CONTO DE VERÃO. Comédia Romântica. Texto de JULIO CARRARA. Escrita em 2000

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTO DE VERÃO. Comédia Romântica. Texto de JULIO CARRARA. Escrita em 2000"

Transcrição

1 CONTO DE VERÃO Comédia Romântica Texto de JULIO CARRARA Escrita em 2000 Atenção: Texto registrado e distribuído em caráter puramente de uso e leitura PESSOAL. Todos os direitos reservados aos detentores legais dos direitos da obra. Para a representação e comercialização legal da peça, entrar em contato com o autor através do

2 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 1 PERSONAGENS: ALAN MARÍLIA FRED GABRIEL LILIANE ANA TELMA PAI DE LILIANE CENÁRIO: A primeira e a última cena se passam na Via Anchieta. Da segunda cena em diante, o ambiente sugere as areias amarelas de uma praia um pouco deserta, na cidade de São Vicente. Duas barracas de camping, esteiras e cadeiras de praia. Outros elementos que poderão compor o cenário, ficarão à critério do cenógrafo e do encenador.

3 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 2 CENA 1 (LUZ SOBE EM RESISTÊNCIA REVELANDO UMA ESTRADA DESERTA EM PLENA MADRUGADA. UMA FORTE NEBLINA ENCOBRE EM PARTE O LUGAR. OUVE-SE NO ÁUDIO RUÍDOS DE MOTOR DE UM CARRO, QUE CUSTA A FUNCIONAR, MESCLANDO COM AS VOZES DOS PASSAGEIROS. BUZINAS, FARÓIS QUE ACENDEM E APAGAM E MUITA FUMAÇA QUE SAI DO AUTOMÓVEL. LOGO EM SEGUIDA ENTRAM TRÊS JOVENS: MARÍLIA, FRED E GABRIEL. ESTÃO UM POUCO TENSOS E CANSADOS) MARÍLIA - Eu sabia que isso não ia dar certo. Não sei onde estava com a cabeça quando aceitei o convite de descer pra praia com vocês. GABRIEL - Fica fria, Marília... Dá-se um jeito pra tudo. FRED - Eu tinha certeza que o carro ia quebrar no caminho. MARÍLIA - E vocês esperavam que essa lataria velha que é o carro do Alan, agüentasse a viagem toda? Eu falei pra ele de vir de buzão ou alugar uma perua, mas é teimoso como uma mula. E ainda mais com a quantidade de coisas que a gente trouxe. (NESSE MOMENTO ENTRA ALAN, TODO SUJO DE GRAXA) ALAN - É, não tem jeito, galera. Ferveu!!!! MARÍLIA - Era de se esperar. E agora, o que a gente vai fazer? ALAN - Esperar o carro esfriar para a gente seguir viagem. MARÍLIA - Você tá zoando com a nossa cara...

4 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 3 ALAN - É a única maneira, Marília. Você vê outra solução? E pelo jeito não vamos encontrar nenhum orelhão por perto para buscar socorro. MARÍLIA - Eu não fico aqui nem mais um minuto. Vou pegar um buzão e a gente se encontra lá em São Vicente. (VAI SAINDO) Tchau! GABRIEL - São três e meia da manhã, Marília. Não tem ônibus pra lá esse horário... E se tivesse com que grana a gente ia pagar? ALAN - Pô, gata, sem stress, relaxa... MARÍLIA - (COM OS NERVOS À FLOR DA PELE) Como eu vou relaxar Alan? Estamos a quase meia hora nessa estrada deserta; tô com fome, com sede, com medo, a bosta desse Fiat 147 quebrou, não passa um miserável pra ajudar a gente e você me pede pra ficar relaxada? Tenha dó. FRED - Fome não é problema. Não seja por isso. Minha mãe me fez trazer uns frangos assados com farofa pra gente poder farofar. Tá aqui na minha mochila. Quer que eu pegue um pra você, Marília? MARÍLIA - Vá se danar, Frederico. Não tô pra brincadeira. FRED - (PARA ALAN) Ô, Alan, dá um jeito na sua mina, mano. O que ela tem? Não aceita brincadeira... MARÍLIA - Brincadeira tem hora, sabia? FRED - É? Não sabia que pra brincar tinha que ter hora marcada... MARÍLIA - (IRÔNICA) Engraçadinho! GABRIEL - Sabe o que é isso, Fred? TPM, saca?

5 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 4 FRED - TPM? Que porra é essa? GABRIEL - Tensão Pré-Menstrual. Algumas mulheres viram verdadeiras megeras quando estão com isso, e a Marília é uma delas. Tome cuidado, viu Alan? MARÍLIA - Não é nada disso, Gabriel. Não tô com TPM porcaria nenhuma. O que eu quero é sair daqui o mais rápido possível... (COMEÇA A CHORAR) Inferno! (ALAN SE APROXIMA DELA) Ah, Alan, mal começamos a viagem e já tá tudo dando errado! ALAN - Não pensa assim. Vai dar certo, sim. Garanto que vai ser o feriado mais divertido que a gente vai passar junto. Você não confia em mim? MARÍLIA - Em você eu confio, só não confio no seu Fiat 147. (CHUTA O CARRO) (ALAN SENTA-SE NO CHÃO AO LADO DA NAMORADA. FRED TAMBÉM SE SENTA E SOLTA O AR DOS PULMÕES VIOLENTAMENTE PELA BOCA) GABRIEL - Tô apertado vou dar um mijão e já volto. (BRINCA COM FRED) Quer vir comigo pra chacoalhar, Fred? FRED - (IRÔNICO) Com todo respeito à sua mãe, (ESTÚPIDO) vá pra puta que te pariu! GABRIEL - (AINDA NO TOM DE BRINCADEIRA) Nossa, que mocinha malcriada! É falta de homem, meu bem?! (FRED ATIRA UMA PEDRA EM GABRIEL, MAS NÃO ACERTA. GABRIEL VAI ATÉ O FUNDO DO PALCO, RINDO. NESSE MOMENTO OUVE-SE NO ÁUDIO RUÍDOS DE UM MOTOR DE CAMINHÃO. FRED, MARÍLIA E ALAN, ESCUTAM, OLHAM UM PARA O OUTRO E CONCORDAM ENTRE OLHARES. SORRIEM COM ESPERANÇA)

6 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 5 FRED - É a chance... Ô, Gabriel! (ASSOBIA PARA GABRIEL, QUE VEM FECHANDO A BRAGUILHA DA CALÇA) GABRIEL - Pô, não posso nem mijar sossegado!...o que foi? FRED - (FELIZ) Carona à vista... GABRIEL - (ESFREGANDO AS MÃOS) Beleza!!! ALAN - E o que eu vou fazer com o meu carro? FRED - Deixa ele aí e vamos dar área. ALAN - Deixar ele aqui na estrada? Tá maluco?! GABRIEL - Quem vai querer roubar um Fiat 147, Alan? Ainda mais do jeito que ele tá. Vamos pegar carona, curtir o feriado e na volta a gente pega ele. Fica frio, cara. Além do mais, sua charanga não presta nem pra desmanche, mano. Acho que nem ferro velho aceita ele. Pode dar tétano. ALAN - Obrigado pela parte que me toca... FRED - Galera precisamos agir rápido... (TODOS OLHAM PARA MARÍLIA) MARÍLIA - (COMPREENDENDO A INTENÇÃO) Êêêêê... GABRIEL - Quebra essa, vai Marília. O que custa? MARÍLIA - Tudo eu, tudo eu... Por que vocês não fazem isso? FRED - Você acha que algum caminhoneiro vai querer dar carona para um bando de marmanjo como a gente? A não ser que seja boiola.

7 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 6 ALAN - Não vou permitir que minha namorada peça carona pra caminhoneiro nenhum... (MUDA O TOM) Mas hoje, só hoje, vou abrir uma exceção... Faz isso pela gente, gata. Salva a nossa pele. MARÍLIA - (DEPOIS DE UMA PAUSA) Tá bom, tá bom, tudo eu, tudo eu, tudo eu... vou me sacrificar por vocês, mas vai ser a última vez... (OS TRÊS PULAM DE ALEGRIA. O CAMINHÃO VAI SE APROXIMANDO LENTAMENTE. OS GAROTOS DESAPARECEM E FICAM ESPIANDO NUM CANTO. APENAS MARÍLIA EM CENA. COMEÇA A FAZER CARAS E BOCAS, MOSTRA AS PERNAS, ETC. SE COMPORTA REALMENTE COMO UMA PROSTITUTA DE BEIRA DE ESTRADA. O CAMINHÃO VAI SE APROXIMANDO. OUVE-SE NO ÁUDIO RUÍDOS DE GALINHAS CACAREJANDO. FOCO NOS GAROTOS, ATRÁS DA MOITA) GABRIEL - (FALA PARA OS OUTROS, QUE COMO ELE ESTÃO ESCONDIDOS) Ihhh, fodeu... ALAN - Por que? GABRIEL - Não estão sentindo o cheiro e ouvindo o barulho? É um caminhão de galinha... FRED - Menos mal. Seria pior se fosse um caminhão cheio de porco com aquele cheiro horrível de lavagem. (MUDA O FOCO PARA MARÍLIA, QUE ACENA PARA O CAMINHÃO IMAGINÁRIO PEDINDO CARONA. OUVE-SE UMA FREADA BRUSCA) MARÍLIA - (FALA PARA O MOTORISTA INVISÍVEL) E aí, tudo bem, como vai gostosão?... Não querendo abusar da sua bondade, mas poderia me dar uma carona até a Baixada? Ó, tô sem grana nenhuma, mas posso te pagar de outra maneira... (OUVE A RESPOSTA) Tudo bem? (SORRI FELIZ. CHAMA COM UM GESTO LARGO OS RAPAZES) Vamos embora, galera!!!!

8 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 7 (OS TRÊS RAPAZES SAEM DA MOITA CARREGANDO MALAS, BARRACAS ETC, TUDO O QUE SE PODE IMAGINAR. ALAN EMPURRA O CARRO E COM UMA CORDA AMARRA O MESMO NA PARTE TRASEIRA DO CAMINHÃO. PULAM FRED, GABRIEL E MARÍLIA, NA CARROCERIA DO CAMINHÃO ENQUANTO QUE ALAN VAI DENTRO DO CARRO. SAEM DE CENA NUMA MAIOR ALGAZARRA) CENA 2 (LUZ SOBE EM RESISTÊNCIA SOBRE AS AREIAS AMARELAS DA PRAIA. NO CICLORAMA, UM CÉU AZUL CHEIO DE NUVENS. O SOL DA MANHÃ COMEÇA A APARECER NO HORIZONTE. MOVIMENTAÇÃO HABITUAL DE UMA PRAIA. ENTRAM ALAN, MARÍLIA, GABRIEL E FRED, TOTALMENTE IMUNDOS, CARREGANDO CADA UM A SUA BAGAGEM. EM SEGUIDA COMEÇAM A MONTAR AS BARRACAS E ORGANIZAR SUAS COISAS. DEVE SER UM VERDADEIRO ACAMPAMENTO NA PRAIA, COMO OS FAROFEIROS FAZEM. QUANDO TERMINAM O SERVIÇO, ALAN ESTENDE OS BRAÇOS PARA O CÉU) ALAN - São Vicente, aqui estamos nós! (ALAN AGARRA MARÍLIA) MARÍLIA - Ai, Alan, eu tô fedendo à galinha... ALAN - E daí? Olha a minha cara de preocupado... (ALAN JOGA MARÍLIA NA AREIA E AMBOS COMEÇAM A ROLAR NELA) GABRIEL - (CORTANDO O BARATO, BATENDO PALMAS) Ô, vocês dois, agora não é hora de ficar se agarrando aí na areia feito dois cachorros no cio. ALAN - Vá se danar, Gabriel. Tá com ciúme, babacão? MARÍLIA - Tá parecendo meu pai.

9 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 8 (ALAN E MARÍLIA SE DESGRUDAM. FRED COMEÇA A RIR SEMCONTROLE) GABRIEL - O que foi bobo-alegre? FRED - Tô me lembrando da cara do tiozinho do caminhão quando viu o bando entrando na carroceria e ficando junto com as suas galinhas. MARÍLIA - (TAMBÉM RINDO) Ele nem teve tempo de dizer um não. ALAN - E se dissesse levava porrada... (RIEM. POUCO A POUCO VÃO PARANDO DE RIR, ATÉ UM SILÊNCIO ABSOLUTO) GABRIEL - Tá tudo muito bom, mas o que tá faltando aqui nesta Praia é mulher... Muita mulher bonita. MARÍLIA - (OFENDIDA, COM IRONIA) Obrigada, Gabriel. GABRIEL - Pô foi mal. Não era isso que eu queria dizer. MARÍLIA - Mas disse. FRED - (OLHA PARA FORA) Uau! Olha o boieng que vem vindo ali, moçada... (OS TRÊS OLHAM PARA FORA. NESTE INSTANTE ENTRA LILIANE, UMA LINDA GAROTA, LOIRA OXIGENADA E DE OLHOS VERDES, TRAZENDO UMA ESTEIRA E UM RADINHO DE PILHA. ESTÁ COM UM RAYBAN, CHAPÉU E UMA SACOLINHA. FRED E GABRIEL FICAM BOQUIABERTOS. LILIANE COLOCA A ESTEIRA NO CHÃO E SENTA- SE NELA. TIRA O RAYBAN E A CANGA FICANDO APENAS DE BIQUINI. LIGA O RÁDIO. OUVE-SE UMA MÚSICA QUALQUER. TIRA UM BRONZEADOR DA SACOLINHA. COMEÇA A PASSÁ-LO NO CORPO COM UMA GRANDE DOSE DE SENSUALIDADE, SEM NOTAR A PRESENÇA

10 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 9 DOS MENINOS. NOTA-SE UMA CERTA DIFICULDADE QUANDO ESTA VAI PASSAR O ÓLEO NAS COSTAS. QUANDO PERCEBE A PRESENÇA DOS GAROTOS, SE DIRIGE PARA ELES) LILIANE - Ei, vocês aí poderiam me dar uma ajudinha? (FRED, GABRIEL E ALAN FAZEM MENÇÃO DE IR ATÉ ELA. MARÍLIA, AO PERCEBER O MOVIMENTO DE ALAN, O IMPEDE. FRED E GABRIEL PARAM NO MEIO DO CAMINHO) LILIANE - Podem vir, eu não mordo, não. (OS RAPAZES FICAM BEM PERTO DA GAROTA) Poderiam passar esse bronzeador nas minhas costas?... Não tô conseguindo... Acho que Deus deveria ter feito a gente com o braço mais comprido. Toda vez que venho pra a praia sozinha, é sempre o mesmo transtorno, preciso sempre pedir ajuda pra alguém. Poderiam me fazer esse pequeno favor? FRED - (ASSANHADO) Mas é claro. (LILIANE ENTREGA O BRONZEADOR PARA FRED QUE DISPUTA A POSSE DO MESMO COM GABRIEL. LILIANE, AO PERCEBER O QUE ESTÁ ACONTECENDO, TENTA APAZIGUÁ-LOS) LILIANE - Calma. Não precisam brigar, rapazes... Passa um de cada vez... (LILIANE DEITA-SE DE BRUÇOS. OS RAPAZES OLHAM PARA O CORPO DA GAROTA, DEPOIS UM PARA O OUTRO. GABRIEL COMEÇA A PASSAR O BRONZEADOR NO CORPO DELA COM UMA CERTA TIMIDEZ) LILIANE - Passa direito, garoto. Tem medo de mulher, é? (GABRIEL, AGORA BEM MAIS DESINIBIDO, PEGA O ÓLEO E VAI MASSAGEANDO AS COSTAS DA GAROTA. FRED, TODO ASSANHADO, PEGA O FRASCO DAS MÃOS DE GABRIEL E LAMBUZA A GAROTA, MASSAGEANDO DEPOIS)

11 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 10 LILIANE - Vocês vêm sempre pra cá? FRED - De vez em quando. LILIANE - Vocês moram aqui na Baixada? GABRIEL - Não. Somos de Sampa. LILIANE - Não sei como conseguem viver naquela cidade. É muito barulho, poluição, gente stressada, um horror! FRED - Por isso nós viemos pra cá, pra fugir um pouco do stress provocado pela Paulicéia Desvairada e também para caçar algumas caiçaras. Captou ou quer que eu desenhe? (GABRIEL BATE EM FRED) LILIANE - (CURIOSA, OLHANDO PARA ALAN E MARÍLIA) E quem são aqueles dois? GABRIEL - São os nossos amigos... (GABRIEL ASSOBIA. ALAN E MARÍLIA, SE APROXIMAM) MARÍLIA - (SIMPÁTICA) Olá. Sou Marília. LILIANE - E eu Liliane. E o bonitão aí, como se chama? ALAN - (SEM ENTENDER) Você fala comigo? LILIANE - E que outro bonitão, além de você, está por aqui? GABRIEL - (MAGOADO) Nós sabemos que não somos grandes coisas, mas não precisa jogar na cara, né? MARÍLIA - (CÍNICA, PARA LILIANE) O bonitão se chama Alan...

12 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 11 LILIANE - Alan! Bonito nome... MARÍLIA - (CORTANDO)...e ele tem namorada! LILIANE - Que pena!... Por acaso, é você? Menina de sorte, hein? MARÍLIA - (PERDENDO A CALMA) Quer parar de ficar se insinuando pra ele, sua sirigaitazinha, sua, sua... Surfistinha. LILIANE - Eu não entendi direito o que você quis dizer... MARÍLIA - É que toda oxigenada processa as informações lentamente. Mas existe uma razão pra isso: a tinta cozinhou o cérebro. (PARA ALAN, JOGANDO A INTENÇÃO PARA LILIANE) Você sabe Alan, porque essa garota trouxe esse rádio? ALAN - Não, por quê? MARÍLIA - Porque não pode ouvir mp3... E sabe por quê? (DESTACANDO AS SÍLABAS) Porque o som não se propaga no vácuo. (OLHA FIXAMENTE PARA LILIANE, ENQUANTO ALAN RI) LILIANE - (JOGA OS CABELOS DE UM LADO PARA O OUTRO) Também não entendi. MARÍLIA - (REMEDANDO-A) Também não entendi. Não entendeu? Pois fique sem entender, minha filha... Vamos sair daqui, Alan, que eu não quero arrumar confusão com essa... com essa... (PAUSA) Entenda como quiser! (SAEM DE PERTO. VÃO PARA O OUTRO LADO) LILIANE - (PARA GABRIEL E FRED) Bichinho temperamental!

13 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 12 FRED - Também você dá em cima do namorado dela, assim, na caruda! Você esperava o quê? Que ela te agradecesse?! GABRIEL - E ainda chama a gente de feio, na cara dura, mas que falta de consideração... Depois de tudo que nós fizemos por você. LILIANE -(SEM SE IMPORTAR) Meninos, vocês tomam conta das minhas coisas? Eu vou dar um mergulho... Aliás vocês também precisavam de um bom banho de mar. Tão com um cheirinho... Bye, bye, boys. (SAI FAZENDO POSES) (FRED E GABRIEL SE ENTREOLHAM) GABRIEL - Que mal-agradecida! (AMBOS SE APROXIMAM DE ALAN E MARÍLIA) MARÍLIA - Mas que biscatinha! ALAN - Não precisava baixar o nível, né, Marília? MARÍLIA - Como não? Ela só faltou se jogar nos seus braços... O que adianta ter um corpo escultural e o cérebro do tamanho de um caroço de azeitona? E você bem que gostou né, seu filho da mãe?! ALAN - Claro. (MARILIA DÁ UM TAPINHA EM ALAN) Ai. O que é isso, Marília? (NISSO, OUVE-SE EM OFF, PEDIDOS DE SOCORRO DE LILIANE) FRED - O que é isso? GABRIEL - (OLHANDO PARA O MAR) Olha lá, parece que tem alguém se afogando... É a Liliane. MARÍLIA - Bem feito...

14 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 13 FRED - Vai lá. Salva ela, Gabriel. GABRIEL - Eu não posso. FRED - Por que não pode? GABRIEL - Por que... Porque eu não sei nadar... FRED - (COM VERGONHA) Nem eu! Eu não devia ter abandonado minhas aulas de natação... (NOVAMENTE OUVEM-SE OS GRITOS DE LILIANE) FRED - (DESESPERADO) Alguém precisa fazer alguma coisa. ALAN - Eu vou lá. MARÍLIA - (REPREENDENDO-O) Alan! ALAN - A menina tá se afogando, Marília... MARÍLIA - E me alegro muito. ALAN - Pára de ser criança... Eu já volto! (CORRE ATÉ O MAR, QUE ESTÁ FORA DE CENA) MARÍLIA - (REVOLTADA, PARA FRED E GABRIEL) Seus inúteis. O que custava entrar no mar pra salvar aquela bisca? FRED - Não foi maldade, Marília. GABRIEL - É. Você acha que faríamos isso de propósito? MARÍLIA - Acho. (ALAN ENTRA COM LILIANE DESMAIADA NOS BRAÇOS. COLOCA-A NA AREIA E COMEÇA A MASSAGEAR SEU CORAÇÃO. TAPA-LHE O NARIZ

15 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 14 E VAI FAZER RESPIRAÇÃO BOCA-A-BOCA. MARÍLIA AO CENA, SEREVOLTA) VER A MARÍLIA - Ah, isso já é demais, Alan. Salvar ela, tudo bem, agora fazer respiração boca a boca nessa oxigenada é o fim da picada. Deixa essa tarefa pro Fred ou pro Gabriel que nunca beijaram ninguém na boca... FRED Bem que eu gostaria, mas não tenho a mínima idéia de como se faz. GABRIEL - Nem eu. E o Alan foi escoteiro, Marília, ele manja esse lance de primeiros socorros. MARÍLIA - Vocês são dois viadinhos, isso sim. bem no que você vai fazer. Alan pense ALAN - Pô, Marília, não torra. Você acha que eu vou abusar da menina na sua frente? Me desculpe, mas eu vou precisar fazer isso. (FAZ A RESPIRAÇÃO BOCA A BOCA EM LILIANE. ESTA, SOLTA UMA GRANDE QUANTIDADE DE ÁGUA PELA BOCA. ALAN REPETE O MOVIMENTO. LILIANE ACORDA, MEIO GROGUE. AO VER ALAN, O ABRAÇA) LILIANE - Meu herói... MARÍLIA - (NO AUGE DA FÚRIA) Sua filha da puta, descarada... Agora você vai ver. (PEGA-A PELOS CABELOS) O Alan te salvou e agora é a minha vez de te mandar fazer companhia para Iemanjá. (LEVA A GAROTA PARA FORA DE CENA. ALAN CORRE ATRÁS. FRED E GABRIEL FICAM NA AREIA, OLHANDO NA DIREÇÃO DO MAR, DESESPERADOS. GRITOS EM OFF. LILIANE VOLTA CORRENDO, SOLTANDO ÁGUA PELA BOCA. PEGA SUAS COISAS E SAI CORRENDO)

16 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 15 LILIANE - Assassina! Assassina! (MARÍLIA VOLTA FURIOSA. ALAN SEGURA A GAROTA) MARÍLIA - Você não perde por esperar, sua vagabunda... (ALAN CHACOALHA MARÍLIA. A GAROTA VAI SE ACALMANDO ABRAÇA- O E CHORA COM RAIVA. FRED E GABRIEL OLHAM TUDO MUITO ASSUSTADOS) ALAN - (SÉRIAMENTE) Agora vamos ter uma conversa bem séria. Só nós dois. E você vai me escutar, ouviu bem? (FRED E GABRIEL, AO VEREM QUE A COISA ESTÁ FICANDO BRAVA, SE AFASTAM. ALAN OLHA PARA MARÍLIA) ALAN - Agora vamos conversar como dois adultos... MARÍLIA - Agora não, eu tô exausta, quero descansar um pouco. Depois a gente conversa. ALAN - Vamos conversar agora. E não adianta fugir... (MARÍLIA DESVIA O OLHAR) Olha pra mim, Marília... Agora me responda, por que você tá agindo dessa maneira infantil e ridícula? Por que criou essa confusão toda com a Liliane? MARÍLIA - Por quê? Você ainda pergunta? Ela ficou dando em cima de você como se eu não existisse. Eu não tenho sangue de barata, né, Alan?! ALAN - E eu por acaso fiquei xavecando ela? MARÍLIA - Não. Mas salvou a desgraçada do afogamento. E ainda fez respiração boca a boca na infeliz. É o que basta! ALAN - Eu faria isso com qualquer pessoa, caramba. Aqui nesse ponto da praia não tem um salva-vidas sequer. Não ia

17 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 16 ficar aqui parado, assistindo de camarote o afogamento dela. (NOUTRO TOM) Pô, Marília, a gente veio aqui pra se divertir, não pra ficar brigando. Esse teu ciúme é tão besta. Por que isso? MARÍLIA - (INSEGURA) Porque eu não quero te perder, Alan. Você é tudo que eu tenho. Tremo só de pensar que isso possa acontecer um dia. ALAN - Se você continuar agindo dessa forma, vai me perder mesmo. Você não era assim. Quando te conheci, você era diferente. Esse teu ciúme já tá passando dos limites, tá virando uma obsessão... Eu quero uma namorada, não uma dona, Marília, entenda isso. Você tá muito insegura comigo e isso não é legal. MARÍLIA - (TRISTE) Eu tô mesmo. Você é tudo o que eu tenho meu gato. E tem muita mulher mais bonita do que eu dando bola pra você e isso me deixa muito mal. ALAN - Você acha que se eu não te quisesse, eu estaria aqui? Hein?! (PAUSA) Fica tranqüila... MARÍLIA - Eu vou tentar. ALAN - E se a Liliane aparecer por aqui, você vai pedir desculpas pra ela pelo ocorrido. MARÍLIA - (SE ALTERA) Isso, não. Pode me pedir qualquer outra coisa, mas pedir desculpas pra aquela piranha, nunca! ALAN - Vai pedir desculpas, sim. É o mínimo que você pode fazer depois do escândalo todo que armou. MARÍLIA - (SE RENDENDO) Tá bom, tá bom. Eu vou pedir desculpas pra ela, mas se ela ficar se oferecendo pra

18 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 17 você, eu não respondo por mim e armo outro barraco, tá me ouvindo? ALAN - Isso não vai acontecer mais. Garanto. MARÍLIA - Espero. (ENTRAM FRED E GABRIEL, CADA UM SEGURANDO DOIS CÔCOS. FRED ENTREGA UM CÔCO PARA MARÍLIA E GABRIEL ENTREGA OUTRO PARA ALAN) GABRIEL - (PARA ALAN) E aí, acalmaram os ânimos? ALAN - Espero que sim. (NESSE MOMENTO COMEÇAM A CHEGAR ALGUNS TURISTAS, COM ALGUMAS CRIANÇAS, QUE CARREGANDO BALDINHOS E OUTRAS COISAS, COMEÇAM A BRINCAR NA AREIA. UM CASAL COMEÇA A PASSAR PROTETOR SOLAR. ALAN OLHA PARA ESSE CASAL) ALAN - Essa água de côco está ótima, (PONDO A MÃO NA BARRIGA) mas bateu uma fome... Um ranguinho agora ia bem GABRIEL - E aquele franguinho com farofa, Fred? FRED - Tá na mão!!! (ENTRA NA BARRACA E VOLTA COM DUAS TOPPERWARES COM FAROFA E MAIS DOIS FRANGOS ASSADOS COBERTOS COM PAPEL ALUMÍNIO. ABRE O RECIPIENTE E DESEMBRULHA OS FRANGOS) Alguém trouxe pratos e talheres? ALAN - Pra quê pratos e talheres, Fred? Quer bancar o fino aqui nessa praia que só tem farofeiro?... Frango se come com a mão. (PEGA UMA COXA E COME) Assim. FRED - Mas e a farofa? ALAN - Também...

19 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 18 (PEGA UM PUNHADO DE FAROFA E PÕE NA BOCA. OS OUTROS ACHAM GRAÇA NO FATO E REPETEM O GESTO DE ALAN, COM O FRANGO E A FAROFA. DEPOIS CADA UM PEGA UMA LATINHA DE CERVEJA E COMEÇAM A BEBER. JÁ ESTÃO UM POUCO EMBRIAGADOS PELO EFEITO DO ÁLCOOL) FRED - É uma pena que esse frango tá gelado. GABRIEL - Tá valendo. (TRINCHAM O FRANGO. PELA MANEIRA QUE COMEM, DEMONSTRAM TODA A FOME. FAZEM UMA BRINCADEIRA DE FALAR COM A BOCA CHEIA DE FAROFA. O CASAL, QUE ESTÁ DO LADO, OLHA COM UM CERTO ESTRANHAMENTO) ALAN - (PÁRA DE COMER E OFERECE O FRANGO PARA ELES) Vocês querem um pedaço? (O CASAL FAZ CARA DE NOJO E ACENAM NEGATIVAMENTE COM A CABEÇA) Então, por favor, cuidem desses ranhentos e não deixem que eles se afoguem... FRED - (FALA COM A BOCA CHEIA DE CARNE DE FRANGO E FAROFA) O que é que tão olhando? Nunca viram, não? (O CASAL VIRA PARA O LADO E COCHICHAM) ALAN - Ô, Fred, não vamos arrumar briga... GABRIEL - (DESENCANADO) Não esquenta, galera. Não vai haver briga nenhuma. MARÍLIA - Nunca se sabe Gabriel. GABRIEL - Não vai haver briga nenhuma por uma razão bem simples: eles são gringos e não estão entendendo nada do que a gente tá falando. Vocês não sacaram isso, seus babacas? Olha a cor deles. Chegam a ser transparentes!

20 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 19 (RIEM. O CASAL ARRUMA SUAS COISAS E VÃO EMBORA LEVANDO AS CRIANÇAS) ALAN - (FALANDO PARA OS TURISTAS) Good bye, friends, so long! FRED - Ô, meu Deus, cadê as mulheres dessa praia? Não agüento mais olhar pra pernas peludas e sungas salientes... GABRIEL - A única que tinha, a Marília espantou... MARÍLIA - Vai começar droga? GABRIEL - (ERGUENDO AS MÃOS, SE RENDENDO) Foi mal. Desculpe. ALAN - Esse pedaço aqui da praia é deserto mesmo. Não foi esse o combinado da gente? De vir pra um lugar calmo onde a gente pudesse descansar e acampar tranqüilo, sem ter que aguentar aqueles bichos do mato que nunca viram mar, rolando na areia e se transformando em bife à milanesa? FRED - Que merda viu... (SILÊNCIO. ALAN CONVIDA O GRUPO) ALAN - Em vez de ficar aqui jogando conversa fora, por que a gente não vai dar um mergulho? Olha que mar lindo, que sol maravilhoso convidando a gente! Vamos? (SILÊNCIO DE GABRIEL E FRED) GABRIEL - Esqueceu que não sabemos nadar?! ALAN - Ah, fica no rasinho, caramba. Não tem perigo. As ondas dessa praia não passam de trinta centímetros de

21 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 20 altura. Acho que vocês não são tão idiotas de se afogarem, né? MARÍLIA - (IRÔNICA) Eles eu não sei, mas teve uma piranhinha muito idiota que conseguiu realizar essa proeza. ALAN - Vai começar? (PARA OS GAROTOS) Vamos? FRED - Tá bom. Mas me esperem um pouco... (ENTRA NA BARRACA. DEMORA UM POUCO) ALAN - (IMPACIENTE) Anda logo, Fred. FRED - (EM OFF ) Já vou. (TEMPO. LOGO APARECE COM ÓCULOS DE MERGULHO, UMA BÓIA DE BICHINHO NA CINTURA E DOIS ENORMES PÉS-DE-PATO) E aí? Como estou? MARÍLIA - (ZOANDO) Uma gracinha! (RIEM DO RIDÍCULO DO RAPAZ) ALAN - O último que chegar é mulher do padre! (SAEM DE CENA CORRENDO. FRED DEMORA UM POUCO MAIS PARA ALCANÇÁ-LOS DEVIDO A GRANDE PARAFERNÁLIA QUE ESTÁ USANDO) CENA 3 (LUZ SOBE EM RESISTÊNCIA REVELANDO O PÔR-DO-SOL. ALAN E MARÍLIA ESTÃO SOZINHOS, SENTADOS NUMA ENORME PEDRA COM OS CABELOS ÚMIDOS E DESPENTEADOS. DE VEZ EM QUANDO, AS ONDAS REBENTAM NAS PEDRAS MOLHANDO O CASAL. ESTÃO ABRAÇADOS E O CLIMA ESTÁ BASTANTE AGRADÁVEL) ALAN - (APRECIANDO O PÔR-DO-SOL) O pôr-do-sol é tão lindo, né, Marília? É uma pena que a gente não possa apreciar essa dádiva da natureza lá em São Paulo. (INSPIRA O AR)

22 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 21 Como é bom respirar um pouco de ar puro, sentir esse cheiro de maresia, ouvir as ondas rebentando nas pedras... Sabe que eu era capaz de ficar assim, a minha vida inteira? Parece que... não sei... que a gente se desliga, se dissolve... se desintegra... (PAUSA) Bobagem minha, né? MARÍLIA - Eu não acho, não, Alan. Sabe, infelizmente a gente vive num mundo consumista onde o que mais conta é o dinheiro... Dinheiro, dinheiro, dinheiro, sempre dinheiro. As pessoas se matam de trabalhar, muitas vezes trabalhando de dia e de noite, se estressam, envelhecem rápido, para no fim do mês receber uma merreca de salário, que mal dá pra pagar o aluguel e outras contas, e quando vão ver... estão com 50, 60 anos e infelizmente, não curtiram os prazeres da vida... Os meus pais são exemplos vivos disso. Por que as pessoas ficaram tão obcecadas em só ganhar dinheiro? Tem outras coisas na vida mais importantes do que isso... Quer mais do que a gente? Estamos sem um puto no bolso e estamos aqui, curtindo esse lugar maravilhoso, numa boa sem se preocupar com o relógio. ALAN - Você fez um belíssimo discurso, mas temos que aceitar tudo isso. São as regras impostas pela sociedade. MARÍLIA - Sociedade!!! Bah, eu quero que essa sociedade se dane... O que eles sabem da vida? Absolutamente nada... Só querem saber de promover jantares pra grã-finos, festas pra cachorro, ficar falando futilidades e desejando o mal para os outros... ALAN - Vamos mudar de assunto? Não tô com saco pra ficar aqui filosofando sobre a vida, sobre o que é certo ou errado, justo ou injusto... (LENTO) O importante é que estamos nós dois aqui, sozinhos, sem aqueles pentelhos do Fred e do Gabriel torrando a paciência... O importante é que eu amo você... MARÍLIA - (INCRÉDULA) O que você disse?

23 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 22 ALAN - Isso mesmo que você ouviu. MARÍLIA - É a primeira vez que você me diz... ALAN - (CONTINUA)... amo você? MARÍLIA - É. (ABRAÇA O RAPAZ) (ALAN BEIJA-LHE A BOCA, O PESCOÇO E A ORELHA DE MARÍLIA. COMEÇA A PASSAR A MÃO PELO SEU CORPO) MARÍLIA - (SE SOLTA) Não, Alan... ALAN - Por que, não? Aqui não vem ninguém... MARÍLIA - (TENSA) Alan, a gente precisa conversar. ALAN - (COMPREENDENDO) A camisinha?... MARÍLIA - Ainda bem que você falou... Eu tava completamente sem coragem... ALAN - Eu tenho uma aqui comigo. (PEGA O PRESERVATIVO DA BERMUDA E BEIJA A GAROTA. EM SEGUIDA, DEITA-A NA PEDRA) MARÍLIA - (LEVANTANDO-SE) Não... Peraí, não é assim. A gente precisa conversar... Eu tô nervosa, tô confusa... (DESABAFA) Alan, eu sou virgem... Mas esse não é o único problema... Eu tenho medo de doer, de engravidar, medo da AIDS, medo de encarar meus pais e muito mais medo de que você me abandone depois que a gente faça essa loucura... (SUSPIRA) Pronto, falei! ALAN - Se você confiar em mim, esse seu medo vai deixar de existir.

24 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 23 MARÍLIA - Mas e minha família? Se chegar no ouvido do meu pai que eu perdi minha virgindade, ele me mata! Tá me dando uma culpa, um grilo danado... ALAN - Ele não precisa saber... Ninguém precisa saber. MARÍLIA - Vou me sentir uma criminosa... Você não me entende, Alan. É tão difícil pra mim... O meu pai... ele ainda me atormenta. ALAN - Lembra daquela aula de Psicologia?... O que aquele tal de Freud dizia sobre matar o próprio pai? MARÍLIA - (TENTANDO LEMBRAR) Ele dizia que: pra continuar crescendo, a gente tem que matar o pai dentro da gente. ALAN - Então... Esquece ele de uma vez. MARÍLIA - Você acha que eu não tento?... Pensa que é fácil? Eu acho que ainda não tô preparada pra fazer amor com você. Essa é que é a verdade... ALAN - Tudo bem. Não vou forçar a barra. Vai ser quando e na hora que você quiser e se sentir preparada... MARÍLIA - Olha pra mim, Alan... (ALAN OLHA PARA A GAROTA) Você promete que não vai me deixar? ALAN - Você é a mulher da minha vida, Marília. MARÍLIA - (VAI CEDENDO) Esse é o discurso que todos os garotos fazem quando querem transar com uma menina... (PAUSA. ALAN BEIJA-LHE A ORELHA E DIZ ALGO NO OUVIDO DA GAROTA) Ai, Alan, assim eu não agüento. Você me mata com essa voz de travesseiro... Até hoje você, foi o único homem que fez minha vida virar no avesso.

25 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 24 ALAN - Você também. Eu fico maluco quando sinto o teu perfume, quando beijo a tua boca, quando olho pra esses olhos... (ALAN BEIJA A GAROTA. ACARICIA-LHE O CORPO, PASSA A MÃO EM SUAS ANCAS. A GAROTA FAZ O MESMO NO RAPAZ, ACARICIANDO-LHE OS CABELOS, O PEITO, O ABDÔMEN, OS BRAÇOS MUSCULOSOS, E DEMONSTRA UM POUCO DE INSEGURANÇA AO TOCÁ-LO) ALAN - Fica calma... Relaxa. MARÍLIA - (PREOCUPADA) E se aparecer alguém? ALAN - Não vai aparecer ninguém. E que ninguém ouse atrapalhar esse momento pelo qual vamos passar. Pode escrever na sua agenda: essa vai ser uma noite inesquecível. (ALAN E MARÍLIA SE ACARICIAM E FAZEM AMOR. OUVE-SE NO ÁUDIO OS GEMIDOS DOS DOIS. A CENA, EM MOMENTO ALGUM DEVERÁ SER APELATIVA. OS GEMIDOS SÃO MESCLADOS COM O REBENTAR DAS ONDAS. O CLIMA DEVE SER DE PURA POESIA. LUZ VAI DESCENDO EM RESISTÊNCIA FICANDO APENAS O PÔR-DO-SOL. A NOITE CAI) CENA 4 (FRED E GABRIEL ESTÃO SENTADOS NAS CADEIRAS, PERTO DAS BARRACAS) GABRIEL - Onde será que foram esses dois? FRED - Devem estar em qualquer escurinho, fodendo... GABRIEL - Pô, você só pensa em sexo, Fred! FRED - E tem outra coisa melhor pra se pensar?... No fundo, no fundo, eu tenho um pouquinho de inveja do Alan e da Marília, sabe? É tão legal ver um casal como eles, né?

26 Julio Carrara Conto de Verão Pag.: 25 Apesar de serem bem diferentes um do outro, de brigarem o tempo todo, eles se combinam... GABRIEL - Bem que poderia pintar uma Marília pra gente, não?... Puta que o pariu, vai ser muito azar se a gente não conseguir catar nenhuma mina por aqui. FRED - A única que pintou com certeza nunca mais vamos ver. GABRIEL - (COMEÇA A SONHAR) Liliane... Como eu queria deitar com ela aqui na areia, encher aquela boquinha de beijos. FRED - Vamos parar de ficar sonhando, truta! Não tem mais volta. O único jeito de estar com a Liliane é quando... (GESTO DE MASTURBAÇÃO) estivermos soltando pipa... GABRIEL - Você não vale nada, seu bosta. (LILIANE ENTRA EM CENA COM UMA MOCHILA. SENTA-SE EM UM CANTO E CHORA DESBRAGADAMENTE. FRED E GABRIEL FICAM OLHANDO PARA ELA, SEM RECONHECÊ-LA) GABRIEL - O que será que aconteceu com essa gatinha? FRED - E eu sei lá. GABRIEL - Parece que o caso é sério. Eu vou falar com ela. FRED - Eu vou com você. GABRIEL - De jeito nenhum. O que a gente combinou lá em Sampa? Não vem empatar, não. Eu vi primeiro. FRED - Eu sempre fico na mão...

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht Efêmera (título provisório) Por Ana Julia Travia e Mari Brecht anaju.travia@gmail.com mari.brecht@gmail.com INT. SALA DE - DIA. VÍDEO DE Números no canto da tela: 00 horas Vídeo na TV., 22, com seus cabelos

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

- Se for pra mim, eu não estou. - Ah. Oi... Está sim. Espera um minutinho.

- Se for pra mim, eu não estou. - Ah. Oi... Está sim. Espera um minutinho. 1 AMAR... dir: Carlos Gregório CASA DE LAURA... - Você não vai dizer nada? - O que você quer que eu diga? - Qualquer coisa. - Olha,... Não foi tão importante pra mim... - Não... foi!!? - É... É isso mesmo.

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

CANTIGA DE NINAR SLEEPING SONGS

CANTIGA DE NINAR SLEEPING SONGS CANTIGA DE NINAR SLEEPING SONGS Glória Magalhães 1 RESUMO: "Cantiga de ninar" é um monólogo que fala da relação mãe e filha tendo como ponto de vista a posição da mãe. Durante a peça a personagem principal

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS COPYRIGHT MIKAEL SANTIAGO mikael@mvirtual.com.br RUA ITUVERAVA, 651/305 JACAREPAGUÁ RIO DE JANEIRO - RJ (21)9879-4890 (21)3186-5801

Leia mais

Felipe Luis do Nascimento Rodrigues. O sobrevivente

Felipe Luis do Nascimento Rodrigues. O sobrevivente O sobrevivente Felipe Luis do Nascimento Rodrigues O sobrevivente São Paulo, 2011 Editor responsável Zeca Martins Projeto gráfico e diagramação Claudio Braghini Junior Controle editorial Manuela Oliveira

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Vamos falar de amor? Amornizando!

Vamos falar de amor? Amornizando! Vamos falar de amor? Amornizando! Personagens 1) Neide Tymus (Regente); 2) Sérgio Tymus (Marido Neide); 3) Nelida (Filha da Neide); 4) Primeiro Coralista; 5) Segundo Coralista; 6) Terceiro Coralista; 7)

Leia mais

De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio de Janeiro / 2001 DRAMATURGIA 1 - Textos Reunidos

De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio de Janeiro / 2001 DRAMATURGIA 1 - Textos Reunidos Fragmentos Fragmentos Insólitos Fragmentos Insólitos Insólitos Fragmentos Fragmentos Insólitos Insólitos Fragmentos Insólitos Fragmentos Insólitos De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 Roteiro de Alcir Nicolau Pereira Versão de NOVEMBRO DE 2012. 1 A DOMÉSTICA (FILME-CURTA) --------------------------------------------------------------- PERSONAGENS Empregada

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling.

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling. CABOCLO D AGUA. Por Andre Rohling. (47)8818-2914. andrerohling@hotmail.com www.facebook/andre.rohling 1 CENA-EXT-CAMPO-NOITE-19H10MIN. Noite de lua cheia, era bastante claro devido à luz da lua, faróis

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

Criado por Mario Madureira

Criado por Mario Madureira Criado por Mario Madureira Ep. #: 108 Meninas Grandes Não Choram Escrito por Mario Madureira e Karina Bittencourt 28 de agosto de 2015 São Paulo, Brasil 1 ATO UM Anteriormente em Estrada das Lágrimas.

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Autora: Tell Aragão Personagens: Cantor Apresentador Maluco Nino Nana Sapinho 1 Sapinho 2 Voz de locutor Cena 1 A cortina abre. As duas crianças estão na sala assistindo

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

CASA DE FAMÍLIA intervenção dos Vira-Latas sob o signo do sangue a ser realizada na Praça da Matriz / Largo da Freguesia do Ó

CASA DE FAMÍLIA intervenção dos Vira-Latas sob o signo do sangue a ser realizada na Praça da Matriz / Largo da Freguesia do Ó CASA DE FAMÍLIA intervenção dos Vira-Latas sob o signo do sangue a ser realizada na Praça da Matriz / Largo da Freguesia do Ó Uma sala de jantar de uma casa. A mesa está coberta com toalha vermelha. Cadeiras,

Leia mais

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha um verde que saía da metade do casco e se espalhava manso até a beirada. Viviam dizendo que ela era lerda, preguiçosa até. É preciso reconhecer

Leia mais

STEREOTYPE Homem_Conhecia.p65 7 5/6/2006, 16:50

STEREOTYPE Homem_Conhecia.p65 7 5/6/2006, 16:50 STEREOTYPE Homem_Conhecia.p65 7 Homem_Conhecia.p65 8 SIM Atriz. Encostou seu Uno Mille e pediu para o namorado esperar com o motor ligado. Ia só trocar de roupa. 20h25. Daria tempo. Descer a rua Cardeal

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21

WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21 WebNovela Ligadas pelo Coração Capítulo 21 Cena 17 Jardim da casa dos Di Biasi/ Dia/ Externa O noivo já está no altar junto com os padrinhos e seus pais. Eis que a marcha nupcial toca e lá do fundo do

Leia mais

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Ilustrações: Santiago Arte: www.espartadesign.com.br Contatos

Leia mais

"ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO)

ATIROU PARA MATAR Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) "ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) Copyright 2013 de Nuno Balducci Todos os direitos reservados. balducci.vu@gmail.com (82) 96669831 1 INT. DIA. LANCHONETE CHINESA Uma GAROTA

Leia mais

Texto Teatral de André Faxas 2009 Todos os direitos reservados

Texto Teatral de André Faxas 2009 Todos os direitos reservados Texto Teatral de André Faxas 2009 Todos os direitos reservados 1 Personagens: PALHAÇO CABELINHO, o malvado PALHAÇO PINDUCA, o bonzinho SEU ANTÔNIO, o dono do circo MULHER BARBUDA, ingênua e romântica ps.

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2

A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 A DOMÉSTICA (FILME CURTA) Final 2 Roteiro de Alcir Nicolau Pereira Versão de OUTUBRO/2012. 1 A DOMÉSTICA (FILME-CURTA) ---------------------------------------------------------------- PERSONAGENS Empregada

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16 Super é o meu primeiro livro escrito inteiramente em São Paulo, minha nova cidade. A ela e às fantásticas pessoas que nela vivem, o meu enorme obrigado. E esse livro, como toda ficção, tem muito de realidade.

Leia mais

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1 Direitos Reservados - Pg 1 Aviso aos que se acham malandros, ou que querem ser processados ou parar na cadeia. Este livro é registrado com todos os direitos reservados pela Biblioteca Nacional. A cópia,

Leia mais

O LAVA JATO MACABRO. Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA

O LAVA JATO MACABRO. Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA O LAVA JATO MACABRO Por JULIANO FIGUEIREDO DA SILVA Rua alameda dom Pedro II n 718 Venda da cruz São Gonçalo. e-mail:jfigueiredo759@gmail.com TEL: (21)92303033 EXT.LAGE DA CASA.DIA Renam está sentado na

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Vivendo e aprendendo em família

Vivendo e aprendendo em família Vivendo e aprendendo em família VERSÍCULO BÍBLICO Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

Memórias de um Sargento de Milícias Peça do 9º B

Memórias de um Sargento de Milícias Peça do 9º B Roteiro da Peça do Livro Memórias de um Sargento de Milícias Peça do 9º B Peça começa com um pequeno vídeo com uma narração por traz contando a infância de Leonardo (Filho). O texto será: Leonardo nascido

Leia mais

Oficina Audiovisual da Cinemateca de Curitiba AKASHA. Roteiro de Curta-metragem. Criação coletiva dos alunos da Oficina.

Oficina Audiovisual da Cinemateca de Curitiba AKASHA. Roteiro de Curta-metragem. Criação coletiva dos alunos da Oficina. Oficina Audiovisual da Cinemateca de Curitiba AKASHA Roteiro de Curta-metragem Criação coletiva dos alunos da Oficina. Oficina Audiovisual da Cinemateca de Curitiba AKASHA Criação coletiva dos alunos da

Leia mais

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você!

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Este Livro Digital (Ebook) é fruto de uma observação que eu faço no mínimo há dez anos nas Redes Sociais, e até pessoalmente na convivência

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

- Não me arrependo de nada. Quebrei o círculo. - Nem de ter assassinado uns cinco ou seis ou até mais, D. Eloisa?

- Não me arrependo de nada. Quebrei o círculo. - Nem de ter assassinado uns cinco ou seis ou até mais, D. Eloisa? A Quebra do Círculo Cristovam Buarque - Não me arrependo de nada. Quebrei o círculo. - Nem de ter assassinado uns cinco ou seis ou até mais, D. Eloisa? - Foi mais, e vou contar tudo. Mas não me arrependo.

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira Texto Naraiany Almeida Nicole Ferreira Ilustrações Davi Vinícius dos Santos Gomes Ítalo Gabriel Pimenta Italon Antunes Barreto Jéssica Pâmela de Souza

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo.

- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo. NILO Esta história que vou lhes contar é sobre paixões. A paixão acontece, não se sabe quando nem porquê, e não podemos escolher os protagonistas da história. Seria tão bom se mandássemos no coração! Mas

Leia mais

DOCE BALANÇO. Novela de Antonio Figueira. Escrita por. Antonio Figueira. Personagens deste capítulo: DIANA PADRE MARCOS D. SANTINHA BEATA 1 BEATA 2

DOCE BALANÇO. Novela de Antonio Figueira. Escrita por. Antonio Figueira. Personagens deste capítulo: DIANA PADRE MARCOS D. SANTINHA BEATA 1 BEATA 2 DOCE BALANÇO Novela de Antonio Figueira Escrita por Antonio Figueira Personagens deste capítulo: DIANA PADRE MARCOS D. SANTINHA BEATA 1 BEATA 2 DOCE BALANÇO CAPÍTULO 10 PÁGINA 1 DOCE BALANÇO CAPÍTULO 10

Leia mais

APÊNDICE A - Músicas

APÊNDICE A - Músicas APÊNDICE A - Músicas Músicas 1 GUT GUT SEM PARAR Adaptação ao meio líquido Bebeu a água da piscina toda Fui ver quem era, era o João Ele bebia a água da piscina Ele fazia gut gut gut gut gut sem parar

Leia mais

A MATA. Um roteiro. Fábio da Silva. 22/05/2010 até 10/08/2012

A MATA. Um roteiro. Fábio da Silva. 22/05/2010 até 10/08/2012 A MATA Um roteiro de Fábio da Silva 22/05/2010 até 10/08/2012 Copyright 2012 by Fábio da Silva Todos os direitos reservados Rua Ana Teles, 489, casa 14 Praça Seca Rio de Janeiro 21.341-460 (21) 3833-5022

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

PECADO ORIGINAL Capítulo 23 PECADO ORIGINAL. Novela de. Rômulo Guilherme. Criada e escrita por RÔMULO GUILHERME

PECADO ORIGINAL Capítulo 23 PECADO ORIGINAL. Novela de. Rômulo Guilherme. Criada e escrita por RÔMULO GUILHERME PECADO ORIGINAL Novela de Rômulo Guilherme Criada e escrita por RÔMULO GUILHERME CENA 01/IGREJA/FRENTE/EXT/DIA CONTINUAÇÃO DA ÚLTIMA CENA DO CAPÍTULO ANTERIOR. REBECA PERDE AS FORÇAS POR UM MOMENTO E SE

Leia mais

O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar

O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar Pedimos perdão pela sinceridade mas o manifesto vai mostrar que você foi totalmente iludida sobre o que um homem procura em uma mulher. E digo

Leia mais

Rosana! Rosanaaa! Ô menina! Onde que cê se meteu, diacho de moleca!!

Rosana! Rosanaaa! Ô menina! Onde que cê se meteu, diacho de moleca!! A Promessa N.Lym Consegui um bom emprego em São Paulo! Não posso levar você comigo, mas você pode me esperar. Prometo que vou voltar, vamos nos casar e morar juntos, bem longe daqui! Rosana ficou a pensar

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais