Programa de Certificação com Distinção Accreditation Canada. Protocolos de Tratamento de AVE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Certificação com Distinção Accreditation Canada. Protocolos de Tratamento de AVE"

Transcrição

1 Programa de Certificação com Distinção Accreditation Canada Protocolos de Tratamento de AVE

2 Programa de Distinção do AVE Mortalidade no Brasil Acidente Vascular Encefálico

3 Mortalidade no Brasil Acidente Vascular Encefálico Fonte: DATASUS

4 Programa de Distinção do AVE FATORES DE RISCO Acidente Vascular Encefálico

5 Acidente Vascular Encefálico Prevenção Primária do AVE % Taxa de Prevalência do DM 9,7 Taxa de Prevalência da HAS 23,9 Taxa de Prevalência de Atividade Física Suficiente 15,0 Taxa de Fumantes Atuais 16,1 Taxa de Prevalência de Sobrepeso 22,5 Taxa de Prevalência de Obesidade 4,5 Fonte: MS/SVS/CGDANT VIGITEL: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico 2008.

6 Diretrizes Atuais Tratamento do Acidente Vascular Encefálico Referências American Heart Association European Stroke Initiative Associação Brasileira de Neurologia

7 Assistência Pré Hospitalar Triagem pré hospitalar e notificação ao Serviço de Referência Iniciar com o ABC Tempo é cérebro Avaliação direcionada assim que paciente estiver mais estável: Ferramentas para avaliação pré hospitalar Cincinnati Prehospital Stroke Scale ou Los Angeles Prehospital Stroke Scale Administrar tratamento de suporte: Suplementação de oxigênio quando indicado; Cateter venoso; Medir glicemia e tratar hipoglicemia quando presente.

8 Assistência Pré Hospitalar Cincinnati Prehospital Stroke Scale Teste Face Braço Fala Reconhecimento rápido dos sinais de AVC e AIT* AIT: >10% destes pacientes sofrerão AVC nas próximas 48 horas

9 Assistência Pré Hospitalar Los Angeles Prehospital Stroke Scale (LAPSS)

10 Assistência Pré Hospitalar Los Angeles Prehospital Stroke Scale

11 Tratamento Clínico AVE Monitorização cardiovascular e oximetria em UTI; Controle de pressão arterial; AAS 325 mg o mais breve possível; Manter AAS 325 mg ao dia ou Clopidogrel 75mg ao dia; Manutenção com SF 0,9% SN; Evitar punção venosa do lado parético; Uso de protetor gástrico; Prevenção de TEV; Avaliação neurológica com escala NIH a cada 6 horas nas 24 horas e após diariamente.

12 Tratamento geral de pacientes com AVE agudo Glicemia Pressão arterial Monitorização cardíaca Fluído intravenoso Tratar hipoglicemia com glicose a 50% Tratar hiperglicemia com insulina se glicose sérica for > 200 mg/dl. Verificar as recomendações para candidatos e não candidatos à trombólise. Monitorização cardíaca contínua para mudanças isquêmicas ou fibrilação atrial. Evitar soro glicosado à 5% e administração excessiva de líquidos. Solução isotônica de cloreto de sódio IV a 50 ml/h a não ser que haja outra indicação. Consumo oral Dieta oral zero inicialmente; risco de aspiração é grande, evitar consumo oral até que a deglutição seja avaliada. Oxigênio Suplementar se indicado (Sa0 2 < 93%). Temperatura Evitar hipertermia, paracetamol oral ou retal e cobertores refrigerados conforme necessidade.

13 Critérios de tempo recomendado para avaliação do AVE em possíveis candidatos à trombólise Porta ao médico Intervalo de tempo Tempo 10 min Acesso a especialista em neurologia Porta até fim da tomografia Porta até interpretação da tomografia Porta até tratamento Admissão em leito monitorado 15 min 25 min 45 min 60 min 3 h

14 Critérios de Inclusão para Terapia Fibrinolítica AVC isquêmico em qualquer território encefálico. Possibilidade de se iniciar a infusão de rt PA dentro de 4 horas e 30 minutos do início dos sintomas. TC de crânio ou RMN sem evidência de hemorragia. Idade > 18 anos.

15 Critérios de Exclusão para Terapia Fibrinolítica Todos os pacientes em uso de anticoagulantes orais a despeito do INR. AVC isquêmico ou traumatismo crânio encefálico grave nos últimos 3 meses. História pregressa de hemorragia intracraniana ou de malformação vascular cerebral. PA sistólica 185 mmhg ou PA diastólica 110 mmhg. Cirurgia de grande porte ou procedimento invasivo nos últimos 14 dias.

16 Critérios de Exclusão para Terapia Fibrinolítica Hemorragia geniturinária ou gastrointestinal nos últimos 21 dias ou história de varizes esofagianas. Punção arterial em local não compressível na última semana. Coagulopatia com TP prolongado (RNI>1,5), TTPa elevado ou plaquetas <100000/mm3. Glicemia < 50 mg /dl com reversão dos sintomas após a correção. Evidência de endocardite ou êmbolo séptico, gravidez. Infarto do miocárdio recente (3 meses). Suspeita clínica de hemorragia subaracnóide ou dissecção aguda de pacientes com mais de 80 anos.

17 Terapia fibrinolítica A infusão intravenosa de rt PA dentro de 3 horas do início dos sintomas é uma recomendação classe I pela American Stroke Association. Estudos recentes forneceram novos dados sobre o tratamento com rt PA no período de 3 a 4,5 horas em pacientes cuidadosamente selecionados. critérios de exclusão adicionais: Pacientes com pontuação inicial na escala do National Institutes of Health Stroke Scale (NIHSS) > 22 ou < 4 (exceto afasia)

18 Terapia fibrinolítica 1.Rever critérios de inclusão e exclusão 2.Monitorização cardiovascular e oximetria 3.rt PA IV: Dose 0,9mg/Kg (máx 90mg) Dose de ataque em 1 minuto: 10%, restante em 60 minutos 4. Anotar início e término do tratamento 5. Observar nível de consciência e parâmetros clínicos 6. Monitorização contínua com doppler transcraniano para avaliar oclusão arterial e recanalização.

19 Complicações do rt-pa Se piora neurológica: Suspender a administração de rt PA; Realizar TC de crânio urgente. Se sangramento ou suspeita de: Cessar infusão de rt PA; Avaliar sinais/sintomas de hemorragia intracraniana; Infundir crioprecipitado ou plasma fresco, plaquetas, concentrado de hemácias.

20 Cuidados após rt PA Não utilizar antitrombóticos por 24 horas; Não utilizar punção arterial ou venosa profunda por 24 horas; Não passar SVD por 30 min após uso de rt PA; Evitar SNE por 24 horas; Realizar TC de crânio, hemograma e coagulograma entre 12 e 24 horas; Monitorização da pressão arterial a cada 15 min por 2 horas; a cada 30 min por 6 horas; a cada hora por 18 horas; Avaliar temperatura de 2/2h; Avaliar glicemia de 6/6h; Aplicar protocolo de prevenção de TVP.

21 Tratamento da pressão arterial em pacientes com AVE candidatos à trombólise Esmolol: medicamento bloqueador dos receptores β 1 cardioselectivo. O labetalol é um bloqueador adrenérgico que atua inibindo simultaneamente os receptores adrenérgicos alfa e beta.

22 Tratamento da pressão arterial em pacientes com AVE Não candidatos à trombólise

23 NIHSS National Institutes of Health Stroke Scale International A escala de AVC do NIH (NIHSS) é um instrumento sistemático que permite uma avaliação quantitativa dos déficits neurológicos, bem como determinação do tratamento mais apropriado. Pode ser utilizado como instrumento de avaliação clínica para documentar o estado neurológico do paciente com AVE, bem como subsidiar o planejamento dos cuidados entre os profissionais de saúde.

24 NIHSS National Institutes of Health Stroke Scale International

25 NIHSS National Institutes of Health Stroke Scale International

26 NIHSS National Institutes of Health Stroke Scale International

27 NIHSS National Institutes of Health Stroke Scale International

28 NIHSS National Institutes of Health Stroke Scale International Pontuação: 0 a 42 pontos Ela é capaz de detectar piora ou melhora neurológica em resposta a certa terapia e também está associada ao prognóstico pós AVC Treinamento e Certificação:

29 Terapia Intraarterial A infusão intra arterial de t PA em pacientes apropriados dentro de 6 horas do início dos sintomas é recomendação classe II pela American Stroke Association. Desde 2004, 2 dispositivos foram aprovados para extração de coágulos no AVE agudo isquêmico. Estudos atuais estão pesquisando a efetividade clínica de estratégias intraarteriais no AVE agudo.

30 Intervenções Cirúrgicas O tratamento neurocirúrgico deve estar disponível em até 2 horas caso seja necessário. Deve ser considerado em caso de transformação hemorrágica após utilização do t PA ou no tratamento de aumentos da PIC que ameacem a vida. Se o tratamento neurocirúrgico não estiver disponível na instituição, deve ser realizado um plano de transferência para que esta seja realizada rapidamente quando a especialidade neurocirúrgica for necessária.

31 Avaliações Profissional experiente e hábil para lidar com AVE ou uma equipe especializada em AVE devem estar disponíveis em até 15 minutos desde a admissão do paciente ao setor de emergência. Especialistas em terapia de reabilitação, terapia ocupacional, fisioterapia e fonoaudiologia devem ser consultados no primeiro dia de hospitalização. Avaliações pela cirurgia cardiológica e vascular ou neurocirurgia podem ser justificáveis de acordo com os resultados da ecocardiografia transtorácica/transesofágica, doppler de carótidas, neuroimagens e curso clínico. Durante a hospitalização, avaliações adicionais úteis incluem as realizadas por coordenador de reabilitação, assistente social, psiquiatra e nutricionista.

32 Dieta Manter dieta oral zero até que seja realizada avaliação da capacidade de deglutição. Avaliar necessidade de SNE devido à disfagia. Considerar realização de gastrostomia endoscópica percutânea se paciente apresentar risco significativo de broncoaspiração. Nutricionista deve considerar necessidades dietéticas especiais para pacientes com hipertensão, diabetes mellitus e dislipidemia.

33 Reabilitação do Paciente com AVE Reabilitação Dimensionamento adequado de Fisioterapeutas, Fonoaudiólogos, Terapeutas Ocupacionais e Psicólogos, de acordo com legislação vigente e demanda/gravidade dos pacientes da instituição. Elaborar plano de assistência: Definir tempo máximo para a 1ª avaliação do profissional; Definir itens avaliados; Definir a frequência das avaliações; Estabelecer metas e objetivos para a recuperação dos pacientes;

34 Reabilitação do Paciente com AVE Reabilitação Estabelecer plano de alta, contemplando orientações a família/cuidador. Garantir a continuidade da assistência prestada aos pacientes, nas diferentes unidades. Garantir a interdisciplinaridade: Definir o papel, responsabilidades e atribuições de cada profissional envolvido na assistência.

35 Reabilitação do Paciente com AVE Reabilitação Implementar capacitação e treinamento profissional: Orientar novos membros e prestadores de serviço quanto os aspectos padronizados pela Instituição no tratamento do AVE. O treinamento inclui pesquisas, diretrizes e mudanças de práticas mais atualizadas. Identificar na avaliação de desempenho as necessidades de suporte, treinamento e desenvolvimento da equipe.

36 Reabilitação do Paciente com AVE Reabilitação O prognóstico funcional ou recuperação das funções alteradas pela lesão cerebral depende do tipo, extensão e gravidade da lesão. Iniciar a reabilitação assim que o paciente estiver estabilizado. A recuperação segue uma curva ascendente entre os 3 e os 6 meses, para alcançar de 85 a 90% da recuperação possível entre 12 e os 18 meses.

37 Escalas para determinar a extensão da incapacidade pós AVC, atividades da vida diária e capacidade de viver independente. Avaliação da Capacidade Funcional O escore normal é de100 (máximo), com pontuações indicando o grau de dependência. Possui a capacidade de predizer o tempo de internação, custo (tanto direto como indireto) como a capacidade de viver independentemente.

38 Avaliação da Capacidade Funcional

39 Avaliação da Capacidade Funcional

40 Programa de Certificação com Distinção Accreditation Canada Protocolos de Tratamento de AVE

41 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Padrões de excelência rigorosos e altamente especializados Indicadores de desempenho Protocolos 3 conjuntos de padrões: Atendimento do AVE agudo; Serviços de Reabilitação dos pacientes com AVE internados; Prestação de um Serviço Integrado a Pacientes Vítimas de AVE.

42 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Atendimento do AVC agudo: O tratamento engloba tanto a fase hiperaguda (início dos sinais e sintomas do AVE à conclusão da avaliação inicial e atendimento na emergência) a fase aguda (prossegue até que o paciente esteja clinicamente estável e capaz de iniciar a reabilitação ou uma opção de atendimento alternativo. Serviços de Reabilitação dos pacientes com AVC internados: Os serviços de reabilitação pós AVE são leitos designados ou custeados para pacientes com AVE que estejam passando por uma reabilitação formal no cenário hospitalar. Prestação de um Sistema Integrado de Serviços a Pacientes Vítimas de AVC: utilizados por um serviço que preste atendimento pós AVE em nível regional, onde os serviços são coordenados entre uma série de centros que provém tratamento do AVE agudo e reabilitação.

43 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. O grau de distinção é válido por 02 anos. A Accreditation Canada leva em consideração os cinco fatores para conceder o grau Distinção: Padrões de excelência alcançados (Recomendações Canadenses de Melhores Práticas para o Tratamento do AVE da Canadian Stroke Strategy (2008) e nas melhores recomendações mundiais); Implementação dos protocolos e das diretrizes da prática clínica; Limites mínimos dos indicadores de desempenho alcançados; Compromisso com a excelência e a inovação; Compromisso com a educação dos pacientes e seus familiares.

44 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Indicadores de Desempenho Centrais e Opcionais: identificam aspectos críticos no tratamento do AVE, de um período de seis meses anterior à visita.

45 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Indicadores de Desempenho Centrais Taxa de mortalidade por AVC/TIA; Proporção de pacientes com AVC isquêmico que recebem terapia trombolítica (tpa); Proporção de pacientes tratados na unidade de AVC; Tempo de Internação em uma unidade de tratamento agudo hospitalar para pacientes internados após um AVC agudo;

46 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Tempo de internação em uma unidade de reabilitação hospitalar para pacientes internados após um AVC agudo; Readmissão na unidade de tratamento agudo por causas relacionadas ao AVC; Proporção de pacientes com prescrição para terapia antitrombótica; Proporção de pacientes com AVC agudo encaminhados à unidade de reabilitação hospitalar. Proporção de pacientes com triagem inicial para disfagia no momento da internação.

47 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Indicadores de Desempenho Opcionais Percentagem de pacientes que recebem terapia com AAS nas primeiras 48 horas após darem entrada no hospital. Proporção de pacientes com AVC/TIA que fazem uma tomografia computadorizada/ressonância magnética nas primeiras 24 horas. Proporção de todos os pacientes internados com AVC que estão em uma enfermaria dedicada aos pacientes com AVC. Proporção de todos os pacientes vítimas de AVC que são submetidos a uma avaliação inicial das necessidades de reabilitação nas primeiras 48 horas após serem internados.

48 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Percentagem de pacientes internados vítimas de AVC que têm complicações durante o período de internação: pneumonia, tromboembolismo venoso, sangramento gastrointestinal, hemorragia cerebral secundária, úlceras por pressão e infecção urinária. Intervalo de início dos sintomas de AVC isquêmico ou TIA até uma revascularização carotídea. Percentagem de pacientes com TIA/AVC de menor gravidade que recebem alta diretamente do pronto socorro tendo já sido direcionados a uma avaliação clínica de prevenção de AVC ou equivalente antes de saírem do hospital.

49 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Proporção de pacientes com AVC ou episódio isquêmico transitório elegíveis, com fibrilação atrial, que recebem prescrição para terapia anticoagulante no momento da liberação da unidade de atendimento agudo. Número de dias transcorridos do início do AVC até a admissão na unidade de reabilitação para pacientes internados. Alteração no status funcional utilizando se uma ferramenta de medição padronizada, do momento da admissão em um unidade de reabilitação para pacientes internados até o momento da alta.

50 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Proporção de pacientes com AVC com documentação que indique triagem para depressão, realizada informalmente ou utilizando se de uma ferramenta de avaliação forma na unidade de atendimento agudo ou de reabilitação após um AVC agudo.

51 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Protocolos A implementação é um componente crítico da excelência no tratamento do AVE. Baseados nas Recomendações de Melhores Práticas para o Tratamento do AVE e outras evidências validadas sistematizadas; Elaborado por equipe multidisciplinar; Atenção as necessidades do paciente, conforme apropriado; Compartilhado com outros profissionais de saúde, conforme apropriado.

52 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Protocolos para o Tratamento da Fase Aguda do AVC Triagem para AVC feita pela equipe de Serviços Médicos Emergenciais (SME); Direcionamento pelos SMEs/transporte direto aos centros de AVC; Pré Notificação pelos SMEs de um paciente com AVC; Notificação pelo pronto atendimento da equipe hospitalar que trata o AVC; Exame de imagem neurovascular em pacientes com possível AVC (acesso rápido à tomografia); Triagem de elegibilidade à terapia com tpa; Administração de tpa; Administração de terapia aguda para AAS; Avaliação da capacidade de deglutição; Avaliação das necessidades de reabilitação; Avaliação e manejo do diabetes mellitus.

53 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Protocolos para reabilitação de Pacientes Internados Avaliação da capacidade de deglutição; Avaliação inicial das necessidades de reabilitação. Avaliar e tratar o diabetes mellitus.

54 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Excelência e Inovação Projetos e iniciativas que sigam as diretrizes de melhores práticas no tratamento do AVE e integrem as mais recentes pesquisas e evidências. Ex: melhorar a comunicação nos pontos de transição, melhorar as taxas de tpa e os tempos de resposta. 02 projetos, plenamente implementados: Baseados em evidência; Contribuem para a qualidade geral do tratamento do AVC; Comunicam os resultados

55 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Educação dos Pacientes e seus Familiares O treinamento de habilidades para pacientes e cuidadores reduz a depressão e melhora a qualidade de vida dos indivíduos. A educação de pacientes, familiares e cuidadores deve ser um processo interativo e dinâmico. Materiais educativos, feedback, ferramenta padronizada, documentação.

56 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Padrões para Atendimento em Acidente Vascular Cerebral (AVC) Agudo Investir em um tratamento abrangente do AVC A instituição coleta e analisa informações sobre a procura por tratamento do AVC agudo. Engajar uma equipe de tratamento do AVC preparada e proativa A equipe de AVC tem uma abordagem interdisciplinar para coordenar e prestar atendimento ao paciente com AVC em fase hiperaguda e aguda. Enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, assistente social, nutricionista e farmacêutico.

57 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Padrões para Atendimento em Acidente Vascular Cerebral (AVC) Agudo A equipe interdisciplinar para o tratamento do AVC agudo tem o apoio das lideranças e recursos (equipamentos, materiais, literatura científica) para prestar um atendimento efetivo. A equipe de AVC colabora com outros serviços, profissionais e organizações para coordenar o acesso de pacientes e da comunidade ao tratamento do AVC agudo em tempo hábil. Prover tratamento seguro e apropriado da fase hiperaguda e aguda A equipe de AVC coordena o atendimento com os serviços de remoção e de emergência. A equipe de AVC presta atendimento imediato à pacientes com AVC em fase hiperaguda (triagem, protocolos, transferência interna e externa, exame de imagem, glicose, antiplaquetários, deglutição, disfagia, broncoaspiração)

58 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Padrões para Atendimento em Acidente Vascular Cerebral (AVC) Agudo Prover tratamento seguro e apropriado da fase hiperaguda e aguda A equipe de AVC presta amplo atendimento a pacientes internados com AVC em fase aguda. (necessidades de reabilitação nas primeiras 48 horas, risco de tromboembolismo venoso, mobilização nas primeiras 24 horas, incontinência, retenção urinária, estado nutricional, prevenção de quedas). Ajudar os pacientes e suas famílias a conviver com o AVC A equipe de AVC dá, em tempo hábil, amplas informações educativas aos pacientes com AVC, suas famílias e cuidadores. A equipe de AVC inicia estratégias de prevenção de AVC secundário para pacientes em tratamento da fase, a fim de ajudar a prevenir recorrência do AVC.

59 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Padrões para Atendimento em Acidente Vascular Cerebral (AVC) Agudo Ajudar os pacientes e suas famílias a conviver com o AVC A equipe de AVC prepara os pacientes e suas famílias para alta ou transferência. (identificação e encaminhamento para reabilitação) Manter sistemas de informações clínicas acessíveis e eficientes. A equipe de AVC estabelece e utiliza um sistema de informações clínicas sobre AVC para monitorar o tratamento dos pacientes, e planejar o atendimento na fase aguda do AVC. Monitorar a Qualidade e Alcançar as metas terapêuticas definidas. A equipe de AVC agudo utiliza dados para monitorar a qualidade e alcançar as metas terapêuticas definidas.

60 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Padrões para Serviços de Reabilitação do Paciente com AVC Internado Investir em Serviços Abrangentes de Reabilitação Pós AVC A instituição coleta e analisa dados sobre a necessidade de serviços de reabilitação para o paciente pós AVC. (demanda) Engajar uma Equipe de Reabilitação Pós AVC preparada e pró ativa. A equipe de reabilitação pós AVC utiliza uma abordagem interdisciplinar para coordenar e prestar serviços de reabilitação aos pacientes e seus familiares. A equipe interdisciplinar que presta serviços de reabilitação para o paciente pós AVC tem o apoio das lideranças e recursos para prestar um atendimento efetivo.

61 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Padrões para Serviços de Reabilitação do Paciente com AVC Internado Engajar uma Equipe de Reabilitação Pós AVC preparada e pró ativa. A equipe de reabilitação pós AVC colabora com outros serviços, profissionais e organização para coordenar os serviços e para atender às necessidades dos pacientes com AVC e da população de risco. Prover Serviços de Reabilitação Seguros e Apropriados pós AVC. A equipe coordena o acesso, em tempo hábil (48h) aos serviços de reabilitação pós AVC para pacientes e suas famílias e cuidadores.

62 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Padrões para Serviços de Reabilitação do Paciente com AVC Internado Prover Serviços de Reabilitação Seguros e Apropriados pós AVC. A equipe de reabilitação pós AVC avalia os pacientes de forma precisa e apropriada a fim de desenvolver um plano de atendimento individualizado para sua reabilitação A equipe de AVC oferece uma reabilitação abrangente segura e em tempo adequado ao paciente pós AVC. A equipe de reabilitação pós AVC prepara pacientes, familiares e cuidadores para tratar da prevenção de AVC secundário. Observação: status funcional (48h)/Reavaliação/Pacientes Internados.

63 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Padrões para Serviços de Reabilitação do Paciente com AVC Internado Ajuda os pacientes e suas famílias a conviver com o AVC A equipe de reabilitação pós AVC avalia e trata de potenciais sequelas do AVC de forma precisa e segura. (deglutição, disfagia, broncoaspiração, nutrição, depressão, déficit cognitivo). A equipe de reabilitação pós AVC efetivamente reintegra os pacientes e suas famílias à comunidade após a reabilitação. Manter sistemas de Informações Clínicas Acessíveis e Eficientes A equipe estabelece e utiliza um sistema de informações clínicas sobre AVC para monitorar o tratamento e manejo dos pacientes e para planejar os serviços de reabilitação do paciente pós AVC.

64 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Padrões para Serviços de Reabilitação do Paciente com AVC Internado Monitorar a qualidade e alcançar desfechos positivos. A equipe utiliza dados para monitorar a qualidade e alcançar desfechos positivos nos serviços de reabilitação do paciente pós AVC. Medir a Qualidade da Assistência Prestada

65 O Programa de Distinção no Tratamento do AVE do Accreditation Canada reconhece instituições de saúde que demonstram excelência clínica e um notável compromisso com a liderança no tratamento do AVE. Metodologia de Trabalho IQG Fase I Fase II Fase III Escolha da Instituição Diagnóstico Organizacional Tempo da Instituição... Visita para Distinção

66 OBRIGADA!!!

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil A implementação clínicas na atençã experiências inter A implementação de diretrizes da saúde supleme clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso da saúde suplementar no Brasil A implementação

Leia mais

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP Laura Schiesari Diretora Técnica AGENDA I. A ANAHP II. Melhores Práticas Assistenciais III. Monitoramento

Leia mais

Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral

Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO GERAL DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Quando uma pessoa sofre agravo agudo à saúde, deve ser acolhido em serviço do SUS mais próximo de sua ocorrência, seja numa Unidade de Saúde

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 2 ª Reunião do GT de Indicadores Hospitalares 09/04/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Comparação

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

Actilyse alteplase. APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente

Actilyse alteplase. APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente Actilyse alteplase APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente USO INTRAVENOSO USO ADULTO COMPOSIÇÃO ACTILYSE 10 mg/10 ml: cada frasco-ampola

Leia mais

CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS. Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro

CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS. Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro Braga, 3 de Novembro de 2015 Programas de melhoria da qualidade e segurança Experiência internacional Reino Unido: Monitor

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico 1. Importância do protocolo Elevada prevalência Elevada taxa de morbidade Elevada taxa de mortalidade

Leia mais

SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO

SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO PROTOCOLOS GERENCIADOS Hospital Israelita Albert Einstein SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO Implementação do Protocolo: 1º de ABRIL de 2006 Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 SBIB Hospital Albert Einstein

Leia mais

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA 1ª Oficina Nacional do QUALIDIA LINHAS DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gbi Gabinete SMS Diadema Linhas de cuidado de HA e DM

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

GRM-COM-014/08 MISSÃO

GRM-COM-014/08 MISSÃO GRM-COM-014/08 MISSÃO "Proporcionar serviços de cuidados com a saúde, de qualidade, inovadores e humanizados, a preços justos, de forma ética, valorizando o trabalho médico e os colaboradores APRESENTAÇÃO

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

Nursing Activities Score

Nursing Activities Score Guia de Orientação para a Aplicação Prática do Nursing Activities Score Etapa 1 Padronização dos Cuidados de Enfermagem, nas seguintes categorias: Monitorização e Controles; Procedimentos de Higiene; Suporte

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO COMUM PARA TODAS AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS SAÚDE PÚBLICA E SAÚDE COLETIVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1. História do sistema de saúde no Brasil; 2. A saúde na

Leia mais

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Organização de serviços Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Declaração Declaro não receber nenhum financiamento público ou particular Qual a

Leia mais

Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos

Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos Simpósio de Cuidados Paliativos para os Institutos e Hospitais Federais do Rio de Janeiro Cuidados Paliativos - construindo uma rede Agosto 2012 Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos Cláudia Naylor

Leia mais

Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013)

Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013) Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013) Beusmans GHMI, Van Noortwijk-Bonga HGC, Risseeuw NJ, Tjon-A-Tsien MRS, Verstappen WHJM, Burgers JS, Wiersma Tj, Verburg AFE traduzido do original

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Histórico 2005: Início dos trabalhos com financiamento da prefeitura municipal de Cascavel. 2008: ampliação dos serviços para 2 equipes de

Leia mais

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Diabetes Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional de Controlo da Diabetes existe, em Portugal, desde a década de setenta, tendo sido atualizado e revisto

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Consulta Pública nº 01/2016

Consulta Pública nº 01/2016 MAPA CONCEITUAL MATRIZ POR COMPETÊNCIAS Figura 1. Mapa conceitual da estrutura de matriz por competências As ações-chave podem ser desdobradas ainda (de acordo com o nível de especificidade de uma matriz

Leia mais

EDITAL Nº 005/2009 RE-RATIFICAR

EDITAL Nº 005/2009 RE-RATIFICAR EDITAL Nº 005/2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ, no uso de suas atribuições, atendendo aos termos da Lei Complementar nº 108, de 18 de maio de 2005, com alteração dada pela Lei Complementar

Leia mais

NOTA TÉCNICA 42 /2012

NOTA TÉCNICA 42 /2012 NOTA TÉCNICA 42 /2012 Atualiza as diretrizes para organização da prevenção e do tratamento do sobrepeso e obesidade como linha de cuidado prioritária da Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças

Leia mais

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO AGO/13

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO AGO/13 A emergência do Hospital Cristo Redentor é referência para atendimento ao trauma e neurocirurgia, atendendo sob os preceitos de acolhimento com classificação de risco. A classificação de risco deve se

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Diretriz Promover ações de saúde que contribuam

Leia mais

Coordenação da Atenção Básica. Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde

Coordenação da Atenção Básica. Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde Coordenação da Atenção Básica Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde Secretaria Municipal da Saúde São Paulo 2006 manual_remedio_nova_versao.indd 1 31/1/2006 09:51:20 Prefeito José Serra Secretária

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 011/CT/2015 Assunto: solicitação de parecer técnico sobre a legalidade da realização de glicemia capilar (HGT) por parte do enfermeiro na rede de serviços de saúde ambulatoriais, pré-hospitalares

Leia mais

SAÚDE CONNECT 03.010 AUTORIZAÇÃO

SAÚDE CONNECT 03.010 AUTORIZAÇÃO SAÚDE CONNECT 03.010 AUTORIZAÇÃO AUTORIZAÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES COMUNS DAS GUIAS AUTORIZAÇÃO.... 2 2. GUIA DE CONSULTA... 7 3. GUIA DE SP/SADT... 9 4. PRÉ-AUTORIZAÇÃO DE SP/SADT... 13 5. ANEXO SOLICITAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA Protocolo de normatização para a dispensação de análogos de insulina de longa duração (insulina glargina e detemir) e de

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*)

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) Redefine as diretrizes para a organização

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

PULSEIRA DE IDENTIFICAÇÃO...1 RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA...1 PREVENÇÃO DA SEPSE...2 CONSENTIMENTO INFORMADO...2

PULSEIRA DE IDENTIFICAÇÃO...1 RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA...1 PREVENÇÃO DA SEPSE...2 CONSENTIMENTO INFORMADO...2 ste guia foi desenvolvido especialmente para melhor orientá-lo durante sua permanência no hospital. Aqui serão encontradas informações sobre o nosso funcionamento. A leitura deste material é muito importante.

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

Obstáculos enfrentados pelo enfermeiro na manutenção de potenciais doadores de órgãos

Obstáculos enfrentados pelo enfermeiro na manutenção de potenciais doadores de órgãos Obstáculos enfrentados pelo enfermeiro na manutenção de potenciais doadores de órgãos Deise dos Santos Campos 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros 4 Thassia

Leia mais

A) Legenda e descrição pormenorizada para os ícones dos atributos de qualificação dos prestadores de serviço na saúde suplementar

A) Legenda e descrição pormenorizada para os ícones dos atributos de qualificação dos prestadores de serviço na saúde suplementar Capítulo I A) Legenda e descrição pormenorizada para os ícones dos atributos de qualificação dos prestadores de serviço na saúde suplementar 1 - Prestadores de serviços hospitalares: a) Acreditação de

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Objetiva ampliar os estudos científicos acerca da Atividade Física e do Exercício Físico, da Saúde Pública e da Saúde Coletiva, instrumentalizando

Leia mais

- Grupo de Apoio e Educação em Diabetes

- Grupo de Apoio e Educação em Diabetes DIABETES O que é Diabetes mellitus é uma doença crônica resultante do desequilíbrio entre a secreção e a sensibilidade à insulina. A classificação tradicional segrega as condições hiperglicêmicas nos seguintes

Leia mais

Unidade de Urgência e Emergência: 88 leitos Média de 480 atendimentos/dia

Unidade de Urgência e Emergência: 88 leitos Média de 480 atendimentos/dia Perfil do HOB Hospital (autarquia), geral, de ensino O HOB conta com 409 leitos Média de 1.484 internações/mês Unidade de Urgência e Emergência: 88 leitos Média de 480 atendimentos/dia Perfil do HOB Unidades

Leia mais

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO:

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO: ANEXO I FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO DE CENTRO DE ATENDIMENTO DE URGÊNCIA TIPO I AOS PACIENTES COM AVC (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor) (esse formulário

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

Obesidade grave e cirurgia bariátrica. Indicação cirúrgica e preparação pré-operatória multidisciplinar. Dra Solange Cravo Bettini UFPR

Obesidade grave e cirurgia bariátrica. Indicação cirúrgica e preparação pré-operatória multidisciplinar. Dra Solange Cravo Bettini UFPR Obesidade grave e cirurgia bariátrica. Indicação cirúrgica e preparação pré-operatória multidisciplinar. Dra Solange Cravo Bettini UFPR Obesidade Definição é a condição clínica caracterizada por um excesso

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE MARCOS ANTONIO MARINO COORDENADOR DEPARTAMENTO DE HEMODINÂMICA, CARDIOLOGIA E RADIOLOGIA VASCULAR INTERVENCIONISTA CONFLITO DE INTERESSES

Leia mais

Bairro: Município: UF: CEP: Telefone: Tipo de Atividade Realizada na Empresa/ Instituição (Consultar anexo):

Bairro: Município: UF: CEP: Telefone: Tipo de Atividade Realizada na Empresa/ Instituição (Consultar anexo): 20 DADOS PARA O ACERVO TÉCNICO DO NUTRICIONISTA I - IDENTIFICAÇÃO DA NUTRICIONISTA: Nome: II- DADOS PARA COMPOSIÇÃO DO ACERVO TÉCNICO: CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS

Leia mais

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente.

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente. GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRÍTO SANTO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 1 SESA/ES,

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

GESTÃO DOS SERVIÇOS DE PRONTO SOCORRO

GESTÃO DOS SERVIÇOS DE PRONTO SOCORRO Encontro Nacional UNIMED de Recursos e Serviços Próprios e Jornadas Nacionais UNIMED de Enfermagem e Farmácia Hospitalar GESTÃO DOS SERVIÇOS DE PRONTO SOCORRO Instituto Central do Hospital das Clínicas

Leia mais

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ISQUÊMICO

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ISQUÊMICO 1 ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ISQUÊMICO Sebastião Eurico de Melo-Souza Acidente vascular cerebral (AVC), ou doença vascular encefálica como está se tornando uma preferência recente, é a alteração neurológica

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EXPERIÊNCIAS DE ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE Abordagem integrada na atenção as pessoas com HAS, DM

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana APRESENTAÇÃO Alburex 20: embalagem contendo 1 frasco-ampola com 50 ml de solução hiperoncótica de albumina humana para infusão (20%). VIA INTRAVENOSA

Leia mais

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Dispõe sobre a atuação fonoaudiológica na área hospitalar privada, pública e filantrópica e em atendimento domiciliar e dá outras providências O presente Parecer tem

Leia mais

PROJETO 5S: HOSPITAL AMIGO DO IDOSO

PROJETO 5S: HOSPITAL AMIGO DO IDOSO PROJETO 5S: HOSPITAL AMIGO DO IDOSO Dr. Egídio Lima Dórea São Paulo 2013 INTRODUÇÃO PANORAMA ATUAL BUTANTÃ População atual: 400000 habitantes. População USP: 120000 habitantes. Total a ser abordado: 520000.

Leia mais

Proposta Especialidade NEUROFUNCIONAL segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade NEUROFUNCIONAL segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade NEUROFUNCIONAL segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade É o domínio dos

Leia mais

Doença arterial periférica Resumo de diretriz NHG M13 (segunda revisão, fevereiro 2014)

Doença arterial periférica Resumo de diretriz NHG M13 (segunda revisão, fevereiro 2014) Doença arterial periférica Resumo de diretriz NHG M13 (segunda revisão, fevereiro 2014) Bartelink MEL, Elsman BHP, Oostindjer A, Stoffers HEJH, Wiersma Tj, Geraets JJXR. traduzido do original em holandês

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem. Profa Karina Gomes Lourenço

Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem. Profa Karina Gomes Lourenço Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem Profa Karina Gomes Lourenço Dimensionamento Recrutamento Seleção Avaliação de Desempenho Treinamento e Desenvolvimento Instituições de Saúde Instituições hospitalares

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÁGIO PARA ALUNOS DA UFCSPA

PROGRAMA DE ESTÁGIO PARA ALUNOS DA UFCSPA PROGRAMA DE ESTÁGIO PARA ALUNOS DA UFCSPA 1) Justificativa Os estágios, curriculares ou não, têm a finalidade de proporcionar a complementação da formação universitária e constam de atividades de prática

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) José de Arimatea Barreto Os fenômenos tromboembólicos incidem em 0,2% a 1% durante o ciclo gravídico-puerperal. Metade das tromboses venosas é identificada antes do parto

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM PÓS-GRADUAÇÃO EM SÍNDROME METABÓLICA:

Leia mais

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins

Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Coagulopatia em Obstetrícia Wladimir Correa Taborda Marília da Glória Martins Mecanismos desencadeadores de coagulação intravascular na gravidez Pré-eclâmpsia Hipovolemia Septicemia DPP Embolia do líquido

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Antes mesmo de inaugurar seu hospital, em 1971, a Sociedade já se dedicava ao exercício da responsabilidade social, atendendo crianças carentes da comunidade na área de Pediatria

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 1 A PARTICIPAÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE

Leia mais

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA Conceito Desenvolvimento de hipertensão após a 20ª semana de gestação,

Leia mais

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Protocolo Transfusional do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) Módulo: Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo. 1 Edição,

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Cad. do Menu Cuidados com o Pac. e Campos Complementares. 11.8x. março de 2015. Versão: 2.

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Cad. do Menu Cuidados com o Pac. e Campos Complementares. 11.8x. março de 2015. Versão: 2. TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Cad. do Menu Cuidados com o Pac. e Campos Complementares 11.8x março de 2015 Versão: 2.0 1 Sumário 1 Objetivos... 5 2 Introdução... 5 3 Cadastros Cuidados com o

Leia mais

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS.

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS. ATUAÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA PACIENTES COM DIABETES NA ATENÇÃO BASICA UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 BOEIRA, Giana 2 ; CADÓ, Thaís 3 ; FRIGO, Letícia 4 ; MANFIO, Francieli 5 ; MATTOS, Karen 6 ; PIAIA, Eveline

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROTOCOLOS A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

GERENCIAMENTO DE PROTOCOLOS A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE GERENCIAMENTO DE PROTOCOLOS A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE ÁREA DE ABRANGÊNCIA INFRA-ESTRUTURA E SERVIÇOS UNIDADES DE INTERNAÇÃO UNIDADES DE INTERNAÇÃO... 144 leitos Maternidade VITA...

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Patrick Pedreira Silva patrick.silva@usc.br Universidade Sagrado Coração, Centro de Ciências Exatas

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

Audiologia. SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari

Audiologia. SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari Sessão de pacientes internos Motricidade oral e disfagia (pacientes internados no HU) A

Leia mais

Folheto informativo: Informação para o utilizador. Acarbose Linacal 50 mg Comprimidos Acarbose Linacal 100 mg Comprimidos

Folheto informativo: Informação para o utilizador. Acarbose Linacal 50 mg Comprimidos Acarbose Linacal 100 mg Comprimidos Folheto informativo: Informação para o utilizador Acarbose Linacal 50 mg Comprimidos Acarbose Linacal 100 mg Comprimidos Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois

Leia mais

AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES

AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES MÓDULO I - DIABETES MELLITUS: a dimensão do problema Atualizar conhecimentos na área da diabetes; Sensibilizar para as medidas de prevenção; Adquirir competências

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

Gerenciamento da Desospitalizaçãode Pacientes Crônicos. Palestrante: Enfª Patricia Silveira Rodrigues

Gerenciamento da Desospitalizaçãode Pacientes Crônicos. Palestrante: Enfª Patricia Silveira Rodrigues Gerenciamento da Desospitalizaçãode Pacientes Crônicos Palestrante: Enfª Patricia Silveira Rodrigues WHO Agence de Santé Publique du Canada Preventing Chronic Diseases a vital investment. As doenças crônicas

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

IMPORTANTE: Consulte o edital 01/2015 e suas retificações em www.concursos.ufba.br e observe todas as demais exigências e prazos estabelecidos.

IMPORTANTE: Consulte o edital 01/2015 e suas retificações em www.concursos.ufba.br e observe todas as demais exigências e prazos estabelecidos. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA GABINETE DA REITORIA EDITAL DE INCLUSÃO Nº 4 O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA (UFBA), no uso de suas atribuições estatutárias, tendo em vista

Leia mais

Ficha de Identificação do Paciente (Apenas para uso interno. Esta informação não é para ser incluída no CRF)

Ficha de Identificação do Paciente (Apenas para uso interno. Esta informação não é para ser incluída no CRF) Ficha de Identificação do Paciente (Apenas para uso interno. Esta informação não é para ser incluída no CRF) 1.1 Informação do Paciente Primeiro nome do paciente Último sobrenome do paciente Data de Nascimento

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais