FARROFA, CACHAÇA E POUSO: TRADIÇÃO, RITUAIS E RELIGIOSIDADE NA TRAJETÓRIA RUMO A ROMARIA DE POSSE DA ABADIA - ABADIÂNIA - GOIÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FARROFA, CACHAÇA E POUSO: TRADIÇÃO, RITUAIS E RELIGIOSIDADE NA TRAJETÓRIA RUMO A ROMARIA DE POSSE DA ABADIA - ABADIÂNIA - GOIÁS"

Transcrição

1 FARROFA, CACHAÇA E POUSO: TRADIÇÃO, RITUAIS E RELIGIOSIDADE NA TRAJETÓRIA RUMO A ROMARIA DE POSSE DA ABADIA - ABADIÂNIA - GOIÁS CLEYTTON JOSÉ DA SILVA O presente artigo tem por objetivo compreender as relações sócio-espaciais, que se configuram no deslocar dos carreiros ou comitiva da Babilônia, em direção a Posse da Abadia, criando relações e espacialidades festivas. Neste deslocar o homem vai construindo e (re)construindo territórios, pelas práticas e relações que ele estabelece com o meio. São dias especiais, onde representam o universo da fé e do lazer, de causos e bebedeiras, danças e comidas. Esse trajeto acontece do dia 5 ao dia 7 de agosto numa tentativa de preservar e resgatar a tradição,do carro de boi, mas ao mesmo tempo, fica evidente a reafirmação do grupo enquanto uma forma de expressar o poder econômico e ideológico, os grupos no deslocar são consome os mesmos espaços, mas distinto na forma pelo qual os indivíduos se relacionam. é o antigo e o novo, presente e passado, vivencias e experiências, que recobrem esse trajeto. A metodologia utilizada parte da observação e da vivencia com o sujeito, através de entrevistas semi-estruturadas, levantamento documental e bibliográfico. Palavras-chave: festa tradição trajetória INTRODUÇÃO O deslocar faz parte da vida do homem, desde do seu surgimento sobre a face da terra até os dias atuais. Esse fenômeno compõem uma relação direta na vivência do homem em sociedade. Os grupos nômades deslocavam em função da alimentação e em busca de abrigo. Deste modo, o deslocar implica diretamente nas motivações que estão postas, diante do homem e do ambiente. Muitas são essas motivações, que levam o homem a sair do seu cotidiano e ir em busca de novas paisagens, lugares e eventos. O homem religioso converge a sua busca para o religamento ao centro do mundo, criando espacialidade ao se deslocar e ritualizando os momentos que permeiam a saída de casa em direção ao sagrado. Representando um momento distinto, onde o deslocar implica na saída da vida e do tempo rotineiro, para dar lugar as novas relações. Essas relações vão sendo construída ao longo do trajeto. A cachaça, a farofa e os pousos vão permeando esse deslocamento, da comitiva da babilônia 1,em direção a romaria de Posse da Abadia, transformando o peregrinar em uma festa, contendo música, comida e muitos causos que fortalecem os laços familiares e sociais. Deste modo, objetivo central é compreender as espacialidades que se formam a partir dos rituais e das tradições no deslocar da comitiva babilônia rumo à romaria de Posse da Abadia, penetrando o universo da peregrinação, procurando entender esse mundo subjetivo que está internalizado no deslocar. O recorte social que se busca analisar parte da escolha da comitiva da babilônia por dois motivos: primeiro representa a força de coesão para resgatar os costumes e as tradições de ir à romaria de carro de boi, no lombo de burro ou a cavalo. O segundo é pela relação que esse grupo exerce sobre a romaria enquanto sujeito e ator social, hierarquizando relações de poder na própria festividade. A espacialidade é ao mesmo tempo construída e desconstruída de forma móvel que proporciona um estreito conviver entre o grupo e a própria natureza. Os pousos representam uma espacialidade materializada, onde ocorre muito mais do que o descanso do corpo. É o momento da socialização, de muita prosa, dança e comida. O espaço aqui analisado recobre desde a saída da 1 Comitiva babilônica- essa comitiva e organizada pelo Senhor Antônio - conhecido como Toninho da babilônia- o mesmo é rei mouro das cavalhadas de Pirenópolis e proprietário da fazenda Babilônia.

2 fazenda Babilônia em direção a Posse da Abadia, no município de Abadiânia. A temporalidade corresponde ao período do dia 5 a 7 de agosto de 2008 onde está ligado diretamente ao deslocar e o festejar. Tudo vira uma festa, cada parada, cada percurso deixado para trás representa histórias, sentimentos e vivencias que vão se aproximando da Romaria, da Casa da Mãe de Deus. O modo de peregrinar torna-se um assunto relevante ao analisarmos os carreiros e seus valores tradicionais, os conflitos existentes e ao depararmos com novos valores que vão sendo impressos diante do antigo e do novo, da religiosidade e da festividade. Os conceitos que se pretendem ser colocado em questão está intimamente intrínsecos na leitura do fenômeno, enquanto uma relação de espacialidade que perpassa o campo da fé, da ritualidade e da tradição. Os Carreiros serão entendidos aqui como os sujeitos que interligam as diversas formas de festejar, celebrar e conviver no seu deslocamento. Deste viés, as categorias que procuro desenvolver esta ligado a festa, território e tradição. Ao conviver com outros valores que se integram à romaria a tradição e a cultura é reinventada, revitalizando a festa como um momento extraordinário na vida dos agentes ou sujeitos sociais. A romaria de Nossa Senhora da Abadia acontece do dia 05 a 15 de agosto, no distrito de Posse da Abadia, município de Abadiânia, 50 quilômetros da Fazenda Babilônia -que esta no município de Pirenópolis. Tornando um espaço de atração religiosa, onde o distrito se transforma com a chegada dos carros de boi, cavalos, ônibus e um grande números de peregrinos vindo a pé. As casas se abrem e se enchem de alegria,nas ruas se percebe um grande rebuliço de pessoas, o ar se recobre de coloridos e tudo passa a ter mais vida. A metodologia adotada, parte da descrição do fenômeno, buscando desvelar e compreender a relação das práticas e das representações dos sujeitos, na trajetória da Fazenda Babilônia ao distrito de Posse da Abadia, que esta intimamente ligado com a festa que é produzida neste deslocar. A observação e as entrevistas vão servir como formas de analisar as praticas e os sujeitos considerando a maneira que as representações simbólicas e festivas se materializam sobre o território. O material levantado em campo, como as fotografias, gravações e questionários será de suma importância para relacionar e compreender a externalidade e a internalidade da festa diante do vivenciado. Assim, esse artigo ainda esta passando por um processo de amadurecimento para colocálo diante de uma visão geográfica. A Caminho da fé: da fazenda Babilônia à Festa de Nossa Senhora da Abadia Vou à romaria para passar momentos junto com meus amigos e com meus parentes (Diego - integrante da Comitiva da Babilônia) A festa é considerada um momento distinto dentro do cotidiano, é o momento de extravasar, de celebrar e até mesmo de se encontrar. É na festa que as classes sociais se diluem, para dar lugar a uma nova relação entre os agentes sociais. O festejar é um universo que está posto sobre um viés complexo e dialético, num mundo materializado e também das relações do não dito,que compõem um universo da subjetividade. A primeira ação que coloca diante do caminho da fé, são os laços e as relações sociais, que permeiam o universo do coletivo, dando vida ao grupo. A festa se inicia, com a preparação para se deslocar. As pessoas juntam suas tralhas e comidas. Da farofa a cachaça que vão dar sustento aos dias de viagens. É a festa do viés social como nos afirma Quinta 2 (1981,p 18): 2 QUINTA, Manoel C. Iniciação à teologia: Festas e Celebrações cristãs ( Volume 5).São Paulo: Editora Paulinas.1981 ( tradução Ir. Isabel Fontes Leal Ferreira)

3 Na maioria das vezes, esta festa social refere-se ao passado, a história própria do grupo. Não se trata, todavia, de uma festa de recordação pura e simples, que só faz evocar um passado definitivamente terminado. É um momento em que, superando o tempo, as pessoas realizam de novo, reatualizam, o que outrora permitiu que o grupo se constituísse. Uma tal reatualização contribui para consolidar os laços existentes entre os membros para reintegrar os que se houvessem afastado, para reformular os códigos essenciais que ligaram e continuam ligando entre si os diversos membros do grupo. Que funciona como um elemento integrador da festa. Logo pela manhã os cavaleiros e os carros de boi saem da fazenda babilônia para irem em direção do distrito de Posse da Abadia. Os carros de boi vão se locomovendo e cantando pelo caminho. A natureza e a estrada de terra são os elementos que vão compor toda a trajetória. Em todo o deslocamento o homem celebra bebendo água ardente, contando causos e relembrando a infância. É o festejar pelo caminho. segundo Martins 3 (2002, p. 122) a festa é: Uma experiência grupal, de caráter originariamente sagrado, na qual se vivencia ritualmente o caos, como forma de destruição de um tempo velho e como forma de vislumbrar um novo começo, um tempo novo, cheio de energia e força, uma nova vida. Considerando a festa, como um momento de descontração, de afirmação do grupo e do reencontro; percebe-se que essas tendências revestem-a, revelando a maneira, o jeito e o comportamento do grupo, seja pelos condicionamentos que recobrem uma série de atitudes que vão se dimensionar sobre o território. Logo é a hora do almoço, é a festa em volta da alimentação, onde agradecem e pedem a Nossa Senhora da Abadia, para guiar e abençoar a jornada. O primeiro ponto é a fazenda Coqueiral onde o almoço já está a espera. Eles cantam e festejam em volta da comida, as pessoas da casa ficam lisonjeada diante da comitiva, celebrando o momento de si aproximarem da virgem Maria pela união do celebrar, transformando em um momento único, criando rituais que estão postos numa relação dinâmica como DaMatta 4 afirma: As festas são rituais comemorativos que representam tempos de convivência social. Em certos aspectos da realidade são momentos extraordinários marcados pela alegria e por valores que são considerados altamente positivos ( 1983,p.40). A festa constitui o ponto máximo da sociabilidade, onde o homem reformula suas visões de mundo e se relaciona com o outro. Já é o momento de pegar a estrada outra vez, onde a festa constitui de momentos e elementos que vão compor um universo subjetivo e que não pode ser conhecido e experênciado, a não ser adentrar o grupo, numa relação de vivenciar as práticas para evidenciá-las numa realidade até então onipresente ou internalizada na cultura e na religiosidade popular rural. Deste modo Rosendahl 5 (1999, p.24) afirma que : os peregrinos com suas práticas e crenças 3 MARTINS, José Clerton de Oliveira. Festa e ritual, conceitos esquecidosnas organizações. REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. II / N. 1 / P / MAR (artigo). 4 DAMATTA, Roberto. Carnavais, Malandros e Heróis.4º Ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1983, ROSENDAHL, Zeny. Hieropolis: O Sagrado e o Urbano. Rio de Janeiro: EdUER:1999.

4 materializam uma peculiaridade organizacional e social do espaço essa materialização ao longo do deslocar é escolhido para oferecer momentos de descanso e de festejar como nos afirma João Paulo: (integrante da Comitiva da Babilônia): após um dia de viagem a gente pára e desarreia os animais, da alimento e água para eles... Depois vamos montar as barracas e em seguida tomar banho no córrego... Quando a gente chega a comida já ta pronta e é só jantar e o cansaço vai embora, todos se sentam em volta da fogueira para cantar e dançar. A festa neste momento, atinge seu auge. As vizinhanças e os parentes vem integrar a noite, em volta da fogueira. Com muita bebida, causos e musicalidade, a noite vai indo embora. As pessoas extrapolam esse momento através do beber, do dançar e dos encontros amorosos. São os excessos que compreende o mundo festivo. A festa mistura o celebrar e a realização pessoal através dos prazeres. É o momento de voltar as origens, de unir aos laços e estreitar as relações. Diante desta realidade, a festa compõem um momento individualizado, que se torna coletivo pela interligação e as experiências que vão permeando os indivíduos. Segundo Amaral 6 (1988), a festa representa um momento de descanso, devoção, lazer e renovação do animo e das esperanças. Além da afirmação de seus valores". A festa, ultrapassa o caráter místico, incorporando outros sujeitos em suas práticas e representações, impondo- lhe outras significações, que misturam atividades religiosas com as dimensões do cotidiano. Neste momento, o dia vai surgindo e a jornada rumo a Posse da Abadia recomeça. Logo a estrada fica recoberta pelos carros de boi e pelos cavalos que dimensiona a espacialidades, novas pessoas vão se juntando ao deslocar, com seus carros de boi, tralhas e suas praticas devocionárias. Deste modo, o festejar vai incorporando novos motivos, criando novos circunstância para se aproximar da festa. Cada instante, vai ficando mais próximo da festividade e os motivos que levam as pessoas ou melhor o romeiro a se deslocar para festa, são diversos: alguns vão pagar promessas, outros agradecer até mesmo existe pessoas que vão reforçar o voto e a promessa cumprida. Outros vão acompanhar os penitentes, dançar, beber e até namorar. E como Martins 7 ( 2001 p.118 ) afirma: A experiência de fé dos romeiros é individual e vai se tornando coletiva pelo engajamento no grupo de romeiros. A emoção é tocada através da experiência do mistério. A fé eleva o indivíduo que se encontra isolado e necessitado de uma força que o impulsione para uma nova realidade. A romaria representa este momento de integração do festejar, onde o labutar, a falta de condições se tornam um sacrifício oferecido em prol da padroeira. Diante do percurso, um anima o outro, com testemunhos, histórias e vivencia que religa a força da Padroeira a vida do individuo. A festa dentro da festa: churrasco, ranchões e devoção A romaria passava a ser uma festa em si, para a qual o grupo prepara-se não apenas espiritualmente como também para desfrutar de um acontecimento social. A romaria resulta no campo central do festejar. A festa está intimamente ligada a relação da religiosidade, no que 112p. 6 AMARAL, Rita. Festa à Brasileira: sentidos do festejar no país que "não é sério". (tese de doutorado em antropologia) São Paulo: USP, 1998, 403 p. Disponível em publicação eletrônica na Internet, via WWW. URL: 7 MARTINS, J. Otávio. Os Peregrinos do Divino Pai Eterno: o Santuário ea Reinvenção da Cultura. Goiânia, 2001,185p. Dissertação ( Mestrado em Ciências da Religião). Universidade Católica de Goiás.

5 tangência a romaria, porém, com formas que recobrem o sagrado, tornando um espaço de referência e atração. Para Sanchis 8 ( 1992 p.318) : a festa é, sem dúvida, para muitas aldeias pequenas a única ocasião em que a comunidade experimenta um autodomínio, um voltar a si próprio para se articular livremente e assumir o seu ser e comportamento colectivos: decisões a todos os níveis...articulando papéis sociais endógena a comunidade. Nestas comunidades a festa é esperada o ano inteiro, pelos moradores e também pelas redondezas, pois representa um momento mais precioso, o de festejar, de extravasar, além do que é a oportunidade de conhecer novas pessoas, de consumir o modismo dos grandes centros econômicos e se reforçar enquanto indivíduo. Ao chegar na festa os carros de boi adentram a cidade, e toda a população já esta a espera deste momento. Sendo um momento impar na romaria, onde os sujeitos se tornam atores sociais, ocupando o lugar central na festividade. O comércio ambulante não tem mas o valor e o chamativo, os ranchões são desligados, o sacerdote vem para frente da igreja. E logo começa a entrada dos carros de boi, transformando em um desfile, onde o diferente que se destaca, seja pelas reis mais robusta ou as de raças anãs, e o tradicional versus o moderno. Como afirma senhor Antônio: Olha o objetivo foi de resgatar a tradição do carro de boi, pois essa pratica tinha ficado esquecida. Retornamos para que as futuras gerações conheçam os meios de locomoção que nossos pais viam a romaria para agradecer e pedir proteção para o trabalho e a vida rural. Deste modo, percebe-se que na festividade o desfile do carro de boi ocupa um lugar central, como um atrativo, uma parte do festejar. E um momento celebrativo onde o carreiro e os próprios cavaleiros tem uma relevância para atrair grandes números de pessoa. Este acontecimento ocorre em todo primeiro domingo de agosto neste distrito. A festa atingi um dos seus dia de auge, de esplendor. Para os carreiros é um momento que se sentem parte fundamental da romaria e também de se religar, de encontrar com o sagrado. Assim o Senhor João Alves afirma: Meu filho é um momento muito bom... pois... A gente viajou três dias para agradecer a Nossa Mãe - Nossa Senhora da Abadia... Pelas graças recebidas... Saúde... E quando você vê a multidão de gente... E que todas vieram ver os carros de boi e fazer sua oração.. A cidade pára!! Mas o momento mais especial pra mim e a hora que passo diante da Igreja.. Chego a arrepiar.. O padre abençoa a gente o os animais...e uma alegria boa que toma conta da gente... Como a gente tivesse no céu.. Pois estamos aqui e chegamos em paz. O ano que vem..com fé em Nossa Senhora da Abadia nós voltaremos outra vez. Deste modo, a chegada a romaria é uma festa para o comitiva da Fazenda Babilônia, que sentem parte do processo, como sujeitos que tem um papel fundamental na sobrevivência da tradição e da continuidade da mesma. Neste momento, é a festa dentro da festa. As pessoas de todas as idades vem para a rua, as crianças, os pais, os idosos, o patrão, o padre, as freiras e logo em seguida começa a servi o churrasco feito ali mesmo, na praça para toda a comunidade, que é oferecida pela prefeitura, a festa neste instante é da comida, da conversar e de rever os amigos. 8 SANCHIS, Pierre.ARRAIAL: Festa de um Povo - As Romarias Portuguesas.Lisboa:Dom Quixote p.( tradução Madalena Mendes de Matos)

6 Já é possível perceber diversos territórios que se estruturam sobre a paisagem de Posse da Abadia. Esse território é definido pela ação humana sobre um determinado espaço, é algo delimitador que possui uma lógica social na construção de seus limites e fronteiras. O território que se percebe é o construído a partir da lógica religiosa. Onde a igreja ocupa um lugar de relevância e em volta dela vai se confirmando os espaços. As barracas ambulantes ocupam a praça central, o parque de diversões fica bem próximo a prefeitura, onde toda a garotada vai para se divertir nos brinquedos como roda gigante, chapéu mexicano entre outros. Os ranchões dançantes também ocupam um lugar em destaque tanto pela força de atração quanto pelas diversas advertências do padre. Criando a partir desta relação territórios subjetivos, ideológicos e adjacentes. Souza 9 afirma: o território é um campo de força, uma projeção de relações de poder sobre um substrato espacial referencial que se constroem e reconstroem-se todo o tempo (2003 p. 81) Na romaria o território se consolida a partir do próprio festejar, comer e divertir. Numa dialética entre devoções e divertimentos. O carreiro consome diferentes territórios festivos, porém que apresente uma relevância dentro da sua relação mundo concebido e experienciado. Logo após a chegada é hora de estruturar o acampamento. Será o espaço utilizado para participar das missas, novenários, queima de fogos e também dos divertimentos. Esses territórios são construídos pelas relações de poder, pela força coexistente em volta da vivencia como sagrado. O território aqui concebido é entendido por apresentar aspectos que envolve o campo subjetivo e material do carreiro, em especial o que saiu junto a comitiva da Fazenda Babilônia, que se consolida no espaço durante seu trajeto e especial na romaria. Haesbaert 10 afirma: [...] o território é o produto de uma relação desigual de forças, envolvendo o domínio ou controle político-econômico do espaço e sua apropriação simbólica, ora conjugados e mutuamente reforçados, ora desconectados e contraditoriamente articulados. ( 2002, p. 121) As diferenças e desigualdades residem a própria forma de construir o território, uma junção de forças internas e externas que são capazes de unir ou segregar, apropriar ou demarcar, separa ou assegurar a disposição dentro do mesma espacialidade. O universo do carreiro parte de uma relação do catolicismo popular, onde o elemento estruturante parte da vivencia individual e particular de se aproximar do sagrado. Que ora fortalece a tradição e ora e reconstruído pelas trocas simbólicas e os conflitos que permeia o mundo subjetivo.assim, o território se especializa num desdobramento de como o homem consome e cria seus modos de festejar. A festa possui sua forma e dimensão religiosa, mas e nesta festa também que o próprio carreio, o romeiro e até a população residente que vai experiênciar o festejar com sentido de extravasar e de também de um modo de se encontrar enquanto individuo dentro da própria festividade. Considerando essa relação pode-se afirma que a espacialidade da festa é construída e estruturada sobre o modo de utilizar os espaços dando funcionalidade pelo os diversos aspectos da vida social. Deste modo o território festivo é construído, um território que expressa atrás do uso materialidade e também um campo subjetivo que esta internalizado no individuo perpassando pela ideologia e pela força do poder político e religioso. Tradição e resistência diante do festejar 9 SOUZA, Marcelo José Lopes de. O território sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento: in Castro, Iná Elias de ; Gomes, Paulo César da Costa; Correa, Roberto Lobato (Orgs) Geografia: conceitos e temas. 6ª Ed. Rio de Janeiro. Ed. Bertrand Brasil: 2003 p HAESBAERT, Rogério. Territórios Alternativos. Niteroi: EdUFF; São Paulo: Contexto: p.

7 A tradição dentro da festa é algo que tem um papel de ritualização e sobrevivência da própria conjuntura festiva. Pois a tradição fortalece os laços de solidariedade e permite a perpetuação ou a conservação da identidade, dos rituais, das formas de festejar. As tradições agregam e asseguram a permanência da religiosidade e dos costumes, num plano em movimento que arraigadas de tal maneira que permanecem vivas no imaginário social. A tradição possui mecanismo interligados ao passado e ao moderno, que permite a ela revitalizar e sobreviver. Hobsbawm 11 destaca que tradição é: Conjunto de práticas, normalmente reguladas por regras tácita ou abertamente aceitas; tais práticas, de natureza ritual ou simbólica, visam inculcar certos valores e normas de comportamento através de repetição, o que implica automaticamente, uma continuidade em relação ao passado. Aliás, sempre que possível, tenta-se estabelecer continuidade com um passado histórico apropriado (Hobsbawm 2002, p.16). A tradição, deste modo, funciona como um regulador da festa e a festa lhe fornece a razão de existir. Como um mecanismo que proporciona uma interdependência e um existir continuo na tradição. Destarte, a festa, como um momento distinto, repleto de rituais, que proporciona ao homem, uma temporalidade e espacialidade, permitindo sua sobrevivência pela tradição do povo. O deslocar dos carros de boi em direção a Posse da Abadia são elementos de resistência no sentido de resgatar e preservar os ensinamentos dos mais antigos do grupo. Ir a Romaria, pelos caminhos do carro de boi, significa também momento de aprendizado, pois a tradição é passado de geração em geração. As mulheres ensinam uma as outras modo de cozinhar, lavar e até mesmos experiência de vida. A hora da comida é o momento de alegria, momento de se preparar também para a diversão. Como nos afirma Dona Francisca: Todo ano eu venho, pois é muito bom, vem eu meu marido, meus filho e sempre conhecemos novas pessoas, e um momento alegre, divertido que a gente nem vê o tempo passar... Todos ajudam... Quem tem comida uma comida diferente oferece para todos e ainda até ensina. É muito prazeroso.. Eu sinto até falta quando retornamos para casa. Os homens ensinam os jovens como guiar o carro de boi, as experiências e os prodígios da vida. É um momento único que uni a tradição do grupo e o modo de festejar. A religiosidade, também revela, fortes elementos, que funcionam como unificador, são fatores ainda determinantes para manter uma manifestação que é, ao mesmo tempo, a exteriorização da devoção, e uma tradição familiar, que se tornou ao longo do tempo um elo entre parentes e amigos que resistem. Deste modo a religiosidade no deslocar do carro de boi apresenta como um elemento integrante que uni e socializam as pessoas, permitindo a revitalização do antigo. É uma forma de resistência assim como nos afirma Martins 12 (2001 p 68): A resistência é um modelo de querer preservar costumes mais antigos e básicos na estrutura do grupo dos carreiros: a prática da solidariedade que se realiza através dos elementos fundamentais do catolicismo assimilados pelo tipo cultural popular dos carreiros é um exemplo da resistência. 11 HOBSBAWM, Eric. A invenção das tradições. ( Trad. De Celina Cardim Cavalcante). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.p Ibidem

8 Assim, o deslocar para Posse da Abadia, no carro de boi é um momento único, onde se reuni passado e presente, lembranças e vivências, que se consolidam no víeis das tradições. Essas tradições tem um papel distinto para permanências e a revigorar da própria festividade. Dando continuaidade e efervescência ao existir da festividade. Diante das diversas maneiras percebe-se pelo relato de Marcos Potielli que a religiosidade não está no primeiro plano: sabe foi uma experiência inesquecível, o ano que vem quero vim de novo.. Tem muita aventura, tomar banho gelado no córrego, as comidas e especialmente os pousos.. A gente descansa e se alegra. Mas é essa religiosidade que faz que desperta o caminho da aventura e da experiências, do tradicional ao moderno que reveste e consolida esse deslocar. Considerando que na romaria a uma interligação onde o carreiro existe em função da romaria e a romaria existe pela relação direta com o carreiro. Considerações Finais A festa é um elemento estruturante e estruturador dentro das relações identitárias de um povo. No Brasil, em especial, a festa compõem um fator de relevância na vida social e religiosa do individuo e da coletividade.a festa concebida no cerrado, existe um estreita relação como práticas herdadas e inventadas a partir da relação homem e espaço, num arcabouço que vão colocar os mitos, os modos de produção, as trocas culturais entre diversas etnias, a religiosidade e o próprio ambiente como elementos que se conectam e se completam para cristalizar os costumes, as tradições e sobretudo especializando num territórios cultural.. Deste modo, a festa representa os variados territórios que vão sendo definidos pela expressão cultural social e econômica, que se especializam. Na romaria o homem se desloca para ir ao encontro do sagrado, essa pratica cria formas e costumes que se traduzem numa tradição religiosa popular e se configura sobre o espaço criando territórios que se consolidam a partir da vivencia com o sagrado, com o santo padroeiro. As lendas, as histórias, as devoções, vão compor esse universo distinto, que materializaram sobre a festa diferentes espacialidades que interligam a forma de conviver com ambiente. A festa representa uma ruptura da ordem, com as estruturas virgentes, enquanto processo, que vai dar uma singularidade, a manifestação universal, gerando disputas no território imbricados. O deslocar perpassa um universo distinto que premia uma relação do homem com o território. Numa constituinte que parte da tradição e das relações de festejar. Dentro do fies do carreiro, o caminho, o deslocar, o peregrinar concilia relações sociais e identitarias que constrói diferentes modo de se especializar e de evidenciar esse período extraordinário que a festa insere sobre o ir a romaria. num universo contendo fé, devoção e lazer. Dentro da festa os momentos do cotidiano e relembrado e colocado em evidência como o comer, o beber, sexo e o próprio deslocar com maior significado. Para o carreio é adjunção entre presente e passado, onde os causos, as histórias e a memória estão presente para dar um realce no festejar. São dias marcados pelo sol e pelo cansaço mas sempre motivados pela momento mas essencial o chegar a Matriz de Posse da Abadia, de entregar suas ofertas, pedidos e agradecimento. E um universo complexo diante das mudanças sociais e do universo cultural, pois as subculturas que abriga a espacialidade do romeiro e instrisica, subjacente e internalizada nos momentos diacrônicos do deslocar.

9

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Marlene Flauzina OLIVEIRA Mestranda em Geografia - Programa de Pós-Graduação Campus Jataí/UFG mflauzina@hotmail.com Eguimar

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais

O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais Fernando Michelis - fermichelis_@hotmail.com Resumo O Cemitério Municipal São Jose localizado na cidade de

Leia mais

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos,

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, PASCOM A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, t e x t o s e i d é i a s p a r a a s matérias! Nossa Senhora da Penha, que sabe o nome de cada

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Israel Operadora. Autoridade no Turismo Religioso. Peregrinações Religiosas no Brasil

Israel Operadora. Autoridade no Turismo Religioso. Peregrinações Religiosas no Brasil Israel Operadora Autoridade no Turismo Religioso Peregrinações Religiosas no Brasil Nossa Especialidade A Israel Operadora, empresa do Grupo Skill Supertravel é especializada em turismo religioso. Com

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

Amone Inacia Alves Graduada em História - UESB Especialista em Ciência Política - IBPEX Mestre em Sociologia das Organizações - UFPR

Amone Inacia Alves Graduada em História - UESB Especialista em Ciência Política - IBPEX Mestre em Sociologia das Organizações - UFPR Folclore Mede-se a inteligência de um povo pela sua capacidade de não só ser gente. Nascemos gente ao acaso, ao natural e transformamos em povo na busca perfeita pelas formas, curvas e cores. São as cores

Leia mais

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE A Novena de Natal deste ano está unida à Campanha da Fraternidade de 2013. O tema Fraternidade e Juventude e o lema Eis-me aqui, envia-me, nos leva para o caminho da JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE Faça a

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

MESTRADO EM EDUCAÇÃO. Mestranda Barbara Raquel do Prado Gimenez Corrêa. Prof. Orientador Dr. Sérgio Rogério Azevedo Junqueira

MESTRADO EM EDUCAÇÃO. Mestranda Barbara Raquel do Prado Gimenez Corrêa. Prof. Orientador Dr. Sérgio Rogério Azevedo Junqueira MESTRADO EM EDUCAÇÃO Mestranda Barbara Raquel do Prado Gimenez Corrêa Prof. Orientador Dr. Sérgio Rogério Azevedo Junqueira TEMA A CONCEPÇÃO DO SAGRADO DO PROFESSOR DE ENSINO RELIGIOSO PROBLEMA Que concepção

Leia mais

Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com

Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com Ciço ao Seminário da Prainha depois de uma viagem de mais de um mês, montado a cavalo, desde a região do Cariri até a capital, Fortaleza. Trazia uma

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO TRADIÇÕES RELIGIOSAS TEXTOS SAGRADOS Se as religiões estão para humanizar

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

TEXTO BÍBLICO: Lucas 9, 51-52

TEXTO BÍBLICO: Lucas 9, 51-52 LECTIO DIVINA Domingo 27 de Junho de 2010 13º Domingo do Tempo Comum Ano C A tua palavra é lâmpada para guiar os meus passos, é luz que ilumina o meu caminho. Salmo 119,105 Os samaritanos não recebem TEXTO

Leia mais

TUDO COMEÇOU... Após alguns meses...

TUDO COMEÇOU... Após alguns meses... TUDO COMEÇOU... Muitas pessoas participaram pra que a igreja São José Operário existisse, no início a irmã Catarina saiu de casa em casa convidando os moradores do bairro pra participar de um culto dominical,

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO)

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO) Vidas exclusivas: Territorialização, transformação dos usos e apropriações da Praia do Paiva-PE Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço,

Leia mais

Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5.

Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5. Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5.1-2 E na minha nação excedia em judaísmo a muitos da minha

Leia mais

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 COIMBRA, Bruno Abdala Vieira Di 2 ; ALMEIDA, Maria Geralda 3 Palavras-chave: Kalunga, Paisagem Cultural, Paisagem

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling DILMA MARIA DE ANDRADE Título: A Família, seus valores e Counseling Projeto de pesquisa apresentado como Requisito Para obtenção de nota parcial no módulo de Metodologia científica do Curso Cousenling.

Leia mais

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares.

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares. O mestre morreu. Viva o novo mestre. Jorge das Graças Veloso Programa de Pós-Graduação em Artes VIS/IdA UnB. Professor Adjunto Doutor em Artes Cênicas UFBA. Ator, diretor, dramaturgo, professor/unb. Resumo:

Leia mais

Como chegar Gestão Estatísticas Festas Populares. Geografia História Pontos Turísticos Tradição Util Pública. Dia da Carpição

Como chegar Gestão Estatísticas Festas Populares. Geografia História Pontos Turísticos Tradição Util Pública. Dia da Carpição Como chegar Gestão Estatísticas Festas Populares Geografia História Pontos Turísticos Tradição Util Pública Dia da Carpição O Dia da Carpição, que acontece no mês de agosto no Distrito de São Francisco

Leia mais

Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15

Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15 Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15 Objetivo:Promover a interação entre pais e filhos, de maneira divertida, prazerosa e colaborativa, dentro do contexto escolar de convivência e socialização.

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu.

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu. O Pão da Vida Na solenidade de Corpus Christi, queremos recordar que os atos redentores de Cristo, que culminam na sua morte e ressurreição, atualizam-se na Eucaristia, celebrada pelo Povo de Deus e presidida

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

Jörg Garbers, Mestre de Teologia

Jörg Garbers, Mestre de Teologia Jörg Garbers, Mestre de Teologia Introdução Pregação e prática Durante essa pregação uns vão pensar: Eu fiz e faço muitas coisas de maneira errada. Isso é normal. Cada um de nos falha e ficamos tristes.

Leia mais

Regulamento para a participação do Seminário Nordestino de Educação Popular e Economia Solidária

Regulamento para a participação do Seminário Nordestino de Educação Popular e Economia Solidária Regulamento para a participação do Seminário Nordestino de Educação Popular e Economia Solidária 1. Evento 1.2. Temática, data e local 2. Programação 2.1. Programação artístico-cultural e de lazer à noite

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Educação do Campo: Um olhar panorâmico

Educação do Campo: Um olhar panorâmico Educação do Campo: Um olhar panorâmico Eliene Novaes Rocha (1) Joana Célia dos Passos ( 2) Raquel Alves de Carvalho (3) 1) Contextualização histórica do debate da Educação do Campo Embora o Brasil sendo

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA

UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA Selma Dansi 1 RESUMO As Representações do Rural nos Processos Organizativos da Juventude Rural (UFRRJ/FAPERJ/NEAD/MDA).

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

COMUNIDADE DO TAQUARAL

COMUNIDADE DO TAQUARAL COMUNIDADE DO TAQUARAL Histórico Taquaral, localizada na região da morraria era uma sesmaria, que originou aos primeiros tempos da fundação da então Vila Maria do Paraguai. É um povoado antigo e tradicional,

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis Grupos de Oração sem a experiência do Batismo no Espírito Santo, exercício dos carismas e o cultivo da vivência fraterna, revelam uma face desfigurada da RCC. Reflitamos a esse respeito tendo por base

Leia mais

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução Sistema Modal de Transportes no Município do Rio de Janeiro: a modernização dos eixos de circulação na cidade carioca para a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e as Olimpíadas em 2016. 1 - Introdução Danilo

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel.

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. NOVENA DE NATAL 2015 O Natal e a nossa realidade A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. (Is 7,14) APRESENTAÇÃO O Natal se aproxima. Enquanto renovamos a esperança de

Leia mais

JANEIRO Escola para formadores

JANEIRO Escola para formadores JANEIRO Escola para formadores De 02 a 28, as Irmãs da casa de formação, tiveram a oportunidade de participar da escola para formadores. A mesma é promovida pela Associação Transcender, com sede em São

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e 1 Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e muito atuais. Em primeiro lugar, gostaríamos de dizer

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SÓCIO-EDUCATIVAS DO MST. VENDRAMINI, Célia Regina. Universidade Federal de Santa Catarina RESUMO

EXPERIÊNCIAS SÓCIO-EDUCATIVAS DO MST. VENDRAMINI, Célia Regina. Universidade Federal de Santa Catarina RESUMO EXPERIÊNCIAS SÓCIO-EDUCATIVAS DO MST VENDRAMINI, Célia Regina Universidade Federal de Santa Catarina RESUMO Ao estudar um movimento social de grande relevância social e política na conjuntura do país,

Leia mais

Começando pela realidade da assembléia, antes de mais nada é preciso perguntar-se: Qual a realidade desta comunidade reunida?

Começando pela realidade da assembléia, antes de mais nada é preciso perguntar-se: Qual a realidade desta comunidade reunida? Agora você vai conhecer dicas indispensáveis para o ministério de música no serviço à liturgia. Mas as orientações aqui apresentadas não dispensam as observações do celebrante. É ele quem preside e, por

Leia mais

A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO

A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO CURSO A PRÁTICA DA FRATERNIDADE NOS CENTROS ESPÍRITAS A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO Vimos na videoaula anterior que nas diversas

Leia mais

Pão e vinho: páscoa com sabor divino! O sabor da obediência.

Pão e vinho: páscoa com sabor divino! O sabor da obediência. Introdução: muitos diálogos na Bíblia nos chamam a atenção. Principalmente, os que envolvem Jesus. Eles invariavelmente, nos ensinam lições, fazem exortações, nos alertam contra perigos, e até nos permitem

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS 6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS Somos os guardiões das origens, somos os conhecedores das tradições

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS AGENTES DE LIMPEZA DE CAPINA E VARRIÇÃO: CASO BAIRRO MONTE CASTELO.

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS AGENTES DE LIMPEZA DE CAPINA E VARRIÇÃO: CASO BAIRRO MONTE CASTELO. PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS AGENTES DE LIMPEZA DE CAPINA E VARRIÇÃO: CASO BAIRRO MONTE CASTELO. Nadya Guedes Alves Lustosa (*), Paulo Borges da Cunha. *Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Engenharia e Meio Ambiente

Engenharia e Meio Ambiente Engenharia e Meio Ambiente 1. ECOLOGIA 2. MEIO AMBIENTE 3. HABITAT E NICHO ECOLÓGICO 4. POTENCIAL BIÓTICO 5. RESISTÊNCIA AMBIENTAL 6. PEGADA ECOLÓGICA O QUE É ECOLOGIA? 1. Ciência que estuda as relações

Leia mais

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente participei, no Programa de Mestrado em Educação, da Universidade do Estado da Bahia --- UNEB, Campus de Salvador,

Leia mais

a festa dos montes Julieta Silva atrasdosbarrocos.com

a festa dos montes Julieta Silva atrasdosbarrocos.com a festa dos montes Julieta Silva atrasdosbarrocos.com Prefácio A Festa dos Montes é uma singular etnografia de uma prática tradicional que anualmente se realiza no primeiro domingo do mês de Fevereiro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA A PORTUGAL Jantar no Palácio

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

CAPÍTULO 10. Enfoque Comportamental na Administração

CAPÍTULO 10. Enfoque Comportamental na Administração CAPÍTULO 10 Enfoque Comportamental na Administração MAXIMIANO /TGA Fig. 9.1 A produção robotizada, que ilustra o sistema técnico das organizações, contrasta com o sistema social, formado pelas pessoas

Leia mais

NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC

NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC Giovana Cadorin Votre 1, Talita Daniel Salvaro 2, Elisandro Raupp Prestes 3 1 Aluna do 2 o ano do curso

Leia mais

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB.

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. Natan Gomes de Oliveira Graduando em Licenciatura plena do curso de Geografia UEPB/Guarabira/PB.

Leia mais

Paróquia Jesus, Maria e José Grupo de Oração Fonte de Misericórdia RCC/ Beberibe

Paróquia Jesus, Maria e José Grupo de Oração Fonte de Misericórdia RCC/ Beberibe Paróquia Jesus, Maria e José Grupo de Oração Fonte de Misericórdia RCC/ Beberibe Jovens sois forte a palavra de Deus permanece em vós. 1 Jo 2,14 O EVENTO: EMANUEL EMANUEL é o cumprimento da palavra que

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Como saber se sua empresa é. Sustentável Guia Definitivo para Diagnóstico

Como saber se sua empresa é. Sustentável Guia Definitivo para Diagnóstico Como saber se sua empresa é Sustentável Guia Definitivo para Diagnóstico Sumário 02 Introdução Presença na estratégia Práticas Pré produção Práticas Produção Práticas Gestão Como verificar 03 04 06 07

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas FUNDACENTRO/SP Novembro 2013 Prof. Dr. Silas Guerriero Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião - PUC-SP silasg@pucsp.br O Ser

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém,

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, lá permanecendo até, pelo menos, pouco depois de Pentecostes.

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE De inicio nos reunimos com alguns monitores do Programa Mais Educação para realizarmos a

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA

MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA JORNADA DE ORAÇÃO 2010 MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA Apresentação do santuário de NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO (Padroeira do Haiti) Porto Príncipe, República do Haiti Jornada Mundial de Oração 10

Leia mais

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí, / / 14 6º ANO A e B "Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho."

Leia mais

Natividade de Nossa Senhora

Natividade de Nossa Senhora Rita de Sá Freire Natividade de Nossa Senhora 8 de setembro Na Igreja católica celebramos numerosas festas de santos. Entretanto, não se celebra a data de nascimento do santo, mas sim a de sua morte, correspondendo

Leia mais

O PODER SIMBÓLICO DO LIXO: A (RE)-EMERGÊNCIA DO SUJEITO EXCLUÍDO PELO URBANO

O PODER SIMBÓLICO DO LIXO: A (RE)-EMERGÊNCIA DO SUJEITO EXCLUÍDO PELO URBANO O PODER SIMBÓLICO DO LIXO: A (RE)-EMERGÊNCIA DO SUJEITO EXCLUÍDO PELO URBANO Rubiamara Pasinatto 1 Carme Regina Schons 2 SAINDO À RUA Um mesmo corpus pode ser contemplado por diferentes perspectivas teóricas,

Leia mais

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO?

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? Apresentação Ir para a escola, passar um tempo com a família e amigos, acompanhar as últimas novidades do mundo virtual, fazer um curso de inglês e praticar um esporte são

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

Setembro Mês da Bíblia

Setembro Mês da Bíblia Setembro Mês da Bíblia Discípulos missionários a partir do Evangelho de João Permanecei no Meu amor, para produzir muitos frutos (Cf. Jo 15, 9-16) Retiro Espiritual Arquidiocesano AO Pe. Vânio da Silva.

Leia mais