Gestão na rede: o bloqueio do youtube

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão na rede: o bloqueio do youtube"

Transcrição

1 Gestão na rede: o bloqueio do youtube Débora Corrêa Chama 1 Resumo Através deste texto, os estudiosos da área de comunicação - especialmente aqueles interessados nas questões que emergem com as práticas na rede mundial de computadores - poderão encontrar subsídios para reflexões e debates com respeito à liberdade de ciberexpressão. Até que ponto existe uma ameaça às normas sociais de convivência? Há necessidade de elaboração de novas leis que alcancem a realidade virtual? A Internet deve ser um espaço de total liberdade de manifestação? O que pensam gestores da Internet e formadores de opinião no país e no mundo? Estas questões são pertinentes, uma vez que as ocorrências envolvendo a exposição das pessoas na rede vêm aumentando de forma considerável, como é o caso do bloqueio do site YouTube, após ação judicial movida pela apresentadora e modelo Daniela Cicarelli e por seu namorado, Tato Malzoni, objeto de atenção deste estudo. Palavras-chave: controles. internet. liberdade de expressão 1 Internet e controles Quem acessa a Internet hoje, se depara com os mais diversos temas, informações, imagens e conhecimento. Os grandes sites, dispostos a atrair a atenção de um número cada vez maior de internautas, vêm utilizando recursos como imagens, sons, vídeos, entrevistas em tempo real, entre outros, para divulgações de privacidade de pessoas famosas. Os próprios internautas, por sua iniciativa, divulgam, cada vez mais, imagens pessoais e confissões íntimas no Orkut ou em blogs/fotoblogs. O tema do controle na rede vem ganhando espaço nas discussões acadêmicas e políticas, levantando questões como: Deve haver limites à exposição na rede? Que Internet queremos para nossa sociedade? Este debate parece estar apenas no início. As preocupações com respeito à confidencialidade e integridade das informações veiculadas na rede mundial de computadores têm levado alguns países, incluindo o Brasil, a colocarem em pauta, no âmbito do poder legislativo, a questão da segurança e das práticas abusivas na rede. É de autoria do senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), o projeto sobre crimes cibernéticos que estabelece a obrigatoriedade de identificação dos usuários na rede. No entanto, este projeto, após causar polêmica no Congresso e várias discussões veiculadas nos principais jornais do país, acabou sendo retirado de votação em novembro de 2006 para que se pudesse modificar alguns pontos do projeto que não 1 Mestranda do Programa de Pós-graduação em Comunicação, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Unesp-Bauru.

2 encontraram respaldo para serem votados, especialmente no que se refere à identificação dos internautas. O matemático e cientista da computação americano Vinton Cerf, idealizador da Internet e criador dos protocolos que deram origem a toda a rede de computadores, expressou suas preocupações com respeito às essas questões envolvendo a segurança da comunicação e outras práticas que podem tornar-se abusivas. De acordo com Vinton 2, a Internet precisa evoluir para desenvolver novas formas de tratar tais questões. O problema é definir uma política que possa gerir todo este conjunto de informações, conhecimento e entretenimento, conciliando o respeito à liberdade de expressão. Em todo o mundo, estudiosos de todos os campos do conhecimento têm sua atenção voltada à expansão da cibercultura e seus efeitos no tecido social. Há os estudiosos otimistas, como Levy (2000) 3, que acreditam nas possibilidades abertas pelo ciberespaço em direção a um futuro promissor, no qual a humanidade terá a sua disposição uma enorme inteligência e um grande cérebro do mundo. Outros, como Kerchove (1995, p.113), são cautelosos e consideram, em seus estudos, a complexidade das relações na era da comunicação eletrônica, em que as fronteiras entre o público e o privado, o local e o global esmaeceram, pois os Estadosnação estão se integrando em outro nível histórico, no qual as formas tradicionais de identidade estão ameaçadas. Este autor também percebe o impacto do avanço das telecomunicações nas diferentes culturas, avaliando a importância da globalização na expansão das fronteiras culturais - criando uma nova cultura mundial - porém, identificando o problema da necessidade de preservar a regionalização, a manutenção das identidades e do sentimento de unidade, essenciais para manter um país ou uma empresa. 2 Era digital A rede mundial de computadores, representada pela Internet, tem possibilitado as mais diversas manifestações individuais e coletivas, desde seu início, na década de 90. Temos, portanto, uma revolução de aproximadamente 15 anos e um impacto transformacional equivalente a um século. 2 Entrevista concedida ao Jornal Folha de S.Paulo, suplemento Mais em 29/02/ Disponível em:

3 Mattelart (2000, p ), buscou em alguns de seus estudos, os antecedentes dos debates que deram sentido ao conceito de sociedade da informação. O sociólogo americano Daniel Bell, em 1979, foi o precursor da terminologia que denomina o novo tipo de sociedade baseada na informação, que para ele significa a estocagem, transmissão e o tratamento dos dados enquanto base de todas as trocas econômicas e sociais. Bell classifica a informação em três categorias: registro, programas e bibliotecas/demografia. Na categoria registro, inclui os seguros sociais, as operações bancárias e os créditos. Programas incluem reserva de passagens aéreas, planos de produção e elaboração de inventários, enquanto a categoria bibliotecas/ demografia abriga recenseamentos, pesquisas de opinião, estudos de mercado, boletins eleitorais, entre outros. A análise de Bell considera o conceito de desmaterialização do trabalho, num tipo de sociedade em que o valor do conhecimento substitui o valor propriamente dito. Tofler, especialista em previsões e cenários, já antecipava em 1980, uma sociedade completa, de cadência muito rápida, que repousaria sobre uma tecnologia extremamente avançada e um sistema de valores pós-materialista. Brzezinski, em fins da década de 60, também previu uma unificação acelerada do mundo, uma expansão das redes de informação e comunicação, tendo como o paísfarol (no sentido de iluminar este novo mundo) os Estados Unidos da América, pelo fato de este país comunicar-se mais do que qualquer outro (65% das comunicações mundiais passam por este país). No âmbito individual, as mudanças culturais também se manifestam velozmente e ultrapassam as fronteiras nacionais, globalizando costumes, experiências e, infortunadamente, violações de privacidade. Para Castells (1999, p.497), vivemos em uma sociedade em rede, que se tornou a atual forma de organização dessa sociedade, tendo como principal ingrediente de sua estrutura social a informação, e cujo encadeamento básico é realizado pelas redes, interconectadas através de um fluxo de imagens e de mensagens. De acordo com sua teoria, redes são sistemas abertos, dinâmicos, incorporam inovações desde que não sejam ameaças a seu equilíbrio e são capazes de suplantar o espaço e invalidar o tempo. A base material dessa nova configuração social está sendo remodelada a partir de uma revolução tecnológica concentrada nas tecnologias da informação, desde o final do século XX. Foram criadas novas relações econômicas, impulsionadas por uma

4 revolução tecnológica que tornaram as economias interdependentes globalmente, por todo o mundo. A economia fundamentada na informação conseguiu instalar-se em países culturalmente muito diferentes, acentuando seu caráter global. Por conseqüência mudaram também, além das relações econômicas entre empresas e países, as relações entre Economia, Estado e Sociedade, ocasionando drásticas mudanças sociais, tais como: sistemas políticos em crise de legitimidade, declínio da influência dos movimentos sociais, fim do emprego estável e aumento do emprego temporário, novo sistema de comunicação com linguagem digital/universal, novos fluxos de riquezas, imagens e de poder, inclusão das mulheres na força de trabalho e diminuição do Estado do Bem Estar Social. A emergência da Internet, a partir da ARPANET em 1960, nos Estados Unidos, impulsionou sobremaneira a microinformática e as engenharias com intenção comunicacional. Um sem número de transformações está a gerar um novo mundo, no qual a identidade pessoal se caracteriza, cada vez mais, pelo isolamento e enfraquecimento do sentido de pertença coletivo. O resultante de todos esses processos é uma sociedade caracterizada por uma estrutura social dominante, que é de rede, de economia globalizada com base informacional e culturalmente marcada pela crescente virtualização das relações sócioeconômicas, na qual as noções de tempo e espaço são redefinidas em função dos fluxos de informação, e não mais com relação ao passado e ao futuro. Castells (1999, p.111) argumenta ainda, que a globalização dos processos econômicos e até mesmo culturais é um grande movimento de conexão de tudo o que vale para a razão instrumental de mercado e ao mesmo tempo, de desconexão com tudo o que não vale para essa razão. O papel da tecnologia é fundamental no tocante à globalização. Segundo Castells, Harvey brooks e Daniel Bell (Castells, 1999, p. 49), a tecnologia deve ser entendida, enquanto uso de conhecimentos científicos para especificar as vias de se fazerem as coisas de uma maneira reproduzível, com potencial de expansão muito grande, pois possui capacidade de criar interface entre campos tecnológicos mediante uma linguagem digital comum, na qual a informação é gerada, armazenada, recuperada, processada e transmitida. O seu uso atual é potencializado, pois se realimenta pelo seu uso adicionado a mais inovação, criando dessa maneira, o chamado círculo virtuoso, no qual a tecnologia ao transformar a informação, age sobre todos os domínios da atividade humana possibilitando conexões infinitas entre diferentes domínios, entre elementos e agentes de tais atividades.

5 Nesse contexto tecnológico, o usuário da tecnologia digital pode se tornar também criador, e assim Castells (1999, p.51) nos diz que (...) pela primeira vez na história a mente humana é uma força direta de produção e não apenas um elemento decisivo no processo produtivo. O avanço dessa tecnologia digital se faz notar em todas as dimensões da vida social: da agricultura aos serviços, dos crimes à religião, da medicina ao curandeirismo, da ciência às loterias: tudo pode se interligar na rede, e, fora dela, milhões de pessoas, a maioria da população mundial, aparentemente não se encontra submetida aos seus ditames, pelo menos não se pensarmos em termos de inclusão digital 4. A questão da aceleração do tempo conjugada à quantidade cada vez maior de informações e à globalização, todavia, inclui a todos os indivíduos à mesma condição de vida planetária: seres viventes na era da comunicação digital. A vida na era da comunicação digital pode ser caracterizada, segundo Cebrian, como sendo um ambiente altamente conectivo: O resultado, em cerca de um par de décadas, será o de que um cidadão ativo de qualquer país desenvolvido encontrar-se-á ligado a esse universo por um cabo ou uma antena parabólica ou por um terminal sem fio junto de um repetidor. Graças a essas ligações poderá sentir-se membro de uma comunidade ampliada e, muitas vezes, virtual, com limites geográficos difusos ou inexistentes, hierarquias sociais a serem estabelecidas e normas a serem regulamentadas. (Cebrian, 1998, p. 47) A era digital encontrou sua perfeita combinação com a pós-modernidade. Com o crescimento populacional e o enfraquecimento das principais categorias definidoras da era moderna, o operariado e os capitalistas, estes últimos acabaram cedendo lugar a sistemas econômicos flexíveis e instáveis, enquanto os primeiros tornam-se sujeitos isolados na pós-modernidade, cada vez mais solitários em sua vida individualizada, de valores fluídos, informações abundantes e tempo veloz. A era pós-moderna, como a apresenta Baudrillard (1993, p.33), dissolve o vínculo social fazendo com que o coletivo se transforme em uma massa composta de átomos individuais, que segundo ele, são capazes de trocar facilmente uma manifestação política importante por um jogo de futebol na televisão. 4 No Brasil, somente 20% da população têm computador em casa e 13% têm acesso à Internet de casa, segundo dados da 2ª Pesquisa sobre uso da Tecnologia da Informação e da Comunicação no Brasil (TIC 2006).

6 3 Uma nova identidade? A globalização, como um todo, entendida em seus aspectos culturais e econômicos, coloca ao indivíduo inúmeras opções de consumo tanto de idéias quanto de produtos. Diante do paradoxo da expansão populacional, por um lado, e da fragmentação das famílias, por outro, o indivíduo percebe-se em um mundo cada vez mais imprevisível, e, portanto, inseguro. De acordo com Castells (2002, p. 25), a construção da identidade pelo sujeito tem sido uma das formas de resistência à fragmentação advinda dos efeitos globais. Essa identidade se define pelo reconhecimento desse sujeito enquanto ser com determinados atributos culturais construídos de modo a significar algo para si e para os outros. Tedesco (2002, p.74) considera a questão da construção da identidade um processo transformado de maneira substancial em nossos dias. Para ele, tradicionalmente a construção da identidade passava inicialmente pela família, na denominada socialização primária para ser complementada em seguida pela escola, a socialização secundária. Hoje a família não é mais capaz de realizar essa socialização primária. Com a entrada da mulher/mãe no mercado de trabalho e a remodelação das famílias, o cumprimento desta tarefa fica a cargo de outras instâncias, como a escola e a mídia.. É claro, que, em decorrência disto, a socialização primária não se cumpre, ao menos não como anteriormente. E o resultado disso, no campo social, são novas visões de mundo, novas relações com as instâncias coletivas e o enfraquecimento do sentido de pertencer a algo, seja à uma religião, à uma cidade ou à uma nação. A solidão do indivíduo incluído digitalmente é, muitas vezes, minimizada por sua relação com a Internet, que pode lhe propiciar uma segunda identidade, por vezes, muito mais interessante que a identidade real da pessoa. E se essa identidade cibernética lhes parece mais divertida, que dirá a imagem das celebridades na rede, ou como definiu Lopes, das personas midiáticas: As personas midiáticas são estes seres que povoam os corações e mentes contemporâneas. Misto de deuses e pessoas reais, elas vestem uma máscara para o consumo público. Os interesses que movem estes seres diáfanos não lhes pertencem. Apesar do dinheiro e da fama que portam, eles não são donos de suas vidas e precisam conviver com a estranheza da duplicidade de seus egos e histórias pessoais. Os investimentos na construção das personas é muito lucrativo, portando a razão instrumental do capital. Entretanto, não se pode construir estes seres impunemente. Eles acabam ganhando uma soturna autonomia relativa aos negócios envolvidos, sendo apropriados pelos

7 consumidores como deuses ou santos que desceram à Terra e que poderão os levar aos céus. (LOPES, 2005, p. 1) É este o caso de Daniela Cicarelli, desde seu casamento com o craque de futebol Ronaldo, como analisa o autor: Cicarelli, mineira de nascimento, antes de virar a madame fenômeno, já era conhecida do grande público como modelo e 'atriz' de várias peças publicitárias de sucesso. Portanto, não é fato que o casamento a tenha transformado em midiática. Certamente, o namoro e o matrimônio potencializaram e abriram ao mundo suas possibilidades de trabalho. Antes, ela já era do panteão das 'famosas', sendo já conhecida como objeto obscuro do desejo de milhões de adolescentes e marmanjos brasileiros. Antes de ser a senhora Ronaldo, a modelo circulava no jet set freqüentado por empresários ricos e modelos famosas. Sua imagem era recorrente nas mídias, pouco se sabendo de sua história pessoal. (LOPES, 2005, p. 1) Da condição de senhora Ronaldo, a modelo Daniela Cicarelli, após um conturbado período conjugal, passou a ser novamente apenas a celebridade Cicarelli, após a comentada separação do casal. O fato mais recente envolvendo a modelo foi a exibição de um vídeo, realizado por um fotógrafo paparazzi, no site do Youtube, em 2006, no qual a modelo e seu namorado, o empresário Tato Malzoni, namoravam, livres de qualquer inibição, em uma praia espanhola. A recente exposição de sua intimidade neste site e o bloqueio do mesmo pelo poder judiciário brasileiro tornaram-se substância combustível para a retomada do debate sobre a legitimidade ou não do estabelecimento de controles na rede. 4 Repercussões: o YouTube e Daniela Cicarelli O bloqueio do site YouTube foi determinado por liminar do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, após uma ação movida por Daniela Cicarelli e Tato Malzoni, fato que ocasionou reclamações de um grande número de internautas. As reclamações fizeram com que, em alguns dias, o juiz responsável pela determinação, Ênio Santarelli Zulianio, solicitasse o restabelecimento do acesso ao YouTube, excluindo a exibição do conteúdo que suscitou a demanda judicial. 5 Os argumentos a favor da proibição, que partem na maioria das vezes de juristas, desembargadores e promotores, consideram que a esfera digital não deve estar à parte 5 De acordo com MONACHESI, Juliana, jornal Folha de São Paulo, 14/01/2007.

8 das ocorrências do ambiente físico e temem que a falta de controle na rede leve à impunidade para crimes de todos os gêneros. Alguns gestores da Rede, como é o caso de Susan Crawford 6, defendem que a rede seja um ambiente de livre manifestação, e quaisquer censuras ou bloqueios serão ineficazes, pois os internautas sempre conseguirão encontrar maneiras de contornar tais bloqueios. Além do que, está em discussão a liberdade de expressão, que há nos Estados Unidos, garantia da Primeira Emenda. Os cientistas e filósofos tendem a opinião semelhante à dos gestores da rede, ressalvando, no entanto, que os crimes devam ser punidos, especialmente aqueles relacionados à pornografia infantil. 5 Considerações Finais A questão dos controles irá demandar, nos próximos anos, discussões mais aprofundadas e abrangentes entre os gestores da rede, legisladores, políticos e sociedade civil organizada. O fato é que a sociedade, como um todo, não pode desconhecer estas ocorrências e precisa se debruçar sobre elas, pois a Internet, segundo Zuffo (2007), (...) irá se tornar um bem público como a iluminação, como acontece em cidades como Boston, onde a própria prefeitura provê acesso gratuito à internet. 7 Assim como as informações, os crimes na rede têm aumentado. Nos últimos dez anos, os bandidos virtuais, têm atuado em todo o mundo, e as violações mais importantes registradas pela imprensa, tiveram relação com crimes de assédio sexual, pornografia, pedofilia, torturas, protestos, racismo, ameaças, terrorismo, roubos a contas bancárias e cartões de crédito, venda e apologia de drogas, entre outros. Segundo informações do PROCON 8 (Fundação de Defesa e Proteção do Consumidor), no Brasil o Legislativo começa a traçar rumos para tipificar os crimes cometidos via internet, como a pedofilia, invasão de computadores para roubo de dados confidenciais e outras fraudes do gênero. A posse de conteúdo pornográfico infantil no computador tem sido combatida pela Justiça Federal, que monitora os sites suspeitos na internet. 6 Professora de direito cibernético e direito das comunicações na Cardozo Law School, em Nova York, e diretora da Icann, a entidade internacional que coordena a internet. 7 Entrevista à Folha de São Paulo, 14/01/2007, suplemento Mais. 8 Disponível em: <http://www.procon.sp.gov.br>.

9 Segundo explica Paulo Quintiliano, chefe do serviço de perícia em informática do Instituto Nacional de Criminalística da PF, (...) diferente dos Estados Unidos, no Brasil só é possível efetuar prisão por pedofilia na internet se as imagens forem enviadas por ou se a pessoa for responsável pela publicação de site criminoso. A polícia federal coordenou uma operação em 11 estados do país, para efetuar a prisão de suspeitos com envolvimento em uma rede internacional de pedofilia. As fraudes em contas bancárias ocorrem com freqüência maior do que se veicula na imprensa. A operação Scam prendeu uma quadrilha, em fins de fevereiro deste ano, acusada de aplicar um golpe de mais de R$ 10 milhões em sete estados. As diligências e prisões vêm sendo feitas, mas a Polícia Federal se queixa de que o país não dispõe ainda de legislação especial que ampare de maneira efetiva suas ações no combate aos crimes na internet. A adoção de um sistema de controle mais rigoroso na rede mundial de computadores é tema de mais de 20 projetos de lei que tramitam no Congresso brasileiro. A Espanha comandou a Operação Azahar em mais de 30 países, no primeiro trimestre deste ano, no entanto, não ocorreram prisões significativas. A Convenção Européia, convênio entre países que definem procedimentos contra crimes na internet, tem como países signatários os países europeus, os Estados Unidos e o Canadá, o Japão e a África. No entanto, o Brasil ainda não participa deste acordo internacional, muito embora a Polícia Federal esteja envidando esforços junto aos ministérios da Justiça e das Relações Internacionais para que o país assine a Convenção. O acesso indevido a documentos confidenciais de órgãos públicos via computador é facilmente realizado pelos bandidos virtuais e não é passível de punição, pois a legislação prevê penas para destruição ou furto de documentos. Alguns deputados também têm se mobilizado para definir normas de acesso à internet, com assessoria da Polícia Federal. Propostas em trânsito na Câmara de Deputados em Brasília prevêem a responsabilização dos provedores que hospedam sites contraventores e de conteúdo duvidoso. Os senadores também têm se mobilizado com relação à estas questões, como o senador Eduardo Azeredo (PSDB/MG), já citado neste artigo. Um dos projetos que transita no Senado Federal desde 1990, trata de crimes cometidos na área de informática, com as punições cabíveis. A quebra de senhas confidenciais dá direito à interpelação judicial dos proprietários de provedores e de redes de computadores.

10 Outro projeto trata de ocorrências discriminatórias e de divulgação de preconceitos de qualquer tipo via internet. Quanto maior se torna a inclusão digital, maior se torna a complexidade das relações comerciais e sociais via Internet. Neste sentido, a sociedade precisaria se mobilizar para participar das políticas públicas de comunicação, como deseja Rebouças (2002, p.1-16). Para ele, entre os quatro atores sociais que podem pressionar o setor de comunicações para o estabelecimento de novas políticas, quais sejam: o Estado, a classe econômica, a sociedade civil organizada e os intelectuais, estes dois últimos, têm tido participação mínima na definição das políticas para o setor. Neste sentido, é necessário que estas forças se correlacionem em uma nova dinâmica, para que a sociedade civil organizada e os intelectuais possam manifestar-se e influir de fato nos rumos da política virtual e comunicacional no país. 6 Referências bibliográficas BAUDRILLARD, J. A sombra da maioria silenciosa: S. Paulo, Brasiliense, CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, O poder da identidade. A era da informação: economia, sociedade e cultura. 3ª ed., S. Paulo: Paz e Terra, 2002, vol. 2. CEBRIAN, J. L. A rede: como nossas vidas são transformadas pelos novos meios de comunicação. São Paulo: Summus, CHAMA, Débora C. Comunicação e suas relações na Sociedade e Política Contemporâneas. Trabalho apresentado no Intercom Sudeste 2006, Grupo de Trabalho: Políticas e Estratégias de Comunicação, Ribeirão Preto, 22 a 24/05/2006. Internet: compartilhamento de informações e de riscos. Trabalho apresentado no CELACOM 2006, Grupo de Trabalho: Pensamento Cibermidiático São Bernardo do Campo, 09 a 11/10/2006. KERCKHOVE, D. de. A pele da cultura: uma investigação sobre a nova realidade eletrônica. Lisboa: Relógio d Água, LOPES, Luís Carlos. Um casamento fenomenal: personas no mundo globalizado, La insígnia. Revista eletrônica, 28/02/2005. Disponível em: Acesso: dezembro de 2006.

11 LOPES, Roberta. Pesquisa mostra que cerca de 20% da população brasileira tem computador em casa, Observatório de Políticas Públicas de infoinclusão, 14/11/2006. Disponível em: Acesso: janeiro de LYOTARD, J. F. A condição pós-moderna, 6ª ed., Rio de Janeiro: José Olympio, MARTINS, Francisco M. e SILVA, Juremir Machado (Orgs). A genealogia do virtual: comunicação, cultura e tecnologias do imaginário. Porto Alegre, Sulina, REBOUÇAS, Edgard. Lobby nas políticas e estratégias de comunicações: a movimentação dos atores sociais no Brasil e no Canadá, in Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 27, Porto Alegre. Anais. São Paulo: Intercom, CD-ROM. TEDESCO, Juan Carlos. O novo pacto educativo: Educação, competitividade e cidadania na sociedade moderna. S. Paulo: editora Ática, 1998.

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO:

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: Hábitos de Navegação na Internet: será que nossos alunos e educadores navegam com segurança na Internet no Estado do Rio de Janeiro? REALIZAÇÃO:

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ALLAN ARDISSON COSSET DIEGO ALVES DE PAIVA ERICK SOUSA DAMASCENO HUGO NASCIMENTO SERRA RICARDO FRANÇA RODRIGUES Legislação Aplicada à Computação Crimes de

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET Luciana Cristina Ribeiro Pércope e Guilherme Domingos do Carmo Palavras-Chave: liberdade, internet,

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE - BRASIL: Hábitos de Navegação na Internet: será que nossos alunos e educadores navegam com segurança na Internet?

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE - BRASIL: Hábitos de Navegação na Internet: será que nossos alunos e educadores navegam com segurança na Internet? RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE - BRASIL: Hábitos de Navegação na Internet: será que nossos alunos e educadores navegam com segurança na Internet? REALIZAÇÃO: SaferNet Brasil APOIO: Ministério Público Federal

Leia mais

VOTO EM SEPARADO I RELATÓRIO

VOTO EM SEPARADO I RELATÓRIO VOTO EM SEPARADO Perante a COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 121, de 2008, do Senador Magno Malta, que proíbe as empresas de cartões

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS Os conteúdos listados abaixo são uma prévia dos temas e podem ser adequados ao cliente de acordo com o perfil e demanda da empresa/instituição.

Leia mais

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

O CONSUMO DE DROGAS DEVE SER DESCRIMINALIZADO?

O CONSUMO DE DROGAS DEVE SER DESCRIMINALIZADO? O CONSUMO DE DROGAS DEVE SER DESCRIMINALIZADO? (Revista Época nº 897 17/08/2015 pág. 57) Há nítida diferença entre o consumidor de drogas, levado ao vício pelo traficante, e este. O primeiro inicia-se

Leia mais

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO CIDADANIA PARA TODOS: PEDOFILIA NA INTERNET 1

PROJETO DE EXTENSÃO CIDADANIA PARA TODOS: PEDOFILIA NA INTERNET 1 PROJETO DE EXTENSÃO CIDADANIA PARA TODOS: PEDOFILIA NA INTERNET 1 Danielli Regina Scarantti 2, Lurdes Aparecida Grossmann 3. 1 Projeto de extensão Cidadania Para Todos realizado no curso de Graduação em

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O crime de divulgação de pornografia infantil pela Internet Breves Comentários à Lei 10.764/03 Demócrito Reinaldo Filho Foi publicada (no DOU do dia 13/11) a Lei Federal 10.764,

Leia mais

Propriedade Intelectual e a segunda tela: conteúdo autoral em qualquer lugar, a qualquer hora. Roberta Westin 26.08.14

Propriedade Intelectual e a segunda tela: conteúdo autoral em qualquer lugar, a qualquer hora. Roberta Westin 26.08.14 Propriedade Intelectual e a segunda tela: conteúdo autoral em qualquer lugar, a qualquer hora Roberta Westin 26.08.14 AGENDA O fenômeno da segunda tela O impacto para os usuários e o mercado Potenciais

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 1. EMENTA A Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, conhecido

Leia mais

CLAUDIO NAZARENO. Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia

CLAUDIO NAZARENO. Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia Comentários acerca do Projeto de Lei nº 2.126/11, que [e]stabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, o chamado Marco Civil da Internet CLAUDIO NAZARENO Consultor

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com atuação nacional, sem fins lucrativos ou econômicos,

Leia mais

Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira

Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira BRASIL 2 BRASIL (Dados IBGE, 2010 e Governo Federal, 2011) População: mais de 190 milhões de habitantes Brancos:

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA O Campus Passo Fundo do Instituto Federal Sul-rio-grandense, através do Centro de Informática,

Leia mais

CULTURA DIGITAL É CULTURA LIVRE?

CULTURA DIGITAL É CULTURA LIVRE? CULTURA DIGITAL É CULTURA LIVRE? Seminário: A cultura além do digital Recife: 06/12 e Rio:07/12 2 Para começar a debater o assunto, devemos nos lembrar que a questão é ainda muito recente no Brasil, o

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Trabalho sobre Marco Civil

Trabalho sobre Marco Civil CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIA, INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CEEP/TIC MUNICÍPIO: LAURO DE FREITAS DIREC: 1B Inclusão digital Professora Milena Matos Trabalho sobre Marco Civil O Marco

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS REDES SOCIAIS E SEU PAPEL NA SOCIEDADE

A INFLUÊNCIA DAS REDES SOCIAIS E SEU PAPEL NA SOCIEDADE A INFLUÊNCIA DAS REDES SOCIAIS E SEU PAPEL NA SOCIEDADE Arthur de Alvarenga Barros 1 Michelle Fernanda Alves do Carmo 2 Rafaela Luiza da Silva 3 RESUMO Com base nos textos disponibilizados pela disciplina

Leia mais

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da 1 SUGESTÕES PARA UMA POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO COMITÊ DE POLÍTICAS DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO (CPCOM), REUNIÃO DE 30 DE MARÇO DE 2011 Redesenhado a partir da Constituição

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra

um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra REVISTA DIGITALKS. ano 01. número 02 um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra #Content marketing 11 passos

Leia mais

Relatório do Portal Rádio Margarida do 2º trimestre de 2011

Relatório do Portal Rádio Margarida do 2º trimestre de 2011 O portal da Rádio Margarida em Defesa dos Direitos de Crianças e Adolescentes na Amazônia já está online desde fevereiro de 2010. O objetivo do veículo é disponibilizar materiais educativos que contribuam

Leia mais

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET ESTUDO CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' Lewandowski critica voto secreto no Congresso Para ministro do Supremo, "esse modo de pensar é incompatível com a Constituição" 'Sessão secreta não é compatível

Leia mais

Poder e Ciberespaço. É para mim um privilégio poder proferir as palavras de abertura de mais um importante seminário organizado pelo nosso CAE/CPLP;

Poder e Ciberespaço. É para mim um privilégio poder proferir as palavras de abertura de mais um importante seminário organizado pelo nosso CAE/CPLP; Poder e Ciberespaço Excelências Exmos Srs Convidados É para mim um privilégio poder proferir as palavras de abertura de mais um importante seminário organizado pelo nosso CAE/CPLP; Felicito o seu Director

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PO - PSI 1ª 1/9 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 4. CONCEITOS/CRITÉRIOS GERAIS... 2 5. DIRETRIZES... 3 6. RESPONSABILIDADES... 3 6.1 Todos

Leia mais

Resumo executivo. Metodologia. versus RESUMO EXECUTIVO DO EMC PRIVACY INDEX

Resumo executivo. Metodologia. versus RESUMO EXECUTIVO DO EMC PRIVACY INDEX Privacidade versus Conveniência Resumo executivo As manchetes sobre privacidade na Internet estão fomentando um debate sobre quanto de acesso governos e empresas devem ter a atividades, comunicações e

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO POR MEIO ELETRÔNICO DE CADASTRO DE CURRÍCULO E VAGAS (USUÁRIO GRATUITO)

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO POR MEIO ELETRÔNICO DE CADASTRO DE CURRÍCULO E VAGAS (USUÁRIO GRATUITO) CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO POR MEIO ELETRÔNICO DE CADASTRO DE CURRÍCULO E VAGAS (USUÁRIO GRATUITO) Este Contrato disciplina os termos e condições mediante as quais o Liceu Braz Cubas com sede em

Leia mais

TERMO DE USO WEBMAIL ANFIP

TERMO DE USO WEBMAIL ANFIP 1 CONDIÇÕES GERAIS TERMO DE USO WEBMAIL ANFIP 1.1. A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ANFIP, por meio da presente regulamentação, doravante denominada TERMO DE USO,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE TI

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE TI POLÍTICA DE SEGURANÇA DE TI 1 ÍNDICE 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 3 2. PROPÓSITO... 3 3. ABRANGÊNCIA... 3 4. DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 5. DAS DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS... 6 6. DOS COMPROMISSOS... 8 7. DOS

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 1.167, DE 2007 (Apensos os PL's 3.773/08 e 4.056/2008)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 1.167, DE 2007 (Apensos os PL's 3.773/08 e 4.056/2008) 1 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 1.167, DE 2007 (Apensos os PL's 3.773/08 e 4.056/2008) Acrescenta inciso IV ao 1º e 3º ao art. 241 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 Estatuto

Leia mais

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012 2015 Controle de Revisão Ver. Natureza Data Elaborador Revisor

Leia mais

Monitoramento Eletrônico. Sugestões para controle de e-mails e recursos tecnológicos

Monitoramento Eletrônico. Sugestões para controle de e-mails e recursos tecnológicos Monitoramento Eletrônico Sugestões para controle de e-mails e recursos tecnológicos Monitoramento Eletrônico Sugestões para controle do uso de e-mails e recursos tecnológicos em benefício da empresa e

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES Uma reflexão sobre a rede mundial de computadores 549 UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES por Guilherme Paiva de Carvalho * CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet,

Leia mais

C0NTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO TROPA DE ELITE POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL

C0NTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO TROPA DE ELITE POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL C0NTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO TROPA DE ELITE POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL 1. CONHECIMENTOS GERAIS 1.1. LÍNGUA PORTUGUESA: 1. Compreensão e intelecção de textos. 2. Tipologia textual. 3. Ortografia

Leia mais

ABUSO ON LINE E PORNOGRAFIA INFANTIL PELA INTERNET

ABUSO ON LINE E PORNOGRAFIA INFANTIL PELA INTERNET ABUSO ON LINE E PORNOGRAFIA INFANTIL PELA INTERNET A internet está cada vez mais presente na vida de crianças e adolescentes Atualmente, milhões de usuários estão conectados à internet em todo o mundo,

Leia mais

PEDOFILIA: UM VERDADEIRO CÂNCER SOCIAL. Senhoras Deputadas, Senhores Deputados,

PEDOFILIA: UM VERDADEIRO CÂNCER SOCIAL. Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, 1 Discurso proferido pelo Deputado Geraldo Resende (PMDB/MS) em Sessão no dia 05/11/2008. PEDOFILIA: UM VERDADEIRO CÂNCER SOCIAL Senhor presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, É triste nos

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL

SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL SOCIEDADE VIRTUAL: UMA NOVA REALIDADE PARA A RESPONSABILIDADE CIVIL FABRICIO DOS SANTOS RESUMO A sociedade virtual, com suas relações próprias vem se tornando uma nova realidade para a responsabilidade

Leia mais

O IMPACTO SOCIAL DA INTERNET

O IMPACTO SOCIAL DA INTERNET O IMPACTO SOCIAL DA Miguel Gomes da Costa Junior Rede de milhões de computadores de todo o mundo interligados por linhas telefônicas, fibra ótica e satélites. Poderosa fonte de informação e comunicação

Leia mais

Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil

Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil Combatendo Crimes Cibernéticos Proteção Legal no Brasil André Machado Caricatti Jorilson da Silva Rodrigues Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil Objetivo do Trabalho Utilizar um modelo de referência

Leia mais

Filosofia Professor: Larissa Rocha c)

Filosofia Professor: Larissa Rocha c) Globalização, Mídia e Consumo 1. A reportagem apresenta uma reflexão acerca das possibilidades e limitações do uso das novas tecnologias no ativismo político no mundo atual. As limitações existentes para

Leia mais

NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR

NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR Apelidada de Lei Carolina Dieckmann, a Lei nº 12.737, de 30 de novembro de 2012, entrou em pleno vigor no último dia 3 de abril de 2013, alterando o Código

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

BARREIRAS ALÉM DA INTERNET

BARREIRAS ALÉM DA INTERNET BARREIRAS ALÉM DA INTERNET Resumo: O tema liberdade na internet tem atraído a atenção de muitas pessoas que se encontram envolvidas com o mundo virtual. O aumento do número de usuários, bem como a melhora

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

Marco Civil da Internet Herói ou vilão?

Marco Civil da Internet Herói ou vilão? II Workshop de Tecnologia de Redes do Ponto de Presença da RNP no Paraná Marco Civil da Internet Herói ou vilão? Curitiba - PR, 18 de setembro 2015 Apresentação: Omar Kaminski http://marcocivildadepressao.tumblr.com

Leia mais

http://www.senado.gov.br/sf/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=63967 2

http://www.senado.gov.br/sf/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=63967 2 A OBRIGAÇÃO DO PROVEDOR DE IDENTIFICAR O USUÁRIO QUE ACESSA A INTERNET aspecto do substitutivo do Sen. Eduardo Azeredo que precisa ser discutido com mais racionalidade Demócrito Reinaldo Filho Juiz de

Leia mais

Perícia Computacional Forense. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Perícia Computacional Forense. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Perícia Computacional Forense gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Perícia Computacional Forense gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br 3 Agenda» A nova Economia» Segurança da

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

1. DEFINIÇÕES: Para os fins destes Termos de Uso e Política de Privacidade, consideramse:

1. DEFINIÇÕES: Para os fins destes Termos de Uso e Política de Privacidade, consideramse: TERMOS DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE O Itaú Unibanco S.A. ( Itaú Unibanco ) estabelece nestes Termos de Uso e Política de Privacidade as condições para utilização dos sites (incluindo o internet banking)

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Objetivo: Definir responsabilidades e orientar a conduta dos profissionais e usuários de informática da FECAP na utilização dos recursos computacionais,

Leia mais

www.internetsul.org.br Prefeituras Parceria e Oportunidade Provedor X Mantenedor Porto Alegre Wireless Março/2008

www.internetsul.org.br Prefeituras Parceria e Oportunidade Provedor X Mantenedor Porto Alegre Wireless Março/2008 Internetsul www.internetsul.org.br Prefeituras Parceria e Oportunidade Provedor X Mantenedor Porto Alegre Wireless Março/2008 Objetivos 1 Inclusão Digital / Social 2 Prefeituras 3 Parcerias e Oportunidades

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. RUY CARNEIRO) Dispõe sobre diretrizes gerais e normas para a promoção, desenvolvimento e exploração da atividade de computação em nuvem no País. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA Para a QUAY, o Código de Ética e Conduta evidencia o propósito da empresa de buscar o constante aperfeiçoamento de seus valores, respeitando a

Leia mais

Abuso Sexual de Crianças e Adolescentes

Abuso Sexual de Crianças e Adolescentes Quebrando Tabus Abuso Sexual de Crianças e Adolescentes Maio de 2008 Lauro Monteiro Médico Pediatra Editor do Observatório da Infância www.observatoriodainfancia.com.br Importância de Vitória Vésperas

Leia mais

FICHA DE CADASTRO DE USUÁRIO:

FICHA DE CADASTRO DE USUÁRIO: FICHA DE CADASTRO DE USUÁRIO: www.condominio-on-line.com Email: * CPF / CNPJ: * Nome: * Apelido: Morador: Proprietário [ ] Inquilino [ ] * Complemento: * Tel. Celular: (Visão - Síndico) Tel. Residencial:

Leia mais

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014;

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Projeto de resolução da Seção IV Preâmbulo: Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Baseados no

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CÉSAR BORGES

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CÉSAR BORGES PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 121, de 2008, que proíbe as empresas de cartões de pagamento de autorizarem

Leia mais

PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) Curso de Internet para Profissionais de Saúde

PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) Curso de Internet para Profissionais de Saúde PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) INTRODUÇÃO UNIDADE 1 Módulo 1: Curso de Internet para Profissionais de Saúde Internet e a Ciência O papel da internet na formação dos profissionais

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Segurança a da Informação Aula 02. Aula 02

Segurança a da Informação Aula 02. Aula 02 Segurança a da Informação 26/9/2004 Prof. Rossoni, Farias 1 Segurança a da Informação é: Cultura, Cidadania, Desenvolvimento pessoal e social, Competitividade, Influência e poder, Imprescindível para a

Leia mais

VI Seminário Nacional de Perícias em Crimes de Informática Perícia de Informática no Combate à Pedofilia Itamar Almeida de Carvalho Perito Criminal Federal Serviço de Perícias em Informática Instituto

Leia mais

Segurança de Dados. Relatório de Segurança de Dados, Inteligência de Mercado

Segurança de Dados. Relatório de Segurança de Dados, Inteligência de Mercado Segurança de Dados Segurança de dados e sigilo de informações ainda é um tema longe de ser solucionado no Brasil e no Mundo. A cada novo dispositivo lançado, cada nova transação bancária ou a cada novo

Leia mais

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 Fabiana Rikils 2 Elói Martins Senhoras 3 A internet tem produzido uma crescente transformação fática na sociedade global que repercute em diferentes

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE ATENDIMENTO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES USUÁRIOS DE DROGAS ENCAMINHAMENTOS DECORRENTES DE SEMINÁRIO ORGANIZADO PELA COORDENADORIA DA INFÂNCIA

Leia mais

A Sua Excelência o Senhor Deputado Federal RÔMULO GOUVEIA DD. Presidente da Comissão Especial do PL 1.775/2015

A Sua Excelência o Senhor Deputado Federal RÔMULO GOUVEIA DD. Presidente da Comissão Especial do PL 1.775/2015 Nota Técnica ADPF/ANPR/AJUFE Registro Civil Nacional (RCN) Proposição: PL 1.775/2015 Ementa: Dispõe sobre o Registro Civil Nacional - RCN e dá outras providências. Explicação da Ementa: Revoga a Lei nº

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Liberdade de Expressão! Para quem? Marco internacional

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA 1 REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX Empresa XX LTDA A EMPRESA XX LTDA, através de seu Comitê de Tecnologia da Informação, órgão responsável pela normatização e padronização

Leia mais

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS Carlos Jerônimo da Silva Gueiros Um mundo em transformação 1998 / 1999 Mutirão Digital apoiar as escolas públicas no acesso à Internet 2010-12 anos depois...

Leia mais

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados o direito que cada um tem sobre seu nome, sua imagem, sua intimidade, sua honra e sua reputação, sua própria biografia, e

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO e INFORMÁTICA Audiência Pública sobre Conteúdo Audiovisual

Leia mais

Leitura do relatório sintético das trilhas elaborado pela Comissão de Sistematização e Relatores

Leitura do relatório sintético das trilhas elaborado pela Comissão de Sistematização e Relatores OBJETIVOS E ATIVIDADES O objetivo da foi possibilitar a consolidação e visualização das reflexões e contribuições do conjunto de todas as cinco trilhas, facultando aos participantes pronunciamentos relacionados

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

Questões Jurídicas no Marketing Digital

Questões Jurídicas no Marketing Digital Questões Jurídicas no Marketing Digital Camilla do Vale Jimene INTRODUÇÃO Existe legislação específica para o ambiente eletrônico? Ambiente eletrônico é um novo território ou apenas um meio de praticar

Leia mais

100 vezes Boletim. nº 100 - Brasília, 05 de Setembro de 2008

100 vezes Boletim. nº 100 - Brasília, 05 de Setembro de 2008 nº 100 - Brasília, 05 de Setembro de 2008 100 vezes Boletim Você acaba de receber o Boletim Digital de número 100. Esse veículo vem contando, há quase dois anos e meio, a história da consolidação da Infra

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

Palavras- Chave: Comunicação organizacional, evolução das tecnologias de informação e o uso da internet.

Palavras- Chave: Comunicação organizacional, evolução das tecnologias de informação e o uso da internet. A adequação da comunicação nas organizações de acordo com o progresso das novas tecnologias ¹ Vanessa Rodrigues Silveira² Universidade Católica de Pelotas Resumo: As mudanças ocorridas com a valorização

Leia mais

Trilha IV Internet e Direitos Humanos

Trilha IV Internet e Direitos Humanos Trilha IV Internet e Direitos Humanos Temas e Posicionamentos Exposições das(os) Painelistas Posicionamentos Cláudio Machado (APAI-CRVS Programa Africano p/ Fortalecimento Registro Civil, terceiro setor)

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais