RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO"

Transcrição

1 15.9.7/9 Relatório Planos 8-9. Canas de Senhorim Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim (Cód ) Escola EB 2,3/S Engº Dionísio A. Cunha (Cód ) Canas de Senhorim C/ Conhecimento: Equipa de Apoio às Escolas de Mangualde Ex.mo Senhor Director Regional de Educação do Centro Rua General Humberto Delgado, COIMBRA Sua Referência: Sua Comunicação: Data: Nossa referência: ASSUNTO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO Dando cumprimento ao disposto no ponto 4 do artigo 6º do Despacho Normativo nº 5/25, procedeu este agrupamento em conformidade à avaliação dos Planos de Recuperação / Desenvolvimento / Acompanhamento. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO a) Público-alvo Durante o primeiro período alguns alunos beneficiaram de Planos de Acompanhamento elaborados nas reuniões finais de avaliação do 3º período do ano transacto, mesmo transitando continuaram a apresentar algumas dificuldades de aprendizagem, ou que porque ficaram retidos. Nas reuniões de avaliação do final do 1º período, tendo sido detectados alguns problemas de aproveitamento escolar, implementaram-se Planos de Recuperação aos alunos que revelavam dificuldades de aprendizagem, estando em risco a aquisição de aprendizagens e competências consagradas nos currículos em vigor do ensino básico. Assim, os Conselhos de Turma elaboraram Planos de Recuperação 1

2 para os alunos que não estavam a desenvolver as competências necessárias para prosseguir com sucesso, os estudos no 1º ciclo ou,, no caso dos restantes ciclos do ensino básico, que apresentavam três ou mais níveis inferiores a 3, estando assim o seu sucesso escolar comprometido. Durante a avaliação intermédia realizada no 2º período, todos os alunos que indiciavam igualmente dificuldades de aprendizagem que poderiam comprometer o seu sucesso escolar, foram também submetidos a um Plano de Recuperação. Os dados do Quadro I mostram que no conjunto dos anos (1º ao 9º) foram implementados ao longo do ano lectivo 143 Planos, sendo 3 Planos de Recuperação e 4 Planos de Acompanhamento. Quadro I Planos de Recuperação (PR) / Acompanhamento (PA) por ano/turma e momento de elaboração Turma A B C D Total PR PR PR PR PA PA PA PA Ano 1º 2º 1º 2º 1º 2º 1º 2º PR PA 1º (*) º (*) 7 7 3º (*) º (*) º º º º º Total (*) Consideram-se para estes anos o número de alunos com Plano nas várias escolas de 1º Ciclo do Agrupamento. De acordo com o Quadro II e Figuras 1, 2 e 3 podemos constatar que no 1º ciclo foi elaborado um maior número de Planos no 2º ano 17 (28;8%), dos quais são de Recuperação e 7 de Acompanhamento, seguindo-se o 3º ano com 11 planos (22,4%), dos quais 9 são de Recuperação e 2 de Acompanhamento. Relativamente ao 2º ciclo destaca-se o 6º C com 8 Planos (42,1%), sendo todos de Recuperação. No 3º ciclo é de salientar a turma A do 7º ano, com 7 alunos (77,8%), dado tratar-se de uma turma de Percurso Alternativo, evidenciando os alunos grandes dificuldades de aprendizagem, pelo que foram levados a cabo todos os esforços no sentido de permitir aos alunos adquirir as competências essenciais previstas no seu plano de estudo. Destacam-se ainda as turmas A e B do 9º ano, respectivamente com (62,5%) e 11 (61,1%) Planos, sendo todos eles de Recuperação à excepção de um Plano de Acompanhamento do 9º A. 2

3 Quadro II Planos de Recuperação/Acompanhamento por ano/turma Ano e/ou Total de Alunos da Turma Alunos c/ Plano Alunos c/ Plano Recuperação Alunos c/ Plano Acompanhamento Turma Nº Nº % Nº % Nº % 1º ,3 9 17,3, 2º ,8 16,9 7 11,9 3º ,4 9 18,4 2 4,1 4º ,8 6 15,8, 5ºA 3 3, 3 3,, 5ºB ,2 4 22,2, 5ºC ,3 5 26,3, 5ºD ,3 2,5 3 15,8 6ºA ,3 3 27,3, 6ºB 2 6 3, 5 25, 1 5, 6ºC ,1 8 42,1, 7ºA ,8 7 77,8, 7ºB ,5 8 33,3 1 4,2 7ºC ,3, 1 8,3 8ºA ,5 3 37,5, 8ºB ,7, 7 46,7 8ºC ,2, 6 46,2 8ºD ,8, 7 43,8 9ºA 16 62,5 9 56,3 1 6,3 9ºB , ,1, 9ºC ,7 1 7,1 4 28, Nº alunos º 2º 3º 4º Total Alunos Ano Alunos c/ Plano Alunos c/ Plano Recuperação Alunos c/ Plano Acompanhmento Figura 1 Planos de Recuperação/Acompanhamento no 1º ciclo por ano (1º, 2º, 3º e 4º anos) 3

4 Nº Alunos 3 2 5º 6º 7º 8º 9º Total Alunos Ano Alunos c/ Plano Alunos c/ Plano Recuperação Alunos c/ Plano Acompanhamento Figura 2 - Planos de Recuperação/Acompanhamento no 2ºe 3º ciclos por ano (5º, 6º, 7º, 8º e 9º anos) 25 2 Nº alunos ºA 5ºB 5ºC 5ºD 6ºA 6ºB 6ºC 7ºA 7ºB 7ºC 8ºA 8ºB 8ºC 8ºD 9ºA 9ºB 9ºC Total Alunos Turma Alunos c/ Plano Alunos c/ Plano Recuperação Alunos c/ Plano Acompanhamento Figura 3 Planos de Recuperação/Acompanhamento por ano/turma (2º e 3º ciclo) Observando o Quadro III e as Figuras 4 e 5, verificámos que se destaca o 3º ciclo com um maior número de Planos (66 45,5%), sendo 39 Planos de Recuperação (26;9%) e 27 Planos de Acompanhamento (18,6%). 4

5 Quadro III Planos de Recuperação/Acompanhamento por ciclo Ciclo Total de Alunos da Turma Alunos c/ Plano Alunos c/ Plano Recuperação Alunos c/ Plano Acompanhamento Nº Nº % Nº % Nº % 1º Ciclo , ,2 9 4,5 2º Ciclo ,3 3 25,9 4 3,4 3º Ciclo , , , Nº Alunos º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Total Alunos Ciclo Alunos c/ Plano Recuperação Alunos c/ Plano Alunos c/ Plano Acompanhamento Figura 4 Planos de Recuperação/Acompanhamento por ciclo % Alunos 5, 45, 4, 35, 3, 25, 2, 15,, 5,, 1º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Alunos c/ Plano Alunos c/ Plano Recuperação Alunos c/ Plano Acompanhamento Figura 5 Planos de Recuperação/Acompanhamento por ciclo (%) 5

6 O total de Planos elaborados (143) representa cerca de 31,2% do número total de alunos do ensino básico regular (459 alunos). No geral, trata-se de alunos que apresentam dificuldades a nível da leitura, expressão escrita, relacionação, compreensão/interpretação, aplicação de conhecimentos, no raciocínio lógico e/ou abstracto, cálculo mental, resolução e relacionamento de dados. Estas dificuldades agravam-se com a falta de atenção e concentração, de empenho, de organização e hábitos e métodos de trabalho, autonomia, e, pontualmente, por alguma falta de assiduidade e pelo registo de comportamentos inadequados à sala de aula, perturbando o normal funcionamento das actividades de ensino e aprendizagem. O elevado número de Planos verificado no 9º ano (26 alunos com Plano num total de 48 54,2%) traduz o facto de os alunos ficarem retidos neste ano de escolaridade se registarem nível inferior a 3 simultaneamente às disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática, tratando-se de disciplinas em que os alunos revelam sistematicamente dificuldades. Todos os Planos de Recuperação/Acompanhamento foram apresentados à Direcção Executiva e dados a conhecer pelos Directores de Turma aos Encarregados de Educação e Alunos. Quer os Encarregados de Educação quer os Alunos participaram na elaboração dos referidos Planos, procedendo-se de imediato à sua implementação. Ao longo do ano, em diversos momentos, fez-se uma avaliação das medidas implementadas e dos resultados obtidos, adequando-se sempre que necessário as estratégias utilizadas e consequentemente procedendo-se à reelaboração dos Planos. b) Recursos mobilizados Tendo em atenção as dificuldades diagnosticadas, procurou-se mobilizar todos os recursos humanos e materiais disponíveis no Agrupamento, nomeadamente os Professores de Língua Portuguesa, Matemática e Inglês para leccionarem aulas de apoio para os alunos que revelaram mais dificuldades nestas áreas. Tratando-se de áreas onde as lacunas dos alunos são grandes, a que acresce o facto de a Língua Portuguesa condicionar muitas vezes as aprendizagens nas restantes disciplinas, considerou-se importante reforçar o tempo dedicado a estas áreas, sendo que as dificuldades ao nível da interpretação, compreensão, expressão escrita e raciocínio foram bastante referidas. Acresce ainda o facto de todos os Professores dos diferentes Conselhos de Turma se encontrarem mobilizados, praticando sempre que possível uma pedagogia diferenciada e/ou um ensino mais individualizado. Os Directores de Turma tiveram igualmente um papel importante, estabelecendo o contacto com os Encarregados de Educação, de forma a haver também um envolvimento destes no sucesso escolar dos seus educandos. 6

7 Sempre que houve necessidade também se recorreu quer às Professoras do Apoio Educativo, quer à Psicóloga Escolar. c) Modalidades adoptadas Na sequência do que foi referido anteriormente, integraram-se nos Planos de Recuperação/Acompanhamento as seguintes modalidades: pedagogia diferenciada na sala de aula e/ou ensino individualizado sempre que os conteúdos a leccionar e o número de alunos permitiu; programas de tutoria para apoio a estratégias de estudo e orientação e aconselhamento do aluno; aulas de apoio às disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática e Inglês (todas as turmas do 5º ao 9º ano tiveram aulas de apoio às disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática e Inglês e, no caso das turmas do 1º ciclo, os alunos com Plano tiveram também um apoio/reforço nas disciplinas de Língua Portuguesa e de Matemática, de acordo com as dificuldades dos alunos) e actividades de compensação/recuperação no âmbito das diferentes disciplinas, quer nas aulas curriculares disciplinares quer no Estudo Acompanhado, onde também foram abordados métodos de estudo e de organização do trabalho, assim como em algumas aulas de substituição em que o professor da turma deixou um Plano de Aula, indicando as actividades a desenvolver com os alunos. Ainda no âmbito do Plano de Acção da Matemática e do Plano Nacional de Leitura, desenvolveram-se igualmente actividades que procuraram ajudar os alunos a superar as suas dificuldades e contribuir assim para o seu sucesso escolar. Os programas de tutoria foram implementados essencialmente no 2º ciclo (5 alunos 2 no 5º ano e 3 no 6º ano), em que os alunos eram apoiados semanalmente na organização dos cadernos diários, bem como no esclarecimento de dúvidas em algumas disciplinas. Acresce que em todas as actividades se procurou sempre relembrar os alunos para a importância de estarem mais atentos e concentrados nas aulas e em todos os momentos procurou-se sempre incentivar os alunos a ultrapassarem as suas dificuldades e a melhorarem os seus resultados, estando os reforços positivos sempre presentes. Os recursos mobilizados e as modalidades principais de recuperação adoptadas constam do Quadro IV. 7

8 Quadro IV - Recursos Humanos envolvidos e modalidades adoptadas Ciclos 1º CEB Turmas 7 (turmas puras) + 6 (grupos mistos, com mais de 1 ano de escolaridade) Nº total de Nº Aulas de apoio Nº Prof. Nº Professores Prof. semanal/ enriquecimento envolvidos na do apoio titulares de à turma, integradas no Sala de educativo / turma horário da turma e do Estudo ensino especial professor Nº Prof. envolvidos em apoios específicos a alunos ( Prof. ens regular) 2º Ciclo º Ciclo (7 a P+ 1.; 7 a M+ 2 e 7 a I+ 3, cobrindo as 7 turmas do 2ºCEB) 3 (Apoios a Port, Mat e Ing em todas as turmas Ens. Bas) (+ 6 grupos TOTAL mistos) d) Resultados alcançados Dos 143 alunos com Plano de Recuperação/Acompanhamento, 123 (86%) transitaram de ano e 2 (14%) ficaram retidos. Se considerarmos apenas os Planos de Recuperação a taxa de sucesso ronda os 81,5% (dos 3 alunos com Plano de Recuperação, 84 transitaram e 19 ficaram retidos - 18,5%). Quanto aos Planos de Acompanhamento (4) a taxa de sucesso foi praticamente % (97,5%), dado que apenas um aluno com Plano de Acompanhamento ficou retido. De acordo com o Quadro V e Figuras 6 e 7 podemos ver que por ano de escolaridade (nível de ensino), no 1º, 4º, 5º e 8º ano, todos os alunos que beneficiaram de Plano de Recuperação/Acompanhamento 1 P+ - Aula suplementar a Português, com o Prof. titular da turma e integrada na componente não lectiva, para apoio aos alunos que revelem maiores problemas de aprendizagem /recuperação. Sempre encaixada nos extremos da grelha escolar 2 M+ - - Aula suplementar a Matemática, com o Prof. titular da turma e integrada na componente não lectiva, para apoio aos alunos que revelem maiores problemas de aprendizagem /recuperação. Sempre encaixada nos extremos da grelha escolar 3 I+ - - Aula suplementar a Inglês, com o Prof. titular da turma e integrada na componente não lectiva, para apoio aos alunos que revelem maiores problemas de aprendizagem /recuperação. Sempre encaixada nos extremos da grelha escolar 4 Alguns Prof. do 2º e 3ºCEB são comuns, leccionando nos dois ciclos, pelo que o nº total não corresponde à soma dos prof. dos dois ciclos 5 No total o agrupamento contou com 6 prof. de Ed. Especilal (dois dos quais adstritos à unidade de alunos deficientes de espectro autista sala teacch) e um professor do Ap. Sócio-educativo 8

9 transitaram, pelo que a taxa de eficácia dos Plano foi %. A menor eficácia verificou-se no 2º ano, uma vez que dos 17 alunos com Plano ( Planos de Recuperação e 7 Planos de Acompanhamento), 7 alunos ficaram retidos. De salientar que eram alunos que beneficiaram de Plano de Recuperação. Os 7 alunos que usufruíram de Plano de Acompanhamento neste nível de ensino transitaram. Quadro V - Resultados alcançados por ano Ano/Turma Alunos c/ Plano Recuperação Alunos c/ Plano Acompanhamento Outros percursos T NT T NT Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº (*) % 1º 9 17,3 9 17,3,,,,, 2º 16,9 3 5,1 7 11,9 7 11,9 7 11,9,, 3º 9 18,4 6 12,2 3 6,1 2 4,1 2 4,1,, 4º 6 15,8 6 15,8,,,,, 5º 14 21, ,2, 3 4,5 3 4,5,, 6º 16 32, 12 24, 4 8, 1 2, 1 2,,, 7º 15 33, ,9 2 4,4 2 4,4 1 2,2 1 2,2 3 6,7 8º 3 5,8 3 5,8, 2 38,5 2 38,5, 9 17,3 9º 21 43, ,5 3 6,3 5,4 5,4, 1 2,1 (*) CEF Nº Alunos º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º Alunos c/ Plano Transitaram Retidos Figura 6 Resultados alcançados por ano 9

10 6, 5, 4, % Alunos 3, 2,,, 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º Alunos c/ Plano Transitaram Retidos Figura 7 Resultados alcançados por ano (%) Por turma, verificou-se uma maior eficácia dos Planos na turma A do 7º ano e nas turmas A e B do 9º ano De salientar que o 7ºA uma turma de Percurso Curricular Alternativo (Quadro VI e Figuras 8 e 9). Quadro VI - Resultados alcançados por ano/turma Ano/Turma Alunos c/ Plano Recuperação Alunos c/ Plano Acompahamento Outros percursos Transitaram Retidos Transitaram Retidos Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº (*) % 1º 9 17,3 9 17,3,,,,, 2º 16,9 3 5,1 7 11,9 7 11,9 7 11,9,, 3º 9 18,4 6 12,2 3 6,1 2 4,1 2 4,1,, 4º 6 15,8 6 15,8,,,,, 5ºA 3 3, 3 3,,,,,, 5ºB 4 22,2 4 22,2,,,,, 5ºC 5 26,3 5 26,3,,,,, 5ºD 2,5 2,5, 3 15,8 3 15,8,, 6ºA 3 27,3 3 27,3,,,,, 6ºB 5 25, 3 15, 2, 1 5, 1 5,,, 6ºC 8 42,1 6 31,6 2,5,,,, 7ºA 7 77,8 6 66,7 1 11,1,,, 1 11,1 7ºB 8 33,3 7 29,2 1 4,2 1 4,2, 1 4,2 2 8,3 7ºC,,, 1 8,3 1 8,3,, 8ºA 3 37,5 3 37,5,,,, 8, 8ºB,,, 7 46,7 7 46,7, 1 6,7 8ºC,,, 6 46,2 6 46,2,, 8ºD,,, 7 43,8 7 43,8,, 9ºA 9 56,3 8 5, 1 6,3 1 6,3 1 6,3, 1 6,3 9ºB 11 61,1 9 5, 2 11,1,,,, 9ºC 1 7,1 1 7,1, 4 28,6 4 28,6,, (*) CEF

11 Nº Alunos º 2º 3º 4º 5ºA 5ºB 5ºC 5ºD 6ºA 6ºB 6ºC 7ºA 7ºB 7ºC 8ºA 8ºB 8ºC 8ºD 9ºA 9ºB 9ºC Alunos c/ Plano Transitaram Retidos Figura 8 Resultados alcançados por ano/turma % Alunos 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2,,, 1º 2º 3º 4º 5ºA 5ºB 5ºC 5ºD 6ºA 6ºB 6ºC 7ºA 7ºB 7ºC 8ºA 8ºB 8ºC 8ºD 9ºA 9ºB 9ºC Alunos c/ Plano Transitaram Retidos Figura 9 Resultados alcançados por ano/turma (%) A nível de ciclo, podemos observar no Quadro VII e nas Figuras e 11, que na generalidade dos ciclos os planos foram eficazes. O maior número de retenções foi no 2º ciclo (2º ano), facto que resulta de alguns alunos transitarem para o 2º ano sem terem adquiridos as competências básicas que lhes permitam acompanhar o Plano de Estudos do 2º ano. 11

12 Quadro VII - Resultados alcançados por ciclo Relatório Planos 8-9. Canas de Senhorim Ciclo Alunos c/ Plano Recuperação Alunos c/ Plano Acompanhamento Outros percursos Transitaram Retidos Transitaram Retidos Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº (*) % 1º 34 17, ,1 5,1 9 4,5 9 4,5,, 2º 3 25, ,4 4 3,4 4 3,4 4 3,4,, 3º 39 26, ,4 5 3, , ,9 1,7 13 9, (*) CEF Nº Alunos º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Alunos c/ Plano Transitaram Retidos Figura - Resultados alcançados por ciclo (Nº) % Alunos 5, 45, 4, 35, 3, 25, 2, 15,, 5,, 1º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Alunos c/ Plano Transitaram Retidos Figura 11 - Resultados alcançados por ciclo (%) Os resultados do sucesso alcançado devem ser entendidos no quadro do empenhamento e esforço dos alunos em ultrapassar as dificuldades, participando activamente nas tarefas propostas, revelando sempre interesse e tendo sido assíduos. 12

13 Os alunos retidos apresentaram problemas ao nível da atenção, concentração, organização, hábitos e métodos de trabalho. Também manifestaram dificuldades ao nível da interpretação, compreensão, expressão oral e escrita, cálculo mental e escrito, raciocínio lógico e resolução de problemas. Acresce igualmente que a falta de maturidade observada em alguns alunos (particularmente ao nível do 1º ciclo), a irrequietude, a pouca persistência e responsabilidade nem sempre cumprindo as regras definidas e o não se fazerem acompanhar do material necessário, assim como a falta de estudo são também aspectos registados nestes alunos. Tratou-se ainda de alunos que não realizavam as tarefas propostas, quer na aula quer em casa, acrescida de alguma falta de assiduidade, evidenciando por vezes atitudes pouco adequadas no contexto da sala de aula. Mostraram também grande desinteresse pela escola e pontualmente não se reviam no plano de estudos, estando mais motivados para cursos com uma vertente mais prática e aplicada. Para todos os alunos retidos foram elaborados Relatórios onde constam as competências não adquiridas e Planos de Acompanhamento a implementar no próximo ano lectivo. Elaboraram-se ainda Planos de Acompanhamento para alguns alunos, que apesar de terem transitado de ano, ainda revelam dificuldades, devendo por conseguinte ter desde o início do próximo ano lectivo um acompanhamento diferenciado para que consigam acompanhar os currículos do novo nível de ensino. No total foram elaborados 28 Planos de Acompanhamento para implementar no próximo ano lectivo (Quadro VIII), sendo que 2 correspondem a alunos que ficaram retidos e 8 a alunos que transitaram, mas que apresentam dificuldades. É de salientar que nenhum aluno que não usufruiu de Plano de Recuperação/Acompanhamento ficou retido. Quadro VIII Alunos com Plano de Acompanhamento em 9/ Ano Alunos c/ Plano Acompanhamento 9/ 6º 4 7º 5 8º 5 9º 14 Total 28 Tendo em atenção os interesses manifestados por alguns alunos do 3º ciclo, estes foram encaminhados para outros percursos formativos, nomeadamente 13 alunos que irão integrar uma turma de um Curso de Educação e Formação (Quadro VI e Figuras 12 e 13). Destes 13 alunos, 8 formavam a turma A do 8º ano, que sendo uma turma de Percurso Alternativo e tendo todos os alunos transitados para o 9º ano, estes mostraram interesse em frequentar no próximo ano lectivo um curso CEF de Tipo 3 (ou seja com duração de uma ano), ficando simultaneamente com o 9º ano e com uma certificação profissional. 13

14 Nº Alunos º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Alunos Outros Percursos Formativos (CEF) Figura 12 Alunos encaminhados para outros percursos formativos (PIEF; CEF; PCA) Nº % Alunos, 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, 1,, 1º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Alunos Outros Percursos Formativos (CEF) Figura 13 Alunos encaminhados para outros percursos formativos (PIEF; CEF; PCA) - % Como notas finais destacamos o facto da elaboração de Planos de Recuperação e de Acompanhamento se ter traduzido num elevado número de alunos que transitaram de ano, o que significa que as estratégias de ensino e aprendizagem postas em execução foram as mais adequadas atendendo às características dos alunos da escola. De salientar o empenho dos professores em acompanhar o ritmo de aprendizagem dos alunos, procurando responder sempre às suas necessidades específicas mas cumprindo sempre as orientações curriculares. 14

15 Também deve ser destacado o importante papel desempenhado pelos Directores de Turma na implementação coordenada dos Planos, mantendo sempre um diálogo efectivo entre todos os intervenientes do processo educativo, essencial ao sucesso escolar. Por último é de sublinhar o empenho da Direcção da escola em propiciar todas as condições para o sucesso educativo, particularmente nas aulas de apoio a todas as turmas do ensino básico, às disciplinas de português, matemática e inglês, em grelha horária marginal (inicio ou fim dos turnos escolares) Canas de Senhorim, 27 de Julho de 29 A Coordenadora dos Directores Turma do Ens. Básico O Director do Agrupamento (Mª Conceição Fernandes) (António José Rodrigues Cunha) 15

Relatório das Aulas de Apoio 1º Período 14/15

Relatório das Aulas de Apoio 1º Período 14/15 Relatório das Aulas de Apoio 1º Período 14/15 Aulas de Apoio 1º Ciclo 2 Na generalidade, os alunos do 1º ciclo, revelaram maiores dificuldades a Português e a Matemática, nomeadamente no cálculo mental

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES (401547) ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES MATEMÁTICA 1º Período 2012/2013 Análise efectuada em reunião da Área Disciplinar de Matemática

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha. Regulamento Da FCT

Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha. Regulamento Da FCT Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha Regulamento Da FCT (Formação Prática em Contexto de Trabalho) Cursos de Educação

Leia mais

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Programa de Apoio Educativo Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Ano Letivo 2013/2014 Índice 1- Fundamentação Legal 2 2- Definição de Programa de Apoio Educativo 2 3- Finalidades. 2 4- Destinatários.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Melgaço

Agrupamento de Escolas de Melgaço Cod. 345921 ESCOLA E.B. 2, 3/S DE MELGAÇO SEDE DE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Direcção Regional de Educação do Norte Agrupamento de Escolas de Melgaço Educação Especial Decreto Lei 3/2008 Decreto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

Aprender a Estudar 2013/2014

Aprender a Estudar 2013/2014 Aprender a Estudar 2013/2014 Enquadramento O projeto Aprender a estudar, implementado no Agrupamento de Escola Vale Aveiras no ano letivo de 2011/2012, surgiu então, tal como procura agora, operacionalizar

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo Critérios de Avaliação 1º Ciclo 2015/2016 Critérios de Avaliação do 1º ciclo Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada ciclo de ensino têm como referência os conteúdos

Leia mais

PROJECTO CURRICULAR 1

PROJECTO CURRICULAR 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI GONÇALO DE AZEVEDO PROJECTO CURRICULAR 1 Documento de orientação e organização pedagógica para o ano letivo 2013/14 Aprovado em Conselho Pedagógico 3 Julho 2013 1 O Projecto

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 O apoio educativo abrange todos os ciclos, níveis de ensino e cursos do Agrupamento. No 1.º e 2.º ciclos o apoio educativo é

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 (Aprovados após o parecer favorável do Conselho Pedagógico, de acordo com o Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de abril) Pré-escolar As principais

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 1-Introdução Atendendo ao estipulado no despacho normativo n.º7/2013 de 11

Leia mais

Análise dos Resultados Escolares 2º Período 2011/2012

Análise dos Resultados Escolares 2º Período 2011/2012 Análise dos Resultados Escolares 2º Período 2011/2012 Neste documento é feita a análise da avaliação trimestral das aprendizagens dos alunos, tendo como base o segundo período escolar. Resultados da Avaliação

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo / Estabelecimento de Ensino: Agrupamento de Escolas: Nome: Data de Nascimento: Morada: Telefone: Nível de Educação ou Ensino: Pré-Escolar 1ºCEB 2º CEB 3ºCEB E.

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PRINCÍPIOS GERAIS APLICÁVEIS: Todos os portugueses têm direito à Educação e à Cultura, nos termos da Constituição Portuguesa

Leia mais

Impacto das Atividades nos resultados escolares

Impacto das Atividades nos resultados escolares Impacto das Atividades nos resultados escolares O Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro (AEVP) sistematiza e analisa os resultados relativos ao desempenho escolar dos alunos no ano letivo que agora

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) (Anexo à ata nº 4, da reunião de 07-03-2014) A. LEITURA GLOBAL DOS

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010 Portaria n.º /2010 Considerando a experiência obtida pela implementação do Programa Oportunidade, Sub- Programas Integrar e Profissionalizante, enquanto programas específicos de recuperação da escolaridade,

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas Diogo Cão Vila Real Escola EB 2.3 Diogo Cão Direção Regional de Educação do Norte.

Agrupamento Vertical de Escolas Diogo Cão Vila Real Escola EB 2.3 Diogo Cão Direção Regional de Educação do Norte. Relatório de Ação Ano Letivo 2011/2012 DESENVOLVIMENTO DA AÇÃO DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: (+) Aprendizagem RESPONSÁVEIS: MARIA LUÍSA PIPA LOCAL: ESCOLAS EB 2.3 DIOGO CÃO GRUPO DA AÇÃO: Apoio à Melhoria das Aprendizagens

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL * * * Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE GRELHA DE OBJECTIVOS INDIVIDUAIS DO PESSOAL DOCENTE (Decreto Regulamentar Nº 2/2008, de 10 de Janeiro) Identificação

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE ÍNDICE 1. Introdução 2. O Agrupamento 2.1 População Escolar (número de alunos por estabelecimento de ensino) 2.2 Recursos Humanos

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Índice Introdução 3 Artigo 1.º - Enquadramento 3 Artigo 2.º - Período de funcionamento/instalações 4 Artigo 3.º - Normas de inscrição/funcionamento

Leia mais

CÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO RESULTADOS ESCOLARES E ESTRATÉGIAS DE MELHORIA NO ENSINO BÁSICO

CÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO RESULTADOS ESCOLARES E ESTRATÉGIAS DE MELHORIA NO ENSINO BÁSICO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO RESULTADOS ESCOLARES E ESTRATÉGIAS DE MELHORIA NO ENSINO BÁSICO Relatório 2007-2008 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Resultados Escolares e Estratégias de Melhoria no

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Grupo de Educação Especial: Carla Ricardo Torres Isabel Barros Vilaça Lúcia Marques Silva Marta Isabel Rosas Setembro

Leia mais

Relatório Final de Actividade. Ano Lectivo 2010/2011

Relatório Final de Actividade. Ano Lectivo 2010/2011 Relatório Final de Actividade Ano Lectivo 2010/2011 A) DESENVOLVIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNAÇÃO: (+) APOIAR_MEDIAÇÃO DE CONFLITOS RESPONSÁVEIS: LICÍNIO PEREIRA E MARTHA FERNANDES LOCAL: ESCOLA EB 2,3 DIOGO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO CEBE Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE Introdução 3 Pag 1 Regime de funcionamento 4 1.1 Horário 5 1.2 Acesso, circulação e saída da CEBE 6 2 Estrutura Pedagógica e Administrativa

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Barroselas

Agrupamento Vertical de Escolas de Barroselas REGULAMENTO DA FORMAÇÃO PRÁTICA EM CONTEXTO DE TRABALHO Curso de Educação e Formação (CEF) Práticas Administrativas Certificação Escolar e Profissional 9.º Ano Qualificação de Nível 2 Tipo 3 ELEMENTOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO 170719 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010 8.2 Do requerimento devem constar os seguintes elementos: a) Identificação completa (nome, filiação, naturalidade, data de nascimento,

Leia mais

ESTATUTO DO ALUNO. Exmos.(as) Senhores(as) Professores(as)

ESTATUTO DO ALUNO. Exmos.(as) Senhores(as) Professores(as) ESTATUTO DO ALUNO Exmos.(as) Senhores(as) Professores(as) A educação, em Portugal, passou por momentos de enorme conflitualidade. Os resultados práticos de uma política de confronto estão infelizmente

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico 1. Enquadramento legal da avaliação - Decreto-Lei 138/2012,

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Ano letivo 2012/2013 Critérios de Avaliação do 1º CEB 1- Introdução Tal como o disposto no nº 1 do art. 23º do Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, a avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período -

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO 2014-2015 Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - Índice 1 Introdução... 3 2 Cumprimento das atividades propostas... 4 3 Proponentes e destinatários das atividades...

Leia mais

Nível Secundário e Nível 3 de Formação (S 3 ) Regimento Interno. Curso de Educação e Formação de Adultos E.F.A.

Nível Secundário e Nível 3 de Formação (S 3 ) Regimento Interno. Curso de Educação e Formação de Adultos E.F.A. Regimento Interno Curso de Educação e Formação de Adultos E.F.A. Artigo 1º Assiduidade 1. A assiduidade dos formandos dos cursos E.F.A. obedece ao estipulado no artigo 22.º, da Portaria 230/2008 de 7 de

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3)

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) 3.4 Compete ao director pedagógico, consultados os encarregados de educação, decidir sobre a data exacta do início das actividades lectivas

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO Ano Letivo 2015-2016 ÍNDICE ÍNDICE 2 CAPÍTULO I 3 (Introdução) 3 CAPÍTULO II 3 (Objetivos) 3 CAPÍTULO III 4 (Destinatários) 4 CAPÍTULO IV

Leia mais

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo APÊNDICE I Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos Actividades Outubro Estabelecer um horário semanal de estudo Fazer cumprir o horário semanal de estudo Verificar diariamente

Leia mais

Normas de Funcionamento da Sala de Estudo da Escola Secundária de Alves Redol

Normas de Funcionamento da Sala de Estudo da Escola Secundária de Alves Redol Normas de Funcionamento da Sala de Estudo da Escola Secundária de Alves Redol 1 I Disposições gerais Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo Artigo 1º Âmbito 1 O presente documento estabelece

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Colégio da Imaculada Conceição

Colégio da Imaculada Conceição AVALIAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO 2014/15 Resultados da avaliação (taxas de não transição/ não conclusão, em percentagem) Proposta do PDC Ano 09/10* 10/11* 11/12* 12/13 13/14 14/15 5.º

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO Relatório 2009-2010 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino

Leia mais

ESCOLA E.B. 2/3 DE REAL

ESCOLA E.B. 2/3 DE REAL ESCOLA E.B. 2/3 DE REAL ABAIXO-ASSINADO Pugnando por um sistema de avaliação mais justo, equilibrado e adequado à realidade do nosso sistema de ensino, os professores abaixoassinados, após análise detalhada

Leia mais

Estatuto do Aluno e Ética Escolar/Regulamento Interno

Estatuto do Aluno e Ética Escolar/Regulamento Interno Estatuto do Aluno e Ética Escolar/Regulamento Interno F A L T A S JUSTIFICADAS (ver Lei n.º 51/2012, de 5 de setembro) INJUSTIFICADAS Medidas de recuperação das aprendizagens (artigo 16.º) (professor da

Leia mais

OBSERVATÓRIO INTERNO DOS RESULTADOS ESCOLARES

OBSERVATÓRIO INTERNO DOS RESULTADOS ESCOLARES AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO Ano Lectivo 2009/2010 OBSERVATÓRIO INTERNO DOS RESULTADOS ESCOLARES Portefólio de Avaliação Sumativa Interna/ Externa De nada vale pensar, é preciso reflectir primeiro! (Pierre

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

2013/14 REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

2013/14 REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS 2013/14 REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS PARTE I... 1 PREÂMBULO... 1 LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA... 1 CAPÍTULO I... 1 FUNCIONAMENTO GERAL... 1 Artigo 1º... 1 Contextualização... 1 Artigo 2º... 1 Plano de

Leia mais

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS Caráter holístico e contextualizado do processo de desenvolvimento e aprendizagem da criança; Coerência entre os processos de avaliação e os princípios subjacentes

Leia mais

APPDA-Setúbal. Educação

APPDA-Setúbal. Educação APPDA-Setúbal Educação Enquadramento Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade do ensino. Um aspeto

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA Critérios e procedimentos de avaliação Aprovado na reunião do Conselho Pedagógico de 24 de setembro de 2013 Página 1 de 28 CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. CORREIA MATEUS RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO Realizada a Avaliação Externa nos dias 17 a 20 de fevereiro de 2014,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES HORÁRIO DA TURMA 1ºA2

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES DE MAGALHÃES HORÁRIO DA TURMA 1ºA2 HORÁRIO DA TURMA 1ºA2 ESTUDO DO MEIO PORTUGUÊS MATEMÁTICA ESTUDO DO MEIO MATEMÁTICA MATEMÁTICA ESTUDO DO MEIO ESTUDO DO MEIO PORTUGUÊS MÚSICA AFD MÚSICA INGLÊS INGLÊS HORÁRIO DA TURMA 1ºB2 MATEMÁTICA PORTUGUÊS

Leia mais

APRENDER A ESTUDAR Ano letivo 2011/2012 0

APRENDER A ESTUDAR Ano letivo 2011/2012 0 APRENDER A ESTUDAR Ano letivo 2011/2012 0 O Projeto Contextualização Nos diversos momentos de avaliação inerentes à vida escolar do Agrupamento, tem vindo a ser apontada, como principal causa para o insucesso

Leia mais

Ensino secundário. Decreto-Lei n 42/03/20 de 20 de Outubro

Ensino secundário. Decreto-Lei n 42/03/20 de 20 de Outubro Sistema de avaliação Ensino secundário Decreto-Lei n 42/03/20 de 20 de Outubro Decreto-Lei n 42/03/20 de 20 de Outubro Lei de Bases do Sistema Educativo-Lei nº 103/III/90, de 29 de Dezembro, na nova redacção

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar

AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar AVALIAÇÃO INTERNA Aferição e análise dos resultados, propostas e medidas a implementar A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e A r a d a s A n o s l e c t i v o s 2 0 0 7 / 2 0 0 8 2 0 0 8 / 2 0 0

Leia mais

CONCLUSÕES. 2. Funcionamento do Núcleo de Educação Especial

CONCLUSÕES. 2. Funcionamento do Núcleo de Educação Especial CONCLUSÕES Analisados os documentos considerados necessários, ouvidos docentes, encarregado de educação e órgão de administração e gestão, e após a observação directa dos apoios prestados, concluiu-se

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

PLANO ACÇÃO TUTORIAL

PLANO ACÇÃO TUTORIAL (Turma C340- B -Grupo de Trabalho da Escola EB 2/3 de Perafita) PLANO PLANO DE ACÇÃO TUTO DE ACÇÃO TUTORIAL DOCUMENTO ORIENTADOR TRABALHO REALIZADO NO ÂMBITO DA OFICINA DE FORMAÇÃO: O Papel Do Tutor Na

Leia mais

2014 / 2015. Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro

2014 / 2015. Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 2014 / 2015 O projecto Metas de Aprendizagem insere-se na Estratégia Global de Desenvolvimento do Currículo Nacional que visa assegurar uma educação de qualidade e melhores resultados escolares nos diferentes

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL ANEXOS 1 Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL - Saber se a escola contempla o Programa de Transição para a Vida Activa e identificar as características do Programa; 1 -

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO 2008/2009 A avaliação é um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certifica as aquisições realizadas pelos/as alunos/as. Na avaliação

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURALHAS DO MINHO, VALENÇA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2013/2014 Equipa de auto-avaliação 10-07-2014 (Critério 9 Desempenho-Chave) INDÍCE INTRODUÇÃO... 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA Departamento do 1ºCiclo PLANO DE TURMA Ano Turma Plano de Turma 1º Ciclo Ano Letivo 20 /20 Índice Introdução 1. Caracterização da turma 1.1. Caracterização dos

Leia mais