, METAMORFOSE DO ESPAÇO HABITADO, Hucitec, 1997). Talvez o maior problema do discurso didático seja pretender aparecer como uma fala ou escrita transparente, exata, sem marca pessoal, dona, capaz de monopolizar a informação. Isso, além de um contrasenso pedagógico, porque inibe o processo da zona de desenvolvimento proximal na apropriação do conhecimento pelo estudante, a qual pressupõe o diálogo entre alunos e entre alunos e professor, realimenta os velhos mítos da comunicação unívoca de verdades, da neutralidade científica, do desinteresse, da objetividade confirma a realidade triste do inevitável tédio dos que apenas ouvem e, quando possível, tomam notas dispersas para responder questões posteriores que atomizam os conhecimentos. Trabalhar com espírito científico supõe buscar compreender as generalizações já conquistadas, desenvolver habilidades intelectuais para decompô-las, reconstrui-las, incorporá-las ou superá-las. A ciência se constitui no debate teórico, nas contraposições de escolas, na análise de divergências não, na reprodução do dito antes. Nunca se fez ciência por revelação a um indivíduo, num momento, mas, no árduo trabalho crítico de reexame do já feito ou explicado. Mesmo as rupturas, os pontos de viragem se dão em processos de investigação ou pesquisa e não, numa descoberta instantânea como em geral aparece em livros-texto. Nos tempos de crise é preciso não se desviar para a polêmica, não cair em batalhas planfetárias, não buscar ou aceitar repostas prontas mas se elevar, captando as tarefas atuais, para a formulação de uma teoria quanto ao uso da imagem para apropriar e produzir conhecimento. Pela reflexão sobre a prática na sala de aula, tarefa de docentes, observar sempre como as atividades propostas, as guias de trabalho, os debates, conduzem ou garantem o desenvolvimento intelectual e a inclusão em constelação, teia ou rede de saberes previamente adquiridos, de novos constituintes operando com possibilidades, com conceitos abertos capazes de compor novas conexões, ampliando conhecimentos. Não interessa a mera especulação sobre o que se produzirá amanhã no campo da educação, interessa como agir agora com as circunstâncias e os

3 materiais disponíveis para diminuir as lacunas, porque a educação do povo brasileiro precisa definir objetivos seus, enfrentar o que lhe falta para se converter em ciência, avançar para experimentar e descrever metodologias e procedimentos técnicos buscar metodicamente o conhecimento porque o método vai, esclarecendo, determinar o objetivo da pesquisa, o caráter e a natureza da ciência que ainda nos falta. Qualquer abordagem nova de um problema científico leva a novos métodos de investigação e análise. O método é ao mesmo tempo pré-requisito e produto, instrumento e parte do resultado. Há renovação de instrumentos, de suportes mas as regras de trabalho e as normas de controle da aprendizagem seguem rígidas, se fazem imutáveis. Aí, é necessária uma ruptura estudada e planejada, como Kepler que depois das críticas de Ticho Brahe abandonou todo o sistema que havia construído concretamente sobre sólidos que se continham perfeitamente e passou a examinar, observar, anotar, calcular, lançando a hipótese de que as órbitas planetárias não eram circulares mas elípticas em tais e tais proporções. Até agora nas ciências naturais, que recortam pequenos objetos para estudo, se atribui valor aos procedimentos de diagnóstico e não, aos processos psicológicos nas tarefas científicas (o perceber, observar, distinguir, isolar, analisar, obstruir, derivar, apontar, relacionar, etc...) de produção de conceitos. Estudar historicamente a produção de conceitos significa estudá-los no processo de mudança, nos seus deslizamentos, nas lutas pela ressignificação em busca do poder de garantir a cientificidade num campo de saber / poder. Neste século houve muitos pontos de viragem nas concepções científicas, não houve só evolução, quase todos os campos do conhecimento humano foram postos em cheque. Disso resultou que muitas práticas mudaram na agricultura, na criação de animais, nas fontes de energia, na concepção do universo, na redução, na medicina, na psicologia, na construção civil, no conhecimento da história, da geografia, na compreensão do ensino da língua materna, na matemática, etc... Esses pontos de convulsão, perturbação tem de ser postos em discussão nas salas de aula das escolas de ensino fundamental e médio, sob pena de estarmos condenando a população, que só tem assegurado o direito universal de educação regular até a oitava série, a conhecer apenas certezas que não existem mais. Evidentemente é preciso dosar a argumentação para levar a perceber o contínuo estado de mudança na produção intelectual. Isso é dever do magistério, sob pena de descumprir o dever ético de formar cidadãos capazes de reflexão e crítica. A cultura não pode ser uma caixa preta que só alguns poucos sabem decifrar.

4 As relações que comandam o mundo são extremamente opacas para a visão da maior parte dos homens, cabe à escola auxiliar a construir uma epistemologia, que é reflexão sobre os métodos empregados nas ciências, as condições e os limites do conhecimento. O domínio da epistemologia é mais amplo que o da metodologia porque não descreve só os procedimentos mas busca comparar e discriminar processos para identificar pontos comuns e o sentido das ciências em suas relações recíprocas e com o campo ético-filosófico. É preciso ainda considerar a necessidade de refletir sobre a mediação, a capacidade de usar instrumentos materiais nas ações dos homens e a criação das ferramentas e a capacidade de empregar e desenvolver instrumentos psicológicos signos, símbolos, sinais no campo da cultura quando há intermediação nas atividades de homens e realidade. Para chegar a compreender as coisas é preciso agir fazer um certo esforço e, uma análise da atividade pela qual se compreende. Isto é exclusivo do homem, poder selecionar entre os vários modos de percepção de que pode dispor o adequado aos aspectos diversos de apropriar o mundo. O homem vive em um mundo múltiplo: prático, teórico, artístico, físico, matemático, religioso, etc... para entrar em cada setor será preciso procurar uma intenção que seja adequada e um modo específico. Não é possível apropriar-se ou compreender a matemática e a realidade a que a matemática nos dá acesso mediante uma intencionalidade religiosa. O processo de captação e desconhecimento do sentido das coisas é, também, ao mesmo tempo criação de sentido no homem. Os mesmos sentidos pelos quais o homem descobre a realidade e o sentido dela, coisa, são um produto histórico e social. O real se apresenta para nós como um processo de cissiparidade, de esfacelamento pela visão, algumas vezes. A visão recorta, cria marcas distintivas, procura diferenças e semelhanças, analisa, seleciona atribuindo significações e incorporando o significado a grandes teias de sentido visto que no homem se processa um trabalho de ajustamento entre o que é oferecido pela percepção externa e a sensibilidade de cada um. A distinção entre representação e conceito entre o mundo da aparência e o mundo da realidade é o modo pelo qual o pensamento capta o que são as coisas. Porque a realidade, não se exaure na imagem física do mundo. O caminho entre a caótica representação do todo e a rica totalidade da multiplicidade das determinações e das relações coincide com a compreensão da realidade. A distinção entre sociedade e natureza é semelhante à

5 incompreensão de um fato: a realidade humano-social é tão realidade quanto as nebulosas, os átomos, as estrelas, embora não seja a mesma realidade. Não é possível falar de totalidade sem falar em cisão porque assim se esvaziaria o movimento, trabalhando com um mundo estático, pronto, definido para sempre. É a história que diz que o uno é múltiplo, depois é uno, depois é múltiplo. A procura de um método torna-se um dos problemas mais importantes de todo empreendimento para a compreensão das formas caracteristicamente humanas de atividade. Nesse caso o método é ao mesmo tempo pré-requisito e produto instrumento e resultado da investigação e do estudo. O que é complexo tem que ser estudado como um processo vivo e não como um objeto previamente recortado. O estudo pretende desvendar a especificidade da coisa e seu movimento. A tarefa com que cada um se defronta parece em geral ir além de suas capacidades no momento e, não poder ser resolvida com as habilidades já incorporadas. Mas, há zona de desenvolvimento proximal, há pessoas mais experientes no grupo, há objetos neutros (não indicados especificamente) que podem ser incluídas e alterar a estrutura inicial. O processo do conhecimento é ao mesmo tempo sensorial, racional e prático. Sensorial na atividade com o objeto. A ampliação da atividade sensorial aparece como condição para abstração do essencial e como base para ampla generalização. O estudo científico é ao mesmo tempo estudo do fato e do procedimento de cognição desse fato. É um trabalho metodológico sobre a ciência enquanto ela avança. Cada escolha de palavra implica método, concepção de ciência. A ciência é filosófica até seus últimos elementos, até as palavras está perpassada de metodologia. O conhecimento científico e a percepção direta não coincidem como parece, apesar de na percepção estarem fundidas as particularidades estruturais do campo visual e da compreensão. A experiência do dia a dia não substitui a análise científica, nem a busca das relações entre diferentes objetos e sistemas. A análise científica da aprendizagem tem que ser a análise de processos e não de produtos, recuperando no exame os pontos principais de mudança.

6 É preciso no ensino privilegiar a explicação dos fatos ou dos acontecimentos em vez de se restringir à descrição, visto que esta não revela as relações dinâmico-causais subjacentes ficando presa à enumeração de características. É preciso também, tornar conscientes os que estudam dos processos, operações, estágios de desenvolvimento intelectual pelos quais estão passando. Comparar o ponto de partida quando foi proposto o trabalho com as inclusões que mudaram a constelação ou teia de saber disponível no provisório fim. Os conceitos podem e em certa medida devem permanecer abertos, provisórios o que não quer dizer vagos, aproximativos ou confusos toda a verdadeira reflexão sobre a prática científica atesta que essa abertura dos conceitos que apresenta a marca sugestiva, é sua capacidade de produzir efeitos científicos fazendo ver coisas não vistas, sugerindo pesquisas por fazer. Pierre Bourdieu Profª Maria Helena Silveira Escola de Engenharia/UFRJ Novembro de 1999

7 BIBLIOGRAFIA BÁSICA SANTOS, Milton Metamorfoses do Espaço Habitado, 5ª edição, Hucitec, São Paulo, Técnica Espaço Tempo 3ª edição, Hucitec, São Paulo, VIGOTSKY, Lev S. A Formação Social da Mente, 2ª edição, Martins Fontes, São Paulo, Teoria e Método em Psicologia, Martins Fontes, São Paulo, Psicologia da Arte, Martins Fontes, São Paulo, BOURDIEU, Pierre Choses Dites, Editions de Minuit, Paris, 1987, Méditations Pascaliennes, Editora du Seuil, Paris Razões Práticas Papiros, São Paulo, * Palestra proferida pela Professora Maria Helena Silveira no evento " Programa TV Escola - Capacitação de Gerentes", realizado pela COPEAD/SEED/MEC em Belo Horizonte e Fortaleza, no ano de 1999.

8

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO Maria Sebastiana Gomes Mota¹ Francisca Elisa de Lima Pereira² Resumo: Este artigo tem como objetivo

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL P á g i n a 123 A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Fábio de Melo BANDEIRA (Esp./UEG) (fabiobandeira@ueg.br) Ludimilla Ribeiro de ALMEIDA (UEG/G) (lu_dimilla22@hotmail.com)

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

Processo de Pesquisa Científica

Processo de Pesquisa Científica Processo de Pesquisa Científica Planejamento Execução Divulgação Projeto de Pesquisa Relatório de Pesquisa Exposição Oral Plano de Pesquisa Pontos de referência Conhecimento Científico É a tentativa de

Leia mais

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 1 PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Área de conhecimento: Administração Eixo Temático: Outro RESUMO Nézio José da Silva 1 Lirane Elize Defante Ferreto de Almeida 2 O campo científico das

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA Nome: Dilma Célia Mallard Scaldaferri GT do Ensino de História e Educação Área temática: Teoria, historiografia e metodologia - Simpósio 37 O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA...

Leia mais

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO 28380 Antropologia Teológica A 1 34 28380 Antropologia Teológica A 1 34 A partir de conceitos teológicos, estimula o aluno a problematizar e analisar, criticamente, Equivalente Estuda a cultura humana,

Leia mais

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e GEOGRAFANDO BELÉM Isaias Gomes de Jesus Junior 1 Resumo O presente artigo vem apresentar a Tecnologia Educacional Geografando Belém. Esta Tecnologia Educacional, de princípio, foi desenvolvida para apresentar

Leia mais

REFLEXÃO EM PAULO FREIRE:UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

REFLEXÃO EM PAULO FREIRE:UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES REFLEXÃO EM PAULO FREIRE:UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Everson Melquiades Araújo Silva 1 Clarissa Martins de Araújo 2 RESUMO O objetivo desse estudo é recuperar nas obras de

Leia mais

APROVADO EM: I APRECIAÇÃO

APROVADO EM: I APRECIAÇÃO INTERESSADO(A): Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso SEDUC EMENTA : Projeto Reorganização da Trajetória Escolar para alunos com Distorção idade/ano escolar RELATOR(A) : Consª Carmen Lúcia de

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual A EDUCAÇÃO EMOCIONAL COMO UMA CONTRIBUIÇÃO A PSICOPEDAGOGIA: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL DE ESCOLAS PÚBLICAS. GT 13- Educação Fundamental Silvar Ferreira Ribeiro UNEB - Universidade

Leia mais

MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2006 (Mundo do Trabalho).

MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2006 (Mundo do Trabalho). REVISTA ELETRÔNICA ARMA DA CRÍTICA NÚMERO 4/ DEZEMBRO 2012 ISSN 1984-4735 RESENHA: A EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAPITAL MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2006

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO Mara Pereira da Silva IFPA- CRMB pereiracantora1@hotmail.com RESUMO A pesquisa foi realizada mediante análise

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

SUGESTÕES DE VÍDEOS PARA O DIA DO MEIO AMBIENTE

SUGESTÕES DE VÍDEOS PARA O DIA DO MEIO AMBIENTE SUGESTÕES DE VÍDEOS PARA O DIA DO MEIO AMBIENTE As questões do meio ambiente estão cada vez mais presentes no cotidiano dos alunos e é importante que os professores estejam preparados para falar sobre

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Como desenvolver um projeto de pesquisa. Profa. Ana Maria Ferreira Barcelos anamfb@ufv.br

Como desenvolver um projeto de pesquisa. Profa. Ana Maria Ferreira Barcelos anamfb@ufv.br Como desenvolver um projeto de pesquisa Profa. Ana Maria Ferreira Barcelos anamfb@ufv.br Pesquisa é curiosidade formalizada. É cutucar e indagar com um propósito. (Zora Neale Hurston) A ciência, como um

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL (E.A) NAS UNIVERSIDADES

EDUCAÇÃO AMBIENTAL (E.A) NAS UNIVERSIDADES EDUCAÇÃO AMBIENTAL (E.A) NAS UNIVERSIDADES A crise ambiental não é crise ecológica, mas crise da razão (Enrique Leff). CAPÍTULO 1 A IMPORTÂNCIA DA E.A. EDUCAÇÃO AMBIENTAL É PREVENÇÃO! CAPÍTULO 1 A IMPORTÂNCIA

Leia mais

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Ano III Número 08 OUT-DEZ ISSN: 2178-2008 A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Gustavo Javier Castro Silva 1 Para Pierre Bourdieu, a sociologia tem uma vocação para criticar todos

Leia mais

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania Prof. Manoel Martins de Santana Filho[1] Nosso objetivo e desejo face às mediações do trabalho docente A proposta e necessidade

Leia mais

DA TAREFA AO PRAZER DE ESTUDAR: A RELEVÂNCIA DA MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA

DA TAREFA AO PRAZER DE ESTUDAR: A RELEVÂNCIA DA MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA DA TAREFA AO PRAZER DE ESTUDAR: A RELEVÂNCIA DA MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA Introdução Elvenice Tatiana Zoia 1 Aparecida Favoreto 2 Danielly da Rosa 3 Os balanços realizados pelo sistema de avaliação da educação

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME.

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. Adriane Abrantes Lazarotti 1 Gisele Rogelin Prass ¹ Pedrinho Roman 2 RESUMO A educação está buscando soluções para problemas

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA O AMBIENTE MOTIVADOR E A UTILIZAÇÃO DE JOGOS COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Poliana Helena Batista Thomaz PUC-Campinas Maria Auxiliadora Bueno Andrade Megid PUC-Campinas Na pesquisa

Leia mais

Projeto PAI Pensamento Ação Inteligência

Projeto PAI Pensamento Ação Inteligência Projeto PAI Pensamento Ação Inteligência Da Educação Infantil ao Ensino Fundamental DESAFIOS: I. Desenvolver habilidades e competências que estão na base de toda aprendizagem, considerando três campos

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS Jorge Ferreira da Silva Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Viegas Ribas Pesquisador e Consultor Psicopedagógico

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fernando José de Almeida Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Casamento não significa felicidade automática e garantida. Isso só acontece

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Conhecimentos Gerais 01) A Política

Leia mais

Resolução nº 049, de 20 de agosto de 2013.

Resolução nº 049, de 20 de agosto de 2013. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM.

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. Maria Rafaela de Oliveira Graduanda FECLESC/UECE Géssica Cryslânia da Silva Graduanda FECLESC/UECE Janete Rodrigues de Lima

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

Caminhos para a aprendizagem

Caminhos para a aprendizagem Page 1 of 5 Home Comunicação pessoal Educação Tecnologias na Educação Educação a distância Identidade Caminhos para a aprendizagem inovadora José Manuel Moran Especialista em projetos inovadores na educação

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 07/04 Define o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelece diretrizes e normas para seu funcionamento.

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Denise Carrera A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto de que a ordem social não é natural e por isso pode ser transformada. A

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB Roseana Barbosa da Silva Graduada em Geografia, Universidade Estadual do Vale do Acaraú UVA/UNAVIDA E-mail: roseanabsilva@gmail.com.br

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR

RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DE LEITURA SIMULTÂNEA: FORMANDO COMPORTAMENTO LEITOR Cristina Marico Matsubara Prefeitura do Município de São Paulo cr.matsubara@gmail.com Emilio Celso de Oliveira Prefeitura

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 013/2014 REITORIA

CHAMADA PÚBLICA Nº 013/2014 REITORIA CHAMADA PÚBLICA Nº 013/2014 REITORIA INSCRIÇÃO PARA O PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA (PROMAC) DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ. O Presidente da Fundação Universidade Estadual do Ceará FUNECE mantenedora

Leia mais

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos Série Elementos Intel Educar Guia do Facilitador http://www.intel.com/educacao Copyright 2010 Intel Corporation. Página 1 de 19 Termos de Uso para o Guia do Facilitador da Série Elementos Intel Educar

Leia mais

SITUAÇÕES ENFRENTADAS PELOS PROFESSORES DE BIOLOGIA DA REDE ESTADUAL E PARTICULAR DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS.

SITUAÇÕES ENFRENTADAS PELOS PROFESSORES DE BIOLOGIA DA REDE ESTADUAL E PARTICULAR DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS. SITUAÇÕES ENFRENTADAS PELOS PROFESSORES DE BIOLOGIA DA REDE ESTADUAL E PARTICULAR DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS. Deize Evangelista Araujo 1,4, Eude de Sousa Campos 2,4 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues

Leia mais

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 RESUMO: Este trabalho tem como propósito apresentar e analisar o percurso histórico e cultural que a

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO ESTÉTICA DA COMUNICAÇÃO ALUNA: TAJLA MEDEIROS 09/49051 A ESTÉTICA DO CORPO. 1. O que é Estética?

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO ESTÉTICA DA COMUNICAÇÃO ALUNA: TAJLA MEDEIROS 09/49051 A ESTÉTICA DO CORPO. 1. O que é Estética? UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO ESTÉTICA DA COMUNICAÇÃO ALUNA: TAJLA MEDEIROS 09/49051 A ESTÉTICA DO CORPO 1. O que é Estética? Estética é o estudo da aesthesis, do universo do sentir.

Leia mais

A ESCOLA ITINERANTE DE INFORMÁTICA DA PREFEITURA DO RECIFE COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO DIGITAL LIMITES E POSSIBILIDADES

A ESCOLA ITINERANTE DE INFORMÁTICA DA PREFEITURA DO RECIFE COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO DIGITAL LIMITES E POSSIBILIDADES 1 A ESCOLA ITINERANTE DE INFORMÁTICA DA PREFEITURA DO RECIFE COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO DIGITAL LIMITES E POSSIBILIDADES Recife PE Maio 2009 Flávia Barbosa Ferreira de Santana Universidade Federal de

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO. NIVELAMENTO E MONITORIA DE CÁLCULO I (Primeira Edição)

PROJETO DE EXTENSÃO. NIVELAMENTO E MONITORIA DE CÁLCULO I (Primeira Edição) PROJETO DE ETENSÃO NIVELAMENTO E MONITORIA DE CÁLCULO I (Primeira Edição) Allan de Sousa Soares Edson Patrício Barreto de Almeida Vitória da Conquista, Bahia dezembro,. Nivelamento e Monitoria de Cálculo

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Áudio GUIA DO PROFESSOR. Idéias evolucionistas e evolução biológica

Áudio GUIA DO PROFESSOR. Idéias evolucionistas e evolução biológica Teoria sintética da evolução Parte II Conteúdos: Tempo: Objetivos: Idéias evolucionistas e evolução biológica Duração do áudio 5 minutos O objetivo deste programa é tratar das idéias neodarwinistas e mostrar

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profª Drª Sonia Maria Rodrigues INICIANDO NOSSA CONVERSA - Música Vagalume em Libras INCLUSÃO LEGAL Legislação que respalda a política de Educação Inclusiva (nacional e estadual) Leitura

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Universidade Estadual de Roraima Mestrado Acadêmico em Educação Teoria de Aprendizagem e Cognição

Universidade Estadual de Roraima Mestrado Acadêmico em Educação Teoria de Aprendizagem e Cognição Universidade Estadual de Roraima Mestrado Acadêmico em Educação Teoria de Aprendizagem e Cognição Fundamentos Metodológicos e Psicológicos do Ensino Problematizador Prof. Dr. Héctor José García Mendoza

Leia mais

Unidade I PRÁTICAS E PROJETOS DO. Profa. Ana Cláudia Barreiro Nagy

Unidade I PRÁTICAS E PROJETOS DO. Profa. Ana Cláudia Barreiro Nagy Unidade I PRÁTICAS E PROJETOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Profa. Ana Cláudia Barreiro Nagy Práticas e Projetos do Ensino Fundamental Contribuindo para o desenvolvimento de cidadãos autônomos, participativos

Leia mais

Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa. Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com.

Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa. Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com. Os fazeres do coordenador pedagógico: gico: da clareza conceitual à eficiência da açãoa Prof. Francisca Paris francisca@souagora.com.br Clareza conceitual e eficiência da ação Compreender a essência do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 7 ANO TURMAS A e B Prof. Alexandre Magno Guimarães Ementa:

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE 1 O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE Recife, maio/2010 Ana Paula Teixeira Bruno Silva Universidade Federal

Leia mais

Faculdade São Geraldo

Faculdade São Geraldo GABARITO 1º AD DATA DA PROVA: 22/04/2013 DISCIPLINAS QUESTÕES ALTERNATIVAS Espaço reservado para correção I Questões comuns II 3 A B C D Língua Portuguesa III Filosofia 8 A B C D IV História da Educação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à relação entre educação e sociedade, julgue os Com relação às concepções pedagógicas, julgue os próximos itens. itens a seguir. 60 A vivência grupal na forma

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1

INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 Marilena Bittar, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sheila Denize Guimarães, Universidade Federal de

Leia mais

O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES

O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES Título: O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES Área Temática: Educação e Ensino Fundamental Autora: ANELSI SALETTE BIANCHIM Instituição: Universidade

Leia mais

Ciência. O que é e o que faz a ciência. Quais são os tipos de pesquisa. Quais são os métodos de pesquisa. Como redigir trabalhos científicos

Ciência. O que é e o que faz a ciência. Quais são os tipos de pesquisa. Quais são os métodos de pesquisa. Como redigir trabalhos científicos Plano de Ensino Metodologia Científica O que é e o que faz a ciência Quais são os tipos de pesquisa Quais são os métodos de pesquisa Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Como redigir trabalhos científicos

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. UEPB E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br Aldeci Luiz de Oliveira Profa. Dra. PMCG E-mail:

Leia mais

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO Resumo FIALHO, Neusa Nogueira FACINTER neusa_nf@yahoo.com.br Área Temática: Educação: Teorias, Metodologias e Práticas. Não contou com financiamento A falta

Leia mais

Considerando esse documento, a política da educação deve alcançar dois objetivos. São eles:

Considerando esse documento, a política da educação deve alcançar dois objetivos. São eles: 8 PROVADECONHECIMENTOSPEDAGÓGICOS Cargos89a99 QUESTÃO 11 O relatório Delors considera que a educação é um bem coletivo que deve ser acessível a todos e não pode ser objeto de uma simples regulação do mercado.

Leia mais

FACULDADE NOVOS HORIZONTES

FACULDADE NOVOS HORIZONTES 1 FACULDADE NOVOS HORIZONTES ANÁLISE DE DESEMPENHO DE UM DOCENTE DA DISCIPLINA FINANÇAS INTERNACIONAIS, NUMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA DE BELO HORIZONTE. Wendel Alex Castro Silva Doutor em

Leia mais

A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD

A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD Neusa Teresinha Bohnen (UNITINS) 1. Considerações iniciais Aprender uma Língua Estrangeira (LE) assume um caráter mais importante em tempos

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

Matemática em Toda Parte II

Matemática em Toda Parte II Matemática em Toda Parte II Episódio: Matemática no Transporte Resumo O episódio Matemática no Transporte, da série Matemática em Toda Parte II, vai mostrar como alguns conceitos matemáticos estão presentes

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC INTRODUÇÃO AO CÁLCULO. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC INTRODUÇÃO AO CÁLCULO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

O ESSENCIAL DA DIDÁTICA E O TRABALHO DE PROFESSOR EM BUSCA DE NOVOS CAMINHOS

O ESSENCIAL DA DIDÁTICA E O TRABALHO DE PROFESSOR EM BUSCA DE NOVOS CAMINHOS 1 O ESSENCIAL DA DIDÁTICA E O TRABALHO DE PROFESSOR EM BUSCA DE NOVOS CAMINHOS José Carlos Libâneo Os alunos mais velhos comentam entre si: Gosto dessa professora porque ela tem didática. Os mais novos

Leia mais

III ENCONTRO PROGRAMA DE BOLSA AUXÍLIO RESULTADO QUESTIONÁRIO BOLSISTAS

III ENCONTRO PROGRAMA DE BOLSA AUXÍLIO RESULTADO QUESTIONÁRIO BOLSISTAS III ENCONTRO PROGRAMA DE BOLSA AUXÍLIO 1. Há quanto tempo você participa do Programa de bolsa-auxílio do Instituto Girassol? Até 1 ano 3 De 1 a 2 anos 8 De 2 a 3 anos 3 De 2 a 3 anos 21% Até 1 ano 22%

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO LOHLER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA PROJETO: JOGOS - A MANEIRA DIVERTIDA DE FICAR INTELIGENTE PROFESSORA ORIENTADORA:

Leia mais

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE METODOLOGIA PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS E ALFABETIZAÇÃO FORMAÇÃO DE DOCENTES

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de MECÂNICO DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de MECÂNICO DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO 0 FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Karinne Gonçalves de Lira Universidade Federal da Paraíba-UFPB Resumo A formação profissional do futuro educador se estende em um processo

Leia mais

Resumo ISSN: 2358-3533 1

Resumo ISSN: 2358-3533 1 Mesa redonda: Perspectivas epistemológicas na pesquisa de política educacional Dia 18/08/2014 Segunda-feira Horário: das 16:40 às 18:40 Título do trabalho: O pós-estruturalismo e a política educacional:

Leia mais