O Papel da Busca, Recuperação e Análise de Informações de Patentes no Registro da Propriedade Intelectual em Empresas de Base Tecnológica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Papel da Busca, Recuperação e Análise de Informações de Patentes no Registro da Propriedade Intelectual em Empresas de Base Tecnológica"

Transcrição

1 O Papel da Busca, Recuperação e Análise de Informações de Patentes no Registro da Propriedade Intelectual em Empresas de Base Tecnológica Juliano Salmar N. Taveira MSc. Mariana Savedra Pfitzner Francisco H. Papa Fundação CPqD Fundação CPqD Fundação CPqD Resumo Este artigo descreve uma metodologia de busca, recuperação e análise de patentes contendo informações sobre o estado da arte de determinadas tecnologias. Esta metodologia mostra-se importante para empresas de base tecnológica, nas quais o conhecimento transformado em direito de propriedade, representa vantagem competitiva para a inovação. O uso dessa metodologia permite ao pesquisador tomar conhecimento do uso dos direitos de propriedade próprios e de terceiros, bem como ajuda a definir novas linhas de atividades de P&D. Foi apresentado um estudo de caso prático desta metodologia usando a tecnologia de grade de Bragg em fibras ópticas. 1. Introdução O conhecimento é hoje um insumo essencial para a competitividade empresarial. A velocidade vertiginosa do avanço da tecnologia eliminou a possibilidade de inserção nos mercados internacionais das empresas que se limitam a copiar produtos. Cada vez mais, somente aquelas capazes de criar ou agregar conhecimento ao que fazem, conseguirão manter a longevidade em suas atividades principais. Para as chamadas organizações do conhecimento, o conhecimento é tido como matéria-prima e às vezes produto final. Portanto, estratégias institucionais no sentido de aprimorar a pesquisa do conhecimento e proteger os resultados de sua produção são cada vez mais bem-vindas e necessárias para as instituições modernas, especialmente para as de base tecnológica. O exame do estado da arte de determinadas tecnologias é um diferencial que deve estar presente nessas empresas, pois permite: Diminuir redundância de esforços e o investimento desnecessário de recursos no desenvolvimento de soluções preexistentes de propriedade de terceiros; Propiciar que as atividades de P&D conduzam a soluções com elevado teor de novidade, e sempre que possível passíveis de proteção por patentes, caracterizando efeitos de spillovers (conhecimento gera mais conhecimento); Conhecer e absorver a tecnologia disponível através de inovações incrementais; Identificar os atores (inventores, empresas, universidades, centros de P&D, etc) e respectivas tendências e interesses tecnológicos e comerciais. Em primeiro lugar, para se construir o estado da arte de determinada tecnologia cumpre traçar-se uma estratégia de busca e recuperação de informações pertinentes ao campo do conhecimento que se investiga (ver capítulo 3). Essas informações encontram-se publicadas em documentos de patentes ou na literatura cientifica (artigos, teses, papers, etc). A documentação de patentes possui características que a tornam uma das mais ricas fontes de informações tecnológicas, uma vez que a descrição técnica detalhada da inovação tecnológica é um dos pressupostos consagrados pelo sistema internacional de patentes. Em aproximadamente 70% dos casos, seu conteúdo não será publicado em qualquer outra fonte de informação [1]. Em segundo lugar, o conjunto de patentes recuperados deve transformar-se em conhecimento útil para a organização. Este trabalho de análise, denominado refinamento informacional (ver capítulo 4) objetiva estruturar o conhecimento disponível nos documentos de maneira sumarizada e inteligível, tornando-o acessível aos pesquisadores e tomadores de decisão. De posse disto, os pesquisadores podem gerar conhecimento novo passível de ser patenteado. Portanto, ao não se considerar os documentos de patente no levantamento do estado da técnica, os pesquisadores deixam de conhecer informações que poderiam ser muito relevantes para o seu trabalho. O crescimento do número de patentes publicadas no mundo em todas as áreas do conhecimento humano vem adquirindo, nos últimos anos, escala

2 surpreendente. O acervo mundial de documentos de patentes está estimado em 30 milhões, com um crescimento anual da ordem de um milhão e duzentos mil novos documentos de patente. O objetivo deste trabalho é, portanto, apresentar de maneira sucinta, uma metodologia da estratégia de busca, recuperação e análise de informações presentes em documentos de patentes de bancos de dados mundiais de livre acesso. 2. Justificativa As empresas de base tecnológica possuem um aspecto peculiar: são agentes de mudanças, capazes de introduzir inovações na estrutura industrial e de gerar um valor econômico a partir de conhecimentos científicos específicos em sua área de atuação. Neste contexto, este artigo optou por tratar das atividades necessárias que precedem qualquer tipo de registro de Propriedade Intelectual nestas empresas. A título ilustrativo, selecionaram-se os casos de busca, recuperação e análise de patentes para a tecnologia de grade de Bragg em fibras, cujo campo de conhecimento pertence às comunicações ópticas. 3. Definição das estratégias de busca e recuperação de informações A estratégia de busca corresponde a um grupo de regras que tornam possível o encontro entre a pergunta formulada e a informação armazenada na base de dados selecionada. Os principais bancos de patentes gratuitos disponíveis para consulta são: Espacenet (http://ep.espacenet.com), Free Patents Online (http://www.freepatentsonline.com), INPI (http://pesquisa.inpi.gov.br/marcapatente/jsp/servimg/s ervimg.jsp?basepesquisa=patentes), USPTO (http://www.uspto.gov/patft/) e Patent Genius (http://www.patentgenius.com/). Destaque-se que a base de patentes do INPI restringe-se a patentes depositadas e publicadas no Brasil, enquanto o Patent Genius foca-se na busca por inventores. O uso desta última base é particularmente interessante para se avaliar a movimentação dos maiores pesquisadores pelas empresas, facilitando a identificação da concorrência. No planejamento da estratégia de busca de informações em bancos de patentes, algumas ações precisam ser estabelecidas: Compreensão da questão: O que se deseja buscar na base de patentes? Qual o objetivo do levantamento do estado da arte? Escolha do banco de dados: Qual o banco de dados que mais de adapta aos objetivos da busca? Definição dos indexadores de busca: Os indexadores de busca poderão ser palavraschave ou classificações internacionais. As palavra-chaves não obedecem a nenhuma estrutura, são aleatórias e retiradas de textos de linguagem livre. A classificação Internacional de Patentes (CIP), definida e mantida pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI-Genebra), foi estabelecida como uma forma taxonômica para se relacionar o conhecimento humano descrito na forma de patentes, e o fazem através de oito grupos temáticos, sendo estes: necessidades humanas (A), operações de processamento/transporte (B), química e metalurgia (C), têxtil e papel (D), construções fixas (E), engenharia mecânica/iluminação/aquecimento (F), física (G) e eletricidade (H); Seleção dos operadores booleanos: Os operadores booleanos podem tanto reduzir quanto ampliar o escopo da busca. O truncamento após a palavra-chave (a exemplo do asterisco) aumenta o número de documentos recuperados, enquanto os limitadores (como o uso do NOT ), descartam documentos sem relação com o objeto da pesquisa. Uma boa estratégia de busca de documentos de patentes garante um conjunto de informações consistentes capazes de cobrir, ainda que parcialmente, o estado da arte da tecnologia que se está investigando. A verificação da consistência e relevância dos documentos de patentes é chamada de estratégia de recuperação de informações. Especial atenção deve ser conferida ao risco de recuperação de documentos de patentes sem relação com a tecnologia. Este tipo de problema afeta a etapa de análise do estado da arte, sendo causado especialmente por palavras ou acrônimos que possuem diversos significados. Exemplos de ambigüidade são as palavras chip (circuitos integrados ou batatas), 3G (terceira geração de tecnologia sem fio ou 3 gramas), FTT* (fibra óptica na casa do assinante ou primeiro transdutor de temperatura). A investigação das classificações atribuídas à palavra ou acrônimo buscados é a forma mais indicada para retirarem-se documentos irrelevantes dos resultados obtidos. Assim, no caso do levantamento do estado da arte da tecnologia 3G, devem ser

3 inicialmente considerados documentos pertencentes ao grupo de eletricidade (F) e excluídos os associados às necessidades humanas (A). Normalmente, o pesquisador especialista na tecnologia que se esteja investigando deve também auxiliar na recuperação de documentos de patentes pertinentes Busca e recuperação de informações: o caso da tecnologia de grades de Bragg em fibras ópticas O objetivo do exame do estado da arte para a tecnologia de grade de Bragg em fibras ópticas era a orientação de novas linhas de P&D. Com base nesta informação, montou-se uma estratégia de busca abrangente e genérica, voltada a todas as aplicações e ao conceito da tecnologia. Cumpre lembrar que usou-se a base de dados do Espacenet devido à sua interface amigável na realização de buscas avançadas. Utilizaram-se como palavras-chave no título ou resumo dos documentos de patentes bragg grating fibers e bragg grating fibres, considerando-se as distintas grafias do inglês americano e britânico para fibra. Estas palavras-chave não foram filtradas por classificações internacionais. O resultado da busca trouxe 159 documentos, dos quais 108 foram recuperados (retiraram-se patentes da mesma família) e posteriormente analisados. 4. Análise de informações A etapa subseqüente à busca e recuperação de documentos de patentes compreende a análise das informações neles contidas. Tal análise significa a articulação de dados não-estruturados contidos nos textos, de modo a transformá-los em conhecimento útil. No tocante à importância das informações codificadas, Freitas et alli [2] menciona que a informação serve à tomada de decisão, logo a necessidade de decidir com maior precisão é justificada pela necessidade que temos em agir, dentro das organizações e no campo da pesquisa. Isto significa que o conhecimento do estado da arte é prerrogativa para a tomada de decisões sobre novas linhas de P&D e registro de Propriedade Intelectual. A definição de linhas estratégicas de P&D por meio do conhecimento prévio do estado da arte configura a situação organizacional a que Chandler [3] chama de structure follows strategy. Isto significa que o exame cuidadoso da tecnologia permite a clara definição de estratégias corporativas de inovação (estratégia) a serem seguidas por toda a empresa (estrutura). Basicamente a análise de documentos de patentes envolve as seguintes etapas: Codificação: Consiste no agrupamento de documentos de patentes que tratem de temas semelhantes. A codificação dos documentos de patentes pode ser feita através dos seus títulos, resumos ou quadros reivindicatórios, os quais, a rigor, identificam precisamente o que a patente pretende proteger; Análise léxica: As palavras mais freqüentes dos grupos de patentes podem ser listadas com auxílio de softwares de pesquisa qualitativa. Tais palavras devem ser analisadas no contexto em que aparecem. Excluem-se desta análise os verbetes instrumentais que não possuem relação com a tecnologia como the, in e and. O processo de interpretação do contexto das palavras nas frases de origem é chamado de navegação lexical. De posse deste recurso, é possível identificar-se de maneira geral o escopo das invenções; Análise de conteúdo: A leitura dos resumos dos documentos de patentes, em complementação à análise léxica permite a sumarização do estado da técnica. Quanto mais documentos forem considerados nesta etapa, maior o grau de cobertura do exame do estado da técnica. O direcionamento da análise de conteúdo é dado pelos assuntos de interesse do demandante da pesquisa, como por exemplo, o conceito da tecnologia, suas vantagens, desvantagens, possíveis aplicações e seu histórico. O resultado da análise de informações de documentos de patentes culmina para uma sumarização que deve abranger no máximo uma página, compreendendo os aspectos tecnológicos que interessam ao pesquisador e ao tomador de decisões. Os benefícios deste exame são a possibilidade de se conhecer tanto o que é de domínio público, quanto os direitos de propriedade próprios e de terceiros. Além disto, o exame do estado da técnica simplifica modelos de inovação complexos, aproximando-os do tradicional modelo linear Análise de informações: o caso da tecnologia de grades de Bragg em fibras ópticas A análise dos 108 documentos de patentes recuperados sobre a grade de Bragg em fibras ópticas compreendeu primeiramente a codificação dos títulos

4 das patentes em áreas temáticas. As invenções dividiram-se em métodos para compensação da degradação da performance da fibra e controle do comprimento de onda, formas de fabricação da grade de Bragg, acopladores ópticos e materiais de proteção à fibra. Posteriormente, a contagem de freqüência de palavras realizada por um software de pesquisa qualitativa apontou através de um ranking as 50 mais freqüentes. Excluindo-se as palavras instrumentais, foi possível identificar os campos de aplicação da tecnologia mais importantes, por meio da freqüência com que apareceram: Laser (36%); Sensor (27%); Filtro (20%); (De)multiplexador (10%); Amplificador (5%); Modulador (2%). A navegação lexical em torno das 50 palavras de maior ocorrência possibilitou conceituar a tecnologia de acordo com o estado da arte. "A fibra com grade de Bragg é um insumo para dispositivos de rede com guias de luz. Ela reflete energia com determinado comprimento de onda na direção onde a luz se originou. A grade de Bragg em fibras ópticas representa o índice de modulação periódica permanente e refrativa no centro de uma fibra ótica mono-modo, sendo que ela possui um comprimento entre 1 e 100 mm. O índice de modulação é formado pela iluminação transversal da fibra com padrão de interferência periódica gerado por luz de laser." A codificação dos documentos em grupos permitiu que a leitura dos resumos das patentes fosse dividida de acordo com as áreas temáticas, o que facilitou o trabalho de análise. Com isto, foram levantadas as limitações da tecnologia, além da identificação de seus potenciais substitutos. Concluiu-se que a tecnologia de grade de Bragg em fibras ópticas apresenta como limitações a queda de performance da fibra em função da variação de temperatura, as degradações de sua transmissão e sua duração. No entanto, verificou-se que as invenções convergem para impedir estes pontos fracos da tecnologia, seja através da aplicação de um anelamento, seja através do seu aquecimento a temperaturas altas. A análise de conteúdo também encontrou uma tecnologia substituta vis-à-vis à tecnologia estudada, denominada grade de longo período ( Long Period Grating ), a qual mostra-se superior para uso em aplicações de sensoreamento óptico. Note-se que o exame do estado da técnica apresentou consistência de resultados ao responder às demandas dos pesquisadores sobre conceito, problemas e substituição da tecnologia. Com isto, foi possível definirem-se linhas de pesquisa fundamentadas em inovações incrementais no contexto das comunicações ópticas. Além disto, o conhecimento preciso sobre o estado da técnica possibilitou o registro de Propriedade Intelectual (novidade tecnológica), sem violar direito de propriedade de terceiros. 5. Conclusões Este artigo explorou a necessidade de se estabelecerem critérios e metodologias de Gestão da Propriedade Intelectual para que as empresas saibam o que sabem e usem esse conhecimento a seu favor, como afirmam Thomas Davenport e Laurence Prusak [4]. Ressalte-se a importância do exame do estado da técnica (busca, recuperação e análise das informações) como ferramental de Gestão da Informação e registro de Propriedade Intelectual. A definição da estratégia de busca, em consonância com a classificação internacional apropriada, é responsável pela recuperação de documentos de patentes relevantes. Além disto, uma busca precisa representa condição necessária (mas não suficiente) de uma boa análise do estado da arte da tecnologia que está se investigando. A análise do estado da técnica depende da codificação de documentos de patentes e da navegação lexical. Com ela, é possível obter-se conhecimento útil, capaz de gerar inovação. 6. Referências bibliográficas [1] USPTO Office of Technology Assessment and Forecast [2] Freitas et alli. Metodologias, Estratégias e Soluções para exploração de dados quanti e qualitativos, 2005, os&ltwo=elearning&lthree=artigos. Acesso em: 22/08/2007. [3] Chandler, Alfred. Strategy and Structure Chapters in the history of the Industrial Enterprise. Cambridge: MIT Press, [4] Davenport, Thomas; H. Prusak, Laurence. Working Knowledge: how organizations manage what they know. Massachusetts: HBS Press, 1998, cap. 2 e Bibliografia

5 Brandau, Ricardo; Monteiro, Rosangela; Braile, Domingo M. Importância do uso correto dos descritores nos artigos científicos. Braz. j. cardiovasc. surg., São José do Rio Preto, v. 20 n. 1, Cuenca, Angela Maria Belloni. O usuário final da busca informatizada: avaliação da capacitação no acesso a bases de dados em biblioteca acadêmica. Ci. Inf., Sept./Dec. 1999, vol.28, no.3, p Garcia, R. M.; Silva, Helen de C.. Necessidades de otimização dos processos de planejamento e operacionalização das estratégias de busca em bases de dados especializada: um estudo com pós-graduandos da UNESP de Marília. In: FUJITA, Mariângela Spotti Lopes. (Org.). São Paulo: Departamento Técnico do Sistema Integrado de Bibliotecas da USP; IBICT, Lopes, I.L. Estratégia de busca na recuperação da informação: revisão da literatura. Ci. Inf., Brasília, v.31, nº 2, p.60-71, maio/agosto Pennaken, M.; Vakkari, P. Students conceptual struture, search process,and outcome while preparing a research proposal: a longitudinal case study.journal of the American Society for Information Science and Technology, v.54, n.8, p , 2003.

O papel da busca, recuperação e análise de informações de patentes no registro da propriedade intelectual em empresas de base tecnológica

O papel da busca, recuperação e análise de informações de patentes no registro da propriedade intelectual em empresas de base tecnológica O papel da busca, recuperação e análise de informações de patentes no registro da propriedade intelectual em empresas de base tecnológica Juliano Salmar Nogueira e Taveira *, Mariana Savedra Pfitzner **,

Leia mais

A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec

A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-ND A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec Encontro de Negócios em Inovação e Tecnologia itec 2015 São Paulo, SP 28

Leia mais

Derwent Innovations Index

Derwent Innovations Index Derwent Innovations Index DERWENT INNOVATIONS INDEX Cartão de referência rápida ISI Web of Knowledge SM O Derwent Innovations Index é uma ferramenta poderosa de pesquisa de patentes, que combina Derwent

Leia mais

Curso de Busca de Informação Tecnológica em Bases de Patentes

Curso de Busca de Informação Tecnológica em Bases de Patentes Curso de Busca de Informação Tecnológica em Bases de Patentes Eliandro dos Santos Costa Arquivista DRT/RS Nº. 1582 Bolsista DTI II CNPq UBEA/PUCRS/NIT-RS Mestrando em Engenharia da Produção SANTA MARIA,

Leia mais

Parte I Informação Tecnológica; Objetivos das Buscas; Exercícios Parte II Tipo de Bases de Patentes; Como Buscar nas Bases

Parte I Informação Tecnológica; Objetivos das Buscas; Exercícios Parte II Tipo de Bases de Patentes; Como Buscar nas Bases Teresina, 28 de novembro de 2011 Parte I Informação Tecnológica; Objetivos das Buscas; Exercícios Parte II Tipo de Bases de Patentes; Como Buscar nas Bases O que buscamos? Qual é a função da pesquisas?

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS.

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. Sandra Maria Dotto Stump sstump@mackenzie.com.br Maria Aparecida

Leia mais

Derwent Innovations Index

Derwent Innovations Index Derwent Innovations Index ISI WEB OF KNOWLEDGE SM Quick Reference Card Derwent Innovations Index é uma poderosa ferramenta de pesquisa de patentes que combina Derwent World Patents Index, Patents Citation

Leia mais

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica.

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica. Bibliotecas digitais: possibilidades da utilização de Softwares livres para disponibilização de trabalhos acadêmicos. Cristina Maria de Queiroz Valeria Ferreira de Jesus Lauriano Resumo Com a evolução

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica. Manual dos Serviços de Informação Tecnológica. Passo-a-passo para os clientes

CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica. Manual dos Serviços de Informação Tecnológica. Passo-a-passo para os clientes CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica Manual dos Serviços de Informação Tecnológica Passo-a-passo para os clientes CEDIN INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ÍNDICE 1 - Apresentação 02 2 - Por quê

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Base de Patentes: abrangente, valiosa e única

Base de Patentes: abrangente, valiosa e única Patentes... Define o contrato entre o governo e um inventor pelo qual o inventor recebe proteção legal para a sua invenção Requer descrição completa de todos os detalhes da invenção (descrição, desenhos,

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO USO DA INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA CONTIDA NOS DOCUMENTOS DE PATENTES Florianópolis 12 de maio de 2009 Propriedade

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

Portais Corporativos como Ferramenta Estratégica na Gestão do Conhecimento Organizacional: um estudo exploratório

Portais Corporativos como Ferramenta Estratégica na Gestão do Conhecimento Organizacional: um estudo exploratório Portais Corporativos como Ferramenta Estratégica na Gestão do Conhecimento Organizacional: um estudo exploratório Queli Terezinha Schmitz (TUPER, UDESC, UTFPR) queli@sbs.udesc.br Hélio Gomes de Carvalho

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~ _áääáçíéå~ `ÉåíêçÇÉfåÑçêã~ çéoéñéêæååá~ DIRETRIZES PARA A SELEÇÃO E AQUISIÇÃO DE LIVROS, MONOGRAFIAS E SIMILARES PARA A BIBLIOTECA DA FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA/ USP 1. INTRODUÇÃO O fluxo crescente de

Leia mais

Sistema de Gestão pela Qualidade Total. Administração por Políticas Planejamento Estratégico

Sistema de Gestão pela Qualidade Total. Administração por Políticas Planejamento Estratégico Sistema de Gestão pela Qualidade Total Administração por Políticas Planejamento Estratégico Márcia Elisa Garcia de Grandi megrandi@usp.br Rosa Maria Fischi rmfzani@usp.br Políticas As Políticas são as

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

CARTILHA DE PI DO CADUCEUS

CARTILHA DE PI DO CADUCEUS CARTILHA DE PI DO CADUCEUS SUAS IDEIAS PODEM SER VALIOSAS! Vivemos hoje no mundo da informação e do conhecimento, onde o crescimento e a sustentação de qualquer indústria são sobretudo determinados por

Leia mais

T U T O R I A I S WEB OF SCIENCE TUTORIAL. Biblioteca da Escola de Engenharia da UFRGS. WEB OF SCIENCE - Tutorial

T U T O R I A I S WEB OF SCIENCE TUTORIAL. Biblioteca da Escola de Engenharia da UFRGS. WEB OF SCIENCE - Tutorial T U T O R I A I S WEB OF SCIENCE TUTORIAL Biblioteca da Escola de Engenharia da UFRGS WEB OF SCIENCE - Tutorial O que é? O Web of Science é uma base de dados que disponibiliza acesso a mais de 9.200 títulos

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

Unidade III GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade III GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade III GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Sistema de informações excelentes. Gestão do capital intelectual. 1- PNQ COMO REFERENCIAL Um conjunto de critérios para

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA - Master em Gestão Sistemas de Informação

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA

INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE UM PEDIDO DE PATENTE O presente trabalho constitui-se numa síntese da Legislação em vigor, destinandose ao auxílio dos usuários no preparo de um pedido de patente.

Leia mais

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA Daniel Gonzaga dos Santos 1 Faculdade Cidade de João Pinheiro Resumo: Este artigo aborda as etapas para

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA e PGE Gestão de Sistemas de Informação Luis

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98)

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Propriedade Industrial Patentes (Lei 9.279/96) Invenção Modelo de Utilidade Desenho Industrial Marcas Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Software (Lei n 9.609/98) Patentes Invenção/Modelo de Utilidade Proteção

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O A D M I N I S T R A Ç Ã O G E R A L UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP Autores: Antonio Carlos Gola Vieira Aluno da Faculdade

Leia mais

2 Métodos de Medida da PMD

2 Métodos de Medida da PMD em Enlaces Ópticos 12 2 Métodos de Medida da PMD Teoria básica de medição da PMD discutida na referência 6, Test and Measurements. Neste capítulo serão abordados os aspectos mais importantes dos métodos

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO INOVAÇÃO NO AGRONEGÓCIO: O CASO DA EMBRAPA Roger Welker Gomes Machado (UFMS); Carolina Oliveira Reis

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009. Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD

2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009. Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD 2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009 Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD O CPqD Instituição, focada na inovação com base nas tecnologias

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio 1 Introdução O estudo da propagação óptica no espaço livre recebeu considerável impulso após a Segunda Guerra Mundial com a descoberta do laser. Os cientistas iniciaram diversas pesquisas nessa área com

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney 1 A inovação pode ocorrer em diferentes modalidades: A introdução de novos produtos ou de melhorias substanciais em produtos existentes na produção de bens

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012

www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012 Portal CAPES www.periodicos.capes.gov.br Treinamento no uso do Portal de Periódicos UFCG, outubro de 2012 Estrutura da apresentação 1. Breve histórico 2. Conceitos básicos 3. Finalidade do Portal 4. Informações

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO José Valdemir dos Reis Junior ROTEIRO Gerações das redes PON Componentes das Redes Ópticas Passivas Técnicas de acesso múltiplo nas redes PON: - Acesso Multiplo

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

Produção de Vídeo: Uma Proposta para Gestão de Acervo 1. Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Produção de Vídeo: Uma Proposta para Gestão de Acervo 1. Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Produção de Vídeo: Uma Proposta para Gestão de Acervo 1 Flávia da Costa Medina 2 Juliana Lima Eduardo 3 Adriane Maria Arantes de Carvalho 4 Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Medições com strain gage

Medições com strain gage Medições com strain gage Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Conceitos básicos de strain gage Conceitos básicos das medições

Leia mais

Modelo de Referência para Avaliação da CERTICS

Modelo de Referência para Avaliação da CERTICS CTI RENATO ARCHER Relatório Técnico CTI TRT0084113 Modelo de Referência para Avaliação da CERTICS Documento de Detalhamento Versão 1.1 Este documento apresenta o detalhamento do Modelo de Referência para

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 34, DE 19 DE JULHO DE 2001

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 34, DE 19 DE JULHO DE 2001 FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 34, DE 19 DE JULHO DE 2001 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES, no uso das

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

FORMULÁRIO DE COMUNICAÇÃO DE INVENÇÃO DESCRIÇÃO DO INVENTO E AVALIAÇÃO DA ANTERIORIDADE

FORMULÁRIO DE COMUNICAÇÃO DE INVENÇÃO DESCRIÇÃO DO INVENTO E AVALIAÇÃO DA ANTERIORIDADE FORMULÁRIO DE COMUNICAÇÃO DE INVENÇÃO DESCRIÇÃO DO INVENTO E AVALIAÇÃO DA ANTERIORIDADE Nome: Unidade: Data: Código: Número do Processo: Inventor responsável pelo preenchimento e envio* Campos de preenchimento

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

Sensores em Fibra Óptica

Sensores em Fibra Óptica Sensores em Fibra Óptica Índice O que é uma fibra? O que é uma Rede de Bragg? O que é um sensor? Sensores de movimento Sensores de deformação e temperatura O que é uma fibra? Fibra óptica é um filamento

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento

As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento Como e por que aumentar a Potência de Aprendizagem nas organizações. Filipe M. Cassapo, Gerente de TI, SIEMENS, Filipe@siemens.com Competição e ciclos

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO - GPD

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO - GPD SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 06 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO -

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a indexação e resumos, julgue os itens a seguir. Julgue os itens subsecutivos, referentes à gestão da informação e do conhecimento. 51 Coerência intraindexador refere-se

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Avaliação da Ferramenta de Propriedade Intelectual e Análise de Informações

Avaliação da Ferramenta de Propriedade Intelectual e Análise de Informações Avaliação da Ferramenta de Propriedade Intelectual e Análise de Informações 1. Objetivo Avaliação de ferramenta capaz de realizar busca e análise de informações de dados em base de patentes, de artigos

Leia mais

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil Estrutura do INPI Propriedade Intelectual Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade resultante da atividade intelectual nos campos industrial,

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Pedro Freitas pedrof86@terra.com.br Henrique Freitas hf@ea.ufrgs.br Raquel Janissek-Muniz rjmuniz@ea.ufrgs.br

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Acesse: www.eyenet.com.br ou ligue : (11) 5049-0441

Acesse: www.eyenet.com.br ou ligue : (11) 5049-0441 1 2 1) Proposta Comercial 2) Cases 3) Apresentação Eyenet 3 Objetivos do Projeto Construir uma intranet, oferecendo aos gestores, uma ferramenta web de fácil atualização de conteúdos, tornando-o um meio

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA CONHECIMENTO DE INVENÇÃO

QUESTIONÁRIO PARA CONHECIMENTO DE INVENÇÃO QUESTIONÁRIO PARA CONHECIMENTO DE INVENÇÃO Dados referentes ao(s) inventor(es)/autor(es): Inventor responsável pelo preenchimento e envio* Nome: Unidade: E-mail: Data: Campos de preenchimento exclusivo

Leia mais

WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL

WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL Graduanda: Juliana Camargo Souza Macedo Orientadora: Iris Abdallah Motivos para escolha do tema: A disciplina

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

PORTFÓLIO www.imatec.com.br

PORTFÓLIO www.imatec.com.br História A IMATEC foi estabelecida em 1993 com o objetivo de atuar nos segmentos de microfilmagem, digitalização e guarda de documentos e informações, hoje conta com 300 colaboradores, têm em seu quadro,

Leia mais

BIG DATA TRANSFORMANDO DADOS EM DECISÕES

BIG DATA TRANSFORMANDO DADOS EM DECISÕES BIG DATA TRANSFORMANDO DADOS EM DECISÕES Tiago Volpato 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1, Jaime William Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagovolpatobr@gmail.com, ricardo@unipar.br,

Leia mais

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Introdução Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Tópicos Recuperação de informação (RI); Breve histórico; O

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM TECNOLOGIA AMBIENTAL UMA PROPOSTA DA UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO UNAERP

MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM TECNOLOGIA AMBIENTAL UMA PROPOSTA DA UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO UNAERP MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM TECNOLOGIA AMBIENTAL UMA PROPOSTA DA UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO UNAERP Carmen S G Lopes clopes@unaerp.br Universidade de Ribeirão Preto - Curso de Engenharia Química

Leia mais