Poderia ser o melhor ano da história da Himex, ou o pior.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Poderia ser o melhor ano da história da Himex, ou o pior."

Transcrição

1 CAPÍTULO 1 KATMANDU P rimeiro, os alpinistas compraram garrafas de cerveja no saguão, depois, escalaram os cinco lances de escadas até o terraço do hotel, onde se viraram para o oeste, para observar o início do eclipse sobre Katmandu. Era o dia 29 de março de 2006, e, às cinco da tarde daquele dia, a Lua começou a cruzar a face do Sol, lançando os prédios nas sombras. O contorno maciço da cidade foi absorvido por sua silhueta, as encostas distantes das montanhas apagaram-se até se tornarem apenas uma sugestão. Foi a primeira vez que um eclipse assim foi visível do Nepal no início de uma expedição ao Everest. Como poderia não ser interpretado como um sinal? Na época, me perguntaram se era um bom ou mau presságio, escreveu Russell Brice, o líder de 53 anos da expedição, em um comunicado para a imprensa publicado naquele verão, após o fim da temporada, após a morte de David Sharp, após os dedos acusadores, as afirmações de culpa e a incredulidade, após ter levado o passaporte de Sharp para a Inglaterra, tê-lo entregue em mãos para os pais dele e narrar-lhes o que havia acontecido. Eu disse que era um bom sinal, mas, na época, meu coração sugeria que não seria assim. Meus instintos se confirmariam. 25

2 KATMANDU Os astrólogos há tempos sustentam que um eclipse solar prenuncia a derrubada de um governante ou de um rei, ou, no mínimo, anuncia a chegada de mudanças. Não que Brice fosse especialmente supersticioso ou inclinado a engolir as previsões malucas de pseudocientistas que estudam o alinhamento das estrelas. Mas as grandes montanhas são imprevisíveis e os seres humanos, ainda mais. A combinação dos dois fatores é a garantia de que alguma catástrofe estará sempre à espreita. Ao longo de sua vida de alpinista, esquiador, balonista, paraglider e paraquedista, Brice conheceu mais de uma dúzia de pessoas para quem a vida chegou ao fim prematuramente. Esses amigos e conhecidos explodiram em seus macacões de salto, mergulharam no esquecimento ou foram arrastados por muralhas de neve e gelo ou simplesmente se sentaram e não conseguiram mais levantar. Brice teve sorte. Não só caminhou pelo vale da morte, mas bagunçou suas encostas e bordas, andou por seus cumes e jamais perdeu sequer a ponta de um dedo congelada. Mais importante, em suas vigílias como guia e líder expedicionário, jamais perdeu um cliente ou outro guia, ou xerpa, que conste, ainda que tenha escapado por um triz. Brice era o fundador e proprietário da Himalayan Experience, mais conhecida simplesmente como Himex, uma das maiores e mais bem-sucedidas operadoras de expedições para o Everest. Ele vinha organizando expedições guiadas pela montanha desde 1994, apenas pela face norte, no Tibete. Ao longo dos anos, um imenso número de pessoas circulou pelo negócio de Brice, estabelecendo um pequeno feudo, objeto de inveja de muitas operadoras, uma fonte de inspiração e, algumas vezes, de exasperação. As acomodações durante uma expedição Himex, dentro e fora da montanha, eram as melhores disponíveis. Ele oferecia uma cozinha de primeira, os sofisticados dados meteorológicos eram muito organizados, contratava os xerpas mais fortes, recebia grupos animadíssimos. Em seus 12 anos frente à montanha, Brice colocou mais de 270 pessoas nos picos de 8 mil metros, mais do que qualquer outra operadora de expedições. Ele mesmo chegou ao cume duas vezes, em 1997 e 1998, mas agora orquestrava seu espetáculo empoleirado no colo norte, a 7 mil metros, de onde tinha uma vista desimpedida da crista nordeste, a parte 26

3 MONTANHA SOMBRIA mais perigosa da rota. Monitorava o avanço de seus alpinistas como o capitão de um navio na ponte, acompanhando-os por um telescópio, espiando do vestíbulo de sua barraca, em comunicação permanente por rádio bidirecional ou, na falta deste, por telefone via satélite. Suas expedições, declaradamente, nada tinham de democráticas: se acreditasse que um cliente não iria conseguir, prontamente fazia-o dar meia-volta. Se ignorado, Brice insistia dizendo que mandaria os xerpas recolhê-lo, para mais tarde conversarem no tribunal. Brice não era muito imponente, beirava os 59 anos e pesava cerca de 75 quilos, mas podia ser intimidador. O peito era largo e atarracado, forte o bastante para ultrapassar xerpas com metade da sua idade, carregando uma carga de 20 quilos. Nenhum ocidental estava mais em casa no Everest do que ele, com o comportamento de um experiente general do exército, mesmo ao assumir a personalidade de um jovem guia da montanha. No Everest, seu uniforme típico consistia em uma camisa de rúgbi sob uma parca forrada, uma máscara de esqui de tricô puxada até embaixo, óculos escuros de elástico em torno da testa. Ainda que mantivesse um jeito travesso e um senso de humor irônico, não havia como se enganar em relação à sua experiência e autoridade. O temperamento de Brice podia ser volátil e intenso, mas era assim também com sua sociabilidade. Poucos alpinistas escapavam de uma visita ao acampamento da Himex sem dividir uma cerveja ou uma dose de uísque, ou as duas coisas. Era respeitado por praticamente todos os outros guias do Everest, até mesmo os que não simpatizavam especialmente com ele. Os xerpas simplesmente o admiravam com absoluta adoração. Ban Dai, chamavam-no: Big Boss. Seus anos no Himalaia com certeza foram compensadores, mas isso não quer dizer que também não foram bastante árduos. O ar seco e o clima severo marcaram sua pele e pratearam seus cabelos. Os dentes ficaram manchados pelas incontáveis xícaras de café e chá. Havia carregado tantos fardos esmagadores entre os acampamentos, que as cartilagens dos joelhos praticamente não existiam mais. Em 2006, começou a considerar vender o negócio e partir para outra atividade. Mas o que havia pela frente? Ele não sabia. Brice havia se casado uns dois anos antes, mas não tinha filhos. Era muito jovem para se aposentar, mas ve- 27

4 KATMANDU lho demais para ainda apreciar verdadeiramente o penoso trabalho das escaladas em altitudes extremas ou as repetitivas controvérsias que muitas vezes as acompanhavam. Ele não tinha certeza sobre o que fazer na próxima estação. Concordara em participar de um documentário que estava sendo produzido pelo Discovery Channel, uma série em seis capítulos, em que ele aparecia em destaque. A equipe planejou seguir uma expedição da Himex por todo o trajeto até o topo, repleta de cinegrafistas de altitude e xerpas equipados com câmeras montadas nos capacetes. Foi um dos mais ambiciosos documentários sobre a montanha já visto, e as coisas já se encaminhavam para que fosse um ano altamente promissor ao menos para o público da TV. A lista de clientes de Brice incluía, entre outros, um homem com dupla amputação, um asmático que queria chegar ao topo sem usar oxigênio suplementar e um motociclista de 100 quilos da Califórnia, cujas costas, joelho e tornozelo estavam fixados com parafusos de metal. Poderia ser o melhor ano da história da Himex, ou o pior. No dia seguinte ao eclipse do Sol, os membros da equipe a maioria deles, pelo menos reuniram-se no pátio coberto por buganvílias do Hotel Tibet, um dia antes da partida para o Everest. Era a primeira vez que o grupo se reunia e, apesar de já estarem intimamente familiarizados com o itinerário, Brice apresentou cada um deles e repassou a programação para a semana seguinte. No dia 1º de abril, iriam de avião de Katmandu para Lhasa, onde encontrariam um oficial de contato e um motorista da Chinese Tibetan Mountaineering Association (CTMA), que os acompanhariam nos próximos cinco dias de subida até o acampamento base. O próprio Brice seguiria por terra, acompanhando um comboio de caminhões carregados de suprimentos para a expedição ao longo da Friendship Highway (estrada da Amizade). A viagem por terra era mais barata, mas enviar os clientes via Lhasa garantia-lhes uma aclimatação mais gradual e, normalmente, acomodações e refeições de boa qualidade, com uma dose de turismo, como medida extra. Em geral, a viagem de Lhasa era mais cara, mas oferecia uma 28

5 MONTANHA SOMBRIA melhor preparação para os dois meses seguintes, em que enfrentariam desconforto e privações crescentes. A Himex inscrevera dez clientes, de todos os pontos do globo. Dois deles estavam retornando após tentativas frustradas no ano anterior, sendo que um deles era o alpinista asmático Mogens Jensen, um atleta dinamarquês de provas de resistência, alto e bronzeado, de 33 anos. Ele estava deixando para trás a carreira de triatleta profissional e engajando-se no alpinismo de altitudes extremas. Contava com um generoso patrocínio do laboratório farmacêutico GlaxoSmithKline, que apostava na ideia de que alguém usando seu medicamento Seretide e escalando o Everest com a logo da GSK à mostra seria uma boa divulgação sobre os benefícios do produto. Jensen era relativamente novo no alpinismo, mas já enfrentara uma estreia difícil no Everest em 2005: ele correra e pedalara por mais de quilômetros, de sua casa na Dinamarca até o acampamento base no Tibete, antes do embate com a montanha. Foi um esforço nobre, especialmente ao se considerar que ele abriu mão do cilindro de oxigênio. Ao final, no entanto, Jensen foi impedido de chegar ao topo aos metros, pois foi obrigado a dar meia-volta quando os dedos de seus pés congelaram. O outro cliente que retornava era Brett Merrell, um capitão do corpo de bombeiros de Los Angeles, de 46 anos. Merrell era um robusto californiano do sul, com um forte senso de devoção fraterna. Vinha de uma grande família e os vínculos emocionais que estabelecera em casa lançaram as bases para a lealdade que dedicava aos colegas do corpo de bombeiros. Merrell fora profundamente afetado pelos ataques terroristas em Nova York e Washington, D.C., de 2001, e enfatizou que sua escalada era dedicada aos homens e mulheres que sacrificaram suas vidas em 11 de setembro de Merrell era articulado, patriota, sensível e natural diante das câmeras. A equipe do documentário já contava com ele para ser um dos astros. Ninguém na expedição, no entanto, chamara mais atenção da mídia na fase pré-escalada do que o neozelandês Mark Inglis. Inglis era um alpinista experiente, que já trabalhara com busca e salvamento e que, em novembro de 1982, fora apanhado por uma tempestade próximo ao cume de metros do monte Cook, o ponto mais alto de seu 29

6 KATMANDU país. Inglis e seu parceiro de escalada, Phil Doole, enfiaram-se em uma gruta de gelo pouco maior do que uma geladeira, apelidando o abrigo de Hotel Middle Peak, devido à proximidade com o pico central da montanha. A provação durou 13 dias, enquanto a tempestade castigava a região e impedia o socorro. Eles conseguiram que seus escassos suprimentos de comida meio pacote de biscoitos, uma lata de pêssegos, uma única barra de chocolate e duas caixas de suco durassem seis dias, usando o calor do corpo para derreter a água. Uma rápida trégua do mau tempo, no sétimo dia, permitiu que o resgate, em contato com eles via rádio, enviasse suprimentos extras, lançando-os de um avião. Mas, quando o grupo de resgate finalmente chegou, os alpinistas sofriam de hipotermia, estavam emaciados e o congelamento fora tão profundo que Inglis e Doole acabaram com as duas pernas amputadas logo abaixo dos joelhos. Anos depois disso Inglis ainda sofria de dores frequentes, mas seu ímpeto não reduzia. Foi em frente e se formou em bioquímica, enquanto realizava pesquisas de câncer na Christchurch School of Medicine. Em 1992, enveredou por uma mudança radical em sua carreira, para logo aparecer como um dos melhores vinicultores da Nova Zelândia. Parecia até que sua deficiência tornara-se a fonte de sua motivação. Inglis pretendia incendiar o mundo do alto de sua prótese dupla. Em 2000, ganhou uma medalha de prata em ciclismo de trilha, nos Jogos Paraolímpicos de Sydney. Dois anos depois, com membros especiais que permitiam o uso de grampões, novamente chegou ao topo do monte Cook. Ao alcançar o cume, em 7 de janeiro, irrompeu em lágrimas. Em sua tentativa no Everest, Inglis ia acompanhado de Wayne Alexander, um engenheiro de 44 anos da cidade de Christchurch, na Nova Zelândia, a quem todos chamavam de Cowboy. Foi Cowboy quem fabricou as pernas usadas por Inglis na subida do Cook em 2002, e agora preparara um par ainda mais elegante, esculpido em fibra de carbono, especificamente para o Everest. A experiência de Cowboy com o alpinismo era limitada ele subira ao topo de apenas dois picos na Nova Zelândia, o Cook e o monte Aspiring, de metros, mas Inglis e um alpinista neozelandês haviam atestado sua competência. Cowboy sabia que esse seria o desafio mais importante da vida de Inglis. Se Inglis 30

7 MONTANHA SOMBRIA conseguisse, seria o primeiro homem com dupla amputação a pisar no topo do Everest. Cowboy trataria de garantir que o amigo não fracassaria devido ao equipamento. Brice continuou com a chamada dos clientes: Max Chaya, 44 anos, varejista de artigos esportivos do Líbano, pretendia completar os sete cumes e, em sua viagem, ser o primeiro libanês a chegar ao topo do Everest. Bob Killip era um executivo de 52 anos, de New South Wales, em sua segunda tentativa na montanha. Três membros da equipe ainda não tinham se apresentado. Kurt Hefti, um guarda-florestal, e Marcel Bach, corretor de imóveis, ambos da Suíça, e Gerard Bourrat, um vendedor de computadores aposentado de 62 anos de Cannes, na França. Quando Bourrat iniciou o treinamento físico preparatório para a escalada, pouco antes da expedição, seu médico descobriu um tumor maligno em seu rim. Em vez de se preparar para o Everest, Bourrat preparou-se para a cirurgia. O cirurgião removeu o rim doente pela frente, pelo abdômen de Bourrat, de forma que carregar uma mochila não agravasse o corte cirúrgico. O procedimento foi tão bem que o médico logo deu o sinal verde para que Bourrat partisse para a escalada. Ele precisaria de duas semanas para se recuperar da operação, mas então estaria pronto para entrar no primeiro avião para o Nepal e se juntar à expedição assim que possível. Brice chegou ao último cliente no salão, Tim Medvetz, um ex- -segurança de bar que trabalhava na personalização de motos Harley- -Davidson, em Los Angeles, para celebridades como Mel Gibson e o lutador profissional Hulk Hogan. Quando Brice o apresentou, alguns dos alpinistas da Himex acharam estranho, pois não se lembravam de ver o nome de Medvetz em nenhuma das trocas de s antes da expedição. Medvetz fora uma inscrição tardia bastante tardia. Na verdade, ele tinha pago a taxa para a expedição, de uma vez e em dinheiro, naquele dia. Tudo nele parecia incomum. E o mais impressionante, ele tinha 1,90 metro e pesava 100 quilos, muito maior do que a média dos montanhistas. Usava cavanhaque e tinha cabelos lisos pretos até o 31

8 KATMANDU ombro. A pele era muito bronzeada, quase marrom, e os olhos eram tão verdes que pareciam esmeraldas espetadas no crânio. Vestia calças camufladas, tênis Converse de cano alto e uma camiseta preta por cima de um top térmico branco, de manga comprida. Tinha uma bandana amarrada na cabeça, como uma touca, para tirar o longo cabelo do rosto. A gente meio que olhou um para a cara do outro, Brett Merrell se lembrou, e foi algo como, quem é essa figura?. Medvetz não se importava com o que os outros pensavam; merecia estar ali tanto quanto qualquer um. A não ser por Inglis, ninguém mais naquela reunião tinha enfrentado o mesmo que ele para chegar até ali, uma odisseia que começara cinco anos antes, em 10 de setembro de Medvetz ia a toda a velocidade por uma autoestrada perto de Los Angeles, ao encontro de um amigo, com quem ia jantar. Era uma tarde gloriosa no sul da Califórnia e sua moto vinha roncando, do jeito que ele gostava 110, 130, encostando nos 140 quilômetros por hora. Certamente, ele não esperava que a picape que vinha na sua frente, conduzida por uma senhora grisalha, subitamente desse meia-volta no meio da pista. Medvetz acertou a lateral da caminhonete como um torpedo. O impacto foi tão forte que arrancou a roda traseira do veículo do eixo. Ele se espatifou na pista, a moto girando até parar a uns 20 metros mais à frente. Medvetz olhou para a moto destruída, caída de lado. Alguma coisa estava errada. Preciso tirar minha moto da estrada antes que alguém passe por cima dela, pensou. Mas, quando tentou se levantar, viu que não sentia nada abaixo da cintura. Pegou o celular no bolso do colete e ligou para um amigo. Ei, cara, disse, é melhor você vir até aqui. Na manhã seguinte, quando despertou da cirurgia, Medvetz estava entubado, conectado a um respirador. Completamente grogue, mas suficientemente acordado para olhar em direção aos pés. Seu pé esquerdo fora praticamente arrancado no acidente e tudo o que conseguia lembrar era do médico lhe dizendo não ter certeza se conseguiria salvá-lo. Medvetz implorara para ele antes de ser levado para o centro cirúrgico: salvem meu pé, do jeito que for. E ali estava ele, todo enfaixado, os dedos machucados e vermelhos, com as pontas saindo pela extremidade do gesso. Um grupo de médicos e enfermeiras estava com ele no 32

9 MONTANHA SOMBRIA quarto, mas todos prestavam atenção na TV presa à parede. Medvetz acompanhou o olhar deles para a tela. Em meio ao torpor dos medicamentos, ele mal reconheceu as torres gêmeas, com a fumaça saindo aos borbotões do lado de cada um dos prédios. Enquanto olhava, para seu espanto, uma das torres desabou em uma enorme coluna de cinzas. Ele queria falar, mas não conseguiu. Estaria sonhando? Não, não. Estava consciente, disso tinha certeza. Alguma coisa horrível estava acontecendo mais tarde ele saberia dos amigos e conhecidos mortos naquele dia, mas, naquele momento, tudo o que conseguia pensar era: Meu Deus, gente, desliguem essa merda. Não dá para ver que tenho meus próprios problemas aqui? No ano seguinte, Medvetz percorreu arduamente o longo caminho da recuperação. Seria submetido a meia dúzia de operações, e, quando os médicos terminaram, ele tinha uma placa de metal na cabeça, uma gaiola de titânio em torno da região inferior da espinha, meia dúzia de parafusos no joelho e grampos fixando seu tornozelo, praticamente imobilizando seu pé em um ângulo de 90 graus. A segurança dos aeroportos passaria a ser um problema pelo resto da minha vida, disse mais tarde. Mas o mesmo valia para a dor. Naquele primeiro ano, Medvetz enfrentou crises de desespero, ansiando pela normalidade, medicando- -se com Vicodin, chegando a ingerir vinte comprimidos em um dia, engolindo-os com Jack Daniel s. Então, certa tarde, sentado sombriamente em seu apartamento, pensando no que ia ser dele no futuro, avistou um exemplar de No ar rarefeito na prateleira, que uma ex-namorada lhe dera. Raramente lia livros, simplesmente não se interessava por eles, mas havia devorado esse, sonhando que um dia ele mesmo escalaria o Himalaia. A fantasia se desfizera anos antes, mas agora voltava com toda a intensidade, as engrenagens se ajustando em seus lugares certos. Então seria assim, uma reabilitação radical. Ele iria escalar o monte Everest. Em março de 2006, Medvetz estava prestes a transformar sua grande ideia em uma realidade ainda maior. Ele reservara seu lugar em uma expedição ao Everest, com uma operadora de Ashford, em Washington, chamada International Mountain Guides, que realizaria uma subida 33

10 KATMANDU pela rota do colo sul, no Nepal. Ele já fizera o depósito de 6 mil dólares, mas agora, os 30 mil restantes haviam vencido. Medvetz procurara diversos patrocinadores, vendera a moto e raspara todas as suas reservas, mas ainda faltavam 15 mil. Eric Simonson, o proprietário da IMG, e um guia veterano de Eric prorrogaram o prazo de pagamento ao máximo. Medvetz já tinha alguém apalavrado para comprar seu caminhão e teria o resto do dinheiro em duas semanas, no máximo, garantiu a Simonson, mas as autorizações tinham que ser pagas no dia seguinte. O tempo se esgotara, Medvetz estava fora da expedição. Talvez os deuses da montanha estejam lhe dizendo alguma coisa, Simonson dissera-lhe, educadamente, pelo telefone. Foda-se, Medvetz pensou. Não estava aborrecido com Simonson; o cara fizera tudo o que estivera ao seu alcance. Mas Medvetz já tinha a passagem de avião (um passe que um amigo lhe conseguira) e o equipamento, e logo teria o dinheiro necessário para cobrir os custos da expedição. Azar, ele simplesmente se apresentaria no acampamento base, se era só isso o que faltava. O dinheiro é um forte instrumento de persuasão. Se a IMG não o incluíra, certamente encontraria alguma outra pessoa. No final de março, voou para Paris, onde se enfurnou por dois dias, esperando o próximo voo. Foi ali que se lembrou de Russell Brice. Haviam se encontrado uns dois anos antes, em um bar em Katmandu, e Brice havia lhe dado vários conselhos preciosos, incluindo a sugestão de que Medvetz considerasse subir com uma operadora da face sul, pois aquele trajeto favoreceria a perna machucada. Medvetz não só ficara impressionado pela generosidade dos conselhos gratuitos, mas admirou-se com o número de esboços que Brice desenhara enquanto falava. Você não deveria estar se preparando para a subida? Medvetz perguntou no final da conversa. Isso é preparação Brice respondeu. Em Paris, Medvetz foi atrás do de Brice e enviou-lhe uma mensagem, explicando a situação. Brice já estava em Katmandu, mas respondeu quase que imediatamente. Não tinha certeza se poderia ajudar, mas disse para Medvetz ligar para ele assim que chegasse ao Nepal. 34

11 MONTANHA SOMBRIA Até mesmo isso seria difícil. Quando Medvetz chegou a Mumbai, foi imediatamente deportado seu itinerário obrigava-o a entrar no país, mas ele não tinha um visto para a Índia. As autoridades o colocaram no primeiro voo de volta para Paris. Quando pousou no Charles de Gaulle, praticamente já havia desistido. Talvez os deuses da montanha estivessem mesmo querendo lhe dizer alguma coisa, mas, novamente, eles precisavam ver quanto de fato ele desejava aquilo. Medvetz estava de volta em um avião três dias depois, em uma rota redirecionada, direto para Katmandu. Ligou para Brice assim que chegou à cidade. A equipe ia se reunir no dia seguinte, Brice informou, e partiria para o Tibete um dia depois. Medvetz teria que transferir os fundos diretamente para a conta da Himex, uma tarefa que se mostraria mais um obstáculo no caminho. Medvetz não tinha como realizar a transferência fora de seu país, assim, no dia 30 de março, foi até o Standard Chartered Bank, em Katmandu, e pediu para falar com a gerente. Disse a ela que precisava sacar 40 mil dólares. Ela assentiu lentamente. Sim, o banco poderia ajudá-lo. Em uma hora, um funcionário do banco trouxe o dinheiro em um carrinho, 2,8 milhões de rupias nepalesas, amarradas em grandes maços, que imediatamente foram colocados em sua mochila. Enfiaram e socaram o dinheiro, as laterais da mochila inchando. Medvetz quase não conseguiu fechar a bolsa quando terminaram. A mochila estava vazia quando ele chegou e agora estava mais alta que sua cabeça. Jogou a mochila nas costas e saiu caminhando orgulhosamente do banco, seguindo para o Hotel Tibet. Brice estava no saguão quando Medvetz chegou. Trouxe algo para você Medvetz disse, e largou a mochila no chão, aos pés de Brice. Brice abriu os fechos e olhou o conteúdo. Está tudo aí assegurou. Brice riu e estendeu-lhe a mão. Bem-vindo ao time disse. O que não falta no Everest é gente eclética, excêntrica e pretensiosa, mas mesmo Brice tinha que concordar, diante do grupo então reunido, 35

12 KATMANDU que ele tinha atraído uma turma especialmente pitoresca naquele ano. Mas se tinha alguém que desenvolvera um sistema à prova de falhas, esse era Brice. Organizava expedições ao Everest havia 12 anos, e já depurara o processo ao máximo. Cada cliente era acompanhado individualmente por um xerpa, e cada grupo de ataque ao cume contava com guias ocidentais abrindo e fechando a expedição. Todos carregavam um rádio e os guias e xerpas líderes tinham telefones via satélite, como reserva. No dia da subida ao cume, Brice diligentemente acompanhava o time de seu posto no colo norte, marcando o passo de seus clientes e o suprimento de oxigênio, à medida que subiam e desciam pela crista. E não hesitava em botar alguém no caminho de volta se percebesse que sua escalada estava ameaçada. Em 2006, Brice cobrava 40 mil dólares por uma viagem com tudo incluído ao Everest, o único tipo de expedição que ele organizava. Como a Himex operava apenas na face norte, Brice podia aproveitar o menor preço das autorizações e repassar isso para os clientes. Percorrer a burocracia chinesa jamais fora uma tarefa simples, mas, ao longo dos anos, ele desenvolvera uma abordagem civilizada, para não dizer amistosa, com a CTMA. A preservação desse relacionamento era um dos motivos pelos quais ele se aborrecia tanto com as operadoras de baixo custo e suas expedições particulares mal planejadas, que vinham aparecendo na face norte em número crescente. Pouco se importavam com a problemática tendência a deixar corpos para trás, e também costumavam inventar atalhos e se esconder dos oficiais da CTMA, que controlavam o acesso à montanha e monitoravam o acampamento base durante a temporada de escaladas. As operadoras concorrentes às vezes reclamavam que Brice era um megalomaníaco tentando estabelecer um monopólio na face norte, controlando as cordas fixas, intimidando os menores que ameaçavam o seu negócio. Brice, como era de se esperar, alegava que simplesmente tentava estabelecer protocolos de segurança e promover uma cooperação razoável entre todos os que compartilhavam a rota. Incomodava-se especialmente com a falsidade de algumas expedições, e ficava indignado com aqueles que criticavam seus procedimentos enquanto se aproveita- 36

13 MONTANHA SOMBRIA vam de sua generosidade, do equipamento e dos homens pelos quais pagava para marcar a rota a cada ano. Os serviços médicos que ele fornecia para aqueles que subiam sem médicos ou suprimentos adequados de primeiros socorros, e, que droga, até mesmo as cervejas que ele liberava gratuitamente no acampamento base. Brice havia feito muito, provavelmente mais do que qualquer outra pessoa, para comercializar a face norte e, com essa compreensão, deu-se conta de que não era totalmente isento de responsabilidade pelos problemas que persistiam por lá. Mas erguera seu império com muita seriedade, completamente focado nas questões de segurança e no sucesso da escalada, não em benefícios fiscais. Seu negócio propiciava-lhe uma vida decente, sem dúvida, mas ele mostrava os dentes para aqueles que se aproximavam com um compromisso abaixo de seus padrões. Todos participavam de um jogo perigoso e, se fosse para continuar nele, não poderiam continuar a perder montanhistas. Os que se inscreviam em uma expedição Himex normalmente compreendiam que a experiência e os recursos de Brice não tinham rivais na face norte, e eles desejavam, ou precisavam, de uma pequena ajuda extra se pretendiam de fato chegar ao topo. Em termos históricos, a Himex oferecia aos seus clientes 42% de chance de sucesso e 100% de chance de sobrevivência, números muito atraentes tratando-se do Everest. Brice não dava desculpas pelas amenidades que dava duro para oferecer ao longo do caminho. Afinal de contas, as expedições do Everest tinham uma longa história de abundante patrocínio. No balanço de Brice, os luxos materiais não se destinavam ao paparico de uma clientela mimada. A subida acarretava dois meses árduos, durante os quais a pessoa era submetida a um processo contínuo de desgaste físico, enquanto palmilhava o caminho montanha acima muito lentamente. A questão toda se resumia em, ao chegar próximo ao topo, o alpinista poder contar com energia suficiente para a última arremetida pela zona da morte e conseguir voltar, antes que se esgotasse o oxigênio e sua capacidade de caminhar por conta própria. Os verdadeiros problemas não são os mais óbvios, o oxigênio, esse tipo de coisa, dizia Brice. São as coisas menos óbvias que deixam essas pessoas tão fracas. Elas não se alimentam direito porque não se 37

14 KATMANDU inscreveram em uma expedição com um orçamento que permitisse uma alimentação adequada. Estão sempre com frio. Não têm apoio algum, nada de xerpas ou de guias. É esse tipo de coisa que mata esse pessoal. A situação está fora de controle. Ninguém mostrou a Brice como escalar o Everest, ele descobriu sozinho em um longo processo de tentativa e erro. Brice nasceu em Christchurch, na ilha Sul da Nova Zelândia. Em 1954, com um ano e meio, sua mãe morreu de pneumonia e ele foi morar com os avós, em uma fazenda fora da cidade. Só voltou a ver seu pai e sua irmã aos 7 anos, quando então já haviam se tornado estranhos para ele. A educação de Brice durante a infância pode não ter sido ortodoxa, mas foi idílica e enriquecedora. O jovem Russ passeava em um arado puxado por um cavalo, sentado no colo do avô. Ele acompanhava todas as tarefas da fazenda. Ia a cavalo para a escola. O ir e vir da vida rural incutiu-lhe autodisciplina, foco e o valor intrínseco de um dia de trabalho duro. Na adolescência, aborrecia-se com os livros, mas era rápido com a educação prática. Foi escoteiro por alguns anos, quando vivenciou as aventuras ao ar livre pela primeira vez: canoagem, acampamentos e caminhadas pela ilha Sul. No ensino médio, entrou para o Venturer Scouts, uma organização sem fins lucrativos cuja finalidade era transmitir para as crianças habilidades vocacionais e de vida através de atividades nas montanhas. Nesse grupo, Brice conheceu o alpinismo, mas com a escassa população da região em que morava, faltava um adulto para liderá-los e eles só podiam contar com um pequeno núcleo de membros do clube. A instrução era ocasional e feita de improviso. Guias experientes e cursos formais eram difíceis de aparecer, assim, os escoteiros tinham que ir aprendendo na prática, uma escola de experiências reais ao ar livre, com Brice na direção. Quando não estava percorrendo as montanhas com os amigos, tentando se matar, Brice arrumava trabalho na construção civil. Aprendeu a virar concreto e fixar o aço, a lidar com um motor a diesel e a operar equipamento pesado, como guindastes, escavadeiras e tratores. Houve 38

15 MONTANHA SOMBRIA um verão em que ele e alguns colegas foram contratados para construir uma ponte no meio da mata. Praticamente todas as semanas, após o jantar, em seu pequeno acampamento, eles saíam pela trilha de terra com rifles e matavam um veado, para terem carne nos dias seguintes. Ao final da adolescência, Brice já tinha acumulado bastante experiência e milhagem nas montanhas para começar a oferecer cursos na sucursal local do New Zealand Alpine Club (NZAC). Os programas formais de montanhismo ainda engatinhavam, o NZAC de vez em quando trazia um guia da Europa para dar aulas, mas instrutores de qualidade eram difíceis de ser encontrados. Um dos instrutores regulares era Paddy Freaney, um sociável irlandês de 42 anos, ex-oficial do Serviço Aéreo Especial britânico (SAS), que tinha um restaurante em Christchurch. Brice inscreveu-se em um dos cursos de montanhismo de Freaney, em Arthur s Pass, onde o irlandês instalara seu Centro de Treinamento ao Ar Livre. Brice era um aluno brilhante e motivado, e ele e Freaney tornaram-se bons amigos. Brice até mesmo parecia uma versão mais jovem de Freaney, com os cabelos desgrenhados, queixo quadrado e nariz petulante. Não fosse pelo sotaque, os dois passariam por irmãos. Quando Freaney partiu para treinar tropas do SAS na Antártica por vários meses, Brice assumiu o centro e os cursos. Trabalhando em acampamentos, Brice e mais um ou dois instrutores iam para as montanhas com grupos de meia dúzia de alunos. Praticavam o bouldering, a escalada sem equipamentos, num dia e acampavam sob uma rocha, no outro. Nas escaladas longas na neve e no gelo, Brice organizava os alunos em duplas e ia orientando-os, sem usar cordas, verificando as amarrações e sinalizando questões técnicas. Pelos padrões atuais, os cursos causariam úlceras nos advogados, mas criaram em Brice o tipo de autoconfiança que seria inestimável nos anos seguintes. Brice começou a ganhar dinheiro como instrutor muito cedo, mas era óbvio que precisaria de uma vocação mais confiável e consistente se quisesse se emancipar. Ao terminar o ensino médio, obteve a licença de eletricista, tendo aulas em um curso noturno e trabalhando como aprendiz com profissionais que ele conhecia nas construções. O trabalho como eletricista preenchia a baixa temporada entre o verão e 39

16 KATMANDU o inverno, quando podia se virar trabalhando como guia e instrutor. Conseguiu um emprego de gerente em uma estação de esqui no inverno, e começou a aprender a esquiar sozinho. No final da temporada, arrumou um emprego de técnico em um teatro comunitário de Christchurch, ajudando na iluminação do palco. Era um trabalho único e criativo divertido, pelo menos por algum tempo. Mas meter-se pelos forros e telhados, puxando e conectando a fiação, dificilmente se equiparava à liberdade e à felicidade que sentia nas montanhas. Por fim, Brice percebeu que suas perspectivas sempre seriam limitadas na Nova Zelândia. Não desprezava sua terra natal, era um lugar de extrema beleza, onde aprendera muito. Mas viver em uma ilha tinha seus problemas, e, entre eles, o desejo incessante de partir que dominava os jovens. Brice precisava ver o que mais havia por aí; assim, em 1974, aos 22 anos, ele e mais dois amigos compraram passagens abertas de 365 dias e levantaram acampamento para ir conhecer o mundo. Patagônia, Yosemite, Alasca, os Alpes: tantas montanhas para se divertir, tão pouco tempo. Rumo à América do Sul e aos picos de 6 mil metros dos Andes Yerupaja, Siula Grande, depois, subir para a América do Norte e as paredes de granito da Califórnia. E então para a Europa, onde um dos três conheceu uma moça e se apaixonou, ficando para trás, enquanto Brice e o outro seguiam para a Ásia. No Nepal, conheceram o mais famoso neozelandês de todos, sir Edmund Hillary, que já não escalava tanto agora, mas oferecia mais ajuda através de sua organização sem fins lucrativos, a Himalayan Trust. Brice havia escrito a Hillary antes da viagem, informando-o de sua chegada e perguntando se ele poderia ajudá-los de algum jeito. Apresentou suas credenciais de aventureiro, que esperava serem de alguma utilidade, como de fato foram. Em Phaplu, ajudaram sir Ed a construir um hospital, um dos mais importantes projetos comunitários já realizados na região, mas que seria marcado pela tragédia, quando, em 1975, a esposa de Hillary e sua filha caçula, Louise Mary Rose e Belinda, morreram em um acidente de avião a caminho do vilarejo, vindo de Katmandu. Mais tarde, Brice seguiu a pé, aprofundando-se em Khumbu, 40

17 MONTANHA SOMBRIA a famosa região de trekking do Nepal e a via de acesso para o Everest, onde ajudou a construir um sistema de água para a Hillary School, em Khumjung, não muito longe do gigante branco de Ama Dablam. Ainda que o altruísmo de Hillary jamais tenha ofuscado sua histórica escalada de 1953, a opinião dele sobre o povo xerpa não é nenhum segredo: sem eles, afirmou várias vezes, não haveria qualquer expedição ao Everest. A atitude de Hillary causou uma impressão profunda e duradoura em Brice. De volta para casa, via Tailândia e Austrália, e, finalmente, Nova Zelândia, Brice e seu amigo chegaram ao aeroporto de Christchurch exatos 365 dias depois de terem partido, exaustos, felizes e completamente duros. Sequer tinham os trocados necessários para pagar o ônibus até a cidade, assim, muito adequadamente, ajeitaram as mochilas nas costas e foram a pé pelos derradeiros 8 quilômetros da viagem, até a casa do pai de Brice. Muitas das experiências ressoariam ainda por muito tempo depois da viagem, mas nenhuma delas como a temporada no Nepal. Não era pelo fato de o Himalaia ser o teto do mundo, havia motivos mais práticos para considerar um retorno. Enquanto o auge da maioria das temporadas de escalada em torno do globo ocorria durante o verão e o inverno, a alta temporada no Himalaia era na primavera e no outono, entre as monções de verão e a neve do inverno. Para um jovem alpinista encarando seu futuro como guia profissional e operador de expedições, ali estava o lugar onde as estações se conectavam e onde era possível manter um negócio ativo o ano inteiro. Brice fez sua primeira viagem ao monte Everest em 1981, aos 29 anos, não como guia ou o Big Boss, mas como o membro mais jovem de uma dupla de neozelandeses com uma meta ambiciosa: chegar ao topo pela ameaçadora crista oeste, sem oxigênio. Seu parceiro era Paddy Freaney. No final dos anos 1970, a dupla se destacara na Nova Zelândia como dois dos mais fortes alpinistas do país. Entre dezembro e fevereiro, verão no hemisfério sul, de , escalaram todos os 31 picos de 3 mil metros da Nova Zelândia em uma única estação, um feito inédito 41

18 KATMANDU na história do alpinismo neozelandês. O projeto de colecionar picos exigiu que alinhassem múltiplas subidas e travessias, em rotas perigosamente técnicas e, por várias vezes, viram-se em meio a tempestades protegidos por barracas de montanha mofadas, tentando fazer com que provisões para poucos dias durassem duas semanas ou mais. Algumas vezes, simplesmente não comíamos, disse Freaney ao Press, o jornal de Christchurch, ao final da temporada. Suas explorações na Nova Zelândia trouxeram-lhes fama local, mas o sucesso na crista oeste colocaria seus nomes entre a elite do montanhismo para sempre, tamanha era a ousadia de sua meta. A crista oeste foi inicialmente escalada, em 1963, por dois americanos, Tom Hornbein e Willi Unsoeld, um feito que ainda é considerado uma das grandes conquistas nos anais do alpinismo. O Everest é, basicamente, uma pirâmide de três lados, o pico é formado pela interseção de três cristas. Quando Hornbein e Unsoeld chegaram, as duas mais acessíveis já haviam sido percorridas: a sudeste, notoriamente por Hillary e Tenzing Norgay, em 1953; e a nordeste, em 1960, com um alvoroço um pouco menor (o New York Times dedicou à história um total de oitenta palavras), por uma equipe de três chineses. As rotas sudeste e nordeste não eram exatamente fáceis, mas consideravelmente mais acessíveis do que os dentes serrilhados que Unsoeld e Hornbein tiveram que encarar ao chegarem ao lado oeste do Everest e olharem para o alto. O caldeirão de nuvens da grande face sul fervia, acentuando o negrume e as ameaças tortuosas da crista oeste, Hornbein escreveu mais tarde. Nós olhamos. [...] Nossos olhos percorreram 1,5 quilômetro de placas sedimentares em declive, rochas negras, rochas amarelas, rochas cinza, até o topo. Atravessar a rota foi ainda pior do que os americanos haviam antecipado. Seus acampamentos mais altos ficavam completamente expostos ao clima brutal do Everest e, durante a subida, uma barraca com quatro xerpas foi soprada para longe da crista, despencando pela face norte. (Milagrosamente, eles sobreviveram.) Na empreitada final dos alpinistas, o avanço reduziu-se a agonizantes 30 metros verticais por hora, enquanto cavavam degraus de gelo ao longo de uma longa calha. Além, subiram por pequenas torres de pedras tão soltas e desgastadas que, ao 42

19 MONTANHA SOMBRIA serem pisadas, desmoronavam como tijolos empilhados em uma parede sem nenhum cimento. A encosta era traiçoeira demais para permitir um recuo, o plano então era cruzar o topo e descer pelo lado sul, onde esperavam encontrar outros membros da equipe. Hornbein e Unsoeld chegaram ao cume às 18h15, do dia 22 de maio, e seguiram para o lado sul, como planejado. Mas logo escureceu e, quando encontraram os dois outros colegas de equipe, Lute Jerstad e Barry Bishop, eles estavam abrigados na neve a apenas 300 metros do topo, desesperadamente debilitados, sem oxigênio e sem nenhuma lanterna de cabeça. Os quatro homens passaram uma noite calma, mas terrivelmente gelada, na encosta da montanha. Quando Hornbein parou de sentir os pés, tirou as botas e meias para que Unsoeld os colocasse dentro de sua jaqueta, contra a pele de sua barriga. Hornbein ofereceu-se para devolver o favor, mas Unsoeld declinou. Estou bem, disse ao amigo. Os quatro sobreviveram, mas Unsoeld perdeu nove dedos dos pés. A subida de 1963 merecia entrar para o livro dos recordes, mas com a capacidade aparentemente infinita dos montanhistas de driblar e continuamente atualizar os marcos do esporte, algumas pessoas começaram a sugerir que a escalada original da crista oeste precisava de alguns esclarecimentos, pois não fora completa, de fato, ou, na linguagem do esporte, direta. Os americanos, conforme os críticos assinalaram, tinham acessado a rota pelo Western Cwm, evitando completamente a crista inferior. Mais acima, haviam se desviado de algumas das seções mais técnicas, escapando para a face norte e abrindo o caminho por um largo corredor que foi batizado com o nome de Hornbein. Na época em que Brice e Freaney chegaram lá, quase vinte anos depois, cinco equipes haviam tentado a subida direta pela crista oeste, e apenas uma, formada por um grupo de iugoslavos, em 1979, foi bem-sucedida. Todos eles usaram oxigênio suplementar. Os anos 1970 e 1980 assistiram a uma espécie de renascimento moderno do montanhismo. Os avanços de design deixaram equipamentos e materiais mais leves e confiáveis, ajudando a abrir caminho para a escalada de faces cordas longas e audaciosas, em paredes pratica- 43

20 KATMANDU mente verticais de rocha, gelo e neve. À medida que os limites técnicos evoluíam, as atitudes acompanhavam. O estilo alpino, uma estratégia de autoconfiança que implica carregar todo o seu equipamento, tornou-se a regra, e levou a uma mudança filosófica de dimensões sísmicas na maneira como as escaladas eram feitas. Nas expedições tradicionais, acampamentos fixos, cordas fixas e batalhões de auxiliares em altitudes extremas ofereciam o máximo de suporte para a equipe que atacaria o cume. O estilo alpino incorporava uma abordagem inteiramente diferente: leve, rápida e autossuficiente, um teste para a resistência e experiência individuais. Não se tratava mais da montanha, mas sim do alpinista. Indiscutivelmente, ninguém representou melhor o espírito do estilo alpino do que Reinhold Messner. Trata-se de uma figura quase mística, com seus cabelos longos, criado no norte da Itália, sob o jugo de um rígido e severo pai austríaco. Aprendeu a escalar nas Dolomitas, completando seu primeiro cume aos 5 anos. Ao chegar à idade adulta, tornou-se um dos mais destacados alpinistas do mundo, adotando um credo que incluía partes iguais de ascetismo e ousada competitividade. Em essência, Messner afirmava que qualquer escalada deveria contar com o mínimo de auxílio possível. Radicalizando, alguns brincavam que isso significava escalar nu, sozinho e usando apenas as mãos. Mas Messner, sempre sério, explicou que isso significava, simplesmente, por meios justos. Todos nós guardamos o anseio de reencontrar nossa condição primitiva, ele escreveu em The Crystal Horizon, para podermos nos medir contra a natureza, ter a chance de enfrentá-la e assim nos descobrirmos. Em meados dos anos 1970, Messner já havia dado inúmeros exemplos do que o estilo alpino podia alcançar. Praticamente voou até o Matterhorn e o Eiger, nos Alpes, fazendo em menos da metade do tempo que outros alpinistas normalmente levavam. Inevitavelmente, a mídia começou a pressioná-lo sobre o monte Everest. Messner disse que tentaria, mas só se fosse sem oxigênio. Na época, não estava claro se seria possível, fisiologicamente, chegar ao cume do Everest sem oxigênio suplementar; muitos cientistas estavam convencidos de que não era. A metros, a atmosfera contém apenas 30% do oxigênio disponível ao nível do mar. Isso seria suficiente para fornecer o oxigênio necessário à sobrevivência em repouso, 44

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Segunda-feira, dia 04 de maio de 2015

Segunda-feira, dia 04 de maio de 2015 Segunda-feira, dia 04 de maio de 2015 Pousamos no pequeno aeroporto de Katmandu um pouco depois das 6 da manhã. Apenas três aviões cargueiros estavam no aeroporto e poucas caixas com produtos para a população.

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Cercado de verde por todos os lados

Cercado de verde por todos os lados Cercado de verde por todos os lados Verde-claro. Verde-escuro. Verde-musgo. Verde pálido. Verde superanimado. Verde sendo bicado por passarinhos. Verde sendo engolido por macacos. Verde subindo pelos troncos

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

NO TETO DO MUNDO. Leia com exclusividade um trecho do livro em que Rodrigo Raineri narra sua jornada rumo ao cume do Everest.

NO TETO DO MUNDO. Leia com exclusividade um trecho do livro em que Rodrigo Raineri narra sua jornada rumo ao cume do Everest. NO TETO DO MUNDO Leia com exclusividade um trecho do livro em que Rodrigo Raineri narra sua jornada rumo ao cume do Everest. Lançamento em setembro de 2011 Plaza Francia, face sul do Aconcágua, Argentina

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA C. S. LEWIS O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA ILUSTRAÇÕES DE PAULINE BAYNES Martins Fontes São Paulo 1997 CAPÍTULO I Uma estranha descoberta ERA uma vez duas meninas e dois meninos: Susana, Lúcia,

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA Uma Aventura na Serra da Estrela Coleção UMA AVENTURA Atividades Propostas Leitura em voz alta de um ou dois capítulos por aula. Preenchimento das fichas na sequência

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu.

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Rosie DANÇA DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Estava finalmente numa verdadeira escola de dança. Acabaram as aulas de dança no gelado salão paroquial. Acabaram as banais aulas de ballet

Leia mais

Sentir- se mal não é tão difícil

Sentir- se mal não é tão difícil 3 artigos sobre o Gerenciamento das Emoções Por Andrês De Nuccio Sentir- se mal não é tão difícil Li esses dias uma história segundo a qual uma senhora, preparando- se para sair, trocava diversas vezes

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça?

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PLE CERIFICADO INTERNACIONAL DE LÍNGUA PORTUGUESA CILP SIMULADO COMPREENSÃO LEITORA E ASPECTOS LINGUÍSTICOS NÍVEL BÁSICO ESCOLAR A2 Leia os

Leia mais

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br MUDANÇA DE IMAGEM Os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Isto porque eu não tinha a quem relatar o que me havia acontecido. Eu estava com medo de sair do meu corpo novamente, mas também não

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Casal viaja pelo mundo na carona de Deus

Casal viaja pelo mundo na carona de Deus Casal viaja pelo mundo na carona de Deus Fábio Aguiar Lisboa Era o ano de 1873 e o escritor francês Júlio Verne lançou um livro que mexeu com a imaginação e o sonhos de inúmeras gerações de leitores de

Leia mais

O despertador ainda não havia tocado quando abri os

O despertador ainda não havia tocado quando abri os I O despertador ainda não havia tocado quando abri os olhos na manhã do dia cinco de abril de mil novecentos e noventa e nove. Abri os olhos por intuição e virei o rosto na direção do relógio que estava

Leia mais

A Trilha Inca (2 dias/ 1 noite)

A Trilha Inca (2 dias/ 1 noite) A Trilha Inca (2 dias/ 1 noite) "A sua emocionante aventura Sulamericana Esta trilha segue os passos ancestrais dos Incas até a mundialmente famosa Cidade Perdida dos Incas, Machu Picchu. Historicamente

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

Depressão na Gravidez

Depressão na Gravidez De Depressão na Gravidez Um relato de uma mulher com Depressão na Gravidez O E-mail enviado por Gabriela, uma mulher que teve depressão durante a Gravidez e as respostas de apoio e ajudar à essa mulher.

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12 NA PIOR Moggle? sussurrou Aya. Você está acordada? Algo se moveu na escuridão. Uma pilha de uniformes de dormitório se mexeu como se houvesse um pequeno animal embaixo. Então uma silhueta saiu das dobras

Leia mais

ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS

ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS ALGUMAS DICAS SOBRE COMO ALCANÇAR O EMPREGO DOS SEUS SONHOS Ao se levantar para trabalhar, pela manhã, todos enfrentamos, sentados na beira da cama, a mesma questão: eu seria mais feliz e satisfeito fazendo

Leia mais

Rios que voam. Yana Marull

Rios que voam. Yana Marull Rios que voam Yana Marull Yana Marull Drews Yana é jornalista, vive com a família em Brasília e já morou em outros países que também fazem parte da Bacia Amazônica. Ela adora escrever matérias sobre o

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

VIAGEM AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

VIAGEM AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA VIAGEM AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Viagem aos Estados Unidos e ao Canadá, feita em conjunto com um grupo de amigos. Um voo Lisboa Nova York e dirigimo- nos ao rent- a- car, para levantar os veículos

Leia mais

56º Campeonato Brasileiro de Planadores - Etapa Planalto Central

56º Campeonato Brasileiro de Planadores - Etapa Planalto Central 56º Campeonato Brasileiro de Planadores - Etapa Planalto Central Formosa 2014 Relato André Lautert - LA Escrevo este relato como um aperitivo para que aqueles que tenham interesse em participar de um campeonato

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

O pequeno aventureiro

O pequeno aventureiro O pequeno aventureiro a a Guilherme Carey era um menino muito ativo. Morava em Paulerspury, uma pequena vila na Inglaterra. Todos os dias, Guilherme ia para a escola, onde seus colegas o apelidaram de

Leia mais

Trama: Entre o casal e Chu Ming Ho.

Trama: Entre o casal e Chu Ming Ho. Story Line: Um casal vitima de um magnata poderoso vive como fugitivo durante vinte anos após o mesmo descobrir sobre seus planos. Até que um acidente terrível os faz retornar ao lugar que desgraçou suas

Leia mais

Lidando com o Cão Dominante

Lidando com o Cão Dominante Lidando com o Cão Dominante De Eugênio Gomes, 2006. Baseado no texto Dealing With the Dominant Dog, de Ed Frawley. Introdução Muitas pessoas, incluindo treinadores experientes, entendem mal a dominância

Leia mais

O dia em que ele nasceu

O dia em que ele nasceu O dia em que ele nasceu E le nasceu no verão mais seco dos últimos quarenta anos. O sol cozinhava a argila vermelha do Alabama, transformando-a em pó, e não havia água por quilômetros ao redor. A comida

Leia mais

Uma trufa e... 1000 lojas depois!

Uma trufa e... 1000 lojas depois! Uma trufa e... 1000 lojas depois! Autor: Alexandre Tadeu da Costa. Aluna: Lays Roberta Caçandro. Turma: 1º Ciências Contábeis. Venda Nova do Imigrante, Maio de 2012. Qual o principal assunto do livro.

Leia mais

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria.

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria. Bem, sejam todos muito bem-vindos aqui. E parabéns por estarem aqui neste final de semana. Porque eu acho, em minha experiência Alpha, que as duas coisas mais difíceis para as pessoas são, em primeiro

Leia mais

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças Palestra 1 Mudança Organizacional Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças 02 de Dezembro de 2009 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Leia mais

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu 1 Sinopse Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu não estivesse completamente sozinha. Com um estranho em um Penhasco e sem lembrar de como fui parar ali. Me assustei

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Na área frontal da arena estava presentes o Grande Mestre do Santuário, também conhecido como Papa, sua função era ser o porta voz da Deusa o mais

Na área frontal da arena estava presentes o Grande Mestre do Santuário, também conhecido como Papa, sua função era ser o porta voz da Deusa o mais Dois anos se passaram desde os últimos acontecimentos, o Santuário de Atena começava a se anunciar diante de seus novos cavaleiros, era apresentado a nova geração de honrados e guerreiros, era uma tarde

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na Prólogo O ritmo pulsante da música tomava seu corpo até os All Stars cor-de-rosa de cano alto. Ela queria usar as sandálias de salto alto que tinha comprado na última viagem a Atlanta, mas havia cometido

Leia mais

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br O TEMPLO DOS ORIXÁS Quando, na experiência anterior, eu tive a oportunidade de assistir a um culto religioso, fiquei vários dias pensando a que ponto nossa inconsciência modificou o mundo espiritual. Conhecendo

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

Escrito por. Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método GuinorBets

Escrito por. Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método GuinorBets s O 6 s o i cíp Prin Bá s o sic o d o ét M o D r o n s i t u e G B Escrito por Guilherme guinor Cunha Ex-tenista profissional, campeão mundial de poker online FTOPS #35 e criador do método Índice Quem

Leia mais

Minha história. Mais_que_um_carpinteiro.indd 11 18/4/2012 12:04:38

Minha história. Mais_que_um_carpinteiro.indd 11 18/4/2012 12:04:38 1 Minha história Tomás de Aquino, filósofo do século XII, escreve: Dentro de cada alma há uma sede de felicidade e significado. Comecei a sentir essa sede quando adolescente. Eu queria ser feliz. Desejava

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Teste 3 - Auto-avaliação das habilidades empreendedoras

Teste 3 - Auto-avaliação das habilidades empreendedoras Teste 3 - Auto-avaliação das habilidades empreendedoras Para cada questão, faça um círculo na resposta que está mais adequada às suas crenças ou ações, mesmo que aparentemente não tenham algo em comum

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina.

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina. EntreVISTA Fotos: Divulgação/Shutterstock O grande empreendedor encara os desafios Entre esperar o livro pronto e escrevê-lo, o comerciante Arnaldo Tsuruda preferiu seguir pela segunda opção. A história

Leia mais

Nicholas Sparks. Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas

Nicholas Sparks. Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas Nicholas Sparks Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas A ÚLTIMA MÚSICA 1 Ronnie Seis meses antes Ronnie estava sentada no banco da frente do carro sem entender por que seus pais a odiavam tanto. Era

Leia mais

www.nascarbrasil.com Manual de pilotagem e aprendizado

www.nascarbrasil.com Manual de pilotagem e aprendizado Manual de pilotagem e aprendizado Bem vindo ao mundo das corrida virtuais! A razão deste documento é ajudar os novatos em corridas multi-player entender as grandes diferenças entre correr Online e Offline

Leia mais

Curso. Dirigente de Célula. Sessão 8 Formação de Líderes e Discipulado - I

Curso. Dirigente de Célula. Sessão 8 Formação de Líderes e Discipulado - I Curso Dirigente de Célula Sessão 8 Formação de Líderes e Discipulado - I Qual líder você escolheria? Candidato número 1: Se associou com políticos bêbados e velhacos e consulta astrólogos. Já teve duas

Leia mais

O exercício como caminho para o conhecimento 5 Encontro - 11 de julho 2014

O exercício como caminho para o conhecimento 5 Encontro - 11 de julho 2014 O exercício como caminho para o conhecimento 5 Encontro - 11 de julho 2014 RITUAL DE INÍCIO Proposto e conduzido pelo professor Adriano Cypriano (Zazen: cinco minutos de silêncio, escuta e respeito a si

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante.

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante. Concentração e Atenção são as palavras chaves para uma pilotagem segura. Embora tenham a moto adequada, muitos pilotos apresentam deficiências, especialmente de postura, na hora de frenagem e na escolha

Leia mais

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol?

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol? Domingo Cocoricóóó! Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! Urrggghhoquefoi? Eu disse que já é de manhã e está na hora de você sair da cama. De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam

Leia mais

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) BANCO DO BRASIL DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas,

Leia mais

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas, geralmente para

Leia mais

2008 marca o 19.º acampamento de esqui de Inverno para crianças com FC na Dinamarca Por Laura Stadler-Jensen e Lasse Fredrik Jensen

2008 marca o 19.º acampamento de esqui de Inverno para crianças com FC na Dinamarca Por Laura Stadler-Jensen e Lasse Fredrik Jensen 2008 marca o 19.º acampamento de esqui de Inverno para crianças com FC na Dinamarca Por Laura Stadler-Jensen e Lasse Fredrik Jensen Eventos Nos últimos oito anos tivemos ambos o privilégio de participar

Leia mais

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Versículo para Decorar: 1 Toda vez que o arco-íris estiver nas nuvens, olharei para ele e me lembrarei da aliança eterna

Leia mais

Como é voar e pilotar um caça AL 39 Albatros

Como é voar e pilotar um caça AL 39 Albatros Como é voar e pilotar um caça AL 39 Albatros A avaliação de hoje não é de uma companhia aérea, mas com certeza vai fazer muitos leitores sonharem e outros tantos começarem a juntar uma grana para realizar

Leia mais

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Local: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial Esta é uma história de mudança que ocorre em um labirinto em que quatro personagens

Leia mais

O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar

O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar Pedimos perdão pela sinceridade mas o manifesto vai mostrar que você foi totalmente iludida sobre o que um homem procura em uma mulher. E digo

Leia mais

TERMO DE CIÊNCIA. Declaro também que tenho ciência sobre os seguintes pontos: Acomodação

TERMO DE CIÊNCIA. Declaro também que tenho ciência sobre os seguintes pontos: Acomodação TERMO DE CIÊNCIA Declaro, estar ciente de que se trata de atividade de esporte de aventura no exterior e que será realizada em ambientes naturais, muitas vezes isolados e de difícil acesso para resgate,

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor:

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor: Projeto ESCOLA SEM DROGAS Interpretando o texto Por trás das letras Nome: Escola: Série: Título: Autor: O que a capa do livro expressa para você? Capitulo 1 - Floresta Amazônia Por que a autora faz uma

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

PASSAGEM PELAS RUÍNAS DE NUM

PASSAGEM PELAS RUÍNAS DE NUM PASSAGEM PELAS RUÍNAS DE NUM Aventura para Dragon Age RPG, preferencialmente para um grupo de três personagens de nível 1 ou 2. Autor: Vinicius Moes Brasil, 2012. ANTES DOS PERIGOS Esta aventura foi planejada

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda)

eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda) eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda) propósito Viver pouco mas viver muito Ser todo o pensamento Toda a esperança Toda a alegria ou angústia mas ser Nunca morrer enquanto

Leia mais

Olá caros amigos..finalmente consegui pegar num computador decente pra falar sobre o que aconteceu aqui..

Olá caros amigos..finalmente consegui pegar num computador decente pra falar sobre o que aconteceu aqui.. Olá caros amigos..finalmente consegui pegar num computador decente pra falar sobre o que aconteceu aqui.. Bem, Ontem, Eu estava na Log Base por volta das 16:50h quando o terremoto aconteceu. Acredite nenhuma

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

Eu tenho a força! Será?

Eu tenho a força! Será? A UU L AL A Eu tenho a força! Será? Várias vezes vemos na televisão alguém gritando Eu tenho a força e, então, começa uma verdadeira pancadaria! Logo o super-herói sai do meio da confusão tirando pó do

Leia mais

INTRODUÇÃO E OBJETIVO DO JOGO

INTRODUÇÃO E OBJETIVO DO JOGO Instruções O K2 é a segunda maior montanha do mundo (depois do Monte Evereste) com uma altura de 8.611 metros acima do nível do mar. Também é considerada uma das mais difíceis. O K2 nunca foi conquistado

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

Zelo. A Regra de Ouro. Por que ser zeloso? Parceiros atingidos. Zelo - SIM. Zelo - NÃO

Zelo. A Regra de Ouro. Por que ser zeloso? Parceiros atingidos. Zelo - SIM. Zelo - NÃO Exercitando o Caráter 6 a 9 anos Zelo O zelo, ou cuidado, é uma qualidade típica das pessoas de bom caráter. A pessoa zelosa tem cuidado para não prejudicar as outras pessoas e demais seres vivos, nem

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Afinal, O que São Gatilhos Mentais?

Afinal, O que São Gatilhos Mentais? 13 Gatilhos Mentais pra Explodir suas Vendas! Pra quem não sabe, gatilhos mentais são conceitos que aplicamos desde o primeiro contato com a lead (potencial cliente) para aumentar as chances de transformar

Leia mais

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo.

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Capítulo um Meu espelho mágico deve estar quebrado Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Jonah está com as mãos paradas em frente ao espelho. Está pronta? Ah, sim! Com certeza estou pronta. Faz

Leia mais

SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEterminaÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE

SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEterminaÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE Escola de Tempo Integral Experiências Matemáticas 7º ANO (6ª série) SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEterminaÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE Este é um material em construção que contém os capítulos de apoio das atividades

Leia mais