Técnicas de Codificação de Sinal Trabalho de Simulação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnicas de Codificação de Sinal Trabalho de Simulação"

Transcrição

1 Técnicas Codificação Sinal Trabalho Simulação Marcelo Samsoniuk 1 - Introdução O objetivo ste trabalho simulação é analisar o sempenho um sistema comunicação digital que utiliza codificação fonte e codificação canal. Deseja-se simular a transmissão imagens comprimidas através um sistema comunicação digital, como mostrado na figura 1. Figura 1: Sistema comunicação digital proposto para a simulação O sistema é composto diversos estágios simétricos no lado da transmissão e recepção, cujos requisitos serão molados e scritos com talhes na próxima sessão. 2 Requisitos dos módulos A implementação será modular segundo a divisão em blocos da figura 1, on cada módulo transmissão possui um respectivo módulo recepção compatível e cada módulo será implementado forma parametrizável, tanto do ponto vista comportamental quanto temporal, permitindo uma análise mais completa e profunda do sistema comunicação digital Fonte e Destino Informação A fonte informação consiste em um módulo que permite transmitir imagens monocromáticas 8 bits/pixel, disponíveis no banco imagens da disciplina. Do ponto vista temporal, o requisito da simulação é que as imagens vem ser recuperadas no módulo stino compatível, com a uma taxa egundo e também com capacida visualização das imagens, para ser possível comparar a gradação da informação entre a fonte e o stino, conforme ilustrado na figura 2. Fonte Imagens Canal Figura 2 Fonte e stino informação 1 Visualizador imagens

2 2.2 - Codificação Fonte O codificador fonte ve ter um esquema compressão que elimine os 4 bits menos significativos da imagem monocromática com 8 bits por pixel, sendo que o codificador fonte ve re-inserir estes 4 bits menos significativos forma aleatória. Do ponto vista temporal, esta codificação fonte ve reduzir a taxa da fonte para 0.5, ou seja, para uma fonte informação à taxa egundo, a taxa saída do codificador fonte ve reduzir esta taxa para egundo, enquanto o codificardor fonte ve ser capaz subir esta taxa novamente para taxa original, conforme ilustrado na figura 3. Fonte Imagens Codificador fonte Canal Decodificador fonte Visualizador imagens Figura 3 Codificação e codificação fonte informação Codificação Canal O par codificador-codificador canal ve ser escolhido em função do tipo canal AWGN discreto, modo a garantir na entrada do codificador fonte uma taxa erro bits menor que 10-8, supondo que o enlace garante uma relação sinal-ruído na entrada do receptor : Pr =63 db Hz N0 On Pr é a potência média do sinal recebido. A figura 4 ilustra a utilização do codificador canal, on uma taxa K será adicionada à taxa da fonte codificada Fonte Imagens Codificador fonte Decodificador fonte Codificador canal K Canal K Visualizador imagens Decodificador canal Figura 4 Codificação e codificação canal Esta taxa K será terminada em função do tipo modulação escolhido, modo a adicionar os bits redundância necessários para manter a taxa erros inferior à

3 2.4 Modulação O esquema modulação ve conseguir a transmissão da taxa bits informação sejada pela banda disponível da forma mais eficiente possível, supondo que os símbolos transmitidos são formatados por filtros Nyquist iais, como ilustrado pela figura 5. A banda U verá ser terminada em função K e não será maior que 5500 Hz. Fonte Imagens Codificador fonte Decodificador fonte Codificador canal Visualizador imagens Decodificador canal Ruído K K U Hz Modulador U Hz Canal Demodulador Figura 5 Modulação e modulação canal A simulação ve seguir as curvas sempenho erro dos esquemas modulação quando sujeitos à ruído gaussiano, como ilustrado na figura 6 [1]. 1.0E+0 1.0E-2 1.0E-4 BER 1.0E-6 4-QAM 8-QAM 16-QAM 32-QAM 64-QAM 128-QAM 256-QAM 512-QAM 1.0E-8 1.0E0 1.0E2 1.0E4 1.0E Eb/N0 (db) Figura 6 Desempenho erro dos esquemas modulação em um canal gaussiano. 3

4 3 Implementação Para a implementação dos módulos precisamos finir o esquema modulação utilizada para então finir o esquema codificação canal apropriado, lembrando que a taxa da fonte cai para vido a codificação fonte. Seguindo os exemplos utilizados em sala aula e a referência fornecida [2] e outras referências [3], temos as seguintes informações sobre o canal: W =5500 Hz Pr =63 db Hz N0 E sejamos um sempenho : Rb =33600 bits /s 8 BER 10 Para terminar o esquema modulação temos: R b bits / s = = bits /s / Hz W 5500 Hz Mas como: Rb = log2 M bits / s/ Hz W Então: log 2 M = bits/ s/ Hz => M = = Assim, o menor esquema modulação seria um 128-QAM, com a constelação ilustrada na figura 7 [4]: Figura 7 Constelação 128-QAM com 7 ímbolo 4

5 Como 128-QAM fornece 7 bits por Hz, temos então uma capacida máxima 38500, dos quais utilizaremos para transmitir as imagens comprimidas, restando verificar agora a questão do sempenho erro. Na medida que nosso enlance nos garante Pr/N0 = 63 db-hz, temos: P r E b Rb = N0 N0 => Eb Pr db = db Hz R b db bits /s N0 N0 Portanto: Eb =63 10 log = db N0 Ou seja, Calculando Pe temos: P e =2 1 1 erfc M Es 3 1 = 2 1 erfc 2 M 1 N = Assim: BER Pe =10 log 2 M De fato, verificando o sempenho do esquema modulação 128-QAM no gráfico da figura 5, observamos que para um BER menor que 10-8, precisamos trabalhar com uma relação sinal-ruído da orm 23dB, assim precisamos uma correção erros capaz fornecer um ganho aproximadamente 6dB em relação aos 17.7 db disponíveis. Para adicionar a capacida correção erros, vemos lembrar quanto temos banda disponível pelo esquema modulação 128-QAM (38500 ) e dividir pelo que vamos consumir transmitindo as imagens codificadas (33600 ), obtendo assim a relação que permite terminar o que pomos utilizar em termos código canal: n = k Por exemplo, o código RS(255,249,7) [5] trabalha com blocos 8 bits, sendo capaz corrigir até 3 bytes errados em um bloco 249 bytes, com a seguinte relação entre n e k: n 255 = = k 249 A inclusão do código correção erro aumenta a banda consumida e portanto precisamos recalcular Pe: P e =2 1 1 erfc M 3 k Es 1 = 2 1 erfc 2 M 1 n N =

6 Assim, com o overhead extra do código canal, temos: BER Pe =10 log 2 M A adição do código aumenta levemente a taxa erros em função do consumo banda levemente maior, porém adiciona a capacida corrigir até 3 erros aleatórios em um bloco 1992 bits, o que significa que o código per sua eficiência totalmente se a taxa erro é maior que , mas nosso canal po garantir uma taxa erros menor que essa. No caso bursts erros, o código consegue corrigir até 3 bursts 8 bits cada um, no mesmo bloco 1992 bits, o que significa que, em condições excepcionais, até 24 bits pom ser corrigidos em um bloco 1992 bits. Para calcular a taxa erro, vamos utilizar a seguinte expressão: P eb = j =t 1 j 255 j 255 j P e 1 Pe j Calculando a expressão acima para n=255 e t=3, temos: P eb =10 O que é mais que suficiente para atenr a taxa erro mínima 10-8 requerida para o sistema. Na medida que finimos a banda necessário para o código canal, pomos calcular a banda que efetivamente será utilizada. A figura 8 mostra a configuração final do sistema. Fonte Imagens Codificador fonte Decodificador fonte Codificador canal Decodificador canal Ruído Modulador Hz Canal 4915 Hz Figura 8 Configuração final 6 Demodulador Visualizador imagens

7 3.1 Fonte e Destino Informação As aplicações fonte informação foi projetadas para abrir imagens 512x512 pixels monocromáticas com 8 bits/pixel em seqüência, à partir do banco imagens utilizadas na disciplina e enviar com ou sem codificação fonte. A aplicação fonte transmite continuamente as mesmas imagens, alternando entre uma imagem e outra pois um pequeno lay 5 segundos. Um checkbox permite sativar a codificação fonte para verificarmos as diferenças, como verificamos na figura 9. Figura 9 Aplicação fonte informação. A aplicação stino foi projetada apenas para efetuar a exibição das imagens recebidas pelo canal, possuindo também um checkbox para sativar a codificação fonte, como ilustrado na figura 10. Figura 10 Aplicação stino informação. 7

8 3.2 Codificação Fonte O objetivo da codificação fonte é dobrar o sempenho do canal, o que é feito removendo os 4 bits menos significativos dos pixels 8 bits, empacotando assim 2 pixels por byte. No codificador, os dois pixels são sempacotados, sendo que os 4 bits menos significativos cada pixel são preenchidos com informações aleatórias. A codificação fonte está integrada nas aplicações visualização imagens (fonte e stino), sendo possível sativar a codificação fonte para verificar a diferença nos resultados. 3.3 Codificação Canal A codificação canal escolhida é a Reed-Solomon (255,249,7). O aplicativo ecc original disponibilizado por Paul Flaehty sofreu as seguintes alterações: Transmissão RAW: foi eliminado o mecanismo frame sincronismo modo que o codificador agora trabalha com o bit-stream dados diretamente, sem adicionar overhead sincronismo. Tolerância à falhas fatais: mesmo que um bloco não possa ser codificado, o codificador envia o que conseguiu codificar, modo que a imagem não per sincronismo temporal. Interface X: foi adicionado um suporte à interface gráfica no aplicativo, modo que o codificador pom ser sativados. Além disso, foram adicionados totalizadores erros para indicar a quantida falhas corrigidas e falhas não corrigidas, bem como a contagem total blocos, a taxa transferência conseguida e a taxa erro, como po ser observado na figura 11. Figura 11 Aplicação codificação Reed-Solomon. O codificador não possui controle, ficando sempre ativado. Quando a codificação é stativada no codificador, o codificador simplesmente ignora os seis bytes parida e repassa diretamente os dados dos outros 249 bytes. Como o codificador canal é modular, é possível cascatear vários codificadores e utilizar scramblers para randomizar e embaralhar os dados. Em teoria é possível cascatear até 5 codificadores canal, o que representaria um adicional 30 bytes extras para verificação parida, em teoria sendo equivalente a um hipotético código (279,249) capaz corrigir até 15 erros aleatórios. 8

9 3.4 Modulação A aplicação modulação permite simular e visualizar um esquema modulação 128-QAM 7 bits transitando em um canal AWGN discreto, sendo possível visualizar tem tempo real tanto a operação do modulador, quanto do canal discreto e do modulador, como visualizado na figura 12. Figura 12 Aplicação simulação canal. A visualização do modulador indica em vermelho os erros modulação, ou seja, símbolos que estão fora suas caixas seus parâmetros válidos. Como visualizado na imagem, a distribuição pen da estatística da fonte, visto que alguns símbolos são estatisticamente mais comuns que os outros. Além da visualização dos canais, é possível controlar a relação sinal-ruído através uma caixa texto e visualizar em tempo real o valor do bit error rate computado entre a entrada e a saída do esquema modulação. Tanto o modulador quanto o modulador utilizam uma constelação 12x12 ilustrado na figura 13. A constelação foi criada modo a manter o mínimo número bits entre elementos vizinhos Figura 13 Constelação utilizada para o modulador. 9

10 4 - Simulação A simulação consiste em enviar imagens através dos aplicativos e módulos apresentados tentando obter a máxima verossimilhança com um sistema digital transmissão. Para isso os módulos aplicativos precisam ser corretamente conectados entre si, através do comando:./src/xsrc./ecc/ecc -e./qam/8to7./qam/xqam./qam/7to8./ecc/ecc -d./dst/xdst O que resulta na simulação já rodando em sua configuração padrão, com codificação fonte ativada, codificação canal ativada e canal comunicação com a especificação 17.73dB, como calculado. O ambiente simulação po ser observado na figura 14. Figura 14 Simulação sistema comunicação digital. Na medida que o modulador trabalha com apenas 7 bits e a interface entre um módulo e outro é sempre 8 bits, existe um módulo adaptador 8 para 7 bits entre o codificador canal e o modulador e outro módulo adaptador 7 para 8 bits entre o modulador e o codificador canal. 10

11 4.1 Simulação do Sistema Proposto O sistema proposto comunicação digital, como calculado, possui uma relação sinal-ruído da orm 17.73dB, o que produz uma taxa erro da orm (aprox. 5x10-4), como po ser visualizado na figura 15. Figura 15 Taxa erro operando à 17.73dB pois 5.2 bilhões bits transmitidos. A taxa erro da simulação 128-QAM po ser visualizada na figura E+1 1.0E 1.0E QAM (EST) BER 128-QAM 5xRS(255,249) RS(255,249) 1.0E-5 1.0E-7 1.0E Eb/N 0 (db) Figura 16 Desempenho erro do sistema

12 Comparativamente, pomos observar a performance da codificação canal na mesma figura, com informações obtidas da aplicação codificação canal, como visto através da figura 17. Figura 17 Performance da codificação canal pois 5.8 bilhões bits transmitidos. Pomos verificar que o codificador canal processou 1 bilhão bits, corrigindo 1.2 milhões bits com erro e ixando passar 2880 bits com erros, o que resulta em uma taxa erro 2.6 x 10-6, bem acima da esperada, mas totalmente imperceptível nas imagens. Uma possibilida para melhorar essa taxa erro seria substituir o código (255,249) por um código (255,223), aumentando assim a capacida correção 3 para 16 erros por bloco. Outra possibilida, seria concatenar 5 codificadores, resultando em teoria em um hipotético código (279,249) capaz corrigir 15 erros por bloco. Foram efetuados testes para melhorar a performance do sistema concatenando 5 codificadores canal, o que levou a taxa erro para 7.5 x Infelizmente a performance dos codificadores concatenados tem uma resultado variável que pen como os dados são entrelaçados, pois um erro não corrigido pelo primeiro codificador costuma passar direto para os próximos. Diversas possibilidas foram testadas e uma das melhores soluções foi a permuta padrões bits entre bytes pseudo-randomicamente selecionados em um buffer 4KB, ficando a melhor forma utilizar codificadores cascateados uma questão à ser respondida no futuro. Outra possibilida seria encurtar o código 249 bytes para 243 bytes e incluir uma cópia da tabela parida e passar 2x no codificador, escolhendo a codificação com menos erros. Isso efetivamente equivale garantir que a tabela parida não seja atingida por erros. Finalmente, existe a própria opção encurtar o código para (255,223). Ao invés suportar 1 erro a cada 83 bytes, seria possivel melhorar a relação para um erro a cada 74 bytes, uma melhora apenas 10%. Para a execução dos outros testes foi utilizada a configuração original com um único codificador. 12

13 4.2 Configurações com 5, 10 e 20dB Para uma configuração do sistema com 5dB, temos na figura 18 o sistema completo com codificação canal, enquanto que na figura 19 o mesmo sistema sem codificação canal (a diferença visual é pequena). Figura 18 Sistema operando com SNR 5dB e codificação canal. Figura 19 Sistema operando com SNR 5dB e sem codificação canal. 13

14 Para um SNR 10dB também não observamos muita melhora, como pomos visualizar nas figuras com codificação canal ativo (figura 20) e sativo (figura 21). Figura 20 Sistema operando com SNR 10dB e com codificação canal. Figura 21 Sistema operando com SNR 10dB e sem codificação canal. 14

15 Finalmente, temos o sistema operando com SNR 20dB, com a codificação canal ativa (figura 22) e sativa (figura 23). Observamos que neste caso a qualida transmissão é suficiente para o sistema operar forma limpa mesmo sem codificação canal. Figura 22 Sistema operando com SNR 20dB e codificação canal. Figura 23 Sistema operando com SNR 20dB e sem codificação canal. 15

16 5 - Conclusão Embora não tenha rendido como esperado, a construção do sistema para a simulação foi uma ativida extremamente interessante, servindo para visualizar perto dos os aspectos envolvidos em um sistema comunicação digital. A gran falha ocorreu no dimensionamento do codificador canal, que não renu o ganho codificação esperado para operar com um SNR 17.73dB. Todavia foi possível acompanhar seu funcionamento eficiente nesta configuração, que é o caso em que o número erros corrigidos é muito mais elevado que o número erros não corrigidos, sendo que a configuração concatenada cinco codificadores canal conseguiu uma taxa erro da orm 10-7, igual ou melhor que o conseguido com SNR 20dB sem codificação canal e com margem para melhoras ainda maiores. Também é interessante observar que a compressão imagem não resultou em gradação visível, muito pelo contrario. Quando a compressão está ativa, as imagens são transferidas na meta do tempo, o que permite a atualização da tela um número maior vezes por segundo. Do ponto vista percepção visual dos erros, uma velocida alguns frames/segundo permite esconr os erros muito mais rapidamente e a própria compressão, assim tantos os erros quanto a própria compressão se tornam quase imperceptíveis. Referências Sergei Winitzki, A handy approximation for the error function and its inverse, Arnold Sommerfeld Center for Theoretical Physics, Ludwig-Maximilians University, Germany Bernard Slkar, Designing Digital Communication Systems, article provid by Prentice Hall for InformIT, United States Sergio Benetto and Ezio Biglieri, Principles of digital transmission: with wireless applications, ISBN provid by Springer for Google Books, United States Christian Caleca, Les réseaux à large ban: Principes Évolués, Cours d'électronique, Académie D'Aix-Marseille, France Paul Flaherty, Reed - Solomon Error Correcting Cor, Stanford University, United States

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

CDI 20705 Comunicação Digital

CDI 20705 Comunicação Digital CDI Comunicação Digital DeModulação em Banda Base Digital Communications Fundamentals and Applications Bernard Sklar ª edição Prentice Hall Marcio Doniak www.sj.ifsc.edu.br/~mdoniak mdoniak@ifsc.edu.br

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PRJET DE REDES www.projetoderedes.com.br urso de Tecnologia em Redes de omputadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 1: onceitos de Redes de Dados

Leia mais

Códigos de Detecção e Correcção de Erros

Códigos de Detecção e Correcção de Erros Códigos de Detecção e Correcção de Erros Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Manuela Rodrigues M1379 Detecção e Correcção de Erros Características dos Erros Possíveis Abordagens Códigos de Detecção

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II UDP Prof: Ricardo Luís R. Peres Tem como objetivo prover uma comunicação entre dois processos de uma mesma sessão que estejam rodando em computadores dentro da mesma rede ou não.

Leia mais

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL Diego S. Mageski diego.mageski@hotmail.com Bene R. Figueiredo bfigueiredo@ifes.edu.br Wagner T. da Costa wagnercosta@ifes.edu.br Instituto Federal

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Códigos concatenados. Entrelaçamento. entrelaçadores de blocos. entrelaçadores convolucionais. Exemplos de códigos concatenados e entrelaçados

Códigos concatenados. Entrelaçamento. entrelaçadores de blocos. entrelaçadores convolucionais. Exemplos de códigos concatenados e entrelaçados 2.6. Códigos concatenados e entrelaçados Códigos concatenados Entrelaçamento entrelaçadores de blocos entrelaçadores convolucionais Exemplos de códigos concatenados e entrelaçados Entrelaçamento A maior

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Princípios de Comunicação de Dados Prof. Alexandre Dezem Bertozzi Divinópolis, fevereiro de 2003 1 Por que redes? É praticamente impossível não pensar em redes quando

Leia mais

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015)

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Teoria das Comunicações Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Aluno: Matrícula: Instruções A prova consiste de três questões discursivas A prova pode ser feita a lápis ou caneta Não é permitida consulta a notas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Detecção e Correção de Erros

REDES DE COMPUTADORES. Detecção e Correção de Erros REDES DE COMPUTADORES Detecção e Correção de Erros A Camada de Enlace Serviços prestados Serviços da camada de Enlace Encapsulamento Endereçamento Controle de erros Controle de fluxo Controle de acesso

Leia mais

UNIDADE I Aula 2 - Introdução aos Sistemas de Comunicação: Diagrama, Elementos e Transmissão da Informação. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 2 - Introdução aos Sistemas de Comunicação: Diagrama, Elementos e Transmissão da Informação. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 2 - Introdução aos Sistemas de Comunicação: Diagrama, Elementos e Transmissão da Informação Fonte: Rodrigo Semente Quais elementos estão relacionados a um Sistema de Comunicação? Geralmente,

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Redes de Computadores Tratamento de erros Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Ligação de dados Conceitos e objectivos Uma ligação física caracteriza-se

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

ISDB-T BRASIL Versão: 1.1.1

ISDB-T BRASIL Versão: 1.1.1 DIGIAIR PRO ISDB-T MANUAL DO USUÁRIO ISDB-T BRASIL Versão: 1.1.1 Conteúdo: DIGIAIR PRO ISDB-T Descrição. 3 1 INTRODUÇÃO 4 1.1 LIGAR E DESLIGAR (ON/OFF) 4 1.2 FONTE DE ALIMENTAÇÃO E BATERIA 4 1.3 COMO USAR

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Camada de Enlace de Dados Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Introdução A função desta camada parece trivial, pois a máquina A coloca os bits no meio e a máquina B tem que retirar de lá, porem

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Laboratório de Telecomunicações - Aula Prática 4 Sub-turma: 3 Nomes dos alunos: Tarefa 17 Ruído em um Link Digital Objetivo:

Leia mais

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1)

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1) Modelo de Referência OSI OSI (Open Systems Interconnection) Criado pela ISO (International Standards Organization) É um modelo abstrato que relaciona funções e serviços de comunicações em sete camadas.

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSMISSÃO DIGITAL

SISTEMAS DE TRANSMISSÃO DIGITAL SISTEMAS DE TRANSMISSÃO DIGITAL O QUE CARACTERIZA INFORMAÇÃO OU SISTEMA DIGITAL? QUAIS AS VATAGENS DE SISTEMAS DIGITAIS? QUAIS AS DESVANTAGENS DE SISTEMAS DIGITAIS? Vantagens Deteção e Correção Erros:

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

Rede PROFIBUS DP Redundante com Remota Ponto PO5063V5

Rede PROFIBUS DP Redundante com Remota Ponto PO5063V5 Nota de Aplicação Rede PROFIBUS DP Redundante com Sistema S7-400H e Remota Ponto PO5063V5 Altus Sistemas de Informática S.A. Página: 1 Sumário 1 Descrição... 3 2 Introdução... 3 3 Definição da Arquitetura

Leia mais

Modulação por Pulsos

Modulação por Pulsos Modulação por Pulsos Propriedades Amostragem de sinais Modulação por amplitude de pulso (PAM) Modulação por pulso codificado (PCM) Modulação por largura de pulso (PWM) Modulação por posição de pulso (PPM)

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

6 Redução do Overhead na Interface Aérea para os Pacotes de VoIP Transmitidos no Modo IMS

6 Redução do Overhead na Interface Aérea para os Pacotes de VoIP Transmitidos no Modo IMS 6 Redução do Overhead na Interface Aérea para os Pacotes de VoIP Transmitidos no Modo IMS Este Capítulo objetiva fornecer uma análise para a redução do número de bits a serem transmitidos na interface

Leia mais

Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX.

Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX. 2011 www.astralab.com.br Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX. Equipe Documentação Astra AstraLab 24/08/2011 1 Sumário Frases Codificadas...

Leia mais

Visão geral de QAM e fundamentos de solução de problemas para novos operadores de rede digital a cabo

Visão geral de QAM e fundamentos de solução de problemas para novos operadores de rede digital a cabo Documento técnico Visão geral de QAM e fundamentos de solução de problemas para novos Os sinais QAM (digital quadrature amplitude modulation) são um desafio complexo para média dos técnicos de cabo Este

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES MODELO TCP/IP DE 5 CAMADAS MODELO OSI MODELO TCP IP NUMERO DA CAMADA CAMADA NUMERO DA CAMADA CAMADA 7 APLICAÇÃO 6 APRESENTAÇÃO 5 APLICAÇÃO 5 SESSÃO 4 TRANSPORTE

Leia mais

Quais as diferenças entre os formatos de imagem PNG, JPG, GIF, SVG e BMP?

Quais as diferenças entre os formatos de imagem PNG, JPG, GIF, SVG e BMP? Quais as diferenças entre os formatos de imagem PNG, JPG, GIF, SVG e BMP? 66.393 Visualizações Por Daniele Starck Disponível em: www.tecmundo.com.br/imagem/5866 quais as diferencas entre os formatos de

Leia mais

Tecnologias de Redes Informáticas (6620)

Tecnologias de Redes Informáticas (6620) Tecnologias de Redes Informáticas (6620) Ano Lectivo 2013/2014 * 1º Semestre Licenciatura em Tecnologias e Sistemas da Informação Aula 3 Agenda Códigos detectores e correctores de erros O modelo OSI emissor

Leia mais

Memória cache. Prof. Francisco Adelton

Memória cache. Prof. Francisco Adelton Memória cache Prof. Francisco Adelton Memória Cache Seu uso visa obter uma velocidade de acesso à memória próxima da velocidade das memórias mais rápidas e, ao mesmo tempo, disponibilizar no sistema uma

Leia mais

Comunicação de dados. Introdução

Comunicação de dados. Introdução Comunicação de dados Introdução Os microcontroladores AVR estão equipados com dois pinos destinados à comunicação serial, UART (Universal Asynchronous Reciever/Transmitter), ou seja, permitem trocar informações

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 5: Comutação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

Sílvio A. Abrantes DEEC/FEUP

Sílvio A. Abrantes DEEC/FEUP Sistemas de espalhamento espectral com saltos em frequência (FH/SS) Sílvio A. Abrantes DEEC/FEUP Saltos em frequência (FH) Se a frequência de uma portadora modulada saltar sequencialmente de valor em valor

Leia mais

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Amostragem e PCM Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Amostragem 2 Introdução O processo

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO DE DE CIÊNCIAS CIÊNCIAS EXATAS EXATAS E E NATURAIS NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura

Leia mais

UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC. Fonte: Othon M. N. Batista

UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC. Fonte: Othon M. N. Batista UNIDADE III Aula 6 Cálculo do CRC Fonte: Othon M. N. Batista Relembrando a aula passada A verificação de redundância cíclica (CRC Cyclic Redundancy Check) consiste na técnica de detecção de erros muito

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Análise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva MULTIPLEXADORES

Análise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva MULTIPLEXADORES nálise de Circuitos Digitais Multiplexadores Prof. Luiz Marcelo Chiesse da ilva MULTIPLEXDORE O multiplexador ou Mux é um circuito combinacional dedicado com a finalidade de selecionar, através de variáveis

Leia mais

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006)

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) Marcelo Santos Daibert Juiz de Fora Minas Gerais Brasil

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula1: Introdução Slide 1 Questões administrativas Instrutores: Horário do Curso: Terças e Quintas-feiras Texto: "Communications Systems Engineering", Proakis

Leia mais

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 03 de Maio de 2012 Sumário 1 2 Modulação offset QPSK

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Programação em papel quadriculado

Programação em papel quadriculado 4 NOME DA AULA: Programação em papel quadriculado Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a entender como a codificação funciona. RESUMO Ao "programar"

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Hierarquia Digital Plesiócrona (PHD) REDES DE TELECOMUNICAÇÕES SDH (Synchronous Digital Hierarchy) Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Redes de Telecomunicações Hierarquia Digital

Leia mais

LASERTECK SOFTECK FC MANUAL DO USUÁRIO

LASERTECK SOFTECK FC MANUAL DO USUÁRIO LASERTECK SOFTECK FC MANUAL DO USUÁRIO 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3 INSTALAÇÃO... 3 4 O QUE MUDOU... 3 5 COMO COMEÇAR... 4 6 FORMULÁRIOS DE CADASTRO... 5 7 CADASTRO DE

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

Rede PROFIBUS DP com Sistema de Automação EMERSON/DeltaV e Remota Série Ponto

Rede PROFIBUS DP com Sistema de Automação EMERSON/DeltaV e Remota Série Ponto Nota de Aplicação NAP101 Rede PROFIBUS DP com Sistema de Automação EMERSON/DeltaV e Remota Série Ponto Sumário Descrição... 1 1. Introdução... 2 2. Instalação... 3 3. Configuração... 3 3.1 Projeto de Rede

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

O uso correto do texto alternativo

O uso correto do texto alternativo O uso correto do texto alternativo Tradução livre do texto Appropriate Use of Alternative Text [http://webaim.org/techniques/alttext/] O texto alternativo é, como o nome diz, uma alternativa aos elementos

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações

Estrutura de um Rede de Comunicações Fundamentos de Profa.. Cristina Moreira Nunes Estrutura de um Rede de Comunicações Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO Revista Mackenzie de Engenharia e Computação, Ano 5, n. 5, p. 13-96 Neste ponto existem duas possibilidades. Se o receptor for do tipo Digital o sinal de TV digitalizado oriundo do decompressor MPEG2 vai

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 1 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE : 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 O Sistema HCS 2000 é composto por: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO SISTEMA HCS 2000 v6.x Receptores: dispositivos

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente)

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Redes Heterogênea e Convergente Professor Rene - UNIP 1 Redes heterogêneas Redes Heterogêneas Todo ambiente de rede precisa armazenar informações

Leia mais

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão)

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Um vídeo pode ser considerado como uma seqüência de imagens estáticas (quadros). Cada um desses quadros pode ser codificado usando as mesmas técnicas empregadas

Leia mais

Processamento de Imagens COS756 / COC603

Processamento de Imagens COS756 / COC603 Processamento de Imagens COS756 / COC603 aula 03 - operações no domínio espacial Antonio Oliveira Ricardo Marroquim 1 / 38 aula de hoje operações no domínio espacial overview imagem digital operações no

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Luis Eduardo Pereira Bueno Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Trabalho elaborado como parte da avaliação da disciplina Processamento Digital de Sinais, ministrada pelo prof. Marcelo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011

Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011 Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011 Introdução Existem actualmente diversos formatos para reprodução de som multi-canal, mas neste trabalho serão abordados os seguintes: Estéreo LCRS 5.1

Leia mais

Colorindo com Números Representação de Imagens

Colorindo com Números Representação de Imagens Atividade 2 Colorindo com Números Representação de Imagens Sumário Os computadores armazenam desenhos, fotografias e outras imagens usando apenas números. A atividade seguinte demonstra como eles podem

Leia mais

Aula 5 Aspectos de controle de acesso e segurança em redes sem fio 57

Aula 5 Aspectos de controle de acesso e segurança em redes sem fio 57 Aula 5 Aspectos de controle de acesso e segurança em redes sem fio Objetivos Descrever como funciona o controle de acesso baseado em filtros de endereços; Definir o que é criptografia e qual a sua importância;

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações I

Sistemas de Telecomunicações I Introdução aos Sistemas de Telecomunicações José Cabral Departamento de Electrónica Industrial Introdução aos Sistemas de Telecomunicações 1-16 Introdução aos Sistemas de Telecomunicações Tópicos: Redes

Leia mais

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Memória Cache Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Projeto de Memórias Cache; Tamanho; Função de Mapeamento; Política de Escrita; Tamanho da Linha; Número de Memórias Cache; Bibliografia.

Leia mais

Sistema de Memórias de Computadores

Sistema de Memórias de Computadores Sistema de Memórias de Computadores Uma memória é um dispositivo que permite um computador armazenar dados temporariamente ou permanentemente. Sabemos que todos os computadores possuem memória. Mas quando

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Teste rveras@unip.br Aula 11 Agenda Usabilidade Compatibilidade Validação Resolução de tela Velocidade de carregação Acessibilidade Testes Nesta etapa do projeto do web site

Leia mais

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 1 Sumário 1. Instalando a Chave de Proteção 3 2. Novas características da versão 1.3.8 3 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 4. Executando o PhotoFacil Álbum 9 3.1. Verificação da Chave 9 3.1.1. Erro 0001-7

Leia mais

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox 1- Scilab e a placa Lab_Uino A placa Lab_Uino, é uma plataforma aberta para aprendizagem de sistemas microprocessados. Com a utilização de um firmware especifico a placa Lab_Uino é reconhecido pelo sistema

Leia mais

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV Santa Rita do Sapucaí -MG Ilhéus - BA Ilhéus - BA Pça Linear,100 37540-000 - Santa Rita do Sapucaí-MG Brasil - (5535) 3473-3473 (5535) 3473-3474

Leia mais

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01 UFSM-CTISM Teoria da Comunicação Aula-01 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Objetivo Objetivos da disciplina: Ter conhecimento dos princípios básicos da telecomunicação; Conhecer os conceitos

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

3. Disponibilidade do FSO

3. Disponibilidade do FSO 3. Disponibilidade do FSO No capitulo 2 foram exibidos os diversos parâmetros que conformam o balanço de potência do FSO. Este capitulo do trabalho irá descrever a disponibilidade do enlace, oferecendo

Leia mais

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1.

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1. WIN-SOFT STARTER Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW Versão: 1.1-BR Edição: 08/2011 www.siemens.com.br/sirius Agosto 2011 Página 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Soft Starters

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinaisi ula 03 Transmissão é o deslocamento de ondas eletromagnéticas em um meio físico (canal

Leia mais

Redes e Conectividade

Redes e Conectividade Redes e Conectividade Camada de enlace: domínio de colisão e domínio de broadcast, segmentação, modos de switching para encaminhamento de quadros Versão 1.0 Março de 2016 Prof. Jairo jairo@uninove.br professor@jairo.pro.br

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Introdução a Avaliação de Desempenho de Sistemas Prof. Othon M. N. Batista othonb@yahoo.com Roteiro Definição de Sistema Exemplo de Sistema: Agência Bancária Questões

Leia mais

UTILIZANDO RECURSOS E ATIVIDADES NO MOODLE

UTILIZANDO RECURSOS E ATIVIDADES NO MOODLE UTILIZANDO RECURSOS E ATIVIDADES NO MOODLE Luanna Azevedo Cruz Polyana Ribas Bernardes 2015 2015 1. INTRODUÇÃO Para utilizar as funcionalidades acesse o Moodle: http://moodle.ead.ufvjm.edu.br/ e clique

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE MÁRCIO PORTES DE ALBUQUERQUE OUTUBRO 2007-1 - SUMÁRIO RESUMO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PARTE I: O QUE É UM AMPLIFICADOR

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Mário Meireles Teixeira Departamento de Informática, UFMA mario@deinf.ufma.br Introdução 2 Desempenho: quantidade de serviços prestados / tempo decorrido desde o início dos serviços

Leia mais

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF)

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF) 15 Conectores de Vídeo Existem vários tipos de conexões de vídeo que você pode encontrar no PC e em aparelhos eletrônicos como TVs, aparelhos de DVD e videoprojetores. Apesar de a finalidade geral desses

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes Codificação Principais códigos utilizados Computadores e Equipamentos de Comunicações Digitais trabalham com representação e códigos. A codificação binária de sinais é largamente utilizada em Sistemas

Leia mais

Memória Descritiva ISPGAYA Seminário. 1 Memória Descritiva. 1.1 Introdução 2007-05-26 1(9) Livro de ponto automático e controlo de assiduidade

Memória Descritiva ISPGAYA Seminário. 1 Memória Descritiva. 1.1 Introdução 2007-05-26 1(9) Livro de ponto automático e controlo de assiduidade Memória Descritiva ISPGAYA Seminário Grupo: Orientador: Data: : ajm & vcm 2007-05-26 1(9) Projecto: Livro de ponto automático e controlo de assiduidade 1 Memória Descritiva 1.1 Introdução Pretende-se o

Leia mais

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC APÊNDICE B Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC Junho de 2007 Sumário Lista de Figuras...ii Lista de Tabelas... iii 1 INTRODUÇÃO...1 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA FM IBOC HÍBRIDO...1

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores Prof. Macêdo Firmino Revisão do Modelo de Camadas da Internet (TCP/IP) Macêdo Firmino (IFRN) s de Computadores Novembro de 2012 1 / 13 Modelo de Camadas Revisão de de Computadores Os

Leia mais