Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:"

Transcrição

1 Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família

2 APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO DE VIDA Mercado de Trabalho Escola Comum Trabalho Autônomo Centro de Convivência Avaliação Multidimensional Aprendizagem, Autonomia e Independência Resultado da Avaliação Artes Educ. Física Saúde Monitoramento das ações pela equipe Proposta de Apoio Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla Auto Gestão Auto Defensoria Assist. Social Ações Pedagógicas Desenvolvimento Integral no ciclo de vida Trabalho, emprego e renda Família

3 Deficiência Intelectual -Conceito Deficiência caracterizada por limitações significativas no funcionamento intelectual e no comportamento adaptativo, expresso nas habilidades práticas, sociais e conceituais, originando-se antes dos 18 anos. ( Lukasson e cols.; 2002)

4 Deficiência Múltipla - conceito É a associação, no mesmo indivíduo, de duas ou mais deficiências primárias, sendo que uma delas é a deficiência intelectual, com comprometimentos que acarretam consequências no seu desenvolvimento global e na capacidade adaptativa (BRASIL, 1994).

5 Avaliação Multidimensional Processo de avaliação deve-se considerar: 1.Conceito de deficiência intelectual: Limitações significativas no funcionamento Limitações significativas no funcionamento intelectual Limitações significativas no comportamento adaptativo A idade do início é inferior aos 18 anos.

6 2- Descrever nas cinco dimensões as potencialidades e as fragilidades: Habilidades Intelectuais; Comportamento adaptativo; Participação, Interações e Papéis Sociais; Saúde (Física, Mental e Etiologia); Contexto (Ambiente e Cultura).

7 3. Perfil e a intensidade dos apoios Identificar os apoios necessários, a intensidade dos apoios para melhorar o funcionamento. Desenvolvimento humano, ensino e Desenvolvimento humano, ensino e educação, vida doméstica, vida em comunidade, emprego, saúde e segurança, comportamental, social, proteção e defesa.

8 Intensidade dos Apoios Intermitente: episódico, baseado em necessidades específicas, em certos momentos Limitado: consistente, nos momentos necessários, por período limitado de tempo. Contínuo : diário, em alguns ambientes, (escola, trabalho, lar) sem limitações no tempo. Extensivo ou Pervasivo: constante,em diversos ambientes, em todo ciclo de vida. Equipe maior de pessoas apoio.

9

10 Público das Apaes Pessoas com Deficiência Intelectual e Múltipla que necessitam de apoios generalizados ou extensivos em todo seu ciclo de vida.

11 Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual Educação Especial no Espaço da Escola Especial

12 A fundamentação dessa proposta teve como referência os seguintes documentos : A Apae Educadora: a escola que buscamos 2001; Posicionamento do movimento Apaeano em defesa da inclusão escolar de pessoas com deficiência intelectual e múltipla de 2007; Os Fóruns de Autogestão autodefesa e família ; Política de Atenção Integral e integrada para as pessoas com deficiência intelectual e múltipla 2011

13 JUSTIFICATIVA DA PROPOSTA Ressignificar a escola especial das Apaes, definindo o percurso escolar dos alunos com deficiência intelectual e múltipla, respeitando a faixa etária definida para cada nível de ensino, com compromisso ético em favor da inclusão social.

14 OBJETIVOS Garantir o aluno com deficiência intelectual e múltipla o percurso escolar nos níveis de ensino. Diminuir a defasagem idade série. Aprimorar as práticas e respostas educativas oferecidas nas escolas especiais das Apaes.

15 OBJETIVOS Promover o desenvolvimento humano e as aprendizagens significativas para autonomia e independência do aluno. Dar a conclusão do ensino fundamental. Priorizar a oferta de serviço complementar ao aluno com deficiência intelectual e múltipla que necessita de apoio extensivo ou generalizado, matriculado na escola comum..

16 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES

17 Inclusão Social: Educação Especial no espaço da escola especial Ciclos de aprendizagens na Escola Especial das Apaes Educação Básica E D U C A Ç Ã O E S P C I A L Educação Infantil Educação Precoce Zero a 3 anos Fase I Pré-Escola 04 a 5 anos Fase II Ciclo de aprendizagem Inicial -02 anos Ciclo de aprendizagem Intermediário-03 anos Sistema Comum de ensino Ensino Fundamental Ciclo de aprendizagem Avançado -02 anos Fase III Ciclo de aprendizagem Conclusivo- 02 anos FASE IV EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ciclo de aprendizagem Inicial//Intermed iário- 02 anos Ciclo de aprendizagem Avançado/ Conclusivo-03 anos A Ç O E S D E A P R E N D I Z A G E M Ações de apoio complementar á pessoa com deficiência intelectual (A.A.C.D.I.)

18 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES 1- Educação Infantil de acordo com: Art. 29 da LDB, 1996 Referencial curricular da Educação infantil,1998 Nas escolas das Apaes realizar-se-á na Fase I: A) Programa de Educação precoce: 0 a 03 anos B) Programa de Educação pré-escolar: 03 a 05 anos

19 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES Fase I: A) Programa de Educação precoce: atendimento educacional especializado preventivo destinado a crianças na faixa etária de Zero a Três anos. Tem como finalidade precípua promover o desenvolvimento integral e o processo de aprendizagem da criança de modo ampliar suas perspectivas educacionais, sociais e culturais, bem como a melhoria da qualidade de vida pessoal familiar e coletiva. Modalidade de educação especial no espaço da escola especial

20 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES Fase I: B) Programa de Educação pré-escolar: Oferecer atendimento educacional especializado preventivo e educativo, destinado as crianças na faixa etária de três a cinco anos. Visa proporcionar condições adequadas e favoráveis ao seu desenvolvimento e aprendizagens nas dimensões emocional, cognitiva e social. Modalidade de educação especial no espaço da escola especial

21 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES 2- Ensino Fundamental: Realiza-se por meio de conteúdos curriculares que integram conhecimentos úteis ao desenvolvimento da autogestão e auto defesa, incorporados a valores éticos e estéticos que contemplem a auto estima do aluno e atitudes adequadas ao convívio social.enfim, currículos que façam com que o educando comprometa-se com posturas relevantes para sua vida pessoal e coletiva. Nas escolas das Apaes o Ensino Fundamental realiza-se na Fase II e Fase III. Modalidade de educação especial no espaço da escola especial

22 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES Fase II: Organizada em dois ciclos de aprendizagem para as pessoas com deficiência intelectual e múltipla na faixa etária de 06 a 14 anos, sendo eles: a) Ciclo de aprendizagem Inicial: 06 a 08 anos b) Ciclo de Aprendizagem intermediária:09 a 12

23 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES Fase II: A) Ciclo de aprendizagem Inicial: Tem a finalidade de avaliar e identificar por meio de variadas estratégias as necessidades, habilidades e potencialidades do educando, para introdução ao processo de alfabetização e letramento da pessoa com deficiência intelectual e múltipla. Desenvolver-se-á através de currículo, que promova o desenvolvimento das habilidades adaptativas de autonomia pessoal, competência social e as habilidades intelectuais gerais. Duração ( 02 anos); Modalidade de educação especial no espaço da escola especial

24 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES Fase II: B) Ciclo de Aprendizagem intermediária: Têm a finalidade de dar continuidade ao processo de aprendizagem do ciclo anterior, por meio de atividades práticas e situações reais adequadas as necessidades e peculiaridades dos educandos. Desenvolver-se-á através de um currículo com foco no desenvolvimento das habilidades conceituais, práticas e sociais relevantes para a vida jovem e adulta da pessoa com deficiência intelectual e múltipla. (03 anos) Modalidade de educação especial no espaço da escola especial

25 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES Fase III: organizada por meio de dois ciclos de aprendizagem para as pessoas com deficiência intelectual e múltipla para Jovens e adultos acima de 14 anos. a) Ciclo de aprendizagem avançado; 12 a 15 anos b) Ciclo de aprendizagem conclusivo; 16 a 17 anos

26 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES Fase III: a) Ciclo de aprendizagem avançado: Tem a finalidade de focalizar conquistas na dimensão cognitiva, além da aprendizagem de valores atitudes sociais, bem como oportunizar o exercício da autogestão e autodefesa, e dominar instrumentos básicos da cultura letrada que lhes permitam melhor compreender e atuar no mundo que vivem (Ribeiro,1999). (02 anos) Modalidade de educação especial no espaço da escola especial

27 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES Fase III: B) Ciclo de aprendizagem conclusivo: Têm a finalidade de dar continuidade ao processo de aprendizagem do ciclo anterior, por meio de atividades laborais desenvolvidas nas oficinas de formação para o trabalho, que trata da inserção social e da qualidade de vida dessa pessoa e de sua família. Desenvolverá através de um currículo com foco no desenvolvimento das habilidades necessárias para inclusão sociolaboral e das habilidades intelectuais gerais da pessoa com deficiência intelectual e múltipla. Duração: 02 ANOS

28 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES Fase IV: Educação de jovens e adultos A) Ciclo de aprendizagem Inicial e Intermediário Tem a finalidade de avaliar e identificar por meio de variadas estratégias as necessidades, habilidades e potencialidades do educando, para introdução ao processo de alfabetização e letramento da pessoa com deficiência intelectual e múltipla. Desenvolver-se-á através de currículo, que promova o desenvolvimento das habilidades adaptativas de autonomia pessoal, competência social e as habilidades intelectuais gerais. Duração ( 02 anos); Modalidade de educação especial no espaço da escola especial

29 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES Fase IV: EJA B) Ciclo de aprendizagem conclusivo: Têm a finalidade de dar continuidade ao processo de aprendizagem do ciclo anterior, por meio de atividades laborais desenvolvidas nas oficinas de formação para o trabalho, que trata da inserção social e da qualidade de vida dessa pessoa e de sua família. Desenvolverá através de um currículo com foco no desenvolvimento das habilidades necessárias para inclusão sociolaboral e das habilidades intelectuais gerais da pessoa com deficiência intelectual e múltipla. Duração: 03 ANOS

30 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES 3-Ações de aprendizagem Educação Física e Artes a) Em todas as fases da organização das ações de aprendizagem oferecidas pela escola especial das Apaes, a Educação Física e Artes serão oferecidas na dimensão educativa que compreenderá os aspectos educativos da linguagem com sua abordagem mais lúdica, integrativa, de apropriação do corpo, do movimento e será oferecido ás pessoas em seu percurso escolar considerando que essas linguagens são necessárias no processo de aprendizagem e desenvolvimento das pessoas com deficiência intelectual e múltipla.

31 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA ESPECIAL DAS APAES : b) As ações de aprendizagem de educação física e artes serão oferecidas para os alunos que já concluíram o percurso escolar, em todas as dimensões, educativas esportivas e artísticas além de atividades livres e estruturadas, que proporciona o aluno a apreciar, fazer e contextualizar, contribuindo no processo de aquisição da autonomia e da independência. Modalidade de educação especial no espaço da escola especial

32 4. Ações de apoio complementar á pessoa com deficiência intelectual (A.A.C.D.I.) Centro de apoio complementar de educação integral para pessoas com deficiência intelectual que requerem apoios extensivos ou generalizados e que freqüentam as escolas comuns. Serão oferecidos recursos e tecnologias distintas no processo de aprendizagem dos alunos, organizados de maneira que possam praticar aprender e avançar seu conhecimento e poderá ser oferecido nos diversos programas da Apae

33 Considerações: A proposta apresentada tem como centralidade as necessidades da pessoa com deficiência intelectual e múltipla, no âmbito educacional e no compromisso ético com a inclusão social. Torna-se urgente que as escolas especiais das Apaes incorporem este novo tempo, de novas perspectivas, de avanços de conceitos e de novos conhecimentos nas sua práticas e propostas.

34 Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual TRABALHO, EMPREGO E RENDA

35 Por que resignificar? Educação Profissional para Trabalho, Emprego e Renda

36 Trabalho, Emprego e Renda Público: Jovens e Adultos com Deficiência Intelectual e Múltipla

37 Trabalho, Emprego e Renda Estrutura-se em três programas: Formação para o trabalho Qualificação profissional Inserção no trabalho

38 Trabalho, Emprego e Renda Formação para o trabalho: Objetivo: proporcionar o desenvolvimento humano laboral, exercendo sua habilidade em qualquer situação de trabalho, seja para o desempenho de atividades cotidianas, como preparar seu próprio alimento ou ser voluntário.

39 Trabalho, Emprego e Renda Formação para o trabalho: Metodologia: Deve ser executada de forma prática, manipulando materiais concretos em diversos espaços; As atividades práticas devem estar articuladas com as habilidades intelectuais, estimulando a aprendizagem nas áreas de conhecimento

40 Trabalho, Emprego e Renda Formação para o trabalho: Apresenta dois ciclos de aprendizagem: Ciclo de aprendizagem avançado Ciclo de aprendizagem conclusivo Podem ocorrer na última fase do ensino fundamental ou como fase inicial do programa de trabalho, emprego e renda.

41 Formação para o trabalho OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Desenvolver habilidades de vida diária e sociais; Treinar hábitos e atitudes essenciais para a vida e para o trabalho. Facilitar a compreensão do mundo onde vivemos e o mundo do trabalho. Propiciar uma auto-avaliação quanto às aspirações e limitações pessoais para determinadas tarefas. Possibilitar que a pessoa adquira um nível máximo de autonomia pessoal.

42 Avaliação 1. Entrevista com o educando Objetivo: identificar os interesses e as suas aspirações relativos às atividades laborais (Anexo B). 2. Entrevista com a família Objetivo: obter dados referentes ao núcleo familiar, expectativas em relação à formação para o trabalho e a qualificação profissional (Anexo C). 3. Avaliação inicial Objetivo: conhecer as habilidades gerais e específicas do educando para o trabalho nas oficinas (Anexo D) 4.Construção do Plano de Desenvolvimento Individual (PDI)com base nos dados dos instrumentos acima.

43 Qualificação Profissional OBJETIVOS: oferecer à pessoa com deficiência intelectual o desenvolvimento de habilidades específicas e de conhecimentos de uma profissão. desenvolver as habilidades necessárias ao desempenho de uma tarefa por meio de atividades práticas fazendo com que o educando possa executar e produzir um determinado trabalho com qualidade, quantidade e responsabilidade na função a qual ele será inserido, futuramente, de acordo com as demandas do mercado. A organização e diretrizes estão vinculadas à economia do município, e à demanda de vagas.

44 Apae como Unidade Qualificadora O sucesso desse processo de qualificação depende de: Busca de parceiros; Credibilidade e participação da família; Cooperação entre gestores e profissionais.

45 Apae como Unidade Qualificadora Critérios a serem observados: Ter um processo de formação para o trabalho de excelência; Identificar a demanda de vagas de emprego no município; Buscar parcerias.

46 Pré requisitos para ingresso do educando 1. Avaliação final feita pelo programa de formação para o trabalho mostrando o desenvolvimento das habilidades necessárias para o ingresso no processo de qualificação profissional. (Anexo E) 2. Carteira Profissional 3. Certificado de Reservista 4. Titulo de Eleitor

47 Objetivos Específicos: Treinar o trabalhador para o exercício de atividades profissionais. Aperfeiçoar conhecimentos básicos necessários para a profissionalização Servir de treinamento para posterior inserção no mercado de trabalho competitivo. Oferecer aos trabalhadores condições para o desenvolvimento de postura adequada ao trabalho.

48 Metodologia O trabalhador deve ser treinado pelo profissional da área em atuação. O programa deve ser desenvolvido por meio de atividades práticas em ambiente simulado na própria instituição e/ou em situação real de trabalho em empresas. O programa deve ser desenvolvido por meio de gestão de projetos. Alguns projetos podem e devem incluir também a família das pessoas com deficiência intelectual e múltipla. Período de 1 a 3 anos

49 Programa de Inserção no Trabalho Consiste na integração da pessoa com deficiência intelectual e múltipla em algum tipo de atividade profissional, primordialmente competitiva e sempre condizente com o potencial e aspirações dessa pessoa e também com as disponibilidades existentes no mercado.

50 Objetivo Específico: Inserir a pessoa com deficiência intelectual e múltipla qualificada para desempenhar uma função e com as habilidades sociais necessárias para uma postura profissional adequada.

51 Pré requisito para o Programa Avaliação de desempenho profissional realizada pelo programa de qualificação profissional (ANEXO E)

52 Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual Autogestão, Autodefesa e Família

53 Linha do Tempo Ano 2000: Fórum de Autodefensores Congresso Estadual das Apaes em Uberaba Carta Princípio 19 Ano 2001: I Fórum Nacional de Autodefensores Carta de Fortaleza Ano de 2002: II Fórum de Autodefensores em Belo Horizonte. Ano 2003: II Fórum Nacional de Autodefensores - Carta de Bento Gonçalves Ano 2005: instituí a Coordenadoria de Autodefensoria da Federação das Apaes de Minas Gerais Programa de Formação de Autodefensores. III Fórum Nacional Carta de João Pessoa Ano 2006: III Fórum Estadual de Autodefensores- Carta de São Lourenço.

54 Linha do Tempo Ano 2007 IV Fórum Estadual de Autodefensores Publicação do Manual de Formação de Autodefensores. I Encontro Nacional Autodefensores Brasília Ano 2008 IVFórum Nacional de Autodefensores Vitória / Espírito Santo. Ano 2009 instituí a Coordenadoria Estadual de Autogestão, Autodefesa e Família. Construção e aplicação do Formulário sobre o perfil sócio econômico das famílias da rede mineira Apae. Câmaras Técnicas de Autogestão, Autodefensa e Família. Publicação: Autogestão e Autodefensoria: conquistando Autonomia e Participação. Ano 2010 Realização de Fóruns Regionais de Autogestão, Autodefesa e Família - Fórum Mineiro de Autogestão, Autodefesa e Família Carta de Uberlândia construída por 68 autodefensores e 340 familiares de pessoas com deficiência.

55 Autogestão Toda pessoa, independente de ter ou não deficiência, é autogestora ( auto gerir ), conduz sua vida, toma decisões, faz escolhas, concretiza ações. Processo contínuo que desenvolve o autoconhecimento, a liberdade de expressão, autonomia e independência.

56 Autodefesa É exercer a autonomia em favor dos próprios direitos, dos outros e de grupos sociais, e o reconhecimento das responsabilidades e deveres de cidadania. Atuação política e de representatividade.

57 Família Primeiro núcleo social responsável pela formação do indivíduo. Hoje considera-se várias configurações, sendo o matriarcado o mais comum nas Apaes,

58 Programa de Autogestão, Autodefesa e Família Objetivo Geral: Valorizar a pessoa com deficiência intelectual e múltipla e sua família, conhecendo suas necessidades, dificuldades e aspirações, construindo estratégias para incentivar o exercício da autonomia e independência.

59 Programa de Autogestão, Autodefesa e Família Objetivos Específicos: Capacitar a pessoa com deficiência intelectual e múltipla e sua família, dando-lhes voz e incentivando sua participação ativa na Apae com o intuito de orientá-los para se tornarem protagonistas de seus direitos e deveres. Fortalecer as pessoas com deficiência intelectual e múltipla dando-lhes oportunidades de inclusão na família, na escola, no mundo do trabalho e na sociedade. Apoiar a família em todo o ciclo de vida da pessoa com deficiência intelectual e múltipla buscando seu pleno desenvolvimento e realização.

60 Programa de Autogestão: Apae organiza seus serviços na perspectiva da integralidade de ações no ciclo de vida da pessoa com deficiência intelectual e múltipla, onde todos os profissionais devem desenvolver ações que promovem a autogestão das pessoas com deficiência intelectual e múltipla e suas famílias.

61 Programa de Autogestão Público: As pessoas com deficiência intelectual e múltipla, independente da intensidade de apoio que necessitem, ou seja, do seu grau de comprometimento, podem aprender a fazer escolhas, a expressar pensamentos e desejos e promover a defesa de seus direitos. As oportunidades de expressão e escolhas, bem como as corretas noções de limites para a vida em grupo, na sociedade devem acontecer na infância, adolescência, na fase adulta e no envelhecimento.

62 Programa de Autodefensores Programa para pessoas com deficiência intelectual e múltipla que visa capacitá-los sobre seus direitos e deveres enquanto cidadãos, levando-os a pensar, discutir, buscar soluções e elaborar conceitos.

63 Programa de Autodefensores Metodologia: Projeto: Escola de Formação de Autodefensores: Carga horária mínima: 04 horas semanais; Conteúdo programático; Controle de frequência; Autoavaliação e avaliação da aprendizagem; Período: mínimo 1 ano. Número de aluno: máximo 10 por turma; Idade mínima: 16 anos

64 Programa de Autodefensores CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Relação da sociedade com a pessoa com deficiência. História do movimento apaeano. Estrutura e organização dos serviços da Apaes Conceito e causa de deficiência. Conhecendo a legislação nas áreas de educação, saúde, trabalho, assistência social, lazer, acessibilidade, entre outros. Participação nos Conselhos de Direitos.

65 Programa de Autodefensores FUNÇÃO DO AUTODEFENSOR Defender os interesses e direitos das pessoas com deficiência intelectual e múltipla em várias instâncias, interna e externamente à instituição, como por exemplo, ser o representante da Apae no Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência e em outros conselhos de defesa de direitos.

66 Programa de Autodefensores RESULTADOS: Liderança e iniciativa; Facilidade de elaborar e expressar idéias; Habilidade de relacionar-se em grupo; Boa relação com os colegas Conhecimento básico acerca de legislação da pessoa com deficiência intelectual e múltipla.

67 Programa de Autodefensores PESSOA APOIO O QUE SIGNIFICA? Deve funcionar como mediador e estimulador do protagonismo da pessoa com deficiência intelectual e múltipla propiciando formação crítica e reflexiva que possibilite o encorajamento para a defesa de seus direitos.

68 Programa de Autodefensores PARA SER PESSOA APOIO O QUE É NECESSÁRIO: Conhecer o funcionamento da pessoa com deficiência intelectual e múltipla; Acreditar e reconhecer suas potencialidades e limitações; Utilizar linguagem simples e objetiva; Exercitar a capacidade de escuta. Respeitar a opinião da pessoa com deficiência intelectual e múltipla.

69 Programa da Família Objetivos Específicos: Promover boa interação família / pessoa com deficiência na busca de um ambiente estimulador, saudável, seguro e acolhedor. Capacitar a família nas questões sobre deficiência, legislação, direitos e deveres. Na medida em que os familiares passam a ficar melhor informados passam a exercer pressão para que essas leis sejam cumpridas facilitando a autogestão, a autodefesa e a defesa dos direitos das pessoas com deficiências graves e múltiplas que não puderem, por si mesmas, defender seus direitos. Orientar e apoiar as famílias na solução de seus problemas e na busca de oportunidades que lhes proporcionem desenvolvimento efetivo para melhoria da qualidade de vida.

70 Ações Ação Emergencial:Programa de fornecimento de cestas básicas para famílias cadastradas e em situação de risco acompanhadas pela Assistente Social. Agência Jurídica:Encaminhamento de mães atendidas no Setor de Autogestão, Autodefensoria e Família para atendimento na Procuradoria Jurídica da Apae onde são atendidas e orientadas por advogadas em vários temas com relação a defesa de direitos. Apoio para melhoria da qualidade de vida dos familiares: trabalhos realizados em parceria com o Núcleo de Arte- Educação, com professores da Apae: encontros três vezes por semana com alongamento, expressão corporal, dança e atividades culturais.

71 Escola de Pais Objetivos: Criar um espaço de aprendizado para a família que favoreça compartilhar experiências e encontrar meios para melhor lidar com a questão da deficiência. Fortalecer os pais em sua autonomia e capacitando-os na busca dos recursos fora do sistema familiar para a defesa dos direitos de seus filhos com deficiência. Meta: Criação do Grupo de Mães de Apoio onde mães que se formaram na Escola de Pais sejam preparadas para receberem outros pais. Os pais de apoio precisam estar preparados para que possam ouvir, sem críticas, os outros pais e que recebam uma formação continuada para que possam ajudar aos outros pais, que chegam à Apae.

72 Escola de Pais Resultados: Resgate da identidade de mulher refletindo na melhora da autoestima Melhora do conhecimento pelo grupo sobre o movimento apaeano Melhor entendimento sobre o papel da Apae. Reconhecimento da importância em desenvolver a autonomia e independência em seus filhos com deficiência intelectual e múltipla.

73 Discussão em Grupo Educação Especial no Espaço da Escola Especial Questões: 1. Quais são os pontos fortes e fracos das proposta apresentadas? 2. Defina os objetivos específicos de cada ciclo de aprendizagem do ensino fundamental para as pessoas com deficiência e múltipla que necessitam de apoios extensivos e ou generalizados. 3. Tendo como referência os instrumentos apresentados e os objetivos traçados acima, elabore ferramentas para avaliar o aluno com deficiência intelectual e múltipla que necessitam de apoios extensivos e ou generalizados em cada ciclo de aprendizagem do ensino fundamental.

74 Discussão em Grupo Trabalho, Emprego e renda Questões: 1.Quais são os pontos fortes e fracos das proposta apresentadas? 2. Tendo como referência a proposta apresentada, elabore um projeto para as oficinas de confecção de alimentos e de serviços visando a formação para o trabalho para pessoas com deficiência intelectual e múltipla que necessitam de apoios extensivos e generalizados. 3. Existe no Brasil um conjunto de leis que assegura o direito de acesso das pessoas com deficiência no mercado de trabalho, no entanto, é apontado pelas instituições qualificadoras, bem como pelos empresários que a qualificação profissional é o maior impedimento para contratação desse público. Sabemos que a pessoa com deficiência intelectual é ainda mais complexa, considerando que a maioria tem baixa escolaridade ou escolaridade inexistente. Considerando a proposta apresentada e o texto de referência, elabore projetos que viabilizem e aprimorem a qualificação profissional da pessoa com deficiência intelectual e múltipla que necessita de apoios extensivos

75 Discussão em Grupo Autogestão, Autodefesa e Família 1. Quais são os pontos fortes e fracos das propostas apresentadas? 2. A partir dos resultados dos fóruns realizados na rede das Apaes e da proposta apresentada, elabore projetos para a pessoa com deficiência intelectual e múltipla em cada fase de seu ciclo de vida. Infância, adolescência/vida adulta e envelhecimento Como trabalhar a autogestão em cada faixa etária e como envolver a família nesse processo?

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial A fundamentação dessa proposta teve como referência os seguintes documentos : A Apae Educadora: a escola

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS:

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: Art. 3º - A Escola oferece os seguintes níveis de ensino: I. Educação Infantil: de 0 a 05 anos de idade. Educação Precoce de 0 a 03 anos Educação

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

2º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional

2º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional Instituição: APAE - Belo Horizonte /MG Categoria: Escolas de Educação Profissional Trabalho Escola de Qualificação Profissional Básica: Dignidade, Autonomia e Renda A associação de pais e amigos dos excepcionais

Leia mais

PROJETO DE JARDINAGEM

PROJETO DE JARDINAGEM PROJETO DE JARDINAGEM ESCOLA ESPECIAL RENASCER APAE LUCAS DO RIO VERDE-MT JUSTIFICATIVA A escolha do tema jardinagem vem de acordo com a proposta pedagógica da Escola Especial Renascer que é proporcionar

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

1964 construção da sede da FENAPAE no Rio de Janeiro e depois transferida para Brasília.

1964 construção da sede da FENAPAE no Rio de Janeiro e depois transferida para Brasília. 1954 1ª APAE 1962 1999 Federação Nacional das APAEs Mais de 1500 APAEs MANUAL DE CONCEITOS 1 DEZEMBRO 1954 Fundação da 1ª APAE no Rio de Janeiro, iniciativa de Beatrice Bemis - membro do corpo diplomático

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE TELEMARKETING ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CAPACITAR EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE Nº 01/2014

CENTRO EDUCACIONAL CAPACITAR EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE Nº 01/2014 CENTRO EDUCACIONAL CAPACITAR EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE Nº 01/2014 O CENTRO EDUCACIONAL CAPACITAR, conforme critérios específicos expressos no presente edital, torna público que ESTÃO ABERTAS

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. 2.3 Justificativa pela escolha da formação inicial e continuada / qualificação profissional:

PROJETO PEDAGÓGICO. 2.3 Justificativa pela escolha da formação inicial e continuada / qualificação profissional: PROJETO PEDAGÓGICO 1 Identificação: Curso de Extensão em Navegação Marítima Básica Contextualização da(s) localidade(s) onde ocorrerá o curso: O curso será oferecido no CRPNM ( Centro de Referência em

Leia mais

4h diárias - 16 meses

4h diárias - 16 meses 4h diárias - 16 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM RECEPCIONISTA ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral: 4 -

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ORIENTADORES ARTÍSTICOS EM TEATRO PARA O PROJETO ADEMAR GUERRA Edição 2013

CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ORIENTADORES ARTÍSTICOS EM TEATRO PARA O PROJETO ADEMAR GUERRA Edição 2013 CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ORIENTADORES ARTÍSTICOS EM TEATRO PARA O PROJETO ADEMAR GUERRA Edição 2013 PROJETO ADEMAR GUERRA Conceito e Eixo Curatorial I-Apresentação O Governo do Estado de São

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL INSTITUIÇÃO SINODAL DE ASSINTÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA - ISAEC ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL SINODAL SETE DE SETEMBRO NÃO-ME-TOQUE /RS REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 1 SUMÁRIO 1- CARACTERIZAÇÃO DA

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS O componente curricular denominado Atividades Acadêmico-Científico- Culturais foi introduzido nos currículos

Leia mais

3º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional

3º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional Instituição: SENAC Comunidade Categoria: Escolas de Educação Profissional Trabalho Eliminando barreiras, construindo pontes: A experiência do SENAC Comunidade na inclusão de pessoas com deficiência intelectual

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santos

Prefeitura Municipal de Santos Prefeitura Municipal de Santos Estância Balneária SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Seção de Suplência/ SESUPLE Parceiros do Saber Projeto de alfabetização de Jovens e Adultos Justificativa

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR ADMINISTRATIVO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

ZILIOTTO CONSULTORIA SOCIAL LTDA. FEBRAEDA

ZILIOTTO CONSULTORIA SOCIAL LTDA. FEBRAEDA . FEBRAEDA OFICINA DE TRABALHO SOBRE A CONSTRUÇÃO DA METODOLOGIA DA SÓCIO APRENDIZAGEM PROFª: MARIA CECILIA ZILIOTTO 26 DE MAIO DE 2014 CAMP - PINHEIROS . Construindo a Metodologia da Socioaprendizagem

Leia mais

PROCESSO Nº 129/2004 APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/03/2005 PARECER CEE/PE Nº 10/2005-CEB I RELATÓRIO:

PROCESSO Nº 129/2004 APROVADO PELO PLENÁRIO EM 15/03/2005 PARECER CEE/PE Nº 10/2005-CEB I RELATÓRIO: INTERESSADO: SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC ASSUNTO : AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ALFABETIZAÇÃO E ENSINO FUNDAMENTAL RELATORA : CONSELHEIRA EUGENILDA MARIA LINS COIMBRA PROCESSO

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2 1ª FASE 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL A Biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão neurológica nos processos básicos: os sentidos

Leia mais

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02 Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia Manual de Estágios Currículo 2009.02 Belo Horizonte Dezembro de 2009 1 FICHA TÉCNICA CORPO ADMINISTRATIVO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Presidente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS II SIMPÓSIO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS 13 e 14 de junho de 2013 O PROJETO DE EXTENSÃO MATEMÁTICA LEGAL

Leia mais

AULA 07. Profª Matilde Flório. Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...)

AULA 07. Profª Matilde Flório. Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) AULA 07 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS

Leia mais

Belém/PA, 28 de novembro de 2015.

Belém/PA, 28 de novembro de 2015. CARTA DE BELÉM Reuniram-se em Belém, Conselheiros de Educação de 24 Unidades da Federação, formando a plenária do Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação, que ocorreu no período de 25 a 28 de

Leia mais

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS.

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INTRODUÇÃO Susana Michels 1 Maria Preis Welter 2 O presente

Leia mais

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA...

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... JUSTIFICATIVA Desde o nascimento a criança está imersa em um contexto social, que a identifica enquanto ser

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE RESOLUÇÃO 099/2014. Dispõe sobre o registro das entidades nãogovernamentais sem fins lucrativos que tenham por objetivo a assistência ao adolescente e à educação profissional e a inscrição de programas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO Meta 4: universalizar, para a população de 4 (quatro) a 17 (dezessete) anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE Resumo O estudo objetiva discutir os desafios dos cursos de formação de professores frente à inserção

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA JOVENS E ADULTOS NO BRASIL: A IMPLANTAÇÃO DO PROEJA FIC NO IF BAIANO CAMPUS CATU. RESUMO

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA JOVENS E ADULTOS NO BRASIL: A IMPLANTAÇÃO DO PROEJA FIC NO IF BAIANO CAMPUS CATU. RESUMO POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA JOVENS E ADULTOS NO BRASIL: A IMPLANTAÇÃO DO PROEJA FIC NO IF BAIANO CAMPUS CATU. Neyla Reis dos Santos Silva IF Baiano Campus Catu neyla.reis@catu.ifbaiano.edu.br

Leia mais

APAE de Campinas. betafedosse@gmail.com

APAE de Campinas. betafedosse@gmail.com APAE de Campinas betafedosse@gmail.com MOVIMENTO APAEANO É uma grande rede, constituída por pais, amigos, pessoas com deficiência, voluntários, profissionais e instituições parceiras públicas e privadas

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 01097 ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Luiza Rodrigues Flores (UFRGS) Simone Albuquerque (UFRGS) O artigo apresenta alguns

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE MINORIAS ÉTNICAS E SOCIAIS DELIBERAÇÃO Nº 291, DE 14 DE SETEMBRO DE 2004. Estabelece normas

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL: UM FATOR DE INCLUSÃO SOCIAL.

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL: UM FATOR DE INCLUSÃO SOCIAL. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL: UM FATOR DE INCLUSÃO SOCIAL. Iêda Lúcia Moraes Escola Ana do Nascimento Souza de Educação Especial Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima FAENOL

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE EDUCAÇÃO

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE EDUCAÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA DISCIPLINA: EDUCAÇÃO EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS: PESQUISA E PRÁTICA CODICRED: 142AU-04 EMENTA: Caracterização, organização e gestão dos espaços não-formais na promoção da aprendizagem

Leia mais

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho Dois assuntos atualmente recebem muita atenção dos educadores e gestores em Educação: o acompanhamento da evolução do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

Informações gerais Colégio Decisão

Informações gerais Colégio Decisão 1 Informações gerais Colégio Decisão 2 Carta da Diretora Colégio Decisão Venha, que estamos de portas abertas para você. Carta da Direção Prezados país e responsáveis, A Organização de uma escola pede

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS RESUMO: Glenda Gabriele Bezerra Beltrão; Wanessa da Silva Reis;

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS

OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS 1 OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS Patrícia Oliveira Fontes Pedagoga. Especialista em Educação Inclusiva. Especialista em Libras. Professora Tutora da Universidade Tiradentes (UNIT) e Professora

Leia mais

Formação continuada de professores de música das escolas municipais de João Pessoa 1

Formação continuada de professores de música das escolas municipais de João Pessoa 1 Formação continuada de professores de música das escolas municipais de João Pessoa 1 Luis Ricardo Silva Queiroz 2 Universidade Federal da Paraíba Vanildo Mousinho Marinho 3 Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

PROJETO ESCOLA DE FÁBRICA

PROJETO ESCOLA DE FÁBRICA PROJETO APRESENTAÇÃO O projeto Escola de Fábrica é uma iniciativa do Governo Federal, através do e da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, que pretende possibilitar a inclusão social de jovens

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE EXPERIÊNCIA

APRESENTAÇÃO DE EXPERIÊNCIA APRESENTAÇÃO DE EXPERIÊNCIA Instâncias estaduais da Central Única dos Trabalhadores CUT dos Estados do Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia e Roraima, por meio da Escola Sindical Amazônia e Escola Sindical

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO MARIA CRISTINA LOZANO Grupo de Pesquisa Educação Física FEUSP / CNPQ Este estudo é um relato de um projeto de educação física, entitulado

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Andréa Pereira de Souza Gestora da Formação Permanente na Secretaria Municipal de Educação do município de Mogi das Cruzes. Cintia

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO Considerando o objetivo de formação de docentes em que a atividade prática de prestação de serviços especializados é relevante à sociedade, torna-se necessário

Leia mais

Ensino Fundamental II Projeto Eu Com

Ensino Fundamental II Projeto Eu Com Ensino Fundamental II Projeto Eu Com A proposta educacional do Colégio Nacional, consolidada no Projeto Eu Com, leva em consideração o alcance dos objetivos propostos em Lei para o Ensino Fundamental II,

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Infantil

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Infantil Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Infantil Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME)

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (NEA) SEMED TÉCNICAS RESPONSÁVEIS: REGINA FREIRE ARNALDO DO NASCIMENTO (GESTORA AMBIENTAL) E SOLANGE ALVES OLIVEIRA (BIÓLOGA) LEI N o 9.795,

Leia mais

EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica

EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica EIXO 4 - Política e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica FÓRUNS DE ESTUDOS: UMA ALTERNATIVA DE DISCUSSÃO DE NOVAS POSSIBILIDADES E AÇÕES NA MELHORIA DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

1- Apoiar a construção coletiva e a implementação do Plano Municipal de Educação. 2 - Educação Inclusiva

1- Apoiar a construção coletiva e a implementação do Plano Municipal de Educação. 2 - Educação Inclusiva Atingir as metas estabelecidas no Plano Municipal de Educação Projeto do Plano Municipal de Educação Conferência Municipal de Educação Projeto realizado Conferência realizada Elaborar o Plano Municipal

Leia mais

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Luiz Carlos Chiofi Universidade Estadual de Londrina - PDE luizquinzi@seed.pr.gov.br Marta Regina Furlan

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais

Ciência na Educação Básica

Ciência na Educação Básica Ciência na Educação Básica Maria Beatriz Ramos de Vasconcellos Coelho Coordenadora Geral de Tecnologias da Educação Secretaria de Educação Básica O que está na Constituição O Brasil é uma República Federativa

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Fala cidadão: promovendo o direcionamento social, educacional e profissional do aluno da E.J.A, visando à transformação de sua realidade, na construção da cidadania Mostra Local

Leia mais

Projeto PAI Pensamento Ação Inteligência

Projeto PAI Pensamento Ação Inteligência Projeto PAI Pensamento Ação Inteligência Da Educação Infantil ao Ensino Fundamental DESAFIOS: I. Desenvolver habilidades e competências que estão na base de toda aprendizagem, considerando três campos

Leia mais

O ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR: entre a utopia e a realidade

O ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR: entre a utopia e a realidade O ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR: entre a utopia e a realidade Dulciana de Carvalho Lopes Dantas 1 INTRODUÇÃO A condição de vida das pessoas com deficiência intelectual nas fases

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COLETIVO JOVEM DE MEIO AMBIENTE: implantando COM-VIDAS no entorno da em escolas de Educação Infantil Maria Helena Ferreira Pastor Cruz lenafcruz@gmail.com Aline da Silva Ferreira aline.s.ferreira@hotmail.com

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESTRELA/RS. Documento Base. Metas e estratégias

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESTRELA/RS. Documento Base. Metas e estratégias PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESTRELA/RS Documento Base Metas e estratégias Meta 1 PNE: Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA AVALIAÇÃO

GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA AVALIAÇÃO GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA AVALIAÇÃO Vera Lúcia Martins Gramville 1 Rozane Marcelino de Barros 2 Resumo: O presente Artigo é uma descrição reflexiva que produziu

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TEMPO FORMATIVO JUVENIL

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TEMPO FORMATIVO JUVENIL Superintendência de Educação Básica Diretoria de Educação Básica Coordenação de Educação de Jovens Adultos EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TEMPO FORMATIVO JUVENIL Democratização e efetividade do processo

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 LEGENDA: EM VERMELHO O QUE INCLUÍMOS NO FÓRUM EJA / RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE VERDE PROPOSTA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AO ENSINO MÉDIO NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROEJA Síntese dos

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MANDAGUARI Secretaria Municipal de Assistência Social

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MANDAGUARI Secretaria Municipal de Assistência Social PRÊMIO GESTOR PÚBLICO PARANÁ PGP/PR DADOS CADASTRAIS Ano/Edição: 2015 Município: Mandaguari - PR Função de Governo: III - Assistência Social CNPJ: 76285345-0001/09 Endereço: Avenida Amazonas, 500 - Centro

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PIBID 1 NA FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA, TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO E ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO VANESSA PINHEIRO profvanessapinheiro@gmail.com

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO

APRESENTAÇÃO DO CURSO DO CURSO DO CURSO O curso de Especialização em Educação Empreendedora foi concebido como Pós-graduação Lato Sensu para a qualificação de professores que trabalham no ensino técnico e profissional em todo

Leia mais

IMPLANTANDO O ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE ESTADUAL DE ENSINO

IMPLANTANDO O ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE ESTADUAL DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA A GARANTIA DO PERCURSO ESCOLAR DO ALUNO NA CONVIVÊNCIA DOS DOIS REGIMES DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL COM DURAÇÃO DE OITO ANOS E ENSINO FUNDAMENTAL COM DURAÇÃO DE NOVE ANOS. IMPLANTANDO

Leia mais

Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência

Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência Proposta de Parceria BRASÍLIA, JUNHO DE 2011. Nome do Projeto Segurança e Manutenção

Leia mais

PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013

PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013 PROJETO CURSO ALUNO INTEGRADO / 2013 INSTITUIÇÃO PROPONENTE: Ministério da Educação CNPJ: 00.394.445/0124-52 SETOR RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Secretaria de Educação Básica(SEB) ENDEREÇO: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL Regina Lúcia Maciel De Sousa RESUMO As constantes mudanças econômicas e sociais configuram um novo cenário de valorização

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre as mudanças na legislação do Ensino

Leia mais

Plataforma. Portal Educacional

Plataforma. Portal Educacional Plataforma Portal Educacional O Grupo Actcon e a Rede Educar Brasil Especializado em soluções que incorporam Tecnologia da Informação à Educação e à Modernização da Administração Pública, o Grupo Actcon

Leia mais