TESTE DE TOLERÂNCIA AO CALOR EM BOVINOS LEITEIROS NA REGIÃO CENTRO-OESTE DO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TESTE DE TOLERÂNCIA AO CALOR EM BOVINOS LEITEIROS NA REGIÃO CENTRO-OESTE DO BRASIL"

Transcrição

1 TESTE DE TOLERÂNCIA AO CALOR EM BOVINOS LEITEIROS NA REGIÃO CENTRO-OESTE DO BRASIL MACENA, Tânia Cristina 1 ; BARROS, Bruno de Carvalho 2 ; JACINTO, Renato Jesus 3 ; RABELO, Leonardo Silva 3 ; PASSINI, Roberta 4 1 Bolsista PIBIC/CNPq/UEG; 2 Bolsista PBIC/UEG; 3 Graduando do Curso de Engenharia Agrícola, Voluntário de Iniciação Científica PVIC/UEG; 4 Orientadora, Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET UEG. RESUMO - Temperatura e umidade relativa do ar, radiação solar, grau de nebulosidade, ventos e pluviosidade são elementos climáticos mais significativos para o desempenho de animais nos trópicos. O clima age diretamente sobre o animal, sendo um fator limitante para a produção animal. O presente estudo teve como objetivo avaliar o Índice de Tolerância ao Calor (ITC) de BACCARI em bovinos leiteiros cruzados, buscando validar o uso de metodologia prática para a seleção de animais mais tolerantes ao clima quente. Foi usado um delineamento inteiramente casualizado, com um arranjo fatorial de tratamentos 2x2, sendo dois graus de consangüinidade para a raça Girolanda (meio-sangue e cinco-oitavos) e duas estações do ano (inverno e verão). Foram utilizados 10 animais de cada grupo genético, sendo o ITC aplicado em três dias não consecutivos, totalizando 29 repetições. Não houve interação entre os grupos genéticos e a estação do ano (P>0,05). Foi observada diferença estatística significativa para o ITC (P<0,05) para os dois grupos genéticos estudados, sendo os animais cinco-oitavos mais tolerantes ao calor do que os meio-sangue. Conclui-se que o ITC pode ser usado para a seleção de grupos genéticos mais adaptados ao clima quente, podendo ser considerado um parâmetro de medida de adaptação fisiológica ao estresse térmico. Palavras-chaves: estresse térmico, gado de leite, tolerância ao calor. INTRODUÇÃO O Brasil possui a grande maioria de seu território, cerca de dois terços, situada na faixa tropical do planeta, onde predomina as altas temperaturas do ar, conseqüência da elevada radiação solar incidente (Ayoade, 1991). Segundo Nããs (1989), os elementos climáticos mais relevantes para a produção animal são a temperatura e umidade relativa do ar, radiação solar, grau de nebulosidade, ventos e pluviosidade. 1

2 Os bovinos são animais homeotérmicos, capazes de manter estável sua temperatura corporal através dos mecanismos de termorregulação. Considerando os problemas que o ajuste ao ambiente térmico causa ao desempenho produtivo e reprodutivo dos animais, têm sido propostos métodos de avaliação a priori das capacidades individuais de termorregulação, determinando dentro de uma mesma espécie e mesma raça aqueles indivíduos mais adaptados ou menos susceptíveis ao estresse térmico (Baccari Jr. et al., 1998). Denomina-se tolerância ao calor a resistência por parte dos animais às altas temperaturas do ambiente e à intensa radiação solar próprias do clima tropical. A tolerância ao calor varia em grau de acordo com a espécie, a raça e dentro das raças, sendo a habilidade do animal em evitar conseqüências da ação direta do calor, ou pode ser entendida como a capacidade para suportar o calor quando outros elementos climáticos são constantes (LEE, 1954). Em ambientes de clima quente, duas estratégias podem ser utilizadas para aumentar o desempenho animal: a primeira é utilizar raças que sejam geneticamente mais adaptadas ao ambiente tropical e a segunda é alterar o ambiente a fim de reduzir o estresse térmico pelo calor (Hansen & Arechiga, 1999). Segundo Baccari Jr. (1986), o interesse por desenvolver uma técnica de alta confiabilidade para medir a tolerância ao calor desdobra-se nos aspectos: identificação das raças ou linhagens que mantenham o equilíbrio térmico próximo da neutralidade quando em estresse pelo calor e o conhecimento das características anatômicas e fisiológicas envolvidas na termólise. Assim, é particularmente importante inferir para cada animal e, posteriormente para cada raça, a capacidade de tolerar ambientes termicamente restritivos. Desta forma, o presente estudo objetivou verificar a variabilidade da tolerância ao calor em bovinos leiteiros da raça Girolanda, para dois grupos genéticos (meio-sangue e cinco-oitavos) e em duas estações do ano (inverno e verão) através da aplicação do Índice de Tolerância ao Calor (ITC) de Baccari, buscando identificar grupos genéticos mais adaptados ao clima quente e validando o uso do teste como ferramenta prática para a seleção de animais nos trópicos. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido na fazenda J.R., município de Luziânia-GO, localizada a 930m do nível do mar, na região leste do estado de Goiás. Foram utilizadas 20 fêmeas da raça Girolanda (Holandês x Gir), sendo 10 animais meio-sangue e 10 animais com cinco-oitavos graus de consangüinidade. O delineamento 2

3 experimental foi inteiramente casualizado, com um arranjo fatorial de tratamentos 2x2: sendo duas estações do ano (inverno e verão) e dois grupos genéticos (meio-sangue e cinco-oitavos). O teste de tolerância ao calor de Baccari (Baccari Jr., 1986) foi aplicado em três dias, não consecutivos, nos meses de dezembro de 2007 e janeiro de 2008 (verão) e maio de 2008 (inverno), o qual consistiu em reunir os animais em um curral sombreado, por duas horas, das 11h às 13h, tomando-se a primeira temperatura retal (TR1) às 13h. Posteriormente, os animais foram expostos ao ambiente descoberto e ensolarado, permitindo a incidência da radiação solar direta, por uma hora (das 13h às 14h), retornando em seguida ao curral sombreado e permanecendo por mais uma hora, das 14h às 15h, sendo tomada à segunda temperatura retal (TR2) às 15h. A diferença entre as duas temperaturas, aplicadas à equação ITC = 10 (TR2 TR1), resulta em um índice de tolerância ao calor, que varia de 0 a 10, o qual representa a capacidade dos animais dissiparem o calor absorvido durante a exposição ao sol. Como variáveis fisiológicas foram mensuradas a freqüência respiratória (através da contagem visual dos movimentos do flanco) e a temperatura retal (mensurada utilizando-se um termômetro clínico veterinário), às 11h, 13h e 15h, nos dias e horários de aplicação do teste de tolerância ao calor. As variáveis ambientais foram mensuradas por uma estação meteorológica sem cabos, modelo WMR928N da Oregon Scientific, a qual permitiu verificar a temperatura do ar, umidade relativa, velocidade do vento, coletados às 09h, 11h, 13h, 15h e 18h nos dias da mensuração das variáveis fisiológicas e aplicação do teste. Foram registradas ainda as temperaturas máxima e mínima diárias. As variáveis ambientais foram utilizadas para o cálculo do Índice de Temperatura e Umidade (ITU), o qual relaciona a temperatura e a umidade relativa do ar, dado pela equação: ITU = Ta + 0,36.Tpo + 41,5, onde Ta é a temperatura ambiente, em C (bulbo seco) e Tpo é a temperatura de ponto de orvalho, em C. Os dados foram analisados pelo programa Statistica 6.0. Foi aplicado o procedimento ANOVA e o teste de Tukey para a comparação de médias, adotando um nível de significância de 5%. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os níveis de conforto e desconforto avaliados pelo ITU podem ser classificados conforme Du Preez et al. (1990a,b) da seguinte forma: ITU inferior a 70 (ausência de estresse), entre 70 e 72 (alerta, alcançando o nível crítico), entre 72 e 78 (alerta, acima do 3

4 ponto crítico), de 78 a 82 (perigo) e superior a 82 (emergência). A Tabela 1 mostra as médias das variáveis climáticas observadas nas duas estações do ano, juntamente com os ITUs calculados. Tabela 1. Médias diárias da temperatura do ar (Tar, o C), umidade relativa (UR, %), velocidade do vento (Vv, m/s), índice de temperatura e umidade (ITU) e temperaturas máxima (Tmáx, o C) e mínima (Tmín, o C) diárias. Estações Dias Variáveis ambientais do do ano teste Tmáx Tmín Tar UR Vv ITU 1 33,5 18,2 28,6 59 3,5 77,1 Verão 2 32,0 19,0 24,5 80 0,5 72,7 3 27,4 19,4 25,4 67 2,7 72,9 Médias no verão 31,0 18,9 26,2 68,7 2,2 74,2 1 27,3 16,7 25,4 59 0,2 72,9 Inverno 2 30,4 16,9 23,7 68 0,3 71,4 3 27,8 16,5 25,5 29 1,8 68,9 Médias no inverno 28,5 16,7 24,9 52,0 0,8 71,1 Os valores de ITU máximos observados, para os dias 1, 2 e 3 de teste foram 78,8; 75,1 e 74,4 no verão, e 76,6; 75 e 70,6 no inverno, respectivamente. Verificam-se valores de ITU inferiores no inverno, em relação aos obtidos no verão, que se deve a redução da temperatura do ar em combinação com a baixa umidade relativa, comum neste período na região Centro-Oeste do Brasil. Com base na literatura pode-se verificar que os valores de ITU observados na estação de verão se encontravam em situação de alerta, alcançando o nível crítico (70 a 72) ou situação de alerta acima do nível crítico (72 a 78), segundo Du Preez et al. (1990a,b). O índice de temperatura e umidade (ITU) nos horários de realização do experimento das 11h, 13h e 15h demonstraram valores médios respectivos de 75,1; 76 e 73,8 no verão e 70,7; 72,2 e 74,1 no inverno. Embora os ITUs calculados no inverno tenham sido inferiores aos observados no verão, não houve diferença entre o ITC aplicado nas duas estações do ano (P>0,05). Não houve interação entre as estações do ano e os grupos genéticos estudados (P>0,05). Foi observada diferença estatística significativa (P<0,05) para os dois grupos genéticos estudados, sendo que os animais cinco-oitavos se apresentaram mais tolerantes ao calor (ITC 9,7) em relação aos animais meio-sangue Girolando (ITC 9,5). A Tabela 2 mostra as médias obtidas para o ITC nos diferentes grupos genéticos e para as diferentes estações do ano estudadas. 4

5 Tabela 2. Médias para os valores de ITC nas diferentes estações do ano e graus de consangüinidade estudados. Tratamentos Médias Valor de P Verão 9,62 NS Inverno 9,59 NS Meio-sangue 9,51 a 0,0031 Cinco - oitavos 9,70 b 0,0031 Estação x sangue - NS Média geral 9,61 Médias seguidas de letras diferentes diferem pelo teste de Tukey, ao nível de significância de 5%. Em estudos com bovinos taurinos, Vieira (2003) observou os valores médios de ITC de 9,52 para a raça Angus; 9,50 para Blonde D Aquitaine; 9,70 para Caracu; 8,71 para Limousin e 9,79 para Piemontês, utilizando o Teste de tolerância ao calor de Baccari. Entre os grupos estudados foram observados valores de ITC mínimo e máximo de 8,4 e 10 para o grupo meio-sangue e, 8,8 e 10 para o grupo cinco-oitavos, respectivamente. Essa variabilidade individual é importante para a seleção de indivíduos mais tolerantes dentro dos grupos. Segundo NÃÃS (1989), a absorção e a reflexão da radiação solar variam entre raças, linhagens e indivíduos, desta forma, existem variabilidades individuais quanto à capacidade de dissipar e absorver calor. Os valores de ITC obtidos neste estudo podem ser indicativos para uma futura seleção de animais ou linhagens mais tolerantes, obtendo animais mais resistentes e diminuindo a variabilidade de tolerância ao calor entre eles. A média dos valores obtidos de ITC, para os dois grupos genéticos estudados, indica alta adaptabilidade ao calor para estes cruzamentos. Tal fato pode estar relacionado à maior resistência ao calor das espécies zebuínas em relação às taurinas, transferindo, no cruzamento Holandês x Gir, esta característica desejável para a produção em ambientes tropicais. Em condições tropicais, é notório que os zebuínos apresentam geralmente temperatura corporal mais elevada que os bovinos de origem européia (Silva, 2005). Corroborando tais estudos, Syrstad (1996) cita que o cruzamento de bovinos indianos com raças leiteiras européias pode ser largamente utilizado para aumentar o potencial dos animais para produção de leite nos trópicos, entretanto, não foram encontrados estudos na literatura validando o uso do teste de tolerância para bovinos leiteiros. 5

6 CONCLUSÕES Há diferença na tolerância ao calor para animais com diferentes graus de cruzamento da raça Girolanda, sendo os animais cinco-oitavos mais tolerantes do que os animais meiosangue, independente da estação do ano. É possível validar o uso do ITC como ferramenta de seleção de grupos ou linhagens mais tolerantes ao calor na bovinocultura leiteira. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AYOADE, J.O. Introdução à climatologia para os trópicos. 3a Ed. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, p. BACCARI Jr., F. Métodos e técnicas de avaliação da adaptabilidade dos animais nos trópicos. Fundação Cargill, In: XI Semana de Zootecnia, Anais, Pirassununga/SP, 1986, p BACCARI Jr., F.; MACHADO, M.A.; MARÇAL, W.S.; LIBONI, M.; FELIPETTO, L. Heat tolerance and growth rate of young buffalo bulls. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIOMETEOROLOGIA, Goiânia. Anais...p DU PREEZ, J.H.; GIESECKE, W.H.; HATTING, P.J. Heat stress in dairy cattle under Southern African conditions. I. Temperature-humidity index mean values during the four main seasons. Journal of Veterinary Research, v.57, n.1, p.77-87, 1990a. DU PREEZ, J.H.; GIESECKE, W.H.; HATTING, P.J. Heat stress in dairy cattle under Southern African conditions. II. Identifications of areas of potential heat stress in dairy heat stress summer by means of observed true and predicted temperature- humidity index mean values, Journal of Veterinary Research, v.57, n.3, p , 1990b. HANSEN, P. J.; ARECHIGA, C. F. Strategies for managing reproduction in the heat-stressed dairy cow. Journal of Animal Science, v. 77, n. 2, p , LEE, D.H.K. Tolerancia de los animales domesticos al calor. [S.I.]: FAO, p NÃÃS, I.A. Princípios de conforto térmico na produção animal. São Paulo:Ícone, p. SILVA, R.G. Zoneamento bioclimático para animais de interesse zootécnico. In. Anais da 42a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia, Goiânia,GO: SBZ, p , SYRSTAD, O. Dairy cattle crossbreeding in the tropics: choice of crossbreeding strategy. Tropical Animal Health Production, v.28, p , VIEIRA, R.V. Teste de tolerância ao calor em bovinos de corte de raças européias utilizadas no cruzamento industrial no Brasil p. Dissertação (Mestrado) Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos, Universidade de São Paulo, Pirassununga. 6

TESTE DE TOLERÂNCIA AO CALOR E SUA CORRELAÇÃO COM VARIÁVEIS FISIOLÓGICAS EM BOVINOS NA REGIÃO CENTRO-OESTE DO BRASIL 1

TESTE DE TOLERÂNCIA AO CALOR E SUA CORRELAÇÃO COM VARIÁVEIS FISIOLÓGICAS EM BOVINOS NA REGIÃO CENTRO-OESTE DO BRASIL 1 TESTE DE TOLERÂNCIA AO CALOR E SUA CORRELAÇÃO COM VARIÁVEIS FISIOLÓGICAS EM BOVINOS NA REGIÃO CENTRO-OESTE DO BRASIL 1 BARROS, Bruno de Carvalho 2 ; MACENA, Tânia Cristina 3 ; JACINTO, Renato Jesus 4 ;

Leia mais

Teste de Tolerância ao Calor em Zebuínos na Região Centro-Oeste do Brasil

Teste de Tolerância ao Calor em Zebuínos na Região Centro-Oeste do Brasil Fone: Projeto de Pesquisa Teste de Tolerância ao Calor em Zebuínos na Região Centro-Oeste do Brasil Formulário para Cadastro de Projeto de Pesquisa Versão 2007/1 2. Dados do Projeto Título: Teste de Tolerância

Leia mais

EFEITO DA COMBINAÇÃO DE DIFERENTES COBERTURAS E VENTILAÇÃO ARTIFICIAL SOBRE ÍNDICES DE CONFORTO TÉRMICO

EFEITO DA COMBINAÇÃO DE DIFERENTES COBERTURAS E VENTILAÇÃO ARTIFICIAL SOBRE ÍNDICES DE CONFORTO TÉRMICO Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010 EFEITO DA COMBINAÇÃO DE DIFERENTES COBERTURAS E VENTILAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE SUPLEMENTAÇÃO DE LUZ ARTIFICIAL PARA BEZERROS EM ALEITAMENTO

PROGRAMA DE SUPLEMENTAÇÃO DE LUZ ARTIFICIAL PARA BEZERROS EM ALEITAMENTO PROGRAMA DE SUPLEMENTAÇÃO DE LUZ ARTIFICIAL PARA BEZERROS EM ALEITAMENTO Luiz Carlos Roma Júnior Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Regional Centro Leste/APTA lcroma@apta.sp.gov.br Priscilla Ayleen Bustos Mac-Lean

Leia mais

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO Josilaine Aparecida da Costa Lima 1 ; Aya Sasa 2 1 Acadêmica do curso de Zootecnia da UEMS, Unidade

Leia mais

Estimativa do declínio na produção de leite, em período de verão, para Maringá-PR

Estimativa do declínio na produção de leite, em período de verão, para Maringá-PR Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v. 10, n. 2, p. 283-288, 2002 Recebido para publicação em 14/05/2002. Aprovado em 31/07/2002. ISSN 0104-1347 Estimativa do declínio na produção de leite,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA AGRÍCOLA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA AGRÍCOLA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA AGRÍCOLA COMPARAÇÃO DE ABRIGOS INDIVIDUAIS PARA BEZERRAS LEITEIRAS ATRAVÉS DE ÍNDICES DE CONFORTO TÉRMICO Wanessa Mesquita

Leia mais

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial

Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Genética Aditiva melhorando o peso dos bezerros à desmama e ao sobreano - Benefício do Choque sanguíneo em Programas de Cruzamento Industrial Agregar valor ao plantel de fêmeas bovinas este é o objetivo

Leia mais

Unidade de pressão 1 atm = 760 mmhg = 1013,3 mb = 1013,3 hpa = 101,33 kpa

Unidade de pressão 1 atm = 760 mmhg = 1013,3 mb = 1013,3 hpa = 101,33 kpa Umidade do ar O ar atmosférico é composto de constituintes não variáveis e variáveis dentre eles destacamos o água na forma de vapor. A presença de água na forma de vapor d água na atmosfera além de atuar

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

CONTROLE DO MICROCLIMA NA PRÉ-ORDENHA E SEUS EFEITOS NA PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO E QUALIDADE DO LEITE DE VACAS GIROLANDO

CONTROLE DO MICROCLIMA NA PRÉ-ORDENHA E SEUS EFEITOS NA PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO E QUALIDADE DO LEITE DE VACAS GIROLANDO CONTROLE DO MICROCLIMA NA PRÉ-ORDENHA E SEUS EFEITOS NA PRODUÇÃO, COMPOSIÇÃO E QUALIDADE DO LEITE DE VACAS GIROLANDO GLEDSON L. P. DE ALMEIDA 1, HÉLITON PANDORFI 2, CRISTIANE GUISELINI 2, GLEIDIANA A.

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

EFEITO DOS ÍNDICES DE TEMPERATURA - UMIDADE (ITU) SOBRE BUBALINOS CRIADOS EM SISTEMA SILVIPASTORIL, EM BELÉM, PARÁ

EFEITO DOS ÍNDICES DE TEMPERATURA - UMIDADE (ITU) SOBRE BUBALINOS CRIADOS EM SISTEMA SILVIPASTORIL, EM BELÉM, PARÁ EFEITO DOS ÍNDICES DE TEMPERATURA - UMIDADE (ITU) SOBRE BUBALINOS CRIADOS EM SISTEMA SILVIPASTORIL, EM BELÉM, PARÁ TEMPERATURE-HUMID INDEX EFFECTS OF WATER BUFFALOES RAISED IN THE SILVOPASTORAL SYSTEM,

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA Carlos Alberto Vicente Soares 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Influências bioclimáticas e de ambiência no bem-estar de vacas leiteiras

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Influências bioclimáticas e de ambiência no bem-estar de vacas leiteiras PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Influências bioclimáticas e de ambiência no bem-estar de vacas leiteiras Angélica Kischener de Moura 1, Fagton de Mattos Negrão 1, Carlos Clayton

Leia mais

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo

Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo Inclusão de bagaço de cana de açúcar na alimentação de cabras lactantes: desempenho produtivo José Maria de OLIVEIRA Júnior 1 ; Gian Nascimento 2 ; Rafael Mendonça de Carvalho ² ; Wanderson Bahia Paulineli²;

Leia mais

TAXA DE SUDAÇÃO, TEMPERATURA CORPORAL E FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA EM VACAS LEITEIRAS DE DIFERENTES GRUPOS GENÉTICOS EM AMBIENTE TROPICAL

TAXA DE SUDAÇÃO, TEMPERATURA CORPORAL E FREQUÊNCIA RESPIRATÓRIA EM VACAS LEITEIRAS DE DIFERENTES GRUPOS GENÉTICOS EM AMBIENTE TROPICAL 1 Acadêmicos do curso de Medicina Veterinária. 1 Orientadora. PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA TAXA DE SUDAÇÃO,

Leia mais

Introdução. Material e Métodos

Introdução. Material e Métodos INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE ANIMAIS NA UNIDADE EXPERIMENTAL E O TIPO DE COMEDOURO SOBRE AS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E COMPOSIÇÃO DE CARCAÇA DE SUÍNOS NA FASE DE TERMINAÇÃO Eriane de Paula (1), Francisco Carlos

Leia mais

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS RAFAEL SOUZA MELO 1 ; JEFFERSON BITTENCOURT VENÂNCIO 2 ; WELLINGTON FARIAS ARAÚJO 3 ; EDVAN ALVES CHAGAS 4 ; NILMA BRITO

Leia mais

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Ronaldo Lazzarini Santiago 1 INTRODUÇÃO As fazendas Calciolândia e Colonial, de Gabriel Donato de Andrade, sempre foram a referência na seleção do

Leia mais

BEM-ESTAR ANIMAL NA BOVINOCULTURA LEITEIRA. Mateus J.R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia, FCAV/UNESP, Jaboticabal-SP mpcosta@fcav.unesp.

BEM-ESTAR ANIMAL NA BOVINOCULTURA LEITEIRA. Mateus J.R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia, FCAV/UNESP, Jaboticabal-SP mpcosta@fcav.unesp. BEM-ESTAR ANIMAL NA BOVINOCULTURA LEITEIRA Mateus J.R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia, FCAV/UNESP, Jaboticabal-SP mpcosta@fcav.unesp.br Vacas há muitas, gordas é que há poucas e são raros

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

DESEMPENHO DE ALGUNS SISTEMAS DE COBERTURA PARA AVIÁRIOS

DESEMPENHO DE ALGUNS SISTEMAS DE COBERTURA PARA AVIÁRIOS DESEMPENHO DE ALGUNS SISTEMAS DE COBERTURA PARA AVIÁRIOS HOLMER SAVASTANO JR. (1), IRAN J.O. SILVA (2), PEDRO H.C. LUZ (3), DOUGLAS E. FARIA (4). RESUMO Este estudo analisa comparativamente o desempenho

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ESTIMATIVA DE PADRÃO DE CONFORTO AMBIENTAL PARA LEITÕES NA MATERNIDADE DE SUÍNOS USANDO LÓGICA FUZZY JAQUELINE DE OLIVEIRA CASTRO 1, LEONARDO SCHIASSI 2, PATRÍCIA FERREIRA PONCIANO 3, TADAYUKI YANAGI JUNIOR

Leia mais

Aptidão climática do capim-búffel ¹. Palavras-chaves: Cenchrus ciliaris, exigência climática de capim-búffel, pecuária sustentável

Aptidão climática do capim-búffel ¹. Palavras-chaves: Cenchrus ciliaris, exigência climática de capim-búffel, pecuária sustentável Aptidão climática do capim-búffel ¹ Roberta Machado Santos 2, Tadeu Vinhas Voltolini 3, Francislene Angelotti 3, Magna Soelma Beserra de Moura 3, Iranildo Generino dos Santos 4, 1 Pesquisa financiada pela

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO L. G. Silva 1 ; E. F. Fraga Júnior 2 ; R. A. Santos 3 RESUMO: O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ANO CLIMÁTICO DE REFERÊNCIA PARA A CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG

IDENTIFICAÇÃO DO ANO CLIMÁTICO DE REFERÊNCIA PARA A CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG IDENTIFICAÇÃO DO ANO CLIMÁTICO DE REFERÊNCIA PARA A CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG TAVARES, Laura Resende (1); AMORIM, Cláudia Naves David (2) (1) Departamento de Tecnologia Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil.

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 1 1.2 Conteúdo: A Dinâmica Climática no Brasil. 2 1.2 Habilidade: Localizar os diferentes tipos de climas existentes no território brasileiro. 3 Jorge Ben

Leia mais

Acta Scientiarum. Animal Sciences ISSN: 1806-2636 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil

Acta Scientiarum. Animal Sciences ISSN: 1806-2636 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Acta Scientiarum. Animal Sciences ISSN: 1806-2636 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Torres Campos, Alessandro; Silvério Klosowski, Elcio; Gasparino, Eliane; Torres de Campos, Aloísio;

Leia mais

Efeito da Combinação de Diferentes Coberturas e Ventilação Artificial Sobre o Desempenho de Aves de Corte Fêmeas

Efeito da Combinação de Diferentes Coberturas e Ventilação Artificial Sobre o Desempenho de Aves de Corte Fêmeas Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010 Efeito da Combinação de Diferentes Coberturas e Ventilação

Leia mais

Adaptação à mudança do clima*

Adaptação à mudança do clima* Agropecuária: Vulnerabilidade d e Adaptação à mudança do clima* Magda Lima - Embrapa Meio Ambiente Bruno Alves - Embrapa Agrobiologia OCB Curitiba Março de 2010 * Apresentação baseada em artigo publicado

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 Leonardo Pereira da Silva Brito 2, Ítalo Herbert Lucena Cavalcante 2, Márkilla Zunete Beckmann-Cavalcante

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC

Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC RESENHA Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC Por Ana Maria Heuminski de Avila Universidade Estadual de Campinas Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura - CEPAGRI CIDADE

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de dejetos e resíduos de origem animal como alternativa na adubação de feijão irrigado Lilian Christian Domingues de Souza 1, Alício

Leia mais

Silas Santiago RODRIGUES FILHO 1 ; Luiz Fernando de Souza RODRIGUES 2 ; Lussandro Comarella LECHINOSKI³; Cristian Faturi 4 ; Maria Cristina Manno 5 ;

Silas Santiago RODRIGUES FILHO 1 ; Luiz Fernando de Souza RODRIGUES 2 ; Lussandro Comarella LECHINOSKI³; Cristian Faturi 4 ; Maria Cristina Manno 5 ; PARÂMETROS FISIOLÓGICOS DE OVINOS SANTA INÊS CRIADOS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS EM BELÉM DO PARÁ Silas Santiago RODRIGUES FILHO 1 ; Luiz Fernando de Souza RODRIGUES 2 ; Lussandro Comarella LECHINOSKI³; Cristian

Leia mais

VARIABILIDADE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR, NA SUBBACIA DO SAPO NA ESTAÇÃO DO OUTONO EM JATAÍ- GO

VARIABILIDADE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR, NA SUBBACIA DO SAPO NA ESTAÇÃO DO OUTONO EM JATAÍ- GO VARIABILIDADE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR, NA SUBBACIA DO SAPO NA ESTAÇÃO DO OUTONO EM JATAÍ- GO Eleida Andrade Garcia MACEDO¹ Zilda de Fátima MARIANO² José Ricardo Rodrigues ROCHA 3 1. Mestranda em

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO.

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. Bruno Marchió 1, Talles Eduardo Borges dos Santos 2, Jânio Goulart dos Santos 3 ; Andrisley Joaquim

Leia mais

CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA

CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA "Escola Professor Edgar Albuquerque Graeff" CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA Prof. António Manuel C. P. Fernandes maio - 2002 APRESENTAÇÃO O

Leia mais

Relação dos dados climáticos com o desempenho animal 103 Relação dos dados climáticos com o desempenho animal Maria de Fátima Ávila Pires e Aloísio Torres de Campos Introdução Considerando-se que a produção

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2014. Londrina, de. Nome: Turma: Tempo: início: término: total: MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2014. Londrina, de. Nome: Turma: Tempo: início: término: total: MUDANÇAS CLIMÁTICAS Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2014. Londrina, de. Nome: Turma: Tempo: início: término: total: Edição III MMXIV Fase 3 - parte 2 MUDANÇAS CLIMÁTICAS Grupo B Questão 1 Observe que a sequência

Leia mais

ANÁLISE DA VARIAÇÃO DA TEMPERATURA EM RESIDÊNCIAS POPULARES COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURAS (TELHADOS) E SUA RELAÇÃO COM O CONFORTO TÉRMICO

ANÁLISE DA VARIAÇÃO DA TEMPERATURA EM RESIDÊNCIAS POPULARES COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURAS (TELHADOS) E SUA RELAÇÃO COM O CONFORTO TÉRMICO ANÁLISE DA VARIAÇÃO DA TEMPERATURA EM RESIDÊNCIAS POPULARES COM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURAS (TELHADOS) E SUA RELAÇÃO COM O CONFORTO TÉRMICO Priscilla de Oliveira Silva (UEG) 1 Priscilla_olliver@hotmail.com

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

sistemas automatizados para alimentação: futuro na nutrição de precisão

sistemas automatizados para alimentação: futuro na nutrição de precisão matéria da capa sistemas automatizados para alimentação: futuro na nutrição de precisão Texto: Sandra G. Coelho Marcelo Ribas Fernanda S. Machado Baltazar R. O. Júnior Fotos: Marcelo Ribas O avanço tecnológico

Leia mais

Avaliação da Adaptabilidade de Ovinos Santa Inês ao Clima Amazônico Evaluation of the adaptability of Santa Inês sheep to amazonian climate

Avaliação da Adaptabilidade de Ovinos Santa Inês ao Clima Amazônico Evaluation of the adaptability of Santa Inês sheep to amazonian climate REDVET Rev. electrón. vet. http://www.veterinaria.org/revistas/redvet -http://revista.veterinaria.org Vol. 11, Nº 03, Marzo/2010 http://www.veterinaria.org/revistas/redvet/n030310.html Avaliação da Adaptabilidade

Leia mais

Relatório Final do Experimento

Relatório Final do Experimento Relatório Final do Experimento Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bst) na produção de leite de vacas de alta produção. Prof. Dr. Rodrigo de Almeida (DZ-UFPR) Coordenador

Leia mais

Índices de tolerância ao calor de vacas leiteiras no período chuvoso e seco no Ceará

Índices de tolerância ao calor de vacas leiteiras no período chuvoso e seco no Ceará Índices de tolerância ao calor de vacas leiteiras no período chuvoso e seco no Ceará David Ramos da Rocha [a], Maria Gorete Flores Salles [b], Arlindo de Alencar Araripe Noronha Moura [c], Airton Alencar

Leia mais

Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.).

Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.). Efeito da iluminação noturna complementar a 18 cm de altura no crescimento de mudas de alface (Lactuca sativa L.). Guilherme Ebelem Guimarães Moreira MALUF 1 ; Ana Cardoso Clemente Filha Ferreira de PAULA

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 VERIFICAÇÃO DO PÉ DIREITO COMO TÉCNICA DE CONFORTO TÉRMICO Mariana Ferreira Martins Garcia 1 ;Phelippe Mendonça de Paiva 2 ; Diogo Humberto Muniz 3 ;Adriana Pereira Resende Martins 4 ; Daniela Satie Kodama

Leia mais

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA*

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* SENE. G. A. 1 ; JAYME. D. G.²; BARRETO. A. C. 2 ; FERNANDEZ. L. O. 3, OLIVEIRA. A. I. 4 ; BARBOSA. K. A.

Leia mais

GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA ILHA DE SANTA CATARINA

GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA ILHA DE SANTA CATARINA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLOGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA NA ILHA DE SANTA CATARINA Projeto Integrador

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ESCOLA EDGARD ALBUQUERQUE GRAEFF CONFORTO TÉRMICO PROF.

DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ESCOLA EDGARD ALBUQUERQUE GRAEFF CONFORTO TÉRMICO PROF. DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ESCOLA EDGARD ALBUQUERQUE GRAEFF CONFORTO TÉRMICO PROF. LEÔNIDAS ALBANO LISTA DE EXERCICIOS 1) Explique as relações entre perdas/ganhos

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE PRODUÇÕES PARCIAIS E TOTAIS DE LEITE EM UM REBANHO BUBALINO

CORRELAÇÃO ENTRE PRODUÇÕES PARCIAIS E TOTAIS DE LEITE EM UM REBANHO BUBALINO CORRELAÇÃO ENTRE PRODUÇÕES PARCIAIS E TOTAIS DE LEITE EM UM REBANHO BUBALINO LUCAS FAVORETTO RASSI, VIVIANE CAMPOS ARAUJO, BRENO DE FARIA E VASCONCELLOS, FERNANDO XAVIER NASCENTE, VINICIUS GOULART SCHWABACHER,

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com Teores de óleo e proteína em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) 59 Marcelo Alvares de Oliveira

Leia mais

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e

Desempenho Térmico de Edificações: Parte 1: Definições, Símbolos e Janeiro 2003 Projeto 02:135.07-001 Desempenho térmico de edificações Parte 1: Definições, Símbolos e Unidades. Origem: 02:135.07-001:1998 CB-02- Comitê Brasileiro de Construçãivil CE-02:135.07 - Comissão

Leia mais

CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO

CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO Magaly Morgana Lopes da COSTA 1 ; Guilherme de Freitas FURTADO 1 ; Elysson Marcks Gonçalves ANDRADE

Leia mais

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO ÀS POSSÍVEIS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNICÍPIO DE OURINHOS

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO ÀS POSSÍVEIS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNICÍPIO DE OURINHOS ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO ÀS POSSÍVEIS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNICÍPIO DE OURINHOS Débora Moreira de Souza 1, Jonas Teixeira Nery 1,2, Ana Cláudia Carfan 2 1 UNICAMP Campinas/São Paulo deborablosson@yahoo.com.br

Leia mais

Em seguida, foram coletadas as coordenadas geográficas de cada ponto, (total de 14 pontos, acima descritos) utilizando-se do aparelho GPS (Global

Em seguida, foram coletadas as coordenadas geográficas de cada ponto, (total de 14 pontos, acima descritos) utilizando-se do aparelho GPS (Global Em seguida, foram coletadas as coordenadas geográficas de cada ponto, (total de 14 pontos, acima descritos) utilizando-se do aparelho GPS (Global Position System) de navegação, modelo (Garmin e Trex Vista

Leia mais

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 PERMANECE A TENDÊNCIA DE CHUVAS ABAIXO DA MÉDIA NA REGIÃO SUL SUMÁRIO EXECUTIVO A primeira semana da estação de inverno,

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Temperaturas de Secagem no Vigor de Sementes de Milho Geneticamente Modificadas Patrícia Marluci da

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE TEMPERATURA E UMIDADE PARA VACAS LEITEIRAS DA RAÇA HOLANDESA EM RIO DO SUL, SC.

AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE TEMPERATURA E UMIDADE PARA VACAS LEITEIRAS DA RAÇA HOLANDESA EM RIO DO SUL, SC. AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE TEMPERATURA E UMIDADE PARA VACAS LEITEIRAS DA RAÇA HOLANDESA EM RIO DO SUL, SC Leonardo de Oliveira NEVES 1, Evandro Chaves de OLIVEIRA 2, Katiani ELI 3, Sabrina Rohdt da Rosa 4

Leia mais

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte.

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. ÁGUA 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. PROPRIEDADES E FUNÇÕES Constituinte ativo e estrutural; 70% da carcaça

Leia mais

Palavras-Chave: Tratamento de resíduos sólidos orgânicos; adubo orgânico, sustentabilidade.

Palavras-Chave: Tratamento de resíduos sólidos orgânicos; adubo orgânico, sustentabilidade. GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS GERADOS NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS ATRAVÉS DO USO DA COMPOSTAGEM TERMOFÍLICA EM LEIRA ESTÁTICA COM AERAÇÃO NATURAL. Jéssica Lopes Piesanti

Leia mais

VARIABILIDADE CLIMÁTICA PREJUDICA A PRODUÇÃO DA FRUTEIRA DE CAROÇO NO MUNICÍPIO DE VIDEIRA SC.

VARIABILIDADE CLIMÁTICA PREJUDICA A PRODUÇÃO DA FRUTEIRA DE CAROÇO NO MUNICÍPIO DE VIDEIRA SC. VARIABILIDADE CLIMÁTICA PREJUDICA A PRODUÇÃO DA FRUTEIRA DE CAROÇO NO MUNICÍPIO DE VIDEIRA SC. 1 Maurici A. Monteiro 1 Elaine Canônica Anderson Monteiro 3 RESUMO A variabilidade climática que tem ocorrido

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE CÉLULAS SOMÁTICAS SOBRE A QUALIDADE DE IOGURTE NATURAL E QUEIJO MINAS FRESCAL

EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE CÉLULAS SOMÁTICAS SOBRE A QUALIDADE DE IOGURTE NATURAL E QUEIJO MINAS FRESCAL EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE CÉLULAS SOMÁTICAS SOBRE A QUALIDADE DE IOGURTE NATURAL E QUEIJO MINAS FRESCAL Lisiane Cristine Rincon de Lima (PIBIC/CNPq/UEM), Maryanne Gluck Torres, Denise Felix da Silva,

Leia mais

AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL. Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena

AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL. Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena Departamento de Zootecnia, Escola de Veterinária da

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

Avaliação da produção de leite em bovinos utilizando diferentes sistemas de climatização

Avaliação da produção de leite em bovinos utilizando diferentes sistemas de climatização Avaliação da produção de leite em bovinos utilizando diferentes sistemas de climatização Evaluation of the production in dairy cattle in different climatization systems M. Perissinotto 1, D. J. de Moura

Leia mais

Elementos e fatores climáticos

Elementos e fatores climáticos Elementos e fatores climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade,

Leia mais

Elisa dos Santos Schütz 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 RESUMO

Elisa dos Santos Schütz 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 RESUMO DETERMINAÇÃO DOS COEFICIENTES ESTATÍSTICOS DAS EQUAÇÕES DE REGRESSÃO PARA ESTIMATIVA DOS VALORES NORMAIS MÉDIOS, MENSAIS E ANUAL, DAS TEMPERATURAS MÁXIMAS, MÍNIMAS E MÉDIAS, NOS ESTADOS DE GOIÁS, MATO

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO

FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO Protocolo 066/2010 FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E ETENSÃO 1. Instruções 1 Deverão ser entregues 2 (duas) cópias impressas e 1 (uma) cópia via e-mail (na extensão.doc), encaminhados para

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DAS ALTERAÇÕES COMPORTAMENTAIS DA UMIDADE RELATIVA NO TRIANGULO MINEIRO

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DAS ALTERAÇÕES COMPORTAMENTAIS DA UMIDADE RELATIVA NO TRIANGULO MINEIRO ANÁLISE EXPLORATÓRIA DAS ALTERAÇÕES COMPORTAMENTAIS DA UMIDADE RELATIVA NO TRIANGULO MINEIRO Érico Anderson de Oliveira 1 CEFET-MG ericoliv@dcsa.cefetmg.br Ruibran Januário dos Reis 2 PUCMINAS ruibrandosreis@gmail.com

Leia mais

GEOGRAFIA. 49 TOPOGRAFIA As curvas de nível são linhas que unem pontos com a mesma altitude. A partir delas pode ser

GEOGRAFIA. 49 TOPOGRAFIA As curvas de nível são linhas que unem pontos com a mesma altitude. A partir delas pode ser GEOGRAFIA 49 TOPOGRAFIA As curvas de nível são linhas que unem pontos com a mesma altitude. A partir delas pode ser determinada a declividade do terreno e pode ser traçado seu perfil. Observe a figura.

Leia mais

Potencial Germinativo De Sementes De Moringa oleifeira Em Diferentes Condições De Armazenamento

Potencial Germinativo De Sementes De Moringa oleifeira Em Diferentes Condições De Armazenamento Potencial Germinativo De Sementes De Moringa oleifeira Em Diferentes Condições De Armazenamento Kyvia Pontes Teixeira das Chagas (1) ; Ciro de Oliveira Ribeiro (2) ; Hanieri Alves da Silva (3) ; Luan Henrique

Leia mais

TÍTULO: Dados Climáticos para Projeto e Avaliação Energética de Edificações para 14 Cidades Brasileiras. 2 a Edição AUTORES:

TÍTULO: Dados Climáticos para Projeto e Avaliação Energética de Edificações para 14 Cidades Brasileiras. 2 a Edição AUTORES: TÍTULO: Dados Climáticos para Projeto e Avaliação Energética de Edificações para 14 Cidades Brasileiras 2 a Edição AUTORES: Solange V. G. Goulart - Eng. Civil, MSc, Pesquisadora Roberto Lamberts - Eng.

Leia mais

Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico.

Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico. Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico. Teixeira, W. G. (1), Matteucci, M. B. A. (2), Malta, C. G. (1), Barbosa, S. C. (1) e Leandro, W. M.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS Rosidalva Lopes Feitosa da Paz 1, Andre de Oliveira Amorim 2 e Raimundo Mainar de Medeiros 3 1 Física e Coordenadora

Leia mais

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP Maria Cecilia Manoel Universidade de São Paulo maria.manoel@usp.br Emerson

Leia mais

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal.

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Flávia M. V. Teixeira Clemente, Francisco V. Resende, Jairo V. Vieira Embrapa Hortaliças, C. Postal 218, 70.359-970,

Leia mais

CLIMA QUENTE E SECO Os ventos são quentes, secos e carregados poeira CLIMA QUENTE E ÚMIDO

CLIMA QUENTE E SECO Os ventos são quentes, secos e carregados poeira CLIMA QUENTE E ÚMIDO VENTILAÇÃO E CLIMA CLIMA CLIMA QUENTE E SECO regiões desérticas próximas ao equador. Médias de temperatura muito altas e grande amplitude térmica, umidade baixa, a radiação solar é direta, quase sem a

Leia mais

Efeitos da Aeração Resfriada na Qualidade Fisiológica de Sementes de Soja (Glycine max (L.) Merrill)

Efeitos da Aeração Resfriada na Qualidade Fisiológica de Sementes de Soja (Glycine max (L.) Merrill) Efeitos da Aeração Resfriada na Qualidade Fisiológica de Sementes de Soja (Glycine max (L.) Merrill) 84 Zirvaldo Zenid Virgolino, Osvaldo Resende 1, Douglas Nascimento Gonçalves 1, Kaique Alves Ferreira

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Código da Disciplina: ZOO 05453 Disciplina: Bovinocultura de Leite PROGRAMA DA DISCIPLINA CAMPUS: Alegre CURSO:

Leia mais

Pesquisador Cien.fico Dr. LUIS ALBERTO AMBRÓSIO

Pesquisador Cien.fico Dr. LUIS ALBERTO AMBRÓSIO Centro de Análise e Pesquisa Tecnológica do Agronegócio Bovinos de Leite Instituto de Zootecnia Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo Pesquisador Cien.fico Dr. LUIS ALBERTO AMBRÓSIO

Leia mais

INTERAÇÃO AMBIENTE- HOMEM-ANIMAL

INTERAÇÃO AMBIENTE- HOMEM-ANIMAL INTERAÇÃO AMBIENTE- HOMEM-ANIMAL O MEIO AMBIENTE O ambiente é caracterizado por um conjunto de fatores climáticos que, atuando simultaneamente, exercem influência sobre os animais, afetando seu desenvolvimento

Leia mais

Meteorologia e Poluição do Ar

Meteorologia e Poluição do Ar CONCURSO PETROBRAS PROFISSIONAL DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR ENGENHEIRO(A) DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. DE MEIO AMBIENTE Meteorologia e Poluição do Ar Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS

Leia mais

Variáveis ambientais de caracterização do ar no ambiente urbano: Belém (PA)

Variáveis ambientais de caracterização do ar no ambiente urbano: Belém (PA) Variáveis ambientais de caracterização do ar no ambiente urbano: Belém (PA) Eliane de Castro Coutinho 1 ; Mauro Henrique da Costa Mendes 2 ; Cláudio Machado Passini 3 ; Newton Rafael N. dos Santos 4 ;

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

EFEITOS DO ESTRESSE TÉRMICO SOBRE A PRODUÇÃO DE BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE MARILÂNDIA- ES

EFEITOS DO ESTRESSE TÉRMICO SOBRE A PRODUÇÃO DE BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE MARILÂNDIA- ES EFEITOS DO ESTRESSE TÉRMICO SOBRE A PRODUÇÃO DE BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE MARILÂNDIA- ES Evandro Chaves de Oliveira 1, Rafael Coll Delgado 2, Sabrina Rohdt da Rosa 3, Paulo Jorge de Oliveira Ponde

Leia mais

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA BRITO 1, Antônio Cavalcanti CARVALHO 2, Fabricio Braga Soares MARINHO

Leia mais

INOVAÇÃO PARA O CONFORTO TÉRMICO: ANÁLISE DAS POTENCIALIDADES DA TINTA REFLETIVA

INOVAÇÃO PARA O CONFORTO TÉRMICO: ANÁLISE DAS POTENCIALIDADES DA TINTA REFLETIVA INOVAÇÃO PARA O CONFORTO TÉRMICO: ANÁLISE DAS POTENCIALIDADES DA TINTA REFLETIVA Guilherme Ribeiro de Moura 1 ; Lucas Miranda Santos 2 ; Mauro Jose de Souza Araújo 3 RESUMO: Quer-se pesquisar acerca do

Leia mais

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Luiz Fernando Ghetti PEREIRA ¹ ; Raul Magalhães FERRAZ¹; Raiy Magalhães FERRAZ²; Luciano Donizete GONÇALVES³ 1 Estudante de Agronomia.

Leia mais

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Entrevistado: Marcelo Brandi Vieira Mestre em Reprodução Animal Diretor Técnico da Progen Inseminação Artificial BI: Qual a importância da Inseminação Artificial

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

PRINCIPAIS SECAS OCORRIDAS NESTE SÉCULO NO ESTADO DO CEARÁ: UMA AVALIAÇÃO PLUVIOMÉTRICA

PRINCIPAIS SECAS OCORRIDAS NESTE SÉCULO NO ESTADO DO CEARÁ: UMA AVALIAÇÃO PLUVIOMÉTRICA PRINCIPAIS SECAS OCORRIDAS NESTE SÉCULO NO ESTADO DO CEARÁ: UMA AVALIAÇÃO PLUVIOMÉTRICA José M. Brabo Alves; Rubenaldo A. Silva; Everaldo B. Souza; Carlos A. Repelli Departamento de Meteorologia -Divisão

Leia mais

EFEITO DA RADIAÇÃO SOLAR, DO TIPO DE REVESTIMENTO E DA PINTURA DOS OITÕES NO CONDICIONAMENTO TÉRMICO DO AVIÁRIO

EFEITO DA RADIAÇÃO SOLAR, DO TIPO DE REVESTIMENTO E DA PINTURA DOS OITÕES NO CONDICIONAMENTO TÉRMICO DO AVIÁRIO EFEITO DA RADIAÇÃO SOLAR, DO TIPO DE REVESTIMENTO E DA PINTURA DOS OITÕES NO CONDICIONAMENTO TÉRMICO DO AVIÁRIO Paulo Giovanni de Abreu 1, Valéria Maria Nascimento Abreu 1, Inaiara Leticia Tomazelli 2

Leia mais

RESUMÃO DE BIOLOGIA BIOLOGIA I BIOMAS. - Tundra Altitudes elevadas ao norte do planeta. Não há arvores, vegetação rasteira. Baixas temperaturas.

RESUMÃO DE BIOLOGIA BIOLOGIA I BIOMAS. - Tundra Altitudes elevadas ao norte do planeta. Não há arvores, vegetação rasteira. Baixas temperaturas. RESUMÃO DE BIOLOGIA por: Inaê Odara BIOLOGIA I BIOMAS - Tundra Altitudes elevadas ao norte do planeta. Não há arvores, vegetação rasteira. Baixas temperaturas. - Florestas de coníferas (taiga) Hemisfério

Leia mais