Relatório de Atividades 2002

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Atividades 2002"

Transcrição

1 Rede Brasileira de Entidades Assistenciais Filantrópicas Relatório de Atividades

2 Mensagem do Presidente A elaboração do terceiro relatório anual da REBRAF nos propicia uma visão retrospectiva. As atividades das entidades filantrópicas no Brasil não poderão jamais ser subestimadas. Milhões de pessoas e comunidades - desde os índios até os grupos urbanos - muitas vezes só puderam ser sujeitos de sua história graças ao apoio destas entidades. Mas o apreço à verdade nos obriga a reconhecer que, mesmo com muito boa vontade, nem sempre acertamos nessa busca de fazer o bem. Houve momentos em que muitas instituições atingiram um grau de anacronismo capaz de levá-las ao questionamento de sua própria utilidade. O alto índice de experiência acumulada e a imensa dose de generosidade dos voluntários nem sempre foram suficientes para garantir a eficiência nos projetos, em face das urgências da nossa população, sobretudo se considerarmos a omissão do poder público em setores de vida ou morte para a população. Somando a isso o isolamento a que nos vimos relegados durante decênios, a sobrevivência das instituições filantrópicas brasileiras dependia, excetuando-se alguns raros casos de genialidade, quase sempre do acaso, arrastadas por uma rotina que jamais despertava esperanças. Hoje, porém, temos a convicção de que as realizações significativas e duradouras não virão de figuras extraordinárias, mas de combinações de pessoas e comunidades que aprendem a pensar e a trabalhar juntas, fazendo da cooperação a viga mestra da casa de nossos sonhos. Há três anos que fazemos um esforço - e este relatório demonstra que ele vem sendo bem sucedido - de estabelecer uma pedagogia que crie vínculos solidários na tessitura de uma rede de inclusão. A legitimidade que reveste a nossa rede desde a sua fundação serviu-nos de amparo para, à luz do universo de valores, exigir de cada associado a difícil tarefa - esperamos que já seja um compromisso - de despir-se da competição e dos preconceitos de todo tipo para tão somente nos fixarmos na missão que nos irmana, e que se revela de permanente e impressionante atualidade: "congregar as organizações privadas de cunho social para que compartilhem e potencializem suas ações e conhecimentos, gerando alianças estratégicas em prol de uma sociedade inclusiva". Ao apresentar-lhes o relatório do ano que se findou, cumpre-nos o dever de expressar nosso mais intenso agradecimento ao incentivo e apoio que tivemos do Conselho Gestor e sua Mesa Diretora, dos membros da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal, dos Grupos de Apoio e das Parcerias, dos Patrocinadores, Consultores e Equipe Técnica. Cordialmente, Presidente 31 Dez/2002 2

3 Sumário: I- IDENTIFICAÇÃO II- REBRAF II- REBRAF PROJETOS 1-PORTAL / INTERNET 2-INFORMÁTICA SOLIDÁRIA 3-MOVIMENTO DEGRAU CONVIVÊNCIA E APRENDIZADO NO TRABALHO IV- REBRAF PROGRAMAS 1-DISSEMINAÇÃO INTERCÂMBIO 3-COMUNICAÇÃO V- REBRAF AÇÕES 1-GRUPO DE AÇÃO AFIRMATIVA 2-INSTITUTO PRO-BONO 3-GUIA DO 3º SETOR 4- GRUPO DE TRABALHO PROJETOS 5- COMITÊ DE AÇÕES GOVERNAMENTAIS 6-ELEIÇÃO: 6.1-ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA 6.2-REUNIÃO DO CONSELHO GESTOR VI- REBRAF RECURSOS HUMANOS VII-REBRAF RECURSOS FINANCEIROS VIII-REBRAF BALANÇO PATRIMONIAL IX-REBRAF PLANO DE TRABALHO PARA 2003 São Paulo, Dez/2002 3

4 I- IDENTIFICAÇÃO Rede Brasileira de Entidades Assistenciais Filantrópicas REBRAF Rua Boa Vista, 51 1º andar - Centro São Paulo/SP (011) Home Page: Iniciada em 27/01/2.000 Inscrita no CNPJ : / , com seu Estatuto registrado no Cartório 9 Oficial de Registro Civil da Pessoa Jurídica. De Ordem n 4379 em 26/05/2000. MISSÃO Congregar as organizações privadas de cunho social para que compartilhem e potencializem suas ações e conhecimentos, gerando alianças estratégicas em prol de uma sociedade inclusiva. 4

5 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL: Mesa Diretora do Conselho Gestor: Presidente Dorina de Gouvêa Nowill Fundação Dorina Nowill para Cegos; 1º Vice-Presidente Eduardo de Barros Pimentel Fundação de Rotarianos de São Paulo; 2º Vice- Presidente Antônio Carlos Caruso Ronca Fundação São Paulo Mantenedora da PUC; 1º Secretário Marcos Antônio Gonçalves Associação para Valorização e Promoção do Excepcional; Maria Eliza Botelho Byington Cruzada Pró-Infância. Conselho Gestor: Membros Titulares: Ação Social Gonçalves Ledo; Associação Brasileira de Assistência ao Deficiente Visual- LARAMARA; Associação Brasileira de Esclerose Múltipla- ABEM; Associação Brasileira dos Talassêmicos- ABRASTA; Associação Cruz Verde; Associação de Assistência à Criança Deficiente-AACD; Associação de Pais e Amigos de Pessoas Portadoras de Deficiência dos Funcionários do Banco do Brasil- APABB; Associação dos Amigos do Autista- ABRA/AMA SP; Associação dos Cavaleiros da Soberana Ordem Militar de Malta de São Paulo; Associação dos Policiais Militares Deficientes Físicos do Estado de São Paulo; Associação Olimpíadas Especiais Brasil- AOEB; Associação para Desenvolvimento Educação e Recuperação do Excepcional- ADERE; Associação para Valorização e Promoção de Excepcionais- AVAPE; Associação Promoção Social Exército da Salvação- APROSES; Carminha Associação para Reabilitação do Excepcional- CARE; Centro de Habilitação- Promove; Centro Espírita Nosso Lar - Casas André Luiz; Federação Brasileira das Associações Cristã de Moços- ACM; Federação Brasileira das Instituições de Excepcionais- FEBIEX; Federação Brasileira de Patrulheirismo; Federação das Entidades Assistenciais Santo André- FEASA; Federação das Santas Casas de Misericórdia- FESEHF; Federação de Entidades da Luta Antituberculose de São Paulo- FELASP; Federação de Obras Sociais- FOS, Federação Israelita do Estado de São Paulo- FISESP; Federação Nacional das Sociedades Pestalozzi- FENASP; Fundação de Rotarianos de São Paulo- FRSP; Fundação Dorina Nowill para Cegos- FDNC; Grupo Pela Vida - Valorização, Integração Dignidade do Doente de Aids; Instituição Beneficente Nosso Lar; Lar Escola São Francisco- Centro de Reabilitação; Lar Mãe do Divino Amor; Lar São Vicente de Paulo de Itapetininga; Liga das Senhoras Católicas de São Paulo; Pastoral da Criança- CNBB; Sociedade Civil Obras Sociais Santa Cruz- Recanto Nossa Senhora de Lourdes Obra Don Guanella; União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo- USE. Membros Suplentes: Associação de Amigos Excepcionais do Brooklin- AAEB;Associação de Apoio à Criança com Câncer- AACC; Associação de Deficiente Físicos e Visuais de Mogi Guaçu- ADEFIVI;Associação de Pais Banespianos de Excepcionais- APABEX; Associação Deficientes Visuais e Amigos- ADEVA;Associação Educacional para Múltipla Deficiência- AHIMSA;Associação Lar-Liberdade com Amor e Respeito à Vida; Cooperativa de Associação Promoção Incentivo à Criança- COOPERAPIC; Legião de Assistência à Criança Excepcional- LACE;Sanatorinhos Ação Comunitária de Saúde. Conselho Fiscal: Membros Titulares:Associação Terapêutica de Estimulação Auditiva e Linguagem- ATEAL; Pequeno Cotolengo Don Orionópolis; União Brasileira Israelita do Bem Estar Social- UNIBES. Membros Suplentes: Associação Beneficente Vila Araguaia e Adjacências; Centro de Apoio ao Deficiente Visual; Centro Social do Brooklin Paulista. Diretoria : Presidente: Rogério Pinto Coelho Amato Associação Carpe Diem Vice-Presidente: Décio Goldfarb- Associação de Assistência à Criança Deficiente - AACD Vice-Presidente: Adílson José J. Pereira União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo Diretor Adm. Financeiro: Rodrigo Mario Castanheira Fundação de Rotarianos de São Paulo Diretor Secretário: Arno Kilmar- Federação Brasileira das Associações Cristãs de Moços 5

6 II- REBRAF A REBRAF - Rede Brasileira de Entidades Assistenciais Filantrópicas congrega associações de cunho social e organizações não governamentais, sem fins lucrativos, nas áreas de assistência social, religião, ciências, artes, desenvolvimento comunitário, educação, saúde, esportes e preservação ambiental, atuantes no Brasil. É um movimento surgido espontaneamente, como manifestação do interesse comum. Foi fundado no final de 1998 na base da convocação nacional provocada pela aprovação da Lei nº 9732 de 11/12/1998, que suprimiu a imunidade assegurada às instituições pelo 7º do art. 195 da Constituição Federal e modificou o art. 55 da Lei nº 8212 de julho de Por iniciativa de dezenas destas entidades, o primeiro Conselho Gestor da REBRAF foi eleito em 15 de julho de Em 27 de janeiro de 2000 tomou posse a Diretoria escolhida para o triênio As entidades fundadoras da REBRAF compartilham uma identidade que as iguala, não pelo tamanho, mas pela função e pela soma de seus valores comuns assim sintetizados: - Inclusão: luta contra a exclusão - Bem comum - Respeito às diferenças - Isenção político-partidária - Organização da sociedade civil - Empenho total no cumprimento dos deveres como contrapartida essencial da exigência de direitos Fonte: Johns Hopkins University Iser Instituto de Estudo da Religião 6

7 III- REBRAF / PROJETOS Cumprindo a sua Missão, a REBRAF coloca em prática seu Plano Estratégico, cujas ações apresentam resultados objetivos, fortalecendo a construção de uma sociedade inclusiva. - Plano Estratégico: Para realizar seus projetos de intervenção social ativa, a REBRAF conta com seu capital humano: voluntários, em geral especializados em áreas essenciais do conhecimento ou da tecnologia e conta também com a participação de parceiros e de patrocinadores. 1- PORTAL / Internet O PORTAL da REBRAF é o instrumento encontrado a serviço da realização da Missão da Rede, para a mobilização organizada de todas as entidades afiliadas ao Ele foi o resultado de extraordinária parceria feita com a Fundação Bradesco sendo agora supervisionado pelo jornalista Moisés Rabinovici ¹ do Estado de São Paulo. Resultados: - Lançamento em 29/11/ Abrangência nacional ¹ Moisés Rabinovici - 38 anos de profissão, correspondente durante muitos anos em Israel, Estados Unidos e França a serviço dos grupos O Estado de São Paulo e Rede Globo. 7

8 - 600 entidades afiliadas - Em permanente expansão - Hospeda sites das entidades, disponibiliza documentos, transmite notícias, veicula campanhas, compartilha conhecimentos e se abre para amplo diálogo nacional. Parcerias: - Fundação Bradesco - Jornais "O Estado de São Paulo" e "Jornal da Tarde" - Universidade Presbiteriana Mackenzie - Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) 2- INFORMÁTICA SOLIDÁRIA Portal da REBRAF Visa promover a inclusão digital das organizações sociais dotando-as dos recursos necessários para a otimização dos sistemas gerenciais, melhoria na qualidade da prestação de serviços e demais benefícios advindos da participação na comunidade virtual. Resultados: - Lançado em 21/08/ Pesquisa sobre entidades que participariam do Programa - 42 entidades participantes Parcerias: - Município de Cotia / CIESP - Microsoft - Centro de Voluntariado de São Paulo - Fundação Getúlio Vargas - CETS - Comitê de Democratização da Informática - CDI - Fundação de Rotarianos de São Paulo FRSP - Unidade de Cotia, onde se encontra o pólo centralizador do projeto. 8

9 3- MOVIMENTO DEGRAU - Desenvolvimento e Geração de Redes Podemos dizer que, dentre as iniciativas e projetos realizados pela REBRAF, o Movimento DEGRAU - Desenvolvimento e Geração de Redes é o de maior cunho social. Este Movimento procura desenvolver e integrar redes já existentes do Segundo e Terceiro Setores, congregando suas lideranças, profissionais e voluntários em torno de valores que se expressam no COMPARTILHAMENTO de ações e conhecimentos. Reconhece e integra iniciativas existentes em prol de uma sociedade Inclusiva. O "PROGRAMA CONVIVÊNCIA E APRENDIZADO NO TRABALHO" é o primeiro empreendimento social do movimento. É uma ação promovida para incentivar a aplicação prática da Lei de 19/Dez/2000, que regulariza o trabalho dos adolescentes de 14 a 18 anos incompletos, na condição de aprendizes, sobretudo para qualificar a inclusão dos jovens que estejam vivendo situações de vulnerabilidade pessoal e social. Resultados: - Lançado em 01/12/2001 com assinatura do Termo de Aliança Social entre REBRAF / FACESP / ACSP - *Eleição do Conselho Gestor 21/03/ encontros regionais = 400 cidades - 37 entidades sem fins lucrativos envolvidas no programa como certificadoras - Formação de 50 Conselhos DEGRAU - Coordenadores dos Conselhos DEGRAU, da ACSP = 21 - Coordenadores dos Copnselhos DEGRAU, de Entidades = 29 Meta: Conselhos DEGRAU até dezembro de vagas para aprendizes Parcerias: - Rede Brasileira de Entidades Assistenciais Filantrópicas - Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo - FACESP - Associação Comercial de São Paulo - ACSP Folder 9

10 Conselho Gestor DEGRAU * - Presidente Alencar Burti -Presidente da Associação Comercial de São Paulo e Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo FACESP; - Coordenadores Rogério Pinto Coelho Amato Presidente da REBRAF Rede Brasileira de Entidades Assistenciais Filantrópicas Guilherme Afif Domingos Membro do Conselho Superior da ACSP e Presidente Emérito da CACB Confederação das Associações Comerciais do Brasil -Conselheiros Adílson José Joaquim Pereira -Vice-Presidente da USE União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo; Arno Kilmar - Diretor da Federação Brasileira das Associações Cristãs de Moços; Carlos José de Lima Castro - Presidente do Sescon SP Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis, de Assessoramento; Clodoaldo de Lima Leite - Presidente do Conselho Estadual de Assistência Social CONSEAS e Membro do Conselho; Executivo da FEASA Federação das Entidades Assistenciais de Santo André; Daniel Machado de Campos - Membro do Conselho Superior da ACSP; Décio Goldfarb - Presidente da AACD Associação de Assistência à Criança Deficiente; Dorina de Gouveia Nowill - Diretora Presidente da Fundação Dorina Nowill para Cegos; Eduardo de Barros Pimentel - Presidente da Fundação de Rotarianos de São Paulo; Élvio Aliprandi - Membro do Conselho Superior da ACSP; Francisco José de Toledo - Presidente da ABIPEME - Associação Brasileira dos Institutos de Pesquisa de Mercado; Francisco Teruel Lópes - Presidente da Associação Comercial e Industrial de Osasco; Guilherme Afif Domingos - Membro do Conselho Superior da ACSP Presidente Emérito da CACB Confederação das Associações Comerciais do Brasil; Braz José de Araujo - Coordenador do Núcleo de Política e Estratégias da USP; João Luiz Augusto da Silveira - Presidente da Ação Social Gonçalves Ledo; Lincoln da Cunha Pereira - Membro do Conselho Superior da ACSP; Luiz Carlos Merege - Coordenador do Centro de Estudos do 3º Setor da FGV; Luiz Gonzaga Bertelli - Presidente do CIEE Centro de Integração Empresa Escola; Marcos Antônio Gonçalves - Presidente da AVAPE Associação para Valorização e Promoção de Excepcionais; Marcos Athias Neto - Diretor Executivo da CARE-BRASIL Milú Vilela - Presidente do Centro de Voluntariado de São Paulo Natan Berger - Presidente da FISESP Federação Israelita do Estado de São Paulo; Osório Henrique Furlan - Membro do Conselho Superior da ACSP; Paulo Machado de Carvalho Neto - Presidente da ABERT Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão; Renato Ferrari - Membro do Conselho Superior da Associação Comercial SP; Ricardo Marques da Fonseca - Procurador Chefe da Procuradoria Regional do Trabalho da 15º Região Campinas; Roberto Quiroga Mosqueira - Escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Júnior e Quiroga Advogados; Rogério Pinto Coelho Amato - Presidente da REBRAF Rede Brasileira de Entidades Assistenciais Filantrópicas; Romeu Trussardi Filho - Membro do Conselho Superior da ACSP; Waldemar de Oliveira Verdi - Vice Presidente da Associação Comercial de São Paulo. 10

11 VI- REBRAF / PROGRAMAS Com o objetivo de interagir, divulgar e tornar cada vez mais possível o acesso à informação, aos recursos da ciência e da técnica e dos direitos e deveres sociais que abrem caminho para uma sociedade inclusiva, foram criados, desenvolvidos ou tiveram prosseguimento os programas: 1- DISSEMINAÇÃO 2002 Desenvolvido com envolvimento direto do Presidente da REBRAF, por meio de visitas, palestras e entrevistas. Visitas: - Associação Cristã de Moços ACM; - Assoc. de Pais e Amigos de Pessoas Portadoras de Deficiência dos Funcionários do Banco do Brasil APABB; - Centro Israelita de Assistência ao Menor; - Centro de Profissionalização do Adolescente; - Escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey JR. E Quiroga Advogados; - Faculdade Armando Álvares Penteado; - Fundação Bradesco; - Fundação de Rotarianos de São Paulo FRSP; - Fundação Telefônica; - Fundação ORSA; - Instituto Presbiteriano Mackenzie TOTAL:. 11 Palestras: "Rede Brasileira de Entidades Assistenciais Filantrópicas Solenidade de Instalação e Posse do Conselho Gestor do DEGRAU Sede do DEGRAU - 21/03/02 Atividades REBRAF Projeto Assembléia Geral da REBRAF AACD-SP - 19/04/02 Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho - Mogi das Cruzes - 18/04/02 - Campinas Auditório do CPqD - 14/05/02 - Mogi Guaçu Teatro TUPEC - 14/05/02 - São Caetano do Sul Auditório do IMES Instituto Municipal de Ensino 16/05/02 - Sorocaba - Teatro América - 16/05/02 - Distrital Leste - Teatro Municipal - 22/05/02 - Ribeirão Preto ACI de Ribeirão Preto - 23/05/02 - São José do Rio Preto Centro de Conv. Anatol Konarski - 28/05/02 - Distrital Sul UNISA - 28/05/02 - Região do Vale do Paraíba ITA - 04/06/02 11

12 - Região de Marília F. de Ensino Eurípedes S. da Rocha - 06/06/02 - Presidente Prudente Anfiteatro Dr. José Cupertino D`arce - 06/06/02 - Zona Oeste Distrital Pinheiros - 11/06/02 - Bauru - 13/06/02 - Araçatuba SENAC - 13/06/02 - Distrital Norte UNISANTANA - 18/06/02 - Litoral Paulista São Vicente Ilha Porchat Club - 20/06/02 - Piracicaba ACI de Piracicaba - 08/02 O papel da REBRAF Perspectivas da Assistência Social no Brasil ACM Associação Cristã de Moços - 25/06/02 Apresentação do Movimento DEGRAU Reunião com a ADESG Sede da ACSP - 03/07/02 Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho Secretaria Est. da Assistencia e Desenvolvimento Social Sec. Est. da Assis. e Des. Social Rua Bela Cintra, /07/02 Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho I Encontro Est. do Prog. de Erradicação do Trabalho Infantil Auditório Rui Barbosa Universidade Mackenzie - 22/07/02 O Conceito e a Prática de Redes nas Entidades Filantrópicas Encontro de Tendências e Responsabilidade Comunitária São Paulo - 18/08/02 Projeto Informática Solidária Lançamento do Programa Integrador de Dados CIESP Cotia - 21/08/02 A Responsabilidade Social das Associações Comerciais Seminário FACESP Open Hall Convention Center Guarulhos - 23/08/02 às 12 hs REBRAF/DEGRAU Fundação ORSA REBRAF/DEGRAU Fundação ORSA - 27/08/02 Movimento DEGRAU Avaliação das Distritais 15º Reunião Ordinária dos Conselhos das Sedes Distritais Abílio Borin 11º andar - 02/09/02 12

13 Quebra de Paradigmas para o Salto da Competitividade 3º Fórum Brasil Top Hospital Hotel Blue Tree Towers - 13/09/02 às 10:30 hs Inclusão Social Responsabilidade de Todos Nós Clube Náutico Mogiano Mogi das Cruzes Clube Náutico Mogiano - 20/09/02 A Inclusão no Mercado de Trabalho Cons. Municipal de P. P. de Necessidades Especiais - CONDEFI Câmara Municipal de Indaiatuba - 20/09/02 Aspectos que colab oram com a Integração de Empresários e Profissionais Liberais, Comunidade e Entidades Filantrópicas II Encontro das Organizações Filantrópicas de Americana Americana Rua Dom Bosco, /10/02 REBRAF Atividades Eleição do Conselho Gestor e Conselho Fiscal Assembléia Geral Ordinária e Reunião do Conselho Gestor Federação das Associações Cristãs de Moços FACM 07/11/02 REBRAF/DEGRAU Assembléia Geral Ordinária da Fed. das Associações Cristãs de Moços - FACM Hotel Blue Tree Towers São Paulo - 21/11/2002 REBRAF Atividades Eleição da Diretoria e Mesa Diretora do Conselho Gestor Reunião do Conselho Gestor Federação das Associações Cristãs de Moços FACM 05/12/02 TOTAL:. 36 Entrevistas - Rádio, TV, jornais e revistas. 2- INTERCÂMBIO Programa iniciado em outubro de 2001 com o objetivo de proporcionar maior interação entre os membros do Conselho Gestor e a Diretoria. Foram convidados os representantes das Entidades: AAEB Associação de Amigos dos Excepcionais do Brooklin Presidente: Nancy Jorge Troise ABRA-AMA Associação dos Amigos dos Autistas Presidente: Carlos Alberto Von Poser ADERE Associação para Des., Educação e Recuperação do Excepcional Presidente: Agrimalina Abs Musa 13

14 AHIMSA Associação Educacional para Múltiplas Deficiências Presidente: Marilia Ferri Aidar APABB Associação de Pais e Amigos de Pessoas Portadoras de Deficiência dos Funcionários do Banco do Brasil Presidente: Berenice Souza APABEX Associação de Pais Banespianos de Excepcionais Presidente: Ariovaldo Cavarzan AVAPE Associação para Valorização e Promoção de Excepcionais Presidente: Marcos Antônio Gonçalves Centro Espírita Nosso Lar - Casa André Luiz Representante: Marisa Santos Silva FACM Federação das Associações Cristãs de Moços Representante: Luiz Carlos Gonzaga FEASA Federação das Entidades Assistenciais de Santo André Presidente: Clodoaldo Lima Leite Grupo pela VIDDA Representante: Wilson Amaral Merege Instituto Beneficente Nosso Lar Presidente: Nancy Puhlmann Di Girolano Lar Escola São Francisco Presidente: Clélia Salgado Teixeira 3- COMUNICAÇÃO A REBRAF procurou intensificar e aprimorar seu sistema de comunicação durante todo o ano. Antes de tudo, houve uma constante preocupação de melhorar o Portal, que é a nossa melhor forma de comunicação. Contamos com um grupo de jornalistas e outros profissionais para esta assessoria, coordenados por Moisés Rabinovici: Jornalistas, Ewaldo Dantas, Adriana Carvalho, Luciana Fleury, Roseli Loturco, Domingos Zamagna; empresária, Cláudia Rebouças; e Web- Máster, Michel Felizardo Grupo de Trabalho Diapasão. Através do Portal, a REBRAF estabeleceu uma parceria com duas instituições de Ensino Superior: a Universidade Presbiteriana Mackenzie e a Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), atingindo professores e alunos das áreas de Comunicação e Publicidade. Coordenados pelos professores Milton Pelegrini e Marina Eneide Quevedo Pelegrini, os estudantes fizeram reportagens com as quais abasteceram o Portal. Cada 14

15 professor procurou aumentar o raio de ação da REBRAF através da sua área de atuação no mundo universitário. Prosseguimos os contatos e parceria com outra instituição de Ensino Superior, a Fundação Getúlio Vargas, especialmente através do Centro de Estudos do Terceiro Setor CETS-FGV, dirigido pelo Prof. Luiz Carlos Merege, engajando nossa rede na colaboração para a feitura do "Guia do Terceiro Setor". A necessidade de ampliar nossa comunicação levou-nos, na reformulação de nossa Diretoria Executiva, a criar uma Diretoria de Comunicação, a cargo do jornalista Moisés Rabinovici. Durante o ano a Diretoria da REBRAF atendeu a todos os jornalistas e radialistas que a procuraram, seja para entrevistas, seja para a produção de artigos, de tal modo que podemos dizer que nos projetamos nacionalmente, mormente através da mídia das nossas próprias afiliadas. Grupo Diapasão (Comunicação) 15

16 1- GRUPO DE AÇÃO AFIRMATIVA V- REBRAF / AÇÕES O grupo foi montado por representantes das entidades do Conselho Gestor da REBRAF e convidados, com o objetivo de organizar a capacitação do agente de ação afirmativa que fará parte dos Conselhos DEGRAU a serem instalados em todos os municípios, para o desenvolvimento do Programa Convivência e Aprendizado no Tr abalho. Entidades envolvidas: ANNE SULLIVAN; AACD; APABB; APABEX; AHIMSA; CARPE DIEM; FRSP; FUNDAÇÃO DORINA NOWILL; INSTITUTO BENEFICENTE SAPATARIA DO FUTURO; LARAMARA; PROMOVE. O grupo elaborou as recomendações para o Agente de Ação Afirmativa definindo seu perfil e suas atribuições e estuda agora o processo de orientação e procedimentos, em reuniões quinzenais. TOTAL de Reuniões: INSTITUTO PRÓ-BONO As instituições assistenciais e filantrópicas encontram-se quase sempre enredadas no cipoal das complexas leis de nosso país. Como se sabe, há leis que dificultam enormemente o cumprimento da nossa missão. Daí a necessidade de uma boa assessoria jurídica, se quisermos superar esse impasse e operar com eficiência. A recente implantação do Instituto Pró-Bono veio remediar grandemente essa sentida lacuna. Desde 2002 as entidades podem contar com um poderoso aliado, pois o Instituto Pró-Bono - uma das mais recentes conquistas da sociedade civil - permite que as entidades sem fins lucrativos recebam informações jurídicas gratuitas dos profissionais do Direito. A efetivação do Pró-Bono, cuja prática vinha sendo efetivada para a REBRAF desde a sua fundação pelo Escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados, tornou-se legalmente possível somente após a representação que o Dr. Roberto Quiroga Mosqueira (da REBRAF e do Conselho Gestor do DEGRAU) moveu contra a OAB-SP, assegurando para os advogados o direito de prestar assessoria gratuita às entidades assistenciais e filantrópicas. Desde então inúmeras entidades estão podendo se beneficiar dessa colaboração imprescindível para o seu bom desempenho. 3- GUIA DO 3º SETOR Orientador sócio econômico de trabalho das entidades do terceiro setor para troca de informações e pesquisas, facilitando a captação de recursos por parte das entidades e o investimento por parte dos patrocinadores. O foco desta ação que tem a REBRAF como uma das parceiras é a sistematização de informações atualizadas sobre o Terceiro Setor, visando a transparência e auxiliando a captação de recursos das entidades, através de um guia que será intitulado Mapa do Terceiro Setor e que será lançado no primeiro semestre do an o 2003, pelo Centro de Estudos do Terceiro Setor - CETS da Fundação Getúlio Vargas e parceiros. TOTAL de Reuniões: 15 16

17 4- GRUPO DE TRABALHO ELABORAÇÃO de PROJETOS O Grupo tem como objetivo elaborar projetos para captação de recursos e desenvolvimento dos programas definidos no Planejamento Estratégico da REBRAF. O grupo é constituído de técnicos voluntários provindos das organizações: - Associação Carpe Diem Isabel Francischi - Fundação Getúlio Vargas Márcia Hirata - Fundação ORSA Valéria dos Santos - REBRAF Christina Caldas / Luiz Alberto Nassif / Domingos Zamagna O Grupo desenvolveu os projetos Informática Solidária; Projeto Mobilização ACSP / REBRAF; Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho. 5- COMITÊ DE AÇÕES GOVERNAMENTAIS Grupo Elaboração de Projetos O Comitê foi criado pela REBRAF, com objetivo de realizar ações permanentes junto ao Governo Federal. Estas ações visam conseguir consolidar a legislação que dispõe sobre os direitos constitucionais das entidades beneficentes de assistência social, saúde e educação, de forma a eliminar a proliferação de normas inconstitucionais. Assim, resultou aprovada a criação do Sub-Comitê Jurídico, Sub-Comitê de Comunicação e Sub-Comitê de Ação, que serão constituídos em momento oportuno. Como primeiro ato do Comitê Especial, foi constituído o Sub-Comitê Jurídico. O presente órgão teve como encomenda inicial a construção do escopo legal a ser utilizado como subsídio pelo Comitê Especial na criação dos demais Sub-Comitês. O Sub-Comitê Jurídico é órgão permanente, constituído por profissionais da área do Direito indicados pelas entidades, e poderá ser convocado a qualquer tempo de acordo com as necessidades. Com a apresentação do relatório final do Sub-Comitê Jurídico ao Comitê Especial, foi instalada reunião com vista na constituição do Sub-Comitê de Comunicação e Sub-Comitê de Ação. O Sub-Comitê de Comunicação tem por finalidade ser o receptáculo de todas as informações. Estas informações serão processadas, organizadas e homogeneizadas e, em conseqüência, lançadas ao público interno e externo da REBRAF, em especial as entidades associadas. É constituído por profissionais específicos da área, indicados pelas entidades. 17

18 Quanto às ações diretas a se realizarem no Congresso Nacional e Poder Executivo, será constituído o Sub-Comitê de Ação coordenado por um profissional contratado para articular esforços junto aos Deputados Federais, Senadores, Presidente da Republica e demais representantes governamentais. Este Sub-Comitê, além do profissional contratado, será composto de pessoas indicadas pelas entidades que tenham amplitude de acesso nos Poderes Legislativo e Executivo. 6- ELEIÇÃO O primeiro triênio da gestão do Conselho Gestor, Conselho Fiscal, Mesa Diretora e Diretoria da REBRAF terminou em 31/12/2002. Por isso, foram planejadas e realizadas: uma Assembléia Geral Ordinária e uma reunião do Conselho Gestor para a eleição dos novos Conselheiros e Diretores de acordo com o estabelecido no Estatuto Social da REBRAF Assembléia Geral Ordinária - realizada em 07/11/02, para: - eleger, na forma do Art. 35 do Estatuto Social 50 entidades para compor o Conselho Gestor, sendo 40 titulares e 10 suplentes. O Conselho ficou assim constituído: Membros Titulares: AACC Associação de Apoio à Criança com Câncer; AACD Associação de Assistência à Criança Deficiente; AAEB Associação de Amigos dos Excepcionais do Brooklin; ABRASTA Associação Brasileira dos Talassêmicos; Associação Carpe Diem; ADEFIVI Associação dos Deficientes Físicos e Visuais de Mogi Guaçu; ADERE Associação para o Desenvolvimento, Educação e Recuperação do Excepcional; Ação Social Gonçalves Ledo; AHIMSA Associação Educacional para Múltipla Deficiência; APABB Associação de Pais e Amigos de Pessoas Portadoras de Deficiência dos Funcionários do Banco do Brasil; APABEX Associação de Pais Banespianos de Excepcionais; AOEB Associação Olimpíadas Especiais do Brasil; APROSES Assistência e Promoção Social do Exército da Salvação; Associação Lar Liberdade com Amor e Respeito à Vida; Associação Cruz Verde; Associação dos Amigos do Autista -ABRA-AMA-SP; AVAPE Associação pra a Valorizaçãpo e Promoção de Excepcionais; Centro Comunitário da Radonal e Adjacências CCRA; Centro Espírita Nosso Lar Casa André Luiz; Clube de Mães Teresa Teixeira; Cruzada Pró-Infância; FEASA Federação Brasileira das Instituições de Excepcionais; Federação Brasileira das Associações Cristãs de Moços FACM; Federação Brasileira de Patrulheirismo; FELASP Federação Israelita do Estado de São Paulo; FOS Federação das Obras Sociais; Fundação Dom Aguirre FDA; FDNC Fundação Dorina Nowill para Cegos; Fundação Obra de Prservação dos Filhos dos Tuberculosos; Fundação ORSA; FRSP Fundação de Rotarianos de São Paulo; Fundação São Paulo; Grupo pela VIDDA Valorização, Integração, Dignidade do Doente de Aids; Grupo Vida Barueri; Instituição Adventista Central Brasileira de Educação e Assistência Social IACBEAS; Instituição Beneficente Nosso Lar; Instituto Beneficente Viva a Vida; Instituto Presbiteriano Mackenzie. Suplentes: LACE Legião de Assistência à Criança; Lar Escola São Francisco Centro de Reabilitação; Liga das Senhoras Católicas de São Paulo; LARAMARA Associação Brasileira de Assistência ao Deficiente Visual; Lar São Vicente de Paulo de Itapetiininga; Pastoral do Menor de Alagoinhas; PROMOVE Ação Sócio-Cultural; UNIBES União Israelita do Bem Estar Social; União das Mulheres do Jardim São Paulo; USE União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo. - eleger na forma do mesmo Art. 35, seis entidades para compor o Conselho Fiscal, sendo três efetivos e três suplentes, ficando assim constituído: 18

19 Membros Titulares: Associação Vila Araguaia e Adjacências; ATEAL Associação Terapêutica de Estimulação Auditiva e Linguagem; FENASP Federação Nacional das Sociedades Pestalozzi. Suplentes: Associação Lar de Ismael - ALI; Lar Samaritano da Mãe Operária Creche Espírita; Sociedade Beneficente Equilíbrio de Interlagos SOBEI Reunião do Conselho Gestor - realizada em 05/12/02, para: - eleger e empossar de acordo com o Art. 23, Inciso II do Estatuto Social, a Diretoria. - eleger e empossar de acordo com o Art. 23, Inciso I o Presidente do Conselho Gestor que após eleito, indica os demais membros da Mesa Diretora. - Diretoria Executiva da REBRAF: Presidente: Rogério Amato (Associação Carpe Diem) 1º Vice-Presidente: Décio Goldfarb (Associação de Assistência à Criança Deficiente) 2º Vice-Presidente: Luiz Carlos Gonzaga (Federação das Associações Cristãs de Moços) Diretor Adm Financeiro: João Luís Augusto da Silveira (Ação Social Gonçalves Ledo) Diretor Secretário: Clodoaldo Lima Leite (Fed. Das Entidades Assist. de Stº André) Diretor de Integração: Moisés Iavelberg (Federação Brasileira de Patrulheirismo) Diretor Jurídico: Adílson J. J. Pereira (União das Soc. Espíritas do Estado de São Paulo) Diretor de Relações Públicas: Romeu Giora Júnior (Fundação de Rotarianos de São Paulo) Diretor de Comunicação: Moisés Rabinovici (Editor Executivo do Jornal da Tarde) - Mesa Diretora do Conselho Gestor: Presidente: Dorina Nowill (Fundação Dorina Nowill para Cegos) 1º Vice-Presidente: Eduardo de Barros Pimentel (Fundação de Rotarianos de São Paulo) 2º Vice-Presidente: Antônio Carlos Caruso Ronca (Fundação São Paulo) 1º Secretário: Marcos A. Gonçalves (Ass. para Valorização e Promoção do Excepcional) 2º Secretário: Maria Eliza Botelho Byington (Cruzada Pró-Infância) Nova Diretoria da REBRAF e Consultor Luiz Paulo Salomão² ²Luiz Paulo Salomão, médico, psicoterapeuta, especialista em dinâmica de grupo e relações humanas. Realiza trabalho de Consultoria, à Diretoria e Grupos de Trabalho da REBRAF, desde o início da Rede. 19

20 IV- RECURSOS HUMANOS A REBRAF no ano de 2002, contou com técnicos com contrato de Prestação de Serviços e Voluntários. Equipe Interna: Nº CARGO VÍNCULO C. HORÁRIA 01 Coordenadora Geral Contratado 40 hs 01 Técnico de Informática Contratado 40 hs Voluntários: Nº Categoria Função Área 46 Dirigentes de Entidades Representar as Entidades Conselho Gestor 06 Dirigentes de Entidades Representar as Entidades Conselho Fiscal 05 Empresários Dirigentes da Rede Diretoria 40 Representantes indicados por Entidades Apoiar as ações da REBRAF Gr de Trabalho Jornalistas,1 Web Master, Comunicação do PORTAL Grupo Diapasão 1 Analista de Sistemas 06 Advogados Orient. Jurídica/ Documentação Assessoria Jurídica -Empresários Grs. de Trabalho: 095 -Jornalistas -Repres. de Entidades -Universitários -Professores Responsabilidade em Projetos Específicos -Comitê de Ações Governamentais - PORTAL -Informática Solidária -Dirigentes de Organizações -Universidades Empresários - Autônomos - Técnicos Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho 01 - Consultor Facilitador de Grupos -Elaboração- Conselhos de Projetos Distritais/Municipais - Grupo Operacional - Diretoria/ Conselho Gestor/Grupos de Trabalho Esse quadro é freqüentemente modificado devido a participação de voluntários que se tornam parceiros de outros Projetos e Programas, quando necessário. 20

ESCOLA DO TRABALHO É A SOLUÇÃO!

ESCOLA DO TRABALHO É A SOLUÇÃO! O QUE É CONVIVÊNCIA E APRENDIZADO NO TRABALHO O Movimento Degrau, iniciativa conjunta da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (FACESP), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)

Leia mais

O QUE É CONVIVÊNCIA E APRENDIZADO NO TRABALHO

O QUE É CONVIVÊNCIA E APRENDIZADO NO TRABALHO O QUE É CONVIVÊNCIA E APRENDIZADO NO TRABALHO O Movimento Degrau, iniciativa conjunta da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (FACESP), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)

Leia mais

Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho

Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho M O V I M E N T O DEGRAU Desenvolvimento e Geração de Redes 9 O QUE É CONVIVÊNCIA E APRENDIZADO NO TRABALHO O Movimento Degrau, iniciativa conjunta da Federação

Leia mais

Relatório de Atividades 2001

Relatório de Atividades 2001 Rede Brasileira de Entidades Assistenciais Filantrópicas Relatório de Atividades 2001 1 Mensagem do Presidente Ao cabo de vinte e quatro meses de nossa eleição, nos parece ser possível analisar o desempenho

Leia mais

Relatório de Atividades 2004

Relatório de Atividades 2004 Rede Brasileira de Entidades Assistenciais Filantrópicas Relatório de Atividades 2004 1 Mensagem do Presidente É muito difícil, para o cidadão pouco informado, imaginar como é penoso o trabalho das instituições

Leia mais

Relatório de Atividades 2000

Relatório de Atividades 2000 Rede Brasileira de Entidades Assistenciais Filantrópicas Relatório de Atividades 2000 Nossa Missão: Congregar as organizações privadas de cunho social para que compartilhem e potencializem suas ações e

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS CONSELHOS DO DEGRAU

ORGANIZAÇÃO DOS CONSELHOS DO DEGRAU SUMÁRIO 1. Introdução 2. Protagonistas (Quem é Quem no Programa) 3. Passo a Passo para Formação do Conselho do Degrau 4. Exemplo de Regimento do Conselho do Degrau 2 INTRODUÇÃO Os adolescentes entre 14

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS Relatório de Atividades 2014 Sumário 1.0 Introdução - Pág 3 2.0 Quem Somos, Estatísticas, Valores - Pág 4 3.0 Projetos 2014 - Pág 5 a 15 3.1 Novo site - Pág 5 a 12

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 100 - ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS O Programa Escola do Legislativo tem como objetivo principal oferecer suporte conceitual de natureza técnico-científica

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Eventos Fehosp. Promovendo e fortalecendo as relações para o aprimoramento das ações na saúde.

Eventos Fehosp. Promovendo e fortalecendo as relações para o aprimoramento das ações na saúde. Eventos Fehosp. Promovendo e fortalecendo as relações para o aprimoramento das ações na saúde. Quem Somos A Fehosp Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes do Estado de São Paulo, é uma instituição

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos SEMINÁRIO REGIONAL DE SANEAMENTO RURAL Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos Campinas(SP), 23 de Junho 2015 Mobilização

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Municípios participantes Adrianópolis Bocaiúva do Sul Cerro Azul Doutor Ulysses Rio Branco do Sul Tunas do Paraná Itaperuçu Campo Magro Colombo Almirante Tamandaré

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Esse é o nome do jogo.

Esse é o nome do jogo. Esse é o nome do jogo. 23º CONGRESSO DE PRESIDENTES, PROVEDORES, DIRETORES E ADMINISTRADORES HOSPITALARES DE SANTAS CASAS E HOSPITAIS BENEFICENTES DO ESTADO DE SÃO PAULO 23ª MOSTRA DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS

Leia mais

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

Universidade Livre para a Eficiência Humana. Desenvolver e valorizar o ser humano nas empresas e sociedade

Universidade Livre para a Eficiência Humana. Desenvolver e valorizar o ser humano nas empresas e sociedade Universidade Livre para a Eficiência Humana Desenvolver e valorizar o ser humano nas empresas e sociedade MISSÃO Realizar ações inovadoras de inclusão social no mundo do trabalho, por meio do desenvolvimento

Leia mais

Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados.

Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Nossos serviços Nossa equipe atende empresas que investem em responsabilidade

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

2.2 São considerados passíveis de concorrer aos recursos (brinquedoteca e capacitação) desta Chamada Pública, as instituições que:

2.2 São considerados passíveis de concorrer aos recursos (brinquedoteca e capacitação) desta Chamada Pública, as instituições que: 1. APRESENTAÇÃO 1.1 O projeto Recrear defende a importância do Brincar para o desenvolvimento infantil. Por meio da brincadeira, uma criança aprende e desenvolve seu corpo, suas habilidades sociais, de

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015.

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015. REV.: 03 Pág.: 1 de 6 A Manaus Ambiental torna público que estão abertas as inscrições para a seleção de Instituições e Projetos Sociais para o 14º Dia do Voluntariado. A empresa realizará o processo de

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo III Gestão das Políticas Públicas Aula 5 Parcerias na gestão e execução

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -Principais serviços que a Assistência Social possui para atendimento de idosos: - Proteção Social Básica (atendimento preventivo) - Centro de Convivência do Idoso - atualmente

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

Centro Comunitário Vila Gaúcha. Projeto Experimental II

Centro Comunitário Vila Gaúcha. Projeto Experimental II Centro Comunitário Vila Gaúcha Projeto Experimental II Apresentação da Empresa O Centro Comunitário Vila Gaúcha presta atendimento regular em Educação Infantil, Serviço de Apoio Sócio Educativo, Trabalho

Leia mais

REDE DOS CMDCA s DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA TERMO DE ADESÃO

REDE DOS CMDCA s DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA TERMO DE ADESÃO REDE DOS CMDCA s DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA TERMO DE ADESÃO Os Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA s) da Região Metropolitana da Baixada Santista, Estado

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições.

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições. 1. No dia 4 de Dezembro, a União Distrital de Santarém em parceria com Segurança Social, levou a efeito o ultimo dos 5 encontros realizados em várias zonas do distrito, sobre o tema "Encontros de Partilha",

Leia mais

SOBRE A FÉRIAS VIVAS MISSÃO. Lutar pela conscientização e proteger vidas no turismo nacional. VISÃO

SOBRE A FÉRIAS VIVAS MISSÃO. Lutar pela conscientização e proteger vidas no turismo nacional. VISÃO SOBRE A FÉRIAS VIVAS A Associação Férias Vivas é a primeira ONG de âmbito nacional voltada para a segurança no turismo e no lazer. A organização foi criada em 2002 a partir da iniciativa de um grupo de

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

Elaboração de Projetos Sociais

Elaboração de Projetos Sociais Elaboração de Projetos Sociais Marco Antonio Pereira 18 DE JULHO DE 2009 Missão A Razão de Ser da organização. O por que ela existe. O para que ela existe. PROJETOS E... PROJETOS PROJETO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS VICE-GOVERNADORIA ATA DE REUNIÃO. CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS VICE-GOVERNADORIA ATA DE REUNIÃO. CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel ATA DE REUNIÃO Evento: Local: 2ª Reunião do Comitê Intersetorial de Políticas Públicas para a Juventude CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel Data: 20 de fevereiro de 2013 Horário: 15h00min Nesta

Leia mais

http://www.youtube.com/watch?v=h54vsr wwueo

http://www.youtube.com/watch?v=h54vsr wwueo http://www.youtube.com/watch?v=h54vsr wwueo Site:http://www.ccnma.org.br Coordenador: Carlos Sérgio Ferreira (coordenação cultura e identidade Afro brasileira) O Centro de Cultura Negra do Maranhão é uma

Leia mais

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania A União dos Vereadores do Estado de São Paulo UVESP, desde 1977 (há 38 anos) promove parceria com o Poder Legislativo para torná-lo cada vez mais forte, através de várias ações de capacitação e auxílio

Leia mais

O setor de Telecomunicações

O setor de Telecomunicações O setor de Telecomunicações Tem pouco tempo, por volta de 14 anos.(nasceu logo após a privatização das Teles) No Brasil existem mais de 20.000 empresas atuando no segmento de vendas de serviços e produtos

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES Projeto de Lei n 340/99 464 LEI N 4.864 DE 12 DE MARÇO DE 1999 Dispõe sobre a Política Municipal do Idoso, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES; FAÇO SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia INSTITUTO INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA TERMO DE REFERÊNCIA No. 012/2015 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. PROJETO Pontes para o Futuro 2. RECURSOS

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs?

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? QUATRO BARRAS 09/07/2007 Horário: das 13h às 17h30 Local: Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? Grupo 01:

Leia mais

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas Ano I Número 6 setembro 2014 3 Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias página 4 6 Encontro Prêmio São Paulo

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Chapa Universalizando atitudes, consolidando resultados é eleita

Chapa Universalizando atitudes, consolidando resultados é eleita BIÊNIO 2014/2016 Chapa Universalizando atitudes, consolidando resultados é eleita Associados de todo o Brasil elegeram, nos dias 5 e 6 de junho, a chapa Universalizando atitudes, consolidando resultados

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

10/2011 750364/2010 SDH/PR

10/2011 750364/2010 SDH/PR Cotação Prévia de Preço n 10/2011 Convênio nº 750364/2010 SDH/PR Projeto: Desenvolver processos de educação popular, visando a garantia dos direitos humanos e fortalecimento da cidadania, na perspectiva

Leia mais

SELO ORGANIZAÇÃO PARCEIRA DO CVSP 2009/2010

SELO ORGANIZAÇÃO PARCEIRA DO CVSP 2009/2010 1 2 A.A.C.C. - Associação de Apoio à Criança com Câncer A.A.C.D. - Associação de Assistência à Criança Deficiente 3 ABIC - Associação Beneficente Imaculada Conceição 4 ABRATA - Associação Brasileira de

Leia mais

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL Permite o apoio financeiro a projetos culturais credenciados pela Secretaria de Cultura de São Paulo, alcançando todo o estado. Segundo a Secretaria, o Proac visa a: Apoiar

Leia mais

MARIANA IMPLEMENTA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA

MARIANA IMPLEMENTA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA INFORMATIVO DEZEMBRO DE 2013 Acesse também: www.mariana.gov.br MARIANA IMPLEMENTA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA Promover a criação de um ambiente favorável para valorizar a micro e pequena empresa,

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 VISÃO GERAL Objetivo 1 - No âmbito da seção escoteira, apoiar a correta aplicação do método escoteiro, em especial as práticas democráticas previstas

Leia mais

MOVIMENTO DEGRAU. Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho UMA OPORTUNIDADE DO ADOLESCENTE SER CIDADÃO

MOVIMENTO DEGRAU. Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho UMA OPORTUNIDADE DO ADOLESCENTE SER CIDADÃO MOVIMENTO DEGRAU Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho UMA OPORTUNIDADE DO ADOLESCENTE SER CIDADÃO INICIATIVA FACESP Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo REBRAF Rede Brasileira

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2008

PLANO DE TRABALHO 2008 PLANO DE TRABALHO 2008 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1.1. NOME DA ENTIDADE: Casa de Nazaré Centro de Apoio ao Menor 1.2. Endereço: Rua Coronel Timóteo nº 350 1.3. Bairro: Cristal 1.4. Região CORAS: 05 1.5.

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Grupo A (Temas discutidos) - Como atrair a Comunidade para as propostas do Conselho da Comunidade?

Grupo A (Temas discutidos) - Como atrair a Comunidade para as propostas do Conselho da Comunidade? CONCLUSÕES DO I ENCONTRO DE CONSELHOS DA COMUNIDADE DA REGIÃO SUL DO BRASIL E DO III SEMINÁRIO DO PROJETO TRABALHO PARA A VIDA DA CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA DO RS, REALIZADO EM PORTO ALEGRE, EM 18 DE

Leia mais