Ambiente, Imaginário e Representação nos Territórios Turísticos do rio Araguaia GO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ambiente, Imaginário e Representação nos Territórios Turísticos do rio Araguaia GO"

Transcrição

1 Ambiente, Imaginário e Representação nos Territórios Turísticos do rio Araguaia GO Laura M. Jaime Ramos (IESA/UFG) Bacharel em Turismo, Mestre e Doutorando em Geografia, professora do curso de especialização em Educação Ambiental IESA/UFG Sandra de Fátima Oliveira (IESA/UFG) Professora Doutora do Instituo de Estudos Socioambientais IESA/UFG, coordenadora do curso de especialização em Educação Ambiental IESA/UFG Resumo O presente texto discorre a respeito das relações estabelecidas entre os atores sociais e o ambiente a partir de uma prática cultural muito significativa no estado de Goiás. A chamada temporada turística, ou temporada das praias do rio Araguaia GO recebe anualmente milhares de pessoas que formam acampamentos nas praias que surgem ao longo de todo o rio e por ali permanecem por dias e semanas, por motivos de lazer e contemplação. Esses atores estabelecem com o rio diversos significados que justificam e fortalecem essa tradição dos acampamentos, já que grande parte dos mesmos é formada anualmente ao longo das gerações. Nosso intuito é apresentar a configuração geral desta prática, bem como propor discussões a respeito de como a teoria das representações sociais e do imaginário podem fornecer instrumentos para pensarmos a prática ambiental e os conflitos gerados, considerando os impactos ecológicos que os acampamentos geram no ambiente.

2 Introdução O presente texto é fruto de discussões teóricas elaboradas a partir da pesquisa de doutoramento que vem sendo realizada no Instituto de Estudos Socioambientais da Universidade Federal de Goiás, e tem como temática a análise do turismo de praias no rio Araguaia - GO, com vistas à compreensão das relações do imaginário e da significação, da representação e de apropriação que os sujeitos (turistas) estabelecem com o ambiente (o rio), e dos conflitos gerados a partir destas relações. O turismo de praias fluviais acontece a algumas décadas em grande parte da Bacia do rio Araguaia, e, em se tratando deste trabalho, especialmente na divisa entre os estados de Goiás e Mato Grosso, ocorrendo anualmente no período entre os meses de Junho a Agosto. Esses acampamentos são, por sua própria natureza, geradores de problemas ambientais referentes à conservação e à integridade ecológica do rio. As políticas públicas para o ordenamento territorial do turismo e as ações de informação e de educação ambiental realizadas nas praias levam mais em consideração as práticas comportamentais dos turistas do que os aspectos subjetivos do imaginário e da representação dos sujeitos que ali estabelecem territorialmente. E são justamente estes os aspectos que levam à apropriação anual das praias, gerando a tradição dos acampamentos no Araguaia. Os conflitos existentes entre os aspectos subjetivos da tradição dos acampamentos no Araguaia (imaginário e significação, representação) e os aspectos objetivos destes acampamentos (a própria corporeidade dos sujeitos na ocupação e apropriação do ambiente, as políticas públicas de ordenamento da prática turística) devem ser considerados alicerçados numa análise complexa dos territórios turísticos e de sua conseqüente organização, tanto por parte das políticas públicas quanto das ações educativas a serem ali desenvolvidas. O objetivo deste trabalho é, portanto, discorrer a respeito da configuração das representações estabelecidas entre os acampantes e o rio Araguaia, visando um olhar sobre como estes sujeitos estabelecem seus processos de significação imagética, representação e apropriação territorial com o rio, e como essas relações podem fornecer instrumentos para se pensar a conservação ambiental do Araguaia. Partindo da premissa de que o ser humano é um ser simbólico, e que suas relações com o ambiente são intermediadas por conteúdos simbólicos do imaginário, é que pretendemos orientar o escopo temático desse texto. Metodologicamente, a pesquisa na qual este texto se vincula é do tipo Qualitativa de base Fenomenológica, com foco na análise dos estudos sobre Representação. Utilizamos a pesquisa documental e bibliográfica, observação participante, bem como as entrevistas semi-estruturadas de depoimentos pessoais. A compreensão do imaginário e das representações que os turistas conferem ao rio Araguaia poderá fornecer elementos importantes para entendermos como se dá a construção das territorialidades destes sujeitos com o rio, e dos conflitos entre elas, além de propostas para políticas públicas de conservação daquele ambiente.

3 Sobre o rio Araguaia caracterização da área de estudo Componente significativo formador da bacia Amazônica o rio Araguaia nasce na serra do Caiapó, na divisa entre Goiás e Mato Grosso, numa altitude aproximada de 850m. Corre quase paralelamente ao rio Tocantins, a partir das imediações da Ilha do Bananal, e nele desemboca, após percorrer cerca de km. Pertence à macro bacia amazônica e, ao longo de mais de 2000 km de curso, marca a divisa dos estados de Mato Grosso e Goiás, Mato Grosso e Tocantins e, ainda, Pará e Tocantins, desaguando no rio Tocantins, na divisa dos estados de Tocantins, Pará e Maranhão (BRASIL, 2007) (Figura 1). Figura 1: Localização geográfica da Bacia dos rios Araguaia e Tocantins Fonte: Mapa e imagem extraídos da página do Ministério dos Transportes e AGETUR, respectivamente, Os 450 km compreendidos pela região conhecida como Alto Araguaia apresentam um desnível de 570 m. A região do médio Araguaia sofre um desnível de 185 m nos seus km de extensão. A região do baixo Araguaia, nos seus últimos 160 km, até a foz, tem um desnível de 11m. Apesar de predominantemente inserida em área do bioma Cerrado, a bacia apresenta configurações de três aspectos fitogeográficos: Cerrado, Floresta Estacional (Zona de transição) e Floresta Amazônica (PRODIAT, 1983), considerando, para tanto as características ecológicas originais, as formações primitivas da vegetação, aspectos fisionômicos de subformação, estrutura e deciduidade. O Cerrado é o mais abrangente, desde o sul da bacia até as imediações de Conceição do Araguaia/PA, e onde se concentra a maior parte da população e das atividades agropecuárias. De acordo com o mapeamento do PRODIAT (1983), as fitofisionomias de Cerrado encontradas na bacia são: cerradão, cerrado scrito, campo sujo, campo limpo e campo com

4 Murunduns. As Florestas Estacionais da Zona de transição entre Cerrado e Floresta Amazônica encontra-se em faixa contínua entre a Floresta Amazônica até Arapoema/TO, seguindo o eixo do rio Araguaia até Santa Terezinha/MT, na faixa da divisão de águas Xingu-Araguaia. O terceiro domínio vegetacional presente na bacia é a Floresta Amazônica ao Norte, já na confluência do rio Araguaia com o rio Tocantins. A ilha do Bananal é uma formação geomorfológica importante no rio. Está situada, aproximadamente entre os quilômetros 760 e 1156 e compreendida entre os dois braços do Araguaia (Araguaia e Javaé), possuindo uma área de cerca de km², e é considerada a maior ilha fluvial do mundo, sendo resguardada como Unidade de Conservação (UC) da Natureza (BRASIL, 2000) Parque Nacional do Araguaia. Além da criação do Parque Nacional do Araguaia, o SNUC ainda contempla a região da Bacia do Araguaia como sua conservação a partir da constituição da Área de Preservação Permanente (APA) Meandros do rio Araguaia, criado em decreto de 02/10/1988. Com uma extensão de ha. (perímetro de m), a APA Meandros do rio Araguaia situa-se em áreas que abrangem os municípios de São Miguel do Araguaia e Nova Crixás, em Goiás; Cocalinho, no Mato Grosso; e Araguaçú, no Tocantins. A medida de criação da APA Meandros do Araguaia busca mitigar os impactos das ações humanas no meio ambiente, sendo uma medida tomada por parte do Estado relevante ao cumprimento desse objetivo. Aliás, a ilha do Bananal constitui-se também o local referido nas narrativas cosmogônicas dos povos Karajá. É onde os primeiros indivíduos do grupo teriam conhecido o mundo acima das águas e fundaram as primeiras aldeias num tempo não preciso. É região em que se localiza atualmente a maioria das aldeias Karajá no Brasil. (LIMA, 2010). O vale do Araguaia-Tocantins era habitado pelos grupos Caiapós, Xavantes, Carajás, Xerentes e Apinajés (BERTRAN, 1988, p.17). Esses grupos de autóctones foram em sua maioria execrados com a chegada dos colonizadores, nos embates pela disputa das terras e dos recursos naturais, pela escravização de seus corpos e culturas, por doenças e mazelas trazidas pelo modo de vida ocidental. Ainda hoje, os modos de vida dos povos originários são insultados e postos à marginalização. De acordo com Lima (2010), os povos indígenas que ainda vivem na região do vale do Araguaia, ainda que em diferentes regiões das suas originárias, são os Karajá. A configuração da atividade os acampamentos nas praias do rio Araguaia Há cerca de sete décadas, nas praias fluviais que emergem da dinâmica da seca no rio Araguaia, acontece a atividade social configurada pela construção de acampamentos estruturados de forma abrigar grupos de pessoas, normalmente membros de uma mesma família ou de um mesmo grupo social, por períodos que podem chegar a quatro meses (entre junho e setembro). É comumente chamado de temporada turística do rio Araguaia, temporada do Araguaia ou de

5 turismo de praia no que se refere a uma tentativa de classificação. Ao longo do rio Araguaia, nas suas margens e ilhas compreendidas, principalmente, entre os municípios de Aragarças/GO e São Miguel do Araguaia, distrito de Luiz Alves/GO nas imediações da Ilha do Bananal vem ocorrendo a construção de acampamentos espontâneos desde, aproximadamente, a década de Essa movimentação de lazer decorre do surgimento das praias no período da seca, sendo essa ocupação sócio-cultural mais intensa no mês de julho. A formação das praias extensas, a facilidade de acesso por vários municípios (ver figura 1), as belezas cênicas da paisagem local compostas por elementos ecológicos da fauna e da flora e as águas piscosas colaboram para que as temporadas de férias no rio Araguaia se firmem como uma atividade cultural substancial desenvolvida, especialmente, pelos goianos. Como resultado dos trabalhos de intervenção em Educação Ambiental que pudemos realizar nos acampamentos fixados entre os municípios acima citados, no mês de julho dos anos de 2004, como educadora ambiental técnica do projeto Couto de Magalhães da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Goiás SEMARH/GO (2004), algumas inquietações surgiram a respeito dessa prática tão peculiar. Nosso trabalho, que no ano de 2004 consistiu em percorrer os aproximadamente 500 km do rio correspondentes ao trecho acima mencionado, em canoas a remo do tipo canadense, visitando cada um das centenas de acampamentos foi composto por mais cinco educadores, realizamos ações de sensibilização sobre os impactos da atividade dos acampamentos nas praias, sobre as práticas de melhor convivência com o rio e realizando atividades lúdico-educativas para as crianças. Como resultado então, pude inferir algumas considerações a respeito das características ontológicas da atividade a partir da sistematização de uma observação participante: a) a maior parte dos acampamentos acontece a mais de 10 anos, sendo conferidas pelos próprios atores que a praticam como uma atividade tradicional do povo goiano; b) há uma relação afetiva com o rio Araguaia e seus elementos ecológicos, muito explícita nos depoimentos, marcados por uma história de vida repleta de significados simbólicos e emotividade com relação às águas, às praias e às experiências vividas ali; c) a memória coletiva a respeito das alterações ecológicas do rio são congruentes e representativas, e fornecem subsídios para repensarmos as práticas humanas relacionadas ao Araguaia especialmente, e ao ambiente como um todo; d) a afetividade é explicitada nos relatos de memória, mas são recorrentes as incoerências entre a fala, repleta de emotividade e significados simbólicos e o comportamento ainda muito discrepante sob o olhar conservacionista; e) é crescente a disputa por praias mais extensas e de paisagem mais conservada, sendo comum a reserva de praias; f) há, por fim, uma diferenciação entre os acampamentos ditos comerciais (cuja modernização da infra-estrutura e das práticas ali desenvolvidas são nítidas e motivo de críticas por outros acampantes) e os familiares (cujo tradicionalismo está inclusive nos materiais que compõem a infra-estrutura do acampamento). Há, portanto para fins de aglutinação de idéias, a configuração de territórios existenciais subjetivos

6 (BONNEMAISON, 2002) e estruturais no uso das praias e nas relações estabelecidas pelos acampantes e o rio. Esses acampamentos são, por sua própria natureza, geradores de problemas ambientais referentes à conservação e à integridade ecológica do rio. A infra-estrutura utilizada para a hospedagem dos grupos que ali se estabelecem é semelhante àquelas utilizadas em locais urbanos, contando com instalações sanitárias, cozinhas e dormitórios, equipamentos de lazer (com televisão, aparelhagem de som, lanchas e jet-skis) ainda que sob diferentes padrões econômicos e de organização. Se buscarmos uma configuração que abranja as diferentes estruturas e objetos a partir dos quais os acampamentos são montados, podemos apresentá-los em três grupos característicos: a) Acampamentos de super-estrutura estrutura e conforto - neste grupo de acampamentos podemos encontrar equipamentos de instalação, hospedagem, alimentação e sanitário rios de luxo e/ou modernos cuja aparência e configuração estão próximos a recomposição do espaço urbano no ambiente de natureza, além de um serviço de atendimento típico de hotelaria (Figura 2); Figura 2: Acampamentos de super-estrutura e conforto Fonte: Ramos, b) Acampamentos de conforto médio a alto e estrutura rústica: neste grupo de acampamentos os equipamentos de instalação, hospedagem são ainda rústicos, com a utilização de matérias- primas artesanais, os equipamentos de alimentação e sanitários são bem organizados mais ainda com certo grau de rusticidade, dando a sensação de maior contato com os elementos naturais, podendo ou não haver fornecimento de serviços de governança (Figura 3);

7 Figura 3: Acampamentos de conforto médio a alto e estrutura rústica Fonte: Ramos, c) Acampamentos rústicos: os equipamentos de instalação, hospedagem são simples, com a utilização de matérias-primas artesanais ou apenas barracas, os equipamentos de alimentação e sanitários são muito simples e não raro, são inexistentes (Figura 4). Figura 4: Acampamentos rústicos Fonte: Ramos, Há ainda outra categoria de atores que se utilizam das praias do rio Araguaia, mas que, no entanto, configuram outra relação, mais efêmera com o ambiente. Algumas pessoas, a cerca de 10 anos, começaram a utilizar as antes precárias instalações de hospedagem que existiam no município do Aruanã/GO, para hospedagem e algumas até como segunda residência (própria ou casas de aluguel). Com o incremento dessa prática, as infra-estruturas de hospedagem evoluíram, aumentaram quantitativa e qualitativamente. Atualmente, centenas de pessoas então, passam a freqüentar o rio durante o dia, utilizando o serviço de transporte oferecido pelos barqueiros nos portos municipais e retornam ao centro urbano para pernoitar e recorrer aos serviços de alimentação e lazer noturno. Nosso intuito com essa diferenciação e classificação dos acampamentos é apenas para facilitar ao leitor que desconhece essa atividade, a apresentação e a demonstração das diferentes formas com que os atores se estabelecem territorialmente no rio. Não há, para fins de análise dos depoimentos pessoais, do imaginário e das representações, uma diferenciação a partir das referências socioeconômicas que cada uma das tipologias de infra-estruturas possa inferir. Ou

8 seja, não fazemos distinção da classe socioeconômica quando da análise da significação e do afeto dessas pessoas para com o rio Araguaia. O imaginário e as representações do rio ordenamento Araguaia uma proposta para o A temática ambiente é concebida sob várias abordagens científicas, assim, como a concepção de natureza que é uma construção social fruto de interesses e possibilidades que motivam a relação dos homens com o ambiente e também é algo construído que se opõem a cultura, de modo que a cultura é sobreposta á natureza: Toda sociedade, toda cultura cria, inventa, institui uma determinada idéia do que seja a natureza. Nesse sentido, o conceito de natureza não é natural, sendo na verdade criado e instituído pelos homens. Constitui um dos pilares através do qual os homens erguem as suas relações sociais, sua produção material e espiritual, enfim, sua cultura. (PORTO GONÇALVES, 1990, p. 22). As diversas ciências entre as quais a Geografia, vem procurando entender as dinâmicas que ocorrem e que compõem o ambiente. Passamos por períodos históricos em que a visão predominante pautava-se em uma abordagem física, designando como meio ambiente, especialmente pelos geógrafos físicos no embalo dos movimentos ambientalistas pós-guerra (II Guerra Mundial 1945), os elementos físicos (hidrografia, geomorfologia, vegetação e fauna). Após 1960, os geógrafos da Geografia Humana incorporaram o elemento humano e sua subjetividade à noção de ambiente. Atualmente tem-se procurado enfocar os elementos físicos da paisagem natural e social da cultura na composição do ambiente, de modo que as relações e as conseqüências da relação dos humanos com estes elementos também sejam analisados. Desta forma a perspectiva propagada de ambiente atualmente engloba o meio natural e o social. No imaginário da cultura popular vigora uma separação entre homem como sujeito e a natureza como objeto, separação esta acentuada pelas especificidades e características físicas da natureza. O pensamento predominante é da separação sujeito homem X objeto natureza, pois a mesma não é vista como parte integrante dos sujeitos. Com o ritmo acelerado das cidades, os indivíduos que vivem nos centros urbanos procuram nos locais preservados das ações antrópicas, como no caso das margens do rio Araguaia, um contato direcionado para o descanso e o lazer. Os aspectos físicos na natureza encontrada no rio adquirem um novo valor para esses sujeitos, o valor de fuga de um cotidiano e de retorno a um paraíso perdido. A cultura predominante, portanto, destina a estes locais determinados valores que lhe são conferidos por aqueles que reconhecem a importância desses espaços, o designam como natureza e os procuram para satisfazer e estabelecer o contato com o dito natural. Os lugares de paisagem natural são, dessa forma, apropriados por demandas turísticas, como

9 produto a ser utilizado pelos grupos sociais que buscam o afastamento do ambiente urbano antropizado. A imagem de natureza preservada vai se opor a imagem dos centros urbanos. Nesse sentido, o turismo é um produtor e um consumidor de imagens; seu mecanismo de funcionamento se dá a partir da venda e do consumo das imagens que um lugar, dito turístico, são construídas e passam a ser oferecidas aos turistas. As áreas naturais, a paisagem, os lugares turísticos tornam-se imagens de consumo a serem oferecidos como produtos turísticos, e que conforme elucida Damasceno (1998, p.55), deve exigir uma apropriação responsável: A imagem vinculada pelo turismo, sabendo do seu poder de desmontar e montar novos contextos, deve se fundamentar numa ética de representação dos lugares, o mais próximo possível dos valores naturais e culturais. A autora supracitada ainda nos apresenta o pensamento de que vivemos num mundo que só se dá a conhecer através das representações das imagens, através de interpretação sobre o mundo imagético. Segundo ela (DAMASCENO, 1998, p. 54) A nossa sociedade só se sustenta através da ilusão das imagens. No entanto, toda imagem se apresenta como um recorte da realidade. Na verdade, ela tira uma porção da realidade do seu contexto original e transfere para outro contexto criado, onde ela vai ganhar, necessariamente, uma nova significação. Imagens e representações são facetas de um mesmo conteúdo que é inerente ao aspecto das relações humanas: o conteúdo simbólico. O sistema simbólico humano é o método de adaptação, compreensão, interpretação e representação dos indivíduos ao meio em que vive. Nele, tudo é referenciado, configurado e representado. Nesse sentido, para Cassirer (1972, p. 50) o homem Já não vive num universo puramente físico, mas num universo simbólico. A linguagem, o mito, a arte e a religião são partes deste universo. São vários os fios que tecem a rede simbólica, a teia emaranhada da experiência humana. A realidade, portanto, não é dada em si mesma ao homem, mas intrinsecamente intermediada pelas percepções e interpretações sobre o mundo. A realidade é ao homem uma representação simbólica. Sobre isso, Cassirer (1972, p. 50) ainda comenta que Já não é dado ao homem enfrentar imediatamente a realidade; não pode vê-la, por assim dizer, face a face. A realidade física parece retroceder proporcionalmente, à medida que avança a atividade simbólica do homem. Em lugar de lidar com as próprias coisas, o homem, em certo sentido, está constantemente conversando consigo mesmo, numa auto-interpretação. O conceito de representações possibilita-nos identificar as configurações representativas que os sujeitos constroem sobre o lugar e o processo de mudança que ocorre em suas particularidades. No entanto as representações são estabelecidas sobre nós, à medida que apreendemos, por meio da percepção, as imagens. Estas são transmitidas como produto de uma seqüência completa de elaborações e mudanças que ocorrem no curso do tempo. Com as representações pode-se

10 compreender a maneira como os sujeitos apreendem e interpretam os acontecimentos do cotidiano, as características do meio, e absorvem os bombardeios de informações que circulam nas relações sociais. As relações humanas se dão por meio das imagens, essas como parte de um sistema simbólico complexo. O imaginário, por sua vez, extrapola o signo lingüístico e promove um dinamismo uma rede de imagens que variam de acordo com as referencias individuais de cada um, conectado da natureza humana ao pólo objetivo das manifestações culturais, fazendo com que se relacionem por meio dos esquemas, arquétipos e símbolos. Durand (1989) nos coloca que o imaginário é a soma das representações é possível pensar o imaginário como a soma das representações do homem, sendo o conjunto das imagens e das relações de imagens que constitui o capital pensado do Homo Sapiens, ou ainda, como o grande denominador fundamental para onde convergem todas as criações do pensamento humano. Desta forma, como enfatiza (PITTA, 2005, p. 15) O imaginário, pode ser considerado como essência do espírito, à medida que o ato de criação (tanto artístico quanto o de tomar algo significativo) completo (corpo, alma, sentimentos, sensibilidade, emoções...), é a raiz de tudo aquilo que para o homem, existe. O imaginário é composto de imagens provenientes das representações sociais que é uma temática da fenomenologia, remetendo-se a um fundamento epistemológico que despontou com grande incidência na Geografia Humanística, esta envolve o imaginário, os sonhos e outros processos subjetivos de cada indivíduo. O imaginário obedece a processos regrados e a organismos vivos, para Durand (1997) o imaginário nasce na confluência do subjetivo e do objetivo, do mundo pessoal e do meio cósmico ambiente. A imaginação por sua vez é a capacidade de formar imagens fornecidas pela percepção das representações provindas do social, ela é, sobretudo, a faculdade de nos libertar das imagens primeiras, de mudar as imagens. Outra característica desta se refere ao fato da mesma alterar a escala da imagem, oscilar entre dois pontos opostos e anteceder a representação obedecendo a interesses primordiais do sujeito. As imagens são simbólicas e possuem um semantismo próprio com carga de afetividade, e vista também como um refugio da realidade exterior ligando-se aos pensamentos. Também o fato de que não há pensamento sem imagem nos convida a entender as imagens que estão em construção em nós e em nossas obras (...). (PITTA, 2005, p.103). As imagens são datadas pelo trajeto antropológico de cada sujeito que é influenciado por fatores do biologismo, psiquismo, da pulsão e por fatores sócio-culturais. Pode ser designada também como uma faceta da representação social referendada por signos que são construções sociais. De acordo com Minayo (1994) a representação social, é um termo filosófico que significa a reprodução de uma percepção retida na lembrança ou do conteúdo do pensamento. Ele acrescenta que nas ciências sociais elas são definidas como categorias de pensamento que expressam a realidade, explicando-a, justificando-a ou questionando-a.

11 As representações sociais são conceituadas por Moscovici (1978) como: (...) Toda representação é composta de figuras e de expressões socializadas. Conjuntamente, uma representação social é a organização de imagens e linguagem, porque ela realça e simboliza atos e situações que nos são o use nos tornam comuns. Encarada de um modo passivo, ela é apreendida a titulo de reflexo, na consciência individual ou coletiva, de um objeto, de um feixe de idéias que lhe são exteriores. (MOSCOVICI, 1978, p. 25) As representações sociais possibilitam-nos compreender como o indivíduo ou a coletividade interpreta a realidade de uma sociedade, expressando o conhecimento que cada pessoa ou grupo detém sobre um determinado tema. (ROCHA & AMORAS, 2006, p. 149). Desta forma as representações sociais dos sujeitos podem nos revelar os conhecimentos dos ambientes locais e as formas de relações dos sujeitos com o ambiente. As diferentes maneiras de pensar e representar a natureza categorizando-a, classificando-a e delimitando-a dentre todos os seres que compõem o universo relativa-se a cultura predominante de cada sociedade de modo que partindo da idéia de Moscovici (1978, p. 27) temos a princípio que: Representar não consiste somente em selecionar, completar um ser objetivamente determinado com um suplemento de alma subjetiva. É de fato, ir mais além, edificar uma doutrina que facilite a tarefa de decifrar, predizer ou antecipar os seus atos. É importante salientar que, em alguns relatos dos indivíduos entrevistados, nos quais aparece o termo meio ambiente, entendemos sua correspondência ao aspecto natural do mesmo. Isso porque, para a maioria das pessoas, meio ambiente é entendido por seu aspecto unicamente natural, e não pelas demais interações que o compõem. O conceito de natureza esta subjacente aos movimentos ambientalistas, sendo compreendida hora como algo hostil, lugar de luta de todos contra todos, outrora como uma natureza de harmonia e bondade. Em nossa sociedade, por exemplo, a natureza é vista como algo possível de ser dominado e submetido ao homem. A natureza é, em nossa sociedade, um objeto a ser dominado por um sujeito, o homem, muito embora saibamos que nem todos os homens são proprietários da natureza. Assim, são alguns poucos homens que dela verdadeiramente se apropriam. A grande maioria dos outros homens não passa, ela também, de objeto que pode até ser descartado. (PORTO GONÇALVES, 1990, p.26-27). É importante salientar que, em alguns relatos dos indivíduos entrevistados, nos quais aparece o termo meio ambiente, entendemos sua correspondência ao aspecto natural do mesmo. Isso porque, para a maioria das pessoas, meio ambiente é entendido por seu aspecto unicamente natural, e não pelas demais interações que o compõem. Desse modo, a partir dos depoimentos obtidos, estabelecemos as categorias que representam à relação que os atores acampados entrevistados estabelecem com o Araguaia, apresentadas a seguir (Quadro 1).

12 a) Imaginário de natureza: Representada como Área natural Nos relatos classificados nesta categoria percebemos que a representação de natureza se dá a partir de sua importância enquanto alternativa ao modo de vida da maioria das pessoas que vivem em centros urbanos. As áreas naturais, em especial àquelas protegidas em forma de parques, constituem-se como uma alternativa de fuga do cotidiano gerado nos modos de vida das populações urbanas. A natureza aqui estaria representada como o ambiente da melhoria na qualidade de viver. Novamente, a vida nas cidades, e o desagradável convívio com os diversos problemas ambientais ali existentes são amenizados a partir do contato e da possibilidade de mudança do viver proporcionado pela área natural b) Imaginário de natureza: Representada como Atrativo turístico Os turistas visitam-no, mais como meio variado de lazer do que pela própria busca do contato com a natureza. Por esse motivo, os elementos percebidos como importante por estes turistas estão intrinsecamente relacionados com aqueles os quais possibilitam a recreação, como forma de distração alternativa. A natureza percebida na relação com o rio Araguaia é representada, a partir de macroelementos, cuja referência se dá pela função que os mesmos possam desempenhar para os turistas. Funções estas diretamente ligadas ao visual e ao recreativo. A natureza estaria, então, sendo representada como um complexo de água-praia-sol. c) Imaginário de natureza: Representada como recurso futuro Aqui a natureza aparece especificamente como um mecanismo de manutenção da vida humana futura. As UCs seriam representadas como o reduto genético de espécies preservadas para que, futuramente, mantenhamos os elementos naturais para as futuras gerações. Segundo os paradigmas atuais, o próprio conceito de desenvolvimento sustentável, bastante utilizado pelos diversos atores da sociedade atual, apresenta a idéia de manutenção dos recursos da natureza com vistas às gerações futuras. Essa concepção é de grande importância quando compreendida na sua totalidade, cujas idéias devem ser praticadas por todas as classes, ou seja, quando todos os membros da sociedade, principalmente aqueles cujo poder hegemônico representam, adotarem-nas como prática cotidiana. O alcance desta sustentabilidade surgiria como forma de cumprimento da ética ambiental, pelo respeito às diferenças entre os seres e à igualdade de direitos humanos no acesso aos bens naturais como de direito a vida. d) Imaginário de natureza: Representada no paradigma da fragmentação entre Ser humano- Natureza Uma relação preservacionista com a natureza pressupõe que para mantê-la preservada, qualquer relação humana para com a mesma deve ser evitada, no sentido de utilizá-la apenas para contemplação. Isso quer dizer que o ser humano deve manter um distanciamento em relação à natureza. Esse distanciamento foi a base conceitual que levou á criação das primeiras áreas

13 naturais preservadas em forma de UCs no mundo. Autores como Oliveira, S. (2002), Brito (2003) e Gonçalves (2004) apresentam relevantes discussões a esse respeito. No quadro a seguir apresentamos trecho dos depoimentos seguindo as respectivas classificações quanto ao conteúdo representativo e imagético, a partir da significação do rio Araguaia para essas pessoas. Quadro 1: Fragmentos de discurso de acordo com categorias e elementos de análise Categorias de significados Fragmentos de discurso Conforto psicológico O rio Araguaia representa vida, natureza, ecologia, sossego e paz O rio Araguaia é o descanso do goiano, paz, natureza, coisa boa só Representa nosso bem estar. Necessidade contemplativa/ imagem paradisíaca Se o céu for assim eu estou pronto pra morrer. é... paz, natureza, coisa boa só. Nada de ruim, só coisa boa. È um lugar que você vem pra descansar, é gostoso, bonito, muito bonito... Espaço de vivência educativa Espaço de lazer Pra mim o rio é isso aqui...(muitas crianças presentes) mostrar pra criançada que o rio é nosso pra não deixar acabar. Você não pode ir a praia lá na frente, no mar, mas pode vir aqui O rio proporciona alegria e lazer pra todo mundo. Natureza sacralizada O rio Araguaia não é nosso ele faz parte de uma coisa que sabemos que é Deus Elementos de análise Mudança de Paisagem Eu me lembro que a 25 anos o pessoal chegava nos acampamentos com peixes grandes de 1 metro 1 metro e vinte, eu nunca mais vi isso, o peixe acabou. Só ta acabando, o rio esta assoreando, a navegação está difícil nele por causa do desmatamento. A cada ano que passa fica mais difícil. Outra coisa que estou observando, todo anos nós ouvíamos os guaribas e este ano e no ano passado eu não ouvi, não se vê mais, porque não se está ouvindo? Porque houve desmatamento ali. Dinâmica ecossistêmica Dimensão não-racional da percepção Então ele sobe, a 6, 7 esse ano foi a 8 metros de altura. Ele lava, limpa e enxuga e entrega pra nós, hoje pra nós porque os animais desapareceram... Ele se auto administra, ele enche, lava tudo e põe a disposição dos goianos uma praia maravilhosa fácil de vir e de acesso de qualquer poder aquisitivo... Eu nunca consegui explicar o que é o Araguaia. Porque de uma coisa Divina você não tem poder de falar, tem que sentir. Incorporação de Precisamos educar as crianças para preservar o rio. A nossa praia é o

14 discursos (*) Araguaia Porque se a gente não zelar eles não vão desfrutar nem os filhos deles. Fonte: depoimentos coletados em julho de 2004 e Organizado por Ramos, Com relação ao conforto psicológico e à necessidade contemplativa nota-se que o turista encontra às margens do rio a tranqüilidade que não encontraria na cidade, na vida cotidiana, nos seus afazeres e na complexidade diária inerente às grandes áreas urbanizadas. Segundo Tuan (1980, p.118) quando a sociedade alcança certo nível de desenvolvimento e complexidade, as pessoas começam a observar e apreciar a relativa simplicidade da natureza. Considerações finais A relação entre os sujeitos e o meio do qual é parte inerente é proveniente da sua composição subjetiva e dos elementos que formam sua estrutura vivencial para com o ambiente. Cada sujeito configura específicas representações sociais diferenciadas em relação a uma dada realidade. Assim, propomos para este trabalho uma reflexão e análise da composição imaginativa dos sujeitos em relação a natureza na condição de turistas e visitantes Os diferentes entendimentos e as várias formas de relações que cada indivíduo estabelece com a natureza influenciam diretamente o planejamento das atividades de uso público, bem como os distintos tipos de abordagens educativas dos programas ou ações de Educação Ambiental das áreas. Esses conteúdos devem, portanto, se adequar a seu público correspondente; seus objetivos devem atuar especificamente na mudança de determinados paradigmas que esses indivíduos possuem em relação à natureza. O levantamento do que a área natural representa para cada sujeito, auxilia na formulação de estratégias para implementação das atividades educativas e no ordenamento das ações humanas. Referencias Bibliográficas BERTRAN, P. Uma introdução à história sócio-econômica do Centro-Oeste do Brasil. Brasília: CODEPLAN, Goiás: UCG, BONNEMAISON, J. Viagem em torno do território. In: CORRÊA, R. L.; ROSENDAHL, Z. Geografia cultural: um século. Rio de Janeiro: Ed.UERJ, BRASIL. Lei de 18 de julho de Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília, D.F.BRASIL.

15 BRASIL. Ministério do transportes. Acesso a página digital: <http//:www.ministeriodotransportes.gov.br> em 10 de novembro de BRASIL. PRODIAT. Projeto de desenvolvimento integrado da bacia do Araguaia-Tocantins. Diagnóstico da bacia do Araguaia-Tocantins. Brasília: Ministério do Interior, CASSIRER, E. Antropologia Filosófica. Tradução Dr. Vicente Felix de Queiroz. 1ª Ed. São Paulo: Mestre Jou, p. DAMASCENO, C. A Ética Burguesa do Turismo. In: CORIOLANO, L.N.M.T. (org) Turismo com Ética. Fortaleza: Editora da UECE, p DURAND, G. A imaginação simbólica. São Paulo: Cultrix, DURAND, G. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. Rio de Janeiro: DIFEL, GOIÁS. Agência Ambiental do Estado de. Campanha Rio Limpo Acesso a página digital: <http//:www.agenciaambiental.go.gov.br. >Acesso em 13 de julho de LIMA, S. C. Povo das águas e o Berohocy. Universidade Federal de Goiás. Instituto de estudos socioambientais. Dissertação de mestrado MOSCOVICI, S. A representação social da Psicanálise. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar Editores, MYNAIO, M.C de S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 3ª ed. Petrópolis, R.J: Vozes, PITTA, D. P. R. Iniciação à teoria do imaginário de Gilbert Durand. Rio de Janeiro: Atlântica Editora, PORTO-GONÇALVES. C.W. Os descaminhos do meio-ambiente. São Paulo: Contexto, ROCHA, G. O. R. ; AMORAS, I. C.R. O ensino de Geografia e a construção das representações sociais sobre a Amazônia. In:. Amazônia. Revista Terra Livre. AGB: Goiânia, ano 22, v.1, n.26, p Jan-jun TUAN, YI-FU; Topofilia: Um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

16

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Uso e Arborização dos Espaços Comuns nas Escolas Municipais de Canhotinho-PE

Uso e Arborização dos Espaços Comuns nas Escolas Municipais de Canhotinho-PE THAMYLLYS MYLLANNY PIMENTEL AZEVEDO(AUTORA) E-mail: thamyllysmyllanny@hotmail.com MARIA BETÂNIA MOREIRA AMADOR (COAUTORA) E-mail: betaniaamador@yahoo.com.br UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO-UPE/CAMPUS GARANHUNS

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências Nome: Ano: 5º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências da Natureza Disciplina:

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás.

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. Comunicação, Ciência e Conservação do Cerrado: Mídia e Jornalismo na conscientização e

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Considerada uma das mais avançadas do mundo. Sua estrutura começou a ser composta em 1981, a partir da Lei 6.938. Da Política Nacional

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Integração do grupo; Sensibilização para os problemas e potencialidades

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA Soraya Carvalho Pereira Rocha (Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal/Universidade Aberta do Brasil Universidade de Brasília) Kátia

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Construção dos geógrafos frente à natureza e sociedade

Construção dos geógrafos frente à natureza e sociedade O OLHAR DOS GEÓGRAFOS FRENTE ÀS MODERNIZAÇÕES NA AGRICULTURA E ÀS IMPLICAÇÕES AMBIENTAIS 1 Roberto Verdum 2 Departamento de Geografia/IG/UFRGS Para identificar o olhar dos geógrafos frente às modernizações

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Marlene Flauzina OLIVEIRA Mestranda em Geografia - Programa de Pós-Graduação Campus Jataí/UFG mflauzina@hotmail.com Eguimar

Leia mais

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO 148 Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO Wellington Lima Pereira; Cleide Amorim Leite RESUMO

Leia mais

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO 4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO Conceitualmente, Área de Influência abrange todo o espaço suscetível às ações diretas e indiretas do empreendimento, tanto na fase de implantação como na de operação,

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

PROJETO TRAVESSIA. Cidadânia e Responsabilidade Social

PROJETO TRAVESSIA. Cidadânia e Responsabilidade Social PROJETO TRAVESSIA Cidadânia e Responsabilidade Social PALMAS-TO 2014 Principais Parceiros das edições anteriores CONTATOS Projeto realizado pelo Grupo Pedais e Trilhas do Tocantins Coordenador do Projeto:

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução.

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. RESUMO ESPANDIDO O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. Alcione Adame 1 INTRODUÇÃO Ao contrário do que a mídia a muita gente pensa a lei 12.651/12, conhecida como Novo Código Florestal, não

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

GEOGRAFIA. transformadas

GEOGRAFIA. transformadas GEOGRAFIA Disciplina A (currículo atual 2008) Disciplina B (currículos extintos) 1ª período 59480 Cartografia Geral 68 Geografia Cartografia B 136 37230 Geografia Contida Ementa: Aborda os fundamentos

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Formação Socioambiental 2º Encontro Mapeando e buscando reconhecer o território Polo 2 Floresta Estadual Edmundo Navarro de Andrade O que vimos até

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 2 Tipos de vegetação Vegetação é caracterizada como o conjunto de plantas de uma determinada região. Em razão da

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais

O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais Fernando Michelis - fermichelis_@hotmail.com Resumo O Cemitério Municipal São Jose localizado na cidade de

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1280 OS HISTORIADORES, SEUS LUGARES E SUAS REGIÕES: A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA UNICENTRO SOBRE A REGIÃO PARANAENSE Darlan Damasceno Universidade Estadual de Londrina Resumo.

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida Biologia da Conservação Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO Ciência multidisciplinar que foi desenvolvida como resposta à crise

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF

Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF Imagem dos Corredores Ecológicos: Exibe a imagem de satélite baixa resolução de SPOT-5, adquirida em 2005. Esta imagem está como padrão defaut ao iniciar o sistema,

Leia mais

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Daniel de Castro Brainer Pereira PIRES 1 Thatiane Oliveira de ALENCAR 2 Alessandra Oliveira ARAÚJO 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE RESUMO

Leia mais

GUIA PARA A TRILHA ADAPTADA DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA: UMA PROPOSTA MULTIDISCIPLINAR SOB A PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

GUIA PARA A TRILHA ADAPTADA DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA: UMA PROPOSTA MULTIDISCIPLINAR SOB A PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA GUIA PARA A TRILHA ADAPTADA DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA: UMA PROPOSTA MULTIDISCIPLINAR SOB A PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Renata Maia Ribeiro de Barros Braga 1 ; Andréa Espinola de Siqueira 1 ; Erika

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F.

VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F. VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F. Junior¹ A relação da comunidade com o meio-ambiente é uma das mais importantes

Leia mais

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CHAMADA PÚBLICA 1ª EDIÇÃO DA REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE JUVENTUDE SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE 1. Apresentação da Chamada: A Revista Juventude

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE.

IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL URBANA, MARGEM DO RIO SÃO FRANCISCO, PETROLINA PE. Profa. Miriam Cleide Amorim Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus Juazeiro, BA INTRODUÇÃO

Leia mais

TÍTULO: A MODA NO DIVÃ: OBSERVAÇÕES SOBRE INTERVENÇÃO DO INCONSCIENTE NO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE MODA

TÍTULO: A MODA NO DIVÃ: OBSERVAÇÕES SOBRE INTERVENÇÃO DO INCONSCIENTE NO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE MODA TÍTULO: A MODA NO DIVÃ: OBSERVAÇÕES SOBRE INTERVENÇÃO DO INCONSCIENTE NO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE MODA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DESIGN INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo GEOGRAFIA Professores: Marcus, Ronaldo Questão que trabalha conceitos de cálculo de escala, um tema comum nas provas da UFPR. O tema foi trabalhado no Módulo 05 da apostila II de Geografia I. Para melhor

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I Prof. Hugo Souza Voltando alguns [vários] anos atrás, teremos uma breve revisão sobre a história e a contextualização do

Leia mais