Senda Gitana. Retrato Social da Comunidade Cigana. No Concelho de Aveiro. Cáritas Diocesana de Aveiro 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Senda Gitana. Retrato Social da Comunidade Cigana. No Concelho de Aveiro. Cáritas Diocesana de Aveiro 1"

Transcrição

1 Senda Gitana Retrato Social da Comunidade Cigana No Concelho de Aveiro - Cáritas Diocesana de Aveiro Cáritas Diocesana de Aveiro 1

2 Agradecimentos Um reconhecido agradecimento a todas as pessoas e famílias de etnia cigana entrevistadas, pela disponibilidade manifestada, condição essencial à realização deste estudo. À Rede Europeia Anti-Pobreza/Portugal, ao seu Centro de Documentação e a toda a equipa, pela disponibilidade durante a pesquisa bibliográfica, em especial à Dr.ª Maria José Vicente que acompanhou desde o início, as várias fases de execução deste estudo. O projecto Novas Sendas (Cáritas Diocesana de Aveiro) agradece, ainda, a todas as instituições, que pelo seu âmbito e experiência, disponibilizaram documentação de leitura bibliográfica sobre a temática. Um agradecimento especial ao Alto Comissariado para a Imigração e o Diálogo Intercultural (ACIDI), anteriormente denominado Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas (ACIME) e ao Secretariado Diocesano de Lisboa da Obra Nacional da Pastoral dos Ciganos na pessoa da Dr.ª Fernanda Reis. Um forte agradecimento ao Dr. Sérgio Aires, consultor e perito nas áreas da pobreza, exclusão e políticas sociais (com particular destaque para as problemáticas associadas às Comunidades Ciganas). O nosso reconhecimento do trabalho por ele desenvolvido e aqui apresentado, assim como do seu contributo na abertura deste documento. Mã. Minha Estrela. Em especial a ti! Porque Tu és o meu Eu. E porque Contigo consegui. Deste mundo: tão mais pequeno que o Teu! (Carla Fernandes) - Cáritas Diocesana de Aveiro 2

3 Índice Prefácio 4 I Apresentação 8 II Notas de Estudo 11 III Senda Gitana 15 IV Comunidade ou Comunidades Ciganas? 21 V Retrato da Comunidade Cigana de Aveiro 31 VI Habitação, Habitat e Comunidade(s) 46 VII Escolarização e Formação 58 VIII Trabalho, Emprego e Modos de Vida 66 IX Saúde e Doença 75 X Justiça 89 XI Participação Cívica e Cidadania 92 XII Considerações Finais 96 Bibliografia 105 Anexos Cáritas Diocesana de Aveiro 3

4 Prefácio - Cáritas Diocesana de Aveiro 4

5 Prefácio As melhores fogueiras começam com pequenos ramos Provérbio Cigano Antes de mais nada, uma importante premissa: pela forma como me tenho dedicado às questões relacionadas com a luta contra a pobreza e as comunidades ciganas, sou completa e assumidamente suspeito e totalmente privado de objectividade ao escrever este prefácio. Ainda mais assim é quando se trata de prefaciar um trabalho que acompanhei e com o qual me identifico de corpo e alma. Escrever um prefácio é sempre um privilégio. É ser considerado suficientemente capaz de escrever algo que abra o apetite do leitor. Não sei se reúno estas condições. Sei que escrever este prefácio é, de facto, para mim um privilégio, uma honra e uma enorme satisfação. Passo a explicar-me. É um privilégio porque me é dada, com toda a liberdade, a primeira palavra, o que me permite sublinhar e reafirmar algumas ideias que considero fundamentais. É uma honra porque o projecto que está na origem desta publicação é um dos projectos que mais admiro e que, na minha opinião, melhor conseguiu por em prática todos os princípios que defendo: enfoque nos grupos que mais fortemente são afectados por fenómenos de pobreza e exclusão social extrema; primado à investigação-acção; enorme disponibilidade para aprender avaliando; dinamização de fortes mecanismos de activa participação; forte envolvimento de todos os actores, particularmente daqueles que são o principal objecto da intervenção. Finalmente, é uma enorme satisfação porque se trata de prefaciar um trabalho de diagnóstico. Um trabalho de diagnóstico em Portugal continua a ser motivo de celebração. Um trabalho de diagnóstico sobre uma comunidade cigana, é caso para um júbilo sem fim com direito a, pelo menos, quatro dias e quatro noites de festa. Mas passemos aos factos. Quem tiver acesso a esta publicação está na presença, essencialmente, de um diagnóstico sobre uma comunidade cigana. Uma comunidade cigana do Concelho de Aveiro. Uma comunidade cigana que antes da intervenção de um projecto enfrentava gravíssimas situações de carência, pobreza e exclusão social. Uma comunidade cigana que, lamentavelmente, pode ser considerada representativa da situação que enfrentam uma boa parte das comunidades ciganas em Portugal. Mas este diagnóstico, é muito mais do que um simples diagnóstico. Por detrás desta publicação esconde-se um extraordinário desafio, uma enorme coragem, uma gigantesca determinação, temperada com intermináveis doses de humildade, paciência, tolerância e, quiçá o mais importante, amor. Muito amor. - Cáritas Diocesana de Aveiro 5

6 O Projecto Novas Sendas, promovido pela Caritas Diocesana de Aveiro, a meu ver, pode ser considerado um autêntico estudo de caso e um manual de como lutar contra a pobreza. É provável que quem apenas tenha acesso a esta publicação seja tentado a pensar que exagero. É por isso mesmo que penso ser muito útil explicar porque considero este projecto uma boa prática e um exemplo a seguir por todos aqueles que, verdadeiramente, ambicionem promover a inclusão e a promoção social de pessoas que enfrentam situações de tão grave pobreza, discriminação e exclusão social. Senão, vejamos: o projecto Novas Sendas escolhe intervir com um dos grupos que piores situações de pobreza e exclusão social enfrenta em Portugal e que, também em termos de intervenção social, mais se encontra desprotegido; o projecto Novas Sendas escolhe intervir numa comunidade que, apesar de viver no território português há mais de quinhentos anos, continua a ser desconhecida e sobre a qual existem e persistem os piores mitos e estereótipos; o projecto Novas Sendas escolhe uma comunidade cigana em específico que enfrenta uma das situações mais radicais de pobreza e exclusão social; o projecto Novas Sendas reconhece, à partida, que pouco sabe sobre este assunto e que necessita de aprender com quem sabe, disponibilizando-se para aprender com toda a abertura e humildade; o projecto Novas Sendas decide que qualquer que viesse a ser a intervenção possível esta teria que ter como base um profundo diagnóstico, diagnóstico este que deveria ser o mais participado quanto possível; o projecto Novas Sendas percebe que necessita de uma equipa multidisciplinar para fazer face a problemas que são, justamente, de diferentes dimensões; o projecto Novas Sendas percebe que tem que mobilizar de uma forma activa todos os actores relevantes e com responsabilidades pondo em campo uma enérgica parceria; o projecto Novas Sendas promove uma intervenção articulada e coordenada intersectorialmente não tendo medo de eleger prioridades e reconhecer limitações; e, finalmente, e o mais importante de tudo, o projecto Novas Sendas percebe e pratica com mestria a máxima de trabalhar com ao invés de trabalhar para elegendo o envolvimento e a participação da comunidade cigana como principal eixo orientador de toda a intervenção, não descurando o envolvimento e participação da restante comunidade promovendo assim, e ao mesmo tempo, um enorme potencial de aprendizagem e convívio inter-cultural. Eis um catálogo de características que, na minha opinião deveria constituir um verdadeiro referencial de indicadores para todos os projectos de luta contra a pobreza e que o projecto Novas Sendas protagonizou na sua plenitude. Mas também é possível, sobretudo para os mais incautos e desatentos, que em termos de resultados finais, pareça que, pelo menos aparentemente, pouco mudou. Enganam-se. Enganam-se redondamente. E enganam-se porque, no fundo, não entendem que promover a inclusão social de comunidades e grupos sociais que se encontram tão fragilizados e há tanto tempo expostos a tão violentas formas de pobreza e exclusão exige, acima de tudo, tempo. Muito tempo. Lutar contra a pobreza obriga a políticas de pequenos passos. Políticas que têm que ser adaptadas ao contexto em que actuam, às pessoas a que se destinam. A mudança social em contextos desta natureza produz-se em gerações, acumulando vitórias, - Cáritas Diocesana de Aveiro 6

7 reconhecendo e avaliando derrotas, recuando por vezes dois passos para poder, com persistência, voltar a avançar. O projecto Novas Sendas foi precisamente um laboratório de tudo aquilo que acabo de dizer. Quem conheceu a comunidade cigana à qual se dedicou este projecto no seu início e tiver o privilégio de a ver agora, de falar com os seus membros, de observar as suas crianças, muito mais facilmente perceberá o que aconteceu e que tal não é devido a nenhum milagre mas a muito, muitíssimo trabalho e a uma enorme coerência e capacidade de concretização dos princípios enumerados. Mas há sempre um mas. E neste caso é um mas demasiado importante. O projecto Novas Sendas foi um projecto. Não foi mais um projecto mas foi um projecto. É por isso que importa sublinhar que, se a sua continuidade não for assegurada, se não se der oportunidade a que as sementes que lançou à terra encontrem as condições necessárias para germinarem, poderá não ter passado disso mesmo, um projecto. Os tais importantíssimos resultados dos pequenos, mas estruturais, passos poderão perder-se com enorme velocidade e as suas potencialidades esfumarem-se com a poeira do tempo. Foi precisamente isto que aconteceu com tantos outros projectos ao longo dos últimos vinte anos. Lamentavelmente, esta lógica e investimento laboratorial e de inovação social não tem encontrado reflexos positivos ao nível da definição e implementação das políticas, perdendo-se assim a sua inerente capacidade de modelar novas formas de actuação e de, como seria desejável, contribuir para a definição de novos e mais adequados modelos e tipologias de intervenção. Tudo isto é ainda mais grave quando se trata de acções que arriscaram intervir e produzir conhecimento em terrenos tão complexos e votados ao abandono como o das minorias étnicas. Quero acreditar, no entanto e tenho todas as razões para isso que, neste caso, a história irá ser diferente. E, uma vez mais, a diferença fica a dever-se às condições de excepção em que este projecto foi desenvolvido a que não são de todo alheias a entidade que o protagonizou e os extraordinários profissionais que o concretizaram. O projecto Novas Sendas, pelos princípios a que obedeceu e como actuou, particularmente ao tão eficazmente ter sabido motivar e envolver todos os actores relevantes, avançou, pedagogicamente, de uma forma muito diferente de tantos outros projectos que, apenas teoricamente, se lhe assemelham: este projecto criou condições e um património para que, seja qual for o seu futuro, nada venha a ser como antes. O projecto Novas Sendas criou algo de fundamental para a mudança social sustentada: criou cultura social. E a partir de agora é minha convicção que, conforme diz o provérbio cigano mesmo que montem um cavalo ao contrário ele continuará a andar para a frente. Sérgio Aires Sociólogo e Consultor nas áreas da pobreza, exclusão e políticas sociais. - Cáritas Diocesana de Aveiro 7

8 I Apresentação - Cáritas Diocesana de Aveiro 8

9 I Apresentação Este retrato social inicia uma caracterização sócio-demográfica da população de etnia cigana do concelho de Aveiro. Atendendo à escassez de estudos (a nível nacional) relativos à comunidade cigana e à necessidade manifestada, pelos vários agentes sociais no meio, em conhecer melhor esta realidade, para também poder intervir de um modo mais eficaz face às diversas incidências de exclusão social nesta população, o projecto Novas Sendas atendeu numa das suas acções específicas, o diagnóstico social sobre as comunidades de etnia cigana residentes em acampamentos no concelho. A urgência de conhecer mais e melhor estas comunidades, emerge essencialmente dos primeiros tempos e projectos piloto da medida (do então) Rendimento Mínimo Garantido, assim como das várias constatações em termos de acção social, educativa e a nível da saúde. Deste modo, foi primordial definir em termos concelhios, qual seria o posicionamento deste estudo. A articulação com a Rede Social de Aveiro, surgiu, neste contexto, como uma forte potencialidade ao desenvolvimento do diagnóstico. Por outro lado, a aproximação cultural fruto do trabalho de terreno desenvolvido pelo próprio projecto Novas Sendas, permitiu uma maior agilidade na definição concreta de objectivos possíveis a atingir, questões e estratégias a adoptar, nas diversas fases da sua realização. Considera-se o início de uma caracterização, com a qual se pretende retratar em termos sócio demográficos, a população cigana do concelho. Que sirva, sobretudo, como um instrumento a consultar e a utilizar na reflexão, na análise e na reconsideração dos vários agentes, quanto a estratégias e medidas de intervenção junto e com as várias comunidades de etnia cigana do concelho. Assim, que se permita dizer, que se trata de um olhar atento às representações e percepções da comunidade cigana sobre as suas fragilidades, ou pressupostamente necessidades, face às diferentes áreas prioritárias de bem estar e de inserção social: habitação, educação, saúde, emprego, protecção social e justiça. Na sua complitude, este trabalho assume apenas a recolha de discursos e de respostas em campo, nos acampamentos, cuja verdade poderá ou não corresponder a uma verdade de práticas usuais na população. Ao mesmo tempo, consideram-se apenas as necessidades sentidas pela população inquirida, as quais poderão ou não ir de encontro às necessidades diagnosticadas ou sentidas pelos serviços e agentes locais relativamente à população alvo de estudo. De facto, seria oportuna e sobretudo frutuosa essa comparação e confrontação, mas sublinha-se aqui este limite ou constrangimento de estudo: a falta de dados dos serviços, sistematizados nesse sentido, como condiz com a ética e a - Cáritas Diocesana de Aveiro 9

10 deontologia profissional, e como na prática, a heterogeneidade de tratamento de dados em casulos informáticos, impossibilita a articulação estatística, de tratamento e de análise de informação, bloqueando um pleno e actual conhecimento de determinada realidade. Que este retrato social (ou descrição social) das comunidades ciganas em Aveiro, seja, então, o ponto de partida para mais e futuras investigações, pormenorizando aspectos tão mais relevantes como os aqui apresentados. - Cáritas Diocesana de Aveiro 10

11 II Notas de Estudo - Cáritas Diocesana de Aveiro 11

12 II Notas de Estudo Universo em estudo: 206 indivíduos, 58 famílias (de etnia cigana) a residir nos 9 acampamentos 1 no concelho de Aveiro. Natureza dos indicadores sociais: Em uniformidade ao painel de indicadores do diagnóstico social do concelho (Rede Social de Aveiro), assim como aos sectores estipulados e trabalhados pelo Instituto Nacional de Estatística e Instituto de Emprego, o estudo utiliza essencialmente: Estatísticas demográficas básicas, Indicadores habitacionais, sócio-profissionais, de escolaridade e de saúde, acção social. Envolvimento das Entidades Parceiras: Numa primeira fase do trabalho, houve uma discussão de grupo (em reuniões com os parceiros do projecto Novas Sendas), na qual se lançaram hipóteses de partida e de relacionamento de diferentes áreas (de intervenção e a estudar). Articulação com Rede Social de Aveiro Definição do universo de estudo junto dos vários elementos constituintes do grupo temático sobre minorias étnicas, Hipóteses de trabalho e áreas temáticas a estudar, Definição de indicadores viáveis e possíveis a atingir, Localização dos acampamentos de etnia cigana no concelho, Definição de estratégias para a primeira abordagem aos acampamentos, Disponibilidade de consultar os vários serviços de modo a obter uma caracterização geral da população cigana (recorrente aos serviços). Inquérito por questionário: principal instrumento de recolha de dados: 1 Conceito de acampamento, mediante a colaboração do Serviço de Habitação Social da Câmara Municipal de Aveiro e em referência ao Instituto Nacional de Habitação: espaço onde se localiza um conjunto de habitações com poucas condições de habitabilidade, marcadas pela escassez e / ou ausência de infra-estruturas básicas, alheio ao momento, de qualquer processo ou medida de realojamento habitacional. - Cáritas Diocesana de Aveiro 12

13 O inquérito é maioritariamente de perguntas fechadas, existindo um inquérito por indivíduo e ao mesmo tempo um inquérito para cada representante do agregado familiar. Assim, embora a maioria dos dados sejam micro analisados até ao indivíduo, existem algumas questões, relacionadas com o agregado ou com o alojamento que são tidas em conta apenas nas respostas dos representantes do agregado. Todas as questões de opinião e representações sociais também são obtidas através das respostas dos mesmos representantes. Aplicação: o inquérito por questionário foi aplicado de Julho a Outubro de 2006, contando apenas, com a situação de momento ( censitário ) do indivíduo ou agregado familiar. A sua aplicação foi antecedida de um pré-teste, do qual surgiram alguns ajustes ao modelo a aplicar. Na primeira ida aos acampamentos, foi feita a apresentação da equipa de terreno e principais objectivos de tal inquérito, junto da população. Essa visita teve o acompanhamento e mediação do técnico (de entre os vários serviços) mais próximo dos residentes. O complemento das entrevistas: De modo a esclarecer e pormenorizar alguns aspectos pontualmente referenciados no inquérito, foram aplicadas 3 entrevistas semi-directivas (2 mulheres e 1 homem). O conteúdo e desenvolvimento destas entrevistas permitiram reflectir sobre aspectos culturais, os quais foram descritos com alguma abertura por parte das mulheres entrevistadas, sendo que do sexo masculino, não houve tanta disponibilidade para se conversar sobre esses assuntos. No entanto, foi dada a autorização para as entrevistadas falarem um pouco. Em respeito à regra, conduta e organização cultural destas comunidades, assim se mantém o anonimato dos seus discursos aquando as entrevistas aplicadas em Agosto e Setembro de A pertinência da observação não participante: A observação não participante usada no decurso da aplicação do inquérito por questionário e entrevistas, permitiu recolher informação sobre o ambiente, as condições de vida, as expectativas, as actividades, os comportamentos e a fiabilidade das respostas. Atendendo a todas estas questões, a equipa de terreno (socióloga e educadora social) promoveu uma relação de empatia com a população, o que muitas vezes originou conversas informais e períodos de maior convivência e à vontade. Este - Cáritas Diocesana de Aveiro 13

14 clima proporcionou a atenção para determinados aspectos, que após a aplicação do questionário ou entrevista, foram anotados no campo observações : - À entrada do bairro, juntavam-se todos os elementos do agregados, sendo necessário, em termos estratégicos, ouvir as suas conversas e desbloquear a aplicação do inquérito de modo a garantir a privacidade das respostas. - Foi possível aplicar o inquérito à porta ou dentro do alojamento de cada agregado. - No início da conversa, os elementos do sexo masculino, observavam com atenção e algum cuidado, todos os comportamentos e questões levantadas. De certo modo, marcando a sua aprovação para a resposta ao inquérito. - Tomado o conhecimento e dada essa aprovação, no decurso da aplicação do inquérito, os mesmos elementos (do sexo masculino), muitas vezes, ausentavam-se do espaço. O enquadramento da pesquisa bibliográfica A pesquisa bibliográfica permitiu um maior conhecimento e reconhecimento da heterogeneidade e das semelhanças entre as comunidades ciganas. Todo este trabalho de pesquisa, consulta e leitura de enquadramento, foi feito ao longo de todo o percurso do estudo. Tratamento estatístico Para tratamento estatístico recorreu-se aos programas Excel e SPSS. Equipa de Trabalho: - Carla Fernandes (socióloga projecto Novas Sendas) - Mariline Carvalho (socióloga projecto Novas Sendas, desde Abril de 2007) Aquando o trabalho de campo e aplicação de inquérito por questionário, este estudo contou ainda com a colaboração da educadora social Marlene Henriques. Dr.ª Helena Santos (socióloga - Multiaveiro, projectos de formação e investimentos, Lda.) acompanhou as diversas fases de realização do diagnóstico. - Cáritas Diocesana de Aveiro 14

15 III Senda Gitana - Cáritas Diocesana de Aveiro 15

16 III Senda Gitana Movem-se como Sol e a Lua. São nómadas. Ou, antes, são como as ondas. Estão em toda a parte. Chegam e partem rápido. Parecem o vento. Num momento estão aqui. Numa lufada, deixam traços indeléveis da sua passagem no eco da sua música, no relinchar dos seus cavalos, no sorriso alegre das suas mulheres. Não, não são o vento. São os filhos do vento!. Percurso Histórico BAÇAN (1992; 2) A história do povo cigano é ainda hoje pouco conhecida. A sua cultura ágrafa não permitiu registos dos factos ocorridos desde há centenas de anos, cabendo aos historiadores e investigadores ajudar a construir a sua história tendo como suporte documentos elaborados ao longo dos tempos. Embora esteja entre nós há cerca de quinhentos anos, o povo cigano está cimentado por uma cultura visivelmente diferente da cultura dominante Por este motivo, ao falar dos ciganos é fundamental referir as suas origens e compreender o percurso que os torna diferentes e eventualmente únicos, como um dos últimos povos nómadas contemporâneos. Oriundos do Norte da Índia, alvo de distúrbios e invasões, numa época de constantes mudanças, iniciaram as primeiras migrações por volta do ano 224. O primeiro movimento migratório, por várias circunstâncias, levou muitos grupos à Pérsia onde procuraram uma vida melhor. Possuidores de diferentes profissões, tinham no entanto, a semelhança da língua (Romani) e da religião (Hinduismo), o que os levou a misturarem-se socialmente e a promover casamentos entre os seus descendentes. Estas razões podem ter sido o motor para a constituição de um novo grupo étnico, autodenominado Dom, palavra cujo significado é Homem, e que nalgumas zonas da Índia serve para designar uma determinada casta. A evolução fonética da palavra, deu origem à palavra Rom. Ao longo do tempo são referidos movimentos migratórios levados a cabo por esta etnia, mas foi o estudo da linguística que permitiu aos estudiosos compreenderem o seu trajecto, já que foram assimilando termos em todos os países por onde passaram. Até ao século XIV, torna-se relativamente difícil encontrar concordância entre os diversos autores no que concerne ao percurso dos ciganos, uma vez que o número de documentos que se lhes refere é escasso e, alguns deles, díspares entre si. A partir deste século, a história dos ciganos começa a poder ser escrita com alguma certeza. É provável que todo este trajecto percorrido por estes grupos tenha sido efectuado a pé ou com mulas, às quais adaptaram as carroças que lhes permitiriam - Cáritas Diocesana de Aveiro 16

17 transportar a sua família e os seus haveres e que, em caso de mau tempo, serviriam de abrigo. Na Europa a sua presença é assinalada mais tarde, a partir do ano de No entanto, é sobretudo a partir de 1390 que os ciganos se vão dispersar pelos diferentes países do Continente Europeu, o que deu origem à chamada invasão da Europa pelo povo cigano. Ao longo da sua passagem em direcção ao Ocidente, há registos de várias medidas repressivas aplicadas aos ciganos, com base em pecados sociais diversos, como mendicidade não autorizada, pequeno furto, logro (negócios de compra e venda feitos sob falsa representação da mercadoria transaccionada), etc. Estas medidas repressivas acabaram por produzir enormes mudanças na vida dos ciganos na Europa. Para sobreviverem, tiveram de se adaptar, instalando-se quase sempre em zonas de fronteira (para uma mobilidade rápida relativamente a autoridades nacionais), dividindo-se em grupos (famílias) que não chamassem demasiadamente as atenções, ou agrupando-se em clãs ou tribos capazes de assegurar uma medida de autoprotecção. A passagem destas comunidades por regiões tão diversas e em muitos casos, a sua fixação, trouxeram forçosamente influências e apropriações em termos culturais e linguísticos, levando, naturalmente, à formação de muitos grupos, diferentes entre si, ainda que com raízes comuns. Este facto faz do povo cigano um povo heterogéneo, dentro das suas semelhanças. Os Ciganos constituem, pelo Mundo fora, um mosaico de grupos diversificados. (Liégeois, 2001:108) Apesar de possuir uma identidade cultural comum, a população cigana na Europa não é considerada como um grupo unitário, mas sim constituída por diversos grupos (comunidades). Os ciganos na Europa Actualmente, a população cigana é a principal minoria étnica europeia, estimando-se que vivam na Europa entre sete a nove mil milhões de pessoas ciganas, das quais cerca de 2/3 habitam nos países centrais e de leste. (SATISPEN: 2007) Grande parte desta população concentra-se nos países candidatos à adesão e nos membros mais recentes da União Europeia, tais como Roménia (cerca de dois milhões e meio), Hungria ( ), Bulgária (perto de ), República Eslovaca (cerca de ) e Republica Checa (cerca de ). (ibid) Antes da adesão dos novos países à União Europeia, em Maio de 2004, a Espanha, com mais de ciganos, era o país da União Europeia com maior número de ciganos. (ibid) - Cáritas Diocesana de Aveiro 17

18 Os ciganos em Portugal Se efectuarmos uma análise sócio-histórica acerca da presença dos ciganos em Portugal, verificamos que essa história é marcada por conflitos, lutas e perseguições, reveladoras das representações sociais negativas da sociedade maioritária em relação a este povo. A partir do século XV começam a aparecer as primeiras referências literárias que falam da presença do povo cigano no território português. A primeira fonte literária data de 1510 com o poema de Luís Silveira intitulada As Martas de D. Jerónimo, que foi inserido no Cancioneiro Geral organizado por Garcia Resende. A segunda referência literária aos Ciganos é a Farsa das Ciganas de Gil Vicente, representada em 1521, na qual se descrevem as capacidades misteriosas que as mulheres ciganas têm em ler a sina nas linhas da mão, das suas habilidades para o canto e a dança, bem como as habilidades que os homens têm para o comércio. É igualmente por esta época que surge o primeiro documento legislativo contra os ciganos, o qual proibia a sua entrada e determinava a expulsão daqueles que já se encontravam no território português. Ao longo dos séculos são inúmeras as leis promulgadas com o intuito de expulsar os ciganos, desde castigos que passavam pela sua expulsão do reino, trabalhos nas galés, deportações para as ex-colónias portuguesas e até mesmo a pena de morte. No entanto, esta tentativa legislativa de assimilação dos ciganos aos costumes e à cultura da sociedade maioritária não teve sucesso, já que os ciganos partilham ainda hoje uma forte identidade étnica. Como refere Elisa Lopes da Costa, estas leis tentam dissuadir a prática dos seus hábitos linguísticos e de trajar, alterar a sua organização social, em suma visam modificar os comportamentos sociais diferenciadores, a fim de os tornar iguais aos demais habitantes do reino.(costa, 1997 apud Coelho, 1995:18) A situação dos ciganos é consideravelmente alterada com a Revolução liberal que através da Constituição de 1822 e da Carta Constitucional de 1826 garante formalmente a igualdade de raças e reconhece a cidadania portuguesa a todos os nascidos em território nacional e a partir desse momento os ciganos só podem ser perseguidos, se cometerem algum crime. (ibid) No entanto, estes regulamentos não afirmaram a plena igualdade e liberdade dos ciganos relativamente à sociedade maioritária, já que em Abril de 1848 foi decretado o uso de passaporte a todos os ciganos que passassem pelo reino. Esta portaria foi reforçada em 1920 pelo regulamento da Guarda Nacional Republicana, a qual referia uma severa vigilância sobre os ciganos em ordem à prevenção e repressão dos seus frequentes actos de pilhagem. (ibid) Durante o Estado Novo, os ciganos tiveram a sua entrada vedada em certos lugares e nem sequer podiam estar parados na rua a conversar, porque estariam sujeitos a uma multa. Sabe-se ainda que, a lei portuguesa impedia a permanência no mesmo - Cáritas Diocesana de Aveiro 18

19 local por um período superior a vinte e quatro horas: ( ) a polícia mandava-nos logo embora, ía para outro lado embora ( ) andava sempre com o cavalo engatado. (entrevista de terreno 21 Set Sr. Mário, 52 anos, Bairro da Dankal) De referir, que em 1980 deu-se a abolição das normas supraditas, já que estas traziam consigo aspectos discriminatórios e como tal eram consideradas inconstitucionais. Com a revolução do 25 de Abril de 1974, o povo cigano deixou de ser perseguido e assistiu-se à sua sedentarização. As representações sociais que a sociedade maioritária criou, ao longo da história, acerca das comunidades ciganas deram e continuam a dar origem a comportamentos racistas e de negação, despertando nas pessoas um sentimento de insegurança e de receio em relação a este povo. Da história da origem do povo cigano podemos concluir que este povo demonstrou uma grande resistência a todas estas medidas que muitas vezes violentas, possuíam um notório carácter de discriminação e de racismo. De referir, no entanto, que os ciganos quase nunca manifestaram interesse de se incorporarem na sociedade envolvente e viveram sempre afastados, numa tentativa de protegerem a sua cultura e os seus hábitos. Apesar de todos estes condicionamentos, o povo cigano acabou por se afirmar como uma nação, e embora não tenham uma pátria, possuem uma língua, uma cultura, uma bandeira, uma lei e um hino próprio. Actualmente, e apesar do enorme grau de incerteza e de imprecisão, os números oscilam entre os e os ciganos portugueses 2. (SATISPEN: 2007) Segundo o estudo de Alexandra Castro 3, são cerca de 20 mil ciganos 4 existentes em Portugal Continental, sendo o distrito do Porto o que concentra um maior número absoluto de ciganos (2268), seguido dos distritos de Lisboa (1882), Faro (1688), Braga (1566) e Aveiro (1536). (Castro, 2004 apud SATISPEN, 2007: 13) 2 Segundo a Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância são entre e ciganos existentes em Portugal. Second Report on Portugal, European Comision Against and Intolerante, Adoptado em 20 de Março de 2002, Estrasburgo, 4 de Novembro de 2002, p O levantamento de dados foi efectuado no âmbito de um projecto de investigação financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (SAPIENS/POCIT) em 2004 Os Ciganos vistos pelos outros: proximidade social em espaços de coexistência Inter-étnica. 4 Relativamente a estes dados deve-se ter presente que 96 concelhos não disponibilizaram informação. Por isso estes dados não podem ser considerados exaustivos. - Cáritas Diocesana de Aveiro 19

20 De realçar, que estes números são apenas aproximações à realidade, já que sendo os ciganos considerados cidadãos portugueses, estes não podem ser identificados de forma distintiva em relação aos outros cidadãos. - Cáritas Diocesana de Aveiro 20

21 IV Comunidade ou comunidades ciganas? - Cáritas Diocesana de Aveiro 21

22 IV Comunidade ou Comunidades Ciganas? Em termos sociológicos, o conceito de comunidade assenta em diversos factores como o território comum (seja bairro, aldeia ou região), a partilha da mesma língua e da mesma crença, a pertença à mesma etnia, entre outros. Pressupõe assim, relações sociais próximas e a existência de grupos primários com relações sociais directas entre os seus elementos, determinadas pela intimidade e a emoção, mas sobretudo pelas regras de controlo social específico. Deste modo, seria arriscado, para não dizer, completamente errado, falar de etnia cigana como uma comunidade única. As mudanças sentidas ao longo do tempo, os processos atravessados ao longo dos diferentes percursos de socialização, de convívio com outras culturas, assim como a existência de diferentes escalas de pirâmides de valores, conduzem à reflexão da existência de diferentes comunidades de etnia cigana, que regidas por uma mesma identidade étnica, se distinguem nos seus modos de estar e de viver, assim como nos seus níveis de participação cívica, de resistência, de abertura, de interculturalidade ou de isolamento. A noção de etnia desenvolve assim, a percepção de diferentes realidades dinâmicas que se vão modificando, (re)formando, desenvolvendo ou desaparecendo em função da mobilidade demográfica, ou do contacto com outros grupos sociais e culturais, sem jamais perder a sua essência e origem. Relativamente aos ciganos, são vários os registos dessas diferenças, desses mosaicos, conduzindo à reflexão temática de etnia e comunidade ou comunidades. Tendo em conta a realidade em estudo: comunidade cigana no concelho de Aveiro, e embora não tendo sido objecto de estudo a pormenorização deste aspecto, sentiram-se, na passagem de bairro para bairro, (e recorrendo à observação não participante paralela à aplicação de questionário), algumas diferenças assentes em aspectos reveladores de uma organização e de relações próprias de uma comunidade específica: - no casamento, - no luto, - nas relações familiares, - na relação conjugal, - na definição de papéis familiares (papel da mulher, do homem, dos mais velhos) - na influência da família extensa e alargada, - na relação com a comunidade não cigana, - Cáritas Diocesana de Aveiro 22

23 - nos modos de vida, - no tempo de residência nos bairros, - entre outros. Com a consideração necessária a todas estas diferenças, o estudo sobre a comunidade cigana de Aveiro, cinge-se à caracterização sócio-demográfica de um todo populacional, constituído pelos 9 bairros / acampamentos então existentes, não desenvolvendo pormenores de grupos, de relações, e sobretudo destaques culturais. Essa possível investigação colocaria à frente outras tantas questões de essência, como por exemplo, a consideração, ou não, de uma comunidade cigana ou de várias comunidades ciganas, atendendo a serem estudados bairros / acampamentos com diferentes modus vivendi. Fica em nota, como uma primeira abordagem, uma primeira caracterização e conhecimento da comunidade de etnia cigana no concelho, que por si, permitirá o avanço de novas e futuras iniciativas de inter-conhecimento, chegando mesmo a trabalhos pormenorizados qualitativamente quanto à cultura e às mentalidades. No entanto, e em recurso ao conteúdo das entrevistas aplicadas no terreno, são assim registados alguns pontos fundamentais para melhor enquadramento da realidade em estudo, e sobretudo, para uma melhor leitura dos diversos dados à frente apresentados nesta publicação, com a possibilidade de introduzir na sua interpretação e análise, aspectos essenciais de cultura, etnia e controlo social específicos. A lei cigana o peso da palavra As comunidades ciganas regem-se por leis, que não estando escritas, são a forma mais sólida da tradição cigana, assegurando todo o controlo social dos grupos. Estas leis controlam e regulam a matriz cultural, as relações dentro da comunidade e entre as próprias comunidades. É aos homens mais velhos, considerados homens de respeito a quem cabe o papel da autoridade e da organização. Estes homens de respeito são aqueles que pela sua postura social e familiar, ao longo dos tempos foram colhendo o apoio e o respeito por todos. 5 Trata-se de um estatuto a que todos tentam aspirar por ser muito prestigiante. Assim sendo, podemos afirmar que a estrutura familiar destas comunidades assenta na patriarcalidade todo o poder de decisão está nos homens de respeito ; vigiam quem cumpre e quem não cumpre as regras; decidem castigos, sanções e prémios. 5 Em muitas comunidades, também existem mulheres de respeito a quem lhes é conferido, igualmente, legitimidade e reconhecimento. - Cáritas Diocesana de Aveiro 23

24 À força da linhagem, acresce o prestígio, a palavra dada e a honra em cumprir com as obrigações e a aplicação da lei cigana. O papel da família Os ciganos são muito felizes com os seus familiares e amigos. (atelier Novos Rumos (Novas Sendas), 21 set 2004) A organização social das comunidades ciganas tem como unidade base a família, ela é considerada a unidade económica na qual se exerce a solidariedade do trabalho, unidade educativa que assegura a reprodução social e a segurança, a protecção do indivíduo. (Liégeois, 1989 apud Fernandes, 2002: 61) A noção de família para os ciganos é muito mais ampla que o usual, englobando não apenas a família nuclear, mas também a família extensa, os avós, os tios, os primos, podendo ir até à terceira ou quarta geração. Estes mantém entre si grandes relações de convivência e todos contribuem para o bem - estar, formando uma unidade organizacional. A educação da criança é feita colectivamente, sendo no seio da família que as crianças recebem os ensinamentos culturais, através dos quais edificam a personalidade social cigana (Montenegro et al, 2001:35). Partilham o seu dia a dia com várias gerações e é neste conjunto que a sua socialização decorre. Segundo João José Fernandes este ambiente garante à família a coesão, a coerência, a continuidade e a segurança. (2002: 70) Neste contexto cultural específico, a família constitui no plano do sistema de disposições e preferências (duradouras) a dimensão mais valorizada. É possível citar ainda outras, também elas de especial relevância, como o respeito pelos mais velhos, o casamento, a fidelidade conjugal, o cumprimento dos compromissos estabelecidos entre famílias, a importância atribuída à virgindade da mulher, o respeito pela criança, o respeito pelos mortos e o rigor associado ao luto. Todos estes elementos culturais permitem compreender a centralidade da instituição familiar, enquanto valor moral por excelência. O casamento cigano Ainda agora há dias tivemos uma festa muito grande ( ). Três dias: sexta, sábado e domingo. ( ) botaram-na ao colo e deitaram-na ao ar e ela toda contente. (entrevista de terreno - Set 2007) - Cáritas Diocesana de Aveiro 24

25 O casamento é uma das tradições mais preservadas entre o povo cigano, já que representa a continuidade da etnia. A união matrimonial é considerada pelo povo cigano como uma primeira etapa para a formação da família cigana. A endogamia faz parte da tradição do casamento cigano e quando se fala em endogamia, não se reporta apenas a casamentos dentro da mesma etnia mas também na própria família, já que é comum haver casamentos entre primos. Os casamentos com pessoas não-ciganas são evitados, pois aos olhos da comunidade cigana significa uma perda de reputação da família e, em algumas situações, existe o receio de se perder determinados aspectos culturais. O reconhecimento dessa união é feito pela comunidade cigana de acordo com as suas tradições, sendo considerada uma união de facto e por eles denominado por casamento natural. Como tal esta união não é reconhecida pelo modelo proposto pelo código civil português. O casamento é considerado a maior festa dos ciganos. A festa realiza-se no acampamento dos familiares dos noivos, que reúna todas as condições necessárias para acolher todos os convidados. O casamento faz-se ao ar livre e dura vários dias. As mulheres ciganas casam muito jovens e geralmente são prometidas pelos pais durante a sua infância. ( ) o pai gosta de um rapaz, e é o pai que promete a filha. Mesmo que a filha não goste, há pais que obrigam a casar com esse rapaz. Então eles fazem o pedimento ( ) o pedimento fazem uma festa, manda bebida e comida. Mesmo de barriga, quando está grávida faz o pedimento. (entrevista de terreno - Ago 2007) Como já foi referido nem todos os bairros vivem as tradições da mesma forma, havendo comunidades em que é permitido à filha escolher o seu companheiro. ( ) Há muitos que manda escolher a filha, se a filha não gostar atira as cabaças. ( ) Quando a mulher não gosta manda as cabaças (idem) Com o casamento o jovem casal passa a viver em casa dos pais do noivo. No entanto, este jovem casal só será considerado um novo núcleo familiar, aquando do nascimento do primeiro filho, passando a viver na sua própria casa. A vinda de uma criança para esta comunidade resulta numa grande alegria, sendo desejado em primeiro lugar um rapaz, para assegurar a continuidade do nome da família, e só depois a rapariga para cuidar das tarefas domésticas e dos irmãos. Desse facto resulta que a mulher estéril seja considerada como uma pessoa doente pela comunidade cigana, já que não consegue assegurar a continuidade da raça cigana. Nestas situações, o homem cigano pode separar-se e casar-se com outra mulher cigana. Em algumas situações, existem raparigas de etnia cigana que insistem em escolher o seu par, e para que isso aconteça, fogem. Se a menina tem outra pessoa de quem gosta, poderá proceder no sentido de evitar casar, com quem está prometida. - Cáritas Diocesana de Aveiro 25

26 Assim, irá até às últimas consequências que será fugir com a pessoa amada. Foge com ele para casa de familiares. Curiosamente, apesar da fuga se destinar a garantir o casamento, mantém-se o respeito pela preservação da virgindade da rapariga até à oficialização do casamento. O familiar fala com os pais da menina para dizer que ela está com este, o pai manifesta o seu descontentamento pelo sucedido e toda a comunidade fica a saber que aquele pai está desgostoso. Na generalidade dos casos, a menina regressa e faz-se o casamento, dentro das tradições ciganas. A fuga também pode ocorrer se a noiva puser em causa a sua virgindade. Ela foge com o namorado, e está dois ou três dias. ( ) Volta diz que dormiu com o noivo e já está. Não faz festa, junta-se e já está. (idem) Quando se verificam situações de infidelidade, a comunidade cigana pune o desertor expulsando-o. Nas situações de infidelidade por parte da mulher, esta é entregue à sua família de origem, sem os seus filhos, e será marginalizada por toda a comunidade cigana. Quanto ao homem, o castigo a aplicar será o mesmo, mas poderá voltar se a mulher assim o entender. Sabe-se, no entanto, que a mulher traída não tem liberdade para se casar novamente, caso seja essa a sua vontade, então os filhos são-lhes retirados e entregues aos avós maternos. Nestas situações e no caso de um cigano ser divorciado, este fica impedido de ser padrinho de futuros noivos, o que constitui para estas comunidades um factor de perda de estatuto e de reconhecimento social. O divórcio propriamente dito, não existe, mesmo que ocorra a separação esta é feita de acordo com o consenso comunitário, não se recorrendo aos tribunais. A importância da virgindade Uma rapariga para casar tem que ter a virgindade ( ). (entrevista de terreno. Ago 2007) A cultura cigana sofreu, na Península Ibérica, grandes influências judaico-cristãs, e a questão da virgindade é uma delas. A noção de pureza e de limpeza é um elemento chave na matriz cultural cigana. Assim, a virgindade da rapariga é um dos principais valores que viabiliza o casamento segundo a lei cigana. Por isso mesmo, a censura e o controlo social é muito apertado, no que respeita às raparigas solteiras, exigindo-se destas uma elevada rigidez moral e de comportamentos. Sabe-se que a mulher cigana casa geralmente muito jovem, entre os 13 e os 16 anos, e é essencial para esta comunidade que a jovem preserve a sua virgindade até ao momento do casamento. Assim, a sua pureza é vista como uma reputação, e caso isso não aconteça, a mulher cigana perde a possibilidade de se casar e o respeito - Cáritas Diocesana de Aveiro 26

27 pela comunidade cigana na qual está inserida. A noiva deve comprovar a sua virgindade através da mancha de sangue no lençol que é mostrada a toda a comunidade cigana. Essa prova é feita normalmente pela anciã, pela cigana mais velha da comunidade cigana, a pedido do pai da noiva, e sempre na presença do seu noivo. ( ) é chamada a cigana mais velha no dia do casamento ( ) a juntadora. ( ) Chamam-lhe a hora da manhanada, a hora em que se mostra o lenço branco. (idem) Se a noiva não for virgem será punida segundo as tradições ciganas. Há zangas entre todo o mundo, e ela não pode ficar com o homem que ela vai casar. (idem) Devido a esta pressão e controle grupal, não será de estranhar que esta tradição tenha repercussões no abandono escolar, nomeadamente ao nível das raparigas, já que existem receios por parte da comunidade cigana relativamente aos ensinamentos e à aculturação que as jovens ciganas poderão adquirir por parte da sociedade maioritária. Papéis familiares: homem e mulher O homem é livre, a mulher não. (entrevista de terreno: Ago 2007) As comunidades ciganas caracterizam-se por serem comunidades patriarcais. É a partir do espaço doméstico que se constroem os símbolos e os significados do género e se legitima a dominação masculina. Segundo Maria Helena Chaves O poder simbólico de dominação no interior da família ou da comunidade cigana, está organizado e institucionalizado de forma hierarquizada. Os discursos dominantes no interior do grupo têm a marca da masculinidade, e são estes que impressionam e dão colorido às atitudes, aos saberes e às ideologias socialmente compartilhadas (2001:37). Os homens são os chefes de família, são eles que tomam as decisões e ditam a moral, as regras que moldam as condutas da comunidade cigana. O homem faz tudo o que ele quiser e não pede autorização a ninguém. O homem é livre, a mulher não! ( ). (entrevista de terreno: Ago 2007) Ser mulher na comunidade cigana implica frequentemente obrigações familiares, característica das sociedades patriarcais. As mulheres ciganas não possuem liberdade estando sujeitas à submissão das regras ditadas pela tradição cigana. A gente tem que cumprir, não mandamos em nós próprias. ( ) queremos fazer uma - Cáritas Diocesana de Aveiro 27

28 coisa à nossa vontade a gente temos que pedir ordem. ( ) eles não ouvem o nosso coração, só querem ouvir as opiniões deles. (idem) Às mulheres compete a transmissão da cultura na educação dos filhos, as tarefas domésticas, apoiar os maridos nas suas actividades e o papel de reprodutoras para assegurar a continuidade social e a sobrevivência do grupo. A cigana só cuida dos filhos, faz de comer e arruma a casa.(idem) As diferenças de género começam a notar-se logo na infância, já que aos rapazes é dada total liberdade ao passo que as raparigas ficam no acampamento sob o olhar atento dos familiares e desde cedo aprendem a cuidar dos irmãos e das tarefas domésticas. As meninas de treze, catorze anos sempre está o pai e a mãe, nunca ficam sozinhas. (idem) Essas diferenças condicionam também as práticas sociais dessas crianças, como por exemplo ver televisão. O rapaz possui liberdade para ver o que quiser e quando quiser, o mesmo não se passa com a menina, que tem sempre alguém por perto no sentido de a privar de determinados programas de televisão. Os rapazes podem ver tudo, as meninas não. Sempre está o pai ou a mãe, nunca ficam sozinhas.(idem) O poder na família é definido pela idade, compete aos mais velhos, detentores de sabedoria e de liderança, tomar as decisões importantes. O luto A lei deles é assim, ( ) durante um ano, a gente o luto que leva é muito pesado. ( ) não pode tomar banho, não pode ver televisão, não pode ouvir música. Mas depois de passar um ano, ( ) é muito diferente. (entrevistas de terreno: Ago, Set 2007) A solidariedade funciona na unidade parental e manifesta-se, sobretudo, nos momentos de doença e de falecimento dum familiar. Sendo um povo solidário, estes nunca abandonam um ente doente, acompanhando-o sempre desde o surgimento da doença até ao momento da morte. Para os ciganos a morte é sagrada. O povo cigano tem grande respeito pelos mortos e procuram fazer-lhes os funerais com grande solenidade. O cuidado que têm em honrar o morto deriva da sua forte crença na existência de fantasmas, e temem que o morto, não satisfeito com as honras prestadas, possa voltar para os perseguir. Na generalidade, assiste-se à mobilização de toda a família no sentido de velarem o corpo dia e noite esteja ele onde estiver, este nunca fica só. A cerimónia fúnebre faz-se, normalmente, no acampamento do defunto e é realizada pelo pastor. Actualmente, os ciganos aceitam as leis do país onde vivem, e enterram os seus mortos nos cemitérios. - Cáritas Diocesana de Aveiro 28

29 Tradicionalmente, sabe-se que queimam e deitam fora todos os bens do defunto, visto acreditarem que o espírito do defunto poderá pairar sobre as coisas que ele usou. O luto, na cultura cigana, é vivido com grande rigor, no entanto convém referir que nem todas as comunidades ciganas vivenciam da mesma forma, havendo diferenças de acampamento para acampamento. No caso da viuvez da mulher, a sua importância social é diminuída, perdendo direitos dentro da comunidade. A mulher viúva, segundo a lei cigana, não deve ver televisão, ouvir música, falar em demasia e a sua participação em eventos sociais, como por exemplo a festa de Natal e o casamento, é anulada. O desmazelo na forma de tratar o corpo é outra das provas eternas de sofrimento e de recordação do ente querido. A mulher veste uma roupa preta cedida por uma outra viúva do acampamento onde vive, e é-lhe rapado o cabelo pela cigana mais velha. Desde aquele momento em que eu vesti a roupa, tive que estar um ano sem tirar aquela roupa e a gente tem que cumprir. A avó dele, foi aquela mais velha que está ali ela sem pedir autorização a ninguém, chegou com a tesoura e cortoume o cabelo logo.(idem) Por outro lado, deixa de poder usar qualquer coisa que a possa embelezar ou chamar a atenção para a sua feminilidade. Em determinados acampamentos, a mulher viúva não pode tomar banho, nem usar roupa interior durante um ano. De certa idade não pode tomar banho, pode-se lavar mas tomar banho já não tomam. Porque a família vai falar mal dela. A mulher nova que fica viúva, está um ano sem se lavar ( ) Só a partir do ano é que se pode lavar (idem). A mulher cigana de luto não deve voltar a casar, já que nestas comunidades o luto é considerado para toda a vida. Não será de estranhar, que algumas mulheres de etnia cigana não aguentem o processo de luto e a única alternativa que encontre seja fugir, abandonando os filhos. ( ) muitas mulheres não aguentam o luto e fogem. ( ) abandonam os filhos, abandonam tudo.(idem) Apesar de alguns acampamentos viverem o processo de luto da mulher de forma rigorosa, verifica-se noutros, um certo alívio deste ritual, devido a uma certa aculturação provocada pela sedentarização, mas o essencial mantém-se. Morre, a mulher viúva é para toda a vida. Agora as que são novas já não, chega a um ano, dois anos tiram o luto. Passados dois anos pode voltar a casar. A lei antigamente não, os ciganos nos matavam. Fazíamos uma coisa assim, os ciganos nos apanhavam e com uma navalha cortavam-nos logo a cara. Agora já não.(entrevista de terreno 21 Set 2007) O luto nos homens é diferente, na medida em que se trata de outro sexo. Os homens deixam crescer a barba e o cabelo e portanto não cuidam tanto da sua aparência. Estes não podem ouvir música, ir a festas e ingerir bebidas alcoólicas. - Cáritas Diocesana de Aveiro 29

30 Na generalidade, o cigano não escreve, nem lê o nome de um ente querido que já tenha falecido. Em conclusão Caracterizar comportamentos e traços culturais e considerá-los como aspectos que tipificam uma população ou um grupo social será fixar, reificar e essencializar essas populações. Cada vez mais privados do espaço e do tempo socialmente definidos, assistimos ao aumento de várias entidades culturais em revolta contra o (durante tanto tempo defendido) universalismo. Com esta consciência, somos obrigados a atender ao engano ou talvez mesmo ao erro, de tantas vezes não reconhecer o indivíduo como um sujeito social, com uma cultura própria, uma identidade pessoal, grupal e societal que poderá ser bem diferente da do seu próximo. Este aspecto é fundamental, quando diversos olhos lêem, interpretam e analisam números, estatísticas ou descrições, sem atender ou não conhecer o complemento ou a cultura em estudo, os seus mecanismos de defesa, a sua história, ou posição numa cultura dominante. Nesta linha, será de respeitar esse direito à diferença, reconhecendo minorias com valores e formas de conduta próprias de estar, no intento de estabelecer um equilíbrio de intervenção (se necessária) sem provocar consciente ou inconscientemente assimilações de comportamentos maioritariamente aceites, que não se adequam, muitas vezes, à realidade específica. - Cáritas Diocesana de Aveiro 30

31 V Retrato da Comunidade Cigana de Aveiro - Cáritas Diocesana de Aveiro 31

32 V Retrato da Comunidade Cigana de Aveiro Este capítulo inicia, assim, a apresentação dos vários aspectos caracterizadores da população de etnia cigana, residente em acampamentos no concelho de Aveiro. Considerados teoricamente (entre outros), e vivenciados na prática, como indicadores de vulnerabilidade de pobreza e exclusão social 6, alinhamos num primeiro retrato (1.ª apresentação), alguns pontos de caracterização sócio - demográfica, reveladores de uma situação limiar, aquém das fronteiras previstas entre integração e exclusão social experimentada por estas comunidades: acampamentos e mobilidade geográfica, aspectos demográficos, família, sustentabilidade. Estas são, então, as primeiras características a descrever em relação ao universo em estudo, tendo em conta a sua associação e articulação com todas as restantes áreas analisadas e pormenorizadas em capítulos específicos posteriores. Acampamentos Acampamento Quadro nº. 1 Caracterização dos Acampamentos n.º indivíduos n.º agregados n.º alojamentos Freguesia Avenida Nova Vera Cruz N.ª Sr.ª Necessidades Esgueira Dankal Aradas Barrocas Vera Cruz S.Bernardo S. Bernardo Mamodeiro N.ª S.ª Fátima 1.º Ervideiros Esgueira 2.º Ervideiros Esgueira 3.º Ervideiros Esgueira Total Pobreza e exclusão são 2 conceitos que se cruzam quase no imediato, mas que não se confundem; a pobreza é uma parte integrante do processo de Exclusão Social, o qual emerge através de outros tantos factores, quer de índole material, social como cultural. Deste modo, Exclusão Social assume um carácter multidimensional, pelo facto de no mesmo processo se interligarem vários fenómenos sociais como a pobreza, o desemprego, a marginalização, a discriminação racial, entre outros. Trata-se assim, de um processo cumulativo de insucessos sociais. Por outro lado, é um conceito inteiramente associado a um padrão social específico de referência, o qual indica as principais dimensões condicionantes à inclusão / exclusão (ex: habitação, educação, saúde, emprego, justiça) e decide aquele que é e aquele que não é excluído, mediante a sua posição face aquilo que deve ser e à sua participação social (cívica) no meio. Com base neste conceito, o presente estudo, assume como capítulos em documento, as designações específicas das principais condições de vulnerabilidade à Exclusão Social, enunciadas. - Cáritas Diocesana de Aveiro 32

33 A maioria dos indivíduos concentra-se no conjunto dos 3 acampamentos de Ervideiros, totalizando 117 pessoas, correspondendo a 56,8% do total da população de etnia cigana a residir em acampamentos no concelho. O acampamento mais populoso é o 3.º bairro em Ervideiros, com 57 indivíduos, tendo também consequentemente um maior n.º de agregados (15) e alojamentos (13). Imediatamente a seguir com 28 indivíduos surge o bairro de S. Bernardo, seguindo-se Mamodeiro com 25 pessoas. Os acampamentos com menor n.º de residentes, e também mais pequenos (com menor n.º de agregados e alojamentos), são os bairros de N.ª Sr.ª das Necessidades (8 indivíduos, 4 agregados e 2 alojamentos), Avenida a Nova (8 indivíduos do mesmo agregado e do mesmo alojamento) e Barrocas (1 alojamento para 2 agregados com um total de 5 indivíduos). Quadro nº. 2 Caracterização dos Acampamentos Freguesia n.º indivíduos % Esgueira ,68 S. Bernardo 28 13,59 N.ª S.ª Fátima 25 12,14 Aradas 15 7,28 Vera Cruz 13 6,31 Total Tendo em conta a distribuição territorial por freguesia, verifica-se que na freguesia de Esgueira concentra cerca de 61% da população de etnia cigana a residir em acampamentos. Em menor escala, surge S. Bernardo, com 1 acampamento com 28 indivíduos e N.ª Sr.ª Fátima (Mamodeiro) com 25 residentes em 6 alojamentos. Vera Cruz, freguesia que constitui o principal núcleo da cidade concentra 2 acampamentos, com 1 alojamento cada, com um total de 13 pessoas. Aradas, bem próxima do centro da cidade, regista um acampamento (Dankal o acampamento mais antigo do concelho) com 15 elementos a habitar em 4 alojamentos, (1 para cada agregado residente). Ora, segundo diversos autores, a forma como os indivíduos estão distribuídos no território, assume uma importância acentuada na dinâmica da própria exclusão social, atendendo ao facto de potenciar vários processos de vulnerabilização e segregação espaço-societais. (Blanquart,1997; Tebib, 1996; Viellard Baron, 1996; Delarue,1991) - Cáritas Diocesana de Aveiro 33

34 O facto de se ocupar espaços sem licença de construção, próximos de zonas industriais, no meio de pinhais, situados na periferia leva a que as condições mínimas de habitabilidade não sejam atendidas, nestes acampamentos. 7 Todo este contexto acarreta um conjunto de fenómenos ligados à ausência de equipamentos, fealdade, insalubridade, que mutilam o próprio contexto de vida dos indivíduos, e que associados a outros factores de exclusão social, condicionam a posição destas comunidades no meio envolvente. Quadro nº. 3 Tipo de Alojamento tenda (materiais improvisados) barraca de madeira barraca de alvenaria (construção inacabada) construção clássica antiga construção de alvenaria acabada (tipo anexo) total Avenida Nova N.ª Sr.ª Necessidades Dankal Barrocas S.Bernardo Mamodeiro º Ervideiros º Ervideiros º Ervideiros Total A completar a reflexão anterior, observe-se os tipos de alojamento existentes nos bairros : construções tipo anexas (16), barracas de alvenaria (14), tendas feitas de materiais improvisados (13), barracas de madeira (6) e 1 construção clássica antiga. As tendas concentram-se nos acampamentos da Dankal (com 4 situações, equivalentes ao total de alojamentos aí existentes), na Avenida Nova (1 e único alojamento aí existente), S. Bernardo (3 situações) e nos 1.º e 3.º acampamentos de Ervideiros. Apenas existe uma construção clássica antiga, nas Barrocas, funcionando como único alojamento para os 2 agregados aí existentes. A Freguesia N.ª Sr.ª das Necessidades especifica-se pelo facto de ser um acampamento constituído apenas por construções de alvenaria tipo anexo. Os restantes alojamentos deste tipo situam-se em Mamodeiro e no 1.º e 3.º acampamentos de Ervideiros. O 3.º acampamento de Ervideiros, concentrando o maior n.º de alojamentos, também concentra o maior n.º de construções inacabadas, estando as restantes 7 Este assunto será posteriormente desenvolvido, no capítulo Habitação e Redes de Sociabilidade. - Cáritas Diocesana de Aveiro 34

35 distribuídas pelos restantes bairros de Ervideiros, S. Bernardo e Mamodeiro. O mesmo acontece em relação às barracas de madeira, embora não se tenham observado no 2.º bairro de Ervideiros e em Mamodeiro. Mobilidade Quadro nº. 4 Mobilidade das pessoas inquiridas Tempo de Residência Av. Nova N.ª Sr.ª Necessidades acampamento Dankal Barrocas S.Bernardo Mamodeiro 1.º Erv. < 6 meses meses - 2 anos anos anos anos ou mais anos Total º Erv. 3.º Erv. Total Durante muitos séculos, a população cigana portuguesa, permaneceu no nomadismo, embora nas últimas décadas, a tendência seja nítida quanto à sedentarização, bem mais acentuada nos meios urbanos e à volta das grandes cidades. No quadro anterior, constata-se uma escala relativamente ao tempo de residência que vai até aos 15 ou mais anos, podendo mesmo referir que existem situações com 30 e poucos anos de permanência no bairro. No acampamento da Dankal, em Aradas, regista-se um agregado com mais de 15 anos (cerca de 32 anos) de residência naquele bairro. Na maioria dos acampamentos, verifica-se a existência de agregados com um tempo de residência superior a 3 anos, variando até aos 14 anos de permanência. Ora este tempo, abarca a existência e a continuidade de pelo menos 3 gerações de crianças a frequentar o 1.º ciclo, facultando deste modo possíveis trabalhos de intervenção social (como se poderá analisar mais à frente a questão do Rendimento Social de Inserção) ou directamente exequíveis pelo sistema de ensino. Se esta questão da mobilidade geográfica, fica em aberto perante estes dados, (existência ou não de mobilidade geográfica), também encontramos nas comunidades, elementos que ainda foram ou se relacionam com parentes nómadas. Ao mesmo tempo, são ainda 17 os agregados que residem no bairro há menos de 2 anos, podendo corresponder a situações de mobilidade de distrito para distrito, situações que se verificam, igualmente, ao nível de alguns casais jovens que transitam de bairro para bairro. - Cáritas Diocesana de Aveiro 35

36 Naturalidade Quadro nº. 5 Naturalidade dos inquiridos (representantes dos agregados) Naturalidade n.º indivíduos Distrito de Aveiro, concelho de Aveiro 14 Distrito de Aveiro, outro concelho 29 Outro distrito - Centro 1 Outro distrito - Norte 7 Outro distrito - Costa de Lisboa 4 Outro distrito - Alentejo 1 Não responde 2 Total 58 Atendendo apenas à naturalidade dos representantes dos 58 agregados, a maioria (29 respostas) tem a sua origem no próprio distrito, ainda que em concelho diferente de Aveiro, seguem-se 14 elementos naturais do próprio concelho. As situações correspondentes a naturalidade em outros distritos, somam na sua totalidade, 13 situações. Ora, numa leitura focada apenas nesta informação, de novo se realça a tendência actual para algum sedentarismo (pelo menos a nível do concelho). Quadro nº. 6 Aspectos Demográficos Índice de envelhecimento 3,74% Índice de dependência total 116,84% Índice de dependência jovem 112,63% Índice de dependência idosos 4,21% % pop idade activa 46,12% % pop em idade escolar 26,21% - Cáritas Diocesana de Aveiro 36

37 Gráfico nº. 1 Pirâmide Etária Aspectos Demográficos Ao analisar as categorias sociais mais vulneráveis à pobreza e exclusão social, João Ferreira de Almeida, Luís Antunes Capucha e outros autores, apontam como característica particular das minorias étnicas, a estrutura etária jovem, com um elevado n.º de elementos em idade activa, assim como um elevado n.º de crianças e jovens em idade escolar (Almeida et al., 1994). Transportando este breve enquadramento à realidade em estudo, confirma-se, pelo desenho da pirâmide etária apresentada, o rejuvenescimento populacional destas comunidades, assim como a elevada percentagem de população em idade activa (46,12%). Acrescenta-se ainda a esta leitura, um índice de dependência jovem acima dos 100% (112,63%) em contraposição a um índice de envelhecimento que não chega aos 4% (3,74%). Conta para este facto, a idade de casamento nas comunidades ciganas, adiantando de igual modo a idade de ter o 1.º filho, contribuindo para um rejuvenescimento da população. Estamos assim, perante uma estrutura e dinâmica demográfica, tendencialmente contrária ao que se verifica na população em geral, nos países ditos desenvolvidos. Todas estas características abonam ao afastamento ou continuidade desta categoria à situação de pobreza e exclusão social (ibid). Assim, estamos perante uma população que apresenta um conjunto de factores e características que proporcionam situações de pobreza e de exclusão social: ausência de condições mínimas de habitabilidade; baixos níveis de escolaridade; dificuldades de acesso ao mercado de trabalho formal; dificuldades de acesso aos principais bens e serviços, entre outros. É a conjugação destes factores que tornam as comunidades ciganas como um dos grupos mais vulneráveis existentes. - Cáritas Diocesana de Aveiro 37

38 Ora, aproveitando o peso das camadas mais jovens, qualquer intervenção futura (sem cair em processos de aculturação ou assimilação), terá como potencialidade a maior abertura cultural (em termos de atitude e comportamental), próprias da irreverência dos mais novos. Outro aspecto importante de referir, é a elevada percentagem da população em idade activa, que em leitura sequencial, daria, (pelo modelo ocidental e representações sociais dominantes) fruto a uma elevada percentagem de elementos disponíveis para emprego / trabalho. 8 Quadro nº. 7 Estado Civil dos Inquiridos Estado Civil n.º indivíduos Solteiro(a) 1 União de facto 47 Casado(a) 1 Separado(a) de facto 4 Divorciado(a) 1 Viúvo(a) 4 Total 58 No universo dos 58 representantes de agregado, prevalecem as uniões de facto (57 situações), ou melhor o casamento cigano, dito casamento natural sem registo civil ou legalização. Gráfico nº. 2 Famílias casal sem filhos casal com filhos família monoparental agregado composto outro tipo de núcleo nº agregados isolado Total 8 Condição não observada no universo em estudo, conforme se poderá concluir no capítulo Percurso e Situação profissional. - Cáritas Diocesana de Aveiro 38

39 Do total das 58 famílias, destacam-se 29 situações de casais com filhos. Com 11 situações registam-se as famílias monoparentais, correspondendo a situações de ausência do cônjuge, ou por motivos de reclusão, ou por motivos de fuga às autoridades problemas judiciais, ou devido a desistência e processos de infidelidade ao casamento. escalões etários Quadro nº. 8 Número de filhos dos Inquiridos (representantes dos agregados) n.º de filhos <= >= Total Total De referir que o n.º de filhos registado corresponde ao n.º de filhos dependentes do agregado e em regime de coabitação. (fazendo parte do agregado), sendo visível o facto de se observar um n.º de filhos não tão elevado como de esperar e tipicamente comum nas comunidades ciganas. Por outro lado, é de referir que estamos perante casais maioritariamente jovens (entre os 16 e 24 anos por exemplo ) em que o n.º de filhos será uma pouco menor em relação ao que se verifica nos casais de escalões mais velhos, por si também já reduzidos. As situações sem filhos, correspondem a casais cujos filhos já se autonomizaram cedo devido ao casamento precoce e consequentes processos de requerimento de prestações sociais e ao mesmo tempo a situações de viuvez, e isolados (pessoas que vivem sozinhas), ou recém casais que ainda não têm filhos Situação socio-económica Uma das questões aplicadas em inquérito, aos representantes de cada agregado, foi relacionada com o Tipo de rendimentos do agregado. Num conjunto de opções, foram assinaladas aquelas que correspondiam à realidade da família. Desse levantamento, registaram-se como fontes de rendimento e com elevado n.º de respostas o Abono Familiar (41,1%) e o Rendimento Social de Inserção (35,8%) 2 prestações sociais. - Cáritas Diocesana de Aveiro 39

40 Gráfico nº. 3 Fontes de rendimento do agregado Indique a origem do principal rendimento do agregado. - Responderam a esta pergunta, as 58 famílias em estudo. Deste total, 32 revelaram que a origem de rendimentos da qual vem mais dinheiro é o Rendimento Social de Inserção. 12 Agregados referiram o abono familiar como sendo a principal fonte de rendimentos. São apenas 4 os agregados, cujos rendimentos mensais aumentam com o salário ou trabalho de algum dos elementos da família. Observa-se ainda 1 situação em que o agregado recorre à mendicidade como principal meio para obter rendimentos, e outra situação em que a família não regista qualquer tipo de rendimentos. Gráfico nº. 4 Principal fonte de rendimentos 32 salário / trabalho prestação velhice prestação invalidez abono familiar 12 apoio particulares rendimento social de inserção outro (mendicidade) n.º agregados ausência de rendimentos - Cáritas Diocesana de Aveiro 40

41 Estes dados, embora cingidos à realidade concelhia (e respeitante apenas à população residente em acampamentos) ilustram um pouco a reflexão dos mesmos autores, quando, ao descreverem os principais modos de vida associados a situações de vulnerabilidade à pobreza e exclusão social, enunciam a convivialidade como sendo um deles (Almeida et al., 1994). Adoptado a este modo de vida, tendencialmente, os indivíduos desenvolvem como estratégia, a dependência dos subsídios da segurança social, jogando um pouco com o estatuto de pobreza nos relacionamentos sociais, incluindo as relações com os diversos serviços, nomeadamente com a protecção social, reivindicando e utilizando diversos esquemas excepcionais com fim a obter apoio na obtenção de recursos. 9 Incidência do Rendimento Social de Inserção 10 Do esquema apresentado, e somando os agregados beneficiários do Rendimento Social de Inserção com os agregados, que no passado já foram abrangidos pela medida, obtém-se um total de 49 agregados (num universo de 58 famílias) com 9 Segundo estes autores, a convivialidade predomina em famílias urbanas de rendimentos incertos, semi-legais ou ilegais e a ciganos pobres. A sua distribuição no espaço regista uma forte concentração nas zonas urbanas, prevalecendo um grande contraste com o meio envolvente, tornando assim mais visível a situação de pobreza. Como estratégia de vida os indivíduos recorrem ao expediente e dependência em relação aos serviços e apoios, valorizando ao mesmo tempo o prazer convivial. A sua relação com a sociedade envolvente é desenhada por contraculturas e algum ressentimento em relação à sociedade e ao destino. Procuram estar sempre actualizados quanto a novidades e são cometidos excessos lúdicos no consumo de bebidas e comidas (ainda que vivendo em situação de carência). São também adquiridos objectos de tecnologia moderna. A sua relação com o passado tem um forte valor afectivo (forte componente cultural). O presente é vivido com intensidade, não existindo qualquer preocupação ou plano para o futuro. 10 O Rendimento social de Inserção consiste numa prestação incluída no subsistema de solidariedade no âmbito do Sistema Público de Segurança Social, e num programa de inserção, de modo a conferir aos indivíduos e seus agregados familiares apoios adaptados à sua situação pessoal, de modo a contribuir para a satisfação das suas necessidades essenciais / básicas, promovendo também a progressiva inserção laboral, social e comunitária. Todos os indivíduos e famílias em situação de grave carência económica e com condições para atribuição, Podem requerer o RSI. - Cáritas Diocesana de Aveiro 41

42 histórico de RSI. Concluindo assim a forte incidência desta política / medida social nas comunidades em estudo. Relativamente às áreas assinadas no acordo de inserção social do Rendimento social de Inserção, os 34 agregados beneficiários, reconhecem a assinatura, nas seguintes áreas: Quadro nº. 9 Áreas assinadas no âmbito do Rendimento Social de Inserção área "assinada" respostas saúde 29 educação 27 acção social 18 emprego 9 formação profissional 2 habitação 2 Gráfico nº. 5 Titulares de RSI Saúde e educação são as duas áreas mais reconhecidas pelos 34 agregados beneficiários de Rendimento social de Inserção, com 29 e 27 respostas respectivamente. Segue-se a acção social com 18 respostas. Com um n.º de respostas mais reduzido, registam-se as áreas do emprego, formação profissional e habitação. Mais uma vez é de revitalizar aqui o facto de se estar a tratar de discursos e percepções dos próprios inquiridos e não de uma realidade concreta, neste caso, de - Cáritas Diocesana de Aveiro 42

43 uma verdade plena e existente / contratualizada no momento do acordo de inserção estabelecido. O objectivo deste estudo, passa exclusivamente por obter essa mesma percepção, não entrando em análise ou reflexão sobre outras questões como a existência ou não de respostas adequadas, etnicização ou não do Rendimento Social de Inserção (discriminação positiva), distância ou continuidade entre direitos sociais e direitos culturais das comunidades ciganas na prática do RSI (Branco, 2001). Assim, são reconhecidas como áreas assinadas e para cumprir essas áreas exigem um compromisso em relação sobretudo à população mais nova (crianças e jovens em idade escolar). Deste modo é possível verificar a cobertura da medida quando em capítulos posteriores se apresentar valores relacionados com a frequência escolar, cumprimento do Plano Nacional de Vacinação, entre outros. Ficam mais a descoberto as restantes áreas, que independentemente de todos os outros factores inerentes à execução desta medida social, não são por motivos culturais, ou mecanismos e estratégias de contorno ao sistema, reconhecidas, ou assimiladas como áreas a cumprir. Acrescente-se ainda, um factor a associar a este facto, o qual diz respeito aos níveis literários bastante reduzidos desta população, que não de uma forma isolada, poderão condicionar a interpretação de tal acordo, caso este não seja preparado, lido e explicado aos próprios. Avaliação da situação sócio-económica Uma das formas de recolher mais alguns dados relativamente à percepção destas comunidades no que diz respeito à sua situa sócio económica, foi colocada directamente, aos representantes de cada agregado, a questão Como considera a situação sócio-económica do seu agregado?. Dos 58 respondentes (representantes dos agregados), 35 consideraram a situação do agregado má ou muito má em termos sócio-económicos. Quadro nº. 10 Avaliação da situação socio-económica avaliação da situação sócioeconómica n.º indivíduos boa 3 aceitável 19 má 22 muito má 14 Total 58 - Cáritas Diocesana de Aveiro 43

44 Contudo, destes 35, apenas 7 indivíduos sentem-se capazes de tomar algumas medidas para melhorar tal situação, entre as quais: Aumento da qualificação aperfeiçoar a cestaria frequentar cursos de formação Trabalho vender cestos biscatada procurar trabalho Organizar a vida familiar pôr as crianças na creche alugar uma casa Pela observação destes resultados, detecta-se por um lado, a noção por parte dos indivíduos, de que a situação familiar se encontra aquém das condições mínimas de estabilidade sócio-económica, e por outro constata-se uma certa impotência nessa resolução. Desta forma, essa incapacidade (que mediante as respostas dadas, se verifica em 28 das 35 situações de maior carência sócio-económica), converge com reflexões quanto ao modo de vida adoptado pela generalidade das comunidades ciganas pobres e outros estratos da população (referido anteriormente), por outro lado serve de registo à dinâmica de todo o processo de exclusão social vivido por esta população, que para além de se sentir incapacitada de participar activamente no seu processo de (re)integração, vê-se desprovida de recursos materiais, escolares e culturais, que lhes confere uma situação de desigualdade social (aos olhos dos quadros referenciais dominantes, com o nome de excluídos). - Cáritas Diocesana de Aveiro 44

45 Em conclusão Distribuição Territorial: - 9 acampamentos no concelho, - maior concentração de indivíduos e agregados familiares de etnia cigana nos 3 acampamentos de Ervideiros (freguesia de Esgueira), Tipos de alojamento: - construções do tipo anexo, barracas de alvenaria, barracas de madeira e tendas. Naturalidade - Predominam os elementos respondentes com origem no próprio distrito de Aveiro. Aspectos Demográficos: - Rejuvenescimento populacional, - Índice de dependência jovem acima dos 100%, - 46,12% da população encontra-se em idade activa, Predomínio das uniões de facto (casamento cigano), ou dito casamento natural, - Realce do nº de casais jovens (como consequência da precoce idade de casamento). Situação sócio-económica - Principais fontes de rendimento: prestações sociais (Abono Familiar e Rendimento Social de Inserção), - A maioria dos agregados (49 agregados do total de 58) é ou foi beneficiária da medida social do Rendimento Social de Inserção. - Cáritas Diocesana de Aveiro 45

46 VI Habitação, habitat e comunidade(s) - Cáritas Diocesana de Aveiro 46

47 VI Habitação, habitat e comunidade(s) Não menos importante que a apresentação dos dados referentes a este tema, é a consideração inicial quanto ao próprio título deste capítulo: Habitação, habitat e comunidade(s). Como uma das áreas que mais alicerçam a qualidade de vida das populações, a habitação, é por isso, uma condição primária de (sobre)vivência pessoal e familiar. As diferentes posições quanto ao seu acesso, as diferentes condições habitacionais, a diferente distribuição das habitações no território, levam a que a Habitação se manifeste como um indicador directo das desigualdades sociais 11. O acesso à habitação é um dos aspectos que mais afecta as camadas populacionais mais carenciadas. Situadas em bairros periféricos ou bairros de barracas, sem condições de habitabilidade, estas populações ficam condicionadas noutros sectores de integração e bem-estar, como a saúde, a escolarização, o acesso ao trabalho e ao mercado de bens de consumo. A situação das comunidades de etnia cigana face à habitação, é ainda pouco conhecida, no entanto, alguns estudos, revelam que um terço da população cigana do país, vive ainda em condições precárias de habitação 12. Em respeito às comunidades em estudo, estamos perante uma população que reside em acampamentos, nos quais predominam barracas e tendas, e cujas condições de habitação, em relação às infraestruturas existentes (conforme se poderá verificar mais à frente), deixam estes agregados numa situação plena de vulnerabilidade em termos habitacionais. Habitar não representa apenas ter uma habitação para morar, significa também, residir num espaço de referência, ter uma vizinhança e estar localizado com maior proximidade ou distância dos equipamentos e serviços, bem como do centro da própria cidade. Ora, isto implica acentuar o conceito de Habitat. As pessoas agrupam-se, organizam-se em determinados espaços, apropriando-se desses mesmos espaços (em termos culturais e relacionais). À medida que o seu tempo de permanência nos bairros foi aumentando, foram reconhecendo determinados espaços como sendo seus, criando uma identidade espacial, e por isso, construindo desse modo o seu habitat. Por outro lado, não devemos esquecer, que apesar de pertencer a um grupo étnico, com uma história e uma cultura comum, as comunidades ciganas não deixam de revelar as suas diferenças, visíveis também na sua localização e distribuição no 11 GUERRA, Isabel (1997), Um olhar sociológico sobre o alojamento, in Sociologia Problemas e Práticas, n.º 24, p FARINHA, Tiago - Habitação e Discriminação em Portugal, in Boletim Informativo, Fevereiro 2005, n.º26. - Cáritas Diocesana de Aveiro 47

48 território, no modo de apropriação do bairro, nas suas relações de vizinhança, sem falar na sua condição socio-económica. Apesar de estarmos perante uma população em que todos os agregados residem em acampamentos, não deixam de existir diferenças entre si, sobretudo quando passamos de bairro para bairro. Este facto, se em termos descritivos e de investigação sócio-demográfica, não interfere nas conclusões e propostas a apresentar, não poderá ser esquecida no momento de definição de medidas nesta área de intervenção pois as condições e as características organizacionais de cada comunidade poderão ser, um dos aspectos mais relevantes num processo de apoio habitacional. Deste modo, o capítulo Habitação, habitat e comunidade(s) assume uma análise pertinente. Numa primeira fase, são retratadas as condições de habitabilidade, tendo presente o discurso da população que reside nestes acampamentos: situações de coabitação, divisões do alojamento, infra-estruturas, principais problemas de habitabilidade. Numa segunda fase, a questão habitat e comunidade(s) é revelada através de uma análise quanto ao sentido de pertença que os residentes têm ou não relativamente ao bairro onde se encontram. Mediante dados quantitativos obtidos através de questões aplicadas em inquérito, obtém-se a percepção dos residentes relativamente ao estado de conservação do bairro aos seus problemas, assim como os principais motivos para gostar ou não de residir no bairro. A utilização de alguns conceitos ligados a esta área temática, assim como a consideração de algumas questões a colocar em inquérito, contaram com o contributo do Serviço de Habitação Social da Câmara Municipal de Aveiro. Deste modo foi possível uniformizar alguns conceitos, assim como pormenorizar algumas questões úteis, que são importantes ter presente em termos de intervenção. Condições de habitabilidade Quadro nº.11 - Condições de habitabilidade Tipo de alojamento n.º de alojamentos tenda (materiais improvisados) 13 barraca de madeira 6 barraca de alvenaria (construção inacabada) 14 construção clássica antiga 1 construção de alvenaria ( acabada - tipo anexo) 16 Total 50 - Cáritas Diocesana de Aveiro 48

49 Conforme já havia sido referido no capítulo anterior, predominam nestes 9 acampamentos, as construções e as barracas de alvenaria (somando 30 alojamentos), as tendas feitas com materiais improvisados (13) e as barracas de madeira (6). Para além deste tipo de alojamento, existe ainda uma construção clássica antiga. Quadro nº.12 - Regime de propriedade Regime de propriedade n.º de alojamentos propriedade do agregado 39 regime de arrendamento 2 cedida 7 ocupada pelo agregado 2 Total 50 Tendo em conta os dados obtidos ao nível do regime de propriedade, verificamos que do total dos 50 alojamentos, 39 são do próprio agregado que os habita, 7 alojamentos são cedidos e 2 são ocupados. Quadro nº.13 - Estado de Legalidade estado de legalidade n.º de alojamentos construção legal 1 construção clandestina 49 Total 50 Relativamente ao estado de legalidade, dos 50 alojamentos apenas 1 é uma construção legal, correspondendo à construção clássica antiga, que, aquando da aplicação do inquérito estava a ser ocupada pelos seus habitantes. Se considerarmos a privacidade como uma plataforma pertinente para o desenvolvimento harmonioso do indivíduo, quer em termos pessoais, como familiares, é bem visível, a não correspondência de tal facto, visto que o n.º de divisões dos alojamentos, nos quais predominam situações com uma só divisão é elevado (28 situações). Quadro nº.14 - Número de divisões/número de alojamentos n.º divisões n.º alojamentos uma só divisão 28 duas ou mais divisões 22 total 50 - Cáritas Diocesana de Aveiro 49

50 Quadro nº.15 - Número de pessoas/número de alojamentos n.º de pessoas n.º de alojamentos ou mais 21 Total 50 Relacionando o n.º de divisões dos alojamentos com o n.º de pessoas que neles habitam, é de referir as 21 situações em que residem no alojamento 5 ou mais pessoas. Verifica-se, igualmente, 8 situações de coabitação de agregados. Assim, pode-se salientar que estamos perante um cenário em que o n.º de elementos é superior às condições/divisões do alojamento, mesmo quando as habitações possuem mais do que uma divisão. Este facto, por sua vez, confirma as más condições de habitabilidade que estas comunidades vivenciam, pois, mesmo que a habitação tenha mais do que uma divisão, corresponde sempre a um alojamento com n.º de quartos reduzido para o n.º de pessoas que nele habitam. Quadro nº.16 - Número de agregados/número de alojamentos n.º de agregados n.º alojamentos Total 50 Quadro nº.17 - Número de quartos/número de alojamentos n.º quartos n.º alojamentos ou mais 4 Total 22 No quadro seguinte, estão expostas as infra-estruturas básicas que qualquer alojamento deveria possuir de modo a reunir as condições mínimas de habitabilidade. Seguindo a sua leitura, constata-se a ausência total de saneamento em qualquer um dos alojamentos. Segue-se a ausência de água canalizada em 43 dos 50 alojamentos. De referir, ainda as situações de carência de wc interno, banheiro/chuveiro, cozinha e sistema de escoamentos (fossas). Relativamente aos - Cáritas Diocesana de Aveiro 50

51 alojamentos que possuem electricidade, verifica-se que a proporção é mais elevada, já que estas comunidades a fazem através de instalações clandestinas e não através da requisição formal de tal serviço. Quadro nº.18 - Infra-estruturas em falha por alojamento infra-estrutuas n.º de alojamentos saneamento 50 água canalizada 43 fossa 41 banheiro / chuveiro interno 41 wc interno 40 cozinha 36 electricidade 18 Dos 50 alojamentos, 17 são considerados desprovidos de qualquer infra-estrutura. Reavivando em análise, o facto de nos alojamentos residirem maioritariamente casais jovens com filhos ou famílias monoparentais, pode-se referir que estamos perante situações precárias que exigem respostas urgentes relativamente a necessidades básicas, cuidados a ter com as crianças, saúde e a higiene. Este facto ressalta, assim, a emergência das condições habitacionais para o cumprimento das diferentes áreas indispensáveis ao desenvolvimento do indivíduo. Paralelamente, verifica-se, que 48 dos 58 agregados, enunciam problemas de habitabilidade no alojamento em que habitam, focando três áreas fundamentais: ausência de condições de habitabilidade; a necessidade de reparações e a falta de privacidade. Quadro n.º 19 - Principais problemas de habitabilidade Principais problemas % de respostas Ausência de condições de habitabilidade Necessidade de reparações Falta de privacidade falta de infra-estruturas, casa em ruínas). 36,4 mau isolamento, falta de pintura, humidades, telhado). 39,8 poucas divisões ou nenhumas, falta de portas e janelas, alojamento pequeno para o agregado. 20,3 - Cáritas Diocesana de Aveiro 51

52 Quadro nº Avaliação do estado de conservação do alojamento avaliação % de respostas muito bom 2,6 bom 10,3 aceitável 44,8 mau 23,3 muito mau 19,0 Bairro Analisando os dados dos inquiridos relativos ao estado de conservação do bairro, verificamos que, a maioria dos agregados familiares (43) considera o estado de conservação do bairro como bom (34,5%) e aceitável (39,7%). Esta percepção, inversa relativamente ao seu parecer no que diz respeito ao estado de conservação do alojamento, relaciona-se provavelmente com o sentimento de pertença ao bairro e às relações familiares vincadas, já que 56 dos 58 agregados familiares residem com outros familiares no bairro. Falamos assim, de dois campos distintos na percepção dos residentes: por um lado o alojamento com todas as condicionantes relativas a condições de habitabilidade, condições de higiene e de saúde, etc, por outro, todas essas situações são colocadas em segundo patamar, quando se fala do bairro, do habitat, que apesar das suas limitações (problemas), não deixa de ser para muitos, um espaço aceitável, ou até mesmo bom para estar / viver. Quadro nº.21 - Avaliação do estado de conservação avaliação do estado de conservação do bairro % de respostas bom 34,5 aceitável 39,7 mau 17,2 muito mau 8,6 Do total dos 58 agregados, 17 apresentam sugestões para melhorar o estado de conservação do bairro / acampamento, as quais passam pela criação de condições - Cáritas Diocesana de Aveiro 52

53 sanitárias, de acessibilidade ao bairro, assim como pela criação e implementação de alguns benefícios ao meio envolvente deste. Alcatroar o caminho de acesso ao bairro Criação de condições de acessibilidade Colocar passadeiras na estrada junto ao bairro Fazer passar os transportes perto do bairro um sanitário no bairro Criação de condições sanitárias colocar luz e água no bairro limpar o mato Beneficiar o meio envolvente do bairro fazer um jardim fazer obras Relativamente à existência de problemas no bairro, constata-se que, do total dos agregados familiares, 34 registam problemas no bairro. Dos vários tipos de problemas citados pelos agregados ressalta a falta de limpeza (com 25,3% das respostas), os poucos e maus acessos ao acampamento e a ausência de transportes públicos (17,3%), a distância dos serviços (13,3%) e a falta de segurança (9,3%). Curiosamente, sabendo que a falta de bens essenciais como a falta de electricidade e de água afecta a maioria destes agregados, apenas 2 agregados (correspondendo A 27% das respostas) ressalvaram este tipo de problema. É ainda de notar a visibilidade que cada um destes problemas tem mediante a localização dos acampamentos em relação ao centro da cidade: Ervideiros, Mamodeiro e S. Bernardo tomam maior preocupação com a distância relativamente aos serviços. Quadro nº.22 - Principais problemas no bairro Principais problemas no bairro % de respostas Pouca limpeza 25,3 Ausência transportes públicos 17,3 Maus / poucos acessos 17,3 Distância dos equipamentos e serviços públicos 13,3 Falta de segurança 9,3 Conflitos entre vizinhos 6,7 Outros problemas 5,3 Falta de luz/água 2,7 Insegurança rodoviária junto ao bairro 1,3 Falta de privacidade familiar 1,3 - Cáritas Diocesana de Aveiro 53

54 Quadro nº.23 - Gosta de viver no bairro onde reside? tempo de residência no bairro n.º de respostas sim não < 6 meses meses - 2 anos anos anos anos ou mais anos 1 0 total Dos 56 representantes dos agregados que responderam a esta questão, 39 dizem gostar de viver no bairro onde residem e 17 assumem não gostar. Se cruzarmos o tempo de residência nos bairros com o gosto por viver no bairro, observa-se que à medida que o tempo de residência vai aumentando, há uma evolução inversa das respostas sim e não. Repare-se no total de 11 agregados a residir há menos de 6 meses no acampamento, 5 dizem gostar de lá viver e 6 respondem que não. Por sua vez, esta proporção é logo alterada, quando se avança para um tempo de residência superior ao meio ano. Há uma maior proporção de agregados familiares que diz gostar de viver no bairro onde reside (39 respostas). À medida que aumenta o tempo de residência das comunidades ciganas no bairro, estes não só se apropriam de um território ocupado reconhecendo-o como seu, como também reforçam a sua identidade. De acordo com Alexandra Castro, esta identidade sinal da sua pertença ao bairro é manifestada pela sua afectividade que mantêm com o espaço do bairro e pelo sentimento que demonstram pela sua especificidade nas suas formas de apropriação e no relacionamento com os outros. (1995: 104) Dos 39 elementos que responderam (em representação do seu agregado) gostar de viver no bairro, 36 apontam as suas razões, das quais se destacam as relações familiares vincadas com 17 respostas. Não menos importante e com algum peso nas respostas dadas, aparece a boa localização/perto dos serviços (9), o forte sentimento de pertença (8), as boas relações de vizinhança, a tranquilidade no bairro e por último o gosto pelo ar livre O espaço exterior assume um forte valor simbólico para estas comunidades. Além de tipicamente a casa cigana ter sempre a porta aberta, em termos de organização interior da mesma, não existem corredores. Dá-se maior importância a um espaço amplo, de acesso directo ao exterior, o qual muitas vezes funciona como cozinha e sala: é aí que as mulheres cozinham e tratam da roupa, as crianças brincam ou estudam e os homens conversam. Esse mesmo espaço serve para receber os familiares em dias de festa, quando não dá de todo para os receber no exterior, ao ar livre, tendo como ponto central a fogueira. - Cáritas Diocesana de Aveiro 54

55 Quadro nº.24 - Razões para gostar de viver no bairro Relações familiares vincadas Boa localização / "perto dos serviços" Forte sentimento de pertença Razões para gostar de viver no bairro perto da família a família é muito unida perto dos serviços perto da escola perto da cidade São muitos anos a viver no bairro esta é a zona onde cresci O terreno é da família n.º de respostas Boas relações de vizinhança a vizinhança é boa 6 Tranquilidade no bairro bairro sossegado não há conflitos Gosto pelo ar livre" preciso de espaço e de ar livre Dos 17 elementos que responderam não gostar de viver no bairro, 15 enunciam os principais motivos da sua resposta. Evidencia-se, assim, a falta de segurança/conflitos sociais (10 respostas), seguida do sentimento de não pertença em relação ao bairro (7), das más condições do bairro (6), do isolamento social (4) e da falta de condições de acessibilidade. Quadro nº.25 - Razões para não gostar de viver no bairro Falta de segurança / conflitos sociais Não pertença Más condições do bairro Isolamento social Razões para não gostar de viver no bairro falta de privacidade muita gente e muitos conflitos problemas com a droga a casa não é minha este não é o meu sítio o bairro não tem condições há muito lixo o bairro é muito fechado muito isolado há falta de convivência com os outros não ciganos n.º de respostas Falta de condições de acessibilidade distância dos serviços Perante a oportunidade de mudar de residência e de alojamento, 45 representantes dos agregados familiares, responderam que sim, em detrimento de 13 que responderam não. Do total desses elementos que gostaria de mudar de residência e de alojamento, a maioria (41) gostaria de mudar para uma casa unifamiliar, sendo 4 os que preferem morar em apartamento. O concelho de Aveiro, foi a localidade eleita por 42 dos agregados familiares para viver. Nestes - Cáritas Diocesana de Aveiro 55

56 dados destacam-se três pontos de reflexão: o facto de a maioria dos agregados preferir mudar de alojamento (tendo oportunidade para tal), e isto com vista a obter melhores condições de habitabilidade, por outro, as preferências na mudança assumem e demonstram o valor dado ao espaço exterior, por opção a uma casa unifamiliar, e ao mesmo tempo, os laços criados no próprio concelho, fruto de algum (bastante) tempo de permanência nessa localidade. Quadro nº.26 - Habitação preferida Habitação preferida n.º de respostas Casa unifamiliar 41 Apartamento 4 Quadro nº.27 - Localidade preferida Localidade preferida Distrito de Aveiro, concelho de Aveiro Distrito de Aveiro, outro concelho n.º de respostas Outro distrito Um terceiro ponto tem a ver com as 13 respostas ditas resistentes, ou a preferir, os 13 elementos que tendo possibilidade de mudar de alojamento ou residência, não mudariam. As razões enunciadas vão de encontro às registadas pelos agregados que gostam de viver no bairro: o forte sentimento de pertença, as boas relações de vizinhança, o gosto pelo ar livre, as relações familiares e a acessibilidade aos serviços Quadro nº.28 - Razões para não mudar de residência Razões para não mudar de residência n.º de respostas Forte sentimento de pertença / posse 7 Boas relações de vizinhança 3 Gosto pelo ar livre 3 Relações familiares vincadas 2 Acessibilidade / perto dos serviços 1 - Cáritas Diocesana de Aveiro 56

57 Em conclusão: Condições de habitabilidade: - Do total dos 50 alojamentos, apenas um é construção legal, - 17 alojamentos são considerados desprovidos de qualquer infra-estrutura básica, - Ausência total de saneamento no universo dos alojamentos em estudo, - Ausência de água canalizada na maioria dos alojamentos, - Poucas divisões ou nenhumas face à dimensão dos agregados (falta de privacidade). Bairro: - Principais problemas: pouca limpeza, ausência de transportes públicos, maus e poucos acessos ao bairro. - Principais sugestões para melhoria: criação de condições de acessibilidade, criação de condições sanitárias, benefícios ao meio envolvente ao bairro. - A maior parte dos agregados gosta de viver no bairro onde reside. As principais razões que apresentam para tal, vincam-se na força das relações familiares, atendendo a que a maior parte destes agregados tem familiares a residir no bairro. - Perante a oportunidade de mudar de residência ou de alojamento, 45 representantes dos agregados familiares responderam que sim, tendo preferência por uma casa unifamiliar, mantendo a residência no concelho de Aveiro. - Cáritas Diocesana de Aveiro 57

58 VII Escolarização e Formação - Cáritas Diocesana de Aveiro 58

59 VII Escolarização e Formação Várias ideias chave poderão entrar em discussão quando se reflecte sobre as comunidades de etnia cigana e a escola, visto que a escolarização é um factor de integração social. Relacionado com este factor encontra-se o futuro profissional e a facilidade / dificuldade de integração no mercado de trabalho (outra condição ao sucesso social do indivíduo). Porém, e quando nos focamos na escolarização dos elementos de etnia cigana em situações socio-económicas desfavorecidas, surgem algumas questões, muitas delas em voga actual de discussão e análise. Uma dessas questões tem a ver com um processo sociologicamente designado por assimilação. Ou seja, um processo pelo qual, um colectivo, é forçado a integrar-se noutro colectivo, tornando-se semelhante à força. Predomina uma relação de poder entre a cultura dominante e a cultura dita minoritária, pressupondo que o colectivo dito dominado venha a perder muito da sua cultura mãe, a qual será substituída por elementos culturais da cultura dominante. Muitas vezes o colectivo minoritário é considerado socialmente patológico, sendo tratado com uma atitude paternalista do grupo dominante. Talvez por um desconhecimento acentuado da cultura cigana, sequente da falta de diálogo cultural ou predisposição para tal, os baixos níveis académicos, as elevadas taxas de analfabetismo e de abandono escolar, continuam (não exclusivamente) associados às características socio-económicas destas comunidades. Inerente a esta relação de força e de poder, surge a questão da legitimidade e do arbítrio cultural entre sociedade dominante minorias étnicas (comunidades de etnia cigana). Segundo Pierre Bourdieu em todos os casos, é na exclusão que reside o verdadeiro reconhecimento da legitimidade da cultura dominante e o correlativo reconhecimento da ilegitimidade do arbítrio cultural dos grupos dominados, a qual assume maior força simbólica, quando aparentemente toma aparências e formas de auto-exclusão. (Bourdieu e Passeron, 1971) Quando ao habitus primário e étnico 14, é imposto um novo habitus, isto gera crise, e sobretudo crise de identidade, bem como mecanismos de defesa, transformações de fraquezas em forças pelos mesmos sentidas. Assim acontece com as comunidades de etnia cigana a este nível sócio-económico. Querer impor um sistema ou um modelo de ensino adverso à sua cultura, leva a processos de autoexclusão visíveis no abandono precoce da escola, taxas de absentismo, para não falar em taxas de analfabetismo e ausências de percurso escolar, ao mesmo tempo que a relação com a escola é muitas vezes conflituosa. 14 Termo usado por Maria José Casa Nova na sua obra Relação dos Ciganos com a escola pública: contributos para a compreensão sociológica de um problema complexo e multidimensional, Cáritas Diocesana de Aveiro 59

60 Antes de apresentar qualquer dado estatístico e para melhor entender esta relação, recorremos ao estudo Comunidades Ciganas Representações e dinâmicas de exclusão / integração, na qual os autores consideram que a escola tem duas funções: a função de qualificação e socialização e a função de custódia da infância e da juventude. (Dias et al., 2006) Qualificação e sociabilização A escola é frequentemente vista pela maioria das comunidades ciganas, como uma perda de tempo, isto é, não vêem utilidade da formação escolar. Alguns factores são aqui enunciados para tal facto, como por exemplo: a mobilidade geográfica e o facto da deslocação interferir na assiduidade escolar, razões de foro cultural como o predomínio da educação e socialização no seio familiar em detrimento da acção escolar e, por fim, a preferência por aprender habilidades específicas em vez de obter conhecimentos abstractos. Deste modo, a escola, não é vista pelos ciganos com este papel ou função de socialização ou qualificação. Custódia da infância e da juventude De todo esta função é reconhecida à escola. Em relação às raparigas, estas são educadas no sentido de cuidar desde cedo dos irmãos mais pequenos. Por outro lado, e com o objectivo de serem afastadas dos não ciganos, as raparigas depressa são preparadas para o casamento. Assim, neste sentido a sua frequência na escola é desde cedo condicionada e limitada. Outros factores são considerados, como a sujeição a ritmos, horários, posturas e sobretudo à autoridade detida pelos professores, a qual pode ser completamente contrária ao que se defende no seio familiar Todas estas considerações, servem um pouco de enquadramento aos dados que a seguir são apresentados. Quadro nº Habilitações literárias (população com 10 ou mais anos) Habilitações literárias n.º de indivíduos não sabe ler nem escrever 47 35,9 < 4 anos de escolaridade 43 32,8 1.º ciclo (4.º ano) 29 22,1 2.º ciclo (6.º ano) 12 9,2 Total ,0 % - Cáritas Diocesana de Aveiro 60

61 Da leitura do quadro anterior, constata-se uma taxa de analfabetismo de cerca de 36%, predominando os baixos níveis de escolaridade (constituindo na maior parte das vezes um constrangimento para ingresso em outras áreas como a formação ou o emprego). Frequência Escolar (população com 6 ou mais anos) Do total de 153 elementos com 6 ou mais anos 55 frequentam o sistema de ensino, dos quais 97 não frequentam o sistema de ensino, dos quais 23 do sexo masculino 32 do sexo feminino 69 já frequentaram (no passado) 28 não têm qualquer percurso escolar Em termos de frequência escolar, e de acordo com as respostas dos inquiridos, observamos que, de um total de 153 pessoas com idade entre os seis ou mais anos, existem 55 indivíduos que frequentam o sistema de ensino, dos quais 23 são do sexo masculino e os restantes 32 do sexo feminino. Se por outro lado, analisarmos a frequência escolar de acordo com os vários escalões etários da população estudada, verificamos que os indivíduos com idades compreendidas entre os seis e os nove anos frequentam na sua totalidade o sistema de ensino, com excepção de três crianças que no momento embora já tivessem seis anos de idade, não frequentavam a escola, mas já se encontravam inscritas para esse ano lectivo. Na faixa etária entre os 10 e os 15 anos de idade, a taxa de frequência escolar é ligeiramente superior no sexo masculino (92.3%) do que no sexo feminino (81%). Tal situação deve-se ao facto das meninas terem que abandonar o ensino mais cedo para cuidarem dos irmãos mais novos e se ocuparem de outras obrigações familiares, ao mesmo tempo que se encontram em idade para casamento (conforme foi já referido no início do capítulo). Esta situação inverte-se, quando analisamos as respostas dadas pelos inquiridos com idades compreendidas entre os 16 e os 24 anos. Para além de se verificar uma queda acentuada na frequência do sistema de ensino, essa só se regista por parte das mulheres. Ao mesmo tempo que os rapazes homens tomam liberdade para abandonar a escola, as raparigas - mulheres (muitas delas já casadas) assumem novas responsabilidades e funções familiares. Nesta situação e provavelmente em - Cáritas Diocesana de Aveiro 61

62 período a requerer o Rendimento Social de Inserção, o agregado assume (mediante acordo de inserção) um conjunto de obrigações, que sendo a mulher titular de tal acordo e o homem muitas vezes excluído por incumprimento, é no comportamento e no compromisso por parte da mulher, que reside a manutenção do acordo assinado, fazendo valer a contratualização social, o que a obriga, a continuar a frequentar a escola. 15 Esta mesma posição face ao Rendimento Social de Inserção, justifica (também) as maiores taxas de frequência escolar nos escalões etários em idade escolar obrigatória. Gráfico nº.6 - Cobertura da medida Rendimento Social de Inserção: Área Educação A ilustrar a reflexão anterior, o gráfico demonstra (e seguindo as respostas obtidas pelos inquiridos) a relação entre o facto de o agregado ter nos seus rendimentos a prestação pecuniária de tal medida e a frequência dos elementos na escola. Pela sua leitura, verifica-se que todas as crianças em idade escolar estarão a frequentar o sistema de ensino. 16 A escola é então vista como uma obrigação, e não como algo que é valorizada nas suas funções de socialização e de integração social. No quadro seguinte registam-se os graus académicos obtidos por quem já não se encontra a frequentar o sistema de ensino. 15 De recordar que o principal meio de subsistência destes agregados corresponde à prestação pecuniária da medida do Rendimento Social de Inserção (conforme dados apresentados em capítulo 8 Retrato da Comunidade Cigana de Aveiro. 16 No escalão etário dos 6 aos 9 anos, a percentagem não assume os 100% atendendo às 3 crianças com 6 anos, que embora inseridas neste grupo de idades, ainda não frequentam a escola, ainda que estejam já matriculadas para frequentar o ano lectivo próximo. - Cáritas Diocesana de Aveiro 62

63 Quadro nº.30 - Nível Académico Obtido Nível académico obtido n.º indivíduos < 4 anos de escolaridade - regular 7 1.º ciclo (4.º ano) - regular 6 2.º ciclo (6.º ano) - regular 4 < 4 anos de escolaridade - recorrente 40 1.º ciclo (4.º ano) - recorrente 5 2.º ciclo (6.º ano) - recorrente 6 Não sabe 1 Total 69 Destaca-se a importância do Ensino Recorrente, abrangendo 40 indivíduos, os quais não conseguiram obter o 1.º ciclo completo. A completar esta informação, apresenta-se os dados relativos aos motivos para não frequentar o sistema de ensino e que foram apresentados por 90 pessoas (que deixaram de frequentar ou que nunca frequentaram a escola). Quadro n.º31 - Principais motivos de abandono escolar Motivos % de respostas Deveres familiares questões culturais 28,6% Extinção 1.º ciclo do E.R. 25,0% pouca utilidade da escola 15,2% Mobilidade geográfica 8,9% Dificuldades financeiras 7,1% "Não gosto da escola" 3,6% Idade < 6 anos 2,7% Doença 2,7% Outro 2,7% Falta meios de transporte 1,8% Conclusão das habilitações pretendidas 1,8% Em desfecho das várias questões colocadas no início deste capítulo, anotam-se como principais motivos de não frequência do sistema de ensino os deveres familiares e as questões culturais, a extinção do 1.º ciclo do Ensino recorrente (e por isso a ausência de uma obrigação) e ainda a consideração por parte dos elementos, da escola como sendo pouco útil. - Cáritas Diocesana de Aveiro 63

64 Quadro nº.32 - Frequência do pré-escolar Escalões Etários sim não Total < 3 anos anos anos anos anos anos anos >=65 anos Total Verifica-se maior frequência do pré-escolar nos escalões mais novos, entre os 3 e os 9 anos. Além de todas os factores anteriormente mencionados, refira-se os trabalhos de intervenção e de sensibilização junto das famílias, que, não caindo em processos de aculturação, permitem estes resultados de ingresso das crianças no ensino pré-escolar. Na sua opinião, a criança cigana enfrenta algumas dificuldades / constrangimentos na escola? Discriminação nos direitos Racismo Os ciganos não gostam da escola Do universo de 58 representantes dos agregados, apenas 5 respondem que a criança de etnia cigana passa por dificuldades ou constrangimentos na escola, enunciando o racismo, a discriminação nos direitos e ainda ao facto de os ciganos não gostarem da escola. Dessas 5 pessoas, surgiram duas sugestões para melhorar essa situação: - Ensinar os professores a ensinar os ciganos, - Educar as outras crianças a aceitar os colegas ciganos. - Cáritas Diocesana de Aveiro 64

65 Face aos baixos níveis de habilitações literárias, e muitas vezes à ausência ou ténue percurso escolar das comunidades de etnia cigana, algumas das iniciativas e medidas de intervenção no terreno, passam por explorar campos formativos mediante as condições académicas da população e suas aspirações e preferências, desenvolvendo com isso novas formas de obtenção de competências (literárias e profissionais). Deste modo, verifica-se a frequência de alguns elementos em acções de formação. Em análise ao universo em estudo, é de referir, a frequência de 14 elementos (do total de 98 pessoas com 16 ou mais anos) em acções de formação (com duração de 60h), muitas das quais promovidas pelo projecto Novas Sendas (de essência comunitária junto das comunidades ciganas de Ervideiros, (freguesia de Esgueira), bairros nos quais se concentra grande parte da população de etnia cigana a residir em acampamentos no concelho. Quadro n.º33 - Áreas de formação: Arraiolos Conserto e tratamento de roupa Construção civil Cozinha Novas tecnologias de informação e comunicação Promoção da inserção socio-profissional Promoção pessoal e da cidadania Em conclusão -Incidência de uma taxa de analfabetismo de 36%, - Predomínio dos baixos níveis académicos, - 28 elementos (com 6 ou mais anos) sem qualquer percurso escolar, - As crianças dos 6 aos 9 anos frequentam, na sua totalidade, a escola, - Forte cobertura da medida do Rendimento Social de Inserção. - Principais motivos para não frequentar a escola: deveres familiares e questões culturais, extinção do 1.º ciclo do E.R., pouca utilidade da escola. - Principais sugestões: ensinar os professores a ensinar os ciganos, educar as outras crianças a aceitar os colegas ciganos. - Cáritas Diocesana de Aveiro 65

66 VIII Trabalho,emprego e modos de vida - Cáritas Diocesana de Aveiro 66

67 VIII Trabalho, emprego e modos de vida O emprego assume, talvez um dos principais elementos de destaque quando se aborda a questão da Exclusão Social. Isto porque na sociedade ocidental capitalista é modelo e condição básica o acesso ao mercado de trabalho e emprego, para iniciar ou manter todo um processo de inserção e sucesso social. Resta, então, esclarecer ou relembrar o que é entendido por trabalho e por emprego. Segundo Anthony Giddens, o trabalho é a realização de tarefas que envolvem esforço físico e mental, a fim de produzir bens e serviços para satisfazer necessidades humanas. É a base do sistema económico( )Uma ocupação ou emprego é o trabalho efectuado em troco de salário regular (1997:579). Deste modo se estabelece a diferença entre trabalho e emprego. Uma situação de trabalho poderá não corresponder a uma situação de emprego, uma vez que o conceito de emprego implica a legitimação de uma actividade de trabalho através da relação contratual entre ambas as partes. Emprego, é assim sinónimo de trabalho com salário. Este capítulo aborda, por isso, a exposição de um modelo que define e pondera toda a problemática de Exclusão Social. Segundo este modelo, é através do emprego que se organiza todo o acesso ao mercado de consumo, ao rendimento, aos direitos e à protecção social, assim como todas as outras questões relacionadas com estima e desenvolvimento psico-social ligadas à utilidade, sociabilidade e identidade sociais. Assim, se entende, (pela linha de pensamento de vários autores) a importância e o predomínio da exclusão no mercado de trabalho, em relação a todas as outras áreas e dimensões da exclusão social. (Castel,1998; Gaujelac e Leonetti,1994; Paugam,1996). Como acontece em todos os modelos, surgem algumas lacunas ou falhas, as quais poderão ter graves ou leves consequências, mediante a abrangência que assumem. Neste caso, retomamos como objecto de reflexão, a posição ou condição de exclusão das comunidades ciganas no país 17. Ora, por este modelo (salarial), é imediatamente esquecido, ou (porque não usar o vocabulário) excluído o entendimento cultural de trabalho e emprego por parte da etnia cigana, que como marca da sua identidade, assim se distingue do modelo em vigor na sociedade dominante. 17 Para esta reflexão contam os conteúdos apresentados no capitulo Conceitos e Dimensões da Problemática da Exclusão Social / Integração Social nas Comunidades Ciganas, na obra Comunidades Ciganos Representações e dinâmicas de exclusão / integração. Eduardo Costa Dias, Isabel Alves, Nuno Valente, Sérgio Aires. - Cáritas Diocesana de Aveiro 67

68 Ora, nas disposições culturais dos ciganos, o trabalho é visto em segundo plano na sua pirâmide de valores. Para estes, o trabalho é concebido como uma necessidade, não um fim, e deve deixar o homem livre para se ocupar das questões sociais (reuniões, visitas de famílias, recepções, visitas a doentes, etc) e para desenvolver as suas relações ( ) um dos elementos mais marcantes que constitui a identidade do cigano e itinerante é o suporte da conservação da identidade (Liégeois, 1989:72). O trabalho é visto como uma condição à sobrevivência e não como objectivo. É uma necessidade; deixando de ser necessário, cessa. Assim, em volta de um conjunto de relações não económicas (mas muito mais familiares), ser trabalhador não significa ter um status e o trabalho não chega a ser uma categoria reconhecida. É no seio da família que se organiza toda a lógica económica dos ciganos. Predominam as actividades por conta própria, que lhes permite um grau de autonomia e de liberdade favorável aos seus modos de vida. As actividades tendem a ser exercidas em grupo e o rendimento é distribuído consoante a qualidade e quantidade do trabalho que fazem. Muito raramente se sujeitam a autoridades exteriores ao seu grupo de pertença, ou a horários rígidos. 18 Vive-se o dia a dia, sem planos. As necessidades do quotidiano são garantidas no imediato, não se perspectivando o futuro. As actividades passam pela recolha e venda de ferro velho, fabrico de cestaria artesanal, negócio de compra e venda de equídeos, venda ambulante de porta em porta, ou em feiras. O facto de não terem uma ocupação fixa que lhes permita um rendimento regular leva-os, frequentemente, a recorrer à mendicidade e a expedientes de natureza mais ou menos ilegal. (Pinto, 2000;71-72) Servem estes pressupostos de enquadramento, para iniciar uma análise dos dados respeitantes à população de etnia cigana a residir nos acampamentos do concelho de Aveiro. Assumindo muitas destas características, e tendo em comum este modus vivendis, a posição destas comunidades face ao emprego e o seu percurso profissional, não deverá cair num modelo interpretativo dito dominante, com o risco de se banalizar mais uma vez o teor cultural a ter em conta em medidas e iniciativas a desenvolver para a integração social destas comunidades. Em termos metodológicos, é de notar que alguns conceitos ligados ao tema Emprego reconhecidos pelo Instituto Nacional de Estatística e pelo Instituto de Emprego, foram esclarecidos e trabalhados em termos estatísticos em articulação com o Centro de Emprego de Aveiro 18 Este aspecto é notório, aquando a leitura das respostas dos inquiridos relativamente às principais dificuldades ou constrangimentos da comunidade cigana face ao mercado de trabalho. - Cáritas Diocesana de Aveiro 68

69 Quadro n.º 34 - Situação face ao Emprego por sexo Sexo TCO 1.º Emp. DLD Estud. Reform. Nunca trabalhou / não proccura emp. Total M F Total Quadro n.º 35 - Situação face ao Emprego por escalões etários Escalões Etários TCO 1.º Emp DLD Estud. Reform. Nunca trabalhou / não proccura emp anos anos anos >=65 anos Total Total Ao observar (mediante os quadros anteriores) a situação destas comunidades ciganas face ao emprego, e atendendo a duas variáveis: sexo e escalões etários, são retiradas algumas notas válidas quanto à sua caracterização sócio-económica. Verifica-se, assim, a partir das respostas obtidas que, de um total de 98 indivíduos com 16 ou mais anos, apenas 2 indivíduos (do sexo masculino), estão empregados. Na totalidade, existem 26 desempregados, dos quais 16 procuram primeiro emprego e 10 são desempregados de longa duração. Existem apenas 2 estudantes, e 4 reformados. De realçar, que a maior parte desta população, ou seja 64 indivíduos, diz nunca ter trabalhado nem estar à procura de emprego, sendo esta situação equitativamente distribuída por todos os escalões etários em idade activa, não se revelando diferenças entre os dois sexos. Quadro n.º36 - Estrutura da população com 16 ou mais anos Situação face ao emprego n.º de indivíduos População >=16 anos 98 População em idade activa (16 64 anos) 94 Trabalhadores por conta de outrem (TCO) 2 Desempregados de Longa Duração 10 Procura de 1.º Emprego 16 Desempregados a trabalhar 4 Não procura emprego (nunca trabalhou nem procura emprego, desempregado que não procura emprego, estudante) 76 - Cáritas Diocesana de Aveiro 69

70 Do total das 98 pessoas com 16 ou mais anos, 94 encontram-se em idade activa. Desse total, os dois elementos que estão empregados, são trabalhadores por conta de outrem (guarda-nocturno e serviços gerais). A taxa de desemprego nestas comunidades assume valores superiores a 90%. Dos 26 indivíduos desempregados, 10 são desempregados de longa duração e desses 10, 4 elementos (do sexo masculino) desenvolvem alguns trabalhos informais, tendo como actividades a venda em feiras, a venda de cestos feitos pelos mesmos, a sucata e arte de amolar. Ainda relativamente ao universo dos elementos desempregados, 16 indivíduos (dos escalões mais jovens) dizem estar à procura do 1.º emprego, apontando como áreas preferidas: Cuidar de crianças e idosos Costura Cozinha Informática Limpezas Cestaria Construção Civil Electricista Guarda Nocturno Se tivermos em linha de conta os indivíduos que nunca trabalharam e nem procuram emprego, os desempregados que não procuram emprego e os estudantes, somamos um conjunto de 76 elementos que têm em comum o facto de não procurar emprego. Ora, esta constatação evidencia um notável desfasamento entre o n.º de pessoas em idade activa para trabalhar e a população activamente disponível para tal. Ou seja, se houvesse a possibilidade de cruzar esta informação com as entradas / inscrições no Centro de Emprego de Aveiro, de certo os números estariam muito distantes entre si. Isto porque muitas das pessoas que dizem nunca terem procurado emprego, estão inscritas no Centro de Emprego de Aveiro 19. Mas de facto, conseguir emprego não é um objectivo. Para estas comunidades o emprego não é visto como uma necessidade. A sua passagem pelos centros de emprego é feita, cumprindo uma obrigatoriedade, de modo a aceder ao Rendimento Social de 19 Só haveria essa possibilidade, no momento em que o sistema de informação interno dos serviços, discriminasse a população que a si se dirige, estabelecendo uma categorização por etnia. Por razões evidentes, tal não acontece. - Cáritas Diocesana de Aveiro 70

71 Inserção. 20 Repare-se, que a área emprego é uma das áreas menos reconhecidas pela população, aquando da assinatura de acordo de inserção. Quadro n.º37 - Cobertura da medida Rendimento Social de Inserção Área Emprego (População com 16 ou mais anos) Indivíduos pertencentes a famílias beneficiárias do Rendimento Social de Inserção Procura emprego Não procura emprego Total Dos 59 indivíduos com 16 ou mais anos, cujas famílias estão abrangidas pela medida do Rendimento Social de Inserção, 51 dizem não procurar emprego, enquanto apenas 8 assumem procurar activamente emprego. Quadro n.º38 - Motivos para não procurar emprego Motivos masculino feminino total de respostas Motivos familiares Motivos culturais Doença Não reune habilitações /formação necessária A estudar / frequentar curso de formação "Não há emprego / trabalho "Não gosto de trabalhar" Discriminação racial Idade avançada Sem documentos de identificação Outros motivos Aos 76 indivíduos que não procuram emprego, colocou-se a seguinte questão Se não anda à procura de emprego/trabalho, qual(s) os motivos?. 20 Conforme descrições sobre os modos de vida das populações de etnia cigana em situação de carência sócio - económica, assiste-se a uma dependência dos serviços dada a irregularidade dos rendimentos através das actividades que se vão realizando de um modo também irregular e informal (ver capítulo 8: Retrato da Comunidade Cigana de Aveiro - Cáritas Diocesana de Aveiro 71

72 Mediante as respostas obtidas, observa-se que os motivos familiares (com 25 respostas) e culturais (com 24), seguidos da doença (com 21) são aqueles que pesam mais na decisão de não procura de emprego. Concentrando a análise para a comparação entre as respostas dadas por ambos os sexos, verifica-se que os motivos culturais e familiares assumem de imediato os primeiros lugares quanto a razões apontadas pelas mulheres para efectivamente não procurar emprego. Apontam-se como motivos cuidar dos filhos e da casa, a mulher cigana não trabalha, confirmando de igual modo a forte influência da família em todas as decisões a tomar, sobretudo as de ordem e lógica sócioeconómica, já para não pormenorizar a relação entre papel e funções da mulher na comunidade e a sua relação com o exterior. A doença, constitui um motivo enunciado por ambos os sexos, concentrando, no entanto, maior n.º de respostas, no sexo masculino. De facto, os motivos culturais e familiares não atingem tanto os homens, sendo a estes concedido maior grau de liberdade e autonomia, mesmo em relação à comunidade e vivências fora do habitat. A doença assume, a posição de motivo mais sério ou legítimo a apresentar, ficando em dúvida, até que ponto estas 9 respostas correspondem a uma verdadeira limitação por motivos de doença ou fragilidades na saúde, ou, se assumem uma categoria a saber aceitável junto da sociedade dominante, para um indivíduo não trabalhar ou não procurar emprego. Este constrangimento de verdades e discursos, acentua-se, sobretudo, nestas questões com as quais se toca indirectamente em focos culturais e de mentalidades, que através de um inquérito por questionário não ficam de todo conhecidos. Para além da doença, os indivíduos do sexo masculino destacam também a ausência de habilitações e formação necessária, ausência de respostas de emprego (ambos os motivos com 5 respostas). De referir ainda a resposta Não gosto de trabalhar, considerada como motivo por 4 elementos, aparecendo em primeiro lugar, no quadro de leitura, ainda antes da discriminação racial (com 3 respostas). Estes dois últimos motivos enquadram-se também no leque das principais dificuldades (segundo os inquiridos) sentidas pelas comunidades ciganas no mercado de trabalho. Na sua opinião, as comunidades ciganas enfrentam dificuldades ao nível da inserção no mercado de trabalho?. Dos 55 representantes dos agregados familiares que responderam, 20 denunciam existir constrangimentos na inserção das comunidades ciganas no mundo do trabalho. - Cáritas Diocesana de Aveiro 72

73 E a esta pergunta directa, destaca-se como primeira resposta o racismo/estereótipos/preconceitos (18 respostas). Em seguida surge a falta de habilitações com 8 respostas, sendo que estes 8 elementos reconhecem a condição literária como condição de acesso ao mercado de trabalho. As auto-representações dos ciganos como os ciganos não gostam de trabalhar para as outras pessoas, os ciganos fazem muitas asneiras e os ciganos têm pouco cuidado com a imagem, são também reflectidas por 4 indivíduos. Por último a diferença cultural entre etnia cigana e sociedade dominante, é apresentada como constrangimento e dificuldade à inserção das comunidades ciganas no mercado de trabalho. Por esta sequência de respostas repare-se na distância e ao mesmo tempo proximidade entre si: por um lado as auto-representações desfavoráveis, por outro, um sentimento de discriminação. Quadro n.º 39 - Na sua opinião, as comunidades ciganas enfrentam dificuldades ao nível da inserção no mercado de trabalho? Dificuldades N.º de respostas Racismo, estereótipos, preconceitos Os patrões não aceitam os ciganos como deve ser Ninguém conhece, nem quer conhecer os ciganos 18 Falta de habilitações 8 Auto-representações dos ciganos Os ciganos não gostam de trabalhar para outras pessoas Os ciganos fazem muitas asneiras Os ciganos têm pouco cuidado com a imagem 4 Culturas diferentes 1 Das 20 pessoas (representantes dos agregados) que denunciam as dificuldades sentidas pelas comunidades ciganas na inserção ao mercado de trabalho, 10 apresentam algumas sugestões para melhorar tal situação: com destaque na aposta da formação tanto escolar como profissional da população cigana (com 8 respostas). Importante também, seria a implementação de medidas de modo a pôr um fim no racismo e nos preconceitos relativamente aos ciganos (5 propostas). Uma última sugestão apontada, seria uma empregabilidade mais favorável às comunidades ciganas (4 respostas), com o aumento do número de feiras e com propostas de emprego que os ciganos possam aceitar. - Cáritas Diocesana de Aveiro 73

74 Quadro n.º 40 - Sugestões para maior inserção das comunidades ciganas no mercado de trabalho Sugestões N.º de respostas Formação escolar e profissional para a população cigana Aumento da escola Mais formações para os ciganos 8 Terminar com o racismo, estereótipos, preconceitos Empregabilidade favorável às comunidades ciganas Conhecer melhor os ciganos Aumento do n.º de feiras Propostas de emprego que os ciganos possam aceitar 5 4 Em conclusão - Taxa de desemprego acima dos 90%, - Apenas 2 elementos em idade activa, em situação de emprego, - Notável desfasamento entre o n.º de pessoas em idade activa para trabalhar (94 elementos) e a população activamente disponível para tal (76 pessoas assumem não procurar emprego). - Principais motivos para não procurar emprego: motivos familiares e questões culturais, motivos de doença, - Principais dificuldades ao nível da inserção no mercado de trabalho: racismo, estereótipos e preconceitos em relação aos ciganos, falta de habilitações, autorepresentações negativas em relação aos ciganos, a diferença cultural. - Principais sugestões: formação escolar e profissional para a população cigana, terminar com o racismo e os estereótipos e preconceitos, empregabilidade favorável aos ciganos. - Cáritas Diocesana de Aveiro 74

75 IX Saúde e Doença - Cáritas Diocesana de Aveiro 75

76 IX Saúde e Doença A saúde e a doença são dois conceitos inseparáveis e socialmente construídos, que vão sendo definidos, construídos e estipulados por cada cultura ao longo dos tempos. Em senso comum, a definição de um destes conceitos remete para a ausência do outro. No entanto, e atendendo ao âmbito (cultural) deste estudo, será de reflectir um pouco sobre o enquadramento desta temática, quanto mais não seja pela necessidade de considerar a emergência e a constante reformulação de tais conceitos, mediante o ritmo das mudanças e contextos sócio-culturais considerados. Independentemente do conteúdo biológico, para que haja saúde, ou para que haja doença, é necessário que determinada sociedade e cultura considerem como tal. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a saúde é entendida como um estado de bem estar físico, mental e social e não apenas como uma ausência de doenças ou enfermidades. É um direito humano fundamental e, como tal, todas as pessoas devem ter acesso aos recursos de saúde básicos e necessários. Ao bem - estar físico, mental e social, rapidamente se associa o termo de qualidade de vida dominado pelas percepções do indivíduo sobre a sua posição face às condições de saúde, os seus sentimentos e comportamentos quotidianos, o seu acesso aos serviços e a sua relação com o meio. Chegamos assim ao ponto em que a saúde se torna sobretudo um dos principais indicadores de igualdade ou desigualdade de oportunidades. E desta consideração emerge a sua importância na integração e inclusão dos indivíduos, que conjugada com outros factores determinantes como as condições de habitabilidade, a educação / escolarização e o emprego condicionam o exercício pleno de cidadania. Atendendo ao universo em estudo e à complementaridade das diversas áreas em reflexão, apontamos algumas notas de análise, no campo da saúde, ao longo da caracterização da população de etnia cigana (residente em acampamentos no concelho). Cingido apenas às percepções e discursos dos inquiridos, este estudo (diagnóstico), contou com a colaboração da equipa técnica do Centro de Saúde de Aveiro, que mediante os critérios usados pela entidade, programas e conceitos, participou na elaboração de algumas questões, assim como na uniformidade de tratamento e análise de dados. Assim, a primeira informação a ser recolhida, e que numa leitura imediata fornece alguma noção de abrangência de serviços, (ou se entendermos, alguma noção quanto à relação distância proximidade, comunidades serviços de saúde), foi relativa ao número de inscrições em Centros de Saúde. - Cáritas Diocesana de Aveiro 76

77 Ao total de 206 indivíduos, foi colocada a seguinte questão está inscrito no centro de saúde. A partir das respostas obtidas, observou-se que a maior parte da população está inscrita no centro de saúde 196 pessoas. Gráfico n.º 7 Inscrições em Centro de Saúde Das 196 pessoas inscritas em centros de saúde, 162 estão inscritas em Aveiro, 9 noutro concelho do distrito, e 19 estão inscritas noutro distrito que não o de residência. Confirma-se assim, um primeiro contacto com o centro de saúde, em relação à maioria da população em estudo, não sendo, ainda de concluir, quanto à regularidade ou frequência do seu recurso. Este cuidado em análise, toma a sua proporção, quando da totalidade dos 58 agregados, 51, preferem recorrer primeiro aos hospitais em situações de doença. Tal dado entra em concordância com algumas características escritas no Guia para a Intervenção com a Comunidade Cigana nos Serviços de Saúde (2007), nomeadamente o facto de as comunidades ciganas sentirem a necessidade imediata de curar as doenças da forma mais rápida possível, atendendo à forte associação doença / morte. Deste modo se observa o elevado ou excessivo recurso aos serviços de urgência, independentemente do estado ou ponto de situação da doença. Tendo presente a concepção e percepção dos inquiridos, quanto à doença, foi-lhes colocada a questão Teve ou tem algum problema de saúde grave?. Responderam a esta questão, 204 indivíduos, dos quais 38 disseram passar ou já ter passado por - Cáritas Diocesana de Aveiro 77

78 situações de doença, havendo maior concentração de respostas afirmativas nos escalões etários superiores, a partir dos 25 anos. Quadro nº.41 - Teve ou tem algum problema de saúde grave? Escalões Etários sim não total < >= total Quadro nº.42 - Principais problemas de saúde Áreas / problemas de saúde Respostas Osteo-articular 9 Cardiovascular 7 Outra 7 Dos sentidos 6 Psiquiatria - dependências 5 Gastro-intestinal 4 Renal 3 Deficiência mental 3 Hematológica 3 Pulmonar 3 Infecciosa 3 Oncológica 2 Dos problemas de saúde denunciados, destacam-se os problemas do foro osteoarticular (9 respostas), cardio-vascular (7 respostas) e dos sentidos (6 respostas). De referir a categoria «outro», que mereceu 7 respostas. Foram ainda assumidas (por elementos do sexo masculino), aquando a aplicação do inquérito, 5 situações problema do foro de psiquiatria dependências, correspondendo a um 4.º lugar no quadro das doenças que mais afectam a população. Este facto assume uma certa relevância, atendendo ao próprio contexto em que estas situações foram assumidas, visto que o inquérito foi aplicado em terreno, nos próprios acampamentos, havendo possibilidade de estas respostas serem ouvidas ou conhecidas pela restante comunidade residente. Por outro lado, embora prevalecendo uma relação de empatia entre a equipa de terreno e a população - Cáritas Diocesana de Aveiro 78

79 inquirida, as inquiridoras não deixaram de ser elementos estranhos à comunidade e aos próprios indivíduos, facto que poderia condicionar a abertura destas respostas. 21 Quadro n.º43 - Seguimento / Tratamento em Serviços de Saúde Serviço(s) de Saúde situações Hospital 18 Centro de Saúde 14 Centro de Saúde, Hospital e Médico Particular 2 Especialidade Centro de Atendimento a Toxicodependentes 1 Total 35 Das 38 situações com registo de problemas de saúde, 35 já tiveram ou têm (à data da aplicação do inquérito) seguimento / tratamento em serviços de saúde. Desse total, nota-se a preferência de 18 situações com recurso ao hospital, 14 em centros de saúde, 2 conjugando os vários serviços e 1 em serviço de especialidade (CAT). Seria precipitado concluir com estes dados a preferência da população de etnia cigana em termos de serviços de saúde, com indicação dos hospitais em 1.º recurso. Isto porque, será de atender à existência ou não de respostas em cada serviço para o tipo de problema / doença em causa e o devido encaminhamento para serviços complementares ou especializados. Aos problemas de saúde, acrescenta-se mais 2 indicadores de informação quanto ao estado e condições de saúde da população inquirida: Quadro n.º44 - Número de famílias com situações de deficiência Tipo de Deficiência N.º famílias Deficiência física 2 Deficiência física e sensorial 1 21 De conhecimento bibliográfico e seguindo um pouco as linhas de orientação do Guia para a Intervenção com a Comunidade Cigana nos Serviços de Saúde, é frequente, nas comunidades de etnia cigana a recusa deste tipo de problema, devido à vergonha, implicações e consequências junto da comunidade, assim como (por vezes) às resistências culturais a processos de tratamento. - Cáritas Diocesana de Aveiro 79

80 Quadro n.º45 - Interrupção de gravidez (aborto) N.º abortos N.º mulheres Total 14 Das 76 mulheres com 10 ou mais anos 22, 14 inquiridas assumem ter já sofrido interrupção de gravidez (voluntária ou involuntária), sendo duas com idades compreendidas entre os 10 e os 15 anos. Relativamente ao n.º de situações de interrupção de gravidez por mulher, verificamos, mediante as respostas obtidas, a prevalência de 9 situações com um caso de interrupção. Uma das formas de ponderar sobre a atitude de uma população relativamente à saúde, é observar e analisar os seus comportamentos quanto à prevenção, e por isso seguimento ou não dos cuidados de saúde primários. O inquérito tem igualmente como objectivo questionar a população quanto ao cumprimento / frequência de consultas e programas de saúde. 22 Em respeito à tendência cultural da etnia cigana, para uma maternidade precoce, logo seguida de um casamento também precoce, para efeitos de análise, foram consideradas para esta informação, todas as mulheres, incluindo adolescentes a partir dos 10 anos, salvaguardando as fortes possibilidades de existência de situações de interrupção de gravidez nestas idades. De conhecimento de intervenções e projectos em terreno, assim como da leitura do Guia para a Intervenção com a Comunidade Cigana nos serviços de Saúde, constata-se o domínio das elevadas taxas de maternidade precoce e muitas vezes sem acompanhamento médico durante a gravidez ou de pós-parto, assim como um elevado n.º de partos sem assistência médica. No universo a caracterizar, não foi possível obter essa informação junto das pessoas inquiridas. Por opção, da equipa de estudo, estas questões não foram directamente colocadas, com vista a desviar qualquer impedimento de resposta a todas as outras questões, desbloqueando qualquer tipo de constrangimento na relação inquirida inquiridor restante comunidade. Por sua vez, de novo se reforça, que se trata de discursos, respostas individualizadas, que poderão ou não corresponder a uma verdade plena caracterizadora. No entanto estes são os valores assumidos por 14 num universo de 76 mulheres. - Cáritas Diocesana de Aveiro 80

81 Gráfico n.º 8 Cumprimento / Frequência das consultas e programas dos serviços de saúde, da área de residência No caso particular, cumpre, actualmente, com as consultas dos serviços de saúde da sua área de residência? A esta pergunta, cerca de 81% do total da população afirmou cumprir com as consultas e programas dos serviços de saúde da área de residência, e cerca de 19% (39 casos) admitiu não cumprir. Por sua vez, nota-se alguma diferença entre ambos os sexos. Do total de mulheres, cerca de 89% dizem cumprir, e da totalidade dos homens, cumprem 71%. Uma diferença nas respostas que poderá precisamente coincidir com as práticas, indo ao encontro da constatação do que se observa nos serviços de saúde (e que é transversal à população em geral): os homens não estão tão sensibilizados para a prevenção de doenças. Salvaguarda-se ainda o facto de estas percentagens (elevadas) de cumprimento poderão estar relacionadas com a cobertura e cumprimento do acordo celebrado no âmbito da medida do Rendimento Social de Inserção. Também é de acrescentar nesta análise, alguns frutos e resultados mais positivos de um trabalho de terreno de alguns anos, consolidado, de sensibilização e de intervenção junto das comunidades, com o esforço e ajuste estratégico dos serviços correspondentes. - Cáritas Diocesana de Aveiro 81

82 Gráfico n.º 9 Cumprimento / Frequência de consultas e programas de saúde, por escalão etário A associação de todos estes factores é ainda mais notória, quando observamos a evolução deste facto, por escalão etário. É bem visível a cobertura e o pleno cumprimento de consultas e programas de saúde, nas crianças entre os 6 e os 9 anos (crianças em plena idade escolar). Esta situação poderá estar relacionada com a articulação de serviços escola saúde, a obrigatoriedade de cumprimento de medida de Rendimento Social de inserção, assim como a reprodução de aprendizagens e interiorizações previstas na educação para a saúde e saúde escolar, proporcionando uma plena abrangência dos serviços de saúde nestes grupos etários. De realçar ainda, que a relação proporcional de resposta sim não, vai aumentando à medida que se avança para escalões etários superiores, nos quais escassa a abertura para a educação para a saúde, para a mudança de alguns comportamentos, predominando a resistência de alguns tabus quanto à visão do próprio corpo, doença, sexualidade, saúde, etc. Facto que poderá estar relacionado, igualmente, com o enraizamento dos costumes culturais, sendo mais dificil a alteração de comportamentos de saúde. Também nos escalões mais velhos, se verifica a diminuição da frequência no sistema de ensino, dificultando de igual modo, processos de sensibilização e de interiorização de alguns hábitos e comportamentos fundamentais para a promoção de um estado saudável. Neste contexto, relacionando frequência do sistema de ensino e frequência de serviços de saúde, verifica-se uma relação / associação positiva entre as duas - Cáritas Diocesana de Aveiro 82

83 variáveis, sem que com esta constatação se possa concluir garantidamente uma relação causa efeito. Gráfico 10 Cumprimento / Frequência de consultas e programas de saúde frequência do sistema de ensino (pop. >=6 anos) Dos 54 indivíduos a frequentar o sistema de ensino, apenas dois dizem não cumprir com as consultas e com os programas. Porém, quando nos debruçamos sobre os indivíduos que não frequentam o sistema de ensino, verificamos que o n.º de situações de não cumprimento aumenta, ou seja, das 96 pessoas, existem 31 que dizem não cumprir com os cuidados de saúde primários. Quadro n.º46 - Cobertura da Medida do Rendimento Social de Inserção Área Saúde Situação face ao RSI Rendimento Social de Inserção Agregado beneficiário de RSI cumprimento / frequência das consultas dos serviços de saúde da área de residência sim não Total n.º indivíduos % RSI(rendimento do agregado) 89,1% 10,9% 100,0% Agregado não beneficiário de RSI n.º indivíduos % RSI(rendimento do agregado) 65,8% 34,2% 100,0% total n.º indivíduos Cáritas Diocesana de Aveiro 83

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança Parte 6.6.1 Caracterização da população toxicodependente no concelho de Bragança (Dados

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 1/10 PROJECTO 1 - Curso de Preparação para a Parentalidade Adoptiva Depois de tudo te amarei Como se fosse sempre antes Como se de tanto esperar Sem

Leia mais

APDSI quer renovar agenda da e-inclusão

APDSI quer renovar agenda da e-inclusão e-inclusão Um desafio para Portugal APDSI quer renovar agenda da e-inclusão Lisboa, 13 de Abril de 2007 A preocupação perante a info-exclusão e os desafios que se colocam à sociedade portuguesa deu o mote

Leia mais

Delegação da União Europeia em Moçambique

Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação 17 de Dezembro de 2004 Preâmbulo Sobre o lugar de onde se perspectiva

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

Família nuclear casal e filhos solteiros.

Família nuclear casal e filhos solteiros. Família Uma família é um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Há escolhas no bairro-e5g Programa Escolhas Promotor: Mediar - Associação Nacional de Mediação Sócio-Cultural 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X Recomenda ao governo a adopção, por parte das forças e serviços de segurança, de procedimentos singulares na sua relação com a população LGBT lésbicas, gays,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

Câmara Municipal. Habitação Social. no Município de LAGOS. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias. 27 de Janeiro de 2006

Câmara Municipal. Habitação Social. no Município de LAGOS. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias. 27 de Janeiro de 2006 Câmara Municipal Habitação Social no Município de LAGOS Programa Global de Realojamento de 56 Famílias 27 de Janeiro de 2006 I. Programa Global de Realojamento de 56 Famílias Breve Enquadramento Metodológico

Leia mais

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março O Estágio como ponte para o emprego Emília Rodrigues Araújo Boa tarde a todos Quero, em primeiro lugar, saudar esta iniciativa

Leia mais

Por fora podemos ser diferentes, mas por dentro somos todos iguais.

Por fora podemos ser diferentes, mas por dentro somos todos iguais. CONCLUSÕES DO III CONGRESSO APRESENTAÇÃO DOS RELATORES Por fora podemos ser diferentes, mas por dentro somos todos iguais. Tomás, 9 anos Projecto Intervir em Marvila na EB1 Dr. João dos Santos Painel 1

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 14/91 de 11 de Maio A criação das condições materiais e técnicas para a edificação em Angola de um Estado democrático de direito é um dos objectivos a atingir, na actual fase

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Cáritas Diocesana dos AÇORES Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Diagnóstico: ESTADO DAS PARÓQUIAS -Como funcionam? - Que Pastoral Profética? - Que Pastoral Litúrgica? - Que Pastoral Social? - Virtudes

Leia mais

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional 2º e 3º Ciclos Ensino Profissional Índice 1. A União Europeia O caminho da UE 2. Os Anos Europeus 3. 2010 Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social (AECPES) 4. 2010 AECPES. Pobreza e Exclusão

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

Uma nova vida para crianças desprotegidas

Uma nova vida para crianças desprotegidas Uma nova vida para crianças desprotegidas As Aldeias de Crianças SOS têm a sua origem na Áustria. O seu fundador Hermann Gmeiner conseguiu aplicar uma ideia fundamental e realizar um sonho: dar uma mãe,

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. Competência e critérios de evidência Reconhecer princípios

Leia mais

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Por Conceição Osório Este texto foi apresentado num encontro que teve lugar em Maputo, em 2015, com parceiros da CAFOD (agência

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos) 1. Unidades temáticas, conteúdos e objetivos/competências I O que é a Sociologia Unidades temáticas/conteúdos* 1. Sociologia e conhecimento sobre a realidade social 1.1. Ciências Sociais e Sociologia 1.2.

Leia mais

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 Antes de concretizar a análise do referido Plano cumpre-nos dizer que é necessário que todos

Leia mais

DIRETIVA BLUE CARD :: Fundação Evert Vermeer DIRETIVA BLUE CARD

DIRETIVA BLUE CARD :: Fundação Evert Vermeer DIRETIVA BLUE CARD DIRETIVA BLUE CARD :: Fundação Evert Vermeer DIRETIVA BLUE CARD Em Maio de 2009, os Estados-Membros da UE aprovaram a adopção de uma directiva referente à entrada e residência de migrantes no seio da União

Leia mais

OS DESAFIOS ECONÓMICOS E SOCIAIS E A ESTRATÉGIA DE LISBOA

OS DESAFIOS ECONÓMICOS E SOCIAIS E A ESTRATÉGIA DE LISBOA OS DESAFIOS ECONÓMICOS E SOCIAIS E A ESTRATÉGIA DE LISBOA Assembleia da República, 30 de Maio de 2007 José A. Silva Peneda 1. Os Desafios do Futuro da Europa é a designação que serve de pano de fundo a

Leia mais

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta A Escola portuguesa no séc. XXI (1/5) Falar de Escola é falar de educação. Compreender a escola é, também, compreender a evolução das ideias sobre educação ao longo dos tempos. Nesta linha de evolução,

Leia mais

emocional e social do indivíduo por um longo período, inclusive até a idade adulta.

emocional e social do indivíduo por um longo período, inclusive até a idade adulta. Crescimento e Desenvolvimento das Crianças em Contextos Migratórios: Cabo-Verdianos e Descendentes de Cabo- Verdianos no Bairro da Cova da Moura O crescimento e desenvolvimento de um indivíduo são fortemente

Leia mais

A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão

A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão A mediação intercultural e a construção de diálogos entre diferentes: notas soltas para reflexão (Comentário ao Painel: Mediação Intercultural) Maria José Casa-Nova Instituto de Educação, Universidade

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

Transcrição da Entrevista Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação homossexual 3 (online)

Transcrição da Entrevista Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação homossexual 3 (online) Transcrição da Entrevista Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação homossexual 3 (online) [Sexo: mulher] Entrevistador: Olá. Boa noite. Entrevistado: Boa noite!! Peço desculpa

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são:

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são: PROVA DE CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1 Segundo Piaget toda criança passa por estágios do desenvolvimento. Assinale a alternativa que indica a qual estágio corresponde a idade em que o pensamento da criança

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO Profa. Dra. Luci Bonini Desde a assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, alguns órgãos da sociedade têm se manifestado no sentido de promover as garantias

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Projecto de Desenvolvimento Comunitário da Ameixoeira - K Cidade

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Projecto de Desenvolvimento Comunitário da Ameixoeira - K Cidade Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Projecto de Desenvolvimento Comunitário da Ameixoeira - K Cidade 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Promotor(es) : Sigla Fundação Aga Khan e Santa

Leia mais

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: OS EQUÍVOCOS MAIS FREQUENTES

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: OS EQUÍVOCOS MAIS FREQUENTES VIOLÊNCIA NA ESCOLA: OS EQUÍVOCOS MAIS FREQUENTES SEBASTIÃO, João ESES/CIES ALVES, Mariana Gaio (mga@fct.unl.pt) FCT-UNL/CIES CAMPOS, Joana (j.campos@netvisao.pt) ESES/CIES CORREIA, Sónia Vladimira CIES

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE CAPITULO I ENQUADRAMENTO Artigo 1º. Denominação No âmbito das actividades e ao abrigo dos antigos estatutos sociais da S.R.L.S., foi fundado e organizado

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO - Grupo de reflexão na área de psicologia sobre questões relativas à orientação sexual - Artigo apresentado no Colóquio de Estudos G(ay)L(ésbicos)Q(ueer)

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos Por ocasião do dia em que se comemorou o 32º aniversário

Leia mais

Exposição de motivos

Exposição de motivos Exposição de motivos Hoje, Portugal é uma sociedade onde vivem e convivem muitas culturas e etnias diferentes. Muitos são os imigrantes que aqui vivem, de diversas nacionalidades, e com um papel fundamental

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Direcção-Geral da Acção Social

Direcção-Geral da Acção Social Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Maria Joaquina Ruas Madeira A Dimensão Social da SIDA: A Família e a Comunidade (Comunicação apresentada nas 1as Jornadas Regionais

Leia mais

Ana Maria Bettencourt

Ana Maria Bettencourt 16 17 Entrevista Ana Maria Bettencourt Ana Maria Bettencourt Tendo optado por mudar o mundo através da educação, Ana Maria Bettencourt fala de uma escola onde a responsabilidade pelas aprendizagens está

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL 1942 Diário da República, 1.ª série N.º 64 2 de abril de 2013 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 139/2013 de 2 de abril Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental A

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE E M A N Á L I S E N º 2 6 a b r i l 2 0 1 5 - Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE O Programa Operacional Inclusão Social e Emprego POISE foi apresentado a 14 de novembro de 2014 e visa

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania GAZETA DO POVO Vida e Cidadania MISÉRIA frente da Catedral: pastoral tenta tirar moradores do isolamento AO RELENTO Encontro de oração das terças à noite na A Curitiba do sereno Curitiba tem cerca de 2,7

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

CONSULTORIA POSITIVA

CONSULTORIA POSITIVA O consultor é uma pessoa que, pela sua habilidade, postura e posição, tem o poder de influenciar as pessoas, grupos e organizações, mas não tem o poder directo para produzir mudanças ou programas de implementação.

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

Análise de conteúdo dos programas e planificações António Martins e Alexandre Ventura - 1

Análise de conteúdo dos programas e planificações António Martins e Alexandre Ventura - 1 1 Domínio perceptivo-cognitivo Visão global dos fenómenos Análise de uma situação Identificação de problemas Definição de estratégias para a resolução de problemas Pesquisa e selecção da informação Aplicação

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

(Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012)

(Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012) Plano de Protecção à Criança do CENTRO DE EDUCAÇÃO DELTA CULTURA (CEDC) (Fonte e adaptado do Concelho Executivo das Nações Unidas de 15 de Setembro de 2012) INTRODUÇÃO: Este documento é o Plano de Protecção

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 LEGAL FLASH I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 Lei n.º 29/2012, de 9 de Agosto Novo Regime de Autorização de Residência para Estrangeiros Investidores 2 LEI N.º 29/2012 NOVO REGIME DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Informar. Saber. Decidir. SOBRE A POBREZA, SOBRE A POBREZA, AS DESIGUALDADES AS DESIGUALDADES E A E PRIVAÇÃO A PRIVAÇÃO MATERIAL MATERIAL EM PORTUGAL EM PORTUGAL ABOUT POVERTY, INEQUALITY AND MATERIAL

Leia mais

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Agenda IGUALAÇORES 2010 Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Numa altura em que a crise económica é tema predominante e em que Portugal surge como o segundo país com

Leia mais