INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA SEÇÃO DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DE TRANSPORTES FERROVIÁRIO DE CARGA MRS / VALE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA SEÇÃO DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DE TRANSPORTES FERROVIÁRIO DE CARGA MRS / VALE"

Transcrição

1 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA SEÇÃO DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DE TRANSPORTES FERROVIÁRIO DE CARGA MRS / VALE MARCELO MORAES NEVES UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO PARA ESTUDO DE PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO DE COMPONENTES DE VAGÕES NAS OFICINAS DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA A MINAS Rio de Janeiro 2008

2 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DE TRANSPORTES FERROVIÁRIO DE CARGA MRS / VALE MARCELO MORAES NEVES UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO PARA ESTUDO DE PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO DE COMPONENTES DE VAGÕES NAS OFICINAS DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA A MINAS Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Transportes Ferroviário de Carga do Instituto Militar de Engenharia, como requisito para diplomação. Orientador: Prof. Altair Ferreira Filho, Dr. Tutor: Eng. Eduardo Santana Rio de Janeiro 2008 ii

3 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Praça General Tibúrcio, 80 Praia Vermelha Rio de Janeiro - RJ CEP: Este exemplar é de propriedade do Instituto Militar de Engenharia e da VALE (COMPANHIA VALE DO RIO DOCE), que poderá incluí-lo em base de dados, armazenar em computador, microfilmar ou adotar qualquer forma de arquivamento. É permitida a menção, reprodução parcial ou integral e a transmissão entre bibliotecas deste trabalho, sem modificação de seu texto, em qualquer meio que esteja ou venha a ser fixado, para pesquisa acadêmica, comentários e citações, desde que sem finalidade comercial e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e do orientador. iii

4 AGRADECIMENTOS Agradeço à VALE (Companhia Vale Rio Doce) pela oportunidade, patrocínio e crédito na construção deste trabalho. Ao Instituto Militar de Engenharia (IME), meus sinceros agradecimentos pela hospitalidade e ensinamentos transmitidos. Ao Prof. Dr. Alatir Ferreira Filho, Dr. Luiz Antônio Silveira Lopes e ao Sr. Manuel Mendes, muito obrigado pelos incentivos, conselhos e amizade que formaram um dos pilares deste curso. E aos demais professores, que de alguma forma contribuíram na elaboração desse trabalho. Aos meus pais e esposa, pelo amor, incentivo e por confiarem sempre em mim. Aos colegas de turma deste curso que além de sermos colegas de trabalho, construímos uma amizade para vida toda. 1

5 SUMARIO 1. INTRODUÇÃO O Problema Objetivo Justificativa REFERENCIAL TEÓRICO A VALE Sistema Produtivos Transporte Ferroviário Estrada de Ferro Vitória a Minas EFVM OFICINA DE VAGÕES DA VALE Oficina de materiais rodantes Casa de rodas Oficina de materiais fundidos Oficina de válvulas de freio Manutenção Manutenção Corretiva Manutenção Preventiva Manutenção Preditiva Manutenção Detectiva Engenharia de Manutenção Pesquisa Operacional Simulação Computacional Definições Aplicabilidade Modelos de Simulação Vantagens da Simulação Limitações da Simulação Terminologia Arena ESTUDO DE CASO Definição do Problema Manutenção de Vagões

6 3.3. Simulação Definição do problema Identificação das variáveis Coleta de dados Construção do modelo Validação e verificação Simulação e análise dos resultados Propostas BIBLIOGRAFIA

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 01 Comparação dos sistemas ferroviários no mundo Figura 02 - Mapa do Sistema Ferroviário Nacional Figura 03 Oficina de Vagões de Tubarão Figura 04 Lay-out da Oficina de Vagões de Tubarão Figura 05 Casa de rodas de Tubarão Figura 06 Torno de rodas automatizado Figura 07 Perfil da roda Figura 08 Reperfilamento de rodeiros Figura 09 Torqueamento de parafusos Figura 10 Fadiga em rolamentos Figura 11 Falha de rolamento Figura 12 Bancada para auxílio na montagem de truque Figura 13 Acidente causado por quebra de lateral Figura 14 Frame Brace / conceito Figura 15 Bancada de teste de válvula de controle Figura 16 Esquema de sistema de freio Figura 17 Teste de single car manual e automático Figura 18 Esticão seguido de acidente Quadro 01 Tipos de manutenções em vagões Quadro 02 Serviços executados por plano de manutenção Figura 18 Fluxo de recuperação de truques Figura 19 Fluxo de manutenção de rodeiros Figura 20 Fluxo de recuperação de válvulas Figura 21 Quadro utilizado para coleta de dados Figura 23 Resultado do Imput Analyser do processo de recuperação de lateral Figura 24 Resultado do Imput Analyser do processo de montagem de truques Figura 25 Resultado do Imput Analyser do processo de inspeção de truques Figura 25 Modelo casa de rodas Figura 26 Modelo Recuperação de truques Tabela 01 Comparação de valores coletados x dados do relatório do Arena

8 Tabela 02 Resultados obtidos após a simulação do cenário atual da oficina Tabela 03 Resultados obtidos após a simulação do cenário Tabela 04 Resultados obtidos após a simulação do cenário

9 LISTA DE ABREVIATURAS EFVM Estrada de Ferro Vitória a Minas EFC Estrada de Ferro Carajás FCA Ferrovia Centro Atlântica ES Espírito Santo MG Minas Gerais MA Maranhão Mta Milhões de toneladas por ano SIC - Sistema de Informações a Clientes EDI - Troca Eletrônica de Dados GAVAG Gerência de Manutenção de Vagões PO - Pesquisa Operacional MPVM01 Manutenção Preventiva Vagão Minério 01 MPVM02 Manutenção Preventiva Vagão Minério 02 FDCI Plano de Cilindro de Freio FVS Plano de Freio para Válvula de Serviço FVE Plano de Freio para Válvula de Emergência FAJ Plano de Freio para Ajustador CCT Plano do Conjunto de Choque-Tração IC - Intervalo médio entre chegadas de rodeiros ferroviários TA - Tempo médio de Atendimento NA - Número de funcionários por cada atividade TF - Tempo de permanência do rodeiro em cada atividade do processo NF - Número médio de rodeiros produzidos ρ - Taxa de ocupação das atividades 6

10 RESUMO 7

11 ABSTRACT 8

12 1. INTRODUÇÃO 1.1. O Problema O intenso mercado competitivo que as empresas vivenciam atualmente obriga que as mesmas busquem uma posição mais privilegiada ou até mesmo a sua sobrevivência através do aumento constante da produtividade associada a um menor custo de produção. Isso significa sistemas produtivos mais enxutos, menos desperdícios, mantendo a qualidade e a garantia da satisfação dos clientes, principalmente no setor de serviços. A velocidade do fluxo de informações juntamente com a integração dos sistemas faz com que os mesmos sofram uma forte influência no ambiente onde estão inseridos. Conforme CARVALHO e PORTO (2001, p. 1), essa influência é conseqüência da globalização que une mercados, cria fluxo de informações mais rápidas e mais eficientes. Com o aumento da demanda do minério de ferro no mercado mundial, obteve-se um crescimento da capacidade de produção e transporte deste material traduzido em investimentos tecnológicos como melhoria da condição operacional da via permanente, aquisição de material rodante (frota de vagões e locomotivas) bem como a recuperação da frota sucateada, nova tecnologias de controle de tráfego, visando aumento da produtividade, segurança e confiabilidade das operações, capacitação empresarial e desenvolvimento de seus profissionais. A filosofia da manutenção, definida por um conjunto de princípios para a organização e execução da manutenção, delimitado por uma política de manutenção bem detalhada com as descrições das inter-relações entre os escalões da manutenção, os níveis de intervenção e os níveis de manutenção a serem aplicados para a manutenção de um item, são responsáveis pelos resultados da empresa e pelo cumprimento dos objetivos da manutenção, ou seja, garantir a máxima 9

13 disponibilidade e confiabilidade operacional nos níveis necessários aos planos de produção, com custo otimizado e atendendo às necessidades de qualidade, segurança e preservação do meio ambiente. O sistema de gestão, fator fundamental para a eficiência da manutenção, é formada por um conjunto de procedimentos e controles necessários às diversas atividades de manutenção, devidamente informatizados e consolidados em um ou mais manuais ou padrões da empresa, com a descrição dos procedimentos e controles que devem ser utilizados pela manutenção. Devem ser considerados alguns fatores determinantes para um sistema de gestão da manutenção: a) Filosofia e Estratégias de Manutenção Dependem essencialmente do desenvolvimento tecnológico, da cultura da empresa, da sua área de manutenção, das necessidades operacionais da produção e das diretrizes da empresa. b) Estrutura Organizacional Tipo de estrutura organizacional considerando também as condições da utilização da mão-de-obra própria e terceira e a participação da operação na manutenção modificam bastante o sistema gerencial; O organograma de manutenção, no que diz respeito à distribuição de funções, disponibilidade de pessoal, programação e controle, causa grande impacto no sistema de manutenção. c) Desenvolvimento Tecnológico É o principal fator que atua diretamente sobre o sistema; Desenvolvimento crescente de novas tecnologias de manutenção, rápidas mudanças nos sistemas de informações (software, hardware) em virtude 10

14 da evolução contínua e acelerada da área de informática e o nível de capacitação técnica do pessoal de manutenção. Dentre as inúmeras áreas de atuação para a garantia da eficiência da gestão da manutenção, escolhemos como fruto deste estudo à utilização de técnicas e teorias que proporcionem aumento de produtividade utilizando o software Arena como uma ferramenta de simulação, para analise dos processos de recuperação de componentes de freio, truques e rodeiros ferroviários na EFVM. Dentro desse enfoque, a simulação aparece como uma poderosa técnica de analise na solução de diversos problemas, relacionados a processos, manufaturas, etc. Um estudo de simulação permite, entre outras possibilidades que se façam analises de um sistema que ainda não existe, obtendo informações importantes para o objetivo do estudo realizado. Isso se faz através da construção de um modelo lógico matemático, que represente de forma satisfatória o sistema real. Simulação é a técnica de estudar o comportamento e reações de um determinado sistema através de modelos, que imitam na totalidade ou em parte as propriedades e comportamentos deste sistema em uma escala menor, permitindo sua manipulação e estudo detalhado. A evolução vertiginosa da informática nos últimos anos tornou o computador um importante aliado da simulação. A simulação por computador é usada nas mais diversas áreas, citando como exemplos as análises de previsão meteorológica, dimensionamento de call centers, treinamento de estratégia para militares e pilotagem de veículos ou aviões. Até mesmo o estudo aerodinâmico, antes feito por maquetes, pode ser realizado agora pelo computador. A simulação de processos permite que se faça uma análise do sistema em questão sem a necessidade de interferir no mesmo. Todas as mudanças e conseqüências, 11

15 por mais profundas que sejam, ocorrerão apenas com o modelo computacional e não com o sistema real. Trata-se de um estudo de baixo custo, visto que todo o trabalho de implementação é testado no computador, permitindo ainda o teste de inúmeros cenárias e alternativas de solução para o sistema em estudo. 12

16 1.2. Objetivo Este trabalho tem como objetivo simular os processos atuais de recuperação de componentes de freio, truques e rodeiros da EFVM, utilizando como ferramenta de simulação o software Arena. Com o resultado destas simulações, estudar quais seriam as quantidades ideais de componentes de cada processo de recuperação acima citadas para atendimento das manutenções de vagões nas oficinas distribuídas ao longo da EFVM, evitando assim, gastos com excesso de manutenções e componentes parados como também falta destes para a manutenção de vagões. Identificar e analisar limitações e pontos que possam ser melhorados, numa visão de redução de custos e aumento de produtividade. Iniciar com um levantamento abordando itens como instalações físicas, capacidade produtiva e estratégia de manutenção, coletando informações como exemplo mãode-obra, regime de trabalho, produção diária, máquinas e equipamentos utilizados, percentual de sucateamento, tempos de realização das atividades, etc. para as atividades realizadas em cada processo de recuperação de componentes. Com este levantamento, utilizar o Input Analyser para descobrir qual será a melhor distribuição de probabilidades de cada atividade e assim criar o modelo e simular no Arena os processos a serem estudados. Após organização dos dados obtidos, serão realizadas simulações alterando algumas variáveis, como: número de funcionários e máquinas (gargalos) e horário de trabalho para definirmos qual será a capacidade de produção da oficina, definir quantidade de funcionários, equipamentos, regime de trabalho e investimento em novas instalações com o objetivo de aumentar a produtividade com o menor custo para o atendimento das metas estabelecidas. 13

17 1.3. Justificativa O interesse pela escolha desse tema surgiu durante participações em reuniões de programação entre supervisões da oficina de vagões, onde são tratados os desvios ocorridos no processo de manutenção de vagões para o não atingimento de metas. Nestas reuniões gerenciais são traçados alguns planos de ação para os itens mais relevantes, aparecendo freqüentemente como problema, a de falta componentes para a manutenção de vagões além do excesso de hora extra realizadas pelos funcionários envolvidos nesse processo. O trabalho tem sua relevância por demonstrar que a simulação é uma poderosa ferramenta para o auxilio na tomada de decisão gerencial e estratégica, inclusive para a melhoria da produtividade e qualidade de serviços prestados. Mostra a importância de se utilizar a simulação para a análise de alternativas antes da implementação de qualquer uma delas ou como, por exemplo, identificar gargalos, redimensionar postos de trabalho ou modificar estruturas existentes. Devido ao crescimento da frota, por meio de aquisições de vagões bem como o aumento no percentual de disponibilidade desses ativos para atender a demanda de transporte, percebeu-se a necessidade de aumentar a quantidade de manutenções preventivas, sem que houvesse nenhum estudo ou análise de mudanças de processos, verificando-se a necessidade de analisar o processo de manutenção de rodeiros ferroviários a fim de observar algumas características da oficina como, por exemplo, o tamanho médio das filas, a taxa de utilização das máquinas e a produtividade dos funcionários. 14

18 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1. A VALE Mais de 60 anos de transformações levaram a VALE a posição de destaque entre as mineradoras mundiais. Esta empresa que conhecemos como Vale nasceu em 1942, criada pelo governo brasileiro como Companhia Vale do Rio Doce. Em 1997, tornouse uma empresa privada. Hoje ela se tornou uma empresa global, atuando nos cinco continentes, e contamos com a força e o valor de mais de 100 mil empregados, entre próprios e terceirizados, que trabalham de forma apaixonada para transformar recursos minerais em riqueza e desenvolvimento sustentável. A Vale produz e comercializa minério de ferro, pelotas, níquel, concentrado de cobre, carvão, bauxita, alumina, alumínio, potássio, caulim, manganês e ferroligas. Sempre com foco no crescimento e diversificação de nossas atividades em mineração, a empresa investe em pesquisa mineral e tecnologias voltadas para a melhoria contínua de suas atividades nos cinco continentes. Para dar suporte ao desenvolvimento e escoamento da produção, a VALE atua como uma operadora logística e priorizamos projetos de geração de energia voltados para o autoconsumo, de forma a garantir competitividade. O minério de ferro tem importância histórica. Um bom exemplo foi o uso deste mineral como suporte para a Revolução Industrial, iniciada em meados do século XVIII. Desde a sua origem e aperfeiçoamento, o ferro contribui para as conquistas da humanidade, beneficiando a era moderna com o surgimento do aço, que se tornou importante elemento no dia-a-dia das pessoas. Ele está presente na fabricação de automóveis, aviões, linhas de transmissão de energia elétrica, tubulações de água, redes integradas de telefonia entre outros. 15

19 Na Vale, o minério é um dos destaques do portfólio de produtos. De qualidade superior, ele é exportado para os quatro cantos do globo e acompanha o crescimento do setor. O minério de ferro passa por um processo de pesquisa mineral que demanda o uso de tecnologias de última geração, transformando-se em ingredientes que são essenciais à vida das pessoas. A VALE produz cerca de 40 produtos de minério de ferro: pellet feed, sinter feed, granulado e pelotas. O minério de ferro se apresenta bruto ou beneficiado. Na usina de pelotização, o pellet feed é transformado em pelotas, com tamanho médio de 11,5 mm de diâmetro. A qualidade do minério de ferro está basicamente ligada a três propriedades: química, que corresponde à própria composição quanto maior o teor de ferro e menor o de impurezas, melhor; física, que se refere à granulometria, ou seja, ao tamanho das partículas; metalurgia (itens de performance que afetam a produtividade durante o processo siderúrgico). Isso requer alto nível de controle nas etapas de peneiramento e classificação, mesmo para minérios de alto teor de ferro e baixo nível de impurezas, atendendo, assim, às exigências do mercado. É fundamental que todas as etapas do processamento sejam devidamente dimensionadas e controladas em função dos volumes processados, de modo a minimizar os custos e assegurar a qualidade dos produtos. Em nossos complexos minerários, o método de lavra é a céu aberto, com bancadas de 15 metros de altura e operações de perfuração, detonação, carregamento e transporte de minério. A operação de carregamento é efetuada com escavadeiras a cabo e hidráulicas e pás mecânicas. O transporte até as unidades de britagem é efetuado por meio de caminhões fora de estrada. A execução da estratégia de crescimento com diversificação, lastreada em rigorosa disciplina na alocação do capital, permite a exploração eficaz das oportunidades proporcionadas pelo ciclo econômico, o que por sua vez implica em forte geração de 16

20 caixa necessária para o financiamento da implementação da estratégia. O resultado desse círculo virtuoso de crescimento é a significativa e crescente criação de valor. No primeiro semestre de 2007, a Vale vendeu milhões de toneladas de minério de ferro e pelotas, 6,1% a mais que as milhões de toneladas em igual período de Nos seis meses do ano, os embarques de minério de ferro alcançaram o volume de milhões de toneladas e os de pelotas milhões. No segundo trimestre de 2007, as vendas dos dois produtos chegaram a milhões de toneladas - com evolução de 7,6% em relação a abril e junho do ano anterior sendo milhões de toneladas de minério de ferro e milhões de toneladas de pelotas. Pelo conceito US GAAP(princípios de contabilidade geralmente aceitos nos EUA), nos primeiros seis meses de 2007, as vendas de minério de ferro e pelotas alcançaram milhões de toneladas, com expansão de 6,2% sobre os milhões de toneladas embarcadas em igual período de De abril a junho os embarques dos dois produtos atingiram milhões de toneladas o maior realizado em um segundo trimestre e 8,1% superior ao do segundo trimestre do ano passado. Do volume total vendido, milhões de toneladas foram de minério de ferro e milhões de toneladas de pelotas. 17

21 2.2. Sistema Produtivos a) SISTEMA SUL O Sistema Sul é composto por seis complexos mineradores: Itabira, Mariana e Minas Centrais, que compõem o Sistema Sudeste, além de Parauapebas, Vargem Grande e Minas e Itabiritos, que compõem o Sistema Sul, todas localizadas no Quadrilátero Ferrífero, em Minas Gerais. O mais antigo é o de Itabira, que compreende as minas de Cauê e Conceição, cujas operações tiveram início em O minério produzido é transportado para o Complexo Portuário de Tubarão, em Vitória (ES), pela Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), e para o Porto de Itaguaí, no Rio de Janeiro, pela MRS Logística. Os fluxogramas das instalações de beneficiamento do Sistema Sul têm etapas de britagem, classificação e concentração por separação magnética de alta intensidade e/ou flotação e métodos gravíticos: jigagem e espirais. As jazidas do Sistema Sul possuem aproximadamente 4,5 bilhões de toneladas de reservas de minério de ferro. A capacidade atual de produção das minas é de cerca de 170 milhões de toneladas por ano. b) SISTEMA NORTE Compreende o sistema integrado mina-ferrovia-porto, composto pelas minas a céu aberto, pela planta industrial de tratamento de minério de ferro, pela Estrada de Ferro Carajás (que possui 892 quilômetros de extensão) e pelo Terminal Marítimo de Ponta da Madeira, em São Luís (MA). A partir do Terminal, o minério de ferro de Carajás é exportado para clientes no mundo inteiro. Descoberta em 1967, a Província Mineral de Carajás possui reservas de aproximadamente 16 bilhões de toneladas de minério de ferro de alto teor. Essa 18

22 qualidade permite que uma parcela expressiva dos produtos seja gerada apenas por etapas de britagem e classificação. Carajás tem uma capacidade de produção de 100 milhões de toneladas por ano (Mta). Para permitir a adequação granulométrica dos produtos, a usina de beneficiamento possui equipamentos que realizam operações de moagem, peneiramento a úmido e classificação do minério. As etapas são: britagem primária, britagem e peneiramento secundário, britagem e peneiramento terciário, moagem, ciclonagem e filtragem de pellet feed. O objetivo da usina de beneficiamento é obter três produtos de granulometrias distintas: pellet-feed, sinter-feed e granulado. Ao chegar ao Terminal Marítimo de Ponta da Madeira, o minério é estocado em pátios e, posteriormente, destinado para embarque à exceção do pellet-feed, que segue para a produção de pelotas na Usina de São Luís. Nossas operações de lavra, beneficiamento, estocagem, transporte ferroviário, descarga, empilhamento e embarque realizados no Sistema Norte são monitoradas nas salas de controle que ficam em Carajás e em São Luís. São centros dotados de equipamentos modernos de alta tecnologia, que garantem mais produtividade e segurança para a Vale. c) PELOTIZAÇÃO Para viabilizar o aproveitamento econômico dos finos de minério gerados nas minas do Sistema Sul, iniciou no fim da década de 60, a construção de um complexo de usinas de pelotização em Vitória, no Espírito Santo. Atualmente, o complexo é constituído por sete usinas, com capacidade de produção anual de 25 milhões de toneladas de pelotas. Duas usinas pertencem exclusivamente à Vale. As demais foram instaladas em regime de coligadas ou joint ventures com grupos siderúrgicos de Japão, Espanha, Itália e Coréia do Sul. 19

23 Em 2002, uma nova planta entrou em operação, no Terminal Marítimo de Ponta da Madeira (TMPM), em São Luís, no Maranhão. A capacidade de produção anual é de 4,1 milhões de toneladas de pelotas. A partir da incorporação da Ferteco Mineração S.A., em 2003, teve início a operação na usina de Fábrica, no Quadrilátero Ferrífero, em Minas Gerais, com capacidade de produção anual de 4 milhões de toneladas de pelotas. 20

24 2.3. Transporte Ferroviário A figuara 01 compara o tamanho dos sistemas ferroviários no mundo, considerando os países de tamanho continental, verifica-se que o Brasil tem pouca densidade ferroviária, o que foi devido aos reduzidos investimentos governamentais neste segmento com a priorização do setor rodoviário. Além disso, os padrões utilizados no Brasil destoam-se do restante, pois utilizamos ferrovias de bitola métrica e de bitola larga, enquanto o restante do mundo utiliza a bitola standard. Em termos práticos, isto significa dizer que a ferrovia no Brasil é um mercado restrito e localizado, dificultando no aproveitamento das tecnologias já desenvolvidas e na escolha de bons fornecedores nacionais. USA/Canadá Alemanha/França China Rússia/Ucrânia/Casaquistão mil vagões 200 mil vagões 440 mil vagões 590 mil vagões 324 mil Km linha 68 mil Km linha 59 mil Km linha 90 mil Km linha bilhões ton/km ano 132 bilhões ton/km ano bilhões ton/km ano bilhões ton/km ano Índia 272 mil vagões 63 mil Km linha 305 bilhões ton/km ano BRASIL 65 Mil vagões 22 mil Km linha 170 bilhões ton/km ano África do Sul 22 mil Km linha 100 bilhões ton/km ano Figura 01 Comparação dos sistemas ferroviários no mundo O sistema ferroviário brasileiro totaliza quilômetros, concentrando-se nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste, atendendo parte do Centro-Oeste e Norte do país, conforme observado na figura 02 que mostra a distribuição da malha ferroviária brasileira. 21

25 Figura 02 - Mapa do Sistema Ferroviário Nacional Gestora da maior malha ferroviária nacional, a Companhia Vale do Rio Doce (VALE) tem reconhecida experiência na administração e na integração de ativos. Os investimentos nas composições e nas vias permanentes são constantes, assim como o aprimoramento técnico e a atualização tecnológica de seus empregados. A unidade de negócio de Logística na VALE dispõe de três ferrovias, duas de bitola métrica e uma de bitola larga. As de bitola métrica, localizadas na região sudeste do País são atualmente integradas, mas de origens bem distintas. 22

26 A Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), que liga a região de Minas ao Espírito Santo, foi construída antes mesmo do surgimento da VALE e objetivava escoar a produção de minério de ferro das minas para o litoral. Com 905 quilômetros de extensão, é uma das mais modernas e produtivas ferrovias do Brasil. Transporta 37% de toda a carga ferroviária nacional. Após a criação da VALE e do aumento das exportações, potencializado pelo Porto de Tubarão e pelos contratos de longo prazo com o Japão, ela teve sua capacidade ampliada, se tornando uma ferrovia com linha dupla e alta densidade de trens. Desde então vem se mantendo com bons níveis de investimento, mantendo o padrão de manutenção de todo o sistema. A Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), com km de extensão, percorre os estados de Minas Gerais, Goiás, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Sergipe, além do Distrito Federal foi incorporada pela VALE após o programa de privatização do governo e tinha várias possibilidades de sinergias, principalmente no escoamento da produção de soja do centro-oeste pelo porto de Tubarão. A Estrada de Ferro Carajás (EFC), com 892 km de extensão, única ferrovia de bitola larga da VALE, liga o interior do Pará ao principal porto marítimo de Ponta da Madeira, em São Luís, no Maranhão. Transporta principalmente minério e carga geral, além de passageiros. Iniciada na década de 80 é a ferrovia mais nova e a mais moderna. Apesar de ainda possuir excelentes níveis de desempenho, este sistema já tem sofrido com os sinais dos mais de 20 anos de existência. Neste cenário, atualmente o desafio é suplantar estas deficiências e praticamente dobrar o volume de transporte de minério no curto prazo. Com a Visão de ser a maior empresa de mineração do mundo e superar os padrões consagrados de excelência em pesquisa, desenvolvimento, implantação de projetos e operação de seus negócios, a VALE presa alguns valores: 23

27 Ética e transparência: representa o nosso comportamento como organização. Agimos com integridade, respeitamos as leis, os princípios morais e as regras do bem proceder referendadas e aceitas pela coletividade, e comunicamos nossas políticas e resultados de forma clara. Excelência de desempenho: significa a busca da melhoria contínua e o controle dos resultados por indicadores de desempenho reconhecidos como referência das melhores práticas, promovendo ambiente de alta performance e assegurando a obtenção e manutenção de vantagens competitivas duradouras. Espírito desenvolvimentista: representa nosso empreendedorismo como organização que busca, incessantemente e com agilidade, novas oportunidades de ação e soluções inovadoras diante dos problemas e necessidades que se apresentam, assegurando a execução de estratégias que visam ao crescimento da Vale. Responsabilidade econômica, social e ambiental: reconhecemos e agimos no sentido de que estas dimensões estejam sempre em equilíbrio, de modo a promover o desenvolvimento e garantir a sustentabilidade. Respeito à vida: significa que não abrimos mão, em nenhuma hipótese, da segurança e do respeito à vida. Pessoas são mais importantes do que resultados e bens materiais. Se necessário escolher, escolhemos a vida. Respeito à diversidade: é perceber o outro como um igual, respeitando as diferenças e promovendo a inclusão competitiva; é ver nas diferenças oportunidades de integração e evolução. Orgulho de ser Vale: é o valor resultante. Assumimos e nos comportamos como donos do negócio, buscando incessantemente os objetivos definidos, compartilhando e celebrando os resultados e fortalecendo as relações. Nós nos orgulhamos quando sabemos que estamos construindo algo que fará a diferença. Essa é a razão do orgulho de Ser Vale de todos nós, dirigentes e empregados da Vale. 24

28 2.4. Estrada de Ferro Vitória a Minas EFVM Incorporada à Companhia Vale do Rio Doce (VALE) na década de 40, a Vitória a Minas foi construída pelos ingleses e inaugurada em 18 de maio de É hoje uma das mais modernas e produtivas ferrovias brasileiras, transportando 37% de toda a carga ferroviária do país. Localizada na região Sudeste, a EFVM faz conexão com outras ferrovias integrando os estados de Minas Gerais, Goiás, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e o Distrito Federal, além de ter acesso privilegiado aos principais portos do Espírito Santo, entre eles os de Tubarão e Praia Mole. A EFVM conta com 905 quilômetros de extensão de linha, sendo 594 quilômetros em linha dupla, correspondendo a 3,1% da malha ferroviária brasileira. Dispõe de aproximadamente vagões e 207 locomotivas e transporta, atualmente, cerca de 110 milhões de toneladas por ano, das quais 80% são minério de ferro e 20% correspondem a mais de 60 diferentes tipos de produtos, tais como aço, carvão, calcário, granito, contêineres, ferro-gusa, produtos agrícolas, madeira, celulose, veículos e cargas diversas, atendendo cerca de 300 clientes. Com o escritório-sede localizado em Tubarão, a Estrada de Ferro Vitória a Minas, como prestadora de serviços e parceira do seu cliente, está apta a planejar, organizar e gerenciar as estratégias complexas que compõem um sistema intermodal, através de sua área comercial. Os clientes da EFVM acompanham toda a operação de transporte de suas cargas diretamente em seus computadores, interligando-os à ferrovia através do Sistema de Informações a Clientes (SIC). E podem ainda ter implantado projetos de EDI (Troca Eletrônica de Dados). 25

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Paulo Sergio Costa 1 *, Giovanni Augusto Ferreira Dias 1, Diego Freitas 1, Fábio Assunção 1,

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação Departamento de Eng. Produção Operação Ferroviária Circulação Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Introdução A operação ferroviária diz respeito à circulação

Leia mais

Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção. Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção

Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção. Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção Seminário Negócio nos Trilhos 2009 - São Paulo - 11.nov.2009

Leia mais

DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES.

DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES. . DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES. RESUMO Com a evolução dos tempos a técnica ferroviária foi sendo aperfeiçoada de tal maneira que se formar homens

Leia mais

VIA PERMANENTE. Manipulador de TLS

VIA PERMANENTE. Manipulador de TLS VIA PERMANENTE Manipulador de TLS Ualace Ventura da Silva¹, Antônio Dirceu de Oliveira Ribeiro² 1 Engenharia Ferroviária Vale S.A. - EFVM, Av. Dante Michelini, 5500 29090-900 Vitória, ES Brasil 2 Logística

Leia mais

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG)

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) o Tel. (11) 3895-8590 premiodeexcelencia@revistaminerios.com.br

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011 Cresce o transporte de cargas nas ferrovias brasileiras As ferrovias brasileiras se consolidaram como uma alternativa eficiente e segura para o transporte de cargas. A, que traçou um panorama do transporte

Leia mais

Vale: sistema maximiza embarque de minério de ferro

Vale: sistema maximiza embarque de minério de ferro Divulgação - Vale Vale: sistema maximiza embarque de minério de ferro Para otimizar as operações de exportação de minério de ferro, a Vale investe no desenvolvimento de sistema que integra as informações

Leia mais

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG Agenda A Vale Logística da Vale Números Corredores Logísticos Novos Corredores FNS Noroeste de MG A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais de 500 comunidades ao

Leia mais

Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação

Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Resumo O objetivo do trabalho foi desenvolver uma estrutura capaz

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO. Superestrutura de Ferrovias

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO. Superestrutura de Ferrovias Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 259 Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO Malha Ferroviária Brasileira Transporte Ferroviário O sistema ferroviário brasileiro totaliza 29.706

Leia mais

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Câmara de Comércio Brasil-Argentina Julho de 2015 Guilherme Alvisi Gerente Geral de Negócios Carga Geral GUILHERME ALVISI Gerente Geral

Leia mais

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Renato David 1, Allan James Ferreira Maciel 2 *, Jediel Grangeiro 3, Josenilson Rocha 4 1,2,3,4 Planejamento e recursos

Leia mais

Modernização e Inovação na Oficina de Truques e Trações da Estrada de Ferro Carajás

Modernização e Inovação na Oficina de Truques e Trações da Estrada de Ferro Carajás ARTIGO Modernização e Inovação na Oficina de Truques e Trações da Estrada de Ferro Carajás Paulo Borges 1, Jediel Grangeiro 2, Antonio Azevedo 3, Elismar Ramos 4 * 1,2,3 Planejamento e Recursos de Material

Leia mais

SILISE SISTEMA LIMITE SEGURO

SILISE SISTEMA LIMITE SEGURO SILISE SISTEMA LIMITE SEGURO Resumo 2 Nós, alunos dos cursos Técnico em Sistemas Eletroeletrônicos de Transportes sobre Trilhos e Técnico em Sistemas Mecânicos de Transporte sobre Trilhos do Centro de

Leia mais

Sistema de Gestão de Vagões

Sistema de Gestão de Vagões Sistema de Gestão de Vagões 2 Resumo Para os profissionais da área de programação, gerenciar a manutenção em mais de 3000 vagões por mês, não é tarefa fácil. O desafio é sistematizar cada informação a

Leia mais

Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação

Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação Bruno Camara Vieira (CST-Arcelor/FAESA) bruno.vieira@arcelor.com.br Daniella G. Barros S. de

Leia mais

BOOSTER BOOSTER? Benefícios e vantagens PORQUE COMPRAR UM

BOOSTER BOOSTER? Benefícios e vantagens PORQUE COMPRAR UM Linha BOOSTER Agilidade, confiabilidade e eficiência BOOSTER Os compressores Schulz modelo SB, possuem como função principal elevar a pressão da rede de baixa pressão para até 40 bar (580 psi). Benefícios

Leia mais

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale ARTIGO Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale Isaias Moreira de Freitas 1, Bruno Teieira Barros 2, Francisco Nascimento Chagas 3 1 Ger. de Engenharia Ferroviária, Av. Dante Micheline,

Leia mais

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08 Logística Integrada André Ravara A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais

Leia mais

Alarme de Tendência Hot Wheel

Alarme de Tendência Hot Wheel Alarme de Tendência Hot Wheel 1º Nilton de Freitas 1 *, º Eduardo Campolina Martins Siano 1, 3º Fellipe Castro Barbosa Costa 1 1 Gerencia de Engenharia de Material Rodante, Avenida Brasil, 1 366-1 Juiz

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS

PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS - 1 - RESUMO Em regiões de carregamento, principalmente pontos de carga de minérios, existe uma grande contaminação do lastro ferroviário. Esta

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Manutenção Centrada na Confiabilidade em ferrovias de cargas em área urbana.

Manutenção Centrada na Confiabilidade em ferrovias de cargas em área urbana. Manutenção Centrada na Confiabilidade em ferrovias de cargas em área urbana. Therezinha Maria da Silva Dias 1 ; Frederico Augusto Costa 2 ; Sergio Cassemiro 3. Danilo Martelli 4 ; Bruno Machado 5 ; Gabriella

Leia mais

AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO

AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL A TRAJETÓRIA 2003 Aquisição da Lusosider em Portugal 2002 2005 Início da expansão da Mina Casa de Pedra e do terminal de carvão em Itaguaí Usina

Leia mais

Há mais de 10 anos, a OMNI CS faz um trabalho diferenciado no campo da mineração e tratamento mineral.

Há mais de 10 anos, a OMNI CS faz um trabalho diferenciado no campo da mineração e tratamento mineral. 2 A Empresa Há mais de 10 anos, a OMNI CS faz um trabalho diferenciado no campo da mineração e tratamento mineral. Isso mostra porque, hoje é uma referência no mercado nacional, com clientes em vários

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES.

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. Atualmente no Brasil estão em operação diversos modelos de locomotivas diesel-elétricas, desde locomotivas mais antigas e de

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais. Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz

Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais. Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz Em um cenário competitivo, o sucesso não é determinado apenas pela oferta

Leia mais

Serra do Itatiaiuçu - O futuro do minério no Quadrilátero Ferrífero Panorama e desafios após aquisições

Serra do Itatiaiuçu - O futuro do minério no Quadrilátero Ferrífero Panorama e desafios após aquisições Serra do Itatiaiuçu - O futuro do minério no Quadrilátero Ferrífero Panorama e desafios após aquisições XIII Congresso Brasileiro de Mineração, setembro / 2009 José Francisco M. de Viveiros Desafio para

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA DESCARGA DE CARVÃO COMPACTADO

OTIMIZAÇÃO DA DESCARGA DE CARVÃO COMPACTADO OTIMIZAÇÃO DA DESCARGA DE CARVÃO COMPACTADO 1 RESUMO O agarramento de material no fundo dos vagões sempre foi um dos maiores gargalos operacionais enfrentados na descarga de carvão mineral. Problema que

Leia mais

Manual de instruções. Rampa de alinhamento

Manual de instruções. Rampa de alinhamento Manual de instruções Rampa de alinhamento Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo de máquinas para auto

Leia mais

CONSIDERANDO as contribuições recebidas na Audiência Pública nº XXX/2007, RESOLVE:

CONSIDERANDO as contribuições recebidas na Audiência Pública nº XXX/2007, RESOLVE: Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados pelas Concessionárias de Serviços Públicos de Transporte Ferroviário de Cargas, no transporte de produtos perigosos, nos trechos da malha ferroviária. A Diretoria

Leia mais

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 1. Introdução 2. Sistema Ferroviário no Brasil 3. Avaliação dos Principais Corredores Ferroviários 4. Avaliação do Nível de Serviço 5. Conclusões Objetivos Identificar as

Leia mais

Parametrização de Alarmes Hot Wheel

Parametrização de Alarmes Hot Wheel Parametrização de Alarmes Hot Wheel 1º Fellipe Castro Barbosa Costa*, 2ºNilton de Freitas Gerencia de Engenharia de Material Rodante, Avenida Brasil, 2001 36060-010 Juiz de Fora - MG e-mail: 1º fellipe.castro@mrs.com.br

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS. Movimentação de Granéis

CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS. Movimentação de Granéis CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS Movimentação de Granéis Há mais de 88 anos garantindo os melhores resultados para nossos clientes. 03 A Companhia Experiência aliada à inovação. É isso que faz a Kepler Weber

Leia mais

GUINCHO HIDRÁULICO G-1000

GUINCHO HIDRÁULICO G-1000 GUINCHO HIDRÁULICO G-1000 MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ZELOSO DESDE 1956 PREFÁCIO GUINCHO HIDRÁULICO APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA USINAGEM DE RODEIROS DE LOCOMOTIVAS

OTIMIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA USINAGEM DE RODEIROS DE LOCOMOTIVAS OTIMIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA USINAGEM DE RODEIROS DE LOCOMOTIVAS RESUMO Atualmente, a preocupação com custos é fundamental em todos os processos, e na ferrovia, um dos principais está relacionado

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

Visão geral sobre a área automotiva. Produtos e Soluções Rexnord para a Indústria Automotiva

Visão geral sobre a área automotiva. Produtos e Soluções Rexnord para a Indústria Automotiva Visão geral sobre a área automotiva Produtos e Soluções Rexnord para a Indústria Automotiva Escolha a Rexnord para ajudar a fabricar hoje os veículos de amanhã. Da compra e instalação ao monitoramento

Leia mais

POSTOS ÁREAS. Empresa: MAPEAMENTO ERGONÔMICO GERAL. Serviços pontes rolantes Contratos Full Time. Caldeiraria Mac /Corte / Usinagem de Miscelânia

POSTOS ÁREAS. Empresa: MAPEAMENTO ERGONÔMICO GERAL. Serviços pontes rolantes Contratos Full Time. Caldeiraria Mac /Corte / Usinagem de Miscelânia Empresa: MAPEAMENTO ERGONÔMICO GERAL Manutenção POSTOS ÁREAS Caldeiraria Mac /Corte / Serralheria Caldeiraria de /Serviços Montagem Pte. Rolante /Comp. Mot. Esp./Pint./Jato e Lavagem Empilhamento de estatores

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS

CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS Em processo de certificação ISO-9001/2000 A EMPRESA Estamos apresentando a MEGAFORT INDUSTRIAL

Leia mais

1º 107 6 2011: 45% EBITDA 1º

1º 107 6 2011: 45% EBITDA 1º QUEM SOMOS Uma das maiores empresas de mineração do mundo. Cerca de 107 mil empregados diretos. Líderes globais na produção de platina e diamante e participação significativa em cobre, níquel, minério

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

LÍDER MUNDIAL EM ABSORÇÃO DE ENERGIA BARREIRAS FINAIS BARREIRAS FINAIS

LÍDER MUNDIAL EM ABSORÇÃO DE ENERGIA BARREIRAS FINAIS BARREIRAS FINAIS LÍDER MUNDIAL EM ABSORÇÃO DE ENERGIA BARREIRAS FINAIS BARREIRAS FINAIS OLEO INTERNATIONAL A Oleo é uma empresa líder, especialista em tecnologia de absorção de energia, que presta serviços para os setores

Leia mais

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS Resumo O transporte público atualmente vem passando por diversas mudanças e uma delas é a qualidade nos

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO TRANSPORTE FERROVIÁRIO O transporte ferroviário no Brasil sofreu, durante um grande período, talvez devido à grande concorrência do transporte rodoviário, a falta de incentivo com relação à ampliação do

Leia mais

Análise das Necessidades do Cliente da SKF. Energia e Sustentabilidade

Análise das Necessidades do Cliente da SKF. Energia e Sustentabilidade Análise das Necessidades do Cliente da SKF Energia e Sustentabilidade Análise das Necessidades do Cliente da SKF Energia e Sustentabilidade A indústria responde por um terço de todo o consumo de energia.

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Case Compras Corporativas Evento 20 anos Produttare

Case Compras Corporativas Evento 20 anos Produttare Empresas Case Compras Corporativas Evento 20 anos Produttare Porto Alegre 28 de outubro de 2015 Agenda Contexto Nosso esforço O que atingimos Nossos desafios Highlights 1 O mundo está em constante mudança...

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

Programa Pró-Noroeste de Minas

Programa Pró-Noroeste de Minas nº 17 > ano 7 > julho 2010 Programa Pró-Noroeste de Minas Parceria da Vale E FCA com FAEMG, Governo de Minas e Banco do Brasil estimula a produção de soja para exportação Pág. 3 Mercado siderúrgico Otimismo

Leia mais

Manipulador de dormentes rodoferroviário

Manipulador de dormentes rodoferroviário Manipulador de dormentes rodoferroviário Clerildo Vieira¹, Decio Vincenzi²*, Helder Torres³ 1 Engenharia Ferroviária Railway Engineering - Vale S.A. Praça João Paulo Pinheiro, s/n,35010-330 Governador

Leia mais

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO Por que a HEAVYLOAD? Possibilidade garantida de contratar um único fornecedor com foco em: Gerenciamento dos Ativos; Desenvolvimento e implementação de novas tecnologias; Centro de Treinamento Próprio

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

TERMO DE GARANTIA PARA CÂMARAS DE AR E PROTETORES PARA VEÍCULOS DE PASSEIO, CAMIONETAS, VEÍCULOS DE CARGA (CAMINHÕES E ÔNIBUS) E AGRÍCOLAS

TERMO DE GARANTIA PARA CÂMARAS DE AR E PROTETORES PARA VEÍCULOS DE PASSEIO, CAMIONETAS, VEÍCULOS DE CARGA (CAMINHÕES E ÔNIBUS) E AGRÍCOLAS AS CONDIÇÕES DESTA GARANTIA PASSAM A VALER PARA PRODUTOS COMERCIALIZADOS PELA TORTUGA CÂMARAS DE AR ADQUIRIDOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2011. Além da garantia legal, a Tortuga Câmaras de Ar, garante

Leia mais

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga 16 Valores Introdução No âmbito da ufcd 5811 Sistemas de transporte e elevação de cargas, foi-nos

Leia mais

People. Passion. Performance.

People. Passion. Performance. People. Passion. Performance. Apresentando Chicago Pneumatic É simples assim. Você tem trabalho a fazer e clientes a atender. A CP está aqui para ajudá-lo a realizar seu trabalho, sem compromisso. Nosso

Leia mais

Edfer, soluções em ferro e aço

Edfer, soluções em ferro e aço Edfer, soluções em ferro e aço Inaugurada em 2007, na cidade de Coronel Fabriciano, Vale do Aço - MG, a EDFER é uma empresa que atua no mercado de ferro e aço para estruturas metálicas, caldeiraria, usinagem,

Leia mais

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas das linhas E e EP de nossa fabricação assim como seus acessórios e opcionais. Dele constam informações técnicas, desde a construção,

Leia mais

Seminário TAV Brasil Trem de Alta Velocidade

Seminário TAV Brasil Trem de Alta Velocidade Seminário TAV Brasil Trem de Alta Velocidade A PARTICIPAÇÃO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA E A NECESSIDADE DE MÃO DE OBRA ESPECIALIZADA Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 18 de abril de 2011 APRESENTAÇÃO

Leia mais

SISTEMA MINAS-RIO. Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil

SISTEMA MINAS-RIO. Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil SISTEMA MINAS-RIO Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil A ANGLO AMERICAN A história da Anglo American teve início em 1917 na África do Sul, onde as primeiras operações aconteceram. Desde então, a

Leia mais

MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS. Roberta Thees* Artur Furtado

MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS. Roberta Thees* Artur Furtado MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS Roberta Thees* Artur Furtado A MRS LOGÍSTICA A MRS atua no transporte ferroviário de cargas desde 1996, operando e monitorando a malha sudeste da Rede Ferroviária Federal.

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Estratégias de EAD na Vale

Estratégias de EAD na Vale Estratégias de EAD na Vale Mineradora pioneira que trabalha com paixão, transformando recursos minerais em ingredientes essenciais o dia-a-dia das pessoas. É a segunda maior mineradora diversificada do

Leia mais

Estoque, um mal necessário? Confiabilidade do estoque, mostrando casos reais e práticas de conservação*

Estoque, um mal necessário? Confiabilidade do estoque, mostrando casos reais e práticas de conservação* Estoque, um mal necessário? Confiabilidade do estoque, mostrando casos reais e práticas de conservação* * Artigo apresentado no 22º Congresso Brasileiro de Manutenção, Florianópolis 2008 Abraman Julio

Leia mais

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos

Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos Rolamentos para Siderurgia Guia de Produtos CAT. No. 9211 P NTN NTN Produtos que trazem benefícios em várias aplicações Equipamentos de siderurgia pertencem a grandes linhas que operam 24 horas por dia,

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO. Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários

CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO. Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários Vitória, 30 de setembro de 2011 SUMÁRIO RESUMO...3 OBJETIVOS...4 INTRODUÇÃO...5

Leia mais

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO:

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO: 1. DESCRIÇÃO: OBJETO: O sistema de ventilação mecânica visa propiciar as condições de qualidade do ar interior nos vestiários do mercado público de Porto Alegre. Para a manutenção das condições serão controlados

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar.

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. Serviços Scania Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS SCANIA Serviços Scania. Máxima disponibilidade do seu veículo para o melhor desempenho

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA MMX

REVISÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA MMX REVISÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA MMX Histórico Recente O primeiro semestre de 2008 foi marcado por novas aquisições e eventos societários recentes que modificaram significativamente o conjunto de ativos

Leia mais

CTF Technologies do Brasil. Juiz de Fora, 27 de Outubro de 2011

CTF Technologies do Brasil. Juiz de Fora, 27 de Outubro de 2011 CTF Technologies do Brasil Juiz de Fora, 27 de Outubro de 2011 A CTF é uma empresa de tecnologia que se dedica à Gestão de Combustíveis e Lubrificantes Principais Produtos CTF Abastecimento CTF Agronegócio

Leia mais

GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE RASTREAMENTO POR SATÉLITE PARA MELHOR EFICIÊNCIA DA GESTÃO LOGÍSTICA - ESTUDO DE CASO

GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE RASTREAMENTO POR SATÉLITE PARA MELHOR EFICIÊNCIA DA GESTÃO LOGÍSTICA - ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Projeto de estágio on the job Câmpus Santos Dumont do IF Sudeste MG 3ª Edição 2013/2014

Projeto de estágio on the job Câmpus Santos Dumont do IF Sudeste MG 3ª Edição 2013/2014 Projeto de estágio on the job Câmpus Santos Dumont do IF Sudeste MG 3ª Edição 2013/2014 1) Introdução Uma vez que o Câmpus Ssantos Dumont se dispõe a ser referência no ensino e desenvolvimento de tecnologias

Leia mais

Dicas importantes. Original SACHS Service. SACHS: a embreagem mundial

Dicas importantes. Original SACHS Service. SACHS: a embreagem mundial Original SACHS Service Dicas importantes SACHS: a embreagem mundial - Hábitos incorretos ao dirigir que prejudicam a embreagem - O correto manuseio e armazenamento de embreagens - Remanufaturados x Recondicionados

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA

ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA 13 ANOS DE ALL Março de 1997 Início das atividades Privatização Malha Sul Julho de 2001 Aquisição da Delara Consolidação Logística Maio de 2006 Aquisição da Brasil Ferrovias

Leia mais

Análise de tensões em eixos ferroviários usinados, utilizando o método de elementos finitos

Análise de tensões em eixos ferroviários usinados, utilizando o método de elementos finitos Análise de tensões em eixos ferroviários usinados, utilizando o método de elementos finitos 1º Raidam Pereira Fernandes¹*, 2º Bruno Teixeira Barros², 3º Emanuel Amorim Da Silva², 4º Leandro Prates Ferreira

Leia mais

Soluções de rolamentos para equipamentos de paisagismo e jardinagem. Com a tecnologia TM AG TREME

Soluções de rolamentos para equipamentos de paisagismo e jardinagem. Com a tecnologia TM AG TREME TURF Soluções de rolamentos para equipamentos de paisagismo e jardinagem Com a tecnologia AG Rolamentos robustos que superam as expectativas A contaminação é a principal causa de falhas prematuras dos

Leia mais

Válvulas Edward Soluções para controle de fluxo

Válvulas Edward Soluções para controle de fluxo Válvulas Edward Soluções para controle de fluxo Fornecedor líder mundial de válvulas gaveta, globo e de retenção TM Reconhecido fornecedor de válvulas para aplicações críticas em plantas de geração de

Leia mais

SISTEMA T-TRACK. A nova geração em Tecnologia Ferroviária

SISTEMA T-TRACK. A nova geração em Tecnologia Ferroviária SISTEMA T-TRACK A nova geração em Tecnologia Ferroviária O que é o Sistema Tubular Track? 1/5 O Sistema TUBULAR TRACK é uma Tecnologia de Via Permanente Ferroviária de Fixação Direta (sem lastro), na qual

Leia mais